SlideShare uma empresa Scribd logo
Luíza Emília
Marcela Mara
Pedro Victor
Wendell Ricardo
Yuri Raoni
Orientadora: Profa Jussara Melo de Cerqueira Maia
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA
INTERNATO EM PEDIATRIA I
DIARREIA AGUDA NA INFÂNCIA
IntroduçãoIntrodução
• Diarreia:Diarreia: ≥ 3 evacuações amolecidas em 24 horas≥ 3 evacuações amolecidas em 24 horas
• Aumento do número de evacuações e/ou diminuição
da consistência das fezes
• Diarreia agudaDiarreia aguda
• Diarreia persistenteDiarreia persistente
• Diarreia crônicaDiarreia crônica
• DisenteriaDisenteria
• ≈ 1,5 bilhões de episódios agudos de diarréia no mundo por
ano
• Responsável por 3 a 5 milhões de óbitos em crianças a cada
ano
• Países em desenvolvimento: < 5 anos  3-5/ano
• Transmissão: via fecal-oral, principalmente pela água,
alimentos, mãos e objetos contaminados
• Queda significativa na mortalidade infantil por diarréia após
introdução da TRO
IntroduçãoIntrodução
EtiopatogeniaEtiopatogenia
• OsmóticaOsmótica
• Rotavírus, deficiência de lactase…Rotavírus, deficiência de lactase…
• SecretoraSecretora
• E. coli enterotoxigênica, Shigella, Slamonella, Cólera…E. coli enterotoxigênica, Shigella, Slamonella, Cólera…
• InvasivaInvasiva
• Salmonella, Shigella, Amebíase, Campylobacter…Salmonella, Shigella, Amebíase, Campylobacter…
EtiologiaEtiologia
• VírusVírus
• BactériasBactérias
• ProtozoáriosProtozoários
Diarreia OsmóticaDiarreia Osmótica
Lesão do epitélio
↓ atividade das
dissacaridases
Enteropatógenos
↑ da osmolaridade luminal
↑ conteúdo líquido fecal
Diarréia osmótica
↓ da digestão ∕ absorção dos
açucares
↑ fermentação pela flora
intestinal
↓ pH fecal = eritema perianal
↑ produção de gases
↑ distensão abdominal  cólica
abdominal, fezes explosivas
• Rotavirus e maioria dos vírus
Diarreia SecretoraDiarreia Secretora
Bactérias
Enterotoxinas Citocinas
Desequilíbrio dos
reguladores
endógenos
↑GMPc
↑ AMPc
↑ Ca2+
↑ proteinoquinases
Fosforilação das
proteínas
de membrana
↓ influxo
de NaCl
Abertura de canais de Cl
Lesão do enterócito
↓ absorção
↑ secreção
Diarréia
secretora
V.Cholerae,
E. coli,
Shigella sp.
VírusVírus
• Rotavírus
• Adenovírus
• Astrovírus
• Norovírus
• Sapovírus
ROTAVÍRUS
• Principal causa de diarréia grave em menores de 2 anos de idade em
países desenvolvidos e subdesenvolvidos
• Necessidade de tratamento hospitalar: 33%.
• Sazonalidade
• Período de transmissibilidade
• Surtos
• Possuem 7 grupos (A, B, C, D, E, F, G)
• Doenças em humanos (Grupo A – sorotipo G)
ROTAVÍRUS
• Mecanismos da diarreia:
• Osmótico: destruição de céluas epiteliais do topo das vilosidades
que tem função digestiva e absortiva
• Secretor: proteína viral NSP4  ↑ de Ca 2+
intracelular (em
murinos)
• Período de incubação: 48-72 horas
• Vômitos, febre e eliminação de fezes líquidas e abundantes
 desidratação
• Duração: 2 – 8 dias
• Giardia lamblia
• Entamoeba histolytica
• Criptosporidium
ProtozoáriosProtozoários
Giardia lamblia
• Habita porções mais altas do intestino delgado
• Cistos e trofozoítas
• Cistos  disseminação da doença (viáveis por 3 meses,
resistentes a cloração da água)
• Diarréia aguda autolimitada
• Diarréia crônica de curso persistente ou interminente, pode
haver má-absorção
• Incidência: 1-5 anos
Entamoeba histolytica
• Doença endêmica
• Cistos  transmissão
• Escolares e adolescentes
• Colite amebiana disentérica: início insidioso, evacuações com
muco, sangue, cólicas abdominais e tenesmo
• Colite amebiana não-disentérica: surtos de diarréia
alternados com normalização do hábito intestinal
• Complicações: colite fulminante e perfuração intestinal
• Escherichia coli
• Shigella sp
• Salmonela sp
• Campylobacter jejuni
• Vibrio cholerae
• Clostridium difficile
• Yersinia enterocolítica
• Staphylococcus aureus
• Bacillus cereus
BactériasBactérias
• Gram-negativas, flora endógena
• Cepas patogênicas, são subdivididas em 6 subtipos segundo o
mecanismo básico de interação com a mucosa intestinal:
• E. coli enteropatogênica (ECEP)
• E. coli enteroaderente difusa (ECED)
• E. coli enteroagregativa (ECEA)
• E. coli enterotoxigência (ECET)
• E. coli enterohemorrágica (ECEH)
• E coli enteroinvasiva (ECEI)
Escherichia coli
• Altamente prevalente em países em desenvolvimento, é endêmica eAltamente prevalente em países em desenvolvimento, é endêmica e
apresenta surtos epidêmicosapresenta surtos epidêmicos
• Juntamente com os rotavírus, principal causa de diarréia (mais de 25%Juntamente com os rotavírus, principal causa de diarréia (mais de 25%
dos episódios)dos episódios)
• Todas as faixas etáriasTodas as faixas etárias
• Diarréia do viajante (principal causa)Diarréia do viajante (principal causa)
• Não lesam ou invadem a mucosa intestinalNão lesam ou invadem a mucosa intestinal
• Enterotoxinas: LT (termolábel) e ST (termoestável), estimulam AMPc eEnterotoxinas: LT (termolábel) e ST (termoestável), estimulam AMPc e
GMPcGMPc
• Diarréia abundante, aquosa, variando de moderada a graveDiarréia abundante, aquosa, variando de moderada a grave
• Autolimitada, duração de 5 dias, podendo prolongar-se até 3 semanasAutolimitada, duração de 5 dias, podendo prolongar-se até 3 semanas
E. COLI ENTEROTOXIGÊNCIA (ECET)
• Citotoxinas: Shiga-like toxina 1 (SLT 1) e Shiga-like toxina
2 (SLT 2) que se ligam a receptores intestinais e renais
• Diarréia sanguinolenta, dor abdominal em cólica, vômitos
• Síndrome hemolítico-urêmica: anemia hemolítica,
trombocitopenia, insuficiência renal
• Uso de Atb tem sido associado a maior risco
• Crianças entre 5-9 anos e adultos
• Duração: 1-24 dias (média: 4)
• Febre ausente ou baixa (diferencial)
• Pode simular abdome agudo
E. COLI ENTEROHEMORRÁGICA (EHEC)
Shigella sp
• Bactéria gram-negativa com capacidade invasora e de
produzir citotoxina e neurotoxina
• Disenteria bacilar: evacuações de pequeno volume, elevada
freqüência, inicialmente do tipo aquosa evoluindo para
diarréia com sangue, muco e pus, associada a tenesmo e
cólicas
• Pródromos: cefaléia, mal-estar e anorexia
• Maioria autolimitada com resolução em 5 a 7 dias
Shigella sp
• Homem é único hospedeiro
• Altamente contagiosa (inóculo = 10)
• Crianças entre 1 – 4 anos
• Pode haver disseminação via hematogênica  septicemia
(principalmente em imunocomprometidos)
• Anemia microangiopática  SHU e púrpura
trombocitopênica
Salmonella sp
• Bacilos gram-negativos, móveis e aeróbios
• 2300 sorotipos
• Capazes de causar infecção sistêmica: S. typhi e S. paratyphi
(febre tifóide)
• Hospedeiro: homem, animais domésticos e selvagens
• Causa freqüente de surtos de diarréia associados à
intoxicação alimentar
• Crianças menores de 5 anos
Salmonella sp
• Período de incubação: 6 horas a 10 dias (habitual: 6 a 48 horas)
• Enterocolite: invasão de bactérias nas células epiteliais do intestino 
estimulam a secreção de líquido  fezes aquosas que podem conter
sangue e muco
• Cefaléia, dor abdominal, febre
• Pode causar casos graves: septicemias, infecções metastáticas:
meningite, osteomielite, pneumonia, endocardite, etc
• Órgãos que apresentam alguma anormalidade (ex: anemia falciforme +
osteomielite)
• Pacientes podem continuar excretando bactérias nas fezes cerca de 5
semanas após término (pode chegar a 1 ano)
Campylobacter jejuni
• Bactérias gram-negativas
• Mais comum em países desenvolvidos
• Animais servem de reservatório (via mais comum de
contaminação: animal-pessoa)
• Virulência: invasão e produção de endotoxina citolítica
• Período de incubação: 24-72 horas
• Mialgia, febre, cefaléia  dor abdominal, diarréia de início
abrupto, com muco e sangue nas fezes
• Septicemia, SHU, megacolón toxico, meningite (RN),
Síndrome de Guillain-Barré
Vibrio cholerae
• Bacilos gram-negativos, encurvados, aeróbios (anaeróbios
facultativos)
• Grandes epidemias de diarréia
• Toxina potente que estimula o AMPc
• Incubação: horas a 5 dias
• Gastroenterite leve/moderada a grave com vômitos  perda
significativa de água e eletrólitos  choque hipovolêmico e
óbito
• Fezes em “água de arroz” (água e muco)
• Resolução em 4-6 dias com hidratação adequada
Clostridium difficile
• Bacilos anaeróbios obrigatórios, gram-positivos, esporo-
resistentes
• Infecção nosocomial: permanecem viáveis em objetos por
períodos prolongados
• Infecção assintomática ou diarréia leve a grave associada ou
não ao uso de Atb
• Enterotoxinas: toxina A  diarréia secretora, toxina B 
colite
Clostridium difficile
• Colite pseudomembranosa: fezes disentéricas, com sangue,
muco, dor abdominal intensa, febre e desidratação
importante
• Inflamação da mucosa se apresenta como pseudomembranas
fibrinosas típicas
• Pode evoluir para megacolón toxico e óbito
• Antibióticos mais relacionados: cefalosporinas, ampicilina,
clindamicina
• Alguns antineoplásicos: metotrexato
• Quadro pode surgir até 2 meses após o uso de antibióticos
QUADRO CLÍNICO
QUADRO CLÍNICO
• Depende da idade, estado nutricional, competência
imunológica, grau de patogenicidade do agente, manejo
adequado
• Outros sintomas: febre, vômitos, dores abdominais, perda ou
diminuição do apetite, redução do volume urinário
• Menor a idade e pior o estado nutricional  pior a gravidade
QUADRO CLÍNICO
• Diarréias secretoras: atuam mais em segmentos do intestino delgado
• Fezes de grande volume de líquidos e eletrólitos, raramente com sangue ou muco
• Diarréias osmóticas: açucares acumulam na luz intestinal, favorecem o
afluxo de água e eletrólitos e sofrem metabolização por bactérias
• Fezes de conteúdo ácido e hiperosmótico, explosivas (gases), substâncias redutoras
presentes, distensão e cólicas, hiperemia anal
• Melhora com o jejum
• Diarréias inflamatórias: invasão da mucosa colônica
• Fezes em menores volumes, com maior freqüência, menor conteúdo hídrico,
características disentéricas
COMPLICAÇÕES
• Desidratação
• Desnutrição
• Distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos
• Insuficiência Renal Aguda
• Síndrome Hemolítico Urêmica
• Convulsões
• Septicemia
DIAGNÓSTICO
• MAIORIA: NÃO HÁ NECESSIDADE DE EXAMES
COMPLEMENTARES
• Reservado para:
• Evolução grave
• Comprometimento do estado geral
• Lactentes muito jovens, desnutrição grave, imunossuprimidos
Risco de generalização do processo infeccioso ou seu
prolongamento
DIAGNÓSTICO
1. Hemograma:
• Suspeita de sepse
2. Bioquímica:
• Desidratação grave com necessidade de reposição intravenosa
• K, Na, Cl
• Uréia, creatinina e glicose de acordo com o quadro clínico e complicações
3. Gasometria arterial:
• Suspeita clínica de acidose metabólica
4. EPF:
• Determinação de parasitas
• Surto de diarréia
• Imunodeprimidos
DIAGNÓSTICO
• Coprocultura:
• Infecções disseminadas, surtos epidêmicos, diarréia em imunodeprimidos e
crianças portadoras de doenças crônicas, quadros graves, pacientes de baixa
idade,, quadros que se prolongam.
• Diarréia osmótica:
• pH das fezes: < 5,6
• Substâncias redutoras: > 0,5%
• Osmolaridade fecal: > 290 mOsm
• Sangue e leucócitos nas fezes:
• Invasão do epitélio intestinal.
• Pesquisa de vírus nas fezes:
• Métodos imunoenzimáticos (ELISA)
AVALIAÇÃO DA HIDRATAÇÃO – MINISTÉRIO DA SAÚDE
TRATAMENTO
CLASSIFICAÇÃO DO ESTADO DE DESIDRATAÇÃO (CDC)
Sintomas S/ desidratação ou
desidratação mínima
Desidratação leve
moderada
Desidratação grave
Déficit de peso < 3% 3-9% >= 9%
Sede Bebe normalmente Sedento Incapaz de beber
FC Normal Normal ou aumentada Aumentada. Bradicardia
em casos muito graves
Amplitude do pulso Normal Normal ou diminuído Fraco ou impalpável
Respiração Normal Normal a rápida Profunda
Olhos Normal Fundos Muito Fundos
Lágrimas Presentes Diminuídas Ausentes
Boca e língua Ímidas Secas Muito secas
Sinal da pega Recolhe rápido Recolhe < 2s Recolhe > 2s
Enchimento capilar Rápido Lento Muito lento
Extremidades cianóticas Quentes Frias Frias.
Débito urinário Normal a diminuído Diminuído Minimo
TRATAMENTO
• Prevenir e repor as perdas fecais de água e eletrólitos
• Reestabelecer o equilíbrio hidroeletrolítico
• Proporcionar aporte protéico suficiente para impedir instalação ou
agravo da desnutrição
PLANO A
• A
Criança com diarréia sem sinais de desidratação
PLANO A
• Soro caseiro
• 40-50mEq/l
• Após cada evacuação:
• menores de 12 meses: 50-100ml;
• maiores de 12 meses: 100 a 200ml;
• adultos: a quantidade que aceitarem.
• Alimentação deve ser
mantida!
• Orientar sinais de
desidratação
PLANO B
• TRO – quantidade dependendo da sede da criança
• 50-100ml/Kg no período de 4-6h
• Após hidratação:
• Alta com SRO após evacuações:
• menores de 12 meses: 50-100ml;
• maiores de 12 meses: 100 a 200ml;
• >10 anos: a quantidade que aceitarem.
• Alimentação deve ser mantida!
-- Criança com diarréia e com sinais de
desidratação
PLANO B
• Gastróclise:
• Perda ponderal após 2h de TRO
• Vômitos persistentes
• Distensão abdominal acentuada com RHA+
• Dificuldade de ingestão de SRO
20-30ml/h até reidratação
PLANO C
• Indicações de HV:
• Desidratação grave
• Não ganha ou perde peso após SNG
• Alteração do estado de consciência
• Vômitos persistentes após SNG
• Íleo paralítico (distensão + RHA-)
• Fases
• Expensão (Rápida)
• Manutenção e reposição
Criança com diarréia e desidratação
grave
PLANO C
• Fase de expansão (MS)
• Partes iguais de SG 5% e SF 0,9%
• Fazer 100ml/Kg em 2h
• Se continuar desidratada – 25 a 50ml/Kg em 2h
• Reavaliar a cada 1h
• Fase de Manutenção
• Solução 1:4 (SF:SG)
• + KCl 10% (2ml) ou KCl 19,1% (1ml)
• Reposição: 50ml/kg/dia  Solução 1:1
Peso do Paciente Volume de Manutenção
Até 10kg 100ml/Kg
10-20Kg 1000ml + 50ml/Kg acima de 10
>20Kg 1500ml +20ml/Kg acima de 20
PLANO C
• OMS (Guideline 2005)
• Iniciar 100ml/kg Ringer-lactato ou SF 0,9%
• < 1 ano
• 30ml/kg em 1h
• 70ml/kg nas proximas 5h
• > 1 ano
• 30ml/kg em 30min
• 70ml/kg em 2,5 h
• Repetir 01 vez se pulso radial permanecer fraco ou indetectável
• Oferecer também SRO tão logo seja possível 5ml/kg/h
• Fase de manutenção e reposição = MS
ANTIBIOTICOTERAPIA
• Restrito a pacientes com formas graves
• Presença de disenteria
• Cobertura de Shiguella:
• Ácido nalidíxico 40mg/kg/dia, VO, 6/6h, 5 dias
• SMT-TMP 40mg/kg/dia, VO, 12/12h, 5 dias
• Cólera
• SMT-TMP 40mg/kg/dia, VO, 12/12h, 3 dias
• Eritromicina 40mg/kg/dia, VO, 6/6h por 3 dias
PREVENÇÃO
• Aleitamento materno exclusivo até 6m
• Consumo de comida e água seguros
• Água: ferver por 5min antes de preparar
alimentos.
• Lavar as mãos depois de defecar,
manipular fezes e antes de preparar
alimentos
• Construção de fossas – min 10m de
fonte de água potável
• Vacinação:
• Rotavírus
• Cólera
VACINAÇÃO
REFERÊNCIAS
• World Health Organization. The Treatment of diarrhoea : a manual for
physicians and other senior health workers. 4th rev. Geneva, 2005
• Fleisher GR. Evaluation of diarrhea in children. UpToDate, Set 2012.
• Harris JB, Pietroni M. Approach to the child with acute diarrhea in
developing countries. UpToDate, Abr 2012.
• Gilger MA. Pathogenesis of acute diarrhea in children. UpToDate, Jun
2011.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de
vigilância epidemiológica – Caderno 5. – 5. Ed: 33-47. – Brasília :
Ministério da Saúde, 2002.
• Lopez FA, Júnior CD. Tratado de Pediatria da Sociedade Brasileira de
Pediatria. 1ª edição. Editora Manole Ltda. São Paulo, 2007.
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação glomerulonefrite aguda
Apresentação glomerulonefrite agudaApresentação glomerulonefrite aguda
Apresentação glomerulonefrite aguda
Dalla Pozza
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
Fernanda Marinho
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
ivanaferraz
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Viviane da Silva
 
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - NascidoManual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
blogped1
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
Jucie Vasconcelos
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
Lucrécia De Matos Silva
 
Síndrome nefrotica
Síndrome nefroticaSíndrome nefrotica
Síndrome nefrotica
Leonardo Savassi
 
Gastroenterite infantil
Gastroenterite infantilGastroenterite infantil
Gastroenterite infantil
João Antônio Granzotti
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
Fernanda Marinho
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
PANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDAPANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDA
PauloHenrique350
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
Laped Ufrn
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
blogped1
 
Avaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidrataçãoAvaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidratação
pauloalambert
 

Mais procurados (20)

Apresentação glomerulonefrite aguda
Apresentação glomerulonefrite agudaApresentação glomerulonefrite aguda
Apresentação glomerulonefrite aguda
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - NascidoManual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
 
Síndrome nefrotica
Síndrome nefroticaSíndrome nefrotica
Síndrome nefrotica
 
Gastroenterite infantil
Gastroenterite infantilGastroenterite infantil
Gastroenterite infantil
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
PANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDAPANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDA
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Avaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidrataçãoAvaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidratação
 

Destaque

Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Med. Veterinária 2011
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Lorena de Assis
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Shigellose
ShigelloseShigellose
Shigellose
Femimina
 
Determinantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de Riscos
Determinantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de RiscosDeterminantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de Riscos
Determinantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de Riscos
Simone Almeida
 
Desnutrição na Infância
Desnutrição na InfânciaDesnutrição na Infância
Desnutrição na Infância
Ana Cdergvgbgdd
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Rotavirus
Diana Garcia
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
Ylla Cohim
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
Eliezer Farias de Mello
 
Cipe versão 2.0 - enfermagem
Cipe versão 2.0 - enfermagem Cipe versão 2.0 - enfermagem
Cipe versão 2.0 - enfermagem
André Fidelis
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
leomacedo18
 
Diarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentação
Adriana Matos
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Rotavirus
Saurabh wani
 
Shigella
ShigellaShigella
Shigella
Muni Venkatesh
 
Slides nhb
Slides nhbSlides nhb
Slides nhb
calinesa
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Sandra Flôr
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
Renata Carvalho
 
Rotavirus
Rotavirus Rotavirus
Rotavirus
rhode22
 
Shigella sp
Shigella spShigella sp
Shigella sp
MichiAguilarD
 

Destaque (20)

Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Rotavirus
 
Shigellose
ShigelloseShigellose
Shigellose
 
Determinantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de Riscos
Determinantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de RiscosDeterminantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de Riscos
Determinantes Sociais de Saúde e Modelo da Pirâmide de Riscos
 
Desnutrição na Infância
Desnutrição na InfânciaDesnutrição na Infância
Desnutrição na Infância
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Rotavirus
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
 
Cipe versão 2.0 - enfermagem
Cipe versão 2.0 - enfermagem Cipe versão 2.0 - enfermagem
Cipe versão 2.0 - enfermagem
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
 
Diarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentação
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Rotavirus
 
Shigella
ShigellaShigella
Shigella
 
Slides nhb
Slides nhbSlides nhb
Slides nhb
 
Rotavirus
RotavirusRotavirus
Rotavirus
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Rotavirus
Rotavirus Rotavirus
Rotavirus
 
Shigella sp
Shigella spShigella sp
Shigella sp
 

Semelhante a Diarreia Aguda na Infância

Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinal
Valeria Zampronha
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
FilipeBezerra15
 
Aula 7 - M
Aula 7 - MAula 7 - M
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Enterocolites Infecciosa
Enterocolites InfecciosaEnterocolites Infecciosa
Enterocolites Infecciosa
Carlos Eduardo Belon
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Lívia Zadra
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
Unicesumar
 
Doenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudasDoenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudas
gisa_legal
 
Sistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinalSistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinal
Marcio Pinto da Silva
 
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICIDDiarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
Liga De Pediatria Med Unicid
 
Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
AnaB253108
 
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoA epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
Irisnara Nunes Silva
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ISJ
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
Tedson Murillo
 
Staphylococcus aureus
Staphylococcus aureusStaphylococcus aureus
Staphylococcus aureus
Lourdes Piedade
 
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfAula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
esusana86
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Lucia Tavares
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
Michelle Torres
 

Semelhante a Diarreia Aguda na Infância (20)

Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinal
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
 
Aula 7 - M
Aula 7 - MAula 7 - M
Aula 7 - M
 
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
 
Enterocolites Infecciosa
Enterocolites InfecciosaEnterocolites Infecciosa
Enterocolites Infecciosa
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
 
Doenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudasDoenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudas
 
Sistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinalSistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinal
 
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICIDDiarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
 
Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Aula (1)
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
 
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoA epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
Staphylococcus aureus
Staphylococcus aureusStaphylococcus aureus
Staphylococcus aureus
 
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfAula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
 

Mais de blogped1

Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
blogped1
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
blogped1
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
blogped1
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
blogped1
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
blogped1
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
blogped1
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
blogped1
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
blogped1
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
blogped1
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
blogped1
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
blogped1
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
blogped1
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
blogped1
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
blogped1
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
blogped1
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
blogped1
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
blogped1
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
blogped1
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
blogped1
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
blogped1
 

Mais de blogped1 (20)

Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
 

Diarreia Aguda na Infância

  • 1. Luíza Emília Marcela Mara Pedro Victor Wendell Ricardo Yuri Raoni Orientadora: Profa Jussara Melo de Cerqueira Maia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA INTERNATO EM PEDIATRIA I DIARREIA AGUDA NA INFÂNCIA
  • 2. IntroduçãoIntrodução • Diarreia:Diarreia: ≥ 3 evacuações amolecidas em 24 horas≥ 3 evacuações amolecidas em 24 horas • Aumento do número de evacuações e/ou diminuição da consistência das fezes • Diarreia agudaDiarreia aguda • Diarreia persistenteDiarreia persistente • Diarreia crônicaDiarreia crônica • DisenteriaDisenteria
  • 3. • ≈ 1,5 bilhões de episódios agudos de diarréia no mundo por ano • Responsável por 3 a 5 milhões de óbitos em crianças a cada ano • Países em desenvolvimento: < 5 anos  3-5/ano • Transmissão: via fecal-oral, principalmente pela água, alimentos, mãos e objetos contaminados • Queda significativa na mortalidade infantil por diarréia após introdução da TRO IntroduçãoIntrodução
  • 4. EtiopatogeniaEtiopatogenia • OsmóticaOsmótica • Rotavírus, deficiência de lactase…Rotavírus, deficiência de lactase… • SecretoraSecretora • E. coli enterotoxigênica, Shigella, Slamonella, Cólera…E. coli enterotoxigênica, Shigella, Slamonella, Cólera… • InvasivaInvasiva • Salmonella, Shigella, Amebíase, Campylobacter…Salmonella, Shigella, Amebíase, Campylobacter…
  • 6. Diarreia OsmóticaDiarreia Osmótica Lesão do epitélio ↓ atividade das dissacaridases Enteropatógenos ↑ da osmolaridade luminal ↑ conteúdo líquido fecal Diarréia osmótica ↓ da digestão ∕ absorção dos açucares ↑ fermentação pela flora intestinal ↓ pH fecal = eritema perianal ↑ produção de gases ↑ distensão abdominal  cólica abdominal, fezes explosivas • Rotavirus e maioria dos vírus
  • 7. Diarreia SecretoraDiarreia Secretora Bactérias Enterotoxinas Citocinas Desequilíbrio dos reguladores endógenos ↑GMPc ↑ AMPc ↑ Ca2+ ↑ proteinoquinases Fosforilação das proteínas de membrana ↓ influxo de NaCl Abertura de canais de Cl Lesão do enterócito ↓ absorção ↑ secreção Diarréia secretora V.Cholerae, E. coli, Shigella sp.
  • 8. VírusVírus • Rotavírus • Adenovírus • Astrovírus • Norovírus • Sapovírus
  • 9. ROTAVÍRUS • Principal causa de diarréia grave em menores de 2 anos de idade em países desenvolvidos e subdesenvolvidos • Necessidade de tratamento hospitalar: 33%. • Sazonalidade • Período de transmissibilidade • Surtos • Possuem 7 grupos (A, B, C, D, E, F, G) • Doenças em humanos (Grupo A – sorotipo G)
  • 10. ROTAVÍRUS • Mecanismos da diarreia: • Osmótico: destruição de céluas epiteliais do topo das vilosidades que tem função digestiva e absortiva • Secretor: proteína viral NSP4  ↑ de Ca 2+ intracelular (em murinos) • Período de incubação: 48-72 horas • Vômitos, febre e eliminação de fezes líquidas e abundantes  desidratação • Duração: 2 – 8 dias
  • 11. • Giardia lamblia • Entamoeba histolytica • Criptosporidium ProtozoáriosProtozoários
  • 12. Giardia lamblia • Habita porções mais altas do intestino delgado • Cistos e trofozoítas • Cistos  disseminação da doença (viáveis por 3 meses, resistentes a cloração da água) • Diarréia aguda autolimitada • Diarréia crônica de curso persistente ou interminente, pode haver má-absorção • Incidência: 1-5 anos
  • 13. Entamoeba histolytica • Doença endêmica • Cistos  transmissão • Escolares e adolescentes • Colite amebiana disentérica: início insidioso, evacuações com muco, sangue, cólicas abdominais e tenesmo • Colite amebiana não-disentérica: surtos de diarréia alternados com normalização do hábito intestinal • Complicações: colite fulminante e perfuração intestinal
  • 14. • Escherichia coli • Shigella sp • Salmonela sp • Campylobacter jejuni • Vibrio cholerae • Clostridium difficile • Yersinia enterocolítica • Staphylococcus aureus • Bacillus cereus BactériasBactérias
  • 15. • Gram-negativas, flora endógena • Cepas patogênicas, são subdivididas em 6 subtipos segundo o mecanismo básico de interação com a mucosa intestinal: • E. coli enteropatogênica (ECEP) • E. coli enteroaderente difusa (ECED) • E. coli enteroagregativa (ECEA) • E. coli enterotoxigência (ECET) • E. coli enterohemorrágica (ECEH) • E coli enteroinvasiva (ECEI) Escherichia coli
  • 16. • Altamente prevalente em países em desenvolvimento, é endêmica eAltamente prevalente em países em desenvolvimento, é endêmica e apresenta surtos epidêmicosapresenta surtos epidêmicos • Juntamente com os rotavírus, principal causa de diarréia (mais de 25%Juntamente com os rotavírus, principal causa de diarréia (mais de 25% dos episódios)dos episódios) • Todas as faixas etáriasTodas as faixas etárias • Diarréia do viajante (principal causa)Diarréia do viajante (principal causa) • Não lesam ou invadem a mucosa intestinalNão lesam ou invadem a mucosa intestinal • Enterotoxinas: LT (termolábel) e ST (termoestável), estimulam AMPc eEnterotoxinas: LT (termolábel) e ST (termoestável), estimulam AMPc e GMPcGMPc • Diarréia abundante, aquosa, variando de moderada a graveDiarréia abundante, aquosa, variando de moderada a grave • Autolimitada, duração de 5 dias, podendo prolongar-se até 3 semanasAutolimitada, duração de 5 dias, podendo prolongar-se até 3 semanas E. COLI ENTEROTOXIGÊNCIA (ECET)
  • 17. • Citotoxinas: Shiga-like toxina 1 (SLT 1) e Shiga-like toxina 2 (SLT 2) que se ligam a receptores intestinais e renais • Diarréia sanguinolenta, dor abdominal em cólica, vômitos • Síndrome hemolítico-urêmica: anemia hemolítica, trombocitopenia, insuficiência renal • Uso de Atb tem sido associado a maior risco • Crianças entre 5-9 anos e adultos • Duração: 1-24 dias (média: 4) • Febre ausente ou baixa (diferencial) • Pode simular abdome agudo E. COLI ENTEROHEMORRÁGICA (EHEC)
  • 18. Shigella sp • Bactéria gram-negativa com capacidade invasora e de produzir citotoxina e neurotoxina • Disenteria bacilar: evacuações de pequeno volume, elevada freqüência, inicialmente do tipo aquosa evoluindo para diarréia com sangue, muco e pus, associada a tenesmo e cólicas • Pródromos: cefaléia, mal-estar e anorexia • Maioria autolimitada com resolução em 5 a 7 dias
  • 19. Shigella sp • Homem é único hospedeiro • Altamente contagiosa (inóculo = 10) • Crianças entre 1 – 4 anos • Pode haver disseminação via hematogênica  septicemia (principalmente em imunocomprometidos) • Anemia microangiopática  SHU e púrpura trombocitopênica
  • 20. Salmonella sp • Bacilos gram-negativos, móveis e aeróbios • 2300 sorotipos • Capazes de causar infecção sistêmica: S. typhi e S. paratyphi (febre tifóide) • Hospedeiro: homem, animais domésticos e selvagens • Causa freqüente de surtos de diarréia associados à intoxicação alimentar • Crianças menores de 5 anos
  • 21. Salmonella sp • Período de incubação: 6 horas a 10 dias (habitual: 6 a 48 horas) • Enterocolite: invasão de bactérias nas células epiteliais do intestino  estimulam a secreção de líquido  fezes aquosas que podem conter sangue e muco • Cefaléia, dor abdominal, febre • Pode causar casos graves: septicemias, infecções metastáticas: meningite, osteomielite, pneumonia, endocardite, etc • Órgãos que apresentam alguma anormalidade (ex: anemia falciforme + osteomielite) • Pacientes podem continuar excretando bactérias nas fezes cerca de 5 semanas após término (pode chegar a 1 ano)
  • 22. Campylobacter jejuni • Bactérias gram-negativas • Mais comum em países desenvolvidos • Animais servem de reservatório (via mais comum de contaminação: animal-pessoa) • Virulência: invasão e produção de endotoxina citolítica • Período de incubação: 24-72 horas • Mialgia, febre, cefaléia  dor abdominal, diarréia de início abrupto, com muco e sangue nas fezes • Septicemia, SHU, megacolón toxico, meningite (RN), Síndrome de Guillain-Barré
  • 23. Vibrio cholerae • Bacilos gram-negativos, encurvados, aeróbios (anaeróbios facultativos) • Grandes epidemias de diarréia • Toxina potente que estimula o AMPc • Incubação: horas a 5 dias • Gastroenterite leve/moderada a grave com vômitos  perda significativa de água e eletrólitos  choque hipovolêmico e óbito • Fezes em “água de arroz” (água e muco) • Resolução em 4-6 dias com hidratação adequada
  • 24. Clostridium difficile • Bacilos anaeróbios obrigatórios, gram-positivos, esporo- resistentes • Infecção nosocomial: permanecem viáveis em objetos por períodos prolongados • Infecção assintomática ou diarréia leve a grave associada ou não ao uso de Atb • Enterotoxinas: toxina A  diarréia secretora, toxina B  colite
  • 25. Clostridium difficile • Colite pseudomembranosa: fezes disentéricas, com sangue, muco, dor abdominal intensa, febre e desidratação importante • Inflamação da mucosa se apresenta como pseudomembranas fibrinosas típicas • Pode evoluir para megacolón toxico e óbito • Antibióticos mais relacionados: cefalosporinas, ampicilina, clindamicina • Alguns antineoplásicos: metotrexato • Quadro pode surgir até 2 meses após o uso de antibióticos
  • 27. QUADRO CLÍNICO • Depende da idade, estado nutricional, competência imunológica, grau de patogenicidade do agente, manejo adequado • Outros sintomas: febre, vômitos, dores abdominais, perda ou diminuição do apetite, redução do volume urinário • Menor a idade e pior o estado nutricional  pior a gravidade
  • 28. QUADRO CLÍNICO • Diarréias secretoras: atuam mais em segmentos do intestino delgado • Fezes de grande volume de líquidos e eletrólitos, raramente com sangue ou muco • Diarréias osmóticas: açucares acumulam na luz intestinal, favorecem o afluxo de água e eletrólitos e sofrem metabolização por bactérias • Fezes de conteúdo ácido e hiperosmótico, explosivas (gases), substâncias redutoras presentes, distensão e cólicas, hiperemia anal • Melhora com o jejum • Diarréias inflamatórias: invasão da mucosa colônica • Fezes em menores volumes, com maior freqüência, menor conteúdo hídrico, características disentéricas
  • 29. COMPLICAÇÕES • Desidratação • Desnutrição • Distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos • Insuficiência Renal Aguda • Síndrome Hemolítico Urêmica • Convulsões • Septicemia
  • 30. DIAGNÓSTICO • MAIORIA: NÃO HÁ NECESSIDADE DE EXAMES COMPLEMENTARES • Reservado para: • Evolução grave • Comprometimento do estado geral • Lactentes muito jovens, desnutrição grave, imunossuprimidos Risco de generalização do processo infeccioso ou seu prolongamento
  • 31. DIAGNÓSTICO 1. Hemograma: • Suspeita de sepse 2. Bioquímica: • Desidratação grave com necessidade de reposição intravenosa • K, Na, Cl • Uréia, creatinina e glicose de acordo com o quadro clínico e complicações 3. Gasometria arterial: • Suspeita clínica de acidose metabólica 4. EPF: • Determinação de parasitas • Surto de diarréia • Imunodeprimidos
  • 32. DIAGNÓSTICO • Coprocultura: • Infecções disseminadas, surtos epidêmicos, diarréia em imunodeprimidos e crianças portadoras de doenças crônicas, quadros graves, pacientes de baixa idade,, quadros que se prolongam. • Diarréia osmótica: • pH das fezes: < 5,6 • Substâncias redutoras: > 0,5% • Osmolaridade fecal: > 290 mOsm • Sangue e leucócitos nas fezes: • Invasão do epitélio intestinal. • Pesquisa de vírus nas fezes: • Métodos imunoenzimáticos (ELISA)
  • 33. AVALIAÇÃO DA HIDRATAÇÃO – MINISTÉRIO DA SAÚDE
  • 35. CLASSIFICAÇÃO DO ESTADO DE DESIDRATAÇÃO (CDC) Sintomas S/ desidratação ou desidratação mínima Desidratação leve moderada Desidratação grave Déficit de peso < 3% 3-9% >= 9% Sede Bebe normalmente Sedento Incapaz de beber FC Normal Normal ou aumentada Aumentada. Bradicardia em casos muito graves Amplitude do pulso Normal Normal ou diminuído Fraco ou impalpável Respiração Normal Normal a rápida Profunda Olhos Normal Fundos Muito Fundos Lágrimas Presentes Diminuídas Ausentes Boca e língua Ímidas Secas Muito secas Sinal da pega Recolhe rápido Recolhe < 2s Recolhe > 2s Enchimento capilar Rápido Lento Muito lento Extremidades cianóticas Quentes Frias Frias. Débito urinário Normal a diminuído Diminuído Minimo
  • 36. TRATAMENTO • Prevenir e repor as perdas fecais de água e eletrólitos • Reestabelecer o equilíbrio hidroeletrolítico • Proporcionar aporte protéico suficiente para impedir instalação ou agravo da desnutrição
  • 37. PLANO A • A Criança com diarréia sem sinais de desidratação
  • 38. PLANO A • Soro caseiro • 40-50mEq/l • Após cada evacuação: • menores de 12 meses: 50-100ml; • maiores de 12 meses: 100 a 200ml; • adultos: a quantidade que aceitarem. • Alimentação deve ser mantida! • Orientar sinais de desidratação
  • 39. PLANO B • TRO – quantidade dependendo da sede da criança • 50-100ml/Kg no período de 4-6h • Após hidratação: • Alta com SRO após evacuações: • menores de 12 meses: 50-100ml; • maiores de 12 meses: 100 a 200ml; • >10 anos: a quantidade que aceitarem. • Alimentação deve ser mantida! -- Criança com diarréia e com sinais de desidratação
  • 40. PLANO B • Gastróclise: • Perda ponderal após 2h de TRO • Vômitos persistentes • Distensão abdominal acentuada com RHA+ • Dificuldade de ingestão de SRO 20-30ml/h até reidratação
  • 41. PLANO C • Indicações de HV: • Desidratação grave • Não ganha ou perde peso após SNG • Alteração do estado de consciência • Vômitos persistentes após SNG • Íleo paralítico (distensão + RHA-) • Fases • Expensão (Rápida) • Manutenção e reposição Criança com diarréia e desidratação grave
  • 42. PLANO C • Fase de expansão (MS) • Partes iguais de SG 5% e SF 0,9% • Fazer 100ml/Kg em 2h • Se continuar desidratada – 25 a 50ml/Kg em 2h • Reavaliar a cada 1h • Fase de Manutenção • Solução 1:4 (SF:SG) • + KCl 10% (2ml) ou KCl 19,1% (1ml) • Reposição: 50ml/kg/dia  Solução 1:1 Peso do Paciente Volume de Manutenção Até 10kg 100ml/Kg 10-20Kg 1000ml + 50ml/Kg acima de 10 >20Kg 1500ml +20ml/Kg acima de 20
  • 43. PLANO C • OMS (Guideline 2005) • Iniciar 100ml/kg Ringer-lactato ou SF 0,9% • < 1 ano • 30ml/kg em 1h • 70ml/kg nas proximas 5h • > 1 ano • 30ml/kg em 30min • 70ml/kg em 2,5 h • Repetir 01 vez se pulso radial permanecer fraco ou indetectável • Oferecer também SRO tão logo seja possível 5ml/kg/h • Fase de manutenção e reposição = MS
  • 44. ANTIBIOTICOTERAPIA • Restrito a pacientes com formas graves • Presença de disenteria • Cobertura de Shiguella: • Ácido nalidíxico 40mg/kg/dia, VO, 6/6h, 5 dias • SMT-TMP 40mg/kg/dia, VO, 12/12h, 5 dias • Cólera • SMT-TMP 40mg/kg/dia, VO, 12/12h, 3 dias • Eritromicina 40mg/kg/dia, VO, 6/6h por 3 dias
  • 45. PREVENÇÃO • Aleitamento materno exclusivo até 6m • Consumo de comida e água seguros • Água: ferver por 5min antes de preparar alimentos. • Lavar as mãos depois de defecar, manipular fezes e antes de preparar alimentos • Construção de fossas – min 10m de fonte de água potável • Vacinação: • Rotavírus • Cólera
  • 47. REFERÊNCIAS • World Health Organization. The Treatment of diarrhoea : a manual for physicians and other senior health workers. 4th rev. Geneva, 2005 • Fleisher GR. Evaluation of diarrhea in children. UpToDate, Set 2012. • Harris JB, Pietroni M. Approach to the child with acute diarrhea in developing countries. UpToDate, Abr 2012. • Gilger MA. Pathogenesis of acute diarrhea in children. UpToDate, Jun 2011. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica – Caderno 5. – 5. Ed: 33-47. – Brasília : Ministério da Saúde, 2002. • Lopez FA, Júnior CD. Tratado de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria. 1ª edição. Editora Manole Ltda. São Paulo, 2007.

Notas do Editor

  1. Rotavirus: &gt; 3m
  2. Ø sangue ou leuco nas fezes Dx: ELISA nas amostras fecais (S/E 90% Grupo A)
  3. 90% assintomáticos Só a histolytica é patogenica