Ciência Política: Bonavides 1 e 2

1.440 visualizações

Publicada em

Ciência Política: Bonavides 1 e 2

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Ciência Política: Bonavides 1 e 2

  1. 1. CiênciaPolítica Ciência Política (Paulo Bonavides - 2013) Prof. Me. Israel Serique
  2. 2. CiênciaPolítica 1. CONCEITO DE CIÊNCIA De Aristóteles a Kant não se fazia discriminação entre os conceitos de ciência e Filosofia. A separação conceitual pertence à idade moderna, na medida em que aumenta o hiato entre as posições metafísicas e naturalistas. Para Kant, a ciência seria toda série de conhecimentos sistematizados ou coordenador mediante princípios; tudo que possa ser objeto de certeza apodítica (relativo aquilo que é evidente). A filosofia kantiana abriu portas para o desenvolvimentos de teses antiespiritualistas e para atitudes secularizadas no pensamento filosófico. Segundo Comte, as ciências são abstratas e concretas. As abstratas se ocupam das leis que governam os fatos, e as concretas se referem a aspectos particulares dos fenômenos (ex. a geologia e a mineração em relação à Física). Segundo Comte, as ciências seriam seriadas de tal sorte que uma ciência seguinte dependeria da antecedente, mas não vice-versa. A partir do iluminismo, a ciência tornou-se uma prática humana, construída a partir das observações e conclusões humanas, a respeito do mundo e suas multiformes dimensões.
  3. 3. CiênciaPolítica 2. NATURALISTAS “VERSUS” IDEALISTAS Já se pode falar com mais segurança em dois mundos distintos: o da natureza e o da sociedade. No mundo da natureza: a. Há leis naturais, fixas, permanentes, eternas, imutáveis com toda inviolabilidade do determinismo físico-mecânico; b. Este mundo é homogêneo; c. Neste há conservação, certeza, uniformidade, repetição; d. Na natureza, basta um fenômeno para levar à lei geral; basta um exemplar da série para conhecer-se toda a espécie. No mundo da sociedade: a. Neste mundo imperam as mudanças, as diferenciações, o desenvolvimento; b. Ele é heterogêneo; c. Neste rege a infinita diversidade, a probabilidade, o desenvolvimento, a teleologia (doutrina que identifica a presença de metas, fins ou objetivos últimos guiando e explicando as coisas). d. Na sociedade tudo se passa de modo distinto e cada fenômeno é, em si mesmo, uma espécie única, algo que existiu uma só vez e que nunca existirá em condições idênticas, se não, na melhor dos casos, em condições análogas. Pelo estudo da história podemos dizer que o conceito de ciência passou por um processo de refinamento e precisão conceitual na medida em que o ser humano foi se distanciando das explicações metafísicas e filosóficas das realidades humanas e naturais, em prol de explicações racionais e naturalistas.
  4. 4. CiênciaPolítica 2. PRISMAS DE ANÁLISE DA CIÊNCIA POLÍTICA PRISMA FILOSÓFICO No sentido lato, a ciência política tem por objeto o estudo dos acontecimentos, das instituições e das ideias políticas, tanto no sentido teórico (doutrina) como no sentido prático (arte), referido ao passado, presente e futuro. PRISMA SOCIOLÓGICO É o estudo das raízes históricas da evolução política, a partir do postulado que a mesma é um construto tipicamente humano e construído a partir das interações e interesses humanos. PRISMA JURÍDICO É o estudo do Direito Político em seu corpo de normas. Segundo Kelsen, Estado pertence ao mundo do “dever-ser”. A teoria de Kelsen retira do conceito de Estado as implicações de ordem moral, ética, histórica, sociológica, criando o Estado como puro conceito. Essa teoria poderia apagar a consciência do jurista a favor de ações de poder injustas. A Alemanha Nazista é um exemplo de um positivismo normativista, à maneira Kelseniana. TENDÊNCIAS COMTEMPORÂNEAS PARA O TRIDIMENCIONALISMO Os fatos políticos devam ser analisados pelas perspectivas filosóficas, sociológicas e jurídicas, pois estes elementos contribuem para uma melhor análise da realidade politica de uma nação.
  5. 5. CiênciaPolítica A CIÊNCIA POLÍTICA E AS DEMAIS CIÊNCIAS SOCIAIS 1. A ciência politica e o Direito Constitucional 2. A ciência politica e a Economia 3. A ciência politica e a Psicologia 4. A ciência politica e a Sociologia
  6. 6. CiênciaPolítica Profº Ms. Israel Serique dos Santos [Doutorando e Mestre em Ciências da Religião (PUC-Goiás); Licenciado em Pedagogia (UVA-Ceará) e História (UVA-Ceará)]; Bacharel em Teologia (FACETEN-Roraima); licenciando em Matemática (UNIFAN-Goiás). e-mail: israelserique@gmail.com

×