SlideShare uma empresa Scribd logo
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 1 / 13
Pontes Rodoviárias com Vigas protendidas pré-moldadas
Vista lateral
Figura 1
Seção Transversal
Figura 2
• O pré-dimensionamento de um tabuleiro de ponte, com vigas pré-moldadas
protendidas, pode ser feito a partir de correlações existentes entre as diversas
dimensões.
L
h
h
2metrosL0280a +×≅ )(,
e viga
f
e apoio
e vão
Placas pré-
moldadas
Inclinação
1:3
b ≤ 0,4a
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 2 / 13
Pontes Rodoviárias com Vigas protendidas pré-moldadas
Altura da viga pré-moldada protendida (m) x Vão (m)
0
0.5
1
1.5
2
2.5
3
3.5
4
0 10 20 30 40 50 60 70
Vão (m)
Alturadaviga(m)
Altura da viga (m)
altura média
altura 90%
altura 10%
Figura 3
• A altura da viga (h) pode ser estimada a partir da curva de correlação mostrada na
figura acima.
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 3 / 13
As principais dimensões do tabuleiro deverão ter os seguintes valores :
• Para evitar a flambagem lateral da viga pré-moldada, a largura “f ” da mesa vale :
o h
metros100
metrosL
f ×





≥
)(
)(
o
30
L
f ≥
• O entre-eixo das vigas : metros2metrosL0280metrosa +×≤ )(,)(
• O balanço do tabuleiro : b ≤ 0,40.a
• A espessura da laje no apoio, sobre a viga, incluindo parte da espessura da mesa da viga,
deve ser a100apoioe ⋅≥ , , como mostrado na figura abaixo.
Figura 4
• A espessura da laje, no meio do vão da laje, deve ser cm17
apoio
e60vãoe ≥×≅ ,
Inclinação 1:3
e vão
e apoio ≥ 0,10· a
Viga pré-moldada
a a
s
Placa pré-moldada
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 4 / 13
• A espessura da laje no apoio extremo, sobre a viga, incluindo parte da espessura da mesa da
viga, deve ser : cm35eb150extremoapoioe ≥⋅≥ ,
Altura da laje em balanço
0.35
0
0.05
0.1
0.15
0.2
0.25
0.3
0.35
0.4
0.45
0.5
0.55
0.6
0.65
0.0 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5
Balanço da laje (m)
Alturadalajeembalanço(m)
Figura 5
• A distância “s” entre as bordas das placas pré-moldadas será:






−××≥ vãoeapoioe32s ;
a400s ⋅≥ ,
• A Largura do talão inferior da viga pré-moldada é ≈ 3 vezes a espessura da alma da viga.
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 5 / 13
Exemplo:
Dados : Vão L = 50 metros ; Largura total do tabuleiro = 13,6m = 12,8 + 2 x 0,4m
.
Figura 6
Altura da viga pré-moldada protendida (m) x Vão (m)
0
0.5
1
1.5
2
2.5
3
3.5
4
0 10 20 30 40 50 60 70
Vão (m)
Alturadaviga(m)
Altura da viga (m)
altura média
altura 90%
altura 10%
Figura 7
Altura (média) = 754340L0206502L000250 ,,, +×+×
Altura (90%) = Altura (média) + 0,40m
Da curva de correlação, “Altura da viga x Vão”, obtemos, no fractil 90% :
• Altura da viga h ( 90% ) ≈ 2,8m
• A largura “f ” da mesa da viga deve ser :
L=50m
h
Exemplo:
L = 50m
h = 2,8m
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 6 / 13
m41m8250h50h
m100
m50
h
m100
metrosL
f ,,,,
)(
=×=×=×





=×





≥
m671
30
m50
30
L
f ,==≥
Usar f ≥ 1,7m
• O entre–eixo “a” das vigas será :
m43m2m500280m2metrosL0280ma ,,)(,)( =+×=+×≤
Usar a ≈ 3,4 m
• O balanço “b” do tabuleiro : b ≤ 0,40 · a = 0,40 · 3m = 1,20m
• Ajustando à largura total :
13,6 m = 3a + 2b = 3.a + 2·( 0,40·a) , obtemos:
a ≈ 3,5m ; b ≈ 1,65 m
• A espessura da laje, nos apoios intermediários sobre as vigas, incluindo parte da
espessura da mesa da viga, vale : cm35m350m53100a100apoioe ==⋅=⋅≥ ,,,,
• A espessura da laje, no meio do vão da laje vale :
cm17cm21cm3560
apoio
e60vãoe ≥=×=×≅ ,,
• A distância mínima “s” entre as bordas das placas pré-moldadas deverá ser :
( ) cm84cm21cm3532vãoeapoioe32s =−××=−××≥ 





cm140m53400a400s =×=⋅≥ ,,,
Usar s ≥ 140 cm
• A espessura da laje, no apoio extremo sobre a viga, incluindo parte da espessura da
mesa da viga, ( ver figura 5 ) vale :
m250m651150b160extremoapoioe ,.,, =⋅=⋅≥
cm35extremoapoioe ≥
Usar : e apoio extremo = 35 cm
• A distância mínima “s” entre as bordas das placas pré-moldadas sobre a viga extrema
deverá ser :
( ) ( ) cm84cm21cm353cm21cm353
vãoeextremoapoioe3
balanço
eextremoapoioe3s
=−×+−×
=−×+−×≥ 











cm140m53400a400s =×=⋅≥ ,,,
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 7 / 13
• As placas pré-moldadas poderão se apoiar, na viga extrema, em um comprimento de :
cm15
2
cm140cm170
placadaapoio =
−
≤
Usar um apoio com 15 cm sobre a mesa superior da viga pré-moldada.
O comprimento s será :
s = 170 – 2 x 15 = 140cm
Resumo das dimensões estimadas para o tabuleiro com vigas pré-moldadas e protendidas.
Figura 8
• Essas dimensões estimadas servem apenas para um estudo inicial da obra, inclusive
para uma avaliação das fundações.
• É evidente que as dimensões dependerão da resistência do concreto que será usado
na obra.
• O cálculo estrutural pode confirmar ou não as dimensões estimadas.
s =1,4m
h=2,8m
a = 3,5m
e viga
b = 1,7m
e apoio =21+ (1/3)
.
(140 / 2) =
= 44cm > 0,1.a = 35cm OK
e vão =21cm
Placas pré-
moldadas
Inclinação
1:3
a =3,5m a = 3,5m b=1,65 m1,65m
15cm
13,6m ( dimensão pré-definida no projeto )
e apoio extremo
≥0,15·b e ≥35cm
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 8 / 13
Largura da alma da viga pré-moldada protendida
No trecho da alma da viga onde os cabos começam a subir, surgem grandes dificuldades
de concretagem. Há falta de espaço livre para a descida do concreto.
A espessura de 17cm é insuficiente para garantir uma boa concretagem.
O espaço livre, entre os cabos “subindo” na alma da viga e os ferros costela, é muito
pequeno.
Figura 9
No trecho onde os cabos sobem na alma da viga, usar uma espessura maior.
12 cm 17cm17cm
Planta
Vista
Usar vibração
na forma
3 71,2 31,2
Pedra φ = 9,5mm
170,8 0,8
Bainha do cabo com
as cordoalhas
Pouco espaço para o
concreto passar.
Segundo a NBR 6118,
deve ser maior que 2cm.
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 9 / 13
Outra dificuldade para uma boa concretagem é a causada pelos estribos do talão inferior.
As duas pernas inclinadas dos estribos, quando se cruzam próximo aos cabos, formam um
obstáculo adicional para uma boa concretagem.
Figura 10
No trecho onde os cabos “sobem” na alma da viga, usar uma espessura de 19
cm, no mínimo.
12 cm 19cm19cm
Planta
Vista
Usar vibração
na forma.
Estribo “cruzado” do
talão inferior
17cm
O concreto não consegue
descer abaixo do cabo e do
“cruzamento” das pernas dos
estribos do talão inferior.
Talão inferior vazio,
sem concreto.
e talão ≈ 3x17 =51cm
Excesso de
Ferros Costela
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 10 / 13
Sugestão para melhorar a concretagem do talão inferior.
Figura 11
Usar vibração
na forma.
17cm
e talão ≈ 3x17 =51cm
Usar poucos Ferros
Costela .
O concreto protendido não
precisa de muitos ferros
costela, ao contrário do
concreto armado.
Usar um estribo com
formato simples e com
grande espaçamento.
Não usar estribo
“cruzado” no talão.
Ponto crítico para a
concretagem: pouco
espaço entre o cabo e o
ferro costela
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 11 / 13
A espessura de 19cm é o mínimo suficiente para garantir uma boa concretagem.
O espaço livre, entre os cabos “subindo” na alma da viga e os ferros costela, embora
pequeno, permite uma boa concretagem.
Figura 12
No trecho central da viga, a alma pode ter apenas 12cm, pois não há cabos subindo na
alma da viga. Ver Kupfer [8].
12 cm 19cm19cm
Planta
Vista
3 73 33
Pedra = 9,5mm
19 cm
O vibrador de imersão
pode furar a bainha.
A nata entra na bainha
e prende o cabo.
Mesmo seguindo a
norma NBR-6118,
o espaço é reduzido.
Usar pedra 9,5mm
Usar vibração
na forma
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 12 / 13
CASO REAL DE UMA VIGA PRÉ-MOLDADA PROTENDIDA.
FALHA DE EXECUÇÃO: Má concretagem. Grande parte da viga ficou sem concreto.
ESQUEMA:
Ver Fernando Uchôa [7]
Zona crítica para a concretagem:
• Caixas para saída dos cabos.
• Ver Uchôa F.C. [7]
• Ver Fernando Uchôa [7]
Zona crítica para a concretagem:
• Cruzamento de cabos, ferros
costelas e estribos cruzados do
talão inferior.
SOLUÇÕES :
• Alma da viga com espessura maior.
• Pedra com pequeno diâmetro.
• Super-plastificante no concreto.
• Vibrador externo, de forma.
Concreto Protendido
Pontes: Vigas Pré-
moldadas
Prof. Eduardo C. S. Thomaz
Notas de aula 13 / 13
Referências :
1- Yves Guyon – Constructions em Béton Précontraint - Volumes 1 e 2 - Classes. États Limites –
Cours CHEBAP - Eyrolles 1966
2- Fritz Leonhardt – Construções de Concreto – Vulome 1 a 6 - Editora Interciência 1979
3- Eduardo Thomaz – Levantamento de dimensões de pontes pré-moldadas protendidas – 1975
4- Walter Podolny, Jr – Federal Highway Administration, U.S. Department of Transportation –
Concrete cable-stayed bridges and the feasibility of standardization of segmental bridges in the
United States of America. FIP 90 – Hamburg 1990
5- Kulka. F. , Thoman, S.J. and Lin, T.Y. , “ Feasibility of Standard Sections for Segmental
Prestressed Concrete Box Girder Bridges” - Report FHWA/RD -82/024 ( citado em [4]).
6- Jörg Schlaich – The design of Structural concrete – IABSE Workshop – New Delhi 1993
7- Fernando Uchoa Cavalcanti e Flávio Mota Monteiro – Adaptação de Projetos de Obras de Arte
Especiais da Ferrovia do Aço. – Empresa de Engenharia Ferroviária – 1982
8- Kupfer Hebert – Tests on Prestressing Shear Reinforcement – Spannbetonbau in der
Bundesrepublick Deutshland – 1983 -1986 - FIP 10th
Congress - New-Delhi 1986.
9- Eduardo Thomaz – Notas de aula de Concreto Protendido - Pontes pré-moldadas– IME – 2002 –
RJ
10- Festschrift Rüsch – Stahlbetonbau – Bericht aus Forschung und Praxis - Editora Wilhelm Ernst &
Sohn – Berlin - 1969

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
Majit Islav
 
PONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOS
PONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOSPONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOS
PONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOS
Diego Marques
 
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoiiSolução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
roger forte
 
Estruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwoodEstruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwood
carlossilva1889
 
Vigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Vigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICAVigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Vigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
guidify
 
Lajes
LajesLajes
52213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-1
52213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-152213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-1
52213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-1
Barto Freitas
 
Lajes
LajesLajes
Unesp cap. 1 - sapatas
Unesp   cap. 1 - sapatasUnesp   cap. 1 - sapatas
Unesp cap. 1 - sapatas
Marcelo Rodrigues Leão Silva
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
rubensmax
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Jupira Silva
 
1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf
1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf
1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf
marcos343659
 
Tabelas rusch
Tabelas ruschTabelas rusch
Tabelas rusch
Rodrigo Flores
 
Estrut concreto texto(calcvigas)01
Estrut concreto texto(calcvigas)01Estrut concreto texto(calcvigas)01
Estrut concreto texto(calcvigas)01
Jho05
 
Apostila Teoria das Estruturas
Apostila Teoria das EstruturasApostila Teoria das Estruturas
Apostila Teoria das Estruturas
Engenheiro Civil
 
Estruturas Metálicas
Estruturas MetálicasEstruturas Metálicas
Estruturas Metálicas
Carlos Elson Cunha
 
Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
Eliezer Silva
 
Materiais Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concreto
Materiais  Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concretoMateriais  Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concreto
Materiais Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concreto
Matheus Garcia
 
Notas de aula de concreto ii tema 1
Notas de aula de concreto ii   tema 1Notas de aula de concreto ii   tema 1
Notas de aula de concreto ii tema 1
MarianaDias735764
 
05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento
gabioa
 

Mais procurados (20)

estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
 
PONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOS
PONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOSPONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOS
PONTES POR BALANÇOS SUCESSIVOS
 
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoiiSolução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
 
Estruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwoodEstruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwood
 
Vigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Vigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICAVigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Vigas - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 
52213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-1
52213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-152213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-1
52213668 aula-04-pontes-de-concreto-armado-1-1
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 
Unesp cap. 1 - sapatas
Unesp   cap. 1 - sapatasUnesp   cap. 1 - sapatas
Unesp cap. 1 - sapatas
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
 
1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf
1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf
1-CONCRETO PROTENDIDO - Estimativa de Carga de Protensão_Cristiano e Marcus.pdf
 
Tabelas rusch
Tabelas ruschTabelas rusch
Tabelas rusch
 
Estrut concreto texto(calcvigas)01
Estrut concreto texto(calcvigas)01Estrut concreto texto(calcvigas)01
Estrut concreto texto(calcvigas)01
 
Apostila Teoria das Estruturas
Apostila Teoria das EstruturasApostila Teoria das Estruturas
Apostila Teoria das Estruturas
 
Estruturas Metálicas
Estruturas MetálicasEstruturas Metálicas
Estruturas Metálicas
 
Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
 
Materiais Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concreto
Materiais  Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concretoMateriais  Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concreto
Materiais Cimentícios - aglomerantes, agregados, argamassas, concreto
 
Notas de aula de concreto ii tema 1
Notas de aula de concreto ii   tema 1Notas de aula de concreto ii   tema 1
Notas de aula de concreto ii tema 1
 
05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento
 

Destaque

Catalogo concreto protendido-site
Catalogo concreto protendido-siteCatalogo concreto protendido-site
Catalogo concreto protendido-site
Newton Munhoz
 
Apostila de pontes
Apostila de pontes Apostila de pontes
Apostila de pontes
Amanda Cristine Faluba do Vale
 
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
Apostila de pontes usp sao carlos   2009Apostila de pontes usp sao carlos   2009
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
Kadja Maisa
 
Apostia pontes
Apostia pontesApostia pontes
Apostia pontes
TS-Cunha
 
7 vigas mistas
7 vigas mistas7 vigas mistas
7 vigas mistas
Walter V. Valenzuela
 
Protendido
ProtendidoProtendido
Protendido
Washington Queiroz
 
Individuais 01-lajes protendidas
Individuais 01-lajes protendidasIndividuais 01-lajes protendidas
Individuais 01-lajes protendidas
Anderson Ricardo Cunha
 
Pontes i aula1 [modo de compatibilidade]
Pontes i  aula1 [modo de compatibilidade]Pontes i  aula1 [modo de compatibilidade]
Pontes i aula1 [modo de compatibilidade]
Lucas Costa
 
ContruçAo Dr1
ContruçAo Dr1ContruçAo Dr1
ContruçAo Dr1
mega
 
Vigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendidoVigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendido
Luciana Paixão Arquitetura
 
Pontes
PontesPontes
Apostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoesApostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoes
Jonatan Geder
 
Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013
Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013
Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013
Fernando Sima
 
Pontes do Porto - História e Engenharia
Pontes do Porto - História e EngenhariaPontes do Porto - História e Engenharia
Pontes do Porto - História e Engenharia
Daniel Campos
 
Fios cordoalhas
Fios cordoalhasFios cordoalhas
Fios cordoalhas
Flaviano José Girotto
 
Especialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de FerroviasEspecialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de Ferrovias
Instituto Keynes
 
Nbr 9062 nb 949 projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldado
Nbr 9062 nb 949   projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldadoNbr 9062 nb 949   projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldado
Nbr 9062 nb 949 projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldado
Enio Ribeiro
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Lowrrayny Franchesca
 
Detalhe Pano de vidro - Sylvyana
Detalhe Pano de vidro - SylvyanaDetalhe Pano de vidro - Sylvyana
Detalhe Pano de vidro - Sylvyana
Megumi Nishimori
 
Elementos estruturais
Elementos estruturaisElementos estruturais
Elementos estruturais
Ingrid Lorrana Ferreira Sobreira
 

Destaque (20)

Catalogo concreto protendido-site
Catalogo concreto protendido-siteCatalogo concreto protendido-site
Catalogo concreto protendido-site
 
Apostila de pontes
Apostila de pontes Apostila de pontes
Apostila de pontes
 
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
Apostila de pontes usp sao carlos   2009Apostila de pontes usp sao carlos   2009
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
 
Apostia pontes
Apostia pontesApostia pontes
Apostia pontes
 
7 vigas mistas
7 vigas mistas7 vigas mistas
7 vigas mistas
 
Protendido
ProtendidoProtendido
Protendido
 
Individuais 01-lajes protendidas
Individuais 01-lajes protendidasIndividuais 01-lajes protendidas
Individuais 01-lajes protendidas
 
Pontes i aula1 [modo de compatibilidade]
Pontes i  aula1 [modo de compatibilidade]Pontes i  aula1 [modo de compatibilidade]
Pontes i aula1 [modo de compatibilidade]
 
ContruçAo Dr1
ContruçAo Dr1ContruçAo Dr1
ContruçAo Dr1
 
Vigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendidoVigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendido
 
Pontes
PontesPontes
Pontes
 
Apostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoesApostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoes
 
Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013
Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013
Projeto e Construção de pontes integrais - Bridges Brazil 2013
 
Pontes do Porto - História e Engenharia
Pontes do Porto - História e EngenhariaPontes do Porto - História e Engenharia
Pontes do Porto - História e Engenharia
 
Fios cordoalhas
Fios cordoalhasFios cordoalhas
Fios cordoalhas
 
Especialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de FerroviasEspecialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de Ferrovias
 
Nbr 9062 nb 949 projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldado
Nbr 9062 nb 949   projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldadoNbr 9062 nb 949   projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldado
Nbr 9062 nb 949 projeto e execucao de estruturas de concreto pre-moldado
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
 
Detalhe Pano de vidro - Sylvyana
Detalhe Pano de vidro - SylvyanaDetalhe Pano de vidro - Sylvyana
Detalhe Pano de vidro - Sylvyana
 
Elementos estruturais
Elementos estruturaisElementos estruturais
Elementos estruturais
 

Semelhante a Concreto protendido pontes e vigas

Datec 009 Casa Express
Datec 009 Casa ExpressDatec 009 Casa Express
Datec 009 Casa Express
imobsollo
 
PROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdf
PROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdfPROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdf
PROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdf
Hallyson Moreira
 
Estrutura de concreto armado imprimir
Estrutura de concreto armado   imprimirEstrutura de concreto armado   imprimir
Estrutura de concreto armado imprimir
Book LOver Writer
 
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.pptLAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
alexsilva79763
 
trabalho ponte de macarrao
trabalho ponte de macarraotrabalho ponte de macarrao
trabalho ponte de macarrao
marciocprrea
 
Manual técnico laje
Manual técnico lajeManual técnico laje
Manual técnico laje
LEODECIO BELO OLIVEIRA
 
Manual técnico laje
Manual técnico lajeManual técnico laje
Manual técnico laje
Elizabeth Correia
 
Forros
Forros Forros
Forros
homertc
 
Lista de-exercicios-2-cs2
Lista de-exercicios-2-cs2Lista de-exercicios-2-cs2
Lista de-exercicios-2-cs2
Wallas Borges
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
gabioa
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
Dandara Santos
 
Pre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eescPre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eesc
Allan Pereira
 
formas
formasformas
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez AlonsoMuro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Wesley Campos
 
Apostila cobertura
Apostila coberturaApostila cobertura
Apostila cobertura
UllyssesFurchi
 
trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4
Ditharso Costa
 
Etc304 aula15
Etc304 aula15Etc304 aula15
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
gabioa
 
Curso de pedreiro
Curso de pedreiroCurso de pedreiro
Curso de pedreiro
Manim Edições
 
4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas
Ricardo Akerman
 

Semelhante a Concreto protendido pontes e vigas (20)

Datec 009 Casa Express
Datec 009 Casa ExpressDatec 009 Casa Express
Datec 009 Casa Express
 
PROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdf
PROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdfPROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdf
PROJETO DE PONTE EM LAJE EXECUTADA COM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.pdf
 
Estrutura de concreto armado imprimir
Estrutura de concreto armado   imprimirEstrutura de concreto armado   imprimir
Estrutura de concreto armado imprimir
 
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.pptLAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
 
trabalho ponte de macarrao
trabalho ponte de macarraotrabalho ponte de macarrao
trabalho ponte de macarrao
 
Manual técnico laje
Manual técnico lajeManual técnico laje
Manual técnico laje
 
Manual técnico laje
Manual técnico lajeManual técnico laje
Manual técnico laje
 
Forros
Forros Forros
Forros
 
Lista de-exercicios-2-cs2
Lista de-exercicios-2-cs2Lista de-exercicios-2-cs2
Lista de-exercicios-2-cs2
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
 
Pre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eescPre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eesc
 
formas
formasformas
formas
 
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez AlonsoMuro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
 
Apostila cobertura
Apostila coberturaApostila cobertura
Apostila cobertura
 
trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4
 
Etc304 aula15
Etc304 aula15Etc304 aula15
Etc304 aula15
 
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
 
Curso de pedreiro
Curso de pedreiroCurso de pedreiro
Curso de pedreiro
 
4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas
 

Mais de Luciana Paixão Arquitetura

O centro velho de sp
O centro velho de spO centro velho de sp
O centro velho de sp
Luciana Paixão Arquitetura
 
A modulação de frank lloyd wright
A modulação de frank lloyd wrightA modulação de frank lloyd wright
A modulação de frank lloyd wright
Luciana Paixão Arquitetura
 
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
Luciana Paixão Arquitetura
 
Arquitetura, projeto e conceito
Arquitetura, projeto e conceitoArquitetura, projeto e conceito
Arquitetura, projeto e conceito
Luciana Paixão Arquitetura
 
O uso do computador nas escolas
O uso do computador nas escolasO uso do computador nas escolas
O uso do computador nas escolas
Luciana Paixão Arquitetura
 
Protenção com bainha
Protenção com bainhaProtenção com bainha
Protenção com bainha
Luciana Paixão Arquitetura
 
O terreno e sua representação
O terreno e sua representaçãoO terreno e sua representação
O terreno e sua representação
Luciana Paixão Arquitetura
 
Memorial da américa latina
Memorial da américa latinaMemorial da américa latina
Memorial da américa latina
Luciana Paixão Arquitetura
 
Laje steel deck
Laje steel deckLaje steel deck
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
Luciana Paixão Arquitetura
 
A execução in situ com lajes protendidas
A execução in situ com lajes protendidasA execução in situ com lajes protendidas
A execução in situ com lajes protendidas
Luciana Paixão Arquitetura
 
Protensão não aderente
Protensão não aderenteProtensão não aderente
Protensão não aderente
Luciana Paixão Arquitetura
 
Fundações conceitos
Fundações conceitosFundações conceitos
Fundações conceitos
Luciana Paixão Arquitetura
 
Prevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissurasPrevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissuras
Luciana Paixão Arquitetura
 
Concepção estrutural de edifícios
Concepção estrutural de edifíciosConcepção estrutural de edifícios
Concepção estrutural de edifícios
Luciana Paixão Arquitetura
 
Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo TavaresRelatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Luciana Paixão Arquitetura
 

Mais de Luciana Paixão Arquitetura (20)

O centro velho de sp
O centro velho de spO centro velho de sp
O centro velho de sp
 
A modulação de frank lloyd wright
A modulação de frank lloyd wrightA modulação de frank lloyd wright
A modulação de frank lloyd wright
 
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
 
Arquitetura, projeto e conceito
Arquitetura, projeto e conceitoArquitetura, projeto e conceito
Arquitetura, projeto e conceito
 
O uso do computador nas escolas
O uso do computador nas escolasO uso do computador nas escolas
O uso do computador nas escolas
 
Protenção com bainha
Protenção com bainhaProtenção com bainha
Protenção com bainha
 
O terreno e sua representação
O terreno e sua representaçãoO terreno e sua representação
O terreno e sua representação
 
Memorial da américa latina
Memorial da américa latinaMemorial da américa latina
Memorial da américa latina
 
Laje steel deck
Laje steel deckLaje steel deck
Laje steel deck
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
 
A execução in situ com lajes protendidas
A execução in situ com lajes protendidasA execução in situ com lajes protendidas
A execução in situ com lajes protendidas
 
Protensão não aderente
Protensão não aderenteProtensão não aderente
Protensão não aderente
 
Fundações conceitos
Fundações conceitosFundações conceitos
Fundações conceitos
 
Prevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissurasPrevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissuras
 
Serviços preliminares de construção
Serviços preliminares de construçãoServiços preliminares de construção
Serviços preliminares de construção
 
Manual do concreto dosado em central
Manual do concreto dosado em centralManual do concreto dosado em central
Manual do concreto dosado em central
 
Fôrmas
FôrmasFôrmas
Fôrmas
 
Concepção estrutural de edifícios
Concepção estrutural de edifíciosConcepção estrutural de edifícios
Concepção estrutural de edifícios
 
Abcp fundacoes
Abcp fundacoesAbcp fundacoes
Abcp fundacoes
 
Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo TavaresRelatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
 

Concreto protendido pontes e vigas

  • 1. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 1 / 13 Pontes Rodoviárias com Vigas protendidas pré-moldadas Vista lateral Figura 1 Seção Transversal Figura 2 • O pré-dimensionamento de um tabuleiro de ponte, com vigas pré-moldadas protendidas, pode ser feito a partir de correlações existentes entre as diversas dimensões. L h h 2metrosL0280a +×≅ )(, e viga f e apoio e vão Placas pré- moldadas Inclinação 1:3 b ≤ 0,4a
  • 2. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 2 / 13 Pontes Rodoviárias com Vigas protendidas pré-moldadas Altura da viga pré-moldada protendida (m) x Vão (m) 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 0 10 20 30 40 50 60 70 Vão (m) Alturadaviga(m) Altura da viga (m) altura média altura 90% altura 10% Figura 3 • A altura da viga (h) pode ser estimada a partir da curva de correlação mostrada na figura acima.
  • 3. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 3 / 13 As principais dimensões do tabuleiro deverão ter os seguintes valores : • Para evitar a flambagem lateral da viga pré-moldada, a largura “f ” da mesa vale : o h metros100 metrosL f ×      ≥ )( )( o 30 L f ≥ • O entre-eixo das vigas : metros2metrosL0280metrosa +×≤ )(,)( • O balanço do tabuleiro : b ≤ 0,40.a • A espessura da laje no apoio, sobre a viga, incluindo parte da espessura da mesa da viga, deve ser a100apoioe ⋅≥ , , como mostrado na figura abaixo. Figura 4 • A espessura da laje, no meio do vão da laje, deve ser cm17 apoio e60vãoe ≥×≅ , Inclinação 1:3 e vão e apoio ≥ 0,10· a Viga pré-moldada a a s Placa pré-moldada
  • 4. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 4 / 13 • A espessura da laje no apoio extremo, sobre a viga, incluindo parte da espessura da mesa da viga, deve ser : cm35eb150extremoapoioe ≥⋅≥ , Altura da laje em balanço 0.35 0 0.05 0.1 0.15 0.2 0.25 0.3 0.35 0.4 0.45 0.5 0.55 0.6 0.65 0.0 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 Balanço da laje (m) Alturadalajeembalanço(m) Figura 5 • A distância “s” entre as bordas das placas pré-moldadas será:       −××≥ vãoeapoioe32s ; a400s ⋅≥ , • A Largura do talão inferior da viga pré-moldada é ≈ 3 vezes a espessura da alma da viga.
  • 5. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 5 / 13 Exemplo: Dados : Vão L = 50 metros ; Largura total do tabuleiro = 13,6m = 12,8 + 2 x 0,4m . Figura 6 Altura da viga pré-moldada protendida (m) x Vão (m) 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 0 10 20 30 40 50 60 70 Vão (m) Alturadaviga(m) Altura da viga (m) altura média altura 90% altura 10% Figura 7 Altura (média) = 754340L0206502L000250 ,,, +×+× Altura (90%) = Altura (média) + 0,40m Da curva de correlação, “Altura da viga x Vão”, obtemos, no fractil 90% : • Altura da viga h ( 90% ) ≈ 2,8m • A largura “f ” da mesa da viga deve ser : L=50m h Exemplo: L = 50m h = 2,8m
  • 6. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 6 / 13 m41m8250h50h m100 m50 h m100 metrosL f ,,,, )( =×=×=×      =×      ≥ m671 30 m50 30 L f ,==≥ Usar f ≥ 1,7m • O entre–eixo “a” das vigas será : m43m2m500280m2metrosL0280ma ,,)(,)( =+×=+×≤ Usar a ≈ 3,4 m • O balanço “b” do tabuleiro : b ≤ 0,40 · a = 0,40 · 3m = 1,20m • Ajustando à largura total : 13,6 m = 3a + 2b = 3.a + 2·( 0,40·a) , obtemos: a ≈ 3,5m ; b ≈ 1,65 m • A espessura da laje, nos apoios intermediários sobre as vigas, incluindo parte da espessura da mesa da viga, vale : cm35m350m53100a100apoioe ==⋅=⋅≥ ,,,, • A espessura da laje, no meio do vão da laje vale : cm17cm21cm3560 apoio e60vãoe ≥=×=×≅ ,, • A distância mínima “s” entre as bordas das placas pré-moldadas deverá ser : ( ) cm84cm21cm3532vãoeapoioe32s =−××=−××≥       cm140m53400a400s =×=⋅≥ ,,, Usar s ≥ 140 cm • A espessura da laje, no apoio extremo sobre a viga, incluindo parte da espessura da mesa da viga, ( ver figura 5 ) vale : m250m651150b160extremoapoioe ,.,, =⋅=⋅≥ cm35extremoapoioe ≥ Usar : e apoio extremo = 35 cm • A distância mínima “s” entre as bordas das placas pré-moldadas sobre a viga extrema deverá ser : ( ) ( ) cm84cm21cm353cm21cm353 vãoeextremoapoioe3 balanço eextremoapoioe3s =−×+−× =−×+−×≥             cm140m53400a400s =×=⋅≥ ,,,
  • 7. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 7 / 13 • As placas pré-moldadas poderão se apoiar, na viga extrema, em um comprimento de : cm15 2 cm140cm170 placadaapoio = − ≤ Usar um apoio com 15 cm sobre a mesa superior da viga pré-moldada. O comprimento s será : s = 170 – 2 x 15 = 140cm Resumo das dimensões estimadas para o tabuleiro com vigas pré-moldadas e protendidas. Figura 8 • Essas dimensões estimadas servem apenas para um estudo inicial da obra, inclusive para uma avaliação das fundações. • É evidente que as dimensões dependerão da resistência do concreto que será usado na obra. • O cálculo estrutural pode confirmar ou não as dimensões estimadas. s =1,4m h=2,8m a = 3,5m e viga b = 1,7m e apoio =21+ (1/3) . (140 / 2) = = 44cm > 0,1.a = 35cm OK e vão =21cm Placas pré- moldadas Inclinação 1:3 a =3,5m a = 3,5m b=1,65 m1,65m 15cm 13,6m ( dimensão pré-definida no projeto ) e apoio extremo ≥0,15·b e ≥35cm
  • 8. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 8 / 13 Largura da alma da viga pré-moldada protendida No trecho da alma da viga onde os cabos começam a subir, surgem grandes dificuldades de concretagem. Há falta de espaço livre para a descida do concreto. A espessura de 17cm é insuficiente para garantir uma boa concretagem. O espaço livre, entre os cabos “subindo” na alma da viga e os ferros costela, é muito pequeno. Figura 9 No trecho onde os cabos sobem na alma da viga, usar uma espessura maior. 12 cm 17cm17cm Planta Vista Usar vibração na forma 3 71,2 31,2 Pedra φ = 9,5mm 170,8 0,8 Bainha do cabo com as cordoalhas Pouco espaço para o concreto passar. Segundo a NBR 6118, deve ser maior que 2cm.
  • 9. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 9 / 13 Outra dificuldade para uma boa concretagem é a causada pelos estribos do talão inferior. As duas pernas inclinadas dos estribos, quando se cruzam próximo aos cabos, formam um obstáculo adicional para uma boa concretagem. Figura 10 No trecho onde os cabos “sobem” na alma da viga, usar uma espessura de 19 cm, no mínimo. 12 cm 19cm19cm Planta Vista Usar vibração na forma. Estribo “cruzado” do talão inferior 17cm O concreto não consegue descer abaixo do cabo e do “cruzamento” das pernas dos estribos do talão inferior. Talão inferior vazio, sem concreto. e talão ≈ 3x17 =51cm Excesso de Ferros Costela
  • 10. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 10 / 13 Sugestão para melhorar a concretagem do talão inferior. Figura 11 Usar vibração na forma. 17cm e talão ≈ 3x17 =51cm Usar poucos Ferros Costela . O concreto protendido não precisa de muitos ferros costela, ao contrário do concreto armado. Usar um estribo com formato simples e com grande espaçamento. Não usar estribo “cruzado” no talão. Ponto crítico para a concretagem: pouco espaço entre o cabo e o ferro costela
  • 11. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 11 / 13 A espessura de 19cm é o mínimo suficiente para garantir uma boa concretagem. O espaço livre, entre os cabos “subindo” na alma da viga e os ferros costela, embora pequeno, permite uma boa concretagem. Figura 12 No trecho central da viga, a alma pode ter apenas 12cm, pois não há cabos subindo na alma da viga. Ver Kupfer [8]. 12 cm 19cm19cm Planta Vista 3 73 33 Pedra = 9,5mm 19 cm O vibrador de imersão pode furar a bainha. A nata entra na bainha e prende o cabo. Mesmo seguindo a norma NBR-6118, o espaço é reduzido. Usar pedra 9,5mm Usar vibração na forma
  • 12. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 12 / 13 CASO REAL DE UMA VIGA PRÉ-MOLDADA PROTENDIDA. FALHA DE EXECUÇÃO: Má concretagem. Grande parte da viga ficou sem concreto. ESQUEMA: Ver Fernando Uchôa [7] Zona crítica para a concretagem: • Caixas para saída dos cabos. • Ver Uchôa F.C. [7] • Ver Fernando Uchôa [7] Zona crítica para a concretagem: • Cruzamento de cabos, ferros costelas e estribos cruzados do talão inferior. SOLUÇÕES : • Alma da viga com espessura maior. • Pedra com pequeno diâmetro. • Super-plastificante no concreto. • Vibrador externo, de forma.
  • 13. Concreto Protendido Pontes: Vigas Pré- moldadas Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula 13 / 13 Referências : 1- Yves Guyon – Constructions em Béton Précontraint - Volumes 1 e 2 - Classes. États Limites – Cours CHEBAP - Eyrolles 1966 2- Fritz Leonhardt – Construções de Concreto – Vulome 1 a 6 - Editora Interciência 1979 3- Eduardo Thomaz – Levantamento de dimensões de pontes pré-moldadas protendidas – 1975 4- Walter Podolny, Jr – Federal Highway Administration, U.S. Department of Transportation – Concrete cable-stayed bridges and the feasibility of standardization of segmental bridges in the United States of America. FIP 90 – Hamburg 1990 5- Kulka. F. , Thoman, S.J. and Lin, T.Y. , “ Feasibility of Standard Sections for Segmental Prestressed Concrete Box Girder Bridges” - Report FHWA/RD -82/024 ( citado em [4]). 6- Jörg Schlaich – The design of Structural concrete – IABSE Workshop – New Delhi 1993 7- Fernando Uchoa Cavalcanti e Flávio Mota Monteiro – Adaptação de Projetos de Obras de Arte Especiais da Ferrovia do Aço. – Empresa de Engenharia Ferroviária – 1982 8- Kupfer Hebert – Tests on Prestressing Shear Reinforcement – Spannbetonbau in der Bundesrepublick Deutshland – 1983 -1986 - FIP 10th Congress - New-Delhi 1986. 9- Eduardo Thomaz – Notas de aula de Concreto Protendido - Pontes pré-moldadas– IME – 2002 – RJ 10- Festschrift Rüsch – Stahlbetonbau – Bericht aus Forschung und Praxis - Editora Wilhelm Ernst & Sohn – Berlin - 1969