SlideShare uma empresa Scribd logo
Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Introdução; Evolução da ciência; Bases da ciência; Modelo mecanicista; Falha do conceito de Ciência Moderna; Fim da Ciência Moderna. Índice
Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Ciências Naturais com o tema: “Desenvolvimento científico e tecnológico (trabalho científico)”. Que visa dar a conhecer como evoluiu e as suas vantagens e desvantagens. A ciência caracteriza-se como explicação racional de fenómenos, com vista à resolução de problemas. O seu papel, e a sua tomada de posição perante os diversos assuntos que preocupam a sociedade, têm variado de época para época. Actualmente, estes parâmetros da ciência ainda não estão completamente definidos. Este facto deve-se à crise que chocou a comunidade científica há cerca de meio século. Introdução
Da Antiguidade até ao séc. XVII aproximadamente , a ciência e a filosofia formavam um todo, a ciência tinha, até, o nome de filosofia natural, muito controlada pela religião. Contudo, o aparecimento da astronomia e física modernas fizeram diminuir a pouco e pouco o controlo da religião sobre a ciência, permitindo a independência desta. É assim que a Ciência Moderna nasce no séc. XVI. O Renascimento cria uma grande revolução científica que transtorna os conceitos e as ideias fundamentais da Natureza, do Homem, e do Universo. Evolução da ciência
Esta ciência assenta em dois grandes pressupostos: a experiência imediata (rejeição absoluta dos dados dos sentidos) e preconceitos (senso comum). A Ciência Moderna tinha um método próprio, que consistia em dividir a realidade em partes, de modo a poder simplificá-las, entendê-las, analisá-las e classificá-las uma a uma. Posteriormente, juntava novamente todas estas partes, e acreditava ter diante de si um estudo fiável que abrangia toda a realidade. Bases da ciência
Modelo mecanicista O modelo desta ciência designa-se por Modelo Mecanicista, que encara o Universo como uma máquina, cujos resultados são previsíveis através de leis físicas e matemáticas. Este modelo baseia-se em três premissas: a homogeneidade da matéria, a regularidade cíclica dos acontecimentos, e a causalidade ou racionalidade do Universo.
A Ciência Moderna defende a imutabilidade da espécie humana. Esta visão queria-se racional, sem ilusões, e distinta da visão medieval do mundo que veio substituir. Foi então que todo este conceito de Ciência Moderna, ao ser posto à prova, falhou. Einstein e Galileu Galilei foram duas figuras que contribuiram para este insucesso. Falha do conceito de Ciência Moderna
O fim da Ciência Moderna foi então acelerado e marcado pela 2ª Guerra Mundial. As consequências desta guerra, que não tinham sido previstas, levaram a comunidade científica da altura a questionar-se sobre o quão ético e correcto fora o lançamento das bombas nucleares no Japão. Fim da Ciência Moderna
Graças à tecnologia, também a vida das pessoas tem mudado muito: existem hoje máquinas e aparelhos que facilitam as várias actividades profissionais, culturais,  desportivas e de lazer: computadores, telemóveis, automóveis, máquinas de lavar, microondas e televisões, são bons exemplos de como a tecnologia pode servir as populações, permitindo-lhes, simultaneamente, usufruir de uma melhor qualidade de vida. Vantagens
Hoje, mais do que nunca, a Ciência depende de um grande suporte tecnológico para poder evoluir. Acontece que a investigação tecnológica, sobretudo a espacial, é muito dispendiosa exigindo grandes investimentos. Por isso, mesmo os países que no início  da investigação espacial desenvolviam projectos nacionais, participam, cada vez mais, em projectos e missões que envolvem várias nações.  Esta evolução tecnológica nem sempre foi uma sucessão de êxitos, havendo a registar muitos fracassos que  colocaram muitas vezes em risco vidas humanas e materiais técnicos, além de comportarem enormes custos económicos.  Desvantagens
Com a realização deste trabalho esperamos ter dado a conhecer o desenvolvimento científico e tecnológico e as suas respectivas vantagens e desvantagens.  Conclusão Trabalho realizado por: Francisco Lopes, nº 12 João Martins, nº 26

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Deus
DeusDeus
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Rafael Cristino
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
Ilda Bicacro
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
Luisa Lamas
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
anabelamatosanjos
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
Erica Frau
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
Luis De Sousa Rodrigues
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
Danilo Pires
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
João Pedro Rodrigues
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Educação para o consumo
Educação para o consumoEducação para o consumo
Educação para o consumo
Fillipe Lobo
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º período
Lia Treacy
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
Diogo Mateus
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Isabel Moura
 

Mais procurados (20)

01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Educação para o consumo
Educação para o consumoEducação para o consumo
Educação para o consumo
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º período
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 

Semelhante a Desenvolvimento científico e tecnológico

O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...
O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...
O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...
Faga1939
 
Ciência, tecnologia e bioética.pdf
Ciência, tecnologia e bioética.pdfCiência, tecnologia e bioética.pdf
Ciência, tecnologia e bioética.pdf
PatrciaDeOliveirados
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limites
mluisavalente
 
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológicaFilosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Ulysses Varela
 
Filosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestreFilosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestre
alemisturini
 
Epistemologia - Hipótese e Causalidade
Epistemologia - Hipótese e Causalidade Epistemologia - Hipótese e Causalidade
Epistemologia - Hipótese e Causalidade
Siméia Azevedo
 
O que é fisica
O que é fisicaO que é fisica
O que é fisica
gil junior
 
A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...
A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...
A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...
Faga1939
 
Progr.radio in progress
Progr.radio in progressProgr.radio in progress
Progr.radio in progress
filipassis
 
ENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docx
ENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docxENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docx
ENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docx
TeresaVarela11
 
Material jogos e textos citologia
Material jogos e textos citologiaMaterial jogos e textos citologia
Material jogos e textos citologia
Professora Márcia Alves
 
O colapso da ideia iluminista de progresso
O colapso da ideia iluminista de progressoO colapso da ideia iluminista de progresso
O colapso da ideia iluminista de progresso
Fernando Alcoforado
 
A Ciência.pptx
A Ciência.pptxA Ciência.pptx
A Ciência.pptx
AntnioCsarBurnat
 
Ciencia Patricio
Ciencia PatricioCiencia Patricio
Ciencia Patricio
jmbpatricio
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
Renata Antunes
 
MISTÉRIO DO UNIVERSO.pptx
MISTÉRIO DO UNIVERSO.pptxMISTÉRIO DO UNIVERSO.pptx
MISTÉRIO DO UNIVERSO.pptx
ThallesRanniere
 
Grupo 01
Grupo 01Grupo 01
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
Faga1939
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
Margarida Rodrigues
 

Semelhante a Desenvolvimento científico e tecnológico (20)

O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...
O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...
O LIVRO “A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA AO LONGO DA HISTÓRIA” DE FERNA...
 
Ciência, tecnologia e bioética.pdf
Ciência, tecnologia e bioética.pdfCiência, tecnologia e bioética.pdf
Ciência, tecnologia e bioética.pdf
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limites
 
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológicaFilosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
 
Filosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestreFilosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestre
 
Epistemologia - Hipótese e Causalidade
Epistemologia - Hipótese e Causalidade Epistemologia - Hipótese e Causalidade
Epistemologia - Hipótese e Causalidade
 
O que é fisica
O que é fisicaO que é fisica
O que é fisica
 
A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...
A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...
A ESCALADA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA E SUA CONTRIBUIÇÃO AO PROGRESSO E À SOB...
 
Progr.radio in progress
Progr.radio in progressProgr.radio in progress
Progr.radio in progress
 
ENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docx
ENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docxENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docx
ENTRE O ETTHOS E A FRAUDE - Final.docx
 
Material jogos e textos citologia
Material jogos e textos citologiaMaterial jogos e textos citologia
Material jogos e textos citologia
 
O colapso da ideia iluminista de progresso
O colapso da ideia iluminista de progressoO colapso da ideia iluminista de progresso
O colapso da ideia iluminista de progresso
 
A Ciência.pptx
A Ciência.pptxA Ciência.pptx
A Ciência.pptx
 
Ciencia Patricio
Ciencia PatricioCiencia Patricio
Ciencia Patricio
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
 
MISTÉRIO DO UNIVERSO.pptx
MISTÉRIO DO UNIVERSO.pptxMISTÉRIO DO UNIVERSO.pptx
MISTÉRIO DO UNIVERSO.pptx
 
Grupo 01
Grupo 01Grupo 01
Grupo 01
 
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
 
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
 

Mais de João Martins

Teoria institucional da arte
Teoria institucional da arteTeoria institucional da arte
Teoria institucional da arte
João Martins
 
Ensaio arte
Ensaio arteEnsaio arte
Ensaio arte
João Martins
 
Resumos de geologia
Resumos de geologiaResumos de geologia
Resumos de geologia
João Martins
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
João Martins
 
Resumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belémResumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belém
João Martins
 
Esquemas geo
Esquemas geoEsquemas geo
Esquemas geo
João Martins
 
Cn3 trabalho crmrar
Cn3 trabalho crmrarCn3 trabalho crmrar
Cn3 trabalho crmrar
João Martins
 
Cn vulcões
Cn vulcõesCn vulcões
Cn vulcões
João Martins
 
Giotto
GiottoGiotto
A Tundra e a Floresta Tropical
A Tundra e a Floresta TropicalA Tundra e a Floresta Tropical
A Tundra e a Floresta Tropical
João Martins
 
Easter holidays home work
Easter holidays home workEaster holidays home work
Easter holidays home work
João Martins
 
A Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas eras
A Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas erasA Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas eras
A Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas eras
João Martins
 
CiêNcias Naturais Trabalho Etgfve
CiêNcias Naturais   Trabalho EtgfveCiêNcias Naturais   Trabalho Etgfve
CiêNcias Naturais Trabalho Etgfve
João Martins
 
Cartaz Dia Mundial Do Ambiente
Cartaz Dia Mundial Do AmbienteCartaz Dia Mundial Do Ambiente
Cartaz Dia Mundial Do Ambiente
João Martins
 
A Sida
A SidaA Sida
O Que é A Sida
O Que é A SidaO Que é A Sida
O Que é A Sida
João Martins
 

Mais de João Martins (16)

Teoria institucional da arte
Teoria institucional da arteTeoria institucional da arte
Teoria institucional da arte
 
Ensaio arte
Ensaio arteEnsaio arte
Ensaio arte
 
Resumos de geologia
Resumos de geologiaResumos de geologia
Resumos de geologia
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Resumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belémResumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belém
 
Esquemas geo
Esquemas geoEsquemas geo
Esquemas geo
 
Cn3 trabalho crmrar
Cn3 trabalho crmrarCn3 trabalho crmrar
Cn3 trabalho crmrar
 
Cn vulcões
Cn vulcõesCn vulcões
Cn vulcões
 
Giotto
GiottoGiotto
Giotto
 
A Tundra e a Floresta Tropical
A Tundra e a Floresta TropicalA Tundra e a Floresta Tropical
A Tundra e a Floresta Tropical
 
Easter holidays home work
Easter holidays home workEaster holidays home work
Easter holidays home work
 
A Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas eras
A Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas erasA Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas eras
A Escala de Tempo Geológico e as Formas de Vida em algumas eras
 
CiêNcias Naturais Trabalho Etgfve
CiêNcias Naturais   Trabalho EtgfveCiêNcias Naturais   Trabalho Etgfve
CiêNcias Naturais Trabalho Etgfve
 
Cartaz Dia Mundial Do Ambiente
Cartaz Dia Mundial Do AmbienteCartaz Dia Mundial Do Ambiente
Cartaz Dia Mundial Do Ambiente
 
A Sida
A SidaA Sida
A Sida
 
O Que é A Sida
O Que é A SidaO Que é A Sida
O Que é A Sida
 

Último

Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

Desenvolvimento científico e tecnológico

  • 2. Introdução; Evolução da ciência; Bases da ciência; Modelo mecanicista; Falha do conceito de Ciência Moderna; Fim da Ciência Moderna. Índice
  • 3. Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Ciências Naturais com o tema: “Desenvolvimento científico e tecnológico (trabalho científico)”. Que visa dar a conhecer como evoluiu e as suas vantagens e desvantagens. A ciência caracteriza-se como explicação racional de fenómenos, com vista à resolução de problemas. O seu papel, e a sua tomada de posição perante os diversos assuntos que preocupam a sociedade, têm variado de época para época. Actualmente, estes parâmetros da ciência ainda não estão completamente definidos. Este facto deve-se à crise que chocou a comunidade científica há cerca de meio século. Introdução
  • 4. Da Antiguidade até ao séc. XVII aproximadamente , a ciência e a filosofia formavam um todo, a ciência tinha, até, o nome de filosofia natural, muito controlada pela religião. Contudo, o aparecimento da astronomia e física modernas fizeram diminuir a pouco e pouco o controlo da religião sobre a ciência, permitindo a independência desta. É assim que a Ciência Moderna nasce no séc. XVI. O Renascimento cria uma grande revolução científica que transtorna os conceitos e as ideias fundamentais da Natureza, do Homem, e do Universo. Evolução da ciência
  • 5. Esta ciência assenta em dois grandes pressupostos: a experiência imediata (rejeição absoluta dos dados dos sentidos) e preconceitos (senso comum). A Ciência Moderna tinha um método próprio, que consistia em dividir a realidade em partes, de modo a poder simplificá-las, entendê-las, analisá-las e classificá-las uma a uma. Posteriormente, juntava novamente todas estas partes, e acreditava ter diante de si um estudo fiável que abrangia toda a realidade. Bases da ciência
  • 6. Modelo mecanicista O modelo desta ciência designa-se por Modelo Mecanicista, que encara o Universo como uma máquina, cujos resultados são previsíveis através de leis físicas e matemáticas. Este modelo baseia-se em três premissas: a homogeneidade da matéria, a regularidade cíclica dos acontecimentos, e a causalidade ou racionalidade do Universo.
  • 7. A Ciência Moderna defende a imutabilidade da espécie humana. Esta visão queria-se racional, sem ilusões, e distinta da visão medieval do mundo que veio substituir. Foi então que todo este conceito de Ciência Moderna, ao ser posto à prova, falhou. Einstein e Galileu Galilei foram duas figuras que contribuiram para este insucesso. Falha do conceito de Ciência Moderna
  • 8. O fim da Ciência Moderna foi então acelerado e marcado pela 2ª Guerra Mundial. As consequências desta guerra, que não tinham sido previstas, levaram a comunidade científica da altura a questionar-se sobre o quão ético e correcto fora o lançamento das bombas nucleares no Japão. Fim da Ciência Moderna
  • 9. Graças à tecnologia, também a vida das pessoas tem mudado muito: existem hoje máquinas e aparelhos que facilitam as várias actividades profissionais, culturais, desportivas e de lazer: computadores, telemóveis, automóveis, máquinas de lavar, microondas e televisões, são bons exemplos de como a tecnologia pode servir as populações, permitindo-lhes, simultaneamente, usufruir de uma melhor qualidade de vida. Vantagens
  • 10. Hoje, mais do que nunca, a Ciência depende de um grande suporte tecnológico para poder evoluir. Acontece que a investigação tecnológica, sobretudo a espacial, é muito dispendiosa exigindo grandes investimentos. Por isso, mesmo os países que no início da investigação espacial desenvolviam projectos nacionais, participam, cada vez mais, em projectos e missões que envolvem várias nações. Esta evolução tecnológica nem sempre foi uma sucessão de êxitos, havendo a registar muitos fracassos que colocaram muitas vezes em risco vidas humanas e materiais técnicos, além de comportarem enormes custos económicos. Desvantagens
  • 11. Com a realização deste trabalho esperamos ter dado a conhecer o desenvolvimento científico e tecnológico e as suas respectivas vantagens e desvantagens. Conclusão Trabalho realizado por: Francisco Lopes, nº 12 João Martins, nº 26