SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 62
CURSO ATENDENTE DE
FARMÁCIA E DROGARIA
“Educação não transforma o mundo.
Educação muda pessoas.
Pessoas transformam o mundo”.
(Paulo Freire)
Educador e filósofo brasileiro(Recife, 19 de
setembro
de 1921 – São Paulo, 2 de maio de 1997) ao 75
anos.
A metodologia de Paulo Freire consiste em uma
maneira de educar conectada ao cotidiano dos
estudantes e às experiências que eles têm — e por
isso, também ligado à política, especialmente
porque ele trabalhou com a alfabetização de
adultos.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA
• Surgimento das boticas:
• A origem das atividades relacionadas à farmácia se deu a partir do século X
com as boticas ou apotecas, como eram conhecidas na época.
• Neste período, a medicina e a farmácia eram uma só profissão.
• O boticário tinha a responsabilidade de conhecer e curar as doenças, mas para
exercer a profissão devia cumprir uma série de requisitos e ter local e
equipamentos adequados para a preparação e armazenamento dos
medicamentos.
• Na Espanha e na França, a partir do século X, foram criadas as primeiras
boticas. Que mais tarde, originaria o modelo das farmácias atuais.
• Não havia distinção entre o médico e o Farmacêutico: a mesma pessoa que
diagnosticava a doença, era quem produzia o remédio e o vendia.
01
• Em meados do século XVIII, em razão de um grande surto de propagação da
lepra, Luís XIV, entre outras iniciativas na área da saúde pública, ampliou o
número de farmácias hospitalares na França.
• A profissão farmacêutica foi separada da médica e ficou proibido a mesma
pessoa diagnosticar a doença, produzir e vender o remédio.
• As boticas são de grande relevância para a história da farmácia;
• Pois foi por meio delas que o estudo dos remédios ganhou impulso
notável, com a pesquisa sistemática dos princípios ativos das plantas e
dos minerais capazes de curar doenças.
02
HISTÓRIA DA FARMÁCIA
03
HISTÓRIA DA FARMÁCIA - BOTICAS
O Boticário: manipulava e produzia o medicamento na
frente do paciente, de acordo com a farmacopeia e
a prescrição médica.
Ele tinha a responsabilidade de conhecer e curar
doenças.
Além disso, para exercer a profissão, semelhante ao que
acontece atualmente, devia cumprir uma série de
requisitos: ter local próprio e equipamentos adequados,
pois atuava diretamente na preparação e
armazenamento dos medicamentos.
http://revistadestaquemais.com.br/historia-
da-farmacia-surgimento-das-boticas/
04
FORMAÇÃO FARMACÊUTICA
• No século II, os árabes fundaram a primeira escola de
farmácia de que se tem notícia, criando inclusive uma
legislação para o exercício da profissão.
• Em 1777, Luis XV determina a substituição do nome de
Boticário pelo de farmacêutico.
• Naquela época, a obtenção do diploma de farmacêutico
exigia estudos teóricos e prestação de exames práticos,
embora ainda não fosse considerado de nível
universitário.
• Com o tempo, o estudo universitário para a formação do
farmacêutico é estendido para toda a Europa.
No século XVI, o estudo dos remédios ganhou impulso
notável, com a pesquisa sistemática dos princípios ativos
das plantas e dos minerais capazes de curar doenças.
05
• Com o tempo, foi implantada no mundo a
indústria farmacêutica, e, com ela, novos
medicamentos são criados e estudos
realizados em velocidade espantosa.
Os maiores conhecimentos em fisiologia
e toxicologia dão início à moderna
farmacologia, tendo sido publicado, em
1813, o primeiro tratado de toxicologia. T
• Na primeira metade do século XIX foram
criados os primeiros laboratórios
farmacêuticos. Inicia-se um grande
processo de mudança na profissão.
FORMAÇÃO FARMACÊUTICA
06
• Surgiu no período colonial, quando medicamentos e outros produtos com
fins terapêuticos podiam ser comprados nas boticas.
• O boticário manipulava e produzia o medicamento na frente do paciente, de
acordo com a farmacopéia e a prescrição médica.
• O primeiro boticário no Brasil foi de Diogo de Castro, trazido de Portugal
pelo governador geral, Thomé de Souza.
• Isso só aconteceu após a coroa portuguesa decretar que, no Brasil, o
acesso ao medicamento só aconteceria se nas expedições portuguesas,
francesas ou espanholas houvesse um cirurgião barbeiro ou algum
tripulante com uma botica portátil cheia de drogas e medicamentos.
PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
07
• A partir de 1640 as boticas foram autorizadas a
se transformar em comércio, dirigidas por
boticários aprovados em Coimbra, uma cidade de
Portugal.
• Esses boticários que obtinham sua carta de
aprovação eram profissionais empíricos, às
vezes analfabetos, possuindo
apenas conhecimentos corriqueiros de
medicamentos.
• Em 1809, dentro do curso médico, foi criada a
primeira cadeira de matéria médica e
farmácia ministrada pelo médico português, José
Maria Bomtempo.
PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
08
• Somente a partir da reforma do
ensino médico de 1832, foi fundado
o curso de farmácia, vinculado,
contudo, às faculdades de
medicina do Rio de Janeiro e da
Bahia.
• Por esta reforma, ficou estabelecido
que ninguém poderia “curar, ter
botica”, sem título conferido ou
aprovado pelas faculdades citadas
acima.
PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
09
• Durante a 1ª Guerra Mundial (1914 - 1919), desenvolve-se a terapia
antimicrobiana com avanços significativos em quimioterapia, antibioticoterapia e
imunoterapia.
• E no período da 2ª Guerra Mundial (1939 – 1945), começaram as pesquisas
sobre guerra química que resultaram no descobrimento dos primeiros
antineoplásicos.
PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
10
• A sociedade, a partir de 1950, começa a dispor dos serviços das farmácias e da
qualificação do farmacêutico.
• A industrialização em ritmo crescente torna o fármaco um produto industrial,
aliado às mudanças da sociedade de consumo e, ainda, objeto de interesses
econômicos e políticos.
• Como conseqüência, são feitos enormes investimentos publicitários que atribuem
ao medicamento a solução para todos os problemas.
PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
11
• Sua origem está relacionada à mitologia grega.
• Segundo a literatura antiga este símbolo representa
o poder (cobra) sobre a cura (taça).
• Na mitologia grega, Higéia ou Hígia era a filha de
Esculápio, a deusa da saúde, limpeza e da sanidade.
• Enquanto seu pai era mais associado diretamente
com a cura, ela era associada com a prevenção da
doença e a continuação da boa saúde.
HISTÓRIA DO SÍMBOLO DA FARMÁCIA
Hígia da taça com a serpente
O símbolo da profissão representa a cura(taça), o poder e a
sabedoria (cobra), transmitidos por meio do conhecimento.
• As farmácias têm uma importância incalculável para a sociedade,
o bem-estar, a saúde e a economia em todo o mundo.
• Por meio das boticas, as primeiras farmácias da história, pessoas
foram curadas e vidas foram salvas.
• O profissional boticário é responsável pelo surgimento da indústria
farmacêutica.
• Através de seus estudos, substâncias com propriedades de cura
foram descobertas, dando origem aos medicamentos que conhecemos
hoje e que são utilizados nos tratamentos atualmente.
12
A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA FARMÁCIA PARA OS
DIAS ATUAIS
• A função primordial da farmácia: mais do que
dispensar, prestar serviço farmacêutico à
sociedade.
• Os serviços farmacêuticos para atenção ao
paciente e orientação de uso racional de
medicamentos, oferecem melhoria para a
saúde da população, maior qualidade e
resguardo da vida.
13
1. ÉTICA, BOM ATENDIMENTO E COMPROMETIMENTO
COM A VIDA
• Foi aprovado pela Resolução nº 724/2022 do
Conselho Federal de Farmácia que dispõe
sobre o Código de Ética Farmacêutica, o
Código de Processo Ético e estabelece as
infrações e as regras de aplicação das sanções
disciplinares. Código de Ética e Processo Ético
da Profissão Farmacêutica: » Res. nº 724 de
29/04/2022.
Art.8: A profissão farmacêutica, em qualquer
circunstância ou de qualquer forma, não
pode ser exercida exclusivamente com
objetivo comercial.
14
1. ÉTICA, BOM ATENDIMENTO E COMPROMETIMENTO
COM A VIDA
ATENDENTE DE FARMÁCIA
15
PERFIL DO ATENDENTE DE FARMÁCIA
• É o profissional que trabalha no estabelecimento de
saúde (Farmacia e Drogaria) auciliando o
farmacêutico na dispensação de medicamentos e
cosméticos aos clientes, sob a supervisão e orientação
do Farmacêutico.
PERFIL PRPFISSIONAL
• Ser proativo;
• Pontual
• Evitar trazer problemas pessoais para o ambiente de
trabalho;
• Manter a cordialidade entre os colegas e com os
clientes;
ATRIBUIÇÕES ATENDENTE DE FARMÁCIA
Lidar diretamente com o cliente – paciente.
• Para efetuar um bom atendimento é preciso passar
segurança
• Saber identificar as principais necessidades do paciente.
• Controle de validade dos produtos e medicamentos –
invetários;
• Realizar a dispensação correta dos medicamentos;
• Saber interpretar as bulas;
• Organizar os medicamentos e saber diferencias genéricos,
similares e éticos ou de marca;
• Fazer a leitura correta das receitas;
• Realizar balanço mensal e trimestral- controle de estoque;
ATENDIMENTO AO CLIENTE/PACIENTE
• O que o cliente espera de quem o atende?
Cortesia, exclusividade,atenção, comprometimento,competência, solução
rápida e integridade.
Cortesia : habilidade de fazer o cliente se sentir bem-vindo e respeitado.
Atitudes : Sorrir, agradecer, usuar sempre as expressões: Obrigado(a),por
favor...
Ser gentil com todos os perfis de cliente;
Tratar sempre como senhor e senhora;
Elimine em sua fala frases negativas: pois não.
E substituir sempre por: posso ajudar?
Se possivel acompanhe o cliente ate o setor desejado;
• Comprometimento – Capacidade de fornecer o que foi prometido,
sempre com exatidão, o que transmite confiança e respeito
profissional.O comprometimento determina a maneira pela qual os
outros percebem sua qualidade pessoal.Se está comprometido, eles
acreditam que podem contar com você!
• Competência – O conhecimento demostrado e a habilidade em
transmitir confiança e credibilidade possibilitam avançar para a
realização de vendas adicionais.
• Solução rápida – Refere-se a disposição de ajudar os clientes de
imediato, para aproveitar o impulso da compra.
• Integridade - Deixar claro que o cleinte pode confiar e contar com
você, criando uma fidelidade. Fidelizar clientes é a demonstração de
honestidade,ética e transparência.
DICAS
• Chame o cleinte pelo nome;
• Seja prestativo;
• Procure superar as expectativas do cliente;
• Olhe nos olhos do cliente;
• Busque prestar atendimento humanizado e
ouvir com atenção e interesse;
• Caso temha dúvida, não invente respostas
busque ajuda com o colega ou o
farmacêutico;
• Não procure culpados, resolva o problema do
cliente;
• Atenda os clientes com entusiasmo e
interesse em ajuda-los;
• Forneça mais informações sobre o produto;
• Ao precisar encaminhar o cliente para outro
setor ou colega(Farmacêutico, caixa ou
gerente), explique antes a outra pessoa o
problema/situação do cliente;
DICAS
• Qualidade no atendimento;
• Use o tempo livre para ler e estudar catalogos, sites de
laboratório, manuais,bulas,bularios, e revistas da área;
• Disponha-se a ajudar colegas e clientes;
• Use a linguagem do cliente;
• Ofereça ao cliente alternativas para a solução de problemas;
• Agregue a venda – Ticket médio
• Ouça o cliente e não o interrompa;
PERFIL DOS CLIENTES
• Idosos
• Gestantes
• Deficientes
• Pessoas com alguma comorbidade,
sentindo dor.
• Doenças crônicas como hipertensão e
DM;
• Ele compra pela necessidade: por estar doente,não
tem direito a escolha(as vezes),pode estar abalado
emocionalmente;
• O medicamento de modo geral é para previnir ou
tratar doenças ou para fins de diagnóstico;
QUALIDADE NO ATENDIMENTO
• É a capacidade de satisfazer plenamente as expectativas do
cliente.
• Prestar atenção nas necessidades do cliente e buscar ter
agilidade no atendimento, reconhecimento, conforto,
exclusividade e personalização.
Atender com:
Credibilidade;
Competência;
Iniciativa;
Organização;
• Segurança;
• Boa comunicação;
• Cortesia;
• Flexibilidade – O cliente sempre
tem razão;
• Filosifia da empresa;
ATENTAR-SE PARA:
• Atitudes comportamentais do
cliente;
• Técnicas de vendas;
• Conhecimento do
produto/medicamento;
• Relacionamento com os clientes;
• Qualidade no serviço;
• PRINCIPAIS ERROS DURANTE O
ATENDIMENTO:
• Falta de atenção;
• Falta de conhecimento do produto;
• Insistência excessiva;
• Ser afobado;
• Falta de cortesias;
• Cometer garfes ou enganos;
• Desprezar a concorrência ou
marcas/laboratórios menos conhecidas;
TRABLHO EM EQUIPE
• Para que uma empresa possa atingir bons
resultados, seus colaboradores devem trablhar
em equipe.
• Trabalhar de maneira individual dificilmente a
empresa conseguira atingir resultados positivos
e metas;
• Fatores importantes para atingir resultados no
trabalho em equipe:
• Pedir e aceitar ajuda;
• Assumir seus erros;
• Quando possivel corrigi-los;
• Evitar ruídos na comunicação;
• Resolver os problemas com o superior;
• Evitar concorrência com os colegas de trablaho;
• Estudar e reciclar conhecimentos;
• Ser otimista e ter empatia;
RELAÇÃO ATENDENTE X CLIENTES
• Orientar o cliente sobre o produto;
• Conhecer os produtos que a dorgaria trabalha;
• Saber o monento de falar, ouvir e calar;
• A presença do Farmacêutico é a credibilidade do
negócio;
• Gostar de pessoas – paciência;
O CLIENTE BUSCA:
• Lojas modernas e organizadas;
• Limpeza;
• Praticidade na hora da compra;
• Seguranca nas informações;
• Confiança e sigilo;
• Qualidade nos demais serviços prestados na drogaria;
• Preço justo;
• Oferecer sempre que possivel a intercambialidade dos medicamentos para
atender toda a receita;
MARKETING NO ATENDIMENTO
• Atendimento ouvir o cliente;
• Atenção e respeito ao cliente;
• EquiPe treinada;
Postura como atendente:
Manter os cuidados pessoais;
Cuidado com a linguagem – evitar girias e apelidos.
Memorizar preços;
Percorrer a Drogaria para conhecer medicamentos e
produtos novos;
Conhecer a concorrência;
Atendimento eficaz;
• Aparência/cuidados pessoais:
• Uniforme limpo e passado;
• Cabelo preso ou cortado;
• Unhas limpas e curtas;
• Dentes escovados e halito agradável;
• Barba feita;
• Sapatos fechados e limpos;
• Manter sempre bom humor e educação
16
ATRIBUIÇÕES ATENDENTE DE FARMÁCIA
• Lidar diretamente com o cliente – paciente.
• Para efetuar um bom atendimento é preciso passar
segurança : saber identificar as principais
necessidades do paciente.
• Controle de validade dos produtos e medicamentos –
invetários;
• Realizar a dispensação correta dos medicamentos;
• Saber interpretar as bulas;
• Organizar os medicamentos e saber diferencias
genéricos, similares e éticos ou de marca;
• Fazer a leitura correta das receitas;
• Realizar balanço mensal e trimestral- controle de
estoque;
• Limpeza dos medicamentos nas prateleiras;
FORMAS FARMACÊUTICAS E VIA DE
ADMINISTRAÇÃO
17
18
As formas farmacêuticas foram desenvolvidas para:
1. Facilitar a administração de medicamentos a pacientes de diferente
faixa etária ou em diferentes condições especiais;
2. Permitir seu melhor aproveitamento e efeito;
3. Além de se relacionar à via de administração que vai ser utilizada:
via oral, retal, intravenosa, tópica, vaginal ou nasal etc.
19
Não é apenas a forma do
medicamento que é
importante, a via de
administração também
deverá ser escolhida pelo
médico no ate da prescrição!
20
21
20
22
Comprimidos
• São preparações sólidas obtidas pela
compressão de princípios ativos secos.
• Podem apresentar vários formatos,
como ovais, cilíndricos, redondos...
Vantagens:
• A facilidade na execução da preparação,
• Baixo custo;
• Facilidade na administração;
• Precisão na dosagem.
FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
Desvantagens:
• Impossibilidade de ajustar a
dose no produto final.
23
COMPRIMIDOS
Podem ser de vários tipos:
• Revestidos por películas;
• Com revestimento entérico-
Só dissolve no intestino;
• De liberação controlada -
Succinato de Metoprolol
50mg(ANGINA,HIPERTENÇÃO)
• Efervescentes - CEWIN;
• Sublinguais;
• Mastigáveis – PEPSAMAR(AZIA)
24
Cápsulas
• São formas compostas por um envoltório
comestível, que normalmente é à base
de gelatina.
• Dentro desse envoltório, está princípio
ativo.
• As cápsulas são administradas por via
oral.
FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
25
As principais vantagens são:
• A facilidade na liberação e administração do fármaco;
• Melhor conservação e apresentação;
• Permite a prescrição personalizada e maior velocidade na execução da
formulação.
Desvantagens:
• Não pode ser cortado/partido;
• É inviável para fármacos muito solúveis, como também a limitação de uso para
crianças e idosos devido ao tamanho da cápsula.
• Deve ser armazenada em condições de temperatura e umidade adequadas.
CÁPSULAS
26
Drágeas
São formas farmacêuticas em que o princípio ativo está em um invólucro constituído
por diversas substâncias, como resinas, gelatinas, gomas, açúcares, ceras.
São chamados também de comprimidos revestidos.
Vantagens
São a estabilidade físico-química, facilidade na administração, melhor declutição e
mascara o sabor do medicamento.
Desvantagens
A dificuldade na preparação, o alto custo, e a impossibilidade de ajuste de dose.
FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
27
DRÁGEAS
28
COMPRIMIDO, CÁPSULA,DRÁGEAS
29
Grânulos
São preparações que apresentam formato de grãos ou grânulos irregulares.
Podem ser administrados diretamente ou de serem utilizados em formulações.
FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
30
Pós
• São preparações para uso externo e interno.
• São compostos por uma mistura de fármacos finamente divididos e secos.
• Podem ser classificados em simples, quando derivados de uma droga ou em
compostos quando derivados de uma mistura de duas ou mais drogas.
FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
Vantagens
• São a facilidade na absorção devido à maior superfície de contato;
• A ausência de umidade que melhora a conservação;
• Facilidade no transporte e armazenamento.
Desvantagens:
• O sabor que pode ser desagradável;
• A dificuldade na deglutição;
• A impossibilidade de usar outras vias de administração além da oral e da
tópica.
31
Supositórios e óvulos
• Possuem formato cônicos ou ogivais,
para aplicação retal e vaginal,
respectivamente.
• São usados em substituição à via oral,
no caso de lesão na mucosa do trato
gastrointestinal ou quando o paciente
apresenta quadro de vômito ou
dificuldade de deglutição.
FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
SUPOSITÓRIO
ÓVULO – INFECÇÃO
FÚNGICA
32
FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS
Pomadas/Unguentos
• São preparações de consistência pegajosa e
macia, monofásica, empregadas para uso
externo.
• A substância química sólida é geralmente
inserida em uma base oleosa.
• Abreviatura: pom.
• São usadas em regiões menores, com menos
pêlos por serem muito oleosas, não é
aconselhável aplicá-las em feridas abertas.
Unguentos
33
FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS
Cremes
• São formulações com excipientes emulsivos
(óleo/água ou água/óleo), para uso externo,
podendo conter um ou mais princípios ativos.
• São chamados também de emulsões de alta
viscosidade.
• É utilizada, normalmente, para aplicação
externa na pele ou nas membranas mucosas.
Em comparação com as pomadas, são bem
menos oleosas e se espalham facilmente.
Portanto, são mais aplicadas para áreas
extensas do corpo e também em regiões com
pêlos.
34
FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS
GEL
• São preparações a base de
água - não contém óleo.
• Possui um ou mais princípios
ativos que contém um agente
gelificante para fornecer ;
• Um gel pode conter partículas
suspensas.
• São utilizadas em regiões
muito úmidas.
• Também são utilizados para
reduzir a oleosidade da pele.
35
FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS
Pastas
• São preparações compostas por pós finamente
dispersos numa proporção que varia de 20% e
60%, sendo mais firmes e espessos que as
pomadas e menos gordurosas também.
• As pastas são aplicáveis para uso externo.
36
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
SOLUÇÃO/GOTAS
• É a forma farmacêutica líquida; límpida
e homogênea, que contém um ou mais
princípios ativos dissolvidos em
um solvente adequado ou numa
mistura de solventes miscíveis.
• Abreviatura: sol.
SOLUÇÃO NASAL
SOLUÇÃO ORAL
37
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
SOLUÇÃO ONTOLÓGICA
SOLUÇÃO TÓPICA
São formas farmacêuticas para
aplicação auditiva, utilizadas para
remoção de cerúmen, infecções e
inflamações.
Preparação aplicadas na pele ou
couro cabeludo.
38
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
SOLUÇÕES INJETÁVEIS ESTÉREIS
• São preparações líquidas estéreis, ou seja, sem a
presença de microorganismos.
• Não devem conter nenhum tipo de substância estranha e
nem estarem turvas.
Vantagens:
• Para pacientes que não possuem trato gastrointestinal
intacto ou funcional;
• Efeito farmacológico mais rápido;
• Melhor absorção e efeito mais rápido;
39
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
COLÍRIOS
• São preparações líquidas estéreis, ou seja,
sem a presença de microorganismos.
• São colírios e medicamentos injetáveis.
• Não devem conter nenhum tipo de
substância estranha e nem estarem turvas.
40
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
XAROPES
Aquoso caracterizada pela
alta viscosidade, que apresenta não
menos que 45% de sacarose ou outros
açúcares na sua composição, que contêm
uma ou mais substâncias químicas.
São usadas principalmente para
substâncias com sabor muito
desagradável e também para pacientes
que têm dificuldade de ingerir
comprimidos (crianças e idosos, por
exemplo).
Abreviatura: xpe.
41
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
SUSPENSÃO
• As suspensões são preparações em que
as substâncias químicas não estão
totalmente dissolvidas no meio líquido.
• Têm baixa capacidade de dissolução, por
isso depositam-se no fundo do recipiente.
• Abreviatura: sus.
É essencial informar ao paciente que ele
deve agitar o frasco antes de usar.
42
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
ELIXIR
• São preparações líquidas contendo
álcool, açúcar, glicerol ou
propilenoglicol. Normalmente,
apresenta como característica, o sabor
do álcool.
• São menos viscosos e, devido à
presença de certa quantidade de
álcool, são menos utilizadas
atualmente.
CONTRA GASES E DORES
ETOMACAIS
43
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
EMULSÃO
• É uma solução que contém pequenas
partículas de um líquido dispersas em outro
líquido.
• Geralmente, as emulsões envolvem a dispersão
de água em óleo.
• É necessário agitar antes de administrar
• USO INTERNO OU EXTERNO
COMPLEXO
VITAMINICO
44
FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS
LOÇÕES
• Formas farmacêuticas liquidas;
• Podem ser perfumadas;
• Usadas na pele ou couro cabeludo;
46
FORMAS FARMACEUTICAS GASOSAS
SISTEMAS DE GÁS COMPRIMIDO OU
AEROSSÓIS/SPRAYS
São utilizadas em medicamentos e cosméticos.
São soluções associadas a gases.
Antigamente o gás mais utilizado era o CFC
(clorofluorcarbono) - não é inflamável, causam grande
estrago para a natureza (destrói a camada de ozônio).
Foi substituído atualmente pelos hidrocarbonetos (n-
butano, propano, iso-butano) - são inflamáveis, mas
pouco tóxicos e mais baratos.
É importante alertar que as embalagens não devem ser
descartadas fora do lixo, e não podem ser reutilizadas
e abertas.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula 01 atendente historia da farmacia.pptx

Farmacia hospitalat - Revisão para prova.ppt
Farmacia hospitalat - Revisão para prova.pptFarmacia hospitalat - Revisão para prova.ppt
Farmacia hospitalat - Revisão para prova.pptandrealmeida907171
 
Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)
Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)
Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)Adilson Soares
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)Elizeu Ferro
 
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .OdilonCalian1
 
Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)
Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)
Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)LeoNascimento29
 
Historico bpf aula_modulo_iii_ensp
Historico bpf aula_modulo_iii_enspHistorico bpf aula_modulo_iii_ensp
Historico bpf aula_modulo_iii_ensplunafarmaceutica
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxJessiellyGuimares
 
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdfAula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdfAlineBarreto56
 
Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Eni Bertolini
 
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdfCarolinaMelo636868
 
AULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfAULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfJOSILENEOLIVEIRA24
 
MÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptx
MÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptxMÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptx
MÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptxLanaMonteiro8
 

Semelhante a aula 01 atendente historia da farmacia.pptx (20)

Farmacia hospitalat - Revisão para prova.ppt
Farmacia hospitalat - Revisão para prova.pptFarmacia hospitalat - Revisão para prova.ppt
Farmacia hospitalat - Revisão para prova.ppt
 
Modulo completo afd
Modulo completo afdModulo completo afd
Modulo completo afd
 
Almanaque visa 2007
Almanaque visa 2007Almanaque visa 2007
Almanaque visa 2007
 
Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)
Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)
Aula 1 história_saúde_pública_brasil (1)
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Estrutura do SUS 1..pptx
Estrutura do SUS 1..pptxEstrutura do SUS 1..pptx
Estrutura do SUS 1..pptx
 
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
 
Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)
Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)
Aprendizado acelerado resumo_historia_do_sus_parte_2(1)(1)
 
Historico bpf aula_modulo_iii_ensp
Historico bpf aula_modulo_iii_enspHistorico bpf aula_modulo_iii_ensp
Historico bpf aula_modulo_iii_ensp
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
 
Aula 1 - AF
Aula 1 - AFAula 1 - AF
Aula 1 - AF
 
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdfAula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
 
Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013
 
Vendendo saude
Vendendo saudeVendendo saude
Vendendo saude
 
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
 
AULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfAULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdf
 
MÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptx
MÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptxMÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptx
MÓDULO I - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS FARMACÊUTICOS.pptx
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
História da Dermatologia no Piauí
História da Dermatologia no PiauíHistória da Dermatologia no Piauí
História da Dermatologia no Piauí
 

Mais de LanaMonteiro8

AULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptx
AULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptxAULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptx
AULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptxLanaMonteiro8
 
AULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptx
AULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptxAULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptx
AULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptxLanaMonteiro8
 
AULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptx
AULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptxAULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptx
AULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptxLanaMonteiro8
 
aula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagemaula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagemLanaMonteiro8
 
AULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptx
AULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptxAULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptx
AULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptxLanaMonteiro8
 
AULA 01 - LEI 8142.pptx
AULA 01 - LEI 8142.pptxAULA 01 - LEI 8142.pptx
AULA 01 - LEI 8142.pptxLanaMonteiro8
 
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptxAULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptxLanaMonteiro8
 
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxAULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxLanaMonteiro8
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...LanaMonteiro8
 
FARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptxFARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptxLanaMonteiro8
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxLanaMonteiro8
 
Aula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptx
Aula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptxAula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptx
Aula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptxLanaMonteiro8
 

Mais de LanaMonteiro8 (12)

AULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptx
AULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptxAULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptx
AULA 03 tecnico em enfermagem - VIRUS E BACTERIAS.pptx
 
AULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptx
AULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptxAULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptx
AULA 06 atendente de farmacia - SINAIS VITAIS.pptx
 
AULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptx
AULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptxAULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptx
AULA 07 Normas regulamentadoras - NR6; NR9; NR32.pptx
 
aula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagemaula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagem
 
AULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptx
AULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptxAULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptx
AULA 10 BIOQUIMICA BÁSICA - VITAMINAS E MINERAIS.pptx
 
AULA 01 - LEI 8142.pptx
AULA 01 - LEI 8142.pptxAULA 01 - LEI 8142.pptx
AULA 01 - LEI 8142.pptx
 
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptxAULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
 
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxAULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
 
FARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptxFARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptx
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
 
Aula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptx
Aula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptxAula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptx
Aula 01 - HISTORICO E DEFINICAO.pptx
 

Último

Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 

Último (15)

Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 

aula 01 atendente historia da farmacia.pptx

  • 2. “Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo”. (Paulo Freire) Educador e filósofo brasileiro(Recife, 19 de setembro de 1921 – São Paulo, 2 de maio de 1997) ao 75 anos. A metodologia de Paulo Freire consiste em uma maneira de educar conectada ao cotidiano dos estudantes e às experiências que eles têm — e por isso, também ligado à política, especialmente porque ele trabalhou com a alfabetização de adultos.
  • 3. HISTÓRIA DA FARMÁCIA • Surgimento das boticas: • A origem das atividades relacionadas à farmácia se deu a partir do século X com as boticas ou apotecas, como eram conhecidas na época. • Neste período, a medicina e a farmácia eram uma só profissão. • O boticário tinha a responsabilidade de conhecer e curar as doenças, mas para exercer a profissão devia cumprir uma série de requisitos e ter local e equipamentos adequados para a preparação e armazenamento dos medicamentos. • Na Espanha e na França, a partir do século X, foram criadas as primeiras boticas. Que mais tarde, originaria o modelo das farmácias atuais. • Não havia distinção entre o médico e o Farmacêutico: a mesma pessoa que diagnosticava a doença, era quem produzia o remédio e o vendia. 01
  • 4. • Em meados do século XVIII, em razão de um grande surto de propagação da lepra, Luís XIV, entre outras iniciativas na área da saúde pública, ampliou o número de farmácias hospitalares na França. • A profissão farmacêutica foi separada da médica e ficou proibido a mesma pessoa diagnosticar a doença, produzir e vender o remédio. • As boticas são de grande relevância para a história da farmácia; • Pois foi por meio delas que o estudo dos remédios ganhou impulso notável, com a pesquisa sistemática dos princípios ativos das plantas e dos minerais capazes de curar doenças. 02 HISTÓRIA DA FARMÁCIA
  • 5. 03 HISTÓRIA DA FARMÁCIA - BOTICAS O Boticário: manipulava e produzia o medicamento na frente do paciente, de acordo com a farmacopeia e a prescrição médica. Ele tinha a responsabilidade de conhecer e curar doenças. Além disso, para exercer a profissão, semelhante ao que acontece atualmente, devia cumprir uma série de requisitos: ter local próprio e equipamentos adequados, pois atuava diretamente na preparação e armazenamento dos medicamentos. http://revistadestaquemais.com.br/historia- da-farmacia-surgimento-das-boticas/
  • 6. 04 FORMAÇÃO FARMACÊUTICA • No século II, os árabes fundaram a primeira escola de farmácia de que se tem notícia, criando inclusive uma legislação para o exercício da profissão. • Em 1777, Luis XV determina a substituição do nome de Boticário pelo de farmacêutico. • Naquela época, a obtenção do diploma de farmacêutico exigia estudos teóricos e prestação de exames práticos, embora ainda não fosse considerado de nível universitário. • Com o tempo, o estudo universitário para a formação do farmacêutico é estendido para toda a Europa. No século XVI, o estudo dos remédios ganhou impulso notável, com a pesquisa sistemática dos princípios ativos das plantas e dos minerais capazes de curar doenças.
  • 7. 05 • Com o tempo, foi implantada no mundo a indústria farmacêutica, e, com ela, novos medicamentos são criados e estudos realizados em velocidade espantosa. Os maiores conhecimentos em fisiologia e toxicologia dão início à moderna farmacologia, tendo sido publicado, em 1813, o primeiro tratado de toxicologia. T • Na primeira metade do século XIX foram criados os primeiros laboratórios farmacêuticos. Inicia-se um grande processo de mudança na profissão. FORMAÇÃO FARMACÊUTICA
  • 8. 06 • Surgiu no período colonial, quando medicamentos e outros produtos com fins terapêuticos podiam ser comprados nas boticas. • O boticário manipulava e produzia o medicamento na frente do paciente, de acordo com a farmacopéia e a prescrição médica. • O primeiro boticário no Brasil foi de Diogo de Castro, trazido de Portugal pelo governador geral, Thomé de Souza. • Isso só aconteceu após a coroa portuguesa decretar que, no Brasil, o acesso ao medicamento só aconteceria se nas expedições portuguesas, francesas ou espanholas houvesse um cirurgião barbeiro ou algum tripulante com uma botica portátil cheia de drogas e medicamentos. PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
  • 9. 07 • A partir de 1640 as boticas foram autorizadas a se transformar em comércio, dirigidas por boticários aprovados em Coimbra, uma cidade de Portugal. • Esses boticários que obtinham sua carta de aprovação eram profissionais empíricos, às vezes analfabetos, possuindo apenas conhecimentos corriqueiros de medicamentos. • Em 1809, dentro do curso médico, foi criada a primeira cadeira de matéria médica e farmácia ministrada pelo médico português, José Maria Bomtempo. PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
  • 10. 08 • Somente a partir da reforma do ensino médico de 1832, foi fundado o curso de farmácia, vinculado, contudo, às faculdades de medicina do Rio de Janeiro e da Bahia. • Por esta reforma, ficou estabelecido que ninguém poderia “curar, ter botica”, sem título conferido ou aprovado pelas faculdades citadas acima. PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
  • 11. 09 • Durante a 1ª Guerra Mundial (1914 - 1919), desenvolve-se a terapia antimicrobiana com avanços significativos em quimioterapia, antibioticoterapia e imunoterapia. • E no período da 2ª Guerra Mundial (1939 – 1945), começaram as pesquisas sobre guerra química que resultaram no descobrimento dos primeiros antineoplásicos. PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
  • 12. 10 • A sociedade, a partir de 1950, começa a dispor dos serviços das farmácias e da qualificação do farmacêutico. • A industrialização em ritmo crescente torna o fármaco um produto industrial, aliado às mudanças da sociedade de consumo e, ainda, objeto de interesses econômicos e políticos. • Como conseqüência, são feitos enormes investimentos publicitários que atribuem ao medicamento a solução para todos os problemas. PRIMEIRO BOTICÁRIO DO BRASIL
  • 13. 11 • Sua origem está relacionada à mitologia grega. • Segundo a literatura antiga este símbolo representa o poder (cobra) sobre a cura (taça). • Na mitologia grega, Higéia ou Hígia era a filha de Esculápio, a deusa da saúde, limpeza e da sanidade. • Enquanto seu pai era mais associado diretamente com a cura, ela era associada com a prevenção da doença e a continuação da boa saúde. HISTÓRIA DO SÍMBOLO DA FARMÁCIA Hígia da taça com a serpente O símbolo da profissão representa a cura(taça), o poder e a sabedoria (cobra), transmitidos por meio do conhecimento.
  • 14. • As farmácias têm uma importância incalculável para a sociedade, o bem-estar, a saúde e a economia em todo o mundo. • Por meio das boticas, as primeiras farmácias da história, pessoas foram curadas e vidas foram salvas. • O profissional boticário é responsável pelo surgimento da indústria farmacêutica. • Através de seus estudos, substâncias com propriedades de cura foram descobertas, dando origem aos medicamentos que conhecemos hoje e que são utilizados nos tratamentos atualmente. 12 A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA FARMÁCIA PARA OS DIAS ATUAIS
  • 15. • A função primordial da farmácia: mais do que dispensar, prestar serviço farmacêutico à sociedade. • Os serviços farmacêuticos para atenção ao paciente e orientação de uso racional de medicamentos, oferecem melhoria para a saúde da população, maior qualidade e resguardo da vida. 13 1. ÉTICA, BOM ATENDIMENTO E COMPROMETIMENTO COM A VIDA
  • 16. • Foi aprovado pela Resolução nº 724/2022 do Conselho Federal de Farmácia que dispõe sobre o Código de Ética Farmacêutica, o Código de Processo Ético e estabelece as infrações e as regras de aplicação das sanções disciplinares. Código de Ética e Processo Ético da Profissão Farmacêutica: » Res. nº 724 de 29/04/2022. Art.8: A profissão farmacêutica, em qualquer circunstância ou de qualquer forma, não pode ser exercida exclusivamente com objetivo comercial. 14 1. ÉTICA, BOM ATENDIMENTO E COMPROMETIMENTO COM A VIDA
  • 18. PERFIL DO ATENDENTE DE FARMÁCIA • É o profissional que trabalha no estabelecimento de saúde (Farmacia e Drogaria) auciliando o farmacêutico na dispensação de medicamentos e cosméticos aos clientes, sob a supervisão e orientação do Farmacêutico.
  • 19. PERFIL PRPFISSIONAL • Ser proativo; • Pontual • Evitar trazer problemas pessoais para o ambiente de trabalho; • Manter a cordialidade entre os colegas e com os clientes;
  • 20. ATRIBUIÇÕES ATENDENTE DE FARMÁCIA Lidar diretamente com o cliente – paciente. • Para efetuar um bom atendimento é preciso passar segurança • Saber identificar as principais necessidades do paciente. • Controle de validade dos produtos e medicamentos – invetários; • Realizar a dispensação correta dos medicamentos; • Saber interpretar as bulas; • Organizar os medicamentos e saber diferencias genéricos, similares e éticos ou de marca; • Fazer a leitura correta das receitas; • Realizar balanço mensal e trimestral- controle de estoque;
  • 21. ATENDIMENTO AO CLIENTE/PACIENTE • O que o cliente espera de quem o atende? Cortesia, exclusividade,atenção, comprometimento,competência, solução rápida e integridade. Cortesia : habilidade de fazer o cliente se sentir bem-vindo e respeitado. Atitudes : Sorrir, agradecer, usuar sempre as expressões: Obrigado(a),por favor... Ser gentil com todos os perfis de cliente; Tratar sempre como senhor e senhora; Elimine em sua fala frases negativas: pois não. E substituir sempre por: posso ajudar? Se possivel acompanhe o cliente ate o setor desejado;
  • 22. • Comprometimento – Capacidade de fornecer o que foi prometido, sempre com exatidão, o que transmite confiança e respeito profissional.O comprometimento determina a maneira pela qual os outros percebem sua qualidade pessoal.Se está comprometido, eles acreditam que podem contar com você! • Competência – O conhecimento demostrado e a habilidade em transmitir confiança e credibilidade possibilitam avançar para a realização de vendas adicionais. • Solução rápida – Refere-se a disposição de ajudar os clientes de imediato, para aproveitar o impulso da compra. • Integridade - Deixar claro que o cleinte pode confiar e contar com você, criando uma fidelidade. Fidelizar clientes é a demonstração de honestidade,ética e transparência.
  • 23. DICAS • Chame o cleinte pelo nome; • Seja prestativo; • Procure superar as expectativas do cliente; • Olhe nos olhos do cliente; • Busque prestar atendimento humanizado e ouvir com atenção e interesse; • Caso temha dúvida, não invente respostas busque ajuda com o colega ou o farmacêutico; • Não procure culpados, resolva o problema do cliente; • Atenda os clientes com entusiasmo e interesse em ajuda-los; • Forneça mais informações sobre o produto; • Ao precisar encaminhar o cliente para outro setor ou colega(Farmacêutico, caixa ou gerente), explique antes a outra pessoa o problema/situação do cliente;
  • 24. DICAS • Qualidade no atendimento; • Use o tempo livre para ler e estudar catalogos, sites de laboratório, manuais,bulas,bularios, e revistas da área; • Disponha-se a ajudar colegas e clientes; • Use a linguagem do cliente; • Ofereça ao cliente alternativas para a solução de problemas; • Agregue a venda – Ticket médio • Ouça o cliente e não o interrompa;
  • 25. PERFIL DOS CLIENTES • Idosos • Gestantes • Deficientes • Pessoas com alguma comorbidade, sentindo dor. • Doenças crônicas como hipertensão e DM; • Ele compra pela necessidade: por estar doente,não tem direito a escolha(as vezes),pode estar abalado emocionalmente; • O medicamento de modo geral é para previnir ou tratar doenças ou para fins de diagnóstico;
  • 26. QUALIDADE NO ATENDIMENTO • É a capacidade de satisfazer plenamente as expectativas do cliente. • Prestar atenção nas necessidades do cliente e buscar ter agilidade no atendimento, reconhecimento, conforto, exclusividade e personalização. Atender com: Credibilidade; Competência; Iniciativa; Organização; • Segurança; • Boa comunicação; • Cortesia; • Flexibilidade – O cliente sempre tem razão; • Filosifia da empresa;
  • 27. ATENTAR-SE PARA: • Atitudes comportamentais do cliente; • Técnicas de vendas; • Conhecimento do produto/medicamento; • Relacionamento com os clientes; • Qualidade no serviço; • PRINCIPAIS ERROS DURANTE O ATENDIMENTO: • Falta de atenção; • Falta de conhecimento do produto; • Insistência excessiva; • Ser afobado; • Falta de cortesias; • Cometer garfes ou enganos; • Desprezar a concorrência ou marcas/laboratórios menos conhecidas;
  • 28. TRABLHO EM EQUIPE • Para que uma empresa possa atingir bons resultados, seus colaboradores devem trablhar em equipe. • Trabalhar de maneira individual dificilmente a empresa conseguira atingir resultados positivos e metas; • Fatores importantes para atingir resultados no trabalho em equipe: • Pedir e aceitar ajuda; • Assumir seus erros; • Quando possivel corrigi-los; • Evitar ruídos na comunicação; • Resolver os problemas com o superior; • Evitar concorrência com os colegas de trablaho; • Estudar e reciclar conhecimentos; • Ser otimista e ter empatia;
  • 29. RELAÇÃO ATENDENTE X CLIENTES • Orientar o cliente sobre o produto; • Conhecer os produtos que a dorgaria trabalha; • Saber o monento de falar, ouvir e calar; • A presença do Farmacêutico é a credibilidade do negócio; • Gostar de pessoas – paciência;
  • 30. O CLIENTE BUSCA: • Lojas modernas e organizadas; • Limpeza; • Praticidade na hora da compra; • Seguranca nas informações; • Confiança e sigilo; • Qualidade nos demais serviços prestados na drogaria; • Preço justo; • Oferecer sempre que possivel a intercambialidade dos medicamentos para atender toda a receita;
  • 31. MARKETING NO ATENDIMENTO • Atendimento ouvir o cliente; • Atenção e respeito ao cliente; • EquiPe treinada; Postura como atendente: Manter os cuidados pessoais; Cuidado com a linguagem – evitar girias e apelidos. Memorizar preços; Percorrer a Drogaria para conhecer medicamentos e produtos novos; Conhecer a concorrência; Atendimento eficaz; • Aparência/cuidados pessoais: • Uniforme limpo e passado; • Cabelo preso ou cortado; • Unhas limpas e curtas; • Dentes escovados e halito agradável; • Barba feita; • Sapatos fechados e limpos; • Manter sempre bom humor e educação
  • 32. 16 ATRIBUIÇÕES ATENDENTE DE FARMÁCIA • Lidar diretamente com o cliente – paciente. • Para efetuar um bom atendimento é preciso passar segurança : saber identificar as principais necessidades do paciente. • Controle de validade dos produtos e medicamentos – invetários; • Realizar a dispensação correta dos medicamentos; • Saber interpretar as bulas; • Organizar os medicamentos e saber diferencias genéricos, similares e éticos ou de marca; • Fazer a leitura correta das receitas; • Realizar balanço mensal e trimestral- controle de estoque; • Limpeza dos medicamentos nas prateleiras;
  • 33. FORMAS FARMACÊUTICAS E VIA DE ADMINISTRAÇÃO 17
  • 34. 18 As formas farmacêuticas foram desenvolvidas para: 1. Facilitar a administração de medicamentos a pacientes de diferente faixa etária ou em diferentes condições especiais; 2. Permitir seu melhor aproveitamento e efeito; 3. Além de se relacionar à via de administração que vai ser utilizada: via oral, retal, intravenosa, tópica, vaginal ou nasal etc.
  • 35. 19 Não é apenas a forma do medicamento que é importante, a via de administração também deverá ser escolhida pelo médico no ate da prescrição!
  • 36. 20
  • 37. 21
  • 38. 20
  • 39. 22 Comprimidos • São preparações sólidas obtidas pela compressão de princípios ativos secos. • Podem apresentar vários formatos, como ovais, cilíndricos, redondos... Vantagens: • A facilidade na execução da preparação, • Baixo custo; • Facilidade na administração; • Precisão na dosagem. FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS Desvantagens: • Impossibilidade de ajustar a dose no produto final.
  • 40. 23 COMPRIMIDOS Podem ser de vários tipos: • Revestidos por películas; • Com revestimento entérico- Só dissolve no intestino; • De liberação controlada - Succinato de Metoprolol 50mg(ANGINA,HIPERTENÇÃO) • Efervescentes - CEWIN; • Sublinguais; • Mastigáveis – PEPSAMAR(AZIA)
  • 41. 24 Cápsulas • São formas compostas por um envoltório comestível, que normalmente é à base de gelatina. • Dentro desse envoltório, está princípio ativo. • As cápsulas são administradas por via oral. FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
  • 42. 25 As principais vantagens são: • A facilidade na liberação e administração do fármaco; • Melhor conservação e apresentação; • Permite a prescrição personalizada e maior velocidade na execução da formulação. Desvantagens: • Não pode ser cortado/partido; • É inviável para fármacos muito solúveis, como também a limitação de uso para crianças e idosos devido ao tamanho da cápsula. • Deve ser armazenada em condições de temperatura e umidade adequadas. CÁPSULAS
  • 43. 26 Drágeas São formas farmacêuticas em que o princípio ativo está em um invólucro constituído por diversas substâncias, como resinas, gelatinas, gomas, açúcares, ceras. São chamados também de comprimidos revestidos. Vantagens São a estabilidade físico-química, facilidade na administração, melhor declutição e mascara o sabor do medicamento. Desvantagens A dificuldade na preparação, o alto custo, e a impossibilidade de ajuste de dose. FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
  • 46. 29 Grânulos São preparações que apresentam formato de grãos ou grânulos irregulares. Podem ser administrados diretamente ou de serem utilizados em formulações. FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS
  • 47. 30 Pós • São preparações para uso externo e interno. • São compostos por uma mistura de fármacos finamente divididos e secos. • Podem ser classificados em simples, quando derivados de uma droga ou em compostos quando derivados de uma mistura de duas ou mais drogas. FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS Vantagens • São a facilidade na absorção devido à maior superfície de contato; • A ausência de umidade que melhora a conservação; • Facilidade no transporte e armazenamento. Desvantagens: • O sabor que pode ser desagradável; • A dificuldade na deglutição; • A impossibilidade de usar outras vias de administração além da oral e da tópica.
  • 48. 31 Supositórios e óvulos • Possuem formato cônicos ou ogivais, para aplicação retal e vaginal, respectivamente. • São usados em substituição à via oral, no caso de lesão na mucosa do trato gastrointestinal ou quando o paciente apresenta quadro de vômito ou dificuldade de deglutição. FORMAS FARMACEUTICAS SÓLIDAS SUPOSITÓRIO ÓVULO – INFECÇÃO FÚNGICA
  • 49. 32 FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS Pomadas/Unguentos • São preparações de consistência pegajosa e macia, monofásica, empregadas para uso externo. • A substância química sólida é geralmente inserida em uma base oleosa. • Abreviatura: pom. • São usadas em regiões menores, com menos pêlos por serem muito oleosas, não é aconselhável aplicá-las em feridas abertas. Unguentos
  • 50. 33 FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS Cremes • São formulações com excipientes emulsivos (óleo/água ou água/óleo), para uso externo, podendo conter um ou mais princípios ativos. • São chamados também de emulsões de alta viscosidade. • É utilizada, normalmente, para aplicação externa na pele ou nas membranas mucosas. Em comparação com as pomadas, são bem menos oleosas e se espalham facilmente. Portanto, são mais aplicadas para áreas extensas do corpo e também em regiões com pêlos.
  • 51. 34 FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS GEL • São preparações a base de água - não contém óleo. • Possui um ou mais princípios ativos que contém um agente gelificante para fornecer ; • Um gel pode conter partículas suspensas. • São utilizadas em regiões muito úmidas. • Também são utilizados para reduzir a oleosidade da pele.
  • 52. 35 FORMAS FARMACEUTICAS SEMI-SÓLIDAS Pastas • São preparações compostas por pós finamente dispersos numa proporção que varia de 20% e 60%, sendo mais firmes e espessos que as pomadas e menos gordurosas também. • As pastas são aplicáveis para uso externo.
  • 53. 36 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS SOLUÇÃO/GOTAS • É a forma farmacêutica líquida; límpida e homogênea, que contém um ou mais princípios ativos dissolvidos em um solvente adequado ou numa mistura de solventes miscíveis. • Abreviatura: sol. SOLUÇÃO NASAL SOLUÇÃO ORAL
  • 54. 37 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS SOLUÇÃO ONTOLÓGICA SOLUÇÃO TÓPICA São formas farmacêuticas para aplicação auditiva, utilizadas para remoção de cerúmen, infecções e inflamações. Preparação aplicadas na pele ou couro cabeludo.
  • 55. 38 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS SOLUÇÕES INJETÁVEIS ESTÉREIS • São preparações líquidas estéreis, ou seja, sem a presença de microorganismos. • Não devem conter nenhum tipo de substância estranha e nem estarem turvas. Vantagens: • Para pacientes que não possuem trato gastrointestinal intacto ou funcional; • Efeito farmacológico mais rápido; • Melhor absorção e efeito mais rápido;
  • 56. 39 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS COLÍRIOS • São preparações líquidas estéreis, ou seja, sem a presença de microorganismos. • São colírios e medicamentos injetáveis. • Não devem conter nenhum tipo de substância estranha e nem estarem turvas.
  • 57. 40 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS XAROPES Aquoso caracterizada pela alta viscosidade, que apresenta não menos que 45% de sacarose ou outros açúcares na sua composição, que contêm uma ou mais substâncias químicas. São usadas principalmente para substâncias com sabor muito desagradável e também para pacientes que têm dificuldade de ingerir comprimidos (crianças e idosos, por exemplo). Abreviatura: xpe.
  • 58. 41 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS SUSPENSÃO • As suspensões são preparações em que as substâncias químicas não estão totalmente dissolvidas no meio líquido. • Têm baixa capacidade de dissolução, por isso depositam-se no fundo do recipiente. • Abreviatura: sus. É essencial informar ao paciente que ele deve agitar o frasco antes de usar.
  • 59. 42 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS ELIXIR • São preparações líquidas contendo álcool, açúcar, glicerol ou propilenoglicol. Normalmente, apresenta como característica, o sabor do álcool. • São menos viscosos e, devido à presença de certa quantidade de álcool, são menos utilizadas atualmente. CONTRA GASES E DORES ETOMACAIS
  • 60. 43 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS EMULSÃO • É uma solução que contém pequenas partículas de um líquido dispersas em outro líquido. • Geralmente, as emulsões envolvem a dispersão de água em óleo. • É necessário agitar antes de administrar • USO INTERNO OU EXTERNO COMPLEXO VITAMINICO
  • 61. 44 FORMAS FARMACEUTICAS LIQUIDAS LOÇÕES • Formas farmacêuticas liquidas; • Podem ser perfumadas; • Usadas na pele ou couro cabeludo;
  • 62. 46 FORMAS FARMACEUTICAS GASOSAS SISTEMAS DE GÁS COMPRIMIDO OU AEROSSÓIS/SPRAYS São utilizadas em medicamentos e cosméticos. São soluções associadas a gases. Antigamente o gás mais utilizado era o CFC (clorofluorcarbono) - não é inflamável, causam grande estrago para a natureza (destrói a camada de ozônio). Foi substituído atualmente pelos hidrocarbonetos (n- butano, propano, iso-butano) - são inflamáveis, mas pouco tóxicos e mais baratos. É importante alertar que as embalagens não devem ser descartadas fora do lixo, e não podem ser reutilizadas e abertas.