SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
O SER HUMANO E A LINGUAGEM
1. A inteligência é o mecanismo de adaptação do organismo a uma situação
nova e, como tal, implica a construção contínua de novas estruturas.
Esta adaptação refere-se ao mundo exterior, como toda adaptação biológica.
Os indivíduos se desenvolvem intelectualmente a partir de exercícios e
estímulos oferecidos pelo meio que os cercam.
A inteligência pode ser exercitada, buscando um aperfeiçoamento de
potencialidades, que evolui "desde o nível mais primitivo da existência,
caracterizado por trocas bioquímicas até o nível das trocas simbólicas"
(RAMOZZI-CHIAROTTINO apud CHIABAI, 1990, p. 3).
...PIAGET...
2. O comportamento dos seres vivos não é inato, nem resultado de condicionamentos.
O comportamento é construído numa interação entre o meio e o indivíduo.
Esta teoria epistemológica (epistemo = conhecimento; e logia = estudo) é
caracterizada como interacionista.
A inteligência do indivíduo, como adaptação a situações novas, portanto,
está relacionada com a complexidade desta interação do indivíduo com o meio.
Quanto mais complexa for a interação, mais “inteligente” será o indivíduo.
As teorias permitem que os pedagogos tracem uma metodologia baseada
em suas descobertas.
3. “Não existe estrutura sem gênese, nem gênese sem estrutura” (Piaget).
A estrutura de maturação do indivíduo sofre um processo genético e a gênese depende de uma estrutura
de maturação.
O indivíduo só recebe um determinado conhecimento se estiver preparado para recebê-lo. Ou seja, se
puder agir sobre o objeto de conhecimento para inseri-lo num sistema de relações.
Não existe um novo conhecimento sem que o organismo tenha já um conhecimento anterior para poder
assimilá-lo e transformá-lo.
Assimilação: incorpora a seus quadros todo o dado da experiência ou estruturação por
incorporação da realidade exterior a formas devidas à atividade do sujeito (Piaget,
1982).
Acomodação: a estrutura se modifica em função do meio, de suas variações.
A adaptação intelectual constitui-se então em um "equilíbrio progressivo entre um mecanismo assimilador
e uma acomodação complementar" (Piaget, 1982).
Piaget situa, segundo Dolle, o problema epistemológico, o do conhecimento, ao nível de uma interação
entre o sujeito e o objeto. E "essa dialética resolve todos os conflitos nascidos das teorias, associacionistas,
empiristas, genéticas sem estrutura, estruturalistas sem gênese, etc. ... e permite seguir fases sucessivas da
construção progressiva do conhecimento" (1974, p. 52).
4. O desenvolvimento do indivíduo inicia-se no período intra-uterino e vai até aos 15 ou 16 anos.
Piaget diz que a embriologia humana evolui também após o nascimento,
criando estruturas cada vez mais complexas.
A construção da inteligência dá-se, portanto em etapas sucessivas, com
complexidades crescentes, encadeadas umas às outras. A isto Piaget chamou de
“construtivismo sequencial”.
..OS PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO MOTOR, VERBAL E MENTAL..
A. Período Sensório-Motor
Do nascimento aos 2 anos, aproximadamente.
A ausência da função semiótica é a principal característica deste período.
A inteligência trabalha através das percepções (simbólico) e das ações (motor)
através dos deslocamentos do próprio corpo.
É uma inteligência iminentemente prática.
Sua linguagem vai da ecolalia (repetição de sílabas) à palavra-frase ("água"
para dizer que quer beber água) já que não representa mentalmente o objeto e as
ações.
Sua conduta social, neste período, é de isolamento e diferenciação (o mundo é
ele).
B. Período Simbólico
Dos 2 anos aos 4 anos, aproximadamente.
Neste período surge a função semiótica que permite o surgimento da linguagem, do desenho, da
imitação, da dramatização etc.
A partir deste período pode-se criar imagens mentais na ausência do objeto ou da ação.
É o período da fantasia, do faz de conta, do jogo simbólico.
Com a capacidade de formar imagens mentais pode transformar o objeto numa satisfação de seu prazer
(uma caixa de fósforo em carrinho, por exemplo). É também o período em que o indivíduo “dá alma” (animismo)
aos objetos ("o carro do papai foi 'dormir' na garagem").
A linguagem está a nível de monólogo coletivo, ou seja, todos falam ao mesmo tempo sem que respondam
as argumentações dos outros. Duas crianças “conversando” dizem frases que não têm relação com a frase que
o outro está dizendo. Sua socialização é vivida de forma isolada, mas dentro do coletivo. Não há liderança e os
pares são constantemente trocados.
C. Período Intuitivo
Dos 4 anos aos 7 anos, aproximadamente.
Neste período já existe um desejo de explicação dos fenômenos. É a “idade dos porquês”, pois o indivíduo
pergunta o tempo todo.
Distingue a fantasia do real, podendo dramatizar a fantasia sem que acredite nela.
Seu pensamento continua centrado no seu próprio ponto de vista. Já é capaz de organizar coleções e
conjuntos sem, no entanto, incluir conjuntos menores em conjuntos maiores (rosas no conjunto de flores, por
exemplo).
Quanto à linguagem não mantém uma conversação longa mas já é capaz de adaptar sua resposta às
palavras do companheiro.
Ao final deste período a criança já possui estruturas cognitivas adequadas ao processo inicial da
alfabetização.
Os Períodos Simbólico e Intuitivo são também comumente apresentados como Período Pré-Operatório.
D. Período Operatório Concreto
Dos 7 anos aos 11 anos, aproximadamente.
É o período em que o indivíduo consolida as conservações de número, substância, volume e peso.
Já é capaz de ordenar elementos por seu tamanho (grandeza), incluindo conjuntos, organizando então o
mundo de forma lógica ou operatória.
Sua organização social é a de bando, podendo participar de grupos maiores, chefiando e admitindo a
chefia. Já podem compreender regras, sendo fiéis a ela, e estabelecer compromissos.
A conversação torna-se possível (já é uma linguagem socializada), sem que, no entanto, possam discutir
diferentes pontos de vista para que cheguem a uma conclusão comum.
Quanto à linguagem, a criança já possui estruturas cognitivas adequadas ao desenvolvimento da
alfabetização e letramento.
E. Período Operatório Abstrato
Dos 11 anos em diante.
É o ápice do desenvolvimento da inteligência e corresponde ao nível de pensamento hipotético-dedutivo
ou lógico-matemático.
É quando o indivíduo está apto para calcular uma probabilidade, libertando-se do concreto em proveito de
interesses orientados para o futuro.
É, finalmente, a “abertura para todos os possíveis”.
A partir desta estrutura de pensamento é possível a dialética, que permite que a linguagem se dê em nível
de discussão para se chegar a uma conclusão.
Sua organização grupal pode estabelecer relações de cooperação e reciprocidade.
Quanto à linguagem, a criança já possui estruturas cognitivas adequadas ao aprimoramento do
letramento.
..RELEVÂNCIA DO PENSAMENTO PIAGETIANO..
A importância de se definir os períodos de desenvolvimento da
inteligência reside no fato de que, em cada um, o indivíduo adquire novos
conhecimentos ou estratégias de sobrevivência, de compreensão e
interpretação da realidade.
A compreensão deste processo é fundamental para que os professores
possam também compreender com quem estão trabalhando.
A obra de Piaget não oferece uma didática sobre como desenvolver a inteligência do aluno. Ela mostra
que cada fase de desenvolvimento apresenta características e possibilidades de crescimento da maturação ou
de aquisições.
O conhecimento destas possibilidades faz com que os professores possam oferecer estímulos adequados
a um maior desenvolvimento do indivíduo na leitura, na escrita e na interpretação textual.
Wallon é conhecido por seu trabalho sobre a Psicologia do Desenvolvimento, de postura
interacionista, pois o homem seria formado não somente por influência fisiológica, mas também
por influência social.
Entre o indivíduo e o seu meio há uma unidade indivisível, a sociedade seria uma necessidade
orgânica que determina seu desenvolvimento e consequentemente sua inteligência (FONSECA,
2008, p. 15).
Nesse sentido, Nascimento (2004, p. 47) explica:
Tomando a dialética como fundamento epistemológico, Wallon buscou compreender o
desenvolvimento infantil por meio das relações estabelecidas entre a criança e seu ambiente,
privilegiando a pessoa em sua totalidade, nas suas expressões singulares e na relação com os outros. Dessa
maneira, não propôs um sistema linear e organizado de etapas de evolução psíquica, mas desenvolveu
sua teoria buscando compreender os objetivos da criança e os meios que ela utiliza para realizá-los,
estudando cada uma das suas manifestações no conjunto de suas possibilidades. Sua teoria expõe a
evolução psíquica passando de um campo a outro da atividade infantil, em textos entremeados por
termos médicos e neurológicos.
...WALLON...
Seu estudo sobre o desenvolvimento cognitivo foi centrado na psicogênese da pessoa completa, mas seu estudo
se deu a partir do desenvolvimento psíquico da criança. Entendia que a pessoa tem de ser vista na sua totalidade, por
todos os seus aspectos: o cognitivo, o afetivo e o motor, um não seria mais importante que o outro.
A cognição está alicerçada ao que ele deu o nome de campos funcionais: o movimento, a afetividade, a inteligência
e a pessoa.
a. O aspecto motor como aquele que se desenvolve primeiro e serve tanto como atividade de busca
de um objetivo como função de expressar algo em relação a outro indivíduo;
b. A afetividade atua como uma forma de mediação das relações sociais expressadas por meio das
emoções,
c. A inteligência relaciona-se diretamente com as questões da linguagem e o raciocínio simbólico, ou
seja, habilidades linguísticas e a capacidade de abstração.
d. A pessoa como o campo que coordena os demais, e responsável pelo desenvolvimento da
consciência e da identidade do eu.
Diante disso, Nascimento (2004, p.53) afirma que:
A construção da pessoa acontece na medida em que a criança, opondo-se ao outro, distancia-se do meio
onde está envolvida. A sucessão de elementos de ordem afetiva e cognitiva se alternam no processo de
desenvolvimento, sublinhando os aspectos subjetivos e objetivos na construção do “eu” e do mundo. O
recorte corporal permite uma objetivação da imagem e, portanto, a consciência de um “eu” subjetivo,
que o espelho reflete.
A questão da motricidade é muito forte na teoria walloniana, compreendida como um instrumento privilegiado de
comunicação da vida psíquica. A criança, que ainda não possui a linguagem verbal, exprime por meio da motricidade suas
mais diversas necessidades, traduzidas, portanto, de uma forma não verbal e com aspectos afetivos de expressão de bem
ou mal estar.
O desenvolvimento para Wallon é um processo pelo qual a pessoa passa de um estado de profundo envolvimento
com o meio e no qual não se distingue e passa a se reconhecer como diverso dele, ou seja, desenvolver é se enxergar em
oposição ao meio.
Esse desenvolvimento ocorre com a sucessão de estágios, oscilando entre a afetividade, na busca da construção do
eu, e a razão (inteligência/cognição) como forma de entender a realidade, acontecendo de forma constante, mas não de
forma linear e fixa. Wallon define o desenvolvimento como um processo descontínuo, marcado por rupturas e crises”.
O primeiro dos estágios é o impulsivo-emocional que abrange o primeiro ano de vida, quando o bebê não sabe
diferenciar o que é ele e o que é o mundo. Nesta fase, ocorre a predominância da afetividade a qual orienta suas primeiras
reações, sendo que as relações com mundo físico se dão a partir das emoções, sendo a motricidade a expressão delas,
tem-se a afetividade impulsiva, emocional, que se nutre pelo olhar, o contato físico expressando-se pelos gestos, mímicas
e posturas.
O segundo estágio do sensório-motor e projetivo que vai até os três anos de idade, onde o interesse é voltado para
a exploração sensorial e motora do mundo físico, o que está pensando projeta em atos motores, vai fazendo e pensando
ao mesmo tempo, ocorrendo o desenvolvimento da função simbólica. Assim, o cognitivo dá margem ao ato motor, a ideia
que a criança tem, ela projeta.
O estágio do personalismo abrange dos três aos seis anos de idade, cuja tarefa principal é a formação da
personalidade, constroem a consciência de si, por meio das interações sociais. A criança tenta se compreender e
compreender o mundo. Pode expressar o que sente porque já fala, ou seja, a afetividade incorpora os recursos
intelectuais, a chamada afetividade simbólica, se expressa por palavras, ideias.
O quarto estágio é o categorial, por volta dos seis anos de idade, o cognitivo auxilia na entrada do mundo da
alfabetização, avanços no cognitivo que dirigem o interesse das crianças pelas coisas, para o conhecimento e conquista
do mundo externo. No plano motor os gestos são mais precisos, elaborados mentalmente com previsão de etapas e
consequências.
O quinto estágio é o da Adolescência, que traz à tona questões pessoais, morais e existencial, pergunta quem sou
eu enquanto pessoa no mundo. Iniciada pela puberdade, com as mudanças hormonais. A afetividade encontra-se mais
elaborada, mais racionalizada, os sentimentos são elaborados no plano mental, com isso os jovens teorizam sobre seus
sentimentos.
...RELEVÂNCIA DO PENSAMENTO WALLONIANO....
O reconhecimento de que o ser humano possui estágios nos quais a linguagem apresenta-se de forma diversa.
O reconhecimento da importância do cognitivo para a alfabetização.
A afirmação de uma maturação quanto à compreensão da realidade.
Vygotsky desenvolveu a teoria sociocultural do desenvolvimento cognitivo.
A sua teoria tem raízes na teoria marxista do materialismo dialético, ou seja, que as mudanças
históricas na sociedade e a vida material produzem mudanças na natureza humana.
Vygotsky abordou o desenvolvimento cognitivo por um processo de orientação. Em vez de olhar
para o final do processo de desenvolvimento, ele debruçou-se sobre o processo em si e analisou a
participação do sujeito nas atividades sociais.
Ele propôs que o desenvolvimento não precede a socialização. Ao invés, as estruturas sociais e
as relações sociais levam ao desenvolvimento das funções mentais.
Ele acreditava que a aprendizagem na criança podia ocorrer através do jogo, da brincadeira, da
instrução formal ou do trabalho entre um aprendiz e um aprendiz mais experiente.
O processo básico pelo qual isto ocorre é a mediação (a ligação entre duas estruturas, uma social
e uma pessoalmente construída, através de instrumentos ou sinais). Quando os signos culturais vão
sendo internalizados pelo sujeito é quando os humanos adquirem a capacidade de uma ordem de
pensamento mais elevada.
...WYGOTSKY
...RELEVÂNCIA DO PENSAMENTO VYGOTSKYANO....
Vygostky via o desenvolvimento cognitivo como dependendo das interações com as pessoas e
com os instrumentos do mundo da criança. Esses instrumentos são reais: canetas, papel,
computadores; ou símbolos: linguagem, sistemas matemáticos, signos.
Ele atribui à escola fundamental importância, bem como ao papel do professor no processo
ensino-aprendizagem. A intervenção deliberada por parte do professor acelera o desenvolvimento de
funções mentais.
A alfabetização de Adultos assume significativa importância, tanto pelo seu cunho político e
social, como pedagógico, garantindo condições de desenvolvimento e aprendizagem através de
interações estabelecidas entre o indivíduo e o meio físico, cultural e social. Sendo assim, o trabalho
pedagógico a ser desenvolvido na Educação de Adultos deve partir das experiências dos alunos e
considerar a aquisição e sistematização de conhecimentos.
REFERÊNCIAS
FONSECA, Vitor da. Aprender a Aprender: A Educabilidade Cognitiva. Porto Alegre: Artmed, 1998.
______. Desenvolvimento Psicomotor e Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2008.
NASCIMENTO, Maria Letícia B.P. A Criança Concreta, Completa e Contextualizada: a Psicologia de Henri Wallon. In:
Introdução a Psicologia da Educação: seis abordagens. Kester Carrara (Org).São Paulo: Avercamp, 2004.]
SOUZA, Rose Keila Melo de e COSTA, Keyla Soares da. O Aspecto Sócio-Afetivo no Processo ensino-aprendizagem na Visão
de Piaget, Vygotsky e Wallon. Pará, 2004. Disponível em:
http://www.educacaoonline.pro.br/index.php?option=com_content&view=article&id=299:o-aspecto-socio-afetivo-no-
processo-ensino-aprendizagem-na-visao-de-piaget-vygotsky-e-wallon&catid=4:educacao&Itemid=15. Acesso em: 25 set
2009.
WALLON, H. A Evolução Psicológica da Criança. São Paulo: Edições 70, 1968.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
drycaaa
 
Vygostky e a formação de conceitos martha kohl
Vygostky e a formação de conceitos   martha kohlVygostky e a formação de conceitos   martha kohl
Vygostky e a formação de conceitos martha kohl
Ernane Oliveira
 
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagemUma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Vygotsky2011
 
Epistemologia genética – jean piaget
Epistemologia genética – jean piagetEpistemologia genética – jean piaget
Epistemologia genética – jean piaget
Roxana Alhadas
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...
Karina Reimberg
 
Resenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwas
Resenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwasResenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwas
Resenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwas
Washington Rocha
 
Fundamentos da Abordagem Histórico-Cultural
Fundamentos da Abordagem Histórico-CulturalFundamentos da Abordagem Histórico-Cultural
Fundamentos da Abordagem Histórico-Cultural
Adriana Bruno
 
Piaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallonPiaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallon
Luciana Almeida
 
Piaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoPiaget Interaccionismo
Piaget Interaccionismo
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (19)

Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
 
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educaçãoPiaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
 
Teóricos
TeóricosTeóricos
Teóricos
 
Vigotski
VigotskiVigotski
Vigotski
 
Teoria historico cultural
Teoria historico culturalTeoria historico cultural
Teoria historico cultural
 
Sensorio motor fases
Sensorio motor fasesSensorio motor fases
Sensorio motor fases
 
Vygostky e a formação de conceitos martha kohl
Vygostky e a formação de conceitos   martha kohlVygostky e a formação de conceitos   martha kohl
Vygostky e a formação de conceitos martha kohl
 
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagemUma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
 
Epistemologia genética – jean piaget
Epistemologia genética – jean piagetEpistemologia genética – jean piaget
Epistemologia genética – jean piaget
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
 
Resenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwas
Resenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwasResenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwas
Resenha pensamento e linguagem p 011 a p 029 vixwas
 
Fundamentos da Abordagem Histórico-Cultural
Fundamentos da Abordagem Histórico-CulturalFundamentos da Abordagem Histórico-Cultural
Fundamentos da Abordagem Histórico-Cultural
 
Piaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallonPiaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallon
 
Piaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoPiaget Interaccionismo
Piaget Interaccionismo
 
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
Algumas considerações sobre a teoria de vigotsky e o processo de aprendizagem...
 

Semelhante a Desenv e linguagem

Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Carlos Caldas
 
Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantil
Pessoal
 
Maria vilani soares
Maria vilani soaresMaria vilani soares
Maria vilani soares
Geisa Gomes
 
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Caio Grimberg
 
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
simone andrea sousa
 
Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9
Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9
Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9
rogerio18
 
Teoria Do Desenvolvimento Humano Uniube
Teoria Do Desenvolvimento Humano   UniubeTeoria Do Desenvolvimento Humano   Uniube
Teoria Do Desenvolvimento Humano Uniube
Eliane Almeida
 

Semelhante a Desenv e linguagem (20)

A teoria básica de jean piaget
A teoria básica de jean piagetA teoria básica de jean piaget
A teoria básica de jean piaget
 
Jean Piaget.pptx
Jean Piaget.pptxJean Piaget.pptx
Jean Piaget.pptx
 
Resumo e Simulado da Teoria Básica de Piaget
Resumo e Simulado da Teoria Básica de PiagetResumo e Simulado da Teoria Básica de Piaget
Resumo e Simulado da Teoria Básica de Piaget
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Teóricos
TeóricosTeóricos
Teóricos
 
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxSLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
 
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
 
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
 
Psicologia
Psicologia Psicologia
Psicologia
 
Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantil
 
T eoria desenvolvimento de warlon 02
T eoria desenvolvimento de warlon 02T eoria desenvolvimento de warlon 02
T eoria desenvolvimento de warlon 02
 
Maria vilani soares
Maria vilani soaresMaria vilani soares
Maria vilani soares
 
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
 
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
 
Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9
Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9
Desenvolvimento infantil-1226761709865509-9
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Jean Piaget
 
Rev03 04
Rev03 04Rev03 04
Rev03 04
 
Teoria Do Desenvolvimento Humano Uniube
Teoria Do Desenvolvimento Humano   UniubeTeoria Do Desenvolvimento Humano   Uniube
Teoria Do Desenvolvimento Humano Uniube
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 

Mais de Israel serique

Mais de Israel serique (20)

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
 
Aula 04: ESTATÍSTICA
Aula 04: ESTATÍSTICAAula 04: ESTATÍSTICA
Aula 04: ESTATÍSTICA
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 

Desenv e linguagem

  • 1. O SER HUMANO E A LINGUAGEM
  • 2. 1. A inteligência é o mecanismo de adaptação do organismo a uma situação nova e, como tal, implica a construção contínua de novas estruturas. Esta adaptação refere-se ao mundo exterior, como toda adaptação biológica. Os indivíduos se desenvolvem intelectualmente a partir de exercícios e estímulos oferecidos pelo meio que os cercam. A inteligência pode ser exercitada, buscando um aperfeiçoamento de potencialidades, que evolui "desde o nível mais primitivo da existência, caracterizado por trocas bioquímicas até o nível das trocas simbólicas" (RAMOZZI-CHIAROTTINO apud CHIABAI, 1990, p. 3). ...PIAGET...
  • 3. 2. O comportamento dos seres vivos não é inato, nem resultado de condicionamentos. O comportamento é construído numa interação entre o meio e o indivíduo. Esta teoria epistemológica (epistemo = conhecimento; e logia = estudo) é caracterizada como interacionista. A inteligência do indivíduo, como adaptação a situações novas, portanto, está relacionada com a complexidade desta interação do indivíduo com o meio. Quanto mais complexa for a interação, mais “inteligente” será o indivíduo. As teorias permitem que os pedagogos tracem uma metodologia baseada em suas descobertas.
  • 4. 3. “Não existe estrutura sem gênese, nem gênese sem estrutura” (Piaget). A estrutura de maturação do indivíduo sofre um processo genético e a gênese depende de uma estrutura de maturação. O indivíduo só recebe um determinado conhecimento se estiver preparado para recebê-lo. Ou seja, se puder agir sobre o objeto de conhecimento para inseri-lo num sistema de relações. Não existe um novo conhecimento sem que o organismo tenha já um conhecimento anterior para poder assimilá-lo e transformá-lo. Assimilação: incorpora a seus quadros todo o dado da experiência ou estruturação por incorporação da realidade exterior a formas devidas à atividade do sujeito (Piaget, 1982). Acomodação: a estrutura se modifica em função do meio, de suas variações. A adaptação intelectual constitui-se então em um "equilíbrio progressivo entre um mecanismo assimilador e uma acomodação complementar" (Piaget, 1982). Piaget situa, segundo Dolle, o problema epistemológico, o do conhecimento, ao nível de uma interação entre o sujeito e o objeto. E "essa dialética resolve todos os conflitos nascidos das teorias, associacionistas, empiristas, genéticas sem estrutura, estruturalistas sem gênese, etc. ... e permite seguir fases sucessivas da construção progressiva do conhecimento" (1974, p. 52).
  • 5. 4. O desenvolvimento do indivíduo inicia-se no período intra-uterino e vai até aos 15 ou 16 anos. Piaget diz que a embriologia humana evolui também após o nascimento, criando estruturas cada vez mais complexas. A construção da inteligência dá-se, portanto em etapas sucessivas, com complexidades crescentes, encadeadas umas às outras. A isto Piaget chamou de “construtivismo sequencial”.
  • 6. ..OS PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO MOTOR, VERBAL E MENTAL.. A. Período Sensório-Motor Do nascimento aos 2 anos, aproximadamente. A ausência da função semiótica é a principal característica deste período. A inteligência trabalha através das percepções (simbólico) e das ações (motor) através dos deslocamentos do próprio corpo. É uma inteligência iminentemente prática. Sua linguagem vai da ecolalia (repetição de sílabas) à palavra-frase ("água" para dizer que quer beber água) já que não representa mentalmente o objeto e as ações. Sua conduta social, neste período, é de isolamento e diferenciação (o mundo é ele).
  • 7. B. Período Simbólico Dos 2 anos aos 4 anos, aproximadamente. Neste período surge a função semiótica que permite o surgimento da linguagem, do desenho, da imitação, da dramatização etc. A partir deste período pode-se criar imagens mentais na ausência do objeto ou da ação. É o período da fantasia, do faz de conta, do jogo simbólico. Com a capacidade de formar imagens mentais pode transformar o objeto numa satisfação de seu prazer (uma caixa de fósforo em carrinho, por exemplo). É também o período em que o indivíduo “dá alma” (animismo) aos objetos ("o carro do papai foi 'dormir' na garagem"). A linguagem está a nível de monólogo coletivo, ou seja, todos falam ao mesmo tempo sem que respondam as argumentações dos outros. Duas crianças “conversando” dizem frases que não têm relação com a frase que o outro está dizendo. Sua socialização é vivida de forma isolada, mas dentro do coletivo. Não há liderança e os pares são constantemente trocados.
  • 8. C. Período Intuitivo Dos 4 anos aos 7 anos, aproximadamente. Neste período já existe um desejo de explicação dos fenômenos. É a “idade dos porquês”, pois o indivíduo pergunta o tempo todo. Distingue a fantasia do real, podendo dramatizar a fantasia sem que acredite nela. Seu pensamento continua centrado no seu próprio ponto de vista. Já é capaz de organizar coleções e conjuntos sem, no entanto, incluir conjuntos menores em conjuntos maiores (rosas no conjunto de flores, por exemplo). Quanto à linguagem não mantém uma conversação longa mas já é capaz de adaptar sua resposta às palavras do companheiro. Ao final deste período a criança já possui estruturas cognitivas adequadas ao processo inicial da alfabetização. Os Períodos Simbólico e Intuitivo são também comumente apresentados como Período Pré-Operatório.
  • 9. D. Período Operatório Concreto Dos 7 anos aos 11 anos, aproximadamente. É o período em que o indivíduo consolida as conservações de número, substância, volume e peso. Já é capaz de ordenar elementos por seu tamanho (grandeza), incluindo conjuntos, organizando então o mundo de forma lógica ou operatória. Sua organização social é a de bando, podendo participar de grupos maiores, chefiando e admitindo a chefia. Já podem compreender regras, sendo fiéis a ela, e estabelecer compromissos. A conversação torna-se possível (já é uma linguagem socializada), sem que, no entanto, possam discutir diferentes pontos de vista para que cheguem a uma conclusão comum. Quanto à linguagem, a criança já possui estruturas cognitivas adequadas ao desenvolvimento da alfabetização e letramento.
  • 10. E. Período Operatório Abstrato Dos 11 anos em diante. É o ápice do desenvolvimento da inteligência e corresponde ao nível de pensamento hipotético-dedutivo ou lógico-matemático. É quando o indivíduo está apto para calcular uma probabilidade, libertando-se do concreto em proveito de interesses orientados para o futuro. É, finalmente, a “abertura para todos os possíveis”. A partir desta estrutura de pensamento é possível a dialética, que permite que a linguagem se dê em nível de discussão para se chegar a uma conclusão. Sua organização grupal pode estabelecer relações de cooperação e reciprocidade. Quanto à linguagem, a criança já possui estruturas cognitivas adequadas ao aprimoramento do letramento.
  • 11. ..RELEVÂNCIA DO PENSAMENTO PIAGETIANO.. A importância de se definir os períodos de desenvolvimento da inteligência reside no fato de que, em cada um, o indivíduo adquire novos conhecimentos ou estratégias de sobrevivência, de compreensão e interpretação da realidade. A compreensão deste processo é fundamental para que os professores possam também compreender com quem estão trabalhando. A obra de Piaget não oferece uma didática sobre como desenvolver a inteligência do aluno. Ela mostra que cada fase de desenvolvimento apresenta características e possibilidades de crescimento da maturação ou de aquisições. O conhecimento destas possibilidades faz com que os professores possam oferecer estímulos adequados a um maior desenvolvimento do indivíduo na leitura, na escrita e na interpretação textual.
  • 12. Wallon é conhecido por seu trabalho sobre a Psicologia do Desenvolvimento, de postura interacionista, pois o homem seria formado não somente por influência fisiológica, mas também por influência social. Entre o indivíduo e o seu meio há uma unidade indivisível, a sociedade seria uma necessidade orgânica que determina seu desenvolvimento e consequentemente sua inteligência (FONSECA, 2008, p. 15). Nesse sentido, Nascimento (2004, p. 47) explica: Tomando a dialética como fundamento epistemológico, Wallon buscou compreender o desenvolvimento infantil por meio das relações estabelecidas entre a criança e seu ambiente, privilegiando a pessoa em sua totalidade, nas suas expressões singulares e na relação com os outros. Dessa maneira, não propôs um sistema linear e organizado de etapas de evolução psíquica, mas desenvolveu sua teoria buscando compreender os objetivos da criança e os meios que ela utiliza para realizá-los, estudando cada uma das suas manifestações no conjunto de suas possibilidades. Sua teoria expõe a evolução psíquica passando de um campo a outro da atividade infantil, em textos entremeados por termos médicos e neurológicos. ...WALLON...
  • 13. Seu estudo sobre o desenvolvimento cognitivo foi centrado na psicogênese da pessoa completa, mas seu estudo se deu a partir do desenvolvimento psíquico da criança. Entendia que a pessoa tem de ser vista na sua totalidade, por todos os seus aspectos: o cognitivo, o afetivo e o motor, um não seria mais importante que o outro. A cognição está alicerçada ao que ele deu o nome de campos funcionais: o movimento, a afetividade, a inteligência e a pessoa. a. O aspecto motor como aquele que se desenvolve primeiro e serve tanto como atividade de busca de um objetivo como função de expressar algo em relação a outro indivíduo; b. A afetividade atua como uma forma de mediação das relações sociais expressadas por meio das emoções, c. A inteligência relaciona-se diretamente com as questões da linguagem e o raciocínio simbólico, ou seja, habilidades linguísticas e a capacidade de abstração. d. A pessoa como o campo que coordena os demais, e responsável pelo desenvolvimento da consciência e da identidade do eu. Diante disso, Nascimento (2004, p.53) afirma que: A construção da pessoa acontece na medida em que a criança, opondo-se ao outro, distancia-se do meio onde está envolvida. A sucessão de elementos de ordem afetiva e cognitiva se alternam no processo de desenvolvimento, sublinhando os aspectos subjetivos e objetivos na construção do “eu” e do mundo. O recorte corporal permite uma objetivação da imagem e, portanto, a consciência de um “eu” subjetivo, que o espelho reflete.
  • 14. A questão da motricidade é muito forte na teoria walloniana, compreendida como um instrumento privilegiado de comunicação da vida psíquica. A criança, que ainda não possui a linguagem verbal, exprime por meio da motricidade suas mais diversas necessidades, traduzidas, portanto, de uma forma não verbal e com aspectos afetivos de expressão de bem ou mal estar. O desenvolvimento para Wallon é um processo pelo qual a pessoa passa de um estado de profundo envolvimento com o meio e no qual não se distingue e passa a se reconhecer como diverso dele, ou seja, desenvolver é se enxergar em oposição ao meio. Esse desenvolvimento ocorre com a sucessão de estágios, oscilando entre a afetividade, na busca da construção do eu, e a razão (inteligência/cognição) como forma de entender a realidade, acontecendo de forma constante, mas não de forma linear e fixa. Wallon define o desenvolvimento como um processo descontínuo, marcado por rupturas e crises”. O primeiro dos estágios é o impulsivo-emocional que abrange o primeiro ano de vida, quando o bebê não sabe diferenciar o que é ele e o que é o mundo. Nesta fase, ocorre a predominância da afetividade a qual orienta suas primeiras reações, sendo que as relações com mundo físico se dão a partir das emoções, sendo a motricidade a expressão delas, tem-se a afetividade impulsiva, emocional, que se nutre pelo olhar, o contato físico expressando-se pelos gestos, mímicas e posturas. O segundo estágio do sensório-motor e projetivo que vai até os três anos de idade, onde o interesse é voltado para a exploração sensorial e motora do mundo físico, o que está pensando projeta em atos motores, vai fazendo e pensando ao mesmo tempo, ocorrendo o desenvolvimento da função simbólica. Assim, o cognitivo dá margem ao ato motor, a ideia que a criança tem, ela projeta.
  • 15. O estágio do personalismo abrange dos três aos seis anos de idade, cuja tarefa principal é a formação da personalidade, constroem a consciência de si, por meio das interações sociais. A criança tenta se compreender e compreender o mundo. Pode expressar o que sente porque já fala, ou seja, a afetividade incorpora os recursos intelectuais, a chamada afetividade simbólica, se expressa por palavras, ideias. O quarto estágio é o categorial, por volta dos seis anos de idade, o cognitivo auxilia na entrada do mundo da alfabetização, avanços no cognitivo que dirigem o interesse das crianças pelas coisas, para o conhecimento e conquista do mundo externo. No plano motor os gestos são mais precisos, elaborados mentalmente com previsão de etapas e consequências. O quinto estágio é o da Adolescência, que traz à tona questões pessoais, morais e existencial, pergunta quem sou eu enquanto pessoa no mundo. Iniciada pela puberdade, com as mudanças hormonais. A afetividade encontra-se mais elaborada, mais racionalizada, os sentimentos são elaborados no plano mental, com isso os jovens teorizam sobre seus sentimentos. ...RELEVÂNCIA DO PENSAMENTO WALLONIANO.... O reconhecimento de que o ser humano possui estágios nos quais a linguagem apresenta-se de forma diversa. O reconhecimento da importância do cognitivo para a alfabetização. A afirmação de uma maturação quanto à compreensão da realidade.
  • 16. Vygotsky desenvolveu a teoria sociocultural do desenvolvimento cognitivo. A sua teoria tem raízes na teoria marxista do materialismo dialético, ou seja, que as mudanças históricas na sociedade e a vida material produzem mudanças na natureza humana. Vygotsky abordou o desenvolvimento cognitivo por um processo de orientação. Em vez de olhar para o final do processo de desenvolvimento, ele debruçou-se sobre o processo em si e analisou a participação do sujeito nas atividades sociais. Ele propôs que o desenvolvimento não precede a socialização. Ao invés, as estruturas sociais e as relações sociais levam ao desenvolvimento das funções mentais. Ele acreditava que a aprendizagem na criança podia ocorrer através do jogo, da brincadeira, da instrução formal ou do trabalho entre um aprendiz e um aprendiz mais experiente. O processo básico pelo qual isto ocorre é a mediação (a ligação entre duas estruturas, uma social e uma pessoalmente construída, através de instrumentos ou sinais). Quando os signos culturais vão sendo internalizados pelo sujeito é quando os humanos adquirem a capacidade de uma ordem de pensamento mais elevada. ...WYGOTSKY
  • 17. ...RELEVÂNCIA DO PENSAMENTO VYGOTSKYANO.... Vygostky via o desenvolvimento cognitivo como dependendo das interações com as pessoas e com os instrumentos do mundo da criança. Esses instrumentos são reais: canetas, papel, computadores; ou símbolos: linguagem, sistemas matemáticos, signos. Ele atribui à escola fundamental importância, bem como ao papel do professor no processo ensino-aprendizagem. A intervenção deliberada por parte do professor acelera o desenvolvimento de funções mentais. A alfabetização de Adultos assume significativa importância, tanto pelo seu cunho político e social, como pedagógico, garantindo condições de desenvolvimento e aprendizagem através de interações estabelecidas entre o indivíduo e o meio físico, cultural e social. Sendo assim, o trabalho pedagógico a ser desenvolvido na Educação de Adultos deve partir das experiências dos alunos e considerar a aquisição e sistematização de conhecimentos.
  • 18. REFERÊNCIAS FONSECA, Vitor da. Aprender a Aprender: A Educabilidade Cognitiva. Porto Alegre: Artmed, 1998. ______. Desenvolvimento Psicomotor e Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2008. NASCIMENTO, Maria Letícia B.P. A Criança Concreta, Completa e Contextualizada: a Psicologia de Henri Wallon. In: Introdução a Psicologia da Educação: seis abordagens. Kester Carrara (Org).São Paulo: Avercamp, 2004.] SOUZA, Rose Keila Melo de e COSTA, Keyla Soares da. O Aspecto Sócio-Afetivo no Processo ensino-aprendizagem na Visão de Piaget, Vygotsky e Wallon. Pará, 2004. Disponível em: http://www.educacaoonline.pro.br/index.php?option=com_content&view=article&id=299:o-aspecto-socio-afetivo-no- processo-ensino-aprendizagem-na-visao-de-piaget-vygotsky-e-wallon&catid=4:educacao&Itemid=15. Acesso em: 25 set 2009. WALLON, H. A Evolução Psicológica da Criança. São Paulo: Edições 70, 1968.