SlideShare uma empresa Scribd logo
Língua Portuguesa

Professores: Silas e Christiane



 CRASE
Na sintaxe:
1)Vou a + a feira da esquina.
Vou à feira da esquina.

2) Referiu-se a + aquele livro.
Referiu-se àquele livro.

3) Fizeram alusão a + a de azul.
Fizeram alusão à de azul.
Regra geral:
Ocorrerá crase da preposição mais artigo:
a) Se o termo regente exigir a preposição a;
b) Se o termo regido aceitar o artigo feminino a (as)

Exemplo:
Dirigiu-se A + A cidade = Dirigiu-se À cidade.
Conheço (x) + A cidade = Conheço A cidade. (artigo)
Vou A + (x) Brasília = Vou A Brasília. (preposição)
Artifício para saber se uma palavra aceita ou não o
artigo:
• Se pudermos usar a combinação da antes da
palavra, é sinal que ela aceita o artigo;
• Se pudermos usar apenas a preposição de, é sinal de
que não aceita o artigo.

Exemplos:
Vim da Bahia – Vou à Bahia.
Vim de Brasília – Vou a Brasília.

A partir dessa regra podemos estabelecer que:
A) NUNCA OCORRE CRASE:
a) Antes de masculino.
Ex.: Andei a pé.
b) Antes de verbo.
Ex.: Estou apto a discutir.
c) Antes de pronome de tratamento, exceção feita a senhora,
    senhorita e dona.
Ex.: Dirigiu-se a V. Sª. com aspereza.
Dirigiu-se à senhora com aspereza.
d) Antes de pronomes em geral.
Ex.: Não me referia a ela.
Falava a qualquer pessoa.
Obs.: Obviamente, se o pronome aceitar o artigo,
   ocorrerá a crase.
Ex.: Fiz alusão à mesma pessoa.
e) Nas expressões formadas de palavras repetidas.
Ex.: Ficou cara a cara com o criminoso.
f) Antes dos nomes de cidades.
Ex.: Fiz uma viagem a Roma.
Obs.: Se o nome da cidade vier determinado, ocorrerá
   a crase.
Ex.: Fiz uma viagem à Roma antiga.
g) Quando um a (sem o s de plural) preceder um
nome plural.
Ex.: Não falo a pessoas estranhas.

Obs.: Havendo o s de plural, é sinal de que ocorreu o
artigo e haverá crase.
Ex.: Não falo às pessoas estranhas.

B) Sempre ocorre crase:
a)Na indicação do número de horas.
Ex.: Cheguei às dez horas.
b) Na expressão à moda de, mesmo que a palavra
  moda venha oculta.

Ex.: Usava sapatos à (moda de) Luís XV.

c) Nas expressões adverbiais femininas.

Ex.: Cheguei à tarde. (tempo)

Falou à vontade. (modo)

Ficou à direita. (lugar)
d) Nas locuções conjuntivas e prepositivas
constituídas de palavras femininas: à medida
que, à proporção que, à força de, à beira de.

Ex.: À força de pensar, acabou adormecendo.

À medida que ele falava, o público aplaudia.
C) Casos facultativos:
a)Antes de nomes próprios femininos de pessoa.
Ex.: Não te refiras a (à) Maria Clara.
b) Antes de pronomes possessivos femininos.
Ex.: Não te dirijas a (à) tua gente.
Obs.: Note que os nomes próprios femininos de
  pessoa aceitam ou não o artigo antes de si. Por isso
  é que pode ocorrer a crase ou não.
c) Depois da preposição até.
Se a preposição até vier seguida de um nome
   feminino que aceite o artigo a, poderá ou não
   ocorrer a crase. Isto porque essa preposição pode
   ser empregada sozinha (até) ou em locução com a
   preposição a (até a)
Exemplos:
Cheguei até a muralha..
Cheguei até à muralha.
Casos especiais de crase:
a)Crase antes de casa
       A palavra casa, no sentido de lar, residência
  própria da pessoa, se não vier determinada por um
  adjunto adnominal, não aceita o artigo, portanto
  não ocorre a crase.
       Por outro lado, se vier determinada por um
  adjunto adnominal, aceita o artigo e ocorre a crase.
Exemplos:
Voltei a casa cedo.
Voltei à casa de meus pais.
b) Crase antes de terra
A palavra terra, no sentido de chão firme, tomada em
   oposição a mar ou ar, se não vier determinada, não
   aceita o artigo e não ocorre a crase. Se vier
   determinada, aceita o artigo e ocorre a crase.
Ex.: Os marinheiros voltaram a terra.
Os marinheiros já voltaram à terra dos seus sonhos.
c) Crase antes dos pronomes relativos
- Antes dos relativos quem e cujo não ocorre crase.
Ex.: Achei a pessoa a quem você procurava.
Compreendo a situação a cuja gravidade você se
referiu.
-Antes dos relativos o qual ou os quais ocorrerá a
crase, se o masculino correspondente for ao qual, aos
quais.

Ex.: Esta é a festa à qual me referi.

Este é o filme ao qual me referi.
d) Crase nos pronomes demonstrativos aquele (s),
aquela (s), aquilo.
Sempre que o termo regente exigir a preposição a e
vier seguido dos demonstrativos aquele, aquela,
aqueles, aquelas e aquilo, haverá crase da preposição
a com o a inicial desses pronomes.

Ex.: Falei àquele amigo.
Dirijo-me àquela cidade.
Aspiro a isto e àquilo.
Fez referência àquelas situações.
e) Crase da preposição        a com o pronome
demonstrativo a: A crase da preposição a com o
pronome demonstrativo a ocorre sempre antes do
pronome relativo que (à que) ou da preposição de (à
de).

Artifício:

- se, com o antecedente masculino, ocorrer ao que,
aos que, com o feminino ocorrerá a crase.
Ex.: Houve um palpite anterior ao que você deu.

Houve uma sugestão anterior à (a+a) que você deu.
- se, com o antecedente masculino, ocorrer a que, no
feminino não ocorrerá a crase.

Não gostei do filme a que você se referiu.

Não gostei da peça a que você se referiu.
- antes da preposição de, pode ocorrer o mesmo tipo
  de crase.
Ex.:
Meu palpite é igual ao de todos.
Minha opinião é igual à (a+a) de todos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Super-resumo uso da crase
Super-resumo uso da craseSuper-resumo uso da crase
Super-resumo uso da crase
Miraldo Ohse
 
Crase
CraseCrase
Crase
CraseCrase
Crase
CraseCrase
Aula 4 - Crase
Aula 4 - CraseAula 4 - Crase
Aula 4 - Crase
Gedalias .
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
nilvaandrade
 
Aula 4 crase
Aula 4   craseAula 4   crase
Aula 4 crase
Gedalias .
 
Crase
CraseCrase
Crase
Tio Hatiro
 
USO DA CRASE
USO DA CRASEUSO DA CRASE
USO DA CRASE
claudianavegante
 
Crase
CraseCrase
Crase
letieri11
 
Crase: Como Usar?
Crase: Como Usar?Crase: Como Usar?
Crase: Como Usar?
Jaiza Nobre
 
1.2.2 crase
1.2.2   crase1.2.2   crase
1.2.2 crase
Ivana Mayrink
 
Explicacao crase portugues
Explicacao crase portuguesExplicacao crase portugues
Explicacao crase portugues
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Crase
CraseCrase
A Crase
 A Crase   A Crase
Crase
CraseCrase
Crase 1
Crase 1Crase 1
10 dicas para entender a crase aula I
10 dicas para entender a crase   aula I10 dicas para entender a crase   aula I
10 dicas para entender a crase aula I
Ayla De Sá Marques
 

Mais procurados (18)

Super-resumo uso da crase
Super-resumo uso da craseSuper-resumo uso da crase
Super-resumo uso da crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Aula 4 - Crase
Aula 4 - CraseAula 4 - Crase
Aula 4 - Crase
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
 
Aula 4 crase
Aula 4   craseAula 4   crase
Aula 4 crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
USO DA CRASE
USO DA CRASEUSO DA CRASE
USO DA CRASE
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase: Como Usar?
Crase: Como Usar?Crase: Como Usar?
Crase: Como Usar?
 
1.2.2 crase
1.2.2   crase1.2.2   crase
1.2.2 crase
 
Explicacao crase portugues
Explicacao crase portuguesExplicacao crase portugues
Explicacao crase portugues
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
A Crase
 A Crase   A Crase
A Crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase 1
Crase 1Crase 1
Crase 1
 
10 dicas para entender a crase aula I
10 dicas para entender a crase   aula I10 dicas para entender a crase   aula I
10 dicas para entender a crase aula I
 

Semelhante a Crase

Curso de português erros mais comuns - aula 3
Curso de português   erros mais comuns - aula 3Curso de português   erros mais comuns - aula 3
Curso de português erros mais comuns - aula 3
Ricardo Fidelis
 
Crase 3
Crase 3Crase 3
Crase
CraseCrase
Crase2
Crase2Crase2
Crase2
Damisa
 
Crase (à)
Crase (à)Crase (à)
Crase (à)
Camila Rodrigues
 
Crase
CraseCrase
Crase
CraseCrase
Apresentação1 crase
Apresentação1 craseApresentação1 crase
Apresentação1 crase
Ayla De Sá Marques
 
Apresentação1 crase
Apresentação1 craseApresentação1 crase
Apresentação1 crase
Ayla De Sá Marques
 
Crase
CraseCrase
Crase
weldame
 
crase.pdf
crase.pdfcrase.pdf
crase.pdf
ManuBarreto3
 
crases-130528213521-phpapp01 (1).pptx
crases-130528213521-phpapp01 (1).pptxcrases-130528213521-phpapp01 (1).pptx
crases-130528213521-phpapp01 (1).pptx
sheyllafeitosa1
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
nilvaandrade
 
Crase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulasCrase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulas
EdnaSantos855118
 
Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02
Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02
Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02
edimartins
 
Trabalho da deza
Trabalho da dezaTrabalho da deza
Trabalho da deza
Lucas Lemos
 
Emprego do sinal indicativo de crase.pdf
Emprego do sinal indicativo de crase.pdfEmprego do sinal indicativo de crase.pdf
Emprego do sinal indicativo de crase.pdf
Viviane Barbosa
 
Crase
Crase Crase
Estudo sobre Crase
Estudo sobre CraseEstudo sobre Crase
Estudo sobre Crase
Maiara Goularte
 
Gramática Avançada
Gramática AvançadaGramática Avançada
Gramática Avançada
Superprovas Software
 

Semelhante a Crase (20)

Curso de português erros mais comuns - aula 3
Curso de português   erros mais comuns - aula 3Curso de português   erros mais comuns - aula 3
Curso de português erros mais comuns - aula 3
 
Crase 3
Crase 3Crase 3
Crase 3
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase2
Crase2Crase2
Crase2
 
Crase (à)
Crase (à)Crase (à)
Crase (à)
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Apresentação1 crase
Apresentação1 craseApresentação1 crase
Apresentação1 crase
 
Apresentação1 crase
Apresentação1 craseApresentação1 crase
Apresentação1 crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
crase.pdf
crase.pdfcrase.pdf
crase.pdf
 
crases-130528213521-phpapp01 (1).pptx
crases-130528213521-phpapp01 (1).pptxcrases-130528213521-phpapp01 (1).pptx
crases-130528213521-phpapp01 (1).pptx
 
Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5Nilvaandrade ativ5
Nilvaandrade ativ5
 
Crase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulasCrase - Slides para apresentações em aulas
Crase - Slides para apresentações em aulas
 
Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02
Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02
Craseoralidadeeescrita 110924114734-phpapp02
 
Trabalho da deza
Trabalho da dezaTrabalho da deza
Trabalho da deza
 
Emprego do sinal indicativo de crase.pdf
Emprego do sinal indicativo de crase.pdfEmprego do sinal indicativo de crase.pdf
Emprego do sinal indicativo de crase.pdf
 
Crase
Crase Crase
Crase
 
Estudo sobre Crase
Estudo sobre CraseEstudo sobre Crase
Estudo sobre Crase
 
Gramática Avançada
Gramática AvançadaGramática Avançada
Gramática Avançada
 

Mais de Christiane Queiroz

Regência verbal 2015
Regência verbal   2015Regência verbal   2015
Regência verbal 2015
Christiane Queiroz
 
Concordância verbal revisão
Concordância verbal   revisãoConcordância verbal   revisão
Concordância verbal revisão
Christiane Queiroz
 
Conc verbal 2015 - exercicios - gabarito
Conc verbal   2015 - exercicios - gabaritoConc verbal   2015 - exercicios - gabarito
Conc verbal 2015 - exercicios - gabarito
Christiane Queiroz
 
Oracoes coordenadas 2015
Oracoes coordenadas   2015Oracoes coordenadas   2015
Oracoes coordenadas 2015
Christiane Queiroz
 
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
Christiane Queiroz
 
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
Christiane Queiroz
 
Orações sub adverbiais 2015
Orações sub adverbiais   2015Orações sub adverbiais   2015
Orações sub adverbiais 2015
Christiane Queiroz
 
Oracoes sub adjetivas 2015
Oracoes sub adjetivas   2015Oracoes sub adjetivas   2015
Oracoes sub adjetivas 2015
Christiane Queiroz
 
Oracao subordinada substantivablog2015
Oracao subordinada substantivablog2015Oracao subordinada substantivablog2015
Oracao subordinada substantivablog2015
Christiane Queiroz
 
Linguagem histórica juliana
Linguagem histórica julianaLinguagem histórica juliana
Linguagem histórica juliana
Christiane Queiroz
 
Linguagem histórica
Linguagem histórica Linguagem histórica
Linguagem histórica
Christiane Queiroz
 
Linguagem informal
Linguagem informalLinguagem informal
Linguagem informal
Christiane Queiroz
 
Linguagem informal
Linguagem informalLinguagem informal
Linguagem informal
Christiane Queiroz
 
Variação Regional
Variação Regional Variação Regional
Variação Regional
Christiane Queiroz
 
Variação regional ricardo
Variação regional ricardoVariação regional ricardo
Variação regional ricardo
Christiane Queiroz
 
Surfista roberto carlos
Surfista roberto carlosSurfista roberto carlos
Surfista roberto carlos
Christiane Queiroz
 
Variedade sociocultural paulista davi
Variedade sociocultural paulista  daviVariedade sociocultural paulista  davi
Variedade sociocultural paulista davi
Christiane Queiroz
 
Surfista roberto carlos
Surfista roberto carlosSurfista roberto carlos
Surfista roberto carlos
Christiane Queiroz
 
Variação regional ricardo
Variação regional ricardoVariação regional ricardo
Variação regional ricardo
Christiane Queiroz
 
Concordância verbal 9º ano
Concordância verbal   9º anoConcordância verbal   9º ano
Concordância verbal 9º ano
Christiane Queiroz
 

Mais de Christiane Queiroz (20)

Regência verbal 2015
Regência verbal   2015Regência verbal   2015
Regência verbal 2015
 
Concordância verbal revisão
Concordância verbal   revisãoConcordância verbal   revisão
Concordância verbal revisão
 
Conc verbal 2015 - exercicios - gabarito
Conc verbal   2015 - exercicios - gabaritoConc verbal   2015 - exercicios - gabarito
Conc verbal 2015 - exercicios - gabarito
 
Oracoes coordenadas 2015
Oracoes coordenadas   2015Oracoes coordenadas   2015
Oracoes coordenadas 2015
 
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
 
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015Concordância verbal   9º ano - atualizado - 2015
Concordância verbal 9º ano - atualizado - 2015
 
Orações sub adverbiais 2015
Orações sub adverbiais   2015Orações sub adverbiais   2015
Orações sub adverbiais 2015
 
Oracoes sub adjetivas 2015
Oracoes sub adjetivas   2015Oracoes sub adjetivas   2015
Oracoes sub adjetivas 2015
 
Oracao subordinada substantivablog2015
Oracao subordinada substantivablog2015Oracao subordinada substantivablog2015
Oracao subordinada substantivablog2015
 
Linguagem histórica juliana
Linguagem histórica julianaLinguagem histórica juliana
Linguagem histórica juliana
 
Linguagem histórica
Linguagem histórica Linguagem histórica
Linguagem histórica
 
Linguagem informal
Linguagem informalLinguagem informal
Linguagem informal
 
Linguagem informal
Linguagem informalLinguagem informal
Linguagem informal
 
Variação Regional
Variação Regional Variação Regional
Variação Regional
 
Variação regional ricardo
Variação regional ricardoVariação regional ricardo
Variação regional ricardo
 
Surfista roberto carlos
Surfista roberto carlosSurfista roberto carlos
Surfista roberto carlos
 
Variedade sociocultural paulista davi
Variedade sociocultural paulista  daviVariedade sociocultural paulista  davi
Variedade sociocultural paulista davi
 
Surfista roberto carlos
Surfista roberto carlosSurfista roberto carlos
Surfista roberto carlos
 
Variação regional ricardo
Variação regional ricardoVariação regional ricardo
Variação regional ricardo
 
Concordância verbal 9º ano
Concordância verbal   9º anoConcordância verbal   9º ano
Concordância verbal 9º ano
 

Último

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 

Último (20)

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 

Crase

  • 2. Na sintaxe: 1)Vou a + a feira da esquina. Vou à feira da esquina. 2) Referiu-se a + aquele livro. Referiu-se àquele livro. 3) Fizeram alusão a + a de azul. Fizeram alusão à de azul.
  • 3. Regra geral: Ocorrerá crase da preposição mais artigo: a) Se o termo regente exigir a preposição a; b) Se o termo regido aceitar o artigo feminino a (as) Exemplo: Dirigiu-se A + A cidade = Dirigiu-se À cidade. Conheço (x) + A cidade = Conheço A cidade. (artigo) Vou A + (x) Brasília = Vou A Brasília. (preposição)
  • 4. Artifício para saber se uma palavra aceita ou não o artigo: • Se pudermos usar a combinação da antes da palavra, é sinal que ela aceita o artigo; • Se pudermos usar apenas a preposição de, é sinal de que não aceita o artigo. Exemplos: Vim da Bahia – Vou à Bahia. Vim de Brasília – Vou a Brasília. A partir dessa regra podemos estabelecer que:
  • 5. A) NUNCA OCORRE CRASE: a) Antes de masculino. Ex.: Andei a pé. b) Antes de verbo. Ex.: Estou apto a discutir. c) Antes de pronome de tratamento, exceção feita a senhora, senhorita e dona. Ex.: Dirigiu-se a V. Sª. com aspereza. Dirigiu-se à senhora com aspereza. d) Antes de pronomes em geral. Ex.: Não me referia a ela. Falava a qualquer pessoa.
  • 6. Obs.: Obviamente, se o pronome aceitar o artigo, ocorrerá a crase. Ex.: Fiz alusão à mesma pessoa. e) Nas expressões formadas de palavras repetidas. Ex.: Ficou cara a cara com o criminoso. f) Antes dos nomes de cidades. Ex.: Fiz uma viagem a Roma. Obs.: Se o nome da cidade vier determinado, ocorrerá a crase. Ex.: Fiz uma viagem à Roma antiga.
  • 7. g) Quando um a (sem o s de plural) preceder um nome plural. Ex.: Não falo a pessoas estranhas. Obs.: Havendo o s de plural, é sinal de que ocorreu o artigo e haverá crase. Ex.: Não falo às pessoas estranhas. B) Sempre ocorre crase: a)Na indicação do número de horas. Ex.: Cheguei às dez horas.
  • 8. b) Na expressão à moda de, mesmo que a palavra moda venha oculta. Ex.: Usava sapatos à (moda de) Luís XV. c) Nas expressões adverbiais femininas. Ex.: Cheguei à tarde. (tempo) Falou à vontade. (modo) Ficou à direita. (lugar)
  • 9. d) Nas locuções conjuntivas e prepositivas constituídas de palavras femininas: à medida que, à proporção que, à força de, à beira de. Ex.: À força de pensar, acabou adormecendo. À medida que ele falava, o público aplaudia.
  • 10. C) Casos facultativos: a)Antes de nomes próprios femininos de pessoa. Ex.: Não te refiras a (à) Maria Clara. b) Antes de pronomes possessivos femininos. Ex.: Não te dirijas a (à) tua gente. Obs.: Note que os nomes próprios femininos de pessoa aceitam ou não o artigo antes de si. Por isso é que pode ocorrer a crase ou não.
  • 11. c) Depois da preposição até. Se a preposição até vier seguida de um nome feminino que aceite o artigo a, poderá ou não ocorrer a crase. Isto porque essa preposição pode ser empregada sozinha (até) ou em locução com a preposição a (até a) Exemplos: Cheguei até a muralha.. Cheguei até à muralha.
  • 12. Casos especiais de crase: a)Crase antes de casa A palavra casa, no sentido de lar, residência própria da pessoa, se não vier determinada por um adjunto adnominal, não aceita o artigo, portanto não ocorre a crase. Por outro lado, se vier determinada por um adjunto adnominal, aceita o artigo e ocorre a crase. Exemplos: Voltei a casa cedo. Voltei à casa de meus pais.
  • 13. b) Crase antes de terra A palavra terra, no sentido de chão firme, tomada em oposição a mar ou ar, se não vier determinada, não aceita o artigo e não ocorre a crase. Se vier determinada, aceita o artigo e ocorre a crase. Ex.: Os marinheiros voltaram a terra. Os marinheiros já voltaram à terra dos seus sonhos. c) Crase antes dos pronomes relativos - Antes dos relativos quem e cujo não ocorre crase. Ex.: Achei a pessoa a quem você procurava.
  • 14. Compreendo a situação a cuja gravidade você se referiu. -Antes dos relativos o qual ou os quais ocorrerá a crase, se o masculino correspondente for ao qual, aos quais. Ex.: Esta é a festa à qual me referi. Este é o filme ao qual me referi.
  • 15. d) Crase nos pronomes demonstrativos aquele (s), aquela (s), aquilo. Sempre que o termo regente exigir a preposição a e vier seguido dos demonstrativos aquele, aquela, aqueles, aquelas e aquilo, haverá crase da preposição a com o a inicial desses pronomes. Ex.: Falei àquele amigo. Dirijo-me àquela cidade. Aspiro a isto e àquilo. Fez referência àquelas situações.
  • 16. e) Crase da preposição a com o pronome demonstrativo a: A crase da preposição a com o pronome demonstrativo a ocorre sempre antes do pronome relativo que (à que) ou da preposição de (à de). Artifício: - se, com o antecedente masculino, ocorrer ao que, aos que, com o feminino ocorrerá a crase.
  • 17. Ex.: Houve um palpite anterior ao que você deu. Houve uma sugestão anterior à (a+a) que você deu. - se, com o antecedente masculino, ocorrer a que, no feminino não ocorrerá a crase. Não gostei do filme a que você se referiu. Não gostei da peça a que você se referiu.
  • 18. - antes da preposição de, pode ocorrer o mesmo tipo de crase. Ex.: Meu palpite é igual ao de todos. Minha opinião é igual à (a+a) de todos.