SlideShare uma empresa Scribd logo
ATIVO IMOBILIZADO IMOBILIZADO DEPRECIAÇÃO DEPRECIAÇÃO ACELERADA DEPRECIAÇÃO INCENTIVADA AMORTIZAÇÃO EXAUSTÃO
IMOBILIZADO Natureza do Ativo Imobilizado Entende-se por ativo imobilizado os ativos de  natureza permanente  e que se  destinam nas  operações de negócios de uma empresa e que não de destina a vendas. Um Ativo poderá ser considerado relativamente Permanente Imobilizado quando : 1) Houver natureza relativamente permanente 2) Ser utilizado na operação dos negócios 3) Não se destinar a vendas “ Relativamente ” – É importante ressaltar que quando usamos esta palavra, nos referimos a condição que praticamente nenhum bem (com exceção dos terrenos) possui vida ilimitada dentro da empresa, sofrendo desgaste com uso, passar do tempo e obsolescência.
IMOBILIZADO Também é válido ressaltar que tanto a obsolescência (em desuso, antiquado) como o desgaste são reconhecidos pela legislação que autoriza as empresas a contabilizarem tais desgastes como depreciação LEMBRANDO TAMBÉM QUE: O Contador deverá analisar a atividade da empresa para analisar se os Ativos terão tratamento como Imobilizado ou estoque. Exemplo:  Veículos – Para uma empresa de transporte poderão ser considerados como  ATIVO IMOBILIZADO,  porém, para uma concessionária poderão ser considerados como  ESTOQUE.
IMOBILIZADO O Ativo imobilizado pode ser classificado da seguinte forma: TANGÍVEIS São os Ativos que tem uma substância concreta, aqueles que conseguimos tocar como por exemplo, Edifícios e Equipamentos. INTANGÍVEIS São os Ativos que não tem uma substância concreta e que não podem ser tocados mas sim  comprovados.  Exemplos: 1) Fundo de Comércio (Goodwill) – Traz a importância da reputação da empresa e no ambiente em que ela atua, ou seja, o nome da empresa no mercado. 2) Direitos Autorais, Marcas e Patentes, Marcas de Indústria, ect.
IMOBILIZADO Alguns itens que compõem o imobilizado: Terrenos e Edifícios utilizados pela empresa Instalações Máquinas e Equipamentos Veículos ( quando for utilizado para transporte e não para revenda) Benfeitorias (Melhorias) em Imóveis de Terceiros Marcas e Patentes ( patente = registro de uma invenção) Direito de Recursos Naturais ( nesse caso, enquadram-se as empresas que exploram minérios)
DEPRECIAÇÃO Conceito : Fenômeno contábil que expressa a  perda do valor  que os valores imobilizados de utilização para a atividade da empresa sofrem no tempo. Conceituamos a depreciação como sendo a diminuição do valor dos bens que integram o Ativo Permanente, em decorrência do desgaste, perda de utilidade, ação da natureza ou obsolescência. O valor da depreciação poderá ser computado como custo ou despesa operacional conforme o caso.  A depreciação dos bens utilizados na produção de serviços será custo e os demais será despesa operacional.
DEPRECIAÇÃO O valor da depreciação será considerado na contabilidade a partir da época em que o bem for instalado, posto em serviço ou em condições de produzir. Um bem que se encontra no depósito aguardando sua instalação pode ser objeto de depreciação?  O bem somente poderá ser depreciado após instalado, posto em serviço ou em condições de produzir (RIR/1999 art.305 § 2º) O valor da depreciação acumulada  não poderá ultrapassar o custo de aquisição do bem a que se refere.   O mesmo se aplica a amortização e Exaustão O valor da depreciação dos bens do ativo imobilizado que tenha ocorrido na fase de constituição da empresa deverão ser escriturados no ativo diferido (gastos que resultaram no resultado de exercícios futuros. Exemplo: Custo de estudo e projetos que determinada organização se dedicará.
DEPRECIAÇÃO BENS QUE NÃO PODEM SER DEPRECIADOS:  De acordo com a Legislação em vigor (Regulamento do Imposto de Renda de 1999), não podem ser depreciados: a) terrenos, exceto os melhoramentos (benfeitorias, construções) b) prédios e construções que não produzam rendimentos ou que sejam destinados a revenda. c) bens que normalmente aumentam o valor com o tempo, como obras de arte e antiguidades d) bens que sejam registradas quotas de exaustão (Em termos contábeis, exaustão se relaciona com a perda dos bens ou direitos do ativo, ao longo do tempo, decorrentes de exploração, extração ou aproveitamento)  como florestas destinadas ao corte e jazidas minerais
DEPRECIAÇÃO - TAXAS Como deve ser fixada a taxa mensal da depreciação? A taxa de depreciação será fixada em função do prazo durante o qual se possa esperar a utilização econômica do bem, pelo contribuinte, na produção de seus rendimentos. Os prazos de vida útil e as taxas de depreciação foram fixadas pela  IN SRF nº 162 de 1998. Exemplos: 5 anos 20% ao ano Veículos 10 anos 10% ao ano Móveis e Utensílios 10 anos 10% ao ano Instalações 25 anos 4% ao ano Edifícios PRAZO TX.DEPRE-CIAÇÃO BENS
DEPRECIAÇÃO LANÇAMENTO O lançamento da depreciação será: D – Despesas (ou custo) de Depreciação C – Depreciação acumulada Onde, O débito representa o encargo econômico absorvido pela empresa. O crédito representa a retificação do bem do ativo, uma vez que houve o desgaste.
BENS USADOS O prazo de vida útil admissível para fins de depreciação de bem adquirido usado é o maior para os seguintes casos: Metade da vida útil, admissível para o bem adquirido novo Exemplos:  Se a empresa adquire um veículo usado, a taxa de depreciação a ser utilizada é obtida da seguinte forma: Vida útil do bem novo = 05 anos, logo, metade da vida útil será 2,5 anos, equivalente a 40% ao ano Restante da vida útil do bem Exemplos:  Restante da vida útil do bem = 03 anos. Logo, o bem foi usado durante dois anos, equivalente à taxa de 33,33 ao ano.
ASPECTOS FISCAIS Fisicamente, podem ser objeto de depreciação todos os bens físicos sujeitos a desgaste pelo uso, natureza ou obsolescência normal, inclusive: Edificações e construções, observando-se que: a) o bem deve começar a ser depreciado a partir da data da conclusão das obras e início da utilização b) as edificações devem estar separadas do custo de aquisição dos terrenos, uma vez que os terrenos não podem ser depreciados Benfeitorias em imóveis de terceiros alugados, quando o custo não puder ser amortizado durante o prazo de locação: a) bens cedidos em comodato  (empréstimo),  desde que seja a atividade da comodante  (a que emprestou) b) projetos florestais destinados à exploração dos respectivos frutos. (vide Parecer Normativo CST nº 18, de 1979 – site Receita Federal)
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO MÉTODO DAS QUOTAS CONSTANTES OU LINEAR É o método mais utilizado por causa de sua simplicidade e aceitação por parte do Fisco. Exemplo: Aquisição de um Veículo  Valor do bem: 10.000,00 Vida útil: 05 anos ou 20% ao ano Logo, o método de cálculo será: 10.000,00/05 anos = 2.000,00 ao ano ou 10.000,00 x 20% = 2.000,00 Ressaltando que o valor de  2.000,00  será o encargo com depreciação de um ano e que esse registro deverá ser feito mensalmente, ou seja  2.000,00 /12 = 166,67 ao mês As quotas de depreciação devem ser reconhecidas mensalmente (regime de competência), ou seja, lançadas mês a mês.
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO MÉTODO DAS somas dos Dígitos dos anos Por esse método temos uma fração cujo denominador é formado pela soma do número de anos de vida útil do bem e o numerador é composto dos anos sucessivos Exemplo: Um bem com prazo de vida útil de 05 anos e custo no valor de R$ 10.000,00 Soma-se os algarismos que compõem o número de anos: 1+2+3+4+5 = 15. Assim calculamos a depreciação da seguinte forma: Ano 1: 5/15 x 10.000 = 3.333,33 onde 3.333,33/12 = 277,78 ao mês Ano 2: 4/15 x 10.000 = 2.666,67 onde 2.666,67/12 = 222,22 ao mês Ano 3: 3/15 x 10.000 = 2.000,00 onde 2.000,00/12 = 166,67 ao mês Ano 4: 2/15 x 10.000 = 1.333,33 onde 1.333,33/12 = 111,11 ao mês Ano 5: 1/15 x 10.000 = 666,67  onde  666,67/12 =  55,56 ao mês Dessa forma, totalizando a depreciação, o valor do bem =10.000,00
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO Método de horas de trabalho Neste caso,  a quota de depreciação  é dada pela fórmula: Número de horas trabalhadas no período Número de horas de trabalho estimadas durante a vida útil do bem Exemplo: Valor do Bem: 1.200,00 Nº horas de trabalho = 100 horas por ano Nº horas de trabalho estimadas durante a vida útil: 1.000 horas Depreciação:  100x1200  = 120 por ano ou  120 =  10 por mês   1.000   12
NÃO HÁ NECESSIDADE DE DEPRECIAR: a) Bens que não ultrapassem o prazo de vida útil de um ano; b) Bens cujo custo de aquisição não seja superior a 326,61 c) Formas para calçados, facas, moldes para confecções de calçados nas industrias calçadistas; d) louças e guarnições de cama, mesa e banho nos hotéis, restaurantes e similares, exceto talheres e bandejas de aço inoxidável que não são considerados como guarnições de mesa BASE LEGAL: Regulamento do Imposto de renda artigo 307.
DEPRECIAÇÃO ACELERADA Para alguns tipos de bens de Ativo, especialmente  as máquinas industriais, existe legislação brasileira específica  que permite dependendo da máquina e do tipo de negócios, depreciar o bem do Ativo em taxas maiores caso se utilizem as máquinas em mais de um turno operacional. Há dois tipos: Aquela que é reconhecida e registrada contabilmente, relativa a diminuição dos bens móveis, resultantes do desgaste pelo uso em regime de operação superior ao normal,  calculada com base no número de horas diárias de operação,  e para a qual a legislação fiscal, igualmente, acata a sua  dedutibilidade.  (RIR/1999, art.312); ( exemplo: uma indústria com turno matutino, vespertino e noturno) Aquela relativa a depreciação acelerada incentivada considerada como benefício fiscal e reconhecida, apenas, pela legislação tributária para fins da apuração do lucro real, sendo registrada no Lalur, sem qualquer lançamento contábil (RIR/4999, art.313) –  Neste caso há o incentivo de implantação, renovação ou modernização de instalações e equipamentos e também ligada em função aos turnos de trabalho.
DEPRECIAÇÃO ACELERADA Em relação aos bens móveis, poderão ser adotados, em função do número de horas diárias de operação, os seguintes coeficientes de horas diárias de operação, os seguintes coeficientes de depreciação acelerada (Lei 3.470/58, art.69): I – um turno de oito horas – 1,0; II – dois turnos de oito horas – 1,5; III – três turnos de oito horas – 2,0. Portanto, a utilização da aceleração da depreciação contábil, quando há mais de um turno diário de operação, poderá permitir a contabilização maior de valores dedutíveis no resultado tributável do exercício. Dessa forma, um bem cuja taxa normal de depreciação é de 10% ao ano poderá ser depreciado em 15% se operar 16 horas por dia, ou 20% se operar 24 horas por dia.
DEPRECIAÇÃO INCENTIVADA Em alguns casos, regidos pela Legislação Brasileira, é permitido criar taxas que aumentam a depreciação de determinados bens de Ativo, isso é definido pelas Zonas de incentivo Fiscal, como  por exemplo: A ZONA FRANCA DE MANAUS. Tratamos nesta apresentação somente sobre o conceito de Depreciação Incentivada. Devido a complexidade do assunto, aconselha-se consulta ao RIR 3.000/1999 a partir do artigo 480
AMORTIZAÇÃO Amortização é o subgrupo do  Diferido( Os Ativos Diferidos caracterizam-se por serem ativos intangíveis que serão amortizados (perder valor aplicado)  no Balanço Patrimonial e sua composição vem a ser as aplicações de recursos em despesas que contribuirão para a formação do resultado de mais de um exercício social, inclusive os juros pagos ou creditados aos acionistas durante o período que anteceder o início das operações sociais. ( Exemplo: Projeto de estudo que uma empresa irá desenvolver um produto.) Amortização é a perda do valor aplicado na aquisição de direitos de propriedade e quaisquer com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado. As contas deste subgrupo originam-se na fase pré-operacional, sendo conhecidas por  Despesas de Organização,  (propaganda, despachante, abertura de firmas, etc), que está sujeita a amortização conforme Lei das S/A.
AMORTIZAÇÃO OS DIREITOS MAIS SUJEITOS A AMORTIZAÇÃO SÃO: Patentes de invenção; Fórmulas e processos de fabricação Direitos autorais Licenças Autorizações ou concessões Custos das construções ou benfeitorias em bens locados ou arrendados ( ARRENDADO = CONTRATO PELO QUAL UMA PESSOA CEDE A OUTRA, POR PRAZO CERTO E RENDA CONVENCIONADA),  ou em bens de terceiros, quando não houver direito ao recebimento do seu valor. OS CUSTOS E DESPESAS MAIS COMUNS COM OBJETO DE AMORTIZAÇÃO SÃO: Despesas pré-operacionais, custos de pesquisa científica para aperfeiçoamento de algum produto, despesa e encargos com a reestruturação, reorganização ou modernização da empresa.
AMORTIZAÇÃO PRAZO – LANÇAMENTO - TAXA Através do parágrafo único do artigo nº 268 do RIR/1999, a fixação do prazo mínimo para a amortização vem a ser cinco anos, na maioria das amortizáveis. O lançamento característico da amortização é: D – Despesa/Custo C – Amortização Acumulada Onde, O DÉBITO é uma conta de resultado e representa um encargo suportado pela empresa. O CRÉDITO é uma conta que retifica o bem do ativo sujeito a depreciação A amortização dos componentes do ativo diferido sujeita-se a dois prazos: Um mínimo de cinco anos para fins fiscais; Um máximo de dez anos, que é aplicável a todas as pessoas jurídicas que possuam escrituração contábil regular.
DEPRECIAÇÃO X AMORTIZAÇÃO A depreciação tem por objetivo a perda de valor de coisas materiais, como máquinas, móveis, etc. A amortização destina-se apenas a significar perda de valor de coisas imateriais ou de imobilizações financeiras.
EXAUSTÃO É um fenômeno que caracteriza perda de valor que sobrem as imobilizações sujeitas a exploração e que se esgotam no decorrer do tempo. EXEMPLO: RESERVAS MINERAIS – JAZIDAS – E RESERVAS VEGETAIS – FLORESTAS. Exaurir, significa  ESGOTAR  completamente. Em termos contábeis, a exaustão se relaciona com a perda de valor dos bens ou direitos do ativo decorrente da exploração. Tratamos nesta apresentação somente sobre os conceitos básicos de exaustão. Devido a complexidade do assunto, aconselha-se consulta ao RIR 3.000/1999 a partir do artigo 270.
EXAUSTÃO LANÇAMENTO CARACTERÍSTICO DA EXAUSTÃO: D – CUSTO/EXAUSTÃO C – EXAUSTÃO ACUMULADA onde, O DÉBITO representa o encargo econômico da empresa. O CRÉDITO retifica o bem do ativo sujeito a depreciação.
DEPRECIAÇÃO X EXAUSTÃO como já vimos, depreciação tem por objetivo a perda de valor de coisas materiais, como máquinas, móveis, etc. A exaustão é a perda de valor por exploração.
FIM DÚVIDAS????

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
fabioboiani
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
contacontabil
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
Dayane Dias
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
Charles Rebouças
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbil
Jesus Bandeira
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 
Exercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e créditoExercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e crédito
Raimundo Filho
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Inventários
InventáriosInventários
Inventários
Jeverson Perin
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Maick William Oliveira Costa
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
Danilo Pereira
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
Laercio27
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Eliseu Fortolan
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
Rafhael Sena
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
Superprovas Software
 
Slide simples nacional
Slide simples nacionalSlide simples nacional
Slide simples nacional
lidianedidi
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Milton Henrique do Couto Neto
 

Mais procurados (20)

Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 9 e 10
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbil
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Exercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e créditoExercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e crédito
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Inventários
InventáriosInventários
Inventários
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
 
Slide simples nacional
Slide simples nacionalSlide simples nacional
Slide simples nacional
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
 

Semelhante a Depreciação - Conceitos

Encerramento do exercicio
Encerramento do exercicioEncerramento do exercicio
Encerramento do exercicio
simuladocontabil
 
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptxATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ssuser09e999
 
Aula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidadeAula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Depreciaçao resumido
Depreciaçao resumidoDepreciaçao resumido
Depreciaçao resumido
Sociedade Beneficente São Camilo
 
Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4
J M
 
PPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptx
PPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptxPPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptx
PPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptx
CarinaReis23
 
Sessão 4.pptx
Sessão 4.pptxSessão 4.pptx
Sessão 4.pptx
MerveilleCinquanta
 
Contabilidade respostas 015
Contabilidade respostas 015Contabilidade respostas 015
Contabilidade respostas 015
geral contabil
 
175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14
Faculdade de Itaituba
 
Investimentos Financeiros - Consolidação da matéria
Investimentos Financeiros - Consolidação da matériaInvestimentos Financeiros - Consolidação da matéria
Investimentos Financeiros - Consolidação da matéria
EDILSONCUCO1
 
Gabarito das questões contabilidade geral e avançada
Gabarito das questões contabilidade geral e avançada Gabarito das questões contabilidade geral e avançada
Gabarito das questões contabilidade geral e avançada
GJ MARKETING DIGITAL
 
Contabilidade 015
Contabilidade 015Contabilidade 015
Contabilidade 015
apostilacontabil
 
Contabilidade i exercicio 12 gastos
Contabilidade i   exercicio 12 gastosContabilidade i   exercicio 12 gastos
Contabilidade i exercicio 12 gastos
apostilacontabil
 
Aula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidadeAula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Aula_2_Imobilizado.ppt
Aula_2_Imobilizado.pptAula_2_Imobilizado.ppt
Aula_2_Imobilizado.ppt
FernandoPacheco763226
 
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
Jose Adriano Pinto
 
Contabil de construcao_civil
Contabil de construcao_civilContabil de construcao_civil
Contabil de construcao_civil
090774
 
Quota de depreciacao
Quota de depreciacaoQuota de depreciacao
Quota de depreciacao
zeramento contabil
 
Ativo imobilizado
Ativo imobilizadoAtivo imobilizado
Ativo imobilizado
zeramento contabil
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Universidade Pedagogica
 

Semelhante a Depreciação - Conceitos (20)

Encerramento do exercicio
Encerramento do exercicioEncerramento do exercicio
Encerramento do exercicio
 
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptxATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
 
Aula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidadeAula 09 auxiliar de contabilidade
Aula 09 auxiliar de contabilidade
 
Depreciaçao resumido
Depreciaçao resumidoDepreciaçao resumido
Depreciaçao resumido
 
Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4Contabilidade geral exerc 4
Contabilidade geral exerc 4
 
PPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptx
PPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptxPPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptx
PPT PROVISÕES+DEPRECIAÇÕES.pptx
 
Sessão 4.pptx
Sessão 4.pptxSessão 4.pptx
Sessão 4.pptx
 
Contabilidade respostas 015
Contabilidade respostas 015Contabilidade respostas 015
Contabilidade respostas 015
 
175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14
 
Investimentos Financeiros - Consolidação da matéria
Investimentos Financeiros - Consolidação da matériaInvestimentos Financeiros - Consolidação da matéria
Investimentos Financeiros - Consolidação da matéria
 
Gabarito das questões contabilidade geral e avançada
Gabarito das questões contabilidade geral e avançada Gabarito das questões contabilidade geral e avançada
Gabarito das questões contabilidade geral e avançada
 
Contabilidade 015
Contabilidade 015Contabilidade 015
Contabilidade 015
 
Contabilidade i exercicio 12 gastos
Contabilidade i   exercicio 12 gastosContabilidade i   exercicio 12 gastos
Contabilidade i exercicio 12 gastos
 
Aula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidadeAula 14 auxiliar de contabilidade
Aula 14 auxiliar de contabilidade
 
Aula_2_Imobilizado.ppt
Aula_2_Imobilizado.pptAula_2_Imobilizado.ppt
Aula_2_Imobilizado.ppt
 
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
 
Contabil de construcao_civil
Contabil de construcao_civilContabil de construcao_civil
Contabil de construcao_civil
 
Quota de depreciacao
Quota de depreciacaoQuota de depreciacao
Quota de depreciacao
 
Ativo imobilizado
Ativo imobilizadoAtivo imobilizado
Ativo imobilizado
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
 

Depreciação - Conceitos

  • 1. ATIVO IMOBILIZADO IMOBILIZADO DEPRECIAÇÃO DEPRECIAÇÃO ACELERADA DEPRECIAÇÃO INCENTIVADA AMORTIZAÇÃO EXAUSTÃO
  • 2. IMOBILIZADO Natureza do Ativo Imobilizado Entende-se por ativo imobilizado os ativos de natureza permanente e que se destinam nas operações de negócios de uma empresa e que não de destina a vendas. Um Ativo poderá ser considerado relativamente Permanente Imobilizado quando : 1) Houver natureza relativamente permanente 2) Ser utilizado na operação dos negócios 3) Não se destinar a vendas “ Relativamente ” – É importante ressaltar que quando usamos esta palavra, nos referimos a condição que praticamente nenhum bem (com exceção dos terrenos) possui vida ilimitada dentro da empresa, sofrendo desgaste com uso, passar do tempo e obsolescência.
  • 3. IMOBILIZADO Também é válido ressaltar que tanto a obsolescência (em desuso, antiquado) como o desgaste são reconhecidos pela legislação que autoriza as empresas a contabilizarem tais desgastes como depreciação LEMBRANDO TAMBÉM QUE: O Contador deverá analisar a atividade da empresa para analisar se os Ativos terão tratamento como Imobilizado ou estoque. Exemplo: Veículos – Para uma empresa de transporte poderão ser considerados como ATIVO IMOBILIZADO, porém, para uma concessionária poderão ser considerados como ESTOQUE.
  • 4. IMOBILIZADO O Ativo imobilizado pode ser classificado da seguinte forma: TANGÍVEIS São os Ativos que tem uma substância concreta, aqueles que conseguimos tocar como por exemplo, Edifícios e Equipamentos. INTANGÍVEIS São os Ativos que não tem uma substância concreta e que não podem ser tocados mas sim comprovados. Exemplos: 1) Fundo de Comércio (Goodwill) – Traz a importância da reputação da empresa e no ambiente em que ela atua, ou seja, o nome da empresa no mercado. 2) Direitos Autorais, Marcas e Patentes, Marcas de Indústria, ect.
  • 5. IMOBILIZADO Alguns itens que compõem o imobilizado: Terrenos e Edifícios utilizados pela empresa Instalações Máquinas e Equipamentos Veículos ( quando for utilizado para transporte e não para revenda) Benfeitorias (Melhorias) em Imóveis de Terceiros Marcas e Patentes ( patente = registro de uma invenção) Direito de Recursos Naturais ( nesse caso, enquadram-se as empresas que exploram minérios)
  • 6. DEPRECIAÇÃO Conceito : Fenômeno contábil que expressa a perda do valor que os valores imobilizados de utilização para a atividade da empresa sofrem no tempo. Conceituamos a depreciação como sendo a diminuição do valor dos bens que integram o Ativo Permanente, em decorrência do desgaste, perda de utilidade, ação da natureza ou obsolescência. O valor da depreciação poderá ser computado como custo ou despesa operacional conforme o caso. A depreciação dos bens utilizados na produção de serviços será custo e os demais será despesa operacional.
  • 7. DEPRECIAÇÃO O valor da depreciação será considerado na contabilidade a partir da época em que o bem for instalado, posto em serviço ou em condições de produzir. Um bem que se encontra no depósito aguardando sua instalação pode ser objeto de depreciação? O bem somente poderá ser depreciado após instalado, posto em serviço ou em condições de produzir (RIR/1999 art.305 § 2º) O valor da depreciação acumulada não poderá ultrapassar o custo de aquisição do bem a que se refere. O mesmo se aplica a amortização e Exaustão O valor da depreciação dos bens do ativo imobilizado que tenha ocorrido na fase de constituição da empresa deverão ser escriturados no ativo diferido (gastos que resultaram no resultado de exercícios futuros. Exemplo: Custo de estudo e projetos que determinada organização se dedicará.
  • 8. DEPRECIAÇÃO BENS QUE NÃO PODEM SER DEPRECIADOS: De acordo com a Legislação em vigor (Regulamento do Imposto de Renda de 1999), não podem ser depreciados: a) terrenos, exceto os melhoramentos (benfeitorias, construções) b) prédios e construções que não produzam rendimentos ou que sejam destinados a revenda. c) bens que normalmente aumentam o valor com o tempo, como obras de arte e antiguidades d) bens que sejam registradas quotas de exaustão (Em termos contábeis, exaustão se relaciona com a perda dos bens ou direitos do ativo, ao longo do tempo, decorrentes de exploração, extração ou aproveitamento) como florestas destinadas ao corte e jazidas minerais
  • 9. DEPRECIAÇÃO - TAXAS Como deve ser fixada a taxa mensal da depreciação? A taxa de depreciação será fixada em função do prazo durante o qual se possa esperar a utilização econômica do bem, pelo contribuinte, na produção de seus rendimentos. Os prazos de vida útil e as taxas de depreciação foram fixadas pela IN SRF nº 162 de 1998. Exemplos: 5 anos 20% ao ano Veículos 10 anos 10% ao ano Móveis e Utensílios 10 anos 10% ao ano Instalações 25 anos 4% ao ano Edifícios PRAZO TX.DEPRE-CIAÇÃO BENS
  • 10. DEPRECIAÇÃO LANÇAMENTO O lançamento da depreciação será: D – Despesas (ou custo) de Depreciação C – Depreciação acumulada Onde, O débito representa o encargo econômico absorvido pela empresa. O crédito representa a retificação do bem do ativo, uma vez que houve o desgaste.
  • 11. BENS USADOS O prazo de vida útil admissível para fins de depreciação de bem adquirido usado é o maior para os seguintes casos: Metade da vida útil, admissível para o bem adquirido novo Exemplos: Se a empresa adquire um veículo usado, a taxa de depreciação a ser utilizada é obtida da seguinte forma: Vida útil do bem novo = 05 anos, logo, metade da vida útil será 2,5 anos, equivalente a 40% ao ano Restante da vida útil do bem Exemplos: Restante da vida útil do bem = 03 anos. Logo, o bem foi usado durante dois anos, equivalente à taxa de 33,33 ao ano.
  • 12. ASPECTOS FISCAIS Fisicamente, podem ser objeto de depreciação todos os bens físicos sujeitos a desgaste pelo uso, natureza ou obsolescência normal, inclusive: Edificações e construções, observando-se que: a) o bem deve começar a ser depreciado a partir da data da conclusão das obras e início da utilização b) as edificações devem estar separadas do custo de aquisição dos terrenos, uma vez que os terrenos não podem ser depreciados Benfeitorias em imóveis de terceiros alugados, quando o custo não puder ser amortizado durante o prazo de locação: a) bens cedidos em comodato (empréstimo), desde que seja a atividade da comodante (a que emprestou) b) projetos florestais destinados à exploração dos respectivos frutos. (vide Parecer Normativo CST nº 18, de 1979 – site Receita Federal)
  • 13. MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO MÉTODO DAS QUOTAS CONSTANTES OU LINEAR É o método mais utilizado por causa de sua simplicidade e aceitação por parte do Fisco. Exemplo: Aquisição de um Veículo Valor do bem: 10.000,00 Vida útil: 05 anos ou 20% ao ano Logo, o método de cálculo será: 10.000,00/05 anos = 2.000,00 ao ano ou 10.000,00 x 20% = 2.000,00 Ressaltando que o valor de 2.000,00 será o encargo com depreciação de um ano e que esse registro deverá ser feito mensalmente, ou seja 2.000,00 /12 = 166,67 ao mês As quotas de depreciação devem ser reconhecidas mensalmente (regime de competência), ou seja, lançadas mês a mês.
  • 14. MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO MÉTODO DAS somas dos Dígitos dos anos Por esse método temos uma fração cujo denominador é formado pela soma do número de anos de vida útil do bem e o numerador é composto dos anos sucessivos Exemplo: Um bem com prazo de vida útil de 05 anos e custo no valor de R$ 10.000,00 Soma-se os algarismos que compõem o número de anos: 1+2+3+4+5 = 15. Assim calculamos a depreciação da seguinte forma: Ano 1: 5/15 x 10.000 = 3.333,33 onde 3.333,33/12 = 277,78 ao mês Ano 2: 4/15 x 10.000 = 2.666,67 onde 2.666,67/12 = 222,22 ao mês Ano 3: 3/15 x 10.000 = 2.000,00 onde 2.000,00/12 = 166,67 ao mês Ano 4: 2/15 x 10.000 = 1.333,33 onde 1.333,33/12 = 111,11 ao mês Ano 5: 1/15 x 10.000 = 666,67 onde 666,67/12 = 55,56 ao mês Dessa forma, totalizando a depreciação, o valor do bem =10.000,00
  • 15. MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO Método de horas de trabalho Neste caso, a quota de depreciação é dada pela fórmula: Número de horas trabalhadas no período Número de horas de trabalho estimadas durante a vida útil do bem Exemplo: Valor do Bem: 1.200,00 Nº horas de trabalho = 100 horas por ano Nº horas de trabalho estimadas durante a vida útil: 1.000 horas Depreciação: 100x1200 = 120 por ano ou 120 = 10 por mês 1.000 12
  • 16. NÃO HÁ NECESSIDADE DE DEPRECIAR: a) Bens que não ultrapassem o prazo de vida útil de um ano; b) Bens cujo custo de aquisição não seja superior a 326,61 c) Formas para calçados, facas, moldes para confecções de calçados nas industrias calçadistas; d) louças e guarnições de cama, mesa e banho nos hotéis, restaurantes e similares, exceto talheres e bandejas de aço inoxidável que não são considerados como guarnições de mesa BASE LEGAL: Regulamento do Imposto de renda artigo 307.
  • 17. DEPRECIAÇÃO ACELERADA Para alguns tipos de bens de Ativo, especialmente as máquinas industriais, existe legislação brasileira específica que permite dependendo da máquina e do tipo de negócios, depreciar o bem do Ativo em taxas maiores caso se utilizem as máquinas em mais de um turno operacional. Há dois tipos: Aquela que é reconhecida e registrada contabilmente, relativa a diminuição dos bens móveis, resultantes do desgaste pelo uso em regime de operação superior ao normal, calculada com base no número de horas diárias de operação, e para a qual a legislação fiscal, igualmente, acata a sua dedutibilidade. (RIR/1999, art.312); ( exemplo: uma indústria com turno matutino, vespertino e noturno) Aquela relativa a depreciação acelerada incentivada considerada como benefício fiscal e reconhecida, apenas, pela legislação tributária para fins da apuração do lucro real, sendo registrada no Lalur, sem qualquer lançamento contábil (RIR/4999, art.313) – Neste caso há o incentivo de implantação, renovação ou modernização de instalações e equipamentos e também ligada em função aos turnos de trabalho.
  • 18. DEPRECIAÇÃO ACELERADA Em relação aos bens móveis, poderão ser adotados, em função do número de horas diárias de operação, os seguintes coeficientes de horas diárias de operação, os seguintes coeficientes de depreciação acelerada (Lei 3.470/58, art.69): I – um turno de oito horas – 1,0; II – dois turnos de oito horas – 1,5; III – três turnos de oito horas – 2,0. Portanto, a utilização da aceleração da depreciação contábil, quando há mais de um turno diário de operação, poderá permitir a contabilização maior de valores dedutíveis no resultado tributável do exercício. Dessa forma, um bem cuja taxa normal de depreciação é de 10% ao ano poderá ser depreciado em 15% se operar 16 horas por dia, ou 20% se operar 24 horas por dia.
  • 19. DEPRECIAÇÃO INCENTIVADA Em alguns casos, regidos pela Legislação Brasileira, é permitido criar taxas que aumentam a depreciação de determinados bens de Ativo, isso é definido pelas Zonas de incentivo Fiscal, como por exemplo: A ZONA FRANCA DE MANAUS. Tratamos nesta apresentação somente sobre o conceito de Depreciação Incentivada. Devido a complexidade do assunto, aconselha-se consulta ao RIR 3.000/1999 a partir do artigo 480
  • 20. AMORTIZAÇÃO Amortização é o subgrupo do Diferido( Os Ativos Diferidos caracterizam-se por serem ativos intangíveis que serão amortizados (perder valor aplicado) no Balanço Patrimonial e sua composição vem a ser as aplicações de recursos em despesas que contribuirão para a formação do resultado de mais de um exercício social, inclusive os juros pagos ou creditados aos acionistas durante o período que anteceder o início das operações sociais. ( Exemplo: Projeto de estudo que uma empresa irá desenvolver um produto.) Amortização é a perda do valor aplicado na aquisição de direitos de propriedade e quaisquer com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado. As contas deste subgrupo originam-se na fase pré-operacional, sendo conhecidas por Despesas de Organização, (propaganda, despachante, abertura de firmas, etc), que está sujeita a amortização conforme Lei das S/A.
  • 21. AMORTIZAÇÃO OS DIREITOS MAIS SUJEITOS A AMORTIZAÇÃO SÃO: Patentes de invenção; Fórmulas e processos de fabricação Direitos autorais Licenças Autorizações ou concessões Custos das construções ou benfeitorias em bens locados ou arrendados ( ARRENDADO = CONTRATO PELO QUAL UMA PESSOA CEDE A OUTRA, POR PRAZO CERTO E RENDA CONVENCIONADA), ou em bens de terceiros, quando não houver direito ao recebimento do seu valor. OS CUSTOS E DESPESAS MAIS COMUNS COM OBJETO DE AMORTIZAÇÃO SÃO: Despesas pré-operacionais, custos de pesquisa científica para aperfeiçoamento de algum produto, despesa e encargos com a reestruturação, reorganização ou modernização da empresa.
  • 22. AMORTIZAÇÃO PRAZO – LANÇAMENTO - TAXA Através do parágrafo único do artigo nº 268 do RIR/1999, a fixação do prazo mínimo para a amortização vem a ser cinco anos, na maioria das amortizáveis. O lançamento característico da amortização é: D – Despesa/Custo C – Amortização Acumulada Onde, O DÉBITO é uma conta de resultado e representa um encargo suportado pela empresa. O CRÉDITO é uma conta que retifica o bem do ativo sujeito a depreciação A amortização dos componentes do ativo diferido sujeita-se a dois prazos: Um mínimo de cinco anos para fins fiscais; Um máximo de dez anos, que é aplicável a todas as pessoas jurídicas que possuam escrituração contábil regular.
  • 23. DEPRECIAÇÃO X AMORTIZAÇÃO A depreciação tem por objetivo a perda de valor de coisas materiais, como máquinas, móveis, etc. A amortização destina-se apenas a significar perda de valor de coisas imateriais ou de imobilizações financeiras.
  • 24. EXAUSTÃO É um fenômeno que caracteriza perda de valor que sobrem as imobilizações sujeitas a exploração e que se esgotam no decorrer do tempo. EXEMPLO: RESERVAS MINERAIS – JAZIDAS – E RESERVAS VEGETAIS – FLORESTAS. Exaurir, significa ESGOTAR completamente. Em termos contábeis, a exaustão se relaciona com a perda de valor dos bens ou direitos do ativo decorrente da exploração. Tratamos nesta apresentação somente sobre os conceitos básicos de exaustão. Devido a complexidade do assunto, aconselha-se consulta ao RIR 3.000/1999 a partir do artigo 270.
  • 25. EXAUSTÃO LANÇAMENTO CARACTERÍSTICO DA EXAUSTÃO: D – CUSTO/EXAUSTÃO C – EXAUSTÃO ACUMULADA onde, O DÉBITO representa o encargo econômico da empresa. O CRÉDITO retifica o bem do ativo sujeito a depreciação.
  • 26. DEPRECIAÇÃO X EXAUSTÃO como já vimos, depreciação tem por objetivo a perda de valor de coisas materiais, como máquinas, móveis, etc. A exaustão é a perda de valor por exploração.