SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA
CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS
TEORIA DA CONTABILIDADE
TEMA: DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO
TEORIA DA CONTABILIDADE
 DEPRECIAÇÃO
 Introdução
 Conceito
 Ativo Imobilizado
 Bens que compõem o imobilizado
 Bens que não podem ser depreciados
 Critérios de depreciação
 Métodos de Depreciação
 Quotas constantes ou Linear
 Somas dos Dígitos
 Unidades Produzidas
 DEPRECIAÇÃO ACELERADA
 AMORTIZAÇÃO
 Introdução
 Conceito
 Critérios de Amortização
 Métodos de Amortização
INTRODUÇÃO A DEPRECIAÇÃO
 A função da contabilidade é registrar as entradas e
saídas ocorridas em um determinado período.
 Tal conceito foi difundido pelo Frei Luca Pacioli há
séculos atrás, tornando-se conhecido como o
método das partículas dobradas.
 Na época de sua criação, a contabilidade não se
preocupava com a perda da receita causada pelo
desperdício e com a obsolescência que ocorre com a
utilização dos ativos.
 A depreciação é um conceito contábil que vem
corrigir as distorções que ocorrem nos ativos
imobilizados. Esse conceito começou a ser utilizado
após a segunda guerra mundial, para ajustar os
custos de fabricação e o desgaste dos equipamentos.
DEPRECIAÇÃO
É o lançamento contábil que expressa a
perda do valor contábil dos bens
tangíveis pelo desgaste, pelo uso, ação
da natureza ou obsolescência
Valor Contábil é o valor em que o ativo
ou passivo é reconhecido no Balanço
Patrimonial.
Bens tangíveis são bens duráveis que
possui uma vida útil superior a 1 ano.
EX: imóveis, veículos, maquinas,
instalações, equipamentos, móveis e
utensílios.
DEPRECIAÇÃO
Uso Ação da Natureza Obsolescência
DEPRECIAÇÃO
• A depreciação reflete diretamente
no Balanço Patrimonial
• É uma conta retificadora do Ativo
• Sendo contabilizado como custo
ou despesa operacional
dependendo da utilização do Bem
que sofre o desgaste.
Custo : quando utilizado na
produção.
Exemplo:
Despesa operacional: quando
referente a outro aspecto.
Exemplo:
DEPRECIAÇÃO E ATIVO
IMOBILIZADO
 A depreciação é voltada para
os bens do Ativo Imobilizados
 O ativo Imobilizado se divide
em Tangíveis e Intangíveis
 Apenas os Bens Tangíveis são
Depreciados.
BENS QUE COMPÕEM O IMOBILIZADO
 Terrenos e Edifícios utilizados pela
empresa
 Instalações
 Maquinas e Equipamentos
 Veículos (quando for utilizados para
transporte e não para revenda)
 Benfeitorias em Imóveis de Terceiro
 Marcas e Patentes
 Direito de Recursos Naturais
BENS QUE NÃO PODEM SER
DEPRECIADOS
 Terrenos, exceto os melhoramentos
Exemplos: benfeitorias e construções
 Prédios e construções que não
produza rendimentos ou que seja
destinado a revenda.
Exemplos: As casas construídas por construtores
para revenda pelo SFH
 Bens que normalmente aumentam
o valor com o tempo.
Exemplos: Obras de arte e Antiguidades
 Bens que são registrados contas de
exaustão.
Exemplos: florestas destinadas ao corte e jazidas
minerais
MENSURAÇÃO E RECONHECIMENTO
 O valor depreciado, apurado mensalmente, deve ser
reconhecido nas variações patrimoniais do exercício
durante sua vida útil econômica.
 O valor residual e a vida útil econômica de um ativo
devem ser revisados, pelo menos, no final de cada
exercício; quando as expectativas diferirem das
estimativas anteriores, as alterações devem ser
efetuadas.
 A depreciação, deve ser reconhecidas até que o valor
contábil do ativo seja igual ao valor residual.
 A depreciação de um ativo começará quando o item
estiver em condições de uso.
 A depreciação não cessa quando o ativo torna-se
obsoleto ou é retirado temporariamente de operação.
 Os seguintes fatores devem ser considerados ao se estimar a vida
útil econômica de um ativo:
A capacidade de geração de benefícios futuros;
O desgaste físico decorrente de fatores operacionais ou não;
A obsolescência tecnológica;
Os limites legais ou contratuais sobre o uso ou exploração do ativo.
A definição da vida útil econômica se dará com base em
parâmetros e índices admitidos em norma específica.
 calculada e registrada sobre o novo valor, considerada a vida útil
econômica indicada.
CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO
 Os métodos de depreciação devem ser compatíveis com a vida útil
econômica do ativo e aplicados uniformemente.
 Método das quotas constantes;
 Método das somas dos dígitos;
 Método das unidades produzidas.
TAXAS DE DEPRECIAÇÃO
Tipos de Ativos Taxa Anual Anos de vida útil
Edifícios 4% 25
Maquinas e
Equipamentos
10% 10
Instalações 10% 10
Móveis e
Utensílios
10% 10
Veículos 20% 5
Computadores
e Periféricos
20% 5
DIVULGAÇÃO DA DEPRECIAÇÃO
 As demonstrações contábeis devem divulgar, para cada classe de imobilizado, em nota
explicativa:
 O método utilizado, a vida útil econômica e a taxa utilizada;
 O valor contábil bruto e a depreciação, a amortização e a exaustão acumuladas no
início e no fim do período;
 As mudanças nas estimativas em relação a valores residuais, vida útil econômica,
método e taxa utilizados.
MÉTODO DAS COTAS
CONSTANTES ou LINEAR
Calcular o Valor da depreciação uma
maquina de R$ 400.000,00, sabendo
que a vida útil é de 5 anos, e o valor
residual de R$ 50.000,00
MÉTODO DAS SOMAS DOS
DÍGITOS
Uma maquina tem custo de aquisição
de R$ 100.000,00 , valor residual de R$
10.000,00 e vida útil de cinco anos.
Dn =
𝑁 −(𝑛 −1)
𝑆𝑑
. (Va – Vr)
Dn = depreciação para o Ano n
Sd = soma dos dígitos
Va = valor do ativo
Vr = Valor residual
MÉTODOS DAS UNIDADES
PRODUZIDAS
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO
DEPRECIAÇÃO ACELERADA
O que é Depreciação acelerada?
 Para alguns tipos de bens de Ativo, especialmente as máquinas industriais, existe um método específico que
permite dependendo da máquina e do tipo de negócios, depreciar o bem do Ativo em taxas maiores caso
se utilizem as máquinas em mais de um turno operacional. Dessa forma, um bem cuja taxa normal de
depreciação é de 10% ao ano poderá ser depreciado em 15% se operar 16 horas por dia, ou 20% se operar
24 horas por dia.
 É reconhecida e registrada contabilmente, relativa a diminuição dos bens móveis, resultantes do desgaste
pelo uso em regime de operação superior ao normal, calculada com base no número de horas diárias de
operação, e para a qual a legislação fiscal, igualmente, acata a sua dedutibilidade. (RIR/1999, art.312);
(exemplo: uma indústria com turno matutino, vespertino e noturno)
DEPRECIAÇÃO ACELERADA
 O Regulamento do Imposto de Renda possibilita ao contribuinte adotar taxas de depreciação que melhor
representem a vida útil econômica dos bens de produção, desde que determinadas com base em estudos e
laudos técnicos especializados. Remanescendo dúvidas, o contribuinte pode ainda pedir perícia do Instituto
Nacional de Tecnologia, ou de outra entidade oficial de pesquisa científica ou tecnológica, prevalecendo os
prazos de vida útil recomendados por essas instituições (Lei 4.506/1964, art. 57, § 4º).
 Em relação aos bens móveis, poderão ser adotados, em função do número de horas diárias de operação, os
seguintes coeficientes de depreciação acelerada (Lei 3.470/1958, art. 69):
 I – um turno de oito horas................................1,0;
 II – dois turnos de oito horas............................1,5;
 III – três turnos de oito horas............................2,0.
 Portanto, a utilização da aceleração da depreciação contábil, quando há mais de um turno diário de operação,
poderá permitir uma contabilização maior de encargos dedutíveis na apuração do resultado tributável.
DEPRECIAÇÃO ACELERADA
 Exemplo:
 Máquina com custo de aquisição de
R$ 100.000,00
 Período de atividade: 2 turnos de 8
horas
 Taxa anual de depreciação: 10%
 Cálculo:
Custo de aquisição R$ 100.000,00
Taxa de depreciação anual (1 turno) 10%
Quota anual de depreciação R$ 10.000,00
Coeficiente de aceleração 1,5
Depreciação contábil acelerada anual R$ 15.000,00
AMORTIZAÇÃO
 É a diminuição do valor dos Bens
Intangíveis que integram o Ativo
Permanente.
 Bens Intangíveis são bens que não
podemos tocar, mais podemos
comprovar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contabilidade de custos fácil
Contabilidade de custos fácilContabilidade de custos fácil
Contabilidade de custos fácil
UFRR
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
Bolivar Motta
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
belyalmeida
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Rafael Gonçalves
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Daniel Moura
 
Aula 4 debito e credito
Aula 4  debito e creditoAula 4  debito e credito
Aula 4 debito e credito
Elane Silva
 
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de AtivosCPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
Moore Stephens Brasil
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Rafael Gonçalves
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
Danilo Pereira
 
Aula 2 e 3 novos slides
Aula 2 e 3 novos slidesAula 2 e 3 novos slides
Aula 2 e 3 novos slides
Icaro Mendes
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
Isabel Castilho
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
smalheiros
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
Filipe Mello
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
contacontabil
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
Dayane Dias
 
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária iiApostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
GJ MARKETING DIGITAL
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
Cristiano Rodrigues Barcellos
 
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
Treasy | Planejamento e Controladoria online!
 
Investimento
InvestimentoInvestimento
Investimento
Nuno Casimiro
 
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
Moore Stephens Brasil
 

Mais procurados (20)

Contabilidade de custos fácil
Contabilidade de custos fácilContabilidade de custos fácil
Contabilidade de custos fácil
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
 
Aula 4 debito e credito
Aula 4  debito e creditoAula 4  debito e credito
Aula 4 debito e credito
 
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de AtivosCPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Aula 2 e 3 novos slides
Aula 2 e 3 novos slidesAula 2 e 3 novos slides
Aula 2 e 3 novos slides
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária iiApostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
 
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
 
Investimento
InvestimentoInvestimento
Investimento
 
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
 

Semelhante a Depreciação e Métodos

Encerramento do exercicio
Encerramento do exercicioEncerramento do exercicio
Encerramento do exercicio
simuladocontabil
 
Aula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidadeAula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
Claudia Marinho
 
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Sustentare Escola de Negócios
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
Neimar Pereira
 
Caderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetes
Caderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetesCaderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetes
Caderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetes
Daniel Itabaiana
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
Cleilza De Sales Santos
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
zeramento contabil
 
Depreciaçao resumido
Depreciaçao resumidoDepreciaçao resumido
Depreciaçao resumido
Sociedade Beneficente São Camilo
 
Análise das demonstrações
Análise das demonstraçõesAnálise das demonstrações
Análise das demonstrações
Marcelo Bretas Couto
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
Daniele Lopes de Souza
 
Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4
J M
 
Aula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidadeAula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADE
Asclar Stampa
 
Apostila financeira
Apostila financeiraApostila financeira
Apostila financeira
custos contabil
 
Eco111 Aula 09
Eco111 Aula 09Eco111 Aula 09
Eco111 Aula 09
Thiago Ribeiro
 
Auxiliar administrativo
Auxiliar administrativoAuxiliar administrativo
Auxiliar administrativo
Francisco Bezerra
 
Depreciação resolução comentada
Depreciação resolução comentadaDepreciação resolução comentada
Depreciação resolução comentada
simuladocontabil
 
Ativo imobilizado
Ativo imobilizadoAtivo imobilizado
Ativo imobilizado
zeramento contabil
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
Mylena Barros
 

Semelhante a Depreciação e Métodos (20)

Encerramento do exercicio
Encerramento do exercicioEncerramento do exercicio
Encerramento do exercicio
 
Aula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidadeAula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidade
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
 
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
 
Caderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetes
Caderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetesCaderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetes
Caderno de exercicios de contabilidade-ii FUCCAMP, razonetes e balancetes
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
 
Depreciaçao resumido
Depreciaçao resumidoDepreciaçao resumido
Depreciaçao resumido
 
Análise das demonstrações
Análise das demonstraçõesAnálise das demonstrações
Análise das demonstrações
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
 
Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4
 
Aula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidadeAula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidade
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONTABILIDADE
 
Apostila financeira
Apostila financeiraApostila financeira
Apostila financeira
 
Eco111 Aula 09
Eco111 Aula 09Eco111 Aula 09
Eco111 Aula 09
 
Auxiliar administrativo
Auxiliar administrativoAuxiliar administrativo
Auxiliar administrativo
 
Depreciação resolução comentada
Depreciação resolução comentadaDepreciação resolução comentada
Depreciação resolução comentada
 
Ativo imobilizado
Ativo imobilizadoAtivo imobilizado
Ativo imobilizado
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 

Depreciação e Métodos

  • 1. FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEORIA DA CONTABILIDADE TEMA: DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO
  • 2. TEORIA DA CONTABILIDADE  DEPRECIAÇÃO  Introdução  Conceito  Ativo Imobilizado  Bens que compõem o imobilizado  Bens que não podem ser depreciados  Critérios de depreciação  Métodos de Depreciação  Quotas constantes ou Linear  Somas dos Dígitos  Unidades Produzidas  DEPRECIAÇÃO ACELERADA  AMORTIZAÇÃO  Introdução  Conceito  Critérios de Amortização  Métodos de Amortização
  • 3. INTRODUÇÃO A DEPRECIAÇÃO  A função da contabilidade é registrar as entradas e saídas ocorridas em um determinado período.  Tal conceito foi difundido pelo Frei Luca Pacioli há séculos atrás, tornando-se conhecido como o método das partículas dobradas.  Na época de sua criação, a contabilidade não se preocupava com a perda da receita causada pelo desperdício e com a obsolescência que ocorre com a utilização dos ativos.  A depreciação é um conceito contábil que vem corrigir as distorções que ocorrem nos ativos imobilizados. Esse conceito começou a ser utilizado após a segunda guerra mundial, para ajustar os custos de fabricação e o desgaste dos equipamentos.
  • 4. DEPRECIAÇÃO É o lançamento contábil que expressa a perda do valor contábil dos bens tangíveis pelo desgaste, pelo uso, ação da natureza ou obsolescência Valor Contábil é o valor em que o ativo ou passivo é reconhecido no Balanço Patrimonial. Bens tangíveis são bens duráveis que possui uma vida útil superior a 1 ano. EX: imóveis, veículos, maquinas, instalações, equipamentos, móveis e utensílios.
  • 5. DEPRECIAÇÃO Uso Ação da Natureza Obsolescência
  • 6. DEPRECIAÇÃO • A depreciação reflete diretamente no Balanço Patrimonial • É uma conta retificadora do Ativo • Sendo contabilizado como custo ou despesa operacional dependendo da utilização do Bem que sofre o desgaste. Custo : quando utilizado na produção. Exemplo: Despesa operacional: quando referente a outro aspecto. Exemplo:
  • 7. DEPRECIAÇÃO E ATIVO IMOBILIZADO  A depreciação é voltada para os bens do Ativo Imobilizados  O ativo Imobilizado se divide em Tangíveis e Intangíveis  Apenas os Bens Tangíveis são Depreciados.
  • 8. BENS QUE COMPÕEM O IMOBILIZADO  Terrenos e Edifícios utilizados pela empresa  Instalações  Maquinas e Equipamentos  Veículos (quando for utilizados para transporte e não para revenda)  Benfeitorias em Imóveis de Terceiro  Marcas e Patentes  Direito de Recursos Naturais
  • 9. BENS QUE NÃO PODEM SER DEPRECIADOS  Terrenos, exceto os melhoramentos Exemplos: benfeitorias e construções  Prédios e construções que não produza rendimentos ou que seja destinado a revenda. Exemplos: As casas construídas por construtores para revenda pelo SFH  Bens que normalmente aumentam o valor com o tempo. Exemplos: Obras de arte e Antiguidades  Bens que são registrados contas de exaustão. Exemplos: florestas destinadas ao corte e jazidas minerais
  • 10. MENSURAÇÃO E RECONHECIMENTO  O valor depreciado, apurado mensalmente, deve ser reconhecido nas variações patrimoniais do exercício durante sua vida útil econômica.  O valor residual e a vida útil econômica de um ativo devem ser revisados, pelo menos, no final de cada exercício; quando as expectativas diferirem das estimativas anteriores, as alterações devem ser efetuadas.  A depreciação, deve ser reconhecidas até que o valor contábil do ativo seja igual ao valor residual.  A depreciação de um ativo começará quando o item estiver em condições de uso.  A depreciação não cessa quando o ativo torna-se obsoleto ou é retirado temporariamente de operação.  Os seguintes fatores devem ser considerados ao se estimar a vida útil econômica de um ativo: A capacidade de geração de benefícios futuros; O desgaste físico decorrente de fatores operacionais ou não; A obsolescência tecnológica; Os limites legais ou contratuais sobre o uso ou exploração do ativo. A definição da vida útil econômica se dará com base em parâmetros e índices admitidos em norma específica.  calculada e registrada sobre o novo valor, considerada a vida útil econômica indicada.
  • 12. MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO  Os métodos de depreciação devem ser compatíveis com a vida útil econômica do ativo e aplicados uniformemente.  Método das quotas constantes;  Método das somas dos dígitos;  Método das unidades produzidas.
  • 13. TAXAS DE DEPRECIAÇÃO Tipos de Ativos Taxa Anual Anos de vida útil Edifícios 4% 25 Maquinas e Equipamentos 10% 10 Instalações 10% 10 Móveis e Utensílios 10% 10 Veículos 20% 5 Computadores e Periféricos 20% 5
  • 14. DIVULGAÇÃO DA DEPRECIAÇÃO  As demonstrações contábeis devem divulgar, para cada classe de imobilizado, em nota explicativa:  O método utilizado, a vida útil econômica e a taxa utilizada;  O valor contábil bruto e a depreciação, a amortização e a exaustão acumuladas no início e no fim do período;  As mudanças nas estimativas em relação a valores residuais, vida útil econômica, método e taxa utilizados.
  • 15. MÉTODO DAS COTAS CONSTANTES ou LINEAR Calcular o Valor da depreciação uma maquina de R$ 400.000,00, sabendo que a vida útil é de 5 anos, e o valor residual de R$ 50.000,00
  • 16. MÉTODO DAS SOMAS DOS DÍGITOS Uma maquina tem custo de aquisição de R$ 100.000,00 , valor residual de R$ 10.000,00 e vida útil de cinco anos. Dn = 𝑁 −(𝑛 −1) 𝑆𝑑 . (Va – Vr) Dn = depreciação para o Ano n Sd = soma dos dígitos Va = valor do ativo Vr = Valor residual
  • 19. DEPRECIAÇÃO ACELERADA O que é Depreciação acelerada?  Para alguns tipos de bens de Ativo, especialmente as máquinas industriais, existe um método específico que permite dependendo da máquina e do tipo de negócios, depreciar o bem do Ativo em taxas maiores caso se utilizem as máquinas em mais de um turno operacional. Dessa forma, um bem cuja taxa normal de depreciação é de 10% ao ano poderá ser depreciado em 15% se operar 16 horas por dia, ou 20% se operar 24 horas por dia.  É reconhecida e registrada contabilmente, relativa a diminuição dos bens móveis, resultantes do desgaste pelo uso em regime de operação superior ao normal, calculada com base no número de horas diárias de operação, e para a qual a legislação fiscal, igualmente, acata a sua dedutibilidade. (RIR/1999, art.312); (exemplo: uma indústria com turno matutino, vespertino e noturno)
  • 20. DEPRECIAÇÃO ACELERADA  O Regulamento do Imposto de Renda possibilita ao contribuinte adotar taxas de depreciação que melhor representem a vida útil econômica dos bens de produção, desde que determinadas com base em estudos e laudos técnicos especializados. Remanescendo dúvidas, o contribuinte pode ainda pedir perícia do Instituto Nacional de Tecnologia, ou de outra entidade oficial de pesquisa científica ou tecnológica, prevalecendo os prazos de vida útil recomendados por essas instituições (Lei 4.506/1964, art. 57, § 4º).  Em relação aos bens móveis, poderão ser adotados, em função do número de horas diárias de operação, os seguintes coeficientes de depreciação acelerada (Lei 3.470/1958, art. 69):  I – um turno de oito horas................................1,0;  II – dois turnos de oito horas............................1,5;  III – três turnos de oito horas............................2,0.  Portanto, a utilização da aceleração da depreciação contábil, quando há mais de um turno diário de operação, poderá permitir uma contabilização maior de encargos dedutíveis na apuração do resultado tributável.
  • 21. DEPRECIAÇÃO ACELERADA  Exemplo:  Máquina com custo de aquisição de R$ 100.000,00  Período de atividade: 2 turnos de 8 horas  Taxa anual de depreciação: 10%  Cálculo: Custo de aquisição R$ 100.000,00 Taxa de depreciação anual (1 turno) 10% Quota anual de depreciação R$ 10.000,00 Coeficiente de aceleração 1,5 Depreciação contábil acelerada anual R$ 15.000,00
  • 22. AMORTIZAÇÃO  É a diminuição do valor dos Bens Intangíveis que integram o Ativo Permanente.  Bens Intangíveis são bens que não podemos tocar, mais podemos comprovar.