SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
emrc
emrc Olá! Chamo-me  Roger . Nasci na  Suíça em 1915 , mas  em 1940 , durante a segunda guerra mundial,  fui viver para França . Já desde alguns anos que sentia em mim o desejo de me juntar a outras pessoas para concretizarmos um grande desafio: viver todos os dias a reconciliação entre os cristãos. Sabes…  eu nasci numa família protestante  (o Cristianismo dividiu-se em três grupos principais:  católicos, ortodoxos e protestantes), mas sentia-me fascinado pelo Catolicismo e pela Ortodoxia e sempre me fez sofrer ver pessoas sinceras e honestas a recusarem relacionar-se fraternalmente só porque pertenciam a famílias religiosas diferentes. O sofrimento que vi, durante o terrível conflito mundial, deu-me ainda mais consciência de que, unidos, podíamos fazer um bem maior. Juntei-me a outras pessoas e fundámos, em Taizé, uma comunidade onde, na simplicidade, cada um expressa a sua fé cristã, oramos em conjunto a Jesus Cristo, acolhemos quem nos procura e servimos os desfavorecidos.  Queremos, os irmãos de Taizé, ser um sinal concreto de reconciliação entre Cristãos divididos e povos separados.
emrc
emrc O Cristianismo; assenta a sua fé e a sua esperança em Jesus Cristo; é uma religião que está profundamente inserida na vida das pessoas e dos povos.  Jesus e os apóstolos viveram num período histórico em que o império romano dominava grande parte do mundo conhecido e Roma era a capital desse imenso império. Herdeiro do Judaísmo e enriquecido pela civilização greco-romana, o Cristianismo, apesar de três séculos de perseguições, criou raízes na vida de muitos homens e mulheres A universalidade que o Cristianismo alcançou deu-lhe vitalidade, mas também é verdade que a submissão a interesses particulares, de indivíduos ou de grupos, fragilizaram a comunidade cristã. Ao longo do primeiro milénio, apesar de pequenas divergências e separações, o Cristianismo manteve-se globalmente unido.
emrc
emrc A palavra  ‘cisma’ —  do grego  skhisma («fenda;  separação»), por via do latim  schisma. —  significa  dissidência religiosa, separação de uma determinada religião. 330 Constantino muda de Roma para Constantinopla 380 Decreto de Teodósio I: o Cristianismo torna-se a religião oficial do império. séc.  I  II  III  IV  V  VI  VII  VIII  IX  X NATAL Jesus MORTE Jesus 33 Edito de Milão 313 Império Romano Ocidente e Oriente 395 Queda do Império  Romano do Ocidente 476
emrc O diálogo entre o Oriente cuja capital era Constantinopla (antiga Bizâncio e actual Istambul, na Turquia) e o Ocidente, com capital em Roma, já várias vezes tinha sido posto em causa. 476  queda do império romano no Ocidente divisão do império romano em duas partes  - império romano do Ocidente, com capital em Roma,  - império romano do Oriente, com capital em Constantinopla  Constantinopla adquiriu progressivamente  uma maior importância.  As diferenças entre o mundo ocidental (que falava latim) e mundo oriental (que falava grego) vão-se acentuando a nível cultural, político e até religioso.
emrc 1054 a separação (cisma) definitiva numa tentativa de diálogo e conciliação, um enviado do papa (cardeal Humberto) foi a Constantinopla, mas a tentativa saiu frustrada.  O cardeal, em nome do papa Leão IX, dirige-se à Basílica de Santa Sofia e excomunga o patriarca Miguel Cerulário. Este, como resposta, excomunga o cardeal.  Com estes gestos, repletos de falta de compreensão e de caridade, cada um considera-se portador da verdade e expulsa dessa fé e dessa comunhão o outro.
emrc Durante VI séculos Constantinopla  adquiriu progressivamente uma maior importância.  As  diferenças  entre: o  mundo ocidental  (que falava latim)  o  mundo oriental  (que falava grego)  vão-se acentuando a nível:  cultural ,  político  e até  religioso . Cisma do Oriente (século XI - 1054) Cristianismo  Igreja Católica Cristão Católicos Latinos Igreja Ortodoxa Cristãos Ortodoxos Gregos Constantino  muda de Roma para Constantinopla  (século IV - 330) Jesus Cristo Desentendimento Cristãos  Ocidente e Oriente  (século V - 476 )
emrc
emrc O final do século XIV e o século XV é um tempo de grandes transformações culturais.  Após a peste negra, que assolou a Europa na década de 40 do século XIV, surgiram novas visões da vida que conduziram ao aparecimento da burguesia, ao incremento da vida urbana e a um maior apreço pelo pensamento racional, pela arte e pela beleza.  A imitação dos modelos da antiguidade clássica, grega e latina (Renascimento), vem colocar o homem no centro da vida e do pensamento (Humanismo). São desta época os grandes artistas e pensadores que ainda hoje admiramos nas suas criações: o poeta Dante ( A Divina Comédia); os  pintores, escultores e arquitectos Giotto, Miguel Ângelo, Leonardo da Vinci…
emrc
emrc O  séc. XIV  é um  período conturbado  para a Igreja:  A Igreja estava também demasiado  envolvida em: questões políticas e económicas, em prejuízo das preocupações espirituais.  Havia um forte movimento de crítica às instituições da Igreja,  exigindo a sua reforma . Durante cerca de  70 anos  os papas  passaram a residir em  Avinhão , até 1377  Durante  39 anos  (1378 a 1417) houve  dois papas: Roma / Avinhão.
emrc Em 1305, o bispo de Bordéus foi eleito papa com o nome de Clemente V. Sendo francês e submisso ao rei de França — Filipe, o Belo (1285-1314) — e argumentando com a época de instabilidade que se vivia em Roma, o papa decidiu ficar em França, na cidade de Avinhão. Foram sete os papas, todos eles franceses, que orientaram a vida da Igreja a partir desta cidade do sul de França que assim se tornou a capital da cristandade. Em 1377, o papa Gregório XI, depois de contínuas insistências por parte de muitos cristãos, retornou a Roma, que passou a ser novamente o centro do mundo cristão no Ocidente. Quando este morreu, é foi eleito, em 1378, um italiano (Urbano VI). Homem de bom coração, mas pouco sensato, incompatibilizou-se com os cardeais que acabaram por escolher outro papa — Clemente VII — que foi viver para Avinhão. À morte de cada um dos papas sucederam-se outros… a cristandade (países, reis, bispos, cidades) viveu, assim, dividida em duas obediências religiosas. Esta divisão, na vida da Igreja, terminou quando o Concílio de Constança, em 1417, elegeu o papa Martinho V.
emrc
emrc O movimento humanista, fundado na redescoberta da cultura greco-romana (Renascimento), aliado ao descontentamento das pessoas pelos abusos da Igreja, faz emergir a necessidade de um retorno à mensagem original de Jesus Cristo. causas   que exigem  reforma s e que deram origem ao  PROTESTANTISMO Cisma do Ocidente –  Descrédito do papado Abusos da Igreja católica –  Indulgências – Poder temporal dos papas – Ritualismo Movimentos renovadores –  Purificação da vivência cristã Pensamento renascentista –  Redução da ingerência dos papas em assuntos nacionais –  Conquista, pelo poder, dos bens da Igreja
emrc
emrc ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],A insatisfação é sentida por:  - gente do povo;  - comerciantes;  - príncipes e reis;  foi terreno fértil para a adesão às ideias de Lutero. É excomungado pelo papa em 1521. Inicia outra vivência cristã a que vulgarmente se chama Igreja protestante.
emrc Por razões políticas, Lutero defendia que cada príncipe deveria escolher e impor a religião no seu Estado.  Em 1529, no encontro de Spire (Alemanha), Lutero e os seus seguidores  protestaram  contra a negação da liberdade de os príncipes escolherem a religião adoptada nos seus domínios… daí o nome de: PROTESTANTES .
emrc Teologia luterana Lutero interpreta assim o sentido da expressão «a justiça de Deus»: é o acto pelo qual Deus torna um homem justo, ou seja, o acto pelo qual o crente recebe, graças à sua fé, a justiça obtida pelo sacrifício de Cristo. Essa interpretação de São Paulo — «o justo viverá da fé» (Rom. 1, 12) — constitui o fundamento da teologia de Martinho Lutero. «Eu senti-me renascer», dizia ele mais tarde, «e percebi que tinha penetrado no Paraíso pelas suas portas abertas». O homem é justificado e salvo unicamente pela fé em Cristo. Tal como a fé, a salvação é concedida gratuitamente por Deus. Exageros de Lutero Lutero afirma: «Não admito que a minha doutrina possa ser julgada pelos homens, ou mesmo pelos anjos. Aquele que não aceita a minha doutrina não pode obter a salvação». Tendo recebido a revelação que é a liberdade absoluta de Deus-Pai, que julga, condena e salva segundo a sua própria decisão, Lutero não pode tolerar mais nenhuma outra interpretação. Afirmava: «Se a vontade não é livre, o pecado não pode ser imputado aos homens, já que ele só existe se for voluntário. Além disso, se o homem não fosse livre para escolher, Deus seria responsável tanto pelas más como pelas boas acções».
emrc
emrc João Calvino (1509-1564), francês,  seguidor dos ideais de Lutero, afirma que a  salvação  da pessoa se  deve : trabalho justo e honesto. Esta declaração foi muito bem aceite por:  - banqueiros  - burgueses  A Igreja condenava-os pela sua riqueza. Esta riqueza muitas vezes era conseguida através de juros elevados.
emrc Calvino defende a ideia da predestinação:  A pessoa, quando nasce, já tem o seu destino definido.  Desta forma, retira à pessoa a liberdade para poder alterar o seu destino. Calvino vai para  Genebra (Suíça).  As suas ideias religiosas são muito bem acolhidas. Aí estabelece uma comunidade fortemente trabalhadora e próspera. Os membros da Igreja Calvinista apresentam comportamentos sóbrios e rigidamente controlados, negando todos os prazeres da vida  (puritanismo) .
emrc Contemporaneamente à reforma luterana e calvinista, aconteceu outra separação no Cristianismo: o Anglicanismo.  O seu nome deriva do facto de ter ocorrido em Inglaterra.  Em 1509, Henrique Tudor torna-se, com 18 anos, rei de Inglaterra com o nome de Henrique VIII.  Grande devoto e defensor da fé católica, mandou queimar em 1521 os escritos de Lutero escreveu contra ele um tratado denominado «Sete Sacramentos».  Por esta atitude, o papa atribuiu-lhe o título de «defensor da fé».
emrc A Igreja  anglicana  é a Igreja oficial de Inglaterra Tem, ainda hoje, como primeiro responsável o rei ou rainha de Inglaterra, tendo, em questões religiosas, o arcebispo de Cantuária um papel primordial. No culto :  segue fundamentalmente  a perspectiva da Igreja católica;  Na doutrina :  segue a orientação calvinista.  Henrique VIII era casado com Catarina de Aragão, mas apaixonou-se por uma dama da corte, Ana Bolena. A relação amorosa levou Henrique VIII a rejeitar a esposa, solicitando ao papa a declaração de nulidade do casamento.  O pontífice não lhe reconhece a nulidade matrimonial, afirmando a indissolubilidade do matrimónio.  Após várias ameaças ao papa, Henrique VIII, em 1531, obriga o parlamento inglês a aprovar várias leis que o tornam chefe da Igreja de Inglaterra, separada do papa. É hoje uma  federação internacional de Igrejas independentes  mas em comunhão.
emrc
resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumoresumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resum emrc resumo resumo resumo resumo resumo
emrc séc.  I  II  III  IV  V  VI  VII  VIII  IX  X NATAL Jesus MORTE Jesus 33 Edito de Milão 313 Império Romano Ocidente e Oriente 395 Queda do  Império  Romano do Ocidente 476
emrc Renascimento Movimentos Religiosos Papa vai residir em França 1377 Cisma do ocidente 1378-1417 Protestantes Calvinismo 1541 Protestantes Anglicanismo 1531 Protestantes Luteranismo 1517 cisma do oriente 1054 XI  XII  XIII  XIV  XV  XVI  XVII  XVIII  XIX  XX
emrc Constantino  muda de Roma para Constantinopla  (século IV - 330) Desentendimento  dos Cristãos do Ocidente e Oriente  (século V - 476 ) Cisma do Oriente (século XI - 1054) Reforma (século XVI - 1517) Cristianismo  Igreja Católica Cristão Católicos Latinos Igreja Ortodoxa Cristãos Ortodoxos Gregos Protestantismo Luteranismo Calvinismo Anglicanismo
emrc 30-313 Concílio de Jerusalém. Expansão do Cristianismo através das viagens missionárias de Paulo. Perseguição aos cristãos. 313 Édito de Milão: Constantino decreta o fim das perseguições. 395 Divisão do império:  império romano do ocidente  império romano do oriente 380 Decreto de Teodósio I: o Cristianismo torna-se a religião oficial do império. 476 Queda do império romano do ocidente. 1054 Cisma do Oriente:  separação das Igrejas católica e ortodoxa.
emrc 1453 Queda do império romano do oriente. Perseguição aos cristãos. 1517 Lutero inicia a Reforma na Alemanha. 1531 Henrique VIII cria a Igreja anglicana. 1519 Zuínglio dirige a Reforma na Suíça. 1541 Calvino introduz a Reforma em Genebra. 1545-1563 Concílio de Trento: reforma da Igreja católica romana. 1378-1417 Cisma do Ocidente:  um papa em Roma e outro em Avinhão.
emrc
emrc Catolicismo  ‘ Católico’ significa ‘universal’. Ortodoxia ‘ Ortodoxo’ significa ‘puro’, ‘verdadeiro’. Protestantismo   O nome deriva do protesto na  Dieta de Spire, em 1529. É a Igreja cristã latina, que reconhece o bispo de Roma como principal autoridade. É o conjunto das Igrejas cristãs do Oriente (desde 1054), separadas de Roma. Surge com Martinho Lutero, no século XVI, e desenvolve-se com Calvino e Zuínglio. É o conjunto de Igrejas ocidentais separadas de Roma. Valoriza não apenas a Bíblia mas também a Tradição. Valoriza a Bíblia e a Tradição. A Bíblia é a única fonte de verdade.
emrc A salvação provém da fé e das obras. A salvação provém da fé e das obras. A salvação acontece unicamente por via da fé em Jesus Cristo . O papa, sucessor de S. Pedro, preside à unidade e à comunhão das comunidades. Não reconhece o papa como pastor universal. A dignidade mais elevada nesta Igreja é a de patriarca ecuménico (bispo de Istambul, Constantinopla). Não reconhece o papa como pastor universal. Não há nenhuma autoridade máxima; cada Igreja é autónoma. Os padres ou presbíteros e os bispos são mediadores entre Deus e as pessoas e são celibatários. Os membros do clero são mediadores entre Deus e as pessoas e podem casar (excepto os bispos e os monges). Os pastores não são mediadores entre Deus e as pessoas; todos os cristãos são ‘sacerdotes’.
emrc Reconhece Maria, mãe de Jesus, os santos como mediadores entre Deus e as pessoas, venerando-os. Venera os santos dando particular importância à Virgem Maria. Não presta culto aos santos nem à Virgem Maria. Jesus é o único mediador entre Deus e as pessoas. Reconhece sete sacramentos como sinais visíveis e eficazes da graça divina:  baptismo, eucaristia, confirmação, reconciliação, ordem, matrimónio e unção dos enfermos. Só reconhece dois sacramentos: o baptismo e a ceia (eucaristia). O centro da vida litúrgica é a missa (eucaristia). O centro do culto é a eucaristia. Na liturgia há variedade de ritos, é característico o uso de ícones No culto, sublinha o valor do anúncio e a escuta da palavra de Deus.
A BÍBLIA FONTE DE COMUNHÃO emrc
emrc Textos Sagrados A Bíblia foi o primeiro livro a ser impresso por Gutenberg, o inventor da imprensa, no ano de 1540 e é,  desde sempre, o livro mais difundido, traduzido, lido e estudado . Notável Uma página da Bíblia, mais precisamente o salmo 8, foi depositada pelos astronautas no solo da lua, no dia 21 de Julho de 1969 O  Livro sagrado  dos cristãos é a  Bíblia . Mais do que um livro, a Bíblia é uma  biblioteca ; é uma colecção de  73 livros :  Antigo Testamento,  (AT)   46 livros   Novo Testamento , (NT)  27 livros
emrc A Bíblia é uma colecção de 73 livros, é, portanto, uma autêntica biblioteca.  Tanto judeus (só relativamente ao «Antigo Testamento»), como cristãos consideram-na Escrituras Sagradas. Há várias maneiras de arrumar os livros nesta biblioteca. Os do Antigo Testamento, na tradição judaica, aparecem agrupados por ordem de importância: primeiro a Lei ou Torah, que é constituída pelos 5 livros do Pentateuco; depois, os livros históricos (Profetas Anteriores); a seguir, os livros proféticos (Profetas Posteriores) e, finalmente, os livros sapiênciais (os Escritos). Mas nem todas as edições cristãs mantêm esta ordem.
emrc Formação do Antigo Testamento A Bíblia não foi redigida num curto espaço de tempo. Foi fruto de muitos anos de relação entre o povo de Israel e Deus e da fixação dessa experiência por escrito. Sabe-se que os textos da Bíblia, antes de terem sido escritos, eram relatos orais, transmitidas de geração em geração, até ao momento em que alguns redactores (muitos deles, desconhecidos) as escreveram. Foram surgindo da experiência comunitária de vida e da vontade de transmitir essa experiência religiosa às gerações vindouras. Tal como a história do povo de Israel se desenrolou em muitos séculos, assim também os livros do Antigo Testamento foram gradualmente aparecendo ao longo de mais de mil anos. Por trás dos textos escritos temos os acontecimentos que marcaram a vida e a história do povo judeu na sua relação com os outros povos e, especialmente, na sua relação com Deus.
emrc Formação do Novo Testamento 1º escritos foram as Cartas de S. Paulo, redigidas na década de 50.  Foi o período da pregação oral.  Os 27 livros que constituem o Novo Testamento foram redigidos ao longo da segunda metade do séc. I. É que antes de ser fixada por escrito, a Boa Nova foi proclamada, escutada e vivida.
emrc Hebraico Aramaico Grego Línguas da Bíblia - Maior parte do Antigo Testamento. –  Livro de Tobias (AT); –  Livro de Judite (AT); –  Fragmentos de Esdras, Daniel e Jeremias (todos do AT). –  Livro da Sabedoria (AT); –  1º e 2º Macabeus (AT); –  Eclesiástico ou Ben Sira (AT); –  Partes dos Livros de Ester e de Daniel (AT); –  Todo o Novo Testamento.
emrc Por vezes passavam muitos anos desde o momento em que um era livro era escrito até ao momento em que era integrado no cânone.  Outras vezes, um determinado livro nunca chegava a ser integrado (livros apócrifos). No tempo de Jesus, havia dois cânones para a Bíblia judaica (o correspondente ao nosso Antigo Testamento): o da Palestina, que só aceitava como sagrados textos escritos em hebraico; e o de Alexandria, que incluía também livros escritos em grego. A Igreja cristã acabou por aceitar o cânone alexandrino, enquanto o Judaísmo oficial adoptou o cânone palestiniano. Por isso, hoje, o Antigo Testamento usado pela Igreja católica não coincide exactamente com a Bíblia hebraica. Cânone  O cânone é a lista de livros considerados sagrados pelas comunidades de crentes.  Cânon - (grego) cana, medida, norma, lei... na Bíblia significa a lista dos livros que compõem a Bíblia.
emrc Protocanónicos  - livros dos quais nunca se duvidou da sua canocidade. Deuterocanónicos  - livros cuja canocidade foi posta em dúvida em algum tempo e em alguns lugares. Livros apócrifos   - não estão na Bíblia, são parecidos com os canónicos mas não o são, e o povo de Deus não os inclui na Bíblia. O  cânon dos judeus  foi determinado, pela autoridade, por volta do  século I ou II d.C .,  é constituído pelos livros do AT , é denominado  TaNaK. O  cânon da Igreja Católica foi determinado no Concílio de Trento  (sessão IV - 8 de Abril de  1546 ).
emrc
emrc O cânone do Novo Testamento demorou três séculos a ser fixado. Hoje, o cânone do Novo Testamento é universalmente aceite por todas as Igrejas cristãs.
emrc O ECUMENISMO
emrc O termo  ‘ecumenismo’   provém do vocábulo grego  oikouménê,  que  significa  « terra habitada » ou « casa habitada » e que, na cultura helénica, se referia ao mundo conhecido de então.  Para os gregos,  oikouménê era não apenas uma zona geográfica, mas também cultural  (o mundo civilizada helénico).  Já sob a influência da cultura romana, a mesma palavra adquiriu também um significado político (o império romano).  O Cristianismo acrescentou, aos sentidos anteriores, a dimensão espiritual.
emrc O ecumenismo nasceu no coração de todos aqueles que, tocados por Deus, sentiram a necessidade de pôr fim às divisões dentro do Cristianismo. Viam na unidade a concretização do sonho e projecto de Deus. Estas vontades individuais motivaram o nascimento do ecumenismo institucional, entre as diferentes Igrejas cristãs. Foram muitas as iniciativas, diversos os esforços e significativos alguns acontecimentos que marcaram o movimento ecuménico, a partir do século XIX. Um dos primeiros passos concretos nasceu na tradição protestante, em 1864 — a criação da Aliança Evangélica com o objectivo de congregar as várias denominações que fragmentavam a tradição protestante. O ano de 1948 viu nascer, em Amesterdão, o Conselho Mundial das Igrejas.  Foi a primeira grande ponte de unidade entre cristãos, que contou com 197 denominações cristãs, as quais estavam unidas pela vontade de estabelecer a comunhão. Genebra foi a cidade escolhida para sede do então recém-criado organismo. A Igreja católica não faz parte integrante dele, embora esteja representada. Um movimento com história
emrc A Igreja católica, por sua vez, preocupada com as divisões históricas dos cristãos, desempenhou um papel significativo no desenvolvimento do espírito e movimento ecuménicos.  — 1908, o padre Wattson, um episcopaliano (ramo do Anglicanismo) convertido ao Catolicismo, fundou o «Oitavário pela Unidade dos Cristãos»: oito dias de oração e estudo para promover a unidade dos cristãos, de 18 a 25 de Janeiro. Este «Oitavário» atinge actualmente dimensões mundiais. —  1925, organizaram-se os «Diálogos de Malinas», com os anglicanos. —  1930, o padre José Metzger fundou a associação «Una Sancta». — 1960, o papa João XXIII fundou o «Secretariado para a União dos Cristãos». —  Em 1962, ocorreu o encontro histórico do papa Paulo VI com o patriarca ortodoxo Atenágoras. —  Durante o Concílio Vaticano II, a Igreja católica convidou observadores das Igrejas anglicana, luterana, reformada, metodista, entre outras. —  1964, durante o Concilio Ecuménico Vaticano II, o papa Paulo VI promulgou o «Decreto Conciliar sobre o Ecumenismo» — Unitatis Redintegratio — que apresenta as bases doutrinais e as linhas de acção prática do ecumenismo católico. — 1965, Roma e Constantinopla levantaram mutuamente as excomunhões lançadas em 1054. —  Em todas as suas viagens, o papa João Paulo II promoveu momentos de oração comum com os representantes dos irmãos separados. — 1980, aconteceu em Patmos, Grécia, a reunião entre representantes da Igreja católica e das Igrejas ortodoxas. —  Por todo o mundo, a Igreja católica tem promovido encontros ecuménicos de oração.
emrc
emrc A experiência dos Focolares O movimento dos Focolares foi fundado por Chiara Lubich, em Trento (Itália), em 1943. Chiara tinha 23 anos quando, num ambiente de ódio, dor e destruição causado pela segunda guerra mundial, encontra no amor de Deus o sentido e o ideal para a sua vida. Esta descoberta foi uma luz de esperança. Chiara e as suas amigas começaram por dar apoio a quem mais necessitava: pobres, doentes, feridos e crianças. Tratava-se, portanto, de amar a Deus através do amor às pessoas, aos irmãos. Este amor fez nascer nela a convicção da necessidade de construir a unidade entre as pessoas. Para Chiara, viver a unidade era viver a presença amorosa de Jesus Cristo. O grande objectivo deste movimento é contribuir para a fraternidade universal e para a unidade da humanidade, entendida como uma família fundada no amor. Este objectivo inspira-se nas palavras de Jesus «amem-se uns aos outros» e «que todos sejam um». O movimento foi reconhecido oficialmente pela Igreja católica com o nome de “Obra de Maria”. O contributo dos focolares para a unidade entre os cristãos foi reconhecido pelos diferentes líderes das Igrejas cristãs, que viram em Chiara e no seu movimento um testemunho de comunhão fraterna.
emrc A comunidade de Santo Egídio A comunidade católica de Santo Egídio constitui outro testemunho em prol do ecumenismo. Foi fundada pelo professor Andrea Riccardi, em 1968, ano em que se viveram tempos de grandes mudanças na Europa, muitas delas protagonizadas por jovens empenhados na construção de um mundo mais justo, pacífico e fraterno. Andrea Riccardi foi um destes jovens que, aos 18 anos de idade, se deixa interpelar pelo Evangelho de Jesus Cristo e funda uma comunidade de vida, com vista à construção da fraternidade e da paz universal. A comunidade Santo Egídio orienta-se por quatro princípios nos quais encontra o seu fundamento: –  A oração: A escuta e meditação das Escrituras, em particular –  O anúncio do Evangelho: Do encontro com Deus pela –  A atenção aos pobres: São os pobres quem mais sofre com –  O ecumenismo e o diálogo inter-religioso
emrc O papa João XXIII, em 1960, acolheu o irmão Roger com estas palavras: «Oh, Taizé, essa pequena Primavera». Estas palavras dirigidas pelo líder dos cristãos católicos a um pastor protestante significavam a esperança na renovação da vontade ecuménica. A comunidade de Taizé nasceu no coração do jovem protestante Roger Louis que encontrou, nesta pequena aldeia, numa Taizé — Primavera da Comunhão colina da província da Borgonha, em França, o espaço que tanto procurava. Tocado pela calma, simplicidade e beleza de Taizé, não resistiu ao seu convite (através da voz de um casal acolhedor) de ali permanecer e viver a aventura do amor.
emrc A comunidade de Taizé iniciou-se no Domingo de Páscoa de 1949, quando sete jovens protestantes, tocados pelo testemunho de Roger e depois de uma caminhada de encontro e reflexão, decidem comprometer-se por toda a vida numa entrega a Deus pela oração e serviço aos irmãos, partilhando um estilo de vida simples e humilde. Em 1960, entram para a comunidade membros da Igreja anglicana; em 1969 entrou o primeiro católico, um jovem médico. A comunidade não parou de crescer dali em diante, contando hoje com irmãos provenientes de diversos continentes, nacionalidades e confissões religiosas.
emrc O Concílio Vaticano II Em resposta a um desejo antigo de muitos cristãos católicos, o papa João XXIII convocou o Concílio Vaticano II com o objectivo de atender às mudanças e exigências dos tempos modernos e de renovar a Igreja católica nas suas várias dimensões. O concílio Vaticano II (1962-65), chamado ‘ecuménico’ por causa da sua dimensão universal, reflectiu sobre a seguinte questão de alcance ecuménico:  qual o contributo dado por cada Igreja para a divisão dos cristãos e o que poderá cada uma fazer em ordem à reconciliação e unidade?  O papa João XXIII  manifestou a sua  vontade ecuménica:  o reconhecimento público dos erros cometidos no passado pela Igreja católica;  da criação do Secretariado Romano para a Unidade dos Cristãos e do convite dirigido a vários representantes de outras confissões cristãs para participarem no Concílio como observadores. Decreto  Unitatis Redintegratio (Restauração da Unidade)
[object Object],[object Object],[object Object],prof. jjguedes bibliografia emrc

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antecedentes da Reforma Protestante
Antecedentes da Reforma ProtestanteAntecedentes da Reforma Protestante
Antecedentes da Reforma ProtestanteTainara Lira
 
Trabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia JoanaTrabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia Joanacarolejuh
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)Sara Guerra
 
Morfologia urbana
Morfologia urbanaMorfologia urbana
Morfologia urbanaRui Couto
 
Powerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livroPowerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livroCristina Marcelino
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesjulykathy
 
Os muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaOs muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaAnabela Sobral
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristãcattonia
 
Relatório final pap leandro
Relatório final pap   leandroRelatório final pap   leandro
Relatório final pap leandroLeandro Pacheco
 
A escala de um mapa
A escala de um mapaA escala de um mapa
A escala de um mapacatygeo
 
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparteOs descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparteAnabela Sobral
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.manuela016
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaCarlos Pinheiro
 

Mais procurados (20)

Antecedentes da Reforma Protestante
Antecedentes da Reforma ProtestanteAntecedentes da Reforma Protestante
Antecedentes da Reforma Protestante
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Trabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia JoanaTrabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia Joana
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Morfologia urbana
Morfologia urbanaMorfologia urbana
Morfologia urbana
 
Biografia D. Carlos
Biografia D. CarlosBiografia D. Carlos
Biografia D. Carlos
 
Powerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livroPowerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livro
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Os muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaOs muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibérica
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Relatório final pap leandro
Relatório final pap   leandroRelatório final pap   leandro
Relatório final pap leandro
 
Hominização
HominizaçãoHominização
Hominização
 
A escala de um mapa
A escala de um mapaA escala de um mapa
A escala de um mapa
 
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparteOs descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
 
Subclasses de verbos
Subclasses de verbosSubclasses de verbos
Subclasses de verbos
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.
 
O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
O som
O somO som
O som
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 

Destaque

2. reprodução e caracteres sexuais
2. reprodução e caracteres sexuais2. reprodução e caracteres sexuais
2. reprodução e caracteres sexuaisElsa RITA
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Lino Barbosa
 
Declaração dos Direitos das CriançAs
Declaração dos Direitos das CriançAsDeclaração dos Direitos das CriançAs
Declaração dos Direitos das CriançAsguest25fa9d47
 
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteHistória da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteGlauco Gonçalves
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteJoão Couto
 
Direitos da criança
Direitos da criançaDireitos da criança
Direitos da criançadavidjpereira
 

Destaque (9)

2. reprodução e caracteres sexuais
2. reprodução e caracteres sexuais2. reprodução e caracteres sexuais
2. reprodução e caracteres sexuais
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
 
Declaração dos Direitos das CriançAs
Declaração dos Direitos das CriançAsDeclaração dos Direitos das CriançAs
Declaração dos Direitos das CriançAs
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
 
Direitos ..
Direitos ..Direitos ..
Direitos ..
 
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteHistória da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidente
 
Direitos da criança
Direitos da criançaDireitos da criança
Direitos da criança
 
Microsoft Power Point Grandes ReligiõEs
Microsoft Power Point   Grandes ReligiõEsMicrosoft Power Point   Grandes ReligiõEs
Microsoft Power Point Grandes ReligiõEs
 

Semelhante a História do Cristianismo e suas divisões

10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aulaPIB Penha
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxDenisAurlio2
 
A reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaA reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaKelly Delfino
 
12 - A reforma na Europa.pptx
12 - A reforma na Europa.pptx12 - A reforma na Europa.pptx
12 - A reforma na Europa.pptxPIB Penha - SP
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antigaJosJunqueira1
 
O suicídio ótica tomista/kotora
O suicídio ótica tomista/kotoraO suicídio ótica tomista/kotora
O suicídio ótica tomista/kotoraPequenoTigre
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aulaPIB Penha
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medievalnany1523
 
História 2º ano
História   2º anoHistória   2º ano
História 2º anodinicmax
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaRita
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSandra Vale
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSandra Vale
 

Semelhante a História do Cristianismo e suas divisões (20)

Reformas religiosasppt
Reformas religiosaspptReformas religiosasppt
Reformas religiosasppt
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
 
Reforma protestante e contrarreforma 2018
Reforma protestante e contrarreforma 2018Reforma protestante e contrarreforma 2018
Reforma protestante e contrarreforma 2018
 
História da Igreja 2
História da Igreja 2História da Igreja 2
História da Igreja 2
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
 
M7 ensino 03 04
M7 ensino 03 04M7 ensino 03 04
M7 ensino 03 04
 
A reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaA reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosa
 
12 - A reforma na Europa.pptx
12 - A reforma na Europa.pptx12 - A reforma na Europa.pptx
12 - A reforma na Europa.pptx
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
 
O suicídio ótica tomista/kotora
O suicídio ótica tomista/kotoraO suicídio ótica tomista/kotora
O suicídio ótica tomista/kotora
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aula
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
 
Textos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmfTextos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmf
 
História 2º ano
História   2º anoHistória   2º ano
História 2º ano
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
 
As cruzadas set final
As cruzadas set finalAs cruzadas set final
As cruzadas set final
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte vi
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte vi
 

Mais de Lino Barbosa

Mais de Lino Barbosa (20)

Natal do pedro
Natal do pedroNatal do pedro
Natal do pedro
 
Lenda de S. Martinho
Lenda de S. MartinhoLenda de S. Martinho
Lenda de S. Martinho
 
Lenda de S. Martinho
Lenda de S. MartinhoLenda de S. Martinho
Lenda de S. Martinho
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
 
O que é emrc
O que é emrcO que é emrc
O que é emrc
 
Comunidadecrista
ComunidadecristaComunidadecrista
Comunidadecrista
 
5 ano ul3_lesus nazare[1]
5 ano ul3_lesus nazare[1]5 ano ul3_lesus nazare[1]
5 ano ul3_lesus nazare[1]
 
Um pingo de sensibilização
Um pingo de sensibilizaçãoUm pingo de sensibilização
Um pingo de sensibilização
 
6ºf 17
6ºf 176ºf 17
6ºf 17
 
Gestos amor
Gestos amorGestos amor
Gestos amor
 
Cyberbullying
CyberbullyingCyberbullying
Cyberbullying
 
Ambiente reciclagem eb1murca
Ambiente reciclagem eb1murcaAmbiente reciclagem eb1murca
Ambiente reciclagem eb1murca
 
Emrc judaism oreligioes0809
Emrc judaism oreligioes0809Emrc judaism oreligioes0809
Emrc judaism oreligioes0809
 
Oamor 7ºano
Oamor 7ºanoOamor 7ºano
Oamor 7ºano
 
O budismo
O budismoO budismo
O budismo
 
Comunidadecrista
ComunidadecristaComunidadecrista
Comunidadecrista
 
Cyberbullying
CyberbullyingCyberbullying
Cyberbullying
 
8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]
 
5 ano ul3_lesus nazare[1]
5 ano ul3_lesus nazare[1]5 ano ul3_lesus nazare[1]
5 ano ul3_lesus nazare[1]
 
Os direitos das crianças
Os direitos das criançasOs direitos das crianças
Os direitos das crianças
 

Último

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 

Último (20)

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 

História do Cristianismo e suas divisões

  • 2. emrc Olá! Chamo-me Roger . Nasci na Suíça em 1915 , mas em 1940 , durante a segunda guerra mundial, fui viver para França . Já desde alguns anos que sentia em mim o desejo de me juntar a outras pessoas para concretizarmos um grande desafio: viver todos os dias a reconciliação entre os cristãos. Sabes… eu nasci numa família protestante (o Cristianismo dividiu-se em três grupos principais: católicos, ortodoxos e protestantes), mas sentia-me fascinado pelo Catolicismo e pela Ortodoxia e sempre me fez sofrer ver pessoas sinceras e honestas a recusarem relacionar-se fraternalmente só porque pertenciam a famílias religiosas diferentes. O sofrimento que vi, durante o terrível conflito mundial, deu-me ainda mais consciência de que, unidos, podíamos fazer um bem maior. Juntei-me a outras pessoas e fundámos, em Taizé, uma comunidade onde, na simplicidade, cada um expressa a sua fé cristã, oramos em conjunto a Jesus Cristo, acolhemos quem nos procura e servimos os desfavorecidos. Queremos, os irmãos de Taizé, ser um sinal concreto de reconciliação entre Cristãos divididos e povos separados.
  • 4. emrc O Cristianismo; assenta a sua fé e a sua esperança em Jesus Cristo; é uma religião que está profundamente inserida na vida das pessoas e dos povos. Jesus e os apóstolos viveram num período histórico em que o império romano dominava grande parte do mundo conhecido e Roma era a capital desse imenso império. Herdeiro do Judaísmo e enriquecido pela civilização greco-romana, o Cristianismo, apesar de três séculos de perseguições, criou raízes na vida de muitos homens e mulheres A universalidade que o Cristianismo alcançou deu-lhe vitalidade, mas também é verdade que a submissão a interesses particulares, de indivíduos ou de grupos, fragilizaram a comunidade cristã. Ao longo do primeiro milénio, apesar de pequenas divergências e separações, o Cristianismo manteve-se globalmente unido.
  • 6. emrc A palavra ‘cisma’ — do grego skhisma («fenda; separação»), por via do latim schisma. — significa dissidência religiosa, separação de uma determinada religião. 330 Constantino muda de Roma para Constantinopla 380 Decreto de Teodósio I: o Cristianismo torna-se a religião oficial do império. séc. I II III IV V VI VII VIII IX X NATAL Jesus MORTE Jesus 33 Edito de Milão 313 Império Romano Ocidente e Oriente 395 Queda do Império Romano do Ocidente 476
  • 7. emrc O diálogo entre o Oriente cuja capital era Constantinopla (antiga Bizâncio e actual Istambul, na Turquia) e o Ocidente, com capital em Roma, já várias vezes tinha sido posto em causa. 476 queda do império romano no Ocidente divisão do império romano em duas partes - império romano do Ocidente, com capital em Roma, - império romano do Oriente, com capital em Constantinopla Constantinopla adquiriu progressivamente uma maior importância. As diferenças entre o mundo ocidental (que falava latim) e mundo oriental (que falava grego) vão-se acentuando a nível cultural, político e até religioso.
  • 8. emrc 1054 a separação (cisma) definitiva numa tentativa de diálogo e conciliação, um enviado do papa (cardeal Humberto) foi a Constantinopla, mas a tentativa saiu frustrada. O cardeal, em nome do papa Leão IX, dirige-se à Basílica de Santa Sofia e excomunga o patriarca Miguel Cerulário. Este, como resposta, excomunga o cardeal. Com estes gestos, repletos de falta de compreensão e de caridade, cada um considera-se portador da verdade e expulsa dessa fé e dessa comunhão o outro.
  • 9. emrc Durante VI séculos Constantinopla adquiriu progressivamente uma maior importância. As diferenças entre: o mundo ocidental (que falava latim) o mundo oriental (que falava grego) vão-se acentuando a nível: cultural , político e até religioso . Cisma do Oriente (século XI - 1054) Cristianismo Igreja Católica Cristão Católicos Latinos Igreja Ortodoxa Cristãos Ortodoxos Gregos Constantino muda de Roma para Constantinopla (século IV - 330) Jesus Cristo Desentendimento Cristãos Ocidente e Oriente (século V - 476 )
  • 10. emrc
  • 11. emrc O final do século XIV e o século XV é um tempo de grandes transformações culturais. Após a peste negra, que assolou a Europa na década de 40 do século XIV, surgiram novas visões da vida que conduziram ao aparecimento da burguesia, ao incremento da vida urbana e a um maior apreço pelo pensamento racional, pela arte e pela beleza. A imitação dos modelos da antiguidade clássica, grega e latina (Renascimento), vem colocar o homem no centro da vida e do pensamento (Humanismo). São desta época os grandes artistas e pensadores que ainda hoje admiramos nas suas criações: o poeta Dante ( A Divina Comédia); os pintores, escultores e arquitectos Giotto, Miguel Ângelo, Leonardo da Vinci…
  • 12. emrc
  • 13. emrc O séc. XIV é um período conturbado para a Igreja: A Igreja estava também demasiado envolvida em: questões políticas e económicas, em prejuízo das preocupações espirituais. Havia um forte movimento de crítica às instituições da Igreja, exigindo a sua reforma . Durante cerca de 70 anos os papas passaram a residir em Avinhão , até 1377 Durante 39 anos (1378 a 1417) houve dois papas: Roma / Avinhão.
  • 14. emrc Em 1305, o bispo de Bordéus foi eleito papa com o nome de Clemente V. Sendo francês e submisso ao rei de França — Filipe, o Belo (1285-1314) — e argumentando com a época de instabilidade que se vivia em Roma, o papa decidiu ficar em França, na cidade de Avinhão. Foram sete os papas, todos eles franceses, que orientaram a vida da Igreja a partir desta cidade do sul de França que assim se tornou a capital da cristandade. Em 1377, o papa Gregório XI, depois de contínuas insistências por parte de muitos cristãos, retornou a Roma, que passou a ser novamente o centro do mundo cristão no Ocidente. Quando este morreu, é foi eleito, em 1378, um italiano (Urbano VI). Homem de bom coração, mas pouco sensato, incompatibilizou-se com os cardeais que acabaram por escolher outro papa — Clemente VII — que foi viver para Avinhão. À morte de cada um dos papas sucederam-se outros… a cristandade (países, reis, bispos, cidades) viveu, assim, dividida em duas obediências religiosas. Esta divisão, na vida da Igreja, terminou quando o Concílio de Constança, em 1417, elegeu o papa Martinho V.
  • 15. emrc
  • 16. emrc O movimento humanista, fundado na redescoberta da cultura greco-romana (Renascimento), aliado ao descontentamento das pessoas pelos abusos da Igreja, faz emergir a necessidade de um retorno à mensagem original de Jesus Cristo. causas que exigem reforma s e que deram origem ao PROTESTANTISMO Cisma do Ocidente – Descrédito do papado Abusos da Igreja católica – Indulgências – Poder temporal dos papas – Ritualismo Movimentos renovadores – Purificação da vivência cristã Pensamento renascentista – Redução da ingerência dos papas em assuntos nacionais – Conquista, pelo poder, dos bens da Igreja
  • 17. emrc
  • 18.
  • 19. emrc Por razões políticas, Lutero defendia que cada príncipe deveria escolher e impor a religião no seu Estado. Em 1529, no encontro de Spire (Alemanha), Lutero e os seus seguidores protestaram contra a negação da liberdade de os príncipes escolherem a religião adoptada nos seus domínios… daí o nome de: PROTESTANTES .
  • 20. emrc Teologia luterana Lutero interpreta assim o sentido da expressão «a justiça de Deus»: é o acto pelo qual Deus torna um homem justo, ou seja, o acto pelo qual o crente recebe, graças à sua fé, a justiça obtida pelo sacrifício de Cristo. Essa interpretação de São Paulo — «o justo viverá da fé» (Rom. 1, 12) — constitui o fundamento da teologia de Martinho Lutero. «Eu senti-me renascer», dizia ele mais tarde, «e percebi que tinha penetrado no Paraíso pelas suas portas abertas». O homem é justificado e salvo unicamente pela fé em Cristo. Tal como a fé, a salvação é concedida gratuitamente por Deus. Exageros de Lutero Lutero afirma: «Não admito que a minha doutrina possa ser julgada pelos homens, ou mesmo pelos anjos. Aquele que não aceita a minha doutrina não pode obter a salvação». Tendo recebido a revelação que é a liberdade absoluta de Deus-Pai, que julga, condena e salva segundo a sua própria decisão, Lutero não pode tolerar mais nenhuma outra interpretação. Afirmava: «Se a vontade não é livre, o pecado não pode ser imputado aos homens, já que ele só existe se for voluntário. Além disso, se o homem não fosse livre para escolher, Deus seria responsável tanto pelas más como pelas boas acções».
  • 21. emrc
  • 22. emrc João Calvino (1509-1564), francês, seguidor dos ideais de Lutero, afirma que a salvação da pessoa se deve : trabalho justo e honesto. Esta declaração foi muito bem aceite por: - banqueiros - burgueses A Igreja condenava-os pela sua riqueza. Esta riqueza muitas vezes era conseguida através de juros elevados.
  • 23. emrc Calvino defende a ideia da predestinação: A pessoa, quando nasce, já tem o seu destino definido. Desta forma, retira à pessoa a liberdade para poder alterar o seu destino. Calvino vai para Genebra (Suíça). As suas ideias religiosas são muito bem acolhidas. Aí estabelece uma comunidade fortemente trabalhadora e próspera. Os membros da Igreja Calvinista apresentam comportamentos sóbrios e rigidamente controlados, negando todos os prazeres da vida (puritanismo) .
  • 24. emrc Contemporaneamente à reforma luterana e calvinista, aconteceu outra separação no Cristianismo: o Anglicanismo. O seu nome deriva do facto de ter ocorrido em Inglaterra. Em 1509, Henrique Tudor torna-se, com 18 anos, rei de Inglaterra com o nome de Henrique VIII. Grande devoto e defensor da fé católica, mandou queimar em 1521 os escritos de Lutero escreveu contra ele um tratado denominado «Sete Sacramentos». Por esta atitude, o papa atribuiu-lhe o título de «defensor da fé».
  • 25. emrc A Igreja anglicana é a Igreja oficial de Inglaterra Tem, ainda hoje, como primeiro responsável o rei ou rainha de Inglaterra, tendo, em questões religiosas, o arcebispo de Cantuária um papel primordial. No culto : segue fundamentalmente a perspectiva da Igreja católica; Na doutrina : segue a orientação calvinista. Henrique VIII era casado com Catarina de Aragão, mas apaixonou-se por uma dama da corte, Ana Bolena. A relação amorosa levou Henrique VIII a rejeitar a esposa, solicitando ao papa a declaração de nulidade do casamento. O pontífice não lhe reconhece a nulidade matrimonial, afirmando a indissolubilidade do matrimónio. Após várias ameaças ao papa, Henrique VIII, em 1531, obriga o parlamento inglês a aprovar várias leis que o tornam chefe da Igreja de Inglaterra, separada do papa. É hoje uma federação internacional de Igrejas independentes mas em comunhão.
  • 26. emrc
  • 27. resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumoresumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resumo resum emrc resumo resumo resumo resumo resumo
  • 28. emrc séc. I II III IV V VI VII VIII IX X NATAL Jesus MORTE Jesus 33 Edito de Milão 313 Império Romano Ocidente e Oriente 395 Queda do Império Romano do Ocidente 476
  • 29. emrc Renascimento Movimentos Religiosos Papa vai residir em França 1377 Cisma do ocidente 1378-1417 Protestantes Calvinismo 1541 Protestantes Anglicanismo 1531 Protestantes Luteranismo 1517 cisma do oriente 1054 XI XII XIII XIV XV XVI XVII XVIII XIX XX
  • 30. emrc Constantino muda de Roma para Constantinopla (século IV - 330) Desentendimento dos Cristãos do Ocidente e Oriente (século V - 476 ) Cisma do Oriente (século XI - 1054) Reforma (século XVI - 1517) Cristianismo Igreja Católica Cristão Católicos Latinos Igreja Ortodoxa Cristãos Ortodoxos Gregos Protestantismo Luteranismo Calvinismo Anglicanismo
  • 31. emrc 30-313 Concílio de Jerusalém. Expansão do Cristianismo através das viagens missionárias de Paulo. Perseguição aos cristãos. 313 Édito de Milão: Constantino decreta o fim das perseguições. 395 Divisão do império: império romano do ocidente império romano do oriente 380 Decreto de Teodósio I: o Cristianismo torna-se a religião oficial do império. 476 Queda do império romano do ocidente. 1054 Cisma do Oriente: separação das Igrejas católica e ortodoxa.
  • 32. emrc 1453 Queda do império romano do oriente. Perseguição aos cristãos. 1517 Lutero inicia a Reforma na Alemanha. 1531 Henrique VIII cria a Igreja anglicana. 1519 Zuínglio dirige a Reforma na Suíça. 1541 Calvino introduz a Reforma em Genebra. 1545-1563 Concílio de Trento: reforma da Igreja católica romana. 1378-1417 Cisma do Ocidente: um papa em Roma e outro em Avinhão.
  • 33. emrc
  • 34. emrc Catolicismo ‘ Católico’ significa ‘universal’. Ortodoxia ‘ Ortodoxo’ significa ‘puro’, ‘verdadeiro’. Protestantismo O nome deriva do protesto na Dieta de Spire, em 1529. É a Igreja cristã latina, que reconhece o bispo de Roma como principal autoridade. É o conjunto das Igrejas cristãs do Oriente (desde 1054), separadas de Roma. Surge com Martinho Lutero, no século XVI, e desenvolve-se com Calvino e Zuínglio. É o conjunto de Igrejas ocidentais separadas de Roma. Valoriza não apenas a Bíblia mas também a Tradição. Valoriza a Bíblia e a Tradição. A Bíblia é a única fonte de verdade.
  • 35. emrc A salvação provém da fé e das obras. A salvação provém da fé e das obras. A salvação acontece unicamente por via da fé em Jesus Cristo . O papa, sucessor de S. Pedro, preside à unidade e à comunhão das comunidades. Não reconhece o papa como pastor universal. A dignidade mais elevada nesta Igreja é a de patriarca ecuménico (bispo de Istambul, Constantinopla). Não reconhece o papa como pastor universal. Não há nenhuma autoridade máxima; cada Igreja é autónoma. Os padres ou presbíteros e os bispos são mediadores entre Deus e as pessoas e são celibatários. Os membros do clero são mediadores entre Deus e as pessoas e podem casar (excepto os bispos e os monges). Os pastores não são mediadores entre Deus e as pessoas; todos os cristãos são ‘sacerdotes’.
  • 36. emrc Reconhece Maria, mãe de Jesus, os santos como mediadores entre Deus e as pessoas, venerando-os. Venera os santos dando particular importância à Virgem Maria. Não presta culto aos santos nem à Virgem Maria. Jesus é o único mediador entre Deus e as pessoas. Reconhece sete sacramentos como sinais visíveis e eficazes da graça divina: baptismo, eucaristia, confirmação, reconciliação, ordem, matrimónio e unção dos enfermos. Só reconhece dois sacramentos: o baptismo e a ceia (eucaristia). O centro da vida litúrgica é a missa (eucaristia). O centro do culto é a eucaristia. Na liturgia há variedade de ritos, é característico o uso de ícones No culto, sublinha o valor do anúncio e a escuta da palavra de Deus.
  • 37. A BÍBLIA FONTE DE COMUNHÃO emrc
  • 38. emrc Textos Sagrados A Bíblia foi o primeiro livro a ser impresso por Gutenberg, o inventor da imprensa, no ano de 1540 e é, desde sempre, o livro mais difundido, traduzido, lido e estudado . Notável Uma página da Bíblia, mais precisamente o salmo 8, foi depositada pelos astronautas no solo da lua, no dia 21 de Julho de 1969 O Livro sagrado dos cristãos é a Bíblia . Mais do que um livro, a Bíblia é uma biblioteca ; é uma colecção de 73 livros : Antigo Testamento, (AT) 46 livros Novo Testamento , (NT) 27 livros
  • 39. emrc A Bíblia é uma colecção de 73 livros, é, portanto, uma autêntica biblioteca. Tanto judeus (só relativamente ao «Antigo Testamento»), como cristãos consideram-na Escrituras Sagradas. Há várias maneiras de arrumar os livros nesta biblioteca. Os do Antigo Testamento, na tradição judaica, aparecem agrupados por ordem de importância: primeiro a Lei ou Torah, que é constituída pelos 5 livros do Pentateuco; depois, os livros históricos (Profetas Anteriores); a seguir, os livros proféticos (Profetas Posteriores) e, finalmente, os livros sapiênciais (os Escritos). Mas nem todas as edições cristãs mantêm esta ordem.
  • 40. emrc Formação do Antigo Testamento A Bíblia não foi redigida num curto espaço de tempo. Foi fruto de muitos anos de relação entre o povo de Israel e Deus e da fixação dessa experiência por escrito. Sabe-se que os textos da Bíblia, antes de terem sido escritos, eram relatos orais, transmitidas de geração em geração, até ao momento em que alguns redactores (muitos deles, desconhecidos) as escreveram. Foram surgindo da experiência comunitária de vida e da vontade de transmitir essa experiência religiosa às gerações vindouras. Tal como a história do povo de Israel se desenrolou em muitos séculos, assim também os livros do Antigo Testamento foram gradualmente aparecendo ao longo de mais de mil anos. Por trás dos textos escritos temos os acontecimentos que marcaram a vida e a história do povo judeu na sua relação com os outros povos e, especialmente, na sua relação com Deus.
  • 41. emrc Formação do Novo Testamento 1º escritos foram as Cartas de S. Paulo, redigidas na década de 50. Foi o período da pregação oral. Os 27 livros que constituem o Novo Testamento foram redigidos ao longo da segunda metade do séc. I. É que antes de ser fixada por escrito, a Boa Nova foi proclamada, escutada e vivida.
  • 42. emrc Hebraico Aramaico Grego Línguas da Bíblia - Maior parte do Antigo Testamento. – Livro de Tobias (AT); – Livro de Judite (AT); – Fragmentos de Esdras, Daniel e Jeremias (todos do AT). – Livro da Sabedoria (AT); – 1º e 2º Macabeus (AT); – Eclesiástico ou Ben Sira (AT); – Partes dos Livros de Ester e de Daniel (AT); – Todo o Novo Testamento.
  • 43. emrc Por vezes passavam muitos anos desde o momento em que um era livro era escrito até ao momento em que era integrado no cânone. Outras vezes, um determinado livro nunca chegava a ser integrado (livros apócrifos). No tempo de Jesus, havia dois cânones para a Bíblia judaica (o correspondente ao nosso Antigo Testamento): o da Palestina, que só aceitava como sagrados textos escritos em hebraico; e o de Alexandria, que incluía também livros escritos em grego. A Igreja cristã acabou por aceitar o cânone alexandrino, enquanto o Judaísmo oficial adoptou o cânone palestiniano. Por isso, hoje, o Antigo Testamento usado pela Igreja católica não coincide exactamente com a Bíblia hebraica. Cânone O cânone é a lista de livros considerados sagrados pelas comunidades de crentes. Cânon - (grego) cana, medida, norma, lei... na Bíblia significa a lista dos livros que compõem a Bíblia.
  • 44. emrc Protocanónicos - livros dos quais nunca se duvidou da sua canocidade. Deuterocanónicos - livros cuja canocidade foi posta em dúvida em algum tempo e em alguns lugares. Livros apócrifos - não estão na Bíblia, são parecidos com os canónicos mas não o são, e o povo de Deus não os inclui na Bíblia. O cânon dos judeus foi determinado, pela autoridade, por volta do século I ou II d.C ., é constituído pelos livros do AT , é denominado TaNaK. O cânon da Igreja Católica foi determinado no Concílio de Trento (sessão IV - 8 de Abril de 1546 ).
  • 45. emrc
  • 46. emrc O cânone do Novo Testamento demorou três séculos a ser fixado. Hoje, o cânone do Novo Testamento é universalmente aceite por todas as Igrejas cristãs.
  • 48. emrc O termo ‘ecumenismo’ provém do vocábulo grego oikouménê, que significa « terra habitada » ou « casa habitada » e que, na cultura helénica, se referia ao mundo conhecido de então. Para os gregos, oikouménê era não apenas uma zona geográfica, mas também cultural (o mundo civilizada helénico). Já sob a influência da cultura romana, a mesma palavra adquiriu também um significado político (o império romano). O Cristianismo acrescentou, aos sentidos anteriores, a dimensão espiritual.
  • 49. emrc O ecumenismo nasceu no coração de todos aqueles que, tocados por Deus, sentiram a necessidade de pôr fim às divisões dentro do Cristianismo. Viam na unidade a concretização do sonho e projecto de Deus. Estas vontades individuais motivaram o nascimento do ecumenismo institucional, entre as diferentes Igrejas cristãs. Foram muitas as iniciativas, diversos os esforços e significativos alguns acontecimentos que marcaram o movimento ecuménico, a partir do século XIX. Um dos primeiros passos concretos nasceu na tradição protestante, em 1864 — a criação da Aliança Evangélica com o objectivo de congregar as várias denominações que fragmentavam a tradição protestante. O ano de 1948 viu nascer, em Amesterdão, o Conselho Mundial das Igrejas. Foi a primeira grande ponte de unidade entre cristãos, que contou com 197 denominações cristãs, as quais estavam unidas pela vontade de estabelecer a comunhão. Genebra foi a cidade escolhida para sede do então recém-criado organismo. A Igreja católica não faz parte integrante dele, embora esteja representada. Um movimento com história
  • 50. emrc A Igreja católica, por sua vez, preocupada com as divisões históricas dos cristãos, desempenhou um papel significativo no desenvolvimento do espírito e movimento ecuménicos. — 1908, o padre Wattson, um episcopaliano (ramo do Anglicanismo) convertido ao Catolicismo, fundou o «Oitavário pela Unidade dos Cristãos»: oito dias de oração e estudo para promover a unidade dos cristãos, de 18 a 25 de Janeiro. Este «Oitavário» atinge actualmente dimensões mundiais. — 1925, organizaram-se os «Diálogos de Malinas», com os anglicanos. — 1930, o padre José Metzger fundou a associação «Una Sancta». — 1960, o papa João XXIII fundou o «Secretariado para a União dos Cristãos». — Em 1962, ocorreu o encontro histórico do papa Paulo VI com o patriarca ortodoxo Atenágoras. — Durante o Concílio Vaticano II, a Igreja católica convidou observadores das Igrejas anglicana, luterana, reformada, metodista, entre outras. — 1964, durante o Concilio Ecuménico Vaticano II, o papa Paulo VI promulgou o «Decreto Conciliar sobre o Ecumenismo» — Unitatis Redintegratio — que apresenta as bases doutrinais e as linhas de acção prática do ecumenismo católico. — 1965, Roma e Constantinopla levantaram mutuamente as excomunhões lançadas em 1054. — Em todas as suas viagens, o papa João Paulo II promoveu momentos de oração comum com os representantes dos irmãos separados. — 1980, aconteceu em Patmos, Grécia, a reunião entre representantes da Igreja católica e das Igrejas ortodoxas. — Por todo o mundo, a Igreja católica tem promovido encontros ecuménicos de oração.
  • 51. emrc
  • 52. emrc A experiência dos Focolares O movimento dos Focolares foi fundado por Chiara Lubich, em Trento (Itália), em 1943. Chiara tinha 23 anos quando, num ambiente de ódio, dor e destruição causado pela segunda guerra mundial, encontra no amor de Deus o sentido e o ideal para a sua vida. Esta descoberta foi uma luz de esperança. Chiara e as suas amigas começaram por dar apoio a quem mais necessitava: pobres, doentes, feridos e crianças. Tratava-se, portanto, de amar a Deus através do amor às pessoas, aos irmãos. Este amor fez nascer nela a convicção da necessidade de construir a unidade entre as pessoas. Para Chiara, viver a unidade era viver a presença amorosa de Jesus Cristo. O grande objectivo deste movimento é contribuir para a fraternidade universal e para a unidade da humanidade, entendida como uma família fundada no amor. Este objectivo inspira-se nas palavras de Jesus «amem-se uns aos outros» e «que todos sejam um». O movimento foi reconhecido oficialmente pela Igreja católica com o nome de “Obra de Maria”. O contributo dos focolares para a unidade entre os cristãos foi reconhecido pelos diferentes líderes das Igrejas cristãs, que viram em Chiara e no seu movimento um testemunho de comunhão fraterna.
  • 53. emrc A comunidade de Santo Egídio A comunidade católica de Santo Egídio constitui outro testemunho em prol do ecumenismo. Foi fundada pelo professor Andrea Riccardi, em 1968, ano em que se viveram tempos de grandes mudanças na Europa, muitas delas protagonizadas por jovens empenhados na construção de um mundo mais justo, pacífico e fraterno. Andrea Riccardi foi um destes jovens que, aos 18 anos de idade, se deixa interpelar pelo Evangelho de Jesus Cristo e funda uma comunidade de vida, com vista à construção da fraternidade e da paz universal. A comunidade Santo Egídio orienta-se por quatro princípios nos quais encontra o seu fundamento: – A oração: A escuta e meditação das Escrituras, em particular – O anúncio do Evangelho: Do encontro com Deus pela – A atenção aos pobres: São os pobres quem mais sofre com – O ecumenismo e o diálogo inter-religioso
  • 54. emrc O papa João XXIII, em 1960, acolheu o irmão Roger com estas palavras: «Oh, Taizé, essa pequena Primavera». Estas palavras dirigidas pelo líder dos cristãos católicos a um pastor protestante significavam a esperança na renovação da vontade ecuménica. A comunidade de Taizé nasceu no coração do jovem protestante Roger Louis que encontrou, nesta pequena aldeia, numa Taizé — Primavera da Comunhão colina da província da Borgonha, em França, o espaço que tanto procurava. Tocado pela calma, simplicidade e beleza de Taizé, não resistiu ao seu convite (através da voz de um casal acolhedor) de ali permanecer e viver a aventura do amor.
  • 55. emrc A comunidade de Taizé iniciou-se no Domingo de Páscoa de 1949, quando sete jovens protestantes, tocados pelo testemunho de Roger e depois de uma caminhada de encontro e reflexão, decidem comprometer-se por toda a vida numa entrega a Deus pela oração e serviço aos irmãos, partilhando um estilo de vida simples e humilde. Em 1960, entram para a comunidade membros da Igreja anglicana; em 1969 entrou o primeiro católico, um jovem médico. A comunidade não parou de crescer dali em diante, contando hoje com irmãos provenientes de diversos continentes, nacionalidades e confissões religiosas.
  • 56. emrc O Concílio Vaticano II Em resposta a um desejo antigo de muitos cristãos católicos, o papa João XXIII convocou o Concílio Vaticano II com o objectivo de atender às mudanças e exigências dos tempos modernos e de renovar a Igreja católica nas suas várias dimensões. O concílio Vaticano II (1962-65), chamado ‘ecuménico’ por causa da sua dimensão universal, reflectiu sobre a seguinte questão de alcance ecuménico: qual o contributo dado por cada Igreja para a divisão dos cristãos e o que poderá cada uma fazer em ordem à reconciliação e unidade? O papa João XXIII manifestou a sua vontade ecuménica: o reconhecimento público dos erros cometidos no passado pela Igreja católica; da criação do Secretariado Romano para a Unidade dos Cristãos e do convite dirigido a vários representantes de outras confissões cristãs para participarem no Concílio como observadores. Decreto Unitatis Redintegratio (Restauração da Unidade)
  • 57.