SlideShare uma empresa Scribd logo
Recursos Físicos na Reabilitação Humana
Aula 04 - Eletroterapia
Professor M.e. Natanael Guimarães Ribeiro @natanguima
Fisioterapeuta
Conceitos Iniciais – Corrente Interferencial
Aplicação transcutânea de correntes elétricas alternadas de média frequência, com sua amplitude modulada a baixa frequência,
para finalidades terapêuticas.
O princípio da terapia interferencial é passar através dos tecidos duas
correntes despolarizadas de média frequência e quando as correntes
se encontram, uma nova corrente se inicia.
As correntes individuais interferem uma com a outra ao se encontrarem, e
compõem uma nova forma de onda.
Em decorrência da interferência das ondas, as amplitudes das correntes
se somam algebricamente.
Os estimuladores interferenciais usam duas correntes de média
frequência, uma na Frequência fixa de 4000 Hz, e a outra
ajustável, entre 4000 e 4250 Hz.
A inclusão da frequência ajustável permite a seleção de uma faixa de
baixas frequências moduladas pela amplitude. Como exemplo, se
colocarmos um FMA de 100 Hz, isto gerará uma frequência média
resultante de 4050 Hz.
Regulagem do Aparelho
Eletrodos
O método tradicional de aplicação da terapia interferencial utiliza-se
quatro eletrodos, para atender a dois circuitos.
Os circuitos são dispostos perpendicularmente entre si, de modo a fazer
intercessão na área a ser estimulada.
A corrente pode ser aplicada através de eletrodos flexíveis fixados por fita
adesiva ou por eletrodos a vácuo, que utilizam a sucção para que o
contato seja mantido.
Em ambos os casos, há necessidade do uso de esponjas embebidas em
água.
Frequência de Modulação da Amplitude (FMA)
Conceitos Iniciais – Corrente Interferencial
Aplicação transcutânea de correntes elétricas alternadas de média frequência, com sua amplitude modulada a baixa frequência,
para finalidades terapêuticas.
Podemos fazer com que a FMA alterne ao longo de uma faixa
estabelecida pela manipulação do controle de frequência varredura.
Os aparelhos interferenciais variam quanto à frequência de
varredura disponível ao terapeuta, mas a faixa oscila entre 0 e
250 Hz.
Neste caso se colocarmos a FMA a 100 Hz e a frequência de
varredura de 10 Hz, irá resultar numa FMA que varia entre 100 e
110 Hz.
Regulagem do Aparelho
Modulação da Frequência / Frequência de Varredura
Corrente Interferencial
Indicações e Contraindicações
◼ Analgesia – funciona analogamente ao TENS
◼ Reparo dos tecidos e promoção da cicatrização
◼ Produção de contrações musculares
Indicações Contraindicações
◼ Marca-passos
◼ Cardiopatias ou disritmias
◼ Nos primeiros três meses de gestação
◼ Abdômen durante a gestação
◼ Boca
◼ Seio carotídeo
◼ Feridas de pele
◼ Nas proximidades dos olhos
◼ AVC e AIT e Epilepsia devemos evitar na região da cabeça e face.
◼ Eletrodos ao redor de olho, boca e pescoço – intensidade baixa
para evitar espasmos da musculatura laríngea.
Conceitos Iniciais – Corrente Russa
A Corrente Russa apresenta várias vantagens em relação a corrente de baixa frequência. Uma dessas vantagens está
relacionada a resistência (impedância) que o corpo humano oferece à passagem da corrente elétrica.
Como a impedância do corpo é do tipo capacitativo e, em sistemas
capacitativos, quanto maior a frequência menor será a resistência,
podemos concluir que uma corrente de média frequência como é o caso
da corrente Russa, diminui sensivelmente o desconforto da corrente que
o paciente está sendo submetido.
Uma outra vantagem devido a diminuição da resistência do corpo é o grau
de profundidade alcançado pela corrente Russa, sendo superior as
correntes de baixa frequência.
Os parâmetros do aparelho são similares à corrente interferencial, com
ciclo on, ciclo off, intensidade de corrente, tempo de subida e tempo de
descida do pulso.
Indicações
◼ Fortalecimento Muscular
◼ Controle de Espasticidade
◼ Facilitação Neuromuscular
◼ Uso na estética
Contraindicações
◼ Insuficiência cardíaca
◼ Marca-passo
◼ Estimulação sobre seios carotídeos
◼ Pacientes mentalmente confusos
◼ Diminuição da sensibilidade a passagem da corrente elétrica
Conceitos Iniciais – Corrente Diadinâmica
As Correntes Diadinâmicas foram desenvolvidas na França no início da década de 50 por P. Bernard. São correntes
alternadas senoidais de baixa frequência (50 a 100 Hz) com retificação monofásica ou bifásica. Também chamadas de
Galvanofarádicas.
Elas são interrompidas com alternância rítmica, e podem troca
continuamente de frequência, ou ainda combinar-se em defasagem de
uma corrente senoidal monofásica.
Produzem intensos efeitos analgésicos e hiperemiantes, atuando sobre
nervos e sobre a musculatura através de processos elétricos e químicos.
Os efeitos são eletroquímicos, térmicos e de estimulação, consequência
dos fenômenos de polarização.
Sugere-se para todos os tratamentos que a intensidade de corrente
deve ser perceptível, porém não dolorosa.
O maior perigo dessas correntes é o dano tissular decorrente dos
efeitos polares.
Esses podem ser evitados com a reversão de corrente durante o
tratamento
Eletrodos
Os eletrodos devem ser metálicos, preferencialmente de alumínio, de
tamanhos adequados. Pode-se usar tanto a técnica bipolar como a
monopolar.
Bipolar
Dois eletrodos de tamanhos iguais com o objetivo de distribuir
uniformemente a corrente pela superfície do segmento a ser
tratado.
Monopolar
Eletrodos de tamanhos diferentes proporcionam uma
concentração maior da corrente no eletrodo de menor
tamanho, enfatizando assim o local a ser tratado
Cuidados / Contraindicações
◼ Pacientes com marca-passos – Endoprótese.
◼ Feridas abertas ou lesões de pele.
◼ Área de sensibilidade alterada.
◼ Implantes metálicos expostos.
◼ Ainda podem provocar atividade metabólica indesejada em
neoplasia ou em infecções tuberculosas cicatrizadas
Corrente Diadinâmica
Formas de Correntes Diadinâmicas - A seleção da corrente a ser utilizada depende do objetivo desejado.
Monofásica Fixa (MF)
Corrente de 50 hz com retificação de meia onda e intervalos de igual
tamanho.
Produz contrações musculares e tem a finalidade de estimular o tecido
conjuntivo e agir nos processos dolorosos espasmódicos.
Difásica Fixa (DF)
Corrente de 100 Hz com retificação de onda completa, sem intervalos.
Tem a finalidade de analgesia, age nos transtornos circulatórios e
processos simpaticotônicos.
É indicada para preceder a aplicação de outras modalidades de corrente
para induzir a elevação do limiar de excitação das fibras nervosas
sensitivas proporcionando analgesia temporária.
Corrente Diadinâmica
Formas de Correntes Diadinâmicas - A seleção da corrente a ser utilizada depende do objetivo desejado.
Curtos Períodos (CP)
Formas de correntes monofásicas e difásicas conectadas
alternadamente e sem intervalos de repouso ou alternadas a cada 1
segundo.
Tem efeito estimulante forte, especialmente quando deve melhorar a
circulação sanguínea – em condições como edema originado por
contusões.
Proporciona uma diminuição da dor.
Longos Períodos (LP)
Forma de corrente monofásica com duração de 10 segundos combinada
com uma segunda forma de onda monofásica variando sua amplitude
entre 0 e o máximo da intensidade amplitude (entre zero e 100 Hz),
durante 5 segundos.
Tem a finalidade de agir nas mialgias, torcicolos neuralgias. É a mais
analgésica e também tem efeito espasmolítico.
O estímulo é mais vigoroso na DF
Corrente Diadinâmica
Formas de Correntes Diadinâmicas - A seleção da corrente a ser utilizada depende do objetivo desejado.
Ritmo Sincopado (RS)
Forma de corrente monofásica com trens de pulso de 1
segundo, intercalado com período de repouso também de 1 segundo.
Por ser uma corrente basicamente estimulante, atua nas atrofias
musculares leves.
Indicada para aumentar tônus e trofismo muscular, prevenir aderências,
retardar a hipotrofia e aumentar o retorno venoso e linfático.
Quadro resumo
A intensidade necessária para que se consiga o efeito terapêutico
desejado, depende do tamanho do eletrodo e da área a ser estimulada.
É muito importante destacar que a dosificação da corrente é individual.
O tempo de aplicação deve-se limitar a uns poucos minutos, dados
que, num tempo demasiadamente longo, correntes diretas tem a
particularidade queimar o paciente.
No geral o tempo total de aplicação não deve ultrapassar os 10
minutos.
Estimulação Elétrica Neuromuscular (NMES)
A eletroestimulação motora, que se traduz pela ocorrência de potenciais de ação
nos moto-neurônios e nos músculos.
Engloba a estimulação elétrica neuromuscular (estimulação do músculo
inervado através dos seus neurônios motores) e a estimulação elétrica
muscular (estimulação direta das fibras musculares no músculo
desnervado).
Estimulação elétrica funcional ou estimulação neuromuscular Funcional
(FES/FNS)
Estimulação Elétrica Neuromuscular (NMES)
Essa forma de estimulação elétrica é usada comumente com
intensidades suficientemente altas para produzir contração muscular
e pode ser aplicada ao músculo durante o movimento ou sem que esteja
ocorrendo movimento funcional.
A FES (FUNCTIONAL ELECTRICAL STIMULATION), faz parte das
correntes elétricas de baixa frequência, com finalidade de promover
contração muscular induzida.
Esse termo é usado quando a meta do tratamento é favorecer ou
produzir movimento funcional.
O nome FES é basicamente comercial, na verdade o termo mais correto é
a Estimulação Elétrica Neuromuscular e Muscular (EENM).
Corrente de baixa frequência, 50 Hz, despolarizada, comprimento de
onda 300 microssegundos, com pulsos retangulares.
Pode ser usada para reabilitação de músculos e prevenção de atrofias
em estruturas com inervação normal.
FES - Parâmetros
Frequência
5 Hz a 200 Hz
Intensidade Ajustada de acordo com os objetivos.
Duração do Pulso ou
Largura do Pulso
50 useg a 400 useg
Tempo de Subida
(RISE)
Tempo de subida do pulso, variável de 1 a 10
segundos.
Regula a velocidade de contração, ou seja, o
tempo desde o começo até a máxima
contração muscular.
Tempos altos produzem uma lenta, mas
gradual contração, enquanto tempos pequenos
produzem uma contração repentina (súbita)
Tempo de Descida
(DECAY)
Tempo de descida do pulso, também de 1 a 10s.
Regula a velocidade com que a contração
diminui, ou seja, o tempo desde a máxima
contração até o relaxamento muscular.
Tempos altos produzem relaxamento lento e
tempos baixos produzem relaxamentos
repentinos (súbito).
Ciclo ON
Tempo de máxima contração muscular
variável de 0 a 30 segundos.
Regula o tempo em que a corrente circula pelo
eletrodo durante cada ciclo de estimulação.
Ciclo OFF
Tempo de repouso da contração muscular,
variável de 0 a 60 segundos.
Regula o tempo em que a corrente não circula
pelos eletrodos.
Sincronizado
Os dois canais funcionam ao mesmo tempo
no tempo “on” e “off” selecionados.
Recíproco
Os canais funcionam alternadamente,
enquanto um está no ciclo “on”, o outro está no
ciclo “off”.
O tempo de subida; sustentação e descida; juntos representam o trabalho
muscular, ou seja, o tempo em que o músculo está sendo submetido à ação da
corrente.
A pausa representa o tempo em que o equipamento ficará desligado, permitindo
a recuperação do músculo.
É importante lembrar que esse ciclo ocorrerá várias vezes durante o tempo de
tratamento.
FES - Parâmetros
Colocação dos Eletrodos
O tipo de eletrodo utilizado é o de silicone impregnado de carbono.
O tamanho do eletrodo vai depender do tamanho do músculo a ser
estimulado e da intensidade da contração a ser promovida.
Pode-se realizar a técnica monopolar com o eletrodo menor em cima do
ponto motor do músculo a ser estimulado; ou a técnica bipolar onde os
eletrodos são dispostos em ambos os lados do ventre muscular.
A localização dos eletrodos nos músculos pode ser determinada de
diversas maneiras.
Primeiro, um eletrodo primário pode ser colocado sobre o "ponto motor"
de um músculo.
Esse pode ser definido como o ponto na superfície da pele que permite
que ocorra uma contração usando a menor energia.
Em geral, o ponto motor de um músculo se localiza sobre o ventre do
músculo e normalmente, mas nem sempre, na junção entre os terços
superiores e médio do ventre.
FES – Indicações e Contraindicações
Indicações
◼ Facilitação neuromuscular;
◼ Fortalecimento muscular;
◼ Ganhar ou manter a amplitude de movimento articular;
◼ Controlar contraturas;
◼ Controlar a espasticidade;
◼ Como substituição ortótica (estimulação elétrica pode ser usada para
forçar contrações de músculos específicos durante a marcha)
Contraindicações
◼ Disritmia cardíaca;
◼ Portadores de marca-passos;
◼ Olhos;
◼ Mucosas;
◼ Útero grávido.
A Estimulação elétrica Neuromuscular não deve ser usada,
ou deve ser usada com cuidado, em pacientes com;
◼ Doença vascular periférica, especialmente quando há a possibilidade de
descolamento de trombos
◼ Pessoas hipertensas e hipotensas, já que a NMES pode afetar as respostas
autonômicas desses pacientes
◼ Áreas com excesso de tecido adiposo em pessoas obesas, já que essas
podem necessitar de níveis elevados de estímulo, o que pode levar a alterações
autonômicas
◼ Tecido neoplásico
◼ Áreas de infecção ativa nos tecidos
◼ Alterações neurológicas convulsivas, ou traumatismos cranioencefálicos.
◼ Pele desvitalizada - por exemplo, após tratamento com radioterapia Profunda.
◼ Pacientes incapazes de compreender a natureza da intervenção ou de dar
feedback sobre o tratamento.
FES – Indicações e Contraindicações
Além disso, o tratamento não deve ser aplicado sobre as
seguintes áreas;
◼ Seio carotídeo
◼ Região torácica - tem-se sugerido que a NMES pode interferir na função
do coração
◼ Nervo frênico
◼ Tronco, durante a gestação.
Fatores que interferem com a estimulação;
◼ Obesidade;
◼ Presença de neuropatias periféricas;
◼ Distúrbios sensoriais importantes;
◼ A aceitação do paciente.
Corrente Farádica
Corrente interrompida, de curta duração (1 milissegundo), forma triangular e frequência de 50 Hz.
Ela pode ser modulada em trens de pulso, variando sua taxa de repetição.
É uma corrente polarizada e tem a propriedade de produzir contrações
musculares.
Desde que este critério seja obedecido, podemos considerar corrente
farádica qualquer forma de apresentação da corrente alternada, como
vemos na figura abaixo.
Geralmente o que chamamos classicamente de corrente farádica, é um
sinal retangular, ou trapezoide, como podemos ver na figura acima.
Os equipamentos utilizados para aplicação destas correntes fornecem
uma frequência que geralmente não ultrapassam os 50Hz (baixa
frequência).
Os estímulos usados na eletroterapia são geralmente para terapia e
diagnóstico.
Aplica-se sobre o ponto motor do músculo.
Ponto Motor do músculo: é o ponto mais excitável de um músculo e
representa a maior concentração de terminações nervosas.
Localiza-se na pele sobre o músculo. É onde o nervo penetra no ventre
muscular.
Esta corrente é uma das primeiras correntes utilizadas na fisioterapia
com o objetivo de produzir contração muscular.
Embora já tenhamos em mãos recursos mais avançados, que provocam
menos incômodo e são bem mais eficientes quando se fala de contração
muscular.
Corrente Farádica
Método de aplicação
O eletrodo utilizado pode ser tanto o de borracha de silicone com gel,
quanto o eletrodo esponjoso embebido em soro fisiológico, já que a
corrente farádica geralmente tem uma polaridade fraca.
No entanto, se utilizarmos o eletrodo esponjoso; poderemos obter um
resultado mais satisfatório.
Eletrodo indiferente ou passivo:
Colocado para dissipar a corrente,
geralmente no tronco nervoso que
inerva o músculo a ser trabalhado.
Eletrodo ativo = coloca-se sobre o
ponto motor do músculo a ser tratado.
O ponto motor é o melhor local para se
obter uma boa contração muscular.
Em músculos isolados, o melhor tratamento é com a caneta de
aplicação diretamente no ponto motor.
Já em grupos musculares os grandes eletrodos são mais
convenientes.
Tempo de aplicação: 15 minutos nos métodos em geral.
Efeitos Fisiológicos
◼ Estimulação de nervos sensitivos (parestesia, reflexo de
vasodilatação) e de nervos motores;
◼ Efeito de contração muscular
Metabolismo
Retorno Venoso
e Linfático
Irrigação Sanguínea
dos músculos
Corrente Farádica
Indicações
Produzir contração muscular apenas em pequenos grupos
musculares, do contrário, não iremos conseguir um resultado satisfatório.
Porém, alguns autores relatam ainda as seguintes indicações:
◼ Drenagem de edemas
◼ Hipertrofia muscular
◼ Pós-cirúrgicos de transplantes tediosos
◼ Reeducação muscular
◼ Fibroses e aderências cicatriciais
Contraindicações
Além das recomendações gerais da eletroterapia como feridas abertas,
infecção, diminuição de sensibilidades, etc., outras são:
◼ Área precordial
◼ Pacientes com idade avançada ou incapazes de indicar as sensações
produzidas pela corrente.
Corrente Galvânica
Corrente em estado constante, contínua, de intensidade constante em valor e direção (fluxo unidirecional) e não superior a
200 mA (de baixa intensidade). Sua representação gráfica é do tipo monofásica e os seus efeitos
terapêuticos são decorrentes dos efeitos polares da corrente sobre as células.
Do ponto de vista da eletroterapia, o organismo humano pode ser
entendido como formado por numerosos sistemas eletrolíticos
(sistemas que conduzem corrente elétrica), separados por membranas
semipermeáveis; cada célula forma um condutor eletrolítico.
Se a estas células e tecidos do organismo aplicamos um potencial
elétrico, provocamos uma dissociação iônica.
Fenômeno mediante o qual as moléculas se dividem em seus diferentes
elementos químicos, pelo fato de que cada um deles tem uma carga
elétrica distinta.
Exemplo;
Molécula de sal NaCl, que se decompõe em Na+ e Cl-. Quando um fluxo
de corrente contínua atravessa uma solução de água e sal, provoca uma
migração de íons (já dissociados) presentes, para uma direção definida.
Os íons sódio migram para o polo (-), e os íons cloro para o polo (+).
Processo conhecido como eletrólise
Efeitos Polares
Ânodo
(+)
Sedante, vasoconstrictor, solidificação de proteínas,
desidratante
Cátodo
(-)
Estimulante, irritante, vasodilatador, liquefação de
proteínas, hidratante
Corrente Galvânica – Efeitos Decorrentes
Eletroquímicos
Eletrólise
Causa reações químicas sob os eletrodos.
No cátodo (-) ocorre uma reação básica, com liberação de hidrogênio e
necrose de liquefação.
No ânodo (+), ocorre uma reação ácida com liberação de oxigênio e
necrose de coagulação.
Osmóticos
Os cátions são atraídos para o cátodo com maior velocidade, criando
uma concentração iônica maior na região catódica;
Essa diferença de concentração promove a mobilização da água em
direção ao cátodo por diferença de pressão osmótica.
Vasomotores
Vasodilatação e aumento da temperatura sob os eletrodos;
Hiperemia na pele e nos estratos abaixo dela (subcutâneo, fáscias e
músculos superficiais);
A liberação de energia das reações de oxi-redução, leva a um
aumento na temperatura local de 2 a 3°C
Osmóticos
Os cátions são atraídos para o cátodo com maior velocidade, criando
uma concentração iônica maior na região catódica;
Essa diferença de concentração promove a mobilização da água em
direção ao cátodo por diferença de pressão osmótica.
Corrente Galvânica – Efeitos Decorrentes
Alterações na excitabilidade
O pólo negativo excita a fibra.
Diminui a concentração de íons positivos no meio extracelular, deixando
próximo da voltagem negativa do interior da célula, levando-a a
despolarização;
A corrente anódica deixa a membrana mais resistente a excitação,
levando a hiperpolarização (aumento de íons positivos no meio extra)
Tudo indica que esses fenômenos se devem a maior ou menor
permeabilidade da membrana ao sódio.
Características dos Polos
Corrente Galvânica – Indicações e Contraindicações
Indicações
◼ Além dos efeitos que vimos em cada um dos polos temos também a
Iontoforese e a eletroendosmose.
◼ Eletroendosmose: É o uso da corrente galvânica com o objetivo de
promover o deslocamento de líquido de uma região para outra no tecido.
Ou em outras palavras, facilitar a drenagem de edema.
O uso desta corrente para facilitar a drenagem.
Contraindicações
◼ Extremos cronológicos
◼ Região precordial
◼ Neoplasias
◼ Pacientes com distúrbios de sensibilidade
◼ Ferida aberta
◼ Gônadas
◼ Olhos
◼ Útero grávido
◼ Pacientes mentalmente confusos
Cuidados
◼ Inspecionar a pele do paciente antes e depois da aplicação.
◼ Não deixar que os cabos sem proteção de material isolante encoste no
paciente, risco de queimaduras elétricas.
◼ Escolher uma intensidade adequada.
◼ Manter a espuma que envolve as placas integras.
◼ Fazer sempre a manutenção de cabos e aparelho
◼ Não utilizar correntes polarizadas sobre a face;
◼ A intensidade da corrente não deve ultrapassar 0,1mA por cm da área do
eletrodo ativo;
◼ Nenhuma das bordas dos eletrodos deve tocar a pele do paciente devido ao
risco de queimaduras;
◼ Não ultrapassar a concentração da solução indicada pelo fabricante;
◼ E necessário um bom acoplamento entre os eletrodos e a pele e uma boa
umidificação das esponjas para que se diminua a resistência e se evitem
queimaduras;
Corrente Galvânica – Misc.
Técnica de aplicação
Eletrodos na mesma face anatômica
Longitudinal
(coplanar)
Intoforese
Técnica de tratamento que permite a introdução, a partir da pele e das mucosas,
de íons medicamentosos para o interior dos tecidos, utilizando as
propriedades polares da corrente galvânica.
Assim sendo os íons positivos são introduzidos no organismo através do
ânodo (polo +) e os íons negativos a partir do cátodo (polo -).
Para que determinado composto penetre em uma membrana como a pele, ele
deve ser solúvel em gordura e água.
A penetração é relativamente superficial e geralmente menor que 1 mm.
Os íons podem ser usados localmente, ou transportados pelo sangue circulante,
produzindo mais efeitos sistêmicos.
Eletrodos em faces anatômicas diferentes.
Transversal
(contraplanar)
Arranjos
Um par de eletrodos do mesmo tamanho e com
distância entre eles uma a duas vezes o
tamanho do eletrodo é aplicado no local.
Bipolar
Usado quando há preferência por uma polaridade
(+ ou -) ou se a área a ser tratada for pequena.
Nesse caso, sobre o alvo é aplicado o eletrodo ativo,
sendo o outro eletrodo colocado mais distante da
mesma.
Esse eletrodo é chamado de passivo ou dispersivo
e deve ter o dobro do tamanho do eletrodo ativo.
Monopolar
Corrente Galvânica – Iontoforese
Dosimetria Vantagens da Iontoforese
◼ Ação localizada do medicamento, podendo este estar em maior concentração
na área lesada;
◼ Ausência de efeitos colaterais sistêmicos;
◼ 0,05 a 2 mA por cm2 de área do eletrodo.
◼ Sensação agradável pelo paciente.
◼ Tempo de aplicação de 20 a 25 minutos.
Atenção !!
◼ Apenas um pequeno número de medicamentos teve comprovação
experimental com iontoforese.
◼ A maioria dos medicamentos geralmente utilizados contém íons de ambas
polaridades, dificultando a introdução global do medicamento.
◼ O deslizamento de íons não se efetua com velocidade uniforme.
◼ A quantidade eficaz do medicamento introduzido é dificilmente controlável.
◼ Não alcança grandes profundidades (inferior 1 cm)
◼ Os medicamentos devem ser ionizáveis em concentrações adequadas,
devem ser hidrossolúveis, evitando-se cremes, pomadas e emulsões.
◼ Nos tecidos será disseminada por difusão.
Técnicas de aplicação
A disposição dos eletrodos é fator primordial para obtenção de bons resultados.
Para isso, a técnica contra planar é a mais indicada.
O tamanho dos eletrodos deve ser escolhido de acordo com o tamanho da área
a ser tratada.
Devem ser completamente cobertos por esponjas, que entrarão em contato
com a pele. Uma dessas esponjas é molhada com a solução ionizada
(positiva ou negativa) e aderida ao eletrodo de igual polaridade (eletrodo ativo).
A outra deve ser molhada em água deionizada e fixada ao eletrodo dispersivo.
Aplicar o polo ativo com o medicamento em cima da área e o outro polo
(indiferente) aplicar próximo a área afim de dispersar a corrente.
Este eletrodo deve conter uma esponja com água salina.
O tempo de aplicação dura de 20 a 30 minutos e a intensidade de 2 a 4 mA para
eletrodos pequenos e de 10 a 15 mA para eletrodos grandes.
Recursos Físicos na Reabilitação Humana
Professor M.e. Natanael Guimarães Ribeiro @natanguima
Fisioterapeuta

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
Danillo Aguiar
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Cleanto Santos Vieira
 
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
Andreia Evelyn
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
Nay Ribeiro
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
HTM ELETRÔNICA
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
Jacqueline Bexiga
 
laser
laserlaser
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Cleanto Santos Vieira
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
FUAD HAZIME
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
Jaqueline da Silva
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
FUAD HAZIME
 
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIACorrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
alex norbero brusolati
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
Caroline Lima
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
Roosivelt Honorato
 
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
Nathanael Amparo
 
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência  efeitos primários e secundariosLaser de baixa potência  efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
Ezequiel Paulo de Souza
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
Jaqueline da Silva
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Introducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcionalIntroducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcional
Nathanael Amparo
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
Cleanto Santos Vieira
 

Mais procurados (20)

Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
 
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
laser
laserlaser
laser
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIACorrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
 
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência  efeitos primários e secundariosLaser de baixa potência  efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
Introducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcionalIntroducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcional
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 

Semelhante a Aula 04 - Interferencial.pdf

apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
PatrciaAntunes30
 
eletroterapia.pdf
eletroterapia.pdfeletroterapia.pdf
eletroterapia.pdf
elainebarrosfisioter
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
onomekyo
 
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
ssuser7da808
 
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdfAula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
FrancianeOliveira22
 
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptxVibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
TailaDias1
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
RAFAELVINICIUSDEOLIV
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
SuzyOliveira20
 
Aula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptxAula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptx
ScheilaOliveira10
 
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptxAtuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
EstruturaCorpo
 
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | HolisteTerapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
Holiste Psiquiatria
 
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humanoCorrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
Elisabete Garcia
 
Transmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscular
Transmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscularTransmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscular
Transmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscular
avpantoja1
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 
Aula eletro 1
Aula eletro 1Aula eletro 1
Aula eletro 1
Fabinho Borges
 
Manual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical San
Manual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical SanManual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical San
Manual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical San
AmericanFisio
 
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
marcelamenezes28
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )
Ricardo Ferreira
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
TLEAVEIRO
 

Semelhante a Aula 04 - Interferencial.pdf (20)

apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
 
eletroterapia.pdf
eletroterapia.pdfeletroterapia.pdf
eletroterapia.pdf
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
 
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdfAula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
 
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptxVibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
Aula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptxAula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptx
 
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptxAtuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
 
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | HolisteTerapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
 
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humanoCorrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
 
Transmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscular
Transmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscularTransmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscular
Transmissão neuromuscular e monitorização do bloqueio neuromuscular
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
Aula eletro 1
Aula eletro 1Aula eletro 1
Aula eletro 1
 
Manual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical San
Manual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical SanManual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical San
Manual Ondas de Choque Lipocavity Wave - Medical San
 
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Aula 04 - Interferencial.pdf

  • 1. Recursos Físicos na Reabilitação Humana Aula 04 - Eletroterapia Professor M.e. Natanael Guimarães Ribeiro @natanguima Fisioterapeuta
  • 2. Conceitos Iniciais – Corrente Interferencial Aplicação transcutânea de correntes elétricas alternadas de média frequência, com sua amplitude modulada a baixa frequência, para finalidades terapêuticas. O princípio da terapia interferencial é passar através dos tecidos duas correntes despolarizadas de média frequência e quando as correntes se encontram, uma nova corrente se inicia. As correntes individuais interferem uma com a outra ao se encontrarem, e compõem uma nova forma de onda. Em decorrência da interferência das ondas, as amplitudes das correntes se somam algebricamente. Os estimuladores interferenciais usam duas correntes de média frequência, uma na Frequência fixa de 4000 Hz, e a outra ajustável, entre 4000 e 4250 Hz. A inclusão da frequência ajustável permite a seleção de uma faixa de baixas frequências moduladas pela amplitude. Como exemplo, se colocarmos um FMA de 100 Hz, isto gerará uma frequência média resultante de 4050 Hz. Regulagem do Aparelho Eletrodos O método tradicional de aplicação da terapia interferencial utiliza-se quatro eletrodos, para atender a dois circuitos. Os circuitos são dispostos perpendicularmente entre si, de modo a fazer intercessão na área a ser estimulada. A corrente pode ser aplicada através de eletrodos flexíveis fixados por fita adesiva ou por eletrodos a vácuo, que utilizam a sucção para que o contato seja mantido. Em ambos os casos, há necessidade do uso de esponjas embebidas em água. Frequência de Modulação da Amplitude (FMA)
  • 3. Conceitos Iniciais – Corrente Interferencial Aplicação transcutânea de correntes elétricas alternadas de média frequência, com sua amplitude modulada a baixa frequência, para finalidades terapêuticas. Podemos fazer com que a FMA alterne ao longo de uma faixa estabelecida pela manipulação do controle de frequência varredura. Os aparelhos interferenciais variam quanto à frequência de varredura disponível ao terapeuta, mas a faixa oscila entre 0 e 250 Hz. Neste caso se colocarmos a FMA a 100 Hz e a frequência de varredura de 10 Hz, irá resultar numa FMA que varia entre 100 e 110 Hz. Regulagem do Aparelho Modulação da Frequência / Frequência de Varredura
  • 4. Corrente Interferencial Indicações e Contraindicações ◼ Analgesia – funciona analogamente ao TENS ◼ Reparo dos tecidos e promoção da cicatrização ◼ Produção de contrações musculares Indicações Contraindicações ◼ Marca-passos ◼ Cardiopatias ou disritmias ◼ Nos primeiros três meses de gestação ◼ Abdômen durante a gestação ◼ Boca ◼ Seio carotídeo ◼ Feridas de pele ◼ Nas proximidades dos olhos ◼ AVC e AIT e Epilepsia devemos evitar na região da cabeça e face. ◼ Eletrodos ao redor de olho, boca e pescoço – intensidade baixa para evitar espasmos da musculatura laríngea.
  • 5. Conceitos Iniciais – Corrente Russa A Corrente Russa apresenta várias vantagens em relação a corrente de baixa frequência. Uma dessas vantagens está relacionada a resistência (impedância) que o corpo humano oferece à passagem da corrente elétrica. Como a impedância do corpo é do tipo capacitativo e, em sistemas capacitativos, quanto maior a frequência menor será a resistência, podemos concluir que uma corrente de média frequência como é o caso da corrente Russa, diminui sensivelmente o desconforto da corrente que o paciente está sendo submetido. Uma outra vantagem devido a diminuição da resistência do corpo é o grau de profundidade alcançado pela corrente Russa, sendo superior as correntes de baixa frequência. Os parâmetros do aparelho são similares à corrente interferencial, com ciclo on, ciclo off, intensidade de corrente, tempo de subida e tempo de descida do pulso. Indicações ◼ Fortalecimento Muscular ◼ Controle de Espasticidade ◼ Facilitação Neuromuscular ◼ Uso na estética Contraindicações ◼ Insuficiência cardíaca ◼ Marca-passo ◼ Estimulação sobre seios carotídeos ◼ Pacientes mentalmente confusos ◼ Diminuição da sensibilidade a passagem da corrente elétrica
  • 6. Conceitos Iniciais – Corrente Diadinâmica As Correntes Diadinâmicas foram desenvolvidas na França no início da década de 50 por P. Bernard. São correntes alternadas senoidais de baixa frequência (50 a 100 Hz) com retificação monofásica ou bifásica. Também chamadas de Galvanofarádicas. Elas são interrompidas com alternância rítmica, e podem troca continuamente de frequência, ou ainda combinar-se em defasagem de uma corrente senoidal monofásica. Produzem intensos efeitos analgésicos e hiperemiantes, atuando sobre nervos e sobre a musculatura através de processos elétricos e químicos. Os efeitos são eletroquímicos, térmicos e de estimulação, consequência dos fenômenos de polarização. Sugere-se para todos os tratamentos que a intensidade de corrente deve ser perceptível, porém não dolorosa. O maior perigo dessas correntes é o dano tissular decorrente dos efeitos polares. Esses podem ser evitados com a reversão de corrente durante o tratamento Eletrodos Os eletrodos devem ser metálicos, preferencialmente de alumínio, de tamanhos adequados. Pode-se usar tanto a técnica bipolar como a monopolar. Bipolar Dois eletrodos de tamanhos iguais com o objetivo de distribuir uniformemente a corrente pela superfície do segmento a ser tratado. Monopolar Eletrodos de tamanhos diferentes proporcionam uma concentração maior da corrente no eletrodo de menor tamanho, enfatizando assim o local a ser tratado Cuidados / Contraindicações ◼ Pacientes com marca-passos – Endoprótese. ◼ Feridas abertas ou lesões de pele. ◼ Área de sensibilidade alterada. ◼ Implantes metálicos expostos. ◼ Ainda podem provocar atividade metabólica indesejada em neoplasia ou em infecções tuberculosas cicatrizadas
  • 7. Corrente Diadinâmica Formas de Correntes Diadinâmicas - A seleção da corrente a ser utilizada depende do objetivo desejado. Monofásica Fixa (MF) Corrente de 50 hz com retificação de meia onda e intervalos de igual tamanho. Produz contrações musculares e tem a finalidade de estimular o tecido conjuntivo e agir nos processos dolorosos espasmódicos. Difásica Fixa (DF) Corrente de 100 Hz com retificação de onda completa, sem intervalos. Tem a finalidade de analgesia, age nos transtornos circulatórios e processos simpaticotônicos. É indicada para preceder a aplicação de outras modalidades de corrente para induzir a elevação do limiar de excitação das fibras nervosas sensitivas proporcionando analgesia temporária.
  • 8. Corrente Diadinâmica Formas de Correntes Diadinâmicas - A seleção da corrente a ser utilizada depende do objetivo desejado. Curtos Períodos (CP) Formas de correntes monofásicas e difásicas conectadas alternadamente e sem intervalos de repouso ou alternadas a cada 1 segundo. Tem efeito estimulante forte, especialmente quando deve melhorar a circulação sanguínea – em condições como edema originado por contusões. Proporciona uma diminuição da dor. Longos Períodos (LP) Forma de corrente monofásica com duração de 10 segundos combinada com uma segunda forma de onda monofásica variando sua amplitude entre 0 e o máximo da intensidade amplitude (entre zero e 100 Hz), durante 5 segundos. Tem a finalidade de agir nas mialgias, torcicolos neuralgias. É a mais analgésica e também tem efeito espasmolítico. O estímulo é mais vigoroso na DF
  • 9. Corrente Diadinâmica Formas de Correntes Diadinâmicas - A seleção da corrente a ser utilizada depende do objetivo desejado. Ritmo Sincopado (RS) Forma de corrente monofásica com trens de pulso de 1 segundo, intercalado com período de repouso também de 1 segundo. Por ser uma corrente basicamente estimulante, atua nas atrofias musculares leves. Indicada para aumentar tônus e trofismo muscular, prevenir aderências, retardar a hipotrofia e aumentar o retorno venoso e linfático. Quadro resumo A intensidade necessária para que se consiga o efeito terapêutico desejado, depende do tamanho do eletrodo e da área a ser estimulada. É muito importante destacar que a dosificação da corrente é individual. O tempo de aplicação deve-se limitar a uns poucos minutos, dados que, num tempo demasiadamente longo, correntes diretas tem a particularidade queimar o paciente. No geral o tempo total de aplicação não deve ultrapassar os 10 minutos.
  • 10. Estimulação Elétrica Neuromuscular (NMES) A eletroestimulação motora, que se traduz pela ocorrência de potenciais de ação nos moto-neurônios e nos músculos. Engloba a estimulação elétrica neuromuscular (estimulação do músculo inervado através dos seus neurônios motores) e a estimulação elétrica muscular (estimulação direta das fibras musculares no músculo desnervado). Estimulação elétrica funcional ou estimulação neuromuscular Funcional (FES/FNS) Estimulação Elétrica Neuromuscular (NMES) Essa forma de estimulação elétrica é usada comumente com intensidades suficientemente altas para produzir contração muscular e pode ser aplicada ao músculo durante o movimento ou sem que esteja ocorrendo movimento funcional. A FES (FUNCTIONAL ELECTRICAL STIMULATION), faz parte das correntes elétricas de baixa frequência, com finalidade de promover contração muscular induzida. Esse termo é usado quando a meta do tratamento é favorecer ou produzir movimento funcional. O nome FES é basicamente comercial, na verdade o termo mais correto é a Estimulação Elétrica Neuromuscular e Muscular (EENM). Corrente de baixa frequência, 50 Hz, despolarizada, comprimento de onda 300 microssegundos, com pulsos retangulares. Pode ser usada para reabilitação de músculos e prevenção de atrofias em estruturas com inervação normal.
  • 11. FES - Parâmetros Frequência 5 Hz a 200 Hz Intensidade Ajustada de acordo com os objetivos. Duração do Pulso ou Largura do Pulso 50 useg a 400 useg Tempo de Subida (RISE) Tempo de subida do pulso, variável de 1 a 10 segundos. Regula a velocidade de contração, ou seja, o tempo desde o começo até a máxima contração muscular. Tempos altos produzem uma lenta, mas gradual contração, enquanto tempos pequenos produzem uma contração repentina (súbita) Tempo de Descida (DECAY) Tempo de descida do pulso, também de 1 a 10s. Regula a velocidade com que a contração diminui, ou seja, o tempo desde a máxima contração até o relaxamento muscular. Tempos altos produzem relaxamento lento e tempos baixos produzem relaxamentos repentinos (súbito). Ciclo ON Tempo de máxima contração muscular variável de 0 a 30 segundos. Regula o tempo em que a corrente circula pelo eletrodo durante cada ciclo de estimulação. Ciclo OFF Tempo de repouso da contração muscular, variável de 0 a 60 segundos. Regula o tempo em que a corrente não circula pelos eletrodos. Sincronizado Os dois canais funcionam ao mesmo tempo no tempo “on” e “off” selecionados. Recíproco Os canais funcionam alternadamente, enquanto um está no ciclo “on”, o outro está no ciclo “off”. O tempo de subida; sustentação e descida; juntos representam o trabalho muscular, ou seja, o tempo em que o músculo está sendo submetido à ação da corrente. A pausa representa o tempo em que o equipamento ficará desligado, permitindo a recuperação do músculo. É importante lembrar que esse ciclo ocorrerá várias vezes durante o tempo de tratamento.
  • 12. FES - Parâmetros Colocação dos Eletrodos O tipo de eletrodo utilizado é o de silicone impregnado de carbono. O tamanho do eletrodo vai depender do tamanho do músculo a ser estimulado e da intensidade da contração a ser promovida. Pode-se realizar a técnica monopolar com o eletrodo menor em cima do ponto motor do músculo a ser estimulado; ou a técnica bipolar onde os eletrodos são dispostos em ambos os lados do ventre muscular. A localização dos eletrodos nos músculos pode ser determinada de diversas maneiras. Primeiro, um eletrodo primário pode ser colocado sobre o "ponto motor" de um músculo. Esse pode ser definido como o ponto na superfície da pele que permite que ocorra uma contração usando a menor energia. Em geral, o ponto motor de um músculo se localiza sobre o ventre do músculo e normalmente, mas nem sempre, na junção entre os terços superiores e médio do ventre.
  • 13. FES – Indicações e Contraindicações Indicações ◼ Facilitação neuromuscular; ◼ Fortalecimento muscular; ◼ Ganhar ou manter a amplitude de movimento articular; ◼ Controlar contraturas; ◼ Controlar a espasticidade; ◼ Como substituição ortótica (estimulação elétrica pode ser usada para forçar contrações de músculos específicos durante a marcha) Contraindicações ◼ Disritmia cardíaca; ◼ Portadores de marca-passos; ◼ Olhos; ◼ Mucosas; ◼ Útero grávido. A Estimulação elétrica Neuromuscular não deve ser usada, ou deve ser usada com cuidado, em pacientes com; ◼ Doença vascular periférica, especialmente quando há a possibilidade de descolamento de trombos ◼ Pessoas hipertensas e hipotensas, já que a NMES pode afetar as respostas autonômicas desses pacientes ◼ Áreas com excesso de tecido adiposo em pessoas obesas, já que essas podem necessitar de níveis elevados de estímulo, o que pode levar a alterações autonômicas ◼ Tecido neoplásico ◼ Áreas de infecção ativa nos tecidos ◼ Alterações neurológicas convulsivas, ou traumatismos cranioencefálicos. ◼ Pele desvitalizada - por exemplo, após tratamento com radioterapia Profunda. ◼ Pacientes incapazes de compreender a natureza da intervenção ou de dar feedback sobre o tratamento.
  • 14. FES – Indicações e Contraindicações Além disso, o tratamento não deve ser aplicado sobre as seguintes áreas; ◼ Seio carotídeo ◼ Região torácica - tem-se sugerido que a NMES pode interferir na função do coração ◼ Nervo frênico ◼ Tronco, durante a gestação. Fatores que interferem com a estimulação; ◼ Obesidade; ◼ Presença de neuropatias periféricas; ◼ Distúrbios sensoriais importantes; ◼ A aceitação do paciente.
  • 15. Corrente Farádica Corrente interrompida, de curta duração (1 milissegundo), forma triangular e frequência de 50 Hz. Ela pode ser modulada em trens de pulso, variando sua taxa de repetição. É uma corrente polarizada e tem a propriedade de produzir contrações musculares. Desde que este critério seja obedecido, podemos considerar corrente farádica qualquer forma de apresentação da corrente alternada, como vemos na figura abaixo. Geralmente o que chamamos classicamente de corrente farádica, é um sinal retangular, ou trapezoide, como podemos ver na figura acima. Os equipamentos utilizados para aplicação destas correntes fornecem uma frequência que geralmente não ultrapassam os 50Hz (baixa frequência). Os estímulos usados na eletroterapia são geralmente para terapia e diagnóstico. Aplica-se sobre o ponto motor do músculo. Ponto Motor do músculo: é o ponto mais excitável de um músculo e representa a maior concentração de terminações nervosas. Localiza-se na pele sobre o músculo. É onde o nervo penetra no ventre muscular. Esta corrente é uma das primeiras correntes utilizadas na fisioterapia com o objetivo de produzir contração muscular. Embora já tenhamos em mãos recursos mais avançados, que provocam menos incômodo e são bem mais eficientes quando se fala de contração muscular.
  • 16. Corrente Farádica Método de aplicação O eletrodo utilizado pode ser tanto o de borracha de silicone com gel, quanto o eletrodo esponjoso embebido em soro fisiológico, já que a corrente farádica geralmente tem uma polaridade fraca. No entanto, se utilizarmos o eletrodo esponjoso; poderemos obter um resultado mais satisfatório. Eletrodo indiferente ou passivo: Colocado para dissipar a corrente, geralmente no tronco nervoso que inerva o músculo a ser trabalhado. Eletrodo ativo = coloca-se sobre o ponto motor do músculo a ser tratado. O ponto motor é o melhor local para se obter uma boa contração muscular. Em músculos isolados, o melhor tratamento é com a caneta de aplicação diretamente no ponto motor. Já em grupos musculares os grandes eletrodos são mais convenientes. Tempo de aplicação: 15 minutos nos métodos em geral. Efeitos Fisiológicos ◼ Estimulação de nervos sensitivos (parestesia, reflexo de vasodilatação) e de nervos motores; ◼ Efeito de contração muscular Metabolismo Retorno Venoso e Linfático Irrigação Sanguínea dos músculos
  • 17. Corrente Farádica Indicações Produzir contração muscular apenas em pequenos grupos musculares, do contrário, não iremos conseguir um resultado satisfatório. Porém, alguns autores relatam ainda as seguintes indicações: ◼ Drenagem de edemas ◼ Hipertrofia muscular ◼ Pós-cirúrgicos de transplantes tediosos ◼ Reeducação muscular ◼ Fibroses e aderências cicatriciais Contraindicações Além das recomendações gerais da eletroterapia como feridas abertas, infecção, diminuição de sensibilidades, etc., outras são: ◼ Área precordial ◼ Pacientes com idade avançada ou incapazes de indicar as sensações produzidas pela corrente.
  • 18. Corrente Galvânica Corrente em estado constante, contínua, de intensidade constante em valor e direção (fluxo unidirecional) e não superior a 200 mA (de baixa intensidade). Sua representação gráfica é do tipo monofásica e os seus efeitos terapêuticos são decorrentes dos efeitos polares da corrente sobre as células. Do ponto de vista da eletroterapia, o organismo humano pode ser entendido como formado por numerosos sistemas eletrolíticos (sistemas que conduzem corrente elétrica), separados por membranas semipermeáveis; cada célula forma um condutor eletrolítico. Se a estas células e tecidos do organismo aplicamos um potencial elétrico, provocamos uma dissociação iônica. Fenômeno mediante o qual as moléculas se dividem em seus diferentes elementos químicos, pelo fato de que cada um deles tem uma carga elétrica distinta. Exemplo; Molécula de sal NaCl, que se decompõe em Na+ e Cl-. Quando um fluxo de corrente contínua atravessa uma solução de água e sal, provoca uma migração de íons (já dissociados) presentes, para uma direção definida. Os íons sódio migram para o polo (-), e os íons cloro para o polo (+). Processo conhecido como eletrólise Efeitos Polares Ânodo (+) Sedante, vasoconstrictor, solidificação de proteínas, desidratante Cátodo (-) Estimulante, irritante, vasodilatador, liquefação de proteínas, hidratante
  • 19. Corrente Galvânica – Efeitos Decorrentes Eletroquímicos Eletrólise Causa reações químicas sob os eletrodos. No cátodo (-) ocorre uma reação básica, com liberação de hidrogênio e necrose de liquefação. No ânodo (+), ocorre uma reação ácida com liberação de oxigênio e necrose de coagulação. Osmóticos Os cátions são atraídos para o cátodo com maior velocidade, criando uma concentração iônica maior na região catódica; Essa diferença de concentração promove a mobilização da água em direção ao cátodo por diferença de pressão osmótica. Vasomotores Vasodilatação e aumento da temperatura sob os eletrodos; Hiperemia na pele e nos estratos abaixo dela (subcutâneo, fáscias e músculos superficiais); A liberação de energia das reações de oxi-redução, leva a um aumento na temperatura local de 2 a 3°C Osmóticos Os cátions são atraídos para o cátodo com maior velocidade, criando uma concentração iônica maior na região catódica; Essa diferença de concentração promove a mobilização da água em direção ao cátodo por diferença de pressão osmótica.
  • 20. Corrente Galvânica – Efeitos Decorrentes Alterações na excitabilidade O pólo negativo excita a fibra. Diminui a concentração de íons positivos no meio extracelular, deixando próximo da voltagem negativa do interior da célula, levando-a a despolarização; A corrente anódica deixa a membrana mais resistente a excitação, levando a hiperpolarização (aumento de íons positivos no meio extra) Tudo indica que esses fenômenos se devem a maior ou menor permeabilidade da membrana ao sódio. Características dos Polos
  • 21. Corrente Galvânica – Indicações e Contraindicações Indicações ◼ Além dos efeitos que vimos em cada um dos polos temos também a Iontoforese e a eletroendosmose. ◼ Eletroendosmose: É o uso da corrente galvânica com o objetivo de promover o deslocamento de líquido de uma região para outra no tecido. Ou em outras palavras, facilitar a drenagem de edema. O uso desta corrente para facilitar a drenagem. Contraindicações ◼ Extremos cronológicos ◼ Região precordial ◼ Neoplasias ◼ Pacientes com distúrbios de sensibilidade ◼ Ferida aberta ◼ Gônadas ◼ Olhos ◼ Útero grávido ◼ Pacientes mentalmente confusos Cuidados ◼ Inspecionar a pele do paciente antes e depois da aplicação. ◼ Não deixar que os cabos sem proteção de material isolante encoste no paciente, risco de queimaduras elétricas. ◼ Escolher uma intensidade adequada. ◼ Manter a espuma que envolve as placas integras. ◼ Fazer sempre a manutenção de cabos e aparelho ◼ Não utilizar correntes polarizadas sobre a face; ◼ A intensidade da corrente não deve ultrapassar 0,1mA por cm da área do eletrodo ativo; ◼ Nenhuma das bordas dos eletrodos deve tocar a pele do paciente devido ao risco de queimaduras; ◼ Não ultrapassar a concentração da solução indicada pelo fabricante; ◼ E necessário um bom acoplamento entre os eletrodos e a pele e uma boa umidificação das esponjas para que se diminua a resistência e se evitem queimaduras;
  • 22. Corrente Galvânica – Misc. Técnica de aplicação Eletrodos na mesma face anatômica Longitudinal (coplanar) Intoforese Técnica de tratamento que permite a introdução, a partir da pele e das mucosas, de íons medicamentosos para o interior dos tecidos, utilizando as propriedades polares da corrente galvânica. Assim sendo os íons positivos são introduzidos no organismo através do ânodo (polo +) e os íons negativos a partir do cátodo (polo -). Para que determinado composto penetre em uma membrana como a pele, ele deve ser solúvel em gordura e água. A penetração é relativamente superficial e geralmente menor que 1 mm. Os íons podem ser usados localmente, ou transportados pelo sangue circulante, produzindo mais efeitos sistêmicos. Eletrodos em faces anatômicas diferentes. Transversal (contraplanar) Arranjos Um par de eletrodos do mesmo tamanho e com distância entre eles uma a duas vezes o tamanho do eletrodo é aplicado no local. Bipolar Usado quando há preferência por uma polaridade (+ ou -) ou se a área a ser tratada for pequena. Nesse caso, sobre o alvo é aplicado o eletrodo ativo, sendo o outro eletrodo colocado mais distante da mesma. Esse eletrodo é chamado de passivo ou dispersivo e deve ter o dobro do tamanho do eletrodo ativo. Monopolar
  • 23. Corrente Galvânica – Iontoforese Dosimetria Vantagens da Iontoforese ◼ Ação localizada do medicamento, podendo este estar em maior concentração na área lesada; ◼ Ausência de efeitos colaterais sistêmicos; ◼ 0,05 a 2 mA por cm2 de área do eletrodo. ◼ Sensação agradável pelo paciente. ◼ Tempo de aplicação de 20 a 25 minutos. Atenção !! ◼ Apenas um pequeno número de medicamentos teve comprovação experimental com iontoforese. ◼ A maioria dos medicamentos geralmente utilizados contém íons de ambas polaridades, dificultando a introdução global do medicamento. ◼ O deslizamento de íons não se efetua com velocidade uniforme. ◼ A quantidade eficaz do medicamento introduzido é dificilmente controlável. ◼ Não alcança grandes profundidades (inferior 1 cm) ◼ Os medicamentos devem ser ionizáveis em concentrações adequadas, devem ser hidrossolúveis, evitando-se cremes, pomadas e emulsões. ◼ Nos tecidos será disseminada por difusão. Técnicas de aplicação A disposição dos eletrodos é fator primordial para obtenção de bons resultados. Para isso, a técnica contra planar é a mais indicada. O tamanho dos eletrodos deve ser escolhido de acordo com o tamanho da área a ser tratada. Devem ser completamente cobertos por esponjas, que entrarão em contato com a pele. Uma dessas esponjas é molhada com a solução ionizada (positiva ou negativa) e aderida ao eletrodo de igual polaridade (eletrodo ativo). A outra deve ser molhada em água deionizada e fixada ao eletrodo dispersivo. Aplicar o polo ativo com o medicamento em cima da área e o outro polo (indiferente) aplicar próximo a área afim de dispersar a corrente. Este eletrodo deve conter uma esponja com água salina. O tempo de aplicação dura de 20 a 30 minutos e a intensidade de 2 a 4 mA para eletrodos pequenos e de 10 a 15 mA para eletrodos grandes.
  • 24. Recursos Físicos na Reabilitação Humana Professor M.e. Natanael Guimarães Ribeiro @natanguima Fisioterapeuta