SlideShare uma empresa Scribd logo
Centro-Cirúrgico
Prof. Fernanda Barboza
Centro Cirúrgico
• Centro Cirúrgico é um lugar especial dentro do hospital,
convenientemente preparado segundo um conjunto de requisitos que
o tornam apto à prática da cirurgia.
Objetivos:
- Prestar assistência integral ao paciente cirúrgico em todo o
período perioperatório; e
- Proporcionar recursos humanos e materiais para que o ato
cirúrgico seja realizado dentro de condições ideais, técnicas e
assépticas;
Cirurgia
• “Cirurgia ou operação é o tratamento de doença, lesão ou deformidade
externa e/ou interna com o objetivo de reparar, corrigir ou aliviar um
problema físico”
Classificação de acordo com a finalidade
• Diagnóstica ou exploratória: para se visualizar as partes internas e/ou
realizar biópsias (laparotomia exploradora)
• Curativa: correção de alterações orgânicas (retirada da amígdala inflamada);
reparadora, quando da reparação de múltiplos ferimentos (enxerto de pele)
• Reconstrutora ou cosmética: reconstituição (plástica para modelar o nariz,
por exemplo)
• Paliativa: corrigir algum problema, aliviando os sintomas da enfermidade,
não havendo cura (abertura de orifício artificial para a saída de fezes sem
ressecção do tumor intestinal, por exemplo).
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação
* Limpas: realizadas em tecidos estéreis ou de fácil descontaminação, na
ausência de processo infeccioso local, sem penetração nos Tratos
Digestório, respiratório ou urinário, em condições ideais de sala de
cirurgia. Exemplo: cirurgia de ovário;
* Potencialmente contaminadas: realizadas em tecidos de difícil
descontaminação, na ausência de supuração local, com penetração nos
tratos digestório, respiratório ou urinário sem contaminação significativa.
Exemplo: redução de fratura exposta;
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação
*Contaminadas: realizadas em tecidos recentemente traumatizados
e abertos, de difícil descontaminação, com processo inflamatório
mas sem supuração.
*Infectadas: realizadas em tecido com supuração local, tecido
necrótico, feridas traumáticas sujas. Exemplo: cirurgia do reto e ânus
com pus.
Classificação com base na urgência
• Emergência: atenção imediata; distúrbio pode ser ameaçador à vida.
• Urgência: atenção rápida
• Requerida: o paciente precisa realizar a cirurgia
• Eletiva: o paciente pode ser operado
• Opcional: essa decisão é do paciente
Orqui (testículo);
Artro (articulação);
Gastro (estômago);
Entero (intestino);
Salpinge ( trompas de falópio);
Mamo ( mamas);
Espleno ( baço);
Nefro ( rin)
Angio (vasos sanguíneos);
Flebo (veia);
Traqueo (traqueia);
Rino (nariz);
Oto (ouvido);
Oftalmo (olhos);
Hister(o) (útero);
Laparo (parede abdominal)
Nomeclatura cirugica
O nome composto de raiz (identifica a parte do corpo a ser submetida à
cirurgia), somada ao prefixo ou ao sufixo
SUFIXOS
Tomia: Incisão, corte;
Stomia: Comunicar um orgão tubular oco, com
exterior através de uma boca;
Ectomia: retitada parcial ou total de um orgão;
Plastia: reparação plástica;
Pexia: fixação;
Centese: punção de um orgão ou tecido para
drenagem ou coleta de um líquido;
Scopia: visualização de uma cavidade atravéz de
um aparelho especial.
Ex:
- Laparotomia;
- Colostomia;
- Esplenectoma;
- Rinoplastia;
- Nefropexia;
- Laparoscopia.
ESTRUTURA FÍSICA RDC nº 50/2002
• Área crítica: são os ambientes onde existe maior probabilidade
de infecção, onde se realizam procedimentos.
• Área semi-crítica: são todas os compartimentos ocupados por
pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e
doenças não infecciosas.
• Área não crítica: são todos os demais compartimentos não
ocupados por pacientes, onde não se realizam procedimentos de
risco.
Estrutura do centro cirúrgico (CC)
Devido ao seu risco:
• Não-restrita: as áreas de circulação livre (vestiários, corredor de
entrada e sala de espera de acompanhantes).
*Semi-restritas: pode haver circulação tanto do pessoal como de
equipamentos, sem contudo provocarem interferência nas rotinas
de controle e manutenção da assepsia( salas de guarda de material,
administrativa, , copa e expurgo)
*Restrita - o corredor interno, as áreas de escovação das mãos e a
sala de operação (SO) ; para evitar infecção operatória, limita-se a
circulação de pessoal, equipamentos e materiais.
Limpeza do Centro-Cirúrgico
• Limpeza preparatória: realizada antes do início das cirurgias programadas do
dia. Nela há a remoção das partículas de poeira nas superfícies dos mobiliários,
focos cirúrgicos e equipamentos com solução detergente ou desinfetante (álcool
70%) com um pano úmido e branco.
• Limpeza operatória: realizada durante o procedimento cirúrgico constituindo
apenas na remoção mecânica da sujidade (sangue e secreções) utilizando um
pano comum embebido em agente químico de amplo espectro para que não
ocorra secagem da superfície e disseminação do ar contaminado.
• Limpeza concorrente: executada no término de cada cirurgia. Envolve
procedimentos de retirada dos artigos sujos da sala, limpeza das superfícies
horizontais dos móveis e equipamentos.
Limpeza do Centro-Cirúrgico
• Limpeza terminal: é a limpeza onde todos os materiais e superfícies são
limpos. Deve ser diária e periódica.
• Limpeza diária: é realizada após a última cirurgia programada do dia.
Envolve todos os procedimentos da limpeza concorrente, acrescentados à
limpeza de todos os equipamentos, acessórios e mobiliários, pisos e
paredes da Sala de Operação.
Estrutura física
• Vestiários;
• Sala administrativa;
• Área de recepção de
paciente;
• Sala de espera;
• Área de escovação ou
lavabo;
• Sala de cirurgia;
• Sala para guarda de
medicamentos;
• Sala para guarda de
material de anestesia;
• Sala para estocagem de
material esterilizado;
Estrutura física
• Sala de depósito de
cilindros de gases;
• Sala de guarda de
aparelhos e
equipamentos;
• Rouparia;
• Sala para material de
limpeza;
• Sala de expurgo;
• Sala de estar para
funcionários;
• Copa;
• Sala de recuperação
pós-anestésica;
Estrutura física da sala de cirurgia
• Sala de cirurgia é a área destinada à realização de intervenções
cirúrgicas e endoscópicas. Preconizam-se duas salas para cada 50 leitos
não especificados ou para cada 15 leitos cirúrgicos.
Estrutura física da sala de cirurgia
Paredes:
• cantos arredondadas;
• revestimento de material resistente;
• superfície lisa e lavável.
Piso:
• resistente ao uso de água e desinfetantes.
• Não poroso e de superfície lisa e de fácil
limpeza.
Estrutura física sala de cirurgia
Janelas
Deve estar localizadas de
modo a permitir a entrada
de luz natural em todo o
ambiente, deve ser lacrada
e provida de vidro fosco,
possibilitando a limpeza.
Portas
• Devem ser amplas;
• Portas vai e vem;
• Revestidas de
material lavável;
• Cor neutra;
• Providas de visor.
Estrutura física da Sala de cirurgia
• Instalações elétricas
As tomadas devem estar localizadas a 1,5 m do piso, devendo possuir
sistema de aterramento para prevenir choque e queimaduras no
paciente e equipe.
ILUMINAÇÃO
• A iluminação artificial da sala de cirurgia é feita por intermédio da
luz geral de teto, com lâmpada fluorescente e luz direta.
FOCOS
manopla
Foco de teto
Foco frontal Foco auxiliar
Ventilação
Ar como via de transmissão de bactérias e fonte de contaminação
Fonte de microrganismos: pessoas na sala cirúrgica
• Gotículas de ar expirado
• Descamação de cels. da pele
• Partículas transportadas nos sapatos
Ventilação
• Função de exaustão: remoção de odores, calor e gases anestésicos
voláteis
• Controle bacteriológico
• Filtragem do ar:
• Retirar e impedir entrada de partículas contaminantes
• Troca de ar a cada 10-20 x / hora
Equipamentos de uma sala de operação
1. Equipamentos fixos:
• Foco central;
• Negatoscópio;
• Sistema de canalização de ar e gases;
• Suporte de soro fixo;
• Ar condicionados
Equipamentos de uma sala de cirurgia
2. Equipamentos móveis:
• Mesa cirúrgica e acessórios;
• Aparelho de anestesia;
• Mesas auxiliares;
• Bisturi elétrico;
• Aspirador de secreções;
• Foco auxiliar;
• Banco giratório;
Equipamentos de uma sala de cirurgia
• Balde inoxidável com rodízio;
• Suportes: de braço, hamper
• Escada de dois degraus;
• Aparelhos monitores;
• Carro ou mesa para material estéreis;
• Equipamentos utilizados para ajuda no posicionamento do
paciente: coxins de espuma ou areia de diferentes tamanhos e
talas.
Vestuário
Pessoal como principal fonte exógena de bactérias
Entrada sempre pelo vestiário
Indumentária própria:
• Gorro, máscara, camisa, calça e propés Não estéril, lavado
especial com água quente
Circulação restrita ao centro cirúrgico.
Vestuário
Gorro
• Cobrir os cabelos
Máscaras
• Cobrir boca e nariz
Função de filtro:
Prevenir escape de gotículas
expiradas
Vestuário
• Camisas
Tecido de malha densa
Manga curta: facilitar antissepsia dos braços
Por dentro das calças
• Calças
Fechada nos tornozelos por tubo de malha
Vestuário
Propés
• Diminuir contaminação vinda dos sapatos
• Tecido, papel ou plástico
• Uso restrito ao centro cirúrgico Abolido em
alguns lugares
Equipe que atua no cc
• Equipe cirúrgica;
• Anestesia;
• Equipe de enfermagem;
• Equipe de higiene,
• Equipe Administrativa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Higiene oral
Higiene oralHigiene oral
Higiene oral
Paula Soares
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico  Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
Eduardo Gomes
 
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e EquipeAula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Débora Ramos Marcinichen
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
Marlene Lopes
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Francisco da silva Torres
 
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
MariaTeresaDaCunha1
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Douglas Oliveira
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
EvelineMachado3
 
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
Avelino Lopes
 
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgicoPrevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
Renato sg
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
Alexandre Reis
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Zilda Romualdo
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
Silvânia Galdino
 
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edisonPo sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Edison Santos
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
MilkaPassos1
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
Laís Lucas
 
Nr32 apresentação URCAMP
Nr32 apresentação URCAMP Nr32 apresentação URCAMP
Nr32 apresentação URCAMP
juliacunhadutra
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
Gilson Betta Sevilha
 

Mais procurados (20)

Higiene oral
Higiene oralHigiene oral
Higiene oral
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico  Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
 
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e EquipeAula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
 
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
 
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgicoPrevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
 
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edisonPo sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
 
Nr32 apresentação URCAMP
Nr32 apresentação URCAMP Nr32 apresentação URCAMP
Nr32 apresentação URCAMP
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 

Semelhante a CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf

Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
aula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdf
aula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdfaula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdf
aula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdf
lullu20139
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
T̶i̶a̶g̶o̶ ̶f̶a̶s̶c̶
 
INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1
INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1
INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1
RAILANELIMAGOMES
 
Enfermagem em Centro Cirúrgico na prática
Enfermagem em Centro Cirúrgico na práticaEnfermagem em Centro Cirúrgico na prática
Enfermagem em Centro Cirúrgico na prática
JhonathaSousa2
 
Katia02
Katia02Katia02
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
JooHenriqueCarvallho
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
ClaudenicePereiraPer
 
Katia
KatiaKatia
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdfAULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
josemaciel33
 
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdfEnfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
RodrigoEuripedesdaSi1
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
Mellissa Castanho
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
Josele Matos
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
bianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
gizaraposo
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ssuser80ae40
 
AULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptx
AULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptxAULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptx
AULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptx
Nome Sobrenome
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
PedroRobertoCostaLob
 

Semelhante a CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf (20)

Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
aula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdf
aula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdfaula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdf
aula de centro cirúrgico - aux. de enf. pdf
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1
INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1
INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA tec enfermagem1
 
Enfermagem em Centro Cirúrgico na prática
Enfermagem em Centro Cirúrgico na práticaEnfermagem em Centro Cirúrgico na prática
Enfermagem em Centro Cirúrgico na prática
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Katia
KatiaKatia
Katia
 
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdfAULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
 
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdfEnfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
 
AULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptx
AULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptxAULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptx
AULA 2 - ENFERMAGEM CIRÚRGICA LOCAISS.pptx
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
 

Último

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 

Último (7)

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 

CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf

  • 2. Centro Cirúrgico • Centro Cirúrgico é um lugar especial dentro do hospital, convenientemente preparado segundo um conjunto de requisitos que o tornam apto à prática da cirurgia. Objetivos: - Prestar assistência integral ao paciente cirúrgico em todo o período perioperatório; e - Proporcionar recursos humanos e materiais para que o ato cirúrgico seja realizado dentro de condições ideais, técnicas e assépticas;
  • 3. Cirurgia • “Cirurgia ou operação é o tratamento de doença, lesão ou deformidade externa e/ou interna com o objetivo de reparar, corrigir ou aliviar um problema físico”
  • 4. Classificação de acordo com a finalidade • Diagnóstica ou exploratória: para se visualizar as partes internas e/ou realizar biópsias (laparotomia exploradora) • Curativa: correção de alterações orgânicas (retirada da amígdala inflamada); reparadora, quando da reparação de múltiplos ferimentos (enxerto de pele) • Reconstrutora ou cosmética: reconstituição (plástica para modelar o nariz, por exemplo) • Paliativa: corrigir algum problema, aliviando os sintomas da enfermidade, não havendo cura (abertura de orifício artificial para a saída de fezes sem ressecção do tumor intestinal, por exemplo).
  • 5. Classificação da cirurgia por potencial de contaminação * Limpas: realizadas em tecidos estéreis ou de fácil descontaminação, na ausência de processo infeccioso local, sem penetração nos Tratos Digestório, respiratório ou urinário, em condições ideais de sala de cirurgia. Exemplo: cirurgia de ovário; * Potencialmente contaminadas: realizadas em tecidos de difícil descontaminação, na ausência de supuração local, com penetração nos tratos digestório, respiratório ou urinário sem contaminação significativa. Exemplo: redução de fratura exposta;
  • 6. Classificação da cirurgia por potencial de contaminação *Contaminadas: realizadas em tecidos recentemente traumatizados e abertos, de difícil descontaminação, com processo inflamatório mas sem supuração. *Infectadas: realizadas em tecido com supuração local, tecido necrótico, feridas traumáticas sujas. Exemplo: cirurgia do reto e ânus com pus.
  • 7. Classificação com base na urgência • Emergência: atenção imediata; distúrbio pode ser ameaçador à vida. • Urgência: atenção rápida • Requerida: o paciente precisa realizar a cirurgia • Eletiva: o paciente pode ser operado • Opcional: essa decisão é do paciente
  • 8. Orqui (testículo); Artro (articulação); Gastro (estômago); Entero (intestino); Salpinge ( trompas de falópio); Mamo ( mamas); Espleno ( baço); Nefro ( rin) Angio (vasos sanguíneos); Flebo (veia); Traqueo (traqueia); Rino (nariz); Oto (ouvido); Oftalmo (olhos); Hister(o) (útero); Laparo (parede abdominal) Nomeclatura cirugica O nome composto de raiz (identifica a parte do corpo a ser submetida à cirurgia), somada ao prefixo ou ao sufixo
  • 9. SUFIXOS Tomia: Incisão, corte; Stomia: Comunicar um orgão tubular oco, com exterior através de uma boca; Ectomia: retitada parcial ou total de um orgão; Plastia: reparação plástica; Pexia: fixação; Centese: punção de um orgão ou tecido para drenagem ou coleta de um líquido; Scopia: visualização de uma cavidade atravéz de um aparelho especial. Ex: - Laparotomia; - Colostomia; - Esplenectoma; - Rinoplastia; - Nefropexia; - Laparoscopia.
  • 10. ESTRUTURA FÍSICA RDC nº 50/2002 • Área crítica: são os ambientes onde existe maior probabilidade de infecção, onde se realizam procedimentos. • Área semi-crítica: são todas os compartimentos ocupados por pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e doenças não infecciosas. • Área não crítica: são todos os demais compartimentos não ocupados por pacientes, onde não se realizam procedimentos de risco.
  • 11. Estrutura do centro cirúrgico (CC) Devido ao seu risco: • Não-restrita: as áreas de circulação livre (vestiários, corredor de entrada e sala de espera de acompanhantes). *Semi-restritas: pode haver circulação tanto do pessoal como de equipamentos, sem contudo provocarem interferência nas rotinas de controle e manutenção da assepsia( salas de guarda de material, administrativa, , copa e expurgo) *Restrita - o corredor interno, as áreas de escovação das mãos e a sala de operação (SO) ; para evitar infecção operatória, limita-se a circulação de pessoal, equipamentos e materiais.
  • 12. Limpeza do Centro-Cirúrgico • Limpeza preparatória: realizada antes do início das cirurgias programadas do dia. Nela há a remoção das partículas de poeira nas superfícies dos mobiliários, focos cirúrgicos e equipamentos com solução detergente ou desinfetante (álcool 70%) com um pano úmido e branco. • Limpeza operatória: realizada durante o procedimento cirúrgico constituindo apenas na remoção mecânica da sujidade (sangue e secreções) utilizando um pano comum embebido em agente químico de amplo espectro para que não ocorra secagem da superfície e disseminação do ar contaminado. • Limpeza concorrente: executada no término de cada cirurgia. Envolve procedimentos de retirada dos artigos sujos da sala, limpeza das superfícies horizontais dos móveis e equipamentos.
  • 13. Limpeza do Centro-Cirúrgico • Limpeza terminal: é a limpeza onde todos os materiais e superfícies são limpos. Deve ser diária e periódica. • Limpeza diária: é realizada após a última cirurgia programada do dia. Envolve todos os procedimentos da limpeza concorrente, acrescentados à limpeza de todos os equipamentos, acessórios e mobiliários, pisos e paredes da Sala de Operação.
  • 14. Estrutura física • Vestiários; • Sala administrativa; • Área de recepção de paciente; • Sala de espera; • Área de escovação ou lavabo; • Sala de cirurgia; • Sala para guarda de medicamentos; • Sala para guarda de material de anestesia; • Sala para estocagem de material esterilizado;
  • 15. Estrutura física • Sala de depósito de cilindros de gases; • Sala de guarda de aparelhos e equipamentos; • Rouparia; • Sala para material de limpeza; • Sala de expurgo; • Sala de estar para funcionários; • Copa; • Sala de recuperação pós-anestésica;
  • 16. Estrutura física da sala de cirurgia • Sala de cirurgia é a área destinada à realização de intervenções cirúrgicas e endoscópicas. Preconizam-se duas salas para cada 50 leitos não especificados ou para cada 15 leitos cirúrgicos.
  • 17. Estrutura física da sala de cirurgia Paredes: • cantos arredondadas; • revestimento de material resistente; • superfície lisa e lavável. Piso: • resistente ao uso de água e desinfetantes. • Não poroso e de superfície lisa e de fácil limpeza.
  • 18. Estrutura física sala de cirurgia Janelas Deve estar localizadas de modo a permitir a entrada de luz natural em todo o ambiente, deve ser lacrada e provida de vidro fosco, possibilitando a limpeza. Portas • Devem ser amplas; • Portas vai e vem; • Revestidas de material lavável; • Cor neutra; • Providas de visor.
  • 19. Estrutura física da Sala de cirurgia • Instalações elétricas As tomadas devem estar localizadas a 1,5 m do piso, devendo possuir sistema de aterramento para prevenir choque e queimaduras no paciente e equipe.
  • 20. ILUMINAÇÃO • A iluminação artificial da sala de cirurgia é feita por intermédio da luz geral de teto, com lâmpada fluorescente e luz direta.
  • 21. FOCOS manopla Foco de teto Foco frontal Foco auxiliar
  • 22. Ventilação Ar como via de transmissão de bactérias e fonte de contaminação Fonte de microrganismos: pessoas na sala cirúrgica • Gotículas de ar expirado • Descamação de cels. da pele • Partículas transportadas nos sapatos
  • 23. Ventilação • Função de exaustão: remoção de odores, calor e gases anestésicos voláteis • Controle bacteriológico • Filtragem do ar: • Retirar e impedir entrada de partículas contaminantes • Troca de ar a cada 10-20 x / hora
  • 24. Equipamentos de uma sala de operação 1. Equipamentos fixos: • Foco central; • Negatoscópio; • Sistema de canalização de ar e gases; • Suporte de soro fixo; • Ar condicionados
  • 25. Equipamentos de uma sala de cirurgia 2. Equipamentos móveis: • Mesa cirúrgica e acessórios; • Aparelho de anestesia; • Mesas auxiliares; • Bisturi elétrico; • Aspirador de secreções; • Foco auxiliar; • Banco giratório;
  • 26. Equipamentos de uma sala de cirurgia • Balde inoxidável com rodízio; • Suportes: de braço, hamper • Escada de dois degraus; • Aparelhos monitores; • Carro ou mesa para material estéreis; • Equipamentos utilizados para ajuda no posicionamento do paciente: coxins de espuma ou areia de diferentes tamanhos e talas.
  • 27. Vestuário Pessoal como principal fonte exógena de bactérias Entrada sempre pelo vestiário Indumentária própria: • Gorro, máscara, camisa, calça e propés Não estéril, lavado especial com água quente Circulação restrita ao centro cirúrgico.
  • 28. Vestuário Gorro • Cobrir os cabelos Máscaras • Cobrir boca e nariz Função de filtro: Prevenir escape de gotículas expiradas
  • 29. Vestuário • Camisas Tecido de malha densa Manga curta: facilitar antissepsia dos braços Por dentro das calças • Calças Fechada nos tornozelos por tubo de malha
  • 30. Vestuário Propés • Diminuir contaminação vinda dos sapatos • Tecido, papel ou plástico • Uso restrito ao centro cirúrgico Abolido em alguns lugares
  • 31.
  • 32. Equipe que atua no cc • Equipe cirúrgica; • Anestesia; • Equipe de enfermagem; • Equipe de higiene, • Equipe Administrativa.