SlideShare uma empresa Scribd logo
1
CURSO BÁSICO DE ESPIRITISMO 
1. O que é o Espiritismo? 
2. Doutrina Espírita: ciência, filosofia, moral 
3. O Espiritismo e as doutrinas espiritualistas 
4. Deus, espírito e matéria 
5. O mundo dos espíritos 
6. Pluralidade das existências 
7. Transmigrações progressivas, pluralidade dos mundos 
habitados 
8. As leis morais I 
9. As leis morais II 
10. Das esperanças e consolações
1 O QUE É O ESPIRITISMO 
1.1 PRECURSORES DO ESPIRITISMO 
1.1.1 Emanuel Swedenborg 
1.1.2 Andrew Jackson Davis 
1.1.3 Hydesville – As irmãs Fox (o ano de 1848) 
1.1.4 As mesas girantes 
1.2 ALLAN KARDEC 
1.2.1 Um homem destinado a uma missão 
1.2.2 Consolador 
1.2.3 O que é o Espiritismo
PRECURSORES DO 
ESPIRITISMO
5 
EEMMAANNUUEELL SSWWEEDDEENNBBOORRGG 
Sueco; 
Viveu em Londres; 
Muito culto;
6 
EEMMAANNUUEELL SSWWEEDDEENNBBOORRGG 
Engenheiro de 
minas; 
Autoridade em 
Metalurgia;
7 
EMANUEL SWEDENBORG 
Zoólogo; 
Anatomista; 
Físico; 
Astrónomo; 
Em 1745 
manifesta-se 
médium.
ANDREW JACKSON DAVIS 
1826 / 1910; 
Americano (Nova-Iorque); 
Sem formação académica; 
Em 1845 começa a 
psicografar; 
Psicografou cerca de 30 
livros;
ANDREW JACKSON DAVIS 
Previu a descoberta: 
Do automóvel; 
Da máquina de escrever; 
Do Espiritismo (no seu 
livro “Princípios da 
Natureza”, 1847).
ANDREW JACKSON DAVIS 
Em transe 
proferia 
discursos sobre 
os mais variados 
temas, sobre os 
quais pouco ou 
nada sabia;
ANDREW JACKSON DAVIS 
O seu guia era 
Swedenborg.
12 
HHYYDDEESSVVIILLLLEE –– AASS IIRRMMÃÃSS FFOOXX 
((OO aannoo ddee 11884488)) 
Casa da família Fox, em Hydesville, Nova 
Iorque, nos EUA, palco dos fenómenos.
13 
HHYYDDEESSVVIILLLLEE –– PPRROOTTAAGGOONNIISSTTAASS 
PROTAGONISTAS: 
Charles Rosma, vendedor ambulante;
14 
HYDESVILLE 
PROTAGONISTAS 
KKaatthheerriinnee FFooxx ((KKaattiiee oouu KKaattee)),, 1111 aannooss;; 
MMaarrggaarreetthh FFooxx,, 1144 aannooss..
15 
HHYYDDEESSVVIILLLLEE 
CChhaarrlleess RRoossmmaa hhoossppeeddaa--ssee aaíí;; 
AAssssaassssiinnaaddoo ppeelloo ccaassaall BBeellll;; 
EEnntteerrrraaddoo nnaa ccaavvee;; 
AA vviizziinnhhaannççaa aassssiissttiiaa..
HHYYDDEESSVVIILLLLEE 
AA vveerraacciiddaaddee ddooss ffeennóómmeennooss ffooii ppuubblliiccaaddaa eemm 
11990044,, nnoo ““BBoossttoonn JJoouurrnnaall””;; 
AAss iirrmmããss FFooxx ffoorraamm ppeerrsseegguuiiddaass ee eexxccoommuunnggaaddaass 
ppeellaa IIggrreejjaa..
AASS MMEESSAASS GGIIRRAANNTTEESS 
SSuurrggeemm eemm 1188550,, nnooss EE..UU..AA..,, ppaarraa ddiissttrraaccççããoo;; 
EEssppaallhhaamm--ssee rraappiiddaammeennttee ppoorr ttooddaa aa EEuurrooppaa;; 
SSããoo oo ppoonnttoo ddee ppaarrttiiddaa ddaa DDoouuttrriinnaa EEssppíírriittaa;;
AS MESAS GIRANTES 
1854 - Sr. Fortier fala ddeellaass aaoo SSrr.. HHiippppoollyyttee RRiivvaaiill;; 
11885555 -- SSrr.. CCaarrlloottii ttaammbbéémm llhhee ffaallaa ddeellaass;;
AS MESAS GIRANTES 
Em Maio, casa do sr. RRooggeerr,, oo SSrr.. PPaattiieerr ee aa SSrr..ª 
PPllaaiinneemmaaiissoonn ffaallaamm--llhhee ddoo aassssuunnttoo;;
De seguida, em casa da Sr.ª Plainemaison, aassssiissttiiuu 
ppeellaa 11..ª vveezz aaoo ffeennóómmeennoo;; 
20 
AS MESAS GIRANTES
AASS MMEESSAASS GGIIRRAANNTTEESS 
Aí conheceu a família BBaauuddiinn,, qquuee ffaazziiaa sseessssõõeess;; 
FFooii ccoomm aass mmeenniinnaass BBaauuddiinn ((JJuulliiee ee CCaarroolliinnee,, mmééddiiuunnss)) qquuee 
ccoommeeççoouu aa ppeessqquuiissaarr;;
AASS MMEESSAASS GGIIRRAANNTTEESS 
Zéfiro, espírito protetor, deu-llhhee aa ssaabbeerr aa ssuuaa mmiissssããoo;; 
DDiissssee--llhhee qquuee tteerriiaa ssiiddoo ssaacceerrddoottee ddrruuiiddaa nnaa GGáálliiaa,, aallttuurraa 
eemm qquuee ssee cchhaammoouu AAllllaann KKaarrddeecc..
ALLAN KARDEC
UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO 
Hippolyte Léon Denizard Rivail 
Nasceu em Lyon, 3.10.1804;
UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO 
Contexto familiar: 
Filho único; 
Pais sensatos, equilibrados 
(pai – carreira ilustre na 
magistratura);
UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO 
Yverdun: 
Influência de Pestalozzi; 
Bacharel em letras e ciências; 
Pedagogo; 
Poliglota: 
Inglês, Alemão, Italiano, 
Holandês, Espanhol e Francês;
UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO 
1823 regressou a Paris; 
Escreveu livros didácticos, 
da escola à universidade; 
Membro de várias sociedades 
sábias; 
Pensador, filósofo, sábio;
UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO 
Estudou o “magnetismo 
animal”, mesmerismo; 
1832 casou com Amélie 
Gabrielle Boudet; 
Cursos de química, física, 
astronomia, anatomia; 
Muito estimado e conhecido.
CODIFICAÇÃO + OBRAS COMPLEMENTARES 
2299
Codificação 
18.04.1857 15.01.1861 15.04.1864 
01.08.1865 06.01.1868
Outras datas 
01.01.1858 
Revue Spirite; 
01.04.1858 
Soc. Parisiense Estudos Espíritas; 
1859 
O Que é o Espiritismo; 
09.10.1861 
Auto-de-fé de Barcelona; 
1890 
Obras Póstumas (por Leymarie)
DDEESSEENNCCAARRNNEE 
311..003..11886699 
((ddeesseennccaarrnnoouu));; 
SSeeppuullttaaddoo nnoo 
cceemmiittéérriioo PPèèrree LLaa 
CChhaaiissee,, PPaarriiss 
((ddóóllmmeenn)).. 
2211..0011..11888811 -- 
DDeesseennccaarrnnoouu AAmméélliiee 
GG.. BBoouuddeett ((8899 aannooss))..
CCOONNSSOOLLAADDOORR 
AAss ggrraannddeess vveerrddaaddeess ssooffrreemm ddee uumm rreeccuuoo eevvoolluuttiivvoo;; 
JJeessuuss rreeffeerree--ssee aaoo CCoonnssoollaaddoorr tteennddoo eemm vviissttaa eessssee 
ffeennóómmeennoo;; 
OO EEssppiirriittiissmmoo éé CCoonnssoollaaddoorr vviissttoo ccoonnttrriibbuuiirr ppaarraa oo aavvaannççoo 
ddaa HHuummaanniiddaaddee..
O QUE É O ESPIRITISMO 
Métodos: 
Experimental (indutivo); 
Dedutivo.
Advertência 
“ Espíritas! amai-vos, este o primeiro 
ensinamento; instruí-vos, eis o 
segundo“ 
(O Espírito da Verdade)
Divisa 
Fora da caridade não há salvação
TESTE
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
38 
( ) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
( ) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
( ) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
( ) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
( ) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
39 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
( ) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
( ) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
( ) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
( ) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
40 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
( ) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
( ) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
( ) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
41 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
(5) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
( ) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
( ) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
42 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
(5) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
(1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
( ) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
( ) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
43 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
(5) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
(1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
(2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
( ) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
( ) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
44 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
(5) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
(1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
(2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
(3) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
( ) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
45 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
(5) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
(1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
(2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
(3) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
(9) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
( ) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
46 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
(5) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
(1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
(2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
(3) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
(9) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
(6) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
( ) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 
47 
(8) Métodos de pesquisa usados por 
Kardec: 
(1) Katherine e Margareth. 
(4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. 
(5) Nome do espírito que provocou o 
fenómeno dos “raps”, em 1848: 
(3) Lucretia Pulver. 
(1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. 
(2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. 
(3) Testemunha que disse qual o 
homem que se hospedara na 
casa dos Bell: 
(6) Duesler. 
(9) Os fenómenos de movimento de 
objectos surgiram 
(7) que os fenómenos eram 
verídicos. 
(6) Idealizador de um alfabeto por 
pancadas: 
(8) experimental (indutivo) e 
dedutivo. 
(7) Três comissões que estudaram 
os fenómenos de Hydesville 
concluíram 
(9) simultaneamente na América e 
na Europa, entre 1848 e 1850.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.1 – Os fenómenos de Hydesville ocorreram: 
( ) a. Em Março de 1848; 
( ) b. Em Maio de 1848; 
( ) c. Em Março de 1850; 
( ) d. Em Maio de 1850.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
49 
““XX””.. 
2.1 – Os fenómenos de Hydesville ocorreram: 
(X) a. Em Março de 1848; 
( ) b. Em Maio de 1848; 
( ) c. Em Março de 1850; 
( ) d. Em Maio de 1850.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.2 – O fenómeno das mesas girantes pode ser 
explicado pela acção: 
( ) a. Dos espíritos sobre a matéria, conjugado com 
um fluido próprio dos médiuns; 
( ) b. Inteligente de um desencarnado e do seu princípio vital; 
( ) c. Inteligente de um encarnado e do seu princípio 
vital; 
( ) d. Da vontade dos médiuns sobre a matéria e de 
um fluido próprio dos espíritos.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
51 
““XX””.. 
2.2 – O fenómeno das mesas girantes pode ser 
explicado pela acção: 
(X) a. Dos espíritos sobre a matéria, conjugado com 
um fluido próprio dos médiuns; 
( ) b. Inteligente de um desencarnado e do seu princípio vital; 
( ) c. Inteligente de um encarnado e do seu princípio 
vital; 
( ) d. Da vontade dos médiuns sobre a matéria e de 
um fluido próprio dos espíritos.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.3 – O processo de comunicação dos espíritos 
com cestas e pranchetas corresponde à: 
( ) a. Psicografia directa; 
( ) b. Cestologia alfabética; 
( ) c. Psicografia indirecta; 
( ) d. Escrita esquerdina.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.3 – O processo de comunicação dos espíritos 
com cestas e pranchetas corresponde à: 
( ) a. Psicografia directa; 
( ) b. Cestologia alfabética; 
(X) c. Psicografia indirecta; 
( ) d. Escrita esquerdina.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.4 – Em 1 de Abril de 1858, Allan Kardec: 
( ) a. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Espíritos”; 
( ) b. Lançou a 1.ª edição de “A Génese”; 
( ) c. Fundou a “Sociedade Parisiense de Estudos 
Espíritas”; 
( ) d. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Médiuns”.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.4 – Em 1 de Abril de 1858, Allan Kardec: 
( ) a. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Espíritos”; 
( ) b. Lançou a 1.ª edição de “A Génese”; 
(X) c. Fundou a “Sociedade Parisiense de Estudos 
Espíritas”; 
( ) d. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Médiuns”.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.5 – O Espiritismo é ao mesmo tempo: 
( ) a. Ciência prática de fenómenos mediúnicos; 
( ) b. Ciência prática de consequências morais; 
( ) c. Ciência prática de fenómenos anímicos e 
parapsicológicos; 
( ) d. Ciência prática e filosófica de 
consequências morais.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.5 – O Espiritismo é ao mesmo tempo: 
( ) a. Ciência prática de fenómenos mediúnicos; 
( ) b. Ciência prática de consequências morais; 
( ) c. Ciência prática de fenómenos anímicos e 
parapsicológicos; 
(X) d. Ciência prática e filosófica de 
consequências morais.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.6 – Ao definir o Espiritismo, Allan Kardec afirma 
que ele é uma ciência que trata da: 
( ) a. Natureza e origem dos espíritos que se comunicam 
connosco; 
( ) b. Natureza, origem e destino dos homens, bem como das 
suas relações com o mundo espiritual; 
( ) c. Natureza e destino dos espíritos, bem como das suas 
relações com o mundo corporal; 
( ) d. Natureza, origem e destino dos espíritos, bem como das 
suas relações com o mundo corporal.
2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 
““XX””.. 
2.6 – Ao definir o Espiritismo, Allan Kardec afirma 
que ele é uma ciência que trata da: 
( ) a. Natureza e origem dos espíritos que se comunicam 
connosco; 
( ) b. Natureza, origem e destino dos homens, bem como das 
suas relações com o mundo espiritual; 
( ) c. Natureza e destino dos espíritos, bem como das suas 
relações com o mundo corporal; 
(X) d. Natureza, origem e destino dos espíritos, bem como das 
suas relações com o mundo corporal.
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 _______________________________
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 ________________________________
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 
1857 ________________________________
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 
1857 O Livro dos Espíritos
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 
1857 O Livro dos Espíritos 
1868 ________________________________
3 – ESCREVA EM CADA UMA DAS DATAS O NOME 
DO LIVRO DA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 
1857 O Livro dos Espíritos 
1868 A Génese
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 
1857 O Livro dos Espíritos 
1868 A Génese 
1865 ________________________________
3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE 
DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 
1861 O Livro dos Médiuns 
1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 
1857 O Livro dos Espíritos 
1868 A Génese 
1865 O Céu e o Inferno

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
carlos freire
 
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
Angelo Baptista
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo
Ceile Bernardo
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
Rogerio R. Lima Cisi
 
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismoAula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Espiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e PrincípiosEspiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e Princípios
Angelo Baptista
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
Wilma Badan C.G.
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
liliancostadias
 
Módulo II - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo II - Aula IV - Mansão EspíritaMódulo II - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo II - Aula IV - Mansão Espírita
brunoquadros
 
Aula espiritismo Historico
Aula espiritismo HistoricoAula espiritismo Historico
Aula espiritismo Historico
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Módulo III - Aula I - Mansão Espírita
Módulo III - Aula I - Mansão EspíritaMódulo III - Aula I - Mansão Espírita
Módulo III - Aula I - Mansão Espírita
brunoquadros
 
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismoLivro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Anderson Zilli
 
02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
Denise Aguiar
 
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Harleyde Santos
 
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismoHistoria do espiritismo
Historia do espiritismo
Ceile Bernardo
 
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Ana Lucia Silva
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Antonino Silva
 
O livro dos espíritos !
O  livro dos espíritos !O  livro dos espíritos !
O livro dos espíritos !
Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
2016 01-10-ce-o que-e_espiritismo_sandra_b
 
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
O Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita. Allan Kardec e as Obras da Codificação.
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
 
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismoAula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
 
Espiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e PrincípiosEspiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e Princípios
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
 
Módulo II - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo II - Aula IV - Mansão EspíritaMódulo II - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo II - Aula IV - Mansão Espírita
 
Aula espiritismo Historico
Aula espiritismo HistoricoAula espiritismo Historico
Aula espiritismo Historico
 
Módulo III - Aula I - Mansão Espírita
Módulo III - Aula I - Mansão EspíritaMódulo III - Aula I - Mansão Espírita
Módulo III - Aula I - Mansão Espírita
 
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismoLivro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
 
02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
 
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
 
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
 
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismoHistoria do espiritismo
Historia do espiritismo
 
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
 
O livro dos espíritos !
O  livro dos espíritos !O  livro dos espíritos !
O livro dos espíritos !
 

Semelhante a Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 01

Fenomenos hydesville-mesas-girantes-
Fenomenos hydesville-mesas-girantes-Fenomenos hydesville-mesas-girantes-
Fenomenos hydesville-mesas-girantes-
Levi Antonio Amancio
 
fenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptx
fenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptxfenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptx
fenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptx
FilipeDuartedeBem
 
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas GirantesFenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fatima Carvalho
 
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)
( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural
( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
História da Evolução
História da EvoluçãoHistória da Evolução
História da Evolução
Kiko Paroli
 
05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula
05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula
05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula
Euzebio Medrado
 
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
Denise Aguiar
 
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_penseAndre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
As mesas girantes e o espiritismo
As mesas girantes e o espiritismoAs mesas girantes e o espiritismo
Fatos espíritas (william crookes)
Fatos espíritas (william crookes)Fatos espíritas (william crookes)
Fatos espíritas (william crookes)
Helio Cruz
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Esde leitura proximo encontro
Esde leitura proximo encontroEsde leitura proximo encontro
Esde leitura proximo encontro
Eric Arieiv
 
Irmãs fox
Irmãs foxIrmãs fox
Irmãs fox
Magali ..
 
AMOR IMORTAL
AMOR IMORTALAMOR IMORTAL
AMOR IMORTAL
Bruno Caldas
 
Allan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obraAllan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obra
home
 
William crookesfatosespiritas
William crookesfatosespiritasWilliam crookesfatosespiritas
William crookesfatosespiritas
Helio Cruz
 
Roteiro 1 fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificação
Roteiro 1   fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificaçãoRoteiro 1   fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificação
Roteiro 1 fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificação
Bruno Cechinel Filho
 
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na EuropaAula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
contatodoutrina2013
 
Módulo II - Aula I - Mansão Espírita
Módulo II - Aula I - Mansão EspíritaMódulo II - Aula I - Mansão Espírita
Módulo II - Aula I - Mansão Espírita
brunoquadros
 

Semelhante a Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 01 (20)

Fenomenos hydesville-mesas-girantes-
Fenomenos hydesville-mesas-girantes-Fenomenos hydesville-mesas-girantes-
Fenomenos hydesville-mesas-girantes-
 
fenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptx
fenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptxfenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptx
fenmenos-hydesville-mesas-girantes-Complementar.pptx
 
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas GirantesFenômenos Hydesville Mesas Girantes
Fenômenos Hydesville Mesas Girantes
 
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)
( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural(1)
 
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural
( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural( Espiritismo)   # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural
( Espiritismo) # - alfred r wallace - o aspecto cientifico do sobrenatural
 
História da Evolução
História da EvoluçãoHistória da Evolução
História da Evolução
 
05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula
05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula
05.[2014] fund i-mod ii-rot 1-euzebio aula
 
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
 
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_penseAndre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
 
As mesas girantes e o espiritismo
As mesas girantes e o espiritismoAs mesas girantes e o espiritismo
As mesas girantes e o espiritismo
 
Fatos espíritas (william crookes)
Fatos espíritas (william crookes)Fatos espíritas (william crookes)
Fatos espíritas (william crookes)
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Esde leitura proximo encontro
Esde leitura proximo encontroEsde leitura proximo encontro
Esde leitura proximo encontro
 
Irmãs fox
Irmãs foxIrmãs fox
Irmãs fox
 
AMOR IMORTAL
AMOR IMORTALAMOR IMORTAL
AMOR IMORTAL
 
Allan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obraAllan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obra
 
William crookesfatosespiritas
William crookesfatosespiritasWilliam crookesfatosespiritas
William crookesfatosespiritas
 
Roteiro 1 fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificação
Roteiro 1   fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificaçãoRoteiro 1   fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificação
Roteiro 1 fenômenos mediúnicos que anteceredam a codificação
 
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na EuropaAula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
Aula 04/2013 - Antecedentes e Contemporâneos de Kardec na Europa
 
Módulo II - Aula I - Mansão Espírita
Módulo II - Aula I - Mansão EspíritaMódulo II - Aula I - Mansão Espírita
Módulo II - Aula I - Mansão Espírita
 

Mais de ADEP Portugal

Registo de dados surgidos em reunião mediúnica - poster
Registo de dados surgidos em reunião mediúnica - posterRegisto de dados surgidos em reunião mediúnica - poster
Registo de dados surgidos em reunião mediúnica - poster
ADEP Portugal
 
Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?
Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?
Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?
ADEP Portugal
 
Poster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em Portugal
Poster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em PortugalPoster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em Portugal
Poster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em Portugal
ADEP Portugal
 
Poster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciados
Poster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciadosPoster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciados
Poster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciados
ADEP Portugal
 
Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística
Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística
Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística
ADEP Portugal
 
Reuniões mediúnicas em Portugal - poster
Reuniões mediúnicas em Portugal - posterReuniões mediúnicas em Portugal - poster
Reuniões mediúnicas em Portugal - poster
ADEP Portugal
 
Poster sobre Ecologia e Espiritismo
Poster sobre Ecologia e EspiritismoPoster sobre Ecologia e Espiritismo
Poster sobre Ecologia e Espiritismo
ADEP Portugal
 
Poster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do Oeste
Poster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do OestePoster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do Oeste
Poster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do Oeste
ADEP Portugal
 
ADEP - curso básico de espiritismo presencial
ADEP - curso básico de espiritismo presencialADEP - curso básico de espiritismo presencial
ADEP - curso básico de espiritismo presencial
ADEP Portugal
 
ADEP - curso básico de espiritismo on-line
ADEP - curso básico de espiritismo on-lineADEP - curso básico de espiritismo on-line
ADEP - curso básico de espiritismo on-line
ADEP Portugal
 
As associações espíritas e a internet em 2015
As associações espíritas e a internet em 2015As associações espíritas e a internet em 2015
As associações espíritas e a internet em 2015
ADEP Portugal
 
ADEP no YouTube
ADEP no YouTubeADEP no YouTube
ADEP no YouTube
ADEP Portugal
 
ADEP no Facebook
ADEP no FacebookADEP no Facebook
ADEP no Facebook
ADEP Portugal
 
ADEP - serviço de noticiário
ADEP - serviço de noticiárioADEP - serviço de noticiário
ADEP - serviço de noticiário
ADEP Portugal
 
ADEP - Jornal de Espiritismo
ADEP - Jornal de EspiritismoADEP - Jornal de Espiritismo
ADEP - Jornal de Espiritismo
ADEP Portugal
 
Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019
Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019
Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019
ADEP Portugal
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10
ADEP Portugal
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09
ADEP Portugal
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08
ADEP Portugal
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07
ADEP Portugal
 

Mais de ADEP Portugal (20)

Registo de dados surgidos em reunião mediúnica - poster
Registo de dados surgidos em reunião mediúnica - posterRegisto de dados surgidos em reunião mediúnica - poster
Registo de dados surgidos em reunião mediúnica - poster
 
Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?
Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?
Estará a causa de morte relacionada com o sofrimento após a desencarnação?
 
Poster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em Portugal
Poster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em PortugalPoster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em Portugal
Poster sobre o caso Pedras - um caso de poltergeist em Portugal
 
Poster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciados
Poster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciadosPoster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciados
Poster - Relação de género entre os médiuns e os perfis evidenciados
 
Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística
Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística
Poster - Reuniões mediúnicas: uma análise estatística
 
Reuniões mediúnicas em Portugal - poster
Reuniões mediúnicas em Portugal - posterReuniões mediúnicas em Portugal - poster
Reuniões mediúnicas em Portugal - poster
 
Poster sobre Ecologia e Espiritismo
Poster sobre Ecologia e EspiritismoPoster sobre Ecologia e Espiritismo
Poster sobre Ecologia e Espiritismo
 
Poster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do Oeste
Poster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do OestePoster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do Oeste
Poster sobre as Jornadas de Cultura Espíritas do Oeste
 
ADEP - curso básico de espiritismo presencial
ADEP - curso básico de espiritismo presencialADEP - curso básico de espiritismo presencial
ADEP - curso básico de espiritismo presencial
 
ADEP - curso básico de espiritismo on-line
ADEP - curso básico de espiritismo on-lineADEP - curso básico de espiritismo on-line
ADEP - curso básico de espiritismo on-line
 
As associações espíritas e a internet em 2015
As associações espíritas e a internet em 2015As associações espíritas e a internet em 2015
As associações espíritas e a internet em 2015
 
ADEP no YouTube
ADEP no YouTubeADEP no YouTube
ADEP no YouTube
 
ADEP no Facebook
ADEP no FacebookADEP no Facebook
ADEP no Facebook
 
ADEP - serviço de noticiário
ADEP - serviço de noticiárioADEP - serviço de noticiário
ADEP - serviço de noticiário
 
ADEP - Jornal de Espiritismo
ADEP - Jornal de EspiritismoADEP - Jornal de Espiritismo
ADEP - Jornal de Espiritismo
 
Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019
Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019
Pesquisa para espíritas - Portugal – 1.ª edição: 2019
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 10
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 09
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 08
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 07
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 01

  • 1. 1
  • 2. CURSO BÁSICO DE ESPIRITISMO 1. O que é o Espiritismo? 2. Doutrina Espírita: ciência, filosofia, moral 3. O Espiritismo e as doutrinas espiritualistas 4. Deus, espírito e matéria 5. O mundo dos espíritos 6. Pluralidade das existências 7. Transmigrações progressivas, pluralidade dos mundos habitados 8. As leis morais I 9. As leis morais II 10. Das esperanças e consolações
  • 3. 1 O QUE É O ESPIRITISMO 1.1 PRECURSORES DO ESPIRITISMO 1.1.1 Emanuel Swedenborg 1.1.2 Andrew Jackson Davis 1.1.3 Hydesville – As irmãs Fox (o ano de 1848) 1.1.4 As mesas girantes 1.2 ALLAN KARDEC 1.2.1 Um homem destinado a uma missão 1.2.2 Consolador 1.2.3 O que é o Espiritismo
  • 5. 5 EEMMAANNUUEELL SSWWEEDDEENNBBOORRGG Sueco; Viveu em Londres; Muito culto;
  • 6. 6 EEMMAANNUUEELL SSWWEEDDEENNBBOORRGG Engenheiro de minas; Autoridade em Metalurgia;
  • 7. 7 EMANUEL SWEDENBORG Zoólogo; Anatomista; Físico; Astrónomo; Em 1745 manifesta-se médium.
  • 8. ANDREW JACKSON DAVIS 1826 / 1910; Americano (Nova-Iorque); Sem formação académica; Em 1845 começa a psicografar; Psicografou cerca de 30 livros;
  • 9. ANDREW JACKSON DAVIS Previu a descoberta: Do automóvel; Da máquina de escrever; Do Espiritismo (no seu livro “Princípios da Natureza”, 1847).
  • 10. ANDREW JACKSON DAVIS Em transe proferia discursos sobre os mais variados temas, sobre os quais pouco ou nada sabia;
  • 11. ANDREW JACKSON DAVIS O seu guia era Swedenborg.
  • 12. 12 HHYYDDEESSVVIILLLLEE –– AASS IIRRMMÃÃSS FFOOXX ((OO aannoo ddee 11884488)) Casa da família Fox, em Hydesville, Nova Iorque, nos EUA, palco dos fenómenos.
  • 13. 13 HHYYDDEESSVVIILLLLEE –– PPRROOTTAAGGOONNIISSTTAASS PROTAGONISTAS: Charles Rosma, vendedor ambulante;
  • 14. 14 HYDESVILLE PROTAGONISTAS KKaatthheerriinnee FFooxx ((KKaattiiee oouu KKaattee)),, 1111 aannooss;; MMaarrggaarreetthh FFooxx,, 1144 aannooss..
  • 15. 15 HHYYDDEESSVVIILLLLEE CChhaarrlleess RRoossmmaa hhoossppeeddaa--ssee aaíí;; AAssssaassssiinnaaddoo ppeelloo ccaassaall BBeellll;; EEnntteerrrraaddoo nnaa ccaavvee;; AA vviizziinnhhaannççaa aassssiissttiiaa..
  • 16. HHYYDDEESSVVIILLLLEE AA vveerraacciiddaaddee ddooss ffeennóómmeennooss ffooii ppuubblliiccaaddaa eemm 11990044,, nnoo ““BBoossttoonn JJoouurrnnaall””;; AAss iirrmmããss FFooxx ffoorraamm ppeerrsseegguuiiddaass ee eexxccoommuunnggaaddaass ppeellaa IIggrreejjaa..
  • 17. AASS MMEESSAASS GGIIRRAANNTTEESS SSuurrggeemm eemm 1188550,, nnooss EE..UU..AA..,, ppaarraa ddiissttrraaccççããoo;; EEssppaallhhaamm--ssee rraappiiddaammeennttee ppoorr ttooddaa aa EEuurrooppaa;; SSããoo oo ppoonnttoo ddee ppaarrttiiddaa ddaa DDoouuttrriinnaa EEssppíírriittaa;;
  • 18. AS MESAS GIRANTES 1854 - Sr. Fortier fala ddeellaass aaoo SSrr.. HHiippppoollyyttee RRiivvaaiill;; 11885555 -- SSrr.. CCaarrlloottii ttaammbbéémm llhhee ffaallaa ddeellaass;;
  • 19. AS MESAS GIRANTES Em Maio, casa do sr. RRooggeerr,, oo SSrr.. PPaattiieerr ee aa SSrr..ª PPllaaiinneemmaaiissoonn ffaallaamm--llhhee ddoo aassssuunnttoo;;
  • 20. De seguida, em casa da Sr.ª Plainemaison, aassssiissttiiuu ppeellaa 11..ª vveezz aaoo ffeennóómmeennoo;; 20 AS MESAS GIRANTES
  • 21. AASS MMEESSAASS GGIIRRAANNTTEESS Aí conheceu a família BBaauuddiinn,, qquuee ffaazziiaa sseessssõõeess;; FFooii ccoomm aass mmeenniinnaass BBaauuddiinn ((JJuulliiee ee CCaarroolliinnee,, mmééddiiuunnss)) qquuee ccoommeeççoouu aa ppeessqquuiissaarr;;
  • 22. AASS MMEESSAASS GGIIRRAANNTTEESS Zéfiro, espírito protetor, deu-llhhee aa ssaabbeerr aa ssuuaa mmiissssããoo;; DDiissssee--llhhee qquuee tteerriiaa ssiiddoo ssaacceerrddoottee ddrruuiiddaa nnaa GGáálliiaa,, aallttuurraa eemm qquuee ssee cchhaammoouu AAllllaann KKaarrddeecc..
  • 24. UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO Hippolyte Léon Denizard Rivail Nasceu em Lyon, 3.10.1804;
  • 25. UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO Contexto familiar: Filho único; Pais sensatos, equilibrados (pai – carreira ilustre na magistratura);
  • 26. UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO Yverdun: Influência de Pestalozzi; Bacharel em letras e ciências; Pedagogo; Poliglota: Inglês, Alemão, Italiano, Holandês, Espanhol e Francês;
  • 27. UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO 1823 regressou a Paris; Escreveu livros didácticos, da escola à universidade; Membro de várias sociedades sábias; Pensador, filósofo, sábio;
  • 28. UM HOMEM DESTINADO A UMA MISSÃO Estudou o “magnetismo animal”, mesmerismo; 1832 casou com Amélie Gabrielle Boudet; Cursos de química, física, astronomia, anatomia; Muito estimado e conhecido.
  • 29. CODIFICAÇÃO + OBRAS COMPLEMENTARES 2299
  • 30. Codificação 18.04.1857 15.01.1861 15.04.1864 01.08.1865 06.01.1868
  • 31. Outras datas 01.01.1858 Revue Spirite; 01.04.1858 Soc. Parisiense Estudos Espíritas; 1859 O Que é o Espiritismo; 09.10.1861 Auto-de-fé de Barcelona; 1890 Obras Póstumas (por Leymarie)
  • 32. DDEESSEENNCCAARRNNEE 311..003..11886699 ((ddeesseennccaarrnnoouu));; SSeeppuullttaaddoo nnoo cceemmiittéérriioo PPèèrree LLaa CChhaaiissee,, PPaarriiss ((ddóóllmmeenn)).. 2211..0011..11888811 -- DDeesseennccaarrnnoouu AAmméélliiee GG.. BBoouuddeett ((8899 aannooss))..
  • 33. CCOONNSSOOLLAADDOORR AAss ggrraannddeess vveerrddaaddeess ssooffrreemm ddee uumm rreeccuuoo eevvoolluuttiivvoo;; JJeessuuss rreeffeerree--ssee aaoo CCoonnssoollaaddoorr tteennddoo eemm vviissttaa eessssee ffeennóómmeennoo;; OO EEssppiirriittiissmmoo éé CCoonnssoollaaddoorr vviissttoo ccoonnttrriibbuuiirr ppaarraa oo aavvaannççoo ddaa HHuummaanniiddaaddee..
  • 34. O QUE É O ESPIRITISMO Métodos: Experimental (indutivo); Dedutivo.
  • 35. Advertência “ Espíritas! amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo“ (O Espírito da Verdade)
  • 36. Divisa Fora da caridade não há salvação
  • 37. TESTE
  • 38. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 38 ( ) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. ( ) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. ( ) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. ( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. ( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. ( ) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. ( ) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 39. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 39 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. ( ) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. ( ) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. ( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. ( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. ( ) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. ( ) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 40. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 40 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. ( ) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. ( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. ( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. ( ) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. ( ) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 41. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 41 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. (5) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. ( ) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. ( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. ( ) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. ( ) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 42. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 42 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. (5) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. (1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. ( ) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. ( ) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. ( ) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 43. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 43 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. (5) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. (1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. (2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. ( ) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. ( ) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 44. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 44 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. (5) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. (1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. (2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. (3) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. ( ) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 45. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 45 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. (5) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. (1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. (2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. (3) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. (9) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. ( ) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 46. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 46 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. (5) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. (1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. (2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. (3) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. (9) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. (6) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. ( ) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 47. 1 – NUMERE A 1.ª COLUNA, DDEE AACCOORRDDOO CCOOMM AA 22..ª.. 47 (8) Métodos de pesquisa usados por Kardec: (1) Katherine e Margareth. (4) Aldeia onde residia a família Fox: (2) table-moving; table-tournante. (5) Nome do espírito que provocou o fenómeno dos “raps”, em 1848: (3) Lucretia Pulver. (1) Nome das irmãs Fox: (4) Hydesville. (2) Fenómeno das mesas girantes: (5) Charles B. Rosma. (3) Testemunha que disse qual o homem que se hospedara na casa dos Bell: (6) Duesler. (9) Os fenómenos de movimento de objectos surgiram (7) que os fenómenos eram verídicos. (6) Idealizador de um alfabeto por pancadas: (8) experimental (indutivo) e dedutivo. (7) Três comissões que estudaram os fenómenos de Hydesville concluíram (9) simultaneamente na América e na Europa, entre 1848 e 1850.
  • 48. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.1 – Os fenómenos de Hydesville ocorreram: ( ) a. Em Março de 1848; ( ) b. Em Maio de 1848; ( ) c. Em Março de 1850; ( ) d. Em Maio de 1850.
  • 49. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 49 ““XX””.. 2.1 – Os fenómenos de Hydesville ocorreram: (X) a. Em Março de 1848; ( ) b. Em Maio de 1848; ( ) c. Em Março de 1850; ( ) d. Em Maio de 1850.
  • 50. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.2 – O fenómeno das mesas girantes pode ser explicado pela acção: ( ) a. Dos espíritos sobre a matéria, conjugado com um fluido próprio dos médiuns; ( ) b. Inteligente de um desencarnado e do seu princípio vital; ( ) c. Inteligente de um encarnado e do seu princípio vital; ( ) d. Da vontade dos médiuns sobre a matéria e de um fluido próprio dos espíritos.
  • 51. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM 51 ““XX””.. 2.2 – O fenómeno das mesas girantes pode ser explicado pela acção: (X) a. Dos espíritos sobre a matéria, conjugado com um fluido próprio dos médiuns; ( ) b. Inteligente de um desencarnado e do seu princípio vital; ( ) c. Inteligente de um encarnado e do seu princípio vital; ( ) d. Da vontade dos médiuns sobre a matéria e de um fluido próprio dos espíritos.
  • 52. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.3 – O processo de comunicação dos espíritos com cestas e pranchetas corresponde à: ( ) a. Psicografia directa; ( ) b. Cestologia alfabética; ( ) c. Psicografia indirecta; ( ) d. Escrita esquerdina.
  • 53. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.3 – O processo de comunicação dos espíritos com cestas e pranchetas corresponde à: ( ) a. Psicografia directa; ( ) b. Cestologia alfabética; (X) c. Psicografia indirecta; ( ) d. Escrita esquerdina.
  • 54. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.4 – Em 1 de Abril de 1858, Allan Kardec: ( ) a. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Espíritos”; ( ) b. Lançou a 1.ª edição de “A Génese”; ( ) c. Fundou a “Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas”; ( ) d. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Médiuns”.
  • 55. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.4 – Em 1 de Abril de 1858, Allan Kardec: ( ) a. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Espíritos”; ( ) b. Lançou a 1.ª edição de “A Génese”; (X) c. Fundou a “Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas”; ( ) d. Lançou a 1.ª edição de “O Livro dos Médiuns”.
  • 56. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.5 – O Espiritismo é ao mesmo tempo: ( ) a. Ciência prática de fenómenos mediúnicos; ( ) b. Ciência prática de consequências morais; ( ) c. Ciência prática de fenómenos anímicos e parapsicológicos; ( ) d. Ciência prática e filosófica de consequências morais.
  • 57. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.5 – O Espiritismo é ao mesmo tempo: ( ) a. Ciência prática de fenómenos mediúnicos; ( ) b. Ciência prática de consequências morais; ( ) c. Ciência prática de fenómenos anímicos e parapsicológicos; (X) d. Ciência prática e filosófica de consequências morais.
  • 58. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.6 – Ao definir o Espiritismo, Allan Kardec afirma que ele é uma ciência que trata da: ( ) a. Natureza e origem dos espíritos que se comunicam connosco; ( ) b. Natureza, origem e destino dos homens, bem como das suas relações com o mundo espiritual; ( ) c. Natureza e destino dos espíritos, bem como das suas relações com o mundo corporal; ( ) d. Natureza, origem e destino dos espíritos, bem como das suas relações com o mundo corporal.
  • 59. 2 – MARQUE A ALTERNATIVA CCOORRRREECCTTAA CCOOMM UUMM ““XX””.. 2.6 – Ao definir o Espiritismo, Allan Kardec afirma que ele é uma ciência que trata da: ( ) a. Natureza e origem dos espíritos que se comunicam connosco; ( ) b. Natureza, origem e destino dos homens, bem como das suas relações com o mundo espiritual; ( ) c. Natureza e destino dos espíritos, bem como das suas relações com o mundo corporal; (X) d. Natureza, origem e destino dos espíritos, bem como das suas relações com o mundo corporal.
  • 60. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 _______________________________
  • 61. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns
  • 62. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 ________________________________
  • 63. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo
  • 64. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 1857 ________________________________
  • 65. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 1857 O Livro dos Espíritos
  • 66. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 1857 O Livro dos Espíritos 1868 ________________________________
  • 67. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DAS DATAS O NOME DO LIVRO DA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 1857 O Livro dos Espíritos 1868 A Génese
  • 68. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 1857 O Livro dos Espíritos 1868 A Génese 1865 ________________________________
  • 69. 3 – ESCREVA EM CADA UMA DDAASS DDAATTAASS OO NNOOMMEE DDOO LLIIVVRROO DDAA CCOODDIIFFIICCAAÇÇÃÃOO EESSPPÍÍRRIITTAA:: 1861 O Livro dos Médiuns 1864 O Evangelho Segundo o Espiritismo 1857 O Livro dos Espíritos 1868 A Génese 1865 O Céu e o Inferno

Notas do Editor

  1. Explicar pelo conteúdo do livro (ponto 1.2.3. pagina 30)