SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
NUTRIÇÃO ENTERAL
DOMICILIAR
MANUAL DO USUÁRIO
Como preparar e administrar
a dieta por sonda
NUTRIÇÃO ENTERAL
DOMICILIAR
MANUAL DO USUÁRIO
Como preparar e administrar
a dieta por sonda
UNICAMP
FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS
BIBLIOTECA
Ficha catalográfica elaborada por
Rosana Evangelista Poderoso
CRB8/6652
Universidade Estadual de Campinas
Hospital de Clínicas da Unicamp
N959 Nutrição enteral domiciliar : manual do usuário : como
preparar e administrar a dieta por sonda /
Universidade Estadual de Campinas. Hospital de
Clínicas da UNICAMP. Elisabeth Dreyer, Salete
Brito, Miriam Rizziolli Santos e Luciane Cristina
Rosim Sundfeld Giordano. - 2.ed. rev. Campinas,
SP : Hospital de Clínicas da UNICAMP, 2011.
33 p.
1. Nutrição enteral. 2. Nutrição enteral –
utilização. 3. Educação de pacientes. 4.
Cuidadores - educação. I. Universidade Estadual
de Campinas. Hospital de Clínicas da UNICAMP.
II. Dreyer, Elisabeth. III. Brito, Salete. IV. Santos,
Miriam Rizziolli. V. Giodarno, Luciane Cristina
Rosim Sundfeld.
CDD. 615.854
Universidade Estadual de Campinas
Hospital de Clínicas
Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional - EMTN
Divisão de Nutrição e Dietética - DND
Serviço de Enfermagem Ambulatórios e Procedimentos Especializados - SEAMPE
Serviço de Enfermagem Médico-Cirúrgica - SEMC
AUTORES
Elisabeth Dreyer
Enfermeira da EMTN
Salete Brito
Nutricionista da DND e EMTN
Miriam Rizziolli Santos
Enfermeira do SEAMPE
Luciane Cristina Rosim Sundfeld Giordano
Nutricionista da DND e EMTN
COLABORADORES
Heloísa Morelli
Rosana de Fátima Gomes Huarachi
Eloysa Marques Fernandes Pivetti
Enfermeiras do SEAMP e do SEMC
ILUSTRAÇÕES
Sérgio Luís Simionato
Edição original: Outubro de 2004
2a
edição revisada – Novembro de 2011
Este manual pertence a:
Nome: ..............................................................................................
Recebeu orientação sobre os cuidados com a nutrição enteral,
Data: ........................................ Data: ......................................
Nutricionista: ............................. Enfermeiro: ............................
CRN: ........................................ COREN: ................................
Em caso de necessidade entrar em contato com: ...........................
Serviço: ...........................................................................................
Endereço: .......................................................................................
.........................................................................................................
Tel: …………………………………………………….…………………
INDICE
APRESENTAÇÃO ................................................................................5
1. O que é nutrição enteral?...............................................................5
2. Como é colocada a sonda nasoenteral?......................................8
3. O que fazer em caso de problema com a sonda?.......................8
4. Como observar se a sonda nasoenteral saiu da posição?.........9
5. Como evitar a saída da sonda? ....................................................9
6. Como evitar a obstrução da sonda?...........................................10
7. Quais os cuidados com a gastrostomia e a jejunostomia?.........10
8. Que tipo de dieta deve ser passado pela sonda? .....................13
9. Como preparar a dieta enteral? ..................................................13
10. Como administrar a dieta?...........................................................15
11. Posso passar outros líquidos pela sonda?.................................19
12. O que devo fazer se uma dieta não foi passada no horário
recomendado? .............................................................................20
13. Como administrar medicamentos pela sonda?..........................20
14. O que fazer em caso de diarreia?...............................................21
15. Cuidados gerais............................................................................21
16. Quando devo procurar a equipe de saúde responsável?.........22
Ficha de Acompanhamento ...............................................................23
Observações .......................................................................................24
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
5
APRESENTAÇÃO
Este manual tem por objetivo informar a você que faz uso de
nutrição enteral, bem como a seus familiares, os cuidados
necessários para o sucesso desta terapia. Com este manual,
você receberá a prescrição dietética para o preparo da dieta
enteral e uma carta de apresentação para a unidade básica de
saúde ou outro serviço que poderá atendê-lo em caso de
problemas com a sonda. Este manual foi elaborado para
adultos; orientações especiais são necessárias no caso de
criança recebendo nutrição enteral.
Solicitamos que você traga sempre este manual para suas
consultas com a equipe de saúde.
1 – O QUE É NUTRIÇÃO ENTERAL?
Quando a alimentação pela boca é impossível ou insuficiente,
as necessidades nutricionais podem ser satisfeitas por meio
da nutrição enteral. Neste caso, um tubo fino, macio e flexível,
chamado sonda nasoenteral pode ser passado, pelo nariz, até
o estômago (figura 1) ou até o intestino delgado (figura 2).
Em alguns casos, é preferível utilizar uma gastrostomia, que
consiste numa sonda colocada no estômago pelo cirurgião,
através da parede abdominal (figura 3), ou uma jejunostomia,
colocada da mesma forma no intestino (figura 4).
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
6
Figura 1: Sonda no estômago
Figura 2: Sonda no intestino
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
7
Figura 3: Gastrostomia
Figura 4: Jejunostomia
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
8
Os alimentos são administrados diretamente no estômago ou
no intestino por uma destas sondas. A dieta fornecida por
sonda é chamada dieta enteral e é planejada para fornecer
todos os nutrientes normalmente ingeridos pela boca e que
são essenciais à recuperação e à manutenção da sua saúde.
Portanto, esta terapia lhe proporcionará uma melhor
qualidade de vida!
2 - COMO É COLOCADA A SONDA NASOENTERAL?
A sonda é passada por um enfermeiro ou um médico, com um
guia metálico flexível. Este guia deverá ser guardado para ser
utilizado novamente, caso seja necessário repassar a sonda.
O procedimento é simples, indolor, podendo causar uma
discreta náusea ou um desconforto na garganta ou nariz. O
tempo de utilização da mesma sonda é indeterminado, ficando
a troca a critério do enfermeiro.
3 - O QUE FAZER EM CASO DE PROBLEMA COM A SONDA?
Em caso de obstrução (entupimento), rachadura, furo, perda
ou saída parcial da sonda, você deverá procurar a Unidade
Básica de Saúde (Posto de Saúde) ou outro serviço que lhe for
indicado, levando a sonda, lavada com água e sabão, e seu
guia metálico, para que o enfermeiro verifique se podem ser
reaproveitados.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
9
4 - COMO OBSERVAR SE A SONDA SAIU DA POSIÇÃO?
Solicite que o enfermeiro verifique com você a posição correta
da sonda. Meça o comprimento da parte externa com uma fita
métrica. Assim, você poderá verificar sempre se a sonda
continua na mesma posição. Se houver aumento de mais de
cinco centímetros do comprimento da parte externa, a sonda
pode ter saído do estômago ou do intestino.
5 – COMO EVITAR A SAÍDA DA SONDA NASOENTERAL?
Figura 5: Fixação da sonda
ATENÇÃO!
Para os homens, cuidado ao se
barbear, para não cortar a
sonda quando fixada na
bochecha.
A sonda deve ser fixada à pele com uma fita adesiva
hipoalergênica ou esparadrapo, para evitar que seja retirada
acidentalmente ou que se desloque para fora do estômago ou
intestino. Esta fixação deve ser trocada quando estiver suja ou
solta.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
10
 Retire a fixação antiga,
 Limpe o nariz com água e sabão,
 Seque bem, sem friccionar,
 Fixe a sonda conforme a ilustração (figura 5), sem passar
na frente dos olhos ou da boca.
A sonda não deve ficar dobrada nem puxar a narina. Em caso
de vermelhidão ou machucado na pele, fixar a sonda em outro
local.
6 - COMO EVITAR A OBSTRUÇÃO DA SONDA?
Por ser muito fina, a sonda pode entupir-se facilmente,
impossibilitando a administração da dieta enteral. Para evitar
este problema,
 Injetar pela sonda, com uma seringa, 40 ml de água
filtrada, fervida e fria, antes e após a administração da
dieta ou de medicamento,
 Observar os cuidados com a administração de
medicamentos (página 20),
 Em caso de obstrução, injetar lentamente 20 ml de água
filtrada, fervida e morna. Atenção: a sonda pode se
romper caso a pressão para injetar a água for muito forte.
7 - QUAIS OS CUIDADOS COM A GASTROSTOMIA E A JEJUNOSTOMIA?
Você deve receber orientação específica, de acordo com o
tipo de sonda de gastrostomia ou jejunostomia que foi
colocada. A seguir são descritos os cuidados mais
importantes, comuns a todos os tipos de sonda.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
11
Cuidados com a pele
O local da gastrostomia ou da jejunostomia deve permanecer
limpo e seco. Normalmente, a higienização é feita diariamente
com água e sabão neutro.
Quando a sonda possui um disco (figura 6), utilizar cotonetes
para limpar a pele por baixo deste. Este disco não deve
pressionar a pele. Lavar também a parte externa da sonda.
Enxaguar bem com água limpa e secar sem friccionar. Se
ocorrer pequeno vazamento, limpar com água e secar bem a
pele, sem friccionar. Em caso de vazamento importante,
ferida, irritação ou vermelhidão da pele, procurar a equipe de
saúde.
Figura 6: Sonda de gastrostomia
com disco e balonete
Manutenção da sonda de gastrostomia ou jejunostomia
É importante evitar trações e saídas acidentais da sonda de
gastrostomia ou jejunostomia. A maioria das sondas de
gastrostomia possui um pequeno balonete inflado com água
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
12
para evitar a saída da sonda (figura 6). As sondas que não têm
disco externo ou pontos de sutura podem migrar para dentro,
levadas pelo movimento do tubo digestivo.
Evitar a aplicação de adesivos perto do orifício da
gastrostomia ou da jejunostomia, para não provocar irritação
da pele. A sonda pode ser presa com uma presilha a uma faixa
ou a uma rede tubular abdominal.
Em caso de deslocamento ou saída da sonda, vazamento
importante ao redor da mesma, dor no momento da
administração da dieta, interromper a infusão e procurar
rapidamente um serviço de saúde para reposicionar ou trocar
a sonda de gastrostomia. Se o orifício da gastrostomia
permanecer sem a sonda por mais de 2 a 3 horas, ele pode
fechar espontaneamente.
Em caso de gastrostomia recente, não se deve tentar repassar
a sonda em casa, pois o canal da gastrostomia ainda não está
formado e podem acontecer complicações sérias como a
inflamação ou infecção da cavidade abdominal (peritonite). O
prazo para que o canal esteja formado depende do tipo de
procedimento utilizado para realizar a gastrostomia.
Os cuidados para evitar a obstrução são os mesmos que para
a sonda nasoenteral (Item 6). O prazo de troca da sonda de
gastrostomia depende do tipo de sonda e fica a critério do
médico ou enfermeiro.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
13
8 - QUE TIPO DE DIETA DEVE SER PASSADO PELA SONDA?
Existem dois tipos de dieta enteral.
Dieta caseira ou artesanal
É uma dieta que você prepara na sua casa com alimentos em
sua forma natural (leite, mel, açúcar, óleo vegetal, caldo de
carne, farinhas, ovo, etc.) e que deve ser liquidificada e coada.
É necessária uma adequada combinação de alimentos para
que a dieta esteja completa e equilibrada. Portanto, siga a
receita fornecida e orientada pelo nutricionista. Com este tipo
de dieta, você deverá utilizar um polivitamínico, de acordo com
a prescrição do nutricionista ou médico.
Dieta industrializada
É uma dieta pronta, balanceada, possuindo todos os nutrientes
necessários. Pode ser apresentada sob a forma de pó, que
deverá ser liquidificado com água, ou sob a forma líquida,
pronta para ser administrada.
O nutricionista indicará a dieta mais adequada à sua situação.
9 - COMO PREPARAR A DIETA ENTERAL?
ATENÇÃO! Higiene é fundamental no preparo da dieta.
Se você utilizar a dieta caseira ou artesanal:
• Preparar apenas a quantidade que será utilizada no dia;
• O local de preparo deve estar limpo;
• Lavar bem as mãos com água e sabão;
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
14
• Separar todos os ingredientes e materiais que serão
utilizados para o preparo da dieta;
• Verificar se os ingredientes estão dentro do prazo de
validade e se as embalagens não estão danificadas;
• Lavar, com água corrente e detergente, todos os utensílios
que serão utilizados no preparo da dieta e, após, passar
água fervente;
• Lavar as embalagens dos ingredientes antes de abri-las;
• Medir corretamente os ingredientes, de acordo com a
orientação nutricional entregue pelo nutricionista;
• Bater todos os ingredientes em liquidificador, com água
filtrada e fervida fria;
• Coar em peneira limpa;
• Conservar a dieta na geladeira em recipiente tampado, de
preferência vidro ou louça;
• Retirar da geladeira apenas o volume a ser administrado, 15
a 30 minutos antes do horário da administração;
• Não aquecer a dieta.
Utilizar a dieta apenas no dia do preparo. Sobras devem ser
desprezadas.
Se você utilizar a dieta industrializada em pó:
• Verificar se a embalagem está dentro do prazo de validade e
se não está danificada;
• Lavar a embalagem com água e sabão antes de abri-la;
• Utilizar a quantidade de dieta em pó prescrita pelo
nutricionista;
• Utilizar a quantidade de água filtrada, fervida e fria
recomendada;
• Bater bem a dieta em pó com a água, no liquidificador;
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
15
• Preparar apenas a quantidade que será utilizada
imediatamente;
• Seguir as recomendações da embalagem sobre o tempo de
validade e conservação.
Se você utilizar a dieta industrializada líquida:
• Verificar, no rótulo, se está dentro do prazo de validade;
• Verificar se a embalagem não está danificada;
• Lavar bem a embalagem com água e sabão;
• Agitar bem antes de abrir;
• Medir a quantidade prescrita pelo nutricionista em cada
horário.
• As embalagens fechadas devem ser conservadas em local
limpo e seco;
• As embalagens do tipo longa vida abertas devem ser
guardadas em geladeira e utilizadas nas 24 horas após a
abertura.
10 - COMO ADMINISTRAR A DIETA?
A administração pode ser feita com uma seringa ou com um
equipo conectado a uma bolsa ou um frasco próprio para este
uso, de acordo com a orientação do nutricionista, enfermeiro ou
médico.
ATENÇÃO! Não passar a dieta se a sonda não estiver na
posição correta (ver no item 4).
• Reunir todo o material sobre uma mesa ou bandeja limpa;
• Lavar as mãos.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
16
ATENÇÃO! Permanecer sentado ou deitado com as costas
elevadas durante a administração da dieta e por mais trinta
minutos após o final da infusão.
Este cuidado evitará que haja regurgitação, vômitos ou
aspiração da dieta para os pulmões.
Administração com seringa (figura 7)
Material:
• Uma seringa de 60 ou 20 ml;
• Um frasco com a quantidade de dieta a ser administrada no
horário, em temperatura ambiente;
• Um frasco com água filtrada e fervida, em temperatura
ambiente.
Administração:
• Aspirar 20 ml de água com a seringa e injetar na sonda para
limpá-la internamente;
• Encher a seringa com a dieta, tirar a tampinha que fecha a
sonda, conectar a seringa à sonda, injetar lentamente;
• Repetir a operação até o término da dieta;
• Limpar novamente a sonda injetando 20 ml a 40 ml de água;
• Tampar a sonda com a tampinha da mesma;
• Lavar, com água e sabão ou detergente, a seringa e os
recipientes utilizados; após, passar água fervente;
• Secar e guardar a seringa num recipiente fechado, dentro da
geladeira.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
17
Figura 7: Administração com seringa
Administração com equipo (figura 8)
Material:
• Um frasco (ou bolsa) apropriado para a dieta, com a
quantidade a ser administrada no horário, em temperatura
ambiente;
• Um copo com água filtrada e fervida, em temperatura
ambiente;
• Um equipo para nutrição enteral ou um equipo de soro sem
filtro;
• Um suporte de soro ou um gancho, para pendurar o frasco
(aproximadamente 30 cm acima da cabeça);
• Uma seringa de 60 ou 20 ml.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
18
Figura 8: Administração com o equipo e funcionamento da roleta.
Administração:
• Conectar o equipo ao frasco, pendurar o frasco no gancho,
abrir a pinça ou roleta para encher o equipo de dieta e, em
seguida, fechar a roleta (figura 7);
• Aspirar 20 ml de água com a seringa e injetar na sonda para
limpá-la internamente;
• Conectar o equipo à sonda, abrir a pinça ou roleta,
regulando o gotejamento; a dieta deverá pingar gota a gota;
a administração do frasco levará de 45 minutos a duas
horas;
• Ao término da dieta, injetar na sonda, com a seringa, 20 a 40
ml de água;
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
19
• Tampar a sonda com a tampinha da mesma;
• Lavar o frasco e o equipo com água e detergente, secar e
guardar num recipiente fechado, de preferência na
geladeira.
Higienização do frasco, do equipo e da seringa
O equipo, a seringa e o frasco devem ser mantidos limpos e
sem resíduos de dieta. Eles podem ser utilizados enquanto
estiverem limpos, sem resíduos, sem rachaduras. O êmbolo de
seringa deve deslizar bem, o equipo deve permanecer flexível e
transparente. Caso haja sinais de deterioração, devem ser
desprezados.
Para lavar a seringa, retirar o êmbolo (a parte interna da
seringa) e a membrana preta que cobre a ponta deste. Lavar
todas as peças, com água e detergente, enxaguar bem, secar,
montar e guardar em recipiente limpo.
11 - POSSO PASSAR OUTROS LÍQUIDOS PELA SONDA?
Não deverá ser passado nada pela sonda sem a autorização do
nutricionista. Seguir as orientações quanto ao volume de água
para hidratação, chá ou suco sem açúcar, que deve ser
administrado no intervalo entre as dietas, com seringa ou num
frasco com equipo, com os mesmos cuidados que a dieta.
Utilizar sempre água filtrada e fervida, na temperatura
ambiente. Evitar chá preto, chá mate, chá verde, vermelho ou
branco, que contêm cafeína.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
20
12 - O QUE DEVO FAZER SE UMA DIETA NÃO FOI PASSADA NO
HORÁRIO RECOMENDADO?
É fundamental que você receba todas as suas dietas. No
entanto, há ocasiões em que você não toma ou atrasa sua
alimentação. Não tente compensar uma dieta perdida,
dobrando o volume da próxima dieta, pois isto poderá causar
mal-estar gástrico, vômitos ou diarreia.
Administrar a dieta no final do dia, mantendo o mesmo espaço
de tempo. Por exemplo, se as dietas forem às 8, 11, 14, 17 e 20
horas e você não tomou a dieta das 17 horas, tome as últimas
dietas às 18 e 21 horas ou às 19 e 22 horas, ou sempre que
possível, respeitando os intervalos entre um horário e outro,
bem como o prazo de validade da dieta após o preparo.
13 – COMO ADMINISTRAR MEDICAMENTOS PELA SONDA?
Se o médico prescreveu medicamentos a serem administrados
pela sonda, proceder da seguinte maneira.
• Medicamentos líquidos: aspirar o volume prescrito de cada
medicamento com a seringa e injetar pela sonda.
• Comprimidos e drágeas: amassar cada medicamento
separadamente, triturar e dissolver em água; aspirar com a
seringa e injetar pela sonda.
• Cápsulas: abrir a cápsula, diluir o conteúdo em água filtrada
e injetar pela sonda.
• Cápsulas gelatinosas: furar a cápsula, aspirar o conteúdo
com uma seringa, diluir em água e injetar pela sonda.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
21
Antes de administrar os medicamentos e ao final, lavar a sonda
com 40 ml de água. Não misturar medicamentos diferentes.
Injetar 5 ml de água após cada medicação, para evitar que se
misturem na sonda, podendo entupir a mesma.
ATENÇÃO! Existem medicamentos que não devem ser
administrados pela sonda. Verifique com seu médico!
14 - O QUE FAZER EM CASO DE DIARREIA?
Se apresentar diarreia (fezes líquidas três vezes ou mais por
dia), administrar somente a metade da dieta naquele dia e
infundir água ou chá sem açúcar. Se não melhorar no dia
seguinte, procurar a equipe responsável. Para evitar a diarreia,
seguir os cuidados recomendados no preparo, conservação e
administração da dieta.
15 – CUIDADOS GERAIS
Desde que se sinta disposto, você não deve restringir suas
atividades e amizades. Atividades físicas, como caminhar, são
muito importantes para sua saúde e bem estar.
Alguns cuidados de higiene devem ser mantidos ou reforçados:
higiene bucal e escovação dos dentes, higiene nasal, cuidados
com a pele. Pesar-se semanalmente pela manhã, na mesma
balança, com a mesma quantidade de roupa. Preencher
diariamente a ficha de acompanhamento que se encontra no
fim deste manual.
N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R
22
16 - QUANDO DEVO PROCURAR A EQUIPE DE SAÚDE RESPONSÁVEL?
Você deve procurar a equipe de saúde responsável em caso
de:
• Diarreia por mais de um dia,
• Constipação (prisão de ventre) por mais de três dias,
• Náuseas e vômitos persistentes,
• Dor abdominal, dor na infusão de dieta,
• Febre (mais de 37,5°C),
• Rosto ou pernas inchadas,
• Perda de peso,
• Sangramento,
• Obstrução (entupimento) da sonda,
• Saída total ou parcial da sonda,
• Ferida ou irritação da pele ao redor da sonda,
• Vazamentos importantes ao redor da sonda de
gastrostomia ou jejunostomia.
É importante para seu tratamento que você compareça às
consultas e retornos agendados. Aproveite as consultas para
tirar suas dúvidas. Traga sempre esse manual com as suas
anotações que ajudarão a equipe de saúde a acompanhar sua
evolução clínica.
23
FICHADEACOMPANHAMENTO
Data
Peso
Dieta
Administrada
Líquidos
Administrados
Númerode
Evacuações
Consistência
dasFezes
Temperatura
Corporal
Númerode
Vômitos
24
FICHADEACOMPANHAMENTO
Data
Peso
Dieta
Administrada
Líquidos
Administrados
Númerode
Evacuações
Consistência
dasFezes
Temperatura
Corporal
Númerode
Vômitos
25
OBSERVAÇÕES
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
26
OBSERVAÇÕES
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia ventilação
Fisiologia ventilaçãoFisiologia ventilação
Fisiologia ventilação
Flávia Salame
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
José Alexandre Pires de Almeida
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
ONCOcare
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
EDSON ALAN QUEIROZ
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Fisiologia ventilação
Fisiologia ventilaçãoFisiologia ventilação
Fisiologia ventilação
 
Drenos
DrenosDrenos
Drenos
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteral
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
 
Protocolo Intubação Sequência Rápida HCPA
Protocolo Intubação Sequência Rápida HCPAProtocolo Intubação Sequência Rápida HCPA
Protocolo Intubação Sequência Rápida HCPA
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
 
Oxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirinoOxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirino
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 

Destaque

Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...
Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...
Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...
T.H. Y.P
 
презентация отчет о работе с родит.
презентация отчет о работе с родит.презентация отчет о работе с родит.
презентация отчет о работе с родит.
svetlana gubanova
 
Ai Ch E Facility Siting Presentation
Ai Ch E Facility Siting PresentationAi Ch E Facility Siting Presentation
Ai Ch E Facility Siting Presentation
ernestvictor
 

Destaque (19)

First principles study of electronic, elastic and thermal properties of b2 ty...
First principles study of electronic, elastic and thermal properties of b2 ty...First principles study of electronic, elastic and thermal properties of b2 ty...
First principles study of electronic, elastic and thermal properties of b2 ty...
 
K12 Content marketing meets Social media
K12 Content marketing meets Social mediaK12 Content marketing meets Social media
K12 Content marketing meets Social media
 
Publiek16. Pitchen
Publiek16. PitchenPubliek16. Pitchen
Publiek16. Pitchen
 
Publiek14: Cultuur en de crowd. Hanne Delodder
Publiek14: Cultuur en de crowd. Hanne DelodderPubliek14: Cultuur en de crowd. Hanne Delodder
Publiek14: Cultuur en de crowd. Hanne Delodder
 
User Centered Design for Projects
User Centered Design for ProjectsUser Centered Design for Projects
User Centered Design for Projects
 
Researching speeches
Researching speechesResearching speeches
Researching speeches
 
Digital Maturity
Digital MaturityDigital Maturity
Digital Maturity
 
Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...
Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...
Thực trạng đầu tư ra nước ngoài của các doanh nghiệp Việt Nam và những giải p...
 
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
 
Presentació portal Inforeach. Un servei a les empreses per facilitar l’adapta...
Presentació portal Inforeach. Un servei a les empreses per facilitar l’adapta...Presentació portal Inforeach. Un servei a les empreses per facilitar l’adapta...
Presentació portal Inforeach. Un servei a les empreses per facilitar l’adapta...
 
Analysing Memory Leaks
Analysing Memory LeaksAnalysing Memory Leaks
Analysing Memory Leaks
 
нод исправленный
нод исправленныйнод исправленный
нод исправленный
 
презентация отчет о работе с родит.
презентация отчет о работе с родит.презентация отчет о работе с родит.
презентация отчет о работе с родит.
 
Publiek16. Snapchat
Publiek16. SnapchatPubliek16. Snapchat
Publiek16. Snapchat
 
Service Design em Grandes Corporações
Service Design em Grandes CorporaçõesService Design em Grandes Corporações
Service Design em Grandes Corporações
 
IAB Programatik Raporu
IAB Programatik RaporuIAB Programatik Raporu
IAB Programatik Raporu
 
Ai Ch E Facility Siting Presentation
Ai Ch E Facility Siting PresentationAi Ch E Facility Siting Presentation
Ai Ch E Facility Siting Presentation
 
Project Quality Planning and KickOff
Project Quality Planning and KickOffProject Quality Planning and KickOff
Project Quality Planning and KickOff
 
Table19's Remarkable Round Up of Cannes Lions 2016
Table19's Remarkable Round Up of Cannes Lions 2016Table19's Remarkable Round Up of Cannes Lions 2016
Table19's Remarkable Round Up of Cannes Lions 2016
 

Semelhante a Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
yassmim2023gomess
 
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Gis Ferreira
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
natybortoletto
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
BruceCosta5
 

Semelhante a Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp (20)

Manual sng
Manual sngManual sng
Manual sng
 
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfAULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Aula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.pptAula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.ppt
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
 
Sonda nasogastrica
Sonda nasogastricaSonda nasogastrica
Sonda nasogastrica
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
 
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdfaulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
 
8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral
 
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
 
APRENDENDO_A_CUIDAR_ESTOMIA (1).pdf com passo a passo
APRENDENDO_A_CUIDAR_ESTOMIA (1).pdf com passo a passoAPRENDENDO_A_CUIDAR_ESTOMIA (1).pdf com passo a passo
APRENDENDO_A_CUIDAR_ESTOMIA (1).pdf com passo a passo
 
Seminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarroSeminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarro
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Cartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de MedicaçãoCartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de Medicação
 

Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp

  • 1. NUTRIÇÃO ENTERAL DOMICILIAR MANUAL DO USUÁRIO Como preparar e administrar a dieta por sonda
  • 2.
  • 3. NUTRIÇÃO ENTERAL DOMICILIAR MANUAL DO USUÁRIO Como preparar e administrar a dieta por sonda
  • 4. UNICAMP FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS BIBLIOTECA Ficha catalográfica elaborada por Rosana Evangelista Poderoso CRB8/6652 Universidade Estadual de Campinas Hospital de Clínicas da Unicamp N959 Nutrição enteral domiciliar : manual do usuário : como preparar e administrar a dieta por sonda / Universidade Estadual de Campinas. Hospital de Clínicas da UNICAMP. Elisabeth Dreyer, Salete Brito, Miriam Rizziolli Santos e Luciane Cristina Rosim Sundfeld Giordano. - 2.ed. rev. Campinas, SP : Hospital de Clínicas da UNICAMP, 2011. 33 p. 1. Nutrição enteral. 2. Nutrição enteral – utilização. 3. Educação de pacientes. 4. Cuidadores - educação. I. Universidade Estadual de Campinas. Hospital de Clínicas da UNICAMP. II. Dreyer, Elisabeth. III. Brito, Salete. IV. Santos, Miriam Rizziolli. V. Giodarno, Luciane Cristina Rosim Sundfeld. CDD. 615.854
  • 5. Universidade Estadual de Campinas Hospital de Clínicas Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional - EMTN Divisão de Nutrição e Dietética - DND Serviço de Enfermagem Ambulatórios e Procedimentos Especializados - SEAMPE Serviço de Enfermagem Médico-Cirúrgica - SEMC AUTORES Elisabeth Dreyer Enfermeira da EMTN Salete Brito Nutricionista da DND e EMTN Miriam Rizziolli Santos Enfermeira do SEAMPE Luciane Cristina Rosim Sundfeld Giordano Nutricionista da DND e EMTN COLABORADORES Heloísa Morelli Rosana de Fátima Gomes Huarachi Eloysa Marques Fernandes Pivetti Enfermeiras do SEAMP e do SEMC ILUSTRAÇÕES Sérgio Luís Simionato Edição original: Outubro de 2004 2a edição revisada – Novembro de 2011
  • 6. Este manual pertence a: Nome: .............................................................................................. Recebeu orientação sobre os cuidados com a nutrição enteral, Data: ........................................ Data: ...................................... Nutricionista: ............................. Enfermeiro: ............................ CRN: ........................................ COREN: ................................ Em caso de necessidade entrar em contato com: ........................... Serviço: ........................................................................................... Endereço: ....................................................................................... ......................................................................................................... Tel: …………………………………………………….…………………
  • 7. INDICE APRESENTAÇÃO ................................................................................5 1. O que é nutrição enteral?...............................................................5 2. Como é colocada a sonda nasoenteral?......................................8 3. O que fazer em caso de problema com a sonda?.......................8 4. Como observar se a sonda nasoenteral saiu da posição?.........9 5. Como evitar a saída da sonda? ....................................................9 6. Como evitar a obstrução da sonda?...........................................10 7. Quais os cuidados com a gastrostomia e a jejunostomia?.........10 8. Que tipo de dieta deve ser passado pela sonda? .....................13 9. Como preparar a dieta enteral? ..................................................13 10. Como administrar a dieta?...........................................................15 11. Posso passar outros líquidos pela sonda?.................................19 12. O que devo fazer se uma dieta não foi passada no horário recomendado? .............................................................................20 13. Como administrar medicamentos pela sonda?..........................20 14. O que fazer em caso de diarreia?...............................................21 15. Cuidados gerais............................................................................21 16. Quando devo procurar a equipe de saúde responsável?.........22 Ficha de Acompanhamento ...............................................................23 Observações .......................................................................................24
  • 8.
  • 9.
  • 10. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 5 APRESENTAÇÃO Este manual tem por objetivo informar a você que faz uso de nutrição enteral, bem como a seus familiares, os cuidados necessários para o sucesso desta terapia. Com este manual, você receberá a prescrição dietética para o preparo da dieta enteral e uma carta de apresentação para a unidade básica de saúde ou outro serviço que poderá atendê-lo em caso de problemas com a sonda. Este manual foi elaborado para adultos; orientações especiais são necessárias no caso de criança recebendo nutrição enteral. Solicitamos que você traga sempre este manual para suas consultas com a equipe de saúde. 1 – O QUE É NUTRIÇÃO ENTERAL? Quando a alimentação pela boca é impossível ou insuficiente, as necessidades nutricionais podem ser satisfeitas por meio da nutrição enteral. Neste caso, um tubo fino, macio e flexível, chamado sonda nasoenteral pode ser passado, pelo nariz, até o estômago (figura 1) ou até o intestino delgado (figura 2). Em alguns casos, é preferível utilizar uma gastrostomia, que consiste numa sonda colocada no estômago pelo cirurgião, através da parede abdominal (figura 3), ou uma jejunostomia, colocada da mesma forma no intestino (figura 4).
  • 11. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 6 Figura 1: Sonda no estômago Figura 2: Sonda no intestino
  • 12. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 7 Figura 3: Gastrostomia Figura 4: Jejunostomia
  • 13. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 8 Os alimentos são administrados diretamente no estômago ou no intestino por uma destas sondas. A dieta fornecida por sonda é chamada dieta enteral e é planejada para fornecer todos os nutrientes normalmente ingeridos pela boca e que são essenciais à recuperação e à manutenção da sua saúde. Portanto, esta terapia lhe proporcionará uma melhor qualidade de vida! 2 - COMO É COLOCADA A SONDA NASOENTERAL? A sonda é passada por um enfermeiro ou um médico, com um guia metálico flexível. Este guia deverá ser guardado para ser utilizado novamente, caso seja necessário repassar a sonda. O procedimento é simples, indolor, podendo causar uma discreta náusea ou um desconforto na garganta ou nariz. O tempo de utilização da mesma sonda é indeterminado, ficando a troca a critério do enfermeiro. 3 - O QUE FAZER EM CASO DE PROBLEMA COM A SONDA? Em caso de obstrução (entupimento), rachadura, furo, perda ou saída parcial da sonda, você deverá procurar a Unidade Básica de Saúde (Posto de Saúde) ou outro serviço que lhe for indicado, levando a sonda, lavada com água e sabão, e seu guia metálico, para que o enfermeiro verifique se podem ser reaproveitados.
  • 14. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 9 4 - COMO OBSERVAR SE A SONDA SAIU DA POSIÇÃO? Solicite que o enfermeiro verifique com você a posição correta da sonda. Meça o comprimento da parte externa com uma fita métrica. Assim, você poderá verificar sempre se a sonda continua na mesma posição. Se houver aumento de mais de cinco centímetros do comprimento da parte externa, a sonda pode ter saído do estômago ou do intestino. 5 – COMO EVITAR A SAÍDA DA SONDA NASOENTERAL? Figura 5: Fixação da sonda ATENÇÃO! Para os homens, cuidado ao se barbear, para não cortar a sonda quando fixada na bochecha. A sonda deve ser fixada à pele com uma fita adesiva hipoalergênica ou esparadrapo, para evitar que seja retirada acidentalmente ou que se desloque para fora do estômago ou intestino. Esta fixação deve ser trocada quando estiver suja ou solta.
  • 15. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 10  Retire a fixação antiga,  Limpe o nariz com água e sabão,  Seque bem, sem friccionar,  Fixe a sonda conforme a ilustração (figura 5), sem passar na frente dos olhos ou da boca. A sonda não deve ficar dobrada nem puxar a narina. Em caso de vermelhidão ou machucado na pele, fixar a sonda em outro local. 6 - COMO EVITAR A OBSTRUÇÃO DA SONDA? Por ser muito fina, a sonda pode entupir-se facilmente, impossibilitando a administração da dieta enteral. Para evitar este problema,  Injetar pela sonda, com uma seringa, 40 ml de água filtrada, fervida e fria, antes e após a administração da dieta ou de medicamento,  Observar os cuidados com a administração de medicamentos (página 20),  Em caso de obstrução, injetar lentamente 20 ml de água filtrada, fervida e morna. Atenção: a sonda pode se romper caso a pressão para injetar a água for muito forte. 7 - QUAIS OS CUIDADOS COM A GASTROSTOMIA E A JEJUNOSTOMIA? Você deve receber orientação específica, de acordo com o tipo de sonda de gastrostomia ou jejunostomia que foi colocada. A seguir são descritos os cuidados mais importantes, comuns a todos os tipos de sonda.
  • 16. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 11 Cuidados com a pele O local da gastrostomia ou da jejunostomia deve permanecer limpo e seco. Normalmente, a higienização é feita diariamente com água e sabão neutro. Quando a sonda possui um disco (figura 6), utilizar cotonetes para limpar a pele por baixo deste. Este disco não deve pressionar a pele. Lavar também a parte externa da sonda. Enxaguar bem com água limpa e secar sem friccionar. Se ocorrer pequeno vazamento, limpar com água e secar bem a pele, sem friccionar. Em caso de vazamento importante, ferida, irritação ou vermelhidão da pele, procurar a equipe de saúde. Figura 6: Sonda de gastrostomia com disco e balonete Manutenção da sonda de gastrostomia ou jejunostomia É importante evitar trações e saídas acidentais da sonda de gastrostomia ou jejunostomia. A maioria das sondas de gastrostomia possui um pequeno balonete inflado com água
  • 17. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 12 para evitar a saída da sonda (figura 6). As sondas que não têm disco externo ou pontos de sutura podem migrar para dentro, levadas pelo movimento do tubo digestivo. Evitar a aplicação de adesivos perto do orifício da gastrostomia ou da jejunostomia, para não provocar irritação da pele. A sonda pode ser presa com uma presilha a uma faixa ou a uma rede tubular abdominal. Em caso de deslocamento ou saída da sonda, vazamento importante ao redor da mesma, dor no momento da administração da dieta, interromper a infusão e procurar rapidamente um serviço de saúde para reposicionar ou trocar a sonda de gastrostomia. Se o orifício da gastrostomia permanecer sem a sonda por mais de 2 a 3 horas, ele pode fechar espontaneamente. Em caso de gastrostomia recente, não se deve tentar repassar a sonda em casa, pois o canal da gastrostomia ainda não está formado e podem acontecer complicações sérias como a inflamação ou infecção da cavidade abdominal (peritonite). O prazo para que o canal esteja formado depende do tipo de procedimento utilizado para realizar a gastrostomia. Os cuidados para evitar a obstrução são os mesmos que para a sonda nasoenteral (Item 6). O prazo de troca da sonda de gastrostomia depende do tipo de sonda e fica a critério do médico ou enfermeiro.
  • 18. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 13 8 - QUE TIPO DE DIETA DEVE SER PASSADO PELA SONDA? Existem dois tipos de dieta enteral. Dieta caseira ou artesanal É uma dieta que você prepara na sua casa com alimentos em sua forma natural (leite, mel, açúcar, óleo vegetal, caldo de carne, farinhas, ovo, etc.) e que deve ser liquidificada e coada. É necessária uma adequada combinação de alimentos para que a dieta esteja completa e equilibrada. Portanto, siga a receita fornecida e orientada pelo nutricionista. Com este tipo de dieta, você deverá utilizar um polivitamínico, de acordo com a prescrição do nutricionista ou médico. Dieta industrializada É uma dieta pronta, balanceada, possuindo todos os nutrientes necessários. Pode ser apresentada sob a forma de pó, que deverá ser liquidificado com água, ou sob a forma líquida, pronta para ser administrada. O nutricionista indicará a dieta mais adequada à sua situação. 9 - COMO PREPARAR A DIETA ENTERAL? ATENÇÃO! Higiene é fundamental no preparo da dieta. Se você utilizar a dieta caseira ou artesanal: • Preparar apenas a quantidade que será utilizada no dia; • O local de preparo deve estar limpo; • Lavar bem as mãos com água e sabão;
  • 19. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 14 • Separar todos os ingredientes e materiais que serão utilizados para o preparo da dieta; • Verificar se os ingredientes estão dentro do prazo de validade e se as embalagens não estão danificadas; • Lavar, com água corrente e detergente, todos os utensílios que serão utilizados no preparo da dieta e, após, passar água fervente; • Lavar as embalagens dos ingredientes antes de abri-las; • Medir corretamente os ingredientes, de acordo com a orientação nutricional entregue pelo nutricionista; • Bater todos os ingredientes em liquidificador, com água filtrada e fervida fria; • Coar em peneira limpa; • Conservar a dieta na geladeira em recipiente tampado, de preferência vidro ou louça; • Retirar da geladeira apenas o volume a ser administrado, 15 a 30 minutos antes do horário da administração; • Não aquecer a dieta. Utilizar a dieta apenas no dia do preparo. Sobras devem ser desprezadas. Se você utilizar a dieta industrializada em pó: • Verificar se a embalagem está dentro do prazo de validade e se não está danificada; • Lavar a embalagem com água e sabão antes de abri-la; • Utilizar a quantidade de dieta em pó prescrita pelo nutricionista; • Utilizar a quantidade de água filtrada, fervida e fria recomendada; • Bater bem a dieta em pó com a água, no liquidificador;
  • 20. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 15 • Preparar apenas a quantidade que será utilizada imediatamente; • Seguir as recomendações da embalagem sobre o tempo de validade e conservação. Se você utilizar a dieta industrializada líquida: • Verificar, no rótulo, se está dentro do prazo de validade; • Verificar se a embalagem não está danificada; • Lavar bem a embalagem com água e sabão; • Agitar bem antes de abrir; • Medir a quantidade prescrita pelo nutricionista em cada horário. • As embalagens fechadas devem ser conservadas em local limpo e seco; • As embalagens do tipo longa vida abertas devem ser guardadas em geladeira e utilizadas nas 24 horas após a abertura. 10 - COMO ADMINISTRAR A DIETA? A administração pode ser feita com uma seringa ou com um equipo conectado a uma bolsa ou um frasco próprio para este uso, de acordo com a orientação do nutricionista, enfermeiro ou médico. ATENÇÃO! Não passar a dieta se a sonda não estiver na posição correta (ver no item 4). • Reunir todo o material sobre uma mesa ou bandeja limpa; • Lavar as mãos.
  • 21. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 16 ATENÇÃO! Permanecer sentado ou deitado com as costas elevadas durante a administração da dieta e por mais trinta minutos após o final da infusão. Este cuidado evitará que haja regurgitação, vômitos ou aspiração da dieta para os pulmões. Administração com seringa (figura 7) Material: • Uma seringa de 60 ou 20 ml; • Um frasco com a quantidade de dieta a ser administrada no horário, em temperatura ambiente; • Um frasco com água filtrada e fervida, em temperatura ambiente. Administração: • Aspirar 20 ml de água com a seringa e injetar na sonda para limpá-la internamente; • Encher a seringa com a dieta, tirar a tampinha que fecha a sonda, conectar a seringa à sonda, injetar lentamente; • Repetir a operação até o término da dieta; • Limpar novamente a sonda injetando 20 ml a 40 ml de água; • Tampar a sonda com a tampinha da mesma; • Lavar, com água e sabão ou detergente, a seringa e os recipientes utilizados; após, passar água fervente; • Secar e guardar a seringa num recipiente fechado, dentro da geladeira.
  • 22. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 17 Figura 7: Administração com seringa Administração com equipo (figura 8) Material: • Um frasco (ou bolsa) apropriado para a dieta, com a quantidade a ser administrada no horário, em temperatura ambiente; • Um copo com água filtrada e fervida, em temperatura ambiente; • Um equipo para nutrição enteral ou um equipo de soro sem filtro; • Um suporte de soro ou um gancho, para pendurar o frasco (aproximadamente 30 cm acima da cabeça); • Uma seringa de 60 ou 20 ml.
  • 23. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 18 Figura 8: Administração com o equipo e funcionamento da roleta. Administração: • Conectar o equipo ao frasco, pendurar o frasco no gancho, abrir a pinça ou roleta para encher o equipo de dieta e, em seguida, fechar a roleta (figura 7); • Aspirar 20 ml de água com a seringa e injetar na sonda para limpá-la internamente; • Conectar o equipo à sonda, abrir a pinça ou roleta, regulando o gotejamento; a dieta deverá pingar gota a gota; a administração do frasco levará de 45 minutos a duas horas; • Ao término da dieta, injetar na sonda, com a seringa, 20 a 40 ml de água;
  • 24. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 19 • Tampar a sonda com a tampinha da mesma; • Lavar o frasco e o equipo com água e detergente, secar e guardar num recipiente fechado, de preferência na geladeira. Higienização do frasco, do equipo e da seringa O equipo, a seringa e o frasco devem ser mantidos limpos e sem resíduos de dieta. Eles podem ser utilizados enquanto estiverem limpos, sem resíduos, sem rachaduras. O êmbolo de seringa deve deslizar bem, o equipo deve permanecer flexível e transparente. Caso haja sinais de deterioração, devem ser desprezados. Para lavar a seringa, retirar o êmbolo (a parte interna da seringa) e a membrana preta que cobre a ponta deste. Lavar todas as peças, com água e detergente, enxaguar bem, secar, montar e guardar em recipiente limpo. 11 - POSSO PASSAR OUTROS LÍQUIDOS PELA SONDA? Não deverá ser passado nada pela sonda sem a autorização do nutricionista. Seguir as orientações quanto ao volume de água para hidratação, chá ou suco sem açúcar, que deve ser administrado no intervalo entre as dietas, com seringa ou num frasco com equipo, com os mesmos cuidados que a dieta. Utilizar sempre água filtrada e fervida, na temperatura ambiente. Evitar chá preto, chá mate, chá verde, vermelho ou branco, que contêm cafeína.
  • 25. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 20 12 - O QUE DEVO FAZER SE UMA DIETA NÃO FOI PASSADA NO HORÁRIO RECOMENDADO? É fundamental que você receba todas as suas dietas. No entanto, há ocasiões em que você não toma ou atrasa sua alimentação. Não tente compensar uma dieta perdida, dobrando o volume da próxima dieta, pois isto poderá causar mal-estar gástrico, vômitos ou diarreia. Administrar a dieta no final do dia, mantendo o mesmo espaço de tempo. Por exemplo, se as dietas forem às 8, 11, 14, 17 e 20 horas e você não tomou a dieta das 17 horas, tome as últimas dietas às 18 e 21 horas ou às 19 e 22 horas, ou sempre que possível, respeitando os intervalos entre um horário e outro, bem como o prazo de validade da dieta após o preparo. 13 – COMO ADMINISTRAR MEDICAMENTOS PELA SONDA? Se o médico prescreveu medicamentos a serem administrados pela sonda, proceder da seguinte maneira. • Medicamentos líquidos: aspirar o volume prescrito de cada medicamento com a seringa e injetar pela sonda. • Comprimidos e drágeas: amassar cada medicamento separadamente, triturar e dissolver em água; aspirar com a seringa e injetar pela sonda. • Cápsulas: abrir a cápsula, diluir o conteúdo em água filtrada e injetar pela sonda. • Cápsulas gelatinosas: furar a cápsula, aspirar o conteúdo com uma seringa, diluir em água e injetar pela sonda.
  • 26. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 21 Antes de administrar os medicamentos e ao final, lavar a sonda com 40 ml de água. Não misturar medicamentos diferentes. Injetar 5 ml de água após cada medicação, para evitar que se misturem na sonda, podendo entupir a mesma. ATENÇÃO! Existem medicamentos que não devem ser administrados pela sonda. Verifique com seu médico! 14 - O QUE FAZER EM CASO DE DIARREIA? Se apresentar diarreia (fezes líquidas três vezes ou mais por dia), administrar somente a metade da dieta naquele dia e infundir água ou chá sem açúcar. Se não melhorar no dia seguinte, procurar a equipe responsável. Para evitar a diarreia, seguir os cuidados recomendados no preparo, conservação e administração da dieta. 15 – CUIDADOS GERAIS Desde que se sinta disposto, você não deve restringir suas atividades e amizades. Atividades físicas, como caminhar, são muito importantes para sua saúde e bem estar. Alguns cuidados de higiene devem ser mantidos ou reforçados: higiene bucal e escovação dos dentes, higiene nasal, cuidados com a pele. Pesar-se semanalmente pela manhã, na mesma balança, com a mesma quantidade de roupa. Preencher diariamente a ficha de acompanhamento que se encontra no fim deste manual.
  • 27. N U T R I Ç Ã O E N T E R A L D O M I C I L I A R 22 16 - QUANDO DEVO PROCURAR A EQUIPE DE SAÚDE RESPONSÁVEL? Você deve procurar a equipe de saúde responsável em caso de: • Diarreia por mais de um dia, • Constipação (prisão de ventre) por mais de três dias, • Náuseas e vômitos persistentes, • Dor abdominal, dor na infusão de dieta, • Febre (mais de 37,5°C), • Rosto ou pernas inchadas, • Perda de peso, • Sangramento, • Obstrução (entupimento) da sonda, • Saída total ou parcial da sonda, • Ferida ou irritação da pele ao redor da sonda, • Vazamentos importantes ao redor da sonda de gastrostomia ou jejunostomia. É importante para seu tratamento que você compareça às consultas e retornos agendados. Aproveite as consultas para tirar suas dúvidas. Traga sempre esse manual com as suas anotações que ajudarão a equipe de saúde a acompanhar sua evolução clínica.
  • 30. 25 OBSERVAÇÕES _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________
  • 31. 26 OBSERVAÇÕES _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________