SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
Cultura da Mandioca
Origem
• Origem brasileira e espalhou-se pelo mundo a
partir de Portugal e suas colônias, principalmente
as africanas
• Plantado pelos índios como parte fundamental do
cardápio, junto com feijão e milho
Origem
• O nome mandioca vem do tupi-guarani
• “Mani-oca”, ou “casa de Mani”
Origem
• Cultivada na região amazônica há 4 mil anos
• Antes do descobrimento do Brasil os índios
Mandioca
• Mandioca, macaxeira, aipim ou castelinha
• Cultivada em todo o território nacional, devido:
• Rusticidade
• Capacidade de produzir elevadas quantidades de amido
Classificação botânica
• Família Euphorbiaceae
• Gênero Manihot
• Espécie Manihot esculenta
• O gênero Manihot apresenta 109 espécies
• Porém Manihot esculenta tem cultivo com fins
comerciais
TIPOS DE MANDIOCA
• Mandioca-brava, que dá origem aos produtos:
• Farinha
• Tucupi
• Goma, etc
• Mandioca-mansa ou macaxeira, aipim
• Usada para consumo in natura
Mandioca
• Os agricultores - essa divisão é feita
• Sabor amargo da mandioca-brava - maior
quantidade compostos cianogênicos que são
liberados durante a mastigação
• Capaz de levar até à morte se consumido em altas
doses
Economia Produção
• Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
• Produção brasileira de mandioca no mês de
fevereiro de 2018 foi de 20,8 milhões de toneladas
• Cultivadas numa área de 1,4 milhões de hectares
PRODUTORES MUNDIAIS
• Organização das Nações Unidas para a Alimentação
e a Agricultura (FAO) – 2016
• Produção mundial - 277,1 milhões de toneladas
PRODUTORES MUNDIAIS
• Maior produtor mundial – Nigéria
• No ano de 2016 computou 57,13 milhões de toneladas
• Seguido por:
• Tailândia
• Indonésia
• Brasil é o 4º maior produtor mundial com:
• 21,08 milhões de toneladas
Produção por estado Brasileiro
Mão De Obra
• Custos de produção, a mão de obra aparece com o
maior valor
• Entre 50 e 60%
• Na safra de 2018/2019 foram cultivados cerca de
137.700 ha com a cultura
• Estima-se que foram empregados aproximadamente
28.000 trabalhadores ao longo do ciclo
Mandioca
• A parte das ramas da mandioca-brava não pode ser
aproveitada - risco de ser tóxica aos animais
• Exceto se trituradas e secas ao sol por 36 horas
Mandioca
• Mandioca mansa - possui menos de 50 mg de
cianeto de hidrogênio (HCN) por kg de raiz fresca
sem casca
• Mandioca brava - acima de 100 mg de HCN por kg
de raiz fresca sem casca
Mandioca
• Insere-se no contexto social dos agricultores
brasileiros - principalmente daqueles com menor
tecnologia investida
• Suas raízes usadas como alimento básico pela
população e consumidas como:
• Farinha;
• Amido ou
• Cozido
Mandioca
• Espécie arbustiva, lenhosa e perene (longo tempo),
a qual pode atingir até cinco metros de altura
Mandioca
Mandioca
Utilizada:
• Base para a alimentação humana (in natura e na
fabricação de farinhas e polvinhos, ETC) e
• Alimentação animal, aproveitam-se tanto as raízes
quanto a parte aérea
Clima
• Condições favoráveis para o seu desenvolvimento
em todos os climas tropicais e subtropicais
Temperatura
• Faixa ideal de temperatura
• Limites de 20 a 27ºC (média anual)
• Podendo a planta crescer bem entre 16 e 38ºC
Temperatura
• As temperaturas baixas, em torno de 15ºC
• Retardam a brotação das gemas e diminuem ou
paralisam sua atividade vegetativa
• Entrando em fase de repouso
Chuvas
• Faixa mais adequada de chuva
• 1.000 a 1.500 mm/ano, bem distribuídas
• Produz em locais com índices pluviométricos de até
4.000 mm/ano
• Sem estação seca em nenhum período do ano
Chuvas
• Solos sejam bem drenados
• o encharcamento favorece a podridão de raízes
• Cultivada em regiões semiáridas, com 500 a 700
mm de chuva por ano ou menos
• Adequar a época de plantio
• Não ocorra deficiência de água nos primeiros cinco meses
Período de luz
• Em torno de 12 horas/dia
• Períodos de luz mais longos favorecem o
crescimento de parte aérea e reduzem o das raízes
tuberosas
• Períodos de luz mais curtos –
• Promovem o crescimento das raízes tuberosas e
• Reduzem o desenvolvimento dos ramos
Solos
• Terrenos planos ou levemente ondulados
• Declividade máxima de 5%
• Principal produto da mandioca são as raízes, ela
necessita de solos profundos e friáveis (soltos)
Solos
• Ideais os solos arenosos ou de textura média
• Possibilitam um fácil crescimento das raízes, pela boa
drenagem e pela facilidade de colheita
• Os solos argilosos são indesejáveis por serem mais
compactos
• Dificultam o crescimento das raízes e apresentam um
maior risco de encharcamento
• Observar o solo em profundidade - camada compactada
pH
• Faixa favorável de pH é de 5,5 a 7
• Sendo 6,5 o ideal
• Mandioca seja menos afetada pela acidez do solo
do que outras culturas
Escolha da área
• Preferência aos solos mais soltos arenosos,
permitirem o engrossamento das raízes, facilitam a
colheita
• O relevo deve ser plano ou levemente inclinado,
• Declividade inferior a 10%
Preparo do solo
• Controle de plantas daninhas
• Desmatamento e destoca mecanizada
• Mínimo possível, apenas o suficiente para a instalação
da cultura e para o bom desenvolvimento do sistema
radicular
• Aração de 15 – 20 cm de profundidade
• O solo deve ser revolvido o mínimo possível
Seleção de hastes
• Plantas com 10 a 14 meses de idade - mais
recomendada para retirada de hastes para plantio
•
• Ao cortar a estaca, deve sair um líquido parecido
ao “leite”
• Livre de doenças
Seleção de hastes
• Planta de mandioca tem três partes:
• Pé, meio e ponta
• A parte do meio é a melhor para plantio
• Podendo também utilizar a parte do pé
PREPARO DAS RAMAS PARA O PLANTIO
• Manivas-sementes
• Devem ter 20 cm de comprimento
• Pelo menos 5 a 7 gemas
• Diâmetro em torno de 2,5 cm
• Obtidas da parte mediana de manivas (ramas)
Espaçamento de plantio
• Depende:
• Variedadee da fertilidade do solo
• De 0,80 m a 1,00 m entre fileiras por 0,60 m a 1,00
m entre plantas
Época de plantio
• Normalmente é feito no início da estação chuvos
• Quando a umidade e o calor tornam-se elementos
essenciais para a brotação e enraizamento
Por causa da extensão do Brasil, as condições ideais
para o plantio de mandioca não coincidem nos
mesmos meses em todas as regiões.
Controle de ervas daninhas
• Sensível à competição do mato, principalmente na
fase inicial
• Limpo nos 100 primeiros dias
• Para eliminação de plantas invasoras:
• Enxada
• Herbicida ou
• Cultivadores
Como ocorre a brotação das manivas?
• Em condições favoráveis de umidade, após o 7 dias
do plantio, surgem as primeiras raízes nos nós e nas
extremidades das estacas
Como ocorre a brotação das
manivas?
• Quando as raízes alcançam cerca de 8 cm
de comprimento, aparecem os primeiros ramos
aéreos
• Aos 10 ou 12 dias, surgem folhas pequeninas
• Aos 15 dias, aproximadamente, essa fase está
terminada
Quais os problemas provocados por
baixas temperaturas no cultivo da
mandioca?
• Baixas temperaturas:
• Retardam a brotação
• Diminuem a taxa de formação de folhas
• Peso seco das raízes de mandioca
Colheita
• A colheita da mandioca está condicionada a fatores
como:
• Fatores Técnicos: dizem respeito, principalmente,
ao ciclo da cultura
• Precoces - 10-12 meses;
• Semi-precoces - 14-16 meses;
• Tardias - 18-24 meses.
Colheita
• Fatores Quanto a finalidade:
• Mandioca de mesa - colhidas aos 8 a 14 meses
• Mandioca para indústria - 12 a 24 meses
Quais as doenças mais importantes da
mandioca?
• Pode ser atacada por mais de 30 agentes
diferentes:
• Bactérias
• Fungos
• Vírus
• Doenças da cultura da mandioca no Brasil:
• Podridão-radicular
• Bacteriose
• Superbrotamento e as
• Viroses
• Provocarem enormes prejuízos econômicos
• Elevarem os custos
Quais as doenças mais importantes da
mandioca?
Doenças
• A podridão radicular
• Agentes causadores –
• Phytophthora sp. e o Fusarium sp
• Diplodia sp., Sytalidium sp. e Botryodiplodia sp.
Doenças
• Sintomas:
• Apodrecimento das raízes, com odores fortes - matéria
orgânica em decomposição, coloração acinzentada
• O aparecimento de sintomas visíveis é mais
frequente em raízes maduras
• Existem casos de sintomas na base das hastes
jovens ou em plantas recém-germinadas, causando
murcha e morte total
Bacteriose
• Causada - Xanthomonas campestris pv. manihotis,
• Principal doença da mandioca no:
• Sul
• Sudeste e
• Centro-Oeste
Bacteriose
• Sintomas da bacteriose:
• Manchas angulares, de aparência aquosa, murcha das
folhas, exsudação de goma nas hastes, necrose dos
feixes vasculares e morte da planta
• Variação brusca de temperatura entre o dia e a noite é
o fator mais importante para a manifestação da doença
Bacteriose
• Utilização de variedades resistentes é a medida
mais eficiente para o controle da bacteriose
Superalongamento
• Causado - Sphaceloma manihoticola (fungo)
• Doenças causadas por fungos mais importantes
Superalongamento
• Sintomas - alongamento exagerado das hastes
formando ramas finas com longos entrenós
Superalongamento
• Em casos severos as plantas afetadas podem ser
identificadas pelas lesões típicas de verrugoses nas
hastes e nervuras
• Retorcimento das folhas, desfolhamento e morte
dos tecidos
Superalongamento
• A disseminação da doença é rápida durante a
estação chuvosa
• Os esporos são facilmente transportados a longas
distâncias pelo vento e chuva
Superalongamento
• Controle do superalongamento:
• Seleção de manivas sadias para o plantio
• Eliminação de plantas infectadas
• Uso de cultivares tolerantes e
• Rotação de culturas nas áreas anteriormente afetadas
Viroses - mosaico das nervuras
• Os sintomas caracterizam-se pela presença de
cloroses intensas entre as nervuras primárias e
secundárias, nas plantas afetadas
• Em casos severos da doença é comum observar um
forte retorcimento do limbo foliar
Viroses - couro de sapo
• O vírus pode também reduzir drasticamente a
qualidade do produto, especialmente os teores de
amido nas raízes, cuja diminuição pode variar de 10
a 80%
Viroses - mosaico comum
• Em regiões com temperaturas mais amenas, no Sul,
Sudeste do Brasil
• Perdas de produção entre 10 a 20%
• Reduções nos teores de amido - entre 10 a 50%
• Os sintomas são clorose da lâmina foliar e
retorcimento dos bordos das folhas
Viroses
• Controle das viroses:
• Seleção de material de plantio
• Uso de variedades resistentes
• Eliminação de plantas afetadas dentro do cultivo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOGeagra UFG
 
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoGETA - UFG
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoGeagra UFG
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arrozKiller Max
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolGeagra UFG
 
Aula Introducao a Horticultura.pptx
Aula Introducao a Horticultura.pptxAula Introducao a Horticultura.pptx
Aula Introducao a Horticultura.pptxFabrizioAranha1
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaDufrrj
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMatheus Majela
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da canaCristóvão Lopes
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoGeagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoGeagra UFG
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigadahelrijesus
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfSaul Ramos
 

Mais procurados (20)

Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigação
 
Tomate
TomateTomate
Tomate
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
 
Aula Introducao a Horticultura.pptx
Aula Introducao a Horticultura.pptxAula Introducao a Horticultura.pptx
Aula Introducao a Horticultura.pptx
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Sementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantesSementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantes
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigada
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 

Semelhante a Cultura da Mandioca: Origem, Produção e Importância no Brasil

Semelhante a Cultura da Mandioca: Origem, Produção e Importância no Brasil (20)

cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
 
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptxCultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
 
Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
 
Olericultura 1
Olericultura 1Olericultura 1
Olericultura 1
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
aulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdfaulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdf
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Aula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdfAula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdf
 
Pronto
ProntoPronto
Pronto
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
 
Aula brachiaria
Aula brachiariaAula brachiaria
Aula brachiaria
 
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa culturaUmbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
 
Goiaba
GoiabaGoiaba
Goiaba
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
O linho
O linhoO linho
O linho
 

Cultura da Mandioca: Origem, Produção e Importância no Brasil

  • 2. Origem • Origem brasileira e espalhou-se pelo mundo a partir de Portugal e suas colônias, principalmente as africanas • Plantado pelos índios como parte fundamental do cardápio, junto com feijão e milho
  • 3. Origem • O nome mandioca vem do tupi-guarani • “Mani-oca”, ou “casa de Mani”
  • 4.
  • 5. Origem • Cultivada na região amazônica há 4 mil anos • Antes do descobrimento do Brasil os índios
  • 6. Mandioca • Mandioca, macaxeira, aipim ou castelinha • Cultivada em todo o território nacional, devido: • Rusticidade • Capacidade de produzir elevadas quantidades de amido
  • 7. Classificação botânica • Família Euphorbiaceae • Gênero Manihot • Espécie Manihot esculenta • O gênero Manihot apresenta 109 espécies • Porém Manihot esculenta tem cultivo com fins comerciais
  • 8. TIPOS DE MANDIOCA • Mandioca-brava, que dá origem aos produtos: • Farinha • Tucupi • Goma, etc • Mandioca-mansa ou macaxeira, aipim • Usada para consumo in natura
  • 9.
  • 10. Mandioca • Os agricultores - essa divisão é feita • Sabor amargo da mandioca-brava - maior quantidade compostos cianogênicos que são liberados durante a mastigação • Capaz de levar até à morte se consumido em altas doses
  • 11. Economia Produção • Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) • Produção brasileira de mandioca no mês de fevereiro de 2018 foi de 20,8 milhões de toneladas • Cultivadas numa área de 1,4 milhões de hectares
  • 12.
  • 13. PRODUTORES MUNDIAIS • Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) – 2016 • Produção mundial - 277,1 milhões de toneladas
  • 14. PRODUTORES MUNDIAIS • Maior produtor mundial – Nigéria • No ano de 2016 computou 57,13 milhões de toneladas • Seguido por: • Tailândia • Indonésia • Brasil é o 4º maior produtor mundial com: • 21,08 milhões de toneladas
  • 15. Produção por estado Brasileiro
  • 16.
  • 17. Mão De Obra • Custos de produção, a mão de obra aparece com o maior valor • Entre 50 e 60% • Na safra de 2018/2019 foram cultivados cerca de 137.700 ha com a cultura • Estima-se que foram empregados aproximadamente 28.000 trabalhadores ao longo do ciclo
  • 18. Mandioca • A parte das ramas da mandioca-brava não pode ser aproveitada - risco de ser tóxica aos animais • Exceto se trituradas e secas ao sol por 36 horas
  • 19. Mandioca • Mandioca mansa - possui menos de 50 mg de cianeto de hidrogênio (HCN) por kg de raiz fresca sem casca • Mandioca brava - acima de 100 mg de HCN por kg de raiz fresca sem casca
  • 20. Mandioca • Insere-se no contexto social dos agricultores brasileiros - principalmente daqueles com menor tecnologia investida • Suas raízes usadas como alimento básico pela população e consumidas como: • Farinha; • Amido ou • Cozido
  • 21. Mandioca • Espécie arbustiva, lenhosa e perene (longo tempo), a qual pode atingir até cinco metros de altura
  • 24. Utilizada: • Base para a alimentação humana (in natura e na fabricação de farinhas e polvinhos, ETC) e • Alimentação animal, aproveitam-se tanto as raízes quanto a parte aérea
  • 25. Clima • Condições favoráveis para o seu desenvolvimento em todos os climas tropicais e subtropicais
  • 26. Temperatura • Faixa ideal de temperatura • Limites de 20 a 27ºC (média anual) • Podendo a planta crescer bem entre 16 e 38ºC
  • 27. Temperatura • As temperaturas baixas, em torno de 15ºC • Retardam a brotação das gemas e diminuem ou paralisam sua atividade vegetativa • Entrando em fase de repouso
  • 28. Chuvas • Faixa mais adequada de chuva • 1.000 a 1.500 mm/ano, bem distribuídas • Produz em locais com índices pluviométricos de até 4.000 mm/ano • Sem estação seca em nenhum período do ano
  • 29. Chuvas • Solos sejam bem drenados • o encharcamento favorece a podridão de raízes • Cultivada em regiões semiáridas, com 500 a 700 mm de chuva por ano ou menos • Adequar a época de plantio • Não ocorra deficiência de água nos primeiros cinco meses
  • 30. Período de luz • Em torno de 12 horas/dia • Períodos de luz mais longos favorecem o crescimento de parte aérea e reduzem o das raízes tuberosas • Períodos de luz mais curtos – • Promovem o crescimento das raízes tuberosas e • Reduzem o desenvolvimento dos ramos
  • 31. Solos • Terrenos planos ou levemente ondulados • Declividade máxima de 5% • Principal produto da mandioca são as raízes, ela necessita de solos profundos e friáveis (soltos)
  • 32. Solos • Ideais os solos arenosos ou de textura média • Possibilitam um fácil crescimento das raízes, pela boa drenagem e pela facilidade de colheita • Os solos argilosos são indesejáveis por serem mais compactos • Dificultam o crescimento das raízes e apresentam um maior risco de encharcamento • Observar o solo em profundidade - camada compactada
  • 33. pH • Faixa favorável de pH é de 5,5 a 7 • Sendo 6,5 o ideal • Mandioca seja menos afetada pela acidez do solo do que outras culturas
  • 34. Escolha da área • Preferência aos solos mais soltos arenosos, permitirem o engrossamento das raízes, facilitam a colheita • O relevo deve ser plano ou levemente inclinado, • Declividade inferior a 10%
  • 35. Preparo do solo • Controle de plantas daninhas • Desmatamento e destoca mecanizada • Mínimo possível, apenas o suficiente para a instalação da cultura e para o bom desenvolvimento do sistema radicular • Aração de 15 – 20 cm de profundidade • O solo deve ser revolvido o mínimo possível
  • 36. Seleção de hastes • Plantas com 10 a 14 meses de idade - mais recomendada para retirada de hastes para plantio • • Ao cortar a estaca, deve sair um líquido parecido ao “leite” • Livre de doenças
  • 37. Seleção de hastes • Planta de mandioca tem três partes: • Pé, meio e ponta • A parte do meio é a melhor para plantio • Podendo também utilizar a parte do pé
  • 38. PREPARO DAS RAMAS PARA O PLANTIO • Manivas-sementes • Devem ter 20 cm de comprimento • Pelo menos 5 a 7 gemas • Diâmetro em torno de 2,5 cm • Obtidas da parte mediana de manivas (ramas)
  • 39. Espaçamento de plantio • Depende: • Variedadee da fertilidade do solo • De 0,80 m a 1,00 m entre fileiras por 0,60 m a 1,00 m entre plantas
  • 40. Época de plantio • Normalmente é feito no início da estação chuvos • Quando a umidade e o calor tornam-se elementos essenciais para a brotação e enraizamento Por causa da extensão do Brasil, as condições ideais para o plantio de mandioca não coincidem nos mesmos meses em todas as regiões.
  • 41. Controle de ervas daninhas • Sensível à competição do mato, principalmente na fase inicial • Limpo nos 100 primeiros dias • Para eliminação de plantas invasoras: • Enxada • Herbicida ou • Cultivadores
  • 42. Como ocorre a brotação das manivas? • Em condições favoráveis de umidade, após o 7 dias do plantio, surgem as primeiras raízes nos nós e nas extremidades das estacas
  • 43. Como ocorre a brotação das manivas? • Quando as raízes alcançam cerca de 8 cm de comprimento, aparecem os primeiros ramos aéreos • Aos 10 ou 12 dias, surgem folhas pequeninas • Aos 15 dias, aproximadamente, essa fase está terminada
  • 44.
  • 45. Quais os problemas provocados por baixas temperaturas no cultivo da mandioca? • Baixas temperaturas: • Retardam a brotação • Diminuem a taxa de formação de folhas • Peso seco das raízes de mandioca
  • 46. Colheita • A colheita da mandioca está condicionada a fatores como: • Fatores Técnicos: dizem respeito, principalmente, ao ciclo da cultura • Precoces - 10-12 meses; • Semi-precoces - 14-16 meses; • Tardias - 18-24 meses.
  • 47. Colheita • Fatores Quanto a finalidade: • Mandioca de mesa - colhidas aos 8 a 14 meses • Mandioca para indústria - 12 a 24 meses
  • 48. Quais as doenças mais importantes da mandioca? • Pode ser atacada por mais de 30 agentes diferentes: • Bactérias • Fungos • Vírus
  • 49. • Doenças da cultura da mandioca no Brasil: • Podridão-radicular • Bacteriose • Superbrotamento e as • Viroses • Provocarem enormes prejuízos econômicos • Elevarem os custos Quais as doenças mais importantes da mandioca?
  • 50. Doenças • A podridão radicular • Agentes causadores – • Phytophthora sp. e o Fusarium sp • Diplodia sp., Sytalidium sp. e Botryodiplodia sp.
  • 51. Doenças • Sintomas: • Apodrecimento das raízes, com odores fortes - matéria orgânica em decomposição, coloração acinzentada • O aparecimento de sintomas visíveis é mais frequente em raízes maduras
  • 52. • Existem casos de sintomas na base das hastes jovens ou em plantas recém-germinadas, causando murcha e morte total
  • 53. Bacteriose • Causada - Xanthomonas campestris pv. manihotis, • Principal doença da mandioca no: • Sul • Sudeste e • Centro-Oeste
  • 54. Bacteriose • Sintomas da bacteriose: • Manchas angulares, de aparência aquosa, murcha das folhas, exsudação de goma nas hastes, necrose dos feixes vasculares e morte da planta • Variação brusca de temperatura entre o dia e a noite é o fator mais importante para a manifestação da doença
  • 55. Bacteriose • Utilização de variedades resistentes é a medida mais eficiente para o controle da bacteriose
  • 56. Superalongamento • Causado - Sphaceloma manihoticola (fungo) • Doenças causadas por fungos mais importantes
  • 57. Superalongamento • Sintomas - alongamento exagerado das hastes formando ramas finas com longos entrenós
  • 58. Superalongamento • Em casos severos as plantas afetadas podem ser identificadas pelas lesões típicas de verrugoses nas hastes e nervuras • Retorcimento das folhas, desfolhamento e morte dos tecidos
  • 59. Superalongamento • A disseminação da doença é rápida durante a estação chuvosa • Os esporos são facilmente transportados a longas distâncias pelo vento e chuva
  • 60. Superalongamento • Controle do superalongamento: • Seleção de manivas sadias para o plantio • Eliminação de plantas infectadas • Uso de cultivares tolerantes e • Rotação de culturas nas áreas anteriormente afetadas
  • 61. Viroses - mosaico das nervuras • Os sintomas caracterizam-se pela presença de cloroses intensas entre as nervuras primárias e secundárias, nas plantas afetadas • Em casos severos da doença é comum observar um forte retorcimento do limbo foliar
  • 62. Viroses - couro de sapo • O vírus pode também reduzir drasticamente a qualidade do produto, especialmente os teores de amido nas raízes, cuja diminuição pode variar de 10 a 80%
  • 63. Viroses - mosaico comum • Em regiões com temperaturas mais amenas, no Sul, Sudeste do Brasil • Perdas de produção entre 10 a 20% • Reduções nos teores de amido - entre 10 a 50% • Os sintomas são clorose da lâmina foliar e retorcimento dos bordos das folhas
  • 64. Viroses • Controle das viroses: • Seleção de material de plantio • Uso de variedades resistentes • Eliminação de plantas afetadas dentro do cultivo

Notas do Editor

  1. https://www.yumpu.com/pt/document/read/13649270/aula-sobre-mandioca-agroecologia
  2. file:///C:/Users/Valderlandia/Downloads/Mandioca_-_Analise_Mensal_-_fevereiro-2018_.pdf De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a produção brasileira de raiz de mandioca no mês de fevereiro de 2018 foi de 20,8 milhões de toneladas, cultivadas numa área de 1,4 milhões de hectares.
  3. Ano de 2018
  4. O maior produtor mundial é a Nigéria, que no ano de 2016 computou 57,13 milhões de toneladas, seguido por Tailândia e Indonésia. O Brasil é o 4º maior produtor mundial com 21,08 milhões de toneladas de raiz de mandioca
  5. custos de produção da mandioca, a mão de obra aparece com o maior valor, variando entre 50 e 60%. Na safra de 2018/2019 foram cultivados cerca de 137.700 ha com a cultura de mandioca e utilizando-se o coeficiente de 0,2 homens por hectare ano, estima-se que foram empregados aproximadamente 28.000 trabalhadores ao longo do ciclo.
  6. Amido ou fécula é um carboidrato constituído principalmente de glicose com ligações glicosídicas. Este polissacarídeo é produzido pelas plantas verdes servindo como reservatório de energia. É o mais comum carboidrato na alimentação humana e é encontrado em grande quantidade de alimentos, como batatas, arroz e trigo
  7. https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mandioca/mandioca_tabcosteiros/doencas.htm#:~:text=A%20podrid%C3%A3o%20das%20ra%C3%ADzes%20%C3%A9,consequentemente%20apresentando%20uma%20m%C3%A1%20drenagem.
  8. Phytophthora é um género de protistas; Fusarium – fungos; Diplodia – fungo; Sytalidium – Fungo; Botryodiplodia – fungo;
  9. O aparecimento de sintomas visíveis é mais freqüente em raízes maduras; entretanto, existem casos de manifestação de sintomas na base das hastes jovens ou em plantas recém-germinadas, causando murcha e morte total. 
  10. A clorose, em botânica, é a condição de uma planta, em que as suas folhas não produzem suficiente clorofila. As folhas apresentam uma coloração diferente da normal: verde pálido ou amarelado. Pode provocar a morte da planta devido à menor capacidade desta produzir carboidratos.