SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução
A água é um recurso natural de valor inestimável. Mais que um insumo
indispensável à produção e um recurso estratégico para o desenvolvimento econômico,
ela é vital para a manutenção dos ciclos biológicos, geológicos e químicos, que mantêm
em equilíbrio os ecossistemas. É, ainda, uma referência cultural e um bem social
indispensável à adequada qualidade de vida da população. A água é de fundamental
importância para a vida de todas as espécies. Aproximadamente 80% de nosso
organismo é composto por água.
A ingestão de água tratada é um dos mais importantes fatores para a conservação
da saúde, é considerada o solvente universal, auxilia na prevenção das doenças (cálculo
renal, infecção de urina, etc.) e proteção do organismo contra o envelhecimento.
Porém, está havendo um grande desperdício desse recurso natural, além de seu uso ser
destinado principalmente para as atividades econômicas. Atualmente, 69% da água
potável é destinada para a agricultura, 22% para as indústrias e apenas 9% usado para o
consumo humano.
1. O ciclo da água
Devido às diferentes e particulares condições climáticas presentes em nosso
planeta a água pode ser encontrada, na natureza, em seus vários estados: sólido, líquido
e gasoso. Chamamos de ciclo hidrológico, ou ciclo da água, à constante mudança de
estado da água na natureza. A existência da água em vários estados permite a existência
da erosão da superfície terrestre. Não fossem as forças tectônicas, que agem no sentido
de criar montanhas, hoje a Terra seria um planeta uniformemente recoberto por uma
camada de 3 km de água salgada.
Em seu incessante movimento na atmosfera e nas camadas mais superficiais da
crosta, a água pode percorrer desde o mais simples até o mais complexo dos caminhos.
Quando uma chuva cai, uma parte da água se infiltra através dos espaços que encontra
no solo e nas rochas. Pela ação da força da gravidade esta água vai se infiltrando até não
encontrar mais espaços, começando então a se movimentar horizontalmente em direção
às áreas de baixa pressão.
A única força que se opõe a este movimento é a força de adesão das moléculas
d'água às superfícies dos grãos ou das rochas por onde penetra. A água da chuva que
não se infiltra, escorre sobre a superfície em direção às áreas mais baixas, indo
alimentar os riachos, rios, mares, oceanos e lagos.
Em regiões suficientemente frias, como nas grandes altitudes e calotas polares,
esta água pode se acumular na forma de gelo, onde poderá ficar imobilizada por milhões
de anos. O caminho subterrâneo das águas é o mais lento de todos. A água de uma
chuva que não se infiltrou levará poucos dias para percorrer muitos e muitos
quilômetros. Já a água subterrânea poderá levar dias para percorrer poucos metros.
Havendo oportunidade esta água poderá voltar à superfície através das fontes indo se
somar às águas superficiais, ou então, voltar a se infiltrar novamente.
2. A água na natureza
A água está distribuída da seguinte forma no planeta Terra:
- 97,5% da disponibilidade da água do mundo estão nos oceanos, ou seja, água salgada.
- 2,5% de água doce
- 29,7% água subterrânea;
- 68,9% geleiras;
- 0,5% rios e lagos;
- 0,9% outros reservatórios (nuvens, vapor d’água etc.).
Fonte: www.meteoropole.com.br
2.1 Oceanos
Os oceanos são grandes extensões de água salgada que ocupam as depressões da
superfície da Terra. A teoria do aparecimento dos oceanos está diretamente ligada à
formação da atmosfera no período pré-cambriano. O planeta neste período encontrava-
se muito quente e o vapor da água presente na atmosfera deu origem então a grande
volume de chuvas que se acumularam nas áreas mais baixas do relevo.
Sendo assim, os oceanos, ou seja, a imensa massa de água salgada que cobre o planeta
Terra, foram divididos em cinco porções:
Oceano Antártico
Oceano Ártico
Oceano Atlântico
Oceano Índico
Oceano Pacífico
Os oceanos são extremamente importantes para o planeta, pois a vida se originou
neles. São eles os grandes produtores de oxigênio, também regulam a temperatura do
planeta, interferem na dinâmica atmosférica e diferenciam tipos climáticos.
2.2 Rios e Lagos
Dentre as águas continentais (água doce), os recursos hídricos que mais se
destacam são os rios e lagos;
Rios são deslocamentos de água que acontecem de maneira natural, sem haver
interrupção. Geralmente, um rio parte de sua nascente e corre em direção aos relevos
mais baixos até atingir ou desembocar em outro curso maior, como o oceano, por
exemplo; além da possibilidade de desaguar em um lago.
Os rios apresentam disparidades entre eles, a configuração de um rio depende do
relevo (montanhas, planaltos, planícies, depressões) no qual o mesmo percorre, além de
ser influenciado pelas características climáticas (chuvoso ou seco) da região.
Em geral, os rios são formados por águas subterrâneas, pelo encontro das águas
de mais de um rio ou pelo derretimento de geleiras. Além disso, podem ser perenes (que
não secam) ou temporários (que secam em determinados períodos do ano).
Rio Amazonas. Fonte: http://aguacorrenteong.wordpress.com
Lagos podem ser definidos como um acidente geográfico em forma de
depressão, abrangem um grande volume de água que não secam. Suas águas são
oriundas de muitas fontes, dentre elas: chuva, nascente própria, rios e derretimento de
geleiras. Os lagos podem apresentar tamanhos e profundidades variados, grandes ou
muito pequenos, rasos ou extremamente profundos. Existem lagos que possuem água
salgada; há também os que não são naturais, constituídos a partir da construção humana,
servem como reservatório de água.
A formação de lagos se dá pela sedimentação acumulada, que impede o
escoamento da água, e também pelas rochas que, em geral, são impermeáveis e
impossibilitam a absorção pelo lençol freático.
Lago Rodrigo de Freitas. Fonte: http://aguacorrenteong.wordpress.com
2.3 Geleiras
Geleira ou glaciar é uma enorme massa de gelo composta por uma grande
quantidade acumulada de neve, que demanda um tempo considerável para sua
formação, chegando este processo a extremos de 30 mil anos para a formação de seu
corpo, por exemplo.
O fenômeno de formação de uma geleira ocorre, previsivelmente, nos pólos do
globo terrestre, onde encontramos as menores temperaturas. Ali, a água sofre um
processo bastante similar ao das rochas ígneas, onde há o arrefecimento e cristalização
de um fluido. No caso da geleira, o elemento água sofre arrefecimento (em outras
palavras, suas moléculas vão se aproximando e esta começa a endurecer e dar origem a
cristais. E assim como as rochas sedimentares, o gelo é depositado em camadas à
superfície da Terra, podendo atingir grandes espessuras. Finalmente, fazendo um
terceiro paralelo com outro tipo de rocha, desta vez as metamórficas, o gelo transforma-
se por recristalização sob pressão. Assim, sob pressão e metamorfismo do “sedimento”
neve, temos a formação de gelo duro e espesso da qualidade de uma rocha, à medida em
que os blocos de neve espaçados sofrem um reagrupamento em sua composição e
recristalizam-se em massa sólida. O gelo então originário dessa atividade natural
passará a ter uma temperatura de fusão extremamente baixa, atingindo centenas de
graus abaixo de zero.
Geleira da Antártida. Fonte: http://fotos.fot.br
2.4 Águas subterrâneas
Água subterrânea é toda a água que ocorre abaixo da superfície da Terra,
preenchendo os poros ou vazios intergranulares das rochas sedimentares, ou as fraturas,
falhas e fissuras das rochas compactas, e que sendo submetida a duas forças (de adesão
e de gravidade) desempenha um papel essencial na manutenção da umidade do solo, do
fluxo dos rios, lagos e brejos. As águas subterrâneas cumprem uma fase do ciclo
hidrológico, uma vez que constituem uma parcela da água precipitada.
Após a precipitação, parte das águas que atinge o solo se infiltra e percola no interior do
subsolo, durante períodos de tempo extremamente variáveis, decorrentes de muitos
fatores:
Porosidade do subsolo: a presença de argila no solo diminui sua permeabilidade, não
permitindo uma grande infiltração;
Cobertura vegetal: um solo coberto por vegetação é mais permeável do que um solo
desmatado;
Inclinação do terreno: em declividades acentuadas a água corre mais rapidamente,
diminuindo a possibilidade de infiltração;
Tipo de chuva: chuvas intensas saturam rapidamente o solo, ao passo que chuvas finas
e demoradas têm mais tempo para se infiltrarem.
Assim como a distribuição das águas superficiais é muito variável, a das águas
subterrâneas também é, uma vez que elas se inter-relacionam no ciclo hidrológico e
dependem das condições climatológicas. Entretanto, as águas subterrâneas (10.360.230
km³) são aproximadamente 100 vezes mais abundantes que as águas superficiais dos
rios e lagos (92.168 km³). Embora elas encontrem-se armazenadas nos poros e fissuras
milimétricas das rochas, estas ocorrem em grandes extensões, gerando grandes volumes
de águas subterrâneas na ordem de, aproximadamente, 23.400 km³, distribuídas em uma
área aproximada de 134,8 milhões de km² (SHIKWMANOV, 1998), constituindo-se em
importantes reservas de água doce.
2.4.1 Aquíferos
Aqüífero é uma formação geológica do subsolo, constituída por rochas
permeáveis, que armazena água em seus poros ou fraturas. Outro conceito refere-se a
aqüífero como sendo, somente, o material geológico capaz de servir de depositório e de
transmissor da água aí armazenada. Assim, uma litologia só será aqüífera se, além de ter
seus poros saturados (cheios) de água, permitir a fácil transmissão da água armazenada.
A litologia do aqüífero, ou seja, a sua constituição geológica (porosidade/permeabi-
lidade intergranular ou de fissuras) é que irá determinar a velocidade da água em seu
meio, a qualidade da água e a sua qualidade como reservatório. Essa litologia é
decorrente da sua origem geológica, que pode ser fluvial, lacustre, eólica, glacial e
aluvial (rochas sedimentares), vulcânica (rochas fraturadas) e metamórfica (rochas
calcáreas), determinando os diferentes tipos de aqüíferos.
Quanto à porosidade, existem três tipos aqüíferos:
Aqüífero poroso ou sedimentar - é aquele formado por rochas sedimentares
consolidadas, sedimentos inconsolidados ou solos arenosos, onde a circulação da água
se faz nos poros formados entre os grãos de areia, silte e argila de granulação variada.
Constituem os mais importantes aqüíferos, pelo grande volume de água que armazenam,
e por sua ocorrência em grandes áreas.
Aqüífero fraturado ou fissural - formado por rochas ígneas, metamórficas ou
cristalinas, duras e maciças, onde a circulação da água se faz nas fraturas, fendas e
falhas, abertas devido ao movimento tectônico. Ex.: basalto, granitos, gabros, filões de
quartzo, etc. (SMA, 2003). A capacidade dessas rochas de acumularem água está
relacionada à quantidade de fraturas, suas aberturas e intercomunicação, permitindo a
infiltração e fluxo da água
Aqüífero cárstico (Karst) - formado em rochas calcáreas ou carbonáticas, onde a
circulação da água se faz nas fraturas e outras descontinuidades (diáclases) que
resultaram da dissolução do carbonato pela água. Essas aberturas podem atingir grandes
dimensões, criando, nesse caso, verdadeiros rios subterrâneos. São aqüíferos
heterogêneos, descontínuos, com águas duras, com fluxo em canais. As rochas são os
calcários, dolomitos e mármores.
Quanto à superfície superior (segundo a pressão da água), os aqüíferos podem ser de
dois tipos:
FONTE: BOSCARDIN BORGHETTI et al. (2004), adaptado de IGM (2001)
Aqüífero livre ou freático - é aquele constituído por uma formação geológica
permeável e superficial, totalmente aflorante em toda a sua extensão, e limitado na base
por uma camada impermeável. A superfície superior da zona saturada está em equilíbrio
com a pressão atmosférica, com a qual se comunica livremente. Os aqüíferos livres têm
a chamada recarga direta. Em aqüíferos livres o nível da água varia segundo a
quantidade de chuva. São os aqüíferos mais comuns e mais explorados pela população.
São também os que apresentam maiores problemas de contaminação.
Aqüífero confinado ou artesiano - é aquele constituído por uma formação geológica
permeável, confinada entre duas camadas impermeáveis ou semipermeáveis. A pressão
da água no topo da zona saturada é maior do que a pressão atmosférica naquele ponto, o
que faz com que a água ascenda no poço para além da zona aqüífera. O seu
reabastecimento ou recarga, através das chuvas, dá-se preferencialmente nos locais onde
a formação aflora à superfície. Neles, o nível da água encontra-se sob pressão, podendo
causar artesianismo nos poços que captam suas águas. Os aqüíferos confinados têm a
chamada recarga indireta e quase sempre estão em locais onde ocorrem rochas
sedimentares profundas (bacias sedimentares).
Impactos Ambientais sobre os Aqüíferos
O manancial subterrâneo acha-se relativamente melhor protegido dos agentes de
contaminação que afetam rapidamente a qualidade das águas dos rios, na medida em
que ocorre sob uma zona não saturada (aqüífero livre), ou está protegido por uma
camada relativamente pouco permeável (aqüífero confinado) (REBOUÇAS, 1996).
Mesmo assim, está sujeito a impactos ambientais, como:
Contaminação: a vulnerabilidade de um aqüífero refere-se ao seu grau de proteção
natural as possíveis ameaças de contaminação, depende das características litológicas e
hidrogeológicas das barreiras que separam o aqüífero da fonte de contaminação. A
contaminação ocorre devido a má ocupação de uma área cuja a vulnerabilidade de
receber agentes contaminares não é considerada principalmente nas zonas de recarga
dos aqüíferos. Os fatores que podem causar a contaminação são: fossas sépticas e
negras, infiltração de efluentes industriais, fugas da rede de esgoto e galerias pluviais,
vazamento de postos de serviços, aterros sanitários e lixões, uso indevido de
fertilizantes hidrogenados, mas o tipo de contaminação mais perigoso é causado por
produtos químicos, que muitas vezes causam danos irreversíveis.
Superexploração: é a extração da água subterrânea que ultrapassa os limites de
produção das reservas, começando um processo de rebaixamento do nível de água. Isso
pode diminuir o nível potenciometrico ira provocar danos ao meio ambiente ou para o
próprio recurso. Então a água subterrânea pode ser extraída permanentemente e em
volumes constantes, desde que tenham feito estudos prévios sobre o aqüífero, como
volume de armazenamento e das condições climáticas e geológicas de reposição.
Ocorrências no Brasil
Os sistemas aqüíferos brasileiros armazenam os importantes excedentes hídricos,
que alimentam uma das mais extensas redes de rios perenes do mundo, com exceção
dos rios temporários, que nascem nos domínios das rochas do embasamento geológico
subaflorante do semi-árido da região, e desempenham, ainda, importante papel
socioeconômico, devido à sua potencialidade hídrica.
FONTE: BOSCARDIN BORGHETTI et al. (2004), adaptado de MMA(2003)
3. Bacias hidrográficas
Conjunto de terras drenadas por um rio principal, seus afluentes e subafluentes.
A idéia de bacia hidrográfica está associada à noção da existência de nascentes,
divisores de águas e características dos cursos de água, principais e secundários,
denominados afluentes e subafluentes.
Uma bacia hidrográfica evidencia a hierarquização dos rios, ou seja, a organização
natural por ordem de menor volume para os mais caudalosos, que vai das partes mais
altas para as mais baixas.
As bacias podem ser classificadas de acordo com sua importância, como
principais (as que abrigam os rios de maior porte), secundárias e terciárias; segundo sua
localização, como litorâneas ou interiores. Em bacias de inclinação acentuada como a
do Rio Colorado, nos Estados Unidos, o processo de busca do perfil de equilíbrio fluvial
tende a estreitar a área da bacia. De forma contrária, bacias de inclinação baixa como a
do Rio Amazonas tendem a ser mais largas.
3.1 Unidade de Planejamento
A necessidade de promover a recuperação ambiental e a manutenção de recursos
naturais escassos como a água, fez com que, a partir da década de 70, as Bacias
Hidrográficas de bacia hidrográfica passassem a ser difundido e consolidado no mundo.
Para enfrentar problemas como poluição, escassez e conflitos pelo uso da água, foi
preciso reconhecer a bacia hidrográfica como um sistema ecológico, que abrange todos
os organismos que funcionam em conjunto numa dada área. Entender como os recursos
naturais estão interligados e são dependentes.
Ou seja, quando o curso de um rio é alterado para levar esgotos para longe de
uma determinada área, acaba por poluir outra. Da mesma forma, a impermeabilização
do solo em uma região provoca o escoamento de águas para outra, que passa a sofrer
com enchentes. Diante de exemplos como esses, tornou-se necessário reconhecer na
dinâmica das águas, que os limites geográficos para trabalhar o equilíbrio ecológico têm
que ser o da bacia hidrográfica, ou seja, o espaço territorial determinado e definido pelo
escoamento, drenagem e influência da água, do ciclo hidrológico na superfície da Terra
e não aquelas divisões políticas definidas pela sociedade, como municípios, Estados e
países, que não comportam a dinâmica da natureza.
Desde que o homem passou viver em sociedades organizadas e reconheceu a
importância de controlar a disponibilidade de água potável, surgiram as primeiras
tentativas da humanidade de modificar o ambiente natural. O desenvolvimento de
atividades como a agricultura e a urbanização sempre estiveram ligados ao controle da
água. Civilizações do antigo Egito, da China, Índia e Mesopotâmia eram chamadas de
civilizações hidráulicas. A ascensão e queda desses povos estão intimamente ligadas aos
usos e abusos da água.
O mesmo acontece com a nossa sociedade. Todo desenvolvimento de regiões
urbanizadas e rurais é definido de acordo com a disponibilidade das águas doces, ou
seja, sua quantidade e qualidade. Portanto, para promover o desenvolvimento
sustentável e o intercâmbio entre regiões com interesses comuns, ou entre as que brigam
pelo direito de utilizar a água para determinado fim, foi preciso reconhecer e adotar as
Bacias Hidrográficas de bacia hidrográfica em todo o mundo.
No Brasil, esse conceito passou a ser desenvolvido em meados dos anos 70. No estado
de São Paulo, as primeiras experiências surgiram em 1976, na região metropolitana,
com a criação do Comitê do Acordo firmado entre o estado de São Paulo e o Ministério
das Minas e Energia.
3.2 Bacias Brasileiras
O Brasil reúne oito grandes bacias hidrográficas, distribuídas conforme o mapa
abaixo, que apresenta a vazão específica e precipitação anual de cada bacia hidrográfica.
A distribuição da água no Brasil não é uniforme e as regiões mais populosas e
industrializadas apresentam menor disponibilidade de recursos hídricos. Esse é um dos
fatores que obriga o país a adotar um sistema nacional de recursos hídricos, com gestão
integrada, tendo a bacia hidrográfica como unidade de gerenciamento.
Distribuição dos recursos hídricos no Brasil
3.3 Regiões Hidrográficas
A Lei 9.433/97 estabelece que a bacia hidrográfica é a unidade territorial para a
implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e atuação do Sistema de
Gerenciamento de Recursos Hídricos.
Com o objetivo de respeitar as diversidades sociais, econômicas e ambientais do País, o
Conselho Nacional de Recursos Hídricos - CNRH, aprovou em 15 de outubro de 2003,
a Resolução No. 32 que instituiu a Divisão Hidrográfica Nacional.
Fonte: www.rededasaguas.org.br
3.4 Bacias Hidrográficas
Um rio e seus afluentes formam uma bacia fluvial ou hidrográfica. Para facilitar
os estudos, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) separou os rios
brasileiros em nove bacias. Seis delas são chamadas bacias autônomas, pois têm um rio
principal e seus afluentes: bacia Amazônica do Tocantins-AraguaiaParaguai do Paraná
do São Francisco e do Uruguai.
As outras três são chamadas bacias agrupadas, pois não têm um rio principal que as
nomeie. São elas: bacia do Nordeste, do Leste e do Sudeste-Sul.
3.4.1 Rios de planície
São usados basicamente para a navegação fluvial, pois não apresentam saltos,
cataratas ou cachoeiras em seu caminho. O Amazonas, por exemplo, é navegável desde
sua foz, no oceano Atlântico, até a cidade de Iquitos, no Peru. O número impressionante
de seus afluentes, mais de 7 mil, permite a navegação em mais de 230 mil km. Com as
cheias periódicas, há uma rede de canais e braços de rios, como os igarapés, que são
estreitos cursos-d’água. Todos eles transformam-se em verdadeiras estradas de água.
Além de servirem como hidrovia, os rios amazônicos têm também uma fauna
riquíssima, com cerca de 1.400 espécies de peixes que são a base da alimentação para a
população da região Norte. Outra bacia muito utilizada na navegação é a do Paraguai,
localizada numa extensa planície, no centro do continente sul-americano. Uma de suas
características é a facilidade de integrar-se a outras bacias, principalmente à do Paraná,
por meio dos rios Prado e Coxim.
3.4.2 Rios de planalto
A maior parte de nossos rios é de planalto e tem uma grande importância na
economia nacional. Muitos deles apresentam inúmeras quedas-d’água - caso das
Cataratas do Iguaçu, no Paraná (foto ao lado), que podem ser excelentes fontes para a
produção de energia. Cerca de 91% de toda a energia elétrica produzida no Brasil tem
origem nas usinas hidrelétricas. São gerados 58 milhões de quilowatts anuais nas 93
usinas em funcionamento, mas o potencial hidrelétrico de todas as bacias hidrográficas
brasileiras chega a 260 milhões de quilowatts. Mas os desníveis bruscos e acentuados,
as quedas e as cachoeiras dificultam a navegação.
Mesmo assim, os trechos navegáveis das bacias típicas de planalto são
aproveitados para integrar a economia regional. O melhor exemplo é o do rio São
Francisco, que tem 1.300 km navegáveis, entre Pirapora (Minas Gerais) e Juazeiro
(Bahia) e trechos encachoeirados aproveitados para geração de energia elétrica nas
usinas de Paulo Afonso, Sobradinho, Moxotó, Xingó e Três Marias. No mesmo caso
encontra-se a bacia do Paraná, bastante explorada por hidrelétricas e que vem
aproveitando os trechos navegáveis para a integração regional com o sul do continente.
Nela foi criada a Hidrovia Tietê-Paraná, importante via de transporte de mercadorias
para o Mercosul - Mercado Comum do Sul.
3.5 Tipos de rios
No Brasil, há rios com os mais diferentes aspectos. As águas que os alimentam
vêm das chuvas e por causa de nosso clima tropical, muito chuvoso, a maioria dos rios
brasileiros nunca seca. Mas há exceções: rios temporários que somem nas secas, como é
o caso do rio Jaguaribe (no Ceará). Também existem rios que se tornam subterrâneos e
depois voltam a ficar visíveis, como o Paraguaçu (na Bahia). Como a maior parte do
relevo brasileiro é ocupada por planaltos, é também por eles que correm os nossos rios.
Encachoeirados, com grandes desníveis entre a nascente e a foz, eles têm grandes
quedas-d’água.
Algumas delas são: Urubupungá, no rio Paraná; Iguaçu, no rio Iguaçu; Pirapora,
Sobradinho, Paulo Afonso e Itaparica, no rio São Francisco. Temos ainda os rios que
correm nas planícies, menos abundantes no Brasil. Exemplos: os da bacia Amazônica,
localizados na região Norte, e os da bacia Paraguaia, localizados na região Centro-
Oeste, ocupando vastas áreas do Pantanal Mato-Grossense.
O Brasil é dotado de uma vasta e densa rede hidrográfica, sendo que muitos de
seus rios destacam-se pela extensão, largura e profundidade. Em decorrência da
natureza do relevo, predominam os rios de planalto que apresentam em seu leito
rupturas de declive, vales encaixados, entre outras características, que lhes conferem um
alto potencial para a geração de energia elétrica. Quanto à navegabilidade, esses rios,
dado o seu perfil não regularizado, ficam um tanto prejudicados. Dentre os grandes rios
nacionais, apenas o Amazonas e o Paraguai são predominantemente de planície e
largamente utilizados para a navegação. Os rios São Francisco e Paraná são os
principais rios de planalto.
De maneira geral, os rios têm origem em regiões não muito elevadas, exceto o
rio Amazonas e alguns de seus afluentes que nascem na cordilheira andina.
Em termos gerais, como mostra o mapa acima, pode-se dividir a rede hidrográfica
brasileira em sete principais bacias, a saber: a bacia do rio Amazonas; a do Tocantins -
Araguaia; a bacia do Atlântico Sul - trechos norte e nordeste; a do rio São Francisco; a
do Atlântico Sul - trecho leste; a bacia Platina, composta pelas sub-bacias dos rios
Paraná e Uruguai; e a do Atlântico Sul - trechos sudeste e sul.
3.5.1 Bacia do rio Amazonas
Em 1541, o explorador espanhol Francisco de Orellana percorreu, desde as suas
nascentes nos Andes peruanos, distante cerca de 160 km do Oceano Pacífico, até atingir
o Oceano Atlântico, o rio que batizou de Amazonas, em função da visão, ou imaginação
da existência, de mulheres guerreiras, as Amazonas da mitologia grega. Este rio, com
uma extensão de aproximadamente 6.500 km, ou superior conforme recentes
descobertas disputa com o rio Nilo o título de mais extenso no planeta. Porém, em todas
as possíveis outras avaliações é, disparado, o maior.
Sua área de drenagem total, superior a 5,8 milhões de km2, dos quais 3,9 milhões no
Brasil representa a maior bacia hidrográfica mundial. O restante de sua área dividiu-se
entre o Peru, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana e Venezuela. Tal área poderia
abranger integralmente o continente europeu, a exceção da antiga União Soviética.
O volume de água do rio Amazonas é extremamente elevado, descarregando no
Oceano Atlântico aproximadamente 20% do total que chega aos oceanos em todo o
planeta. Sua vazão é superior a soma das vazões dos seis próximos maiores rios, sendo
mais de quatro vezes maior que o rio Congo, o segundo maior em volume, e dez vezes o
rio Mississipi. Por exemplo, em Óbidos, distante 960 km da foz do rio Amazonas, tem-
se uma vazão média anual da ordem de 180.000 m3/s. Tal volume d'água é o resultado
do clima tropical úmido característico da bacia, que alimenta a maior floresta tropical do
mundo.
Na Amazônia os canais mais difusos e de maior penetrabilidade são utilizados
tradicionalmente como hidrovias. Navios oceânicos de grande porte podem navegar até
Manaus, capital do estado do Amazonas, enquanto embarcações menores, de até 6
metros de calado, podem alcançar a cidade de Iquitos, no Peru, distante 3.700 km da sua
foz. O rio Amazonas se apresenta como um rio de planície, possuindo baixa
declividade. Sua largura média é de 4 a 5 km, chegando em alguns trechos a mais de 50
km. Por ser atravessado pela linha do Equador, esse rio apresenta afluentes nos dois
hemisférios do planeta. Entre seus principais afluentes, destacam-se os rios Iça, Japurá,
Negro e Trombetas, na margem esquerda, e os rios Juruá, Purus, Madeira, Tapajós e
Xingu, na margem direita.
Fonte: ambientebrasil.com.br
3.5.2 Bacia do rio Tocantins – Araguaia
A bacia do rio Tocantins - Araguaia com uma área superior a 800.000 km2, se
constitui na maior bacia hidrográfica inteiramente situada em território brasileiro. Seu
principal rio formador é o Tocantins, cuja nascente localiza-se no estado de Goiás, ao
norte da cidade de Brasília. Dentre os principais afluentes da bacia Tocantins - Araguaia
destacam-se os rios do Sono, Palma e Melo Alves, todos localizados na margem direita
do rio Araguaia.
O rio Tocantins desemboca no delta amazônico e embora possua, ao longo do
seu curso, vários rápidos e cascatas, também permite alguma navegação fluvial no seu
trecho desde a cidade de Belém, capital do estado do Pará, até a localidade de Peine, em
Goiás, por cerca de 1.900 km, em épocas de vazões altas. Todavia, considerando-se os
perigosos obstáculos oriundos das corredeiras e bancos de areia durante as secas, só
pode ser considerado utilizável, por todo o ano, de Miracema do Norte (Tocantins) para
jusante. O rio Araguaia nasce na serra das Araras, no estado de Mato Grosso, possui
cerca de 2.600 km, e desemboca no rio Tocantins na localidade de São João do
Araguaia, logo antes de Marabá. No extremo nordeste do estado de Mato Grosso, o rio
dividi-se em dois braços, rio Araguaia, pela margem esquerda, e rio Javaés, pela
margem direita, por aproximadamente 320 km, formando assim a ilha de Bananal, a
maior ilha fluvial do mundo. O rio Araguaia, é navegável cerca de 1.160 km, entre São
João do Araguaia e Beleza, porém não possui neste trecho qualquer centro urbano de
grande destaque.
Fonte: escolakids.bacia-do-Tocantins Araguaia.
3.5.3 Bacia do Atlântico Sul - trechos norte e nordeste
Vários rios de grande porte e significado regional podem ser citados como
componentes dessa bacia, a saber: rio Acaraú, Jaguaribe, Piranhas, Potengi, Capibaribe,
Una, Pajeú, Turiaçu, Pindaré, Grajaú, Itapecuru, Mearim e Parnaíba.
Em especial, o rio Parnaíba é o formador da fronteira dos estados do Piauí e Maranhão,
por seus 970 km de extensão, desde suas nascentes na serra da Tabatinga até o oceano
Atlântico, além de representar uma importante hidrovia para o transporte dos produtos
agrícolas da região.
3.5.4 Bacia do rio São Francisco
A bacia do rio São Francisco, nasce em Minas Gerais, na serra da Canastra, e
atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. O rio São Francisco
possui uma área de drenagem superior a 630.000 km2 e uma extensão de 3.160 km,
tendo como principais afluentes os rios Paracatu, Carinhanha e Grande, pela margem
esquerda, e os rios Salitre, das Velhas e Verde Grande, pela margem direita.
De grande importância política, econômica e social, principalmente para a região
nordeste do país, é navegável por cerca de 1.800 km, desde Pirapora, em Minas Gerais,
até a cachoeira de Paulo Afonso, em função da construção de hidrelétricas com grandes
lagos e eclusas, como é o caso de Sobradinho e Itaparica.
Fonte: Tribunadoagreste.
3.5.5 Bacia do Atlântico Sul - trecho leste
Da mesma forma que no seu trecho norte e nordeste, a bacia do Atlântico Sul no
seu trecho leste possui diversos cursos d'água de grande porte e importância regional.
Podem ser citados, entre outros, os rios Pardo, Jequitinhonha, Paraíba do Sul, Vaza-
Barris, Itapicuru, das Contas e Paraguaçu.
Por exemplo, o rio Paraíba do Sul está localizado entre os estados de São Paulo,
Rio de Janeiro e Minas Gerais, os de maior significado econômico no país, possui ao
longo do seu curso diversos aproveitamentos hidrelétricos, cidades ribeirinhas de porte,
como Campos, Volta Redonda e São José dos Campos, bem com industrias importantes
como a Companhia Siderúrgica Nacional.
Fonte: sosriosdobrasil.blogspot.com
3.5.6 Bacia Platina, ou dos rios Paraná e Uruguai
A bacia platina, ou do rio da Prata, é constituída pelas sub-bacias dos rios
Paraná, Paraguai e Uruguai, drenando áreas do Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e
Uruguai.
O rio Paraná possui cerca de 4.900 km de extensão, sendo o segundo em
comprimento da América do Sul. É formado pela junção dos rios Grande e Paranaíba.
Possui como principais tributários os rios Paraguai, Tietê, Paranapanema e Iguaçu.
Representa trecho da fronteira entre Brasil e Paraguai, onde foi implantado o
aproveitamento hidrelétrico binacional de Itaipu, com 12.700 MW, maior usina
hidrelétrica em operação do mundo. Posteriormente, faz fronteira entre o Paraguai e a
Argentina. Em função das suas diversas quedas, o rio Paraná somente possui navegação
de porte até a cidade argentina de Rosário.
O rio Paraguai, por sua vez, possui um comprimento total de 2.550 km, ao longo
dos territórios brasileiro e paraguaio e tem como principais afluentes os rios Miranda,
Taquari, Apa e São Lourenço. Nasce próximo à cidade de Diamantino, no estado de
Mato Grosso, e drena áreas de importância como o Pantanal mato-grossense. No seu
trecho de jusante banha a cidade de Assunción, capital do Paraguai, e forma a fronteira
entre este país e a Argentina, até desembocar no rio Paraná, ao norte da cidade de
Corrientes.
O rio Uruguai, por fim, possui uma extensão da ordem de 1.600 km, drenando uma área
em torno de 307.000 km2. Possui dois principais formadores, os rios Pelotas e Canoas,
nascendo a cerca de 65 km a oeste da costa do Atlântico. Fazem parte da sua bacia os
rios Peixe, Chapecó, Peperiguaçu, Ibicuí, Turvo, Ijuí e Piratini.
O rio Uruguai forma a fronteira entre a Argentina e Brasil e, mais ao sul, a fronteira
entre Argentina e Uruguai, sendo navegável desde sua foz até a cidade de Salto, cerca
de 305 km a montante.
Fonte: meioambiente.culturamix.com
3.5.7 Bacia do Atlântico Sul - trechos sudeste e sul
A bacia do Atlântico Sul – Trecho Sudeste, com uma área de drenagem em
território nacional de 224.000 Km2 , banha extensas áreas do Estado do Rio Grande do
Sul e parte dos Estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Está compreendida entre
as longitudes 44º W a 54º W e latitude de 22º S a 34º S.
Fazem parte desta bacia, os rios Ribeira do Iguape, Itajaí, Mampituba, Jacuí, Taquari,
Jaguarão (e seus respectivos afluentes), lagoa dos Patos e lagoa Mirim. Para efeito de
estudo e do gerenciamento dos recursos hídricos, esta bacia foi dividida em um
conjunto de 10 sub-bacias enumeradas de 0 a 9. Sendo, que a Sub-bacia 89 localiza-se
fora do Território Nacional.
A referida divisão facilita não só o armazenamento e recuperação das
informações hidrometeorológicas, mas também o gerenciamento da operação de coleta
de tais dados e a própria referência geográfica dos cursos d’água nacionais.
4. Hidrografia de Pernambuco
As grandes bacias hidrográficas de Pernambuco possuem duas vertentes: o rio São
Francisco e o Oceano Atlântico. As bacias que escoam para o rio São Francisco formam
os chamados rios interiores sendo os principais: Pontal, Garças, Brígida, Terra Nova,
Pajeú, Moxotó, Ipanema, além de grupos de pequenos rios interiores. As bacias que
escoam para o Oceano Atlântico, constituem os chamados rios litorâneos, e os
principais são: Goiana, Capibaribe, Ipojuca, Sirinhaém, Una e Mundaú e GL’s.
O Plano Estadual de Recursos Hídricos (1998) dividiu o Estado em 29 Unidades
de Planejamento (UP), caracterizando assim, a Divisão Hidrográfica Estadual, composta
de 13 Bacias Hidrográficas, 06 Grupos de Bacias de Pequenos Rios Litorâneos (GL1 a
GL6), 09 Grupos de Bacias de Pequenos Rios Interiores (GI1 a GI9) e uma bacia de
pequenos rios que compõem a rede de drenagem do arquipélago de Fernando de
Noronha. É importante salientar que a bacia GI-1 drena parte para o rio São Francisco
(Riacho Traipu) e parte para o Oceano Atlântico (Rio Paraíba).
A maior parte das grandes bacias hidrográficas pernambucanas situa-se
integralmente dentro dos limites do Estado, exceto as bacias dos rios Una, Mundaú,
Ipanema e Moxotó que possuem parte de sua área de drenagem no Estado de Alagoas.
Além destas, há pequenas bacias compartilhadas com os Estados do Ceará (GI-9),
Paraíba (GL-6) e Alagoas (GL-5).
5. Poços
O Brasil dispõe da maior reserva de água doce do planeta. Mas, infelizmente, ela e a
população não se encontram uniformemente distribuídas. Em vários centros urbanos,
principalmente em capitais, a escassez do fornecimento normal provocou o uso
intensivo da captação por meio de poços e, com isso, também os problemas decorrentes.
Retirar água doce do subsolo por meio de poços foi sempre uma alternativa usada pelo
homem quando as fontes superficiais são inexistentes ou insuficientes.
De início, os poços eram simples escavações manuais de onde a água era retirada por
meio de baldes ou similares (provavelmente, ainda existentes em muitos locais). Na era
da modernidade, as técnicas e recursos da Engenharia evoluíram. É possível perfurar
grandes profundidades e sistemas de bombeamento permitem a plena utilização da
capacidade do poço.
Fonte: http://www.localpocos.com
Existem dois recursos para o abastecimento de água: A água de superfície e a água
subterrânea.
A água subterrânea é utilizada há milênios pelo homem, e é encontrada
praticamente em todas as regiões do globo. Ela aloja-se em poros, fendas ou fissuras das
rochas que compõem o subsolo da crosta terrestre, formando um reservatório natural de
água potável isenta de qualquer impureza ou contaminação bacteriológica. Estima-se
que a água do subsolo represente 97% da reserva de água doce do mundo. Para seu
aproveitamento utiliza-se o Poço Tubular Profundo também conhecido como “Poço
Artesiano”. Um projeto de Poço Tubular Profundo objetiva máxima eficiência, longa
vida útil e baixo custo. O poço tubular profundo apresenta as seguintes vantagens:
Abastecimento para todos os fins.
Custo inferior a qualquer outra forma de abastecimento.
Consumo direto, na maioria das vezes, sem necessidade de tratamento químico
prévio.
Suprimento constante, independente das redes gerais de abastecimento, livre de
defeitos, rompimento de canalizações e cortes temporários.
Fim dos problemas de estiagem e poluição.
5.1 Principais Problemas de poluição de poços
Entre as questões mais preocupantes do uso de poços em grandes cidades, pode-se citar:
a) Poluição: contaminações de origens diversas podem ocorrer nos lençóis subterrâneos.
Esgotos domésticos não tratados, por exemplo. Depósitos de lixo e de sucatas e
empresas que não consideram o ambiente são fontes potenciais de poluentes perigosos
como metais pesados e produtos químicos diversos.
b) Construções e pavimentações nas cidades reduzem a renovação da água no subsolo.
Em geral, a água da chuva é captada e dirigida, por meio de redes pluviais, a rios ou
mares e, portanto, a infiltração no solo é reduzida. Notar que a água captada por poços,
em sua maior parte, também não retorna para o subsolo. Depois de usada, é conduzida
por redes de esgotos ou pluviais para destino semelhante.
c) Em cidades situadas à beira-mar, a redução do nível do lençol subterrâneo provocado
pela captação excessiva provoca um fenômeno indesejável: a água do mar tende a
avançar mais, provocando a salinização e, assim, fazendo a água imprópria para o
consumo.
Normalmente, os poderes públicos tentam controlar a situação. A tarefa, entretanto, nem
sempre é das mais fáceis, pois se estima que o número de poços perfurados sem
autorização seja considerável.
6. Considerações Finais
Um dos recursos que são mais importantes e essenciais para a manutenção da
vida humana na terra está sendo cada vez mais explorado de forma inadequada e
gerando uma preocupação no que se diz respeito a sua disponibilidade, não só em
quantidade, mas principalmente em qualidade, e a realidade é simplesmente de que a
água vai acabar. E o que enfim, o que podemos fazer? Preservar esse recurso tão valioso
e saber administrá-lo de forma que ela perdure o tempo maior possível entre nós.
Hidrografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crise hídrica no Brasil
Crise hídrica no BrasilCrise hídrica no Brasil
Crise hídrica no Brasil
Cleber Reis
 
Geografia a hidrosfera e sua dinamica
Geografia   a hidrosfera e sua dinamicaGeografia   a hidrosfera e sua dinamica
Geografia a hidrosfera e sua dinamica
Gustavo Soares
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
Maria Paredes
 
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
André Luiz Marques
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
André Luiz Marques
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
Fatima Freitas
 
água
águaágua
água
raafz
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
Kaique Dadalto
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
Waender Soares
 
Energia das ondas -
Energia das ondas  -Energia das ondas  -
Energia das ondas -
Jamille Borges
 
Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
Artur Lara
 
Transformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energiaTransformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energia
nanasimao
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
Petedanis
 
Palestra Usos Da áGua
Palestra Usos Da áGuaPalestra Usos Da áGua
Palestra Usos Da áGua
TECNOCONSULT Engenharia LTDA.
 
Água
ÁguaÁgua
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
Pelo Siro
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Rodrigo Pavesi
 
Hidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas ContinentaisHidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas Continentais
Professora Verônica Santos
 
A importancia da água
A importancia da águaA importancia da água

Mais procurados (20)

Crise hídrica no Brasil
Crise hídrica no BrasilCrise hídrica no Brasil
Crise hídrica no Brasil
 
Geografia a hidrosfera e sua dinamica
Geografia   a hidrosfera e sua dinamicaGeografia   a hidrosfera e sua dinamica
Geografia a hidrosfera e sua dinamica
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
 
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
água
águaágua
água
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
 
Energia das ondas -
Energia das ondas  -Energia das ondas  -
Energia das ondas -
 
Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
 
Transformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energiaTransformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energia
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 
Palestra Usos Da áGua
Palestra Usos Da áGuaPalestra Usos Da áGua
Palestra Usos Da áGua
 
Água
ÁguaÁgua
Água
 
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Hidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas ContinentaisHidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas Continentais
 
A importancia da água
A importancia da águaA importancia da água
A importancia da água
 

Destaque

Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrosfera
HidrosferaHidrosfera
Hidrosfera
flaviocosac
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
Henrique Soares
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
Ivanilson Lima
 
Hidrosfera
HidrosferaHidrosfera
Hidrosfera
profleofonseca
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
frankfranklyn
 

Destaque (6)

Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrosfera
HidrosferaHidrosfera
Hidrosfera
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrosfera
HidrosferaHidrosfera
Hidrosfera
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 

Semelhante a Hidrografia

Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
potiragomes27
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
A Água
A ÁguaA Água
A Água
713773
 
Aquíferos
AquíferosAquíferos
Aquíferos
João Bastos
 
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Josecler Rocha
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptxhidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
alessandraoliveira324
 
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptxhidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
alessandraoliveira324
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
Clayton_Gabriel
 
Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas
Rosiane Reis
 
Revisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º anoRevisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º ano
eunamahcado
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdfhidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
ROSANGELABAHLS
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
lamego6
 
Samuel Barrêto
Samuel BarrêtoSamuel Barrêto
Samuel Barrêto
ambev
 
1geo13
1geo131geo13
1geo13
NTE_Itaocara
 
O ciclo da água
O ciclo da águaO ciclo da água
O ciclo da água
tecbio
 
9 a aula geo cpvem relevo-2
9 a aula geo cpvem   relevo-29 a aula geo cpvem   relevo-2
9 a aula geo cpvem relevo-2
Wellington Moreira
 
EROSÃO.ppt
EROSÃO.pptEROSÃO.ppt
EROSÃO.ppt
NicolasTotti
 
O ciclo da água
O ciclo da águaO ciclo da água
O ciclo da água
tecbio
 
Hidrogafia Geral
Hidrogafia GeralHidrogafia Geral
Hidrogafia Geral
williandadalto
 
Hidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidadesHidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidades
Eliena Leal
 

Semelhante a Hidrografia (20)

Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
A Água
A ÁguaA Água
A Água
 
Aquíferos
AquíferosAquíferos
Aquíferos
 
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptxhidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
 
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptxhidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas
 
Revisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º anoRevisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º ano
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdfhidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Samuel Barrêto
Samuel BarrêtoSamuel Barrêto
Samuel Barrêto
 
1geo13
1geo131geo13
1geo13
 
O ciclo da água
O ciclo da águaO ciclo da água
O ciclo da água
 
9 a aula geo cpvem relevo-2
9 a aula geo cpvem   relevo-29 a aula geo cpvem   relevo-2
9 a aula geo cpvem relevo-2
 
EROSÃO.ppt
EROSÃO.pptEROSÃO.ppt
EROSÃO.ppt
 
O ciclo da água
O ciclo da águaO ciclo da água
O ciclo da água
 
Hidrogafia Geral
Hidrogafia GeralHidrogafia Geral
Hidrogafia Geral
 
Hidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidadesHidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidades
 

Mais de Nathália Vasconcelos

Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
Nathália Vasconcelos
 
Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
Nathália Vasconcelos
 
Radiação na água
Radiação na águaRadiação na água
Radiação na água
Nathália Vasconcelos
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Nathália Vasconcelos
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)
Nathália Vasconcelos
 
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo ProdutivoLevantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Nathália Vasconcelos
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
Nathália Vasconcelos
 
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo DomiciliarPalestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Nathália Vasconcelos
 
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e SociaisEsgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Nathália Vasconcelos
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Nathália Vasconcelos
 
Interdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na EscolaInterdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na Escola
Nathália Vasconcelos
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
AlumínioAlumínio

Mais de Nathália Vasconcelos (15)

Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
 
Radiação na água
Radiação na águaRadiação na água
Radiação na água
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)
 
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo ProdutivoLevantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
 
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo DomiciliarPalestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
 
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e SociaisEsgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
Interdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na EscolaInterdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na Escola
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
 
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
 

Último

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Hidrografia

  • 1. Introdução A água é um recurso natural de valor inestimável. Mais que um insumo indispensável à produção e um recurso estratégico para o desenvolvimento econômico, ela é vital para a manutenção dos ciclos biológicos, geológicos e químicos, que mantêm em equilíbrio os ecossistemas. É, ainda, uma referência cultural e um bem social indispensável à adequada qualidade de vida da população. A água é de fundamental importância para a vida de todas as espécies. Aproximadamente 80% de nosso organismo é composto por água. A ingestão de água tratada é um dos mais importantes fatores para a conservação da saúde, é considerada o solvente universal, auxilia na prevenção das doenças (cálculo renal, infecção de urina, etc.) e proteção do organismo contra o envelhecimento. Porém, está havendo um grande desperdício desse recurso natural, além de seu uso ser destinado principalmente para as atividades econômicas. Atualmente, 69% da água potável é destinada para a agricultura, 22% para as indústrias e apenas 9% usado para o consumo humano. 1. O ciclo da água Devido às diferentes e particulares condições climáticas presentes em nosso planeta a água pode ser encontrada, na natureza, em seus vários estados: sólido, líquido e gasoso. Chamamos de ciclo hidrológico, ou ciclo da água, à constante mudança de estado da água na natureza. A existência da água em vários estados permite a existência da erosão da superfície terrestre. Não fossem as forças tectônicas, que agem no sentido de criar montanhas, hoje a Terra seria um planeta uniformemente recoberto por uma camada de 3 km de água salgada. Em seu incessante movimento na atmosfera e nas camadas mais superficiais da crosta, a água pode percorrer desde o mais simples até o mais complexo dos caminhos. Quando uma chuva cai, uma parte da água se infiltra através dos espaços que encontra
  • 2. no solo e nas rochas. Pela ação da força da gravidade esta água vai se infiltrando até não encontrar mais espaços, começando então a se movimentar horizontalmente em direção às áreas de baixa pressão. A única força que se opõe a este movimento é a força de adesão das moléculas d'água às superfícies dos grãos ou das rochas por onde penetra. A água da chuva que não se infiltra, escorre sobre a superfície em direção às áreas mais baixas, indo alimentar os riachos, rios, mares, oceanos e lagos. Em regiões suficientemente frias, como nas grandes altitudes e calotas polares, esta água pode se acumular na forma de gelo, onde poderá ficar imobilizada por milhões de anos. O caminho subterrâneo das águas é o mais lento de todos. A água de uma chuva que não se infiltrou levará poucos dias para percorrer muitos e muitos quilômetros. Já a água subterrânea poderá levar dias para percorrer poucos metros. Havendo oportunidade esta água poderá voltar à superfície através das fontes indo se somar às águas superficiais, ou então, voltar a se infiltrar novamente. 2. A água na natureza A água está distribuída da seguinte forma no planeta Terra:
  • 3. - 97,5% da disponibilidade da água do mundo estão nos oceanos, ou seja, água salgada. - 2,5% de água doce - 29,7% água subterrânea; - 68,9% geleiras; - 0,5% rios e lagos; - 0,9% outros reservatórios (nuvens, vapor d’água etc.). Fonte: www.meteoropole.com.br 2.1 Oceanos Os oceanos são grandes extensões de água salgada que ocupam as depressões da superfície da Terra. A teoria do aparecimento dos oceanos está diretamente ligada à formação da atmosfera no período pré-cambriano. O planeta neste período encontrava- se muito quente e o vapor da água presente na atmosfera deu origem então a grande volume de chuvas que se acumularam nas áreas mais baixas do relevo.
  • 4. Sendo assim, os oceanos, ou seja, a imensa massa de água salgada que cobre o planeta Terra, foram divididos em cinco porções: Oceano Antártico Oceano Ártico Oceano Atlântico Oceano Índico Oceano Pacífico Os oceanos são extremamente importantes para o planeta, pois a vida se originou neles. São eles os grandes produtores de oxigênio, também regulam a temperatura do planeta, interferem na dinâmica atmosférica e diferenciam tipos climáticos. 2.2 Rios e Lagos Dentre as águas continentais (água doce), os recursos hídricos que mais se destacam são os rios e lagos; Rios são deslocamentos de água que acontecem de maneira natural, sem haver interrupção. Geralmente, um rio parte de sua nascente e corre em direção aos relevos mais baixos até atingir ou desembocar em outro curso maior, como o oceano, por exemplo; além da possibilidade de desaguar em um lago. Os rios apresentam disparidades entre eles, a configuração de um rio depende do relevo (montanhas, planaltos, planícies, depressões) no qual o mesmo percorre, além de ser influenciado pelas características climáticas (chuvoso ou seco) da região. Em geral, os rios são formados por águas subterrâneas, pelo encontro das águas de mais de um rio ou pelo derretimento de geleiras. Além disso, podem ser perenes (que não secam) ou temporários (que secam em determinados períodos do ano).
  • 5. Rio Amazonas. Fonte: http://aguacorrenteong.wordpress.com Lagos podem ser definidos como um acidente geográfico em forma de depressão, abrangem um grande volume de água que não secam. Suas águas são oriundas de muitas fontes, dentre elas: chuva, nascente própria, rios e derretimento de geleiras. Os lagos podem apresentar tamanhos e profundidades variados, grandes ou muito pequenos, rasos ou extremamente profundos. Existem lagos que possuem água salgada; há também os que não são naturais, constituídos a partir da construção humana, servem como reservatório de água. A formação de lagos se dá pela sedimentação acumulada, que impede o escoamento da água, e também pelas rochas que, em geral, são impermeáveis e impossibilitam a absorção pelo lençol freático. Lago Rodrigo de Freitas. Fonte: http://aguacorrenteong.wordpress.com 2.3 Geleiras
  • 6. Geleira ou glaciar é uma enorme massa de gelo composta por uma grande quantidade acumulada de neve, que demanda um tempo considerável para sua formação, chegando este processo a extremos de 30 mil anos para a formação de seu corpo, por exemplo. O fenômeno de formação de uma geleira ocorre, previsivelmente, nos pólos do globo terrestre, onde encontramos as menores temperaturas. Ali, a água sofre um processo bastante similar ao das rochas ígneas, onde há o arrefecimento e cristalização de um fluido. No caso da geleira, o elemento água sofre arrefecimento (em outras palavras, suas moléculas vão se aproximando e esta começa a endurecer e dar origem a cristais. E assim como as rochas sedimentares, o gelo é depositado em camadas à superfície da Terra, podendo atingir grandes espessuras. Finalmente, fazendo um terceiro paralelo com outro tipo de rocha, desta vez as metamórficas, o gelo transforma- se por recristalização sob pressão. Assim, sob pressão e metamorfismo do “sedimento” neve, temos a formação de gelo duro e espesso da qualidade de uma rocha, à medida em que os blocos de neve espaçados sofrem um reagrupamento em sua composição e recristalizam-se em massa sólida. O gelo então originário dessa atividade natural passará a ter uma temperatura de fusão extremamente baixa, atingindo centenas de graus abaixo de zero. Geleira da Antártida. Fonte: http://fotos.fot.br 2.4 Águas subterrâneas
  • 7. Água subterrânea é toda a água que ocorre abaixo da superfície da Terra, preenchendo os poros ou vazios intergranulares das rochas sedimentares, ou as fraturas, falhas e fissuras das rochas compactas, e que sendo submetida a duas forças (de adesão e de gravidade) desempenha um papel essencial na manutenção da umidade do solo, do fluxo dos rios, lagos e brejos. As águas subterrâneas cumprem uma fase do ciclo hidrológico, uma vez que constituem uma parcela da água precipitada. Após a precipitação, parte das águas que atinge o solo se infiltra e percola no interior do subsolo, durante períodos de tempo extremamente variáveis, decorrentes de muitos fatores: Porosidade do subsolo: a presença de argila no solo diminui sua permeabilidade, não permitindo uma grande infiltração; Cobertura vegetal: um solo coberto por vegetação é mais permeável do que um solo desmatado; Inclinação do terreno: em declividades acentuadas a água corre mais rapidamente, diminuindo a possibilidade de infiltração; Tipo de chuva: chuvas intensas saturam rapidamente o solo, ao passo que chuvas finas e demoradas têm mais tempo para se infiltrarem. Assim como a distribuição das águas superficiais é muito variável, a das águas subterrâneas também é, uma vez que elas se inter-relacionam no ciclo hidrológico e dependem das condições climatológicas. Entretanto, as águas subterrâneas (10.360.230 km³) são aproximadamente 100 vezes mais abundantes que as águas superficiais dos rios e lagos (92.168 km³). Embora elas encontrem-se armazenadas nos poros e fissuras milimétricas das rochas, estas ocorrem em grandes extensões, gerando grandes volumes de águas subterrâneas na ordem de, aproximadamente, 23.400 km³, distribuídas em uma área aproximada de 134,8 milhões de km² (SHIKWMANOV, 1998), constituindo-se em importantes reservas de água doce. 2.4.1 Aquíferos Aqüífero é uma formação geológica do subsolo, constituída por rochas permeáveis, que armazena água em seus poros ou fraturas. Outro conceito refere-se a aqüífero como sendo, somente, o material geológico capaz de servir de depositório e de
  • 8. transmissor da água aí armazenada. Assim, uma litologia só será aqüífera se, além de ter seus poros saturados (cheios) de água, permitir a fácil transmissão da água armazenada. A litologia do aqüífero, ou seja, a sua constituição geológica (porosidade/permeabi- lidade intergranular ou de fissuras) é que irá determinar a velocidade da água em seu meio, a qualidade da água e a sua qualidade como reservatório. Essa litologia é decorrente da sua origem geológica, que pode ser fluvial, lacustre, eólica, glacial e aluvial (rochas sedimentares), vulcânica (rochas fraturadas) e metamórfica (rochas calcáreas), determinando os diferentes tipos de aqüíferos. Quanto à porosidade, existem três tipos aqüíferos: Aqüífero poroso ou sedimentar - é aquele formado por rochas sedimentares consolidadas, sedimentos inconsolidados ou solos arenosos, onde a circulação da água se faz nos poros formados entre os grãos de areia, silte e argila de granulação variada. Constituem os mais importantes aqüíferos, pelo grande volume de água que armazenam, e por sua ocorrência em grandes áreas. Aqüífero fraturado ou fissural - formado por rochas ígneas, metamórficas ou cristalinas, duras e maciças, onde a circulação da água se faz nas fraturas, fendas e falhas, abertas devido ao movimento tectônico. Ex.: basalto, granitos, gabros, filões de quartzo, etc. (SMA, 2003). A capacidade dessas rochas de acumularem água está
  • 9. relacionada à quantidade de fraturas, suas aberturas e intercomunicação, permitindo a infiltração e fluxo da água Aqüífero cárstico (Karst) - formado em rochas calcáreas ou carbonáticas, onde a circulação da água se faz nas fraturas e outras descontinuidades (diáclases) que resultaram da dissolução do carbonato pela água. Essas aberturas podem atingir grandes dimensões, criando, nesse caso, verdadeiros rios subterrâneos. São aqüíferos heterogêneos, descontínuos, com águas duras, com fluxo em canais. As rochas são os calcários, dolomitos e mármores. Quanto à superfície superior (segundo a pressão da água), os aqüíferos podem ser de dois tipos: FONTE: BOSCARDIN BORGHETTI et al. (2004), adaptado de IGM (2001) Aqüífero livre ou freático - é aquele constituído por uma formação geológica permeável e superficial, totalmente aflorante em toda a sua extensão, e limitado na base por uma camada impermeável. A superfície superior da zona saturada está em equilíbrio com a pressão atmosférica, com a qual se comunica livremente. Os aqüíferos livres têm a chamada recarga direta. Em aqüíferos livres o nível da água varia segundo a quantidade de chuva. São os aqüíferos mais comuns e mais explorados pela população. São também os que apresentam maiores problemas de contaminação. Aqüífero confinado ou artesiano - é aquele constituído por uma formação geológica permeável, confinada entre duas camadas impermeáveis ou semipermeáveis. A pressão
  • 10. da água no topo da zona saturada é maior do que a pressão atmosférica naquele ponto, o que faz com que a água ascenda no poço para além da zona aqüífera. O seu reabastecimento ou recarga, através das chuvas, dá-se preferencialmente nos locais onde a formação aflora à superfície. Neles, o nível da água encontra-se sob pressão, podendo causar artesianismo nos poços que captam suas águas. Os aqüíferos confinados têm a chamada recarga indireta e quase sempre estão em locais onde ocorrem rochas sedimentares profundas (bacias sedimentares). Impactos Ambientais sobre os Aqüíferos O manancial subterrâneo acha-se relativamente melhor protegido dos agentes de contaminação que afetam rapidamente a qualidade das águas dos rios, na medida em que ocorre sob uma zona não saturada (aqüífero livre), ou está protegido por uma camada relativamente pouco permeável (aqüífero confinado) (REBOUÇAS, 1996). Mesmo assim, está sujeito a impactos ambientais, como: Contaminação: a vulnerabilidade de um aqüífero refere-se ao seu grau de proteção natural as possíveis ameaças de contaminação, depende das características litológicas e hidrogeológicas das barreiras que separam o aqüífero da fonte de contaminação. A contaminação ocorre devido a má ocupação de uma área cuja a vulnerabilidade de receber agentes contaminares não é considerada principalmente nas zonas de recarga dos aqüíferos. Os fatores que podem causar a contaminação são: fossas sépticas e negras, infiltração de efluentes industriais, fugas da rede de esgoto e galerias pluviais, vazamento de postos de serviços, aterros sanitários e lixões, uso indevido de fertilizantes hidrogenados, mas o tipo de contaminação mais perigoso é causado por produtos químicos, que muitas vezes causam danos irreversíveis. Superexploração: é a extração da água subterrânea que ultrapassa os limites de produção das reservas, começando um processo de rebaixamento do nível de água. Isso pode diminuir o nível potenciometrico ira provocar danos ao meio ambiente ou para o próprio recurso. Então a água subterrânea pode ser extraída permanentemente e em volumes constantes, desde que tenham feito estudos prévios sobre o aqüífero, como volume de armazenamento e das condições climáticas e geológicas de reposição.
  • 11. Ocorrências no Brasil Os sistemas aqüíferos brasileiros armazenam os importantes excedentes hídricos, que alimentam uma das mais extensas redes de rios perenes do mundo, com exceção dos rios temporários, que nascem nos domínios das rochas do embasamento geológico subaflorante do semi-árido da região, e desempenham, ainda, importante papel socioeconômico, devido à sua potencialidade hídrica. FONTE: BOSCARDIN BORGHETTI et al. (2004), adaptado de MMA(2003) 3. Bacias hidrográficas Conjunto de terras drenadas por um rio principal, seus afluentes e subafluentes. A idéia de bacia hidrográfica está associada à noção da existência de nascentes, divisores de águas e características dos cursos de água, principais e secundários, denominados afluentes e subafluentes.
  • 12. Uma bacia hidrográfica evidencia a hierarquização dos rios, ou seja, a organização natural por ordem de menor volume para os mais caudalosos, que vai das partes mais altas para as mais baixas. As bacias podem ser classificadas de acordo com sua importância, como principais (as que abrigam os rios de maior porte), secundárias e terciárias; segundo sua localização, como litorâneas ou interiores. Em bacias de inclinação acentuada como a do Rio Colorado, nos Estados Unidos, o processo de busca do perfil de equilíbrio fluvial tende a estreitar a área da bacia. De forma contrária, bacias de inclinação baixa como a do Rio Amazonas tendem a ser mais largas. 3.1 Unidade de Planejamento A necessidade de promover a recuperação ambiental e a manutenção de recursos naturais escassos como a água, fez com que, a partir da década de 70, as Bacias Hidrográficas de bacia hidrográfica passassem a ser difundido e consolidado no mundo. Para enfrentar problemas como poluição, escassez e conflitos pelo uso da água, foi preciso reconhecer a bacia hidrográfica como um sistema ecológico, que abrange todos os organismos que funcionam em conjunto numa dada área. Entender como os recursos naturais estão interligados e são dependentes. Ou seja, quando o curso de um rio é alterado para levar esgotos para longe de uma determinada área, acaba por poluir outra. Da mesma forma, a impermeabilização do solo em uma região provoca o escoamento de águas para outra, que passa a sofrer com enchentes. Diante de exemplos como esses, tornou-se necessário reconhecer na dinâmica das águas, que os limites geográficos para trabalhar o equilíbrio ecológico têm que ser o da bacia hidrográfica, ou seja, o espaço territorial determinado e definido pelo escoamento, drenagem e influência da água, do ciclo hidrológico na superfície da Terra e não aquelas divisões políticas definidas pela sociedade, como municípios, Estados e países, que não comportam a dinâmica da natureza. Desde que o homem passou viver em sociedades organizadas e reconheceu a importância de controlar a disponibilidade de água potável, surgiram as primeiras tentativas da humanidade de modificar o ambiente natural. O desenvolvimento de atividades como a agricultura e a urbanização sempre estiveram ligados ao controle da água. Civilizações do antigo Egito, da China, Índia e Mesopotâmia eram chamadas de
  • 13. civilizações hidráulicas. A ascensão e queda desses povos estão intimamente ligadas aos usos e abusos da água. O mesmo acontece com a nossa sociedade. Todo desenvolvimento de regiões urbanizadas e rurais é definido de acordo com a disponibilidade das águas doces, ou seja, sua quantidade e qualidade. Portanto, para promover o desenvolvimento sustentável e o intercâmbio entre regiões com interesses comuns, ou entre as que brigam pelo direito de utilizar a água para determinado fim, foi preciso reconhecer e adotar as Bacias Hidrográficas de bacia hidrográfica em todo o mundo. No Brasil, esse conceito passou a ser desenvolvido em meados dos anos 70. No estado de São Paulo, as primeiras experiências surgiram em 1976, na região metropolitana, com a criação do Comitê do Acordo firmado entre o estado de São Paulo e o Ministério das Minas e Energia. 3.2 Bacias Brasileiras O Brasil reúne oito grandes bacias hidrográficas, distribuídas conforme o mapa abaixo, que apresenta a vazão específica e precipitação anual de cada bacia hidrográfica. A distribuição da água no Brasil não é uniforme e as regiões mais populosas e industrializadas apresentam menor disponibilidade de recursos hídricos. Esse é um dos fatores que obriga o país a adotar um sistema nacional de recursos hídricos, com gestão integrada, tendo a bacia hidrográfica como unidade de gerenciamento. Distribuição dos recursos hídricos no Brasil
  • 14. 3.3 Regiões Hidrográficas A Lei 9.433/97 estabelece que a bacia hidrográfica é a unidade territorial para a implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e atuação do Sistema de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Com o objetivo de respeitar as diversidades sociais, econômicas e ambientais do País, o Conselho Nacional de Recursos Hídricos - CNRH, aprovou em 15 de outubro de 2003, a Resolução No. 32 que instituiu a Divisão Hidrográfica Nacional. Fonte: www.rededasaguas.org.br
  • 15. 3.4 Bacias Hidrográficas Um rio e seus afluentes formam uma bacia fluvial ou hidrográfica. Para facilitar os estudos, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) separou os rios brasileiros em nove bacias. Seis delas são chamadas bacias autônomas, pois têm um rio principal e seus afluentes: bacia Amazônica do Tocantins-AraguaiaParaguai do Paraná do São Francisco e do Uruguai. As outras três são chamadas bacias agrupadas, pois não têm um rio principal que as nomeie. São elas: bacia do Nordeste, do Leste e do Sudeste-Sul. 3.4.1 Rios de planície São usados basicamente para a navegação fluvial, pois não apresentam saltos, cataratas ou cachoeiras em seu caminho. O Amazonas, por exemplo, é navegável desde sua foz, no oceano Atlântico, até a cidade de Iquitos, no Peru. O número impressionante de seus afluentes, mais de 7 mil, permite a navegação em mais de 230 mil km. Com as cheias periódicas, há uma rede de canais e braços de rios, como os igarapés, que são estreitos cursos-d’água. Todos eles transformam-se em verdadeiras estradas de água. Além de servirem como hidrovia, os rios amazônicos têm também uma fauna riquíssima, com cerca de 1.400 espécies de peixes que são a base da alimentação para a população da região Norte. Outra bacia muito utilizada na navegação é a do Paraguai, localizada numa extensa planície, no centro do continente sul-americano. Uma de suas características é a facilidade de integrar-se a outras bacias, principalmente à do Paraná, por meio dos rios Prado e Coxim. 3.4.2 Rios de planalto A maior parte de nossos rios é de planalto e tem uma grande importância na economia nacional. Muitos deles apresentam inúmeras quedas-d’água - caso das Cataratas do Iguaçu, no Paraná (foto ao lado), que podem ser excelentes fontes para a produção de energia. Cerca de 91% de toda a energia elétrica produzida no Brasil tem origem nas usinas hidrelétricas. São gerados 58 milhões de quilowatts anuais nas 93
  • 16. usinas em funcionamento, mas o potencial hidrelétrico de todas as bacias hidrográficas brasileiras chega a 260 milhões de quilowatts. Mas os desníveis bruscos e acentuados, as quedas e as cachoeiras dificultam a navegação. Mesmo assim, os trechos navegáveis das bacias típicas de planalto são aproveitados para integrar a economia regional. O melhor exemplo é o do rio São Francisco, que tem 1.300 km navegáveis, entre Pirapora (Minas Gerais) e Juazeiro (Bahia) e trechos encachoeirados aproveitados para geração de energia elétrica nas usinas de Paulo Afonso, Sobradinho, Moxotó, Xingó e Três Marias. No mesmo caso encontra-se a bacia do Paraná, bastante explorada por hidrelétricas e que vem aproveitando os trechos navegáveis para a integração regional com o sul do continente. Nela foi criada a Hidrovia Tietê-Paraná, importante via de transporte de mercadorias para o Mercosul - Mercado Comum do Sul. 3.5 Tipos de rios No Brasil, há rios com os mais diferentes aspectos. As águas que os alimentam vêm das chuvas e por causa de nosso clima tropical, muito chuvoso, a maioria dos rios brasileiros nunca seca. Mas há exceções: rios temporários que somem nas secas, como é o caso do rio Jaguaribe (no Ceará). Também existem rios que se tornam subterrâneos e depois voltam a ficar visíveis, como o Paraguaçu (na Bahia). Como a maior parte do relevo brasileiro é ocupada por planaltos, é também por eles que correm os nossos rios. Encachoeirados, com grandes desníveis entre a nascente e a foz, eles têm grandes quedas-d’água. Algumas delas são: Urubupungá, no rio Paraná; Iguaçu, no rio Iguaçu; Pirapora, Sobradinho, Paulo Afonso e Itaparica, no rio São Francisco. Temos ainda os rios que correm nas planícies, menos abundantes no Brasil. Exemplos: os da bacia Amazônica, localizados na região Norte, e os da bacia Paraguaia, localizados na região Centro- Oeste, ocupando vastas áreas do Pantanal Mato-Grossense.
  • 17. O Brasil é dotado de uma vasta e densa rede hidrográfica, sendo que muitos de seus rios destacam-se pela extensão, largura e profundidade. Em decorrência da natureza do relevo, predominam os rios de planalto que apresentam em seu leito rupturas de declive, vales encaixados, entre outras características, que lhes conferem um alto potencial para a geração de energia elétrica. Quanto à navegabilidade, esses rios, dado o seu perfil não regularizado, ficam um tanto prejudicados. Dentre os grandes rios nacionais, apenas o Amazonas e o Paraguai são predominantemente de planície e largamente utilizados para a navegação. Os rios São Francisco e Paraná são os principais rios de planalto. De maneira geral, os rios têm origem em regiões não muito elevadas, exceto o rio Amazonas e alguns de seus afluentes que nascem na cordilheira andina. Em termos gerais, como mostra o mapa acima, pode-se dividir a rede hidrográfica brasileira em sete principais bacias, a saber: a bacia do rio Amazonas; a do Tocantins - Araguaia; a bacia do Atlântico Sul - trechos norte e nordeste; a do rio São Francisco; a do Atlântico Sul - trecho leste; a bacia Platina, composta pelas sub-bacias dos rios Paraná e Uruguai; e a do Atlântico Sul - trechos sudeste e sul. 3.5.1 Bacia do rio Amazonas Em 1541, o explorador espanhol Francisco de Orellana percorreu, desde as suas nascentes nos Andes peruanos, distante cerca de 160 km do Oceano Pacífico, até atingir
  • 18. o Oceano Atlântico, o rio que batizou de Amazonas, em função da visão, ou imaginação da existência, de mulheres guerreiras, as Amazonas da mitologia grega. Este rio, com uma extensão de aproximadamente 6.500 km, ou superior conforme recentes descobertas disputa com o rio Nilo o título de mais extenso no planeta. Porém, em todas as possíveis outras avaliações é, disparado, o maior. Sua área de drenagem total, superior a 5,8 milhões de km2, dos quais 3,9 milhões no Brasil representa a maior bacia hidrográfica mundial. O restante de sua área dividiu-se entre o Peru, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana e Venezuela. Tal área poderia abranger integralmente o continente europeu, a exceção da antiga União Soviética. O volume de água do rio Amazonas é extremamente elevado, descarregando no Oceano Atlântico aproximadamente 20% do total que chega aos oceanos em todo o planeta. Sua vazão é superior a soma das vazões dos seis próximos maiores rios, sendo mais de quatro vezes maior que o rio Congo, o segundo maior em volume, e dez vezes o rio Mississipi. Por exemplo, em Óbidos, distante 960 km da foz do rio Amazonas, tem- se uma vazão média anual da ordem de 180.000 m3/s. Tal volume d'água é o resultado do clima tropical úmido característico da bacia, que alimenta a maior floresta tropical do mundo. Na Amazônia os canais mais difusos e de maior penetrabilidade são utilizados tradicionalmente como hidrovias. Navios oceânicos de grande porte podem navegar até Manaus, capital do estado do Amazonas, enquanto embarcações menores, de até 6 metros de calado, podem alcançar a cidade de Iquitos, no Peru, distante 3.700 km da sua foz. O rio Amazonas se apresenta como um rio de planície, possuindo baixa declividade. Sua largura média é de 4 a 5 km, chegando em alguns trechos a mais de 50 km. Por ser atravessado pela linha do Equador, esse rio apresenta afluentes nos dois hemisférios do planeta. Entre seus principais afluentes, destacam-se os rios Iça, Japurá, Negro e Trombetas, na margem esquerda, e os rios Juruá, Purus, Madeira, Tapajós e Xingu, na margem direita.
  • 19. Fonte: ambientebrasil.com.br 3.5.2 Bacia do rio Tocantins – Araguaia A bacia do rio Tocantins - Araguaia com uma área superior a 800.000 km2, se constitui na maior bacia hidrográfica inteiramente situada em território brasileiro. Seu principal rio formador é o Tocantins, cuja nascente localiza-se no estado de Goiás, ao norte da cidade de Brasília. Dentre os principais afluentes da bacia Tocantins - Araguaia destacam-se os rios do Sono, Palma e Melo Alves, todos localizados na margem direita do rio Araguaia. O rio Tocantins desemboca no delta amazônico e embora possua, ao longo do seu curso, vários rápidos e cascatas, também permite alguma navegação fluvial no seu trecho desde a cidade de Belém, capital do estado do Pará, até a localidade de Peine, em Goiás, por cerca de 1.900 km, em épocas de vazões altas. Todavia, considerando-se os perigosos obstáculos oriundos das corredeiras e bancos de areia durante as secas, só pode ser considerado utilizável, por todo o ano, de Miracema do Norte (Tocantins) para jusante. O rio Araguaia nasce na serra das Araras, no estado de Mato Grosso, possui cerca de 2.600 km, e desemboca no rio Tocantins na localidade de São João do Araguaia, logo antes de Marabá. No extremo nordeste do estado de Mato Grosso, o rio dividi-se em dois braços, rio Araguaia, pela margem esquerda, e rio Javaés, pela margem direita, por aproximadamente 320 km, formando assim a ilha de Bananal, a maior ilha fluvial do mundo. O rio Araguaia, é navegável cerca de 1.160 km, entre São
  • 20. João do Araguaia e Beleza, porém não possui neste trecho qualquer centro urbano de grande destaque. Fonte: escolakids.bacia-do-Tocantins Araguaia. 3.5.3 Bacia do Atlântico Sul - trechos norte e nordeste Vários rios de grande porte e significado regional podem ser citados como componentes dessa bacia, a saber: rio Acaraú, Jaguaribe, Piranhas, Potengi, Capibaribe, Una, Pajeú, Turiaçu, Pindaré, Grajaú, Itapecuru, Mearim e Parnaíba. Em especial, o rio Parnaíba é o formador da fronteira dos estados do Piauí e Maranhão, por seus 970 km de extensão, desde suas nascentes na serra da Tabatinga até o oceano Atlântico, além de representar uma importante hidrovia para o transporte dos produtos agrícolas da região.
  • 21. 3.5.4 Bacia do rio São Francisco A bacia do rio São Francisco, nasce em Minas Gerais, na serra da Canastra, e atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. O rio São Francisco possui uma área de drenagem superior a 630.000 km2 e uma extensão de 3.160 km, tendo como principais afluentes os rios Paracatu, Carinhanha e Grande, pela margem esquerda, e os rios Salitre, das Velhas e Verde Grande, pela margem direita. De grande importância política, econômica e social, principalmente para a região nordeste do país, é navegável por cerca de 1.800 km, desde Pirapora, em Minas Gerais, até a cachoeira de Paulo Afonso, em função da construção de hidrelétricas com grandes lagos e eclusas, como é o caso de Sobradinho e Itaparica.
  • 22. Fonte: Tribunadoagreste. 3.5.5 Bacia do Atlântico Sul - trecho leste Da mesma forma que no seu trecho norte e nordeste, a bacia do Atlântico Sul no seu trecho leste possui diversos cursos d'água de grande porte e importância regional. Podem ser citados, entre outros, os rios Pardo, Jequitinhonha, Paraíba do Sul, Vaza- Barris, Itapicuru, das Contas e Paraguaçu. Por exemplo, o rio Paraíba do Sul está localizado entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, os de maior significado econômico no país, possui ao longo do seu curso diversos aproveitamentos hidrelétricos, cidades ribeirinhas de porte, como Campos, Volta Redonda e São José dos Campos, bem com industrias importantes como a Companhia Siderúrgica Nacional.
  • 23. Fonte: sosriosdobrasil.blogspot.com 3.5.6 Bacia Platina, ou dos rios Paraná e Uruguai A bacia platina, ou do rio da Prata, é constituída pelas sub-bacias dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai, drenando áreas do Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai. O rio Paraná possui cerca de 4.900 km de extensão, sendo o segundo em comprimento da América do Sul. É formado pela junção dos rios Grande e Paranaíba. Possui como principais tributários os rios Paraguai, Tietê, Paranapanema e Iguaçu. Representa trecho da fronteira entre Brasil e Paraguai, onde foi implantado o aproveitamento hidrelétrico binacional de Itaipu, com 12.700 MW, maior usina hidrelétrica em operação do mundo. Posteriormente, faz fronteira entre o Paraguai e a Argentina. Em função das suas diversas quedas, o rio Paraná somente possui navegação de porte até a cidade argentina de Rosário. O rio Paraguai, por sua vez, possui um comprimento total de 2.550 km, ao longo dos territórios brasileiro e paraguaio e tem como principais afluentes os rios Miranda, Taquari, Apa e São Lourenço. Nasce próximo à cidade de Diamantino, no estado de Mato Grosso, e drena áreas de importância como o Pantanal mato-grossense. No seu trecho de jusante banha a cidade de Assunción, capital do Paraguai, e forma a fronteira entre este país e a Argentina, até desembocar no rio Paraná, ao norte da cidade de Corrientes.
  • 24. O rio Uruguai, por fim, possui uma extensão da ordem de 1.600 km, drenando uma área em torno de 307.000 km2. Possui dois principais formadores, os rios Pelotas e Canoas, nascendo a cerca de 65 km a oeste da costa do Atlântico. Fazem parte da sua bacia os rios Peixe, Chapecó, Peperiguaçu, Ibicuí, Turvo, Ijuí e Piratini. O rio Uruguai forma a fronteira entre a Argentina e Brasil e, mais ao sul, a fronteira entre Argentina e Uruguai, sendo navegável desde sua foz até a cidade de Salto, cerca de 305 km a montante. Fonte: meioambiente.culturamix.com 3.5.7 Bacia do Atlântico Sul - trechos sudeste e sul A bacia do Atlântico Sul – Trecho Sudeste, com uma área de drenagem em território nacional de 224.000 Km2 , banha extensas áreas do Estado do Rio Grande do Sul e parte dos Estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Está compreendida entre as longitudes 44º W a 54º W e latitude de 22º S a 34º S. Fazem parte desta bacia, os rios Ribeira do Iguape, Itajaí, Mampituba, Jacuí, Taquari, Jaguarão (e seus respectivos afluentes), lagoa dos Patos e lagoa Mirim. Para efeito de estudo e do gerenciamento dos recursos hídricos, esta bacia foi dividida em um conjunto de 10 sub-bacias enumeradas de 0 a 9. Sendo, que a Sub-bacia 89 localiza-se fora do Território Nacional. A referida divisão facilita não só o armazenamento e recuperação das informações hidrometeorológicas, mas também o gerenciamento da operação de coleta de tais dados e a própria referência geográfica dos cursos d’água nacionais.
  • 25. 4. Hidrografia de Pernambuco As grandes bacias hidrográficas de Pernambuco possuem duas vertentes: o rio São Francisco e o Oceano Atlântico. As bacias que escoam para o rio São Francisco formam os chamados rios interiores sendo os principais: Pontal, Garças, Brígida, Terra Nova, Pajeú, Moxotó, Ipanema, além de grupos de pequenos rios interiores. As bacias que escoam para o Oceano Atlântico, constituem os chamados rios litorâneos, e os principais são: Goiana, Capibaribe, Ipojuca, Sirinhaém, Una e Mundaú e GL’s. O Plano Estadual de Recursos Hídricos (1998) dividiu o Estado em 29 Unidades de Planejamento (UP), caracterizando assim, a Divisão Hidrográfica Estadual, composta de 13 Bacias Hidrográficas, 06 Grupos de Bacias de Pequenos Rios Litorâneos (GL1 a GL6), 09 Grupos de Bacias de Pequenos Rios Interiores (GI1 a GI9) e uma bacia de pequenos rios que compõem a rede de drenagem do arquipélago de Fernando de Noronha. É importante salientar que a bacia GI-1 drena parte para o rio São Francisco (Riacho Traipu) e parte para o Oceano Atlântico (Rio Paraíba). A maior parte das grandes bacias hidrográficas pernambucanas situa-se integralmente dentro dos limites do Estado, exceto as bacias dos rios Una, Mundaú, Ipanema e Moxotó que possuem parte de sua área de drenagem no Estado de Alagoas. Além destas, há pequenas bacias compartilhadas com os Estados do Ceará (GI-9), Paraíba (GL-6) e Alagoas (GL-5).
  • 26. 5. Poços O Brasil dispõe da maior reserva de água doce do planeta. Mas, infelizmente, ela e a população não se encontram uniformemente distribuídas. Em vários centros urbanos, principalmente em capitais, a escassez do fornecimento normal provocou o uso intensivo da captação por meio de poços e, com isso, também os problemas decorrentes. Retirar água doce do subsolo por meio de poços foi sempre uma alternativa usada pelo homem quando as fontes superficiais são inexistentes ou insuficientes. De início, os poços eram simples escavações manuais de onde a água era retirada por meio de baldes ou similares (provavelmente, ainda existentes em muitos locais). Na era da modernidade, as técnicas e recursos da Engenharia evoluíram. É possível perfurar grandes profundidades e sistemas de bombeamento permitem a plena utilização da capacidade do poço.
  • 27. Fonte: http://www.localpocos.com Existem dois recursos para o abastecimento de água: A água de superfície e a água subterrânea. A água subterrânea é utilizada há milênios pelo homem, e é encontrada praticamente em todas as regiões do globo. Ela aloja-se em poros, fendas ou fissuras das rochas que compõem o subsolo da crosta terrestre, formando um reservatório natural de água potável isenta de qualquer impureza ou contaminação bacteriológica. Estima-se que a água do subsolo represente 97% da reserva de água doce do mundo. Para seu aproveitamento utiliza-se o Poço Tubular Profundo também conhecido como “Poço Artesiano”. Um projeto de Poço Tubular Profundo objetiva máxima eficiência, longa vida útil e baixo custo. O poço tubular profundo apresenta as seguintes vantagens: Abastecimento para todos os fins. Custo inferior a qualquer outra forma de abastecimento. Consumo direto, na maioria das vezes, sem necessidade de tratamento químico prévio. Suprimento constante, independente das redes gerais de abastecimento, livre de defeitos, rompimento de canalizações e cortes temporários. Fim dos problemas de estiagem e poluição.
  • 28. 5.1 Principais Problemas de poluição de poços Entre as questões mais preocupantes do uso de poços em grandes cidades, pode-se citar: a) Poluição: contaminações de origens diversas podem ocorrer nos lençóis subterrâneos. Esgotos domésticos não tratados, por exemplo. Depósitos de lixo e de sucatas e empresas que não consideram o ambiente são fontes potenciais de poluentes perigosos como metais pesados e produtos químicos diversos. b) Construções e pavimentações nas cidades reduzem a renovação da água no subsolo. Em geral, a água da chuva é captada e dirigida, por meio de redes pluviais, a rios ou mares e, portanto, a infiltração no solo é reduzida. Notar que a água captada por poços, em sua maior parte, também não retorna para o subsolo. Depois de usada, é conduzida por redes de esgotos ou pluviais para destino semelhante. c) Em cidades situadas à beira-mar, a redução do nível do lençol subterrâneo provocado pela captação excessiva provoca um fenômeno indesejável: a água do mar tende a avançar mais, provocando a salinização e, assim, fazendo a água imprópria para o consumo. Normalmente, os poderes públicos tentam controlar a situação. A tarefa, entretanto, nem sempre é das mais fáceis, pois se estima que o número de poços perfurados sem autorização seja considerável. 6. Considerações Finais Um dos recursos que são mais importantes e essenciais para a manutenção da vida humana na terra está sendo cada vez mais explorado de forma inadequada e gerando uma preocupação no que se diz respeito a sua disponibilidade, não só em quantidade, mas principalmente em qualidade, e a realidade é simplesmente de que a água vai acabar. E o que enfim, o que podemos fazer? Preservar esse recurso tão valioso e saber administrá-lo de forma que ela perdure o tempo maior possível entre nós.