SlideShare uma empresa Scribd logo
Defensivos
alternativos
Josimar Rodrigues Oliveira
MARI – PB, 2009.
Como reduzir o uso de agrotóxicos?
Corrigir o solo com calcário corretamente;
Fazer a capina na linha ou copa da cultura,
conservando a entrelinha sem capina;
Roçar a entrelinha de modo a manter a
vegetação protegendo o solo;
Incorporar restos culturais no solo.
Como reduzir o uso de agrotóxicos?
Manter o solo protegido com cobertura
morta ou vegetação nativa;
Evitar excesso de umidade (Irrigação);
Utilizar adubação orgânica;
Evitar adubos altamente solúveis ou
altamente concentrados.
Como reduzir o uso de agrotóxicos?
Fornecer os macro e micronutrientes na
quantidade ideal;
Programar o plantio de adubos verde a
serem incorporados no solo;
Pulverizar quinzenal ou mensalmente com
biofertilizantes.
Como reduzir o uso de agrotóxicos?
Utilizar sementes e mudas sadias;
Escolher variedades ou cultivares
resistentes;
Promover aeração da planta através de
podas e desbrotas;
Promover a rotação de culturas;
Como reduzir o uso de agrotóxicos?
Utilização de quebra ventos;
Plantio em nível;
Plantio em faixas;
Produzir mudas em viveiros telados;
Combater os insetos vetores de doenças;
Evitar o uso de defensivos que ocasionam
desequilíbrio ecológico.
Como reduzir o uso de agrotóxicos?
Utilizar água de qualidade para irrigação e
pulverizações;
Realizar tratamentos preventivos com o
uso de caldas cúpricas;
Eliminar frutos caídos no chão e não
colhidos na planta hospedando pragas e
moléstias;
Higienização na colheita.
Defensivos alternativos e naturais
Produtos químicos, biológicos, orgânicos
ou naturais;
Praticamente não tóxicos (Classe IV);
Baixa ou nenhuma agressividade ao
homem e ao meio ambiente;
Eficientes no combate de insetos e
microrganismos nocivos.
Defensivos alternativos e naturais
Não favorecem a resistência de pragas e
microrganismos;
Custo reduzido para aquisição e aplicação;
Fácil manejo e aplicação;
Alta disponibilidade das matérias primas no
mercado para o preparo destes defensivos.
Pragas combatidas pelos
defensivos alternativos e
naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
Doenças prevenidas pelos
defensivos alternativos e
naturais
Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
Armadilhas para Mosca das Frutas
Armadilhas para Mosca das Frutas
Armadilhas coloridas
Utilização de telas (Sombretes)
Método de Preparo dos defensivos alternativos
Chá: Consiste na fervura por alguns
minutos da planta picada, esmagada,
triturada ou cortada;
Infusão: Coloca-se a parte da planta em
um recipiente e adiciona água fervendo por
cima, tampando por 10 minutos ou mais.
Método de Preparo dos defensivos alternativos
Cozimento: Ferve em água a parte da
planta e mantêm tampado até esfriar;
Extrato: A planta é colocada em água de
10 a 24 horas;
Macerado: Realizado em álcool ou
aguardente para se obter o extrato.
Método de Preparo dos defensivos alternativos
Suco: Trituração da planta ou parte dela
com liquidificador, pilãozinho ou máquina
de moer recolhendo o líquido;
Tintura: Líquido obtido a partir de partes
vegetais picadas armazenadas por um
longo período em garrafas de álcool ou
aguardente fechadas.
Método de Preparo dos defensivos alternativos
Emulsões: Quando adiciona-se sabão à
receita com o intuito de melhorar a
eficiência;
Preparados Orgânicos e Biodinâmicos:
plantas defensivas são adicionadas em
compostos e biofertilizantes.
1) Calda Bordalesa
Fungicida e atua como repelente de alguns
insetos;
200 g de Sulfato de Cobre;
200 g de Cal virgem;
20 litros de água;
Não pode ser armazenada.
1) Calda Bordalesa
Em plantas novas usar a metade da dose;
Abobrinha, alface, chicória, caqui, morango
e pepino usar metade da dose;
Couve e repolho usar 500g de Sulfato de
cobre e cal para 20 L de água;
Cucurbitáceas e frutíferas usar 60g de
Sulfato de cobre e cal para 20 L de água.
2) Calda Sulfocálcica
Fungicida e Inseticida;
5 Kg de Enxofre;
2,5 Kg de Cal virgem;
20 litros de água;
Ferver água em recipiente separado;
Colocar 5 Kg de enxofre em um recipiente
esmaltado ou de ferro;
2) Calda Sulfocálcica
Adicionar lentamente 5 L de água quente e
mais duas colheres de espalhante adesivo;
Agitar a calda até formar uma pasta;
Espalhar em cima da pasta 2,5 Kg de cal
virgem e adicionar mais 5 L de água
quente mexendo continuamente;
2) Calda Sulfocálcica
Colocar o tambor sobre o fogo intenso e
deixar a mistura cozinhando durante 10 a
15 minutos;
Acrescentar a pasta mais água fervendo
até completar 20 L;
Quando aparentar-se um líquido
transparente de cor vinho e fundo preto
está no ponto.
2) Calda Sulfocálcica
Deixar a calda coberta em descanso por
um período de 12 horas;
Será formado um precipitado esverdeado;
Recolher a camada sobrenadante em um
recipiente esmaltado ou de plástico;
Coar em pano ralo e armazenar em
recipiente de vidro escuro.
2) Calda Sulfocálcica
Tratamento de Inverno: 100 ml/L de água
para plantas de clima temperado (Caqui,
Uva, Pêssego);
Tratamento de Primavera/Verão: 10 ml/L
de água para Frutíferas, Jiló, Pimentão,
Berinjela, Quiabo e Feijão.
2) Calda Sulfocálcica
CUIDADOS !!!!
Não aplicar em Curcubitáceas (Abóboras e
morangos);
Não aplicar com sol quente;
Não aplicar na época da floração;
Em estufas reduzir a dosagem pela
metade.
3) Calda Viçosa
Adubo foliar e Fungicida;
100 g de Sulfato de Cobre;
50 g de Sulfato de Zinco;
40 g de Ácido Bórico;
120 g de Sulfato de Magnésio;
80 g de Uréia;
110 g de Cal Hidratada;
20 L de água.
4) Água de Cinza
Controle de pulgões, lagartas, etc;
2 Kg de cinzas;
10 litros de água
Agitar e deixar descansar por um dia;
Coar e pulverizar.
5) Farinha de Trigo
Controle de Pulgões;
200 g de Farinha de Trigo;
10 litros de água;
Pulverizar com bomba costal.
6) Leite
Controle de doenças fúngicas, ácaro e
ovos de lagarta;
500 ml a 1litro de leite;
10 litros de água;
Pulverização semanal ou quinzenal.
7) Permanganato de Potássio + Cal
Fungicida e Controle de Pulgões, lagartas,
besouros, ácaros e mosca branca;
8 litros de água;
15 g de Permanganato de Potássio;
Dissolver previamente o Permanganato em
1 litro de água morna;
100 g de cal virgem dissolvido em 1 litro de
água.
8) Macerado de Samambaia do Campo
Inseticida para o controle de Pulgão,
Ácaros e Cochonilha;
500 g de samambaia verde picada;
1 litro de água;
Ferver por 30 minutos e descansar por 24
horas;
Diluir 1 litro de macerado coado em 10
litros de água e pulverizar.
9) Macerado de Alho
Fungicida: Combate Míldio e Ferrugens;
Inseticida: Controle de lagarta da maçã,
Pulgões, Cochonilhas e outros;
100 g de Alho;
1 litro de água;
Repousar durante 24 horas;
Coar e diluir em 10 litros de água para
pulverizar.
10) Alho + Pimenta do Reino + Sabão
Fungicida e Inseticida;
Preparar em duas garrafas separadas;
Garrafa I: 1 litro de álcool + 100 g de
pimenta do reino;
Garrafa II: 1 litro de álcool + 100 g de
Macerado de alho;
Deixar garrafas fechadas durante 7 dias.
10) Alho + Pimenta do Reino + Sabão
Diluir 200 ml de calda de pimenta + 100 ml
de calda de alho em 20 L de água;
Dissolver 50 g de sabão em 1 litro de água
quente;
Adicionar o sabão a mistura e pulverizar.
11) Macerado de Mamona
Inseticida;
250 g de Mamona picada;
1 litro de água;
Deixar descansar por 24 horas;
Diluir 1 litro do macerado coado em 10
litros de água e pulverizar.
12) Extrato de Fumo
Inseticida;
100 g de fumo;
Deixar de molho em 1 litro de álcool por 3
horas;
Completar o volume para 10 L de água;
Descansar por 24 horas;
Coar e pulverizar no mesmo dia.
13) Extrato de Nim
Inseticida contra Traças, lagartas, larva
minadora, Pulgões e gafanhotos;
20 litros de água;
300 g de folhas picadas;
Deixar em repouso durante 12 horas;
Coar e pulverizar no mesmo dia.
14)Bouganvillea ou Extrato Primavera
Controle do vetor do “Vira cabeça” do Tomateiro;
200 g de folhas batidas em 1 litro de água no
liquidificador;
Deixar de molho por 12 horas;
Coar e diluir em 20 L de água;
Pulverizar imediatamente após o preparo;
Pulverizar semanalmente até os 60 dias após o
transplantio do tomateiro.
15) Extrato do Mamoeiro
Fungicida contra Míldio e Ferrugem do
Cafeeiro;
700 g de folhas batidas em 1 litro de água;
Deixar de molho por 12 horas;
Coar e diluir em 20 litros de água para
pulverizar.
16) Extrato do Tomateiro
Inseticida;
500 g de folhas e brotos de tomateiro
sadias maceradas;
Deixar de molho em 1 litro de álcool por 3
horas;
Completar o volume com 10 litros de água;
Não aplicar em solanáceas.
17) Pasta Bordalesa
Pincelamento para o controle de Gomose e
Rubelose em Citros;
1 Kg de Sulfato de Cobre;
2 Kg de Cal Virgem;
10 litros de água;
Utilizar broxas e pincelar o tronco.
18) Pasta de Inverno
Pincelamento para o controle de brocas,
cochonilhas e outros;
Deve ser utilizada no inverno e ser realizada no
período frio e seco do ano;
12 litros de água;
1 Kg de Enxofre;
2 Kg de Cal Hidratada;
500 g de Cloreto de Sódio (Sal de Cozinha).
19) Cebolinha Verde
Controle de Pulgão, Lagartas e Vaquinhas;
1 Kg de Cebolinha verde;
10 litros de água;
Cortar a cebolinha e deixar curtir em água
durante 10 dias;
Diluir 1 litro da mistura em 3 litros de água
para pulverizar.
20) Pasta de Argila
Proteção de cortes, ramos ou galhos
podados, ramos ou troncos doentes, após
queda de folhas e antes da floração;
1 Kg de Argila;
1 Kg de Esterco;
1 Kg de Areia Fina;
1 litro de Chá de Camomila.
21) Enxofre puro e Alcool
Controle de Carunchos e Gorgulhos;
10 g de Enxofre puro;
1 Litro de álcool;
Levar a mistura ao galpão bem fechado em
um vasilhame de lata e atear fogo;
Deixar o galpão fechado por 3 dias;
Controle para cada 1 tonelada de grãos.
22) Eucalipto (Eucaliptus citriodora)
Prevenir gorgulhos, traças e carunchos de
grãos e farelos em geral;
Misturar de 10 a 20 folhas de Eucalipto
para cada quilo de grão;
Misturar as folhas nos recipientes e locais
de armazenagens dos grãos.
23) Controle de lesmas, caracóis e tatuzinhos
Cinza ou Cal: colocar em linhas, em volta dos
canteiros;
Cerveja com água açucarada: colocar a noite,
perto das plantas atacadas em um prato raso;
Sal de Cozinha: quando identificadas coloca
sobre elas;
Macerado de Alho: esmagar 4 dentes de alho em
1 litro de água, curtir por 12 dias, diluir em 10 L
de água e pulverizar.
24) Espalhantes Adesivos Alternativos
Gelatina:
50 g de gelatina sem sabor;
100 litros de água;
Dissolver a gelatina em 1 litro de água
quente;
Diluir para 100 L de água e pulverizar.
25) Espalhantes Adesivos Alternativos
Sabão de Coco:
50 g de sabão de coco;
10 litros de água;
Aquecer 5 litros de água com o sabão;
Após dissolver totalmente, diluir em 10 L
de água.
26) Dessecante Natural
Controle de Plantas daninhas;
3 Kg de Repolho;
1 Kg de sal de cozinha;
10 litros de água;
Deixar fermentar por 3 dias;
Pulverizar sobre o mato a ser controlado.
27) Cal Virgem
Controle de formigas;
2 Kg de cal virgem;
10 litros de água quente;
Aplicar sobre os olheiros dos formigueiros.
28) Solução de Creolina
Controle de formigas;
250 ml de creolina;
10 litros de água;
Aplicar sobre os formigueiros.
29) Água de Mandioca
Controle de nematóides;
Lave a mandioca crua e sem casca;
Colete a água em um recipiente;
Aplicar sobre as plantas em forma de
irrigação.
30) Erva Cidreira
Controle de carrapatos;
200 g de Erva cidreira picada;
100 ml de álcool;
Esmagar em álcool e deixar descansar
durante 24 horas;
Diluir em 1 L de água e adicionar 2
colheres de sal, mexer e pulverizar.
OBRIGADO!
Josimar Rodrigues Oliveira
josimarodrigues@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
João Siqueira da Mata
 
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJACONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
Geagra UFG
 
Receita Agronômica
Receita AgronômicaReceita Agronômica
Receita Agronômica
AgriculturaSustentavel
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
AgriculturaSustentavel
 
AULA ALFACE.pptx
AULA ALFACE.pptxAULA ALFACE.pptx
AULA ALFACE.pptx
AlineAndrade145490
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
éltoon yagami
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Métodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralMétodos de extensão rural
Métodos de extensão rural
fabio schwab
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Cris Godoy
 
Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no BrasilAgricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
FAO
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Geagra UFG
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Apresentação de extensão rural
Apresentação de extensão ruralApresentação de extensão rural
Apresentação de extensão rural
x x
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
Amanda Letícia
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
gustavo_ruffeil
 

Mais procurados (20)

Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
 
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJACONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
 
Receita Agronômica
Receita AgronômicaReceita Agronômica
Receita Agronômica
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
AULA ALFACE.pptx
AULA ALFACE.pptxAULA ALFACE.pptx
AULA ALFACE.pptx
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Métodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralMétodos de extensão rural
Métodos de extensão rural
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
 
Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no BrasilAgricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Gado leite
 
Apresentação de extensão rural
Apresentação de extensão ruralApresentação de extensão rural
Apresentação de extensão rural
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
 

Destaque

Manual_de_Praticas_Agroecológicas - Emater
Manual_de_Praticas_Agroecológicas - EmaterManual_de_Praticas_Agroecológicas - Emater
Manual_de_Praticas_Agroecológicas - Emater
Herbert de Carvalho
 
Calda bordalesa
Calda bordalesaCalda bordalesa
Calda bordalesa
mvezzone
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
Luciano Marques
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
lunacarolyne
 
Caldas e extratos vegetais
Caldas e extratos vegetaisCaldas e extratos vegetais
Caldas e extratos vegetais
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
Adriano S Rodrigues
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
ticsagudo
 
V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...
V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...
V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...
Oxya Agro e Biociências
 
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São PauloPalestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
guest73f85657
 
Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%
Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%
Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%
Agricultura Sao Paulo
 
Míldio
MíldioMíldio
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara RosadaDiagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Agricultura Sao Paulo
 
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Tales Gonçalves Rodrigues
 
A semiótica na educação física uva - quixeramobim
A semiótica na educação física   uva - quixeramobimA semiótica na educação física   uva - quixeramobim
A semiótica na educação física uva - quixeramobim
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Vinho ou Suco de Uva?
Vinho ou Suco de Uva?Vinho ou Suco de Uva?
Vinho ou Suco de Uva?
ASD Remanescentes
 
Meio ambiente e a manipulação de agrotóxicos
Meio ambiente e a manipulação de agrotóxicosMeio ambiente e a manipulação de agrotóxicos
Meio ambiente e a manipulação de agrotóxicos
ritasbett
 
DDT
DDTDDT
Cultura Da Videira 22
Cultura Da Videira 22Cultura Da Videira 22
Cultura Da Videira 22
joseseben
 
Cartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_webCartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_web
Maria Da Penha Silva
 
Aula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolasAula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolas
Adriana Madeira
 

Destaque (20)

Manual_de_Praticas_Agroecológicas - Emater
Manual_de_Praticas_Agroecológicas - EmaterManual_de_Praticas_Agroecológicas - Emater
Manual_de_Praticas_Agroecológicas - Emater
 
Calda bordalesa
Calda bordalesaCalda bordalesa
Calda bordalesa
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Caldas e extratos vegetais
Caldas e extratos vegetaisCaldas e extratos vegetais
Caldas e extratos vegetais
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
 
V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...
V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...
V WSF, Juazeiro - Marcos botton - Captura massal como estratégia para a supre...
 
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São PauloPalestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
 
Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%
Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%
Cultivo protegido de uva aumenta produtividade em 100%
 
Míldio
MíldioMíldio
Míldio
 
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara RosadaDiagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
 
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
 
A semiótica na educação física uva - quixeramobim
A semiótica na educação física   uva - quixeramobimA semiótica na educação física   uva - quixeramobim
A semiótica na educação física uva - quixeramobim
 
Vinho ou Suco de Uva?
Vinho ou Suco de Uva?Vinho ou Suco de Uva?
Vinho ou Suco de Uva?
 
Meio ambiente e a manipulação de agrotóxicos
Meio ambiente e a manipulação de agrotóxicosMeio ambiente e a manipulação de agrotóxicos
Meio ambiente e a manipulação de agrotóxicos
 
DDT
DDTDDT
DDT
 
Cultura Da Videira 22
Cultura Da Videira 22Cultura Da Videira 22
Cultura Da Videira 22
 
Cartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_webCartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_web
 
Aula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolasAula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolas
 

Semelhante a Defensivos alternativos

4 - Plantas e Extratos.pdf
4 - Plantas e Extratos.pdf4 - Plantas e Extratos.pdf
4 - Plantas e Extratos.pdf
LivaMorais
 
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doençasReceitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
Raiz Urbana
 
Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente domésticoControle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
João Siqueira da Mata
 
Receituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro HortasReceituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro Hortas
TomateVerdeFrito
 
AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...
AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...
AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...
MichellinePoncianoSi
 
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doençasMétodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
mvezzone
 
Controle natural
Controle naturalControle natural
Controle natural
arboreo.net
 
Cartilha - Como agir em caso de enchentes
Cartilha - Como agir em caso de enchentesCartilha - Como agir em caso de enchentes
Cartilha - Como agir em caso de enchentes
Alerta199
 
Cartilha enchentes
Cartilha enchentesCartilha enchentes
Cartilha enchentes
saudefieb
 
Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010
Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010
Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010
Ministério da Saúde
 
Cartilha enchentes
Cartilha enchentesCartilha enchentes
Cartilha enchentes
saudefieb
 
Cartilha de Caldas alternativas na Agricultura
Cartilha de Caldas alternativas na AgriculturaCartilha de Caldas alternativas na Agricultura
Cartilha de Caldas alternativas na Agricultura
uLipe2
 
272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia
Paulo Do Amaral
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
João Siqueira da Mata
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Receita do biogel
Receita do biogelReceita do biogel
Receita do biogel
Jorge Ferreira
 
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Inês Afonso
 
Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012
sintermg
 
Utilização de metabólitos secundários no cultivo orgânico
Utilização de metabólitos secundários no cultivo orgânicoUtilização de metabólitos secundários no cultivo orgânico
Utilização de metabólitos secundários no cultivo orgânico
DeyvidV
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
pauloweimann
 

Semelhante a Defensivos alternativos (20)

4 - Plantas e Extratos.pdf
4 - Plantas e Extratos.pdf4 - Plantas e Extratos.pdf
4 - Plantas e Extratos.pdf
 
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doençasReceitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
 
Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente domésticoControle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
 
Receituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro HortasReceituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro Hortas
 
AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...
AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...
AULA INVERTIDA- FRUTICULRURA -USO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO INSENTICIDA NATU...
 
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doençasMétodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
 
Controle natural
Controle naturalControle natural
Controle natural
 
Cartilha - Como agir em caso de enchentes
Cartilha - Como agir em caso de enchentesCartilha - Como agir em caso de enchentes
Cartilha - Como agir em caso de enchentes
 
Cartilha enchentes
Cartilha enchentesCartilha enchentes
Cartilha enchentes
 
Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010
Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010
Saiba como agir em caso de enchentes_população_2010
 
Cartilha enchentes
Cartilha enchentesCartilha enchentes
Cartilha enchentes
 
Cartilha de Caldas alternativas na Agricultura
Cartilha de Caldas alternativas na AgriculturaCartilha de Caldas alternativas na Agricultura
Cartilha de Caldas alternativas na Agricultura
 
272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
 
Receita do biogel
Receita do biogelReceita do biogel
Receita do biogel
 
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
 
Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012
 
Utilização de metabólitos secundários no cultivo orgânico
Utilização de metabólitos secundários no cultivo orgânicoUtilização de metabólitos secundários no cultivo orgânico
Utilização de metabólitos secundários no cultivo orgânico
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
 

Mais de Josimar Oliveira

Batata Semente
Batata SementeBatata Semente
Batata Semente
Josimar Oliveira
 
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mateProporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Josimar Oliveira
 
Produção e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de BonsaiProdução e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de Bonsai
Josimar Oliveira
 
Plantas carnívoras
Plantas carnívorasPlantas carnívoras
Plantas carnívoras
Josimar Oliveira
 
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadasManejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Josimar Oliveira
 
Granitos
GranitosGranitos
Deficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do soloDeficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do solo
Josimar Oliveira
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Josimar Oliveira
 
Colheita florestal
Colheita florestalColheita florestal
Colheita florestal
Josimar Oliveira
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
Josimar Oliveira
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
Josimar Oliveira
 
Utilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’sUtilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’s
Josimar Oliveira
 

Mais de Josimar Oliveira (14)

Batata Semente
Batata SementeBatata Semente
Batata Semente
 
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mateProporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
 
Produção e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de BonsaiProdução e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de Bonsai
 
Plantas carnívoras
Plantas carnívorasPlantas carnívoras
Plantas carnívoras
 
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadasManejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
 
Granitos
GranitosGranitos
Granitos
 
Deficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do soloDeficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do solo
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Colheita florestal
Colheita florestalColheita florestal
Colheita florestal
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
 
Utilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’sUtilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’s
 

Último

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 

Último (6)

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 

Defensivos alternativos

  • 2. Como reduzir o uso de agrotóxicos? Corrigir o solo com calcário corretamente; Fazer a capina na linha ou copa da cultura, conservando a entrelinha sem capina; Roçar a entrelinha de modo a manter a vegetação protegendo o solo; Incorporar restos culturais no solo.
  • 3. Como reduzir o uso de agrotóxicos? Manter o solo protegido com cobertura morta ou vegetação nativa; Evitar excesso de umidade (Irrigação); Utilizar adubação orgânica; Evitar adubos altamente solúveis ou altamente concentrados.
  • 4. Como reduzir o uso de agrotóxicos? Fornecer os macro e micronutrientes na quantidade ideal; Programar o plantio de adubos verde a serem incorporados no solo; Pulverizar quinzenal ou mensalmente com biofertilizantes.
  • 5. Como reduzir o uso de agrotóxicos? Utilizar sementes e mudas sadias; Escolher variedades ou cultivares resistentes; Promover aeração da planta através de podas e desbrotas; Promover a rotação de culturas;
  • 6. Como reduzir o uso de agrotóxicos? Utilização de quebra ventos; Plantio em nível; Plantio em faixas; Produzir mudas em viveiros telados; Combater os insetos vetores de doenças; Evitar o uso de defensivos que ocasionam desequilíbrio ecológico.
  • 7. Como reduzir o uso de agrotóxicos? Utilizar água de qualidade para irrigação e pulverizações; Realizar tratamentos preventivos com o uso de caldas cúpricas; Eliminar frutos caídos no chão e não colhidos na planta hospedando pragas e moléstias; Higienização na colheita.
  • 8. Defensivos alternativos e naturais Produtos químicos, biológicos, orgânicos ou naturais; Praticamente não tóxicos (Classe IV); Baixa ou nenhuma agressividade ao homem e ao meio ambiente; Eficientes no combate de insetos e microrganismos nocivos.
  • 9. Defensivos alternativos e naturais Não favorecem a resistência de pragas e microrganismos; Custo reduzido para aquisição e aplicação; Fácil manejo e aplicação; Alta disponibilidade das matérias primas no mercado para o preparo destes defensivos.
  • 10. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 11. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 12. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 13. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 14. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 15. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 16. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 17. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 18. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 19. Pragas combatidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 20. Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 21. Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 22. Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 23. Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 24. Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 25. Doenças prevenidas pelos defensivos alternativos e naturais
  • 26. Armadilhas para Mosca das Frutas
  • 27. Armadilhas para Mosca das Frutas
  • 29. Utilização de telas (Sombretes)
  • 30. Método de Preparo dos defensivos alternativos Chá: Consiste na fervura por alguns minutos da planta picada, esmagada, triturada ou cortada; Infusão: Coloca-se a parte da planta em um recipiente e adiciona água fervendo por cima, tampando por 10 minutos ou mais.
  • 31. Método de Preparo dos defensivos alternativos Cozimento: Ferve em água a parte da planta e mantêm tampado até esfriar; Extrato: A planta é colocada em água de 10 a 24 horas; Macerado: Realizado em álcool ou aguardente para se obter o extrato.
  • 32. Método de Preparo dos defensivos alternativos Suco: Trituração da planta ou parte dela com liquidificador, pilãozinho ou máquina de moer recolhendo o líquido; Tintura: Líquido obtido a partir de partes vegetais picadas armazenadas por um longo período em garrafas de álcool ou aguardente fechadas.
  • 33. Método de Preparo dos defensivos alternativos Emulsões: Quando adiciona-se sabão à receita com o intuito de melhorar a eficiência; Preparados Orgânicos e Biodinâmicos: plantas defensivas são adicionadas em compostos e biofertilizantes.
  • 34. 1) Calda Bordalesa Fungicida e atua como repelente de alguns insetos; 200 g de Sulfato de Cobre; 200 g de Cal virgem; 20 litros de água; Não pode ser armazenada.
  • 35. 1) Calda Bordalesa Em plantas novas usar a metade da dose; Abobrinha, alface, chicória, caqui, morango e pepino usar metade da dose; Couve e repolho usar 500g de Sulfato de cobre e cal para 20 L de água; Cucurbitáceas e frutíferas usar 60g de Sulfato de cobre e cal para 20 L de água.
  • 36. 2) Calda Sulfocálcica Fungicida e Inseticida; 5 Kg de Enxofre; 2,5 Kg de Cal virgem; 20 litros de água; Ferver água em recipiente separado; Colocar 5 Kg de enxofre em um recipiente esmaltado ou de ferro;
  • 37. 2) Calda Sulfocálcica Adicionar lentamente 5 L de água quente e mais duas colheres de espalhante adesivo; Agitar a calda até formar uma pasta; Espalhar em cima da pasta 2,5 Kg de cal virgem e adicionar mais 5 L de água quente mexendo continuamente;
  • 38. 2) Calda Sulfocálcica Colocar o tambor sobre o fogo intenso e deixar a mistura cozinhando durante 10 a 15 minutos; Acrescentar a pasta mais água fervendo até completar 20 L; Quando aparentar-se um líquido transparente de cor vinho e fundo preto está no ponto.
  • 39. 2) Calda Sulfocálcica Deixar a calda coberta em descanso por um período de 12 horas; Será formado um precipitado esverdeado; Recolher a camada sobrenadante em um recipiente esmaltado ou de plástico; Coar em pano ralo e armazenar em recipiente de vidro escuro.
  • 40. 2) Calda Sulfocálcica Tratamento de Inverno: 100 ml/L de água para plantas de clima temperado (Caqui, Uva, Pêssego); Tratamento de Primavera/Verão: 10 ml/L de água para Frutíferas, Jiló, Pimentão, Berinjela, Quiabo e Feijão.
  • 41. 2) Calda Sulfocálcica CUIDADOS !!!! Não aplicar em Curcubitáceas (Abóboras e morangos); Não aplicar com sol quente; Não aplicar na época da floração; Em estufas reduzir a dosagem pela metade.
  • 42. 3) Calda Viçosa Adubo foliar e Fungicida; 100 g de Sulfato de Cobre; 50 g de Sulfato de Zinco; 40 g de Ácido Bórico; 120 g de Sulfato de Magnésio; 80 g de Uréia; 110 g de Cal Hidratada; 20 L de água.
  • 43. 4) Água de Cinza Controle de pulgões, lagartas, etc; 2 Kg de cinzas; 10 litros de água Agitar e deixar descansar por um dia; Coar e pulverizar.
  • 44. 5) Farinha de Trigo Controle de Pulgões; 200 g de Farinha de Trigo; 10 litros de água; Pulverizar com bomba costal.
  • 45. 6) Leite Controle de doenças fúngicas, ácaro e ovos de lagarta; 500 ml a 1litro de leite; 10 litros de água; Pulverização semanal ou quinzenal.
  • 46. 7) Permanganato de Potássio + Cal Fungicida e Controle de Pulgões, lagartas, besouros, ácaros e mosca branca; 8 litros de água; 15 g de Permanganato de Potássio; Dissolver previamente o Permanganato em 1 litro de água morna; 100 g de cal virgem dissolvido em 1 litro de água.
  • 47. 8) Macerado de Samambaia do Campo Inseticida para o controle de Pulgão, Ácaros e Cochonilha; 500 g de samambaia verde picada; 1 litro de água; Ferver por 30 minutos e descansar por 24 horas; Diluir 1 litro de macerado coado em 10 litros de água e pulverizar.
  • 48. 9) Macerado de Alho Fungicida: Combate Míldio e Ferrugens; Inseticida: Controle de lagarta da maçã, Pulgões, Cochonilhas e outros; 100 g de Alho; 1 litro de água; Repousar durante 24 horas; Coar e diluir em 10 litros de água para pulverizar.
  • 49. 10) Alho + Pimenta do Reino + Sabão Fungicida e Inseticida; Preparar em duas garrafas separadas; Garrafa I: 1 litro de álcool + 100 g de pimenta do reino; Garrafa II: 1 litro de álcool + 100 g de Macerado de alho; Deixar garrafas fechadas durante 7 dias.
  • 50. 10) Alho + Pimenta do Reino + Sabão Diluir 200 ml de calda de pimenta + 100 ml de calda de alho em 20 L de água; Dissolver 50 g de sabão em 1 litro de água quente; Adicionar o sabão a mistura e pulverizar.
  • 51. 11) Macerado de Mamona Inseticida; 250 g de Mamona picada; 1 litro de água; Deixar descansar por 24 horas; Diluir 1 litro do macerado coado em 10 litros de água e pulverizar.
  • 52. 12) Extrato de Fumo Inseticida; 100 g de fumo; Deixar de molho em 1 litro de álcool por 3 horas; Completar o volume para 10 L de água; Descansar por 24 horas; Coar e pulverizar no mesmo dia.
  • 53. 13) Extrato de Nim Inseticida contra Traças, lagartas, larva minadora, Pulgões e gafanhotos; 20 litros de água; 300 g de folhas picadas; Deixar em repouso durante 12 horas; Coar e pulverizar no mesmo dia.
  • 54. 14)Bouganvillea ou Extrato Primavera Controle do vetor do “Vira cabeça” do Tomateiro; 200 g de folhas batidas em 1 litro de água no liquidificador; Deixar de molho por 12 horas; Coar e diluir em 20 L de água; Pulverizar imediatamente após o preparo; Pulverizar semanalmente até os 60 dias após o transplantio do tomateiro.
  • 55. 15) Extrato do Mamoeiro Fungicida contra Míldio e Ferrugem do Cafeeiro; 700 g de folhas batidas em 1 litro de água; Deixar de molho por 12 horas; Coar e diluir em 20 litros de água para pulverizar.
  • 56. 16) Extrato do Tomateiro Inseticida; 500 g de folhas e brotos de tomateiro sadias maceradas; Deixar de molho em 1 litro de álcool por 3 horas; Completar o volume com 10 litros de água; Não aplicar em solanáceas.
  • 57. 17) Pasta Bordalesa Pincelamento para o controle de Gomose e Rubelose em Citros; 1 Kg de Sulfato de Cobre; 2 Kg de Cal Virgem; 10 litros de água; Utilizar broxas e pincelar o tronco.
  • 58. 18) Pasta de Inverno Pincelamento para o controle de brocas, cochonilhas e outros; Deve ser utilizada no inverno e ser realizada no período frio e seco do ano; 12 litros de água; 1 Kg de Enxofre; 2 Kg de Cal Hidratada; 500 g de Cloreto de Sódio (Sal de Cozinha).
  • 59. 19) Cebolinha Verde Controle de Pulgão, Lagartas e Vaquinhas; 1 Kg de Cebolinha verde; 10 litros de água; Cortar a cebolinha e deixar curtir em água durante 10 dias; Diluir 1 litro da mistura em 3 litros de água para pulverizar.
  • 60. 20) Pasta de Argila Proteção de cortes, ramos ou galhos podados, ramos ou troncos doentes, após queda de folhas e antes da floração; 1 Kg de Argila; 1 Kg de Esterco; 1 Kg de Areia Fina; 1 litro de Chá de Camomila.
  • 61. 21) Enxofre puro e Alcool Controle de Carunchos e Gorgulhos; 10 g de Enxofre puro; 1 Litro de álcool; Levar a mistura ao galpão bem fechado em um vasilhame de lata e atear fogo; Deixar o galpão fechado por 3 dias; Controle para cada 1 tonelada de grãos.
  • 62. 22) Eucalipto (Eucaliptus citriodora) Prevenir gorgulhos, traças e carunchos de grãos e farelos em geral; Misturar de 10 a 20 folhas de Eucalipto para cada quilo de grão; Misturar as folhas nos recipientes e locais de armazenagens dos grãos.
  • 63. 23) Controle de lesmas, caracóis e tatuzinhos Cinza ou Cal: colocar em linhas, em volta dos canteiros; Cerveja com água açucarada: colocar a noite, perto das plantas atacadas em um prato raso; Sal de Cozinha: quando identificadas coloca sobre elas; Macerado de Alho: esmagar 4 dentes de alho em 1 litro de água, curtir por 12 dias, diluir em 10 L de água e pulverizar.
  • 64. 24) Espalhantes Adesivos Alternativos Gelatina: 50 g de gelatina sem sabor; 100 litros de água; Dissolver a gelatina em 1 litro de água quente; Diluir para 100 L de água e pulverizar.
  • 65. 25) Espalhantes Adesivos Alternativos Sabão de Coco: 50 g de sabão de coco; 10 litros de água; Aquecer 5 litros de água com o sabão; Após dissolver totalmente, diluir em 10 L de água.
  • 66. 26) Dessecante Natural Controle de Plantas daninhas; 3 Kg de Repolho; 1 Kg de sal de cozinha; 10 litros de água; Deixar fermentar por 3 dias; Pulverizar sobre o mato a ser controlado.
  • 67. 27) Cal Virgem Controle de formigas; 2 Kg de cal virgem; 10 litros de água quente; Aplicar sobre os olheiros dos formigueiros.
  • 68. 28) Solução de Creolina Controle de formigas; 250 ml de creolina; 10 litros de água; Aplicar sobre os formigueiros.
  • 69. 29) Água de Mandioca Controle de nematóides; Lave a mandioca crua e sem casca; Colete a água em um recipiente; Aplicar sobre as plantas em forma de irrigação.
  • 70. 30) Erva Cidreira Controle de carrapatos; 200 g de Erva cidreira picada; 100 ml de álcool; Esmagar em álcool e deixar descansar durante 24 horas; Diluir em 1 L de água e adicionar 2 colheres de sal, mexer e pulverizar.