SlideShare uma empresa Scribd logo
INDEPENDÊNCIA E
INDEPENDÊNCIAS
Iconografia da Independência do Brasil
REBELIÕES COLONIAIS NAAMÉRICA
PORTUGUESA
• Rebeliões sem o objetivo de separação política:
• Guerra dos Emboabas (1708)
• Revolta de Vila Rica (1720)
• Revolta de Beckman (1684)
• Guerra dos Mascates (1710)
Rebeliões com o Objetivo de separação política:
• Conjuração Mineira (1789)
• Conjuração Baiana (1798)
•Revolução Pernambucana (1817)
A Inconfidência Mineira
Principais medidas do projeto
mineiro:
• Libertar Minas Gerais de
Portugal
• Adotar uma nova bandeira
• Criar uma universidade em
Vila Rica
• Incentivar a natalidade
• Criar o serviço militar
obrigatório
• Estimular a agricultura.
A Conjuração Baiana
ou Revolta dos Búzios/Alfaiates
Objetivos dos revolucionários:
• Romper com a dominação
portuguesa.
• Abolir a escravidão.
• Aumentar a remuneração dos
soldados.
• Abrir os portos brasileiros aos
navios de todas as nações.
• Melhorar as condições gerais de
vida do povo.
• Os revolucionários não queriam
somente romper com a dominação
colonial portuguesa, mas também
modificar a ordem social interna do
Brasil, que se baseava no trabalho
escravo.
• Um desses
panfletos declarava:
"Animai-vos Povo
baiense que está
para chegar o tempo
feliz da nossa
Liberdade: o tempo
em que todos
seremos irmãos: o
tempo em que todos
seremos iguais." (in:
RUY, Afonso. A
Líderes da Conjuração
AlfaiateAlfaiateSoldado Soldado
A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA
• A região Nordeste: com a mudança do
eixo político-econômico sofria com
problemas de concentração de renda
e instabilidade econômica.
• Em março de 1817, a insatisfação
ganhou força se transformando em
um movimento de inspiração
separatista. Os revoltosos
estabeleceram uma República
controlada por um Governo Provisório.
• Reagindo à imposição do novo
governo, forças portuguesas atacaram
os revoltosos e após alguns meses de
conflito, a agitação separatista foi
contida e muitos revoltosos foram
punidos com a prisão e a morte.
Independência ou Morte! PedroAmérico (1888) - óleo sobre tela
Aspectos incompatíveis em relação
aos fatos históricos:
• Os belos cavalos montados por D. Pedro e seu cortejo, na
realidade, eram simplesmente mulas - um tipo de cavalgadura
menos heroico, mas muito mais adequado ao duro percurso que
os viajantes faziam. Eles tinham acabado de subir a serra do
Mar, vindo de Santos.
• Provavelmente, ninguém estaria usando os luxuosos uniformes
apresentados e sim, trajes mais simples e práticos,
provavelmente sujos do pó e da lama do caminho. Para piorar, o
próprio D. Pedro não poderia estar tão exaltado e bem disposto
assim como o artista o representa. Afinal, ele havia parado
naquele local em função de uma diarreia que o atormentava,
devido aos seus excessos alimentares em Santos, na véspera.
• O rio Ipiranga não poderia estar naquele local. Para que o rio e
suas célebres margens integrassem a paisagem do quadro, o
pintor "desviou" o curso do riacho. A rigor, ele estaria passando
por trás de quem observasse a cena naquele local.
O quadro de Pedro Américo foi concluído em 1888, um
ano antes da proclamação da República. O artista fez uma
ampla pesquisa, consultando historiadores, estudando
objetos e visitando o local do grito. Apesar disso, achava
que não deveria ficar "preso à verdade". Assim, entre
outros aspectos, alterou a topografia, para realçar o
riacho do Ipiranga e a colina; escolheu raças de cavalos
que dessem maior elegância ao príncipe D. Pedro e à sua
comitiva; definiu características de trajes e chapéus; e
promoveu a incorporação anacrônica da Guarda de Honra
do Imperador, regimento criado, como o próprio nome
sugere, tempos depois do 7 de Setembro, explica Cecília
Helena de Salles Oliveira, professora da Universidade de
São Paulo (USP).
As muitas independências. Revista Nossa História. Rio de
Janeiro: Biblioteca Nacional, set. 2004. n. 11. p. 14.
François-René Moreaux. Proclamação da Independência, 1844.
“Inicia-se assim a organização de uma
memória nacional, a partir de um marco
fundador, criando-se um mito de origem. No
quadro, D. Pedro I aparece a cavalo em meio
ao povo festivo, acenando com o chapéu. Ao
mesmo tempo que enfatiza a popularidade de
D. Pedro I, François-René reafirma a
legitimidade dos herdeiros da casa de
Bragança ao trono brasileiro, por direito divino.
No quadro, a maioria olha para o céu, como se
o futuro imperador estivesse apenas
consumando a vontade de Deus.
(Oliveira, 1999, p.90).”
ALBUQUERQUE, Georgina de. Sessão do Conselho de Estado. [s.d]. Museu
Histórico Nacional, Rio de Janeiro.
"Sessão do Conselho de Estado" apresenta uma
interpretação oposta à de Pedro Américo. Primeiro por
celebrar um outro momento. Baseando-se na
obra História do Brasil, de Rocha Pombo, a artista
identificou na reunião do Conselho de Estado, presidido
pela Princesa Leopoldina, a ocasião em que de fato
seria decidida a independência. No canto esquerdo,
sentada, regendo o evento, está a princesa Leopoldina.
À sua frente, um grupo de conselheiros, liderado por
José Bonifácio, um dos mentores da emancipação, que
expõe os fatos justificadores da decisão de se romper
com a metrópole. Em contraste com a
tela Independência ou Morte!, não se trata de cena
belicosa, mas de um fato construído politicamente. Não
há soldados, fardas ou armas, mas sim a ideia de um
processo amplamente refletido e em nada impetuoso, no
qual a protagonista é uma mulher.
Para discutir:
1. Na sua leitura iconográfica das duas imagens do
início do capítulo, qual delas lhe parece representar
melhor a independência do Brasil? Por quê?
2. Você acredita que a independência do Brasil foi um
acontecimento pacífico acontecido em uma reunião
palaciana?
3. Qual a sua opinião sobre a atitude de Pedro
Américo ao retratar a independência do Brasil?
4. Qual o papel da vinda da Corte Portuguesa no
processo de emancipação do Brasil?
(...) a independência foi seguida por uma
série de guerras. No Norte e Nordeste, o
processo de ruptura com Portugal esteve
longe de ser tranquilo. Entre março e
maio de 1823, Belém registra levantes
pró-Lisboa. O mesmo ocorre no
Maranhão, no Piauí e no Ceará, onde os
conflitos armados estendem-se de
outubro de 1822 a janeiro de 1823. Na
Bahia, as lutas desdobram-se por quase
um ano.”
Del Priore, Mary. O livro de Ouro da História do Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro,
2001, p. 206
“Conforme sugerimos, a reengenharia política
da independência, levada a cabo por grupos
constitucionalistas, implicava esvaziar a
influência das cortes legislativas portuguesas,
criando uma similar nacional. A medida deu
certo e a ela se deve, em grande parte, ser
atribuído o sucesso do ‘grito do Ipiranga’, gesto
que, se não contasse com o inestimável apoio
das elites políticas e econômicas do Rio de
Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, passaria
para a história como mais uma ‘berro’
inconsequente do autoritário D. Pedro.”
Ibidem, p. 207
Independência e Independências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jb news informativo nr. 2104
Jb news   informativo nr. 2104Jb news   informativo nr. 2104
Jb news informativo nr. 2104
JB News
 
Jb news informativo nr. 0373
Jb news   informativo nr. 0373Jb news   informativo nr. 0373
Jb news informativo nr. 0373
JB News
 
Jb news informativo nr. 2134
Jb news   informativo nr. 2134Jb news   informativo nr. 2134
Jb news informativo nr. 2134
JB News
 
Jb news informativo nr. 2180
Jb news   informativo nr. 2180Jb news   informativo nr. 2180
Jb news informativo nr. 2180
JB News
 
Jb news informativo nr. 2214
Jb news   informativo nr. 2214Jb news   informativo nr. 2214
Jb news informativo nr. 2214
JB News
 
Jb news informativo nr. 2175
Jb news   informativo nr. 2175Jb news   informativo nr. 2175
Jb news informativo nr. 2175
JB News
 

Mais procurados (6)

Jb news informativo nr. 2104
Jb news   informativo nr. 2104Jb news   informativo nr. 2104
Jb news informativo nr. 2104
 
Jb news informativo nr. 0373
Jb news   informativo nr. 0373Jb news   informativo nr. 0373
Jb news informativo nr. 0373
 
Jb news informativo nr. 2134
Jb news   informativo nr. 2134Jb news   informativo nr. 2134
Jb news informativo nr. 2134
 
Jb news informativo nr. 2180
Jb news   informativo nr. 2180Jb news   informativo nr. 2180
Jb news informativo nr. 2180
 
Jb news informativo nr. 2214
Jb news   informativo nr. 2214Jb news   informativo nr. 2214
Jb news informativo nr. 2214
 
Jb news informativo nr. 2175
Jb news   informativo nr. 2175Jb news   informativo nr. 2175
Jb news informativo nr. 2175
 

Semelhante a Independência e Independências

Cap independncia do br
Cap   independncia do brCap   independncia do br
Cap independncia do br
marceloks
 
Revisão 8º ano - Família Real até Independência
Revisão 8º ano - Família Real até Independência Revisão 8º ano - Família Real até Independência
Revisão 8º ano - Família Real até Independência
Janaína Bindá
 
Capitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do Brasil
Capitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do BrasilCapitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do Brasil
Capitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do Brasil
Jordan Bruno
 
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
JeissyCosta
 
Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
Nádia França
 
Arte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à RepúblicaArte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à República
Robson Ferraz
 
O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)
Zeze Silva
 
Brasil - Principais Datas Históricas
Brasil - Principais Datas HistóricasBrasil - Principais Datas Históricas
Brasil - Principais Datas Históricas
Milasan
 
Análise iconográfica
Análise iconográficaAnálise iconográfica
Análise iconográfica
Edenilson Morais
 
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Caarolis
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Douglas Barraqui
 
A independência do Brasil
A independência do BrasilA independência do Brasil
A independência do Brasil
Sylvio Bazote
 
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinadoProcesso emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Edvaldo Lopes
 
Quinhentismo..ppt
Quinhentismo..pptQuinhentismo..ppt
Quinhentismo..ppt
RICKzn
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2
rogerio
 
Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14
Jorge Marcos Oliveira
 
Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011
ProfessoresColeguium
 
Brasil v - editora abril
Brasil v - editora abrilBrasil v - editora abril
Brasil v - editora abril
Elicardna
 
Jb news informativo nr. 0223
Jb news   informativo nr. 0223Jb news   informativo nr. 0223
Jb news informativo nr. 0223
JB News
 

Semelhante a Independência e Independências (20)

Cap independncia do br
Cap   independncia do brCap   independncia do br
Cap independncia do br
 
Revisão 8º ano - Família Real até Independência
Revisão 8º ano - Família Real até Independência Revisão 8º ano - Família Real até Independência
Revisão 8º ano - Família Real até Independência
 
Capitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do Brasil
Capitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do BrasilCapitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do Brasil
Capitulo 3 - Dissertação UFPI - Mestrado História do Brasil
 
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
 
Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
 
Arte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à RepúblicaArte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à República
 
O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)
 
Brasil - Principais Datas Históricas
Brasil - Principais Datas HistóricasBrasil - Principais Datas Históricas
Brasil - Principais Datas Históricas
 
Análise iconográfica
Análise iconográficaAnálise iconográfica
Análise iconográfica
 
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
A independência do Brasil
A independência do BrasilA independência do Brasil
A independência do Brasil
 
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinadoProcesso emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
 
Quinhentismo..ppt
Quinhentismo..pptQuinhentismo..ppt
Quinhentismo..ppt
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2
 
Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14
 
Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011
 
Brasil v - editora abril
Brasil v - editora abrilBrasil v - editora abril
Brasil v - editora abril
 
Jb news informativo nr. 0223
Jb news   informativo nr. 0223Jb news   informativo nr. 0223
Jb news informativo nr. 0223
 

Mais de seixasmarianas

Aula regimes totalitários
Aula regimes totalitáriosAula regimes totalitários
Aula regimes totalitários
seixasmarianas
 
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do BrasilDiscussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
seixasmarianas
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
seixasmarianas
 
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizaçõesOrigens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
seixasmarianas
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
seixasmarianas
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicas
seixasmarianas
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
seixasmarianas
 
Aula II Guerra Mundial
Aula II Guerra MundialAula II Guerra Mundial
Aula II Guerra Mundial
seixasmarianas
 
Formação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades ColoniaisFormação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades Coloniais
seixasmarianas
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
seixasmarianas
 
Aula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasilAula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasil
seixasmarianas
 
A Crise da República Velha
A Crise da República VelhaA Crise da República Velha
A Crise da República Velha
seixasmarianas
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
seixasmarianas
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
seixasmarianas
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
seixasmarianas
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
seixasmarianas
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
seixasmarianas
 
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo ÁrabeA Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
seixasmarianas
 
Aula Revolta da Chibata
Aula Revolta da ChibataAula Revolta da Chibata
Aula Revolta da Chibata
seixasmarianas
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
seixasmarianas
 

Mais de seixasmarianas (20)

Aula regimes totalitários
Aula regimes totalitáriosAula regimes totalitários
Aula regimes totalitários
 
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do BrasilDiscussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizaçõesOrigens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicas
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
Aula II Guerra Mundial
Aula II Guerra MundialAula II Guerra Mundial
Aula II Guerra Mundial
 
Formação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades ColoniaisFormação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades Coloniais
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
 
Aula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasilAula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasil
 
A Crise da República Velha
A Crise da República VelhaA Crise da República Velha
A Crise da República Velha
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo ÁrabeA Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
 
Aula Revolta da Chibata
Aula Revolta da ChibataAula Revolta da Chibata
Aula Revolta da Chibata
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Independência e Independências

  • 2. REBELIÕES COLONIAIS NAAMÉRICA PORTUGUESA • Rebeliões sem o objetivo de separação política: • Guerra dos Emboabas (1708) • Revolta de Vila Rica (1720) • Revolta de Beckman (1684) • Guerra dos Mascates (1710) Rebeliões com o Objetivo de separação política: • Conjuração Mineira (1789) • Conjuração Baiana (1798) •Revolução Pernambucana (1817)
  • 3. A Inconfidência Mineira Principais medidas do projeto mineiro: • Libertar Minas Gerais de Portugal • Adotar uma nova bandeira • Criar uma universidade em Vila Rica • Incentivar a natalidade • Criar o serviço militar obrigatório • Estimular a agricultura.
  • 4. A Conjuração Baiana ou Revolta dos Búzios/Alfaiates Objetivos dos revolucionários: • Romper com a dominação portuguesa. • Abolir a escravidão. • Aumentar a remuneração dos soldados. • Abrir os portos brasileiros aos navios de todas as nações. • Melhorar as condições gerais de vida do povo. • Os revolucionários não queriam somente romper com a dominação colonial portuguesa, mas também modificar a ordem social interna do Brasil, que se baseava no trabalho escravo. • Um desses panfletos declarava: "Animai-vos Povo baiense que está para chegar o tempo feliz da nossa Liberdade: o tempo em que todos seremos irmãos: o tempo em que todos seremos iguais." (in: RUY, Afonso. A
  • 6. A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA • A região Nordeste: com a mudança do eixo político-econômico sofria com problemas de concentração de renda e instabilidade econômica. • Em março de 1817, a insatisfação ganhou força se transformando em um movimento de inspiração separatista. Os revoltosos estabeleceram uma República controlada por um Governo Provisório. • Reagindo à imposição do novo governo, forças portuguesas atacaram os revoltosos e após alguns meses de conflito, a agitação separatista foi contida e muitos revoltosos foram punidos com a prisão e a morte.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Independência ou Morte! PedroAmérico (1888) - óleo sobre tela
  • 13.
  • 14. Aspectos incompatíveis em relação aos fatos históricos: • Os belos cavalos montados por D. Pedro e seu cortejo, na realidade, eram simplesmente mulas - um tipo de cavalgadura menos heroico, mas muito mais adequado ao duro percurso que os viajantes faziam. Eles tinham acabado de subir a serra do Mar, vindo de Santos. • Provavelmente, ninguém estaria usando os luxuosos uniformes apresentados e sim, trajes mais simples e práticos, provavelmente sujos do pó e da lama do caminho. Para piorar, o próprio D. Pedro não poderia estar tão exaltado e bem disposto assim como o artista o representa. Afinal, ele havia parado naquele local em função de uma diarreia que o atormentava, devido aos seus excessos alimentares em Santos, na véspera. • O rio Ipiranga não poderia estar naquele local. Para que o rio e suas célebres margens integrassem a paisagem do quadro, o pintor "desviou" o curso do riacho. A rigor, ele estaria passando por trás de quem observasse a cena naquele local.
  • 15. O quadro de Pedro Américo foi concluído em 1888, um ano antes da proclamação da República. O artista fez uma ampla pesquisa, consultando historiadores, estudando objetos e visitando o local do grito. Apesar disso, achava que não deveria ficar "preso à verdade". Assim, entre outros aspectos, alterou a topografia, para realçar o riacho do Ipiranga e a colina; escolheu raças de cavalos que dessem maior elegância ao príncipe D. Pedro e à sua comitiva; definiu características de trajes e chapéus; e promoveu a incorporação anacrônica da Guarda de Honra do Imperador, regimento criado, como o próprio nome sugere, tempos depois do 7 de Setembro, explica Cecília Helena de Salles Oliveira, professora da Universidade de São Paulo (USP). As muitas independências. Revista Nossa História. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, set. 2004. n. 11. p. 14.
  • 16. François-René Moreaux. Proclamação da Independência, 1844.
  • 17. “Inicia-se assim a organização de uma memória nacional, a partir de um marco fundador, criando-se um mito de origem. No quadro, D. Pedro I aparece a cavalo em meio ao povo festivo, acenando com o chapéu. Ao mesmo tempo que enfatiza a popularidade de D. Pedro I, François-René reafirma a legitimidade dos herdeiros da casa de Bragança ao trono brasileiro, por direito divino. No quadro, a maioria olha para o céu, como se o futuro imperador estivesse apenas consumando a vontade de Deus. (Oliveira, 1999, p.90).”
  • 18. ALBUQUERQUE, Georgina de. Sessão do Conselho de Estado. [s.d]. Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro.
  • 19. "Sessão do Conselho de Estado" apresenta uma interpretação oposta à de Pedro Américo. Primeiro por celebrar um outro momento. Baseando-se na obra História do Brasil, de Rocha Pombo, a artista identificou na reunião do Conselho de Estado, presidido pela Princesa Leopoldina, a ocasião em que de fato seria decidida a independência. No canto esquerdo, sentada, regendo o evento, está a princesa Leopoldina. À sua frente, um grupo de conselheiros, liderado por José Bonifácio, um dos mentores da emancipação, que expõe os fatos justificadores da decisão de se romper com a metrópole. Em contraste com a tela Independência ou Morte!, não se trata de cena belicosa, mas de um fato construído politicamente. Não há soldados, fardas ou armas, mas sim a ideia de um processo amplamente refletido e em nada impetuoso, no qual a protagonista é uma mulher.
  • 20.
  • 21. Para discutir: 1. Na sua leitura iconográfica das duas imagens do início do capítulo, qual delas lhe parece representar melhor a independência do Brasil? Por quê? 2. Você acredita que a independência do Brasil foi um acontecimento pacífico acontecido em uma reunião palaciana? 3. Qual a sua opinião sobre a atitude de Pedro Américo ao retratar a independência do Brasil? 4. Qual o papel da vinda da Corte Portuguesa no processo de emancipação do Brasil?
  • 22. (...) a independência foi seguida por uma série de guerras. No Norte e Nordeste, o processo de ruptura com Portugal esteve longe de ser tranquilo. Entre março e maio de 1823, Belém registra levantes pró-Lisboa. O mesmo ocorre no Maranhão, no Piauí e no Ceará, onde os conflitos armados estendem-se de outubro de 1822 a janeiro de 1823. Na Bahia, as lutas desdobram-se por quase um ano.” Del Priore, Mary. O livro de Ouro da História do Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001, p. 206
  • 23. “Conforme sugerimos, a reengenharia política da independência, levada a cabo por grupos constitucionalistas, implicava esvaziar a influência das cortes legislativas portuguesas, criando uma similar nacional. A medida deu certo e a ela se deve, em grande parte, ser atribuído o sucesso do ‘grito do Ipiranga’, gesto que, se não contasse com o inestimável apoio das elites políticas e econômicas do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, passaria para a história como mais uma ‘berro’ inconsequente do autoritário D. Pedro.” Ibidem, p. 207