SlideShare uma empresa Scribd logo

Como Obter Financiamento para sua Startup

Cartilha do Sebrae sobre como obter financiamento para sua Startup

1 de 32
Baixar para ler offline
STARTUP
COMO OBTER
FINANCIAMENTO
PARA A SUA
Como Obter Financiamento para sua Startup
BRASÍLIA-DF
2012
STARTUP
COMO OBTER
FINANCIAMENTO
PARA A SUA
COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP
4
2012.©ServiçoBrasileirodeApoioàsMicroePequenasEmpresas–Sebrae
Todos os direitos reservados.
A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte,
constitui violação aos direitos autorais (Lei n.º 9.610)
Informações e contatos
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae
SGAS 605 – Conjunto A – Brasília/DF – 70200-904
Tel.: 55 61 3348-7304
Presidente do Conselho Deliberativo Nacional
Roberto Simões
Diretor-Presidente
Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho
Diretor-Técnico
Carlos Alberto dos Santos
Diretor de Administração e Finanças
José Claudio dos Santos
Gerente da UAMSF
Paulo Cesar Rezende Carvalho Alvim
Gerente Adjunta da UAMSF
Patricia Mayana Maynart Viana
Coordenação do Núcleo de Inteligência da UAMSF
André Dantas
Consultor
Marcelo Pimenta
Diagramação
i-comunicação
COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP
5
STARTUPS
As startups são empresas que optam por criar novos modelos
de negócios. Elas têm a importância de representar e refletir a
velocidade das mudanças, bem como de influenciar na construção
de novos conhecimentos e no desenvolvimento econômico.
TR Sebrae na Economia Digital
Uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de
negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de
extrema incerteza.
Revista Exame
COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP
6
CONHEÇA DIFERENTES FORMAS DE
OBTER INVESTIMENTO E FINANCIAR UM
PROJETO OU EMPRESA
Empresas que querem explorar produtos e modelos de negócios
inovadores passam por um período de experimentação chamado de
startup. Essa é a fase em que os empreendedores testam suas ideias,
verificam se conseguem entregar um produto adequado ao mercado
e que seja rentável. Nem sempre as ideias têm sucesso e nem sempre
os empreendedores contam com capital próprio suficiente para investir
até que o negócio se torne viável.
Capital próprio – a forma mais básica de financiamento que um
empreendedor conta para iniciar uma startup é o seu próprio capital,
ou ainda o capital de familiares e amigos (que pode ser considerado
capital próprio, pois acontece na forma de empréstimo, não de forma
comercial ou societária).
Investidor-anjo – quando o empreendedor ainda está testando sua ideia
denegócioinovadora,podecontarcomaajudadeumoumaisinvestidores-
anjo. Também conhecidos como anjos de negócios, eles são profissionais
experientes, bem-sucedidos, capitalizados e dispostos a participar da
criação de startups. Em troca de seu dinheiro, orientação, networking e
dedicação em geral, o investidor-anjo torna-se um sócio da startup.
Capital semente – existem algumas iniciativas no Brasil chamadas
de capital semente, que costuma ser uma quantidade de dinheiro
necessária para o início de uma empresa.

Recomendados

Empreendedorismo Digital: Startup ou empresa inovadora?
Empreendedorismo Digital: Startup ou empresa inovadora?Empreendedorismo Digital: Startup ou empresa inovadora?
Empreendedorismo Digital: Startup ou empresa inovadora?Gil Giardelli
 
As novas leis de Kepler para investimento anjo em startup
As novas leis de Kepler para investimento anjo em startupAs novas leis de Kepler para investimento anjo em startup
As novas leis de Kepler para investimento anjo em startupStartupi
 
O que é uma startup? Cases de Startups de MS
O que é uma startup? Cases de Startups de MSO que é uma startup? Cases de Startups de MS
O que é uma startup? Cases de Startups de MSKenneth Corrêa
 
10 licoes sobre como falar com um investidor
10 licoes sobre como falar com um investidor10 licoes sobre como falar com um investidor
10 licoes sobre como falar com um investidorFelipe Matos
 
O que são Startups?
O que são Startups? O que são Startups?
O que são Startups? Bruno Perin
 
Startup, um caminho?
Startup, um caminho?Startup, um caminho?
Startup, um caminho?Hugo Baraúna
 
Startups - Conceitos, metodologias e cases de mercado
Startups - Conceitos, metodologias e cases de mercadoStartups - Conceitos, metodologias e cases de mercado
Startups - Conceitos, metodologias e cases de mercadoMêndel Oliveira
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Negócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e CasesNegócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e CasesNei Grando
 
Aula Metodologia Lean Startup
Aula Metodologia Lean Startup Aula Metodologia Lean Startup
Aula Metodologia Lean Startup Vítor Andrade
 
Gestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e InovaçãoGestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e InovaçãoRoberto Moschetta
 
Como iniciar uma Startup - Grupo StartupMT
Como iniciar uma Startup - Grupo StartupMTComo iniciar uma Startup - Grupo StartupMT
Como iniciar uma Startup - Grupo StartupMTRodrigo Coelho
 
Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...
Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...
Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...Carlos Alexandre Mendes
 
Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013
Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013
Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013Flávio Pavanelli
 
Venture driven innovation
Venture driven innovationVenture driven innovation
Venture driven innovationInventta
 
Como lançar sua startup
Como lançar sua startupComo lançar sua startup
Como lançar sua startupGustavo Luby
 
Inventta | ThinkForward
Inventta | ThinkForwardInventta | ThinkForward
Inventta | ThinkForwardInventta
 

Mais procurados (20)

Como montar uma Startup?
Como montar uma Startup?Como montar uma Startup?
Como montar uma Startup?
 
Negócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e CasesNegócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e Cases
 
Aula Metodologia Lean Startup
Aula Metodologia Lean Startup Aula Metodologia Lean Startup
Aula Metodologia Lean Startup
 
Comp org inovacao
Comp org inovacaoComp org inovacao
Comp org inovacao
 
O universo das startups
O universo das startupsO universo das startups
O universo das startups
 
Gestão da Inovação na Prática 5 anos (2009-2014)
Gestão da Inovação na Prática 5 anos (2009-2014)Gestão da Inovação na Prática 5 anos (2009-2014)
Gestão da Inovação na Prática 5 anos (2009-2014)
 
Gestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e InovaçãoGestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e Inovação
 
Como iniciar uma Startup - Grupo StartupMT
Como iniciar uma Startup - Grupo StartupMTComo iniciar uma Startup - Grupo StartupMT
Como iniciar uma Startup - Grupo StartupMT
 
Conceito de Inovação
Conceito de InovaçãoConceito de Inovação
Conceito de Inovação
 
Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...
Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...
Precisamos de uma Conspiração! (in A Alma do Negócio - Um Guia prático para o...
 
Conheça a Innoscience
Conheça a InnoscienceConheça a Innoscience
Conheça a Innoscience
 
Técnicas para desenvolver inovação
Técnicas para desenvolver inovaçãoTécnicas para desenvolver inovação
Técnicas para desenvolver inovação
 
Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013
Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013
Palestra sobre Empreendedorismo Digital - Semana Integradora na Impacta 2013
 
Empreendedorismo Digital
Empreendedorismo DigitalEmpreendedorismo Digital
Empreendedorismo Digital
 
Como montar um Programa de Inovação Corporativa eficaz
Como montar um Programa de Inovação Corporativa eficazComo montar um Programa de Inovação Corporativa eficaz
Como montar um Programa de Inovação Corporativa eficaz
 
Venture driven innovation
Venture driven innovationVenture driven innovation
Venture driven innovation
 
Pmweb
PmwebPmweb
Pmweb
 
Como lançar sua startup
Como lançar sua startupComo lançar sua startup
Como lançar sua startup
 
Inovação em Empresas Estabelecidas
Inovação em Empresas EstabelecidasInovação em Empresas Estabelecidas
Inovação em Empresas Estabelecidas
 
Inventta | ThinkForward
Inventta | ThinkForwardInventta | ThinkForward
Inventta | ThinkForward
 

Destaque

Modelos de financiamento - Semana da Economia Colaborativa
Modelos de financiamento - Semana da Economia ColaborativaModelos de financiamento - Semana da Economia Colaborativa
Modelos de financiamento - Semana da Economia ColaborativaFlavia Amorim
 
Planejamento Estratégico - Swimex
Planejamento Estratégico - SwimexPlanejamento Estratégico - Swimex
Planejamento Estratégico - SwimexRobson Reis
 
Roberto Nunes - Sertanej'UP
Roberto Nunes - Sertanej'UPRoberto Nunes - Sertanej'UP
Roberto Nunes - Sertanej'UPRobson Reis
 
Ivo Meirelles Apresentação
Ivo Meirelles ApresentaçãoIvo Meirelles Apresentação
Ivo Meirelles Apresentaçãodeejaydony
 
Proposta Friends
Proposta Friends Proposta Friends
Proposta Friends Robson Reis
 
Check Hollywoods
Check HollywoodsCheck Hollywoods
Check HollywoodsRobson Reis
 
Fernando Lima - Projeto de Lançamento
Fernando Lima - Projeto de LançamentoFernando Lima - Projeto de Lançamento
Fernando Lima - Projeto de Lançamentomarciocaja
 
Cap 4 fontes de financiamento
Cap 4   fontes de financiamentoCap 4   fontes de financiamento
Cap 4 fontes de financiamentoFEARP/USP
 
Cemec projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamento
Cemec   projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamentoCemec   projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamento
Cemec projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamentoCultura e Mercado
 
O que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitários
O que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitáriosO que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitários
O que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitáriosEduardo Henrique Araujo da Rocha
 
Startup: Como é ser acelerado?
Startup:  Como é ser acelerado?Startup:  Como é ser acelerado?
Startup: Como é ser acelerado?Ricardo Dantas
 
O que é Startup de Tecnologia?
O que é Startup de Tecnologia?O que é Startup de Tecnologia?
O que é Startup de Tecnologia?Roberto Viana
 
Apresentação Vesteer
Apresentação VesteerApresentação Vesteer
Apresentação Vesteerdouglaslosacco
 
Portfolio Avcpro
Portfolio AvcproPortfolio Avcpro
Portfolio AvcproAVCPRO
 
Release Orquestra Imperial
Release Orquestra ImperialRelease Orquestra Imperial
Release Orquestra Imperialeachcase
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociaisJMCDINIS
 

Destaque (20)

Modelos de financiamento - Semana da Economia Colaborativa
Modelos de financiamento - Semana da Economia ColaborativaModelos de financiamento - Semana da Economia Colaborativa
Modelos de financiamento - Semana da Economia Colaborativa
 
Planejamento Estratégico - Swimex
Planejamento Estratégico - SwimexPlanejamento Estratégico - Swimex
Planejamento Estratégico - Swimex
 
Roberto Nunes - Sertanej'UP
Roberto Nunes - Sertanej'UPRoberto Nunes - Sertanej'UP
Roberto Nunes - Sertanej'UP
 
Ivo Meirelles Apresentação
Ivo Meirelles ApresentaçãoIvo Meirelles Apresentação
Ivo Meirelles Apresentação
 
Proposta Friends
Proposta Friends Proposta Friends
Proposta Friends
 
Check Hollywoods
Check HollywoodsCheck Hollywoods
Check Hollywoods
 
Fernando Lima - Projeto de Lançamento
Fernando Lima - Projeto de LançamentoFernando Lima - Projeto de Lançamento
Fernando Lima - Projeto de Lançamento
 
Cap 4 fontes de financiamento
Cap 4   fontes de financiamentoCap 4   fontes de financiamento
Cap 4 fontes de financiamento
 
Cemec projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamento
Cemec   projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamentoCemec   projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamento
Cemec projetos culturais - aula 2 - gui afif - fontes de financiamento
 
O que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitários
O que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitáriosO que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitários
O que é uma Startup? Devo Abrir uma? Dicas para universitários
 
Fundos próprios
Fundos própriosFundos próprios
Fundos próprios
 
Startup: Como é ser acelerado?
Startup:  Como é ser acelerado?Startup:  Como é ser acelerado?
Startup: Como é ser acelerado?
 
O que é Startup de Tecnologia?
O que é Startup de Tecnologia?O que é Startup de Tecnologia?
O que é Startup de Tecnologia?
 
Apresentação Vesteer
Apresentação VesteerApresentação Vesteer
Apresentação Vesteer
 
Portfolio Avcpro
Portfolio AvcproPortfolio Avcpro
Portfolio Avcpro
 
Release Orquestra Imperial
Release Orquestra ImperialRelease Orquestra Imperial
Release Orquestra Imperial
 
Christopher drew
Christopher drewChristopher drew
Christopher drew
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Skrillex
SkrillexSkrillex
Skrillex
 
FILOMENA CAMILLO
FILOMENA CAMILLOFILOMENA CAMILLO
FILOMENA CAMILLO
 

Semelhante a Como Obter Financiamento para sua Startup

Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013Cultura e Mercado
 
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom PinhoFontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom PinhoCultura e Mercado
 
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubGeraldo Coutinho Jr.
 
eBook - Sou uma Startup, e agora?
eBook - Sou uma Startup, e agora?eBook - Sou uma Startup, e agora?
eBook - Sou uma Startup, e agora?NewAgent
 
Microsoft word entrevista francisco-banha_-.doc
Microsoft word   entrevista francisco-banha_-.docMicrosoft word   entrevista francisco-banha_-.doc
Microsoft word entrevista francisco-banha_-.docISEL
 
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...Cultura e Mercado
 
Financie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - EmpreendedorismoFinancie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - EmpreendedorismoAdeildo Caboclo
 
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7Elizabeth Custodio
 
Constituição de uma empresa
Constituição de uma empresaConstituição de uma empresa
Constituição de uma empresasankif
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCamila Nascimento
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos Financeirosipv7
 
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorUniversidade de Pernambuco
 
Gestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoGestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoEduardo Faraco
 
Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01Pelo Siro
 

Semelhante a Como Obter Financiamento para sua Startup (20)

Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
 
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom PinhoFontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
 
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels club
 
1519678804ebook_plano_de_negocios_smallv3.pdf
1519678804ebook_plano_de_negocios_smallv3.pdf1519678804ebook_plano_de_negocios_smallv3.pdf
1519678804ebook_plano_de_negocios_smallv3.pdf
 
eBook - Sou uma Startup, e agora?
eBook - Sou uma Startup, e agora?eBook - Sou uma Startup, e agora?
eBook - Sou uma Startup, e agora?
 
Microsoft word entrevista francisco-banha_-.doc
Microsoft word   entrevista francisco-banha_-.docMicrosoft word   entrevista francisco-banha_-.doc
Microsoft word entrevista francisco-banha_-.doc
 
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
AULA 3 Agosto 2014| Investimento-Anjo e Private Equity | Minom Pinho | Aprese...
 
Financie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - EmpreendedorismoFinancie Seu Sonho - Empreendedorismo
Financie Seu Sonho - Empreendedorismo
 
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
 
Acelera10
Acelera10Acelera10
Acelera10
 
Constituição de uma empresa
Constituição de uma empresaConstituição de uma empresa
Constituição de uma empresa
 
Manual do empreendedor em Portugal
Manual do empreendedor em PortugalManual do empreendedor em Portugal
Manual do empreendedor em Portugal
 
Workshop colocando o plano de negócios em prática
Workshop colocando o plano de negócios em práticaWorkshop colocando o plano de negócios em prática
Workshop colocando o plano de negócios em prática
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos Financeiros
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos Financeiros
 
Lean startup
Lean startupLean startup
Lean startup
 
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
 
Empr2
Empr2Empr2
Empr2
 
Gestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoGestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completo
 
Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01
 

Mais de Laboratorium

Curso de modelo de negócios
Curso de modelo de negóciosCurso de modelo de negócios
Curso de modelo de negóciosLaboratorium
 
Como tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovação
Como tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovaçãoComo tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovação
Como tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovaçãoLaboratorium
 
Oficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negócios
Oficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negóciosOficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negócios
Oficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negóciosLaboratorium
 
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...Laboratorium
 
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...Laboratorium
 
Apresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai Bahia
Apresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai BahiaApresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai Bahia
Apresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai BahiaLaboratorium
 
Cases de Startups - local - Gamepolitan
Cases de Startups - local - GamepolitanCases de Startups - local - Gamepolitan
Cases de Startups - local - GamepolitanLaboratorium
 
Programa Startup Brasil
Programa Startup BrasilPrograma Startup Brasil
Programa Startup BrasilLaboratorium
 
Agilizando seus negócios com tecnologia Google
Agilizando seus negócios com tecnologia GoogleAgilizando seus negócios com tecnologia Google
Agilizando seus negócios com tecnologia GoogleLaboratorium
 
Tendências e Oportunidades - Robótica
Tendências e Oportunidades - RobóticaTendências e Oportunidades - Robótica
Tendências e Oportunidades - RobóticaLaboratorium
 
Big Data e oportunidades de negócios
Big Data e oportunidades de negóciosBig Data e oportunidades de negócios
Big Data e oportunidades de negóciosLaboratorium
 
Inovações tecnológicas que mudam (quase) tudo
Inovações tecnológicas que mudam (quase) tudoInovações tecnológicas que mudam (quase) tudo
Inovações tecnológicas que mudam (quase) tudoLaboratorium
 
Lei do Bem - Estímulo à Inovação
Lei do Bem - Estímulo à InovaçãoLei do Bem - Estímulo à Inovação
Lei do Bem - Estímulo à InovaçãoLaboratorium
 
Certics - Desafios e Oportunidades
Certics  - Desafios e OportunidadesCertics  - Desafios e Oportunidades
Certics - Desafios e OportunidadesLaboratorium
 
TI Maior - Balanço e Perspectivas
TI Maior - Balanço e PerspectivasTI Maior - Balanço e Perspectivas
TI Maior - Balanço e PerspectivasLaboratorium
 
Fusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento Acelerado
Fusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento AceleradoFusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento Acelerado
Fusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento AceleradoLaboratorium
 
Tendências - Tecnologia e Automação
Tendências - Tecnologia e AutomaçãoTendências - Tecnologia e Automação
Tendências - Tecnologia e AutomaçãoLaboratorium
 
Tendências - Tecnologia e Agronegócio
Tendências - Tecnologia e AgronegócioTendências - Tecnologia e Agronegócio
Tendências - Tecnologia e AgronegócioLaboratorium
 
Modelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovação
Modelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovaçãoModelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovação
Modelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovaçãoLaboratorium
 

Mais de Laboratorium (20)

Curso de modelo de negócios
Curso de modelo de negóciosCurso de modelo de negócios
Curso de modelo de negócios
 
Como tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovação
Como tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovaçãoComo tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovação
Como tornar a pequena empresa mais competitiva através da inovação
 
Oficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negócios
Oficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negóciosOficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negócios
Oficina - Ferramentas visuais para inovação nos pequenos negócios
 
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para criação de ...
 
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...
BootCamp Design Thinking - Como criar estratégias criativas para expansão nac...
 
Apresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai Bahia
Apresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai BahiaApresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai Bahia
Apresentação edital de incubação do programa de empreendedorismo Senai Bahia
 
Cases de Startups - local - Gamepolitan
Cases de Startups - local - GamepolitanCases de Startups - local - Gamepolitan
Cases de Startups - local - Gamepolitan
 
Programa Startup Brasil
Programa Startup BrasilPrograma Startup Brasil
Programa Startup Brasil
 
Agilizando seus negócios com tecnologia Google
Agilizando seus negócios com tecnologia GoogleAgilizando seus negócios com tecnologia Google
Agilizando seus negócios com tecnologia Google
 
Tendências e Oportunidades - Robótica
Tendências e Oportunidades - RobóticaTendências e Oportunidades - Robótica
Tendências e Oportunidades - Robótica
 
Big Data e oportunidades de negócios
Big Data e oportunidades de negóciosBig Data e oportunidades de negócios
Big Data e oportunidades de negócios
 
Inovações tecnológicas que mudam (quase) tudo
Inovações tecnológicas que mudam (quase) tudoInovações tecnológicas que mudam (quase) tudo
Inovações tecnológicas que mudam (quase) tudo
 
Lei do Bem - Estímulo à Inovação
Lei do Bem - Estímulo à InovaçãoLei do Bem - Estímulo à Inovação
Lei do Bem - Estímulo à Inovação
 
Certics - Desafios e Oportunidades
Certics  - Desafios e OportunidadesCertics  - Desafios e Oportunidades
Certics - Desafios e Oportunidades
 
TI Maior - Balanço e Perspectivas
TI Maior - Balanço e PerspectivasTI Maior - Balanço e Perspectivas
TI Maior - Balanço e Perspectivas
 
Caso CPM Braxis
Caso CPM BraxisCaso CPM Braxis
Caso CPM Braxis
 
Fusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento Acelerado
Fusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento AceleradoFusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento Acelerado
Fusões e Aquisições - Estratégia de Crescimento Acelerado
 
Tendências - Tecnologia e Automação
Tendências - Tecnologia e AutomaçãoTendências - Tecnologia e Automação
Tendências - Tecnologia e Automação
 
Tendências - Tecnologia e Agronegócio
Tendências - Tecnologia e AgronegócioTendências - Tecnologia e Agronegócio
Tendências - Tecnologia e Agronegócio
 
Modelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovação
Modelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovaçãoModelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovação
Modelos de Negócios e Design Thinking como ferramentas de inovação
 

Último

MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 27
 
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSMANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSJulioCesarrPro
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...dl assessoria9
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...Raislane Santos
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 30
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Henry Quaresma
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...dl assessoria9
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024Dl assessoria S3
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...DL assessoria 31
 
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!francielekeren
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024DL assessoria 31
 
apresentação............................
apresentação............................apresentação............................
apresentação............................Judite Silva
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024assedlsam
 
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSCATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSJulioCesarrPro
 
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisE-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisSergio Augusto da Luz
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...DL assessoria 31
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024Dl assessoria S3
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...DL assessoria 29
 

Último (20)

MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSMANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
MANUAL DE PRODUTOS OZONTECK CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
Diga adeus às filas e aos CALOTES! Venda com máquina de cartão!
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
 
apresentação............................
apresentação............................apresentação............................
apresentação............................
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
 
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSCATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
 
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisE-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 

Como Obter Financiamento para sua Startup

  • 4. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 4 2012.©ServiçoBrasileirodeApoioàsMicroePequenasEmpresas–Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos autorais (Lei n.º 9.610) Informações e contatos Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae SGAS 605 – Conjunto A – Brasília/DF – 70200-904 Tel.: 55 61 3348-7304 Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho Diretor-Técnico Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças José Claudio dos Santos Gerente da UAMSF Paulo Cesar Rezende Carvalho Alvim Gerente Adjunta da UAMSF Patricia Mayana Maynart Viana Coordenação do Núcleo de Inteligência da UAMSF André Dantas Consultor Marcelo Pimenta Diagramação i-comunicação
  • 5. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 5 STARTUPS As startups são empresas que optam por criar novos modelos de negócios. Elas têm a importância de representar e refletir a velocidade das mudanças, bem como de influenciar na construção de novos conhecimentos e no desenvolvimento econômico. TR Sebrae na Economia Digital Uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza. Revista Exame
  • 6. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 6 CONHEÇA DIFERENTES FORMAS DE OBTER INVESTIMENTO E FINANCIAR UM PROJETO OU EMPRESA Empresas que querem explorar produtos e modelos de negócios inovadores passam por um período de experimentação chamado de startup. Essa é a fase em que os empreendedores testam suas ideias, verificam se conseguem entregar um produto adequado ao mercado e que seja rentável. Nem sempre as ideias têm sucesso e nem sempre os empreendedores contam com capital próprio suficiente para investir até que o negócio se torne viável. Capital próprio – a forma mais básica de financiamento que um empreendedor conta para iniciar uma startup é o seu próprio capital, ou ainda o capital de familiares e amigos (que pode ser considerado capital próprio, pois acontece na forma de empréstimo, não de forma comercial ou societária). Investidor-anjo – quando o empreendedor ainda está testando sua ideia denegócioinovadora,podecontarcomaajudadeumoumaisinvestidores- anjo. Também conhecidos como anjos de negócios, eles são profissionais experientes, bem-sucedidos, capitalizados e dispostos a participar da criação de startups. Em troca de seu dinheiro, orientação, networking e dedicação em geral, o investidor-anjo torna-se um sócio da startup. Capital semente – existem algumas iniciativas no Brasil chamadas de capital semente, que costuma ser uma quantidade de dinheiro necessária para o início de uma empresa.
  • 7. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 7 Venture Capital – empresas de venture capital aplicam recursos em startups que já tenham testado seus produtos e ideias de negócio e estejam prontas para crescer. Esse investimento, comumente maior do que R$ 1 milhão, é feito de forma societária, em troca de uma participação na empresa. Estágio avançado – empresas que crescem bastante a partir do uso de venture capital podem receber um tipo ainda mais sofisticado e volumoso de investimento, chamado de private equity, formado geralmente por investidores institucionais (empresas e holdings) e utilizado para grandes expansões. Existe ainda a possibilidade de a empresa oferecer ações nas Bolsas de Valores, no sistema de constante compra e venda de ações, que pode fazer o valor das ações (e da empresa) variarem de acordo com as variações das outras empresas. Investimento coletivo (crowdfunding) – sites em que pessoas e organizações podem submeter descrições de projetos criativos – não especificamente a criação de uma empresa ou produto, a menos que
  • 8. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 8 tenham uma forte ligação com alguma causa ou motivo que faça com que as pessoas doem quantias de dinheiro. Subvenções, editais e bolsas – existem também mecanismos de subven- ção, que podem ser incentivos fiscais (facilitação ou isenção do pagamento de impostos) fornecidos pela prefeitura, ou ainda editais públicos.
  • 9. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 9 COMO O VENTURE CAPITAL PODE FINANCIAR UMA STARTUP O venture capital é uma modalidade de financiamento de empresas, em troca de participação societária, implicando em responsabilidades conjuntas para investidores e empreendedores. É uma expressão em inglês que se refere ao capital empreendedor devido à natureza e ao funcionamento dessa forma de financiamento. Da mesma maneira que os investimentos feitos pelos anjos de negócio na fase de testar as ideias inovadoras, também o venture capital é aportado na empresa por meio de um contrato societário. Mais do que uma fonte de dinheiro, o venture capital traz à empresa os sócios investidores. O volume de dinheiro aportado na empresa como venture capital costuma ser, no Brasil, em torno de R$ 1 milhão, mas pode ser um pouco menos ou chegar a vários milhões. Nessa fase da empresa, a ideia já foi testada e agora o necessário é aumentar a participação no mercado. No Brasil ocorre a atuação de várias empresas gestoras de fundos de venture capital, tanto de origem nacional como de origem estrangeira. Além de investidores estrangeiros procurarem o Brasil em busca de oportunidades, vários passaram a efetivamente investir em empresas brasileiras e alguns chegaram a abrir filiais ou operações no País para atuarem de forma mais próxima ao mercado. Empresasdediversasáreaspodemreceberventurecapital,dependendo do interesse e da especialização dos gestores e investidores: comércio eletrônico, tecnologias da informação e comunicação costumam ser bastante divulgados, mas os investimentos também acontecem em biotecnologia, negócios sociais, agricultura, engenharias, saúde, materiais e energias, por exemplo.
  • 10. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 10 Para conquistar sócios investidores, não há um procedimento único a ser feito, mas vale procurar indicações de investidores em sites, organizações e eventos especializados. Em empresas que já têm produto e modelo de negóciocomprovado(comvendasefaturamento),costumaserimportante apresentarumPlanodeNegóciocomanálisesfinanceiraseoperacionaisdo funcionamento da empresa e com projeções do que pode vir a acontecer no mercado de acordo com o posicionamento da empresa.
  • 11. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 11 ENTENDAOPAPELDOSINVESTIDORES-ANJOE CONQUISTECAPITALSEMENTEPARAFINANCIAR PROJETOS,PRODUTOSOUEMPRESAS Várias empresas que vêm se destacando desde o início dos anos 2000 baseiam-se em ideias inovadoras, mas isso não significa que todas as ideias incríveis dão certo – muitas nem saem do papel por falta de recursos. As ideias inovadoras precisam ser testadas e para isso alguns empreendedores contam com capital semente e investidores-anjo. Existem no mercado brasileiro (e internacional) profissionais chamados de anjos de negócios ou investidores-anjo (em inglês,“business angels” e “angel investors”), que são especializados em apoiar projetos que estão em fase inicial, no momento de testar a ideia, o produto, o modelo de negócio. Esses profissionais geralmente são experientes, bem- sucedidos, confiantes e entendem as tendências e oportunidades de algumas áreas do mercado. Além disso, eles têm vontade e disposição de auxiliar na criação de novos produtos e empresas. Algumas vezes os anjos atuam informalmente, pagando custos iniciais básicos, mas seu envolvimento mais direto acontece de fato por meio do contrato societário, documento que registra o direito e o dever dele enquanto sócio de uma empresa. Isso não significa que o anjo tem todas as respostas ou soluções para os problemas, ou que, pela sua maior experiência, ele vá cuidar de tudo. Ao contrário, o papel do anjo é o de ajudar o empreendedor, não o de ser empreendedor. Por ter o mesmo objetivo que o empreendedor, de fazer a empresa dar certo, o anjo vai fazer o que estiver ao seu alcance. Mas o dinheiro do investidor-anjo (ou sócio investidor) não vai resolver tudo. Se o empreendedor, com a companhia do anjo, analisar que não há no momento uma forma competitiva de eles aplicarem suas estratégias
  • 12. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 12 de negócio, então eles buscam uma nova ideia, tese, teoria, antes de gastar mais na construção de equipes e outras partes da empresa. Isso só acontece quando empreendedor e anjo encontram uma forma adequada de competir. Quandooanjoajudaoempreendedoraencontraresseencaixedoproduto no mercado, tendo desenvolvido a forma correta de fazer isso, é hora de estabelecer e construir a empresa, as equipes e operações necessárias.
  • 13. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 13 OCAPITALSEMENTE O momento inicial em que o investidor-anjo investe na empresa dá ao dinheiro investido o nome alegórico de capital semente, pois este é o momento metafórico em que se imagina que a empresa renderá frutos, mas ela ainda nem chega a ser uma planta ou árvore em ponto de florescer e frutificar. Mas não são apenas os anjos que fornecem capital semente. Com tudo isso em vista, lembre-se que o importante é vender. Tudo mais que uma empresa faz tem esse objetivo. O que não dispensa os cuidados e o respeito com o meio ambiente e com a sociedade. Melhor do que isso: a ética, o respeito e a responsabilidade nos negócios podem trazer mais vendas ou mais investimento para às empresas. Pense nisso, trabalhe e faça bons negócios!
  • 14. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 14 QUANDO O CROWDFUNDING PODE SER UM BOM NEGÓCIO Crowdfunding é uma ação coletiva para financiamento de alguma atividade de forma colaborativa. O objetivo é reunir diversas pessoas que possam colaborar com pequenas quantias e, assim, viabilizar uma ideia, um negócio ou um projeto, recebendo, ou não, uma contrapartida por isto. Normalmente, um projeto de crowdfunding tem como objetivo criar uma obra de arte, produzir e distribuir uma atividade cultural, iniciar uma empresa. O retorno não é apenas para o grupo específico, ele vai de alguma forma para a sociedade. O princípio que os websites de crowdfunding seguem para a captação dos recursos tem como principal incentivo, além do sentimento de apoiar, a relação entre o pedido e as recompensas. Além disso, é estipulada uma data limite para a arrecadação de um valor mínimo pré- estipulado e, se no final desse período não for arrecadado esse valor, o dinheiro volta para as mãos dos colaboradores. Após a captação de recursos, é necessário tomar alguns cuidados. O primeiro e mais imediato é o de entregar todas as recompensas prometidas. Depois, é preciso por em prática o projeto da forma divulgada, pois os colaboradores que acreditaram na iniciativa vão querer ver o resultado final. Por isso, antes de propor uma ideia via crowdfunding, é preciso fazer um orçamento completo de todas as despesas necessárias para a sua implementação. Portanto, crowdfunding é uma forma rápida e relativamente simples de captar valores para a execução de uma ideia ou projeto de apelo popular, com uma baixa contrapartida.
  • 15. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 15 INVESTIDORES-ANJO Tudo inicia com uma ideia inovadora. O empreendedor percebe alguma necessidade ou oportunidade que o mercado ainda não esteja atendendo, ou percebe que tem em mãos algo que pode render um novo tipo de produto. É necessário, então, esquematizar a ideia. Quandooempreendedorconseguiresquematizardeformasimplificada um modelo de negócio, ou mais de um modelo para a mesma ideia, é hora de conversar com alguns profissionais do mercado que possam dar uma opinião qualificada sobre o que o empreendedor pretende fazer. Essa etapa deve ser aproveitada para imaginar um negócio que seja possível ser feito, interessante para o mercado e lucrativo ao empreendedor e seus possíveis sócios. Recomenda-se ouvir opiniões de profissionais diferentes, que possam sinalizar coisas diferentes. Quando o empreendedor está confiante no modelo de negócio, deve verificar se consegue executar tudo sozinho ou se precisa de sócios. Sempre há profissionais e empresas interessados em colaborar na criação de novos produtos. Esses são conhecidos como investidores- anjo, profissionais geralmente experientes, inovadores, com experiência empreendedora e bem-sucedidos que se tornam sócios do empreendimento. Para uma boa relação, é necessário estabelecer as regras que definirão o empreendimento desde o começo. Para isso é bom consultar um advogado e um contador, e que o contrato social contemple todos os direitos e obrigações, para evitar problemas financeiros e de gestão. Se, analisando os prós e os contras, o empreendedor considerar que é válido buscar um investidor-anjo para o seu negócio, ele deve pegar seu protótipo, seu plano de negócios e buscar os investidores que podem ser encontrados nas redes, em eventos voltados para startups, em apresentações, cursos ou competições. Quanto mais exposição
  • 16. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 16 o empreendedor conseguir, maior será a chance de ele encontrar o investidor certo para o negócio. A formalização da empresa pode ser a maneira mais simples e segura de contratar a participação do investidor-anjo na startup, principalmente se já foi passada a fase da“dúvida”– e se tem certeza e prazo para a empresa entrar no mercado. Caso a startup ainda esteja muito embrionária e não haja previsão para lançamento da empresa no mercado, a formalização da participação do investidor no (futuro) negócio pode se dar por um contrato entre as partes.
  • 17. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 17 ENTREVISTAS: OPINIÃO DE QUEM É DO RAMO ENTREVISTA: INVESTIMENTO SOCIETÁRIO Cassio Spina, empreendedor e investidor-anjo em startups O mercado brasileiro está cheio de casos de sucesso com ideias inovadoras. Várias dessas ideias de sucesso receberam capital semente de anjos ou de fundos especializados e são chamadas de startups. Mas será que basta sair vendendo uma ideia? Como acontece o relacionamento com investidores? Quais ideias eles preferem? E o que faz com que uma ideia seja ou não uma startup? “O critério mais importante é a avaliação dos empreendedores, suas competências e principalmente sua demonstração de capacidade de execução. Em seguida vem o projeto, sua viabilidade, potencial/ mercado, inovação e escalabilidade”. Sebrae – Quais são as semelhanças e diferenças entre uma startup e uma micro ou pequena empresa? As necessidades e oportunidades são diferentes? Cassio – Uma startup normalmente começa como uma micro ou pequena empresa (do ponto de vista jurídico), entretanto ela é idealizada para crescer rapidamente ou então não se sustentará. Uma micro ou pequena empresa pode permanecer rentável em seu porte. Dizemos que uma startup é“uma grande empresa em sua fase inicial”. Outro aspecto é que uma startup tem de ser inovadora, seja no produto, serviço ou no modelo de negócio, ou no processo, para ter potencial de
  • 18. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 18 crescer aceleradamente, enquanto uma micro/pequena empresa, apesar de ser desejável, não precisa obrigatoriamente ter inovação, assim, o planejamento e desenvolvimento é normalmente bem diferente. Porexemplo,enquantoparaumamicro/pequenaempresaconvencional um plano de negócio bem estruturado é importante, para uma startup já não tem tanto valor, sendo mais relevante apenas o modelo de negócio e principalmente sua validação perante o mercado. Sebrae – Buscar sócios investidores é fundamental para uma startup? Cassio–Paraumastartup,ocapitalintelectual,aredederelacionamentos e a experiência do investidor são o mais importante para seu sucesso, inclusive mais do que o financeiro. Assim, se o sócio investidor puder aportar esse valor agregado, é essencial sim. Nesse sentido a startup deve procurar um investidor ou, se ainda não estiver na fase de captação de recursos, um conselheiro (advisor) que aporte seu trabalho (vide mais no site www.anjosdobrasil.net), agregando ao empreendedor sua experiência e conhecimentos, tanto na fase de planejamento, quanto na de execução do negócio. Dessa forma, além de evitar cometer erros comuns que podem comprometer o negócio, o aporte intelectual do investidor/conselheiro acelerará seu desenvolvimento e aumentará suas chances de sucesso.
  • 19. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 19 Sebrae – Quais são as diferenças entre capital semente, investidor- anjo e venture capital? Cassio – O capital semente é o investimento necessário para colocar uma empresa no mercado e validar seu modelo de negócio, podendo ser aportado por um fundo semente e/ou por um investidor-anjo, enquanto o venture capital são os fundos de aplicação em empresas com modelos de negócio já provados, isto é, empresas que já tenha receitas acima de R$ 1 milhão/ano e precisam escalar, ou seja, acelerar seu crescimento. Conforme destaco em meu livro (vide www.investidoranjo.net), os fundos de investimento têm como diferencial poder aportar valores maiores de investimento, enquanto os investidores-anjo conseguem agregar mais valor pelos seus conhecimentos e experiência, assim, são bastante complementares entre si, muitas vezes, inclusive, fazendo investimentos juntos em uma mesma empresa. Sebrae – Quais são os critérios utilizados pelos investidores para decidir um investimento em uma empresa? Cassio – O critério mais importante é a avaliação do perfil dos empreendedores, suas competências e principalmente sua demonstração de capacidade de execução. Para tanto são analisados não só seus currículos, mas também o que já conseguiram fazer sozinhos, com recursos próprios. Em seguida vem o projeto em si, sua viabilidade econômica, isto é, se o quanto pode gerar de ganhos proporciona um bom retorno do investimento, o potencial do mercado que atenderá, se é crescente e quem são os concorrentes, a inovação e diferenciação que a empresa possui, e finalmente a escalabilidade, isto é, o quanto o negócio pode crescer sem depender de grandes investimentos e/ou equipe especializada.
  • 20. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 20 Sebrae – Quem quer ter uma startup de sucesso deve fazer o que? E o que não deve fazer? Cassio–Emprimeirolugardevepesquisaromercado,suasnecessidades e disposição para pagar pela respectiva solução; para tanto, a melhor coisa é conversar com quem conhece o mercado, apresentar rapidamente a sua ideia/proposta e principalmente perguntar e ouvir muito, buscando extrair o máximo de informações para identificar a oportunidade real daquele segmento em que irá atuará. Em seguida deve montar um time com competências complementares, por exemplo, um cofundador que tenha domínio técnico e/ou operacional e outro com visão de negócios/comercial/marketing. A partir daí que se deve então pensar no produto/serviço. O que a startup não deve fazer é justamente pensar na ordem inversa: idealizar um produto/serviço, para então tentar achar um cliente que sirva para o mesmo. Seu esforço poderá ser desperdiçado se aquilo que fez não atender a uma necessidade efetiva do cliente. Sebrae – Cássio, se você pudesse dar um passo a passo para um empreendedor montar uma startup e encontrar um investidor, o que você diria? Cassio – A primeira coisa que o empreendedor precisa ver é o mercado em que ele estará atuando. Ele deve procurar conversar com pessoas que conheçam o mercado, e até clientes, apresentar a sua ideia e ouvir opiniões. E não só isso, ouvir sobre o interesse efetivo delas, sentir se quando ele tiver o negócio pronto, esses vão contratar ou comprar seus produtos e serviços. Esse é o primeiro passo básico. O segundo passo é o protótipo, uma amostra do serviço que será apresentado para que o investidor conheça o seu negócio, pois é difícil para imaginá-lo apenas como uma ideia. O terceiro passo será mostrar a sua capacidade de execução, que é a possibilidade de avaliar se o empreendedor conseguirá executar aquilo
  • 21. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 21 que oferece. Quando o empreendedor consegue criar o protótipo com seus recursos próprios, ou com a ajuda de parentes ou amigos, mostra que ele sabe se virar, que é uma característica essencial de qualquer empreendedor. Depois disso tudo, já dá para procurar um investidor. Leve o protótipo e o plano de negócios. Os investidores podem ser encontrados nas redes, em eventos voltados para startups, em apresentações, cursos ou competições. Quanto mais exposição o empreendedor conseguir, maior será a chance de encontrar o investidor certo para o negócio.
  • 22. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 22 ENTREVISTA: CROWDFUNDING Dorly Neto, especialista em Redes Sociais e Inovação Digital pela ESPM Diego Reeberg, fundador do Catarse.me e editor do blog CrowdfundingBR Algumas vezes, o próprio empreendedor tem os recursos necessários para realizar os projetos inovadores. Outras vezes, esse empreendedor reúne sócios para ajudarem a financiar para que o projeto dê certo. Mesmo assim, uma série de projetos fica só na ideia, ou no papel, sem conseguir nascer. Para proporcionar mais oportunidades de realização de projetos, a internet pode ser uma excelente aliada. Existem plataformas colaborativas em que pessoas ou equipes podem cadastrar seus projetos e engajar diversas pessoas que contribuam para a realização e o financiamento desses projetos com o chamado crowdfunding. Sebrae – Como você define crowdfunding? Qual é a diferença entre esse tipo de financiamento coletivo e a tradicional vaquinha? Dorly – O crowdfunding segue a dinâmica da vaquinha, ao partir do princípio que pessoas colaboram com o que podem fazer e, juntas, realizam o que antes não poderiam fazer sozinhas. A diferença é que, agora, essa ferramenta é potencializada graças a outra ferramenta: a internet. Não existe nada de mágico nesse processo, é apenas uma forma poderosa de realização e engajamento de pessoas. Diego – Começaria com uma definição mais ampla, no seu sentido mais literal e abrangente: crowdfunding é o financiamento de uma iniciativa a partir da colaboração de um grupo (pode ser pequeno ou muito
  • 23. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 23 grande) de pessoas que aportam recursos financeiros nessa iniciativa. Se você pegar essa definição, a vaquinha também se encaixa. Já o termo crowdfunding foi criado recentemente (2006) e, apesar de poder representar esse conceito mais amplo, é muito mais utilizado quando falamos a respeito de projetos/empresas que são financiados de forma coletiva (várias pessoas contribuindo) por meio de uma plataforma online. Talvez a diferença seja que a vaquinha em geral tem como meta arrecadar dinheiro para um objetivo, uma realização de uma pessoa ou do grupo que contribuir, sendo que esse objetivo geralmente está relacionado a consumo (fazer uma vaquinha pra comprar um presente pra um amigo, pra comprar uma geladeira para o escritório, e por aí vai). Um projeto de crowdfunding tem um objetivo que extrapola: criar uma obra de arte, iniciar uma empresa. O retorno não é para o grupo específico, mas vai de alguma forma pra sociedade. Sebrae – O que motivou o surgimento do crowdfunding? Qual é a oportunidade desse tipo de financiamento? Dorly – Alguns problemas estruturais na sociedade motivaram o
  • 24. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 24 nascimento de novos mercados, principalmente mercados que privilegiam a cooperação entre as pessoas. Começamos a perceber que não é mais preciso ter produtos, e sim buscar o benefício que essas coisas nos trazem. Não precisamos da furadeira, e sim do furo. Nesse novo cenário, o crowdfunding surge como uma alternativa de produção e consumo, mais colaborativa, participativa e poderosa. Diego – O atual movimento de crowdfunding tem, pra mim, dois principais responsáveis: 1) as formas tradicionais de financiamento não davam conta de abarcar todos os tipos de projeto que precisavam de grana (seja porque o projeto poderia requerer poucos recursos – e o financiamento público não dá conta disso – seja porque o empreendedor/artista quer mais independência do que uma forma tradicional de captação pudesse oferecer); 2) a proliferação da internet, principalmente após as ferramentas de interação terem se consolidado mais fortemente, facilitando que uma boa ideia, um bom projeto, se espalhasse pra muito mais gente do que a rede próxima de quem tem um projeto, extrapolando os limites geográficos que restringiam de onde viria o financiamento. Sebrae – Há tipos diferentes de crowdfunding ou todos os sites funcionam da mesma forma? Dorly – Há uma dinâmica que os principais sites de crowdfunding seguiram: a relação de pedidos e recompensas, o fato de ser “tudo ou nada” (se não arrecadar o valor mínimo pedido no tempo estipulado, o dinheiro volta pra mão de todo mundo), e ser tudo em tempo real, online. Porém, as plataformas se viabilizam cobrando entre 5% e 15% de comissão dos projetos. Como diferencial, a benfeitoria foi a primeira a nãocobraressacomissão,comotambémaceitapedidosnãofinanceiros. Diego – Há varias plataformas diferentes. No Brasil, destacam-se: 1) plataformas de crowdfunding em geral: são sites mais amplos
  • 25. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 25 que aceitam projetos diversos (de cultura, empreendedorismo, jornalismo). Em geral, tem-se uma curadoria para avaliar os projetos que podem entrar no site. Dali, é definido um prazo de captação, uma meta financeira e recompensas (produtos e serviços oferecidos para quem quer apoiar o projeto, de acordo com o valor colaborado). Se o projeto atinge a meta no prazo estipulado, ele é considerado bem- sucedido e o realizador recebe o dinheiro. Se não, o valor é devolvido aos apoiadores; 2) plataformas de nicho: Nakeit (ensaios sensuais), Embolacha (focada só em música), entre outros. Um dos exemplos é o Queremos, uma produtora de shows que os financia por meio de crowdfunding. O Queremos arrecada pelo site o montante necessário para o show acontecer. Depois disso, são vendidos ingressos normalmente. De acordo com o tanto de ingressos que forem vendidos, as pessoas que apoiaram no site para o show acontecer vão recebendo seu dinheiro de volta, sendo que elas podem acabar recebendo todo o demanding de volta e ir ao show gratuitamente. Fora do Brasil já se tem um forte movimento para financiar startups a partir de crowdfunding, com retorno financeiro e societário para quem investir nos projetos. Aqui no Brasil a legislação não permite esse tipo de operação. Sebrae – Que tipos de projetos podem obter financiamento coletivo? Dorly – Qualquer projeto que tenha definido a meta mínima de arrecadação, tenha boas recompensas para oferecer e consiga engajar uma rede de pessoas compatível com a demanda do projeto. Diego – Quase todo tipo de projeto. É mais uma questão de procurar uma plataforma que se encaixe no perfil do seu projeto. Sebrae – Quais projetos costumam ter mais sucesso? Quais são as melhores estratégias para que os projetos tenham sucesso? Quais exemplos?
  • 26. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 26 Dorly – Não existe uma estratégia padrão. Cada projeto tem a sua singularidade definida por si própria. O que precisa ter em mente é que o dinheiro não cai do céu. A parte da campanha no site é só uma das partes importantes. É preciso ensinar as pessoas o que é crowdfunding, tornar os colaboradores evangelistas que divulguem com você o projeto. Diego – Três são os fatores principais para um projeto dar certo (pelo menos no Catarse): • normalmente, um projeto de crowdfunding tem como objetivo criar uma obra de arte; • paixão do realizador do projeto (fundamental para ele convencer pessoas a colaborarem com sua iniciativa); • planejamento/execução da campanha (desde a elaboração do vídeo de apresentação do projeto até a estratégia de comunicação que ele utilizará no Facebook – quanto mais isso estiver bem pensado antes da campanha ir pro ar, mais chance o projeto terá de ser bem-sucedido); • rede de contatos – grande parte dos apoiadores será de pessoas próximas ou das redes dessas pessoas. Financiar um projeto colaborativamente vai ser muito difícil sem ter alguma rede já bem estruturada para sustentar o seu projeto. Exemplos: http://catarse.me/pt/projects/582-pimp-my-carroca http://catarse.me/pt/projects/532-metamaquina-3d http://catarse.me/pt/projects/449-amigo-nao-se-compra Sebrae–Háalgumcuidadoasertomadonaobtençãodefinanciamento coletivo? Dorly – Sim, é preciso ter cuidado para saber se há possibilidades de entregar todas as recompensas e, se o mínimo pedido é possível para realizar o que foi pedido.
  • 27. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 27 Diego – Penso que haja um cuidado depois de financiar o projeto, com todososqueoapoiaram.Lidarcomessegrupodepessoasqueacreditou na iniciativa a ponto de colocar $ nela é crucial para o realizador do projeto construir uma comunidade ao redor do que ele propôs. Outro cuidado básico é não realizar spam durante a campanha, o que pode e deve mais prejudicar do que beneficiar. E, por fim, é não achar que pelo fato de o projeto estar numa plataforma surgirão pessoas para apoiá-lo do nada. Captar via crowdfunding é muito trabalho e exige disposição e atenção diária para que a campanha dê certo. Sebrae – Essa modalidade de financiamento coletivo pode ser inadequada para algum caso? Em que casos seria melhor recorrer a um banco? Ou a um investidor tipo anjo ou venture capital? Dorly – Ela não é recomendada para pessoas que não tenham recompensas a entregar ou que ainda precisem de muito dinheiro, ou que não possuam uma rede muito grande para divulgar o projeto. Diego–Crowdfundingnãoéumamaneirafácildecaptaçãoderecursos. Ele é mais recomendado, em minha visão, em alguns casos: • o responsável pelo projeto enxerga valor em ele ser independente: não ter ninguém com poder financeiro para dar palpite nos rumos do projeto, interferindo no desejo do realizador (isso é bastante comum no meio artístico); • o projeto é crowd por excelência (o Ônibus Hacker é um bom exemplo disso: o projeto se iniciou numa comunidade e tinha como objetivo beneficiar milhares de pessoas pelo Brasil. A lógica da colaboração já estava enraizada no projeto); • projetos que não tenham um modelo de negócios, porque dessa forma não terá nem como atrair investidores, nem como pagar juros de um banco depois;
  • 28. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 28 • projetos de pequeno porte (no Catarse, muitos dos projetos captam entre R$ 1.000 e R$ 10.000, esses valores em geral não são financiados por investidores/ financiamento público); • realizadores que não querem encarar burocracias de outra forma de captação (crowdfunding é pouquíssimo burocrático).
  • 29. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 29 INFOGRÁFICOS A empresa já possui condições de operar no mercado? Prepare um protótipo Defina a porcentagem do investidor anjo e suas responsa- bilidades Contate um advogado de confiança para analisar o contrato Monte um contrato de compromisso entre as partes SIM NÃO Torne a empresa pronta para gerar riquezas No contrato social defina obrigações dos empreendedores, obrigações da gestão, condições para o rompimento da sociedade, penalidades e foro Consulte um contador para saber o melhor regime tributário série de infográficos 4/4 Como uma ideia pode ser viabilizada, em cada etapa de implementação de uma startup @laboratoriumbr Precisa de investimento? SIM NÃO Fontes | Startupídia . Anjos do Brasil . Portal Venture Capital . Abvcap www.sebraefinancas.com.br Saiba + Você teve uma ideia inovadora :) Crie um modelo de negócios Busque opiniões qualificadas do mercado Defina quem serão os sócios Formalize a empresa Dê inicio à empresa de fatoDefina os direitos e deveres dos sócios Transforme o sonho em realidade Procure um investidor anjo em redes, concursos, cursos, eventos
  • 30. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 30 série de infográficos 3/4 Como formas inovadoras de financiamento e de desenvolvimento de projetos podem contribuir para a implementação de uma startup INVESTIDOR ANJO VENTURE CAPITAL PRIVATE EQUITY [ou Investimento Pessoal] O investimento inicial vem do capital do próprio empreendedor ou de empréstimo com famílias e amigos. * Termo usado em Tecnologia Fundos de investimento interessados em startups competitivas e com alto potencial de retorno. BOOTSTRAP* Sócios que podem ajudar a construir a empresa e a financiar os custos. Costumam ter experiência em negócios e ampliam o network da startup. BOLSAS Costumam ser oferecidas por instituições de apoio à pesquisa para assuntos inovadores ou tecnológicos. As bolsas podem viabilizar profissionais qualificados nas empresas. EDITAIS CROWDFUNDING Costumam ser oferecidos por entidades públicas como a FINEP, grandes empresas e entidades como fundações e institutos. Financiamento coletivo onde os clientes contribuem com dinheiro em troca de “recompensas”. A arrecadação só é entregue se o valor total for captado. $ $$ $ 49%51% NÃO SIM Das startups que tentaram investidor, as que conseguiram foram: 5.300 anjos investindo R$ 450 milhões por ano em startups no Brasil www.sebraefinancas.com.br Saiba + FINANCIAMENTODESTARTUPS INVESTIMENTOEMSTARTUP Capital Empreendedor ou Investimento Produtivo. Tipo ainda mais sofisticado e volumoso de investimento, utilizado para grandes expansões, por empresas que crescem bastante a partir do uso de VC. IPO Mais alto nível de investimento. Captação de dinheiro na Bolsa de Valores. Fato marcado como Oferta Inicial de Ações. [Initial Public Offering] Fontes | Startupídia . Anjos do Brasil . Portal Venture Capital . Abvcap FORMASDEINOVAÇÃODEPROJETOS 49% 61% 71% 71% Equipes com até 3 pessoas Faturam até R$ 61.000/ano Têm até 2 anos São formalizadas Panorama das startups no Brasil @laboratoriumbr
  • 31. COMO OBTER FINANCIAMENTO PARA A SUA STARTUP 31 REFERÊNCIAS Startupídia www.startupi.com.br/startupidia; Anjos do Brasil www.anjosdobrasil.net; Portal Venture Capital www.venturecapital.gov.br; Abvcap www.abvcap.com.br. “Investidor-Anjo – Guia Prático para Empreendedores e Investidores“ – SPINA, Cássio