SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 63
Atenção Farmacêuticaum compromisso com o paciente! ANA CLAUDIA SOUZA RODRIGUES FARMACÊUTICA BIOQUÍMICA 2010
ANTIGUIDADE MESOPOTÂMIA, EGITO – Sacerdotes, doenças eram causadas por demônios, castigos divinos - Papiros descrevendo métodos de cura, feiticeiras ÍNDIA – primeira farmacopéia CHINA  Terapêutica: 	- reequilíbrio através de meditação, dieta e exercícios 	- Imensa farmacopéia: Opio, caolin, ginseng, salgueiro, mercúrio 	- Acupuntura
BOTICAS - 1640 Muitos boticários eram analfabetos que tinham conhecimento apenas em medicamentos de diagnóstico simples e habitual.  Os padres mantinham uma botica bem sortida e aparelhada para o preparo de medicamentos, utilizando-se de matérias-primas dos indígenas.
PARAMENTAÇÃO EM 1665 GRANDE 	PRAGA  	DE LONDRES PESTE BUBÔNICA
GALENO 135-201 Descreveu fórmulas e medicamentos e métodos de preparação – farmácia galênica Terapêutica baseada na eliminação da causa nociva e correção do desequilíbrio Dietas, laxantes e sangrias
Revalorização do conhecimento clássico  União da arte com a ciência para reprodução fiel do homem e da natureza  Nas boticas médicos e artistas buscavam medicamentos e pigmentos  Desenvolvimento da anatomia humana  Experimentalismo substituindo postulados clássicos
Louis Pasteur (1822-1895) Provou que a fermentação era causada por seres vivos e aplicou esses conceitos em vinícolas (Pasteurização) Controlou epidemia que afetava o bicho da seda com germicidas Joseph Lister (1827-1912 ) Anti-sepsia cirúrgica aplicando conceitos de Pasteur com as propriedades germididas do ácido carbólico em pântanos Robert Koch (1843-1910) Postulados de Kock comprovando a etiologia microbiana das infecções
Era dos antibióticos ALEXANDRE FLEMING
 Inicio do século XX Modelo de Saude: sanitarismo campanhista 	época das grandes epidemias ,[object Object]
Formulações a base de plantas e de baixa complexidade
 Sociedade constituida por um pequeno numero de individuos
 Acesso a médicos e farmacias restrito    as classes mais  favorecidas ATÉ A 2A. GUERRA 60% DOS MEDICAMENTOS ERAM MANIPULADOS.
Periodo pos guerra  2° Guerra (1939-45) Industrialização Preparação dos medicamentos pela industria Descaracterização das farmácias Crise da profissão - Farmacêutico sente-se limitado na sua área de atuação Farmacêutico busca outras áreas de atuação 1922-1969 O Código de Ética da Associação Americana de Farmacêuticos impedia os farmacêuticos de comentar « os efeitos terapêuticos e a composição de uma prescrição com o paciente »
PERIODO DE TRANSIçÃO MEADOS DOS ANOS 60 (EUA)       FARMACIA CLINICA «  Controle do uso do medicamento » Serviços centrados no medicamento e sua distribuição nos sistemas biológicos – Farmacocinética Clinica
PERIODO DE TRANSIçÃO Legados da FARMACIA CLINICA ,[object Object]
Dosificação Farmacocinética
Monitorização Terapêutica
Farmacias Satélites
Centros de Informações sobre Medicamentos ,[object Object]
Atenção Farmacêuticaevolução histórica Hepler, C.D. AJPE, 1988. “Uma relação adequada entre um paciente e um farmacêutico, na qual este último realiza as funções de controle do uso dos medicamentos (com conhecimento e experiência) baseando-se no conhecimento e compromisso em relação ao interesse do paciente”
MARCO HISTORICO     1990 Opportunities and responsabilities in the Pharmaceutical Care Charles D. HEPLER, Linda M. STRAND American Journal of HospitalPharmacy, 1990
Opportunities and responsabilities in the Pharmaceutical Care Charles D. HEPLER, Linda M. STRAND American Journal of HospitalPharmacy, 1990 O artigo faz uma analise da oportunidade proporcionada pelos fatos hitoricos, para a que a FARMACIA  amadureça como profissão, aceitando sua responsabilidade social de reduzir a morbi-mortalidade relacionada com o medicamento.
  Final do século XX  - Inicio do sec XXI A saúde passa a ser entendida não mais como ausência de doenças, mas como um estado de bem estar físico e mental, resultante da qualidade de vida dos cidadãos. A saúde passa a ser um direito de todos cidadãos e um dever do estado de assegurá-la, através de políticas publicas que garantam o acesso a  		educação 		saneamento 		emprego 		lazer 		habitação … Constituição Federal, 1988
Atenção Farmacêutica Reorientação da pratica profissional, Mudança do objeto de trabalho do farmacêutico
Posey, L.M.JAPhA, 1997 	”Atenção Farmacêutica é aquele componente do exercício profissional da farmácia que envolve uma  interação direta do farmacêutico com o paciente com a finalidade de atender as necessidades deste em relação aos  medicamentos”
Hepler & Strand. AJHP,1990. Relação terapêutica; Prática centrada no paciente; Atenção farmacêutica é prestada em beneficio direto do paciente; O farmacêutico é o responsável direto desta qualidade de assistência. A profissão foi redefinida como uma profissão prática, com uma responsabilidade direta e relacionada a assistência dos pacientes.
ATENÇÃO FARMACÊUTICA “ um conceito de prática profissional na qual o paciente é o principal beneficiário das ações do farmacêutico. A atenção farmacêutica é o compêndio das atitudes, os comportamentos, os compromissos, as inquietudes, os valores éticos, as funções, os conhecimentos, as responsabilidades e as habilidades do farmacêuticos na prestação da farmacoterapia com o objetivo de obter resultados terapêuticos definidos na saúde e na qualidade de vida do paciente” (OMS, 1993).
ATENÇÃO FARMACÊUTICA 	“Os medicamentos não tem doses, pessoas têm doses”  (CipolleR.J., DICP, 1986.)
AF é um NOVO exercício profissional Novo para: O paciente O Sistema de Saúde O profissional
Habilidades para realizar Atenção Farmacêutica  conhecimentos e habilidades em farmácia e farmacologia clinica  Capacidade de gerenciar o sistema  de distribuição de fármacos,  Capacidade de desenvolver relações  com o paciente e demais profissionais de saúde Deve haver um numero suficiente  de provedores  para servir a sociedade
Resultados negativos desta prática Os farmacêuticos se comunicam muito pouco com os outros profissionais fora da farmácia; Os outros componentes do Sistema de Saúde tem dificuldades em compreender o que é a FARMÁCIA; O isolamento impede de assimilar o conjunto de regras que se aplicam a todas as profissões de atenção a saúde; A FARMÁCIA não tem  um VOCABULÁRIO que todos compreendam Uma prática disciplinada e respeitada e Uma função claramente diferenciada
Diferenciar de ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA ..... “Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade. Envolve o abastecimento de medicamentos em todas e em cada uma de suas etapas constitutivas, a conservação e controle de qualidade, a segurança e a eficácia terapêutica dos medicamentos, o acompanhamento e a avaliação da utilização, a obtenção e a difusão de informação sobre medicamentos e a educação permanente dos profissionais de saúde, do paciente e da comunidade para assegurar o uso racional de medicamentos” CARACTÉRÍSTICAS MULTIPROFISSIONAIS Portaria 3.916/98 -MS
Atenção FarmacêuticaDefinição É um EXERCÍCIO no qual o profissional assume a RESPONSABILIDADE das necessidades de um paciente em relação com os medicamentos e adquire um COMPROMISSO em relação ao mesmo. (Strand, Cipolle, Morley, 1998)
Atenção Farmacêutica... É um novo EXERCÍCIO PROFISSIONAL que nasceu através de muitos anos de pesquisa e da prática da farmácia; Não pretende substituir a função do médico nem de nenhum outro profissional;
Necessidade social
A simbologia do medicamento
Atenção Farmacêutica ,[object Object],Prescrição inadequada; Distribuição e dispensação inadequada; Comportamentos inadequados dos pacientes; Idiossincrasia do paciente (resposta inadequada); Monitorização inadequada;
Enfoque Centrado no Paciente
RELAÇÃO TERAPÊUTICA É uma aliança ou parceria entre o profissional e o paciente que se forma para atender as necessidades de assistência do último.
Relação Terapêutica  Necessita do reconhecimento de certas responsabilidades por parte do PACIENTE e do PROFISSIONAL 1ª. Função da interação do paciente com o profissional é a contrução e manutenção de uma relação terapêutica efetiva Confiança, respeito, autencidade, empatia e compromisso.
Responsabilidade do profissional
Requisitos necessários para o sucesso Todos os profissionais da atenção farmacêutica tem que prover o mesmo serviço de forma consistente; A evidência do impacto deste serviço necessita ser gerada e comunicada no mundo inteiro; A prática de atenção ao paciente deve ser desenvolvida a uma velocidade adequada para convencer os pacientes e outros profissionais; As faculdades de farmácia devem preparar profissionais.
CUIDADO/ATENÇÃO DIRETA AO PACIENTE Compromisso de tempo integral Negócio completamente diferente da dispensação e Farmácia Clínica
IMPORTÂNCIA DO PROBLEMA Um em dois pacientes tem um problema relacionado a farmacoterapia Recursos são disperdiçados Dor e sofrimento ocorrem devido a farmacoterapia não está funcionando
Indicações mais frequentes da farmacoterapia  (N = 5.136 Pacientes,  26.238 consultas) 1. HIPERTENSÃO 2. HIPERLIPIDEMIA 3. DIABETES 4. OSTEOPOROSE   5. SUPLEMENTO VITAMÍNICO  6.   RINITE ALÉRGICA  7.   ESOFAGITE  8.   DEPRESÃO  9.   SINTOMAS MENSTRUAIS 10.  DOR ARTRITICA Estas 10 condições represemtam 50% de todas as indicações da farmacoterapia
10 MOST FREQUENT CAUSES OF DRUG THERAPY PROBLEMS 5136 total patients, all 26,238 encounters
O MERCADO FARMACÊUTICO Atual A população brasileira é a quarta maior consumidora de medicamentos do mundo, perde apenas para americanos, franceses e alemães; O comércio de produtos farmacêuticos movimenta no país cerca de 11 bilhões de dólares anuais; Há no país cerca de 60.000 farmácias. Segundo OMS o número ideal seria de, no máximo, 25.000;        ANVISA, 2006
O MERCADO FARMACÊUTICO No Brasil de cada duas pessoas, uma é adepta da automedicação; Um cidadão sadio consome, nos países desenvolvidos, em média, três caixas de medicamento por ano. No Brasil onze caixas per capita Metade dos medicamentos prescritos é desnecessária. A maioria é contra a gripe. Há leis mas, não há fiscalização. De cada três medicamentos vendidos no país apenas um é receitado pelo médico; ANVISA, 2006
Portaria 3.916 de 30 de outubro de 1998 Aprova a política nacional de medicamentos  Diretrizes da Política Nacional de Medicamentos Assegurar o acesso da população a medicamentos seguros, eficazes e de qualidade, ao menor custo possível, os gestores do SUS nas 3 esferas de governo, atuando em estreita pareceria, dverão concentrar esforços no sentido de que o conjunto das ações direcionadas para o alcance deste propósito estejam balizadas pelas seguintes diretrizes
Portaria 3.916 de 30 de outubro de 1998 Aprova a política nacional de medicamentos  Diretrizes da Política Nacional de Medicamentos Adoção de uma relação de medicamentos essenciais Regulamentação sanitária de medicamentos Promoção do Uso Racional dos Medicamentos Desenvolvimento científico e tecnológico Reorientação da Assistência Farmacêutica Promoção da produção de medicamentos Garantia da segurança, eficácia  e qualidade dos medicamentos Desenvolvimento e capacitação de recursos humanos
Portaria 3.916 de 30 de outubro de 1998 Aprova a política nacional de medicamentos  Diretrizes da Política Nacional de Medicamentos - PRIORIDADES ,[object Object]
Reorientação da Assistência Farmacêutica
  Promoção do Uso Racional dos Medicamentos
  Organização das atividades de Vigilância Sanitária   	de medicamentos,[object Object]
Atenção Farmacêutica no Brasil:  RESOLUÇÃ0 CFF 357/2001 É um conceito de prática profissional no qual o paciente é o principal beneficiário das ações do farmacêutico.  A ATENÇÃO é o compêndio das atitudes, comportamentos, compromissos, inquietudes, valores éticos, funções, conhecimentos, responsabilidades e habilidades do farmacêutico na prestação da farmacoterapia, com objetivo de alcançar resultados terapêuticos definidos na saúde e qualidade de vida do paciente
I Conferência Nacional de Assistência FarmacêuticaBrasília, Setembro de 2003
Política Nacional de Assistência Farmacêutica III - a Assistência Farmacêutica trata de um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto individual como coletivo, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o acesso e ao seu uso racional.
Morbimortalidade relacionada aos medicamentos
MISSÃO DA FARMÁCIA NO SÉCULO XXI 1. O tratamento farmacológico implica em riscos; 2. O custo da morbi-mortalidade pode ser maior que o custo do tratamento farmacológico em si; 3. Os serviços farmacêuticos podem melhorar os resultados e reduzir custos da assistência.
MISSÃO DO FARMACÊUTICO ,[object Object]
compromisso com os resultados (metas terapêuticas alcançadas)
acompanhamento início-fim do tratamento
aplicação de conhecimentos específicos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Suzana Zaba Walczak
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosLuis Antonio Cezar Junior
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologiaSheilla Sandes
 
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)Elizeu Ferro
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemRAYANE DORNELAS
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoCassyano Correr
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemAna Hollanders
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaLeonardo Souza
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosPedro Azevedo
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosProqualis
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentosClaudio Luis Venturini
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Renato Santos
 
Medicamentos controlados prof
Medicamentos controlados profMedicamentos controlados prof
Medicamentos controlados profdroliv
 
Introducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaIntroducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaRegia Taline
 

Mais procurados (20)

Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
RDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISARDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISA
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentos
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentos
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
Medicamentos controlados prof
Medicamentos controlados profMedicamentos controlados prof
Medicamentos controlados prof
 
Introducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaIntroducao a farmacologia
Introducao a farmacologia
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Tipos de receituarios
Tipos de receituariosTipos de receituarios
Tipos de receituarios
 

Destaque

Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?
Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?
Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?Paulo Correia
 
Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011
Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011
Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011Ken Brand
 
Codes and conventions of the documentary genre
Codes and conventions of the documentary genreCodes and conventions of the documentary genre
Codes and conventions of the documentary genrejoshuariser
 
Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...
Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...
Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...Paulo Correia
 
คู่มือการสร้างบล็อก
คู่มือการสร้างบล็อกคู่มือการสร้างบล็อก
คู่มือการสร้างบล็อกKhem Chanathip
 
Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...
Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...
Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...Jeff Stone
 
ალცჰაიმერის დაავადება
ალცჰაიმერის დაავადებაალცჰაიმერის დაავადება
ალცჰაიმერის დაავადებაGeorge Gagua
 
An introduction to systemic functional linguistics
An introduction to systemic functional linguisticsAn introduction to systemic functional linguistics
An introduction to systemic functional linguisticsiendah lestari
 
Functional approach
Functional approachFunctional approach
Functional approachatemabel
 
Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.
Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.
Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.Gustavo Bolaños
 
Cómo Sistematizar
Cómo SistematizarCómo Sistematizar
Cómo SistematizarClau Ber
 

Destaque (20)

My profile {KWAN}
My profile {KWAN}My profile {KWAN}
My profile {KWAN}
 
Khanittha- Resume
Khanittha- ResumeKhanittha- Resume
Khanittha- Resume
 
POWER PONIT 1
POWER PONIT 1POWER PONIT 1
POWER PONIT 1
 
Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?
Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?
Quais cargas cognitivas são necessárias para descrever a aprendizagem?
 
Risks of Recycled Packaging
Risks of Recycled PackagingRisks of Recycled Packaging
Risks of Recycled Packaging
 
Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011
Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011
Real Estate Market Report for The Woodlands TX - Sept/Oct 2011
 
Codes and conventions of the documentary genre
Codes and conventions of the documentary genreCodes and conventions of the documentary genre
Codes and conventions of the documentary genre
 
SUDARAT SUKLOET_Resume
SUDARAT SUKLOET_ResumeSUDARAT SUKLOET_Resume
SUDARAT SUKLOET_Resume
 
Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...
Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...
Por que vale a pena conhecer e explorar o potencial acadêmico e pedagógico do...
 
คู่มือการสร้างบล็อก
คู่มือการสร้างบล็อกคู่มือการสร้างบล็อก
คู่มือการสร้างบล็อก
 
KAVEEVIVITCHAI-
KAVEEVIVITCHAI-KAVEEVIVITCHAI-
KAVEEVIVITCHAI-
 
My Resume Full
My Resume FullMy Resume Full
My Resume Full
 
Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...
Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...
Unpacking Wine Package Design: "Best Practices for Winning with Consumers" (p...
 
Aula 3 - M
Aula 3 - MAula 3 - M
Aula 3 - M
 
ალცჰაიმერის დაავადება
ალცჰაიმერის დაავადებაალცჰაიმერის დაავადება
ალცჰაიმერის დაავადება
 
CV Tran Thai Son
CV Tran Thai SonCV Tran Thai Son
CV Tran Thai Son
 
An introduction to systemic functional linguistics
An introduction to systemic functional linguisticsAn introduction to systemic functional linguistics
An introduction to systemic functional linguistics
 
Functional approach
Functional approachFunctional approach
Functional approach
 
Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.
Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.
Sistematización de Experiencias Educativas. CECCSICA. Compilación.
 
Cómo Sistematizar
Cómo SistematizarCómo Sistematizar
Cómo Sistematizar
 

Semelhante a Aula 1 - AF

Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .OdilonCalian1
 
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiaAtenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiafarmwaine
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoMarcelo Polacow Bisson
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxAlineRibeiro648347
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxAlineRibeiro648347
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfNaidilene Aguilar
 
História da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no BrasilHistória da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no BrasilSafia Naser
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...martinsfmf
 
Dia do farmacêutico
Dia do farmacêuticoDia do farmacêutico
Dia do farmacêuticoBruno Pereira
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfProfYasminBlanco
 
Assistencia farmaceutica
Assistencia farmaceuticaAssistencia farmaceutica
Assistencia farmaceuticajlpgemeinder
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfDaiane Santos
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...LanaMonteiro8
 
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Natalya Maia
 

Semelhante a Aula 1 - AF (20)

Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
 
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiaAtenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
 
Atenção farmacêutica aula i
Atenção farmacêutica    aula iAtenção farmacêutica    aula i
Atenção farmacêutica aula i
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
 
Big Cim
Big CimBig Cim
Big Cim
 
Farmácia Integrada 2009
Farmácia Integrada 2009Farmácia Integrada 2009
Farmácia Integrada 2009
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
História da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no BrasilHistória da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no Brasil
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
 
Dia do farmacêutico
Dia do farmacêuticoDia do farmacêutico
Dia do farmacêutico
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
 
Farmacoté..
Farmacoté..Farmacoté..
Farmacoté..
 
Af
AfAf
Af
 
Assistencia farmaceutica
Assistencia farmaceuticaAssistencia farmaceutica
Assistencia farmaceutica
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdf
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
 
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
 

Mais de Ana Claudia Rodrigues (20)

Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
 
Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
CQ
CQCQ
CQ
 
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
 
fung
fungfung
fung
 
Manual do antibiograma
Manual do antibiograma Manual do antibiograma
Manual do antibiograma
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
TSA
TSATSA
TSA
 
TSA
TSATSA
TSA
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Aula 6 - B
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
tsa
tsatsa
tsa
 
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 

Aula 1 - AF

  • 1. Atenção Farmacêuticaum compromisso com o paciente! ANA CLAUDIA SOUZA RODRIGUES FARMACÊUTICA BIOQUÍMICA 2010
  • 2. ANTIGUIDADE MESOPOTÂMIA, EGITO – Sacerdotes, doenças eram causadas por demônios, castigos divinos - Papiros descrevendo métodos de cura, feiticeiras ÍNDIA – primeira farmacopéia CHINA  Terapêutica: - reequilíbrio através de meditação, dieta e exercícios - Imensa farmacopéia: Opio, caolin, ginseng, salgueiro, mercúrio - Acupuntura
  • 3. BOTICAS - 1640 Muitos boticários eram analfabetos que tinham conhecimento apenas em medicamentos de diagnóstico simples e habitual.  Os padres mantinham uma botica bem sortida e aparelhada para o preparo de medicamentos, utilizando-se de matérias-primas dos indígenas.
  • 4. PARAMENTAÇÃO EM 1665 GRANDE PRAGA DE LONDRES PESTE BUBÔNICA
  • 5. GALENO 135-201 Descreveu fórmulas e medicamentos e métodos de preparação – farmácia galênica Terapêutica baseada na eliminação da causa nociva e correção do desequilíbrio Dietas, laxantes e sangrias
  • 6. Revalorização do conhecimento clássico  União da arte com a ciência para reprodução fiel do homem e da natureza  Nas boticas médicos e artistas buscavam medicamentos e pigmentos  Desenvolvimento da anatomia humana  Experimentalismo substituindo postulados clássicos
  • 7. Louis Pasteur (1822-1895) Provou que a fermentação era causada por seres vivos e aplicou esses conceitos em vinícolas (Pasteurização) Controlou epidemia que afetava o bicho da seda com germicidas Joseph Lister (1827-1912 ) Anti-sepsia cirúrgica aplicando conceitos de Pasteur com as propriedades germididas do ácido carbólico em pântanos Robert Koch (1843-1910) Postulados de Kock comprovando a etiologia microbiana das infecções
  • 8. Era dos antibióticos ALEXANDRE FLEMING
  • 9.
  • 10. Formulações a base de plantas e de baixa complexidade
  • 11. Sociedade constituida por um pequeno numero de individuos
  • 12. Acesso a médicos e farmacias restrito as classes mais favorecidas ATÉ A 2A. GUERRA 60% DOS MEDICAMENTOS ERAM MANIPULADOS.
  • 13. Periodo pos guerra 2° Guerra (1939-45) Industrialização Preparação dos medicamentos pela industria Descaracterização das farmácias Crise da profissão - Farmacêutico sente-se limitado na sua área de atuação Farmacêutico busca outras áreas de atuação 1922-1969 O Código de Ética da Associação Americana de Farmacêuticos impedia os farmacêuticos de comentar « os efeitos terapêuticos e a composição de uma prescrição com o paciente »
  • 14. PERIODO DE TRANSIçÃO MEADOS DOS ANOS 60 (EUA) FARMACIA CLINICA «  Controle do uso do medicamento » Serviços centrados no medicamento e sua distribuição nos sistemas biológicos – Farmacocinética Clinica
  • 15.
  • 19.
  • 20. Atenção Farmacêuticaevolução histórica Hepler, C.D. AJPE, 1988. “Uma relação adequada entre um paciente e um farmacêutico, na qual este último realiza as funções de controle do uso dos medicamentos (com conhecimento e experiência) baseando-se no conhecimento e compromisso em relação ao interesse do paciente”
  • 21. MARCO HISTORICO 1990 Opportunities and responsabilities in the Pharmaceutical Care Charles D. HEPLER, Linda M. STRAND American Journal of HospitalPharmacy, 1990
  • 22. Opportunities and responsabilities in the Pharmaceutical Care Charles D. HEPLER, Linda M. STRAND American Journal of HospitalPharmacy, 1990 O artigo faz uma analise da oportunidade proporcionada pelos fatos hitoricos, para a que a FARMACIA amadureça como profissão, aceitando sua responsabilidade social de reduzir a morbi-mortalidade relacionada com o medicamento.
  • 23. Final do século XX - Inicio do sec XXI A saúde passa a ser entendida não mais como ausência de doenças, mas como um estado de bem estar físico e mental, resultante da qualidade de vida dos cidadãos. A saúde passa a ser um direito de todos cidadãos e um dever do estado de assegurá-la, através de políticas publicas que garantam o acesso a educação saneamento emprego lazer habitação … Constituição Federal, 1988
  • 24. Atenção Farmacêutica Reorientação da pratica profissional, Mudança do objeto de trabalho do farmacêutico
  • 25. Posey, L.M.JAPhA, 1997 ”Atenção Farmacêutica é aquele componente do exercício profissional da farmácia que envolve uma interação direta do farmacêutico com o paciente com a finalidade de atender as necessidades deste em relação aos medicamentos”
  • 26. Hepler & Strand. AJHP,1990. Relação terapêutica; Prática centrada no paciente; Atenção farmacêutica é prestada em beneficio direto do paciente; O farmacêutico é o responsável direto desta qualidade de assistência. A profissão foi redefinida como uma profissão prática, com uma responsabilidade direta e relacionada a assistência dos pacientes.
  • 27. ATENÇÃO FARMACÊUTICA “ um conceito de prática profissional na qual o paciente é o principal beneficiário das ações do farmacêutico. A atenção farmacêutica é o compêndio das atitudes, os comportamentos, os compromissos, as inquietudes, os valores éticos, as funções, os conhecimentos, as responsabilidades e as habilidades do farmacêuticos na prestação da farmacoterapia com o objetivo de obter resultados terapêuticos definidos na saúde e na qualidade de vida do paciente” (OMS, 1993).
  • 28. ATENÇÃO FARMACÊUTICA “Os medicamentos não tem doses, pessoas têm doses” (CipolleR.J., DICP, 1986.)
  • 29. AF é um NOVO exercício profissional Novo para: O paciente O Sistema de Saúde O profissional
  • 30. Habilidades para realizar Atenção Farmacêutica conhecimentos e habilidades em farmácia e farmacologia clinica Capacidade de gerenciar o sistema de distribuição de fármacos, Capacidade de desenvolver relações com o paciente e demais profissionais de saúde Deve haver um numero suficiente de provedores para servir a sociedade
  • 31. Resultados negativos desta prática Os farmacêuticos se comunicam muito pouco com os outros profissionais fora da farmácia; Os outros componentes do Sistema de Saúde tem dificuldades em compreender o que é a FARMÁCIA; O isolamento impede de assimilar o conjunto de regras que se aplicam a todas as profissões de atenção a saúde; A FARMÁCIA não tem um VOCABULÁRIO que todos compreendam Uma prática disciplinada e respeitada e Uma função claramente diferenciada
  • 32. Diferenciar de ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA ..... “Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade. Envolve o abastecimento de medicamentos em todas e em cada uma de suas etapas constitutivas, a conservação e controle de qualidade, a segurança e a eficácia terapêutica dos medicamentos, o acompanhamento e a avaliação da utilização, a obtenção e a difusão de informação sobre medicamentos e a educação permanente dos profissionais de saúde, do paciente e da comunidade para assegurar o uso racional de medicamentos” CARACTÉRÍSTICAS MULTIPROFISSIONAIS Portaria 3.916/98 -MS
  • 33. Atenção FarmacêuticaDefinição É um EXERCÍCIO no qual o profissional assume a RESPONSABILIDADE das necessidades de um paciente em relação com os medicamentos e adquire um COMPROMISSO em relação ao mesmo. (Strand, Cipolle, Morley, 1998)
  • 34. Atenção Farmacêutica... É um novo EXERCÍCIO PROFISSIONAL que nasceu através de muitos anos de pesquisa e da prática da farmácia; Não pretende substituir a função do médico nem de nenhum outro profissional;
  • 36. A simbologia do medicamento
  • 37.
  • 39. RELAÇÃO TERAPÊUTICA É uma aliança ou parceria entre o profissional e o paciente que se forma para atender as necessidades de assistência do último.
  • 40. Relação Terapêutica Necessita do reconhecimento de certas responsabilidades por parte do PACIENTE e do PROFISSIONAL 1ª. Função da interação do paciente com o profissional é a contrução e manutenção de uma relação terapêutica efetiva Confiança, respeito, autencidade, empatia e compromisso.
  • 42. Requisitos necessários para o sucesso Todos os profissionais da atenção farmacêutica tem que prover o mesmo serviço de forma consistente; A evidência do impacto deste serviço necessita ser gerada e comunicada no mundo inteiro; A prática de atenção ao paciente deve ser desenvolvida a uma velocidade adequada para convencer os pacientes e outros profissionais; As faculdades de farmácia devem preparar profissionais.
  • 43. CUIDADO/ATENÇÃO DIRETA AO PACIENTE Compromisso de tempo integral Negócio completamente diferente da dispensação e Farmácia Clínica
  • 44. IMPORTÂNCIA DO PROBLEMA Um em dois pacientes tem um problema relacionado a farmacoterapia Recursos são disperdiçados Dor e sofrimento ocorrem devido a farmacoterapia não está funcionando
  • 45. Indicações mais frequentes da farmacoterapia (N = 5.136 Pacientes, 26.238 consultas) 1. HIPERTENSÃO 2. HIPERLIPIDEMIA 3. DIABETES 4. OSTEOPOROSE 5. SUPLEMENTO VITAMÍNICO 6. RINITE ALÉRGICA 7. ESOFAGITE 8. DEPRESÃO 9. SINTOMAS MENSTRUAIS 10. DOR ARTRITICA Estas 10 condições represemtam 50% de todas as indicações da farmacoterapia
  • 46. 10 MOST FREQUENT CAUSES OF DRUG THERAPY PROBLEMS 5136 total patients, all 26,238 encounters
  • 47. O MERCADO FARMACÊUTICO Atual A população brasileira é a quarta maior consumidora de medicamentos do mundo, perde apenas para americanos, franceses e alemães; O comércio de produtos farmacêuticos movimenta no país cerca de 11 bilhões de dólares anuais; Há no país cerca de 60.000 farmácias. Segundo OMS o número ideal seria de, no máximo, 25.000; ANVISA, 2006
  • 48. O MERCADO FARMACÊUTICO No Brasil de cada duas pessoas, uma é adepta da automedicação; Um cidadão sadio consome, nos países desenvolvidos, em média, três caixas de medicamento por ano. No Brasil onze caixas per capita Metade dos medicamentos prescritos é desnecessária. A maioria é contra a gripe. Há leis mas, não há fiscalização. De cada três medicamentos vendidos no país apenas um é receitado pelo médico; ANVISA, 2006
  • 49. Portaria 3.916 de 30 de outubro de 1998 Aprova a política nacional de medicamentos Diretrizes da Política Nacional de Medicamentos Assegurar o acesso da população a medicamentos seguros, eficazes e de qualidade, ao menor custo possível, os gestores do SUS nas 3 esferas de governo, atuando em estreita pareceria, dverão concentrar esforços no sentido de que o conjunto das ações direcionadas para o alcance deste propósito estejam balizadas pelas seguintes diretrizes
  • 50. Portaria 3.916 de 30 de outubro de 1998 Aprova a política nacional de medicamentos Diretrizes da Política Nacional de Medicamentos Adoção de uma relação de medicamentos essenciais Regulamentação sanitária de medicamentos Promoção do Uso Racional dos Medicamentos Desenvolvimento científico e tecnológico Reorientação da Assistência Farmacêutica Promoção da produção de medicamentos Garantia da segurança, eficácia e qualidade dos medicamentos Desenvolvimento e capacitação de recursos humanos
  • 51.
  • 53. Promoção do Uso Racional dos Medicamentos
  • 54.
  • 55. Atenção Farmacêutica no Brasil: RESOLUÇÃ0 CFF 357/2001 É um conceito de prática profissional no qual o paciente é o principal beneficiário das ações do farmacêutico. A ATENÇÃO é o compêndio das atitudes, comportamentos, compromissos, inquietudes, valores éticos, funções, conhecimentos, responsabilidades e habilidades do farmacêutico na prestação da farmacoterapia, com objetivo de alcançar resultados terapêuticos definidos na saúde e qualidade de vida do paciente
  • 56. I Conferência Nacional de Assistência FarmacêuticaBrasília, Setembro de 2003
  • 57. Política Nacional de Assistência Farmacêutica III - a Assistência Farmacêutica trata de um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto individual como coletivo, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o acesso e ao seu uso racional.
  • 59. MISSÃO DA FARMÁCIA NO SÉCULO XXI 1. O tratamento farmacológico implica em riscos; 2. O custo da morbi-mortalidade pode ser maior que o custo do tratamento farmacológico em si; 3. Os serviços farmacêuticos podem melhorar os resultados e reduzir custos da assistência.
  • 60.
  • 61. compromisso com os resultados (metas terapêuticas alcançadas)
  • 65.
  • 69.
  • 70. REAÇÃO ADVERSA A MEDICAMENTO - RAM Qualquer efeito prejudicial ou indesejado que se apresente após a administração de doses normalmente utilizadas no homem para profilaxia, diagnóstico ou tratamento de uma enfermidade. Organização Mundial da Saúde, 1972
  • 71. EVENTOS ADVERSOS RELACIONADOS A INTERNAÇÃO HARVARD MEDICAL PRACTICE STUDY * 30.000 pacientes avaliados em 1984 - NY * 1.133 (14%) sofreram injúria com 158 mortes * 2/3 dos eventos eram evitáveis * Extrapolação para os EUA: 98.000 mortes/ano BRENNAN et al, N Engl J Med 1991
  • 72. EVENTOS ADVERSOS RELACIONADOS A MEDICAMENTOS Utilização de antiinflamatórios não esteróides- ANE * 30 milhões de pessoas utilizam ANE/dia/mundo * 260.000 hospitalizações/ano * 26.000 mortes/ano * 17.000 mortes nos EUA LAROUSSE & VERAC, Therapie 1999 LANGMAN et al JAMA 1999
  • 73. ERROS DE MEDICAÇÃO Principais Causas * Informação insuficiente sobre o paciente; * Informação insuficiente sobre medicamentos; * Problemas de comunicação na prescrição médica; * Problemas com rótulos, frascos e nomes de produtos; * Sistemas de distribuição de medicamentos deficientes; * Problemas na administração do medicamento; * Problemas no ambiente de trabalho; * Profissionais de saúde pouco preparados para lidar com EM; * Paciente tem pouca informação sobre os medicamentos que usa.
  • 74. PREVENÇÃO DE ERROS DE MEDICAÇÃO * Automação: prescrição eletrônica, código de barras * Criação de sistemas de informação não punitivos sobre EM * Tratar os erros como falhas sistêmicas e não individuais * Melhoria dos sistemas, processos mais seguros * Uso da dose unitária e preparação centralizada na farmácia dos medicamentos( prontos para uso) * Padronização: protocolos, dupla checagem para medicamentos potencialmente perigosos, normas escritas * Participação de farmacêuticos clínicos nas unidades. * Estudo nos EUA em unidade de cuidados intensivos, a ação de farmacêuticos clínicos, reduziu em 66% os EM. LEAPE et al. JAMA 1999
  • 75. EVENTOS ADVERSOS RELACIONADOS A MEDICAMENTOS * Acontece muito mais do que se imagina * É o tipo mais comum de evento adverso * Afetam a qualidade da assistência * Aumentam custos
  • 76. Medicamentos Potencialmente Perigosos * Epinefrina, Isoproterenol, Norepinefrina * Dopamina e Dobutamina; * Propranolol IV * Midazolam; * Gluconato de Cálcio; * Citostáticos; * Digoxina; * Insulina; * Cloreto de Potássio; * Warfarina; * Bloqueadores neuromusculares. COHEN, MR. KILO, C.M. High-Alert medications:safeguarding against errors. In: COHEN, M.R. (Ed.). Medication erros. Washington: APhA, 1999. P.5.1 – 5.40
  • 77. QUESTIONAMENTOS Qual o contexto da pratica farmacêutica no BRASIL? O que se entende por Assistência Farmacêutica? O que se entende por Atenção Farmacêutica? Qual o perfil do farmacêutico para atuar neste contexto? O que queremos com a Atenção Farmacêutica? OPAS, 2001. Atenção farmacêutica no Brasil: Trilhando Caminhos
  • 78. fim