SlideShare uma empresa Scribd logo
CICLOS VITAIS
                           Principais desenvolvimentos

                    nos oito períodos do ciclo de vida

                                       Faixa etária

                       Estágiopré-natal(concepção até nascimento)
                        Primeira infância(nascimento até 3 anos)

                              Segunda infância(3 a 6 anos)
                             Terceira infância(6 a 12 anos)
                               Adolescência(12 a 20 anos)
                              Jovem adulto(20 a 40 anos)
                                Meia-idade(40 a 65 anos)
                            Terceira idade(65 anos em diante)




            ESTÁGIO PRÉ-NATAL(CONCEPÇÃO ATÉ NASCIMENTO)

PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

                                                                               Formação da
                                 estrutura e órgãos corporais básicos.
                                                                               O crescimento
                              físico é o mais rápido de todos os períodos

                   Ø       Grande vulnerabilidade às influências ambientais.




               PRIMEIRA INFÂNCIA(NASCIMENTO ATÉ 3 ANOS)

                           PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

                       O recém-nascido é dependente porém competente.

                       Ø     Todos os sentidos funcionam no nascimento.

          Crescimento físico e desenvolvimento das habilidades motoras são rápidos.

      Ø Capacidade de aprender e lembrar está presente, até mesmo nas primeiras
                                      semanas de vida.
               Ø ØCompreensão e fala se desenvolvem rapidamente.
                 Ø Autoconsciência se desenvolve no segundo ano.
  Ø   Apego aos pais e a outros se forma aproximadamente no final do primeiro ano de
                                           vida.
Ø   Interesse por outras crianças aumenta.




                    SEGUNDA INFÂNCIA(DE 3 A 6 ANOS)

PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

             Força e habilidades motoras simples e complexas aumentam.
             Comportamento é predominantemente egocêntrico, mas a compreensão
      da perspectiva dos outros aumenta.
             Imaturidade cognitiva leva a muitas idéias ilógicas acerca do mundo.
             Brincar, criatividade e imaginação tornam-se mais elaborados.

  Ø   Independência, autocontrole e cuidado próprio aumentam.Ø
  Ø   ØFamília ainda é o núcleo da vida, embora outras crianças comecem a se tornar
      importantes.Ø




                   TERCEIRA INFÂNCIA(DE 6 A 12 ANOS)

PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

      Crescimento físico diminui.
      Força e habilidades físicas se aperfeiçoam.
      Egocentrismo diminui.
      Crianças passam a pensar com lógica, embora predominantemente concreta.
      Memória e habilidades de linguagem aumentam.
      Ganhos cognitivos melhoram a capacidade de tirar proveito da
      educação formal.
      Auto-imagem se desenvolve, afetando a auto-estima.
      Amigos assumem importância fundamental




                     ADOLESCÊNCIA(DE 12 A 20 ANOS)

PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

  Ø   Mudanças físicas são rápidas e profundas.
  Ø   Atinge-se a maturidade reprodutiva.
  Ø   Capacidade de pensar abstratamente e usar o pensamento científico se
      desenvolve.
  Ø   Egocentrismo adolescente persiste em alguns comportamentos.
  Ø   Busca de identidade torna-se fundamental.
  Ø   Grupos de amigos ajudam a desenvolver e testar a auto-imagem.
  Ø   Relacionamento com os pais geralmente é bom.




                          ADULTO(DE 20 A 40 ANOS)
PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

     Saúde física atinge o máximo, depois cai ligeiramente.

  Ø   Habilidades cognitivas assumem maior complexidade.
  Ø   Decisões sobre relacionamentos íntimos são tomadas.
  Ø   A maioria das pessoas se casa; a maioria tem filhos.
  Ø   Escolhas profissionais são feitas.




                        MEIA- IDADE(DE 40 A 65 ANOS)

PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

     Ocorre certa deterioração da saúde física, e declínio da resistência e perícia.

                                                                           Mulheres
      entram na menopausa.

  Ø   Sabedoria e capacidade de resolução de problemas práticos são acentuadas;
      capacidade de resolver novos problemas declina.
  Ø   ØSenso de identidade continua a se desenvolver.

                                                                        Dupla
      responsabilidade de cuidar dos filhos e pais idosos pode causar estresse.

  Ø   ØPartida dos filhos tipicamente deixa o ninho vazio.
  Ø   Para alguns, sucesso na carreira e ganhos atingem o máximo; para outros ocorre
      um esgotamento profissional.
  Ø   Busca do sentido da vida assume importância fundamental.
  Ø   Para alguns, pode ocorrer a crise da meia-idade.




                  TERCEIRA IDADE(DE 65 ANOS EM DIANTE)

PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS

     A maioria das pessoas é saudável e ativa, embora a saúde e a capacidade física
      declinem um pouco.

  Ø   Retardamento do tempo de reação afeta muitos aspectos do funcionamento.
  Ø   A maioria das pessoas é mentalmente ativa. Embora a inteligência e a memória
      possam se deteriorar em algumas áreas, a maioria das pessoas encontra modos
      de compensação.
  Ø   Aposentadoria pode criar mais tempo para o lazer mas pode diminuir as rendas.
  Ø   As pessoas precisam enfrentar perdas em muitas áreas (perdas de suas próprias
      faculdades, perda de afetos) e a iminência de sua própria morte.
LIVRO CICLO DA VIDA

     Gestação, Parto e Puerpério
     O Bebê e os Pais
     O Ciclo Vital da Família
     A Criança de 0 a 3 anos
     A Criança Pré-Escolar
     A idade Escolar: Latência (6 a 12 anos)
     A Puberdade
     A Adolescência
     Adultos Jovens, seus Scripts e Cenários
     Idade Adulta: Meia-Idade
     A Velhice
     A Morte: Última Etapa do Ciclo Vital




                                  O NEURÔNIO

           O neurônio é a unidade funcional do cérebro.
           Um neurônio pode receber milhares de conexões sinápticas de
      outros neurônios, uma vez que o cérebro humano apresenta,
      aproximadamente, 10 neurônios.
           Calcula-se que o número total de genes do DNA humano
      chegue a 100.000. Desses, talvez 50.000 sejam funcionais
      exclusivamente no cérebro, o que sugere a enorme complexidade do
      controle genético sobre o cérebro e seu desenvolvimento.



                                       Crise Psicossocial
    Estágios
                                       Confiança Básica X Desconfiança
    I. Sensório-Oral (Infância)
                                       Autonomia X Vergonha, Dúvida
    II. Anal-Muscular
                                       Iniciativa X Inferioridade
    III. Genital-Locomotor
                                       Atividade X Inferioridade
    IV. Latência (Idade escolar)
                                       Identidade X Confusão de
                                       Identidade
    V. Puberdade e Adolescência
                                       Intimidade X Isolamento
    VI. Adulto Jovem
                                       Generatividade X Estagnação
    VII. Adulto
                                       Integridade de Ego X Desespero

                          MECANISMOSDEDEFESA

I -DefesasNarcísicas
   Negação: evitar a percepção de algum aspecto doloroso da
      realidade, negando dados sensoriais. Afeta mais a percepção da
      realidade externa do que da realidade interna. Não é
      necessariamente psicótica, podendo estar a serviço de objetivos
      adaptativos ou neuróticos.
     Projeção:perceber e reagir a estímulos internos inaceitáveis e seus
      derivados como se estivessem fora do self (eu). Pode levar a delírios
      francos sobre a realidade externa, usualmente de cunho persecutório;
      inclui tanto a percepção de seus próprios sentimentos em outros como
      agir em função dessa percepção.
     Distorção:reformular grosseiramente a realidade externa no
      sentido de enquadrá-la aos desejos internos, podendo incluir crença
      irreal megalomaníaca, alucinações e delírios, utilizando sentimentos
      delirantes de superioridade ou autoridade.

II - DefesasImaturas

     Atuação (acting-out):expressão direta de um desejo ou pulsão
      inconsciente para evitar a consciência do afeto associado a eles. A
      fantasia inconsciente é vivida de modo impulsivo, gratificando mais
      o impulso do que a sua proibição. Inclui agir para evitar a tensão
      que resultaria se o impulso fosse postergado.
     Bloqueio:inibição usualmente temporária dos afetos, pensamentos
      ou impulsos.
     Hipocondria:transformação da censura alheia em autocensura e
      queixas de dor e enfermidade somática, como conseqüência de
      privação, solidão ou pulsões agressivas inaceitáveis.
     Introjeção:internalização das características de um objeto amado,
      visando a aproximar-se deste e manter sua presença. A introjeção de
      um objeto temido, pela internalização das suas características
      agressivas, leva a um controle da agressão.
     Comportamento passivo-agressivo: agressão para com o objeto,
      manifestada de forma indireta e ineficaz por meio de passividade,
      masoquismo e voltando-se contra si mesmo.
     Projeção:atribuição aos outros dos próprios sentimentos inaceitáveis.
      Inclui preconceitos, rejeição, suspeita, excessiva cautela contra
      perigos externos, etc.
     Regressão:retorno a um estágio anterior do desenvolvimento devido
      à dificuldade de enfrentar as ansiedades e desafios atuais. Inclui um
      retorno a pontos de fixação primitivos e incorporação de
      comportamentos já abandonados.
     Somatização:conversão defensiva de derivados psíquicos em
      sintomas corporais

III - Defesas Neuróticas

     Controle: tentativa exagerada de manejar ou regular os
      acontecimentos ou o ambiente externo com o objetivo de minimizar
      a ansiedade e resolver conflitos internos.
     Deslocamento: sentimentos vinculados a um objeto são
      redirecionados a outro (p. ex. fobias).
     Dissociação:modificação do caráter de uma pessoa ou de seu
      sentimento de identidade a fim de evitar angústia. Separa
      ativamente sentimentos, representações do self ou do objeto
      contraditórias como bem-mal, prazer-desprazer, etc.
   Intelectualização: controle dos afetos e dos impulsos pensando
       sobre eles, mas não os experimentando.
      Isolamento:divisão intrapsíquica ou separação entre o afeto e seu
       conteúdo, levando à repressão da idéia ou afeto ou ao
       deslocamento do afeto para um conteúdo diferente ou substituto.
      Racionalização: aplicação de justificativas incorretas ou uso de
       sofismas convincentes para explicar atitudes, crenças ou
       comportamentos inaceitáveis de outra forma.
      Formação reativa: expressão de sentimentos inaceitáveis de uma
       forma antitética ou oposta.
      Repressão ou recalque: expulsão de uma idéia ou sentimento da
       percepção consciente para o inconsciente.

IV - Defesas Maduras

      Altruísmo: satisfação vicária construtiva e gratificante das pulsões
       por serviços prestados aos outros.
      Ascetismo: gratificação derivada da renúncia do prazer atribuída a
       uma experiência em favor de valores morais.
      Humor: capacidade de fazer graça de si mesmo sem incômodo
       pessoal e sem causar desprazer nos demais. Permite que se tolere o
       que parece ser terrível de ser suportado.
      Sublimação: gratificação de uma pulsão cuja finalidade é
       preservada, mas cujo alvo ou objeto é convertido de socialmente
       objetável em socialismo valorizado. Permite que as pulsões sejam
       canalizadas em vez de reprimidas ou desviadas.
      Supressão: decisão consciente ou semiconsciente de adiar a
       tenção para um impulso ou conflito consciente.




      Representações da gestante como mulher e mãe.
      Fantasias a respeito do filho e da sua identidade futura.
      Antecipações de dificuldades profissionais e no
       relacionamento com o marido.
      Medo da própria morte e/ou do bebê no parto, bem como de
       malformações




Durante o processo do divórcio observam-se minicrises previsíveis
para as quais os adultos devem estar preparados (Seibt, 1996) :

1. no momento da decisão de separar-se;

2. quando a decisão é comunicada à família e aos amigos;

3. quando se discutem dinheiro e visitas;

4. quando a separação física acontece;

5. quando o divórcio legal é assinado;

6. quando assuntos precisam ser renegociados, como, por exemplo,
dinheiro e visitas e quando um dos pais começa a namorar;

7. quando se comemoram aniversários, formaturas e outros acontecimentos
importantes (um dos dois casa novamente, por exemplo).




                        EXPRESSÃOGRÁFICA

      O domínio do traço oblíquo:a criança vai mais além do desenho
       do quadrado, da cruz, do círculo e do triângulo para o desenho do
       losango e do “x”.
      O detalhamento e a coordenação das estruturas do desenho
       da figura humana:surgem atributos como mãos e olhos e
       posicionamento adequado do pescoço e dos diferentes segmentos
       do corpo.
      O aparecimento no desenho do movimento e de interações:a
       criança se expressa mais pelo desenho do que pelo relato de fatos.
      A noção de profundidade e de sombreado: noções que surgem
       ao final e indicam mudança no sentido da aquisição de perspectiva
       tridimensional.




         AS TAREFAS EVOLUTIVAS DA MEIA-IDADE

      aceitação do corpo que envelhece;
      aceitação da limitação do tempo e da morte pessoal;
      manutenção da intimidade;
      reavaliação dos relacionamentos;
      relacionamentos com os filhos: deixar ir, atingir igualdade,
       integrar novos membros;
      relação com seus pais: inversão de papéis, morte e
       individuação;
      exercício do poder e posição: trabalho e papel de instrutor;
      novos significativos, habilidades e objetivos dos jogos na
       meia-idade;
      preparação para a velhice.




                     MEDIDAS PREVENTIVAS

      Manter a saúde física com a prevenção das doenças
       degenerativas;
        Independência econômica;
      Ter seu próprio espaço físico ou moradia;
      Ter laços de amizade e vínculos fortes com a família;
      Manter um relacionamento íntimo com um(a)
       companheiro(a);
      Ter um vínculo com a comunidade;
      Manter-se sempre ocupado e com planos para o futuro;
      Se possível, manter um vínculo com seu antigo trabalho ou
       profissão;
   Buscar ajuda na comunidade;
      Praticar exercícios, manter uma atividade física regular.




                    TAREFAS EVOLUTIVAS DO

                ADULTO JOVEM (20 A 40 ANOS)

1. Desenvolvimento de um sentido do self e do outro – a terceira
individuação, com busca do preenchimento das lacunas deixadas pelas
duas outras (infância e adolescência). Ele permite uma separação
psicológica dos pais da infância e uma (relativa) auto-suficiência no mundo
adulto; facilita a relação de reciprocidade com os pais.

2.Desenvolvimento de amizades adultas, mais difíceis de serem mantidas,
diferentes daquelas da adolescência. Amizades com pessoas de diferentes
idades, e de diferentes backgrounds. (“Não vale” só pessoas da mesma
idade, da mesma profissão, do mesmo nível sócio-econômico-cultural, etc.)

3.Desenvolvimento da capacidade para a intimidade emocional e sexual.
Rever a crise conforme Erikson: intimidade versus isolamento (resultado:
amor e filiação).

4.Tornar-se pai ou mãe em termos biológicos e psicológicos, capacidade
esta baseada em antecedentes ou conquistas desenvolvimentais prévias:
identidade de gênero nuclear na infância, consciência da diferença entre os
sexos, resolução saudável do Édipo, integração, na fase da latência, de
atitudes pessoais, familiares e sociais em relação à masculinidade e
feminilidade, evolução da vida sexual na adolescência e experiências
evolutivas de sexo e intimidade na fase de adulto jovem. (Engravidar pode
até ser fácil; difícil é ser pai ou mãe).

5. Formação de uma identidade profìssional adulta, encontrando um lugar
       gratificante no mundo do trabalho (atenção para as diferenças entre
trabalho, emprego e subemprego na nova economia).

6.Desenvolvimento de formas adultas de brincar. Manter-se em contato
        com "a criança de cada um de nós" ; não esquecer que o brincar é a
base do inventar, do criar, do descobrir, essenciais na atividade artística
e científica.

7.Tomada de consciência da limitação do tempo e da morte pessoal, de
forma integrada. (Rever a hipótese de Elliot Jaques: auge versus morte nas
pessoas criativas entre os 35 e 39 anos.)




       CARACTERÍSTICAS QUE SUGEREM PROVÁVEL
                    ETIOLOGIA

                PSICOSSOCIAL DOS SINTOMAS

             A história e a descrição do sintoma não caracterizam
nenhuma doença familiar para o médico.
      A descrição do sintoma parece exagerada ou afetada, e
imagens floridas são empregadas para descrever a queixa.
      Queixas somáticas múltiplas, envolvendo vários sistemas,
são relatadas.
      O tipo da queixa física indica, por si só, alta probabilidade de
etiologia psicogênica (por exemplo, dor abdominal recorrente,
cefaléia crônica, hiperventilação, tonturas, etc).
      A queixa é acompanhada de outros sinais e sintomas de
natureza vegetativa (sudorese, palidez, tonturas, taquicardia,
polaciúria, etc), e/ou de queixas vagas como fadiga, dores difusas,
distúrbios do apetite e do sono.
      O paciente parece indiferente ou pouco preocupado com a
existência do sintoma, apesar da aparente gravidade deste, ou, ao
contrário, sua preocupação é desproporcionalmente intensa para
um sintoma pouco significativo.
      As queixas surgiram após um evento ou situação
estressante.
      Os sintomas do adolescente se assemelham aos de alguma
pessoa (pais, irmãos, parentes, amigo, vizinho) que faleceu
recentemente ou está com alguma doença grave.
      Há conflito familiar (desarmonia, drogadição, separação,
doença grave, morte, etc), abuso sexual, e/ou história de queixas
somáticas freqüentes nos pais.
      O adolescente e/ou seus pais notam a relação entre a
sintomatologia e eventos (ou situações) estressantes, e/ou
sintomas emocionais com ansiedade, medo, tristeza, raiva, etc.
      O adolescente e/ou seus pais relutam em aceitar a
associação etiológica do sintoma físico com os fatores psicossociais,
quando esta parece óbvia para o médico.
      A sintomatologia física é acompanhada de sinais e sintomas
de um distúrbio afetivo, como depressão, ou de ansiedade, ou de
distúrbio de conduta, e/ou de condições como abuso de drogas,
ideação suicida, ou preocupação exagerada com a morte.
      A sintomatologia física parece trazer ganhos secundários
desejados pelo adolescente, como faltas à escola ou à competição
esportiva, maior atenção da família, menor responsabilidade, etc.
      As queixas físicas motivaram freqüentes faltas à escola ou ao
trabalho, e essas faltas não foram mencionadas pelo paciente.
      O adolescente foi visto com a mesma queixa por vários
médicos e/ou atendido várias vezes em pronto-socorros, e/ou
realizou vários exames complementares, e/ou tomou vários
medicamentos, sem melhora da sintomatologia.
      A sintomatologia melhora após uma ou mais entrevistas de
apoio, e/ou após medicação placebo, e/ou após exames que
resultaram normais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestreConteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
alpisveredas
 
Fases da vida
Fases da vidaFases da vida
Fases da vida
Junior Oliveira
 
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e IdosoDesenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Renata Inácio
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
psicologiaazambuja
 
Etapas de Desenvolvimento de uma Pessoa
Etapas de Desenvolvimento de uma PessoaEtapas de Desenvolvimento de uma Pessoa
Etapas de Desenvolvimento de uma Pessoa
Adhara340
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
Ligia Coppetti
 
Vida adulta intermediária
Vida adulta intermediáriaVida adulta intermediária
Vida adulta intermediária
Murilo Augusto Galdino de Souza
 
Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2
Rute Machado
 
Etapas da vida humana finito
Etapas da vida humana   finitoEtapas da vida humana   finito
Etapas da vida humana finito
Sara Bagagem
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Espaço Emrc
 
Etapas da adolescencia
Etapas da adolescenciaEtapas da adolescencia
Etapas da adolescencia
PAFB
 
O início da idade adulta
O início da idade adultaO início da idade adulta
O início da idade adulta
Bruno Gurué
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
Viviane Pasqualeto
 
Adolescência significado evolutivo
Adolescência significado evolutivo Adolescência significado evolutivo
Adolescência significado evolutivo
Psicologia_2015
 
Desenvolvimento da personalidade na vida adulta e na
Desenvolvimento da personalidade na vida adulta e naDesenvolvimento da personalidade na vida adulta e na
Desenvolvimento da personalidade na vida adulta e na
Psicologia_2015
 
Power point de psicologia do desenvolvimento
Power point de psicologia do desenvolvimentoPower point de psicologia do desenvolvimento
Power point de psicologia do desenvolvimento
Marlene Mateus
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
apolonianunes
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
WAGNER OLIVEIRA
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Psicologia_2015
 
Adolescência -> 15-16 anos
Adolescência -> 15-16 anosAdolescência -> 15-16 anos
Adolescência -> 15-16 anos
Kleverson Gomes
 

Mais procurados (20)

Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestreConteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
 
Fases da vida
Fases da vidaFases da vida
Fases da vida
 
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e IdosoDesenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
 
Etapas de Desenvolvimento de uma Pessoa
Etapas de Desenvolvimento de uma PessoaEtapas de Desenvolvimento de uma Pessoa
Etapas de Desenvolvimento de uma Pessoa
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
 
Vida adulta intermediária
Vida adulta intermediáriaVida adulta intermediária
Vida adulta intermediária
 
Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2
 
Etapas da vida humana finito
Etapas da vida humana   finitoEtapas da vida humana   finito
Etapas da vida humana finito
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Etapas da adolescencia
Etapas da adolescenciaEtapas da adolescencia
Etapas da adolescencia
 
O início da idade adulta
O início da idade adultaO início da idade adulta
O início da idade adulta
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
 
Adolescência significado evolutivo
Adolescência significado evolutivo Adolescência significado evolutivo
Adolescência significado evolutivo
 
Desenvolvimento da personalidade na vida adulta e na
Desenvolvimento da personalidade na vida adulta e naDesenvolvimento da personalidade na vida adulta e na
Desenvolvimento da personalidade na vida adulta e na
 
Power point de psicologia do desenvolvimento
Power point de psicologia do desenvolvimentoPower point de psicologia do desenvolvimento
Power point de psicologia do desenvolvimento
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
 
Adolescência -> 15-16 anos
Adolescência -> 15-16 anosAdolescência -> 15-16 anos
Adolescência -> 15-16 anos
 

Destaque

Desenvolvimento humano e ciclo vital
Desenvolvimento humano e ciclo vitalDesenvolvimento humano e ciclo vital
Desenvolvimento humano e ciclo vital
Viviane Pasqualeto
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Thiago de Almeida
 
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - beePsico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
Silvia Marina Anaruma
 
Assistência de enfermagem por ciclos de vida
Assistência de enfermagem por ciclos de vidaAssistência de enfermagem por ciclos de vida
Assistência de enfermagem por ciclos de vida
Centro Universitário Ages
 
O estádio pré operatório
O estádio pré  operatórioO estádio pré  operatório
O estádio pré operatório
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean PiagetOs estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
Tatati Semedo
 
PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4
PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4
PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4
Amanda Nolasco
 
Tipos de parto
Tipos de partoTipos de parto
Tipos de parto
Maria Judith M. Menezes
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
EDSON ALAN QUEIROZ
 
Ciclo vital del ser humano
Ciclo vital del ser humanoCiclo vital del ser humano
Ciclo vital del ser humano
Sandrita Solorzano
 
A). ciclo vital humano
A).  ciclo vital humanoA).  ciclo vital humano
A). ciclo vital humano
Javier Hernández
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
Paulo Aragão
 
Parto
PartoParto
Ciclo de vida del ser humano
Ciclo de vida del ser humanoCiclo de vida del ser humano
Ciclo de vida del ser humano
F_Leiva
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
andressa bonn
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
ElieneDias
 
Sistema musculo esquelético
Sistema musculo esqueléticoSistema musculo esquelético
Sistema musculo esquelético
Ilse Fraustro
 

Destaque (17)

Desenvolvimento humano e ciclo vital
Desenvolvimento humano e ciclo vitalDesenvolvimento humano e ciclo vital
Desenvolvimento humano e ciclo vital
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - beePsico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
 
Assistência de enfermagem por ciclos de vida
Assistência de enfermagem por ciclos de vidaAssistência de enfermagem por ciclos de vida
Assistência de enfermagem por ciclos de vida
 
O estádio pré operatório
O estádio pré  operatórioO estádio pré  operatório
O estádio pré operatório
 
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean PiagetOs estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
 
PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4
PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4
PNAIC - Operações na resolução de problema – Caderno/ unidade 4
 
Tipos de parto
Tipos de partoTipos de parto
Tipos de parto
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
 
Ciclo vital del ser humano
Ciclo vital del ser humanoCiclo vital del ser humano
Ciclo vital del ser humano
 
A). ciclo vital humano
A).  ciclo vital humanoA).  ciclo vital humano
A). ciclo vital humano
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Parto
PartoParto
Parto
 
Ciclo de vida del ser humano
Ciclo de vida del ser humanoCiclo de vida del ser humano
Ciclo de vida del ser humano
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
 
Sistema musculo esquelético
Sistema musculo esqueléticoSistema musculo esquelético
Sistema musculo esquelético
 

Semelhante a Ciclos vitais

As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
jt7_9
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
842203966
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
842203966
 
Manual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. iManual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. i
João Patrício
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
BeatrizVieira226546
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Ana Alpuim
 
Adolescêni
AdolescêniAdolescêni
Adolescêni
Ana Alpuim
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
Kátia Rumbelsperger
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Bruno Carrasco
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)
Paula Santos
 
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certoDsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Viviane Pasqualeto
 
10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)
Beatriz pereira
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
Karlaejobson
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
Autismo
AutismoAutismo
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 03 MEDIO CETADEB )
PSICOLOGIA PASTORAL  (AULA 03  MEDIO CETADEB  ) PSICOLOGIA PASTORAL  (AULA 03  MEDIO CETADEB  )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 03 MEDIO CETADEB )
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
CETADEB Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB  Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia PastoralCETADEB  Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia Pastoral
Ednilson do Valle
 
Slides fases erikson
Slides fases eriksonSlides fases erikson
Slides fases erikson
Kriska Vieira
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
UFMA e UEMA
 
Deficiencia mental preconceito
Deficiencia mental preconceitoDeficiencia mental preconceito
Deficiencia mental preconceito
Graca Miguel
 

Semelhante a Ciclos vitais (20)

As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Manual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. iManual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. i
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Adolescêni
AdolescêniAdolescêni
Adolescêni
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)
 
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certoDsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
 
10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 03 MEDIO CETADEB )
PSICOLOGIA PASTORAL  (AULA 03  MEDIO CETADEB  ) PSICOLOGIA PASTORAL  (AULA 03  MEDIO CETADEB  )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 03 MEDIO CETADEB )
 
CETADEB Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB  Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia PastoralCETADEB  Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 3 - O Desenvolvimento Humano. Livro Psicologia Pastoral
 
Slides fases erikson
Slides fases eriksonSlides fases erikson
Slides fases erikson
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
 
Deficiencia mental preconceito
Deficiencia mental preconceitoDeficiencia mental preconceito
Deficiencia mental preconceito
 

Mais de Rosiane Bezerra

Você tem qualidade de vida
Você tem qualidade de vidaVocê tem qualidade de vida
Você tem qualidade de vida
Rosiane Bezerra
 
7004131 livro-de-massagem
7004131 livro-de-massagem7004131 livro-de-massagem
7004131 livro-de-massagem
Rosiane Bezerra
 
Alta frequência
Alta frequênciaAlta frequência
Alta frequência
Rosiane Bezerra
 
A eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facialA eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facial
Rosiane Bezerra
 
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
Rosiane Bezerra
 
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
Rosiane Bezerra
 
Como fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxanteComo fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxante
Rosiane Bezerra
 
Cabelos
CabelosCabelos
Atencao pre natal
Atencao pre natalAtencao pre natal
Atencao pre natal
Rosiane Bezerra
 

Mais de Rosiane Bezerra (9)

Você tem qualidade de vida
Você tem qualidade de vidaVocê tem qualidade de vida
Você tem qualidade de vida
 
7004131 livro-de-massagem
7004131 livro-de-massagem7004131 livro-de-massagem
7004131 livro-de-massagem
 
Alta frequência
Alta frequênciaAlta frequência
Alta frequência
 
A eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facialA eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facial
 
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
 
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
O heccus é um aparelho computadorizado onde todos os parâmetros são programad...
 
Como fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxanteComo fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxante
 
Cabelos
CabelosCabelos
Cabelos
 
Atencao pre natal
Atencao pre natalAtencao pre natal
Atencao pre natal
 

Ciclos vitais

  • 1. CICLOS VITAIS Principais desenvolvimentos nos oito períodos do ciclo de vida Faixa etária Estágiopré-natal(concepção até nascimento) Primeira infância(nascimento até 3 anos)  Segunda infância(3 a 6 anos)  Terceira infância(6 a 12 anos)  Adolescência(12 a 20 anos)  Jovem adulto(20 a 40 anos)  Meia-idade(40 a 65 anos)  Terceira idade(65 anos em diante) ESTÁGIO PRÉ-NATAL(CONCEPÇÃO ATÉ NASCIMENTO) PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS Formação da estrutura e órgãos corporais básicos. O crescimento físico é o mais rápido de todos os períodos Ø Grande vulnerabilidade às influências ambientais. PRIMEIRA INFÂNCIA(NASCIMENTO ATÉ 3 ANOS) PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS O recém-nascido é dependente porém competente. Ø Todos os sentidos funcionam no nascimento. Crescimento físico e desenvolvimento das habilidades motoras são rápidos. Ø Capacidade de aprender e lembrar está presente, até mesmo nas primeiras semanas de vida. Ø ØCompreensão e fala se desenvolvem rapidamente. Ø Autoconsciência se desenvolve no segundo ano. Ø Apego aos pais e a outros se forma aproximadamente no final do primeiro ano de vida.
  • 2. Ø Interesse por outras crianças aumenta. SEGUNDA INFÂNCIA(DE 3 A 6 ANOS) PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS Força e habilidades motoras simples e complexas aumentam. Comportamento é predominantemente egocêntrico, mas a compreensão da perspectiva dos outros aumenta. Imaturidade cognitiva leva a muitas idéias ilógicas acerca do mundo. Brincar, criatividade e imaginação tornam-se mais elaborados. Ø Independência, autocontrole e cuidado próprio aumentam.Ø Ø ØFamília ainda é o núcleo da vida, embora outras crianças comecem a se tornar importantes.Ø TERCEIRA INFÂNCIA(DE 6 A 12 ANOS) PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS Crescimento físico diminui. Força e habilidades físicas se aperfeiçoam. Egocentrismo diminui. Crianças passam a pensar com lógica, embora predominantemente concreta. Memória e habilidades de linguagem aumentam. Ganhos cognitivos melhoram a capacidade de tirar proveito da educação formal. Auto-imagem se desenvolve, afetando a auto-estima. Amigos assumem importância fundamental ADOLESCÊNCIA(DE 12 A 20 ANOS) PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS Ø Mudanças físicas são rápidas e profundas. Ø Atinge-se a maturidade reprodutiva. Ø Capacidade de pensar abstratamente e usar o pensamento científico se desenvolve. Ø Egocentrismo adolescente persiste em alguns comportamentos. Ø Busca de identidade torna-se fundamental. Ø Grupos de amigos ajudam a desenvolver e testar a auto-imagem. Ø Relacionamento com os pais geralmente é bom. ADULTO(DE 20 A 40 ANOS)
  • 3. PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS  Saúde física atinge o máximo, depois cai ligeiramente. Ø Habilidades cognitivas assumem maior complexidade. Ø Decisões sobre relacionamentos íntimos são tomadas. Ø A maioria das pessoas se casa; a maioria tem filhos. Ø Escolhas profissionais são feitas. MEIA- IDADE(DE 40 A 65 ANOS) PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS  Ocorre certa deterioração da saúde física, e declínio da resistência e perícia. Mulheres entram na menopausa. Ø Sabedoria e capacidade de resolução de problemas práticos são acentuadas; capacidade de resolver novos problemas declina. Ø ØSenso de identidade continua a se desenvolver. Dupla responsabilidade de cuidar dos filhos e pais idosos pode causar estresse. Ø ØPartida dos filhos tipicamente deixa o ninho vazio. Ø Para alguns, sucesso na carreira e ganhos atingem o máximo; para outros ocorre um esgotamento profissional. Ø Busca do sentido da vida assume importância fundamental. Ø Para alguns, pode ocorrer a crise da meia-idade. TERCEIRA IDADE(DE 65 ANOS EM DIANTE) PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS  A maioria das pessoas é saudável e ativa, embora a saúde e a capacidade física declinem um pouco. Ø Retardamento do tempo de reação afeta muitos aspectos do funcionamento. Ø A maioria das pessoas é mentalmente ativa. Embora a inteligência e a memória possam se deteriorar em algumas áreas, a maioria das pessoas encontra modos de compensação. Ø Aposentadoria pode criar mais tempo para o lazer mas pode diminuir as rendas. Ø As pessoas precisam enfrentar perdas em muitas áreas (perdas de suas próprias faculdades, perda de afetos) e a iminência de sua própria morte.
  • 4. LIVRO CICLO DA VIDA  Gestação, Parto e Puerpério  O Bebê e os Pais  O Ciclo Vital da Família  A Criança de 0 a 3 anos  A Criança Pré-Escolar  A idade Escolar: Latência (6 a 12 anos)  A Puberdade  A Adolescência  Adultos Jovens, seus Scripts e Cenários  Idade Adulta: Meia-Idade  A Velhice  A Morte: Última Etapa do Ciclo Vital O NEURÔNIO  O neurônio é a unidade funcional do cérebro.  Um neurônio pode receber milhares de conexões sinápticas de outros neurônios, uma vez que o cérebro humano apresenta, aproximadamente, 10 neurônios.  Calcula-se que o número total de genes do DNA humano chegue a 100.000. Desses, talvez 50.000 sejam funcionais exclusivamente no cérebro, o que sugere a enorme complexidade do controle genético sobre o cérebro e seu desenvolvimento. Crise Psicossocial Estágios Confiança Básica X Desconfiança I. Sensório-Oral (Infância) Autonomia X Vergonha, Dúvida II. Anal-Muscular Iniciativa X Inferioridade III. Genital-Locomotor Atividade X Inferioridade IV. Latência (Idade escolar) Identidade X Confusão de Identidade V. Puberdade e Adolescência Intimidade X Isolamento VI. Adulto Jovem Generatividade X Estagnação VII. Adulto Integridade de Ego X Desespero MECANISMOSDEDEFESA I -DefesasNarcísicas
  • 5. Negação: evitar a percepção de algum aspecto doloroso da realidade, negando dados sensoriais. Afeta mais a percepção da realidade externa do que da realidade interna. Não é necessariamente psicótica, podendo estar a serviço de objetivos adaptativos ou neuróticos.  Projeção:perceber e reagir a estímulos internos inaceitáveis e seus derivados como se estivessem fora do self (eu). Pode levar a delírios francos sobre a realidade externa, usualmente de cunho persecutório; inclui tanto a percepção de seus próprios sentimentos em outros como agir em função dessa percepção.  Distorção:reformular grosseiramente a realidade externa no sentido de enquadrá-la aos desejos internos, podendo incluir crença irreal megalomaníaca, alucinações e delírios, utilizando sentimentos delirantes de superioridade ou autoridade. II - DefesasImaturas  Atuação (acting-out):expressão direta de um desejo ou pulsão inconsciente para evitar a consciência do afeto associado a eles. A fantasia inconsciente é vivida de modo impulsivo, gratificando mais o impulso do que a sua proibição. Inclui agir para evitar a tensão que resultaria se o impulso fosse postergado.  Bloqueio:inibição usualmente temporária dos afetos, pensamentos ou impulsos.  Hipocondria:transformação da censura alheia em autocensura e queixas de dor e enfermidade somática, como conseqüência de privação, solidão ou pulsões agressivas inaceitáveis.  Introjeção:internalização das características de um objeto amado, visando a aproximar-se deste e manter sua presença. A introjeção de um objeto temido, pela internalização das suas características agressivas, leva a um controle da agressão.  Comportamento passivo-agressivo: agressão para com o objeto, manifestada de forma indireta e ineficaz por meio de passividade, masoquismo e voltando-se contra si mesmo.  Projeção:atribuição aos outros dos próprios sentimentos inaceitáveis. Inclui preconceitos, rejeição, suspeita, excessiva cautela contra perigos externos, etc.  Regressão:retorno a um estágio anterior do desenvolvimento devido à dificuldade de enfrentar as ansiedades e desafios atuais. Inclui um retorno a pontos de fixação primitivos e incorporação de comportamentos já abandonados.  Somatização:conversão defensiva de derivados psíquicos em sintomas corporais III - Defesas Neuróticas  Controle: tentativa exagerada de manejar ou regular os acontecimentos ou o ambiente externo com o objetivo de minimizar a ansiedade e resolver conflitos internos.  Deslocamento: sentimentos vinculados a um objeto são redirecionados a outro (p. ex. fobias).  Dissociação:modificação do caráter de uma pessoa ou de seu sentimento de identidade a fim de evitar angústia. Separa ativamente sentimentos, representações do self ou do objeto contraditórias como bem-mal, prazer-desprazer, etc.
  • 6. Intelectualização: controle dos afetos e dos impulsos pensando sobre eles, mas não os experimentando.  Isolamento:divisão intrapsíquica ou separação entre o afeto e seu conteúdo, levando à repressão da idéia ou afeto ou ao deslocamento do afeto para um conteúdo diferente ou substituto.  Racionalização: aplicação de justificativas incorretas ou uso de sofismas convincentes para explicar atitudes, crenças ou comportamentos inaceitáveis de outra forma.  Formação reativa: expressão de sentimentos inaceitáveis de uma forma antitética ou oposta.  Repressão ou recalque: expulsão de uma idéia ou sentimento da percepção consciente para o inconsciente. IV - Defesas Maduras  Altruísmo: satisfação vicária construtiva e gratificante das pulsões por serviços prestados aos outros.  Ascetismo: gratificação derivada da renúncia do prazer atribuída a uma experiência em favor de valores morais.  Humor: capacidade de fazer graça de si mesmo sem incômodo pessoal e sem causar desprazer nos demais. Permite que se tolere o que parece ser terrível de ser suportado.  Sublimação: gratificação de uma pulsão cuja finalidade é preservada, mas cujo alvo ou objeto é convertido de socialmente objetável em socialismo valorizado. Permite que as pulsões sejam canalizadas em vez de reprimidas ou desviadas.  Supressão: decisão consciente ou semiconsciente de adiar a tenção para um impulso ou conflito consciente.  Representações da gestante como mulher e mãe.  Fantasias a respeito do filho e da sua identidade futura.  Antecipações de dificuldades profissionais e no relacionamento com o marido.  Medo da própria morte e/ou do bebê no parto, bem como de malformações Durante o processo do divórcio observam-se minicrises previsíveis para as quais os adultos devem estar preparados (Seibt, 1996) : 1. no momento da decisão de separar-se; 2. quando a decisão é comunicada à família e aos amigos; 3. quando se discutem dinheiro e visitas; 4. quando a separação física acontece; 5. quando o divórcio legal é assinado; 6. quando assuntos precisam ser renegociados, como, por exemplo,
  • 7. dinheiro e visitas e quando um dos pais começa a namorar; 7. quando se comemoram aniversários, formaturas e outros acontecimentos importantes (um dos dois casa novamente, por exemplo). EXPRESSÃOGRÁFICA  O domínio do traço oblíquo:a criança vai mais além do desenho do quadrado, da cruz, do círculo e do triângulo para o desenho do losango e do “x”.  O detalhamento e a coordenação das estruturas do desenho da figura humana:surgem atributos como mãos e olhos e posicionamento adequado do pescoço e dos diferentes segmentos do corpo.  O aparecimento no desenho do movimento e de interações:a criança se expressa mais pelo desenho do que pelo relato de fatos.  A noção de profundidade e de sombreado: noções que surgem ao final e indicam mudança no sentido da aquisição de perspectiva tridimensional. AS TAREFAS EVOLUTIVAS DA MEIA-IDADE  aceitação do corpo que envelhece;  aceitação da limitação do tempo e da morte pessoal;  manutenção da intimidade;  reavaliação dos relacionamentos;  relacionamentos com os filhos: deixar ir, atingir igualdade, integrar novos membros;  relação com seus pais: inversão de papéis, morte e individuação;  exercício do poder e posição: trabalho e papel de instrutor;  novos significativos, habilidades e objetivos dos jogos na meia-idade;  preparação para a velhice. MEDIDAS PREVENTIVAS  Manter a saúde física com a prevenção das doenças degenerativas;  Independência econômica;  Ter seu próprio espaço físico ou moradia;  Ter laços de amizade e vínculos fortes com a família;  Manter um relacionamento íntimo com um(a) companheiro(a);  Ter um vínculo com a comunidade;  Manter-se sempre ocupado e com planos para o futuro;  Se possível, manter um vínculo com seu antigo trabalho ou profissão;
  • 8. Buscar ajuda na comunidade;  Praticar exercícios, manter uma atividade física regular. TAREFAS EVOLUTIVAS DO ADULTO JOVEM (20 A 40 ANOS) 1. Desenvolvimento de um sentido do self e do outro – a terceira individuação, com busca do preenchimento das lacunas deixadas pelas duas outras (infância e adolescência). Ele permite uma separação psicológica dos pais da infância e uma (relativa) auto-suficiência no mundo adulto; facilita a relação de reciprocidade com os pais. 2.Desenvolvimento de amizades adultas, mais difíceis de serem mantidas, diferentes daquelas da adolescência. Amizades com pessoas de diferentes idades, e de diferentes backgrounds. (“Não vale” só pessoas da mesma idade, da mesma profissão, do mesmo nível sócio-econômico-cultural, etc.) 3.Desenvolvimento da capacidade para a intimidade emocional e sexual. Rever a crise conforme Erikson: intimidade versus isolamento (resultado: amor e filiação). 4.Tornar-se pai ou mãe em termos biológicos e psicológicos, capacidade esta baseada em antecedentes ou conquistas desenvolvimentais prévias: identidade de gênero nuclear na infância, consciência da diferença entre os sexos, resolução saudável do Édipo, integração, na fase da latência, de atitudes pessoais, familiares e sociais em relação à masculinidade e feminilidade, evolução da vida sexual na adolescência e experiências evolutivas de sexo e intimidade na fase de adulto jovem. (Engravidar pode até ser fácil; difícil é ser pai ou mãe). 5. Formação de uma identidade profìssional adulta, encontrando um lugar gratificante no mundo do trabalho (atenção para as diferenças entre trabalho, emprego e subemprego na nova economia). 6.Desenvolvimento de formas adultas de brincar. Manter-se em contato com "a criança de cada um de nós" ; não esquecer que o brincar é a base do inventar, do criar, do descobrir, essenciais na atividade artística e científica. 7.Tomada de consciência da limitação do tempo e da morte pessoal, de forma integrada. (Rever a hipótese de Elliot Jaques: auge versus morte nas pessoas criativas entre os 35 e 39 anos.) CARACTERÍSTICAS QUE SUGEREM PROVÁVEL ETIOLOGIA PSICOSSOCIAL DOS SINTOMAS  A história e a descrição do sintoma não caracterizam
  • 9. nenhuma doença familiar para o médico.  A descrição do sintoma parece exagerada ou afetada, e imagens floridas são empregadas para descrever a queixa.  Queixas somáticas múltiplas, envolvendo vários sistemas, são relatadas.  O tipo da queixa física indica, por si só, alta probabilidade de etiologia psicogênica (por exemplo, dor abdominal recorrente, cefaléia crônica, hiperventilação, tonturas, etc).  A queixa é acompanhada de outros sinais e sintomas de natureza vegetativa (sudorese, palidez, tonturas, taquicardia, polaciúria, etc), e/ou de queixas vagas como fadiga, dores difusas, distúrbios do apetite e do sono.  O paciente parece indiferente ou pouco preocupado com a existência do sintoma, apesar da aparente gravidade deste, ou, ao contrário, sua preocupação é desproporcionalmente intensa para um sintoma pouco significativo.  As queixas surgiram após um evento ou situação estressante.  Os sintomas do adolescente se assemelham aos de alguma pessoa (pais, irmãos, parentes, amigo, vizinho) que faleceu recentemente ou está com alguma doença grave.  Há conflito familiar (desarmonia, drogadição, separação, doença grave, morte, etc), abuso sexual, e/ou história de queixas somáticas freqüentes nos pais.  O adolescente e/ou seus pais notam a relação entre a sintomatologia e eventos (ou situações) estressantes, e/ou sintomas emocionais com ansiedade, medo, tristeza, raiva, etc.  O adolescente e/ou seus pais relutam em aceitar a associação etiológica do sintoma físico com os fatores psicossociais, quando esta parece óbvia para o médico.  A sintomatologia física é acompanhada de sinais e sintomas de um distúrbio afetivo, como depressão, ou de ansiedade, ou de distúrbio de conduta, e/ou de condições como abuso de drogas, ideação suicida, ou preocupação exagerada com a morte.  A sintomatologia física parece trazer ganhos secundários desejados pelo adolescente, como faltas à escola ou à competição esportiva, maior atenção da família, menor responsabilidade, etc.  As queixas físicas motivaram freqüentes faltas à escola ou ao trabalho, e essas faltas não foram mencionadas pelo paciente.  O adolescente foi visto com a mesma queixa por vários médicos e/ou atendido várias vezes em pronto-socorros, e/ou realizou vários exames complementares, e/ou tomou vários medicamentos, sem melhora da sintomatologia.  A sintomatologia melhora após uma ou mais entrevistas de apoio, e/ou após medicação placebo, e/ou após exames que resultaram normais.