SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
ESTRATÉGIAS DE COESÃO
REFERENCIAL E SEQUENCIAL
Sônia Margarida Ribeiro Guedes
PARA INÍCIO DE CONVERSA
Na redação do ENEM, como em outras situações de
escrita formal, exige-se a habilidade de empregar
adequadamente os recursos coesivos, demonstrando
conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários
para a construção da argumentação.
Em que consistem essa habilidade e esse conhecimento
e como avaliá-los?
Trata-se do processo de coesão, que diz respeito ao
inter-relacionamento entre os elementos linguísticos do
texto, e facilita ao leitor compreendê-lo como um todo
que faz sentido e apreender sua orientação
argumentativa.
COESÃO TEXTUAL
Para discutir a questão, vamos ler o texto:
Fonte: Folha de S. Paulo, 19 fev. 2015.
Observamos no texto três partes. Na primeira,
(1)
chama a nossa atenção, o uso de também indicando ideia de
inclusão, de alinhamento à posição expressa no enunciado que
o antecede.
(2)
destacamos:
i) o uso de conjunções como seja...seja, porém, no encadeamento de
enunciados;
ii) o uso do pronome demonstrativo essa com a função de resumir e
manter em foco o segmento textual entre aspas que o antecede.
Na terceira parte,
(3)
notamos:
i) o uso das conjunções ou, porque, mas no encadeamento
de enunciados, indicando alternância, justificativa,
oposição, respectivamente;
ii) o uso do pronome pessoal na 3ª pessoa do singular – ela
– na retomada do referente Folha.
Então, o que é coesão?
Koch (2004 p. 35) nos diz que “a coesão é a forma
como os elementos linguísticos presentes na
superfície textual se interligam, se interconectam,
por meio de recursos também linguísticos, de
modo a formar um tecido (tessitura), uma unidade
de nível superior à da frase, que dela difere
qualitativamente
1) por remissão a referentes do texto ou ancorados
no texto (coesão referencial);
Exemplo: ‘ela’, ‘essa’.
2) por sequenciação (coesão sequencial).
Exemplo: ‘porque’, ‘mas’, ‘ou seja’.
A coesão referencial
É entendida como a forma pela qual podemos remeter um
elemento linguístico a outros elementos no interior do
texto.
 A remissão pode ocorrer em um movimento retrospectivo
(anafórico) ou em um movimento prospectivo
(catafórico).
Ou seja,
 A forma referencial com função coesiva pode remeter a
um referente que lhe é anterior (no caso da anáfora), ou a
um referente que lhe é subsequente (no caso da catáfora).
Vamos aos exemplos
Fonte: CARPINEJAR, Fabrício. Clássicos da Twitteratura brasileira. São Paulo: Livraria da Villa, 2010.
No texto, o pronome ‘ele’ retoma o referente que veio antes
dele: o apaixonado. Trata-se de uma forma referencial
anafórica.
Eles eram pequenos, grandes ou enormes. Alguns corriam
animados, outros --mais tímidos-- deitavam no chão. Todos eram
cães de raça e estavam fantasiados para desfilar em um... shopping.
Fonte: MACHADO, Leandro. “’Cãocurso’ elege pets mais bem fantasiados”. Folha de S. Paulo, 4 mar.
2014.
Os pronomes eles (pessoal do caso reto), alguns e outros (pronomes
indefinidos) remetem ao referente que vem depois deles: cães de raça.
Trata-se de um procedimento catafórico cujo efeito de sentido é
despertar a curiosidade do leitor e assim prender-lhe a atenção, visto
que o referente só é anunciado mais adiante.
Essesexemplos comentadosnos fazempensarque os recursosque
promovema coesão referencialpodemser gramaticaisou lexicais
.
Os elementos de ordem gramatical podem ser:
 Pronomes
A derrota do Minotauro
Quando os atenienses chegaram a Creta, a filha do rei Minos, Ariadne,
apaixonou-se por Teseu. Ofereceu-lhe ajuda em troca da promessa de
casamento, dando a ele um novelo de cordel. Teseu amarrou uma das pontas na
entrada do labirinto e entrou, liberando a corda conforme caminhava. No meio
do labirinto, lutou contra o Minotauro e o matou( Guia Ilustrado Zahar:
Mitologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2010).
 Numerais
Buda
Maria de Fátima da Silva, mãe do bailarino DG –assassinado em circunstâncias
ainda não esclarecidas –, é medalhista de natação em águas abertas. Andréa
Beltrão, minha parceira em "Tapas e Beijos", é colega dela na turma de nado do
Posto 6 de Copacabana. Andréa mora na Atlântica, Maria de Fátima no morro do
Cantagalo, mas as duas desfrutam do mesmo mar; junto com as tartarugas, os
peixes e os sacos plásticos.
(Fonte: TORRES, Fernanda. “Buda”. Folha de S. Paulo, 2 mai. 2014).
 Artigos
Chico na Alemanha
“Não me ocorreria escrever esse livro com minha mãe viva”, diz Chico à Piauí
deste mês, na única entrevista à imprensa sobre o romance “O Irmão
Alemão”, que frequentou o topo das listas de mais vendidos em 2014. A
revista acompanhou o escritor numa viagem à Alemanha após a descoberta
do irmão Sérgio Günther, filho de um namoro da juventude de seu pai Sérgio
Buarque de Holanda (1902-1982).
(Fonte: COZER, Raquel. “Chico na Alemanha”. Folha de S. Paulo, 3 jan. 2015).
Coesão de ordem lexical
 Advérbios locativos
Fui fazer faculdade nos Estados
Unidos em 1995 e depois voltei
pra mais dois anos de mestrado
lá. Saí mais otimista em relação
ao Brasil do que quando
cheguei.
(Fonte: IOSCHPE, Gustavo. O que o
Brasil quer ser quando crescer? São
Paulo: Paralela, 2012).
 Repetição ( total ou parcial)
de um mesmo item lexical
Desmantelo só quer começo
Onze controles remotos, eis o
surpreendente saldo da minha faxina: 11
controles remotos que há muito já não
controlavam, mesmo que remotamente,
coisa alguma.
(Fonte: PRATA, Antônio. “Desmantelo só quer começo”.
Folha de S. Paulo, 4 mai. 2014).
Sinônimos ou quase sinônimos
Folia e foliões
Pensei em dois assuntos para esta
crônica: o Carnaval e a estupefação da
sociedade com a eleição dos novos
presidentes do Congresso. Refletindo
com certa calma, verifiquei que os dois
temas, aparentemente tão conflitantes,
no fundo são a mesma coisa: aquilo que
em tempos idos chamavam de "folia".
(Fonte: CONY, Carlos Heitor. “Folia e foliões”.
Folha de S. Paulo, 10 fev. 2013).
Nomes genéricos
Carne artificial é apresentada e
degustada em evento em Londres
Hambúrguer foi criado a partir de células
de músculo de vacas.
O primeiro hambúrguer criado em
laboratório foi apresentado e degustado
ontem, em uma conferência em Londres,
acompanhado de pão, alface e tomate. O
produto, que saiu da placa de Petri e foi
direto para a frigideira, foi provado por
dois voluntários, que disseram, em frente
às câmeras de TV, que o sabor se
aproximava ao da carne de vaca.
(Fonte: “Carne artificial é apresentada e
degustada em evento em Londres”. Folha de S.
Paulo, 8 ago. 2013).
Expressões ou grupos
nominais definidos
Da janela da pequena casa de madeira
que dividia com os pais e os três irmãos,
Iagoara avistava seu quintal. As árvores
da floresta amazônica e as águas do rio
funcionavam como cenário das
brincadeiras do indiozinho da etnia
kambeba. Correr, subir em árvores,
caçar, nadar e pescar eram as
brincadeiras que faziam o tempo passar
para os curumins em sua tribo, a cerca
de quatro horas de barco de Manaus, em
uma área de proteção ambiental do rio
Negro.
(Fonte: LAJOLO, Mariana. “Olimpíadas – tiro com
arco”. Serafina, Folha de S. Paulo, abril 2015).
Nominalização
Uma vez anotei todas as senhas. Mas
onde guardar a anotação? E como
lembrar onde foi guardada, depois? Seria
preciso outra anotação, com o lugar onde
foi guardada, mas onde guardá-la? Não.
Anotar também não é aconselhável. A
conclusão é que o mais seguro de tudo é
esquecê-las todas. Pronto. Estou
completamente blindado, inclusive contra
mim mesmo. Não sou eu para nada. Não
existo. Melhor assim.
(Fonte: TOLEDO, Roberto Pompeu de. “Perdido nas
senhas”. Revista Veja, Edição 2419, Ano 48, Nº 13, 1º
abril de 2014).
Uma outra forma de remissão a referentes textuais é a elipse, ou seja, a
omissão de um termo que pode ser facilmente recuperado pelo contexto
linguístico. Em outras palavras, é o caso de uma substituição por zero.
Desmantelo só quer começo
Onze controles remotos, eis o surpreendente saldo da minha faxina: 11
controles remotos que há muito já não controlavam, mesmo que remotamente,
coisa alguma.
Ao longo dos anos, as TVs, aparelhos de som, DVDs e videocassetes (juro, até
videocassetes) a que serviram foram partindo e deixando-os para trás: órfãos,
sem ocupação ou residência fixa, vagavam pela casa ao sabor do acaso;
erravam pelos planaltos das cômodas e acampavam nas cordilheiras dos sofás
como paraquedistas caídos no deserto; escondiam-se em gavetas e estantes
como aqueles soldados japoneses que, décadas após o fim da guerra, seguiam
enfronhados na mata, temendo o inimigo.
(Fonte: PRATA, Antônio. “Desmantelo só quer começo”. Folha de S. Paulo,
2014).
Nos casos exemplificados, vimos que a coesão referencial se
realiza por meio de recursos de ordem gramatical ou
lexical, operando a remissão a elementos textuais anafórica
ou cataforicamente.
A coesão sequencial
Diz respeito a procedimentos linguísticos por meio dos
quais se estabelecem entre segmentos do texto (enunciados,
partes de enunciados, parágrafos, sequencias textuais)
diversos tipos de relações semânticas ou pragmático-
discursivas, à medida que se faz o texto progredir ( KOCH,
2004).
Estratégias de coesão
referencial
1. uso de elementos de
ordem gramatical: pronomes,
numerais, artigos, advérbios
locativos etc.
2. uso de elementos de
ordem lexical: repetição de
item lexical; sinônimos ou quase
sinônimos, expressões nominais
definidas, nominalizações,
nomes genéricos, etc.
3. uso de elipse (substituição por
zero)
Estratégias de coesão
sequencial
1. com reiteração de formas
linguísticas: repetição,
paralelismo, paráfrase
2. sem reiteração de formas
linguísticas:
- progressão temática (com tema
constante, com temas variados,
com progressão do tema de
forma linear etc)
- encadeamento (por
justaposição e por conexão
Recomendo: KOCH; I. ELIAS, V. Ler e
escrever: estratégias de produção
textual. São Paulo: Contexto, 2009.
REFERÊNCIAS
CASTILHO, Ataliba T. de; ELIAS, Vanda Maria. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo:
Contexto, 2012.
CAVALCANTE, Mônica M; RODRIGUES, Bernardete B; CIULLA, Alena. (Orgs.). Referenciação. São Paulo:
Contexto, 2003.
ELIAS, Vanda Maria. (Org). Ensino de língua portuguesa: oralidade, escrita e leitura. São Paulo: Contexto,
2011.
FÁVERO, Leonor L. & KOCH, Ingedore G. V. Linguística Textual: Introdução. São Paulo: Cortez, 1983.
20
GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. Campinas, SP: Pontes,
1987.
KOCH, Ingedore G. Villaça. Introdução à Linguística Textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
KOCH e ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.
______ ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009.
KOCH, I. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 1987.
______. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 1989.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice LispectorColégio Santa Luzia
 
8º ano E. F. II - Transitividade verbal
8º ano E. F. II - Transitividade verbal8º ano E. F. II - Transitividade verbal
8º ano E. F. II - Transitividade verbalAngélica Manenti
 
Interdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeInterdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeMabel Teixeira
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptpnaicdertsis
 
Estratégias argumentativas no ENEM
Estratégias argumentativas no ENEMEstratégias argumentativas no ENEM
Estratégias argumentativas no ENEMma.no.el.ne.ves
 
Prova de Português com gabarito sobre Caramuru
Prova de Português com gabarito sobre CaramuruProva de Português com gabarito sobre Caramuru
Prova de Português com gabarito sobre CaramuruVal Valença
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoNAPNE
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaMarô de Paula
 
O índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileiraO índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileirama.no.el.ne.ves
 
Biografia carlos drummond de andrade
Biografia carlos drummond de andradeBiografia carlos drummond de andrade
Biografia carlos drummond de andradePaulo RAPHAEL Marques
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa Luciene Gomes
 

Mais procurados (20)

Poesia concreta
Poesia concretaPoesia concreta
Poesia concreta
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
 
8º ano E. F. II - Transitividade verbal
8º ano E. F. II - Transitividade verbal8º ano E. F. II - Transitividade verbal
8º ano E. F. II - Transitividade verbal
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Interdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeInterdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidade
 
Relato
RelatoRelato
Relato
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
 
Estratégias argumentativas no ENEM
Estratégias argumentativas no ENEMEstratégias argumentativas no ENEM
Estratégias argumentativas no ENEM
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Redação Enem
Redação EnemRedação Enem
Redação Enem
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Cecília meireles
Cecília meireles Cecília meireles
Cecília meireles
 
Conjunções subordinativas.pptx
Conjunções subordinativas.pptxConjunções subordinativas.pptx
Conjunções subordinativas.pptx
 
Prova de Português com gabarito sobre Caramuru
Prova de Português com gabarito sobre CaramuruProva de Português com gabarito sobre Caramuru
Prova de Português com gabarito sobre Caramuru
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 
O índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileiraO índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileira
 
Biografia carlos drummond de andrade
Biografia carlos drummond de andradeBiografia carlos drummond de andrade
Biografia carlos drummond de andrade
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 

Semelhante a Coesão (nelppe)

1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencialLuciene Gomes
 
Livros poliedro caderno 1 português
Livros poliedro   caderno 1 portuguêsLivros poliedro   caderno 1 português
Livros poliedro caderno 1 portuguêsClaudinei Pereria
 
Plano de aula agosto 2014 Olga Savary
Plano de aula agosto 2014 Olga SavaryPlano de aula agosto 2014 Olga Savary
Plano de aula agosto 2014 Olga SavaryVal Valença
 
Paulo ramos (unifesp)
Paulo ramos (unifesp)Paulo ramos (unifesp)
Paulo ramos (unifesp)Tiça Ribeiro
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.markedHELIO ALVES
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.markedHELIO ALVES
 
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresProalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresAna Paula Ferreira
 
Antonio candido na sala de aula
Antonio candido   na sala de aulaAntonio candido   na sala de aula
Antonio candido na sala de aulasuhwindflower
 
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...Luiz Roberto Dias de Melo
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textualRegis Regina
 
Introdução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaIntrodução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaFlavio Maia Custodio
 
Coesão e Coerência textual - material
Coesão  e Coerência  textual  - materialCoesão  e Coerência  textual  - material
Coesão e Coerência textual - materialMaiteFerreira4
 

Semelhante a Coesão (nelppe) (20)

Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
Resumo Tp5 Unid 19 20
Resumo   Tp5   Unid 19 20Resumo   Tp5   Unid 19 20
Resumo Tp5 Unid 19 20
 
Livros poliedro caderno 1 português
Livros poliedro   caderno 1 portuguêsLivros poliedro   caderno 1 português
Livros poliedro caderno 1 português
 
Plano de aula agosto 2014 Olga Savary
Plano de aula agosto 2014 Olga SavaryPlano de aula agosto 2014 Olga Savary
Plano de aula agosto 2014 Olga Savary
 
Texto narativo trabalho
Texto narativo trabalhoTexto narativo trabalho
Texto narativo trabalho
 
A ficção nas mídias
A ficção nas mídiasA ficção nas mídias
A ficção nas mídias
 
Paulo ramos (unifesp)
Paulo ramos (unifesp)Paulo ramos (unifesp)
Paulo ramos (unifesp)
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
COESÃO TEXTUAL.pdf
COESÃO TEXTUAL.pdfCOESÃO TEXTUAL.pdf
COESÃO TEXTUAL.pdf
 
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresProalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
 
Antonio candido na sala de aula
Antonio candido   na sala de aulaAntonio candido   na sala de aula
Antonio candido na sala de aula
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Introdução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaIntrodução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literatura
 
Coesão e Coerência textual - material
Coesão  e Coerência  textual  - materialCoesão  e Coerência  textual  - material
Coesão e Coerência textual - material
 

Último

INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 

Último (20)

INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 

Coesão (nelppe)

  • 1. ESTRATÉGIAS DE COESÃO REFERENCIAL E SEQUENCIAL Sônia Margarida Ribeiro Guedes
  • 2. PARA INÍCIO DE CONVERSA Na redação do ENEM, como em outras situações de escrita formal, exige-se a habilidade de empregar adequadamente os recursos coesivos, demonstrando conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. Em que consistem essa habilidade e esse conhecimento e como avaliá-los? Trata-se do processo de coesão, que diz respeito ao inter-relacionamento entre os elementos linguísticos do texto, e facilita ao leitor compreendê-lo como um todo que faz sentido e apreender sua orientação argumentativa.
  • 3. COESÃO TEXTUAL Para discutir a questão, vamos ler o texto: Fonte: Folha de S. Paulo, 19 fev. 2015.
  • 4. Observamos no texto três partes. Na primeira, (1) chama a nossa atenção, o uso de também indicando ideia de inclusão, de alinhamento à posição expressa no enunciado que o antecede. (2) destacamos: i) o uso de conjunções como seja...seja, porém, no encadeamento de enunciados; ii) o uso do pronome demonstrativo essa com a função de resumir e manter em foco o segmento textual entre aspas que o antecede.
  • 5. Na terceira parte, (3) notamos: i) o uso das conjunções ou, porque, mas no encadeamento de enunciados, indicando alternância, justificativa, oposição, respectivamente; ii) o uso do pronome pessoal na 3ª pessoa do singular – ela – na retomada do referente Folha.
  • 6. Então, o que é coesão? Koch (2004 p. 35) nos diz que “a coesão é a forma como os elementos linguísticos presentes na superfície textual se interligam, se interconectam, por meio de recursos também linguísticos, de modo a formar um tecido (tessitura), uma unidade de nível superior à da frase, que dela difere qualitativamente
  • 7. 1) por remissão a referentes do texto ou ancorados no texto (coesão referencial); Exemplo: ‘ela’, ‘essa’. 2) por sequenciação (coesão sequencial). Exemplo: ‘porque’, ‘mas’, ‘ou seja’.
  • 8. A coesão referencial É entendida como a forma pela qual podemos remeter um elemento linguístico a outros elementos no interior do texto.  A remissão pode ocorrer em um movimento retrospectivo (anafórico) ou em um movimento prospectivo (catafórico). Ou seja,  A forma referencial com função coesiva pode remeter a um referente que lhe é anterior (no caso da anáfora), ou a um referente que lhe é subsequente (no caso da catáfora).
  • 9. Vamos aos exemplos Fonte: CARPINEJAR, Fabrício. Clássicos da Twitteratura brasileira. São Paulo: Livraria da Villa, 2010. No texto, o pronome ‘ele’ retoma o referente que veio antes dele: o apaixonado. Trata-se de uma forma referencial anafórica.
  • 10. Eles eram pequenos, grandes ou enormes. Alguns corriam animados, outros --mais tímidos-- deitavam no chão. Todos eram cães de raça e estavam fantasiados para desfilar em um... shopping. Fonte: MACHADO, Leandro. “’Cãocurso’ elege pets mais bem fantasiados”. Folha de S. Paulo, 4 mar. 2014. Os pronomes eles (pessoal do caso reto), alguns e outros (pronomes indefinidos) remetem ao referente que vem depois deles: cães de raça. Trata-se de um procedimento catafórico cujo efeito de sentido é despertar a curiosidade do leitor e assim prender-lhe a atenção, visto que o referente só é anunciado mais adiante.
  • 11. Essesexemplos comentadosnos fazempensarque os recursosque promovema coesão referencialpodemser gramaticaisou lexicais . Os elementos de ordem gramatical podem ser:  Pronomes A derrota do Minotauro Quando os atenienses chegaram a Creta, a filha do rei Minos, Ariadne, apaixonou-se por Teseu. Ofereceu-lhe ajuda em troca da promessa de casamento, dando a ele um novelo de cordel. Teseu amarrou uma das pontas na entrada do labirinto e entrou, liberando a corda conforme caminhava. No meio do labirinto, lutou contra o Minotauro e o matou( Guia Ilustrado Zahar: Mitologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2010).
  • 12.  Numerais Buda Maria de Fátima da Silva, mãe do bailarino DG –assassinado em circunstâncias ainda não esclarecidas –, é medalhista de natação em águas abertas. Andréa Beltrão, minha parceira em "Tapas e Beijos", é colega dela na turma de nado do Posto 6 de Copacabana. Andréa mora na Atlântica, Maria de Fátima no morro do Cantagalo, mas as duas desfrutam do mesmo mar; junto com as tartarugas, os peixes e os sacos plásticos. (Fonte: TORRES, Fernanda. “Buda”. Folha de S. Paulo, 2 mai. 2014).  Artigos Chico na Alemanha “Não me ocorreria escrever esse livro com minha mãe viva”, diz Chico à Piauí deste mês, na única entrevista à imprensa sobre o romance “O Irmão Alemão”, que frequentou o topo das listas de mais vendidos em 2014. A revista acompanhou o escritor numa viagem à Alemanha após a descoberta do irmão Sérgio Günther, filho de um namoro da juventude de seu pai Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982). (Fonte: COZER, Raquel. “Chico na Alemanha”. Folha de S. Paulo, 3 jan. 2015).
  • 13. Coesão de ordem lexical  Advérbios locativos Fui fazer faculdade nos Estados Unidos em 1995 e depois voltei pra mais dois anos de mestrado lá. Saí mais otimista em relação ao Brasil do que quando cheguei. (Fonte: IOSCHPE, Gustavo. O que o Brasil quer ser quando crescer? São Paulo: Paralela, 2012).  Repetição ( total ou parcial) de um mesmo item lexical Desmantelo só quer começo Onze controles remotos, eis o surpreendente saldo da minha faxina: 11 controles remotos que há muito já não controlavam, mesmo que remotamente, coisa alguma. (Fonte: PRATA, Antônio. “Desmantelo só quer começo”. Folha de S. Paulo, 4 mai. 2014).
  • 14. Sinônimos ou quase sinônimos Folia e foliões Pensei em dois assuntos para esta crônica: o Carnaval e a estupefação da sociedade com a eleição dos novos presidentes do Congresso. Refletindo com certa calma, verifiquei que os dois temas, aparentemente tão conflitantes, no fundo são a mesma coisa: aquilo que em tempos idos chamavam de "folia". (Fonte: CONY, Carlos Heitor. “Folia e foliões”. Folha de S. Paulo, 10 fev. 2013). Nomes genéricos Carne artificial é apresentada e degustada em evento em Londres Hambúrguer foi criado a partir de células de músculo de vacas. O primeiro hambúrguer criado em laboratório foi apresentado e degustado ontem, em uma conferência em Londres, acompanhado de pão, alface e tomate. O produto, que saiu da placa de Petri e foi direto para a frigideira, foi provado por dois voluntários, que disseram, em frente às câmeras de TV, que o sabor se aproximava ao da carne de vaca. (Fonte: “Carne artificial é apresentada e degustada em evento em Londres”. Folha de S. Paulo, 8 ago. 2013).
  • 15. Expressões ou grupos nominais definidos Da janela da pequena casa de madeira que dividia com os pais e os três irmãos, Iagoara avistava seu quintal. As árvores da floresta amazônica e as águas do rio funcionavam como cenário das brincadeiras do indiozinho da etnia kambeba. Correr, subir em árvores, caçar, nadar e pescar eram as brincadeiras que faziam o tempo passar para os curumins em sua tribo, a cerca de quatro horas de barco de Manaus, em uma área de proteção ambiental do rio Negro. (Fonte: LAJOLO, Mariana. “Olimpíadas – tiro com arco”. Serafina, Folha de S. Paulo, abril 2015). Nominalização Uma vez anotei todas as senhas. Mas onde guardar a anotação? E como lembrar onde foi guardada, depois? Seria preciso outra anotação, com o lugar onde foi guardada, mas onde guardá-la? Não. Anotar também não é aconselhável. A conclusão é que o mais seguro de tudo é esquecê-las todas. Pronto. Estou completamente blindado, inclusive contra mim mesmo. Não sou eu para nada. Não existo. Melhor assim. (Fonte: TOLEDO, Roberto Pompeu de. “Perdido nas senhas”. Revista Veja, Edição 2419, Ano 48, Nº 13, 1º abril de 2014).
  • 16. Uma outra forma de remissão a referentes textuais é a elipse, ou seja, a omissão de um termo que pode ser facilmente recuperado pelo contexto linguístico. Em outras palavras, é o caso de uma substituição por zero. Desmantelo só quer começo Onze controles remotos, eis o surpreendente saldo da minha faxina: 11 controles remotos que há muito já não controlavam, mesmo que remotamente, coisa alguma. Ao longo dos anos, as TVs, aparelhos de som, DVDs e videocassetes (juro, até videocassetes) a que serviram foram partindo e deixando-os para trás: órfãos, sem ocupação ou residência fixa, vagavam pela casa ao sabor do acaso; erravam pelos planaltos das cômodas e acampavam nas cordilheiras dos sofás como paraquedistas caídos no deserto; escondiam-se em gavetas e estantes como aqueles soldados japoneses que, décadas após o fim da guerra, seguiam enfronhados na mata, temendo o inimigo. (Fonte: PRATA, Antônio. “Desmantelo só quer começo”. Folha de S. Paulo, 2014).
  • 17. Nos casos exemplificados, vimos que a coesão referencial se realiza por meio de recursos de ordem gramatical ou lexical, operando a remissão a elementos textuais anafórica ou cataforicamente. A coesão sequencial Diz respeito a procedimentos linguísticos por meio dos quais se estabelecem entre segmentos do texto (enunciados, partes de enunciados, parágrafos, sequencias textuais) diversos tipos de relações semânticas ou pragmático- discursivas, à medida que se faz o texto progredir ( KOCH, 2004).
  • 18. Estratégias de coesão referencial 1. uso de elementos de ordem gramatical: pronomes, numerais, artigos, advérbios locativos etc. 2. uso de elementos de ordem lexical: repetição de item lexical; sinônimos ou quase sinônimos, expressões nominais definidas, nominalizações, nomes genéricos, etc. 3. uso de elipse (substituição por zero) Estratégias de coesão sequencial 1. com reiteração de formas linguísticas: repetição, paralelismo, paráfrase 2. sem reiteração de formas linguísticas: - progressão temática (com tema constante, com temas variados, com progressão do tema de forma linear etc) - encadeamento (por justaposição e por conexão Recomendo: KOCH; I. ELIAS, V. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009.
  • 19. REFERÊNCIAS CASTILHO, Ataliba T. de; ELIAS, Vanda Maria. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012. CAVALCANTE, Mônica M; RODRIGUES, Bernardete B; CIULLA, Alena. (Orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. ELIAS, Vanda Maria. (Org). Ensino de língua portuguesa: oralidade, escrita e leitura. São Paulo: Contexto, 2011. FÁVERO, Leonor L. & KOCH, Ingedore G. V. Linguística Textual: Introdução. São Paulo: Cortez, 1983. 20 GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. Campinas, SP: Pontes, 1987. KOCH, Ingedore G. Villaça. Introdução à Linguística Textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004. KOCH e ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006. ______ ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009. KOCH, I. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 1987. ______. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 1989.

Notas do Editor

  1. 1. Isso significa que a coesão é um trabalho linguístico co-construído pelos interlocutores no discurso. De um lado, o locutor seleciona recursos que, contribuindo para a tessitura do texto, manifestam seu ponto de vista, os efeitos de sentido que intenciona suscitar. De outro lado, o interlocutor, para produzir sua compreensão, leva em conta a materialidade linguística do texto, promovendo a articulação entre elementos tomados como inter-relacionáveis.
  2. Voltando ao exemplo 1, é possível afirmar que a conexão entre partes do texto pode acontecer de duas grandes formas:
  3. os pronomes destacados (pessoais do caso oblíquo lhe e o; pessoal do caso reto: ele) são anafóricos: retomam e mantêm em foco os referentes: Teseu (lhe, ele); Minotauro (o).
  4. 1.A expressão as duas, que tem como núcleo um numeral cardinal, remete aos referentes introduzidos anteriormente: Maria de Fátima da Silva e Andréa Beltrão. 2. Nas formas nominais referenciais a revista e o escritor, o artigo definido indica que se trata de referentes já apresentados no texto e facilmente identificados: (a revista – Piauí; o escritor – Chico).
  5. 1. O advérbio lá funcionam coesivamente, pois remete aos referentes antes introduzido: Os Estados Unidos
  6. No exemplo, a expressão nominal definida o indiozinho da etnia kambeba serve para retomar de forma descritiva o referente Iagoara. 2. Podemos transformar verbos em formas nominalizadoras ou nomes deverbais e, assim, promover a conexão entre enunciados. É o que acontece no exemplo com a anotação, uma nominalização do verbo anotar que aparece anteriormente na forma do pretérito perfeito do indicativo – primeira pessoa do singular: anotei.
  7. No texto, o referente onze controles remotos, introduzido no primeiro parágrafo, se mantém em foco, mas de forma elíptica, no segundo parágrafo. Basta observarmos no contexto linguístico que as formas verbais vagavam, erravam, acampavam, escondiam-se concordam com esse referente.
  8. Nesta parte irei dar só uma pincelada em decorrência do tempo.