SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO DA SAÚDE
3ª edição
1ª reimpressão
Brasília – DF
2014
2
Sumário Sumário
Adolescência
Responsabilidade
Essa sou eu!!!
Falando sobre...
ECA
Direitos...
Dicas de saúde
Alimentação saudável
Estatura
Meu desenvolvimento
Comer, falar, beijar, sorrir...
Cárie
Dentes limpos
Odontograma
Vacinas
Imunização
Estou diferente?
Espinhas
Puberdade
Estágios de Tanner - mamas
Estágios de Tanner - pelos pubianos
Menstruação
Ciclo menstrual
Importante
Sexualidade
Conhecer, ficar, namorar...
E se acontecer...
Dupla proteção
Sexo seguro
Projeto de vida
Informações úteis
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
18
19
20
22
24
26
28
30
31
32
33
34
37
38
39
40
41
42
43
46
50
Dados Pessoais
(Preencha com letra legível)
Nome: ___________________________
__________________________________
Data de nascimento: ____ /____ /____
RG: ______________________________
CPF: _____________________________
Foto
3x4
3
Dadospessoais
O preenchimento dos campos abaixo deve ser a lápis, para ser
alterado, sempre que necessário.
Endereço: ________________________________________________
__________________________________________________________
Município: _______________________________________________
Estado: ________________________ CEP: ____________________
Telefones: ________________________________________________
E-mail: ___________________________________________________
Nome e telefone do ou da responsável: _________________________
___________________________________________________________
Nome da unidade de saúde que frequenta: _________________
__________________________________________________________
Esta Caderneta de Saúde da Adolescente é continuidade
da atenção integral à saúde iniciada na infância.
4
Adolescência
Adolescência: Um importante momento da vida
Por isso é preciso cuidar da saúde para que ela fique ainda melhor.
Se você tem entre 10 e 19 anos de idade, está vivendo um
tempo rico em descobertas e mudanças: a adolescência.
Para curtir a vida e desenvolver todas as suas capacidades,
você vai precisar de muita saúde. Lembre-se, aprender a
cuidar de seu próprio bem-estar físico, emocional,
psicológico, espiritual e social é um dos desafios mais
importantes para uma vida saudável.
5
Esta caderneta de saúde foi feita
para apoiar você nesse processo
de autodescoberta e autocuidado.
Ela ajudará você a acompanhar
as transformações que ocorrem
em seu corpo, a se informar
sobre os seus direitos como
adolescente. E não é só isso! Ela
traz também dicas de como
evitar doenças e fala sobre os
cuidados que você precisa ter
com seu corpo. Isso não é legal?!
Você sabia que a responsabilidade por sua própria saúde é
uma conquista gradativa?
Sim, ela vai acontecendo aos poucos e depende do apoio
que os seus responsáveis – sua família, a escola, os
profissionais de saúde e a sociedade – lhe fornecem, mas
não se esqueça de que você é a principal responsável pela
sua saúde e esse é o primeiro passo para o exercício da sua
cidadania.
Toda vez que qualquer profissional de saúde a atender,
mostre sua caderneta para que ele ou ela possa anotar as
principais informações. Por exemplo, as vacinas recebidas
na adolescência, o seu peso e a sua altura e outros dados
fundamentais para acompanhar seu crescimento e
desenvolvimento.
Esta caderneta de saúde é um documento útil que vai ajudá-la a
conhecer um pouco mais sobre seu corpo e a cuidar melhor
de si própria.
Responsabilidade
Essasoueu!!!
6
Essa sou eu!!!
(Preencha a lápis e o que não souber pergunte a seus pais ou seu responsável)
O que mais gosto de fazer é _______________________________
Meu esporte preferido é ___________________________________
Tenho alergia a __________________________________________
Meu tipo de sangue é _________________ Rh ________________
Doenças crônicas que apresento (ex.: diabetes, febre reumática, etc.)
________________________________________________________
Medicamentos que preciso usar sempre ______________________
________________________________________________________
Já fiquei internada em hospitais porque ______________________
________________________________________________________
Já fui operada (de que e quando?) __________________________
________________________________________________________
Acidentes e/ou violências que já me aconteceram (quais e quando?)
________________________________________________________
________________________________________________________
Faço reabilitação para me recuperar de trauma ou acidente (que tipo?)
________________________________________________________
________________________________________________________
Tenho alguma deficiência (qual?) ___________________________
________________________________________________________
Outros acontecimentos importantes sobre minha saúde:
________________________________________________________
__________________________________________________
7
Falando sobre meus direitos...
Além da Constituição Brasileira, o Estatuto da Criança e do
Adolescente (ECA) é uma lei muito importante no nosso
país. Estar por dentro das leis brasileiras, respeitá-las e
praticá-las é uma forma legal de você exercer a cidadania.
Para esse estatuto, adolescente é a pessoa que tem entre
12 e 18 anos de idade. Porém, os serviços de saúde
consideram a adolescência a faixa etária entre 10 e 19
anos, pois, a partir dos 10 anos, iniciam-se várias
transformações no seu corpo, no seu crescimento, na sua
vida emocional, social e nas suas relações afetivas.
Falandosobre...
8
Eca
Para que serve o ECA?
Você vai saber agora.
Fique por dentro dos seus direitos
Os governos (federal, estadual e municipal), a sociedade, a
comunidade e a família têm a responsabilidade de garantir
a você direito à vida e à saúde. Ter saúde também é estar
na escola, alimentar-se bem, ter amigos, brincar, divertir-se,
fazer alguma atividade física, enfim, ser feliz!
Todo adolescente tem o direito de ser atendido na rede de saúde, como
nos postos de saúde, nos ambulatórios, nas equipes de saúde da família e
nos hospitais que fazem parte do SUS - Sistema Único de Saúde.
O ECAreconhecequetodasascriançaseadolescentestêmdireitoàproteçãointegralparaquepossamsedesenvolver física,mental,moral,espiritual esocialmenteemcondiçõesdeliberdade,segurançaedignidade.Elegaranteprioridadeàsnecessidadeseaosdireitosdecriançaseadolescentes.
9
Direitos...
Nas consultas, você tem direito de ser atendida sozinha,
caso você queira, independentemente da presença de seus
pais ou responsáveis.
E tem mais: as informações dadas durante suas consultas
serão mantidas em sigilo e só poderão ser reveladas se você
concordar ou sempre que houver danos a sua saúde ou a
terceiros.
Mas e no caso de uma internação?
Em caso de internação em um hospital, uma pessoa
(pai/mãe ou responsável) pode ficar com você o tempo
todo.
Você sabia que violência faz mal à saúde?
A violência é um problema que tem afetado a vida de muitos
jovens. Violência pode ser física, sexual e psicológica. Se você
estiver vivenciando uma situação de violência, procure um
adulto ou profissional de sua confiança para ajudá-la. O
preconceito contra as diferenças também é violência!
10
Dicasdesaúde
Dicas para ficar de bem com a saúde
• Procure manter uma alimentação saudável.
• Beber água várias vezes ao dia também é essencial para
o bom funcionamento do corpo.
• Movimentar-se, não ficar muitas horas em frente à TV
ou computador.
• Procurar praticar as atividades físicas que você mais gosta.
Evitar nadar sozinha e em lugares perigosos.
• Se proteger do sol nos horários mais quentes. Para isso
existem os filtros solares.
• Lembre-se de que soltar pipas (papagaio, arraia ou pandorga)
pode ser perigoso. Jamais use cerol e utilize sempre material
seguro para sua proteção e proteção das outras pessoas.
• Tenha muito cuidado com os fogos de artifício, pois
podem queimar você e outras pessoas gravemente.
11
• Tomar banho diariamente também é muito importante para
o cuidado com o corpo, além de fazer bem à aparência.
• Cuide bem dos pés, das unhas e dos cabelos. Mantenha-os
sempre limpos e saudáveis.
• Nunca empreste ou tome emprestado de ninguém a escova
de dentes, roupas íntimas ou de banho.
• O sono é muito importante. Procure dormir bem pelo menos
oito horas por dia.
• Procure manter sua vacinação em dia de acordo com o
calendário de vacinação do adolescente.
12
Dicasdesaúde
• Não pegue carona com quem consumiu bebida alcoólica.
• Evite tomar medicamento sem orientação médica.
• Sentimento de tristeza faz parte da vida, a gente sabe,
mas se ele demorar muito a passar, procure um adulto de
confiança para uma boa conversa ou um profissional
de saúde.
• Evite o cigarro, bebidas alcoólicas e outras drogas. Eles são
prejudiciais a sua saúde física, mental e podem acabar
com seus projetos para o futuro.
13
Alimentaçãosaudável
Alguns passos para uma alimentação saudável...
1º. Para manter, perder ou ganhar peso procure a orientação de
um profissional de saúde.
2º. É legal comer 5 ou 6 vezes ao dia: no café da manhã,
no almoço e no jantar, além de fazer lanches saudáveis
nos intervalos dessas refeições.
3º. Tente comer menos salgadinhos de pacote, refrigerantes,
biscoitos recheados, lanches industrializados, alimentos de
preparo instantâneo, doces, sorvetes e frituras.
4º. Procure comer, sempre que puder, frutas, verduras e legumes.
5º. Faz bem comer feijão, arroz, massas, tomar leite e/ou
derivados todos os dias.
6º. Escolha sempre alimentos saudáveis nos lanches da escola
e nos momentos de lazer.
14
Estatura
15
Meudesenvolvimento
Sou assim!!!
A tabela abaixo serve para o profissional de saúde registrar
sua estatura (altura), peso, Índice de Massa Corporal (IMC),
estágio de maturação sexual (Tanner) e pressão arterial.
Tire suas dúvidas com um profissional de saúde.
Cálculo do IMC = Peso (em KG)
Estatura2
(em Metro)
Data Idade Estatura Peso IMC
Maturação
Sexual
Pressão
Arterial
16
Estatura por idade
Dos 10 aos 19 anos (escores-z)
Fonte: WHO Child Growth Standards, 2007
(http://www.who.int/growthref/en/)
17
IMC por idade
Dos 10 aos 19 anos (escores-z)
Fonte: WHO Child Growth Standards, 2007
(http://www.who.int/growthref/en/)
18
Comer,falar,beijar,sorrir...
Nós usamos a boca o tempo todo, certo?
Para comer, falar, beijar e sorrir.
E para ter um sorriso bonito e saudável,
o que é preciso?
• Escovar bem os dentes
todos os dias, após cada
refeição e uma última
vez antes de dormir.
• Não esquecer de passar
o fio dental e de limpar
a língua. Você sabia
que a principal causa
do mau hálito é a não
limpeza da língua?
• Procurar comer menos doces, principalmente entre as
refeições. Se comer, lembrar de escovar os dentes logo
em seguida.
• Usar creme dental com flúor ajuda a proteger os dentes
da cárie.
• Visitar anualmente o dentista para que ele possa orientar
na prevenção de doenças, tirar suas dúvidas e tratar o que
for preciso (dor de dente, sangramento na gengiva, etc.).
Seguir essas orientações significa saúde
19
Cárie
Cárie. Afinal, o que é isso?
• É uma doença transmissível e infecciosa, formada pela placa
bacteriana, que é uma massa amarelada pegajosa que se
forma sobre os dentes e é constituída principalmente de
bactérias. Diariamente, ela deve ser removida com a escova
de dente e fio dental.
• Sabe aquele “buraco” que vemos nos dentes? É o sinal
de que a cárie já está bem desenvolvida. Aquele gosto
ruim de sangue na boca ou sangramento na gengiva
é sinal de que ela está doente.
20
Denteslimpos
Veja aqui como limpar bem os dentes
E para ter um sorriso bonito e saudável, o que é preciso?
• Primeiro, passe o fio ou fita dental entre todos os dentes
(mas devagar para não machucar a gengiva). Depois
que o fio passar pelo ponto mais apertado, leve-o até
o espaço existente entre a gengiva e o dente e pressione
o fio dental sobre ele puxando a sujeira até a ponta do
dente. Primeiro de um lado, depois do outro.
• Escove todos os lados, movimentando suavemente
a escova da gengiva até a ponta dos dentes. Faça isso em
todos os dentes superiores e inferiores, do lado de dentro
e de fora. Não se esqueça de escovar também a parte de
trás dos últimos dentes.
• Escove o lado que usamos para mastigar em um movimento
suave de vai-e-vem. Isso em todos os dentes: os de cima
e os de baixo. A escova deve alcançar até os últimos
dentes lá no fundo da boca.
21
• Por último, escove a língua, pois é muito importante, já que
ela acumula restos de alimentos e bactérias que provocam
o mau hálito. Faça movimentos cuidadosos com a escova como
se você estivesse “varrendo” a língua da parte interna até
a ponta.
Pronto, agora olhe para o espelho e sorria. Você está de parabéns!
Mas não se esqueça de dar parabéns todo dia a você...
22
Odontograma
Odontograma
Legenda:
Dente cariado
Pulpotomia/endodontia (canal tratado)
Dente restaurado (obturado)
1º molar erupcionado (Dente que já nasceu) 1
Extração indicada X
23
Observações
Observações
(Para o dentista preencher a lápis)
24
Vacinas
Colocando em dia as minhas vacinas
Como você sabe, elas nos protegem contra as doenças que
podem causar muitos problemas. Por isso é muito importante
saber quais vacinas você tomou até hoje (situação vacinal). É
possível que você as encontre na sua Caderneta da Criança.
No quadro abaixo você se informa sobre as vacinas disponíveis
nas unidades de saúde. Fique em dia com elas!
Calendário Nacional de Vacinação
Idade Vacina Doses
intervalo
Doenças evitadas
Adolescentes
(de 10 a
19 anos)
Hepatite B 3 doses (1) Hepatite B
dTpa Uma dose (2)
(gestante)
Difteria, tétano,
coqueluche
HPV 3 doses (3) Papilomavírus
humano 6, 11, 16 e 18
e câncer de colo de
útero
Febre amarela Uma dose a cada
10 anos (4)
Febre amarela
Tríplice viral 2 doses (5) Sarampo, caxumba e
rubéola
Dupla adulto Reforço a cada 10
anos
Difteria, tétano
25
Observações
(1) Se não tiver recebido esquema completo, completar esquema. A 2ª dose
deverásertomadaummêsapósa1ªdose,ea3ªdose,seismesesapósa2ªdose.
(2) (A partir de 2014) Tomar uma dose após a 20ª semana de gestação,
se não houver tomado anteriormente. Completar o esquema vacinal
com a vacina dT até 20 dias antes da data provável do parto.
Para o profissional de saúde: mesmo que a gestante tenha esquema
completo com a vacina dT, administrar uma dose de dTpa, que deve
ser considerada como reforço. Caso o período do reforço seja inferior
a 5 anos, mesmo assim, administrar uma dose da vacina.
(3) Para meninas na faixa etária de 12 a 14 anos em 2014 (ano de
introdução), de 10 a 12 anos em 2015 e 10 anos em 2016) Tomar 3
doses (0, 6 e 60 meses) conforme orientação do profissional de saúde.
Atenção: a vacina HPV só protege contra as doenças provocadas pelos
sorotipos de HPV 6, 11, 16 e 18; portanto, não se esqueça de se
proteger contra as doenças sexualmente transmissíveis!
(4) Para residentes ou viajantes que se deslocam para áreas com
recomendação de vacinação. Não esqueça que você precisa vacinar 10 dias
antes da viagem.
(5) Se você tem de 10 a 19 anos de idade e não sabe se já tomou esta
vacina, tomar duas doses com intervalo mínimo de 30 dias entre elas.
Em caso de esquema vacinal incompleto completar o esquema.
26
Registro das vacina
Hepatite B Febre amarela (uma
dose a cada dez anos)
Tríplice
viral
Dupla adult
cada d
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Vacinação
27
as do calendário
to (uma dose a
dez anos)
HPV dTpa
(gestante)
Outras
vacinas
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Data:
Lote:
Unidade:
Ass.:
Estoudiferente?
Meu corpo está diferente, o que está
acontecendo comigo?
Sentir o corpo “diferente” é normal, você está na
adolescência, um período em que acontecem mudanças no
corpo, nos sentimentos, no humor, no jeito de enxergar
a si mesma e ao mundo, enquanto aumentam as atividades
e as responsabilidades.
Portanto, é normal ocorrerem transformações com
o estirão do crescimento. Em outras palavras, o corpo
“espicha”, começando pelas mãos e os pés. Depois vem
o aumento da altura. Tudo isso faz parte do que chamamos
de puberdade, que é uma fase inicial da adolescência.
28
29
A partir de estímulos hormonais, inicia-se o surgimento do
broto mamário (seios), que é seguido pelo nascimento de pelos
na genitália (vulva) e nas axilas.
O crescimento dos pelos é lento e só diminui por volta dos 18
anos, assim como a área ao redor dos mamilos. Há um
aumento também do tamanho dos quadris, que ficam
arredondados, enquanto a cintura fica mais fina.
Também na adolescência ocorre a primeira menstruação, chamada
de menarca, um momento marcante na vida da mulher. Além
disso, é comum o aumento da transpiração e odores (cheiros),
principalmente nas axilas (o popular “CC”) e nos pés (“chulé”).
Por tudo isso, o banho diário é muito importante!
30
Espinhas
Espinhas? Calma, isso não é o fim do mundo!
Elas acontecem nessa fase e surgem pelo amadurecimento
hormonal do seu corpo e pela oleosidade da pele. Nunca as
esprema para não deixar cicatrizes.
Uma boa dica: lavar o rosto 2 a 3 vezes ao dia com
sabonete esfoliante ou neutro pode ajudar no controle da
oleosidade. Se o problema incomodar, procure um serviço
de saúde, pois existe tratamento, viu? Sem drama!
Puberdade
31
O conhecimento do próprio corpo e de como ele funciona
é imprescindível para que você entenda o que está
acontecendo e o que é normal ou não
É muito importante que você entenda que cada adolescente se
desenvolve no seu tempo, ou seja, pode haver diferença entre
você e as suas amigas.
Não se preocupe, isso é mais do que normal!
Mas se você tiver alguma dúvida, procure um profissional de
saúde, pois ele ou ela pode dar boas orientações e acabar com
suas dúvidas.
Acompanhe bem de perto seu crescimento e desenvolvimento.
As figuras da página seguinte ilustram e classificam
estágios do desenvolvimento puberal ou maturação
sexual feminina. Confira.
32
Estágios de desenvolvimento
das mamas
EstágiosdeTanner–mamas
M1 - Estágio 1
Pré-púbere
(somente elevação da papila)
M2 - Estágio 2
Broto mamário
M3 - Estágio 3
Maior aumento da mama
e da aréola, sem separação
dos seus contornos.
M4 - Estágio 4
Projeção da aréola e da papila,
com aréola saliente em relação
ao contorno da mama.
M5 - Estágio 5
Aréola volta ao contorno da
mama, saliência somente da
papila. Mama adulta.
33
EstágiosdeTanner–pelospubianos
Estágios de desenvolvimento
dos pelos pubianos
P1 - Estágio 1
Pré-púbere (ausência de pelos)
P2 - Estágio 2
Pelos longos, finos e lisos ao
longo dos grandes lábios
P3 - Estágio 3
Pelos mais escuros, mais
espessos e encaracolados
parcialmente sobre o púbis
P4 - Estágio 4
Pelos mais escuros, espessos e
encaracolados cobrindo
totalmente o púbis, sem atingir
as raízes das coxas
P5 - Estágio 5
Pelos estendendo-se até as raízes
das coxas
34
E a menstruação?
A menstruação é a eliminação cíclica (mensal) de sangue
e tecidos de dentro do útero pela vagina, a partir do
amadurecimento dos órgãos sexuais e reprodutivos.
Ela também é conhecida por nomes como “aqueles dias”,
“chico”, “regras”, entre outros.
Durante os dois primeiros anos, é normal que os ciclos
menstruais (tempo que se passa entre uma menstruação
e a próxima) sejam irregulares, podendo variar também na
duração e na quantidade de sangramento.
Menstruação
35
Nessa época, é interessante que você procure um
profissional de saúde, pois ele pode dar boas orientações
e tirar suas dúvidas.
A menstruação normal tem duração de três a sete dias,
com intervalos de 28 dias em média, podendo variar de 21
a 35 dias entre um ciclo e outro.
A quantidade de sangramento
é bastante variável
E depende de diversos fatores, como a quantidade de
hormônios, uso de algumas medicações e a presença de
doenças. Sendo assim, o ciclo menstrual normal pode
variar, mês a mês. Entretanto, quando essa irregularidade
permanece por um longo tempo, traz alguma dor,
desconforto ou grande perda de sangue. Suas causas
devem ser avaliadas por um profissional de saúde.
36
13
17
Como fazer o controle
da menstruação?
Antes de qualquer coisa, é importante que você conheça
o funcionamento de seu próprio corpo. Isso permitirá que
você cuide melhor de sua saúde e higiene.
Registre no calendário ao lado todos os seus ciclos menstruais
como parte desse autoconhecimento.
É só você anotar, a cada mês, o dia que inicia e o dia que
termina o sangramento. Por exemplo: se começou no dia
13 de janeiro e terminou no dia 17, anote no quadrado,
como no exemplo:
Você sabia?
• As cólicas são muito comuns nessa fase e, na maioria das
vezes, não significam nenhum problema. Você pode usar
compressas quentes no local da dor ou tomar um chá.
Se não passar, é bom procurar um profissional de saúde
para avaliar e orientar você sobre outros tratamentos. Não
é justo ficar sofrendo, perder aula ou outras atividades
prazerosas por causa de cólicas.
• Os absorventes devem ser trocados com frequência para
evitar incômodo, mau cheiro e outros problemas decorrentes
do uso prolongado. Procure usar o absorvente que melhor
se adapte a seu corpo e à quantidade de fluxo menstrual.
Menstruação
janfevmarabrmaijunjulagosetoutnovdez
20__
20__
20__
20__
20__
20__
20__
20__
Anote aqui seu ciclo menstrual
37
Ciclomenstrual
Ano
Mês
38
Importante
Vulva
• A vulva é a parte externa da genitália feminina, que
é composta de grandes lábios, pequenos lábios, clitóris,
orifício vaginal, orifício uretral e monte de vênus. Já a
vagina é um canal muscular elástico que vai da vulva até
o colo do útero.
• A higiene íntima ou a limpeza da genitália externa
é muito importante para sua saúde. Procure lavar a vulva
durante o banho diário e, se possível, também após
evacuar, não esquecendo de secá-la bem. Se em vez de
lavar após evacuar, você usar papel higiênico, faça-o
SEMPRE no sentido da frente para trás (da vulva para
o ânus), nunca ao contrário, evitando assim a contaminação
da vagina por germes encontrados nas fezes.
Além de tudo isso ...
• A vagina tem uma secreção normal que se modifica
de acordo com a fase do ciclo menstrual e com a idade.
• E lembre-se: uma secreção vaginal de cor clara, sem mau
cheiro, coceira ou ardor não é corrimento.
Monte de vênus
Clitóris
Vagina
Uretra
Pequenos lábios
Grandes lábios
Ânus
39
Sexualidade
Conversando sobre sexualidade...
A sexualidade é algo que desenvolvemos desde o nascimento
e faz parte da nossa vida em todos os momentos. Vivenciamos
bem a nossa sexualidade quando nos sentimos bem com nós
mesmos, com os outros e com o mundo.
Sexualidade é muito mais do que sexo. Ela envolve desejos
e práticas relacionados à satisfação, à afetividade, ao prazer,
aos sentimentos e ao exercício da liberdade. É ter prazer ao
acordar e espreguiçar-se na cama. Abrir a janela e sentir o sol
ou o vento sobre a pele. É abraçar, acariciar, beijar
carinhosamente as outras pessoas.
É na adolescência que também se inicia o interesse pelas
relações afetivas e sexuais. Por isso, é normal que os
adolescentes manipulem o próprio corpo (masturbação) em
busca de sensações prazerosas.
40
Conhecer,ficar,namorar...
Conhecer, ficar, namorar...
A adolescência é um período muito
rico em possibilidades, descobertas e
novas experiências, especialmente
quando começamos a nos interessar
afetivamente por outra pessoa.
Neste momento da vida fortalecemos
nossa identidade, ampliamos nossa
autonomia e a capacidade de fazer escolhas, tomar
decisões e assumir novas responsabilidades.
A primeira relação sexual, para ser segura e prazerosa, só
deve ocorrer a partir do momento em que você se sentir
preparada. Essa escolha é sua! Respeite seu próprio ritmo e
não se deixe levar pelas pressões dos outros.
É preciso cuidar da sua saúde física, mental e emocional e se
preparar para assumir as responsabilidades e consequências
que fazem parte da sua escolha, como conhecimentos e
recursos que possam ajudá-la a se prevenir de uma gravidez
não planejada e a se proteger de doenças, como as
sexualmente transmissíveis - DST/Aids.
Você sabe a partir de quando
pode ocorrer uma gravidez?
Nas adolescentes, a gravidez pode acontecer no período
em que ocorre a primeira menstruação (menarca). Mesmo
antes de menstruar, já existe a possibilidade de engravidar
se ocorrer alguma relação sexual desprotegida, isto é, sem
camisinha, pois existem ovulações antes da menarca.
E se acontecer uma gravidez?
Antes de mais nada, calma. Se você desconfiar que está
grávida, procure a unidade de saúde e faça o teste de gravidez.
Caso o resultado dê positivo, não demore a contar a seu
parceiro, à sua família ou um adulto de sua confiança.
É assegurado seu direito ao atendimento pré-natal, ao parto e
pós-parto para garantir sua saúde e a de seu bebê.
O aleitamento materno (amamentação do bebê) também é um
direito. No caso de estudantes, a escola, pela Lei Federal nº
6202/75, tem deveres com a adolescente grávida e no período
pós-parto, como a reposição de provas, justificativa de faltas, etc.
O apoio da família, da escola e de outras pessoas de sua
convivência é essencial para que vocês continuem estudando
e para que possam prosseguir em busca de autonomia e
independência.
41
Eseacontecer…
CONSULTÓRIO
Duplaproteção
42
O que significa dupla proteção?
Dupla proteção é quando nos protegemos tanto das
DST/Aids quanto de uma gravidez. Neste caso, devem ser
usados, ao mesmo tempo, a camisinha masculina ou a
feminina e um outro método contraceptivo.
O uso do preservativo só depende de você.
Essaéaúnicaformadegarantirsuasegurança.
Para você saber mais sobre métodos contraceptivos como a
pílula, as injeções, o DIU, o diafragma e outros, consulte um
profissional de saúde ou acesse os sites que estão no final
de sua caderneta.
43
E se a camisinha falhar, o que eu faço?
Se a camisinha furar (como dizem) ou vazar, você ainda pode
usar a contracepção de emergência para evitar a gravidez.
Ela tambem é conhecida como a “pílula do dia seguinte”.
Consiste em um comprimido que deve ser tomado
imediatamente após a relação sexual desprotegida. Esse
comprimido funciona se tomado até cinco dias após
a relação. Quanto mais cedo você tomar, maior a garantia
de dar certo. Procure a unidade de saúde mais próxima.
Mas lembramos que a contracepção de emergência
não protege contra as DST/Aids nem substitui outros
métodos.
Caso você seja vítima de uma violência
sexual, não guarde segredo.
Não tome banho e procure imediatamente um serviço de
saúde e depois uma delegacia para registrar a ocorrência.
Sexoseguro
Sexoseguro
44
1. Abra a embalagem com a mão.
Nunca com os dentes, para não
furar a camisinha.
3. Desenrole até embaixo
com muito cuidado.
5. Dê um nó. A camisinha
só pode ser usada
uma vez.
2. Coloque a camisinha quando
o pênis estiver duro, antes
de iniciar a relação sexual.
Mas antes de desenrolar
a camisinha aperte a ponta
para sair o ar.
4. Depois da transa,
tire a camisinha com
o pênis ainda duro.
6. Depois de usada
jogue no lixo.
Como usar a camisinha masculina
O uso da camisinha significa amor próprio, autocuidado,
respeito, proteção e carinho por você e pela outra pessoa.
45
Como usar a camisinha feminina
1. Verificar a data de validade e observar se o envelope está bem
fechado e seco.
2. Abrir o envelope na extremidade indicada pela seta.
3. Esfregar suavemente a camisinha para ter certeza de que seu
interior está totalmente lubrificado.
4. Colocar a camisinha feminina na vagina na posição que achar
mais confortável: deitada de costas com as pernas dobradas,
de cócoras, de pé, com uma perna apoiada em uma cadeira
ou na beira da cama, sentada com os joelhos afastados.
5. Com os dedos polegar e médio, apertar a
camisinha pela parte de fora do anel interno ou
borracha, formando um oito.
6. Com a outra mão, abrir os grandes lábios e empurrar
o anel interno da camisinha com o dedo indicador até sentir
o colo do útero.
7. Introduzir um ou dois dedos na vagina para ter certeza de que
a camisinha não ficou torcida e que o anel externo ficou do
lado de fora, cobrindo os grandes lábios.
8. Segurar o anel externo da camisinha com uma das mãos e
utilizar a outra mão para direcionar o pênis para o interior da
vagina, por dentro da camisinha, nas relações sexuais.
9. A camisinha feminina pode ser retirada imediatamente após
a retirada do pênis, ou algum tempo depois. Para retirá-la,
segurar as bordas do anel externo e dar uma leve torcida na
camisinha, para evitar que o esperma escorra, e puxá-la
delicadamente para fora da vagina.
10. Cada camisinha pode ser usada uma única vez. Depois de
usada, deve-se dar um nó na camisinha, embrulhá-la em
papel higiênico e colocá-la no lixo.
46
Projetodevida
O que é projeto de vida?
Na adolescência a gente começa a descobrir que, além de
ter belos sonhos, é preciso ter metas e assumir
o compromisso, com você mesma, de concretizá-las. Tudo
o que a gente quer pode ser conquistado dia após dia.
Um projeto de vida é isso: planejar o futuro
e colocar o plano em prática agora, no presente
Ter um projeto de vida faz a pessoa se sentir mais segura,
confiante e menos perdida na hora de fazer as escolhas que
todos temos que fazer a cada dia.
Faz pensar também em como será o mundo que vamos
ajudar a construir.
Por ser um projeto, pode sofrer alterações no meio do
caminho. E sempre é bom parar para pensar se o que foi
planejado há algum tempo ainda tem sentido hoje.
47
Por último, lembre-se:
Você também é responsável pela sua vida e, por isso
mesmo, pode participar da construção de um mundo
melhor. Um mundo sem preconceitos, sem discriminação.
Um mundo mais pacífico, mais solidário e menos violento.
Por isso, escolha bem as sementes que vão gerar os frutos que
você deseja colher.
Na última página, você vai encontrar telefones, sites para
informações via internet e um e-mail para contato que podem
orientar você e sua família a tirar dúvidas sobre os assuntos
abordados nesta caderneta.
48
AnotaçõesAnotações
49
Anotações
Anotações
Informações ÚteisInformaçõesúteis
Telefones
Denúncia de violência, abuso e exploração sexual
de crianças e adolescentes. Disque direitos humanos - SDH: 100
Ouvidoria geral do SUS: 136
Disque Saúde Mulher: 0800-61-1997
Atendimento Específico para Mulher - SPM: 180
Disque Denúncias de Trabalho Infantil - MTE: 0800-647-5566
SAMU/Ambulância: 192
Centro de Assistência Toxicológica: 0800-644-6774
EMERGÊNCIA e Polícia Militar: 190
Polícia Civil: 197
Bombeiros: 193
Viva Voz (informações sobre drogas): 0800-510-0015
Sites
www.adolescencia.org.br
www.saude.gov.br
www.juventude.gov.br
www.adolec.br
www.aids.gov.br
www.presidencia.gov.br/sedh/conanda
www. senad.gov.br
Contato
E-mail: adolescente@saude.gov.br
50
2014 Ministério da Saúde.
Esta obra é disponibilizada nos termos da
Licença Creative Commons – Atribuição – Não
Comercial – Compartilhamento pela mesma
licença 4.0 Internacional. É permitida a
reprodução parcial ou total desta obra, desde
que citada a fonte.
A coleção institucional do Ministério da Saúde
pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca
Virtual em Saúde do Ministério da Saúde:
<www.saude.gov.br/bvs>.
Tiragem: 3ª edição | 1ª reimpressão – 2014 –
2.000.000 exemplares.
Elaboração, distribuição e informações:
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Ações Programáticas
Estratégicas
Área Técnica de Saúde de Adolescente e
Jovem
Esplanada dos Ministérios Bloco G Edifício -
sede 6º andar sala 614
70058-900 Brasília/DF
Tel.: (62) 3315-2375
Fax: (61) 3315-2747
Site: www.saude.gov.br
E-mail: adolescente@saude.gov.br
Coordenação:
Thereza de Lamare Franco Netto
Equipe técnica:
Anelise Salazar Albuquerque (UnB – IP),
Cristiane Faiad de Moura (UnB – IP),
Patrícia Fagundes Caetano (UnB – IP),
Tatiana Severino de Vasconcelos (UnB – IP)
Redação e organização:
Área Técnica da Saúde da
Criança/DAPES/SAS/MS
Área Técnica da Saúde da
Mulher/DAPES/SAS/MS
Coordenação de Saúde Bucal/DAB/SAS/MS
Coordenação Geral da Política de Alimentação
e Nutrição/DAB/SAS/MS
Coordenação Nacional de Imunização/SVS/MS
Departamento de Atenção Básica DAB/SAS/MS
Programa Nacional de DST e AIDS – Unidade
de Prevenção/SVS/MS
Ana Sudária Lemos Serra
Feizi Milani
Vera Lucia de Oliveira Giancristoforo
Revisão técnica:
Giane Schwengber Cezimbra
Colaboração:
Coordenações Estaduais e Municipais de Saúde
de Adolescentes e Jovens.
Secretarias Municipais de Saúde dos Municípios
de: Cuiabá (MT), Petrópolis
(RJ), Curitiba (PR), Tabatinga (AM), Belo
Horizonte (MG), Natal (RN), Rio
Branco (AC) e Planaltina de Goiás (GO),
Marilucia Picanço (Universidade
de Brasília)
Fotos da capa:
Mila Petrillo
Ilustração:
Leo Dolfini
Normalização:
Maristela da Fonseca Oliveira/CGDI/Editora MS
Impresso no Brasil / Printed in Brazil
Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2014/0516
Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde
www.saude.gov.br/bvs
Ministério da
Saúde

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
José Alexandre Pires de Almeida
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde ReprodutivaSaúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Elos da Saúde
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Soraya Filipa
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
JP ABNT
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
Ismael Costa
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
Alinebrauna Brauna
 
Folheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaFolheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescencia
Dessa Reis
 
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
Laboratório Sérgio Franco
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
Escola Básica e Secundária de Vizela - Infias
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Estatuto do Idoso - vamos descomplicar?
Estatuto do Idoso - vamos  descomplicar?Estatuto do Idoso - vamos  descomplicar?
Estatuto do Idoso - vamos descomplicar?
Rosane Domingues
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 
Técnicas de abordagem familiar
Técnicas de abordagem familiarTécnicas de abordagem familiar
Técnicas de abordagem familiar
Leonardo Savassi
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
Pibid Biologia Cejad
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 

Mais procurados (20)

Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde ReprodutivaSaúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Folheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaFolheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescencia
 
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 
Estatuto do Idoso - vamos descomplicar?
Estatuto do Idoso - vamos  descomplicar?Estatuto do Idoso - vamos  descomplicar?
Estatuto do Idoso - vamos descomplicar?
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Técnicas de abordagem familiar
Técnicas de abordagem familiarTécnicas de abordagem familiar
Técnicas de abordagem familiar
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 

Destaque

Nesa palestra
Nesa palestraNesa palestra
Nesa palestra
ariadnemonitoria
 
Adolescente, saúde. competências e habilidades
Adolescente, saúde. competências e habilidadesAdolescente, saúde. competências e habilidades
Adolescente, saúde. competências e habilidades
Letícia Spina Tapia
 
CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescenteAula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Joelma Alves
 
Caderneta saude adolescente menino
Caderneta saude adolescente meninoCaderneta saude adolescente menino
Caderneta saude adolescente menino
Roberta Santos
 
Adolescencia na perspectiva da Saúde
Adolescencia na perspectiva da SaúdeAdolescencia na perspectiva da Saúde
Adolescencia na perspectiva da Saúde
Heloísa Ximenes
 
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidezSaúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
andressadede
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
Rodrigo Abreu
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
Roberto Nobre
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Alinebrauna Brauna
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (11)

Nesa palestra
Nesa palestraNesa palestra
Nesa palestra
 
Adolescente, saúde. competências e habilidades
Adolescente, saúde. competências e habilidadesAdolescente, saúde. competências e habilidades
Adolescente, saúde. competências e habilidades
 
CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE do ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
 
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescenteAula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
 
Caderneta saude adolescente menino
Caderneta saude adolescente meninoCaderneta saude adolescente menino
Caderneta saude adolescente menino
 
Adolescencia na perspectiva da Saúde
Adolescencia na perspectiva da SaúdeAdolescencia na perspectiva da Saúde
Adolescencia na perspectiva da Saúde
 
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidezSaúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Caderneta de saúde do adolescente

Cardeneta saude adolescente_menino
Cardeneta saude adolescente_meninoCardeneta saude adolescente_menino
Cardeneta saude adolescente_menino
Alinebrauna Brauna
 
caderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdf
caderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdfcaderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdf
caderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdf
SabrinaMello19
 
Caderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da SaúdeCaderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestreConteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
alpisveredas
 
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
ssuser4246d2
 
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLiaLiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
guest06a00c
 
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Van Der Häägen Brazil
 
Caderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimento
Caderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimentoCaderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimento
Caderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimento
ivone guedes borges
 
Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.
Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.
Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.
BrunaCorsani
 
Cuidado jovem
Cuidado jovemCuidado jovem
Cuidado jovem
kelber2
 
Toxico
ToxicoToxico
Joyce e lucimeire e ellen
Joyce e lucimeire e ellenJoyce e lucimeire e ellen
Joyce e lucimeire e ellen
Paulo Sérgio
 
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
sedepoy260
 
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptxsaude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
RaissaMarySilva1
 
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do séculoGestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
karolyne26
 
Cuidaddo com idoso
Cuidaddo com idosoCuidaddo com idoso
Cuidaddo com idoso
Carla Pires
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idosos
gcmrs
 
Livro b
Livro bLivro b
Livro b
PESES
 

Semelhante a Caderneta de saúde do adolescente (20)

Cardeneta saude adolescente_menino
Cardeneta saude adolescente_meninoCardeneta saude adolescente_menino
Cardeneta saude adolescente_menino
 
caderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdf
caderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdfcaderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdf
caderneta_saude_adolescente_menino_2018.pdf
 
Caderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da SaúdeCaderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde do Adolescente - Ministério da Saúde
 
Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde da Adolescente - Ministério da Saúde
 
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestreConteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
Conteúdo de Ciências Bimestral - 4º bimestre
 
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
 
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLiaLiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
 
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
 
Caderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimento
Caderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimentoCaderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimento
Caderneta saude idosa da pessoa idosa - manual de preenchimento
 
Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.
Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.
Saúde na terceira idade, conceitos e fatores.
 
Cuidado jovem
Cuidado jovemCuidado jovem
Cuidado jovem
 
Toxico
ToxicoToxico
Toxico
 
Joyce e lucimeire e ellen
Joyce e lucimeire e ellenJoyce e lucimeire e ellen
Joyce e lucimeire e ellen
 
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
 
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptxsaude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
 
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do séculoGestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
 
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
 
Cuidaddo com idoso
Cuidaddo com idosoCuidaddo com idoso
Cuidaddo com idoso
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idosos
 
Livro b
Livro bLivro b
Livro b
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Letícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Letícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Letícia Spina Tapia
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
Letícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
Letícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Letícia Spina Tapia
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
Letícia Spina Tapia
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
Letícia Spina Tapia
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
Letícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Letícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
Letícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Letícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
Letícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Letícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Letícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Letícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
Letícia Spina Tapia
 
Cartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de MedicaçãoCartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de Medicação
Letícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Cartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de MedicaçãoCartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de Medicação
 

Último

Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 

Último (7)

Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 

Caderneta de saúde do adolescente

  • 1. MINISTÉRIO DA SAÚDE 3ª edição 1ª reimpressão Brasília – DF 2014
  • 2. 2 Sumário Sumário Adolescência Responsabilidade Essa sou eu!!! Falando sobre... ECA Direitos... Dicas de saúde Alimentação saudável Estatura Meu desenvolvimento Comer, falar, beijar, sorrir... Cárie Dentes limpos Odontograma Vacinas Imunização Estou diferente? Espinhas Puberdade Estágios de Tanner - mamas Estágios de Tanner - pelos pubianos Menstruação Ciclo menstrual Importante Sexualidade Conhecer, ficar, namorar... E se acontecer... Dupla proteção Sexo seguro Projeto de vida Informações úteis 4 5 6 7 8 9 10 13 14 15 18 19 20 22 24 26 28 30 31 32 33 34 37 38 39 40 41 42 43 46 50
  • 3. Dados Pessoais (Preencha com letra legível) Nome: ___________________________ __________________________________ Data de nascimento: ____ /____ /____ RG: ______________________________ CPF: _____________________________ Foto 3x4 3 Dadospessoais O preenchimento dos campos abaixo deve ser a lápis, para ser alterado, sempre que necessário. Endereço: ________________________________________________ __________________________________________________________ Município: _______________________________________________ Estado: ________________________ CEP: ____________________ Telefones: ________________________________________________ E-mail: ___________________________________________________ Nome e telefone do ou da responsável: _________________________ ___________________________________________________________ Nome da unidade de saúde que frequenta: _________________ __________________________________________________________ Esta Caderneta de Saúde da Adolescente é continuidade da atenção integral à saúde iniciada na infância.
  • 4. 4 Adolescência Adolescência: Um importante momento da vida Por isso é preciso cuidar da saúde para que ela fique ainda melhor. Se você tem entre 10 e 19 anos de idade, está vivendo um tempo rico em descobertas e mudanças: a adolescência. Para curtir a vida e desenvolver todas as suas capacidades, você vai precisar de muita saúde. Lembre-se, aprender a cuidar de seu próprio bem-estar físico, emocional, psicológico, espiritual e social é um dos desafios mais importantes para uma vida saudável.
  • 5. 5 Esta caderneta de saúde foi feita para apoiar você nesse processo de autodescoberta e autocuidado. Ela ajudará você a acompanhar as transformações que ocorrem em seu corpo, a se informar sobre os seus direitos como adolescente. E não é só isso! Ela traz também dicas de como evitar doenças e fala sobre os cuidados que você precisa ter com seu corpo. Isso não é legal?! Você sabia que a responsabilidade por sua própria saúde é uma conquista gradativa? Sim, ela vai acontecendo aos poucos e depende do apoio que os seus responsáveis – sua família, a escola, os profissionais de saúde e a sociedade – lhe fornecem, mas não se esqueça de que você é a principal responsável pela sua saúde e esse é o primeiro passo para o exercício da sua cidadania. Toda vez que qualquer profissional de saúde a atender, mostre sua caderneta para que ele ou ela possa anotar as principais informações. Por exemplo, as vacinas recebidas na adolescência, o seu peso e a sua altura e outros dados fundamentais para acompanhar seu crescimento e desenvolvimento. Esta caderneta de saúde é um documento útil que vai ajudá-la a conhecer um pouco mais sobre seu corpo e a cuidar melhor de si própria. Responsabilidade
  • 6. Essasoueu!!! 6 Essa sou eu!!! (Preencha a lápis e o que não souber pergunte a seus pais ou seu responsável) O que mais gosto de fazer é _______________________________ Meu esporte preferido é ___________________________________ Tenho alergia a __________________________________________ Meu tipo de sangue é _________________ Rh ________________ Doenças crônicas que apresento (ex.: diabetes, febre reumática, etc.) ________________________________________________________ Medicamentos que preciso usar sempre ______________________ ________________________________________________________ Já fiquei internada em hospitais porque ______________________ ________________________________________________________ Já fui operada (de que e quando?) __________________________ ________________________________________________________ Acidentes e/ou violências que já me aconteceram (quais e quando?) ________________________________________________________ ________________________________________________________ Faço reabilitação para me recuperar de trauma ou acidente (que tipo?) ________________________________________________________ ________________________________________________________ Tenho alguma deficiência (qual?) ___________________________ ________________________________________________________ Outros acontecimentos importantes sobre minha saúde: ________________________________________________________ __________________________________________________
  • 7. 7 Falando sobre meus direitos... Além da Constituição Brasileira, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é uma lei muito importante no nosso país. Estar por dentro das leis brasileiras, respeitá-las e praticá-las é uma forma legal de você exercer a cidadania. Para esse estatuto, adolescente é a pessoa que tem entre 12 e 18 anos de idade. Porém, os serviços de saúde consideram a adolescência a faixa etária entre 10 e 19 anos, pois, a partir dos 10 anos, iniciam-se várias transformações no seu corpo, no seu crescimento, na sua vida emocional, social e nas suas relações afetivas. Falandosobre...
  • 8. 8 Eca Para que serve o ECA? Você vai saber agora. Fique por dentro dos seus direitos Os governos (federal, estadual e municipal), a sociedade, a comunidade e a família têm a responsabilidade de garantir a você direito à vida e à saúde. Ter saúde também é estar na escola, alimentar-se bem, ter amigos, brincar, divertir-se, fazer alguma atividade física, enfim, ser feliz! Todo adolescente tem o direito de ser atendido na rede de saúde, como nos postos de saúde, nos ambulatórios, nas equipes de saúde da família e nos hospitais que fazem parte do SUS - Sistema Único de Saúde. O ECAreconhecequetodasascriançaseadolescentestêmdireitoàproteçãointegralparaquepossamsedesenvolver física,mental,moral,espiritual esocialmenteemcondiçõesdeliberdade,segurançaedignidade.Elegaranteprioridadeàsnecessidadeseaosdireitosdecriançaseadolescentes.
  • 9. 9 Direitos... Nas consultas, você tem direito de ser atendida sozinha, caso você queira, independentemente da presença de seus pais ou responsáveis. E tem mais: as informações dadas durante suas consultas serão mantidas em sigilo e só poderão ser reveladas se você concordar ou sempre que houver danos a sua saúde ou a terceiros. Mas e no caso de uma internação? Em caso de internação em um hospital, uma pessoa (pai/mãe ou responsável) pode ficar com você o tempo todo. Você sabia que violência faz mal à saúde? A violência é um problema que tem afetado a vida de muitos jovens. Violência pode ser física, sexual e psicológica. Se você estiver vivenciando uma situação de violência, procure um adulto ou profissional de sua confiança para ajudá-la. O preconceito contra as diferenças também é violência!
  • 10. 10 Dicasdesaúde Dicas para ficar de bem com a saúde • Procure manter uma alimentação saudável. • Beber água várias vezes ao dia também é essencial para o bom funcionamento do corpo. • Movimentar-se, não ficar muitas horas em frente à TV ou computador. • Procurar praticar as atividades físicas que você mais gosta. Evitar nadar sozinha e em lugares perigosos. • Se proteger do sol nos horários mais quentes. Para isso existem os filtros solares. • Lembre-se de que soltar pipas (papagaio, arraia ou pandorga) pode ser perigoso. Jamais use cerol e utilize sempre material seguro para sua proteção e proteção das outras pessoas. • Tenha muito cuidado com os fogos de artifício, pois podem queimar você e outras pessoas gravemente.
  • 11. 11 • Tomar banho diariamente também é muito importante para o cuidado com o corpo, além de fazer bem à aparência. • Cuide bem dos pés, das unhas e dos cabelos. Mantenha-os sempre limpos e saudáveis. • Nunca empreste ou tome emprestado de ninguém a escova de dentes, roupas íntimas ou de banho. • O sono é muito importante. Procure dormir bem pelo menos oito horas por dia. • Procure manter sua vacinação em dia de acordo com o calendário de vacinação do adolescente.
  • 12. 12 Dicasdesaúde • Não pegue carona com quem consumiu bebida alcoólica. • Evite tomar medicamento sem orientação médica. • Sentimento de tristeza faz parte da vida, a gente sabe, mas se ele demorar muito a passar, procure um adulto de confiança para uma boa conversa ou um profissional de saúde. • Evite o cigarro, bebidas alcoólicas e outras drogas. Eles são prejudiciais a sua saúde física, mental e podem acabar com seus projetos para o futuro.
  • 13. 13 Alimentaçãosaudável Alguns passos para uma alimentação saudável... 1º. Para manter, perder ou ganhar peso procure a orientação de um profissional de saúde. 2º. É legal comer 5 ou 6 vezes ao dia: no café da manhã, no almoço e no jantar, além de fazer lanches saudáveis nos intervalos dessas refeições. 3º. Tente comer menos salgadinhos de pacote, refrigerantes, biscoitos recheados, lanches industrializados, alimentos de preparo instantâneo, doces, sorvetes e frituras. 4º. Procure comer, sempre que puder, frutas, verduras e legumes. 5º. Faz bem comer feijão, arroz, massas, tomar leite e/ou derivados todos os dias. 6º. Escolha sempre alimentos saudáveis nos lanches da escola e nos momentos de lazer.
  • 15. 15 Meudesenvolvimento Sou assim!!! A tabela abaixo serve para o profissional de saúde registrar sua estatura (altura), peso, Índice de Massa Corporal (IMC), estágio de maturação sexual (Tanner) e pressão arterial. Tire suas dúvidas com um profissional de saúde. Cálculo do IMC = Peso (em KG) Estatura2 (em Metro) Data Idade Estatura Peso IMC Maturação Sexual Pressão Arterial
  • 16. 16 Estatura por idade Dos 10 aos 19 anos (escores-z) Fonte: WHO Child Growth Standards, 2007 (http://www.who.int/growthref/en/)
  • 17. 17 IMC por idade Dos 10 aos 19 anos (escores-z) Fonte: WHO Child Growth Standards, 2007 (http://www.who.int/growthref/en/)
  • 18. 18 Comer,falar,beijar,sorrir... Nós usamos a boca o tempo todo, certo? Para comer, falar, beijar e sorrir. E para ter um sorriso bonito e saudável, o que é preciso? • Escovar bem os dentes todos os dias, após cada refeição e uma última vez antes de dormir. • Não esquecer de passar o fio dental e de limpar a língua. Você sabia que a principal causa do mau hálito é a não limpeza da língua? • Procurar comer menos doces, principalmente entre as refeições. Se comer, lembrar de escovar os dentes logo em seguida. • Usar creme dental com flúor ajuda a proteger os dentes da cárie. • Visitar anualmente o dentista para que ele possa orientar na prevenção de doenças, tirar suas dúvidas e tratar o que for preciso (dor de dente, sangramento na gengiva, etc.). Seguir essas orientações significa saúde
  • 19. 19 Cárie Cárie. Afinal, o que é isso? • É uma doença transmissível e infecciosa, formada pela placa bacteriana, que é uma massa amarelada pegajosa que se forma sobre os dentes e é constituída principalmente de bactérias. Diariamente, ela deve ser removida com a escova de dente e fio dental. • Sabe aquele “buraco” que vemos nos dentes? É o sinal de que a cárie já está bem desenvolvida. Aquele gosto ruim de sangue na boca ou sangramento na gengiva é sinal de que ela está doente.
  • 20. 20 Denteslimpos Veja aqui como limpar bem os dentes E para ter um sorriso bonito e saudável, o que é preciso? • Primeiro, passe o fio ou fita dental entre todos os dentes (mas devagar para não machucar a gengiva). Depois que o fio passar pelo ponto mais apertado, leve-o até o espaço existente entre a gengiva e o dente e pressione o fio dental sobre ele puxando a sujeira até a ponta do dente. Primeiro de um lado, depois do outro. • Escove todos os lados, movimentando suavemente a escova da gengiva até a ponta dos dentes. Faça isso em todos os dentes superiores e inferiores, do lado de dentro e de fora. Não se esqueça de escovar também a parte de trás dos últimos dentes. • Escove o lado que usamos para mastigar em um movimento suave de vai-e-vem. Isso em todos os dentes: os de cima e os de baixo. A escova deve alcançar até os últimos dentes lá no fundo da boca.
  • 21. 21 • Por último, escove a língua, pois é muito importante, já que ela acumula restos de alimentos e bactérias que provocam o mau hálito. Faça movimentos cuidadosos com a escova como se você estivesse “varrendo” a língua da parte interna até a ponta. Pronto, agora olhe para o espelho e sorria. Você está de parabéns! Mas não se esqueça de dar parabéns todo dia a você...
  • 22. 22 Odontograma Odontograma Legenda: Dente cariado Pulpotomia/endodontia (canal tratado) Dente restaurado (obturado) 1º molar erupcionado (Dente que já nasceu) 1 Extração indicada X
  • 24. 24 Vacinas Colocando em dia as minhas vacinas Como você sabe, elas nos protegem contra as doenças que podem causar muitos problemas. Por isso é muito importante saber quais vacinas você tomou até hoje (situação vacinal). É possível que você as encontre na sua Caderneta da Criança. No quadro abaixo você se informa sobre as vacinas disponíveis nas unidades de saúde. Fique em dia com elas! Calendário Nacional de Vacinação Idade Vacina Doses intervalo Doenças evitadas Adolescentes (de 10 a 19 anos) Hepatite B 3 doses (1) Hepatite B dTpa Uma dose (2) (gestante) Difteria, tétano, coqueluche HPV 3 doses (3) Papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 e câncer de colo de útero Febre amarela Uma dose a cada 10 anos (4) Febre amarela Tríplice viral 2 doses (5) Sarampo, caxumba e rubéola Dupla adulto Reforço a cada 10 anos Difteria, tétano
  • 25. 25 Observações (1) Se não tiver recebido esquema completo, completar esquema. A 2ª dose deverásertomadaummêsapósa1ªdose,ea3ªdose,seismesesapósa2ªdose. (2) (A partir de 2014) Tomar uma dose após a 20ª semana de gestação, se não houver tomado anteriormente. Completar o esquema vacinal com a vacina dT até 20 dias antes da data provável do parto. Para o profissional de saúde: mesmo que a gestante tenha esquema completo com a vacina dT, administrar uma dose de dTpa, que deve ser considerada como reforço. Caso o período do reforço seja inferior a 5 anos, mesmo assim, administrar uma dose da vacina. (3) Para meninas na faixa etária de 12 a 14 anos em 2014 (ano de introdução), de 10 a 12 anos em 2015 e 10 anos em 2016) Tomar 3 doses (0, 6 e 60 meses) conforme orientação do profissional de saúde. Atenção: a vacina HPV só protege contra as doenças provocadas pelos sorotipos de HPV 6, 11, 16 e 18; portanto, não se esqueça de se proteger contra as doenças sexualmente transmissíveis! (4) Para residentes ou viajantes que se deslocam para áreas com recomendação de vacinação. Não esqueça que você precisa vacinar 10 dias antes da viagem. (5) Se você tem de 10 a 19 anos de idade e não sabe se já tomou esta vacina, tomar duas doses com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. Em caso de esquema vacinal incompleto completar o esquema.
  • 26. 26 Registro das vacina Hepatite B Febre amarela (uma dose a cada dez anos) Tríplice viral Dupla adult cada d Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Vacinação
  • 27. 27 as do calendário to (uma dose a dez anos) HPV dTpa (gestante) Outras vacinas Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.: Data: Lote: Unidade: Ass.:
  • 28. Estoudiferente? Meu corpo está diferente, o que está acontecendo comigo? Sentir o corpo “diferente” é normal, você está na adolescência, um período em que acontecem mudanças no corpo, nos sentimentos, no humor, no jeito de enxergar a si mesma e ao mundo, enquanto aumentam as atividades e as responsabilidades. Portanto, é normal ocorrerem transformações com o estirão do crescimento. Em outras palavras, o corpo “espicha”, começando pelas mãos e os pés. Depois vem o aumento da altura. Tudo isso faz parte do que chamamos de puberdade, que é uma fase inicial da adolescência. 28
  • 29. 29 A partir de estímulos hormonais, inicia-se o surgimento do broto mamário (seios), que é seguido pelo nascimento de pelos na genitália (vulva) e nas axilas. O crescimento dos pelos é lento e só diminui por volta dos 18 anos, assim como a área ao redor dos mamilos. Há um aumento também do tamanho dos quadris, que ficam arredondados, enquanto a cintura fica mais fina. Também na adolescência ocorre a primeira menstruação, chamada de menarca, um momento marcante na vida da mulher. Além disso, é comum o aumento da transpiração e odores (cheiros), principalmente nas axilas (o popular “CC”) e nos pés (“chulé”). Por tudo isso, o banho diário é muito importante!
  • 30. 30 Espinhas Espinhas? Calma, isso não é o fim do mundo! Elas acontecem nessa fase e surgem pelo amadurecimento hormonal do seu corpo e pela oleosidade da pele. Nunca as esprema para não deixar cicatrizes. Uma boa dica: lavar o rosto 2 a 3 vezes ao dia com sabonete esfoliante ou neutro pode ajudar no controle da oleosidade. Se o problema incomodar, procure um serviço de saúde, pois existe tratamento, viu? Sem drama!
  • 31. Puberdade 31 O conhecimento do próprio corpo e de como ele funciona é imprescindível para que você entenda o que está acontecendo e o que é normal ou não É muito importante que você entenda que cada adolescente se desenvolve no seu tempo, ou seja, pode haver diferença entre você e as suas amigas. Não se preocupe, isso é mais do que normal! Mas se você tiver alguma dúvida, procure um profissional de saúde, pois ele ou ela pode dar boas orientações e acabar com suas dúvidas. Acompanhe bem de perto seu crescimento e desenvolvimento. As figuras da página seguinte ilustram e classificam estágios do desenvolvimento puberal ou maturação sexual feminina. Confira.
  • 32. 32 Estágios de desenvolvimento das mamas EstágiosdeTanner–mamas M1 - Estágio 1 Pré-púbere (somente elevação da papila) M2 - Estágio 2 Broto mamário M3 - Estágio 3 Maior aumento da mama e da aréola, sem separação dos seus contornos. M4 - Estágio 4 Projeção da aréola e da papila, com aréola saliente em relação ao contorno da mama. M5 - Estágio 5 Aréola volta ao contorno da mama, saliência somente da papila. Mama adulta.
  • 33. 33 EstágiosdeTanner–pelospubianos Estágios de desenvolvimento dos pelos pubianos P1 - Estágio 1 Pré-púbere (ausência de pelos) P2 - Estágio 2 Pelos longos, finos e lisos ao longo dos grandes lábios P3 - Estágio 3 Pelos mais escuros, mais espessos e encaracolados parcialmente sobre o púbis P4 - Estágio 4 Pelos mais escuros, espessos e encaracolados cobrindo totalmente o púbis, sem atingir as raízes das coxas P5 - Estágio 5 Pelos estendendo-se até as raízes das coxas
  • 34. 34 E a menstruação? A menstruação é a eliminação cíclica (mensal) de sangue e tecidos de dentro do útero pela vagina, a partir do amadurecimento dos órgãos sexuais e reprodutivos. Ela também é conhecida por nomes como “aqueles dias”, “chico”, “regras”, entre outros. Durante os dois primeiros anos, é normal que os ciclos menstruais (tempo que se passa entre uma menstruação e a próxima) sejam irregulares, podendo variar também na duração e na quantidade de sangramento. Menstruação
  • 35. 35 Nessa época, é interessante que você procure um profissional de saúde, pois ele pode dar boas orientações e tirar suas dúvidas. A menstruação normal tem duração de três a sete dias, com intervalos de 28 dias em média, podendo variar de 21 a 35 dias entre um ciclo e outro. A quantidade de sangramento é bastante variável E depende de diversos fatores, como a quantidade de hormônios, uso de algumas medicações e a presença de doenças. Sendo assim, o ciclo menstrual normal pode variar, mês a mês. Entretanto, quando essa irregularidade permanece por um longo tempo, traz alguma dor, desconforto ou grande perda de sangue. Suas causas devem ser avaliadas por um profissional de saúde.
  • 36. 36 13 17 Como fazer o controle da menstruação? Antes de qualquer coisa, é importante que você conheça o funcionamento de seu próprio corpo. Isso permitirá que você cuide melhor de sua saúde e higiene. Registre no calendário ao lado todos os seus ciclos menstruais como parte desse autoconhecimento. É só você anotar, a cada mês, o dia que inicia e o dia que termina o sangramento. Por exemplo: se começou no dia 13 de janeiro e terminou no dia 17, anote no quadrado, como no exemplo: Você sabia? • As cólicas são muito comuns nessa fase e, na maioria das vezes, não significam nenhum problema. Você pode usar compressas quentes no local da dor ou tomar um chá. Se não passar, é bom procurar um profissional de saúde para avaliar e orientar você sobre outros tratamentos. Não é justo ficar sofrendo, perder aula ou outras atividades prazerosas por causa de cólicas. • Os absorventes devem ser trocados com frequência para evitar incômodo, mau cheiro e outros problemas decorrentes do uso prolongado. Procure usar o absorvente que melhor se adapte a seu corpo e à quantidade de fluxo menstrual. Menstruação
  • 38. 38 Importante Vulva • A vulva é a parte externa da genitália feminina, que é composta de grandes lábios, pequenos lábios, clitóris, orifício vaginal, orifício uretral e monte de vênus. Já a vagina é um canal muscular elástico que vai da vulva até o colo do útero. • A higiene íntima ou a limpeza da genitália externa é muito importante para sua saúde. Procure lavar a vulva durante o banho diário e, se possível, também após evacuar, não esquecendo de secá-la bem. Se em vez de lavar após evacuar, você usar papel higiênico, faça-o SEMPRE no sentido da frente para trás (da vulva para o ânus), nunca ao contrário, evitando assim a contaminação da vagina por germes encontrados nas fezes. Além de tudo isso ... • A vagina tem uma secreção normal que se modifica de acordo com a fase do ciclo menstrual e com a idade. • E lembre-se: uma secreção vaginal de cor clara, sem mau cheiro, coceira ou ardor não é corrimento. Monte de vênus Clitóris Vagina Uretra Pequenos lábios Grandes lábios Ânus
  • 39. 39 Sexualidade Conversando sobre sexualidade... A sexualidade é algo que desenvolvemos desde o nascimento e faz parte da nossa vida em todos os momentos. Vivenciamos bem a nossa sexualidade quando nos sentimos bem com nós mesmos, com os outros e com o mundo. Sexualidade é muito mais do que sexo. Ela envolve desejos e práticas relacionados à satisfação, à afetividade, ao prazer, aos sentimentos e ao exercício da liberdade. É ter prazer ao acordar e espreguiçar-se na cama. Abrir a janela e sentir o sol ou o vento sobre a pele. É abraçar, acariciar, beijar carinhosamente as outras pessoas. É na adolescência que também se inicia o interesse pelas relações afetivas e sexuais. Por isso, é normal que os adolescentes manipulem o próprio corpo (masturbação) em busca de sensações prazerosas.
  • 40. 40 Conhecer,ficar,namorar... Conhecer, ficar, namorar... A adolescência é um período muito rico em possibilidades, descobertas e novas experiências, especialmente quando começamos a nos interessar afetivamente por outra pessoa. Neste momento da vida fortalecemos nossa identidade, ampliamos nossa autonomia e a capacidade de fazer escolhas, tomar decisões e assumir novas responsabilidades. A primeira relação sexual, para ser segura e prazerosa, só deve ocorrer a partir do momento em que você se sentir preparada. Essa escolha é sua! Respeite seu próprio ritmo e não se deixe levar pelas pressões dos outros. É preciso cuidar da sua saúde física, mental e emocional e se preparar para assumir as responsabilidades e consequências que fazem parte da sua escolha, como conhecimentos e recursos que possam ajudá-la a se prevenir de uma gravidez não planejada e a se proteger de doenças, como as sexualmente transmissíveis - DST/Aids. Você sabe a partir de quando pode ocorrer uma gravidez? Nas adolescentes, a gravidez pode acontecer no período em que ocorre a primeira menstruação (menarca). Mesmo antes de menstruar, já existe a possibilidade de engravidar se ocorrer alguma relação sexual desprotegida, isto é, sem camisinha, pois existem ovulações antes da menarca.
  • 41. E se acontecer uma gravidez? Antes de mais nada, calma. Se você desconfiar que está grávida, procure a unidade de saúde e faça o teste de gravidez. Caso o resultado dê positivo, não demore a contar a seu parceiro, à sua família ou um adulto de sua confiança. É assegurado seu direito ao atendimento pré-natal, ao parto e pós-parto para garantir sua saúde e a de seu bebê. O aleitamento materno (amamentação do bebê) também é um direito. No caso de estudantes, a escola, pela Lei Federal nº 6202/75, tem deveres com a adolescente grávida e no período pós-parto, como a reposição de provas, justificativa de faltas, etc. O apoio da família, da escola e de outras pessoas de sua convivência é essencial para que vocês continuem estudando e para que possam prosseguir em busca de autonomia e independência. 41 Eseacontecer… CONSULTÓRIO
  • 42. Duplaproteção 42 O que significa dupla proteção? Dupla proteção é quando nos protegemos tanto das DST/Aids quanto de uma gravidez. Neste caso, devem ser usados, ao mesmo tempo, a camisinha masculina ou a feminina e um outro método contraceptivo. O uso do preservativo só depende de você. Essaéaúnicaformadegarantirsuasegurança. Para você saber mais sobre métodos contraceptivos como a pílula, as injeções, o DIU, o diafragma e outros, consulte um profissional de saúde ou acesse os sites que estão no final de sua caderneta.
  • 43. 43 E se a camisinha falhar, o que eu faço? Se a camisinha furar (como dizem) ou vazar, você ainda pode usar a contracepção de emergência para evitar a gravidez. Ela tambem é conhecida como a “pílula do dia seguinte”. Consiste em um comprimido que deve ser tomado imediatamente após a relação sexual desprotegida. Esse comprimido funciona se tomado até cinco dias após a relação. Quanto mais cedo você tomar, maior a garantia de dar certo. Procure a unidade de saúde mais próxima. Mas lembramos que a contracepção de emergência não protege contra as DST/Aids nem substitui outros métodos. Caso você seja vítima de uma violência sexual, não guarde segredo. Não tome banho e procure imediatamente um serviço de saúde e depois uma delegacia para registrar a ocorrência. Sexoseguro
  • 44. Sexoseguro 44 1. Abra a embalagem com a mão. Nunca com os dentes, para não furar a camisinha. 3. Desenrole até embaixo com muito cuidado. 5. Dê um nó. A camisinha só pode ser usada uma vez. 2. Coloque a camisinha quando o pênis estiver duro, antes de iniciar a relação sexual. Mas antes de desenrolar a camisinha aperte a ponta para sair o ar. 4. Depois da transa, tire a camisinha com o pênis ainda duro. 6. Depois de usada jogue no lixo. Como usar a camisinha masculina O uso da camisinha significa amor próprio, autocuidado, respeito, proteção e carinho por você e pela outra pessoa.
  • 45. 45 Como usar a camisinha feminina 1. Verificar a data de validade e observar se o envelope está bem fechado e seco. 2. Abrir o envelope na extremidade indicada pela seta. 3. Esfregar suavemente a camisinha para ter certeza de que seu interior está totalmente lubrificado. 4. Colocar a camisinha feminina na vagina na posição que achar mais confortável: deitada de costas com as pernas dobradas, de cócoras, de pé, com uma perna apoiada em uma cadeira ou na beira da cama, sentada com os joelhos afastados. 5. Com os dedos polegar e médio, apertar a camisinha pela parte de fora do anel interno ou borracha, formando um oito. 6. Com a outra mão, abrir os grandes lábios e empurrar o anel interno da camisinha com o dedo indicador até sentir o colo do útero. 7. Introduzir um ou dois dedos na vagina para ter certeza de que a camisinha não ficou torcida e que o anel externo ficou do lado de fora, cobrindo os grandes lábios. 8. Segurar o anel externo da camisinha com uma das mãos e utilizar a outra mão para direcionar o pênis para o interior da vagina, por dentro da camisinha, nas relações sexuais. 9. A camisinha feminina pode ser retirada imediatamente após a retirada do pênis, ou algum tempo depois. Para retirá-la, segurar as bordas do anel externo e dar uma leve torcida na camisinha, para evitar que o esperma escorra, e puxá-la delicadamente para fora da vagina. 10. Cada camisinha pode ser usada uma única vez. Depois de usada, deve-se dar um nó na camisinha, embrulhá-la em papel higiênico e colocá-la no lixo.
  • 46. 46 Projetodevida O que é projeto de vida? Na adolescência a gente começa a descobrir que, além de ter belos sonhos, é preciso ter metas e assumir o compromisso, com você mesma, de concretizá-las. Tudo o que a gente quer pode ser conquistado dia após dia. Um projeto de vida é isso: planejar o futuro e colocar o plano em prática agora, no presente Ter um projeto de vida faz a pessoa se sentir mais segura, confiante e menos perdida na hora de fazer as escolhas que todos temos que fazer a cada dia. Faz pensar também em como será o mundo que vamos ajudar a construir. Por ser um projeto, pode sofrer alterações no meio do caminho. E sempre é bom parar para pensar se o que foi planejado há algum tempo ainda tem sentido hoje.
  • 47. 47 Por último, lembre-se: Você também é responsável pela sua vida e, por isso mesmo, pode participar da construção de um mundo melhor. Um mundo sem preconceitos, sem discriminação. Um mundo mais pacífico, mais solidário e menos violento. Por isso, escolha bem as sementes que vão gerar os frutos que você deseja colher. Na última página, você vai encontrar telefones, sites para informações via internet e um e-mail para contato que podem orientar você e sua família a tirar dúvidas sobre os assuntos abordados nesta caderneta.
  • 50. Informações ÚteisInformaçõesúteis Telefones Denúncia de violência, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Disque direitos humanos - SDH: 100 Ouvidoria geral do SUS: 136 Disque Saúde Mulher: 0800-61-1997 Atendimento Específico para Mulher - SPM: 180 Disque Denúncias de Trabalho Infantil - MTE: 0800-647-5566 SAMU/Ambulância: 192 Centro de Assistência Toxicológica: 0800-644-6774 EMERGÊNCIA e Polícia Militar: 190 Polícia Civil: 197 Bombeiros: 193 Viva Voz (informações sobre drogas): 0800-510-0015 Sites www.adolescencia.org.br www.saude.gov.br www.juventude.gov.br www.adolec.br www.aids.gov.br www.presidencia.gov.br/sedh/conanda www. senad.gov.br Contato E-mail: adolescente@saude.gov.br 50
  • 51. 2014 Ministério da Saúde. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição – Não Comercial – Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: <www.saude.gov.br/bvs>. Tiragem: 3ª edição | 1ª reimpressão – 2014 – 2.000.000 exemplares. Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde de Adolescente e Jovem Esplanada dos Ministérios Bloco G Edifício - sede 6º andar sala 614 70058-900 Brasília/DF Tel.: (62) 3315-2375 Fax: (61) 3315-2747 Site: www.saude.gov.br E-mail: adolescente@saude.gov.br Coordenação: Thereza de Lamare Franco Netto Equipe técnica: Anelise Salazar Albuquerque (UnB – IP), Cristiane Faiad de Moura (UnB – IP), Patrícia Fagundes Caetano (UnB – IP), Tatiana Severino de Vasconcelos (UnB – IP) Redação e organização: Área Técnica da Saúde da Criança/DAPES/SAS/MS Área Técnica da Saúde da Mulher/DAPES/SAS/MS Coordenação de Saúde Bucal/DAB/SAS/MS Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Coordenação Nacional de Imunização/SVS/MS Departamento de Atenção Básica DAB/SAS/MS Programa Nacional de DST e AIDS – Unidade de Prevenção/SVS/MS Ana Sudária Lemos Serra Feizi Milani Vera Lucia de Oliveira Giancristoforo Revisão técnica: Giane Schwengber Cezimbra Colaboração: Coordenações Estaduais e Municipais de Saúde de Adolescentes e Jovens. Secretarias Municipais de Saúde dos Municípios de: Cuiabá (MT), Petrópolis (RJ), Curitiba (PR), Tabatinga (AM), Belo Horizonte (MG), Natal (RN), Rio Branco (AC) e Planaltina de Goiás (GO), Marilucia Picanço (Universidade de Brasília) Fotos da capa: Mila Petrillo Ilustração: Leo Dolfini Normalização: Maristela da Fonseca Oliveira/CGDI/Editora MS Impresso no Brasil / Printed in Brazil Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2014/0516
  • 52. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Ministério da Saúde