SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia Geral e do Brasil- Espaço
geográfico e globalização
Ensino Médio, 2ª Série
(AULA 01)
O DESENVOLVIMNTO DO
CAPITALISMO
PROF.: NILBERTE LIMA
POLÍCIA MILITAR DA BAHIA
COORDENADORIA DOS COLÉGIOS DA POLÍCIA MILITAR
COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR FRANCISCO PEDRO DE OLIVEIRA
UNIDADE CANDEIAS
Atividade inicial
Procedimento:
• Cada aluno pega um pedaço de papel, ou folha branca;
• E vai colocando seus dados conforme o professor vai sugerindo: Nome, Idade, Data de nascimento,
Cor dos olhos e cabelos, Onde nasceu, Onde mora, Qualidades, Defeitos, Um sonho....
• Depois cada um faz um aviãozinho de papel;
• A próxima etapa consta em cada um lançar seu aviãozinho por ar, e ao mesmo tempo pegar um de
seus colegas e não deixar nenhum avião cair no chão; Isso pode durar alguns instantes, parte mais
descontraída;
• Quando o professor avisar, cada um deve ficar com um aviãozinho em mãos;
• Em seguida cada aluno lê as informações do aviãozinho que ficou em pose, mas sem dizer onome do
aluno referido; O objetivo é os outros alunos irem adivinhando de quem se trata as informações;
• Quando descobrirem, o aluno então que teve suas informações reveladas é o próximo a ler os dados
de seu aviãozinho;
• Assim segue até todos terem suas informações reveladas e serem apresentados para a turma.
Fonte:http://geoprofessora.blogspot.com.br/2010/02/dinamica-passaporte.html
O desenvolvimento do capitalismo
Estrutura e impactos socioespaciais
Bases sistêmicas
Lucro Propriedade Privada Divisão de classes
1.CAPITALISMO COMERCIAL
ETAPA DO SEC. XV
ATÉ O SEC.XVIII
GRANDES
NAVEGAÇÕES
MERCANTILISMO:
Fortalecer o estado,
aumentar a riqueza
nacional por meio de
acúmulos de metais
preciosos.( ouro e
prata)
Teóricos:
Thomas Mun e Jean
Baptiste Colbert
Potencias:
Espanha , Portugal,
Inglaterra e França.
Fatos
Marcantes:
Mundialização do
comercio;
Trabalho escravo na
America;
Acumulação primitiva de
capitais na Europa.
2.CAPITALISMO INDUSTRIAL
Inicio: primeiras
décadas do século
XVIII;
Revolução
Industrial:
Liberalismo:
Defendiam a democracia
representativa, a independência
dos três poderes, a liberdade do
individuo e econômica , direito a
propriedade, a livre iniciativa e a
concorrência.
Teóricos:
Adam Smith e David
Ricardo.
Potências:
Inglaterra, Estados Unidos,
França, Alemanha e Japão.
Fatos
Marcantes:
Utilização do carvão
mineral;
Industrias inovadoras têxtil,
siderúrgica e naval;
Trabalho
assalariado.
Parte II – Dinâmica da fábrica de
sapatos
Parte II – Dinâmica da fábrica de
sapatosEssa é a parte principal da atividade e pode ser aplicada sem a primeira parte. É importante que as facilitadoras encarem o papel que vão
desempenhar de forma lúdica.
A facilitadora diz que vai abrir uma nova fábrica, irá produzir sapatos[2]. Se existir mais de uma facilitadora uma pode ser a dona[3] e a outra
pode ser nomeada gerente da fábrica. O local da atividade será a nova fábrica e a dona irá oferecer emprego aos participantes. O primeiro
passo deve ser negociar o salário diário. A dona pode citar um salário base para a categoria e oferecer uma quantia maior. O importante é
que as/os participantes se sintam contemplados pelo valor. Para facilitar o processo recomenda-se um valor simples. Por exemplo, pode-se
dizer que o salário base é de R$ 50,00 por dia e que a fábrica vai pagar R$ 100,00 por dia de trabalho.
Inicia-se o dia de trabalho: a gerente deve distribuir uma folha para cada funcionário. É a matéria prima. Os funcionários devem cortar o papel
em vários quadradinhos. Cada quadrado produzido equivale a um par de sapato. Cronometra-se o expediente (2 a 4 minutos). Para fins
lúdicos, nesse momento é importante que o gerente fiscalize o trabalho, cobrando disciplina e produtividade dos participantes (enquanto o
dono descansa). Ao terminar o expediente o gerente deve recolher todos os pares de sapato em uma saquinho transparente e entregar para o
dono. O dono deve elogiar a produtividade dos participantes, dando uma salva de palmas para o trabalho feito durante o dia.
No quadro negro as facilitadoras devem grudar dois saquinhos transparentes vazios. Com o fim do expediente ela deve agora pagar tudo que é
necessário. Para facilitar vamos pagar tudo em pares de sapato, que equivalem a R$ 50,00. Anota-se em cima do primeiro saquinho a palavra
“custos”. Ali a dona vai depositando alguns pares de sapato que correspondem a despesas diversas (aluguel, contas de água e luz, contador,
etc). Acima do segundo saquinho anota-se a palavra “impostos”. Pode-se desenhar ali escolas, hospitais, e algo que represente o aparato
burocrático do Estado. A dona deposita muitos pares de sapato e reclama da quantidade de impostos no Brasil. Por fim, a dona diz que
finalmente vai pagar o salário dos colaboradores. Nesse momento o gerente devolve aos funcionários aquilo que equivale ao seu salário (se o
salário é R$ 100,00, devolve-se dois pares de sapato). O que sobra, que será um saco bem cheio de pares de sapato, deve ser pendurado no
quadro com a palavra “lucro”.
Explica-se que a diferença entre aquilo que os funcionários produziram no dia e aquilo que ficou com eles é o que chamamos de “mais-
valia”. O lucro, que fica com o dono, por ser o dono da fábrica (dos meios de produção), é aquele tempo de trabalho que não será
remunerado, que não será retornado aos trabalhadores da fábrica. A relação entre ele é o que foi pago é mais-valia.
Parte II – Dinâmica da fábrica de
sapatosParte III – Debate
Abre-se o debate com os participantes. Sugiro algumas questões.
O que aconteceria:
Se alguém se dedicar mais ao trabalho, produzindo mais do que o outro?
Para fins lúdicos pode-se nomear como funcionário do mês o participante que mais produziu sapatos, gerando
um debate sobre a disciplina no trabalho e as diversas formas de recompensar e punir os trabalhadores segundo
a sua produtividade.
Se aumentasse o tempo da jornada e pagasse com os mesmos pares de sapato? (mais valia absoluta). E se
repetirmos a experiência com tesouras ou máquinas de corte? Se eu organizar vocês para que produzam mais
rápido? (mais valia relativa)
Para explicar adequadamente os conceitos de mais valia relativa e absoluta sugiro desenhar no quadro um
gráfico pizza em formato de relógio, onde possa se visualizar o tempo de trabalho necessário para produzir os
pares de sapatos usados para pagar o salário e o tempo excedente de trabalho que será apropriado para o dono.
Quando se aumenta o ritmo de trabalho ou a produtividade (introduzindo as tesouras, por exemplo) produz-se
mais valia relativa, quando se aumenta as horas de trabalho produz-se mais valia absoluta. Essa forma de
explicação está bem ilustrada a partir do minuto 5 desse vídeo (em espanhol).
Parte II – Dinâmica da fábrica de
sapatos
Parte II – Dinâmica da fábrica de
sapatosMais valia absoluta e relativa Se vocês fizessem uma greve?
Aqui vale falar sobre as lutas históricas pela redução da jornada de trabalho. Recomendo trabalhar com o vídeo Maio Nosso Maio e também a leitura dessa
matéria sobre a luta pela jornada de 4 horas.
Se existisse lá fora um enorme grupo de pessoas desempregadas?
Pode-se trabalhar aqui o conceito de Exército Industrial de Reserva: o desemprego como mecanismo importante para manter os salários baixos.
Se os impostos diminuíssem?
O dinheiro que iria para pagar os impostos seria convertido em um aumento na remuneração dos trabalhadores ou migraria para o saquinho correspondente
ao lucro do dono da fábrica? O empresariado brasileiro tem como uma das suas maiores pautas a diminuição dos impostos. De que impostos falam? O que
isso significa para nós trabalhadores? Sobre isso ver reportagem sobre a questão tributária no Brasil.
E se um dos funcionários saísse pra montar seu próprio negócio? Uma fabriqueta de sapatos.
Uma fábrica menor ou artesanal de sapatos poderia concorrer em pé de igualdade com essa nossa fábrica? As funcionárias teriam capital para montar uma
fábrica parecida? Seriam as suas dinâmicas de trabalho as mesmas do que a da nossa fábrica? Pode-se trabalhar aqui a ideia de empreendedorismo e de
saída individual para o problema coletivo. Para um aprofundamento no tema ler a primeira parte do livro O Espírito dos Donos: empreendedorismo como
projeto de adaptação da juventude.
E se vocês montassem uma cooperativa?
O que acontece quando cortamos a figura do patrão? Como funcionaria uma fábrica em que os donos são os próprios trabalhadores? Pode-se trabalhar aqui
a ideia de autogestão dando o exemplo das fábricas recuperadas na Argentina, bem retratado no filme The Take/La Toma.
***
Para finalizar a atividade, seria interessante alguma mística que integrasse os participantes. Por hora não me ocorreu nada, mas convido as leitoras e
leitores a deixarem suas sugestões nos comentários! Boa oficina!
[1] Recomendo demais esse pequeno curso de formação política que é oferecido com frequência em diversas cidades do Brasil.
[2]Pode-se trocar por outro produto que dialogue melhor com a realidade das/os participantes.
[3] No Brasil, entre os empregadores de empresas com mais de 5 funcionários 75% são homens, e quase 80% brancos. Essa informação também pode ser
trabalhada aqui na incorporação do personagem do dono da fábrica. A facilitadora que irá jogar esse papel pode, por exemplo, colocar um bigode postiço
para representar a maioria masculina no patronato.
3.CAPITALISMO FINANCEIRO
Inicio
segunda
metade do
sec. XIX
Divisão internacional
do trabalho:
Keynesianismo:
Critica aos pensamentos econômicos clássico e o
principio da mão invisível. Propunha o aumento
dos gastos públicos como mecanismo de
estimular o crescimento econômico e a geração
de empregos.
Teóricos:
John Keynes e Joan
Robinson
Potências :
Inglaterra, Estados Unidos, França,
Alemanha e Japão.
Fatos
Marcantes:
Segunda Revolução
Industrial;
Utilização do petróleo e da
eletricidade;
Industrias
petroquímicas,eletricas e
automobilísticas;
Expansão mundial do processo de
industrialização;
Monopólios e Oligopólios;
4.CAPITALISMO INFORMACIONAL
Começa a se
desenvolver após
a Segunda
Guerra Mundial
e se intensificou
nos anos 70 e 80.
Revolução Técnico
- Cientifica ou
informacional:
Neoliberalismo:
Reformulação do liberalismo antes aplicado
com intervenção mínima do estado, livre
concorrência, abertura econômica e financeira
e a privatização de empresas estatais.
Teóricos:
Alexander Rustow e
Milton Friedman;
Potências :
Inglaterra, Estados Unidos, França, Alemanha
,Japão e Rússia.
Fatos
Marcantes:
Pós-Segunda Revolução
Industrial;
Crescentes investimentos em P&D e
agregação de valor aos produtos;
Ampliação do meio técnico
cientifico informacional;
Industrias inovadoras , informática,
robótica, telecomunicações e biotecnologia;
Industrialização de países em
desenvolvimento e expansão das
transnacionais.
ATIVIDADES
Atividades da página 30 do 1 ao 5, para a próxima aula.
Desde os primórdios
Até hoje em dia
O homem ainda faz
O que o macaco fazia
Eu não trabalhava
Eu não sabia
Que o homem criava
E também destruía...
Homem Primata
Capitalismo Selvagem
Oh! Oh! Oh!...
Eu aprendi
A vida é um jogo
Cada um por si
E Deus contra todos
Você vai morrer
E não vai pro céu
É bom aprender
A vida é cruel...
Homem Primata
Capitalismo
Selvagem
Oh! Oh! Oh!...
Eu me perdi
Na selva de pedra
Eu me perdi
Eu me perdi...
"I'm a cave man
A young man
I fight with my hands
(With my hands)
I am a jungle man
A monkey man
Concrete jungle!
Concrete jungle!”
EXTRAS
HOMEM PRIMATA
Sergio Brito, Marcelo Froner, Nando Reis e Ciro
Pessoa
GEOGRAFIA , 2ª Série
Origem e Características do Capitalismo
•http://geocontextual.blogspot.com.br/
•
•www.google.com.br
• www.mundoeducacao.com.br
•http://educacao.uol.com.br/geografia/index-
c.jhtm
EXTRAS
Sugestão de sites
GEOGRAFIA , 2ª Série
Origem e Características do Capitalismo
Autoria / Nome da obra Link da Fonte Data do
Acesso
MOREIRA, JOÃO CARLOS
Geografia geral e do Brasil: espaço geográfico e
globalização: ensino médio/ João Carlos Moreira,
Eustáquio de Sene. 3ª ed. São Paulo: Scipione,
2016.
[Aulão/oficina] Como funciona o
capitalismo? https://www.entranhas.org/aulaooficina-como-
funciona-o-capitalismo/ 26/02/2018
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese
escolaodeteribaroli
 
Aula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptx
Aula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptxAula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptx
Aula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptx
ChristianBarbosa26
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
Paula Meyer Piagentini
 
Atividade filme a onda
Atividade filme a ondaAtividade filme a onda
Atividade filme a onda
João William Silva
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
André Luiz Marques
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
Luciano Pessanha
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Marcioveras
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
Luciano Pessanha
 
Jogo Revolução Industrial * Gabarito*
Jogo Revolução Industrial * Gabarito*Jogo Revolução Industrial * Gabarito*
Jogo Revolução Industrial * Gabarito*
Paula Meyer Piagentini
 
Atividade com o filme
Atividade com o filmeAtividade com o filme
Atividade com o filme
Ivaneide Ribeiro de Sousa
 
Trabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasilTrabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasil
André Prof. História Lopes
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
rblfilos
 
Folclore brasileiro
Folclore brasileiroFolclore brasileiro
Folclore brasileiro
Andrea Lemos
 
América espanhola e inglesa
América espanhola e inglesaAmérica espanhola e inglesa
América espanhola e inglesa
Acrópole - História & Educação
 
Espaço geográfico e industrialização 1 parte
Espaço geográfico e industrialização   1 parteEspaço geográfico e industrialização   1 parte
Espaço geográfico e industrialização 1 parte
edsonluz
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
Péricles Penuel
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
Jane Mary Lima Castro
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
André Luiz Marques
 
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Manoelito Filho Soares
 

Mais procurados (20)

1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese
 
Aula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptx
Aula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptxAula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptx
Aula 1 - 9º GEO - Industrialização e as transformações no trabalho. pptx.pptx
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
 
Atividade filme a onda
Atividade filme a ondaAtividade filme a onda
Atividade filme a onda
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 
Jogo Revolução Industrial * Gabarito*
Jogo Revolução Industrial * Gabarito*Jogo Revolução Industrial * Gabarito*
Jogo Revolução Industrial * Gabarito*
 
Atividade com o filme
Atividade com o filmeAtividade com o filme
Atividade com o filme
 
Trabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasilTrabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasil
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Folclore brasileiro
Folclore brasileiroFolclore brasileiro
Folclore brasileiro
 
América espanhola e inglesa
América espanhola e inglesaAmérica espanhola e inglesa
América espanhola e inglesa
 
Espaço geográfico e industrialização 1 parte
Espaço geográfico e industrialização   1 parteEspaço geográfico e industrialização   1 parte
Espaço geográfico e industrialização 1 parte
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
 

Semelhante a Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo

ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ProfMario De Mori
 
Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321
Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321
Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321
Carmem Rocha
 
Projeto "A minha primeira empresa"
 Projeto "A minha primeira empresa" Projeto "A minha primeira empresa"
Projeto "A minha primeira empresa"
Diogo Relveiro Pereira
 
1) administração científica
1) administração científica1) administração científica
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º SociologiaAula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Prof. Noe Assunção
 
Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75
SINDIMETAL RS
 
Aula 7 ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimento
Aula 7   ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimentoAula 7   ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimento
Aula 7 ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimento
Angelo Peres
 
Aula 4 2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)
Aula 4   2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)Aula 4   2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)
Aula 4 2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)
Angelo Peres
 
Manage_to_Survive
Manage_to_SurviveManage_to_Survive
Manage_to_Survive
Roberto Pereira, MBA
 
Crowdsourcing_Peças
Crowdsourcing_PeçasCrowdsourcing_Peças
Crowdsourcing_Peças
Rafael Zatti
 
Manual de marketing de guerrilha labor editorial
Manual de marketing de guerrilha   labor editorialManual de marketing de guerrilha   labor editorial
Manual de marketing de guerrilha labor editorial
Valber Teixeira
 
Como conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxi
Como conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxiComo conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxi
Como conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxi
Charles Moretto
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
E book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisas
E book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisasE book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisas
E book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisas
Rafael Zatti
 
Garoto 21 01 14
Garoto 21 01 14Garoto 21 01 14
Garoto 21 01 14
Sindialimentação
 
Artigo I - Gestao de Cargos e Remunerações
Artigo I - Gestao de Cargos e RemuneraçõesArtigo I - Gestao de Cargos e Remunerações
Artigo I - Gestao de Cargos e Remunerações
Tonigerley Silveira
 
MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJA
MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJAMUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJA
MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJA
isamaralima6
 
Projeto empreendedorismo
Projeto   empreendedorismoProjeto   empreendedorismo
Projeto empreendedorismo
Vtonetto
 
Um Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome PlatitudeUm Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome Platitude
BrainstormingBR
 

Semelhante a Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo (19)

ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
 
Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321
Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321
Sociologia do Trabalho - IFRJ - PMQ_321
 
Projeto "A minha primeira empresa"
 Projeto "A minha primeira empresa" Projeto "A minha primeira empresa"
Projeto "A minha primeira empresa"
 
1) administração científica
1) administração científica1) administração científica
1) administração científica
 
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º SociologiaAula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
 
Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75
 
Aula 7 ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimento
Aula 7   ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimentoAula 7   ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimento
Aula 7 ucam 2014.1 - adm rh - o trabalho do conhecimento
 
Aula 4 2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)
Aula 4   2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)Aula 4   2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)
Aula 4 2014.1 ucam - o trabalho do conhecimento - coworking (1)
 
Manage_to_Survive
Manage_to_SurviveManage_to_Survive
Manage_to_Survive
 
Crowdsourcing_Peças
Crowdsourcing_PeçasCrowdsourcing_Peças
Crowdsourcing_Peças
 
Manual de marketing de guerrilha labor editorial
Manual de marketing de guerrilha   labor editorialManual de marketing de guerrilha   labor editorial
Manual de marketing de guerrilha labor editorial
 
Como conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxi
Como conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxiComo conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxi
Como conseguir emprego_no_brasil_no_seculo_xxi
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
E book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisas
E book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisasE book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisas
E book Crowdsourcing e as peças de uma nova forma de fazer as coisas
 
Garoto 21 01 14
Garoto 21 01 14Garoto 21 01 14
Garoto 21 01 14
 
Artigo I - Gestao de Cargos e Remunerações
Artigo I - Gestao de Cargos e RemuneraçõesArtigo I - Gestao de Cargos e Remunerações
Artigo I - Gestao de Cargos e Remunerações
 
MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJA
MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJAMUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJA
MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS- 2° ETAPA EJA
 
Projeto empreendedorismo
Projeto   empreendedorismoProjeto   empreendedorismo
Projeto empreendedorismo
 
Um Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome PlatitudeUm Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome Platitude
 

Mais de Nilberte Correia

Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de população
Nilberte Correia
 
Resultado final
Resultado finalResultado final
Resultado final
Nilberte Correia
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
Nilberte Correia
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
Nilberte Correia
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Nilberte Correia
 
Slide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaSlide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapa
Nilberte Correia
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Nilberte Correia
 
Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Nilberte Correia
 
Regionalizando o brasil
Regionalizando o brasilRegionalizando o brasil
Regionalizando o brasil
Nilberte Correia
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
Nilberte Correia
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Nilberte Correia
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º ano
Nilberte Correia
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
Regras para a criação do blog
Regras para a criação do blogRegras para a criação do blog
Regras para a criação do blog
Nilberte Correia
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
Assedio moral
Assedio moralAssedio moral
Assedio moral
Nilberte Correia
 

Mais de Nilberte Correia (16)

Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de população
 
Resultado final
Resultado finalResultado final
Resultado final
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
 
Slide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaSlide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapa
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
 
Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013
 
Regionalizando o brasil
Regionalizando o brasilRegionalizando o brasil
Regionalizando o brasil
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º ano
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º ano
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Regras para a criação do blog
Regras para a criação do blogRegras para a criação do blog
Regras para a criação do blog
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Assedio moral
Assedio moralAssedio moral
Assedio moral
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo

  • 1. Geografia Geral e do Brasil- Espaço geográfico e globalização Ensino Médio, 2ª Série (AULA 01) O DESENVOLVIMNTO DO CAPITALISMO PROF.: NILBERTE LIMA POLÍCIA MILITAR DA BAHIA COORDENADORIA DOS COLÉGIOS DA POLÍCIA MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR FRANCISCO PEDRO DE OLIVEIRA UNIDADE CANDEIAS
  • 2. Atividade inicial Procedimento: • Cada aluno pega um pedaço de papel, ou folha branca; • E vai colocando seus dados conforme o professor vai sugerindo: Nome, Idade, Data de nascimento, Cor dos olhos e cabelos, Onde nasceu, Onde mora, Qualidades, Defeitos, Um sonho.... • Depois cada um faz um aviãozinho de papel; • A próxima etapa consta em cada um lançar seu aviãozinho por ar, e ao mesmo tempo pegar um de seus colegas e não deixar nenhum avião cair no chão; Isso pode durar alguns instantes, parte mais descontraída; • Quando o professor avisar, cada um deve ficar com um aviãozinho em mãos; • Em seguida cada aluno lê as informações do aviãozinho que ficou em pose, mas sem dizer onome do aluno referido; O objetivo é os outros alunos irem adivinhando de quem se trata as informações; • Quando descobrirem, o aluno então que teve suas informações reveladas é o próximo a ler os dados de seu aviãozinho; • Assim segue até todos terem suas informações reveladas e serem apresentados para a turma. Fonte:http://geoprofessora.blogspot.com.br/2010/02/dinamica-passaporte.html
  • 3. O desenvolvimento do capitalismo
  • 4. Estrutura e impactos socioespaciais Bases sistêmicas Lucro Propriedade Privada Divisão de classes
  • 5. 1.CAPITALISMO COMERCIAL ETAPA DO SEC. XV ATÉ O SEC.XVIII GRANDES NAVEGAÇÕES MERCANTILISMO: Fortalecer o estado, aumentar a riqueza nacional por meio de acúmulos de metais preciosos.( ouro e prata) Teóricos: Thomas Mun e Jean Baptiste Colbert Potencias: Espanha , Portugal, Inglaterra e França. Fatos Marcantes: Mundialização do comercio; Trabalho escravo na America; Acumulação primitiva de capitais na Europa.
  • 6. 2.CAPITALISMO INDUSTRIAL Inicio: primeiras décadas do século XVIII; Revolução Industrial: Liberalismo: Defendiam a democracia representativa, a independência dos três poderes, a liberdade do individuo e econômica , direito a propriedade, a livre iniciativa e a concorrência. Teóricos: Adam Smith e David Ricardo. Potências: Inglaterra, Estados Unidos, França, Alemanha e Japão. Fatos Marcantes: Utilização do carvão mineral; Industrias inovadoras têxtil, siderúrgica e naval; Trabalho assalariado.
  • 7. Parte II – Dinâmica da fábrica de sapatos
  • 8. Parte II – Dinâmica da fábrica de sapatosEssa é a parte principal da atividade e pode ser aplicada sem a primeira parte. É importante que as facilitadoras encarem o papel que vão desempenhar de forma lúdica. A facilitadora diz que vai abrir uma nova fábrica, irá produzir sapatos[2]. Se existir mais de uma facilitadora uma pode ser a dona[3] e a outra pode ser nomeada gerente da fábrica. O local da atividade será a nova fábrica e a dona irá oferecer emprego aos participantes. O primeiro passo deve ser negociar o salário diário. A dona pode citar um salário base para a categoria e oferecer uma quantia maior. O importante é que as/os participantes se sintam contemplados pelo valor. Para facilitar o processo recomenda-se um valor simples. Por exemplo, pode-se dizer que o salário base é de R$ 50,00 por dia e que a fábrica vai pagar R$ 100,00 por dia de trabalho. Inicia-se o dia de trabalho: a gerente deve distribuir uma folha para cada funcionário. É a matéria prima. Os funcionários devem cortar o papel em vários quadradinhos. Cada quadrado produzido equivale a um par de sapato. Cronometra-se o expediente (2 a 4 minutos). Para fins lúdicos, nesse momento é importante que o gerente fiscalize o trabalho, cobrando disciplina e produtividade dos participantes (enquanto o dono descansa). Ao terminar o expediente o gerente deve recolher todos os pares de sapato em uma saquinho transparente e entregar para o dono. O dono deve elogiar a produtividade dos participantes, dando uma salva de palmas para o trabalho feito durante o dia. No quadro negro as facilitadoras devem grudar dois saquinhos transparentes vazios. Com o fim do expediente ela deve agora pagar tudo que é necessário. Para facilitar vamos pagar tudo em pares de sapato, que equivalem a R$ 50,00. Anota-se em cima do primeiro saquinho a palavra “custos”. Ali a dona vai depositando alguns pares de sapato que correspondem a despesas diversas (aluguel, contas de água e luz, contador, etc). Acima do segundo saquinho anota-se a palavra “impostos”. Pode-se desenhar ali escolas, hospitais, e algo que represente o aparato burocrático do Estado. A dona deposita muitos pares de sapato e reclama da quantidade de impostos no Brasil. Por fim, a dona diz que finalmente vai pagar o salário dos colaboradores. Nesse momento o gerente devolve aos funcionários aquilo que equivale ao seu salário (se o salário é R$ 100,00, devolve-se dois pares de sapato). O que sobra, que será um saco bem cheio de pares de sapato, deve ser pendurado no quadro com a palavra “lucro”. Explica-se que a diferença entre aquilo que os funcionários produziram no dia e aquilo que ficou com eles é o que chamamos de “mais- valia”. O lucro, que fica com o dono, por ser o dono da fábrica (dos meios de produção), é aquele tempo de trabalho que não será remunerado, que não será retornado aos trabalhadores da fábrica. A relação entre ele é o que foi pago é mais-valia.
  • 9. Parte II – Dinâmica da fábrica de sapatosParte III – Debate Abre-se o debate com os participantes. Sugiro algumas questões. O que aconteceria: Se alguém se dedicar mais ao trabalho, produzindo mais do que o outro? Para fins lúdicos pode-se nomear como funcionário do mês o participante que mais produziu sapatos, gerando um debate sobre a disciplina no trabalho e as diversas formas de recompensar e punir os trabalhadores segundo a sua produtividade. Se aumentasse o tempo da jornada e pagasse com os mesmos pares de sapato? (mais valia absoluta). E se repetirmos a experiência com tesouras ou máquinas de corte? Se eu organizar vocês para que produzam mais rápido? (mais valia relativa) Para explicar adequadamente os conceitos de mais valia relativa e absoluta sugiro desenhar no quadro um gráfico pizza em formato de relógio, onde possa se visualizar o tempo de trabalho necessário para produzir os pares de sapatos usados para pagar o salário e o tempo excedente de trabalho que será apropriado para o dono. Quando se aumenta o ritmo de trabalho ou a produtividade (introduzindo as tesouras, por exemplo) produz-se mais valia relativa, quando se aumenta as horas de trabalho produz-se mais valia absoluta. Essa forma de explicação está bem ilustrada a partir do minuto 5 desse vídeo (em espanhol).
  • 10. Parte II – Dinâmica da fábrica de sapatos
  • 11. Parte II – Dinâmica da fábrica de sapatosMais valia absoluta e relativa Se vocês fizessem uma greve? Aqui vale falar sobre as lutas históricas pela redução da jornada de trabalho. Recomendo trabalhar com o vídeo Maio Nosso Maio e também a leitura dessa matéria sobre a luta pela jornada de 4 horas. Se existisse lá fora um enorme grupo de pessoas desempregadas? Pode-se trabalhar aqui o conceito de Exército Industrial de Reserva: o desemprego como mecanismo importante para manter os salários baixos. Se os impostos diminuíssem? O dinheiro que iria para pagar os impostos seria convertido em um aumento na remuneração dos trabalhadores ou migraria para o saquinho correspondente ao lucro do dono da fábrica? O empresariado brasileiro tem como uma das suas maiores pautas a diminuição dos impostos. De que impostos falam? O que isso significa para nós trabalhadores? Sobre isso ver reportagem sobre a questão tributária no Brasil. E se um dos funcionários saísse pra montar seu próprio negócio? Uma fabriqueta de sapatos. Uma fábrica menor ou artesanal de sapatos poderia concorrer em pé de igualdade com essa nossa fábrica? As funcionárias teriam capital para montar uma fábrica parecida? Seriam as suas dinâmicas de trabalho as mesmas do que a da nossa fábrica? Pode-se trabalhar aqui a ideia de empreendedorismo e de saída individual para o problema coletivo. Para um aprofundamento no tema ler a primeira parte do livro O Espírito dos Donos: empreendedorismo como projeto de adaptação da juventude. E se vocês montassem uma cooperativa? O que acontece quando cortamos a figura do patrão? Como funcionaria uma fábrica em que os donos são os próprios trabalhadores? Pode-se trabalhar aqui a ideia de autogestão dando o exemplo das fábricas recuperadas na Argentina, bem retratado no filme The Take/La Toma. *** Para finalizar a atividade, seria interessante alguma mística que integrasse os participantes. Por hora não me ocorreu nada, mas convido as leitoras e leitores a deixarem suas sugestões nos comentários! Boa oficina! [1] Recomendo demais esse pequeno curso de formação política que é oferecido com frequência em diversas cidades do Brasil. [2]Pode-se trocar por outro produto que dialogue melhor com a realidade das/os participantes. [3] No Brasil, entre os empregadores de empresas com mais de 5 funcionários 75% são homens, e quase 80% brancos. Essa informação também pode ser trabalhada aqui na incorporação do personagem do dono da fábrica. A facilitadora que irá jogar esse papel pode, por exemplo, colocar um bigode postiço para representar a maioria masculina no patronato.
  • 12. 3.CAPITALISMO FINANCEIRO Inicio segunda metade do sec. XIX Divisão internacional do trabalho: Keynesianismo: Critica aos pensamentos econômicos clássico e o principio da mão invisível. Propunha o aumento dos gastos públicos como mecanismo de estimular o crescimento econômico e a geração de empregos. Teóricos: John Keynes e Joan Robinson Potências : Inglaterra, Estados Unidos, França, Alemanha e Japão. Fatos Marcantes: Segunda Revolução Industrial; Utilização do petróleo e da eletricidade; Industrias petroquímicas,eletricas e automobilísticas; Expansão mundial do processo de industrialização; Monopólios e Oligopólios;
  • 13. 4.CAPITALISMO INFORMACIONAL Começa a se desenvolver após a Segunda Guerra Mundial e se intensificou nos anos 70 e 80. Revolução Técnico - Cientifica ou informacional: Neoliberalismo: Reformulação do liberalismo antes aplicado com intervenção mínima do estado, livre concorrência, abertura econômica e financeira e a privatização de empresas estatais. Teóricos: Alexander Rustow e Milton Friedman; Potências : Inglaterra, Estados Unidos, França, Alemanha ,Japão e Rússia. Fatos Marcantes: Pós-Segunda Revolução Industrial; Crescentes investimentos em P&D e agregação de valor aos produtos; Ampliação do meio técnico cientifico informacional; Industrias inovadoras , informática, robótica, telecomunicações e biotecnologia; Industrialização de países em desenvolvimento e expansão das transnacionais.
  • 14. ATIVIDADES Atividades da página 30 do 1 ao 5, para a próxima aula.
  • 15. Desde os primórdios Até hoje em dia O homem ainda faz O que o macaco fazia Eu não trabalhava Eu não sabia Que o homem criava E também destruía... Homem Primata Capitalismo Selvagem Oh! Oh! Oh!... Eu aprendi A vida é um jogo Cada um por si E Deus contra todos Você vai morrer E não vai pro céu É bom aprender A vida é cruel... Homem Primata Capitalismo Selvagem Oh! Oh! Oh!... Eu me perdi Na selva de pedra Eu me perdi Eu me perdi... "I'm a cave man A young man I fight with my hands (With my hands) I am a jungle man A monkey man Concrete jungle! Concrete jungle!” EXTRAS HOMEM PRIMATA Sergio Brito, Marcelo Froner, Nando Reis e Ciro Pessoa GEOGRAFIA , 2ª Série Origem e Características do Capitalismo
  • 17. Autoria / Nome da obra Link da Fonte Data do Acesso MOREIRA, JOÃO CARLOS Geografia geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização: ensino médio/ João Carlos Moreira, Eustáquio de Sene. 3ª ed. São Paulo: Scipione, 2016. [Aulão/oficina] Como funciona o capitalismo? https://www.entranhas.org/aulaooficina-como- funciona-o-capitalismo/ 26/02/2018 REFERÊNCIAS