Geografia no ensino básico: questões e propostas

3.730 visualizações

Publicada em

Segue abaixo o fichamento elaborado após a leitura de um dos capítulos do livro escrito por Shoko Kimura, que retrata um pouco dos desafios enfrentados por professores de geografia. O presente fichamento, refere-se unicamente ao capítulo "Escola: uma teia de relações."

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.730
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia no ensino básico: questões e propostas

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO CENTRO DE CIENCIAS HUMANAS E NATURAIS CURSO DE GEOGRAFIAAluno: Josimar Nunes Pereira de FreitasMatricula: 2010203259Disciplina: Tópicos Especiais Ensino I de GeografiaProfessor: Wagner Scopel Falcão FICHAMENTOKIMURA, Shoko. Geografia no ensino básico: questões e propostas. SãoPaulo: Contexto, 2008. Materiais voltados para o ensino - aprenderPág.18- [...] para a população pobre, o acesso aos materiais escolares básicosé um importante aspecto que viabiliza a aprendizagem.Pág. 19- Mais do que tudo, é importante que o acesso aos materiais básicosseja encarado como defesa das condições para escolarização das populaçõesmenos favorecidas.Pág. 20-... trata-se da importância tanto do material de consumo como domaterial permanente. Políticas públicas, que buscam suprir essasnecessidades e realizam investimentos em educação, não podem serdesprezadas, tanto por constituir um fator educacional como por representargastos de recursos públicos.Pág. 20- Muitos críticos dessas políticas questionam o seu aspecto populista...Pág. 20-... Entretanto, é preciso reconhecer a sua importância para o ensino-aprendizagem.Pág. 21- Dentre vários desses aspectos materiais, merece atenção especial,como sempre, o livro didático...  O livro didático. “Um breve retrospecto”Pág. 22/23- A partir de fins dos anos de 1950 e mais ainda nos anos de 1960,os livros didáticos passaram a trazer os conteúdos escritos em textos maiscoloquiais, entremeados de atividades ao longo dos mesmos. Nos anos de 1
  2. 2. 1970, esse tratamento didático atingiu o apogeu no uso de atividades do tipopalavras cruzadas, verdadeiro/falso, preenchimento de lacunas etc. havendo,mesmo, livros escritos sob forma de historia em quadrinhos.Pág. 23- As grandes mudanças textuais dos livros didáticos aconteceram nocontexto da abertura da escola para um número cada vez maior de alunos,uma vez que significativas mudanças sociais e econômicas aconteciam nopaís, com a industrialização, o surgimento de imensas metrópoles e da intensaurbanização. Foi em meados dos anos de 1960 que a população urbanatornou-se majoritária em relação à população rural e essa predominância seacentuou pelas décadas seguintes.Pág. 23-... em meados dos anos de 1960 iniciou-se o que alguns denominavamde democratização do ensino obrigatório no Brasil, resultado no citado fato deque, atualmente, 97% dos jovens estão no Ensino Fundamental, a chamadauniversalização do ensino obrigatório.Pág. 23/24-... A escola que se foi disseminando adquiriu cada vez mais aorganização de uma unidade de produção fabril (ironicamente, algumasescolas tinham um sinal igual à sirene das fábricas). Nessa escola, o tempo deaula tinha se encurtado uma vez que se multiplicavam os turnos de aula. Osespaços pareciam ter-se comprimido, dada a lotação das salas de aula, muitasvezes de carteiras suficientes para os alunos se acomodarem, com um vaivémde alunos e professores transitando pelas dependências da escola.  A Atual geração de livros didáticosPág. 25- Muito embora a linha de abordagem geográfica já não seja a mesmados tempos do governo militar, boa parte desses livros ainda continua seguindoa trilha didática percorrida nos anos 1970, com desenvolvimento discursivocoloquial entremeado de atividades, estas também na mais as mesmas,aparentando uma modernidade mais condizente com os novos tempostecnológicos.Pág. 25-... obras desse tipo, por todas as justificativas levantadas, naquelaépoca e agora, dispensam o professor de construir seu fazer-pensarpedagógico, pois este vem pronto. 2
  3. 3. Organização dos tempos e espaços escolares  Projetos coletivos para a organização da escolaPág. 29-... escola não está isolada do contexto no qual ela se encontra, énecessário destacar a sua relação direta com a família, com a comunidadelocal na qual ela se insere e com a sociedade em geral da qual ela éintegrante...Pág. 30- Boaventura de Sousa Santos refere-se ainda a estes nossos temposde transição paradigmática e chama atenção para a necessidade de tirarmostodas as conseqüências dessa condição. Trata-se da necessidade derealizarmos um movimento rumo ao nosso próprio lugar e, como somosprofessores, significa fazermos uma escola organizada coletivamente pelosseus próprios protagonistas. A organização dessa escola, porém, requer quemergulhemos nas suas contingências, cuja compreensão poder ser uminstrumento para a sua superação.  Disciplina escolarPág. 32-... (PINHEIRO, 1984) denominou de autoritarismo socialmenteimplantado as origens das práticas autoritárias. Significa que, desde os altosestratos sociais até os segmentos mais simples, em que homens anônimosvivem o seu dia-a-dia, percorre a sociedade de uma prática autoritária. Esta seestabeleceu desde as mais remotas épocas e é reforçada por grandesmomentos de autoritarismo político como as ditaduras militares...Pág. 33- Tanto a condução autoritária da escola como a recusa em intervir naorganização escolar desempenham, sem dúvida, um papel relevante naexistência da indisciplina escolar...Pág. 35- É uma sociedade contraditória. Ela requer das pessoas que sepreparem para algo, o trabalho, que seguindo uma tendência em nível mundiale no Brasil, vai caminhando para a raridade...Pág. 38- Os danos físicos às instalações da escola, entretanto, podem serencarados também como uma forma de rejeição ou contestação da instituiçãoescolar...Pág. 39- Portanto, não se trata de permanecer apenas no âmbito dasresponsabilizações, mas, ao realizar o levantamento dos problemas e de seus 3
  4. 4. responsáveis, é imperioso que eles sejam corajosamente aceitos para seremtratados objetivamente como questões educacionais a serem resolvidas, a fimde que a escola cumpra o seu papel de gente de socialização e deaprendizagem.  A construção de um projeto coletivoPág. 39-... Faz parte das obrigações do governo criar condições, colocando àdisposição da escola a infra-estrutura e recursos de diversas naturezas quepodem integrar os projetos de reorganização escolar...  O Projeto político-pedagógicoPág. 41- A importância de uma articulação pactuada entre a escola, acomunidade e as famílias dos alunos está em se propor a um trabalho coletivoque pode ser contratado em um projeto político-pedagógico...Pág. 41-... Ele é essencial e deve ser elaborado com perseverança imbuída doespírito de uma carta de princípios a ser definida pelo coletivo, mediantediscussão, exercício de negociação e busca de acordos no estabelecimento desuas regulações.Pág. 42- É possível a comunidade adentrar a escola propositadamente, e aescola igualmente adentrar a comunidade também propositadamente. Essanegociação e pactuação implicam organização da escola, uma vez queestamos discutindo a questão da disciplina escolar.Pág. 42- Existe a possibilidade de um desdobramento em intercâmbios deintervenções mútuas entre a escola e comunidade, e, nesse sentido, oprofessor de Geografia é uma figura essencial. Isso porque, dada a naturezados conhecimentos dos quais ele é portador, ele tem todas as condições derealizar atividades em que a solidariedade esteja na base de um trabalhocoletivo... 4

×