SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciência, Tecnologia e Sociedade
Abrindo a Caixa de Pandora – Bruno Latour
Vitor Vieira Vasconcelos
BC0602
Novembro de 2021
Conteúdo
 Teoria do Ator –Rede
 Estudos de Laboratório
 Tradução científica
 Tecnociência como construção
social
 Comparação Latour x Bourdieu
LATOUR, Bruno. Nous n'avons jamais été modernes: essai d'anthropologie
symétrique. La découverte, 2013 [1991].
Jamais fomos modernos:
ensaios de antropologia simétrica
 Conceito de “moderno”: usado como contraposição à sociedades
“primitivas”
 Modernidade supõe dualidade entre Social e Natural, que não
acontece na prática
 Sociedade Euro-americana faz estudos antropológicos em
sociedades “primitivas”/”exóticas”, mas não sobre si mesma
 Proposição de usar a antropologia como auto-reflexão sobre a
sociedade intitulada “moderna”
Bruno Latour
LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP.
ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos
Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento:
Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.
 Teoria Ator-Rede
• Redes envolvendo atores humanos e não-humanos
(incluindo artefatos)
 Estudos de Laboratório
• Etnografia:
o Acompanhamento dos cientistas em ação
o A ciência é uma prática, e não uma ideia
• Popularização do método no meio acadêmico de CTS
Bruno Latour
 Tradução
• O cientista interpreta o mundo social e natural
para tomar suas decisões
• Comparação com teoria dos campos
(Bourdieu)
o Campo científico traduz as regras sociais
(autonomia relativa)
o Diferenças:
 Latour: tradução significa que objetividade e imparcialidade
da ciência são impossíveis
 Bourdieu: tradução permite autonomia para defender
objetividade e imparcialidade da ciência
Bruno Latour
LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP.
ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos
Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento:
Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.
 A ciência é uma construção social
• Teoria científica como discurso
• Validade da teoria científica pelo
convencimento de aliados
Bruno Latour
Riscos, incertezas, controvérsias
Contexto e conteúdo se confundem
Jano Bifronte
Deus das portas, transformações, inícios e fins
Início
Fim
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Deixai o saber sobre
o saber, ó vós que
entrais
Fatos e máquinas
bem determinados
Fatos e máquinas
em construção
A caixa de
Pandora
Perigo, não abra!
Na ciência pronta...
Caixa Preta
Entrada Saída
John W. Waterhouse (1986) Pandora
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Contra-laboratórios
 Laboratórios para questionar fatos propostos por
outro laboratório
 Visita a laboratórios inimigos para entender
pontos falhos
 Precisa abrir e questionar as caixas-pretas usadas
como aliadas do laboratório inimigo
 Estratégia de cooptar os aliados dos laboratório
inimigo
 Precisa convencer os novos cientistas a
concordarem com a contraproposta
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Terceira regra metodológica
uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da
representação da Natureza, e não a consequência, nunca
poderemos usar o resultado - Natureza - para explicar como
e por que uma controvérsia foi resolvida.
Realista Relativista
Quarta regra metodológica
uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da
estabilidade na Sociedade, não podemos usar a Sociedade
para explicar como e por que uma controvérsia foi
dirimida.
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do
crescimento (GHRH) é
Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
Uso de aliados
para novos
desenvolvimentos
Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do
GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para
tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve
estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos.
Crítica O Dr. A. Schally afirmou durante vários anos em seu laboratório
de New Orleans que a estrutura do GHRH é Val-His-Leu-Ser-
Ala-Glu-Glu-Lys-Glu-Ala. No entanto, por incrível coincidência,
essa também é a estrutura da hemoglobina, componente
comum do sangue e frequente contaminante de extrato de
encéfalo purificado, quando a manipulação é feita por
pesquisadores incompetentes.
Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do
crescimento (GHRH) é
Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
Uso de aliados
para novos
desenvolvimentos
Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do
GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para
tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve
estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos.
Aliados e Inimigos nos textos científicos
 Citam-se aliados e, se possível, “caixas-pretas” para reforçar a
teoria proposta e caminhar para o seu “fechamento” (consenso)
 Citam-se inimigos para criticar suas proposições, antecipando
críticas dos leitores e já se defendendo
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do
crescimento (GHRH) é
Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
Aliados
Inimigos
(criticados)
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
Aliados
Inimigos
(criticados)
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
• Uso da teoria do ator-rede
para analisar as pesquisas
sobre mudanças
climáticas
• Empresas poluidoras
financiam cientistas
corruptos para questionar
consensos da comunidade
acadêmica e gerar mais
incerteza na sociedade
LATOUR, Bruno. Down to earth: Politics
in the new climatic regime. John Wiley &
Sons, 2018.
 Teoria do Ator-Rede (Latour)
• Relações horizontais e conexões
 Teoria dos Campos (Bourdieu)
• Relações verticais (estruturas de poder)
Bruno Latour X Pierre Bourdieu
LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
Mais flexível que a noção de sistema,
mais histórica que a de estrutura,
mais empírica que a complexidade,
a Rede é o Fio de Ariadne
destas histórias confusas
Bruno Latour X Pierre Bourdieu
Teoria
dos
Campos
Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica.
Rio de Janeiro: Ed. 34.
 As redes horizontais não focam as relações de poder,
criando visões ingênuas do meio científico
 Latour estaria criticando a ciência para desacreditá-la
como conhecimento objetivo
 O que se deve fazer é apontar como a ciência pode ser
tornar mais objetiva e confiável
 Defender a autonomia científica tem um significado
político, assim como defender a força da ciência
(racionalismo)
Crítica de Bourdieu a Latour
BOURDIEU, P. Para uma Sociologia da Ciência. Lisboa: Edições 70, 2004
LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
26
Quadro Comparativo
Progresso da
C&T
Composição do
universo da
C&T
Autonomia da ciência
Descritividade
vs.
Normatividade
Robert
Merton
Linear e
cumulativo,
ampliação do
conhecimento
válido
Instituição da
ciência:
cientistas,
academias e
universidade
Institucionalização da
ciência
Predominante-
mente
normativo
Pierre
Bourdieu
Competição no
interior do
campo
científico
Agentes do
campo
(indivíduos e
instituições)
Razão entre capital
científico e capital
político/institucional
Predominante-
mente
descritivo
Bruno
Latour
Fechamento de
controvérsias
em caixas
pretas
Humanos e
não-humanos
Ciência apenas parte
indiferenciada de uma
rede de pessoas,
máquinas,
organizações e teorias
Predominante-
mente
descritivo
27
Exercício
 Faça uma proposta (descrição metodológica) sobre
como poderiam ser utilizadas para estudar as
controvérsias científicas sobre mudanças climáticas
por meio do viés teórico de:
• Pierre Bourdieu
• Bruno Latour
Dúvidas?
Comentários?
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de sociologia
Aula de sociologiaAula de sociologia
Aula de sociologia
pascoalnaib
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
Péricles Penuel
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
Lu Rebordosa
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
Mister B
 
Sobre Positivismo - Auguste Comte
Sobre Positivismo - Auguste ComteSobre Positivismo - Auguste Comte
Sobre Positivismo - Auguste Comte
Paulinha2011
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
dylan costa
 
Aula 1 metodologia científica
Aula 1   metodologia científicaAula 1   metodologia científica
Aula 1 metodologia científica
Ludmila Moura
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
Silmara Vedoveli
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
Elisama Lopes
 
Natureza e cultura
Natureza e culturaNatureza e cultura
Natureza e cultura
francisco claudemir barbosa
 
Filosofia séc xx
Filosofia séc xxFilosofia séc xx
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
Carlos Caldas
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
Marcelo Ferreira Boia
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
familiaestagio
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
Péricles Penuel
 
Trabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médioTrabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médio
WANDERSON JONER
 
Diversidades - Convivendo com as Diferenças
Diversidades - Convivendo com as DiferençasDiversidades - Convivendo com as Diferenças
Diversidades - Convivendo com as Diferenças
cidaabizaid
 

Mais procurados (20)

Aula de sociologia
Aula de sociologiaAula de sociologia
Aula de sociologia
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
 
Sobre Positivismo - Auguste Comte
Sobre Positivismo - Auguste ComteSobre Positivismo - Auguste Comte
Sobre Positivismo - Auguste Comte
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Aula 1 metodologia científica
Aula 1   metodologia científicaAula 1   metodologia científica
Aula 1 metodologia científica
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
 
Natureza e cultura
Natureza e culturaNatureza e cultura
Natureza e cultura
 
Filosofia séc xx
Filosofia séc xxFilosofia séc xx
Filosofia séc xx
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Trabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médioTrabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médio
 
Diversidades - Convivendo com as Diferenças
Diversidades - Convivendo com as DiferençasDiversidades - Convivendo com as Diferenças
Diversidades - Convivendo com as Diferenças
 

Semelhante a Bruno Latour - Ciência em Ação

O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
FAAT - Faculdades Atibaia
 
Jornalismo e ciência
Jornalismo e ciênciaJornalismo e ciência
Jornalismo e ciência
Vittorio Pastelli
 
Aula5
Aula5Aula5
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Diogo Castro
 
BRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em AcaoBRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
Vittorio Pastelli
 
A01 +metodologia+cientifica
A01 +metodologia+cientificaA01 +metodologia+cientifica
A01 +metodologia+cientifica
Adriana Guimarães
 
Cientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básicaCientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básica
Instituto de Física da USP
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limites
mluisavalente
 
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno LatourA Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
bpierro
 
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptxAULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
FlavioCandido8
 
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
MARCOSSANTOS737347
 
Apresentação cap 3 ciencia em ação latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação   latourApresentação cap 3 ciencia em ação   latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação latour
Radar Ufmg
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt
BiancaFreitas81
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt
francaraujo2
 
Aula 1.1.ppt
Aula 1.1.pptAula 1.1.ppt
Aula 1.1.ppt
Zoraide6
 
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaReflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Cilmara Cristina Dos Santos
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
Mauricio Serafim
 
aula 21.05. filosofia história moderna h
aula 21.05. filosofia história moderna haula 21.05. filosofia história moderna h
aula 21.05. filosofia história moderna h
PabloGabrielKdabra
 
aula de filosofia antiga, medieval e mod
aula de filosofia antiga, medieval e modaula de filosofia antiga, medieval e mod
aula de filosofia antiga, medieval e mod
PabloGabrielKdabra
 
Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018
Raquel (UFTo)
 

Semelhante a Bruno Latour - Ciência em Ação (20)

O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
 
Jornalismo e ciência
Jornalismo e ciênciaJornalismo e ciência
Jornalismo e ciência
 
Aula5
Aula5Aula5
Aula5
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
BRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em AcaoBRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
BRUNO LATOUR - Ciencia em Acao
 
A01 +metodologia+cientifica
A01 +metodologia+cientificaA01 +metodologia+cientifica
A01 +metodologia+cientifica
 
Cientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básicaCientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básica
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limites
 
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno LatourA Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
 
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptxAULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
 
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
267019202 BECKER Howard S Metodos de Pesquisa Em Ciencias Sociais Corrigido.pdf
 
Apresentação cap 3 ciencia em ação latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação   latourApresentação cap 3 ciencia em ação   latour
Apresentação cap 3 ciencia em ação latour
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt
 
1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt1. O que é ciência.ppt
1. O que é ciência.ppt
 
Aula 1.1.ppt
Aula 1.1.pptAula 1.1.ppt
Aula 1.1.ppt
 
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaReflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
 
aula 21.05. filosofia história moderna h
aula 21.05. filosofia história moderna haula 21.05. filosofia história moderna h
aula 21.05. filosofia história moderna h
 
aula de filosofia antiga, medieval e mod
aula de filosofia antiga, medieval e modaula de filosofia antiga, medieval e mod
aula de filosofia antiga, medieval e mod
 
Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018Livro metodologia.hipotese.2018
Livro metodologia.hipotese.2018
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisGeocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasAcesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesEscalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções CartográficasSistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  BásicosIntrodução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanPlanejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RAtividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeDiversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoGeotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia socialGeotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia social
Vitor Vieira Vasconcelos
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisGeocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
 
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasAcesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
 
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
 
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
 
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesEscalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
 
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções CartográficasSistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
 
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
 
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
 
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  BásicosIntrodução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
 
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
 
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanPlanejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
 
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RAtividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
 
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeDiversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
 
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoGeotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
 
Geotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia socialGeotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia social
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 

Bruno Latour - Ciência em Ação

  • 1. Ciência, Tecnologia e Sociedade Abrindo a Caixa de Pandora – Bruno Latour Vitor Vieira Vasconcelos BC0602 Novembro de 2021
  • 2. Conteúdo  Teoria do Ator –Rede  Estudos de Laboratório  Tradução científica  Tecnociência como construção social  Comparação Latour x Bourdieu
  • 3. LATOUR, Bruno. Nous n'avons jamais été modernes: essai d'anthropologie symétrique. La découverte, 2013 [1991]. Jamais fomos modernos: ensaios de antropologia simétrica  Conceito de “moderno”: usado como contraposição à sociedades “primitivas”  Modernidade supõe dualidade entre Social e Natural, que não acontece na prática  Sociedade Euro-americana faz estudos antropológicos em sociedades “primitivas”/”exóticas”, mas não sobre si mesma  Proposição de usar a antropologia como auto-reflexão sobre a sociedade intitulada “moderna” Bruno Latour
  • 4. LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP. ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento: Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.  Teoria Ator-Rede • Redes envolvendo atores humanos e não-humanos (incluindo artefatos)  Estudos de Laboratório • Etnografia: o Acompanhamento dos cientistas em ação o A ciência é uma prática, e não uma ideia • Popularização do método no meio acadêmico de CTS Bruno Latour
  • 5.  Tradução • O cientista interpreta o mundo social e natural para tomar suas decisões • Comparação com teoria dos campos (Bourdieu) o Campo científico traduz as regras sociais (autonomia relativa) o Diferenças:  Latour: tradução significa que objetividade e imparcialidade da ciência são impossíveis  Bourdieu: tradução permite autonomia para defender objetividade e imparcialidade da ciência Bruno Latour
  • 6. LATOUR, B. (2000). Ciencia em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP. ARAÚJO, R.F., FROTA, M.G.C.; CARDOSO, A.M.P. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia para a Ciência da Informação. In: A ciência da informaçao criadora de conhecimento: Actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC, 2009 (pp. 135-146). Universidade de Coimbra.  A ciência é uma construção social • Teoria científica como discurso • Validade da teoria científica pelo convencimento de aliados Bruno Latour
  • 7. Riscos, incertezas, controvérsias Contexto e conteúdo se confundem Jano Bifronte Deus das portas, transformações, inícios e fins Início Fim LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26. Deixai o saber sobre o saber, ó vós que entrais Fatos e máquinas bem determinados Fatos e máquinas em construção
  • 8. A caixa de Pandora Perigo, não abra! Na ciência pronta... Caixa Preta Entrada Saída John W. Waterhouse (1986) Pandora
  • 9. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 10. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 11. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 12. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 13.
  • 14. LATOUR, Bruno. Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora. Em: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 15. Contra-laboratórios  Laboratórios para questionar fatos propostos por outro laboratório  Visita a laboratórios inimigos para entender pontos falhos  Precisa abrir e questionar as caixas-pretas usadas como aliadas do laboratório inimigo  Estratégia de cooptar os aliados dos laboratório inimigo  Precisa convencer os novos cientistas a concordarem com a contraproposta LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 16. LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26. Terceira regra metodológica uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da representação da Natureza, e não a consequência, nunca poderemos usar o resultado - Natureza - para explicar como e por que uma controvérsia foi resolvida. Realista Relativista
  • 17. Quarta regra metodológica uma vez que a resolução de urna controvérsia é a causa da estabilidade na Sociedade, não podemos usar a Sociedade para explicar como e por que uma controvérsia foi dirimida. LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 18. Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH) é Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala. Uso de aliados para novos desenvolvimentos Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos. Crítica O Dr. A. Schally afirmou durante vários anos em seu laboratório de New Orleans que a estrutura do GHRH é Val-His-Leu-Ser- Ala-Glu-Glu-Lys-Glu-Ala. No entanto, por incrível coincidência, essa também é a estrutura da hemoglobina, componente comum do sangue e frequente contaminante de extrato de encéfalo purificado, quando a manipulação é feita por pesquisadores incompetentes. Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH) é Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala. Uso de aliados para novos desenvolvimentos Agora que o Dr. Schally descobriu a estrutura primária do GHRH, é possível dar início a estudos clínicos em hospitais para tratar de certos casos de nanismo, visto que o GHRH deve estimular o hormônio do crescimento carente nesses casos. Aliados e Inimigos nos textos científicos  Citam-se aliados e, se possível, “caixas-pretas” para reforçar a teoria proposta e caminhar para o seu “fechamento” (consenso)  Citam-se inimigos para criticar suas proposições, antecipando críticas dos leitores e já se defendendo LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26. Caixa preta A estrutura primária do hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH) é Val_His_Leu_Ser_Ala_Glu_Glu_Lys_Glu_Ala.
  • 19. Aliados Inimigos (criticados) LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 20. Aliados Inimigos (criticados) LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 21. LATOUR, Bruno: Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2000. P. 1-26.
  • 22. • Uso da teoria do ator-rede para analisar as pesquisas sobre mudanças climáticas • Empresas poluidoras financiam cientistas corruptos para questionar consensos da comunidade acadêmica e gerar mais incerteza na sociedade LATOUR, Bruno. Down to earth: Politics in the new climatic regime. John Wiley & Sons, 2018.
  • 23.  Teoria do Ator-Rede (Latour) • Relações horizontais e conexões  Teoria dos Campos (Bourdieu) • Relações verticais (estruturas de poder) Bruno Latour X Pierre Bourdieu LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
  • 24. Mais flexível que a noção de sistema, mais histórica que a de estrutura, mais empírica que a complexidade, a Rede é o Fio de Ariadne destas histórias confusas Bruno Latour X Pierre Bourdieu Teoria dos Campos Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34.
  • 25.  As redes horizontais não focam as relações de poder, criando visões ingênuas do meio científico  Latour estaria criticando a ciência para desacreditá-la como conhecimento objetivo  O que se deve fazer é apontar como a ciência pode ser tornar mais objetiva e confiável  Defender a autonomia científica tem um significado político, assim como defender a força da ciência (racionalismo) Crítica de Bourdieu a Latour BOURDIEU, P. Para uma Sociologia da Ciência. Lisboa: Edições 70, 2004 LORENZI, B.,; ANDRADE, T. Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 107-121, 2011.
  • 26. 26 Quadro Comparativo Progresso da C&T Composição do universo da C&T Autonomia da ciência Descritividade vs. Normatividade Robert Merton Linear e cumulativo, ampliação do conhecimento válido Instituição da ciência: cientistas, academias e universidade Institucionalização da ciência Predominante- mente normativo Pierre Bourdieu Competição no interior do campo científico Agentes do campo (indivíduos e instituições) Razão entre capital científico e capital político/institucional Predominante- mente descritivo Bruno Latour Fechamento de controvérsias em caixas pretas Humanos e não-humanos Ciência apenas parte indiferenciada de uma rede de pessoas, máquinas, organizações e teorias Predominante- mente descritivo
  • 27. 27 Exercício  Faça uma proposta (descrição metodológica) sobre como poderiam ser utilizadas para estudar as controvérsias científicas sobre mudanças climáticas por meio do viés teórico de: • Pierre Bourdieu • Bruno Latour