SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª. Ms. Vivivane Medeiros Pasqualeto
Todo adulto tem necessidade de ajuda, calor
 humano e proteção... Diferentes sob muitos
aspectos e, contudo, idênticos às necessidades
               de uma criança.

           Erich Fromm, The Health Society, 1955
   Papalia et al (2009) citam quatro abordagens
    clássicas ao desenvolvimento psicossocial
    adulto
     modelos normativo-sequenciais
     modelo da cronologia dos eventos
     modelos de traços
     modelos tipológicos.
   Desenvolvimento relacionado à idade
   Os adultos seguem a mesma sequência básica
    de mudanças psicossociais relacionadas à idade.
   As mudanças são normativas porque parecem
    ser comuns a todos os membros de uma
    população;
     e elas surgem em períodos, ou etapas, sucessivos, às
      vezes marcados por crises emocionais que preparam
      o caminho para desenvolvimentos adicionais.
   Intimidade versus isolamento de ERIK ERIKSON
       Início da maturidade
       Namoro e começo da vida familiar
       Desde o final da adolescência até o começo da meia-idade
       Intimidade = mais que a simples realização amorosa; capacidade
        de envolver-se, de partilhar com outrem e cuidar de outrem, sem
        temor de perder-se no processo.
        ▪ O êxito na realização de um senso de intimidade depende apenas
          indiretamente dos pais, no que eles tenham contribuído para o sucesso ou
          fracasso do indivíduo nos estágios iniciais da vida.
        ▪ As condições sociais podem ajudar ou prejudicar o estabelecimento do
          senso de intimidade. Um indivíduo que a teme pode evitar o contato com
          outras pessoas se escondendo atrás do seu trabalho. Se não for criado um
          senso de intimidade com os amigos ou com o parceiro conjugal, o
          resultado, no entender de Erikson, é um senso de isolamento... a
          incapacidade para arriscar a própria identidade compartilhando uma
          intimidade autêntica.
   Vaillant e Levinson (Herdeiros de Erikson),
     constrói sua primeira estrutura temporária de
        vida.
       sai da casa de seus pais
       torna-se financeira e emocionalmente
        independente.
       estabelece e define suas metas e um tempo para
        realizá-las.
       a maneira pela qual ele lida com as questões desta
        fase afetará a transição para a meia-idade.
   Modelo da Cronologia dos Eventos (defendido por
    Bernice Neugarten e outros)

     a trajetória do desenvolvimento depende do
      momento em os eventos ocorrem na vida das
      pessoas.
     Eventos de vida normativos: aqueles que
      geralmente ocorrem em certos momentos da vida –
      casamento, paternidade/maternidade, ser avô/avó,
      aposentadoria...
           ▪ RELÓGIO SOCIAL : conjunto de normas ou expectativas culturais a
             respeito do momento da vida em que certos eventos costumam
             acontecer.
   Se os eventos não ocorrem em tempo certo –
    estresse
     Perder o cônjuge
     Perder o emprego                                 ?
     Nunca casar
     Não ter filho

Modelo limitado: culturas e períodos em que as normas de comportamento sejam
estáveis e generalizadas.
   os cinco fatores de Costa e McCrae
   procuram estabilidades ou mudança nos
    traços de personalidade.
   Paul T. Costa e Robert R. McCrae
    desenvolveram e testaram um modelo de
    cinco fatores que consiste em fatores ou
    dimensões que parecem ser subjacentes aos
    cinco grupos de traços associados,
    conhecidos como “Os Cinco Grandes” .
   Neuroticismo
   Extroversão
   Abertura a experiências
   Escrupulosidade
   Amabilidade .
     Estudos com diversas culturas encontraram os
     mesmos cinco fatores, que parecem ser, portanto,
     universais, de acordo com seus defensores
   Neuroticismo é um agrupamento de seis
    traços indicadores de instabilidade
    emocional:
    ansiedade, hostilidade, depressão, inibição, i
    mpulsividade e vulnerabilidade.
   Extroversão também tem seis facetas: calor
    humano, espírito
    gregário, assertividade, atividade, busca de
    sensações e emoções positivas.
   Abertura a experiências são as pessoas que
    estão dispostas a experimentar coisas novas
    e abraçar novas idéias.
   Escrupulosidade são para pessoas
    realizadoras - são competentes, organizadas,
    cumpridoras do dever, ponderadas e
    disciplinadas.
   Amáveis são pessoas confiáveis, sinceras,
    altruístas, obedientes, modestas e facilmente
    influenciadas
 Estudos realizados revelaram notáveis
  mudanças em todos os cinco fatores entre a
  adolescência e os trinta anos, com uma
  mudança muito mais lenta a partir desta idade
 Mulheres, normalmente, pontuam mais em
  neuroticismo e amabilidade
 A amabilidade e a escrupolosidade aumentam
  na idade adulta
 Neuroticismo, extroversão e aberturas de
  experiências diminuem na idade adulta
   Críticas:
     Avaliações subjetivas – ausência de validade
     Escolha dos fatores - arbitrária
     A personalidade é mais que uma coleção de traços
   Block (1971) foi um dos pioneiros da
    abordagem tipológica.
   A pesquisa tipológica procura complementar
    e expandir o estudo de traços ao olhar para a
    personalidade como um todo em
    funcionamento.
   Pesquisadores identificaram três tipos
    básicos de personalidades: ego-resiliente,
    supercontrolado e subcontrolado.
   As pessoas destes três tipos diferem quanto a
    ego-resiliência ou adaptabilidade sob
    pressão, e ao controle do ego ou
    autocontrole.
   Pessoas ego-resilientes são bem ajustadas:
    autoconfiantes, independentes,
    desembaraçadas, atentas, prestativas,
    colaboradoras e focalizadas nas tarefas.
   Pessoas supercontroladas tendem a ser
    tímidas, caladas, ansiosas e confiáveis;
    tendem a guardar seus pensamentos para si
    mesmas e a se afastarem de conflitos, e são
    as mais sujeitas à depressão.
   Pessoas subcontroladas são
    ativas, energéticas, impulsivas, teimosas e
    facilmente distraídas.
Profª. Viviane Medeiros Pasqualeto
Curso de Psicologia
   Baltes e seus colaboradores identificaram seis
    princípios básicos em sua abordagem do
    desenvolvimento do ciclo da vida:
     Desenvolvimento é vitalício
     Desenvolvimento envolve ganho e perda
     Influências relativas de mudanças biológicas e
      culturais sobre o ciclo de vida
     Desenvolvimento envolve mudança na alocação de
      recursos
     Desenvolvimento revela plasticidade
     Desenvolvimento é influenciado pelo contexto
      histórico e cultural
 O desenvolvimento é um processo vitalício de
  mudança na capacidade de se adaptar às
  situações escolhidas ou nas quais a pessoa se
  encontra.
 Cada período do ciclo de vida é afetado pelo que
  aconteceu antes e afetará o que estar por vir.
  Cada período tem suas próprias características e
  valores; nenhum é mais ou menos importante
  que outro.
 Mesmo pessoas muito velhas podem crescer
  emocionalmente e intelectualmente.
   O desenvolvimento é multidimensional e
    multidirecional
   Ocorre ao longo das múltiplas dimensões que
    interagem: biológica, psicológica e social
   Desenvolvimento prossegue em mais de uma
    direção – enquanto se ganha em uma
    área, pode se perder em outra (por
    exemplo, o adolescente ganha em habilidade
    física e perde em facilidade para aprender
    outro idioma)
   O processo de desenvolvimento é
    influenciado tanto pela biologia quanto pela
    cultura
   O equilíbrio entre as influências se altera
   Influências biológicas vão se acentuando com
    avançar da idade
   Os apoios culturais, relacionamentos e a
    educação compensam as influências
    biológicas
   Os indivíduos escolhem como investir seus recursos
    de tempo, energia, talento, dinheiro, apoio social, etc.
   Os recursos podem ser usados para o crescimento,
    conservação ou recuperação, para lidar com a perda
    quando a conservação ou recuperação não são
    possíveis
   A alocação de recursos para essas três funções muda
    ao longo da vida
     Da infância até o início da vida adulta: a maior parte dos
      recursos é direcionada para o crescimento
     Na meia-idade: há um equilíbrio de alocações
     Na velhice: para regulação da perda
   Muitas capacidades, como memória, força
    física e resistência podem ser aperfeiçoadas
    com treinamento e prática, mesmo em idade
    avançada
   Ainda resta a dúvida: até que ponto
    determinados tipos de desenvolvimento
    podem ser modificados em diversas idades?
   Cada pessoa se desenvolve em múltiplos
    contextos
   Além da maturação biológica, há a influência
    pelo tempo e lugar
   Os seres humanos influenciam e são
    influenciados pelo contexto histórico cultural
Professora Viviane Medeiros Pasqualeto
Curso de Psicologia
   As trajetórias são mais variáveis do que
    antigamente
   Em 1960, de acordo com Mouw (2005), os
    jovens normalmente concluíam a educação
    escolar, saíam de casa, encontravam um
    emprego, casavam-se e tinham filhos. Nos
    anos de 1990 somente um em quatro seguia
    essa sequência
   Atual: fase de experimentação antes de se
    assumir papéis e responsabilidades
                                        Influências?
   Experiências da adolescência podem
    influenciar o relacionamento com os pais na
    fase adulta inicial
   Tende a ser melhor na fase da vida adulta
   Há um retorno aos laços familiares
   Tarefa crucial da idade adulta jovem (Erikson)
    Intimidade = mais que a simples realização amorosa;
     capacidade de envolver-se, de partilhar com outrem
         e cuidar de outrem, sem temor de perder-se no
                                               processo.
   Necessidade de estabelecer relacionamentos
    fortes, estáveis, estreitos e carinhosos é um
    forte motivador do comportamento
    humano
   Elementos importantes para a intimidade
       Auto-revelação
       Revelação compartilhada
       Receptividade às necessidades do outro
       Aceitação e respeito mútuos
   Habilidades para os relacionamentos íntimos
       Autoconsciência
       Empatia
       Capacidade de comunicar emoções
       Resolução de conflitos
       Capacidade para manter compromissos
   Amizade
   Amor
   Sexualidade
   As amizades tendem a centrar-se nas
    atividades de trabalho, de criação dos filhos,
    na partilha de confidências e conselhos
   Amizades para vida inteira/ amizades
    fulgazes
   Jovens solteiros recorrem mais às amizades
    para satisfazer às suas necessidades sociais
   O número de amigos e quantidade de tempo
    investida neles decresce com o avançar da
    idade
   Amizades são importantes para os adultos
    jovens – pessoas que têm amigos tendem a
    sentir a sensação de bem-estar
   Mulheres têm geralmente mais amizades
    íntimas. Conversam sobre os problemas
    conjugais e recebem conselhos
   Os homens têm propensão a compartilhar
    informações e atividades, e não confidências
   Histórias de amor
   A maneira pela qual o amor se desenvolve é uma
    história (Sternberg, 1995)
     Os amantes são os autores e o tipo de histórias que
      eles criam reflete suas personalidades e suas
      concepções de amor.
 O amor para alguns é um vício – com vínculo
  forte, ansioso, colado
 Para outros, o amor é uma fantasia na qual uma
  pessoa espera ser salva por outra – ‘um cavaleiro
  com armadura brilhante”
 Outros enxergam o amor como uma guerra
   Pode ser uma história de terror, com agressor
    e vítima
   Pode ser um mistério, com detetive, em que
    uma das partes está constantemente
    vigiando a outra
   Pode ser um jardim que precisa ser cultivado
    e bem tratado
   Pessoas com histórias similares tendem a ser
    mutuamente atraídas e a tornarem-se mais
    satisfeitas com seus relacionamentos,
    embora algumas histórias tragam muita
    insatisfação
   As histórias, uma vez iniciadas, são difíceis de
    mudar... Quando ocorre algo que conflita
    esse entendimento as pessoas resistem a
    mudar a história, tentando interpretar a nova
    informação para justificá-la
   De acordo com a subteoria de Sternberg –
    subtreoria triangular do amor, os três
    elementos do amor são: intimidade, paixão
    e compromisso.
   Intimidade = elemento emocional, auto-
    revelação, ligação, ternura e confiança
   Paixão = elemento motivacional, impulsos
    interiores e desejo sexual
   Compromisso= elemento cognitivo, a decisão
    de amar e permanecer com a pessoa amada
Tipo                Descrição
Desamor             Todos os três componentes do amor estão ausentes
Amizade             Intimidade é o único componente presente
Paixão passageira   A paixão é o único componente presente. Este é o “amor à primeira
                    vista”, forte atração física e excitação sexual, sem intimidade ou
                    compromisso

Amor vazio          Compromisso é o único componente presente. Encontrado em
                    casais que perderam tanto a intimidade como a paixão ou em
                    casamentos arranjados

Amor romântico      Intimidade e paixão
Amor companheiro    Intimidade e compromisso
Amor ilusório       Paixão e compromisso estão presentes. Não há intimidade. Casal
                    assume compromisso com base na paixão sem o tempo necessário
                    para se estabelecer a intimidade
   Amor completo, pelo qual muitas pessoas se
    esforçam, principalmente nas relações
    românticas. É mais fácil atingi-lo do que
    mantê-lo. Um dos parceiros pode modificar o
    que o outro quer da relação. Se o outro
    também se modificar, o relacionamento pode
    sobreviver de uma forma diferente. Se o
    parceiro não se modificar, pode se dissolver.
   O senso comum sugere que os homens e as
    mulheres diferem quanto à sexualidade
   Muitas pesquisas sustentam essa visão
HOMENS                          MULHERES

   Demonstram mais desejo         Querem sexo dentro do
    sexual                          relacionamento, de
   Tendem a querer sexo            preferência com amor
    frequentemente                  completo
   Se masturbam mais cedo e       Mais influenciadas por
    com maior frequência            fatores culturais, sociais e
   Priorizam o prazer físico       situacionais
   Vida de solteiro
     População em crescimento constante
     Foco acadêmico
     Foco profissional
     Dificuldade em encontrar a pessoa certa
     Desejo de liberdade sexual
     Medo do fracasso
   Relacionamentos homossexuais
          A maioria busca o amor completo, da mesma
           forma que os heterossexuais
          Ingredientes de satisfação são similares aos
           relacionamento heterossexuais
          Rompimentos mais frequentes
          Dificuldade: apoio social
O Censo 2010 encontrou 60 mil casais homossexuais que dividem a mesma casa, como já tinha
sido divulgado pelo IBGE. Desse total de uniões, 53,8% eram de mulheres. No total de pessoas
    que declararam ter cônjuges do mesmo sexo, 47,4% se disseram católicas e 20,4% sem
  religião. Pouco mais de um quarto (25,8%) tinha curso superior completo. A grande maioria
 dos casais (52,6%) vive no Sudeste. Em números absolutos, as cidades com mais casais gays
         são São Paulo (7.532), Rio de Janeiro (5.612), Salvador (1.595) e Fortaleza (1.559).
   Concubinato – união consensual
     Estilo de vida cada vez mais comum, no qual um
      casal não casado legalmente mora junto
     Em crescimento
      ▪ Reflete a natureza exploratória e a tendência para adiar
        o casamento
Uma série de mudanças no perfil da família brasileira tem sido registrada nas últimas
 décadas e se confirma no Censo 2010 do IBGE. A proporção de casais que vivem em
  união consensual teve grande aumento na década, enquanto o porcentual dos que
    são casados formalmente teve queda significativa. Os casamentos informais são
  crescentes inclusive na população que se diz católica, embora a Igreja reprove esse
                                                              tipo de união conjugal.
   Casamento
     A monogamia é norma na maioria das sociedades
     A poligamia é comum em países islâmicos, em
      algumas sociedades africanas e em partes da Ásia.
     Em sociedades poliândricas, em que as mulheres
      geralmente detêm mais poder econômico, uma
      mulher pode ter vários maridos
   Casamento
     Benefícios
     Ingresso no casamento
     Atividade sexual
     Satisfação conjugal
     Fatores para o sucesso ou fracasso
 O Censo 2010 indica um crescimento significativo das
  uniões consensuais em relação a 2000.
 Em 2010, das pessoas casadas, 36,4% viviam em união
  consensual, contra 28,6% em 2000.
 Reduziram-se os percentuais de pessoas que viviam
  unidas através do casamento civil e religioso (de 49,4%
  para 42,9%) e daquelas unidas apenas no religioso (de
  4,4% para 3,4%).
 O percentual de pessoas casadas apenas no civil variou
  pouco, passando de 17,5% em 2000 para 17,2% em 2010.
 os solteiros continuam sendo mais da metade da
  população (55,3%), subindo 0,5 ponto
  percentual em relação a 2000 (54,8%).
 os casados caíram de 37,0% para 34,8%.
 percentual de divorciados quase
  dobrou, passando de 1,7%, em 2000, para 3,1%
  em 2010.
 redução no percentual de pessoas que nunca
  viveram em união, de 38,6% para 35,4%.
 em relação a 2000, o percentual de pessoas
  separadas aumentou de 11,9% para 14,6% em
  2010.
   Em relação ao nível educacional, 25,8% das
    pessoas envolvidas em uniões com cônjuges do
    mesmo sexo declararam possuir superior
    completo.
   Em termos de opção religiosa, houve
    predominância de pessoas católicas (47,4%),
    seguida por pessoas sem religião (20,4%).
   O estado civil preponderante foi o de solteiros
    (81,6%), e 99,6% viviam em união consensual.
     Mais da metade dessas uniões se encontrava na
     região Sudeste (52,6%).
   Em 2011, foram registrados 1.026.736
    casamentos, 5,0% a mais que no ano anterior.
    Deste total, 1.025.615 foram de cônjuges de
    15 anos ou mais. Isso fez com que a taxa
    nupcialidade se elevasse em relação a 2010
    (6,6‰), atingindo quase 7,0 casamentos para
    mil habitantes de 15 anos ou mais
   Em 2011, a maior taxa de nupcialidade entre as
    mulheres permaneceu no grupo de 20 a 24 anos
    (30,8‰), valor próximo aos de 2006 (30,5‰) e 2001
    (29,2‰).
   No grupo 15 a 19 anos, a taxa em 2011 (16,1‰) foi
    inferior à observada em 2001 (16,8‰).
   Já na faixa de 25 a 29 anos, elevou-se de 21,3‰ para
    29,1‰ no período analisado, refletindo o aumento da
    idade média das mulheres ao casar.
     As taxas de nupcialidade das mulheres são maiores que a
      dos homens apenas nos dois grupos etários de 15 a 19
      anos (16,1‰ frente a 3,6‰) e de 20 a 24 anos (30,8‰
      contra 25,1‰).
 Os homens tiveram taxa de nupcialidade mais elevada no
  grupo entre 25 e 29 anos (32,2‰), valor ligeiramente
  inferior ao de 2006 (32,4‰).
 A partir dos 60 anos, as taxas para eles (4,6‰ no grupo de
  60 a 65 anos e 3,5‰ na faixa de 65 e mais) são mais que o
  dobro que as das mulheres (1,8‰ no grupo de 60 a 64
  anos e 0,8‰ na faixa de 65 e mais).
     Devido à sobremortalidade masculina entre os idosos, nas
      idades mais avançadas há mais mulheres do que homens na
      população, tornando menores as probabilidades de casamentos
      das mulheres mais idosas.
     Para todos os grupos a partir de 30 anos, as taxas de
      nupcialidade dos homens foram maiores em 2011 que em 2001.
      Os homens se unem mais tarde que as mulheres e mantêm as
      mais altas taxas de nupcialidade.
   Casamentos em que o cônjuge masculino tem
    idade mais elevada são majoritários, porém, na
    comparação entre os anos de 2001 e 2011
    observa-se o aumento dos percentuais em que a
    mulher é mais velha, respectivamente 20,3%
    23,7%. Este quadro é notado em todas as
    unidades da federação considerando o período
    de dez anos.
   Os casamentos entre cônjuges solteiros
    permanecem como conjunto majoritário
    (79,7%), mas sua tendência é de decréscimo
    (era 87,7% em 2001).
   Houve crescimento da proporção de
    recasamentos (20,3%); em 2001, os
    recasamentos totalizavam 12,3% e, em 2006,
    14,6%.
   O envolvimento dos homens e das mulheres
     Entusiasmo
     Ansiedade
      ▪ Satisfação
      ▪ Alegria
      ▪ Responsabilidade
      ▪ Comprometimento
      ▪ Doação
   Famílias menores
   Início mais tarde
   Queda no investimento social
   Queda na satisfação conjugal
   Número de filhos
     1,94 filho por mulher em 2009
      ▪ Este declínio da fecundidade vem ocorrendo nas últimas décadas
        em todas as regiões e em todos os grupos sociais,
        independentemente da renda, cor e nível.
     mulheres com até 7 anos de estudo - média 3,19 filhos
      ▪ Entre as mulheres com menos de 7 anos de estudo, o grupo de 20 a
        24 anos de idade concentrava, em 2009, 37% da fecundidade total,
        e o de 15 a 19 anos, 20,3%.
     mulheres com 8 anos ou mais de estudo - média 1,68 filhos
      ▪ Entre as mulheres com 8 anos ou mais de estudo, os grupos etários
        de 20 a 24 anos (25,0%) e de 25 a 29 anos (24,8%) concentravam,
        juntos, quase metade da fecundidade, e o grupo entre 15 e 19 anos
        concentrava 13,3%.
   Enquanto em 2001 as mães que tinham entre
    30 e 34 anos representavam 14,73%, em 2011
    este percentual foi de 17,63%.
   Na faixa entre 25 e 29 anos, os nascimentos
    passaram de 23,32% para 25,27% em dez
    anos.
   Entre as mães de 20 a 24 anos, o percentual
    caiu de 30,74% para 27,53%.
Até o Século XIX, o casamento era visto nas sociedades ocidentais
   como um acordo comercial entre duas famílias, sem que os dois
  intervenientes tivessem muito voto na matéria. O movimento do
  romantismo modificou esta imagem, passando a existir o ideal de
   “casar por amor”. Até o Século XX, era comum que o casamento
  fosse visto como algo indissolúvel (embora pudesse ser anulado),
           não havendo reconhecimento legal do divórcio.
Como contrato, o casamento serve, e serviu, a diversas empreitadas,
como manter concentração de bens com determinado grupo. Porém,
   já há algumas décadas a dissolução do casamento é frequente, o
  que pode ser atestado pelo elevado número de divórcios na maior
                          parte do mundo.
   Em 2011 foram registrados 351.153 processos
    judiciais concedidos ou escrituras públicas de
    divórcios, um crescimento de 45,6% no total
    de divórcios no país, em relação a 2010. Com
    isso, a taxa de divórcios teve comportamento
    diferenciado, atingindo o maior valor desde
    1984 (2,6‰).
Juliana Cunha
Julho 2012
 A partir de experiências pessoais ou de fontes da
  mídia, discuta com seu colega e após descreva
  exemplos dos tipos de amores e exemplos de estilo de
  vida (conjugal ou não conjugal), demonstrando além
  das características, os fatores positivos e negativos de
  cada exemplo.
 Também convido você a refletir com seu colega sobre
  suas amizades, quantos amigos verdadeiros você tem
  e quais os motivos
 Além disso, discuta com seu colega quais são os
  ingredientes para o sucesso de um casamento e quais
  são os ingredientes para o fracasso, após descreva-os

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
marta12l
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
Luis Davi Salomao
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
psicologiaazambuja
 
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Luan Costa Souza
 
teorias da personalidade - Carl Rogers
teorias da personalidade - Carl Rogersteorias da personalidade - Carl Rogers
teorias da personalidade - Carl Rogers
Daniela Ponciano Oliveira
 
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Viviane Pasqualeto
 
O início da idade adulta
O início da idade adultaO início da idade adulta
O início da idade adulta
Bruno Gurué
 
Fases da vida adulta
Fases da vida adultaFases da vida adulta
Fases da vida adulta
Bruno Gurué
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Joelson Honoratto
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
Ligia Coppetti
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
Thiago de Almeida
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
Amanda da Silveira
 
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
Secretaria Municipal de Educação de Goiânia
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
Viviane Pasqualeto
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Juliermeson Morais
 
Trabalho de psicologia
Trabalho de psicologiaTrabalho de psicologia
Trabalho de psicologia
jessicasantos1993
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 

Mais procurados (20)

Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
 
teorias da personalidade - Carl Rogers
teorias da personalidade - Carl Rogersteorias da personalidade - Carl Rogers
teorias da personalidade - Carl Rogers
 
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
 
O início da idade adulta
O início da idade adultaO início da idade adulta
O início da idade adulta
 
Fases da vida adulta
Fases da vida adultaFases da vida adulta
Fases da vida adulta
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Trabalho de psicologia
Trabalho de psicologiaTrabalho de psicologia
Trabalho de psicologia
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 

Semelhante a Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo

Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certoDsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Viviane Pasqualeto
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Ana Alpuim
 
Adolescêni
AdolescêniAdolescêni
Adolescêni
Ana Alpuim
 
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa   manualAcompanhamento e animação da pessoa idosa   manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Margarida Pires
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
BeatrizVieira226546
 
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
jt7_9
 
Atividade 2 envio de arquivo de texto tdic
Atividade 2 envio de arquivo de texto tdicAtividade 2 envio de arquivo de texto tdic
Atividade 2 envio de arquivo de texto tdic
Letícia Bueno
 
7.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.2
7.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.27.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.2
7.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.2
Bruniiinha
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Kátia Martins
 
1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf
1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf
1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf
AnaMariaMonteles
 
Slides fases erikson
Slides fases eriksonSlides fases erikson
Slides fases erikson
Kriska Vieira
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
842203966
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
842203966
 
Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia
Sara Avelinos
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
Guima2011
 
Ciclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiarCiclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiar
Inaiara Bragante
 
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adultoCrescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Van Der Häägen Brazil
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
Guima2011
 
Desenvolvimento erikson
Desenvolvimento eriksonDesenvolvimento erikson
Desenvolvimento erikson
Ana Lopes
 

Semelhante a Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo (20)

Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certoDsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Adolescêni
AdolescêniAdolescêni
Adolescêni
 
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa   manualAcompanhamento e animação da pessoa idosa   manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
 
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
 
Atividade 2 envio de arquivo de texto tdic
Atividade 2 envio de arquivo de texto tdicAtividade 2 envio de arquivo de texto tdic
Atividade 2 envio de arquivo de texto tdic
 
7.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.2
7.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.27.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.2
7.psicologia+e+saude+ +adulto+idoso+2010.2
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf
1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf
1. AULA ADULTO JOVEM (1).pdf
 
Slides fases erikson
Slides fases eriksonSlides fases erikson
Slides fases erikson
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
 
Ciclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiarCiclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiar
 
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adultoCrescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
 
Desenvolvimento erikson
Desenvolvimento eriksonDesenvolvimento erikson
Desenvolvimento erikson
 

Dsenvolvimento psicossocial do adulto jovem certo

  • 1. Profª. Ms. Vivivane Medeiros Pasqualeto
  • 2. Todo adulto tem necessidade de ajuda, calor humano e proteção... Diferentes sob muitos aspectos e, contudo, idênticos às necessidades de uma criança. Erich Fromm, The Health Society, 1955
  • 3. Papalia et al (2009) citam quatro abordagens clássicas ao desenvolvimento psicossocial adulto  modelos normativo-sequenciais  modelo da cronologia dos eventos  modelos de traços  modelos tipológicos.
  • 4. Desenvolvimento relacionado à idade  Os adultos seguem a mesma sequência básica de mudanças psicossociais relacionadas à idade.  As mudanças são normativas porque parecem ser comuns a todos os membros de uma população;  e elas surgem em períodos, ou etapas, sucessivos, às vezes marcados por crises emocionais que preparam o caminho para desenvolvimentos adicionais.
  • 5. Intimidade versus isolamento de ERIK ERIKSON  Início da maturidade  Namoro e começo da vida familiar  Desde o final da adolescência até o começo da meia-idade  Intimidade = mais que a simples realização amorosa; capacidade de envolver-se, de partilhar com outrem e cuidar de outrem, sem temor de perder-se no processo. ▪ O êxito na realização de um senso de intimidade depende apenas indiretamente dos pais, no que eles tenham contribuído para o sucesso ou fracasso do indivíduo nos estágios iniciais da vida. ▪ As condições sociais podem ajudar ou prejudicar o estabelecimento do senso de intimidade. Um indivíduo que a teme pode evitar o contato com outras pessoas se escondendo atrás do seu trabalho. Se não for criado um senso de intimidade com os amigos ou com o parceiro conjugal, o resultado, no entender de Erikson, é um senso de isolamento... a incapacidade para arriscar a própria identidade compartilhando uma intimidade autêntica.
  • 6. Vaillant e Levinson (Herdeiros de Erikson),  constrói sua primeira estrutura temporária de vida.  sai da casa de seus pais  torna-se financeira e emocionalmente independente.  estabelece e define suas metas e um tempo para realizá-las.  a maneira pela qual ele lida com as questões desta fase afetará a transição para a meia-idade.
  • 7. Modelo da Cronologia dos Eventos (defendido por Bernice Neugarten e outros)  a trajetória do desenvolvimento depende do momento em os eventos ocorrem na vida das pessoas.  Eventos de vida normativos: aqueles que geralmente ocorrem em certos momentos da vida – casamento, paternidade/maternidade, ser avô/avó, aposentadoria... ▪ RELÓGIO SOCIAL : conjunto de normas ou expectativas culturais a respeito do momento da vida em que certos eventos costumam acontecer.
  • 8. Se os eventos não ocorrem em tempo certo – estresse  Perder o cônjuge  Perder o emprego ?  Nunca casar  Não ter filho Modelo limitado: culturas e períodos em que as normas de comportamento sejam estáveis e generalizadas.
  • 9. os cinco fatores de Costa e McCrae  procuram estabilidades ou mudança nos traços de personalidade.  Paul T. Costa e Robert R. McCrae desenvolveram e testaram um modelo de cinco fatores que consiste em fatores ou dimensões que parecem ser subjacentes aos cinco grupos de traços associados, conhecidos como “Os Cinco Grandes” .
  • 10. Neuroticismo  Extroversão  Abertura a experiências  Escrupulosidade  Amabilidade .  Estudos com diversas culturas encontraram os mesmos cinco fatores, que parecem ser, portanto, universais, de acordo com seus defensores
  • 11. Neuroticismo é um agrupamento de seis traços indicadores de instabilidade emocional: ansiedade, hostilidade, depressão, inibição, i mpulsividade e vulnerabilidade.  Extroversão também tem seis facetas: calor humano, espírito gregário, assertividade, atividade, busca de sensações e emoções positivas.
  • 12. Abertura a experiências são as pessoas que estão dispostas a experimentar coisas novas e abraçar novas idéias.  Escrupulosidade são para pessoas realizadoras - são competentes, organizadas, cumpridoras do dever, ponderadas e disciplinadas.  Amáveis são pessoas confiáveis, sinceras, altruístas, obedientes, modestas e facilmente influenciadas
  • 13.  Estudos realizados revelaram notáveis mudanças em todos os cinco fatores entre a adolescência e os trinta anos, com uma mudança muito mais lenta a partir desta idade  Mulheres, normalmente, pontuam mais em neuroticismo e amabilidade  A amabilidade e a escrupolosidade aumentam na idade adulta  Neuroticismo, extroversão e aberturas de experiências diminuem na idade adulta
  • 14. Críticas:  Avaliações subjetivas – ausência de validade  Escolha dos fatores - arbitrária  A personalidade é mais que uma coleção de traços
  • 15. Block (1971) foi um dos pioneiros da abordagem tipológica.  A pesquisa tipológica procura complementar e expandir o estudo de traços ao olhar para a personalidade como um todo em funcionamento.  Pesquisadores identificaram três tipos básicos de personalidades: ego-resiliente, supercontrolado e subcontrolado.
  • 16. As pessoas destes três tipos diferem quanto a ego-resiliência ou adaptabilidade sob pressão, e ao controle do ego ou autocontrole.  Pessoas ego-resilientes são bem ajustadas: autoconfiantes, independentes, desembaraçadas, atentas, prestativas, colaboradoras e focalizadas nas tarefas.
  • 17. Pessoas supercontroladas tendem a ser tímidas, caladas, ansiosas e confiáveis; tendem a guardar seus pensamentos para si mesmas e a se afastarem de conflitos, e são as mais sujeitas à depressão.  Pessoas subcontroladas são ativas, energéticas, impulsivas, teimosas e facilmente distraídas.
  • 18. Profª. Viviane Medeiros Pasqualeto Curso de Psicologia
  • 19. Baltes e seus colaboradores identificaram seis princípios básicos em sua abordagem do desenvolvimento do ciclo da vida:  Desenvolvimento é vitalício  Desenvolvimento envolve ganho e perda  Influências relativas de mudanças biológicas e culturais sobre o ciclo de vida  Desenvolvimento envolve mudança na alocação de recursos  Desenvolvimento revela plasticidade  Desenvolvimento é influenciado pelo contexto histórico e cultural
  • 20.  O desenvolvimento é um processo vitalício de mudança na capacidade de se adaptar às situações escolhidas ou nas quais a pessoa se encontra.  Cada período do ciclo de vida é afetado pelo que aconteceu antes e afetará o que estar por vir. Cada período tem suas próprias características e valores; nenhum é mais ou menos importante que outro.  Mesmo pessoas muito velhas podem crescer emocionalmente e intelectualmente.
  • 21. O desenvolvimento é multidimensional e multidirecional  Ocorre ao longo das múltiplas dimensões que interagem: biológica, psicológica e social  Desenvolvimento prossegue em mais de uma direção – enquanto se ganha em uma área, pode se perder em outra (por exemplo, o adolescente ganha em habilidade física e perde em facilidade para aprender outro idioma)
  • 22. O processo de desenvolvimento é influenciado tanto pela biologia quanto pela cultura  O equilíbrio entre as influências se altera  Influências biológicas vão se acentuando com avançar da idade  Os apoios culturais, relacionamentos e a educação compensam as influências biológicas
  • 23. Os indivíduos escolhem como investir seus recursos de tempo, energia, talento, dinheiro, apoio social, etc.  Os recursos podem ser usados para o crescimento, conservação ou recuperação, para lidar com a perda quando a conservação ou recuperação não são possíveis  A alocação de recursos para essas três funções muda ao longo da vida  Da infância até o início da vida adulta: a maior parte dos recursos é direcionada para o crescimento  Na meia-idade: há um equilíbrio de alocações  Na velhice: para regulação da perda
  • 24. Muitas capacidades, como memória, força física e resistência podem ser aperfeiçoadas com treinamento e prática, mesmo em idade avançada  Ainda resta a dúvida: até que ponto determinados tipos de desenvolvimento podem ser modificados em diversas idades?
  • 25. Cada pessoa se desenvolve em múltiplos contextos  Além da maturação biológica, há a influência pelo tempo e lugar  Os seres humanos influenciam e são influenciados pelo contexto histórico cultural
  • 26. Professora Viviane Medeiros Pasqualeto Curso de Psicologia
  • 27. As trajetórias são mais variáveis do que antigamente  Em 1960, de acordo com Mouw (2005), os jovens normalmente concluíam a educação escolar, saíam de casa, encontravam um emprego, casavam-se e tinham filhos. Nos anos de 1990 somente um em quatro seguia essa sequência  Atual: fase de experimentação antes de se assumir papéis e responsabilidades Influências?
  • 28. Experiências da adolescência podem influenciar o relacionamento com os pais na fase adulta inicial  Tende a ser melhor na fase da vida adulta  Há um retorno aos laços familiares
  • 29. Tarefa crucial da idade adulta jovem (Erikson) Intimidade = mais que a simples realização amorosa; capacidade de envolver-se, de partilhar com outrem e cuidar de outrem, sem temor de perder-se no processo.  Necessidade de estabelecer relacionamentos fortes, estáveis, estreitos e carinhosos é um forte motivador do comportamento humano
  • 30. Elementos importantes para a intimidade  Auto-revelação  Revelação compartilhada  Receptividade às necessidades do outro  Aceitação e respeito mútuos  Habilidades para os relacionamentos íntimos  Autoconsciência  Empatia  Capacidade de comunicar emoções  Resolução de conflitos  Capacidade para manter compromissos
  • 31. Amizade  Amor  Sexualidade
  • 32. As amizades tendem a centrar-se nas atividades de trabalho, de criação dos filhos, na partilha de confidências e conselhos  Amizades para vida inteira/ amizades fulgazes  Jovens solteiros recorrem mais às amizades para satisfazer às suas necessidades sociais  O número de amigos e quantidade de tempo investida neles decresce com o avançar da idade
  • 33. Amizades são importantes para os adultos jovens – pessoas que têm amigos tendem a sentir a sensação de bem-estar  Mulheres têm geralmente mais amizades íntimas. Conversam sobre os problemas conjugais e recebem conselhos  Os homens têm propensão a compartilhar informações e atividades, e não confidências
  • 34. Histórias de amor  A maneira pela qual o amor se desenvolve é uma história (Sternberg, 1995)  Os amantes são os autores e o tipo de histórias que eles criam reflete suas personalidades e suas concepções de amor.  O amor para alguns é um vício – com vínculo forte, ansioso, colado  Para outros, o amor é uma fantasia na qual uma pessoa espera ser salva por outra – ‘um cavaleiro com armadura brilhante”  Outros enxergam o amor como uma guerra
  • 35. Pode ser uma história de terror, com agressor e vítima  Pode ser um mistério, com detetive, em que uma das partes está constantemente vigiando a outra  Pode ser um jardim que precisa ser cultivado e bem tratado
  • 36. Pessoas com histórias similares tendem a ser mutuamente atraídas e a tornarem-se mais satisfeitas com seus relacionamentos, embora algumas histórias tragam muita insatisfação  As histórias, uma vez iniciadas, são difíceis de mudar... Quando ocorre algo que conflita esse entendimento as pessoas resistem a mudar a história, tentando interpretar a nova informação para justificá-la
  • 37. De acordo com a subteoria de Sternberg – subtreoria triangular do amor, os três elementos do amor são: intimidade, paixão e compromisso.  Intimidade = elemento emocional, auto- revelação, ligação, ternura e confiança  Paixão = elemento motivacional, impulsos interiores e desejo sexual  Compromisso= elemento cognitivo, a decisão de amar e permanecer com a pessoa amada
  • 38. Tipo Descrição Desamor Todos os três componentes do amor estão ausentes Amizade Intimidade é o único componente presente Paixão passageira A paixão é o único componente presente. Este é o “amor à primeira vista”, forte atração física e excitação sexual, sem intimidade ou compromisso Amor vazio Compromisso é o único componente presente. Encontrado em casais que perderam tanto a intimidade como a paixão ou em casamentos arranjados Amor romântico Intimidade e paixão Amor companheiro Intimidade e compromisso Amor ilusório Paixão e compromisso estão presentes. Não há intimidade. Casal assume compromisso com base na paixão sem o tempo necessário para se estabelecer a intimidade
  • 39. Amor completo, pelo qual muitas pessoas se esforçam, principalmente nas relações românticas. É mais fácil atingi-lo do que mantê-lo. Um dos parceiros pode modificar o que o outro quer da relação. Se o outro também se modificar, o relacionamento pode sobreviver de uma forma diferente. Se o parceiro não se modificar, pode se dissolver.
  • 40. O senso comum sugere que os homens e as mulheres diferem quanto à sexualidade  Muitas pesquisas sustentam essa visão
  • 41. HOMENS MULHERES  Demonstram mais desejo  Querem sexo dentro do sexual relacionamento, de  Tendem a querer sexo preferência com amor frequentemente completo  Se masturbam mais cedo e  Mais influenciadas por com maior frequência fatores culturais, sociais e  Priorizam o prazer físico situacionais
  • 42. Vida de solteiro  População em crescimento constante  Foco acadêmico  Foco profissional  Dificuldade em encontrar a pessoa certa  Desejo de liberdade sexual  Medo do fracasso
  • 43. Relacionamentos homossexuais  A maioria busca o amor completo, da mesma forma que os heterossexuais  Ingredientes de satisfação são similares aos relacionamento heterossexuais  Rompimentos mais frequentes  Dificuldade: apoio social O Censo 2010 encontrou 60 mil casais homossexuais que dividem a mesma casa, como já tinha sido divulgado pelo IBGE. Desse total de uniões, 53,8% eram de mulheres. No total de pessoas que declararam ter cônjuges do mesmo sexo, 47,4% se disseram católicas e 20,4% sem religião. Pouco mais de um quarto (25,8%) tinha curso superior completo. A grande maioria dos casais (52,6%) vive no Sudeste. Em números absolutos, as cidades com mais casais gays são São Paulo (7.532), Rio de Janeiro (5.612), Salvador (1.595) e Fortaleza (1.559).
  • 44. Concubinato – união consensual  Estilo de vida cada vez mais comum, no qual um casal não casado legalmente mora junto  Em crescimento ▪ Reflete a natureza exploratória e a tendência para adiar o casamento Uma série de mudanças no perfil da família brasileira tem sido registrada nas últimas décadas e se confirma no Censo 2010 do IBGE. A proporção de casais que vivem em união consensual teve grande aumento na década, enquanto o porcentual dos que são casados formalmente teve queda significativa. Os casamentos informais são crescentes inclusive na população que se diz católica, embora a Igreja reprove esse tipo de união conjugal.
  • 45. Casamento  A monogamia é norma na maioria das sociedades  A poligamia é comum em países islâmicos, em algumas sociedades africanas e em partes da Ásia.  Em sociedades poliândricas, em que as mulheres geralmente detêm mais poder econômico, uma mulher pode ter vários maridos
  • 46. Casamento  Benefícios  Ingresso no casamento  Atividade sexual  Satisfação conjugal  Fatores para o sucesso ou fracasso
  • 47.
  • 48.  O Censo 2010 indica um crescimento significativo das uniões consensuais em relação a 2000.  Em 2010, das pessoas casadas, 36,4% viviam em união consensual, contra 28,6% em 2000.  Reduziram-se os percentuais de pessoas que viviam unidas através do casamento civil e religioso (de 49,4% para 42,9%) e daquelas unidas apenas no religioso (de 4,4% para 3,4%).  O percentual de pessoas casadas apenas no civil variou pouco, passando de 17,5% em 2000 para 17,2% em 2010.
  • 49.  os solteiros continuam sendo mais da metade da população (55,3%), subindo 0,5 ponto percentual em relação a 2000 (54,8%).  os casados caíram de 37,0% para 34,8%.  percentual de divorciados quase dobrou, passando de 1,7%, em 2000, para 3,1% em 2010.  redução no percentual de pessoas que nunca viveram em união, de 38,6% para 35,4%.  em relação a 2000, o percentual de pessoas separadas aumentou de 11,9% para 14,6% em 2010.
  • 50. Em relação ao nível educacional, 25,8% das pessoas envolvidas em uniões com cônjuges do mesmo sexo declararam possuir superior completo.  Em termos de opção religiosa, houve predominância de pessoas católicas (47,4%), seguida por pessoas sem religião (20,4%).  O estado civil preponderante foi o de solteiros (81,6%), e 99,6% viviam em união consensual.  Mais da metade dessas uniões se encontrava na região Sudeste (52,6%).
  • 51. Em 2011, foram registrados 1.026.736 casamentos, 5,0% a mais que no ano anterior. Deste total, 1.025.615 foram de cônjuges de 15 anos ou mais. Isso fez com que a taxa nupcialidade se elevasse em relação a 2010 (6,6‰), atingindo quase 7,0 casamentos para mil habitantes de 15 anos ou mais
  • 52. Em 2011, a maior taxa de nupcialidade entre as mulheres permaneceu no grupo de 20 a 24 anos (30,8‰), valor próximo aos de 2006 (30,5‰) e 2001 (29,2‰).  No grupo 15 a 19 anos, a taxa em 2011 (16,1‰) foi inferior à observada em 2001 (16,8‰).  Já na faixa de 25 a 29 anos, elevou-se de 21,3‰ para 29,1‰ no período analisado, refletindo o aumento da idade média das mulheres ao casar.  As taxas de nupcialidade das mulheres são maiores que a dos homens apenas nos dois grupos etários de 15 a 19 anos (16,1‰ frente a 3,6‰) e de 20 a 24 anos (30,8‰ contra 25,1‰).
  • 53.  Os homens tiveram taxa de nupcialidade mais elevada no grupo entre 25 e 29 anos (32,2‰), valor ligeiramente inferior ao de 2006 (32,4‰).  A partir dos 60 anos, as taxas para eles (4,6‰ no grupo de 60 a 65 anos e 3,5‰ na faixa de 65 e mais) são mais que o dobro que as das mulheres (1,8‰ no grupo de 60 a 64 anos e 0,8‰ na faixa de 65 e mais).  Devido à sobremortalidade masculina entre os idosos, nas idades mais avançadas há mais mulheres do que homens na população, tornando menores as probabilidades de casamentos das mulheres mais idosas.  Para todos os grupos a partir de 30 anos, as taxas de nupcialidade dos homens foram maiores em 2011 que em 2001. Os homens se unem mais tarde que as mulheres e mantêm as mais altas taxas de nupcialidade.
  • 54. Casamentos em que o cônjuge masculino tem idade mais elevada são majoritários, porém, na comparação entre os anos de 2001 e 2011 observa-se o aumento dos percentuais em que a mulher é mais velha, respectivamente 20,3% 23,7%. Este quadro é notado em todas as unidades da federação considerando o período de dez anos.
  • 55. Os casamentos entre cônjuges solteiros permanecem como conjunto majoritário (79,7%), mas sua tendência é de decréscimo (era 87,7% em 2001).  Houve crescimento da proporção de recasamentos (20,3%); em 2001, os recasamentos totalizavam 12,3% e, em 2006, 14,6%.
  • 56.
  • 57.
  • 58. O envolvimento dos homens e das mulheres  Entusiasmo  Ansiedade ▪ Satisfação ▪ Alegria ▪ Responsabilidade ▪ Comprometimento ▪ Doação
  • 59. Famílias menores  Início mais tarde  Queda no investimento social  Queda na satisfação conjugal
  • 60.
  • 61.
  • 62. Número de filhos  1,94 filho por mulher em 2009 ▪ Este declínio da fecundidade vem ocorrendo nas últimas décadas em todas as regiões e em todos os grupos sociais, independentemente da renda, cor e nível.  mulheres com até 7 anos de estudo - média 3,19 filhos ▪ Entre as mulheres com menos de 7 anos de estudo, o grupo de 20 a 24 anos de idade concentrava, em 2009, 37% da fecundidade total, e o de 15 a 19 anos, 20,3%.  mulheres com 8 anos ou mais de estudo - média 1,68 filhos ▪ Entre as mulheres com 8 anos ou mais de estudo, os grupos etários de 20 a 24 anos (25,0%) e de 25 a 29 anos (24,8%) concentravam, juntos, quase metade da fecundidade, e o grupo entre 15 e 19 anos concentrava 13,3%.
  • 63.
  • 64. Enquanto em 2001 as mães que tinham entre 30 e 34 anos representavam 14,73%, em 2011 este percentual foi de 17,63%.  Na faixa entre 25 e 29 anos, os nascimentos passaram de 23,32% para 25,27% em dez anos.  Entre as mães de 20 a 24 anos, o percentual caiu de 30,74% para 27,53%.
  • 65.
  • 66. Até o Século XIX, o casamento era visto nas sociedades ocidentais como um acordo comercial entre duas famílias, sem que os dois intervenientes tivessem muito voto na matéria. O movimento do romantismo modificou esta imagem, passando a existir o ideal de “casar por amor”. Até o Século XX, era comum que o casamento fosse visto como algo indissolúvel (embora pudesse ser anulado), não havendo reconhecimento legal do divórcio. Como contrato, o casamento serve, e serviu, a diversas empreitadas, como manter concentração de bens com determinado grupo. Porém, já há algumas décadas a dissolução do casamento é frequente, o que pode ser atestado pelo elevado número de divórcios na maior parte do mundo.
  • 67. Em 2011 foram registrados 351.153 processos judiciais concedidos ou escrituras públicas de divórcios, um crescimento de 45,6% no total de divórcios no país, em relação a 2010. Com isso, a taxa de divórcios teve comportamento diferenciado, atingindo o maior valor desde 1984 (2,6‰).
  • 68.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80.  A partir de experiências pessoais ou de fontes da mídia, discuta com seu colega e após descreva exemplos dos tipos de amores e exemplos de estilo de vida (conjugal ou não conjugal), demonstrando além das características, os fatores positivos e negativos de cada exemplo.  Também convido você a refletir com seu colega sobre suas amizades, quantos amigos verdadeiros você tem e quais os motivos  Além disso, discuta com seu colega quais são os ingredientes para o sucesso de um casamento e quais são os ingredientes para o fracasso, após descreva-os