SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
SAÚDE DO ADOLESCENTE
Sexualidade
A sexualidade no ser humano atravessa um longo
desenvolvimento e tem início na adolescência.
Cada pessoa tem seu
desenvolvimento.
No menino a puberdade se
inicia com a primeira
ejaculação ou polução e com
as transformações que começam
a ocorrer no corpo.
Nas meninas, os seios começam a se desenvolver
e diversas outras características físicas.
OUTRAS CARACTERÍSTICAS
 Estirão – nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas
meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce.
 Menarca – nome da primeira menstruação. O corpo da
menina, que já havia ganhado volume, passa a ganhar
contornos femininos.
 Semenarca – primeira ejaculação no menino e
desenvolvimento dos testículos. Nos meninos a puberdade
começa mais tarde, por volta dos 13 anos.
 Estrogênio – hormônio feminino é ele que causa várias
alterações de comportamento podendo dificultar seus
relacionamentos.
 Testosterona – hormônio masculino e surge de forma
marcante, por volta dos 13 anos. A bolsa escrotal desceu
totalmente e a testosterona é produzida em grande
quantidade.
MASTURBAÇÃO
Na adolescência dos meninos é um acontecimento
muito marcante, que geralmente começa antes da
puberdade. É uma atividade importante porque
proporciona um autoconhecimento do corpo e das
suas sensações e emoções.
Os adolescentes podem sentir-se culpados com a
prática da masturbação, pois em nossa cultura ela
está associada a pecado, sujeira e outros mitos.
Quando chega a adolescência o rapaz fica com a
atenção voltada, sobretudo, para seus genitais, muitas
vezes tem ereção que ele próprio não controla.
MUDANÇAS HORMONAIS
“ O relógio biológico dispara anunciando que está na
hora da criança começar sua longa jornada em
direção ao mundo adulto. Nas meninas, entre 9 e 10
anos. Nos meninos, entre 11 e 12. É uma viagem
programada pela natureza, que se vale de um
poderoso instrumento para agir: os hormônios.”
(Içami Tiba, 1994)
PRAZER SEXUAL
Muitas vezes descobrem pelo acaso, outras vezes são
voluntárias e começam a experimentar novas sensações
físicas que ainda não conheciam.
Nas meninas, ocorre principalmente friccionando o
clitóris para chegar ao orgasmo.
Nos meninos ocorre atrás da excitação sexual.
PRIMEIRA RELAÇÃO SEXUAL
Nesta fase, dificilmente a primeira vez pode ser
considerada uma relação sexual, já que ele pouco se
interessa pelo que o outro sente ou deixa de sentir. O
jovem estabelece uma relação apenas com os genitais.
Iniciam-se as experiências do ficar, onde começam a
vivenciar novas descobertas de sensações físicas e
emocionais.
“Em relação aos rapazes, nesta fase pode acontecer
seu primeiro contato sexual que pode ser uma
prostituta ou qualquer outra mulher. Embora seu
interesse maior esteja voltado ao seu próprio
desempenho, não vai perder a oportunidade de
examinar a mulher ao vivo” (Içami Tiba, 1994).
Em relação às meninas, geralmente acontece de
forma diferente. Elas no início da vivência sexual não
se interessam tanto pela pornografia como acontece
com os meninos.
Nesta fase os adolescentes por sua impulsividade
e imaturidade, necessitam de orientação sexual
não apenas na escola, como também da família,
principalmente na prevenção de infecções
sexualmente transmissíveis (IST’s).
É importante alertar os filhos sobre as IST’s,
procurando não cometer o erro de associar sexo a
doenças, causando traumas emocionais que
futuramente poderão ocasionar disfunções sexuais
na vida adulta, comprometendo o emocional e a
afetividade.
A camisinha é a principal aliada na prevenção de
IST’s, portanto os jovens necessitam ter consciência
da sua importância e treinar para se adaptar ao uso
da mesma.
COMO USAR A CAMISINHA
Masculina Feminina
A outra questão importante no uso da camisinha
é na prevenção do assunto a seguir...
SAÚDE DO ADOLESCENTE
Gravidez na
adolescência
Denomina-se gravidez na adolescência a gestação
ocorrida em jovens de até 21 anos que encontram-se,
portanto, em pleno desenvolvimento dessa fase da vida –
a adolescência. Esse tipo de gravidez em geral não foi
planejada nem desejada e acontece em meio a
relacionamentos sem estabilidade. No Brasil os números
são alarmantes.
A gravidez precoce não é um problema exclusivo das
meninas. Não se pode esquecer que, embora os rapazes
não possuam as condições biológicas necessárias para
engravidar, um filho não é concebido
por uma única pessoa. E se é à menina,
que cabe a difícil missão de carregar no
ventre, o filho, durante toda a gestação,
de enfrentar as dificuldades e dores do
parto e de amamentar o rebento após o
nascimento, o rapaz não pode se eximir
de sua parcela de responsabilidade. Por isso, quando uma
adolescente engravida, não é apenas a sua vida que sofre
mudanças. O pai, assim como as famílias de ambos
também passam pelo difícil processo de adaptação a uma
situação imprevista e inesperada.
 Liberação sexual
 Falta de limite e responsabilidade
 Afastamento dos membros da família e a
desestruturação familiar
 Desinformação e a fragilidade da educação sexual
 Dificuldade dos pais para falar sobre o assunto
Diante dessa realidade o número
de pais e mães adolescentes
cresce a cada dia.
FATORES QUE FAVORECEM
ABORTO
Os primeiros problemas podem aparecer ainda no início
da gravidez e vão desde o risco de aborto espontâneo –
ocasionado por desinformação e ausência de
acompanhamento médico – até o risco de vida –
resultado de atitudes desesperadas e irresponsáveis,
como a ingestão de medicamentos abortivos.
O aborto além de ser um crime,
em nosso país, é uma das principais
causas de morte de gestantes.
Por ser uma prática criminosa não há
serviços especializados, o que obriga
as mulheres que optam por essa
estratégia a se submeterem a serviços
precários, verdadeiros matadouros de
seres humanos, colocando em risco a própria vida.
COMO EVITAR – MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
 Camisinha
É o mais seguro, chegando a oferecer 90% de segurança
em relação a gravidez. Previne também todo tipo de IST.
Além disso, pode ser utilizada tanto pelo parceiro
(camisinha masculina) quanto pela parceira (camisinha
feminina). Outra vantagem
é que sua aquisição é fácil. Tanto
pode ser adquirida gratuitamente
nos postos de saúde como
comprada a um preço módico
em supermercados e farmácias.
COMO EVITAR – MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
 Pílulas anticoncepcionais
Um dos mais populares e mais usados pelas meninas. O
acesso também é muito fácil, embora isso seja errado,
pois maioria das farmácias não pede receita médica no ato
da compra e muitas mulheres fazem uso desse
medicamento sem orientação
médica. O uso de qualquer
medicamento por iniciativa
própria é arriscado à saúde.
As pílulas costumam provocar
efeitos colaterais como aumento ou redução de peso,
dores de cabeça, náuseas, tonturas, entre outros.
COMO EVITAR – MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
 Diafragma
É outro método ideal que cai bem com o espermicida.
Aliás, ele só funciona assim. É um objeto côncavo,
arredondado e de bordas, feito de borracha flexível.
Para utilizá-lo é necessário aplicar-lhe o espermicida e
em seguida inseri-lo no canal vaginal. Ele funciona
como uma barreira de proteção do útero.
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Thiago de Almeida
 
Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade nandavcs
 
Sexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na AdolescênciaSexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na AdolescênciaPedui
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIAJose Camara
 
Tudo sobre Sexualidade
Tudo sobre SexualidadeTudo sobre Sexualidade
Tudo sobre SexualidadeAna Luzia
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaSoraya Filipa
 
Gravidez Na AdolescêNcia
Gravidez Na AdolescêNciaGravidez Na AdolescêNcia
Gravidez Na AdolescêNciaMarlui Oliveira
 
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaBianca Trajanoski
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivosAulas Biologia
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemMárcia Cafeland
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescenciateresaebia
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaRaí Salazar
 
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)Carlos Priante
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesPibid Biologia Cejad
 
Sexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestraSexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestraJosy Farias
 

Mais procurados (20)

Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
 
Slides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescenciaSlides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescencia
 
Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade
 
Sexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na AdolescênciaSexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na Adolescência
 
Cartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIA
Cartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIACartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIA
Cartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIA
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
 
Tudo sobre Sexualidade
Tudo sobre SexualidadeTudo sobre Sexualidade
Tudo sobre Sexualidade
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
Gravidez Na AdolescêNcia
Gravidez Na AdolescêNciaGravidez Na AdolescêNcia
Gravidez Na AdolescêNcia
 
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e Aprendizagem
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescencia
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
OrientaçãO Sexual
OrientaçãO SexualOrientaçãO Sexual
OrientaçãO Sexual
 
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis)
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Sexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestraSexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestra
 

Semelhante a Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez

A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaLilia Braga
 
gravidez na adolescência
gravidez na adolescênciagravidez na adolescência
gravidez na adolescênciaRafaelage
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Pelo Siro
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes nosomos8A
 
Educação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividadeEducação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividadeAlfredo Figueiredo
 
Gravides na adolecencia
Gravides na adolecenciaGravides na adolecencia
Gravides na adolecenciayamviana
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstAna Beatriz Cargnin
 

Semelhante a Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez (20)

A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
 
gravidez na adolescência
gravidez na adolescênciagravidez na adolescência
gravidez na adolescência
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Namoro na adolescencia
Namoro na adolescenciaNamoro na adolescencia
Namoro na adolescencia
 
Trab. Geo
Trab. GeoTrab. Geo
Trab. Geo
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Evitando a gravidez indesejada imprimir
Evitando a gravidez indesejada imprimirEvitando a gravidez indesejada imprimir
Evitando a gravidez indesejada imprimir
 
Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes
 
Educação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividadeEducação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividade
 
Gravides na adolecencia
Gravides na adolecenciaGravides na adolecencia
Gravides na adolecencia
 
Caderno duvidas jozieli
Caderno duvidas jozieliCaderno duvidas jozieli
Caderno duvidas jozieli
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 

Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez

  • 2. A sexualidade no ser humano atravessa um longo desenvolvimento e tem início na adolescência. Cada pessoa tem seu desenvolvimento. No menino a puberdade se inicia com a primeira ejaculação ou polução e com as transformações que começam a ocorrer no corpo. Nas meninas, os seios começam a se desenvolver e diversas outras características físicas.
  • 3. OUTRAS CARACTERÍSTICAS  Estirão – nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce.  Menarca – nome da primeira menstruação. O corpo da menina, que já havia ganhado volume, passa a ganhar contornos femininos.  Semenarca – primeira ejaculação no menino e desenvolvimento dos testículos. Nos meninos a puberdade começa mais tarde, por volta dos 13 anos.  Estrogênio – hormônio feminino é ele que causa várias alterações de comportamento podendo dificultar seus relacionamentos.  Testosterona – hormônio masculino e surge de forma marcante, por volta dos 13 anos. A bolsa escrotal desceu totalmente e a testosterona é produzida em grande quantidade.
  • 4. MASTURBAÇÃO Na adolescência dos meninos é um acontecimento muito marcante, que geralmente começa antes da puberdade. É uma atividade importante porque proporciona um autoconhecimento do corpo e das suas sensações e emoções. Os adolescentes podem sentir-se culpados com a prática da masturbação, pois em nossa cultura ela está associada a pecado, sujeira e outros mitos. Quando chega a adolescência o rapaz fica com a atenção voltada, sobretudo, para seus genitais, muitas vezes tem ereção que ele próprio não controla.
  • 5. MUDANÇAS HORMONAIS “ O relógio biológico dispara anunciando que está na hora da criança começar sua longa jornada em direção ao mundo adulto. Nas meninas, entre 9 e 10 anos. Nos meninos, entre 11 e 12. É uma viagem programada pela natureza, que se vale de um poderoso instrumento para agir: os hormônios.” (Içami Tiba, 1994)
  • 6. PRAZER SEXUAL Muitas vezes descobrem pelo acaso, outras vezes são voluntárias e começam a experimentar novas sensações físicas que ainda não conheciam. Nas meninas, ocorre principalmente friccionando o clitóris para chegar ao orgasmo. Nos meninos ocorre atrás da excitação sexual.
  • 7. PRIMEIRA RELAÇÃO SEXUAL Nesta fase, dificilmente a primeira vez pode ser considerada uma relação sexual, já que ele pouco se interessa pelo que o outro sente ou deixa de sentir. O jovem estabelece uma relação apenas com os genitais.
  • 8. Iniciam-se as experiências do ficar, onde começam a vivenciar novas descobertas de sensações físicas e emocionais. “Em relação aos rapazes, nesta fase pode acontecer seu primeiro contato sexual que pode ser uma prostituta ou qualquer outra mulher. Embora seu interesse maior esteja voltado ao seu próprio desempenho, não vai perder a oportunidade de examinar a mulher ao vivo” (Içami Tiba, 1994). Em relação às meninas, geralmente acontece de forma diferente. Elas no início da vivência sexual não se interessam tanto pela pornografia como acontece com os meninos.
  • 9. Nesta fase os adolescentes por sua impulsividade e imaturidade, necessitam de orientação sexual não apenas na escola, como também da família, principalmente na prevenção de infecções sexualmente transmissíveis (IST’s). É importante alertar os filhos sobre as IST’s, procurando não cometer o erro de associar sexo a doenças, causando traumas emocionais que futuramente poderão ocasionar disfunções sexuais na vida adulta, comprometendo o emocional e a afetividade.
  • 10. A camisinha é a principal aliada na prevenção de IST’s, portanto os jovens necessitam ter consciência da sua importância e treinar para se adaptar ao uso da mesma.
  • 11. COMO USAR A CAMISINHA Masculina Feminina
  • 12. A outra questão importante no uso da camisinha é na prevenção do assunto a seguir...
  • 13. SAÚDE DO ADOLESCENTE Gravidez na adolescência
  • 14. Denomina-se gravidez na adolescência a gestação ocorrida em jovens de até 21 anos que encontram-se, portanto, em pleno desenvolvimento dessa fase da vida – a adolescência. Esse tipo de gravidez em geral não foi planejada nem desejada e acontece em meio a relacionamentos sem estabilidade. No Brasil os números são alarmantes.
  • 15. A gravidez precoce não é um problema exclusivo das meninas. Não se pode esquecer que, embora os rapazes não possuam as condições biológicas necessárias para engravidar, um filho não é concebido por uma única pessoa. E se é à menina, que cabe a difícil missão de carregar no ventre, o filho, durante toda a gestação, de enfrentar as dificuldades e dores do parto e de amamentar o rebento após o nascimento, o rapaz não pode se eximir de sua parcela de responsabilidade. Por isso, quando uma adolescente engravida, não é apenas a sua vida que sofre mudanças. O pai, assim como as famílias de ambos também passam pelo difícil processo de adaptação a uma situação imprevista e inesperada.
  • 16.  Liberação sexual  Falta de limite e responsabilidade  Afastamento dos membros da família e a desestruturação familiar  Desinformação e a fragilidade da educação sexual  Dificuldade dos pais para falar sobre o assunto Diante dessa realidade o número de pais e mães adolescentes cresce a cada dia. FATORES QUE FAVORECEM
  • 17. ABORTO Os primeiros problemas podem aparecer ainda no início da gravidez e vão desde o risco de aborto espontâneo – ocasionado por desinformação e ausência de acompanhamento médico – até o risco de vida – resultado de atitudes desesperadas e irresponsáveis, como a ingestão de medicamentos abortivos. O aborto além de ser um crime, em nosso país, é uma das principais causas de morte de gestantes. Por ser uma prática criminosa não há serviços especializados, o que obriga as mulheres que optam por essa estratégia a se submeterem a serviços precários, verdadeiros matadouros de seres humanos, colocando em risco a própria vida.
  • 18. COMO EVITAR – MÉTODOS CONTRACEPTIVOS  Camisinha É o mais seguro, chegando a oferecer 90% de segurança em relação a gravidez. Previne também todo tipo de IST. Além disso, pode ser utilizada tanto pelo parceiro (camisinha masculina) quanto pela parceira (camisinha feminina). Outra vantagem é que sua aquisição é fácil. Tanto pode ser adquirida gratuitamente nos postos de saúde como comprada a um preço módico em supermercados e farmácias.
  • 19. COMO EVITAR – MÉTODOS CONTRACEPTIVOS  Pílulas anticoncepcionais Um dos mais populares e mais usados pelas meninas. O acesso também é muito fácil, embora isso seja errado, pois maioria das farmácias não pede receita médica no ato da compra e muitas mulheres fazem uso desse medicamento sem orientação médica. O uso de qualquer medicamento por iniciativa própria é arriscado à saúde. As pílulas costumam provocar efeitos colaterais como aumento ou redução de peso, dores de cabeça, náuseas, tonturas, entre outros.
  • 20. COMO EVITAR – MÉTODOS CONTRACEPTIVOS  Diafragma É outro método ideal que cai bem com o espermicida. Aliás, ele só funciona assim. É um objeto côncavo, arredondado e de bordas, feito de borracha flexível. Para utilizá-lo é necessário aplicar-lhe o espermicida e em seguida inseri-lo no canal vaginal. Ele funciona como uma barreira de proteção do útero.