SlideShare uma empresa Scribd logo
rase
Professor fábio guimarães
CraseCrase
É a fusão (junção) da preposição a exigida pela regência do
verbo ou do nome mais o artigo definido a, os pronomes demonstrativos
aquele(s), aquela(s), aquilo e o pronome demonstrativo a.
A crase é indicada pelo acento grave (`).
Condições para ocorrência de crase
1. O termo regente deve exigir a preposição a.
2. O termo regido tem que ser uma palavra feminina que admita artigo
a(s).
Ex.: Ele foi a a fazenda ontem depois do almoço.
à
Regra prática
Para você saber se há crase antes de uma palavra feminina,
troque essa palavra por uma masculina correspondente e observe:
1. Se antes da palavra masculina aparecer ao(s), use crase
antes da feminina.
Ex.: Ela foi à feira ontem.
Ela foi ao mercado ontem.
2. Se antes da palavra masculina aparecer apenas a(s) ou o(s)
não use crase.
Ex.: Os jogadores visitaram a cidade.
Os jogadores visitaram o museu.
Casos em que ocorre crase
 Nas locuções adverbiais femininas.
Ex.: O rapaz saiu à tarde e chegou à noite. (locução adverbial de tempo)
Ex.: Ele foi à feira e depois à lavanderia. (locução adverbial de lugar)
Ex.: O governador viajou às pressas. (locução adverbial de modo)
Observação:
Com as locuções adverbiais femininas de instrumento a crase é
facultativa.
Ex.: O pai saiu sem fechar a porta à chave.
O pai saiu sem fechar a porta a chave.
Ex.: O soldado foi ferido à baioneta.
O soldado foi ferido a baioneta.
 Nas locuções prepositivas (formadas por a + palavra feminina + de)
Ex.: Meu amigo conseguiu ser aprovado à custa de muito esforço.
Ele saiu à procura de ajuda.
 Nas locuções conjuntivas (formada por a + palavra feminina + que).
Ex.: A cidade se acalma, à medida que escurece.
À proporção que chovia, aumentavam os buracos na rua.
Observação:
Nas expressões à moda de, à maneira de, a palavra principal pode
ficar oculta. Então o à poderá ficar diante de palavra masculina, como no
exemplo:
Ex: Usava cabelos à Luís XV. (à moda de Luís XV)
Casos em que a crase é
facultativa
 Antes de pronomes possessivos femininos (porque antes desse tipo de
pronome o artigo é facultativo).
Ex.: Ele se refere à minha mãe.
Ele se refere a minha mãe.
 Antes de nomes de mulheres
Ex.: Eu me referi à Maria.
Eu me referi a Maria.
 Depois da palavra até.
Ex.: Todos os alunos foram até à escola.
Todos os alunos foram até a escola.
Casos em que não ocorre crase
 Antes de nomes masculinos (porque essas palavras não admitem o artigo a.
Ex.: Ele adora andar a cavalo, ela prefere andar a pé.
 Antes de verbos (porque antes de verbos não aparece artigo)
Ex.: Assim que saíram, começaram a correr.
 Antes de pronomes que não admitem artigo.
a) Pronomes pessoais (porque antes deles não se usa artigo)
Ex.: Todos se dirigiram a ela.
b) Pronomes de tratamento (porque antes deles não se usa artigo)
Ex.: Dirigi-me a Vossa Excelência para despedir-me.
Observação:
Os pronomes de tratamento dona, senhora e senhorita, pelo fato de
admitirem o artigo, admitem também a crase.
Ex.: Nada disse à senhora.
c) Pronomes demonstrativos, indefinidos e relativos
Ex.: É hora de dar um basta a essa barbárie.
Não demonstrava sua tristeza a ninguém.
Aquela é a senhora a quem dirigi meus votos de felicidade.
Observação:
Pode ocorrer a crase entre a preposição a e os pronomes relativos a
qual e as quais.
Ex.: Estas são as finalidades às quais se destina o projeto.
Seria aquela a jovem à qual você se referia?
 Quando o a (sem s) aparece antes de uma palavra no plural.
Ex.: Ele se dirigia a pessoas estranhas.
 Em expressões com palavras repetidas
Ex.: O tanque se encheu gota a gota.
Antes de nomes de cidades (que não admitem o artigo feminino a), sem
especificativos
Ex.: Eles pretendem ir a Paris.
Observação:
Quando o nome da cidade apresenta um especificativo, ele passa a
admitir artigo e, nesse caso, pode ocorrer a crase, desde que o termo regente
exija a preposição a.
Ex.: Eles pretendem ir à fascinante Paris.
 Antes da palavra casa, no sentido de lar, residência própria da pessoa,
se não vier determinada. Se vier determinada aceita a crase.
Ex.: Voltei a casa cedo.
Voltei à casa de meus pais cedo.
 Antes da palavra terra, no sentido de chão firme, tomada em oposição
a mar ou ar, se não vier determinada, não aceita o artigo e não ocorre a
crase. Se vier determinada, aceita o artigo e ocorre a crase.
Ex.: Os marinheiros já voltaram a terra.
Os marinheiros voltaram à terra de seus sonhos.
Observação:
Quando a palavra terra for usada no sentido de terra natal ou
planeta, a palavra terra admite artigo, por isso, ocorrerá crase, se o termo
regente exigir preposição.
Ex.: A espaçonave voltará à Terra, no ano 3000.
“É muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar
triunfos e glórias, mesmo expondo-se à derrota, do que
formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito
nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta
que não conhece vitória nem derrota.”
(Theodore Roosevelt)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pronomes Relativos
Pronomes RelativosPronomes Relativos
Pronomes Relativos
catarinodilson
 
Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
Andriane Cursino
 
Artigo
ArtigoArtigo
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Crase
CraseCrase
Coerencia e coesão
Coerencia e coesãoCoerencia e coesão
Coerencia e coesão
Rosana Mayer
 
Hifen
HifenHifen
Apresentação de colocação pronominal
Apresentação de colocação pronominalApresentação de colocação pronominal
Apresentação de colocação pronominal
laboratório de informática cef15
 
Verbos 2
Verbos 2Verbos 2
Verbos 2
Aportuguesando
 
Regência e crase
Regência e craseRegência e crase
Regência e crase
Pedro Thiago
 
7.7 preposições
7.7   preposições7.7   preposições
7.7 preposições
Ivana Mayrink
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
Luciene Gomes
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
Aline Castro
 
Vicios de linguagem
Vicios de linguagemVicios de linguagem
Vicios de linguagem
Bernadete Carrijo Oliveira
 
Vozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 anoVozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 ano
Flávio Ferreira
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
Elaine Blogger
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
Rosalina Simão Nunes
 
Crase
CraseCrase
Crase
Tio Hatiro
 
Crase
Crase Crase
Ortoépia e prosódia
Ortoépia e prosódiaOrtoépia e prosódia
Ortoépia e prosódia
Seduc/AM
 

Mais procurados (20)

Pronomes Relativos
Pronomes RelativosPronomes Relativos
Pronomes Relativos
 
Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Coerencia e coesão
Coerencia e coesãoCoerencia e coesão
Coerencia e coesão
 
Hifen
HifenHifen
Hifen
 
Apresentação de colocação pronominal
Apresentação de colocação pronominalApresentação de colocação pronominal
Apresentação de colocação pronominal
 
Verbos 2
Verbos 2Verbos 2
Verbos 2
 
Regência e crase
Regência e craseRegência e crase
Regência e crase
 
7.7 preposições
7.7   preposições7.7   preposições
7.7 preposições
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
 
Vicios de linguagem
Vicios de linguagemVicios de linguagem
Vicios de linguagem
 
Vozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 anoVozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 ano
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase
Crase Crase
Crase
 
Ortoépia e prosódia
Ortoépia e prosódiaOrtoépia e prosódia
Ortoépia e prosódia
 

Semelhante a Crase

Crase2
Crase2Crase2
Crase2
Damisa
 
O uso da crase
O uso da craseO uso da crase
O uso da crase
nixsonmachado
 
Crase
CraseCrase
A Crase
 A Crase   A Crase
Crase
CraseCrase
Crase 3
Crase 3Crase 3
Crase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulasCrase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulas
EdnaSantos855118
 
Crase
CraseCrase
Camões crase
Camões   craseCamões   crase
Camões crase
Christiane Queiroz
 
Camões crase - 2013
Camões   crase - 2013Camões   crase - 2013
Camões crase - 2013
Christiane Queiroz
 
CRASE.ppt
CRASE.pptCRASE.ppt
CRASE.ppt
Carla Zampieri
 
1.2.2 crase
1.2.2   crase1.2.2   crase
1.2.2 crase
Ivana Mayrink
 
Crase
CraseCrase
Crase
letieri11
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
nilvaandrade
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
nilvaandrade
 
10 dicas para entender a crase aula I
10 dicas para entender a crase   aula I10 dicas para entender a crase   aula I
10 dicas para entender a crase aula I
Ayla De Sá Marques
 
Gramática Avançada
Gramática AvançadaGramática Avançada
Gramática Avançada
Superprovas Software
 
Tabelas.pronomes demonstrativos e etc
Tabelas.pronomes demonstrativos e etcTabelas.pronomes demonstrativos e etc
Tabelas.pronomes demonstrativos e etc
Andrea Perazzo
 
Crase
CraseCrase
Crase
weldame
 
Estudo sobre Crase
Estudo sobre CraseEstudo sobre Crase
Estudo sobre Crase
Maiara Goularte
 

Semelhante a Crase (20)

Crase2
Crase2Crase2
Crase2
 
O uso da crase
O uso da craseO uso da crase
O uso da crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
A Crase
 A Crase   A Crase
A Crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase 3
Crase 3Crase 3
Crase 3
 
Crase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulasCrase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulas
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Camões crase
Camões   craseCamões   crase
Camões crase
 
Camões crase - 2013
Camões   crase - 2013Camões   crase - 2013
Camões crase - 2013
 
CRASE.ppt
CRASE.pptCRASE.ppt
CRASE.ppt
 
1.2.2 crase
1.2.2   crase1.2.2   crase
1.2.2 crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
 
10 dicas para entender a crase aula I
10 dicas para entender a crase   aula I10 dicas para entender a crase   aula I
10 dicas para entender a crase aula I
 
Gramática Avançada
Gramática AvançadaGramática Avançada
Gramática Avançada
 
Tabelas.pronomes demonstrativos e etc
Tabelas.pronomes demonstrativos e etcTabelas.pronomes demonstrativos e etc
Tabelas.pronomes demonstrativos e etc
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Estudo sobre Crase
Estudo sobre CraseEstudo sobre Crase
Estudo sobre Crase
 

Mais de Fábio Guimarães

Verbo TO BE
Verbo TO BEVerbo TO BE
Verbo TO BE
Fábio Guimarães
 
Substantivo 6 ano
Substantivo 6 anoSubstantivo 6 ano
Substantivo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Verbo 6 ano
Verbo 6 anoVerbo 6 ano
Verbo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Artigo 6 ano
Artigo 6 anoArtigo 6 ano
Artigo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Adjetivo 6 ano
Adjetivo 6 anoAdjetivo 6 ano
Adjetivo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Numeral - 6 ano
Numeral - 6 anoNumeral - 6 ano
Numeral - 6 ano
Fábio Guimarães
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Fábio Guimarães
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
Fábio Guimarães
 
Paralelismo
ParalelismoParalelismo
Paralelismo
Fábio Guimarães
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
Fábio Guimarães
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
Fábio Guimarães
 
Pronome
PronomePronome
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
Fábio Guimarães
 
Substrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismoSubstrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismo
Fábio Guimarães
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
Fábio Guimarães
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
Fábio Guimarães
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
Fábio Guimarães
 
Funções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicaçãoFunções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicação
Fábio Guimarães
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Fábio Guimarães
 

Mais de Fábio Guimarães (20)

Verbo TO BE
Verbo TO BEVerbo TO BE
Verbo TO BE
 
Substantivo 6 ano
Substantivo 6 anoSubstantivo 6 ano
Substantivo 6 ano
 
Verbo 6 ano
Verbo 6 anoVerbo 6 ano
Verbo 6 ano
 
Artigo 6 ano
Artigo 6 anoArtigo 6 ano
Artigo 6 ano
 
Adjetivo 6 ano
Adjetivo 6 anoAdjetivo 6 ano
Adjetivo 6 ano
 
Numeral - 6 ano
Numeral - 6 anoNumeral - 6 ano
Numeral - 6 ano
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
 
Paralelismo
ParalelismoParalelismo
Paralelismo
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Pronome
PronomePronome
Pronome
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
 
Substrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismoSubstrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismo
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Funções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicaçãoFunções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicação
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

Crase

  • 2. CraseCrase É a fusão (junção) da preposição a exigida pela regência do verbo ou do nome mais o artigo definido a, os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo e o pronome demonstrativo a. A crase é indicada pelo acento grave (`). Condições para ocorrência de crase 1. O termo regente deve exigir a preposição a. 2. O termo regido tem que ser uma palavra feminina que admita artigo a(s). Ex.: Ele foi a a fazenda ontem depois do almoço. à
  • 3. Regra prática Para você saber se há crase antes de uma palavra feminina, troque essa palavra por uma masculina correspondente e observe: 1. Se antes da palavra masculina aparecer ao(s), use crase antes da feminina. Ex.: Ela foi à feira ontem. Ela foi ao mercado ontem. 2. Se antes da palavra masculina aparecer apenas a(s) ou o(s) não use crase. Ex.: Os jogadores visitaram a cidade. Os jogadores visitaram o museu.
  • 4. Casos em que ocorre crase  Nas locuções adverbiais femininas. Ex.: O rapaz saiu à tarde e chegou à noite. (locução adverbial de tempo) Ex.: Ele foi à feira e depois à lavanderia. (locução adverbial de lugar) Ex.: O governador viajou às pressas. (locução adverbial de modo) Observação: Com as locuções adverbiais femininas de instrumento a crase é facultativa. Ex.: O pai saiu sem fechar a porta à chave. O pai saiu sem fechar a porta a chave. Ex.: O soldado foi ferido à baioneta. O soldado foi ferido a baioneta.
  • 5.  Nas locuções prepositivas (formadas por a + palavra feminina + de) Ex.: Meu amigo conseguiu ser aprovado à custa de muito esforço. Ele saiu à procura de ajuda.  Nas locuções conjuntivas (formada por a + palavra feminina + que). Ex.: A cidade se acalma, à medida que escurece. À proporção que chovia, aumentavam os buracos na rua. Observação: Nas expressões à moda de, à maneira de, a palavra principal pode ficar oculta. Então o à poderá ficar diante de palavra masculina, como no exemplo: Ex: Usava cabelos à Luís XV. (à moda de Luís XV)
  • 6. Casos em que a crase é facultativa  Antes de pronomes possessivos femininos (porque antes desse tipo de pronome o artigo é facultativo). Ex.: Ele se refere à minha mãe. Ele se refere a minha mãe.  Antes de nomes de mulheres Ex.: Eu me referi à Maria. Eu me referi a Maria.  Depois da palavra até. Ex.: Todos os alunos foram até à escola. Todos os alunos foram até a escola.
  • 7. Casos em que não ocorre crase  Antes de nomes masculinos (porque essas palavras não admitem o artigo a. Ex.: Ele adora andar a cavalo, ela prefere andar a pé.  Antes de verbos (porque antes de verbos não aparece artigo) Ex.: Assim que saíram, começaram a correr.  Antes de pronomes que não admitem artigo. a) Pronomes pessoais (porque antes deles não se usa artigo) Ex.: Todos se dirigiram a ela. b) Pronomes de tratamento (porque antes deles não se usa artigo) Ex.: Dirigi-me a Vossa Excelência para despedir-me. Observação: Os pronomes de tratamento dona, senhora e senhorita, pelo fato de admitirem o artigo, admitem também a crase. Ex.: Nada disse à senhora.
  • 8. c) Pronomes demonstrativos, indefinidos e relativos Ex.: É hora de dar um basta a essa barbárie. Não demonstrava sua tristeza a ninguém. Aquela é a senhora a quem dirigi meus votos de felicidade. Observação: Pode ocorrer a crase entre a preposição a e os pronomes relativos a qual e as quais. Ex.: Estas são as finalidades às quais se destina o projeto. Seria aquela a jovem à qual você se referia?  Quando o a (sem s) aparece antes de uma palavra no plural. Ex.: Ele se dirigia a pessoas estranhas.
  • 9.  Em expressões com palavras repetidas Ex.: O tanque se encheu gota a gota. Antes de nomes de cidades (que não admitem o artigo feminino a), sem especificativos Ex.: Eles pretendem ir a Paris. Observação: Quando o nome da cidade apresenta um especificativo, ele passa a admitir artigo e, nesse caso, pode ocorrer a crase, desde que o termo regente exija a preposição a. Ex.: Eles pretendem ir à fascinante Paris.  Antes da palavra casa, no sentido de lar, residência própria da pessoa, se não vier determinada. Se vier determinada aceita a crase. Ex.: Voltei a casa cedo. Voltei à casa de meus pais cedo.
  • 10.  Antes da palavra terra, no sentido de chão firme, tomada em oposição a mar ou ar, se não vier determinada, não aceita o artigo e não ocorre a crase. Se vier determinada, aceita o artigo e ocorre a crase. Ex.: Os marinheiros já voltaram a terra. Os marinheiros voltaram à terra de seus sonhos. Observação: Quando a palavra terra for usada no sentido de terra natal ou planeta, a palavra terra admite artigo, por isso, ocorrerá crase, se o termo regente exigir preposição. Ex.: A espaçonave voltará à Terra, no ano 3000.
  • 11. “É muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar triunfos e glórias, mesmo expondo-se à derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta que não conhece vitória nem derrota.” (Theodore Roosevelt)