SlideShare uma empresa Scribd logo
E D UA R D O OT TO N E L L I P I T H A N
8 2 0 4 2 2 7 7
VAG A LU M ES – N OVO H A M B U RG O
CARIDADE
Fora da caridade não há salvação
Cap. XV, Evangelho segundo o espiritismo
BIBLIOGRAFIA
 O Evangelho segundo o espiritismo Cap XV e Cap XIII
 Livros dos espiritos;
 Parnaso Além Túmulo, Chico Xavier, Caridade
N Ã O S E T U R B E O V O S S O C O R A Ç Ã O ; C R E D E S E M D E U S , C R E D E TA M B É M E M
M I M .
N A C A SA D E M E U PA I H Á M U I TA S M O R A DA S ; S E N Ã O F O S S E A S S I M , E U
V O - L O T E R I A D I TO . V O U P R E PA R A R - V O S LU G A R .
E Q UA N D O E U F O R , E V O S P R E PA R A R LU G A R , V I R E I O U T R A V E Z , E V O S
L E VA R E I PA R A M I M M E S M O, PA R A Q U E O N D E E U E S T I V E R E S T E JA I S V Ó S
TA M B É M .
M E S M O V Ó S SA B E I S PA R A O N D E V O U , E C O N H E C E I S O C A M I N H O .
D I S S E - L H E TO M É : S E N H O R , N Ó S N Ã O SA B E M O S PA R A O N D E VA I S ; E C O M O
P O D E M O S SA B E R O C A M I N H O ?
D I S S E - L H E J E S U S : E U S O U O C A M I N H O, E A V E R DA D E E A V I DA ; N I N G U É M
V E M A O PA I , S E N Ã O P O R M I M .
J O Ã O 1 4 : 1 - 6
ENIGMA DE JESUS
EVANGELHO
SEGUNDO O
ESPIRITISMO
Mensagem
“Há pessoas que desejam saber só por saber,
e isso é curiosidade;
outras, para alcançarem fama,
e isso é vaidade;
outras, para enriquecerem com sua ciência,
e isso é um negócio torpe;
outras, para serem edificadas,
e isso é prudência;
outras, para edificarem os outros,
e isso é caridade.”
Santo Agostinho
O que é preciso pra ser salvo
Parábola do Bom Samaritano
 O QUE É PRECISO PRA SER SALVO
(Como seremos julgados)
Tive fome e me deram de comer
Tive sede e me deram de beber
Tive necessidade de abrigo e me abrigaram
Estive nu e me vestiram
Estive doente e foram me visitar
Estive na prisão e foram me ver
 PARÁBOLA DO BOM SAMARITANO
(Como agir)
Misericórdia para com os outros
SEGREDO DE JESUS
“...em verdade eu digo que todas as vezes que
fizeram a um desses pequeninos, foi a Mim que
fizeram.”
Jesus (Mt. 25, 31-46)
MORAL DE JESUS
Caminho da
felicidade
Caminho da
perdição
Homem
Justo
Caridade
Humildade
Homem
Mau
Egoísmo
Orgulho
“Não basta uma virtude passiva; é preciso uma
virtude ativa. Para fazer o bem, é preciso sempre
a ação da vontade. Para fazer o mal basta
apenas, não fazer nada e ficar indiferentes às
coisas que ocorrem.”
Evangelho Segundo o Espitismo
CAP XV, número 10, Paulo , Apóstolo – Paris, 1860
FUNDAMENTAL
Diferença CRENÇA e FÉ
DEUS
EU
Deus
PróximoEu
Caridade Moral e Material
 LIVRO: "O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO", DE
ALLAN KARDEC, CAPÍTULO XIII - ITENS 9 E 10
(MENSAGENS RECEBIDAS PELOS ESPÍRITOS: IRMÃ
ROSÁLIA (PARIS, 1860) E UM ESPÍRITO PROTETOR (LIÃO,
1860)
Caridade Moral e Material
 A caridade material consiste em auxiliarmos aos
nossos irmãos que passam pela prova da pobreza. É dar
alimento a quem tem fome, agasalho ao que passa frio,
enfim, amenizar o quanto possível as privações materiais
daqueles que a sofrem.
 A caridade moral consiste em se suportarem umas às
outras as criaturas, saber calar, se fazer surdo quando
for escarnecido ou zombado, não dar importância
quando for humilhado por alguém que, erradamente,
se supõe superior.
Qual a mais difícil de ser praticada
Por todos esses princípios em que consiste a caridade
moral, é para nós a mais difícil de ser praticada, mas é a
que mais aproxima de Deus o homem.
A caridade moral, todos podem praticá-la, nada custa,
tanto o rico como o desprovido de qualquer bem pode
exercê-la. Podemos praticar a caridade por pensamentos,
por palavras, por ações, pelo pensamento, orando. Pela
palavra, aconselhando e consolando. Pela ação, fazendo
aos outros "aquilo que gostaríamos que nos fizessem",
como Jesus nos ensinou.
Exemplos de caridade
Doar sangue Trabalho Voluntário Hospitais
Ler para cegos
Visitar idosos Abraçar pessoas
Doar Roupas
Doar cabelos Doar brinquedos
LIVROS DOS
ESPIRITOS
Conceito Caridade - JESUS
886. Qual o verdadeiro sentido da palavra
caridade, como a entendia Jesus?
“Benevolência para com todos, indulgência para as
imperfeições dos outros, perdão das ofensas.”
Entendendo Caridade segundo JESUS
Benevolência
• que se exprime na boa vontade e na
disposição para praticar o Bem
Indulgência
• que é clemência e misericórdia para
com as imperfeições alheias
Perdão
• que é o ato de desculpar ofensas
Exercitando-se na Caridade
• Trabalho em favor do
semelhante
Exercício da
Benevolência
• Solidariedade em face
das limitações e
fraquezas do
próximo, evitando
discriminá-lo.
Exercício da
Indulgência
• Esquecimento do mal
que se tenha sofrido
de alguém, num ato
de tolerância
esclarecida que se
exprime na
compreensão.
Exercício do
perdão
Caridade
Material e
Moral
Caridade
Moral
Caridade
Moral
Pode-se viver recluso para evitar o mal?
770. Que se deve pensar dos que vivem em absoluta
reclusão, fugindo ao pernicioso contato do mundo?
“Duplo egoísmo.”
a) - Mas, não será meritório esse retraimento se tiver
por fim uma expiação, impondo-se aquele que o
busca uma privação penosa?
“Fazer maior soma de bem do que de mal constitui a
melhor expiação. Evitando um mal, aquele que por tal
motivo se insula cai noutro, pois esquece a lei de amor
e de caridade.”
771. Que pensar dos que fogem do mundo para se votarem
ao mister de socorrer os desgraçados?
“Esses se elevam, rebaixando-se. Têm o duplo mérito de se
colocarem acima dos gozos materiais e de fazerem o bem,
obedecendo à lei do trabalho.”
779. A força para progredir, haure-a o homem em si
mesmo, ou o progresso é apenas fruto de um
ensinamento?
“O homem se desenvolve por si mesmo, naturalmente. Mas,
nem todos progridem simultaneamente e do mesmo modo.
Dá-se então que os mais adiantados auxiliam o progresso dos
outros, por meio do contato social.”
Esmola
888. Que se deve pensar da esmola?
“Condenando-se a pedir esmola, o homem se degrada
física e moralmente: embrutece-se. Uma sociedade
que se baseia na lei de Deus e na justiça deve prover à
vida do fraco, sem que haja para ele humilhação. Deve
assegurar a existência dos que não podem trabalhar,
sem lhes deixar a vida à mercê do acaso e da boa-
vontade de alguns.”
Como dar a esmola
888. a) - Dar-se-á reproveis a esmola?
“Não; o que merece reprovação não é a esmola, mas a
maneira por que habitualmente é dada. O homem de bem,
que compreende a caridade de acordo com Jesus, vai ao
encontro do desgraçado, sem esperar que este lhe estenda a
mão. “A verdadeira caridade é sempre bondosa e benévola;
está tanto no ato, como na maneira por que é praticado.
Duplo valor tem um serviço prestado com delicadeza.
DELICADEZA E HUMILDADE
Qual a maior virtude
893. Qual a mais meritória de todas as virtudes?
“Toda virtude tem seu mérito próprio, porque
todas indicam progresso na senda do bem. Há
virtudes sempre que há resistência voluntária ao
arrastamento dos maus pendores. A sublimidade
da virtude, porém, está no sacrifício do interesse
pessoal, pelo bem do próximo, sem pensamento
oculto. A mais meritória é a que assenta na mais
desinteressada caridade.”
Intenção da caridade
897. Merecerá reprovação aquele que faz o bem, sem visar a qualquer
recompensa na Terra, mas esperando que lhe seja levado em conta na
outra vida e que lá venha a ser melhor a sua situação? E essa
preocupação lhe prejudicará o progresso?
“O bem deve ser feito caritativamente, isto é, com desinteresse.”
a) - Contudo, todos alimentam o desejo muito natural de progredir, para
forrar-se à penosa condição desta vida. Os próprios Espíritos nos ensinam
a praticar o bem com esse objetivo. Será, então, um mal pensarmos que,
praticando o bem, podemos esperar coisa melhor do que temos na Terra?
“Não, certamente; mas aquele que faz o bem, sem ideia preconcebida,
pelo só prazer de ser agradável a Deus e ao seu próximo que sofre, já se
acha num certo grau de progresso, que lhe permitirá alcançar a felicidade
muito mais depressa do que seu irmão que, mais positivo, faz o bem por
cálculo e não impelido pelo ardor natural do seu coração.”
Podemos criticar nosso irmãos
903. Incorre em culpa o homem, por estudar os
defeitos alheios?
“Incorrerá em grande culpa, se o fizer para os
criticar e divulgar, porque será faltar com a
caridade. Se o fizer, para tirar daí proveito, para
evitá-los, tal estudo poderá ser-lhe de alguma
utilidade. Importa, porém, não esquecer que a
indulgência para com os defeitos de outrem é uma
das virtudes contidas na caridade. Antes de
censurardes as imperfeições dos outros, vede se
de vós não poderão dizer o mesmo”
DICA - O que fazer antes de
criticar
Tratai, pois, de possuir as qualidades opostas aos
defeitos que criticais no vosso semelhante.
Se lhe censurais a ser avaro, sede generosos;
se o ser orgulhoso, sede humildes e modestos;
se o ser áspero, sede brandos;
se o proceder com pequenez, sede grandes em todas
as vossas ações.
Numa palavra, fazei por maneira que se não vos
possam aplicar estas palavras de Jesus: Vê o argueiro
no olho do seu vizinho e não vê a trave no seu
próprio.”
Qual o maior obstáculo à caridade
Pergunta 917. Qual o meio de destruir-se o egoísmo?
Quando compreender bem que no egoísmo reside uma dessas
causas, a que gera o orgulho, a ambição, a cupidez, a inveja, o
ódio, o ciúme, que a cada momento o magoam, a que perturba
todas as relações sociais, provoca as dissensões, aniquila a
confiança, a que o obriga a se manter constantemente na
defensiva contra o seu vizinho, enfim a que do amigo faz inimigo,
ele compreenderá também que esse vício é incompatível com a
sua felicidade e, podemos mesmo acrescentar, com a sua própria
segurança
O egoísmo é a fonte de todos os vícios, como a caridade o é de
todas as virtudes. Destruir um e desenvolver a outra, tal deve ser
o alvo de todos os esforços do homem, se quiser assegurar a sua
felicidade neste mundo, tanto quanto no futuro.
Como se melhorar nesta caminhada
919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o
homem de se melhorar nesta vida e de resistir à
atração do mal?
“Um sábio da antiguidade vô-lo disse: Conhece-te a
ti mesmo.”
CONCLUINDO - REPETINDO
Não basta uma virtude passiva; é preciso uma
virtude ativa. Para fazer o bem, é preciso sempre a
ação da vontade. Para fazer o mal basta apenas,
não fazer nada e ficar indiferentes às coisas que
ocorrem.
CARIDADE
Caridade é a mão terna e compassiva
Que ampara os bons e aos maus ama e perdoa,
Misericórdia, a qual para ser boa,
De bens paradisíacos se priva.
Mão radiosa, que traz a verde oliva
Da paz, que acaricia e que abençoa,
Voz da eterna verdade que ressoa
Por toda a parte, promissora e ativa.
A caridade é o símbolo da chave
Que abre as portas do céu claro e suave,
Das consciências libertas da impureza;
É a vibração do espírito divino,
Em seu labor fecundo e peregrino,
Manifestando as glórias da Beleza!...
Cruz e Souza,
Psicografia de Francisco Cândido Xavier in Parnaso do
Além Túmulo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
Dalila Melo
 
Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016
Ricardo Azevedo
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olho
home
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
Eduardo Ottonelli Pithan
 
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITATOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
Lorena Dias
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
home
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
gmo1973
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
Grupo Espírita Cristão
 
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direitaQue sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
Izabel Cristina Fonseca
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
Lorena Dias
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Leonardo Pereira
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Divulgador do Espiritismo
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nós
Ricardo Azevedo
 
O Homem de Bem
O Homem de BemO Homem de Bem
O Homem de Bem
igmateus
 

Mais procurados (20)

A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
 
Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olho
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
 
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITATOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
 
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direitaQue sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nós
 
O Homem de Bem
O Homem de BemO Homem de Bem
O Homem de Bem
 

Semelhante a Caridade na ótica espirita

Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Marta Gomes
 
Livro dos espiritos 769 ESE cap10
Livro dos espiritos 769 ESE cap10Livro dos espiritos 769 ESE cap10
Livro dos espiritos 769 ESE cap10
Patricia Farias
 
SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?
SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?
SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Memoria do coracao kssf
Memoria do coracao kssfMemoria do coracao kssf
Memoria do coracao kssf
Clea Alves
 
Moral cristã e caridade
Moral cristã e caridadeMoral cristã e caridade
Moral cristã e caridade
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13
Patricia Farias
 
11 - Sede perfeitos
11 - Sede perfeitos11 - Sede perfeitos
11 - Sede perfeitos
JPS Junior
 
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)
Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)
Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)
fabio antonio motta dutra
 
Dia nacional da caridade
Dia nacional da caridadeDia nacional da caridade
Dia nacional da caridade
Helio Cruz
 
As bases do transformar se
As bases do transformar seAs bases do transformar se
As bases do transformar se
paikachambi
 
CRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOALCRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOAL
ssvp-formation
 
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
Artomy Jado
 
Boletim informativo junho 2013
Boletim informativo junho 2013Boletim informativo junho 2013
Boletim informativo junho 2013
fespiritacrista
 
Resumo CURSO REFORMA INTIMA
Resumo CURSO REFORMA INTIMAResumo CURSO REFORMA INTIMA
Resumo CURSO REFORMA INTIMA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Caridade com o proximo
Caridade com o proximoCaridade com o proximo
Caridade com o proximo
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
O dia da caridade
O dia da caridadeO dia da caridade
O dia da caridade
Helio Cruz
 
Ética na Ótica Espírita - USE - Tatuapé
Ética na Ótica Espírita - USE - TatuapéÉtica na Ótica Espírita - USE - Tatuapé
Ética na Ótica Espírita - USE - Tatuapé
Norberto Tomasini Jr
 
Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010
Dalila Melo
 

Semelhante a Caridade na ótica espirita (20)

Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
 
Livro dos espiritos 769 ESE cap10
Livro dos espiritos 769 ESE cap10Livro dos espiritos 769 ESE cap10
Livro dos espiritos 769 ESE cap10
 
SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?
SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?
SERÁ QUE NOS CONHECEMOS?
 
Memoria do coracao kssf
Memoria do coracao kssfMemoria do coracao kssf
Memoria do coracao kssf
 
Moral cristã e caridade
Moral cristã e caridadeMoral cristã e caridade
Moral cristã e caridade
 
Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13
 
11 - Sede perfeitos
11 - Sede perfeitos11 - Sede perfeitos
11 - Sede perfeitos
 
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
 
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria( Apometria)   a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
( Apometria) a importancia da reforma intima no tratamento de apometria
 
Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)
Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)
Ohomemdebemgrandedesafio 120918080952-phpapp01 (1)
 
Dia nacional da caridade
Dia nacional da caridadeDia nacional da caridade
Dia nacional da caridade
 
As bases do transformar se
As bases do transformar seAs bases do transformar se
As bases do transformar se
 
CRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOALCRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOAL
 
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula2013   cem - interrogar os espíritos - parte a -  13a aula
2013 cem - interrogar os espíritos - parte a - 13a aula
 
Boletim informativo junho 2013
Boletim informativo junho 2013Boletim informativo junho 2013
Boletim informativo junho 2013
 
Resumo CURSO REFORMA INTIMA
Resumo CURSO REFORMA INTIMAResumo CURSO REFORMA INTIMA
Resumo CURSO REFORMA INTIMA
 
Caridade com o proximo
Caridade com o proximoCaridade com o proximo
Caridade com o proximo
 
O dia da caridade
O dia da caridadeO dia da caridade
O dia da caridade
 
Ética na Ótica Espírita - USE - Tatuapé
Ética na Ótica Espírita - USE - TatuapéÉtica na Ótica Espírita - USE - Tatuapé
Ética na Ótica Espírita - USE - Tatuapé
 
Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010
 

Mais de Eduardo Ottonelli Pithan

Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Caminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espíritaCaminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais de Eduardo Ottonelli Pithan (20)

Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
 
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
 
Caminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espíritaCaminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espírita
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 

Último

Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
ElijainaVelozoGonalv
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 

Último (18)

Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 

Caridade na ótica espirita

  • 1. E D UA R D O OT TO N E L L I P I T H A N 8 2 0 4 2 2 7 7 VAG A LU M ES – N OVO H A M B U RG O CARIDADE Fora da caridade não há salvação Cap. XV, Evangelho segundo o espiritismo
  • 2. BIBLIOGRAFIA  O Evangelho segundo o espiritismo Cap XV e Cap XIII  Livros dos espiritos;  Parnaso Além Túmulo, Chico Xavier, Caridade
  • 3. N Ã O S E T U R B E O V O S S O C O R A Ç Ã O ; C R E D E S E M D E U S , C R E D E TA M B É M E M M I M . N A C A SA D E M E U PA I H Á M U I TA S M O R A DA S ; S E N Ã O F O S S E A S S I M , E U V O - L O T E R I A D I TO . V O U P R E PA R A R - V O S LU G A R . E Q UA N D O E U F O R , E V O S P R E PA R A R LU G A R , V I R E I O U T R A V E Z , E V O S L E VA R E I PA R A M I M M E S M O, PA R A Q U E O N D E E U E S T I V E R E S T E JA I S V Ó S TA M B É M . M E S M O V Ó S SA B E I S PA R A O N D E V O U , E C O N H E C E I S O C A M I N H O . D I S S E - L H E TO M É : S E N H O R , N Ó S N Ã O SA B E M O S PA R A O N D E VA I S ; E C O M O P O D E M O S SA B E R O C A M I N H O ? D I S S E - L H E J E S U S : E U S O U O C A M I N H O, E A V E R DA D E E A V I DA ; N I N G U É M V E M A O PA I , S E N Ã O P O R M I M . J O Ã O 1 4 : 1 - 6 ENIGMA DE JESUS
  • 5. Mensagem “Há pessoas que desejam saber só por saber, e isso é curiosidade; outras, para alcançarem fama, e isso é vaidade; outras, para enriquecerem com sua ciência, e isso é um negócio torpe; outras, para serem edificadas, e isso é prudência; outras, para edificarem os outros, e isso é caridade.” Santo Agostinho
  • 6. O que é preciso pra ser salvo Parábola do Bom Samaritano  O QUE É PRECISO PRA SER SALVO (Como seremos julgados) Tive fome e me deram de comer Tive sede e me deram de beber Tive necessidade de abrigo e me abrigaram Estive nu e me vestiram Estive doente e foram me visitar Estive na prisão e foram me ver  PARÁBOLA DO BOM SAMARITANO (Como agir) Misericórdia para com os outros
  • 7. SEGREDO DE JESUS “...em verdade eu digo que todas as vezes que fizeram a um desses pequeninos, foi a Mim que fizeram.” Jesus (Mt. 25, 31-46)
  • 8. MORAL DE JESUS Caminho da felicidade Caminho da perdição Homem Justo Caridade Humildade Homem Mau Egoísmo Orgulho
  • 9. “Não basta uma virtude passiva; é preciso uma virtude ativa. Para fazer o bem, é preciso sempre a ação da vontade. Para fazer o mal basta apenas, não fazer nada e ficar indiferentes às coisas que ocorrem.” Evangelho Segundo o Espitismo CAP XV, número 10, Paulo , Apóstolo – Paris, 1860 FUNDAMENTAL
  • 10. Diferença CRENÇA e FÉ DEUS EU Deus PróximoEu
  • 11. Caridade Moral e Material  LIVRO: "O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO", DE ALLAN KARDEC, CAPÍTULO XIII - ITENS 9 E 10 (MENSAGENS RECEBIDAS PELOS ESPÍRITOS: IRMÃ ROSÁLIA (PARIS, 1860) E UM ESPÍRITO PROTETOR (LIÃO, 1860)
  • 12. Caridade Moral e Material  A caridade material consiste em auxiliarmos aos nossos irmãos que passam pela prova da pobreza. É dar alimento a quem tem fome, agasalho ao que passa frio, enfim, amenizar o quanto possível as privações materiais daqueles que a sofrem.  A caridade moral consiste em se suportarem umas às outras as criaturas, saber calar, se fazer surdo quando for escarnecido ou zombado, não dar importância quando for humilhado por alguém que, erradamente, se supõe superior.
  • 13. Qual a mais difícil de ser praticada Por todos esses princípios em que consiste a caridade moral, é para nós a mais difícil de ser praticada, mas é a que mais aproxima de Deus o homem. A caridade moral, todos podem praticá-la, nada custa, tanto o rico como o desprovido de qualquer bem pode exercê-la. Podemos praticar a caridade por pensamentos, por palavras, por ações, pelo pensamento, orando. Pela palavra, aconselhando e consolando. Pela ação, fazendo aos outros "aquilo que gostaríamos que nos fizessem", como Jesus nos ensinou.
  • 14. Exemplos de caridade Doar sangue Trabalho Voluntário Hospitais Ler para cegos Visitar idosos Abraçar pessoas Doar Roupas Doar cabelos Doar brinquedos
  • 16. Conceito Caridade - JESUS 886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? “Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.”
  • 17. Entendendo Caridade segundo JESUS Benevolência • que se exprime na boa vontade e na disposição para praticar o Bem Indulgência • que é clemência e misericórdia para com as imperfeições alheias Perdão • que é o ato de desculpar ofensas
  • 18. Exercitando-se na Caridade • Trabalho em favor do semelhante Exercício da Benevolência • Solidariedade em face das limitações e fraquezas do próximo, evitando discriminá-lo. Exercício da Indulgência • Esquecimento do mal que se tenha sofrido de alguém, num ato de tolerância esclarecida que se exprime na compreensão. Exercício do perdão Caridade Material e Moral Caridade Moral Caridade Moral
  • 19. Pode-se viver recluso para evitar o mal? 770. Que se deve pensar dos que vivem em absoluta reclusão, fugindo ao pernicioso contato do mundo? “Duplo egoísmo.” a) - Mas, não será meritório esse retraimento se tiver por fim uma expiação, impondo-se aquele que o busca uma privação penosa? “Fazer maior soma de bem do que de mal constitui a melhor expiação. Evitando um mal, aquele que por tal motivo se insula cai noutro, pois esquece a lei de amor e de caridade.”
  • 20. 771. Que pensar dos que fogem do mundo para se votarem ao mister de socorrer os desgraçados? “Esses se elevam, rebaixando-se. Têm o duplo mérito de se colocarem acima dos gozos materiais e de fazerem o bem, obedecendo à lei do trabalho.” 779. A força para progredir, haure-a o homem em si mesmo, ou o progresso é apenas fruto de um ensinamento? “O homem se desenvolve por si mesmo, naturalmente. Mas, nem todos progridem simultaneamente e do mesmo modo. Dá-se então que os mais adiantados auxiliam o progresso dos outros, por meio do contato social.”
  • 21. Esmola 888. Que se deve pensar da esmola? “Condenando-se a pedir esmola, o homem se degrada física e moralmente: embrutece-se. Uma sociedade que se baseia na lei de Deus e na justiça deve prover à vida do fraco, sem que haja para ele humilhação. Deve assegurar a existência dos que não podem trabalhar, sem lhes deixar a vida à mercê do acaso e da boa- vontade de alguns.”
  • 22. Como dar a esmola 888. a) - Dar-se-á reproveis a esmola? “Não; o que merece reprovação não é a esmola, mas a maneira por que habitualmente é dada. O homem de bem, que compreende a caridade de acordo com Jesus, vai ao encontro do desgraçado, sem esperar que este lhe estenda a mão. “A verdadeira caridade é sempre bondosa e benévola; está tanto no ato, como na maneira por que é praticado. Duplo valor tem um serviço prestado com delicadeza. DELICADEZA E HUMILDADE
  • 23. Qual a maior virtude 893. Qual a mais meritória de todas as virtudes? “Toda virtude tem seu mérito próprio, porque todas indicam progresso na senda do bem. Há virtudes sempre que há resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores. A sublimidade da virtude, porém, está no sacrifício do interesse pessoal, pelo bem do próximo, sem pensamento oculto. A mais meritória é a que assenta na mais desinteressada caridade.”
  • 24. Intenção da caridade 897. Merecerá reprovação aquele que faz o bem, sem visar a qualquer recompensa na Terra, mas esperando que lhe seja levado em conta na outra vida e que lá venha a ser melhor a sua situação? E essa preocupação lhe prejudicará o progresso? “O bem deve ser feito caritativamente, isto é, com desinteresse.” a) - Contudo, todos alimentam o desejo muito natural de progredir, para forrar-se à penosa condição desta vida. Os próprios Espíritos nos ensinam a praticar o bem com esse objetivo. Será, então, um mal pensarmos que, praticando o bem, podemos esperar coisa melhor do que temos na Terra? “Não, certamente; mas aquele que faz o bem, sem ideia preconcebida, pelo só prazer de ser agradável a Deus e ao seu próximo que sofre, já se acha num certo grau de progresso, que lhe permitirá alcançar a felicidade muito mais depressa do que seu irmão que, mais positivo, faz o bem por cálculo e não impelido pelo ardor natural do seu coração.”
  • 25. Podemos criticar nosso irmãos 903. Incorre em culpa o homem, por estudar os defeitos alheios? “Incorrerá em grande culpa, se o fizer para os criticar e divulgar, porque será faltar com a caridade. Se o fizer, para tirar daí proveito, para evitá-los, tal estudo poderá ser-lhe de alguma utilidade. Importa, porém, não esquecer que a indulgência para com os defeitos de outrem é uma das virtudes contidas na caridade. Antes de censurardes as imperfeições dos outros, vede se de vós não poderão dizer o mesmo”
  • 26. DICA - O que fazer antes de criticar Tratai, pois, de possuir as qualidades opostas aos defeitos que criticais no vosso semelhante. Se lhe censurais a ser avaro, sede generosos; se o ser orgulhoso, sede humildes e modestos; se o ser áspero, sede brandos; se o proceder com pequenez, sede grandes em todas as vossas ações. Numa palavra, fazei por maneira que se não vos possam aplicar estas palavras de Jesus: Vê o argueiro no olho do seu vizinho e não vê a trave no seu próprio.”
  • 27. Qual o maior obstáculo à caridade Pergunta 917. Qual o meio de destruir-se o egoísmo? Quando compreender bem que no egoísmo reside uma dessas causas, a que gera o orgulho, a ambição, a cupidez, a inveja, o ódio, o ciúme, que a cada momento o magoam, a que perturba todas as relações sociais, provoca as dissensões, aniquila a confiança, a que o obriga a se manter constantemente na defensiva contra o seu vizinho, enfim a que do amigo faz inimigo, ele compreenderá também que esse vício é incompatível com a sua felicidade e, podemos mesmo acrescentar, com a sua própria segurança O egoísmo é a fonte de todos os vícios, como a caridade o é de todas as virtudes. Destruir um e desenvolver a outra, tal deve ser o alvo de todos os esforços do homem, se quiser assegurar a sua felicidade neste mundo, tanto quanto no futuro.
  • 28. Como se melhorar nesta caminhada 919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal? “Um sábio da antiguidade vô-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”
  • 29. CONCLUINDO - REPETINDO Não basta uma virtude passiva; é preciso uma virtude ativa. Para fazer o bem, é preciso sempre a ação da vontade. Para fazer o mal basta apenas, não fazer nada e ficar indiferentes às coisas que ocorrem.
  • 30. CARIDADE Caridade é a mão terna e compassiva Que ampara os bons e aos maus ama e perdoa, Misericórdia, a qual para ser boa, De bens paradisíacos se priva. Mão radiosa, que traz a verde oliva Da paz, que acaricia e que abençoa, Voz da eterna verdade que ressoa Por toda a parte, promissora e ativa. A caridade é o símbolo da chave Que abre as portas do céu claro e suave, Das consciências libertas da impureza; É a vibração do espírito divino, Em seu labor fecundo e peregrino, Manifestando as glórias da Beleza!... Cruz e Souza, Psicografia de Francisco Cândido Xavier in Parnaso do Além Túmulo.