SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Ciência, Tecnologia e Sociedade
Abrindo a Caixa de Pandora – Bruno Latour
Vitor Vieira Vasconcelos
BC0602
Novembro de 2021
Conteúdo
 Teoria do Ator –Rede
 Estudos de Laboratório
 Tradução científica
 Tecnociência como construção
social
 Comparação Latour x Bourdieu
LATOUR, Bruno. Nous n'avons jamais été modernes: essai d'anthropologie
symétrique. La découverte, 2013 [1991].
Jamais fomos modernos:
ensaios de antropologia simétrica
 Conceito de “moderno”: usado como contraposição à sociedades
“primitivas”
 Modernidade supõe dualidade entre Social e Natural, que não
acontece na prática
 Sociedade Euro-americana faz estudos antropológicos em
sociedades “primitivas”/”exóticas”, mas não sobre si mesma
 Proposição de usar a antropologia como auto-reflexão sobre a
sociedade intitulada “moderna”
Bruno Latour
LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP.
ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos
Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento:
Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.
 Teoria Ator-Rede
• Redes envolvendo atores humanos e não-humanos
(incluindo artefatos)
 Estudos de Laboratório
• Etnografia:
o Acompanhamento dos cientistas em ação
o A ciência é uma prática, e não uma ideia
• Popularização do método no meio acadêmico de CTS
Bruno Latour
 Tradução
• O cientista interpreta o mundo social e natural
para tomar suas decisões
• Comparação com teoria dos campos
(Bourdieu)
o Campo científico traduz as regras sociais
(autonomia relativa)
o Diferenças:
 Latour: tradução significa que objetividade e imparcialidade
da ciência são impossíveis
 Bourdieu: tradução permite autonomia para defender
objetividade e imparcialidade da ciência
Bruno Latour
LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP.
ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos
Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento:
Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.
 A ciência é uma construção social
• Teoria científica como discurso
• Validade da teoria científica pelo
convencimento de aliados
Bruno Latour
Riscos, incertezas, controvérsias
Contexto e conteúdo se confundem
Jano Bifronte
Deus das portas, transformações, inícios e fins
Início
Fim
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Deixai o saber sobre
o saber, ó vós que
entrais
Fatos e máquinas
bem determinados
Fatos e máquinas
em construção
A caixa de
Pandora
Perigo, não abra!
Na ciência pronta...
Caixa Preta
Entrada Saída
John W. Waterhouse (1986) Pandora
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Contra-laboratórios
 Laboratórios para questionar fatos propostos por
outro laboratório
 Visita a laboratórios inimigos para entender
pontos falhos
 Precisa abrir e questionar as caixas-pretas usadas
como aliadas do laboratório inimigo
 Estratégia de cooptar os aliados dos laboratório
inimigo
 Precisa convencer os novos cientistas a
concordarem com a contraproposta
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Terceira regra metodológica
uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da
representação da Natureza, e não a consequência, nunca
poderemos usar o resultado - Natureza - para explicar como
e por que uma controvérsia foi resolvida.
Realista Relativista
Quarta regra metodológica
uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da
estabilidade na Sociedade, não podemos usar a Sociedade
para explicar como e por que uma controvérsia foi
dirimida.
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do
crescimento (GHRH) é
Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
Uso de aliados
para novos
desenvolvimentos
Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do
GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para
tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve
estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos.
Crítica O Dr. A. Schally afirmou durante vários anos em seu laboratório
de New Orleans que a estrutura do GHRH é Val-His-Leu-Ser-
Ala-Glu-Glu-Lys-Glu-Ala. No entanto, por incrível coincidência,
essa também é a estrutura da hemoglobina, componente
comum do sangue e frequente contaminante de extrato de
encéfalo purificado, quando a manipulação é feita por
pesquisadores incompetentes.
Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do
crescimento (GHRH) é
Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
Uso de aliados
para novos
desenvolvimentos
Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do
GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para
tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve
estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos.
Aliados e Inimigos nos textos científicos
 Citam-se aliados e, se possível, “caixas-pretas” para reforçar a
teoria proposta e caminhar para o seu “fechamento” (consenso)
 Citam-se inimigos para criticar suas proposições, antecipando
críticas dos leitores e já se defendendo
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do
crescimento (GHRH) é
Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
Aliados
Inimigos
(criticados)
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Aliados
Inimigos
(criticados)
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
• Uso da teoria do ator-rede
para analisar as pesquisas
sobre mudanças
climáticas
• Empresas poluidoras
financiam cientistas
corruptos para questionar
consensos da comunidade
acadêmica e gerar mais
incerteza na sociedade
LATOUR, Bruno. Down to earth: Politics
in the new climatic regime. John Wiley &
Sons, 2018.
 Teoria do Ator-Rede (Latour)
• Relações horizontais e conexões
 Teoria dos Campos (Bourdieu)
• Relações verticais (estruturas de poder)
Bruno Latour X Pierre Bourdieu
LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
Mais flexível que a noção de sistema,
mais histórica que a de estrutura,
mais empírica que a complexidade,
a Rede é o Fio de Ariadne
destas histórias confusas
Bruno Latour X Pierre Bourdieu
Teoria
dos
Campos
Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica.
Rio de Janeiro: Ed. 34.
 As redes horizontais não focam as relações de poder,
criando visões ingênuas do meio científico
 Latour estaria criticando a ciência para desacreditá-la
como conhecimento objetivo
 O que se deve fazer é apontar como a ciência pode ser
tornar mais objetiva e confiável
 Defender a autonomia científica tem um significado
político, assim como defender a força da ciência
(racionalismo)
Crítica de Bourdieu a Latour
BOURDIEU, P. Para uma Sociologia da Ciência. Lisboa: Edições 70, 2004
LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
26
Quadro Comparativo
Progresso da
C&T
Composição do
universo da
C&T
Autonomia da ciência
Descritividade
vs.
Normatividade
Robert
Merton
Linear e
cumulativo,
ampliação do
conhecimento
válido
Instituição da
ciência:
cientistas,
academias e
universidade
Institucionalização da
ciência
Predominante-
mente
normativo
Pierre
Bourdieu
Competição no
interior do
campo
científico
Agentes do
campo
(indivíduos e
instituições)
Razão entre capital
científico e capital
político/institucional
Predominante-
mente
descritivo
Bruno
Latour
Fechamento de
controvérsias
em caixas
pretas
Humanos e
não-humanos
Ciência apenas parte
indiferenciada de uma
rede de pessoas,
máquinas,
organizações e teorias
Predominante-
mente
descritivo
27
Exercício
 Faça uma proposta (descrição metodológica) sobre
como poderiam ser utilizadas para estudar as
controvérsias científicas sobre mudanças climáticas
por meio do viés teórico de:
• Pierre Bourdieu
• Bruno Latour
Dúvidas?
Comentários?
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)
Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)
Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)educacaonacidade
 
Planejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasPlanejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasSonia Matos Moutinho
 
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Capítulo 5   instrumentos de pesquisaCapítulo 5   instrumentos de pesquisa
Capítulo 5 instrumentos de pesquisaSandra Pereira
 
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de DadosAula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de DadosHenrique Morais
 
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaSugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaLucinea Lima Lacerda
 
Banco de questões de sociologia
Banco de questões de sociologiaBanco de questões de sociologia
Banco de questões de sociologiaJosé Luiz Costa
 
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado modernoSociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado modernoMiro Santos
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -Alexsandra Veras
 

Mais procurados (20)

Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)
Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)
Questionário professor(a) comunitário(a) coordenador(a)
 
Aula Cidadania
Aula CidadaniaAula Cidadania
Aula Cidadania
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Planejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasPlanejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativas
 
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Capítulo 5   instrumentos de pesquisaCapítulo 5   instrumentos de pesquisa
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
 
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de DadosAula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
 
Introdução a filosofia
Introdução a filosofiaIntrodução a filosofia
Introdução a filosofia
 
Cotas raciais
Cotas raciaisCotas raciais
Cotas raciais
 
Terezinha Rios
Terezinha RiosTerezinha Rios
Terezinha Rios
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
 
Apresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científicaApresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científica
 
Análise de Dados
Análise de DadosAnálise de Dados
Análise de Dados
 
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaSugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
 
Métodos e técnicas de Pesquisa
Métodos e técnicas de PesquisaMétodos e técnicas de Pesquisa
Métodos e técnicas de Pesquisa
 
Banco de questões de sociologia
Banco de questões de sociologiaBanco de questões de sociologia
Banco de questões de sociologia
 
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado modernoSociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -
 

Semelhante a Bruno Latour - Ciência em Ação

O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07FAAT - Faculdades Atibaia
 
BRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em AcaoBRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em AcaoVittorio Pastelli
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesmluisavalente
 
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno LatourA Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno Latourbpierro
 
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptxAULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptxFlavioCandido8
 
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdfMARCOSSANTOS737347
 
Apresentação cap 3 ciencia em ação latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação   latourApresentação cap 3 ciencia em ação   latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação latourRadar Ufmg
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.pptfrancaraujo2
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.pptBiancaFreitas81
 
Aula 1.1.ppt
Aula 1.1.pptAula 1.1.ppt
Aula 1.1.pptZoraide6
 
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaReflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaCilmara Cristina Dos Santos
 
Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018Raquel (UFTo)
 
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - FundamentosCiência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - FundamentosVitor Vieira Vasconcelos
 

Semelhante a Bruno Latour - Ciência em Ação (20)

O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
 
Jornalismo e ciência
Jornalismo e ciênciaJornalismo e ciência
Jornalismo e ciência
 
Aula5
Aula5Aula5
Aula5
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
BRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em AcaoBRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
 
A01 +metodologia+cientifica
A01 +metodologia+cientificaA01 +metodologia+cientifica
A01 +metodologia+cientifica
 
Cientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básicaCientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básica
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limites
 
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno LatourA Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
 
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptxAULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
 
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
 
Apresentação cap 3 ciencia em ação latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação   latourApresentação cap 3 ciencia em ação   latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação latour
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt
 
Aula 1.1.ppt
Aula 1.1.pptAula 1.1.ppt
Aula 1.1.ppt
 
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaReflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
 
Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018
 
Trabalho de Metodologia
Trabalho de MetodologiaTrabalho de Metodologia
Trabalho de Metodologia
 
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - FundamentosCiência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisGeocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisVitor Vieira Vasconcelos
 
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasAcesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasVitor Vieira Vasconcelos
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Vitor Vieira Vasconcelos
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Vitor Vieira Vasconcelos
 
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024Vitor Vieira Vasconcelos
 
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Vitor Vieira Vasconcelos
 
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesEscalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesVitor Vieira Vasconcelos
 
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções CartográficasSistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções CartográficasVitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Vitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Vitor Vieira Vasconcelos
 
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  BásicosIntrodução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos BásicosVitor Vieira Vasconcelos
 
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Vitor Vieira Vasconcelos
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Vitor Vieira Vasconcelos
 
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanPlanejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanVitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RAtividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RVitor Vieira Vasconcelos
 
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeDiversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeVitor Vieira Vasconcelos
 
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoGeotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoVitor Vieira Vasconcelos
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisGeocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
 
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasAcesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
 
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
 
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
 
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesEscalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
 
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções CartográficasSistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
 
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
 
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
 
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  BásicosIntrodução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
 
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
 
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanPlanejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
 
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RAtividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
 
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeDiversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
 
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoGeotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
 
Geotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia socialGeotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia social
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 

Bruno Latour - Ciência em Ação

  • 1. Ciência, Tecnologia e Sociedade Abrindo a Caixa de Pandora – Bruno Latour Vitor Vieira Vasconcelos BC0602 Novembro de 2021
  • 2. Conteúdo  Teoria do Ator –Rede  Estudos de Laboratório  Tradução científica  Tecnociência como construção social  Comparação Latour x Bourdieu
  • 3. LATOUR, Bruno. Nous n'avons jamais été modernes: essai d'anthropologie symétrique. La découverte, 2013 [1991]. Jamais fomos modernos: ensaios de antropologia simétrica  Conceito de “moderno”: usado como contraposição à sociedades “primitivas”  Modernidade supõe dualidade entre Social e Natural, que não acontece na prática  Sociedade Euro-americana faz estudos antropológicos em sociedades “primitivas”/”exóticas”, mas não sobre si mesma  Proposição de usar a antropologia como auto-reflexão sobre a sociedade intitulada “moderna” Bruno Latour
  • 4. LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP. ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento: Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.  Teoria Ator-Rede • Redes envolvendo atores humanos e não-humanos (incluindo artefatos)  Estudos de Laboratório • Etnografia: o Acompanhamento dos cientistas em ação o A ciência é uma prática, e não uma ideia • Popularização do método no meio acadêmico de CTS Bruno Latour
  • 5.  Tradução • O cientista interpreta o mundo social e natural para tomar suas decisões • Comparação com teoria dos campos (Bourdieu) o Campo científico traduz as regras sociais (autonomia relativa) o Diferenças:  Latour: tradução significa que objetividade e imparcialidade da ciência são impossíveis  Bourdieu: tradução permite autonomia para defender objetividade e imparcialidade da ciência Bruno Latour
  • 6. LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP. ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento: Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.  A ciência é uma construção social • Teoria científica como discurso • Validade da teoria científica pelo convencimento de aliados Bruno Latour
  • 7. Riscos, incertezas, controvérsias Contexto e conteúdo se confundem Jano Bifronte Deus das portas, transformações, inícios e fins Início Fim LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26. Deixai o saber sobre o saber, ó vós que entrais Fatos e máquinas bem determinados Fatos e máquinas em construção
  • 8. A caixa de Pandora Perigo, não abra! Na ciência pronta... Caixa Preta Entrada Saída John W. Waterhouse (1986) Pandora
  • 9. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 10. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 11. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 12. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 13.
  • 14. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 15. Contra-laboratórios  Laboratórios para questionar fatos propostos por outro laboratório  Visita a laboratórios inimigos para entender pontos falhos  Precisa abrir e questionar as caixas-pretas usadas como aliadas do laboratório inimigo  Estratégia de cooptar os aliados dos laboratório inimigo  Precisa convencer os novos cientistas a concordarem com a contraproposta LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 16. LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26. Terceira regra metodológica uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da representação da Natureza, e não a consequência, nunca poderemos usar o resultado - Natureza - para explicar como e por que uma controvérsia foi resolvida. Realista Relativista
  • 17. Quarta regra metodológica uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da estabilidade na Sociedade, não podemos usar a Sociedade para explicar como e por que uma controvérsia foi dirimida. LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 18. Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH) é Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala. Uso de aliados para novos desenvolvimentos Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos. Crítica O Dr. A. Schally afirmou durante vários anos em seu laboratório de New Orleans que a estrutura do GHRH é Val-His-Leu-Ser- Ala-Glu-Glu-Lys-Glu-Ala. No entanto, por incrível coincidência, essa também é a estrutura da hemoglobina, componente comum do sangue e frequente contaminante de extrato de encéfalo purificado, quando a manipulação é feita por pesquisadores incompetentes. Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH) é Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala. Uso de aliados para novos desenvolvimentos Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos. Aliados e Inimigos nos textos científicos  Citam-se aliados e, se possível, “caixas-pretas” para reforçar a teoria proposta e caminhar para o seu “fechamento” (consenso)  Citam-se inimigos para criticar suas proposições, antecipando críticas dos leitores e já se defendendo LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26. Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH) é Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
  • 19. Aliados Inimigos (criticados) LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 20. Aliados Inimigos (criticados) LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 21. LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 22. • Uso da teoria do ator-rede para analisar as pesquisas sobre mudanças climáticas • Empresas poluidoras financiam cientistas corruptos para questionar consensos da comunidade acadêmica e gerar mais incerteza na sociedade LATOUR, Bruno. Down to earth: Politics in the new climatic regime. John Wiley & Sons, 2018.
  • 23.  Teoria do Ator-Rede (Latour) • Relações horizontais e conexões  Teoria dos Campos (Bourdieu) • Relações verticais (estruturas de poder) Bruno Latour X Pierre Bourdieu LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
  • 24. Mais flexível que a noção de sistema, mais histórica que a de estrutura, mais empírica que a complexidade, a Rede é o Fio de Ariadne destas histórias confusas Bruno Latour X Pierre Bourdieu Teoria dos Campos Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34.
  • 25.  As redes horizontais não focam as relações de poder, criando visões ingênuas do meio científico  Latour estaria criticando a ciência para desacreditá-la como conhecimento objetivo  O que se deve fazer é apontar como a ciência pode ser tornar mais objetiva e confiável  Defender a autonomia científica tem um significado político, assim como defender a força da ciência (racionalismo) Crítica de Bourdieu a Latour BOURDIEU, P. Para uma Sociologia da Ciência. Lisboa: Edições 70, 2004 LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
  • 26. 26 Quadro Comparativo Progresso da C&T Composição do universo da C&T Autonomia da ciência Descritividade vs. Normatividade Robert Merton Linear e cumulativo, ampliação do conhecimento válido Instituição da ciência: cientistas, academias e universidade Institucionalização da ciência Predominante- mente normativo Pierre Bourdieu Competição no interior do campo científico Agentes do campo (indivíduos e instituições) Razão entre capital científico e capital político/institucional Predominante- mente descritivo Bruno Latour Fechamento de controvérsias em caixas pretas Humanos e não-humanos Ciência apenas parte indiferenciada de uma rede de pessoas, máquinas, organizações e teorias Predominante- mente descritivo
  • 27. 27 Exercício  Faça uma proposta (descrição metodológica) sobre como poderiam ser utilizadas para estudar as controvérsias científicas sobre mudanças climáticas por meio do viés teórico de: • Pierre Bourdieu • Bruno Latour