SlideShare uma empresa Scribd logo
A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO
FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM QUALIDADE DE AGUA.
Dilza Netto
Eliane Cristina Joenck
Giovana Barbosa de Oliveira
Magarete Teresinha Madalosso
Paulo Roberto Coelho
Tádia Regina Pelissari
Mc. Orientadora Evanice Gonçalves Coelho
Solange Zarth
RESUMO: O presente trabalho foi realizado com o objetivo de alertar gestores
ambientais, e também população, quanto à necessidade de utilizar os
macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores de qualidade de água, através da
educação ambiental, visando à conservação dos recursos hídricos. O estudo foi
realizado no rio Uberaba, principal manancial que abastece a cidade de Uberaba. Este
ambiente vem apresentando perdas na qualidade de água devido ao lançamento de
esgotos domésticos e industriais. Foram utilizados substratos artificiais depositados na
estação de amostragem, sendo o experimento realizado com nove réplicas. No
laboratório as amostras foram lavadas, em peneiras de malha inferior igual 300µm.
Após triagem, os organismos foram identificados, contados e conservados em álcool
75%. Para melhor interpretação dos dados foram utilizados índices de riqueza,
densidade total e índice de diversidade de Simpson. Foram relacionados um total de 34
taxa, pertencentes a 16 Ordens e 6 filos. Sendo Insecta a Classe dominante com 7
Ordens e 23 Famílias. O número de amostragem mínima demonstrou-se viável e o
substrato artificial eficiente visto que a fauna de macroinvertebrados no trecho estudado
do rio apresentou-se relativamente rica. Em outros trechos do rio é grande a quantidade
de esgoto domestico e industrial lançado. Futuros trabalhos de monitoramento, de longa
duração, através da comunidade bentônica devem ser realizados para avaliar os níveis
de poluição.
Palavras-chave: Água. Educação Ambiental. Bioindicadores.
1- INTRODUÇÃO
A Terra é azul! A mensagem remete-nos à preeminência da agua. Ela recobre
três quartos da superfície do nosso planeta e constitui também 70% do nosso organismo
constituindo assim um dos componentes de maior distribuição e importância na crosta
terrestre. Sua importância para a vida está no fato de que nenhum processo metabólico
ocorre sem a sua ação direta ou indireta (ESTEVES,1998).
Os oceanos, rios, lagos geleiras, calotas polares, pântanos e alagados cobrem
cerca de 354.200 km2 da Terra, e ocupam um volume total de 1.386 milhões de km3.
Cerca de 94% da agua que cobre a Terra é agua do mar, não disponível para as
necessidades humanas. Apenas 6% consistem de água doce fundamental para a nossa
sobrevivência. Além disso, 27% estão em geleiras, 72% são água subterrânea e no
máximo 1% está diretamente disponível de lagos, rios, lagoas, e a atmosfera. O Brasil
tem 12% da concentração mundial de agua doce (TUNDISI et al., 1995).
O número de habitantes cresce assustadoramente no planeta. Para
acompanharmos este crescimento populacional ocorreu o aumento da procura por água
nos setores de produção agrícola, industriais e uso doméstico. Com isso, também teve o
aumento da poluição, do esgoto, do desmatamento e do lixo.
Sabe-se hoje que, apesar de ser um bem renovável, a agua também pode ser
finita, isto porque a poluição e a contaminação inviabilizam a sua reutilização, ou
tornam o custo de tratamento inviável. A disponibilidade da água tornou-se limitada
pelo comprometimento de sua qualidade.
Segundo dados da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), no Brasil, todos os
anos são anotados 700 mil internações decorrentes da poluição dos rios e da falta de
saneamento básico. A gravidade do assunto pode ser percebida pelo que diz o capitulo
18 da Agenda 21 do plano mundial de metas ambientais estabelecidas na Eco92:
“aproximadamente 80% de todas as doenças são de origem hídrica e mais de um terço
das mortes em países em desenvolvimento são causadas pelo consumo de agua
contaminada”(CODAU,2002).
A preocupação com a qualidade da água deve-se à grande incidência de
internações medicas causadas por doenças de veiculação hídrica, logo a relação entre
um meio ambiente saudável e a saúde pública é muito estreita, na verdade, os dois
setores andam não só de mãos dadas, como de mãos atadas, no bom e mau sentido.
Neste momento a Educação Ambiental é uma das possíveis ferramentas de
capacitação e sensibilização da população em geral sobre os problemas ambientais.
Com ela busca-se desenvolver técnicas e métodos que facilitem o processo de tomadas
de consciência sobre a gravidade dos problemas ambientais e a necessidade urgente de
nos debruçarmos seriamente sobre eles.
A agua tem sido foco de discussões não só entre cientistas, biólogos, ONGS e
órgãos responsáveis, ela ganhou dimensões mais amplas. Hoje é assunto em casa, nas
escolas, nas reuniões de bairros porque a responsabilidade de preservação dos recursos
hídricos é de todos nós.
Vários métodos são aplicados atualmente para fazer o monitoramento da
qualidade de água. Os químicos, físicos e o uso de bioindicadores – espécies de insetos
aquáticos, moluscos, crustáceos, plânctons e até algumas espécies de peixes que
costumam viver em um determinado local, com hábitos específicos e que reagem a
qualquer tipo de mudança no seu habitat. Essas reações podem ser físicas, morfológicas
ou até mesmo comportamentais. Estas opções podem ser usadas individualmente ou em
conjunto (CALLISTO, 2004).
A analise físico-química indica a qualidade de agua em determinado ponto, no
instante em que a amostra é coletada; geralmente os aparelhos usados são caros e
sofisticados.
Já o uso de bioindicadores permite obter dados mais específicos. Isso se deve ao
ciclo de vida longo dos organismos usados; o tamanho – normalmente são grandes
comparados com outros grupos – se movem pouco e por serem sensíveis à poluição. Por
existir grande variedade de espécies oferecem largo espectro de respostas a mudanças
ambientais. O uso do biomonitoramento ainda apresenta custo mais baixo (CAIRNS;
PRATT, 1993).
A poluição da água é muitas vezes mensurada através de parâmetros físico-
químicos, apesar de ser um problema essencialmente biológico. O resultado de uma
analise físico-química reflete as condições de uma amostra em um determinado tempo;
enquanto que o monitoramento biológico oferece um indicativo das condições passadas
e atuas, sendo não somente uma medida instantânea, mas sim um registro do passado
recente(PELLI, 2001).
Nenhum ambiente natural tem sofrido tantas e tão grandes modificações ao
longo da historia da humanidade quanto os ecossistemas aquáticos. Em função do
aumento de consumo per capita da população, conflitos pelo uso e poluição, estudos
dizem que parte significativa da população mundial vai sofrer com a escassez de água
(NOVAES, 2002).
Pensando nisso, e também que o uso de bioindicadores em estudos de qualidade
de agua constitui importante ferramenta para a caracterização, monitoramento e
avaliação de impactos em ambientes aquáticos é que este trabalho foi desenvolvido com
o objetivo de alertar gestores ambientais e a população quanto à necessidade de utilizar
os macroinvertebrados, através da educação ambiental, visando à conservação dos
recursos hídricos.
2- DESENVOLVIMENTO
2.1- A importância da água.
A água é um bem precioso e insubstituível, um recurso natural que pode
propiciar saúde, conforto e riqueza, por meio de seus incontestáveis usos, dos quais se
destacam o abastecimento das populações, a irrigação, na produção de energia, a
navegação, o uso industrial e, mesmo a veiculação e o afastamento de esgoto e águas
servidas.
Sob o aspecto de demanda/uso, de acordo com a tipologia proposta por Bezerra e
Muhoz(2000), a água pode assumir quatro tipos básicos de funções:
1. Biológica (constituição celular de animais e vegetais);
2. Natural ( meio de vida e elemento integrante dos ecossistemas);
3. Técnica (aproveitamento pelo homem das propriedades de hidrostática,
hidrodinâmica, termodinâmica, ou como fator de produção), e
4. Simbólica (função associada a valores culturais e sociais). Podem ser inúmeros
os usos da água na satisfação dessas funções.
De acordo com a Lei que dispõe sobre a Politica Nacional do Meio Ambiente,
diz-se que a água torna-se poluída quando houver “...degradação da qualidade ambiental
resultante de atividade que direta ou indireta: a) prejudique a saúde, a segurança e o
bem-estar da população; b) crie condições adversas às atividades sociais e econômicas;
c) afete desfavoravelmente a biota; d) afete as condições estéticas ou sanitárias do meio
ambiente; e) lance matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais
estabelecidos ” (BEZERRA; MUNHOZ, 2000).
No documento final da Conferencia Internacional sobre a Água e
Desenvolvimento Sustentável, ocorrido em Paris, 1998, verifica-se que a quarta parte da
população mundial não tem acesso a água potável, mais da metade da população
mundial carece de um saneamento adequado, a baixa qualidade de água e a falta de
higiene figuram entre as principais causas de enfermidade e morte. São varias as
doenças de veiculação hídrica, entre elas temos:
 Cólera, disenteria amebiana, desistiria bacilar, febre tifoide e paratifoide,
gastroenterite, giardíase, hepatite infecciosa, leptospirose, paralisia
infantil, salmonelose; por ingestão de água contaminada.
 Escabiose, tracoma, verminoses, tendo a água como um estagio do ciclo,
esquistossomose; por contato com água contaminada.
 Dengue, febre amarela, filariose, malária; por meio de insetos que se
desenvolvem na água.
2.2- Fundamentos da Educação Ambiental.
O processo de educação ambiental se constrói, fundamentalmente, em três
momentos básicos de transformação: a sensibilização, a conscientização e a
mobilização. Essas três etapas ocorrem, necessariamente, uma após a outra.
(SANTOS,2002).
A sensibilização consiste em despertar o individuo para a temática ambiental.
Somente desperto o individuo poderá refletir sobre os desafios ambientais e, a partir da
reflexão, adquirir conhecimento para construir as bases da sua transformação e da sua
comunidade.
Cidadãos sensibilizados precisam ser conscientizados para então, estarem aptos
à construção de novos comportamentos ambientalmente corretos. Passa-se, então, a uma
etapa logica, em que se estrutura o processo racional de transformação, baseando-se na
aquisição de conhecimentos científicos e técnicos. É a fase da pesquisa e da aquisição
do saber.
Completando o processo de educação, chega-se, então, à fase de mobilização,
em que o individuo já sensibilizado e conscientizado, prepara e realiza a sua ação,
tornando real, para se mesmo, o abandono de seus hábitos ambientalmente incorretos e
adquirindo, progressivamente, novos comportamentos ambientais corretos. Essa é, sem
nenhuma dúvida, uma etapa de muita vigilância, pois requer a desprogramação de atos
mecanizados durante anos, quando não, toda uma vida.
Esse individuo torna-se assim, um exemplo, uma pessoa irradiadora de novos
comportamentos ambientais. Assim se constrói a transformação dentro de uma
sociedade.
2.3- Macroinvertebrados como bioindicadores
Dentre outras áreas de atividade a Limnologia estuda o uso de bioindicadores para
determinar a qualidade de agua. Bioindicação é o uso de organismos, indivíduos,
população ou comunidades para se obter informações sobre a qualidade do seu ambiente
ou parte dele. Organismos que são capazes de fornecer informações sobre a qualidade
do seu ambiente são bioindicadores.
Segundo Callisto (2002) os bioindicadores usados com maior frequência são os
chamados “macroinvertebrados bentônicos”, ou seja, são aqueles que habitam o fundo
dos sistemas aquáticos e podem ser facilmente visualizados, tais como besouros
aquáticos, libélulas e as moscas de pedra. Outros organismos indicam que determinada
água é de má qualidade. Um exemplo são as moscas e mosquitos que gostam de locais
com alta concentração de matéria orgânica e as minhocas d´água que vive no fundo em
águas correntes ou paradas, que quando em alta densidade indicam poluição orgânica.
O uso de bioindicadores é um método de avaliação de poluição dos rios, o
biomonitoramento ou monitoramento biológico é a avaliação continua de uma área com
a ajuda de bioindicadores.
Para Hauer e Lamberti (1996) o monitoramento baseado nos macroinvertebrados
bentônicos apresenta as seguintes vantagens.
 São afetados por distúrbios em todo os tipos de ambientes;
 Grandes numeram de taxa oferece grande espectro de respostas às perturbações;
 A natureza sedentária de muitos grupos permite a analise espacial do distúrbio;
 Analise temporal é possível devido ao longo ciclo de vida de alguns grupos, que
são afetados por distúrbios intermitentes;
 Analise quantitativa está bem desenvolvido e a coleta pode ser realizada
usando-se equipamentos baratos;
 Muitos métodos de analise têm sido desenvolvidos para a comunidade
bentônica;
 A resposta de muitos grupos esclarecida frente a diferentes distúrbios; e
 Macroinvertebrados bentônicos servem de alimento a várias espécies de peixes
de interesse esportivo e comercial.
A abordagem da comunidade bentônica para indicar a saúde de rios não é uma tarefa
fácil. Comunidades biológicas apresentam peculiaridades e mecanismos de regulação
que lhe são peculiares. Assim, a interpretação de dados obtidos através da analise dos
macroinvertebrados bentônicos deve ser realizada à luz de conhecimentos inerentes a
esta comunidade.
3- APRESENTAÇÃO E ANALISE DOS DADOS
Levando em conta o problema mundial da água e que o fornecimento de água
potável do município de Uberaba é retirado do rio homônimo, o presente trabalho
focou-se no estudo dos macroinvertebrados bentônicos como ferramenta para o
biomonitoramento e modelo de estudo para a educação ambiental, utilizando o rio
Uberaba como estudo de caso.
Os objetivos específicos do estudo foram:
 Conhecer a fauna de macroinvertebrados que ocorrem no trecho estudado do rio;
 Determinar a amostragem mínima para a comunidade de macroinvertebrados
bentônicos, em estudo de biomonitoramento; e
 Determinar a malha inferior a ser utilizada na triagem do material, visando
determinar o esforço de trabalho em estudos similares.
3.1- Materiais e Métodos
Substratos artificiais compostos por 200 gramas de pedra brita número 1,
previamente lavada, embaladas em sacos de sombrite 80% foram depositados na estação
de amostragem e retirados com 15 dias de exposição. O experimento foi realizado com
nove replicas.
O material foi retirado da agua, acondicionado em sacos plásticos e fixados no
momento da coleta com solução aquosa de formol. No laboratório, após tamisação, com
peneira inferior de malha igual a 0,30 mm, o material foi fracionado em duas porções,
sendo uma fração correspondente ao material retido na malha de 500 µm e outro na
malha de 300 µm.
O material foi triado e identificado com o auxilio de um estereomicroscópio ou
quando necessário utilizou-se um microscópio óptico.
Após a lavagem e triagem do material, o mesmo foi conservado em álcool e
posteriormente identificado e contado. A densidade foi expressa em números de
indivíduos por unidade amostral.
Foram utilizadas as chaves taxonômicas de Edmondson (1959) e Merrit &
Cummins(1988). A maior parte da identificação realizada foi feita no nível de família.
Para melhor interpretação dos dados foram utilizados índices de qualidade de água. São
eles: índice de riqueza, densidade total e índice de diversidade de Simpson.
Conforme Magurran (1988) o índice de riqueza mensura o número total de espécies
diferentes em um amostra, a densidade total expressa a relação da população com o
meio e o indicie de Simpson apresenta correlação positiva com a riqueza e
equitabilidade.
3.2- Resultados e Discussão
Foram relacionados um total de 34 taxa, pertencentes a 16 Ordens e seis filos.
Insecta foi a Classe dominante com 7 Ordens e 23 Famílias. Dentre os Arthropoda
foram também relacionados 2 taxa pertencentes à Classe Crustacea e 1 à Arachinida.
O material retido na malha de 500 µm apresentou 31 taxa, sendo que 11 foram
exclusivos para essa fração Physidae, Hurudinea,Ttricorythidae 1, Libellulidae,
Corduliidae, Calopterygidae, Perlidae, Naucoridae, Hellicopschydae, Gyrinidae e
Psephenidae. O material retido na malha de 300 µm apresentou 23 taxa, sendo três
exclusivas: Copepoda, Ceratopogonidae e Rhizopodea 2.
Biodiversidade pode parecer ser um conceito simples que pode ser medido sem
dificuldades, mas não é tão simples assim, deve-se levar em consideração a riqueza de
espécies que é o número de espécies e a sua equitabilidade, isto é, como o número total
de indivíduos está distribuído entre as espécies. (MAGURRAN, 1988).
Os índices de diversidade são frequentemente quantificados, visando fornecer um
indicativo de “bem estar” dos sistemas ecológicos. Os autores ponderam vários índices;
entre ele, a riqueza que é a medida mais simples da estrutura da comunidade e o índice
de Simpson que é um índice também simples e fácil de ser aplicado.
Os dados encontrados nesta amostragem ao numero total de espécies, a densidade
total e o índice de diversidade de Simpson foram respectivamente 34,5322 e 2,44.
Pelli (2001) em seu estudo no córrego gameleira encontrou riqueza variando de 8 e
18 e índice de Simpson variando de 3,1 a 5,8 na Estação 1 qualitativamente mais rica
que a Estação 2 com riqueza que varia entre 4 e 15 e índice de Simpson variando de 1,2
a 2,1. Comparando ao estudo de Pelli uma riqueza de 34 espécies indica um bem estar
no ambiente amostrado.
Com relação ao índice de diversidade de Simpson, o valor de 2,44 é pouco maior
que o índice da estação 2 considerado poluída e menor que a estação 1 considerada rica.
Isto ocorre porque grupos taxonômicos com grande dominância como os chironomideos
não foram identificados em nível de gênero. Se esta identificação tivesse sido feita, a
riqueza e a equitalidlidade da comunidade seriam maiores, o que com certeza iria elevar
o número do índice de diversidade de Simpson.
A utilização de uma ferramenta, como os macroinvertebrados indicando qualidade
de agua, somente será aceita pelos gestores ambientais e pela sociedade, caso a
comunidade cientifica demonstre a eficácia do método; porem, como apresentado,
diversas facetas devem ser ponderadas.
4- CONCLUSÃO
Nenhum ambiente natural tem sofrido tantas e tão grandes modificações quanto
os ecossistemas aquáticos isto devido ao aumento do consumo per capita da população,
dos conflitos pelos seus usos e pela poluição. A água é um recurso natural finito de
grande importância com múltiplos usos para a sociedade. A conservação desse recurso
se faz importante, pois água poluída provoca doenças entre outros prejuízos. Não
vivemos sem água e os custos de recuperação de ecossistemas aquáticos são muito mais
altos que os de preservação e conservação.
Nenhum programa de conservação tem êxito sem a participação pública e sem
educação como alicerce para promover mudança de atitudes. Educação Ambiental deve
ser feita então de maneira formal e também informal, pois cada um de nós tem que ser
educadores ambientais conscientizando e promovendo a conscientização para a
preservação dos recursos hídricos.
Diante da necessidade de alertar os gestores ambientais e a população, a
educação ambiental pode ser promovida utilizando-se dos macroinvertebrados
bentônicos como bioindicadores para à conservação dos recursos hídricos em Uberaba.
O uso destes bioindicadores nos estudos de qualidade de água do rio Uberaba mostrou-
se viável constituindo importante ferramenta para caracterização, monitoramento e
avaliação de impactos ambientais deste ambiente.
Percebemos que a fauna de macroinvertebrados no trecho do rio estudado
apresentou-se relativamente rica tendo como base alguns índices de diversidade, mas
que cuidados devidos devem ser tomados, pois em outros pontos do rio é grande a
quantidade de esgoto domestico e industrial lançado e que trabalhos de monitoramento,
de longa duração, na comunidade bentônica devem ser realizados para avaliar os níveis
de poluição.
O número de amostragem mínima demonstrou-se viável no presente trabalho,
visto que a diversidade de macroinvertebrados bentônicos na comunidade amostrada
começou a se estabilizar a partir da amostra 8. Com relação à malha inferior a ser
utilizada na triagem, a de 300µm mostrou-se importante pois esta fração, em função de
eventos aleatórios, apresentou grupos taxonômicos que não apareceram na fração de
500µm. Outro aspecto importante, que favorece a estabilização da curva espécie-
amostra mais precocemente, é o “sorteio” de alguns grupos na malha de 300 antes
destes serem amostrados pela malha de 500µm. O numero de amostras e as malhas
usadas influenciam muito nos resultados, logo o pesquisador deve traçar o delineamento
experimental em função do objetivo de seus estudos.
Precisamos preservar a biodiversidade e precisamos de água em qualidade e
quantidade para manutenção da qualidade de vida. Independentemente do estilo de
abordagem a ser utilizado, em virtude da degradação ambiental que temos assistido, o
importante é atentarmos para a preservação dos recursos naturais e manutenção dos
processos ecológicos, para que as gerações futuras possam usufruir deste bem e assim
manter o mínimo para a sustentação de um estilo de vida que garanta o bem estar
individual e social.
5- REFERENCIAS
BEZERRA, M. C. L.; MUNHOZ T. M. T. Agenda 21 Brasileira: Gestão dos
Recursos Naturais, Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Instituto Brasileiro do
Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Consorcio TC/BR/FUNATURA,
2000.
CAIRNS; PRATT, A History of Biological Monitoring Using benthic
Macroinvertebrates. In: Rosenberg D. M. & Resh, V. H. Freshwater biomonitoring
and benthic macroinvertebrates. Ed. Chapman. 1993. p. 10-27.
CALLISTO, M. Bioindicadores de Qualidade de Água. Editora da UFMG. Belo
Horizonte,2002.
CODAU. Relatório para Conselho Estadual de Recursos Hídricos. In: Bacia
Hidrográfica dos Afluentes Mineiros do Baixo Rio Grande. Uberaba 45 p., junho
2002.
EDMONSON, W. T. Freshwater Biology. John Wiley; Sons. Inc. New York. 1959.
1248p.
ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia, Rio de Janeiro. Ed. Interciência Ltda.
1988.
HAUER, F.R; LAMBERT, G. A. Methods in Stream Ecology. Academic Press
London, 1996.
MAGURRAN, A. E. Ecological Diversity and its measurements. Priceton Uneversity
Press. Grt Britain. 179p. 1988.
MERRIT, R. W.; CUMMINS, K. W. An introduction to the aquatic insects of North
America, 3rd ed. Kendall/hunt, Dubuque, Iowa 635p, 1988.
NOVAES, W. A Guerra pela água limpa. O Estado de São Paulo, São Paulo, 2002.
PELLI, A. Proposta de Índice para Avaliação da Qualidade de Água em Ambientes
Lóticos: Estudo de Aplicação no Córrego Gameleira. 2001. 116f. Tese (Doutorado
em Aquicultura) Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal.
SANTOS, C.P. Educação Ambiental – Ação e Conscientização para um mundo
melhor. Belo Horizonte. SEE/MG. 2002.
TUNDISI, J. C.; BICUDO, C. E. M.; MATSUMURA TUNDISI, T. Limnologia in
Brazil. Rio de Janeiro. Imprinta, 1995.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recursos geológicos
Recursos geológicosRecursos geológicos
Recursos geológicos
monicapimentel
 
4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)
4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)
4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)
SeleideMedeiros
 
Trabalho 1
Trabalho 1Trabalho 1
Exploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturaisExploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturais
Prof. Francesco Torres
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
Tatiana Nahas
 
biodiverdade
biodiverdade biodiverdade
biodiverdade
Dário Lisboa
 
004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012
Prefeitura Municipal de Camboriú
 
Recursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicosRecursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicos
Nuno Correia
 
Recursos Naturais Utilização E Consequências
Recursos Naturais   Utilização E ConsequênciasRecursos Naturais   Utilização E Consequências
Recursos Naturais Utilização E Consequências
verasanches
 
Apostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicosApostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicos
i_ramos
 
Escassez de Recursos: Produção e Organização do Espaço
Escassez  de Recursos: Produção e Organização do EspaçoEscassez  de Recursos: Produção e Organização do Espaço
Escassez de Recursos: Produção e Organização do Espaço
Karina Andrade
 
Recurso Natural
Recurso NaturalRecurso Natural
Recurso Natural
guest4eb994
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta
ANDRÉA FERREIRA
 
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidadeSequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Lúcio Kobayakawa
 
ciencias
cienciasciencias
ciencias
Catiabarbosa
 
RECURSOS HIDRICOS
RECURSOS HIDRICOSRECURSOS HIDRICOS
RECURSOS HIDRICOS
primaquim
 
Hidroponia e-as-macrofitas-aquaticas
Hidroponia e-as-macrofitas-aquaticasHidroponia e-as-macrofitas-aquaticas
Hidroponia e-as-macrofitas-aquaticas
Fernando Brasil
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
Plínio Gonçalves
 
Ciencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidadeCiencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidade
escolaodeteribaroli
 
CN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISCN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAIS
Luís Ferreira
 

Mais procurados (20)

Recursos geológicos
Recursos geológicosRecursos geológicos
Recursos geológicos
 
4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)
4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)
4025 texto do artigo-13363-1-10-20160211 (1)
 
Trabalho 1
Trabalho 1Trabalho 1
Trabalho 1
 
Exploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturaisExploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturais
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
biodiverdade
biodiverdade biodiverdade
biodiverdade
 
004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012
 
Recursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicosRecursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicos
 
Recursos Naturais Utilização E Consequências
Recursos Naturais   Utilização E ConsequênciasRecursos Naturais   Utilização E Consequências
Recursos Naturais Utilização E Consequências
 
Apostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicosApostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicos
 
Escassez de Recursos: Produção e Organização do Espaço
Escassez  de Recursos: Produção e Organização do EspaçoEscassez  de Recursos: Produção e Organização do Espaço
Escassez de Recursos: Produção e Organização do Espaço
 
Recurso Natural
Recurso NaturalRecurso Natural
Recurso Natural
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta
 
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidadeSequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
 
ciencias
cienciasciencias
ciencias
 
RECURSOS HIDRICOS
RECURSOS HIDRICOSRECURSOS HIDRICOS
RECURSOS HIDRICOS
 
Hidroponia e-as-macrofitas-aquaticas
Hidroponia e-as-macrofitas-aquaticasHidroponia e-as-macrofitas-aquaticas
Hidroponia e-as-macrofitas-aquaticas
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
 
Ciencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidadeCiencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidade
 
CN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISCN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAIS
 

Semelhante a A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM QUALIDADE DE AGUA.Artigo 3 evanilce

Apostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicosApostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicos
i_ramos
 
Vigiágua na Capela do Socorro
Vigiágua na Capela do SocorroVigiágua na Capela do Socorro
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Anexo i   cartilha nascentesprotegidasAnexo i   cartilha nascentesprotegidas
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Súlivan Bernardon
 
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Professora Karla Ribeiro
 
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
Daniel Oliveira Galdino
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
Flavia Carvalho
 
manual_controlador.pdf
manual_controlador.pdfmanual_controlador.pdf
manual_controlador.pdf
IgorGomesdaSilva4
 
Cartilha SAE 2009
Cartilha SAE 2009Cartilha SAE 2009
Cartilha SAE 2009
nucane
 
Artigo bioterra v17_n1_06
Artigo bioterra v17_n1_06Artigo bioterra v17_n1_06
Artigo bioterra v17_n1_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Pap012919 tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrh
Pap012919   tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrhPap012919   tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrh
Pap012919 tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrh
Evandro Sanguinetto
 
Trabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de CursoTrabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de Curso
Fábio Erler
 
(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_
(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_
(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_
Marcio Souza
 
Projeto seminarios
Projeto seminarios Projeto seminarios
Projeto seminarios
Adriana Costa
 
preservacao.pdf
preservacao.pdfpreservacao.pdf
preservacao.pdf
AmricoAlexanderSimes
 
O impacto da eutrofização
O impacto da eutrofizaçãoO impacto da eutrofização
O impacto da eutrofização
Jefferson Vieira
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
Petedanis
 
NÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdf
NÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdfNÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdf
NÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdf
Faga1939
 
Jmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmenteJmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmente
Rogerio Catanese
 
Artigo qualidade da água
Artigo qualidade da águaArtigo qualidade da água
Artigo qualidade da água
Geordano de Moura Valadão
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 

Semelhante a A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM QUALIDADE DE AGUA.Artigo 3 evanilce (20)

Apostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicosApostila recursos hidridicos
Apostila recursos hidridicos
 
Vigiágua na Capela do Socorro
Vigiágua na Capela do SocorroVigiágua na Capela do Socorro
Vigiágua na Capela do Socorro
 
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Anexo i   cartilha nascentesprotegidasAnexo i   cartilha nascentesprotegidas
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
 
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
 
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
 
manual_controlador.pdf
manual_controlador.pdfmanual_controlador.pdf
manual_controlador.pdf
 
Cartilha SAE 2009
Cartilha SAE 2009Cartilha SAE 2009
Cartilha SAE 2009
 
Artigo bioterra v17_n1_06
Artigo bioterra v17_n1_06Artigo bioterra v17_n1_06
Artigo bioterra v17_n1_06
 
Pap012919 tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrh
Pap012919   tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrhPap012919   tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrh
Pap012919 tecnologias vivas aplicadas ao saneamento rural - xx sbrh
 
Trabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de CursoTrabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de Curso
 
(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_
(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_
(158326828) 11 qualidade das-aguas_apostila_11_1_
 
Projeto seminarios
Projeto seminarios Projeto seminarios
Projeto seminarios
 
preservacao.pdf
preservacao.pdfpreservacao.pdf
preservacao.pdf
 
O impacto da eutrofização
O impacto da eutrofizaçãoO impacto da eutrofização
O impacto da eutrofização
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 
NÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdf
NÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdfNÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdf
NÃO HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA MUNDIAL DA ÁGUA.pdf
 
Jmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmenteJmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmente
 
Artigo qualidade da água
Artigo qualidade da águaArtigo qualidade da água
Artigo qualidade da água
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
 

Mais de cefaprodematupa

Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
cefaprodematupa
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
cefaprodematupa
 
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOSA IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
cefaprodematupa
 
4
44
3
33
1
11
2
22
Palavrasmagicas
PalavrasmagicasPalavrasmagicas
Palavrasmagicas
cefaprodematupa
 
Prontp
ProntpProntp
Jornal (1)
Jornal (1)Jornal (1)
Jornal (1)
cefaprodematupa
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
cefaprodematupa
 
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
cefaprodematupa
 
O alfabeto em movimento
O alfabeto em movimentoO alfabeto em movimento
O alfabeto em movimento
cefaprodematupa
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
cefaprodematupa
 
Reciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzirReciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzir
cefaprodematupa
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
cefaprodematupa
 
Contagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantilContagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantil
cefaprodematupa
 
A avaliação docente
A avaliação docenteA avaliação docente
A avaliação docente
cefaprodematupa
 
4 mortalidade das micro
4   mortalidade das micro4   mortalidade das micro
4 mortalidade das micro
cefaprodematupa
 
1 administrador
1   administrador1   administrador
1 administrador
cefaprodematupa
 

Mais de cefaprodematupa (20)

Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOSA IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
 
4
44
4
 
3
33
3
 
1
11
1
 
2
22
2
 
Palavrasmagicas
PalavrasmagicasPalavrasmagicas
Palavrasmagicas
 
Prontp
ProntpProntp
Prontp
 
Jornal (1)
Jornal (1)Jornal (1)
Jornal (1)
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
 
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
 
O alfabeto em movimento
O alfabeto em movimentoO alfabeto em movimento
O alfabeto em movimento
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
 
Reciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzirReciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzir
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
 
Contagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantilContagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantil
 
A avaliação docente
A avaliação docenteA avaliação docente
A avaliação docente
 
4 mortalidade das micro
4   mortalidade das micro4   mortalidade das micro
4 mortalidade das micro
 
1 administrador
1   administrador1   administrador
1 administrador
 

Último

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 

Último (20)

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 

A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM QUALIDADE DE AGUA.Artigo 3 evanilce

  • 1. A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM QUALIDADE DE AGUA. Dilza Netto Eliane Cristina Joenck Giovana Barbosa de Oliveira Magarete Teresinha Madalosso Paulo Roberto Coelho Tádia Regina Pelissari Mc. Orientadora Evanice Gonçalves Coelho Solange Zarth RESUMO: O presente trabalho foi realizado com o objetivo de alertar gestores ambientais, e também população, quanto à necessidade de utilizar os macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores de qualidade de água, através da educação ambiental, visando à conservação dos recursos hídricos. O estudo foi realizado no rio Uberaba, principal manancial que abastece a cidade de Uberaba. Este ambiente vem apresentando perdas na qualidade de água devido ao lançamento de esgotos domésticos e industriais. Foram utilizados substratos artificiais depositados na estação de amostragem, sendo o experimento realizado com nove réplicas. No laboratório as amostras foram lavadas, em peneiras de malha inferior igual 300µm. Após triagem, os organismos foram identificados, contados e conservados em álcool 75%. Para melhor interpretação dos dados foram utilizados índices de riqueza, densidade total e índice de diversidade de Simpson. Foram relacionados um total de 34 taxa, pertencentes a 16 Ordens e 6 filos. Sendo Insecta a Classe dominante com 7 Ordens e 23 Famílias. O número de amostragem mínima demonstrou-se viável e o substrato artificial eficiente visto que a fauna de macroinvertebrados no trecho estudado do rio apresentou-se relativamente rica. Em outros trechos do rio é grande a quantidade de esgoto domestico e industrial lançado. Futuros trabalhos de monitoramento, de longa duração, através da comunidade bentônica devem ser realizados para avaliar os níveis de poluição.
  • 2. Palavras-chave: Água. Educação Ambiental. Bioindicadores. 1- INTRODUÇÃO A Terra é azul! A mensagem remete-nos à preeminência da agua. Ela recobre três quartos da superfície do nosso planeta e constitui também 70% do nosso organismo constituindo assim um dos componentes de maior distribuição e importância na crosta terrestre. Sua importância para a vida está no fato de que nenhum processo metabólico ocorre sem a sua ação direta ou indireta (ESTEVES,1998). Os oceanos, rios, lagos geleiras, calotas polares, pântanos e alagados cobrem cerca de 354.200 km2 da Terra, e ocupam um volume total de 1.386 milhões de km3. Cerca de 94% da agua que cobre a Terra é agua do mar, não disponível para as necessidades humanas. Apenas 6% consistem de água doce fundamental para a nossa sobrevivência. Além disso, 27% estão em geleiras, 72% são água subterrânea e no máximo 1% está diretamente disponível de lagos, rios, lagoas, e a atmosfera. O Brasil tem 12% da concentração mundial de agua doce (TUNDISI et al., 1995). O número de habitantes cresce assustadoramente no planeta. Para acompanharmos este crescimento populacional ocorreu o aumento da procura por água nos setores de produção agrícola, industriais e uso doméstico. Com isso, também teve o aumento da poluição, do esgoto, do desmatamento e do lixo. Sabe-se hoje que, apesar de ser um bem renovável, a agua também pode ser finita, isto porque a poluição e a contaminação inviabilizam a sua reutilização, ou tornam o custo de tratamento inviável. A disponibilidade da água tornou-se limitada pelo comprometimento de sua qualidade. Segundo dados da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), no Brasil, todos os anos são anotados 700 mil internações decorrentes da poluição dos rios e da falta de saneamento básico. A gravidade do assunto pode ser percebida pelo que diz o capitulo 18 da Agenda 21 do plano mundial de metas ambientais estabelecidas na Eco92: “aproximadamente 80% de todas as doenças são de origem hídrica e mais de um terço das mortes em países em desenvolvimento são causadas pelo consumo de agua contaminada”(CODAU,2002). A preocupação com a qualidade da água deve-se à grande incidência de internações medicas causadas por doenças de veiculação hídrica, logo a relação entre um meio ambiente saudável e a saúde pública é muito estreita, na verdade, os dois setores andam não só de mãos dadas, como de mãos atadas, no bom e mau sentido.
  • 3. Neste momento a Educação Ambiental é uma das possíveis ferramentas de capacitação e sensibilização da população em geral sobre os problemas ambientais. Com ela busca-se desenvolver técnicas e métodos que facilitem o processo de tomadas de consciência sobre a gravidade dos problemas ambientais e a necessidade urgente de nos debruçarmos seriamente sobre eles. A agua tem sido foco de discussões não só entre cientistas, biólogos, ONGS e órgãos responsáveis, ela ganhou dimensões mais amplas. Hoje é assunto em casa, nas escolas, nas reuniões de bairros porque a responsabilidade de preservação dos recursos hídricos é de todos nós. Vários métodos são aplicados atualmente para fazer o monitoramento da qualidade de água. Os químicos, físicos e o uso de bioindicadores – espécies de insetos aquáticos, moluscos, crustáceos, plânctons e até algumas espécies de peixes que costumam viver em um determinado local, com hábitos específicos e que reagem a qualquer tipo de mudança no seu habitat. Essas reações podem ser físicas, morfológicas ou até mesmo comportamentais. Estas opções podem ser usadas individualmente ou em conjunto (CALLISTO, 2004). A analise físico-química indica a qualidade de agua em determinado ponto, no instante em que a amostra é coletada; geralmente os aparelhos usados são caros e sofisticados. Já o uso de bioindicadores permite obter dados mais específicos. Isso se deve ao ciclo de vida longo dos organismos usados; o tamanho – normalmente são grandes comparados com outros grupos – se movem pouco e por serem sensíveis à poluição. Por existir grande variedade de espécies oferecem largo espectro de respostas a mudanças ambientais. O uso do biomonitoramento ainda apresenta custo mais baixo (CAIRNS; PRATT, 1993). A poluição da água é muitas vezes mensurada através de parâmetros físico- químicos, apesar de ser um problema essencialmente biológico. O resultado de uma analise físico-química reflete as condições de uma amostra em um determinado tempo; enquanto que o monitoramento biológico oferece um indicativo das condições passadas e atuas, sendo não somente uma medida instantânea, mas sim um registro do passado recente(PELLI, 2001). Nenhum ambiente natural tem sofrido tantas e tão grandes modificações ao longo da historia da humanidade quanto os ecossistemas aquáticos. Em função do aumento de consumo per capita da população, conflitos pelo uso e poluição, estudos
  • 4. dizem que parte significativa da população mundial vai sofrer com a escassez de água (NOVAES, 2002). Pensando nisso, e também que o uso de bioindicadores em estudos de qualidade de agua constitui importante ferramenta para a caracterização, monitoramento e avaliação de impactos em ambientes aquáticos é que este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de alertar gestores ambientais e a população quanto à necessidade de utilizar os macroinvertebrados, através da educação ambiental, visando à conservação dos recursos hídricos. 2- DESENVOLVIMENTO 2.1- A importância da água. A água é um bem precioso e insubstituível, um recurso natural que pode propiciar saúde, conforto e riqueza, por meio de seus incontestáveis usos, dos quais se destacam o abastecimento das populações, a irrigação, na produção de energia, a navegação, o uso industrial e, mesmo a veiculação e o afastamento de esgoto e águas servidas. Sob o aspecto de demanda/uso, de acordo com a tipologia proposta por Bezerra e Muhoz(2000), a água pode assumir quatro tipos básicos de funções: 1. Biológica (constituição celular de animais e vegetais); 2. Natural ( meio de vida e elemento integrante dos ecossistemas); 3. Técnica (aproveitamento pelo homem das propriedades de hidrostática, hidrodinâmica, termodinâmica, ou como fator de produção), e 4. Simbólica (função associada a valores culturais e sociais). Podem ser inúmeros os usos da água na satisfação dessas funções. De acordo com a Lei que dispõe sobre a Politica Nacional do Meio Ambiente, diz-se que a água torna-se poluída quando houver “...degradação da qualidade ambiental resultante de atividade que direta ou indireta: a) prejudique a saúde, a segurança e o bem-estar da população; b) crie condições adversas às atividades sociais e econômicas; c) afete desfavoravelmente a biota; d) afete as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; e) lance matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos ” (BEZERRA; MUNHOZ, 2000).
  • 5. No documento final da Conferencia Internacional sobre a Água e Desenvolvimento Sustentável, ocorrido em Paris, 1998, verifica-se que a quarta parte da população mundial não tem acesso a água potável, mais da metade da população mundial carece de um saneamento adequado, a baixa qualidade de água e a falta de higiene figuram entre as principais causas de enfermidade e morte. São varias as doenças de veiculação hídrica, entre elas temos:  Cólera, disenteria amebiana, desistiria bacilar, febre tifoide e paratifoide, gastroenterite, giardíase, hepatite infecciosa, leptospirose, paralisia infantil, salmonelose; por ingestão de água contaminada.  Escabiose, tracoma, verminoses, tendo a água como um estagio do ciclo, esquistossomose; por contato com água contaminada.  Dengue, febre amarela, filariose, malária; por meio de insetos que se desenvolvem na água. 2.2- Fundamentos da Educação Ambiental. O processo de educação ambiental se constrói, fundamentalmente, em três momentos básicos de transformação: a sensibilização, a conscientização e a mobilização. Essas três etapas ocorrem, necessariamente, uma após a outra. (SANTOS,2002). A sensibilização consiste em despertar o individuo para a temática ambiental. Somente desperto o individuo poderá refletir sobre os desafios ambientais e, a partir da reflexão, adquirir conhecimento para construir as bases da sua transformação e da sua comunidade. Cidadãos sensibilizados precisam ser conscientizados para então, estarem aptos à construção de novos comportamentos ambientalmente corretos. Passa-se, então, a uma etapa logica, em que se estrutura o processo racional de transformação, baseando-se na aquisição de conhecimentos científicos e técnicos. É a fase da pesquisa e da aquisição do saber. Completando o processo de educação, chega-se, então, à fase de mobilização, em que o individuo já sensibilizado e conscientizado, prepara e realiza a sua ação, tornando real, para se mesmo, o abandono de seus hábitos ambientalmente incorretos e adquirindo, progressivamente, novos comportamentos ambientais corretos. Essa é, sem
  • 6. nenhuma dúvida, uma etapa de muita vigilância, pois requer a desprogramação de atos mecanizados durante anos, quando não, toda uma vida. Esse individuo torna-se assim, um exemplo, uma pessoa irradiadora de novos comportamentos ambientais. Assim se constrói a transformação dentro de uma sociedade. 2.3- Macroinvertebrados como bioindicadores Dentre outras áreas de atividade a Limnologia estuda o uso de bioindicadores para determinar a qualidade de agua. Bioindicação é o uso de organismos, indivíduos, população ou comunidades para se obter informações sobre a qualidade do seu ambiente ou parte dele. Organismos que são capazes de fornecer informações sobre a qualidade do seu ambiente são bioindicadores. Segundo Callisto (2002) os bioindicadores usados com maior frequência são os chamados “macroinvertebrados bentônicos”, ou seja, são aqueles que habitam o fundo dos sistemas aquáticos e podem ser facilmente visualizados, tais como besouros aquáticos, libélulas e as moscas de pedra. Outros organismos indicam que determinada água é de má qualidade. Um exemplo são as moscas e mosquitos que gostam de locais com alta concentração de matéria orgânica e as minhocas d´água que vive no fundo em águas correntes ou paradas, que quando em alta densidade indicam poluição orgânica. O uso de bioindicadores é um método de avaliação de poluição dos rios, o biomonitoramento ou monitoramento biológico é a avaliação continua de uma área com a ajuda de bioindicadores. Para Hauer e Lamberti (1996) o monitoramento baseado nos macroinvertebrados bentônicos apresenta as seguintes vantagens.  São afetados por distúrbios em todo os tipos de ambientes;  Grandes numeram de taxa oferece grande espectro de respostas às perturbações;  A natureza sedentária de muitos grupos permite a analise espacial do distúrbio;  Analise temporal é possível devido ao longo ciclo de vida de alguns grupos, que são afetados por distúrbios intermitentes;  Analise quantitativa está bem desenvolvido e a coleta pode ser realizada usando-se equipamentos baratos;  Muitos métodos de analise têm sido desenvolvidos para a comunidade bentônica;
  • 7.  A resposta de muitos grupos esclarecida frente a diferentes distúrbios; e  Macroinvertebrados bentônicos servem de alimento a várias espécies de peixes de interesse esportivo e comercial. A abordagem da comunidade bentônica para indicar a saúde de rios não é uma tarefa fácil. Comunidades biológicas apresentam peculiaridades e mecanismos de regulação que lhe são peculiares. Assim, a interpretação de dados obtidos através da analise dos macroinvertebrados bentônicos deve ser realizada à luz de conhecimentos inerentes a esta comunidade. 3- APRESENTAÇÃO E ANALISE DOS DADOS Levando em conta o problema mundial da água e que o fornecimento de água potável do município de Uberaba é retirado do rio homônimo, o presente trabalho focou-se no estudo dos macroinvertebrados bentônicos como ferramenta para o biomonitoramento e modelo de estudo para a educação ambiental, utilizando o rio Uberaba como estudo de caso. Os objetivos específicos do estudo foram:  Conhecer a fauna de macroinvertebrados que ocorrem no trecho estudado do rio;  Determinar a amostragem mínima para a comunidade de macroinvertebrados bentônicos, em estudo de biomonitoramento; e  Determinar a malha inferior a ser utilizada na triagem do material, visando determinar o esforço de trabalho em estudos similares. 3.1- Materiais e Métodos Substratos artificiais compostos por 200 gramas de pedra brita número 1, previamente lavada, embaladas em sacos de sombrite 80% foram depositados na estação de amostragem e retirados com 15 dias de exposição. O experimento foi realizado com nove replicas. O material foi retirado da agua, acondicionado em sacos plásticos e fixados no momento da coleta com solução aquosa de formol. No laboratório, após tamisação, com peneira inferior de malha igual a 0,30 mm, o material foi fracionado em duas porções,
  • 8. sendo uma fração correspondente ao material retido na malha de 500 µm e outro na malha de 300 µm. O material foi triado e identificado com o auxilio de um estereomicroscópio ou quando necessário utilizou-se um microscópio óptico. Após a lavagem e triagem do material, o mesmo foi conservado em álcool e posteriormente identificado e contado. A densidade foi expressa em números de indivíduos por unidade amostral. Foram utilizadas as chaves taxonômicas de Edmondson (1959) e Merrit & Cummins(1988). A maior parte da identificação realizada foi feita no nível de família. Para melhor interpretação dos dados foram utilizados índices de qualidade de água. São eles: índice de riqueza, densidade total e índice de diversidade de Simpson. Conforme Magurran (1988) o índice de riqueza mensura o número total de espécies diferentes em um amostra, a densidade total expressa a relação da população com o meio e o indicie de Simpson apresenta correlação positiva com a riqueza e equitabilidade. 3.2- Resultados e Discussão Foram relacionados um total de 34 taxa, pertencentes a 16 Ordens e seis filos. Insecta foi a Classe dominante com 7 Ordens e 23 Famílias. Dentre os Arthropoda foram também relacionados 2 taxa pertencentes à Classe Crustacea e 1 à Arachinida. O material retido na malha de 500 µm apresentou 31 taxa, sendo que 11 foram exclusivos para essa fração Physidae, Hurudinea,Ttricorythidae 1, Libellulidae, Corduliidae, Calopterygidae, Perlidae, Naucoridae, Hellicopschydae, Gyrinidae e Psephenidae. O material retido na malha de 300 µm apresentou 23 taxa, sendo três exclusivas: Copepoda, Ceratopogonidae e Rhizopodea 2. Biodiversidade pode parecer ser um conceito simples que pode ser medido sem dificuldades, mas não é tão simples assim, deve-se levar em consideração a riqueza de espécies que é o número de espécies e a sua equitabilidade, isto é, como o número total de indivíduos está distribuído entre as espécies. (MAGURRAN, 1988). Os índices de diversidade são frequentemente quantificados, visando fornecer um indicativo de “bem estar” dos sistemas ecológicos. Os autores ponderam vários índices; entre ele, a riqueza que é a medida mais simples da estrutura da comunidade e o índice de Simpson que é um índice também simples e fácil de ser aplicado.
  • 9. Os dados encontrados nesta amostragem ao numero total de espécies, a densidade total e o índice de diversidade de Simpson foram respectivamente 34,5322 e 2,44. Pelli (2001) em seu estudo no córrego gameleira encontrou riqueza variando de 8 e 18 e índice de Simpson variando de 3,1 a 5,8 na Estação 1 qualitativamente mais rica que a Estação 2 com riqueza que varia entre 4 e 15 e índice de Simpson variando de 1,2 a 2,1. Comparando ao estudo de Pelli uma riqueza de 34 espécies indica um bem estar no ambiente amostrado. Com relação ao índice de diversidade de Simpson, o valor de 2,44 é pouco maior que o índice da estação 2 considerado poluída e menor que a estação 1 considerada rica. Isto ocorre porque grupos taxonômicos com grande dominância como os chironomideos não foram identificados em nível de gênero. Se esta identificação tivesse sido feita, a riqueza e a equitalidlidade da comunidade seriam maiores, o que com certeza iria elevar o número do índice de diversidade de Simpson. A utilização de uma ferramenta, como os macroinvertebrados indicando qualidade de agua, somente será aceita pelos gestores ambientais e pela sociedade, caso a comunidade cientifica demonstre a eficácia do método; porem, como apresentado, diversas facetas devem ser ponderadas. 4- CONCLUSÃO Nenhum ambiente natural tem sofrido tantas e tão grandes modificações quanto os ecossistemas aquáticos isto devido ao aumento do consumo per capita da população, dos conflitos pelos seus usos e pela poluição. A água é um recurso natural finito de grande importância com múltiplos usos para a sociedade. A conservação desse recurso se faz importante, pois água poluída provoca doenças entre outros prejuízos. Não vivemos sem água e os custos de recuperação de ecossistemas aquáticos são muito mais altos que os de preservação e conservação. Nenhum programa de conservação tem êxito sem a participação pública e sem educação como alicerce para promover mudança de atitudes. Educação Ambiental deve ser feita então de maneira formal e também informal, pois cada um de nós tem que ser educadores ambientais conscientizando e promovendo a conscientização para a preservação dos recursos hídricos. Diante da necessidade de alertar os gestores ambientais e a população, a educação ambiental pode ser promovida utilizando-se dos macroinvertebrados
  • 10. bentônicos como bioindicadores para à conservação dos recursos hídricos em Uberaba. O uso destes bioindicadores nos estudos de qualidade de água do rio Uberaba mostrou- se viável constituindo importante ferramenta para caracterização, monitoramento e avaliação de impactos ambientais deste ambiente. Percebemos que a fauna de macroinvertebrados no trecho do rio estudado apresentou-se relativamente rica tendo como base alguns índices de diversidade, mas que cuidados devidos devem ser tomados, pois em outros pontos do rio é grande a quantidade de esgoto domestico e industrial lançado e que trabalhos de monitoramento, de longa duração, na comunidade bentônica devem ser realizados para avaliar os níveis de poluição. O número de amostragem mínima demonstrou-se viável no presente trabalho, visto que a diversidade de macroinvertebrados bentônicos na comunidade amostrada começou a se estabilizar a partir da amostra 8. Com relação à malha inferior a ser utilizada na triagem, a de 300µm mostrou-se importante pois esta fração, em função de eventos aleatórios, apresentou grupos taxonômicos que não apareceram na fração de 500µm. Outro aspecto importante, que favorece a estabilização da curva espécie- amostra mais precocemente, é o “sorteio” de alguns grupos na malha de 300 antes destes serem amostrados pela malha de 500µm. O numero de amostras e as malhas usadas influenciam muito nos resultados, logo o pesquisador deve traçar o delineamento experimental em função do objetivo de seus estudos. Precisamos preservar a biodiversidade e precisamos de água em qualidade e quantidade para manutenção da qualidade de vida. Independentemente do estilo de abordagem a ser utilizado, em virtude da degradação ambiental que temos assistido, o importante é atentarmos para a preservação dos recursos naturais e manutenção dos processos ecológicos, para que as gerações futuras possam usufruir deste bem e assim manter o mínimo para a sustentação de um estilo de vida que garanta o bem estar individual e social.
  • 11. 5- REFERENCIAS BEZERRA, M. C. L.; MUNHOZ T. M. T. Agenda 21 Brasileira: Gestão dos Recursos Naturais, Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Consorcio TC/BR/FUNATURA, 2000. CAIRNS; PRATT, A History of Biological Monitoring Using benthic Macroinvertebrates. In: Rosenberg D. M. & Resh, V. H. Freshwater biomonitoring and benthic macroinvertebrates. Ed. Chapman. 1993. p. 10-27. CALLISTO, M. Bioindicadores de Qualidade de Água. Editora da UFMG. Belo Horizonte,2002. CODAU. Relatório para Conselho Estadual de Recursos Hídricos. In: Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros do Baixo Rio Grande. Uberaba 45 p., junho 2002. EDMONSON, W. T. Freshwater Biology. John Wiley; Sons. Inc. New York. 1959. 1248p. ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia, Rio de Janeiro. Ed. Interciência Ltda. 1988. HAUER, F.R; LAMBERT, G. A. Methods in Stream Ecology. Academic Press London, 1996. MAGURRAN, A. E. Ecological Diversity and its measurements. Priceton Uneversity Press. Grt Britain. 179p. 1988. MERRIT, R. W.; CUMMINS, K. W. An introduction to the aquatic insects of North America, 3rd ed. Kendall/hunt, Dubuque, Iowa 635p, 1988. NOVAES, W. A Guerra pela água limpa. O Estado de São Paulo, São Paulo, 2002. PELLI, A. Proposta de Índice para Avaliação da Qualidade de Água em Ambientes Lóticos: Estudo de Aplicação no Córrego Gameleira. 2001. 116f. Tese (Doutorado em Aquicultura) Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal. SANTOS, C.P. Educação Ambiental – Ação e Conscientização para um mundo melhor. Belo Horizonte. SEE/MG. 2002. TUNDISI, J. C.; BICUDO, C. E. M.; MATSUMURA TUNDISI, T. Limnologia in Brazil. Rio de Janeiro. Imprinta, 1995.