SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnico em
Enfermagem
Módulo IV
ENFERMAGEM EM PACIENTES
CRÍTICOS
História e Enfermagem
 A enfermagem, enquanto profissão,
teve início na Inglaterra, no século XIX,
com o trabalho de Florence
Nightingale, recrutando e treinando
um grupo de mulheres para
colaborarem nos cuidados e na higiene
dos soldados feridos durante a Guerra
da Criméia (1854-l856).
 Naquela época, também com Florence
Nightingale, surgiu a ideia de
classificar os doentes de acordo com o
grau de dependência, os quais eram
dispostos em enfermarias, de tal modo
que os mais graves ficassem próximos
à área de trabalho das enfermeiras,
para maior vigilância e melhor
atendimento.
História e Enfermagem
Com o avanço dos procedimentos cirúrgicos, a
necessidade de maiores cuidados ao paciente, durante
o período pós-operatório imediato, levou ao
desenvolvimento das unidades especiais de terapia.
Inicialmente, o tratamento era realizado em salas
especiais, adjacentes às salas de cirurgias, sendo o
acompanhamento conduzido pelo cirurgião e,
posteriormente, pelo anestesista.
Com o passar do tempo, foi atribuído a enfermeiros e
à equipe a responsabilidade direta pela observação e
tratamento clínico dos pacientes de risco.
História e Enfermagem
As Unidades de terapia
intensiva (UTI) nasceram
da necessidade de
oferecer suporte avançado
de vida a pacientes
agudamente doentes que
porventura possuam
chances de sobreviver.
A unidade de terapia
intensiva é a área
responsável por cuidar
dos pacientes graves que
se encontram internados
no Hospital.
História e Enfermagem
É constituída por médicos, enfermeiros, técnicos de
enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, equipamentos
sofisticados e principalmente de pacientes graves. A principal
finalidade da UTI é a preservação da vida do paciente.
Nem todo paciente grave necessita ser internado na Terapia
Intensiva, uma vez que o internamento em UTI não está
baseado apenas na gravidade do quadro clínico. É preciso
que haja possibilidade de reversão da doença apresentada
pelo paciente, ou seja, não se encontre na fase final da
doença.
História e Enfermagem
Na UTI, é comum o paciente
estar conectado a vários
aparelhos, que monitorizam ou
substituem sistemas orgânicos,
todos estes equipamentos
dispõe de indicadores sonoros,
para alertar a equipe da UTI, a
respeito das modificações que
ocorrem com o paciente.
Embora seja desconfortável é
extremamente importante para
a segurança do paciente.
CONCEITO DE UTI
A unidade de terapia intensiva é um conjunto de elementos
que funcionam de forma agrupada, que se destina a atender
pacientes graves ou em situação de risco, que necessitam de
assistência médica e de enfermagem continuamente, além
de equipamentos e recursos humanos especializados.
A incorporação de tecnologia advinda da informática tem
permitido o desenvolvimento e a modernização de vários
equipamentos de monitorizarão dos diversos sistemas
fisiológicos do organismo humano.
Conceito de UTI
A terapia intensiva é única entre as especialidades
médicas. O que a diferencia das outras especialidades é
que, enquanto estas buscam estreitar o foco de interesse
em um único sistema orgânico, em uma terapia em
particular ou mesmo em um grupo etário em particular, a
terapia intensiva está voltada a pacientes com ampla
variedade de doenças, que têm como denominador
comum a sua gravidade ou o potencial para desenvolver
graves complicações a partir da própria moléstia ou do seu
tratamento.
Estrutura Física da UTI
 A UTI dede ser uma área
geográfica distinta dentro do
hospital. Quando possível, deve
ter acesso controlado, sem
trânsito para os outros
departamentos. A sua
localização deve ter acesso
direto e ser próxima de:
elevador, serviço de emergência,
centro cirúrgico, sala de
recuperação pós-anestésica,
unidades intermediárias de
terapia e serviços laboratório e
radiologia.
Número de Leitos
 A população do hospital é quem determina o número de leitos
necessários para fornecer uma cobertura segura e adequada para os
pacientes gravemente doentes em um hospital. Além deste, outros
fatores tais como: a quantidade de cirurgias, o grau de compromisso
com os cuidados intensivos pela administração do hospital, médicos e
enfermeiros, e os recursos institucionais.
 Um método empírico comumente abordado pelos autores é que um
hospital geral deve destinar 10% da sua capacidade de leitos para UTI.
 Uma UTI deve compor, no mínimo, cinco leitos, em hospitais com
capacidade para cem ou mais leitos. Uma instalação com menos de
cinco leitos se torna impraticável e onerosa, tendo o seu rendimento
insatisfatório no que diz respeito ao atendimento. Do ponto de vista
funcional, o ideal a ser considerado é de oito a doze leitos por
unidade.
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Áreas de Internação
Recursos humanos:
–Toda UTI, em suas 24 horas de funcionamento, deve
dispor de:
•Um médico plantonista para cada dez leitos, responsável pelo
atendimento na UTI e semi-intensiva, quando existente;
•Um enfermeiro para cada turno de trabalho;
•Um técnico de enfermagem para cada dois leitos de UTI adulto
ou pediátrico e um técnico de enfermagem para cada leito de
UTI-neonatal;
•Um fisioterapeuta;
•Um auxiliar de serviços diversos/secretária;
•Um funcionário exclusivo para serviços de limpeza.
Ética, Bioética em Terapia Intensiva
Negligência: Falta de cuidado
Imprudência: Ação não pensada
Imperícia: Falta de habilidade
Ética, Bioética em Terapia Intensiva
Tais características nos levam a refletir acerca
dos valores éticos e humanos que envolvem o
cuidar em terapia intensiva, nos propondo
alguns questionamentos:
–Nesse local é possível pensar em formas de
participação do paciente?
–E possível humanizar esse serviço de saúde?
–Que direitos podem ser garantidos aos pacientes de
terapia intensiva?
Ética, Bioética em Terapia Intensiva
 Os pacientes em UTI, muitas vezes,
ficam impedidos de falar, de se
expressar com mais clareza, devido
a presença de tubos, aparelhos de
ventilação artificial, sedação,
coma, dentre outros aspectos,
perdendo o poder de controlar o
seu próprio corpo quanto aos
cuidados diários de higiene,
vestimentas, alimentação,
movimentação, dependendo
completamente dos cuidados dos
profissionais de saúde.
dependendo completamente dos
cuidados dos profissionais de
saúde.
Ética, Bioética em Terapia Intensiva
 O cuidar técnico em UTI se
torna complexo em muitos
aspectos. Um banho, uma
mudança de decúbito, uma
higiene oral são procedimentos
razoavelmente simples, mas
que exigem ainda mais
cuidados, principalmente,
tendo em vista a atenção para
que esses procedimentos não
lesem o paciente, por exemplo,
desconectando-o da máquina
que no momento dá
sustentação à vida dele.
Ética, Bioética em Terapia Intensiva
 Contudo, durante os
procedimentos, devemos
dedicar o devido respeito ao
paciente, explicar o
procedimento que será
realizado, bem como sua
finalidade, mesmo que,
aparentemente, ele não esteja
escutando.
 O fato de ele não poder
naquele momento, queixar-se
da forma com a qual o
profissional de saúde lhe presta
assistência, não dá este o
direito de tratá-lo mal, ou como
se fosse apenas um trabalho a
realizar, ignorando que ali está
um ser humano, lutando para
sobreviver.
Humanização em Uti
Para Terra e Gomes
(2015), humanizar a
UTI significa cuidar do
paciente como um
todo, envolvendo o
contexto familiar e
social.
Esta é uma prática que
deve incorporar os
valores, as esperanças,
os aspectos culturais e
as preocupações de
cada um.
Humanização em Uti
Trata-se de um conjunto de medidas englobando o
ambiente físico, o cuidado dos pacientes e seus familiares
e as relações entre a equipe de saúde. Estas intervenções
visam, sobretudo, tornar efetiva a assistência ao indivíduo
criticamente doente, considerando-o como um todo bio-
psico-sócio-espiritual.
Entende-se por humanização o ato ou efeito de humanizar.
Não se trata de uma técnica ou de uma arte, como
afirmam Terra e Gomes (2015). É um processo que
perpassa todas as atividades de um local e de pessoas que
lidam com o paciente, lhe ofertando o tratamento
merecido, dentro das circunstâncias peculiares nas quais
cada um se encontra naquele momento de sua internação.
Humanização em UTI
Para que haja
humanização total
em uma UTI, três
diferentes aspectos
devem ser
considerados:
–O ambiente físico;
–O cuidado com o
paciente e seus
familiares;
–A atenção ao
profissional da equipe.
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Humanização em UTI
A humanização e o ambiente físico em UTI:
–Para que uma unidade de terapia intensiva se apresenta de
forma mais humana, devem ser observados os seguintes
aspectos:
•Cores leves nas paredes e portas tornam o ambiente mais tranquilo.
•Proporcionar ambiente calmo e silencioso, minimizando ao máximo os
ruídos dos equipamentos e da equipe.
•Presença de janelas, que permitam ver o azul do céu, a luz do sol e o
verde das árvores.
•Garantir bom espaço entre os leitos, para facilitar o trabalho dos
profissionais, além de maior privacidade para o paciente.
•Separar pacientes mais graves para que os conscientes não vejam ou
ouçam as intervenções que se processam ao seu redor, gerando menos
ansiedade.
Humanização em UTI
O cuidado com o paciente e a família:
–Os profissionais que atuam em unidades de terapia
intensiva devem estar atentos aos seguintes cuidados:
•O envolvimento com o paciente e a família é um pré-requisito
essencial para humanizar.
•Adotar comportamento de compaixão, solidariedade e ajuda, no
sentido de promover o bem, visando o bem-estar do paciente, a
sua integridade moral e a sua dignidade como pessoa.
•É a atitude de conversar, ouvir, tocar o paciente, identificá-lo pelo
nome. Reconhecê-lo como uma pessoa que está passando por
uma fase difícil de doença, necessitando de cuidados humanos,
além dos técnicos, com uma dose de sentimento.
•Oferecer informações e conscientização dos familiares sobre a
doença e o tratamento ao qual o paciente está sendo submetido,
avaliando suas necessidades e o grau de satisfação em relação
aos cuidados prestados.
Nutrição
A nutrição enteral consiste na administração de
nutrientes por meio de sondas nasogástrica
(introduzida pelo nariz, com posicionamento no
estômago) ou nasoenteral (introduzida pelo
nariz, com posicionamento no duodeno) por
gastrostomia ou jejunostomia (um orifício criado
artificialmente na altura do estômago ou na
altura do jejuno).
A Nutrição enteral deve ser iniciada entre 24 e
48 horas após admissão em pacientes
hemodinamicamente estáveis.
Nutrição
Cuidados de Enfermagem na Administração da
Dieta Enteral:
–Observam-se a seguir os cuidados necessários, relativos
à enfermagem na administração da dieta enteral:
•Verificar rótulo observando: nome do paciente, composição da
solução e gotejamento;
•Orientar o paciente;
•Lavar as mãos antes e depois da administração da dieta;
•Testar a sonda para verificar a localização correta;
•Elevar o decúbito do cliente ao administrar dieta por sonda de 30
a 60min após o término da alimentação;
•Fixar a sonda corretamente;
Nutrição
Cuidados de Enfermagem na Administração da
Dieta Enteral:
–Observam-se a seguir os cuidados necessários, relativos
à enfermagem na administração da dieta enteral:
•Em caso de gastrostomia e jejunostomia, atentar para os
cuidados com as sondas e seus respectivos curativos;
•Manter a inserção da sonda limpa e seca, trocando a cobertura
diariamente e cada vez que estiver suja ou molhada, limpando a
pele ao redor da sonda com água e sabão;
•Lavar diariamente a região da inserção com água e sabão.
Nutrição
A nutrição parenteral pode ser usada para
complementar a enteral (nutrição parenteral
parcial) ou como único meio de aporte de
nutrientes, especialmente quando não há o
funcionamento adequado do trato digestório e
seu uso não é seguro (Nutrição parenteral total).
Pode ser central, que é aquela administrada por
veia de grande calibre, geralmente a subclávia ou
jugular interna, que chega diretamente ao
coração, e periférica, quando administrada por
meio de uma veia menor, geralmente da mão ou
antebraço.
Nutrição
Cuidados de Enfermagem na Administração da Dieta
Parenteral:
–Os cuidados necessários à enfermagem na administração da
dieta parenteral são observados a seguir:
•Verificar rótulo observando: nome do paciente, composição da solução
e gotejamento;
•Orientar o paciente;
•Proceder à inspeção visual da Nutrição Parenteral antes de sua
administração, atentando para mudança na coloração, ou presença de
corpo estranho;
•Manter a nutrição parenteral sob refrigeração entre 2 a 8 graus em
refrigerador específico para medicamentos;
•Atentar para validade da nutrição parenteral;
•Avaliar e assegurar a instalação da Nutrição Parenteral observando as
informações contidas no rótulo, confrontando-as com a prescrição
médica;
Nutrição
Cuidados de Enfermagem na Administração da Dieta
Parenteral:
–Os cuidados necessários à enfermagem na administração da
dieta parenteral são observados a seguir:
•Lavar as mãos antes e depois da administração da dieta;
•Assegurar a infusão do volume prescrito, mediante controle rigoroso do
gotejamento, de preferência com uso de bomba de infusão;
•Manter a via venosa central exclusiva para a infusão de NPT, mantendo
a permeabilidade;
•Detectar, registrar e comunicar à enfermeira ou o médico responsável
pelo paciente as intercorrências de qualquer ordem técnica e/ou
administrativa;
•Garantir o registro claro e preciso de informações relacionadas à
administração e à evolução do paciente, quanto ao: peso, sinais vitais,
balanço hídrico e glicemia, entre outros;
Eliminações
SVA – Sodagem Vesical de Alívio
SVD – Sondagem Vesical de Demora
Principais medicamentos na UTI
Fentanil – opioide – tratar a dor e anestesia (junto
com outros medicamentos)
Morfina – opioide – alto poder analgésico
Propofol – anestesia
Tramadol – opioide – tratar a dor
Diazepam – ansiolítico e coadjuvante tto neurológico
Midazolam – sedativo e relaxante muscular
Adrenalina/epinefrina - Vasopressor
Nitroprussiato de sódio (Nipride) – emergências
hipertensivas – vasodilatador
Carrinho de parada (Emergência)
Carrinho de parada (Emergência)
SAE
Coleta de dados
Diagnóstico
Planejamento
Implementação
Avaliação
Equipamentos na UTI
Cardioversor (fibrilações atriais
e arritmias menos severas)
Desfibrilador reverter distúrbios
graves como a taquicardia
ventricular (TV) e a fibrilação
ventricular (FV)
Ventilador mecânico
Equipamentos na UTI
Bipap
Eletrocardiógrafo
Equipamentos na UTI
Bomba de infusão
Tratamentos na UTI
Tratamentos na UTI
Tratamentos na UTI
Tratamentos na UTI
Segurança do Paciente
O Programa Nacional de Segurança do
Paciente propõe um conjunto de medidas para
prevenir e reduzir a ocorrência de incidentes
nos serviços de saúde – eventos ou
circunstâncias que poderiam resultar ou que
resultaram em dano desnecessário para o
paciente.
PROTOCOLO DE SEGURANÇA DO PACIENTE
PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE
PROTOCOLO DE PRÁTICA DE HIGIENE DAS MÃOS
PROTOCOLO PARA CIRURGIA SEGURA
PROTOCOLO PARA SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS IMPLANTADO
PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE LESÃO POR PRESSÃO
PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE QUEDAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
Pinheiropinheironeto
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
Fernanda Marinho
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
ThiagoCunha93
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Acesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagemAcesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagem
Élcio Medeiros
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
FernandaEvangelista17
 
RCP
RCPRCP
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
ivanaferraz
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 

Mais procurados (20)

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Acesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagemAcesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagem
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 

Semelhante a Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf

ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
contatofelipearaujos
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
JessicaAngelo5
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
TARCIA1
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
gizaraposo
 
Uti
UtiUti
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
RosaSantos738119
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
ElainneChrisFerreira
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
ssuser51d27c1
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
PedroRobertoCostaLob
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
JorgeFlix14
 
UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
CaroBatista3
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Dario Barbosa
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Tezin Maciel
 
UNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTEUNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTE
RafaelaCristinaAmori
 
Gestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdfGestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdf
SemsaPortoAcre
 
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
CarolMendona13
 
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.pptUTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
EvaWilmaMartinsTimb
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099
jakemarques
 

Semelhante a Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf (20)

ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Uti
UtiUti
Uti
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
 
UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
UTI.pptx
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
 
UNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTEUNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTE
 
Gestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdfGestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdf
 
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.pptUTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099
 

Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf

  • 3. História e Enfermagem  A enfermagem, enquanto profissão, teve início na Inglaterra, no século XIX, com o trabalho de Florence Nightingale, recrutando e treinando um grupo de mulheres para colaborarem nos cuidados e na higiene dos soldados feridos durante a Guerra da Criméia (1854-l856).  Naquela época, também com Florence Nightingale, surgiu a ideia de classificar os doentes de acordo com o grau de dependência, os quais eram dispostos em enfermarias, de tal modo que os mais graves ficassem próximos à área de trabalho das enfermeiras, para maior vigilância e melhor atendimento.
  • 4. História e Enfermagem Com o avanço dos procedimentos cirúrgicos, a necessidade de maiores cuidados ao paciente, durante o período pós-operatório imediato, levou ao desenvolvimento das unidades especiais de terapia. Inicialmente, o tratamento era realizado em salas especiais, adjacentes às salas de cirurgias, sendo o acompanhamento conduzido pelo cirurgião e, posteriormente, pelo anestesista. Com o passar do tempo, foi atribuído a enfermeiros e à equipe a responsabilidade direta pela observação e tratamento clínico dos pacientes de risco.
  • 5. História e Enfermagem As Unidades de terapia intensiva (UTI) nasceram da necessidade de oferecer suporte avançado de vida a pacientes agudamente doentes que porventura possuam chances de sobreviver. A unidade de terapia intensiva é a área responsável por cuidar dos pacientes graves que se encontram internados no Hospital.
  • 6. História e Enfermagem É constituída por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, equipamentos sofisticados e principalmente de pacientes graves. A principal finalidade da UTI é a preservação da vida do paciente. Nem todo paciente grave necessita ser internado na Terapia Intensiva, uma vez que o internamento em UTI não está baseado apenas na gravidade do quadro clínico. É preciso que haja possibilidade de reversão da doença apresentada pelo paciente, ou seja, não se encontre na fase final da doença.
  • 7. História e Enfermagem Na UTI, é comum o paciente estar conectado a vários aparelhos, que monitorizam ou substituem sistemas orgânicos, todos estes equipamentos dispõe de indicadores sonoros, para alertar a equipe da UTI, a respeito das modificações que ocorrem com o paciente. Embora seja desconfortável é extremamente importante para a segurança do paciente.
  • 8. CONCEITO DE UTI A unidade de terapia intensiva é um conjunto de elementos que funcionam de forma agrupada, que se destina a atender pacientes graves ou em situação de risco, que necessitam de assistência médica e de enfermagem continuamente, além de equipamentos e recursos humanos especializados. A incorporação de tecnologia advinda da informática tem permitido o desenvolvimento e a modernização de vários equipamentos de monitorizarão dos diversos sistemas fisiológicos do organismo humano.
  • 9. Conceito de UTI A terapia intensiva é única entre as especialidades médicas. O que a diferencia das outras especialidades é que, enquanto estas buscam estreitar o foco de interesse em um único sistema orgânico, em uma terapia em particular ou mesmo em um grupo etário em particular, a terapia intensiva está voltada a pacientes com ampla variedade de doenças, que têm como denominador comum a sua gravidade ou o potencial para desenvolver graves complicações a partir da própria moléstia ou do seu tratamento.
  • 10. Estrutura Física da UTI  A UTI dede ser uma área geográfica distinta dentro do hospital. Quando possível, deve ter acesso controlado, sem trânsito para os outros departamentos. A sua localização deve ter acesso direto e ser próxima de: elevador, serviço de emergência, centro cirúrgico, sala de recuperação pós-anestésica, unidades intermediárias de terapia e serviços laboratório e radiologia.
  • 11. Número de Leitos  A população do hospital é quem determina o número de leitos necessários para fornecer uma cobertura segura e adequada para os pacientes gravemente doentes em um hospital. Além deste, outros fatores tais como: a quantidade de cirurgias, o grau de compromisso com os cuidados intensivos pela administração do hospital, médicos e enfermeiros, e os recursos institucionais.  Um método empírico comumente abordado pelos autores é que um hospital geral deve destinar 10% da sua capacidade de leitos para UTI.  Uma UTI deve compor, no mínimo, cinco leitos, em hospitais com capacidade para cem ou mais leitos. Uma instalação com menos de cinco leitos se torna impraticável e onerosa, tendo o seu rendimento insatisfatório no que diz respeito ao atendimento. Do ponto de vista funcional, o ideal a ser considerado é de oito a doze leitos por unidade.
  • 14. Áreas de Internação Recursos humanos: –Toda UTI, em suas 24 horas de funcionamento, deve dispor de: •Um médico plantonista para cada dez leitos, responsável pelo atendimento na UTI e semi-intensiva, quando existente; •Um enfermeiro para cada turno de trabalho; •Um técnico de enfermagem para cada dois leitos de UTI adulto ou pediátrico e um técnico de enfermagem para cada leito de UTI-neonatal; •Um fisioterapeuta; •Um auxiliar de serviços diversos/secretária; •Um funcionário exclusivo para serviços de limpeza.
  • 15. Ética, Bioética em Terapia Intensiva Negligência: Falta de cuidado Imprudência: Ação não pensada Imperícia: Falta de habilidade
  • 16. Ética, Bioética em Terapia Intensiva Tais características nos levam a refletir acerca dos valores éticos e humanos que envolvem o cuidar em terapia intensiva, nos propondo alguns questionamentos: –Nesse local é possível pensar em formas de participação do paciente? –E possível humanizar esse serviço de saúde? –Que direitos podem ser garantidos aos pacientes de terapia intensiva?
  • 17. Ética, Bioética em Terapia Intensiva  Os pacientes em UTI, muitas vezes, ficam impedidos de falar, de se expressar com mais clareza, devido a presença de tubos, aparelhos de ventilação artificial, sedação, coma, dentre outros aspectos, perdendo o poder de controlar o seu próprio corpo quanto aos cuidados diários de higiene, vestimentas, alimentação, movimentação, dependendo completamente dos cuidados dos profissionais de saúde. dependendo completamente dos cuidados dos profissionais de saúde.
  • 18. Ética, Bioética em Terapia Intensiva  O cuidar técnico em UTI se torna complexo em muitos aspectos. Um banho, uma mudança de decúbito, uma higiene oral são procedimentos razoavelmente simples, mas que exigem ainda mais cuidados, principalmente, tendo em vista a atenção para que esses procedimentos não lesem o paciente, por exemplo, desconectando-o da máquina que no momento dá sustentação à vida dele.
  • 19. Ética, Bioética em Terapia Intensiva  Contudo, durante os procedimentos, devemos dedicar o devido respeito ao paciente, explicar o procedimento que será realizado, bem como sua finalidade, mesmo que, aparentemente, ele não esteja escutando.  O fato de ele não poder naquele momento, queixar-se da forma com a qual o profissional de saúde lhe presta assistência, não dá este o direito de tratá-lo mal, ou como se fosse apenas um trabalho a realizar, ignorando que ali está um ser humano, lutando para sobreviver.
  • 20. Humanização em Uti Para Terra e Gomes (2015), humanizar a UTI significa cuidar do paciente como um todo, envolvendo o contexto familiar e social. Esta é uma prática que deve incorporar os valores, as esperanças, os aspectos culturais e as preocupações de cada um.
  • 21. Humanização em Uti Trata-se de um conjunto de medidas englobando o ambiente físico, o cuidado dos pacientes e seus familiares e as relações entre a equipe de saúde. Estas intervenções visam, sobretudo, tornar efetiva a assistência ao indivíduo criticamente doente, considerando-o como um todo bio- psico-sócio-espiritual. Entende-se por humanização o ato ou efeito de humanizar. Não se trata de uma técnica ou de uma arte, como afirmam Terra e Gomes (2015). É um processo que perpassa todas as atividades de um local e de pessoas que lidam com o paciente, lhe ofertando o tratamento merecido, dentro das circunstâncias peculiares nas quais cada um se encontra naquele momento de sua internação.
  • 22. Humanização em UTI Para que haja humanização total em uma UTI, três diferentes aspectos devem ser considerados: –O ambiente físico; –O cuidado com o paciente e seus familiares; –A atenção ao profissional da equipe.
  • 24. Humanização em UTI A humanização e o ambiente físico em UTI: –Para que uma unidade de terapia intensiva se apresenta de forma mais humana, devem ser observados os seguintes aspectos: •Cores leves nas paredes e portas tornam o ambiente mais tranquilo. •Proporcionar ambiente calmo e silencioso, minimizando ao máximo os ruídos dos equipamentos e da equipe. •Presença de janelas, que permitam ver o azul do céu, a luz do sol e o verde das árvores. •Garantir bom espaço entre os leitos, para facilitar o trabalho dos profissionais, além de maior privacidade para o paciente. •Separar pacientes mais graves para que os conscientes não vejam ou ouçam as intervenções que se processam ao seu redor, gerando menos ansiedade.
  • 25. Humanização em UTI O cuidado com o paciente e a família: –Os profissionais que atuam em unidades de terapia intensiva devem estar atentos aos seguintes cuidados: •O envolvimento com o paciente e a família é um pré-requisito essencial para humanizar. •Adotar comportamento de compaixão, solidariedade e ajuda, no sentido de promover o bem, visando o bem-estar do paciente, a sua integridade moral e a sua dignidade como pessoa. •É a atitude de conversar, ouvir, tocar o paciente, identificá-lo pelo nome. Reconhecê-lo como uma pessoa que está passando por uma fase difícil de doença, necessitando de cuidados humanos, além dos técnicos, com uma dose de sentimento. •Oferecer informações e conscientização dos familiares sobre a doença e o tratamento ao qual o paciente está sendo submetido, avaliando suas necessidades e o grau de satisfação em relação aos cuidados prestados.
  • 26. Nutrição A nutrição enteral consiste na administração de nutrientes por meio de sondas nasogástrica (introduzida pelo nariz, com posicionamento no estômago) ou nasoenteral (introduzida pelo nariz, com posicionamento no duodeno) por gastrostomia ou jejunostomia (um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno). A Nutrição enteral deve ser iniciada entre 24 e 48 horas após admissão em pacientes hemodinamicamente estáveis.
  • 27. Nutrição Cuidados de Enfermagem na Administração da Dieta Enteral: –Observam-se a seguir os cuidados necessários, relativos à enfermagem na administração da dieta enteral: •Verificar rótulo observando: nome do paciente, composição da solução e gotejamento; •Orientar o paciente; •Lavar as mãos antes e depois da administração da dieta; •Testar a sonda para verificar a localização correta; •Elevar o decúbito do cliente ao administrar dieta por sonda de 30 a 60min após o término da alimentação; •Fixar a sonda corretamente;
  • 28. Nutrição Cuidados de Enfermagem na Administração da Dieta Enteral: –Observam-se a seguir os cuidados necessários, relativos à enfermagem na administração da dieta enteral: •Em caso de gastrostomia e jejunostomia, atentar para os cuidados com as sondas e seus respectivos curativos; •Manter a inserção da sonda limpa e seca, trocando a cobertura diariamente e cada vez que estiver suja ou molhada, limpando a pele ao redor da sonda com água e sabão; •Lavar diariamente a região da inserção com água e sabão.
  • 29. Nutrição A nutrição parenteral pode ser usada para complementar a enteral (nutrição parenteral parcial) ou como único meio de aporte de nutrientes, especialmente quando não há o funcionamento adequado do trato digestório e seu uso não é seguro (Nutrição parenteral total). Pode ser central, que é aquela administrada por veia de grande calibre, geralmente a subclávia ou jugular interna, que chega diretamente ao coração, e periférica, quando administrada por meio de uma veia menor, geralmente da mão ou antebraço.
  • 30. Nutrição Cuidados de Enfermagem na Administração da Dieta Parenteral: –Os cuidados necessários à enfermagem na administração da dieta parenteral são observados a seguir: •Verificar rótulo observando: nome do paciente, composição da solução e gotejamento; •Orientar o paciente; •Proceder à inspeção visual da Nutrição Parenteral antes de sua administração, atentando para mudança na coloração, ou presença de corpo estranho; •Manter a nutrição parenteral sob refrigeração entre 2 a 8 graus em refrigerador específico para medicamentos; •Atentar para validade da nutrição parenteral; •Avaliar e assegurar a instalação da Nutrição Parenteral observando as informações contidas no rótulo, confrontando-as com a prescrição médica;
  • 31. Nutrição Cuidados de Enfermagem na Administração da Dieta Parenteral: –Os cuidados necessários à enfermagem na administração da dieta parenteral são observados a seguir: •Lavar as mãos antes e depois da administração da dieta; •Assegurar a infusão do volume prescrito, mediante controle rigoroso do gotejamento, de preferência com uso de bomba de infusão; •Manter a via venosa central exclusiva para a infusão de NPT, mantendo a permeabilidade; •Detectar, registrar e comunicar à enfermeira ou o médico responsável pelo paciente as intercorrências de qualquer ordem técnica e/ou administrativa; •Garantir o registro claro e preciso de informações relacionadas à administração e à evolução do paciente, quanto ao: peso, sinais vitais, balanço hídrico e glicemia, entre outros;
  • 32. Eliminações SVA – Sodagem Vesical de Alívio SVD – Sondagem Vesical de Demora
  • 33. Principais medicamentos na UTI Fentanil – opioide – tratar a dor e anestesia (junto com outros medicamentos) Morfina – opioide – alto poder analgésico Propofol – anestesia Tramadol – opioide – tratar a dor Diazepam – ansiolítico e coadjuvante tto neurológico Midazolam – sedativo e relaxante muscular Adrenalina/epinefrina - Vasopressor Nitroprussiato de sódio (Nipride) – emergências hipertensivas – vasodilatador
  • 34. Carrinho de parada (Emergência)
  • 35. Carrinho de parada (Emergência)
  • 37. Equipamentos na UTI Cardioversor (fibrilações atriais e arritmias menos severas) Desfibrilador reverter distúrbios graves como a taquicardia ventricular (TV) e a fibrilação ventricular (FV) Ventilador mecânico
  • 44. Segurança do Paciente O Programa Nacional de Segurança do Paciente propõe um conjunto de medidas para prevenir e reduzir a ocorrência de incidentes nos serviços de saúde – eventos ou circunstâncias que poderiam resultar ou que resultaram em dano desnecessário para o paciente.
  • 45. PROTOCOLO DE SEGURANÇA DO PACIENTE
  • 47. PROTOCOLO DE PRÁTICA DE HIGIENE DAS MÃOS
  • 49. PROTOCOLO PARA SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS IMPLANTADO
  • 50. PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE LESÃO POR PRESSÃO