FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA
PROGRAMA FUNDAMENTAL I – PROGRAMA NOVO
MÓDULO I - ...
irradiação (estudos teóricos e práticos do casal Pierre e Marie Curie); surgimento da máquina a
vapor (James Watt) e a Teo...
Mais tarde, os investigadores do fenômeno notaram que este “[...] só se produzia em
presença da jovem Fox [Kate]; atribuía...
correlação com as perguntas causaram espanto. O ser misterioso que assim respondia,
interrogado sobre a sua natureza, decl...
WANTUIL, Zêus e THIESEN, Francisco. Allan Kardec: O educador e o codificador. Vol. I. 1ª edição
especial. Rio de Janeiro: ...
WANTUIL, Zêus e THIESEN, Francisco. Allan Kardec: O educador e o codificador. Vol. I. 1ª edição
especial. Rio de Janeiro: ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Esde leitura proximo encontro

70 visualizações

Publicada em

huihuihuihuihuh

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
70
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Esde leitura proximo encontro

  1. 1. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL I – PROGRAMA NOVO MÓDULO I - Introdução ao Estudo do Espiritismo Tema 2 Fenômenos que antecederam a codificação: Hydesville e as mesas girantes. Objetivos: a) Identificar a importância dos fenômenos de Hydesville e das mesas girantes no surgimento do Espiritismo; b) Descrever as principais características desses fenômenos. INTRODUÇÃO Antes de falarmos a respeito do século XX e as suas conexões com o Espiritismo nascente, é importante apresentar um resumo dos principais acontecimentos que marcaram o século anterior. O século XIX, época do surgimento do Espiritismo, ocorreu, segundo Emmanuel, “[...] uma torrente de claridades na face do mundo, encaminhando todos os países para as reformas úteis e preciosas [...].”1 Foi um período denominado “O Século das Revoluções” devido a ocorrência do processo de unificação política-administrativa em várias nações do mundo, sobretudo da Europa (Alemanha e Itália, por exemplo) e o progresso humano em todas as áreas do conhecimento, iniciado com a Revolução Francesa, no século dezoito, quando foi estabelecido o ideal de liberdade e de democracia. Neste sentido, podemos destacar os seguintes movimentos revolucionários: • Revolução industrial ── iniciada na Inglaterra, que acarretou profundas transformações na sociedade, modificando a feição das relações humanas, dentro e fora dos países. • Manifestações artísticas e culturais ── ocorrem nestes campos do saber uma preferência pelas manifestações da Escola Romântica, que têm o poder de influenciar ideias políticas e sociais abraçadas, em especial, pela burguesia revolucionária, seguidora dos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade (Revolução Francesa). Destacam-se as ideias liberais de Victor Hugo, na França, e Göethe, na Alemanha, que denunciam, respectivamente, o sofrimento das classes mais pobres (veja o livro Os Miseráveis) e a liberdade individual com o uso do livre arbítrio (ver a obra Fausto). • Mudanças religiosas ── alguns filósofos desenvolvem ou apoiam ideias voltadas para a renovação das práticas religiosas do catolicismo, até então muito vinculadas à política dos governantes. Neste sentido, o famoso filósofo suíço Lamennais faz surgir o catolicismo social, fundamentado no ideal de caridade e justiça. • Conquistas científicas ── as mudanças significativas ocorreram na astronomia (descoberta do planeta Netuno por Leverrier); na microbiologia (trabalhos de Louis Pasteur); descoberta da 1 Francisco Cândido Xavier. A caminho da luz. Cap. 23, p. 185. Brasília, 08/09/2015 - Euzebio
  2. 2. irradiação (estudos teóricos e práticos do casal Pierre e Marie Curie); surgimento da máquina a vapor (James Watt) e a Teoria da Origem e Evolução das Espécies (Charles Darwin). Em meados do século XIX surgiram na América, no Estado de New York, acontecimentos que causaram grande impacto na opinião pública, repercutindo, em especial, no meio intelectual da época, e que foram denominados, genericamente, como “fenômenos de Hydesville”. 1. Os fenômenos de Hydesville Em 1847, a casa de um certo John Fox [e de sua mulher Margareth], residente em Hydesville, pequena cidade do Estado de New York, foi perturbada por estranhas manifestações; ruídos inexplicáveis faziam-se ouvir com tal intensidade que essa família não pôde mais repousar2 . Os ruídos e movimentações eram persistentes e ouvidos facilmente, sobretudo no quarto das meninas, filhas do casal Fox. A família tinha dificuldades para dormir, apesar de procurarem, insistentemente, causas ou motivos que justificassem as ocorrências. Em outros momentos imaginavam que, se ignorassem os barulhos ou não os comentassem, cedo ou tarde as coisas se acomodariam. Não foi o que aconteceu; eles se tornaram mais intensos e incomodativos: “[...] Os ruídos eram vibrantes, fazendo as camas tremerem e balançarem. [...]”3 , afirmou Arthur Conan Doyle. No dia31 de março de 1848 a família Fox deitou-se mais cedo do que de costume, pois havia três noites seguidas que não podiam conciliar o sono. [...] Nada, porém, obstou a que pouco depois as pancadas voltassem, tornando-se às vezes em verdadeiros estrondos, que faziam tremer até os móveis do quarto.4 Em dado momento da noite, Kate [Katherine], a filha mais jovem da família Fox iniciou espontâneo diálogo com o suposto autor dos fenômenos: [...] Kate, familiarizada com o invisível batedor, disse: “Faça como eu”, e bateu com as suas mãozinhas um certo número de pancadas, as quais o agente misterioso repetiu. A Srª Fox [Margaret Fox] disse-lhe: “Conte dez”. O agente bateu dez vezes. “Que idade tem a nossa filha?” A resposta foi correta. A esta pergunta: “Sois um homem, vós que bateis?” nenhuma resposta se obteve; mas, a esta outra: “Sois um Espírito?”, houve resposta com pancadas rápidas e nítidas. Chamados os vizinhos, estes foram testemunhas dos mesmos fenômenos. Todos os meios de vigilância foram postos em ação para a descoberta do invisível batedor, mas o inquérito da família e o de toda a vizinhança foi inútil. Não se pôde descobrir a causa real daquelas singulares manifestações.5 (Grifos no original). A notícia dos acontecimentos espalhou-se, atraindo curiosos à residência, até que um deles, “[...] Isaac Post, teve a ideia de nomearem voz alta as letras do alfabeto, pedindo ao Espírito para bater uma pancada quando a letra entrasse na composição das palavras que quisesse fazer compreender. Desde esse dia ficou descoberta a telegrafia espiritual [...].”6 2 Gabriel Delanne. O fenômeno espírita. Cap. II, it. Na América, p. 23. 3 Arthur Conan Doyle. A história do espiritualismo: de Swedenborg ao início do século XX. Cap. 4, p.57. 4 Zeus Wantuil e Francisco Thiesen. Allan Kardec: o educador e o codificador. Vol. I. 2ª parte, cap.1, p.248. 5 Gabriel Delanne. O fenômeno espírita. Cap. II, p. 23/24. 6 Ibid., p. 24. Brasília, 08/09/2015 - Euzebio
  3. 3. Mais tarde, os investigadores do fenômeno notaram que este “[...] só se produzia em presença da jovem Fox [Kate]; atribuía-se lhe um certo poder chamado mediunidade."7 (Grifo no original). De qualquer forma, a noite de 31 de março de 1848 é considerada marco histórico do surgimento do Espiritismo pelo intercâmbio estabelecido entre os dois planos da vida. Naquela mesma noite de 31 de março várias perguntas foram feitas pelos donos da humilde casa e por alguns dos inúmeros vizinhos ali chamados, obtendo-se sempre, por meio de certo número de pancadas, respostas exatas às questões formuladas. O comunicante invisível forneceu ainda a sua história: fora um vendedor ambulante, que antigos moradores daquela casa assassinaram, havia uns cinco anos, para furtar- lhe o dinheiro que trazia; seu corpo se achava sepultado no porão, a dez pés de profundidade.8 Há uma certa controvérsia a respeito do verdadeiro nome do Espírito comunicante, o mascate que fora assassinado e sepultado na residência da família Fox: Joseph Ryan, segundo registro de Gabriel Delanne9 , ou Charles B. Rosma, de acordo com Conan Doyle.10 2. As mesas girantes Em sequência aos acontecimentos de Hydesville, surgiram na Europa as mesas girantes, também denominadas falantes ou dançantes, transformando-se em verdadeira epidemia pelo número de pessoas que atraíam. O fenômeno se transformou em um febril passatempo, presente em todas as reuniões sociais. Em 1853, a Europa inteira tinha as atenções gerais convergidas para o fenômeno das chamadas “mesas girantes e dançantes” [...].Em toda palestra havia sempre uma referência às mesas fantásticas [...]. A imprensa informava e tecia largos comentários acerca das estranhas manifestações [...], [mas] bem poucos se importavam em descobrir-lhes as causas, em explicá-las, a maioria dos acadêmicos olhando os fenômenos com superioridade e desdém.11 (Grifos no original). O fenômeno das mesas girantes acontecia em todos os locais, ocupando um longo período de tempo, indo pela madrugada adentro, a fim de obter uma comunicação mais completa:“[...] O modo de conversação, por meio de pancadas e movimentos da mesa, era longo e incômodo. Apesar da habilidade dos assistentes, era necessário muito tempo, muita paciência para obter-se uma comunicação de importância.” 12 As primeiras manifestações inteligentes se produziram por meio de mesas que se levantavam e, com um dos pés, davam determinado número de pancadas, respondendo, desse modo, sim ou não, conforme fora convencionado, a uma questão proposta. [...] Em seguida, obtiveram-se respostas mais desenvolvidas por meio das letras do alfabeto: dando o objeto móvel um número de pancadas correspondente ao número de ordem de cada letra, chegava-se a formar palavras e frases que respondiam às questões propostas. A exatidão das respostas e sua 7 Ibid, ibid., p. 24. 8 Zeus Wantuil e Francisco Thiesen. Allan Kardec: o educador e o codificador. Vol. I.2ª Parte, cap.1, p. 249. 9 Gabriel Delanne. O fenômeno espírita. Cap. II, p.24. 10 Arthur Conan Doyle. A história do espiritualismo: de Swedenborg ao início do século XX. Cap. 4, p.59. 11 Zeus Wantuil e Francisco Thiesen. Allan Kardec: o educador e o codificador. Vol. I. 2ª Parte, cap.2, p. 255/256. 12 Gabriel Delanne. O fenômeno espírita. Cap. II, p.27. Brasília, 08/09/2015 - Euzebio
  4. 4. correlação com as perguntas causaram espanto. O ser misterioso que assim respondia, interrogado sobre a sua natureza, declarou que era Espírito ou gênio, deu o seu nome e forneceu diversas informações a seu respeito. Esta é uma circunstância muito importante a notar. Ninguém havia pensado nos Espíritos como um meio de explicar o fenômeno; foi o próprio fenômeno que revelou a palavra. [...].13 (Grifo no original) Para acelerar o processo de transmissão, os Espíritos comunicantes sugeriram uma outra forma, assim resumida: [...] adaptou-se a uma prancheta triangular três pernas munidas de rodinhas, e a uma delas prendeu-se um lápis; em seguida, colocou-se o aparelho sobre uma folha de papel; o médium colocou as mãos sobre o centro dessa pequena mesa [prancheta triangular]. Viu-se, então, o lápis traçar letras, depois frases, e, daí a pouco, essa prancheta escrevia com rapidez e dava mensagens.14 Posteriormente, a prancheta foi substituída pela mão do médium que, ao segurar o lápis, escrevia a mensagem do Espírito diretamente na folha de papel. Caracterizava-se, dessa forma, o movimento inicial do Espiritismo “[...] com a força de uma invasão organizada [...]”15 ,no dizer do escritor inglês Arthur Conan Doyle. (Grifos no original), REFERÊNCIAS KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. 4. ed. 1 imp. Brasília: FEB, 2013. DELANNE, Gabriel. O fenômeno espírita. Tradução de Francisco Raymundo Ewerton Quadros. 9. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. DOYLE, Arthur Conan. A história do espiritualismo: de Swedenborg ao início do século XX. Tradução de José Carlos da Silva Silveira. 1. ed. 1. Imp. Brasília: FEB, 2013. 13 Allan Kardec. O livro dos espíritos. Introdução. It. IV, p. 19/20. 14 Gabriel Delanne. O fenômeno espírita. Cap. II, p.28. 15 Arthur Conan Doyle. A história do espiritualismo: de Swedenborg ao início do século XX. Apresentação, p. 9. Brasília, 08/09/2015 - Euzebio
  5. 5. WANTUIL, Zêus e THIESEN, Francisco. Allan Kardec: O educador e o codificador. Vol. I. 1ª edição especial. Rio de Janeiro: FEB, 2004. XAVIER, Francisco Cândido. A caminho da luz. Pelo Espírito Emmanuel. 38 ed. 1 imp. Brasília: FEB, 2013. Solicitação para o próximo encontro: 1. Convidar três ou quatro participantes para pesquisarem sobre a biografia de Allan Kardec. Cada um deles terá dez minutos no próximo encontro para a apresentação. 2. Recomendar sempre a leitura do material do roteiro para o próximo encontro. Brasília, 08/09/2015 - Euzebio
  6. 6. WANTUIL, Zêus e THIESEN, Francisco. Allan Kardec: O educador e o codificador. Vol. I. 1ª edição especial. Rio de Janeiro: FEB, 2004. XAVIER, Francisco Cândido. A caminho da luz. Pelo Espírito Emmanuel. 38 ed. 1 imp. Brasília: FEB, 2013. Solicitação para o próximo encontro: 1. Convidar três ou quatro participantes para pesquisarem sobre a biografia de Allan Kardec. Cada um deles terá dez minutos no próximo encontro para a apresentação. 2. Recomendar sempre a leitura do material do roteiro para o próximo encontro. Brasília, 08/09/2015 - Euzebio

×