SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
                    UNIJUÍ – Campus Santa Rosa




AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO




                        DANIEL LUAN ROSSI
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
    O trabalho a ser apresentado visa o resgate histórico dos
modos de produção e trabalho, ao longo da história da
humanidade. Os seguintes tópicos serão abordados:

 Modos de Produção
    o Primitivo;
    o Escravista;
    o Feudal;
    o Capitalista;
         • Pré-Capitalismo (Capitalismo Comercial);
         • Capitalismo Industrial;
         • Capitalismo Monopolista-Financeiro;
    o Socialista;
    o Asiático;
    o Taylorismo e Fordismo;
    o Os Modos de Produção no Brasil;
    o Socialismo no Brasil.
MODO DE PRODUÇÃO PRIMITIVO




          • Desenvolvido na Pré-História;
          • Existiu durante centenas de milhares de anos;
          • Os frutos do trabalho eram propriedade coletiva;
          • Não existiam classes sociais.
MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA



         • Surgimento dos conceitos de Propriedade Privada;
         • Divisão de Classes Sociais: donos de terras e
         escravos;
         • Criação do Estado, órgão para garantir o bem-
         estar, justiça, ordem e direitos dos proprietários de
         terras;
         • Precárias condições de vida dos escravos;
         • Guerras entre povos, com a escravização dos
         derrotados;
         • Comercialização de escravos;
         • Teve seu fim com a decadência do império romano.
MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL


• Objetivava a agricultura de subsistência, trabalho
servil e economia amonetária e sem comércio;
• Surgiu no século IV, com as invasões germânicas ao
Império Romano do Ocidente;
• Os nobres romanos afastaram-se das
cidades, levando consigo os servos e camponeses;
• Assim como os escravos, os servos faziam parte do
patrimônio, porém sem certificado de propriedade do
senhor feudal;
• Tinham como dever priorizar a produtividade das
terras dos seus senhores;
• Possuíam suas próprias terras, ainda que em más
condições se comparadas com as dos senhores, para
seu sustento próprio e de sua famílias;
MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL
   • Divisão e organização de um feudo:
MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL
 • Divisão social (estamentos):
 Nobres, Clero e Servos;
 • Igreja como forma de “promoção social”;
MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL


• Os servos não sentiam-se estimulados a aumentar sua própria
produção, pois os excedentes eram tomados pelo senhor;
• Limitação da produtividade e rendimento cada vez mais baixo
da agricultura;
• Século X - Surgimento de relações capitalistas de
produção, com a comercialização de produtos excedentes entre
feudos;
• Crescente demanda de produtos agrícolas pela população
urbana;
• Utilização de animais, carroças e novas técnicas de cultivo;
• Aumento gradativo nos preços dos produtos, resultando na
possibilidade da compra de liberdade por parte dos camponeses;
• Fim do feudalismo na Europa Ocidental no século XV, sendo
que alguns países permaneceram com resquícios feudais até o
século XX.
MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA



• Surgiu na Idade Moderna – entre os
séculos XV e XVI;
• Propriedade privada dos meios de
produção pela burguesia, e trabalho
assalariado;
• Movido por lucros;
• Classes sociais: burguesia e
trabalhadores assalariados;
• Esforço, acúmulo de
capital, aquisição de bens;
PRÉ-CAPITALISMO (CAPITALISMO COMERCIAL)


                 • Estendeu-se do século XVI ao XVIII;
                 • Período das grandes navegações e
                 expansões marítimas européias;
                 • Busca por riquezas não encontradas em solo
                 europeu - ouro, prata, especiarias e matérias-
                 primas, resultando em um ciclo de exploração
                 intensa;
                 • Traços de características capitalistas - busca
                 de lucro, mão-de-obra assalariada, sistema
                 monetário, desigualdades sociais;
                 • Exterior à produção – lucro com o transporte
                 e comércio somente dos excessos da
                 produção.
CAPITALISMO INDUSTRIAL
• Trabalho assalariado é a relação fundamental;
• Revolução Industrial de 1760, na Inglaterra –
fortalecimento do sistema capitalista;
• Substituição do trabalho de artesãos por
máquinas, resultando em maior agilidade dos
processos produtivos e aumento na margem de
lucro;
• Classes sociais: trabalhadores
assalariados, proprietários de terras arrendadas
e burguesia industrial;
• Benefício: queda nos preços das mercadorias;
• Malefícios: desemprego, baixos
salários, péssimas condições de
trabalho, poluição e acidentes;
• Lucro como objetivo direto dos produtos e
formação do proletariado¹.
• 2ª Revolução Industrial, em 1860 –
investimentos na produção de aço, energia
elétrica e produtos químicos.
¹ Proletariado: classe que se vê necessitada de vender sua força de trabalho como uma mercadoria, a
fim de conseguir um salário que lhe permita sobreviver.
CAPITALISMO MONOPOLISTA-FINANCEIRO

• União entre empresas e bancos, para
obtenção de maiores lucros;
• Surgimento de grandes companhias
multinacionais, que impunham normas de
produção e definiam os preços de seus
produtos no mercado;
• Período marcado pelo início da prática
monopolista;
• Prática de oligopólios¹;
• Primeira Guerra Mundial: emergência
dos Estados Unidos;
• Quebra da Bolsa de Valores – 1929;
• Intervenção do Estado no controle e
prevenção de crises;
• Terceira Revolução Industrial: era da
tecnologia;
• Nova Ordem Mundial.

¹ Oligopólio: União de um grupo de empresas, com o objetivo de promover a regularização de
matérias-primas e preços para que outras empresas do ramo não atuem de forma ofensiva, colocando
em risco os interesses deste grupo. Desta forma, forçando a concorrência a acompanhar os valores
praticados.
MODO DE PRODUÇÃO SOCIALISTA




• Propriedade social dos meios de produção;
• Satisfação completa das necessidades
materiais e culturais da população;
• Socialismo utópico;
• O socialismo na Rússia;
• Glasnost e Perestroika;
• Socialismo real;
MODO DE PRODUÇÃO ASIÁTICO


           • Originário da China, Índia, Egito e outros
           países da África;
           • Baseado na agricultura;
           • Camponeses presos à terra, vivendo em um
           regime de servidão coletiva;
           • Todas as terras pertenciam ao
           Estado, representado pelo imperador, rei ou
           faraó;
           • Trabalhadores eram deslocados para
           atividades de construção de obras públicas, no
           período entre as safras;
           • Caracterizou a passagem das sociedades sem
           classes definidas (primitivas) para as
           sociedades de classes.
TAYLORISMO, FORDISMO E TOYOTISMO




• Visavam a racionalização extrema da
produção, e maximização da produção e dos
lucros;
• Frederick Winslow Taylor (1856-1915):
conjunto de métodos denominado Taylorismo;
• Henry Ford (1863-1947): sistema de
organização denominado Fordismo;
• Técnicas utilizadas até hoje nas industrias;
• Toyotismo: aspectos positivos e negativos.
                                                 Frederick Winslow Taylor e Henry Ford
OS MODOS DE PRODUÇÃO NO BRASIL

• Modo de Produção Primitivo
indígena, pré-colonização;
• Escravismo e exploração
humana, primeiramente com os
índios, posteriormente com negros
oriundos da África;
• Relações feudais e os latifúndios;
• Traços de pré-capitalismo nas
Capitanias Hereditárias, com os
principais objetivos da produção sendo o
comércio e lucro máximo;
• Entrada de empresas multinacionais;
• Socialismo no Brasil;
• Conquista de direitos trabalhistas;
• Imprensa como veículo de reivindicação
social e política.
CONSIDERAÇÕES FINAIS

• Acelerada transformação nos modos de produção;
• Revolução tecnológica;
• Desafios enfrentados pelos profissionais;
• Onde chegaremos?
As Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do Trabalho
DÚVIDAS?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
rblfilos
 
Alienação e-trabalho
Alienação e-trabalhoAlienação e-trabalho
Alienação e-trabalho
Edirlene Fraga
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
Colegio
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Turma Olímpica
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da história
Kamila Joyce
 
Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho? Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho?
Leticia Santos
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Democracia, cidadania e direitos humanos
Democracia, cidadania e direitos humanos Democracia, cidadania e direitos humanos
Democracia, cidadania e direitos humanos
Beatriz Dantas
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
Fillipe Lobo
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
Paula Meyer Piagentini
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
Isabela Espíndola
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
Lucio Oliveira
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
Luisa Lamas
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
Sociologia - Cidadania
Sociologia - CidadaniaSociologia - Cidadania
Sociologia - Cidadania
Edenilson Morais
 
Trabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasilTrabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasil
André Prof. História Lopes
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
Luciano Pessanha
 

Mais procurados (20)

ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Alienação e-trabalho
Alienação e-trabalhoAlienação e-trabalho
Alienação e-trabalho
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da história
 
Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho? Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho?
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Democracia, cidadania e direitos humanos
Democracia, cidadania e direitos humanos Democracia, cidadania e direitos humanos
Democracia, cidadania e direitos humanos
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Sociologia - Cidadania
Sociologia - CidadaniaSociologia - Cidadania
Sociologia - Cidadania
 
Trabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasilTrabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasil
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 

Semelhante a As Transformações no Mundo do Trabalho

Mundo bipolar
Mundo bipolarMundo bipolar
Mundo bipolar
Gustavo C. Souza
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Renato Feliciano
 
O IMPERIALISMO
O IMPERIALISMOO IMPERIALISMO
O IMPERIALISMO
Jorge Miklos
 
20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial
Franciele Souza
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
pedrohd8
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
Davi Gonçalves Valério
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
Fatima Freitas
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Rafael Camargo
 
O capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xxO capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xx
Simone Borges
 
Ciências Sociais: Capitalismo industrial
Ciências Sociais: Capitalismo industrialCiências Sociais: Capitalismo industrial
Ciências Sociais: Capitalismo industrial
Jordan Medeiros
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Ademir Aquino
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
Rodrigo Luiz
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
landipaula
 
Brasil colônia 3
Brasil colônia 3Brasil colônia 3
Brasil colônia 3
harlissoncarvalho
 
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
Ariella Araujo
 
engenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdf
engenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdfengenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdf
engenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdf
MauroOliveira84
 
Engenhos, escravos e senhores na América Portuguesa
Engenhos, escravos  e senhores na América PortuguesaEngenhos, escravos  e senhores na América Portuguesa
Engenhos, escravos e senhores na América Portuguesa
Luis Lacerda
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
harlissoncarvalho
 
GEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdf
GEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdfGEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdf
GEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdf
sergiochegs1
 

Semelhante a As Transformações no Mundo do Trabalho (20)

Mundo bipolar
Mundo bipolarMundo bipolar
Mundo bipolar
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
O IMPERIALISMO
O IMPERIALISMOO IMPERIALISMO
O IMPERIALISMO
 
20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
O capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xxO capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xx
 
Ciências Sociais: Capitalismo industrial
Ciências Sociais: Capitalismo industrialCiências Sociais: Capitalismo industrial
Ciências Sociais: Capitalismo industrial
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
 
Brasil colônia 3
Brasil colônia 3Brasil colônia 3
Brasil colônia 3
 
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
engenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdf
engenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdfengenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdf
engenhos, escravos e senhores na américa portuguesa.pdf
 
Engenhos, escravos e senhores na América Portuguesa
Engenhos, escravos  e senhores na América PortuguesaEngenhos, escravos  e senhores na América Portuguesa
Engenhos, escravos e senhores na América Portuguesa
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
GEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdf
GEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdfGEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdf
GEOGRAFIA_Roberto Facce_2024_Slide 1.pdf
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

As Transformações no Mundo do Trabalho

  • 1. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ – Campus Santa Rosa AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO DANIEL LUAN ROSSI
  • 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O trabalho a ser apresentado visa o resgate histórico dos modos de produção e trabalho, ao longo da história da humanidade. Os seguintes tópicos serão abordados:  Modos de Produção o Primitivo; o Escravista; o Feudal; o Capitalista; • Pré-Capitalismo (Capitalismo Comercial); • Capitalismo Industrial; • Capitalismo Monopolista-Financeiro; o Socialista; o Asiático; o Taylorismo e Fordismo; o Os Modos de Produção no Brasil; o Socialismo no Brasil.
  • 3. MODO DE PRODUÇÃO PRIMITIVO • Desenvolvido na Pré-História; • Existiu durante centenas de milhares de anos; • Os frutos do trabalho eram propriedade coletiva; • Não existiam classes sociais.
  • 4. MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA • Surgimento dos conceitos de Propriedade Privada; • Divisão de Classes Sociais: donos de terras e escravos; • Criação do Estado, órgão para garantir o bem- estar, justiça, ordem e direitos dos proprietários de terras; • Precárias condições de vida dos escravos; • Guerras entre povos, com a escravização dos derrotados; • Comercialização de escravos; • Teve seu fim com a decadência do império romano.
  • 5. MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL • Objetivava a agricultura de subsistência, trabalho servil e economia amonetária e sem comércio; • Surgiu no século IV, com as invasões germânicas ao Império Romano do Ocidente; • Os nobres romanos afastaram-se das cidades, levando consigo os servos e camponeses; • Assim como os escravos, os servos faziam parte do patrimônio, porém sem certificado de propriedade do senhor feudal; • Tinham como dever priorizar a produtividade das terras dos seus senhores; • Possuíam suas próprias terras, ainda que em más condições se comparadas com as dos senhores, para seu sustento próprio e de sua famílias;
  • 6. MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL • Divisão e organização de um feudo:
  • 7. MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL • Divisão social (estamentos): Nobres, Clero e Servos; • Igreja como forma de “promoção social”;
  • 8. MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL • Os servos não sentiam-se estimulados a aumentar sua própria produção, pois os excedentes eram tomados pelo senhor; • Limitação da produtividade e rendimento cada vez mais baixo da agricultura; • Século X - Surgimento de relações capitalistas de produção, com a comercialização de produtos excedentes entre feudos; • Crescente demanda de produtos agrícolas pela população urbana; • Utilização de animais, carroças e novas técnicas de cultivo; • Aumento gradativo nos preços dos produtos, resultando na possibilidade da compra de liberdade por parte dos camponeses; • Fim do feudalismo na Europa Ocidental no século XV, sendo que alguns países permaneceram com resquícios feudais até o século XX.
  • 9. MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA • Surgiu na Idade Moderna – entre os séculos XV e XVI; • Propriedade privada dos meios de produção pela burguesia, e trabalho assalariado; • Movido por lucros; • Classes sociais: burguesia e trabalhadores assalariados; • Esforço, acúmulo de capital, aquisição de bens;
  • 10. PRÉ-CAPITALISMO (CAPITALISMO COMERCIAL) • Estendeu-se do século XVI ao XVIII; • Período das grandes navegações e expansões marítimas européias; • Busca por riquezas não encontradas em solo europeu - ouro, prata, especiarias e matérias- primas, resultando em um ciclo de exploração intensa; • Traços de características capitalistas - busca de lucro, mão-de-obra assalariada, sistema monetário, desigualdades sociais; • Exterior à produção – lucro com o transporte e comércio somente dos excessos da produção.
  • 11. CAPITALISMO INDUSTRIAL • Trabalho assalariado é a relação fundamental; • Revolução Industrial de 1760, na Inglaterra – fortalecimento do sistema capitalista; • Substituição do trabalho de artesãos por máquinas, resultando em maior agilidade dos processos produtivos e aumento na margem de lucro; • Classes sociais: trabalhadores assalariados, proprietários de terras arrendadas e burguesia industrial; • Benefício: queda nos preços das mercadorias; • Malefícios: desemprego, baixos salários, péssimas condições de trabalho, poluição e acidentes; • Lucro como objetivo direto dos produtos e formação do proletariado¹. • 2ª Revolução Industrial, em 1860 – investimentos na produção de aço, energia elétrica e produtos químicos. ¹ Proletariado: classe que se vê necessitada de vender sua força de trabalho como uma mercadoria, a fim de conseguir um salário que lhe permita sobreviver.
  • 12. CAPITALISMO MONOPOLISTA-FINANCEIRO • União entre empresas e bancos, para obtenção de maiores lucros; • Surgimento de grandes companhias multinacionais, que impunham normas de produção e definiam os preços de seus produtos no mercado; • Período marcado pelo início da prática monopolista; • Prática de oligopólios¹; • Primeira Guerra Mundial: emergência dos Estados Unidos; • Quebra da Bolsa de Valores – 1929; • Intervenção do Estado no controle e prevenção de crises; • Terceira Revolução Industrial: era da tecnologia; • Nova Ordem Mundial. ¹ Oligopólio: União de um grupo de empresas, com o objetivo de promover a regularização de matérias-primas e preços para que outras empresas do ramo não atuem de forma ofensiva, colocando em risco os interesses deste grupo. Desta forma, forçando a concorrência a acompanhar os valores praticados.
  • 13. MODO DE PRODUÇÃO SOCIALISTA • Propriedade social dos meios de produção; • Satisfação completa das necessidades materiais e culturais da população; • Socialismo utópico; • O socialismo na Rússia; • Glasnost e Perestroika; • Socialismo real;
  • 14. MODO DE PRODUÇÃO ASIÁTICO • Originário da China, Índia, Egito e outros países da África; • Baseado na agricultura; • Camponeses presos à terra, vivendo em um regime de servidão coletiva; • Todas as terras pertenciam ao Estado, representado pelo imperador, rei ou faraó; • Trabalhadores eram deslocados para atividades de construção de obras públicas, no período entre as safras; • Caracterizou a passagem das sociedades sem classes definidas (primitivas) para as sociedades de classes.
  • 15. TAYLORISMO, FORDISMO E TOYOTISMO • Visavam a racionalização extrema da produção, e maximização da produção e dos lucros; • Frederick Winslow Taylor (1856-1915): conjunto de métodos denominado Taylorismo; • Henry Ford (1863-1947): sistema de organização denominado Fordismo; • Técnicas utilizadas até hoje nas industrias; • Toyotismo: aspectos positivos e negativos. Frederick Winslow Taylor e Henry Ford
  • 16. OS MODOS DE PRODUÇÃO NO BRASIL • Modo de Produção Primitivo indígena, pré-colonização; • Escravismo e exploração humana, primeiramente com os índios, posteriormente com negros oriundos da África; • Relações feudais e os latifúndios; • Traços de pré-capitalismo nas Capitanias Hereditárias, com os principais objetivos da produção sendo o comércio e lucro máximo; • Entrada de empresas multinacionais; • Socialismo no Brasil; • Conquista de direitos trabalhistas; • Imprensa como veículo de reivindicação social e política.
  • 17. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Acelerada transformação nos modos de produção; • Revolução tecnológica; • Desafios enfrentados pelos profissionais; • Onde chegaremos?