SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCEITOS
DE
MÍDIA
Mídia
Conceitos e Técnicas
Durante o processo de Planejamento,
Compras e Pesquisa de Mídia são utilizados
alguns procedimentos, expressões e
conceitos que são específicos da área e
devem ser discutidos para chegar uma
interpretação e manuseio adequado.
Audiência
Audiências: Percentual de domicílios ou pessoas expostas a um
veículo de comunicação em um dado momento.
 É mais comumente utilizada para TV e Rádio.
 Corresponde ao número provável de pessoas que verão o
comercial veiculado no veiculo ou programa.
 Audiência em números absolutos é chamado de Total de
Impactos ou Oportunidades de ver (OTS - Oportunity to see).
 Audiência Domiciliar: medida genérica que tem como
referência somente os domicílios (mais agilidade c/ menor
precisão).
 Audiência Individual: medida mais precisa uma vez que
considera o público específico da campanha.
Número provável de
Impactos no momento
da veiculação
Audiência Domiciliar
Universo
Lares (10)
Lares
Expostos (8)
Audiências ou Ratings
 Percentuais relativos aos Lares Expostos a um meio/veículo sobre
o Total de lares com TV do mercado.
No exemplo acima: Abs. Aud.
Universo: 10 lares 100%
 Canal Vermelho: 03 lares 30%
 Canal Azul: 02 lares 20%
 Canal Verde: 02 lares 20%
 Canal Amarelo: 01 lar 10%
Total de Ligados: 08 lares 80%
Audiência Individual
Universo
M: 08 e H: 08
Audiência TT
Mulheres (6=75%)
Audiência TT
Homens (4=50%)
Audiência TT
Ambos (10=62.5%)
Audiência Individual: % que reflete os indivíduos do público-alvo
expostos a um veículo sobre o seu Universo Total do segmento.
Considerando o público Ambos os Sexos temos: 10/16 = 62.5%
Homens: 4/8 = 50%
Mulheres: 6/8 = 75%
Audiência Domiciliar X Individual
Universo
Lares (10)
Universo
M: 08 e H: 08
Audiência TT
Domiciliar (80%)
Audiência TT
Mulheres (7=88%)
Audiência TT
Homens (4=50%)
Audiência TT
Ambos (11=69%)
Participação ou share de Audiência
Lares
Expostos (8)
Participação de cada veiculo na Audiência Total do Meio.
No exemplo acima: Abs. Aud. Share
 Universo: 10 lares 100% -
 Canal Vermelho(A): 03 lares 30% 38%
 Canal Azu (C)l: 02 lares 20% 25%
 Canal Verde(D): 02 lares 20% 25%
 Canal Amarelo(B): 01 lar 10% 12%
Total de Ligados: 08 lares 80% 100%
A B A C A C D D E E
Penetração dos Meios
Normalmente é o percentual que indica o potencial de um meio de comunicação
em atingir determinado segmento da população em um determinado período de
veiculação.
Potencial de Alcance dos meios junto a população de
10 anos e mais nas 9 principais capitais brasileiras.
Televisão: assiste pelo menos uma vez por semana.
Rádio: ouve pelo menos uma vez por semana.
Revista: leu ou folheou pelo menos 1 título nos
últimos 30 dias.
Jornal: leu ou folheou pelo menos 1 título, nos
últimos 7 dias.
Cinema: vai ao cinema pelo menos 1 vez por mês.
Potencial de
Exposição em um
dado período
de veiculação
97
90
58
50
26
TV RD RV JO CIN
Penetração dos Meios
Fonte: Estudos Marplan'972008
Penetração Mídia Impressa
Penetração de um título em Revista ou Jornal corresponde a aquilo que
chamamos de “audiência” em Televisão e Rádio.
No Estudos Marplan, a fonte mais utilizada para informações de Revistas e
Jornais, a penetração reflete o número provável de leitores que leu ou folheou um
determinado título em um tempo equivalente a sua periodicidade.
Exemplo:
 Leu ou folheou Veja nos últimos 7 dias?
 Leu ou folheou Marie Claire nos últimos 30 dias?
 Leu ou folheou O Estado de São Paulo de Domingo nos últimos 7 dias?
Para Mídia Impressa
Penetração = Audiência
Qualificação ou Perfil
Composicão das pessoas atingidas por um meio ou
veículo publicitário, definido em termos de percentagem
por sexo, classe, idade e outras características de
segmentação.
55
45
Perfil por Sexo
85
11
4
Perfil por Classe
33
32
17
13
5
Perfil por Idade
O quanto
consumidores do veículo
vs. produto são
semelhantes?
MASC
FEM
A
B
C
10/15
16/20
21/25
26/30
31/35
Perfil e Afinidade
Perfil
População
Mul: 50%
Hom: 50%
Perfil
Programa “A”
Mul: 60%
Hom: 40%
Este índice traduz o quanto as Mulheres consomem a mais o programa (por uma razão qualquer), em
relação a população como um todo.
PERFIL POPULAÇÃO
Hom
50%
Mul
50%
PERFIL PROGRAMA "A"
Hom
40%
Mul
60%
CÁLCULO
Afinidade: % da Mulheres no
Programa/% Mulheres na
População.
Afinidade: 60%/50% = 1.2
Afinidade
Índice que traduz o quanto meu público consome a mais (ou a
menos) um veículo quando comparado com o Total da População.
População Crianças ABC Jovens ABC
Programa
Aud. Qual. Aud. Qual. Afinid. Aud. Qual. Afinid.
Universo 100 15.5 1.0 12.8 1.0
Xuxa Park 4.2 100 5.6 21.1 1.4 3.0 9.3 0.7
Planeta Xuxa 9.5 100 9.0 14.7 0.9 10.9 14.6 1.1
Disney Club 2.8 100 5.6 31.0 2.0 1.6 7.2 0.6
O cálculo da Afinidade pode ser feita de 2 formas:
• Relação entre a Audiência no Público-alvo sobre a Audiência na População.
Afinidade de Xuxa Park com Crianças ABC: 5.6/4.2 = 1.4 (Alta Afinidade)
• Relação entre a Qualificação do Programa sobre a Participação dos indivíduos do Publico
no Universo Total.
Afinidade de Xuxa Park com Jovens ABC: 3.0/4.2 = 0.7 (Baixa Afinidade)
GRP e TRP
GRP (Gross Rating Point): é um parâmetro de medida, que traduz um esforço de
comunicação de uma programação. A unidade básica é igual 1% do Universo dos
domicílios com TV do mercado.
 TRP (Target Rating Point) tem as mesma características do GRP, no entanto tem
como unidade básica 1% do Universo do Público-Alvo considerado.
 Volume de GRP/TRP = somátoria das audiências das inserções de uma
programação. Isto se traduz na intensidade de alocação de esforço (por período,
mercado, produto, público-alvo, etc).
PROGRAMAÇÃO
Programas Aud D 2a 3a 4a 5a 6a S Ins. GRP
Novela 40 1 1 2 80
Show 30 1 1 30
Filme 20 1 1 2 40
Jornal 30 1 1 2 60
TOTAL 7 210
TRP e GRP
A diferença está no grau precisão das informações:
 Enquanto que o GRP é uma medida genérica (base audiência Lar), traduzindo o
esforço juntos aos domicílios do mercado, o TRP já é uma medida mais eficaz (base
audiência individual), indicando o nível de esforço especificamente no seu Público-
alvo.
GRP é uma medida muito utilizado como parâmetro genérico de audiência pela
facilidade de obtenção e manuseio.
Hoje o Planejamento de Mídia é todo baseado em TRPs, garantindo maior eficiência
e eficácia do processo de comunicação.
A diferença é a
qualidade da informação
GRP = Domicilio
TRP = Consumidor
GRP/TRP
O fatos de serem números relativos, o manuseio deste números merecem alguns
cuidados:
Volume de TRPs em um único mercado
Como são números relativos a um único universo, é possível manuseio do índice sem
maiores cuidados.
Volume de TRPs de mercados diferentes
Soma de Volumes de TRPs de mercados diferentes: não se deve somar uma vez que
são números relativos a universos (mercados) diferentes. Portanto a somatória de TRPs
de mercados de diferentes tamanhos pode trazer interpretações errôneas.
O fato do TRP ser um número relativo, torna possível comparações de Volume de
TRPs de mercados diferentes. Exemplo: 250 TRPs em São Paulo ou Recife tem o mesmo
valor relativo, não importando que São Paulo seja 5 vezes maior que Recife.
Sistema GRP - Conceito
O Sistema GRP é um técnica de mídia que trabalha com 2 variáveis básicas:
 uma relacionada ao objetivo em termos do % do seu público-alvo que se quer
atingir, que é conhecido como Alcance, Cobertura ou Reach (Abrangência).
Outra relacionada ao objetivo em termos do número médio de exposição a
mensagem, que é chamado de Freqüência Média (Repetição).
As intensidades destas 2 variáveis, resultam nos volumes de Tarps.
Correlações entre as variáveis do Sistema GRP:
•Exemplo 1: Objetivos de 80% de Alcance com 5 de Frequência Média. Quantos TRPs?
Alcance (80%) X Freq.Média (5,0) = TRPs (400)
•Exemplo 2: Programação de 300 TRPs com Alcance de 70%. Qual Freq. Média?
TRPs (350) / Alcance ( 70%) = Freqüência Média (5,0)
•Exemplo 3: Programação de 100 TRPs com Freq. Média de 3.0. Qual o Alcance?
TRPs (100) X Freq. Média (2,5) = Alcance (40%)
Alcance, Cobertura ou Reach
Percentual de lares ou pessoas atingidas por uma
programação de mídia pelo menos uma vez dentro de
um período de veiculação.
Frequência Média
Número médio de vezes que o público alcançado pela
campanha foi exposto pela mensagem
Sistema GRP - Variáveis básicas
Alcance (Abrangência)
Novela
Série
Show
Filme
Programas Aud.
50%
30%
30%
40%
150
GRPsImpactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Os 4 programas atingiram 8 das 10 pessoas pelo menos uma vez
Alcance: 8/10 = 80%
O alcance em número absoluto (8 pessoas) é denominado “Audiência
Líquida”.
GRPs (Intensidade)
Novela
Série
Show
Filme
Programas Aud.
50%
30%
30%
40%
150
GRPsImpactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Universo: 10 Total Impactos: 4+1+3+2+1+2+1+1 = 15
GRP: somatória das Audiências (50%+30%+30%+40$) = 150
Freqüência Média (Repetição)
Novela
Série
Show
Filme
Programas
15
XImpactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Audiência Líquida: 8 Total Impactos: 4+1+2+2+1+2+1+1 = 15
Freq.Média = Total de Impactos/Aud.Líquida = 15/8 = 1.9
Freq.Média = GRPs/Alcance = 150/80 = 1.9
Análise de Eficiência
No exemplo abaixo, estamos partindo da premissa que indivíduos atingidos uma
única vez, não foram capazes de assimilar a mensagem.
Para obtermos um parâmetro mais eficiente, estamos definindo os objetivos de
mídia considerando somente indivíduos expostos eficientemente a mensagem ou
seja expostos com no mínimo 2 vezes.
Novela
Série
Show
Filme
Programas
Impactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Considerando “2” como Frequência Eficiente, no exemplo acima teríamos:
Universo Total: 10 pessoas 100%
Alcance Total: 08 pessoas 80%
Alcance Eficiente: 04 pessoas 40% (Alcance 40/2+)
Alcance Eficiente/Efetivo
Alcance Efetivo ou Eficiente é o percentual de indivíduos atingidos por uma
programação de mídia a partir de uma freqüência mínima de exposição.
 Muitos estudos foram feitos para aferir a relação entre freqüência de exposição
vs aprendizado da mensagem, mas não existe um nível de freqüência
universalmente aceita como aquela a partir da qual a mensagem foi efetivamente
assimilada.
O bom senso indica que apesar alguns estudos indicarem frequência entre 2 e 3,
os níveis devem variar de acordo com características de cada campanha/marca:
categoria, ciclo de compra, peça criativa, ciclo de vida do produto, share de
mercado, etc.
Frequência Média vs Eficiente
 Freqüência Média traduz-se uma média pura e simples, não possibilitando inferir
qual a quantidade de pessoas estão com níveis baixos ou elevados de exposição.
 Freqüência Eficiente: define o número de exposição necessário para que sua
mensagem seja assimilada.
Portanto, deve-se ter em mente, que recomendações baseadas somente em
freqüência média são deficientes por ocultar características importantes, que podem
ser percebidas através da análise de distribuição de freqüências.
Os estudos desenvolvidos pelos teóricos são importantes como referência. É
importante uma análise das características de cada campanha, para definição do
nível mínimo de exposicão necessário para cada caso.
Recency
 O mais recente estudo sobre Freqüência de Exposição está no livro “When Ads
Works - New proof that advertising triggers sales” de John Phillip Jones (1995).
Neste estudo traz o approach do Recency, cuja proposta fundamental é de que:
A publicidade tem um efeito imediato nas vendas - a primeira exposição gera vendas.
Exposições adicionais incrementam vendas proporcionalmente menores (importante: a
base do estudo é de 1 semana).
Isto tornou muito importante expor o consumidor as mensagens, em momentos mais
próximo possível da decisão de compra.
Embora existam muitas restrições feitas a forma que foi desenvolvido o estudo,
esta teoria traz novos pensamentos quanto a alocação dos esforços de mídia:
o fato da publicidade gerar vendas imediatamente não quer dizer que necessitamos
menores recursos, mas sim que é preferível fazer esforços menores por períodos
maiores do que fazer grandes esforços concentrados e deixar longos períodos ausência
na mídia.
Uma melhor administração na alocação de esforços durante o ano, irá gerar maior
volume de vendas.
Conduzem também utilização de novas mídias que atinjam os consumidores em
momentos, locais e formas mais relevantes ao momento da compra.
Embora tragam algumas
referências, o bom senso e
analise deve prevalecer
como sempre
Custos relativos:
CPM e CPP
 CPM (Custo por mil) - corresponde ao valor que se paga para atingir 1.000
indivíduos.
• Cálculo:
Custo do Programa /(Audiência X Universo / 100) X 1.000
• Utilização:
Comparativo de Rentabilidade de programas, mercados
 CPP (Custo por Ponto ou Custo GRP/TRP) - corresponde ao valor que se paga
para atingir 1% do seu público-alvo.
• Cálculo:
Custo do Programa / Audiência ou TRP
 Principais usos:
CPM: Comparar rentabilidade entre veículos e mercados.
CPP: Comparar rentabilidade entre veículos, realizar estimativas de verbas
de mídia.
Pré-seleção de programas
 Análise de cada programa individualmente: custo 1% audiência
ou CPM.
Objetivo: Ranking de programas que tem os custos mais
compatíveis com o tamanho da Audiência
Quanto o S.Santos
cobra para entregar
a mensagem para 1%
do meu público?
Análise do Mix de Programas
Análise de uma combinação de programas: Custo 1% TRP
Objetivo: como outras variáveis como Editorial, Horário e Dia da
semana são introduzidos na seleção, o custo TRP monitora o quanto
a introdução dessas variáveis estão impactando no rentabilidade da
programação. Não considera o fator “Abrangencia”.
Esse é o Mix que
apresenta o melhor
rentabilidade em
Impactos?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como montar um plano de Midia[1]
Como montar um plano de Midia[1]Como montar um plano de Midia[1]
Como montar um plano de Midia[1]
sschlumbom
 
Aula 05 Briefing
Aula 05   BriefingAula 05   Briefing
Aula 05 Briefing
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04
Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04
Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04
Imes Fafica Catanduva
 
Aula 04 timing_12 e 16.03
Aula 04 timing_12 e 16.03Aula 04 timing_12 e 16.03
Aula 04 timing_12 e 16.03
Imes Fafica Catanduva
 
Planejamento de midia apostila
Planejamento de midia apostilaPlanejamento de midia apostila
Planejamento de midia apostila
Liliane Ennes
 
Planejamento de Mídia - Estratégia e Tática
Planejamento de Mídia - Estratégia e TáticaPlanejamento de Mídia - Estratégia e Tática
Planejamento de Mídia - Estratégia e Tática
Martins & Marcon
 
[ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada
[ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada [ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada
[ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada
Leonardo Longo
 
Aula 06 grp, trp, frequëncia média, continuidade
Aula 06    grp, trp, frequëncia média, continuidadeAula 06    grp, trp, frequëncia média, continuidade
Aula 06 grp, trp, frequëncia média, continuidade
profjucavalcante
 
Planner e planejamento de campanha
Planner e planejamento de campanhaPlanner e planejamento de campanha
Planner e planejamento de campanha
Ciro Gusatti
 
Classificação dos meios
Classificação dos meiosClassificação dos meios
Classificação dos meios
profjucavalcante
 
Estrategias de midia
Estrategias de midiaEstrategias de midia
Estrategias de midia
Kauê Krischnegg
 
Planejamento de Mídia
Planejamento de MídiaPlanejamento de Mídia
Planejamento de Mídia
Rafael. Firmi
 
Apresentação Briefing de Planejamento de Mídia
Apresentação Briefing de Planejamento de MídiaApresentação Briefing de Planejamento de Mídia
Apresentação Briefing de Planejamento de Mídia
Kauê Krischnegg
 
Curso de Midia - UnG
Curso de Midia - UnGCurso de Midia - UnG
Curso de Midia - UnG
Rodolfo Nakamura
 
Midia - Aula 07
Midia - Aula 07Midia - Aula 07
Midia - Aula 07
Fernando Alves
 
Apresentação de mídia
Apresentação de mídiaApresentação de mídia
Apresentação de mídia
Claudio Lammardo Neto (Cachorrão)
 
Aula 05 alcance, penetração, cpm, cpp, cpc
Aula 05   alcance, penetração, cpm, cpp, cpcAula 05   alcance, penetração, cpm, cpp, cpc
Aula 05 alcance, penetração, cpm, cpp, cpc
profjucavalcante
 
O passo a passo da mídia com Letícia Herrmann
O passo a passo da mídia com Letícia HerrmannO passo a passo da mídia com Letícia Herrmann
O passo a passo da mídia com Letícia Herrmann
Ponto Pasta UFPR
 
Aula planejamenot de mídia + trabalho
Aula planejamenot de mídia + trabalhoAula planejamenot de mídia + trabalho
Aula planejamenot de mídia + trabalho
Andréia Assis
 
Aula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de MídiaAula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de Mídia
Lucas Pelaez
 

Mais procurados (20)

Como montar um plano de Midia[1]
Como montar um plano de Midia[1]Como montar um plano de Midia[1]
Como montar um plano de Midia[1]
 
Aula 05 Briefing
Aula 05   BriefingAula 05   Briefing
Aula 05 Briefing
 
Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04
Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04
Aula 06 cpm.cpp.grp.trp_10.04
 
Aula 04 timing_12 e 16.03
Aula 04 timing_12 e 16.03Aula 04 timing_12 e 16.03
Aula 04 timing_12 e 16.03
 
Planejamento de midia apostila
Planejamento de midia apostilaPlanejamento de midia apostila
Planejamento de midia apostila
 
Planejamento de Mídia - Estratégia e Tática
Planejamento de Mídia - Estratégia e TáticaPlanejamento de Mídia - Estratégia e Tática
Planejamento de Mídia - Estratégia e Tática
 
[ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada
[ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada [ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada
[ESPM] Planejamento de Mídia Online no Planejamento de Comunicação Integrada
 
Aula 06 grp, trp, frequëncia média, continuidade
Aula 06    grp, trp, frequëncia média, continuidadeAula 06    grp, trp, frequëncia média, continuidade
Aula 06 grp, trp, frequëncia média, continuidade
 
Planner e planejamento de campanha
Planner e planejamento de campanhaPlanner e planejamento de campanha
Planner e planejamento de campanha
 
Classificação dos meios
Classificação dos meiosClassificação dos meios
Classificação dos meios
 
Estrategias de midia
Estrategias de midiaEstrategias de midia
Estrategias de midia
 
Planejamento de Mídia
Planejamento de MídiaPlanejamento de Mídia
Planejamento de Mídia
 
Apresentação Briefing de Planejamento de Mídia
Apresentação Briefing de Planejamento de MídiaApresentação Briefing de Planejamento de Mídia
Apresentação Briefing de Planejamento de Mídia
 
Curso de Midia - UnG
Curso de Midia - UnGCurso de Midia - UnG
Curso de Midia - UnG
 
Midia - Aula 07
Midia - Aula 07Midia - Aula 07
Midia - Aula 07
 
Apresentação de mídia
Apresentação de mídiaApresentação de mídia
Apresentação de mídia
 
Aula 05 alcance, penetração, cpm, cpp, cpc
Aula 05   alcance, penetração, cpm, cpp, cpcAula 05   alcance, penetração, cpm, cpp, cpc
Aula 05 alcance, penetração, cpm, cpp, cpc
 
O passo a passo da mídia com Letícia Herrmann
O passo a passo da mídia com Letícia HerrmannO passo a passo da mídia com Letícia Herrmann
O passo a passo da mídia com Letícia Herrmann
 
Aula planejamenot de mídia + trabalho
Aula planejamenot de mídia + trabalhoAula planejamenot de mídia + trabalho
Aula planejamenot de mídia + trabalho
 
Aula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de MídiaAula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de Mídia
 

Semelhante a Conceitos de midia

Curso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de Mídia
Curso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de MídiaCurso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de Mídia
Curso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de Mídia
grupodemidiasc
 
Aula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de Mídia
Aula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de MídiaAula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de Mídia
Aula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de Mídia
grupodemidiasc
 
REVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIA
REVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIAREVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIA
REVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIA
profjucavalcante
 
05 Termos E TéCnicas
05 Termos E TéCnicas05 Termos E TéCnicas
05 Termos E TéCnicas
lia.lvo
 
Planejamento de mídia - Etapa 3
Planejamento de mídia - Etapa 3Planejamento de mídia - Etapa 3
Planejamento de mídia - Etapa 3
Bruno Mastrocolla
 
Treinamento comercial
Treinamento comercialTreinamento comercial
Treinamento comercial
FAIR PLAY AD / @VeronicaRRSouza
 
Mídia IELUSC - Terminologia
Mídia IELUSC - TerminologiaMídia IELUSC - Terminologia
Mídia IELUSC - Terminologia
Lucas Pelaez
 
Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8
Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8
Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8
FAIR PLAY AD / @VeronicaRRSouza
 
Dia mundial da saúde rpc tv 17.04
Dia mundial da saúde   rpc tv 17.04Dia mundial da saúde   rpc tv 17.04
Dia mundial da saúde rpc tv 17.04
Meio & Mensagem
 
Planejamento de Mídia
Planejamento de MídiaPlanejamento de Mídia
Planejamento de Mídia
Agência ebrand
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
weca.lab
 
Dia do estudante 17.03
Dia do estudante 17.03Dia do estudante 17.03
Dia do estudante 17.03
Meio & Mensagem
 
Rpc tv 14.02
Rpc tv   14.02Rpc tv   14.02
Rpc tv 14.02
Meio & Mensagem
 
Rpc tv 14.02
Rpc tv   14.02Rpc tv   14.02
Rpc tv 14.02
Meio & Mensagem
 
Introdução ao planejamento de mídia.
Introdução ao planejamento de mídia.Introdução ao planejamento de mídia.
Introdução ao planejamento de mídia.
ProfSergioNeves
 
Rpc tv 10.03
Rpc tv 10.03Rpc tv 10.03
Rpc tv 10.03
Meio & Mensagem
 
Midia - Aula 7
Midia - Aula 7Midia - Aula 7
Midia - Aula 7
Fernando Alves
 
Mídia - Aula 06
Mídia - Aula 06Mídia - Aula 06
Mídia - Aula 06
Fernando Alves
 
Apresentao de midia 101027082136-phpapp02
Apresentao de midia 101027082136-phpapp02Apresentao de midia 101027082136-phpapp02
Apresentao de midia 101027082136-phpapp02
JoséRoberto Bezerra de Oliveira
 
Midiatrabalho1.pptx
Midiatrabalho1.pptxMidiatrabalho1.pptx
Midiatrabalho1.pptx
LucasViarte
 

Semelhante a Conceitos de midia (20)

Curso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de Mídia
Curso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de MídiaCurso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de Mídia
Curso GMSC Itajaí - Aula Conceitos Básicos de Mídia
 
Aula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de Mídia
Aula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de MídiaAula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de Mídia
Aula - Florianópolis, Blumenau e Joinville- Conceitos Básicos de Mídia
 
REVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIA
REVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIAREVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIA
REVISÃO - PROJETO EXPERIMENTAL - PLANEJAMENTO DE MÍDIA
 
05 Termos E TéCnicas
05 Termos E TéCnicas05 Termos E TéCnicas
05 Termos E TéCnicas
 
Planejamento de mídia - Etapa 3
Planejamento de mídia - Etapa 3Planejamento de mídia - Etapa 3
Planejamento de mídia - Etapa 3
 
Treinamento comercial
Treinamento comercialTreinamento comercial
Treinamento comercial
 
Mídia IELUSC - Terminologia
Mídia IELUSC - TerminologiaMídia IELUSC - Terminologia
Mídia IELUSC - Terminologia
 
Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8
Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8
Midiaconceitosbsicos 1222577005719754-8
 
Dia mundial da saúde rpc tv 17.04
Dia mundial da saúde   rpc tv 17.04Dia mundial da saúde   rpc tv 17.04
Dia mundial da saúde rpc tv 17.04
 
Planejamento de Mídia
Planejamento de MídiaPlanejamento de Mídia
Planejamento de Mídia
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
 
Dia do estudante 17.03
Dia do estudante 17.03Dia do estudante 17.03
Dia do estudante 17.03
 
Rpc tv 14.02
Rpc tv   14.02Rpc tv   14.02
Rpc tv 14.02
 
Rpc tv 14.02
Rpc tv   14.02Rpc tv   14.02
Rpc tv 14.02
 
Introdução ao planejamento de mídia.
Introdução ao planejamento de mídia.Introdução ao planejamento de mídia.
Introdução ao planejamento de mídia.
 
Rpc tv 10.03
Rpc tv 10.03Rpc tv 10.03
Rpc tv 10.03
 
Midia - Aula 7
Midia - Aula 7Midia - Aula 7
Midia - Aula 7
 
Mídia - Aula 06
Mídia - Aula 06Mídia - Aula 06
Mídia - Aula 06
 
Apresentao de midia 101027082136-phpapp02
Apresentao de midia 101027082136-phpapp02Apresentao de midia 101027082136-phpapp02
Apresentao de midia 101027082136-phpapp02
 
Midiatrabalho1.pptx
Midiatrabalho1.pptxMidiatrabalho1.pptx
Midiatrabalho1.pptx
 

Último

Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 

Último (20)

Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 

Conceitos de midia

  • 2. Mídia Conceitos e Técnicas Durante o processo de Planejamento, Compras e Pesquisa de Mídia são utilizados alguns procedimentos, expressões e conceitos que são específicos da área e devem ser discutidos para chegar uma interpretação e manuseio adequado.
  • 3. Audiência Audiências: Percentual de domicílios ou pessoas expostas a um veículo de comunicação em um dado momento.  É mais comumente utilizada para TV e Rádio.  Corresponde ao número provável de pessoas que verão o comercial veiculado no veiculo ou programa.  Audiência em números absolutos é chamado de Total de Impactos ou Oportunidades de ver (OTS - Oportunity to see).  Audiência Domiciliar: medida genérica que tem como referência somente os domicílios (mais agilidade c/ menor precisão).  Audiência Individual: medida mais precisa uma vez que considera o público específico da campanha. Número provável de Impactos no momento da veiculação
  • 4. Audiência Domiciliar Universo Lares (10) Lares Expostos (8) Audiências ou Ratings  Percentuais relativos aos Lares Expostos a um meio/veículo sobre o Total de lares com TV do mercado. No exemplo acima: Abs. Aud. Universo: 10 lares 100%  Canal Vermelho: 03 lares 30%  Canal Azul: 02 lares 20%  Canal Verde: 02 lares 20%  Canal Amarelo: 01 lar 10% Total de Ligados: 08 lares 80%
  • 5. Audiência Individual Universo M: 08 e H: 08 Audiência TT Mulheres (6=75%) Audiência TT Homens (4=50%) Audiência TT Ambos (10=62.5%) Audiência Individual: % que reflete os indivíduos do público-alvo expostos a um veículo sobre o seu Universo Total do segmento. Considerando o público Ambos os Sexos temos: 10/16 = 62.5% Homens: 4/8 = 50% Mulheres: 6/8 = 75%
  • 6. Audiência Domiciliar X Individual Universo Lares (10) Universo M: 08 e H: 08 Audiência TT Domiciliar (80%) Audiência TT Mulheres (7=88%) Audiência TT Homens (4=50%) Audiência TT Ambos (11=69%)
  • 7. Participação ou share de Audiência Lares Expostos (8) Participação de cada veiculo na Audiência Total do Meio. No exemplo acima: Abs. Aud. Share  Universo: 10 lares 100% -  Canal Vermelho(A): 03 lares 30% 38%  Canal Azu (C)l: 02 lares 20% 25%  Canal Verde(D): 02 lares 20% 25%  Canal Amarelo(B): 01 lar 10% 12% Total de Ligados: 08 lares 80% 100% A B A C A C D D E E
  • 8. Penetração dos Meios Normalmente é o percentual que indica o potencial de um meio de comunicação em atingir determinado segmento da população em um determinado período de veiculação. Potencial de Alcance dos meios junto a população de 10 anos e mais nas 9 principais capitais brasileiras. Televisão: assiste pelo menos uma vez por semana. Rádio: ouve pelo menos uma vez por semana. Revista: leu ou folheou pelo menos 1 título nos últimos 30 dias. Jornal: leu ou folheou pelo menos 1 título, nos últimos 7 dias. Cinema: vai ao cinema pelo menos 1 vez por mês. Potencial de Exposição em um dado período de veiculação 97 90 58 50 26 TV RD RV JO CIN Penetração dos Meios Fonte: Estudos Marplan'972008
  • 9. Penetração Mídia Impressa Penetração de um título em Revista ou Jornal corresponde a aquilo que chamamos de “audiência” em Televisão e Rádio. No Estudos Marplan, a fonte mais utilizada para informações de Revistas e Jornais, a penetração reflete o número provável de leitores que leu ou folheou um determinado título em um tempo equivalente a sua periodicidade. Exemplo:  Leu ou folheou Veja nos últimos 7 dias?  Leu ou folheou Marie Claire nos últimos 30 dias?  Leu ou folheou O Estado de São Paulo de Domingo nos últimos 7 dias? Para Mídia Impressa Penetração = Audiência
  • 10. Qualificação ou Perfil Composicão das pessoas atingidas por um meio ou veículo publicitário, definido em termos de percentagem por sexo, classe, idade e outras características de segmentação. 55 45 Perfil por Sexo 85 11 4 Perfil por Classe 33 32 17 13 5 Perfil por Idade O quanto consumidores do veículo vs. produto são semelhantes? MASC FEM A B C 10/15 16/20 21/25 26/30 31/35
  • 11. Perfil e Afinidade Perfil População Mul: 50% Hom: 50% Perfil Programa “A” Mul: 60% Hom: 40% Este índice traduz o quanto as Mulheres consomem a mais o programa (por uma razão qualquer), em relação a população como um todo. PERFIL POPULAÇÃO Hom 50% Mul 50% PERFIL PROGRAMA "A" Hom 40% Mul 60% CÁLCULO Afinidade: % da Mulheres no Programa/% Mulheres na População. Afinidade: 60%/50% = 1.2
  • 12. Afinidade Índice que traduz o quanto meu público consome a mais (ou a menos) um veículo quando comparado com o Total da População. População Crianças ABC Jovens ABC Programa Aud. Qual. Aud. Qual. Afinid. Aud. Qual. Afinid. Universo 100 15.5 1.0 12.8 1.0 Xuxa Park 4.2 100 5.6 21.1 1.4 3.0 9.3 0.7 Planeta Xuxa 9.5 100 9.0 14.7 0.9 10.9 14.6 1.1 Disney Club 2.8 100 5.6 31.0 2.0 1.6 7.2 0.6 O cálculo da Afinidade pode ser feita de 2 formas: • Relação entre a Audiência no Público-alvo sobre a Audiência na População. Afinidade de Xuxa Park com Crianças ABC: 5.6/4.2 = 1.4 (Alta Afinidade) • Relação entre a Qualificação do Programa sobre a Participação dos indivíduos do Publico no Universo Total. Afinidade de Xuxa Park com Jovens ABC: 3.0/4.2 = 0.7 (Baixa Afinidade)
  • 13. GRP e TRP GRP (Gross Rating Point): é um parâmetro de medida, que traduz um esforço de comunicação de uma programação. A unidade básica é igual 1% do Universo dos domicílios com TV do mercado.  TRP (Target Rating Point) tem as mesma características do GRP, no entanto tem como unidade básica 1% do Universo do Público-Alvo considerado.  Volume de GRP/TRP = somátoria das audiências das inserções de uma programação. Isto se traduz na intensidade de alocação de esforço (por período, mercado, produto, público-alvo, etc). PROGRAMAÇÃO Programas Aud D 2a 3a 4a 5a 6a S Ins. GRP Novela 40 1 1 2 80 Show 30 1 1 30 Filme 20 1 1 2 40 Jornal 30 1 1 2 60 TOTAL 7 210
  • 14. TRP e GRP A diferença está no grau precisão das informações:  Enquanto que o GRP é uma medida genérica (base audiência Lar), traduzindo o esforço juntos aos domicílios do mercado, o TRP já é uma medida mais eficaz (base audiência individual), indicando o nível de esforço especificamente no seu Público- alvo. GRP é uma medida muito utilizado como parâmetro genérico de audiência pela facilidade de obtenção e manuseio. Hoje o Planejamento de Mídia é todo baseado em TRPs, garantindo maior eficiência e eficácia do processo de comunicação. A diferença é a qualidade da informação GRP = Domicilio TRP = Consumidor
  • 15. GRP/TRP O fatos de serem números relativos, o manuseio deste números merecem alguns cuidados: Volume de TRPs em um único mercado Como são números relativos a um único universo, é possível manuseio do índice sem maiores cuidados. Volume de TRPs de mercados diferentes Soma de Volumes de TRPs de mercados diferentes: não se deve somar uma vez que são números relativos a universos (mercados) diferentes. Portanto a somatória de TRPs de mercados de diferentes tamanhos pode trazer interpretações errôneas. O fato do TRP ser um número relativo, torna possível comparações de Volume de TRPs de mercados diferentes. Exemplo: 250 TRPs em São Paulo ou Recife tem o mesmo valor relativo, não importando que São Paulo seja 5 vezes maior que Recife.
  • 16. Sistema GRP - Conceito O Sistema GRP é um técnica de mídia que trabalha com 2 variáveis básicas:  uma relacionada ao objetivo em termos do % do seu público-alvo que se quer atingir, que é conhecido como Alcance, Cobertura ou Reach (Abrangência). Outra relacionada ao objetivo em termos do número médio de exposição a mensagem, que é chamado de Freqüência Média (Repetição). As intensidades destas 2 variáveis, resultam nos volumes de Tarps. Correlações entre as variáveis do Sistema GRP: •Exemplo 1: Objetivos de 80% de Alcance com 5 de Frequência Média. Quantos TRPs? Alcance (80%) X Freq.Média (5,0) = TRPs (400) •Exemplo 2: Programação de 300 TRPs com Alcance de 70%. Qual Freq. Média? TRPs (350) / Alcance ( 70%) = Freqüência Média (5,0) •Exemplo 3: Programação de 100 TRPs com Freq. Média de 3.0. Qual o Alcance? TRPs (100) X Freq. Média (2,5) = Alcance (40%)
  • 17. Alcance, Cobertura ou Reach Percentual de lares ou pessoas atingidas por uma programação de mídia pelo menos uma vez dentro de um período de veiculação. Frequência Média Número médio de vezes que o público alcançado pela campanha foi exposto pela mensagem Sistema GRP - Variáveis básicas
  • 18. Alcance (Abrangência) Novela Série Show Filme Programas Aud. 50% 30% 30% 40% 150 GRPsImpactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Os 4 programas atingiram 8 das 10 pessoas pelo menos uma vez Alcance: 8/10 = 80% O alcance em número absoluto (8 pessoas) é denominado “Audiência Líquida”.
  • 19. GRPs (Intensidade) Novela Série Show Filme Programas Aud. 50% 30% 30% 40% 150 GRPsImpactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Universo: 10 Total Impactos: 4+1+3+2+1+2+1+1 = 15 GRP: somatória das Audiências (50%+30%+30%+40$) = 150
  • 20. Freqüência Média (Repetição) Novela Série Show Filme Programas 15 XImpactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Audiência Líquida: 8 Total Impactos: 4+1+2+2+1+2+1+1 = 15 Freq.Média = Total de Impactos/Aud.Líquida = 15/8 = 1.9 Freq.Média = GRPs/Alcance = 150/80 = 1.9
  • 21. Análise de Eficiência No exemplo abaixo, estamos partindo da premissa que indivíduos atingidos uma única vez, não foram capazes de assimilar a mensagem. Para obtermos um parâmetro mais eficiente, estamos definindo os objetivos de mídia considerando somente indivíduos expostos eficientemente a mensagem ou seja expostos com no mínimo 2 vezes. Novela Série Show Filme Programas Impactos 4 1 3 2 1 2 1 1 0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Considerando “2” como Frequência Eficiente, no exemplo acima teríamos: Universo Total: 10 pessoas 100% Alcance Total: 08 pessoas 80% Alcance Eficiente: 04 pessoas 40% (Alcance 40/2+)
  • 22. Alcance Eficiente/Efetivo Alcance Efetivo ou Eficiente é o percentual de indivíduos atingidos por uma programação de mídia a partir de uma freqüência mínima de exposição.  Muitos estudos foram feitos para aferir a relação entre freqüência de exposição vs aprendizado da mensagem, mas não existe um nível de freqüência universalmente aceita como aquela a partir da qual a mensagem foi efetivamente assimilada. O bom senso indica que apesar alguns estudos indicarem frequência entre 2 e 3, os níveis devem variar de acordo com características de cada campanha/marca: categoria, ciclo de compra, peça criativa, ciclo de vida do produto, share de mercado, etc.
  • 23. Frequência Média vs Eficiente  Freqüência Média traduz-se uma média pura e simples, não possibilitando inferir qual a quantidade de pessoas estão com níveis baixos ou elevados de exposição.  Freqüência Eficiente: define o número de exposição necessário para que sua mensagem seja assimilada. Portanto, deve-se ter em mente, que recomendações baseadas somente em freqüência média são deficientes por ocultar características importantes, que podem ser percebidas através da análise de distribuição de freqüências. Os estudos desenvolvidos pelos teóricos são importantes como referência. É importante uma análise das características de cada campanha, para definição do nível mínimo de exposicão necessário para cada caso.
  • 24. Recency  O mais recente estudo sobre Freqüência de Exposição está no livro “When Ads Works - New proof that advertising triggers sales” de John Phillip Jones (1995). Neste estudo traz o approach do Recency, cuja proposta fundamental é de que: A publicidade tem um efeito imediato nas vendas - a primeira exposição gera vendas. Exposições adicionais incrementam vendas proporcionalmente menores (importante: a base do estudo é de 1 semana). Isto tornou muito importante expor o consumidor as mensagens, em momentos mais próximo possível da decisão de compra. Embora existam muitas restrições feitas a forma que foi desenvolvido o estudo, esta teoria traz novos pensamentos quanto a alocação dos esforços de mídia: o fato da publicidade gerar vendas imediatamente não quer dizer que necessitamos menores recursos, mas sim que é preferível fazer esforços menores por períodos maiores do que fazer grandes esforços concentrados e deixar longos períodos ausência na mídia. Uma melhor administração na alocação de esforços durante o ano, irá gerar maior volume de vendas. Conduzem também utilização de novas mídias que atinjam os consumidores em momentos, locais e formas mais relevantes ao momento da compra. Embora tragam algumas referências, o bom senso e analise deve prevalecer como sempre
  • 25. Custos relativos: CPM e CPP  CPM (Custo por mil) - corresponde ao valor que se paga para atingir 1.000 indivíduos. • Cálculo: Custo do Programa /(Audiência X Universo / 100) X 1.000 • Utilização: Comparativo de Rentabilidade de programas, mercados  CPP (Custo por Ponto ou Custo GRP/TRP) - corresponde ao valor que se paga para atingir 1% do seu público-alvo. • Cálculo: Custo do Programa / Audiência ou TRP  Principais usos: CPM: Comparar rentabilidade entre veículos e mercados. CPP: Comparar rentabilidade entre veículos, realizar estimativas de verbas de mídia.
  • 26. Pré-seleção de programas  Análise de cada programa individualmente: custo 1% audiência ou CPM. Objetivo: Ranking de programas que tem os custos mais compatíveis com o tamanho da Audiência Quanto o S.Santos cobra para entregar a mensagem para 1% do meu público?
  • 27. Análise do Mix de Programas Análise de uma combinação de programas: Custo 1% TRP Objetivo: como outras variáveis como Editorial, Horário e Dia da semana são introduzidos na seleção, o custo TRP monitora o quanto a introdução dessas variáveis estão impactando no rentabilidade da programação. Não considera o fator “Abrangencia”. Esse é o Mix que apresenta o melhor rentabilidade em Impactos?