SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Aula 11
Revolução Industrial e Socialismo
Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas
conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências,
destaque para o desenvolvimento de novas idéias sócio-políticas, que foi
o Socialismo.
A Revolução Industrial.
Entende-se por Revolução Industrial um conjunto de inovações
técnicas que acabaram resultando na substituição da ferramenta pela
máquina e propiciando a passagem do artesanato manual para a
produção industrial concentrada nas fábricas.
A Revolução Industrial foi um processo decisivo para o
estabelecimento da sociedade capitalista - sociedade caracterizada pela
produção de bens materiais. Uma classe detém os meios de produção,
isto é, máquinas, terras, fábricas; outra classe vende sua força de
trabalho em troca de um salário e realiza o trabalho de produção. A
primeira classe é a burguesia - que além dos meios de produção, possui
o capital e a segunda classe é formada pelos proletários. Com o
desenvolvimento destas duas classes teremos o início de um conflito,
denominado luta de classes.
O processo da Revolução Industrial começou na Inglaterra, que
apresentava uma série de condições, que iremos analisar a seguir.
A Revolução Industrial na Inglaterra.
Vários são os fatores que explicam o início da revolução Industrial
na Inglaterra.
UMA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.
A Revolução Industrial inglesa foi precedida por uma revolução
agrária. Desde o final da Idade Média, a agricultura inglesa passava por
profundas modificações, graças a substituição da produção em pequenas
propriedades, voltada para o mercado local, por uma produção em larga
escala; para atender o mercado externo, realizada em grandes
propriedades.
Durante o reinado de Elizabeth I, o comércio de lã teve um grande
desenvolvimento. Para a produção de lã era necessário aumentar as
passagens, necessidade suprida pelas leis de cercamento. Com os
cercamentos os pequenos proprietários e camponeses tiveram suas
terras usurpadas, sendo expulsos para as cidades, transformando-se em
força de trabalho para a indústria nascente.
Nem todas as grandes propriedades surgidas com os cercamentos
dedicavam-se à criação de carneiros, havia aquelas especializadas na
produção de alimentos para o abastecimento das cidades, que cresciam
cada vez mais.
Para controlar e obrigar, os expulsos do campo, a aceitarem as
duras condições de trabalho, em 1601 foi assinada as leis dos pobres,
que consideravam crimes o desemprego e a mendicância; obrigando
esta camada a trabalhar nas chamadas "oficinas de caridade", que
abasteciam com mão-de-obra as manufaturas inglesas.
FATORES DE ORDEM ECONÔMICA.
A Inglaterra foi, ao longo dos séculos XVII e XVIII, a nação que
mais acumulou capitais. Este processo de acumulação de capitais foi
possível, graças à expansão da atividade comercial - que gerou um
amplo mercado consumidor (a Revolução Comercial). A partir do reinado
de Elizabeth I (1558/1603) há uma expansão dos domínios coloniais
ingleses. Nas colônias do sul na América do Norte, a Inglaterra adota a
produção de algodão em grandes propriedades, para abastecer as
manufaturas inglesas.
Outro fator de ordem econômica foi a decretação dos Atos de
Navegação (1651) que serviu para eliminar a concorrência dos
holandeses na indústria têxtil e no comércio marítimo. Desta forma, os
produtos ingleses atingiam todas as partes do mundo, sendo
transportados por navios ingleses.
FATORES DE ORDEM SOCIAL.
Como se viu, com os cercamentos há um processo de expulsão
dos camponeses e dos grandes proprietários do campo, auxiliando na
composição de uma mão-de-obra disponível para as indústrias. Esta
camada, inteiramente desprovida de bens materiais, passa a vender sua
força de trabalho para os donos das fábricas - surgindo assim os
proletários.
FATORES DE ORDEM POLÍTICAS.
Desde o século XVII ( Revolução Gloriosa - 1688 ) a burguesia
inglesa controlava o Estado e impunha diretrizes políticas para
satisfação de seus interesses econômicos.
CICLO DE INVENÇÕES.
A invenção auxilia o aumento da produção, contribuindo para a
geração de capitais - investidos em outras invenções, gerando aumento
da produção e, conseqüentemente mais capitais, resultando novas
invenções, e assim por diante.
A revolução técnica começou na fabricação de algodão, quando
John Kay, em 1733, inventou a lançadeira volante, aumentando a
capacidade de tecelagem. Em 1767, James Hargreaves inventou a
fiadora Jenny, aumentando a produção de fios e, Richard Arkwright, em
1769 a aperfeiçoou.
Em 1785, Edmund Cartwright inventou o tear mecânico e o
descaroçador de algodão foi inventado em 1769 por Whitney. Nesta
mesma época (1769), James Watt aperfeiçoou a máquina a vapor.
Devemos ressaltar que as máquinas acima eram de metais,
estimulando a siderurgia. As máquinas, por sua vez, funcionavam a
vapor, sendo necessários investimentos em mineração (técnicas para
produção de carvão).
A utilização das máquinas exigia a concentração dos trabalhadores
num só local, surgindo assim as fábricas.
As conseqüências da Revolução Industrial.
A Revolução Industrial trouxe várias mudanças na economia, na
sociedade, na política e na estrutura da ideologia.
Para começar, a Revolução Industrial patrocinou uma verdadeira
revolução nos transportes. Com o aumento da capacidade produtiva
houve uma enorme necessidade de transportar as mercadorias com
maior rapidez - transporte de matérias-primas para as indústrias e
transporte dos produtos industrializados para os mercados
consumidores. A revolução nos transportes deu-se com a invenção da
locomotiva e da navegação a vapor.
A locomotiva foi inventada em 1830, por George Stephenson. A
navegação a vapor foi uma invenção norte-americana - os clippers -
destacando-se o inventor Fulton, que projetou o navio Clermont e
percorreu, em 1803, o rio Hudson.
As locomotivas e a navegação a vapor distribuíam as mercadorias
a longas distâncias e por preços reduzidos.
No aspecto político, a Revolução Industrial veio consolidar o
liberalismo econômico, solidificando o modo de produção capitalista. O
modelo de Estado Liberal, já existente na Inglaterra, é difundido nos
países que se industrializam ao longo do século XIX.
Do ponto de vista social e político, o industrialismo fez surgir uma
nova classe social o proletariado, e com ela o início de uma luta de
classes entre a burguesia e o proletário.
A luta de classes é resultado do antagonismo entre os
trabalhadores e os patrões. Antes do surgimento das fábricas, o
trabalhador artesão dominava todo o processo de produção e controlava
o seu tempo de trabalho; com as fábricas, o trabalhador passou a ter
que se adaptar ao ritmo da máquina, perdendo o controle sobre o
processo produtivo - pois ele não é o dono da máquina - e sobre o
tempo - este passa a ser determinado pela máquina. Para adaptar-se ao
ritmo da máquina, foi imposto ao trabalhador uma rígida disciplina, com
multas e castigos.
Além disto, as condições de trabalho eram muito precárias,
também havia uma enorme exploração do trabalho infantil e feminino,
cujos salários eram mais baixos que os dos homens. As jornadas de
trabalhos ultrapassavam as catorze horas diárias...
Como forma de reação a esta situação, a classe operária organiza
movimentos para conquistar melhores condições de trabalho, assunto
que será abordado mais adiante.
Outra conseqüência da Revolução Industrial foi o desenvolvimento
das cidades - o urbanismo . Houve um crescimento populacional
enorme nos centros urbanos, que concentravam as oficinas, fábricas,
armazéns e moradias dos trabalhadores. A concentração populacional
nas cidades, que não apresentavam infra-estrutura para tanto, causou
novos problemas de saúde, de habitação e de moradia. As precárias
condições de vida e de trabalho da classe trabalhadora tornou o
alcoolismo um grave problema urbano.
Conclusão
A Revolução Industrial contribuiu para um aumento da
produção, para uma concentração industrial, para a divisão do
trabalho e para a consolidação do capitalismo liberal.
Estabeleceu uma nova forma de trabalho - o trabalho
assalariado e favoreceu o processo de industrialização na agricultura.
A partir da Revolução Industrial ocorre um enorme crescimento
populacional e o surgimento das cidades.
No plano ideológico, as péssimas condições de trabalho dos
operários - os produtores da riqueza - favorecem o desenvolvimento de
novas idéias, idéias que criticam o capitalismo; pregando sua
destruição, trata-se do SOCIALISMO.
O Socialismo.
As péssimas condições de vida dos operários, provocadas pela
industrialização, levaram alguns pensadores a buscar soluções para os
problemas surgidos. Surgiram então idéias reformistas, procurando
construir uma nova sociedade, onde houvesse igualdade social,
eliminando a exploração do homem sobre o homem.
O conjunto desta idéias fundamentou o pensamento socialista, que
pode ser dividido em, basicamente, duas correntes: a dos socialistas
utópicos e a dos socialistas científicos.
Antes da análise das correntes do socialismo, faz-se necessário
uma apresentação do movimento operário, que reivindicava melhores
condições de trabalho.
Primeiramente, a reação da classe trabalhadora contra as
péssimas condições de trabalho deu-se pela quebra das máquinas, foi o
chamado movimento ludista; em seguida, os trabalhadores iniciaram
sua organização para conduzir melhor o movimento operário, surgindo
assim as trade unions, as uniões operárias. Dentre estas organizações
operárias, destacou-se o movimento cartista, na Inglaterra - a
Associação de Operários elaborou uma petição de direitos ( Carta do
Povo ), apresentada ao Parlamento que reivindicava: sufrágio universal
restrito aos homens; votação secreta; representação igual para todas as
classes no Parlamento. O movimento cartista representou um confronto
entre a classe operária e a burguesia, resultando disto, uma
necessidade; por parte da classe operária de melhor conhecer o
funcionamento da sociedade capitalista.
Os sindicatos, surgidos no final do século XIX foram evoluções
destas trade unions, que passaram a organizar as lutas da classe
trabalhadora.
CORRENTES DO SOCIALISMO.
SOCIALISMO UTÓPICO
Corrente que idealizava uma nova sociedade e acreditava atingir
esta nova sociedade sem luta de classes, mediante reformas pacíficas.
Os principais socialistas utópicos foram: Saint-Simon ( 1760/1825),
Charles Fourier (1772/1837), Robert Owen (1771/1859) e Proudhon
(1809/1865)
Entre os precursores do socialismo utópico, pode-se identificar a
obra de Thomas Morus, Utopia, publicada em 1506 e que idealizava uma
sociedade igualitária- atacando a propriedade privada; no século XVII,
durante a Revolução Puritana, temos a ação dos niveladores; grupo de
artesãos e dos escavadores - proletários urbanos e rurais sem terras,
que defendiam a igualdade social. Durante a Revolução Francesa, Graco
Babeuf pregava uma República igualitária.
SOCIALISMO CIENTÍFICO
Os principais teórico desta corrente foram Karl Marx ( 1818/1883)
e Friedrich Engels ( 1820/1895).
O socialismo científico critica a visão idealista do socialismo
utópico e coloca a classe operária como uma classe revolucionária. O
pensamento desta corrente é baseado em dois fundamentos:
- a História é resultado da luta de classes;
- a classe operária deve construir a nova sociedade, que seria
alicerçada na igualdade social, impondo a ditadura do
proletariado - transição para a construção de uma sociedade
socialista.
A sociedade socialista, apresentada por Marx e Engels, não
apresentaria a propriedade privada dos meios de produção- o Estado se
apoderaria dos bens de produção; o objetivo da produção não seria mais
o lucro individual e sim atender os interesses coletivos e o Estado seria
o responsável pelo retorno da riqueza à coletividade.
Marx e Engels fundaram, em 1847, a Liga Comunista e, no ano de
1848, publicaram o Manifesto Comunista, cuja divisa será "proletários
de todos os países, uni-vos".
SOCIALISMO CRISTÃO
Postura da Igreja Católica que criticava a exploração do
capitalismo, porém vai criticar a teoria da luta de classes, defendida pelo
socialismo. Para a Igreja Católica, deveria haver uma harmonia entre os
interesses da classe trabalhadora com os patrões. A Igreja procurou
conciliar capital e trabalho através da encíclica Rerum Novarum.
O ANARQUISMO
Corrente que identifica o Estado como a origem de todos os males.
Defendem, além do fim da propriedade privada, a eliminação do Estado.
Entre seus principais representantes temos Bakunin e Kroptkin.
As idéias socialistas serão postas em prática nos movimentos
revolucionários de 1848 e 1871. Em 1917, a Rússia transformou-se no
primeiro Estado socialista.
EXERCÍCIOS
1) (ACAFE) - Entre as causas do pioneirismo inglês na Revolução
Industrial, podemos citar, exceto:
a) a disponibilidade de capitais resultantes da revolução
Comercial;
b) as condições climáticas favoráveis à indústria de tecidos;
c) a existência de ricas jazidas de ferro, bem como a presença
de carvão utilizado como combustível;
d) o intenso comércio marítimo baseado na poderosa frota
naval inglesa;
e) a conquista de mercados coloniais consumidores de
matérias-primas e fornecedoras de produtos
manufaturados.
2) (PUCCAMP) - Entre as conseqüências sociais da Revolução
Industrial, pode-se mencionar:
a) o desenvolvimento de uma camada social de trabalhadores,
que, destituídos dos meios de produção , passaram a
sobreviver apenas da venda de sua força de trabalho;
b) a melhoria das condições de habitação e sobrevivência para
o operariado, proporcionada pelo surto de desenvolvimento
econômico;
c) a ascensão social dos artesãos, que reuniram seus capitais e
suas ferramentas em oficinas ou domicílios rurais dispersos,
aumentando os núcleos domésticos de produção;
d) a criação do Banco da Inglaterra, com o objetivo de financiar
a Monarquia e ser, também, uma instituição geradora de
empregos;
e) o desenvolvimento de indústrias petroquímicas, favorecendo
a organização do mercado de trabalho de maneira a
assegurar emprego para todos os assalariados
3 (UFMG)-Todas as alternativas abaixo apresentam mudanças que
caracterizam a revolução Industrial na Inglaterra do século XVIII,
exceto:
a) a aplicação sistemática e generalizada do moderno
conhecimento científico ao processo de produção para o
mercado;
b) a consolidação de novas classes sociais e ocupacionais,
determinada pela propriedade de novos fatores de
produção;
c) a especialização da atividade econômica, dirigida para a
produção e para o consumo paroquial e familiar;
d) a expansão e despersonalização da unidade típica de
produção, até então baseada principalmente nas
corporações de ofício;
e) o redirecionamento da força de trabalho, das atividades
relacionadas com a produção de bens primários para a de
bens manufaturados e serviços.
3) (Objetivo)- O cartismo inglês, movimento operário que surgiu
na década de 1830, reivindicava:
a) o estabelecimento do socialismo na Inglaterra;
b) benefícios trabalhistas e eleitorais;
c) a organização dos trabalhadores em ligas operárias;
d) a luta armada das para a realização do socialismo;
e) a destruição das máquinas nas fábricas.
RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS
1- E 2- A 3- C 4- B

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso portuguêsVítor Santos
 
Sistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E SociaisSistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E SociaisLuciano Pessanha
 
Metas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º AnoMetas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º Anokhistoria
 
G2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberaisG2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberaisVítor Santos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Daniel Alves Bronstrup
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunosVítor Santos
 
Liberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismoLiberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismoDenis Gasco
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...missaodiplomatica
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo   Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo missaodiplomatica
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoGustavo Cuin
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...missaodiplomatica
 
Liberalismo, socialismo e nacionalismo
Liberalismo, socialismo e nacionalismoLiberalismo, socialismo e nacionalismo
Liberalismo, socialismo e nacionalismoisameucci
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogueVítor Santos
 

Mais procurados (20)

H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
 
Sistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E SociaisSistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E Sociais
 
Metas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º AnoMetas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º Ano
 
G2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberaisG2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberais
 
História contemporânea
História contemporâneaHistória contemporânea
História contemporânea
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Neocolonialismo texto 8 2012
Neocolonialismo texto 8 2012Neocolonialismo texto 8 2012
Neocolonialismo texto 8 2012
 
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
Web aula1
Web aula1Web aula1
Web aula1
 
Liberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismoLiberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismo
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo   Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial: Imperialismo
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismo
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
 
Liberalismo, socialismo e nacionalismo
Liberalismo, socialismo e nacionalismoLiberalismo, socialismo e nacionalismo
Liberalismo, socialismo e nacionalismo
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 

Semelhante a Aula 11 rev. industrial e socialismo

Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Carla Prestes
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrialMarcos Azevedo
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptEvertonDemetrio
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução IndustrialLaerciolns12
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slideHary Duarte
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIgor da Silva
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrialProfdaltonjunior
 
Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07PIBIDSolondeLucena
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialZeze Silva
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseEducador Lamarão
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDAartbio
 

Semelhante a Aula 11 rev. industrial e socialismo (20)

Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.ppt
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 
Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a fase
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª faseJonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européiaJonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assisJonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismoJonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosaJonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasilJonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugalJonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasilJonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

Aula 11 rev. industrial e socialismo

  • 1. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de novas idéias sócio-políticas, que foi o Socialismo. A Revolução Industrial. Entende-se por Revolução Industrial um conjunto de inovações técnicas que acabaram resultando na substituição da ferramenta pela máquina e propiciando a passagem do artesanato manual para a produção industrial concentrada nas fábricas. A Revolução Industrial foi um processo decisivo para o estabelecimento da sociedade capitalista - sociedade caracterizada pela produção de bens materiais. Uma classe detém os meios de produção, isto é, máquinas, terras, fábricas; outra classe vende sua força de trabalho em troca de um salário e realiza o trabalho de produção. A primeira classe é a burguesia - que além dos meios de produção, possui o capital e a segunda classe é formada pelos proletários. Com o desenvolvimento destas duas classes teremos o início de um conflito, denominado luta de classes. O processo da Revolução Industrial começou na Inglaterra, que apresentava uma série de condições, que iremos analisar a seguir.
  • 2. A Revolução Industrial na Inglaterra. Vários são os fatores que explicam o início da revolução Industrial na Inglaterra. UMA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA. A Revolução Industrial inglesa foi precedida por uma revolução agrária. Desde o final da Idade Média, a agricultura inglesa passava por profundas modificações, graças a substituição da produção em pequenas propriedades, voltada para o mercado local, por uma produção em larga escala; para atender o mercado externo, realizada em grandes propriedades. Durante o reinado de Elizabeth I, o comércio de lã teve um grande desenvolvimento. Para a produção de lã era necessário aumentar as passagens, necessidade suprida pelas leis de cercamento. Com os cercamentos os pequenos proprietários e camponeses tiveram suas terras usurpadas, sendo expulsos para as cidades, transformando-se em força de trabalho para a indústria nascente. Nem todas as grandes propriedades surgidas com os cercamentos dedicavam-se à criação de carneiros, havia aquelas especializadas na produção de alimentos para o abastecimento das cidades, que cresciam cada vez mais. Para controlar e obrigar, os expulsos do campo, a aceitarem as duras condições de trabalho, em 1601 foi assinada as leis dos pobres, que consideravam crimes o desemprego e a mendicância; obrigando esta camada a trabalhar nas chamadas "oficinas de caridade", que abasteciam com mão-de-obra as manufaturas inglesas. FATORES DE ORDEM ECONÔMICA. A Inglaterra foi, ao longo dos séculos XVII e XVIII, a nação que mais acumulou capitais. Este processo de acumulação de capitais foi possível, graças à expansão da atividade comercial - que gerou um amplo mercado consumidor (a Revolução Comercial). A partir do reinado de Elizabeth I (1558/1603) há uma expansão dos domínios coloniais ingleses. Nas colônias do sul na América do Norte, a Inglaterra adota a produção de algodão em grandes propriedades, para abastecer as manufaturas inglesas. Outro fator de ordem econômica foi a decretação dos Atos de Navegação (1651) que serviu para eliminar a concorrência dos holandeses na indústria têxtil e no comércio marítimo. Desta forma, os produtos ingleses atingiam todas as partes do mundo, sendo transportados por navios ingleses.
  • 3. FATORES DE ORDEM SOCIAL. Como se viu, com os cercamentos há um processo de expulsão dos camponeses e dos grandes proprietários do campo, auxiliando na composição de uma mão-de-obra disponível para as indústrias. Esta camada, inteiramente desprovida de bens materiais, passa a vender sua força de trabalho para os donos das fábricas - surgindo assim os proletários. FATORES DE ORDEM POLÍTICAS. Desde o século XVII ( Revolução Gloriosa - 1688 ) a burguesia inglesa controlava o Estado e impunha diretrizes políticas para satisfação de seus interesses econômicos. CICLO DE INVENÇÕES. A invenção auxilia o aumento da produção, contribuindo para a geração de capitais - investidos em outras invenções, gerando aumento da produção e, conseqüentemente mais capitais, resultando novas invenções, e assim por diante. A revolução técnica começou na fabricação de algodão, quando John Kay, em 1733, inventou a lançadeira volante, aumentando a capacidade de tecelagem. Em 1767, James Hargreaves inventou a fiadora Jenny, aumentando a produção de fios e, Richard Arkwright, em 1769 a aperfeiçoou. Em 1785, Edmund Cartwright inventou o tear mecânico e o descaroçador de algodão foi inventado em 1769 por Whitney. Nesta mesma época (1769), James Watt aperfeiçoou a máquina a vapor. Devemos ressaltar que as máquinas acima eram de metais, estimulando a siderurgia. As máquinas, por sua vez, funcionavam a vapor, sendo necessários investimentos em mineração (técnicas para produção de carvão). A utilização das máquinas exigia a concentração dos trabalhadores num só local, surgindo assim as fábricas. As conseqüências da Revolução Industrial. A Revolução Industrial trouxe várias mudanças na economia, na sociedade, na política e na estrutura da ideologia.
  • 4. Para começar, a Revolução Industrial patrocinou uma verdadeira revolução nos transportes. Com o aumento da capacidade produtiva houve uma enorme necessidade de transportar as mercadorias com maior rapidez - transporte de matérias-primas para as indústrias e transporte dos produtos industrializados para os mercados consumidores. A revolução nos transportes deu-se com a invenção da locomotiva e da navegação a vapor. A locomotiva foi inventada em 1830, por George Stephenson. A navegação a vapor foi uma invenção norte-americana - os clippers - destacando-se o inventor Fulton, que projetou o navio Clermont e percorreu, em 1803, o rio Hudson. As locomotivas e a navegação a vapor distribuíam as mercadorias a longas distâncias e por preços reduzidos. No aspecto político, a Revolução Industrial veio consolidar o liberalismo econômico, solidificando o modo de produção capitalista. O modelo de Estado Liberal, já existente na Inglaterra, é difundido nos países que se industrializam ao longo do século XIX. Do ponto de vista social e político, o industrialismo fez surgir uma nova classe social o proletariado, e com ela o início de uma luta de classes entre a burguesia e o proletário. A luta de classes é resultado do antagonismo entre os trabalhadores e os patrões. Antes do surgimento das fábricas, o trabalhador artesão dominava todo o processo de produção e controlava o seu tempo de trabalho; com as fábricas, o trabalhador passou a ter que se adaptar ao ritmo da máquina, perdendo o controle sobre o processo produtivo - pois ele não é o dono da máquina - e sobre o tempo - este passa a ser determinado pela máquina. Para adaptar-se ao ritmo da máquina, foi imposto ao trabalhador uma rígida disciplina, com multas e castigos. Além disto, as condições de trabalho eram muito precárias, também havia uma enorme exploração do trabalho infantil e feminino, cujos salários eram mais baixos que os dos homens. As jornadas de trabalhos ultrapassavam as catorze horas diárias... Como forma de reação a esta situação, a classe operária organiza movimentos para conquistar melhores condições de trabalho, assunto que será abordado mais adiante. Outra conseqüência da Revolução Industrial foi o desenvolvimento das cidades - o urbanismo . Houve um crescimento populacional enorme nos centros urbanos, que concentravam as oficinas, fábricas, armazéns e moradias dos trabalhadores. A concentração populacional nas cidades, que não apresentavam infra-estrutura para tanto, causou novos problemas de saúde, de habitação e de moradia. As precárias condições de vida e de trabalho da classe trabalhadora tornou o alcoolismo um grave problema urbano.
  • 5. Conclusão A Revolução Industrial contribuiu para um aumento da produção, para uma concentração industrial, para a divisão do trabalho e para a consolidação do capitalismo liberal. Estabeleceu uma nova forma de trabalho - o trabalho assalariado e favoreceu o processo de industrialização na agricultura. A partir da Revolução Industrial ocorre um enorme crescimento populacional e o surgimento das cidades. No plano ideológico, as péssimas condições de trabalho dos operários - os produtores da riqueza - favorecem o desenvolvimento de novas idéias, idéias que criticam o capitalismo; pregando sua destruição, trata-se do SOCIALISMO. O Socialismo. As péssimas condições de vida dos operários, provocadas pela industrialização, levaram alguns pensadores a buscar soluções para os problemas surgidos. Surgiram então idéias reformistas, procurando construir uma nova sociedade, onde houvesse igualdade social, eliminando a exploração do homem sobre o homem. O conjunto desta idéias fundamentou o pensamento socialista, que pode ser dividido em, basicamente, duas correntes: a dos socialistas utópicos e a dos socialistas científicos. Antes da análise das correntes do socialismo, faz-se necessário uma apresentação do movimento operário, que reivindicava melhores condições de trabalho. Primeiramente, a reação da classe trabalhadora contra as péssimas condições de trabalho deu-se pela quebra das máquinas, foi o chamado movimento ludista; em seguida, os trabalhadores iniciaram sua organização para conduzir melhor o movimento operário, surgindo assim as trade unions, as uniões operárias. Dentre estas organizações operárias, destacou-se o movimento cartista, na Inglaterra - a Associação de Operários elaborou uma petição de direitos ( Carta do Povo ), apresentada ao Parlamento que reivindicava: sufrágio universal restrito aos homens; votação secreta; representação igual para todas as classes no Parlamento. O movimento cartista representou um confronto
  • 6. entre a classe operária e a burguesia, resultando disto, uma necessidade; por parte da classe operária de melhor conhecer o funcionamento da sociedade capitalista. Os sindicatos, surgidos no final do século XIX foram evoluções destas trade unions, que passaram a organizar as lutas da classe trabalhadora. CORRENTES DO SOCIALISMO. SOCIALISMO UTÓPICO Corrente que idealizava uma nova sociedade e acreditava atingir esta nova sociedade sem luta de classes, mediante reformas pacíficas. Os principais socialistas utópicos foram: Saint-Simon ( 1760/1825), Charles Fourier (1772/1837), Robert Owen (1771/1859) e Proudhon (1809/1865) Entre os precursores do socialismo utópico, pode-se identificar a obra de Thomas Morus, Utopia, publicada em 1506 e que idealizava uma sociedade igualitária- atacando a propriedade privada; no século XVII, durante a Revolução Puritana, temos a ação dos niveladores; grupo de artesãos e dos escavadores - proletários urbanos e rurais sem terras, que defendiam a igualdade social. Durante a Revolução Francesa, Graco Babeuf pregava uma República igualitária. SOCIALISMO CIENTÍFICO Os principais teórico desta corrente foram Karl Marx ( 1818/1883) e Friedrich Engels ( 1820/1895). O socialismo científico critica a visão idealista do socialismo utópico e coloca a classe operária como uma classe revolucionária. O pensamento desta corrente é baseado em dois fundamentos: - a História é resultado da luta de classes; - a classe operária deve construir a nova sociedade, que seria alicerçada na igualdade social, impondo a ditadura do proletariado - transição para a construção de uma sociedade socialista. A sociedade socialista, apresentada por Marx e Engels, não apresentaria a propriedade privada dos meios de produção- o Estado se apoderaria dos bens de produção; o objetivo da produção não seria mais o lucro individual e sim atender os interesses coletivos e o Estado seria o responsável pelo retorno da riqueza à coletividade.
  • 7. Marx e Engels fundaram, em 1847, a Liga Comunista e, no ano de 1848, publicaram o Manifesto Comunista, cuja divisa será "proletários de todos os países, uni-vos". SOCIALISMO CRISTÃO Postura da Igreja Católica que criticava a exploração do capitalismo, porém vai criticar a teoria da luta de classes, defendida pelo socialismo. Para a Igreja Católica, deveria haver uma harmonia entre os interesses da classe trabalhadora com os patrões. A Igreja procurou conciliar capital e trabalho através da encíclica Rerum Novarum. O ANARQUISMO Corrente que identifica o Estado como a origem de todos os males. Defendem, além do fim da propriedade privada, a eliminação do Estado. Entre seus principais representantes temos Bakunin e Kroptkin. As idéias socialistas serão postas em prática nos movimentos revolucionários de 1848 e 1871. Em 1917, a Rússia transformou-se no primeiro Estado socialista.
  • 8. EXERCÍCIOS 1) (ACAFE) - Entre as causas do pioneirismo inglês na Revolução Industrial, podemos citar, exceto: a) a disponibilidade de capitais resultantes da revolução Comercial; b) as condições climáticas favoráveis à indústria de tecidos; c) a existência de ricas jazidas de ferro, bem como a presença de carvão utilizado como combustível; d) o intenso comércio marítimo baseado na poderosa frota naval inglesa; e) a conquista de mercados coloniais consumidores de matérias-primas e fornecedoras de produtos manufaturados. 2) (PUCCAMP) - Entre as conseqüências sociais da Revolução Industrial, pode-se mencionar: a) o desenvolvimento de uma camada social de trabalhadores, que, destituídos dos meios de produção , passaram a sobreviver apenas da venda de sua força de trabalho; b) a melhoria das condições de habitação e sobrevivência para o operariado, proporcionada pelo surto de desenvolvimento econômico; c) a ascensão social dos artesãos, que reuniram seus capitais e suas ferramentas em oficinas ou domicílios rurais dispersos, aumentando os núcleos domésticos de produção; d) a criação do Banco da Inglaterra, com o objetivo de financiar a Monarquia e ser, também, uma instituição geradora de empregos; e) o desenvolvimento de indústrias petroquímicas, favorecendo a organização do mercado de trabalho de maneira a assegurar emprego para todos os assalariados 3 (UFMG)-Todas as alternativas abaixo apresentam mudanças que caracterizam a revolução Industrial na Inglaterra do século XVIII, exceto:
  • 9. a) a aplicação sistemática e generalizada do moderno conhecimento científico ao processo de produção para o mercado; b) a consolidação de novas classes sociais e ocupacionais, determinada pela propriedade de novos fatores de produção; c) a especialização da atividade econômica, dirigida para a produção e para o consumo paroquial e familiar; d) a expansão e despersonalização da unidade típica de produção, até então baseada principalmente nas corporações de ofício; e) o redirecionamento da força de trabalho, das atividades relacionadas com a produção de bens primários para a de bens manufaturados e serviços. 3) (Objetivo)- O cartismo inglês, movimento operário que surgiu na década de 1830, reivindicava: a) o estabelecimento do socialismo na Inglaterra; b) benefícios trabalhistas e eleitorais; c) a organização dos trabalhadores em ligas operárias; d) a luta armada das para a realização do socialismo; e) a destruição das máquinas nas fábricas.
  • 10. RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS 1- E 2- A 3- C 4- B