SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
31/08/2020
INDÚSTRIA
Indústria é a concentração das atividades produtivas destinadas
a transformar matéria-prima em mercadorias para os mais diferentes
consumos. Sua importância é tão grande nos dias atuais que quase tudo o
que consumimos e utilizamos é processado ou produzido pela indústria.
Evolução da Indústria
A evolução histórica da indústria pode ser reconhecida em três estágios: o
artesanato, a manufatura e a maquinofatura.
Artesanato – estágio em que o produtor (artesão) executa sozinho
todas as fases da produção e até mesmo a comercialização do produto.
O modo de produzir artesanal prevaleceu até por volta do século XVII,
mas ainda pode ser encontrado em vários países do mundo.
Manufatura – nessa fase, já ocorria divisão do trabalho, onde cada
operário realizava uma tarefa ou se responsabilizava por parte da
produção. Embora já houvesse o emprego de máquinas simples, a
produção dependia fundamentalmente do trabalho manual.
O estágio da manufatura corresponde, de modo geral, à transformação do
artesão em assalariado. A manufatura caracterizou a fase inicial do
capitalismo, nos séculos XVII e meados do século XVIII.
Apesar do termo manufatura, corresponder ao segundo estágio da
evolução da indústria, ele é empregado também para designar os
produtos industrializados (manufaturados).
Maquinofatura – é o processo iniciado no século XVIII com a Revolução
Industrial. Caracteriza-se pelo emprego maciço de máquinas e fontes de
energia como o carvão mineral e o petróleo, produção em larga escala,
grande divisão e especialização do trabalho.
Durante a Primeira Revolução Industrial, a mecanização se estendeu do
setor têxtil para a metalurgia e as fábricas empregavam grande número
de trabalhadores.
A partir do final do século XIX, período conhecido como Segunda
Revolução Industrial, com o uso de novas tecnologias, o mundo todo
passou a comprar e utilizar produtos industrializados e fabricados nos
grandes centros.
Nesse período as grandes indústrias tinham filiais em diversos países,
as multinacionais ou transnacionais.
Em meados do século XX, após as duas grandes guerras, o mundo
capitalista se reorganizou. A mobilidade das empresas, do capital e a
revolução tecnológica, acentuaram a internacionalização da economia.
As grandes indústrias passaram a incorporar tecnologias modernas,
dando início à fase da Terceira Revolução Industrial e também
da Globalização.
As indústrias de base, também chamadas de indústrias de bens de
produção, são aquelas que fazem a transformação da matéria-prima
bruta, encontrada diretamente no meio natural, em matéria-prima
processada, que será usada em outros ramos industriais. Dessa forma,
esse tipo de indústria produz equipamentos e matéria-prima que serão
usados por outras indústrias.
Já as indústrias de bens intermediários são aquelas que produzem
bens manufaturados ou matéria-prima processada para outros ramos
industriais, ou seja, para a produção de outros bens. São insumos que
serão usados para outras indústrias produzirem.
As indústrias de bens de consumo produzem e direcionam essa
produção diretamente ao mercado consumidor. Elas se dividem em
indústrias de bens duráveis e não duráveis.
Os bens duráveis são aquelas mercadorias que podem ser usadas
por bastante tempo, como eletrônicos, roupas e calçados etc.
Os não duráveis são os produtos perecíveis, ou seja, que seu prazo
de validade é curto, como alimentos, remédios etc.
Fatores locacionais
Os fatores locacionais são os elementos que atraem as
indústrias no que se refere à sua localização de produção.
Algumas áreas oferecem vantagens para que a indústria
se estabeleça nelas, como:
matéria-prima;
mão de obra qualificada;
fontes de energia;
infraestruturas de transportes;
mercado consumidor;
incentivos fiscais;
redes de comunicação.
A industrialização no Brasil foi historicamente tardia ou retardatária.
Enquanto na Europa se desenvolvia a Primeira Revolução Industrial, o
Brasil vivia sob o regime de economia colonial.
A metrópole portuguesa proibia o desenvolvimento da manufatura e da
indústria, especialmente por dois motivos:
os produtos iriam concorrer com o comércio do reino;
a colônia poderia se tornar independente, o que não interessava à
metrópole.
Em 1808, com a vinda da família real para o Brasil, o regente D. João
tomou algumas medidas que favoreceram o desenvolvimento industrial,
entre elas:
a extinção da lei que proibia a instalação de indústrias de tecidos na
colônia;
liberação da importação de matéria prima para abastecer as fábricas,
sem a cobrança da taxa de importação.
Fatores da Industrialização no Brasil
Vários fatores contribuíram para o processo de industrialização no Brasil:
•a exportação de café gerou lucros que permitiram o investimento na
indústria;
•os imigrantes estrangeiros traziam consigo as técnicas de fabricação de
diversos produtos;
•a formação de uma classe média urbana consumidora, estimulou a
criação de indústrias;
•a dificuldade de importação de produtos industrializados durante
a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) estimulou a indústria.
A passagem de uma sociedade operária para uma urbano industrial,
mudou a paisagem de algumas cidades brasileiras, principalmente de São
Paulo e Rio de Janeiro.
As primeiras indústrias tinham caráter de pequeno e médio portes,
voltadas ao processamento alimentício e produção de tecidos. São
Paulo era o grande polo industrial do país, que havia se espalhado,
principalmente pela Região Sudeste, para aproveitar a infraestrutura
local (estradas, ferrovias, portos, cidades).
A proximidade do mercado consumidor e concentração de mão de obra
imigrante que dominava o processo industrial europeu, todos esses
fatores disponibilizados pela economia cafeeira.
Vale ressaltar que, mundialmente, nesse período, acontecia a Primeira
Guerra Mundial. Com a guerra, dificultam-se as importações de
produtos, incentivando-se o surgimento de novos ramos industriais. Mais
tarde, após a Segunda Guerra Mundial, a Europa não tinha condições de
exportar produtos industrializados, pois todo o continente se encontrava
totalmente devastado pelo confronto armado.
Então, o Brasil teve que incrementar o seu parque industrial e realizar a
conhecida industrialização por substituição de importação.
Outro fator importantíssimo que estimulou a industrialização no Brasil foi
o incentivo nacional. A segunda etapa do desenvolvimento industrial
brasileiro teve participação definitiva de dois governantes.
Getúlio Vargas (1930-1945)
Foi responsável pela infraestrutura necessária para a instalação de
indústrias no país no período de seu primeiro governo. Entre as suas
realizações, estão a Companhia Siderúrgica Nacional, organizada em
1941, posta em funcionamento em 1946, em Volta Redonda, Rio de
Janeiro, e a mineradora Companhia Vale do Rio Doce, instalada em
1942, em Minas Gerais. Também fundou, em 1945, a Fábrica Nacional
de Motores (FNM) e a Companhia Hidrelétrica de São Francisco.
Juscelino Kubitschek (1956-1960)
Através do seu Plano de Metas, privilegiou as obras para geração de
energia, os transportes e, principalmente, a construção de rodovias, que
facilitaram a instalação de montadoras e veículos estrangeiras em nosso
país. Seu governo se preocupou em proteger a produção nacional,
marcou o início da internacionalização do parque industrial brasileiro.
Nessa época, além das montadoras, vieram indústrias de aparelhos
eletrônicos e alimentos, que mais tarde passaram a controlar o mercado
interno, após a compra de empresas nacionais incapazes de competir
com a tecnologia empregada por essas transnacionais.
Bons
Estudos

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Industria no Brasil 7 ano fundamental.pptx

A industrialização e trabalho assalariado no brasil
A industrialização e trabalho assalariado no brasilA industrialização e trabalho assalariado no brasil
A industrialização e trabalho assalariado no brasilEmanoel Amorin
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoAna Maciel
 
Industria brasileira 2
Industria brasileira 2Industria brasileira 2
Industria brasileira 2Sílvia Almada
 
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...Faga1939
 
Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoLia Treacy
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Camila Brito
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Euna Machado
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialCatia Prates
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)Nefer19
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileirafernandesrafael
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
IndustrializaçãoJojo Cruz
 
capitalismo industrial
capitalismo industrialcapitalismo industrial
capitalismo industrialanaclarajames
 
Indústria no brasil
Indústria no brasilIndústria no brasil
Indústria no brasilWander Junior
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)Carlos Vaz
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilBruna Azevedo
 

Semelhante a Industria no Brasil 7 ano fundamental.pptx (20)

A industrialização e trabalho assalariado no brasil
A industrialização e trabalho assalariado no brasilA industrialização e trabalho assalariado no brasil
A industrialização e trabalho assalariado no brasil
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completo
 
Industria brasileira 2
Industria brasileira 2Industria brasileira 2
Industria brasileira 2
 
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
 
Dit
DitDit
Dit
 
Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodo
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
 
Dit
DitDit
Dit
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasil
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
capitalismo industrial
capitalismo industrialcapitalismo industrial
capitalismo industrial
 
Indústria no brasil
Indústria no brasilIndústria no brasil
Indústria no brasil
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
 

Mais de anacardoso258774

#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO MUNDI
#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO  MUNDI#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO  MUNDI
#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO MUNDIanacardoso258774
 
Urbanização Brasileira #População Mundial I.ppt
Urbanização Brasileira #População Mundial I.pptUrbanização Brasileira #População Mundial I.ppt
Urbanização Brasileira #População Mundial I.pptanacardoso258774
 
#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.ppt#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.pptanacardoso258774
 
olacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atual
olacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atualolacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atual
olacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atualanacardoso258774
 
Globalização mundial e suas caracteristicas nglobais
Globalização mundial e suas caracteristicas nglobaisGlobalização mundial e suas caracteristicas nglobais
Globalização mundial e suas caracteristicas nglobaisanacardoso258774
 
#Desigualdades Sociais.ppt
#Desigualdades Sociais.ppt#Desigualdades Sociais.ppt
#Desigualdades Sociais.pptanacardoso258774
 
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.pptanacardoso258774
 

Mais de anacardoso258774 (9)

#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO MUNDI
#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO  MUNDI#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO  MUNDI
#Desigualdades Sociais E SJUAS CARACTERISTICAS HISTORICAS NO MUNDI
 
Urbanização Brasileira #População Mundial I.ppt
Urbanização Brasileira #População Mundial I.pptUrbanização Brasileira #População Mundial I.ppt
Urbanização Brasileira #População Mundial I.ppt
 
#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.ppt#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.ppt
 
olacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atual
olacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atualolacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atual
olacas do brasil brasileiro do ano 2023 ate o ano atual
 
Globalização mundial e suas caracteristicas nglobais
Globalização mundial e suas caracteristicas nglobaisGlobalização mundial e suas caracteristicas nglobais
Globalização mundial e suas caracteristicas nglobais
 
CONTINENTE AFRICANO.pptx
CONTINENTE AFRICANO.pptxCONTINENTE AFRICANO.pptx
CONTINENTE AFRICANO.pptx
 
A Guerra Fria I.ppt
A Guerra Fria I.pptA Guerra Fria I.ppt
A Guerra Fria I.ppt
 
#Desigualdades Sociais.ppt
#Desigualdades Sociais.ppt#Desigualdades Sociais.ppt
#Desigualdades Sociais.ppt
 
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
 

Último

04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 

Último (20)

04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Industria no Brasil 7 ano fundamental.pptx

  • 2. INDÚSTRIA Indústria é a concentração das atividades produtivas destinadas a transformar matéria-prima em mercadorias para os mais diferentes consumos. Sua importância é tão grande nos dias atuais que quase tudo o que consumimos e utilizamos é processado ou produzido pela indústria. Evolução da Indústria A evolução histórica da indústria pode ser reconhecida em três estágios: o artesanato, a manufatura e a maquinofatura.
  • 3. Artesanato – estágio em que o produtor (artesão) executa sozinho todas as fases da produção e até mesmo a comercialização do produto. O modo de produzir artesanal prevaleceu até por volta do século XVII, mas ainda pode ser encontrado em vários países do mundo.
  • 4. Manufatura – nessa fase, já ocorria divisão do trabalho, onde cada operário realizava uma tarefa ou se responsabilizava por parte da produção. Embora já houvesse o emprego de máquinas simples, a produção dependia fundamentalmente do trabalho manual. O estágio da manufatura corresponde, de modo geral, à transformação do artesão em assalariado. A manufatura caracterizou a fase inicial do capitalismo, nos séculos XVII e meados do século XVIII. Apesar do termo manufatura, corresponder ao segundo estágio da evolução da indústria, ele é empregado também para designar os produtos industrializados (manufaturados).
  • 5. Maquinofatura – é o processo iniciado no século XVIII com a Revolução Industrial. Caracteriza-se pelo emprego maciço de máquinas e fontes de energia como o carvão mineral e o petróleo, produção em larga escala, grande divisão e especialização do trabalho. Durante a Primeira Revolução Industrial, a mecanização se estendeu do setor têxtil para a metalurgia e as fábricas empregavam grande número de trabalhadores.
  • 6. A partir do final do século XIX, período conhecido como Segunda Revolução Industrial, com o uso de novas tecnologias, o mundo todo passou a comprar e utilizar produtos industrializados e fabricados nos grandes centros. Nesse período as grandes indústrias tinham filiais em diversos países, as multinacionais ou transnacionais. Em meados do século XX, após as duas grandes guerras, o mundo capitalista se reorganizou. A mobilidade das empresas, do capital e a revolução tecnológica, acentuaram a internacionalização da economia. As grandes indústrias passaram a incorporar tecnologias modernas, dando início à fase da Terceira Revolução Industrial e também da Globalização.
  • 7. As indústrias de base, também chamadas de indústrias de bens de produção, são aquelas que fazem a transformação da matéria-prima bruta, encontrada diretamente no meio natural, em matéria-prima processada, que será usada em outros ramos industriais. Dessa forma, esse tipo de indústria produz equipamentos e matéria-prima que serão usados por outras indústrias.
  • 8. Já as indústrias de bens intermediários são aquelas que produzem bens manufaturados ou matéria-prima processada para outros ramos industriais, ou seja, para a produção de outros bens. São insumos que serão usados para outras indústrias produzirem.
  • 9. As indústrias de bens de consumo produzem e direcionam essa produção diretamente ao mercado consumidor. Elas se dividem em indústrias de bens duráveis e não duráveis. Os bens duráveis são aquelas mercadorias que podem ser usadas por bastante tempo, como eletrônicos, roupas e calçados etc. Os não duráveis são os produtos perecíveis, ou seja, que seu prazo de validade é curto, como alimentos, remédios etc.
  • 10. Fatores locacionais Os fatores locacionais são os elementos que atraem as indústrias no que se refere à sua localização de produção. Algumas áreas oferecem vantagens para que a indústria se estabeleça nelas, como: matéria-prima; mão de obra qualificada; fontes de energia; infraestruturas de transportes; mercado consumidor; incentivos fiscais; redes de comunicação.
  • 11. A industrialização no Brasil foi historicamente tardia ou retardatária. Enquanto na Europa se desenvolvia a Primeira Revolução Industrial, o Brasil vivia sob o regime de economia colonial. A metrópole portuguesa proibia o desenvolvimento da manufatura e da indústria, especialmente por dois motivos: os produtos iriam concorrer com o comércio do reino; a colônia poderia se tornar independente, o que não interessava à metrópole. Em 1808, com a vinda da família real para o Brasil, o regente D. João tomou algumas medidas que favoreceram o desenvolvimento industrial, entre elas: a extinção da lei que proibia a instalação de indústrias de tecidos na colônia; liberação da importação de matéria prima para abastecer as fábricas, sem a cobrança da taxa de importação.
  • 12. Fatores da Industrialização no Brasil Vários fatores contribuíram para o processo de industrialização no Brasil: •a exportação de café gerou lucros que permitiram o investimento na indústria; •os imigrantes estrangeiros traziam consigo as técnicas de fabricação de diversos produtos; •a formação de uma classe média urbana consumidora, estimulou a criação de indústrias; •a dificuldade de importação de produtos industrializados durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) estimulou a indústria. A passagem de uma sociedade operária para uma urbano industrial, mudou a paisagem de algumas cidades brasileiras, principalmente de São Paulo e Rio de Janeiro.
  • 13. As primeiras indústrias tinham caráter de pequeno e médio portes, voltadas ao processamento alimentício e produção de tecidos. São Paulo era o grande polo industrial do país, que havia se espalhado, principalmente pela Região Sudeste, para aproveitar a infraestrutura local (estradas, ferrovias, portos, cidades). A proximidade do mercado consumidor e concentração de mão de obra imigrante que dominava o processo industrial europeu, todos esses fatores disponibilizados pela economia cafeeira.
  • 14. Vale ressaltar que, mundialmente, nesse período, acontecia a Primeira Guerra Mundial. Com a guerra, dificultam-se as importações de produtos, incentivando-se o surgimento de novos ramos industriais. Mais tarde, após a Segunda Guerra Mundial, a Europa não tinha condições de exportar produtos industrializados, pois todo o continente se encontrava totalmente devastado pelo confronto armado. Então, o Brasil teve que incrementar o seu parque industrial e realizar a conhecida industrialização por substituição de importação. Outro fator importantíssimo que estimulou a industrialização no Brasil foi o incentivo nacional. A segunda etapa do desenvolvimento industrial brasileiro teve participação definitiva de dois governantes.
  • 15. Getúlio Vargas (1930-1945) Foi responsável pela infraestrutura necessária para a instalação de indústrias no país no período de seu primeiro governo. Entre as suas realizações, estão a Companhia Siderúrgica Nacional, organizada em 1941, posta em funcionamento em 1946, em Volta Redonda, Rio de Janeiro, e a mineradora Companhia Vale do Rio Doce, instalada em 1942, em Minas Gerais. Também fundou, em 1945, a Fábrica Nacional de Motores (FNM) e a Companhia Hidrelétrica de São Francisco.
  • 16. Juscelino Kubitschek (1956-1960) Através do seu Plano de Metas, privilegiou as obras para geração de energia, os transportes e, principalmente, a construção de rodovias, que facilitaram a instalação de montadoras e veículos estrangeiras em nosso país. Seu governo se preocupou em proteger a produção nacional, marcou o início da internacionalização do parque industrial brasileiro. Nessa época, além das montadoras, vieram indústrias de aparelhos eletrônicos e alimentos, que mais tarde passaram a controlar o mercado interno, após a compra de empresas nacionais incapazes de competir com a tecnologia empregada por essas transnacionais.