SlideShare uma empresa Scribd logo
CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
// PROVEDOR / INVESTIDOR
Este E-book visa apresentar algumas das
linhas de créditos disponíveis no mercado
e ensina as premissas de como capta-las.
Projeção Financeira para provedores de internet não é
ESTIMATIVA
É A REALIDADE DE AMANHÃ!
Quando decidimos que é hora de
buscar recursos financeiros, é
comum que esta ideia tenha origem
em alguma necessidade, essas ne-
cessidades podem ser: novos investi-
mentos, licenciamentos, contratação
de terceiros, aquisição tecnológica,
valorização da marca e etc. Neste
e-book vamos lhe apresentar algu-
mas das linhas de crédito disponíveis
para você se beneficiar e como fazer
para capta-las.
INTRODUÇÃO
PREPARE-SE e
aproveite o conteúdo!
Crédito Bancário
O empréstimo bancário pode parecer a opção
mais óbvia para obter crédito para empresas.
Mas vale a pena considerar outras possibilida-
des antes, porque, tomando dinheiro empres-
tado, você pagará um considerável valor
apenas em juros.
1
Recursos Próprios
É muito simples: você guarda dinheiro e,
depois de juntar o suficiente, investe no seu
projeto. O risco máximo é perder o que foi
economizado por muito tempo – mas, por
outro lado, você não estará devendo nada ao
banco e não terá investidores no seu encalço.
2
Investimentos
A partir do aporte, o anjo obtém uma partici-
pação geralmente minoritária. Ele não fará
uma posição executiva na empresa, mas
poderá atuar como mentor, defendendo o seu
interesse e ajudando você com a experiência
que adquiriu em anos de prática no universo
do empreendedorismo.
3
Financiamento Coletivo
Você cadastra em um site informações sobre
o seu projeto, traçando uma meta de arreca-
dação e diferentes taxas de contribuição. Os
usuários se deparam com sua ideia e resol-
vem se contribuem ou não para sua realiza-
ção. Se resolverem contribuir e a meta for
alcançada até o final do prazo determinado,
receberão uma contrapartida, de acordo com
o valor que doaram.
4
Aceleradoras e Fundos de Investimento
As aceleradoras são instituições privadas que
investem em empresas jovens promissoras.
Geralmente, as “startups” beneficiadas são
escolhidas em eventos que funcionam como
uma competição, na qual as melhores ideias
são selecionadas. Já os fundos de investimento
selecionam empresas maiores, geralmente já
“aceleradas”.
5
Agências de Fomento
Agência de Fomento é a instituição com o
objetivo principal de financiar capital fixo e
de giro para empreendimentos previstos
em programas de Pesquisa, desenvolvimen-
to e Inovação (PD&I). Funcionam através de
chamadas públicas temporárias e/ou de
fluxo contínuo.
6
Onde posso buscar meu
Recurso Financeiro
Crédito Bancário
O que os bancos querem:
Um banco comercial não se apaixonará pela sua ideia, pois
o foco dele é receber o que emprestou e os devidos juros,
de onde tira seu lucro. E também não vai investir em
sonhos ou por amizade, é necessário que sua ideia trans-
mita segurança e que você tenha potencial para restituir o
banco de alguma forma válida e segura, configurada como
uma forma de garantia.
Suas Economias
Apostando alto em
Outra maneira de investir é usar recursos próprios. Não dei-
xará nenhuma dívida pendente e lhe dará o máximo de re-
torno do investimento. Entretanto, requer que o recurso
esteja disponível para investimento inicial e também para
possíveis reveses, e o risco é todo seu. É tanto uma maneira
inteligente de aumentar o capital quanto uma ótima pro-
teção contra a desvalorização do que você guardou por
tanto tempo, pois nesse caso, o investidor é você mesmo.
Os Investidores
Pensando como um Investidor -
De fato, a economia não é mais apenas para economistas, hoje
está cada vez mais comum o processo de aquisição e fusão entre
provedores de internet e empresas da área de tecnologia, quando
se trata de investimentos em inovação, com um modelo que já
deu certo, automaticamente o investidor assume que com ele
não será diferente, portanto mostre confiança, credibilidade e
solidez em seus estudos.
Esteja preparado para
Encontrar um Anjo
Para atrair o interesse de um investidor-anjo é necessá-
rio aproveitar as oportunidades de aproximação: um
café, uma conversa de elevador. Tenha sempre um pitch
pronto... 15 a 30 segundos de conversa que despertem a
curiosidade. Estude antes seu alvo. Saiba quais proble-
mas atraem ele, e apresente sua solução.1
2
Saber quanto dinheiro você precisa é importante. Estude
suas receitas e despesas e tenha em mente quanto necessi-
ta de investimento para se equilibrar em pouco mais de um
ano. A partir daí ele poderá saber quanto você precisa e
quanto ele pode receber de volta.
3
O interesse de um investidor não é só fazer dinheiro: eles
gostam de deixar sua marca no mundo. Querem soluções ino-
vadoras que resolvem problemas de nichos específicos, e que
possuam potencial de escalabilidade. Depois de atrair o inte-
resse de um investidor-anjo, esteja pronto para perguntas
diretas sobre sua ideia.
Em primeiro lugar apresente-se e mostre que conhece a trajetória
do investidor. E lembre: MENOS É MAIS – 30 segundos bastam.
Inicie com uma pergunta marcante: chame a atenção
para o problema e mostre a solução!
Mostre que conhece o mercado: defina sua concorrência e
como vai monetizar. MOSTRE SEU PRODUTO!
Fale da sua empresa: as competências do time e onde
quer chegar. É importante mostrar o futuro!
Faça sua proposta: seja seguro quanto ao valor que
precisa, e em quanto tempo começará a retornar
SINCERIDADE É TUDO.
Prepare um Pitch
1
2
3
4
5
Erros mais comunsFuja dos
Em primeiro lugar sem dúvida o erro mais comum é: Não
calcular corretamente a necessidade do investimento.
Não pense apenas no agora, outro erro comum é: Planejar
pensando apenas a curto prazo.
Deixe a emoção de lado: Investidores pensam racionalmente,
apresente dados e relatórios concretos.
Não desperdice a oportunidade, um erro bastante
comum é: Ir atrás de um recurso financeiro sem ter
todas as informações de sua rede bem detalhada.
Na hora de dimensionar o projeto um erro bastante
comum é: Não identificar os riscos e pontos de falha da
projeção financeira do seu provedor.
1
2
3
4
5
Para decolar é necessário
Aceleração
As aceleradoras têm esse nome pois investem em empre-
sas inovadoras jovens, logo após a validação do produto e
ainda captando seus primeiros clientes, um valor conside-
rável para que elas cresçam, em troca de um percentual de
participação que é retornado na venda. Atendem empresas
em estágios iniciais com capital e suporte em gestão.
Quando elas estão aceleradas e em franco crescimento, a
parte dada em troca é disponibilizada.
Outra opção: os Fundos de
Investimento
Empresas pequenas ou grandes, buscando recursos para “ir para o
degrau seguinte” podem buscar recursos em fundos de investimen-
to formados por grupos de investidores, que selecionam e tomam
decisões de forma conjunta. São muito rigorosos quanto à gestão
das empresas investidas, mas trazem, na maioria dos casos, ótimos
resultados. Esses fundos podem ser nacionais ou internacionais, e o
acesso é feito através de seleção de pequenos grupos, não maiores
que 20 empresas.
São diversos os tipos, que aportam capital em empresas que já en-
traram no mercado, em diferentes estágios de evolução. Os mais
comuns, em ordem de porte são os de capital “semente”, mezanino,
private e venture capital.
Todos ajudando por um
Crowdfunding
O financiamento coletivo é uma maneira atrativa, em primei-
ra instância de se obter recursos. Entretanto, tem vantagens e
desvantagens. A Comissão de Valores Mobiliários publicou
em 13/07/2017 a Instrução CVM 588, que delimita as condições
de arrecadação, liberando de registro, mas restringindo o teto
da chamada. Mas em primeiro lugar, é necessário vender
bem a ideia
Diminuindo o risco com
Subvenção
É o compartilhamento dos custos e riscos em P,D&I entre em-
presa e Estado, com o objetivo de promover, por intermédio
das agências de fomento de ciência e tecnologia, o aumento
da inovação e da competitividade das empresas e da econo-
mia do país. Nesta modalidade, o governo pode dar o dinheiro
necessário ou emprestar a juros menores que os oferecidos
pelos bancos comerciais.
Fique atento ao tipo de
Subvenção
Recurso não-reembolsável é aquele em que uma agência do Governo dá
o dinheiro para o projeto, ou seja, paga o risco tecnológico. Geralmente
esse tipo de investimento requer contrapartida de 10 a 20%, entretanto
não requer garantias. Para se conquistar esse benefício é necessário
aguardar uma chamada pública e o processo, o que leva de 6 meses a 1
ano para concluir.
Recurso reembolsável é um financiamento com juros bem
abaixo do mercado, onde uma agência do Governo empresta o
dinheiro para o projeto, com um período de carência coincidente
com a entrega final e um longo prazo de pagamento. Nesta mo-
dalidade raramente há contrapartida, entretanto requer garan-
tias. Geralmente existem chamadas abertas e o dinheiro sai em
torno de 4 meses.
A base de tudo é o
Plano de Negócios
Esse é o dossiê mais completo e técnico que você deve ter em mãos
quando buscar um investimento! Ele apresenta de forma descritiva
o que sua empresa fará, por que e como o fará dessa maneira,
quando fará e quem serão os atores do processo, e quanto vai ser ne-
cessário investir.
Esse dossiê é um ótimo referencial para qualquer projeto de inova-
ção e plano de marketing que você pretenda fazer. Por deixar claro
seus objetivos, é um ótimo referencial para investidores pois permite
prever e reduzir os riscos e incertezas e dimensionar seu negócio
conforme as variações do mercado.
Escrevendo seus
Projetos
Em um projeto bem elaborado, histórico, objetivos, metas,
cronograma e orçamento devem estar em plena sincronia
O histórico da em-
presa deve ser entu-
siasmado e dar
atenção à cultura
de inovação, desta-
cando patentes,
P,D&I e investimen-
tos externos. Se há
algum vínculo com
universidade ou ins-
tituto tecnológico,
esse é o momento
de alardear.
As externalidades são
muito importantes, pois
empresas inovadoras
devem mostrar preocu-
pação com os impactos
sociais, econômicos e
ambientais, não só com
o financeiro.
A saúde financeira deve
ser comprovada, então
mantenha a documenta-
ção em dia. O cronogra-
ma e o orçamento devem
ser embasados em pro-
cessos e produtos reais –
fique longe das estimati-
vas!
Escrevendo seus
Projetos
Em um projeto bem
elaborado, histórico,
objetivos, metas, cro-
nograma e orçamento
devem estar em plena
sincronia.
Uma Proposta de
valor sempre mostra
a sua preocupação
com a entrega de
uma solução que re-
solva as “dores” do
público, além de ser
uma boa oportunida-
de de mostrar o seu
diferencial.
O conhecimento do
mercado é essencial.
Domine as informa-
ções sobre a concor-
rência, qual o fluxo de
entrada e saída de
mercados e novos
produtos. Saiba das
tendências tecnológi-
cas e de marketing.
A escalabilidade do
seu produto é impor-
tante: este conceito
não envolve apenas a
capacidade de cres-
cer! Saiba se seus par-
ceiros e fornecedores
podem acompanhar
seu crescimento.
Um projeto de inova-
ção é reflexo de uma
empresa formada por
pessoas inovadoras.
Domine as compe-
tências de sua
equipe!
OPORTUNIDADE
na FINEP
Apoio à aquisição inovadora em empresas de
telecomunicações.
O Programa tem R$ 630 milhões para o financiamento de, no
mínimo, R$ 500 mil em equipamentos de telecomunicações com
liberação em parcela única, juros anuais de 7% +TR (0,6% em 2017),
com 12 meses de carência e 36 meses para pagar! Essa linha é direta
com a Finep, não há bancos intermediários! Obs.: é necessário entrar
com 20% de contrapartida pois o financiamento é de 80% do proje-
to.
Efetuando seu
Cadastro
Acesse o sítio da FINEP em www.finep.gov.br e inicie em Novos projetos o Cadastro
em Acesse aqui Finep Inovação. Será útil ter na tela o Manual de Cadastro, onde há
mais detalhamento do que fazer. Esse cadastro é necessário para a Empresa toma-
dora de recursos (como sua empresa será chamada).1
Ali a Finep irá verificar a veracidade das informações do seu cadastro, sobre sua
Empresa, se há inovação, se já recebeu verbas para isso anteriormente, bem
como as informações financeiras, que devem ser garantidas por um contador
que deve emitir uma declaração. O objetivo é saber se sua empresa pode se
candidatar ao recurso e devolvê-lo.2
Essa etapa é a principal de responsabilidade da Empresa. Nesse momento
a Agência pode julgar a necessidade de entrar em contato com sua Em-
presa e requisitar esclarecimentos ou documentos. Tenha sempre em
mãos suas demonstrações financeiras, balanço e DRE.
3
Cadastre o seu
PROJETO DE INOVAÇÃO
Novamente, acesse o site da FINEP
em www.finep.gov.br e faça o login.
Quando estiver “logado” comece a
incluir seu novo projeto de Inovação
em processo, clicando no Sim para
acessar o Programa de Apoio à Aqui-
sição Inovadora em Empresas de Te-
lecomunicações e abrir o formulário
de submissão de propostas.
4
No formulário, está disponível a Planilha
de Orçamento de Aquisição de Equipa-
mentos de Telecomunicações, onde será
listado o que se pretende adquirir com o
recurso concedido. A lista de produtos
passíveis de financiamento se encontra
nesse link do MTIC. Não será possível
financiar serviços, nesta chamada.
5
A partir daí, dois tipos de análise serão feitos. A análise técnica
verifica se há coerência técnica e material. A análise financeira
avalia as informações sobre o mercado, o risco e a capacidade
de pagamento da Empresa. Após a aprovação da solicitação,
há o cadastro da documentação e nova avaliação.6
Da assinatura até a
Liberação do recurso
Todo o recurso é liberado em uma única
parcela, mediante a comprovação do
pedido ou da compra, no caso de solici-
tação de reembolso de compras feitas
desde a data de envio da proposta. A
empresa tem até 30 dias para pagar os
fornecedores, sendo que todos os pedi-
dos devem ser apresentados no mesmo
dia. Cabe lembrar que a Finep financia
80% do valor, cabendo o restante à Em-
presa.
7
A mesma Planilha de Orçamento de
Aquisição de Equipamentos de Teleco-
municações deve ser reenviada à Finep
com os números das Notas Fiscais que
comprovem o pagamento dos fornece-
dores. Caso algum valor não seja utiliza-
do, este mesmo retorna à Agência.
8
A verificação da legalidade de documentação fiscal será
feita pela Finep, portanto todas a referida documentação
deve ser mantida pele Empresa Financiada. Observação:
deve constar na Nota Fiscal que os equipamentos cumprem
às condições da Portaria MCT nº 950/2006.
9
ATENÇÃO
OBSERVAÇÕES
IMPORTANTES
a essas
Mantenha o foco na solução de proble-
mas: todos os ramos de atividade pre-
cisam de soluções inovadoras. Crie
OPORTUNIDADES!.
Conheça as tecnologias envolvidas: esco-
lha as que estarão por muito tempo aí.
Devem ser “A PROVA DE FUTURO”!
Não aja na informalidade: registre sua
empresa, mantenha as contas em dia e
recolha os impostos. É o primeiro CRITÉ-
RIO DE EXCLUSÃO!
FIQUE
ATENTO!
1
2
3
Consultoria em projetos de alta complexidade integradora de soluções es-
pecializada em Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC, com foco
na otimização de resultados e redução de custos, com rapidez, eficiência e
objetividade na gestão de suas operações.
Na busca de investimentos para a implantação ou expansão de seu negó-
cio é necessário um plano de negócios que contemple todas as variáveis e
a IPV7 está apta a ajudar, com o conhecimento técnico e mercadológico
necessário ao setor de atuação.
ESTE MATERIAL É UM
INFORMATIVO
Que mostra as opções que existem para a captação de
recursos para a implantação ou a modernização do seu
negócio de provimento de internet.
Não há um calendário fixo de abertura de chamadas,
então fique atento!
Ficou curioso? Com dúvidas?
ENTRE EM CONTATO
IPv7TIC CONTATO@IPV7.COM.BR
(51) 3300.7777 (51) 99225.3742

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula microambiente de marketing
Aula   microambiente de marketing  Aula   microambiente de marketing
Aula microambiente de marketing
Rafael Gonçalves
 
Atividade de revisão Planejamento Estratégico
Atividade de revisão Planejamento EstratégicoAtividade de revisão Planejamento Estratégico
Atividade de revisão Planejamento Estratégico
Danilo Pires
 
Endomarketing
EndomarketingEndomarketing
Marketing pessoal apresentação
Marketing pessoal   apresentaçãoMarketing pessoal   apresentação
Marketing pessoal apresentação
Luis Mazziotti
 
Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1
Julio Pyramo
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Rafael Gonçalves
 
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geralO Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
Vivaldo Jose Breternitz
 
Código de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do ConsumidorCódigo de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do Consumidor
Ministério da Justiça
 
Treinamento operador de telemarketing
Treinamento operador de telemarketingTreinamento operador de telemarketing
Treinamento operador de telemarketing
Ronaldobv
 
Mapeamento de Competências
Mapeamento de CompetênciasMapeamento de Competências
Mapeamento de Competências
Caliper Brasil
 
desenvolvimento profissional
desenvolvimento profissionaldesenvolvimento profissional
desenvolvimento profissional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Apresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoApresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigo
Rodrigo Vasconcelos
 
1 Mercados Financeiros
1   Mercados Financeiros1   Mercados Financeiros
1 Mercados Financeiros
ggsj
 
Áreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funçõesÁreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funções
Nyedson Barbosa
 
O que é Endomarketing?
O que é Endomarketing?O que é Endomarketing?
O que é Endomarketing?
Fabio Batista Dos Santos
 
Endomarketing
EndomarketingEndomarketing
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadoresPlano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Letícia Vilela de Aquino
 
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptxINTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
ThaynaSoares7
 
Aula 00 mercado_v01
Aula 00 mercado_v01Aula 00 mercado_v01
Aula 00 mercado_v01
Andrei Lima
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
Claudinéia da Silva de Oliveira
 

Mais procurados (20)

Aula microambiente de marketing
Aula   microambiente de marketing  Aula   microambiente de marketing
Aula microambiente de marketing
 
Atividade de revisão Planejamento Estratégico
Atividade de revisão Planejamento EstratégicoAtividade de revisão Planejamento Estratégico
Atividade de revisão Planejamento Estratégico
 
Endomarketing
EndomarketingEndomarketing
Endomarketing
 
Marketing pessoal apresentação
Marketing pessoal   apresentaçãoMarketing pessoal   apresentação
Marketing pessoal apresentação
 
Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geralO Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
 
Código de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do ConsumidorCódigo de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do Consumidor
 
Treinamento operador de telemarketing
Treinamento operador de telemarketingTreinamento operador de telemarketing
Treinamento operador de telemarketing
 
Mapeamento de Competências
Mapeamento de CompetênciasMapeamento de Competências
Mapeamento de Competências
 
desenvolvimento profissional
desenvolvimento profissionaldesenvolvimento profissional
desenvolvimento profissional
 
Apresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoApresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigo
 
1 Mercados Financeiros
1   Mercados Financeiros1   Mercados Financeiros
1 Mercados Financeiros
 
Áreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funçõesÁreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funções
 
O que é Endomarketing?
O que é Endomarketing?O que é Endomarketing?
O que é Endomarketing?
 
Endomarketing
EndomarketingEndomarketing
Endomarketing
 
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadoresPlano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadores
 
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptxINTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
 
Aula 00 mercado_v01
Aula 00 mercado_v01Aula 00 mercado_v01
Aula 00 mercado_v01
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
 

Semelhante a Captação de Recursos Financeiros

Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01
Pelo Siro
 
Constituição de uma empresa
Constituição de uma empresaConstituição de uma empresa
Constituição de uma empresa
sankif
 
Empr2
Empr2Empr2
Empr2
Pelo Siro
 
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Cultura e Mercado
 
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom PinhoFontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Cultura e Mercado
 
Financie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - EmpreendedorismoFinancie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - Empreendedorismo
Adeildo Caboclo
 
Como Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua StartupComo Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua Startup
Laboratorium
 
219235852 atps-analise-de-investimento
219235852 atps-analise-de-investimento219235852 atps-analise-de-investimento
219235852 atps-analise-de-investimento
lYA40
 
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Elizabeth Custodio
 
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels club
Geraldo Coutinho Jr.
 
Como investir em ações
Como investir em açõesComo investir em ações
Como investir em ações
Kayros Consultoria
 
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidadeGuia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Renato Borges
 
10 estratégias para atingir o sucesso empresarial
10 estratégias para atingir o sucesso empresarial10 estratégias para atingir o sucesso empresarial
10 estratégias para atingir o sucesso empresarial
Wesley Santos
 
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
Cultura e Mercado
 
Equity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizado
Equity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizadoEquity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizado
Equity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizado
Marcel Fukayama
 
GuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_EmpreendedoresGuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_Empreendedores
Joao Pirola
 
O que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializadoO que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializado
CJA Business Consulting
 
Investimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantesInvestimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantes
ContaAzul
 
Como conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócioComo conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócio
ContaAzul
 
Atps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimentoAtps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimento
Rosangela Santos
 

Semelhante a Captação de Recursos Financeiros (20)

Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01
 
Constituição de uma empresa
Constituição de uma empresaConstituição de uma empresa
Constituição de uma empresa
 
Empr2
Empr2Empr2
Empr2
 
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
 
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom PinhoFontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
 
Financie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - EmpreendedorismoFinancie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - Empreendedorismo
 
Como Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua StartupComo Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua Startup
 
219235852 atps-analise-de-investimento
219235852 atps-analise-de-investimento219235852 atps-analise-de-investimento
219235852 atps-analise-de-investimento
 
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
 
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels club
 
Como investir em ações
Como investir em açõesComo investir em ações
Como investir em ações
 
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidadeGuia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
 
10 estratégias para atingir o sucesso empresarial
10 estratégias para atingir o sucesso empresarial10 estratégias para atingir o sucesso empresarial
10 estratégias para atingir o sucesso empresarial
 
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
 
Equity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizado
Equity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizadoEquity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizado
Equity Crowdfunding: O que é e como pode ser utilizado
 
GuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_EmpreendedoresGuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_Empreendedores
 
O que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializadoO que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializado
 
Investimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantesInvestimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantes
 
Como conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócioComo conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócio
 
Atps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimentoAtps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimento
 

Último

Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 

Último (7)

Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 

Captação de Recursos Financeiros

  • 1. CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS // PROVEDOR / INVESTIDOR Este E-book visa apresentar algumas das linhas de créditos disponíveis no mercado e ensina as premissas de como capta-las.
  • 2. Projeção Financeira para provedores de internet não é ESTIMATIVA É A REALIDADE DE AMANHÃ!
  • 3. Quando decidimos que é hora de buscar recursos financeiros, é comum que esta ideia tenha origem em alguma necessidade, essas ne- cessidades podem ser: novos investi- mentos, licenciamentos, contratação de terceiros, aquisição tecnológica, valorização da marca e etc. Neste e-book vamos lhe apresentar algu- mas das linhas de crédito disponíveis para você se beneficiar e como fazer para capta-las. INTRODUÇÃO PREPARE-SE e aproveite o conteúdo!
  • 4. Crédito Bancário O empréstimo bancário pode parecer a opção mais óbvia para obter crédito para empresas. Mas vale a pena considerar outras possibilida- des antes, porque, tomando dinheiro empres- tado, você pagará um considerável valor apenas em juros. 1 Recursos Próprios É muito simples: você guarda dinheiro e, depois de juntar o suficiente, investe no seu projeto. O risco máximo é perder o que foi economizado por muito tempo – mas, por outro lado, você não estará devendo nada ao banco e não terá investidores no seu encalço. 2 Investimentos A partir do aporte, o anjo obtém uma partici- pação geralmente minoritária. Ele não fará uma posição executiva na empresa, mas poderá atuar como mentor, defendendo o seu interesse e ajudando você com a experiência que adquiriu em anos de prática no universo do empreendedorismo. 3 Financiamento Coletivo Você cadastra em um site informações sobre o seu projeto, traçando uma meta de arreca- dação e diferentes taxas de contribuição. Os usuários se deparam com sua ideia e resol- vem se contribuem ou não para sua realiza- ção. Se resolverem contribuir e a meta for alcançada até o final do prazo determinado, receberão uma contrapartida, de acordo com o valor que doaram. 4 Aceleradoras e Fundos de Investimento As aceleradoras são instituições privadas que investem em empresas jovens promissoras. Geralmente, as “startups” beneficiadas são escolhidas em eventos que funcionam como uma competição, na qual as melhores ideias são selecionadas. Já os fundos de investimento selecionam empresas maiores, geralmente já “aceleradas”. 5 Agências de Fomento Agência de Fomento é a instituição com o objetivo principal de financiar capital fixo e de giro para empreendimentos previstos em programas de Pesquisa, desenvolvimen- to e Inovação (PD&I). Funcionam através de chamadas públicas temporárias e/ou de fluxo contínuo. 6 Onde posso buscar meu Recurso Financeiro
  • 5. Crédito Bancário O que os bancos querem: Um banco comercial não se apaixonará pela sua ideia, pois o foco dele é receber o que emprestou e os devidos juros, de onde tira seu lucro. E também não vai investir em sonhos ou por amizade, é necessário que sua ideia trans- mita segurança e que você tenha potencial para restituir o banco de alguma forma válida e segura, configurada como uma forma de garantia.
  • 6. Suas Economias Apostando alto em Outra maneira de investir é usar recursos próprios. Não dei- xará nenhuma dívida pendente e lhe dará o máximo de re- torno do investimento. Entretanto, requer que o recurso esteja disponível para investimento inicial e também para possíveis reveses, e o risco é todo seu. É tanto uma maneira inteligente de aumentar o capital quanto uma ótima pro- teção contra a desvalorização do que você guardou por tanto tempo, pois nesse caso, o investidor é você mesmo.
  • 7. Os Investidores Pensando como um Investidor - De fato, a economia não é mais apenas para economistas, hoje está cada vez mais comum o processo de aquisição e fusão entre provedores de internet e empresas da área de tecnologia, quando se trata de investimentos em inovação, com um modelo que já deu certo, automaticamente o investidor assume que com ele não será diferente, portanto mostre confiança, credibilidade e solidez em seus estudos.
  • 8. Esteja preparado para Encontrar um Anjo Para atrair o interesse de um investidor-anjo é necessá- rio aproveitar as oportunidades de aproximação: um café, uma conversa de elevador. Tenha sempre um pitch pronto... 15 a 30 segundos de conversa que despertem a curiosidade. Estude antes seu alvo. Saiba quais proble- mas atraem ele, e apresente sua solução.1 2 Saber quanto dinheiro você precisa é importante. Estude suas receitas e despesas e tenha em mente quanto necessi- ta de investimento para se equilibrar em pouco mais de um ano. A partir daí ele poderá saber quanto você precisa e quanto ele pode receber de volta. 3 O interesse de um investidor não é só fazer dinheiro: eles gostam de deixar sua marca no mundo. Querem soluções ino- vadoras que resolvem problemas de nichos específicos, e que possuam potencial de escalabilidade. Depois de atrair o inte- resse de um investidor-anjo, esteja pronto para perguntas diretas sobre sua ideia.
  • 9. Em primeiro lugar apresente-se e mostre que conhece a trajetória do investidor. E lembre: MENOS É MAIS – 30 segundos bastam. Inicie com uma pergunta marcante: chame a atenção para o problema e mostre a solução! Mostre que conhece o mercado: defina sua concorrência e como vai monetizar. MOSTRE SEU PRODUTO! Fale da sua empresa: as competências do time e onde quer chegar. É importante mostrar o futuro! Faça sua proposta: seja seguro quanto ao valor que precisa, e em quanto tempo começará a retornar SINCERIDADE É TUDO. Prepare um Pitch 1 2 3 4 5
  • 10. Erros mais comunsFuja dos Em primeiro lugar sem dúvida o erro mais comum é: Não calcular corretamente a necessidade do investimento. Não pense apenas no agora, outro erro comum é: Planejar pensando apenas a curto prazo. Deixe a emoção de lado: Investidores pensam racionalmente, apresente dados e relatórios concretos. Não desperdice a oportunidade, um erro bastante comum é: Ir atrás de um recurso financeiro sem ter todas as informações de sua rede bem detalhada. Na hora de dimensionar o projeto um erro bastante comum é: Não identificar os riscos e pontos de falha da projeção financeira do seu provedor. 1 2 3 4 5
  • 11. Para decolar é necessário Aceleração As aceleradoras têm esse nome pois investem em empre- sas inovadoras jovens, logo após a validação do produto e ainda captando seus primeiros clientes, um valor conside- rável para que elas cresçam, em troca de um percentual de participação que é retornado na venda. Atendem empresas em estágios iniciais com capital e suporte em gestão. Quando elas estão aceleradas e em franco crescimento, a parte dada em troca é disponibilizada.
  • 12. Outra opção: os Fundos de Investimento Empresas pequenas ou grandes, buscando recursos para “ir para o degrau seguinte” podem buscar recursos em fundos de investimen- to formados por grupos de investidores, que selecionam e tomam decisões de forma conjunta. São muito rigorosos quanto à gestão das empresas investidas, mas trazem, na maioria dos casos, ótimos resultados. Esses fundos podem ser nacionais ou internacionais, e o acesso é feito através de seleção de pequenos grupos, não maiores que 20 empresas. São diversos os tipos, que aportam capital em empresas que já en- traram no mercado, em diferentes estágios de evolução. Os mais comuns, em ordem de porte são os de capital “semente”, mezanino, private e venture capital.
  • 13. Todos ajudando por um Crowdfunding O financiamento coletivo é uma maneira atrativa, em primei- ra instância de se obter recursos. Entretanto, tem vantagens e desvantagens. A Comissão de Valores Mobiliários publicou em 13/07/2017 a Instrução CVM 588, que delimita as condições de arrecadação, liberando de registro, mas restringindo o teto da chamada. Mas em primeiro lugar, é necessário vender bem a ideia
  • 14. Diminuindo o risco com Subvenção É o compartilhamento dos custos e riscos em P,D&I entre em- presa e Estado, com o objetivo de promover, por intermédio das agências de fomento de ciência e tecnologia, o aumento da inovação e da competitividade das empresas e da econo- mia do país. Nesta modalidade, o governo pode dar o dinheiro necessário ou emprestar a juros menores que os oferecidos pelos bancos comerciais.
  • 15. Fique atento ao tipo de Subvenção Recurso não-reembolsável é aquele em que uma agência do Governo dá o dinheiro para o projeto, ou seja, paga o risco tecnológico. Geralmente esse tipo de investimento requer contrapartida de 10 a 20%, entretanto não requer garantias. Para se conquistar esse benefício é necessário aguardar uma chamada pública e o processo, o que leva de 6 meses a 1 ano para concluir. Recurso reembolsável é um financiamento com juros bem abaixo do mercado, onde uma agência do Governo empresta o dinheiro para o projeto, com um período de carência coincidente com a entrega final e um longo prazo de pagamento. Nesta mo- dalidade raramente há contrapartida, entretanto requer garan- tias. Geralmente existem chamadas abertas e o dinheiro sai em torno de 4 meses.
  • 16. A base de tudo é o Plano de Negócios Esse é o dossiê mais completo e técnico que você deve ter em mãos quando buscar um investimento! Ele apresenta de forma descritiva o que sua empresa fará, por que e como o fará dessa maneira, quando fará e quem serão os atores do processo, e quanto vai ser ne- cessário investir. Esse dossiê é um ótimo referencial para qualquer projeto de inova- ção e plano de marketing que você pretenda fazer. Por deixar claro seus objetivos, é um ótimo referencial para investidores pois permite prever e reduzir os riscos e incertezas e dimensionar seu negócio conforme as variações do mercado.
  • 17. Escrevendo seus Projetos Em um projeto bem elaborado, histórico, objetivos, metas, cronograma e orçamento devem estar em plena sincronia O histórico da em- presa deve ser entu- siasmado e dar atenção à cultura de inovação, desta- cando patentes, P,D&I e investimen- tos externos. Se há algum vínculo com universidade ou ins- tituto tecnológico, esse é o momento de alardear. As externalidades são muito importantes, pois empresas inovadoras devem mostrar preocu- pação com os impactos sociais, econômicos e ambientais, não só com o financeiro. A saúde financeira deve ser comprovada, então mantenha a documenta- ção em dia. O cronogra- ma e o orçamento devem ser embasados em pro- cessos e produtos reais – fique longe das estimati- vas!
  • 18. Escrevendo seus Projetos Em um projeto bem elaborado, histórico, objetivos, metas, cro- nograma e orçamento devem estar em plena sincronia. Uma Proposta de valor sempre mostra a sua preocupação com a entrega de uma solução que re- solva as “dores” do público, além de ser uma boa oportunida- de de mostrar o seu diferencial. O conhecimento do mercado é essencial. Domine as informa- ções sobre a concor- rência, qual o fluxo de entrada e saída de mercados e novos produtos. Saiba das tendências tecnológi- cas e de marketing. A escalabilidade do seu produto é impor- tante: este conceito não envolve apenas a capacidade de cres- cer! Saiba se seus par- ceiros e fornecedores podem acompanhar seu crescimento. Um projeto de inova- ção é reflexo de uma empresa formada por pessoas inovadoras. Domine as compe- tências de sua equipe!
  • 19. OPORTUNIDADE na FINEP Apoio à aquisição inovadora em empresas de telecomunicações. O Programa tem R$ 630 milhões para o financiamento de, no mínimo, R$ 500 mil em equipamentos de telecomunicações com liberação em parcela única, juros anuais de 7% +TR (0,6% em 2017), com 12 meses de carência e 36 meses para pagar! Essa linha é direta com a Finep, não há bancos intermediários! Obs.: é necessário entrar com 20% de contrapartida pois o financiamento é de 80% do proje- to.
  • 20. Efetuando seu Cadastro Acesse o sítio da FINEP em www.finep.gov.br e inicie em Novos projetos o Cadastro em Acesse aqui Finep Inovação. Será útil ter na tela o Manual de Cadastro, onde há mais detalhamento do que fazer. Esse cadastro é necessário para a Empresa toma- dora de recursos (como sua empresa será chamada).1 Ali a Finep irá verificar a veracidade das informações do seu cadastro, sobre sua Empresa, se há inovação, se já recebeu verbas para isso anteriormente, bem como as informações financeiras, que devem ser garantidas por um contador que deve emitir uma declaração. O objetivo é saber se sua empresa pode se candidatar ao recurso e devolvê-lo.2 Essa etapa é a principal de responsabilidade da Empresa. Nesse momento a Agência pode julgar a necessidade de entrar em contato com sua Em- presa e requisitar esclarecimentos ou documentos. Tenha sempre em mãos suas demonstrações financeiras, balanço e DRE. 3
  • 21. Cadastre o seu PROJETO DE INOVAÇÃO Novamente, acesse o site da FINEP em www.finep.gov.br e faça o login. Quando estiver “logado” comece a incluir seu novo projeto de Inovação em processo, clicando no Sim para acessar o Programa de Apoio à Aqui- sição Inovadora em Empresas de Te- lecomunicações e abrir o formulário de submissão de propostas. 4 No formulário, está disponível a Planilha de Orçamento de Aquisição de Equipa- mentos de Telecomunicações, onde será listado o que se pretende adquirir com o recurso concedido. A lista de produtos passíveis de financiamento se encontra nesse link do MTIC. Não será possível financiar serviços, nesta chamada. 5 A partir daí, dois tipos de análise serão feitos. A análise técnica verifica se há coerência técnica e material. A análise financeira avalia as informações sobre o mercado, o risco e a capacidade de pagamento da Empresa. Após a aprovação da solicitação, há o cadastro da documentação e nova avaliação.6
  • 22. Da assinatura até a Liberação do recurso Todo o recurso é liberado em uma única parcela, mediante a comprovação do pedido ou da compra, no caso de solici- tação de reembolso de compras feitas desde a data de envio da proposta. A empresa tem até 30 dias para pagar os fornecedores, sendo que todos os pedi- dos devem ser apresentados no mesmo dia. Cabe lembrar que a Finep financia 80% do valor, cabendo o restante à Em- presa. 7 A mesma Planilha de Orçamento de Aquisição de Equipamentos de Teleco- municações deve ser reenviada à Finep com os números das Notas Fiscais que comprovem o pagamento dos fornece- dores. Caso algum valor não seja utiliza- do, este mesmo retorna à Agência. 8 A verificação da legalidade de documentação fiscal será feita pela Finep, portanto todas a referida documentação deve ser mantida pele Empresa Financiada. Observação: deve constar na Nota Fiscal que os equipamentos cumprem às condições da Portaria MCT nº 950/2006. 9
  • 24. Mantenha o foco na solução de proble- mas: todos os ramos de atividade pre- cisam de soluções inovadoras. Crie OPORTUNIDADES!. Conheça as tecnologias envolvidas: esco- lha as que estarão por muito tempo aí. Devem ser “A PROVA DE FUTURO”! Não aja na informalidade: registre sua empresa, mantenha as contas em dia e recolha os impostos. É o primeiro CRITÉ- RIO DE EXCLUSÃO! FIQUE ATENTO! 1 2 3
  • 25. Consultoria em projetos de alta complexidade integradora de soluções es- pecializada em Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC, com foco na otimização de resultados e redução de custos, com rapidez, eficiência e objetividade na gestão de suas operações. Na busca de investimentos para a implantação ou expansão de seu negó- cio é necessário um plano de negócios que contemple todas as variáveis e a IPV7 está apta a ajudar, com o conhecimento técnico e mercadológico necessário ao setor de atuação.
  • 26. ESTE MATERIAL É UM INFORMATIVO Que mostra as opções que existem para a captação de recursos para a implantação ou a modernização do seu negócio de provimento de internet. Não há um calendário fixo de abertura de chamadas, então fique atento! Ficou curioso? Com dúvidas? ENTRE EM CONTATO IPv7TIC CONTATO@IPV7.COM.BR (51) 3300.7777 (51) 99225.3742