SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
CiênciaPolítica
Prolegômenos à Ciência Política
Prof. Me. Israel Serique
CiênciaPolítica A Ciência Política é:
A teoria e a prática da política e a descrição e análise dos sistemas
políticos e do comportamento político.
A Ciência Política abrange:
Os diversos campos do conhecimento humano, com vistas a melhor
entender os fatos, teorias, comportamentos e sistemas políticos.
A Ciência Política utiliza metodologias como:
Interpretacionaismo, estruturalismo, behaviorismo, racionalismo etc
Pesquisas em documentos históricos, registros oficiais etc.
Artigos acadêmicos, pesquisas de campo, análise estatística etc.
CiênciaPolítica Prismas de análise da Ciência Política
Pelo Prisma filosófico, a Ciência Política estuda os fatos, as
instituições e as ideias.
a. Considerando o passado: como foram ou deveria ter sido.
b. Compreendendo o presente: como são ou devem ser.
c. Projetando o futuro: como serão ou deverão ser.
Pelo prisma sociológico, a Ciência Política é a teoria do Estado, pois
o Estado é fenômeno social por excelência.
Pelo prisma jurídico, é o estudo do Direito Político. Nisto, como diz
Kelsen, o Estado pertence ao mundo do “dever ser”. A força coercitiva do
Estado significa o grau de eficácia da regra do direito, ou seja, a norma
jurídica. O Estado é a organização do poder
CiênciaPolítica Teses sobre o objeto de estudos da Ciência Política
a. A ciência Política é a ciência do Estado
Desde a Grécia a ação política é ligada ao Estado
b. A Ciência Política é a ciência do poder
As modalidades de exercício do poder, a concentração do poder
interessam à Ciência Política.
A manifestação de poder define-se pela capacidade de “obrigar”
outros a aceitarem ou adotarem um determinado comportamento, valor
etc.
c. A Ciência Política é a ciência do poder político
A ciência Política estuda o poder gerado socialmente e
politicamente organizado e estruturado.
d. A ciência Política é a Ciência dos Sistemas Políticos
CiênciaPolítica d. A ciência Política é a Ciência dos Sistemas Políticos
Estuda o conjunto de interações através da qual se processa a
distribuição autoritária de valores numa determinada sociedade.
Estuda as maneiras complexas e variáveis como os diversos sistemas
procedem ao estabelecimento imperativo de valores.
Estuda o Estado e as suas relações com os grupos humanos, os
agentes políticos internos que lutam pela conquista, aquisição e pelo
exercício do poder, ou pelo menos de influenciá-lo, visando a satisfação
dos seus interesses.
Estuda os agentes políticos internacionais que influenciam ou
tentam influenciar o comportamento dos órgãos que no quadro de uma
sociedade nacional exercem o poder político máximo.
CiênciaPolíticaUtilidade da Ciência Política
A utilidade da Ciência Política baseia-se na existência de uma
disciplina que consiga sistematizar os processos, movimentos e
instituições políticas, isto é, os fenômenos políticos.
Ajuda, através dos seus instrumentos analíticos e teorias a uma
melhor compreensão dos sistemas políticos e seu aperfeiçoamento.
Permite aos cidadãos mais esclarecidos intervir na legitimação do
poder e participar de forma ativa na vida política dos Estados.
CiênciaPolítica Breve Histórico da Ciência Política: Pensadores
a. Aristóteles
Para este filósofo grego, a política deveria
estudar a pólis , as suas estruturas e instituições (a sua
constituição e conduta).
Ele é considerado o pai da Ciência Política, pois
considerou a política a ciência “maior”.
Preocupava-se com um governo capaz de garantir o bem-estar geral
(o bom governo).
CiênciaPolítica b. Maquiavel
No século XVI, Maquiavel se mostrou preocupado
com a criação de um governo eficaz, que unisse e
secularizasse a Itália.
Através de sua obra “O príncipe”, defende um
príncipe ou dirigente de governo sem preocupações
morais e éticas, um dirigente que não olha a
sensibilidade para atingir seus fins.
A Política era, assim, a arte de governar, ou seja, uma técnica que
permitia ao dirigente ou governante alcançar os fins independentes dos
meios. Estes fins diziam respeito aquilo que era pessoal e não geral.
Em seus escritos, usou o método comparativo-histórico, fazendo
comparação entre dirigentes da sua época e de épocas anteriores.
Introduziu e reforçou a importância do Estado e da Instituição
Estatal.
CiênciaPolítica c. Jean Bodin
No século XVI, Bodin escreveu “República”. Obra
que era uma sistematização e explicação dos fenômenos
políticos.
Ele concede relevância à ideia de soberania do
Estado.
Para este autor, soberania é um poder tal que não há igual na ordem
interna (escola, família, igreja, empresa etc.) e nem reconhece superior na
ordem externa (comunidade internacional).
Ele considera que o Estado está divido em ordem interna e ordem
externa; e apenas considera um Estado soberano, se este for superior
nestas duas dimensões.
O Rei não está sujeito a condições postas pelo povo; todo o poder
do Estado pertence ao Rei e não pode ser partilhado com mais ninguém
(clero, nobreza ou povo).
A soberania se manifesta, principalmente, pela constituição de um
sistema de normas jurídicas capaz de estabelecer as pautas fundamentais
do comportamento humano.
CiênciaPolítica d. Montesquieu
No século XVIII, Montesquieu, em pleno
Iluminismo, difunde ideias políticas que têm por base a
ação humana.
Este posicionamento surge como alternativa às
ideias de Aristóteles, chamando a atenção para a
“natureza das coisas” a partir de suas idiossincrasias, ou
seja, pelo conjunto de ações e modo próprio de um
determinado grupo social.
Deu importância à geografia do Estado e a geopolítica se tornou
relevante na análise política.
O despotismo deveria ser afastado pois, na República o poder
pertence ao povo ou à parcela esclarecida deste; na monarquia o poder
pertence ao monarca, ao passo que no despotismo o poder pertence a
um indivíduo, que governa sem honra e utiliza o terror e a violência como
forma de governo.
Para não se cair no despotismo, Montesquieu idealiza a separação
institucional do poder a fim de que este não caia na mão de uma só
pessoa.
CiênciaPolítica e. Augusto Comte
No século XIX, surgiu Augusto Comte.
Reconhecido como sendo o pai do Positivismo. Uma
doutrina filosófica, sociológica e política, surgida como
desenvolvimento sociológico do iluminismo, das crises social e
moral do fim da Idade Média e do nascimento da sociedade
industrial.
De acordo com os positivistas somente pode-se afirmar que uma teoria é
correta se ela foi comprovada através de métodos científicos válidos. Os positivistas
não consideram os conhecimentos ligados as crenças, superstição ou qualquer
outro que não possa ser comprovado cientificamente. Para eles, o progresso da
humanidade depende exclusivamente dos avanços científicos.
Este Positivismo propunha à existência humana valores completamente
humanos, afastando radicalmente a Teologia e a Metafísica (embora incorporando-
as em uma filosofia da história). Assim, o positivismo associa uma interpretação das
ciências e uma classificação do conhecimento a uma ética humana radical.
Redigiu o Sistema de política positiva entre 1851 e 1854, no qual expôs
algumas das principais consequências de sua concepção de mundo não-teológica e
não-metafisica, propondo uma interpretação pura e plenamente humana para a
sociedade e sugerindo soluções para os problemas sociais.
CiênciaPolítica g. Karl Marx
Marx (século XIX) introduziu uma nova perspectiva de
abordagem dos fenômenos políticos e de poder, uma vez que
fez uma análise do ponto de vista econômico e social.
Segundo Marx, o fenômeno político e uma consequencia
das relações de produção, e o regime político era o reflexo da
organização das forças produtivas.
As teorias de Marx sobre a sociedade, a economia e a política - conhecidas
coletivamente como marxismo - afirmam que as sociedades humanas progridem
através da luta de classes: um conflito entre a classe burguesa que controla a
produção e um proletariado que fornece a mão de obra para a produção.
Ele chamou o capitalismo de "a ditadura da burguesia", acreditando que seja
executada pelas classes ricas para seu próprio benefício, Marx previu que, assim
como os sistemas socioeconômicos anteriores, o capitalismo produziria tensões
internas que conduziriam à sua auto-destruição e substituição por um novo
sistema: o socialismo.
Ele argumentou que uma sociedade socialista seria governada pela classe
trabalhadora a qual ele chamou de "ditadura do proletariado", o "estado dos
trabalhadores" ou "democracia dos trabalhadores"
CiênciaPolítica
Profº Ms. Israel Serique dos Santos [Doutorando e Mestre em
Ciências da Religião (PUC-Goiás); Licenciado em Pedagogia (UVA-Ceará) e
História (UVA-Ceará)]; Bacharel em Teologia (FACETEN-Roraima); licenciando
em Matemática (UNIFAN-Goiás).
e-mail: israelserique@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Paula Raphaela
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultProf. Noe Assunção
 
Formas de estado, formas e sistemas de governo
Formas de estado, formas e sistemas de governoFormas de estado, formas e sistemas de governo
Formas de estado, formas e sistemas de governoJosé Amaral
 
Filosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geralFilosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geralLuci Bonini
 
O CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe Assunção
O CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe AssunçãoO CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe Assunção
O CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeTurma Olímpica
 
Introdução à Ciência Política
Introdução à Ciência PolíticaIntrodução à Ciência Política
Introdução à Ciência Política17112011
 
Separação dos poderes
Separação dos poderesSeparação dos poderes
Separação dos poderesDireito Nabuco
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologiaLucio Oliveira
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Alfredo Garcia
 

Mais procurados (20)

Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
Formas de estado, formas e sistemas de governo
Formas de estado, formas e sistemas de governoFormas de estado, formas e sistemas de governo
Formas de estado, formas e sistemas de governo
 
Filosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geralFilosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geral
 
O CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe Assunção
O CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe AssunçãoO CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe Assunção
O CONCEITO DE ESTADO - Prof. Noe Assunção
 
Partidos políticos e eleições
Partidos políticos e eleiçõesPartidos políticos e eleições
Partidos políticos e eleições
 
Estado e direito
Estado e direitoEstado e direito
Estado e direito
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Introdução à Ciência Política
Introdução à Ciência PolíticaIntrodução à Ciência Política
Introdução à Ciência Política
 
Separação dos poderes
Separação dos poderesSeparação dos poderes
Separação dos poderes
 
O Que é PolíTica
O Que é PolíTicaO Que é PolíTica
O Que é PolíTica
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?
 

Destaque

Ciencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosCiencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosLucas Lima Silva
 
2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, Complexidade
2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, Complexidade2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, Complexidade
2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, ComplexidadeLuisMorgado
 
Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5Israel serique
 
Ciência Política: Bonavides 1 e 2
Ciência Política: Bonavides 1 e 2Ciência Política: Bonavides 1 e 2
Ciência Política: Bonavides 1 e 2Israel serique
 
Introdução à ciencia politica uab
Introdução à ciencia politica   uabIntrodução à ciencia politica   uab
Introdução à ciencia politica uabEspi Sul
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
RenascimentoKaryn XP
 
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°Josivane Love
 
CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013
CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013
CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013Carlos Benjoino Bidu
 
Apostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medievalApostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medievalericksonnb
 
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...200166754
 
Iluminismo 2010
Iluminismo 2010Iluminismo 2010
Iluminismo 2010BriefCase
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo SubjetivoGrupo VAHALI
 

Destaque (20)

Ciencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosCiencia politica conceitos
Ciencia politica conceitos
 
2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, Complexidade
2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, Complexidade2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, Complexidade
2010 ucv-tema 2 - Arquitectura, Complexidade
 
Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5
 
Ciência política1
Ciência política1Ciência política1
Ciência política1
 
Ciência Política: Bonavides 1 e 2
Ciência Política: Bonavides 1 e 2Ciência Política: Bonavides 1 e 2
Ciência Política: Bonavides 1 e 2
 
Introdução à ciencia politica uab
Introdução à ciencia politica   uabIntrodução à ciencia politica   uab
Introdução à ciencia politica uab
 
Ciencia Politica[1]
Ciencia Politica[1]Ciencia Politica[1]
Ciencia Politica[1]
 
V elemento apresentacão
V elemento   apresentacãoV elemento   apresentacão
V elemento apresentacão
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Ciência política2
Ciência política2Ciência política2
Ciência política2
 
Iluminismo - vestibular
Iluminismo - vestibularIluminismo - vestibular
Iluminismo - vestibular
 
Ciência política
Ciência política Ciência política
Ciência política
 
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
 
CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013
CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013
CINE HISTÓRIA MASTER - RESUMO DE 2012 E 2013
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Apostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medievalApostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medieval
 
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo 2010
Iluminismo 2010Iluminismo 2010
Iluminismo 2010
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
 

Semelhante a Ciência Política: Introdução

ciencia_politica.ppt
ciencia_politica.pptciencia_politica.ppt
ciencia_politica.pptYuriLima27660
 
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.pptAula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.pptdramagnoliaaleixoadv
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia políticaricardo13613
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política Elson Junior
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência políticaDiogo Jucá
 
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeterResenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeterJuscislayne Bianca
 
Filosofia unidade v
Filosofia unidade vFilosofia unidade v
Filosofia unidade vjoao paulo
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvrose soratto
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013joao paulo
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013joao paulo
 
Aula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos ImportanciaAula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos Importanciapolianna
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e EstadoMary Alvarenga
 
Filosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica BlogFilosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica Blogguestc51fe5
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSilvana
 
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45Ana Silva
 

Semelhante a Ciência Política: Introdução (20)

ciencia_politica.ppt
ciencia_politica.pptciencia_politica.ppt
ciencia_politica.ppt
 
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.pptAula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
 
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeterResenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
 
Filosofia unidade v
Filosofia unidade vFilosofia unidade v
Filosofia unidade v
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Política
PolíticaPolítica
Política
 
Aula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos ImportanciaAula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos Importancia
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
 
Filosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica BlogFilosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica Blog
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
 
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45
 
Castro gomez
Castro gomezCastro gomez
Castro gomez
 

Mais de Israel serique

Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAIsrael serique
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicasIsrael serique
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Israel serique
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1Israel serique
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Israel serique
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Israel serique
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Israel serique
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideIsrael serique
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideIsrael serique
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Israel serique
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Israel serique
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosIsrael serique
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãoIsrael serique
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosIsrael serique
 

Mais de Israel serique (20)

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
 

Último

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 

Último (20)

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 

Ciência Política: Introdução

  • 1. CiênciaPolítica Prolegômenos à Ciência Política Prof. Me. Israel Serique
  • 2. CiênciaPolítica A Ciência Política é: A teoria e a prática da política e a descrição e análise dos sistemas políticos e do comportamento político. A Ciência Política abrange: Os diversos campos do conhecimento humano, com vistas a melhor entender os fatos, teorias, comportamentos e sistemas políticos. A Ciência Política utiliza metodologias como: Interpretacionaismo, estruturalismo, behaviorismo, racionalismo etc Pesquisas em documentos históricos, registros oficiais etc. Artigos acadêmicos, pesquisas de campo, análise estatística etc.
  • 3. CiênciaPolítica Prismas de análise da Ciência Política Pelo Prisma filosófico, a Ciência Política estuda os fatos, as instituições e as ideias. a. Considerando o passado: como foram ou deveria ter sido. b. Compreendendo o presente: como são ou devem ser. c. Projetando o futuro: como serão ou deverão ser. Pelo prisma sociológico, a Ciência Política é a teoria do Estado, pois o Estado é fenômeno social por excelência. Pelo prisma jurídico, é o estudo do Direito Político. Nisto, como diz Kelsen, o Estado pertence ao mundo do “dever ser”. A força coercitiva do Estado significa o grau de eficácia da regra do direito, ou seja, a norma jurídica. O Estado é a organização do poder
  • 4. CiênciaPolítica Teses sobre o objeto de estudos da Ciência Política a. A ciência Política é a ciência do Estado Desde a Grécia a ação política é ligada ao Estado b. A Ciência Política é a ciência do poder As modalidades de exercício do poder, a concentração do poder interessam à Ciência Política. A manifestação de poder define-se pela capacidade de “obrigar” outros a aceitarem ou adotarem um determinado comportamento, valor etc. c. A Ciência Política é a ciência do poder político A ciência Política estuda o poder gerado socialmente e politicamente organizado e estruturado. d. A ciência Política é a Ciência dos Sistemas Políticos
  • 5. CiênciaPolítica d. A ciência Política é a Ciência dos Sistemas Políticos Estuda o conjunto de interações através da qual se processa a distribuição autoritária de valores numa determinada sociedade. Estuda as maneiras complexas e variáveis como os diversos sistemas procedem ao estabelecimento imperativo de valores. Estuda o Estado e as suas relações com os grupos humanos, os agentes políticos internos que lutam pela conquista, aquisição e pelo exercício do poder, ou pelo menos de influenciá-lo, visando a satisfação dos seus interesses. Estuda os agentes políticos internacionais que influenciam ou tentam influenciar o comportamento dos órgãos que no quadro de uma sociedade nacional exercem o poder político máximo.
  • 6. CiênciaPolíticaUtilidade da Ciência Política A utilidade da Ciência Política baseia-se na existência de uma disciplina que consiga sistematizar os processos, movimentos e instituições políticas, isto é, os fenômenos políticos. Ajuda, através dos seus instrumentos analíticos e teorias a uma melhor compreensão dos sistemas políticos e seu aperfeiçoamento. Permite aos cidadãos mais esclarecidos intervir na legitimação do poder e participar de forma ativa na vida política dos Estados.
  • 7. CiênciaPolítica Breve Histórico da Ciência Política: Pensadores a. Aristóteles Para este filósofo grego, a política deveria estudar a pólis , as suas estruturas e instituições (a sua constituição e conduta). Ele é considerado o pai da Ciência Política, pois considerou a política a ciência “maior”. Preocupava-se com um governo capaz de garantir o bem-estar geral (o bom governo).
  • 8. CiênciaPolítica b. Maquiavel No século XVI, Maquiavel se mostrou preocupado com a criação de um governo eficaz, que unisse e secularizasse a Itália. Através de sua obra “O príncipe”, defende um príncipe ou dirigente de governo sem preocupações morais e éticas, um dirigente que não olha a sensibilidade para atingir seus fins. A Política era, assim, a arte de governar, ou seja, uma técnica que permitia ao dirigente ou governante alcançar os fins independentes dos meios. Estes fins diziam respeito aquilo que era pessoal e não geral. Em seus escritos, usou o método comparativo-histórico, fazendo comparação entre dirigentes da sua época e de épocas anteriores. Introduziu e reforçou a importância do Estado e da Instituição Estatal.
  • 9. CiênciaPolítica c. Jean Bodin No século XVI, Bodin escreveu “República”. Obra que era uma sistematização e explicação dos fenômenos políticos. Ele concede relevância à ideia de soberania do Estado. Para este autor, soberania é um poder tal que não há igual na ordem interna (escola, família, igreja, empresa etc.) e nem reconhece superior na ordem externa (comunidade internacional). Ele considera que o Estado está divido em ordem interna e ordem externa; e apenas considera um Estado soberano, se este for superior nestas duas dimensões. O Rei não está sujeito a condições postas pelo povo; todo o poder do Estado pertence ao Rei e não pode ser partilhado com mais ninguém (clero, nobreza ou povo). A soberania se manifesta, principalmente, pela constituição de um sistema de normas jurídicas capaz de estabelecer as pautas fundamentais do comportamento humano.
  • 10. CiênciaPolítica d. Montesquieu No século XVIII, Montesquieu, em pleno Iluminismo, difunde ideias políticas que têm por base a ação humana. Este posicionamento surge como alternativa às ideias de Aristóteles, chamando a atenção para a “natureza das coisas” a partir de suas idiossincrasias, ou seja, pelo conjunto de ações e modo próprio de um determinado grupo social. Deu importância à geografia do Estado e a geopolítica se tornou relevante na análise política. O despotismo deveria ser afastado pois, na República o poder pertence ao povo ou à parcela esclarecida deste; na monarquia o poder pertence ao monarca, ao passo que no despotismo o poder pertence a um indivíduo, que governa sem honra e utiliza o terror e a violência como forma de governo. Para não se cair no despotismo, Montesquieu idealiza a separação institucional do poder a fim de que este não caia na mão de uma só pessoa.
  • 11. CiênciaPolítica e. Augusto Comte No século XIX, surgiu Augusto Comte. Reconhecido como sendo o pai do Positivismo. Uma doutrina filosófica, sociológica e política, surgida como desenvolvimento sociológico do iluminismo, das crises social e moral do fim da Idade Média e do nascimento da sociedade industrial. De acordo com os positivistas somente pode-se afirmar que uma teoria é correta se ela foi comprovada através de métodos científicos válidos. Os positivistas não consideram os conhecimentos ligados as crenças, superstição ou qualquer outro que não possa ser comprovado cientificamente. Para eles, o progresso da humanidade depende exclusivamente dos avanços científicos. Este Positivismo propunha à existência humana valores completamente humanos, afastando radicalmente a Teologia e a Metafísica (embora incorporando- as em uma filosofia da história). Assim, o positivismo associa uma interpretação das ciências e uma classificação do conhecimento a uma ética humana radical. Redigiu o Sistema de política positiva entre 1851 e 1854, no qual expôs algumas das principais consequências de sua concepção de mundo não-teológica e não-metafisica, propondo uma interpretação pura e plenamente humana para a sociedade e sugerindo soluções para os problemas sociais.
  • 12. CiênciaPolítica g. Karl Marx Marx (século XIX) introduziu uma nova perspectiva de abordagem dos fenômenos políticos e de poder, uma vez que fez uma análise do ponto de vista econômico e social. Segundo Marx, o fenômeno político e uma consequencia das relações de produção, e o regime político era o reflexo da organização das forças produtivas. As teorias de Marx sobre a sociedade, a economia e a política - conhecidas coletivamente como marxismo - afirmam que as sociedades humanas progridem através da luta de classes: um conflito entre a classe burguesa que controla a produção e um proletariado que fornece a mão de obra para a produção. Ele chamou o capitalismo de "a ditadura da burguesia", acreditando que seja executada pelas classes ricas para seu próprio benefício, Marx previu que, assim como os sistemas socioeconômicos anteriores, o capitalismo produziria tensões internas que conduziriam à sua auto-destruição e substituição por um novo sistema: o socialismo. Ele argumentou que uma sociedade socialista seria governada pela classe trabalhadora a qual ele chamou de "ditadura do proletariado", o "estado dos trabalhadores" ou "democracia dos trabalhadores"
  • 13. CiênciaPolítica Profº Ms. Israel Serique dos Santos [Doutorando e Mestre em Ciências da Religião (PUC-Goiás); Licenciado em Pedagogia (UVA-Ceará) e História (UVA-Ceará)]; Bacharel em Teologia (FACETEN-Roraima); licenciando em Matemática (UNIFAN-Goiás). e-mail: israelserique@gmail.com