SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTE
GREGA
Aula cedida por Andrea Dressler
Contexto
 Os gregos antigos tiveram muito
destaque nas produções artísticas e
culturais. Foram exímios construtores,
escultores e filósofos.
 Eram racionais e antropocêntricos e
seus atos eram norteados por esses
princípios.
 Buscavam representar, através das
artes, cenas do cotidiano grego,
acontecimentos históricos e,
principalmente, temas mitológicos e
desportivos.
“Escola de Atenas”, Rafael
Pintura renascentista que retrata os
principais intelectuais gregos
1: Zenão de Cítio ou Zenão de Eleia 2: Epicuro 3: desconhecido (acredita-se ser o próprio Rafael)4: Anicius Manlius
Severinus Boethius ou Anaximandro ou Empédocles 5:Averroes 6: Pitágoras 7: Alcibíades ou Alexandre, o
Grande 8: Antístenes ou Xenofonte 9: Rafael, ou Monalisa, Fornarina como uma personificação do Amor ou ainda
Francesco Maria della Rovere 10: Ésquines ou Xenofonte 11: Parménides 12: Sócrates 13: Heráclito ou Miguelângelo.
14: Platão segurando o Timeu (Leonardo da Vinci). 15:Aristóteles segurando Ética a Nicômaco 16: Diógenes de
Sínope 17: Plotino 18: Euclides ou Arquimedes acompanhado de estudantes (Bramante)
19: Estrabão ou Zoroastro(Baldassare Castiglione ou Pietro Bembo). 20: Ptolomeu R: Apeles (Rafael). 21: Protogenes (Il
Sodoma ou Pietro Perugino).
 É na antiguidade que surgem os primeiros conceitos teóricos
a respeito da sistematização e estudo das artes.
 Estética clássica  culturas grega e romana.
 A produção da arte a serviço da espiritualidade- MITOLOGIA
 Busca de métodos- produção áurea e cânones de beleza
>>>>>NATURALISMO E IDEALISMO ( O REAL
APREFEIÇOADO)
Arte grega
Arte grega
 O ideal, para os gregos, é representado pela Perfeição
da Natureza, desta forma, a arte deve ser perfeita.
 Arte é imitação da Natureza, mas não se resume a um
simples retrato dela, mas à busca de uma Natureza
ideal e universal.
 Não existe separação, segundo este ponto de vista,
entre arte, ciência, matemática e filosofia: todo o
conhecimento humano está voltado à busca da
perfeição.
•Naturalismo e idealismo
Naturalismo: ambição de colocar diante do
observador uma semelhança convincente das
aparências reais das coisas. Arte se aproxima
da realidade e não da representação.
O REALISMO É NATURALISTA E MOSTRA O
MUNDO COMO É NA CONCEPÇÃO DO
ARTISTA. O IDEALISMO É NATURALISTA,
PORÉM MOSTRA O MUNDO IDEAL, O REAL
APERFEIÇOADO.
 A arte grega por excelência foi a escultura
 Busca pelas relações naturais perfeitas-padrões de beleza
Avanços técnicos
 Proporções dos corpos humanos ideais seguiam normas
rígidas, de forma que a produção escultórica fosse uma
busca e uma conseqüência destes padrões.
 Esta canonização chegou até os dias atuais
principalmente pela preservação dos textos vitruvianos
durante a Idade Média, mas é possível que tratados
diversos possuíssem regras diferentes.
Escultura
 Os escultores gregos, por vezes chamados de
gênios, foram exímios em seu ofício.
 Entalhavam a pedra com grande maestria e
delicadeza.
 As obras apresentavam movimento adequado
à ação e ao estudo da proporção anatômica.
 Buscavam a perfeição estética e primavam por
uma constante representação realista.
PERÍODO ARCAICO
 “Kouros” (rapaz), eram estatuetas feitas
em pedra representando figuras
masculinas perfeitamente simétricas,
provavelmente soldados. A posição
frontal é inspirada na arte egípcia.
 PAG. 42
Período Clássico (séc. VIII a V a.C.)
Cânones (regras de representação)
Um modelo seria proporcionalmente perfeito e tido como símbolo de beleza se
apresentasse uma medida perfeita.
Primeiro Policleto estipulou que um corpo
normalmente constituído poderia "conter" sete
vezes a medida da cabeça da figura humana
(Doríforo)
Depois Lísipo alterou essa medida para
8 cabeças. (Apoxiomenos)
O Discóbolo, Lançador de Discos.
Escultura em mármore baseada na estatueta de bronze de Miron, de
455 a.C.
 Mais tarde
introduziu-se o
conceito de
contraposto –
posição na qual a
escultura se apoiava
totalmente numa
perna, deixando a
outra livre causando
maior dinamismo
nas representações
de atletas em plena
ação.
 Nervos, músculos,
veias, expressões e
sentimentos são
observados nas
esculturas.
 Os temas mais
usados foram a
mitologia,
principalmente,
representações de
deuses e deusas, e o
atletismo.
 Entre os grandes
artistas do classicismo
estão: Policleto,
Miron, Praxísteles e
Fídias.
Período Clássico (séc. VIII a V a.C.)
Cópia romana de Afrodite de Cnido,
esculpida por Praxíteles: primeiro nu
feminino em tamanho natural.
 Surge o nu feminino com muita suavidade e delicadeza.
Afrodite de Cápua, de Lisipo,
representando a sensualidade de uma
deusa com os troncos despidos;
Afrodite, de Milo. Essa
obra foi criada com intuito
de unir o princípio aplicado
na “Afrodite de Cnido” com
a nudez parcial da “Afrodite
de Cápua”.
Cópia romana de O soldado de gálata e sua
mulher. O original grego data da primeira
metade do século III a.C. Altura: 2,11 m. Museu
fNazionale delle Terme, Roma).
 No Período Helenístico (séc. IV a II a.C.) os
escultores abandonaram a
representação ideal na busca pelo real.
 Novas técnicas e materiais favoreceram a
criação de formas muito expressivas e de
grande valor estético e, por vezes,
propagandístico.
Período Helenístico
 O grande desafio e a grande conquista da escultura desse período foi a representação,
não de uma figura apenas mas de grupos de figuras que mantivesses a sugestão de
mobilidade. O belo deveria ser apreciado por todos os ângulos.
 PAG.45
Laoconte e seus filhos
Representa a vingança de Poseidon
contra Laocoonte e seus dois filhos,
sendo estrangulados por duas
serpentes marinhas ao tentar impedir a
entrada do cavalo de Troia dentro dos
muros da cidade.
Com toda a sua força ele tenta
desesperadamente se libertar do
estrangulamento das serpentes.
O seu corpo e membros assumem
uma posição em torsão e ao mesmo
tempo pluridimensional no espaço,
lançando-se para frente. A expressão
de dor no seu rosto no contexto da
cena são extremamente teatrais.
Arquitetura
Templos- PAG. 46
 Os templos eram erguidos em
homenagem aos deuses gregos.
 Suas formas são copiadas ainda
hoje e causam espanto pela beleza
e consistente estrutura.
 Um dos templos gregos mais
conhecidos é o Partenon, que fica
na Acrópole de Atenas, feito em
homenagem à deusa Atena
(protetora da cidade).
Sua largura é de quase 70 metros de
comprimento por 30 metros de largura. No
exterior, as colunas têm mais de 10 metros
de altura por 1,8 metros de diâmetro.
 Foi construído em mármore
no ponto mais alto da cidade,
entre os anos de 447 e 438
a.C. Além das funções
religiosos, foi utilizado
também como ponto de
observação militar.
 As colunas desse templo
seguiram o estilo
arquitetônico dórico e
apresentava, na parte
superior um belo frontão
com painel em baixo-relevo
executado pelo grande
escultor Fídias.
Note como o templo fica no lugar mais alto da
cidade. Esse lugar se chama Acrópole.
 Mais elegante
 Linhas curvas
e delicadas
DÓRICAS JÔNICAS
 Mais antiga
 Linhas retas
 Simples
 Variação da Jônica
 Rebuscada e com
elementos vegetais
 Colunas com formatos
femininos
As colunas gregas- PAG. 48
CORÍNTIAS CARIÁTIDES
Arte grega
Estudos já provaram que, bem diferente
de como é hoje, o Partenon era muito
colorido, tanto no seu exterior como nos
frisos internos.
Ao contrário do que se pensa, os rituais religiosos eram feitos fora do templo.
Seu interior servia para guardar a grande estátua de Atenas e um monte
de oferendas deixadas pelos fiéis como tigelas de prata e ouro, cálices e
lamparinas.
A grande estátua, de cerca de 12 metros de altura, era um exemplar em ouro
e marfim sobre uma estrutura de madeira, representando a deusa de pé
segurando Nike, a deusa da vitória, em sua mão. Sua construção foi mais
cara do que todo o templo, porém, não sobreviveu ao tempo, sendo
destruída em um incêndio no século 3.
Essa é apenas uma réplica na frente do parlamento de Atenas, na Áustria
com a mais provável aparência da estátua original.
Atualmente existe uma réplica do Partenon
em Nashville, Estados Unidos, inclusive com uma
réplica da estátua de Atenas.
Curiosidade
Teatros
 Os teatros eram de grande
extensões que tinham
capacidade para abrigar toda a
população da cidade.
 Feitos em pedra em constituídos
por um espaço circular que
continha o altar de Dionísio,
chamado de orquestra, onde o
coro cantava, dançava e os
atores representavam.
Arte grega
 Os palcos eram singelos e os espectadores acomodavam-se em
arquibancadas ou degraus que ficavam em volta da orquestra.
 As apresentações tinham lugar durante o dia, ao ar livre.
 Podemos citar o Teatro de Epidauro, que foi projetado por Policleto entre
370 e 360 a.C. Sua capacidade era de até 18 mil pessoas.
 Esses teatros eram
construídos em lugares
de pouco ruído para evitar
a interferência dos sons
urbanos.
 Sua forma favorecia a
ventilação, pois o vento
passava atrás do palco
em direção aos
espectadores.
 O objetivo, além de
refrescar, era uma forma
de auxiliar a difusão das
falas e sons diversos do
palco para a plateia.
Pintura
A pintura da Grécia Antiga,
embora em seu tempo uma
das mais populares e
prestigiadas formas de arte
da Grécia Antiga , é uma das
menos conhecidas nos dias
de hoje, graças à inexistência
quase total de exemplos
sobreviventes em mural ou
painel portátil, e a maior
parte do que se sabe deriva
de fontes literárias e de
cópias romanas.
Afresco O Rapto
de Perséfone, de
autor anônimo,
na Pequena
Tumba Real em
Vergina, século IV
a.C.
Placa de madeira pintada, encontrada em Corinto. Século VI
a.C. Museu Arqueológico Nacional de Atenas.
Afresco mostrando
o Sacrifício de Ifigênia,
possível cópia de
Timantes. Encontrado
na Casa do Poeta Trágico,
em Pompeia, área que
preserva muitas obras
murais herdeiras da
tradição pictórica grega
Tipos de vasos
O caso da cerâmica é
diferente, e ainda existe
um grande acervo de
vasos pintados. Porém,
a pintura em cerâmica
tinha convenções
próprias e só
vagamente serve como
guia na compreensão
do estilo pictórico grego
como um todo.
A história da pintura dos vasos gregos pode
ser dividida estilisticamente em:
 Estilo Protogeométrico – de
aproximadamente 1050 a.C.;
 Estilo Geométrico – de
aproximadamente 900 a.C.;
 Estilo Arcaico – de
aproximadamente 750 a.C.;
 Pinturas negras – do aproximadamente
entre 700 a 600 a.C;
 Pinturas vermelhas – de
aproximadamente 530 a.C..
 As formas são chapadas e
mostram um dinamismo bem
relativo.
 Há predominância de tons
terrosos, branco e preto, com
alternância de aplicação entre eles.
 Além de servir para rituais
religiosos, esses vasos eram
usados para armazenar, entre
outras coisas, água, vinho, azeite e
mantimentos.
 Por isso, sua forma correspondia à
função para a qual eram
destinados.
Figuras vermelhas:
Cratera ática de figuras vermelhas, ca. 460 a.C.;
período clássico, atribuída ao "Pintor Dânae".
Metropolitan Museum, Nova York
 Os temas apresentavam pessoas em suas
atividades diárias e cenas da mitologia
grega.
Figuras negras:
Achilles (Aquiles) e Ajax jogam aos dados.
Ânfora com figura a negro, por Exekias, c. 540
BC, Museu Etrusco Gregoriano, Vaticano,
Roma
Disponível em:
arteeducacaodf.blogspot.com.br
Bibliografia
Estudo dirigido de Artes: ensino médio.
Volume único. Borges e Ribeiro. Brasília,
DF: editora do centro, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
Sandro Bottene
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte na idade média
Arte na idade média Arte na idade média
Arte na idade média
Meire Falco
 
Arte Egípcia
Arte Egípcia Arte Egípcia
Arte Egípcia
Andrea Dressler
 
Aula arte egipicia
Aula arte egipiciaAula arte egipicia
Aula arte egipicia
Mariaprofessora
 
História da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte MedievalHistória da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte Medieval
Raphael Lanzillotte
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
Michelle Maf
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
zildagomesk
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
Alexandre Gonçalves
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Sandro Bottene
 
ARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIAARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIA
Cristiane Seibt
 
ARTE PRÉ COLOMBIANA
ARTE PRÉ COLOMBIANAARTE PRÉ COLOMBIANA
ARTE PRÉ COLOMBIANA
Cristiane Seibt
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
ArtesElisa
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
Cristiane Seibt
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Andrea Dressler
 
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosHistória da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
Maiara Giordani
 
Arte greco romana
Arte greco romanaArte greco romana
Arte greco romana
cattonia
 
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e RomaArte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
Luan Lucena
 

Mais procurados (20)

Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Arte na idade média
Arte na idade média Arte na idade média
Arte na idade média
 
Arte Egípcia
Arte Egípcia Arte Egípcia
Arte Egípcia
 
Aula arte egipicia
Aula arte egipiciaAula arte egipicia
Aula arte egipicia
 
História da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte MedievalHistória da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte Medieval
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
ARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIAARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIA
 
ARTE PRÉ COLOMBIANA
ARTE PRÉ COLOMBIANAARTE PRÉ COLOMBIANA
ARTE PRÉ COLOMBIANA
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
 
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosHistória da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
 
Arte greco romana
Arte greco romanaArte greco romana
Arte greco romana
 
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e RomaArte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
 

Semelhante a Arte grega

Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Adriana Guimarães Manaro
 
Grécia escultura 2
Grécia escultura 2Grécia escultura 2
Grécia escultura 2
António Silva
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
guestf7402f6
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
Camila
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
Endelion
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Kauan Brito
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
Carlos Benjoino Bidu
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
Edenilson Morais
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
Rita Cavalheiro
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
VIVIAN TROMBINI
 
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
www.historiadasartes.com
 
Slide da aula de artes
Slide da aula de artesSlide da aula de artes
Slide da aula de artes
Josielligton
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
chicovalmir
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
Cinthya Nascimento
 
As artes gregas
As artes gregasAs artes gregas
As artes gregas
Bruno Machado
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
ArtesElisa
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
majalle atelier
 
Arte grega
Arte gregaArte grega

Semelhante a Arte grega (20)

Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
Grécia escultura 2
Grécia escultura 2Grécia escultura 2
Grécia escultura 2
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
 
Slide da aula de artes
Slide da aula de artesSlide da aula de artes
Slide da aula de artes
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
As artes gregas
As artes gregasAs artes gregas
As artes gregas
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 

Mais de Aline Raposo

Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
Aline Raposo
 
Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
Aline Raposo
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
Aline Raposo
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
Aline Raposo
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
Aline Raposo
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBG
Aline Raposo
 
Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco
Aline Raposo
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
Aline Raposo
 
Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4
Aline Raposo
 
Arte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscarasArte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscaras
Aline Raposo
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
Aline Raposo
 
Tabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçaoTabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçao
Aline Raposo
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
Aline Raposo
 
Apresentação teatro medieval
Apresentação teatro medievalApresentação teatro medieval
Apresentação teatro medieval
Aline Raposo
 
A xilogravura no cordel
A xilogravura no cordelA xilogravura no cordel
A xilogravura no cordel
Aline Raposo
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
Aline Raposo
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Aline Raposo
 
Maneirismo e rococó
Maneirismo e rococóManeirismo e rococó
Maneirismo e rococó
Aline Raposo
 
Artes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicasArtes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicas
Aline Raposo
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
Aline Raposo
 

Mais de Aline Raposo (20)

Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
 
Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBG
 
Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
 
Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4
 
Arte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscarasArte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscaras
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
Tabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçaoTabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçao
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
 
Apresentação teatro medieval
Apresentação teatro medievalApresentação teatro medieval
Apresentação teatro medieval
 
A xilogravura no cordel
A xilogravura no cordelA xilogravura no cordel
A xilogravura no cordel
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; Neoclassicismo
 
Maneirismo e rococó
Maneirismo e rococóManeirismo e rococó
Maneirismo e rococó
 
Artes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicasArtes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicas
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
 

Último

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 

Arte grega

  • 1. ARTE GREGA Aula cedida por Andrea Dressler
  • 2. Contexto  Os gregos antigos tiveram muito destaque nas produções artísticas e culturais. Foram exímios construtores, escultores e filósofos.  Eram racionais e antropocêntricos e seus atos eram norteados por esses princípios.  Buscavam representar, através das artes, cenas do cotidiano grego, acontecimentos históricos e, principalmente, temas mitológicos e desportivos. “Escola de Atenas”, Rafael Pintura renascentista que retrata os principais intelectuais gregos
  • 3. 1: Zenão de Cítio ou Zenão de Eleia 2: Epicuro 3: desconhecido (acredita-se ser o próprio Rafael)4: Anicius Manlius Severinus Boethius ou Anaximandro ou Empédocles 5:Averroes 6: Pitágoras 7: Alcibíades ou Alexandre, o Grande 8: Antístenes ou Xenofonte 9: Rafael, ou Monalisa, Fornarina como uma personificação do Amor ou ainda Francesco Maria della Rovere 10: Ésquines ou Xenofonte 11: Parménides 12: Sócrates 13: Heráclito ou Miguelângelo. 14: Platão segurando o Timeu (Leonardo da Vinci). 15:Aristóteles segurando Ética a Nicômaco 16: Diógenes de Sínope 17: Plotino 18: Euclides ou Arquimedes acompanhado de estudantes (Bramante) 19: Estrabão ou Zoroastro(Baldassare Castiglione ou Pietro Bembo). 20: Ptolomeu R: Apeles (Rafael). 21: Protogenes (Il Sodoma ou Pietro Perugino).
  • 4.  É na antiguidade que surgem os primeiros conceitos teóricos a respeito da sistematização e estudo das artes.  Estética clássica  culturas grega e romana.
  • 5.  A produção da arte a serviço da espiritualidade- MITOLOGIA  Busca de métodos- produção áurea e cânones de beleza >>>>>NATURALISMO E IDEALISMO ( O REAL APREFEIÇOADO)
  • 8.  O ideal, para os gregos, é representado pela Perfeição da Natureza, desta forma, a arte deve ser perfeita.  Arte é imitação da Natureza, mas não se resume a um simples retrato dela, mas à busca de uma Natureza ideal e universal.  Não existe separação, segundo este ponto de vista, entre arte, ciência, matemática e filosofia: todo o conhecimento humano está voltado à busca da perfeição. •Naturalismo e idealismo
  • 9. Naturalismo: ambição de colocar diante do observador uma semelhança convincente das aparências reais das coisas. Arte se aproxima da realidade e não da representação. O REALISMO É NATURALISTA E MOSTRA O MUNDO COMO É NA CONCEPÇÃO DO ARTISTA. O IDEALISMO É NATURALISTA, PORÉM MOSTRA O MUNDO IDEAL, O REAL APERFEIÇOADO.
  • 10.  A arte grega por excelência foi a escultura  Busca pelas relações naturais perfeitas-padrões de beleza Avanços técnicos
  • 11.  Proporções dos corpos humanos ideais seguiam normas rígidas, de forma que a produção escultórica fosse uma busca e uma conseqüência destes padrões.  Esta canonização chegou até os dias atuais principalmente pela preservação dos textos vitruvianos durante a Idade Média, mas é possível que tratados diversos possuíssem regras diferentes.
  • 13.  Os escultores gregos, por vezes chamados de gênios, foram exímios em seu ofício.  Entalhavam a pedra com grande maestria e delicadeza.  As obras apresentavam movimento adequado à ação e ao estudo da proporção anatômica.  Buscavam a perfeição estética e primavam por uma constante representação realista.
  • 14. PERÍODO ARCAICO  “Kouros” (rapaz), eram estatuetas feitas em pedra representando figuras masculinas perfeitamente simétricas, provavelmente soldados. A posição frontal é inspirada na arte egípcia.  PAG. 42
  • 15. Período Clássico (séc. VIII a V a.C.)
  • 16. Cânones (regras de representação) Um modelo seria proporcionalmente perfeito e tido como símbolo de beleza se apresentasse uma medida perfeita. Primeiro Policleto estipulou que um corpo normalmente constituído poderia "conter" sete vezes a medida da cabeça da figura humana (Doríforo) Depois Lísipo alterou essa medida para 8 cabeças. (Apoxiomenos)
  • 17. O Discóbolo, Lançador de Discos. Escultura em mármore baseada na estatueta de bronze de Miron, de 455 a.C.  Mais tarde introduziu-se o conceito de contraposto – posição na qual a escultura se apoiava totalmente numa perna, deixando a outra livre causando maior dinamismo nas representações de atletas em plena ação.
  • 18.  Nervos, músculos, veias, expressões e sentimentos são observados nas esculturas.  Os temas mais usados foram a mitologia, principalmente, representações de deuses e deusas, e o atletismo.  Entre os grandes artistas do classicismo estão: Policleto, Miron, Praxísteles e Fídias.
  • 19. Período Clássico (séc. VIII a V a.C.) Cópia romana de Afrodite de Cnido, esculpida por Praxíteles: primeiro nu feminino em tamanho natural.  Surge o nu feminino com muita suavidade e delicadeza. Afrodite de Cápua, de Lisipo, representando a sensualidade de uma deusa com os troncos despidos; Afrodite, de Milo. Essa obra foi criada com intuito de unir o princípio aplicado na “Afrodite de Cnido” com a nudez parcial da “Afrodite de Cápua”.
  • 20. Cópia romana de O soldado de gálata e sua mulher. O original grego data da primeira metade do século III a.C. Altura: 2,11 m. Museu fNazionale delle Terme, Roma).  No Período Helenístico (séc. IV a II a.C.) os escultores abandonaram a representação ideal na busca pelo real.  Novas técnicas e materiais favoreceram a criação de formas muito expressivas e de grande valor estético e, por vezes, propagandístico. Período Helenístico
  • 21.  O grande desafio e a grande conquista da escultura desse período foi a representação, não de uma figura apenas mas de grupos de figuras que mantivesses a sugestão de mobilidade. O belo deveria ser apreciado por todos os ângulos.  PAG.45 Laoconte e seus filhos Representa a vingança de Poseidon contra Laocoonte e seus dois filhos, sendo estrangulados por duas serpentes marinhas ao tentar impedir a entrada do cavalo de Troia dentro dos muros da cidade. Com toda a sua força ele tenta desesperadamente se libertar do estrangulamento das serpentes. O seu corpo e membros assumem uma posição em torsão e ao mesmo tempo pluridimensional no espaço, lançando-se para frente. A expressão de dor no seu rosto no contexto da cena são extremamente teatrais.
  • 23. Templos- PAG. 46  Os templos eram erguidos em homenagem aos deuses gregos.  Suas formas são copiadas ainda hoje e causam espanto pela beleza e consistente estrutura.  Um dos templos gregos mais conhecidos é o Partenon, que fica na Acrópole de Atenas, feito em homenagem à deusa Atena (protetora da cidade). Sua largura é de quase 70 metros de comprimento por 30 metros de largura. No exterior, as colunas têm mais de 10 metros de altura por 1,8 metros de diâmetro.
  • 24.  Foi construído em mármore no ponto mais alto da cidade, entre os anos de 447 e 438 a.C. Além das funções religiosos, foi utilizado também como ponto de observação militar.  As colunas desse templo seguiram o estilo arquitetônico dórico e apresentava, na parte superior um belo frontão com painel em baixo-relevo executado pelo grande escultor Fídias. Note como o templo fica no lugar mais alto da cidade. Esse lugar se chama Acrópole.
  • 25.  Mais elegante  Linhas curvas e delicadas DÓRICAS JÔNICAS  Mais antiga  Linhas retas  Simples  Variação da Jônica  Rebuscada e com elementos vegetais  Colunas com formatos femininos As colunas gregas- PAG. 48 CORÍNTIAS CARIÁTIDES
  • 27. Estudos já provaram que, bem diferente de como é hoje, o Partenon era muito colorido, tanto no seu exterior como nos frisos internos.
  • 28. Ao contrário do que se pensa, os rituais religiosos eram feitos fora do templo. Seu interior servia para guardar a grande estátua de Atenas e um monte de oferendas deixadas pelos fiéis como tigelas de prata e ouro, cálices e lamparinas. A grande estátua, de cerca de 12 metros de altura, era um exemplar em ouro e marfim sobre uma estrutura de madeira, representando a deusa de pé segurando Nike, a deusa da vitória, em sua mão. Sua construção foi mais cara do que todo o templo, porém, não sobreviveu ao tempo, sendo destruída em um incêndio no século 3. Essa é apenas uma réplica na frente do parlamento de Atenas, na Áustria com a mais provável aparência da estátua original.
  • 29. Atualmente existe uma réplica do Partenon em Nashville, Estados Unidos, inclusive com uma réplica da estátua de Atenas. Curiosidade
  • 30. Teatros  Os teatros eram de grande extensões que tinham capacidade para abrigar toda a população da cidade.  Feitos em pedra em constituídos por um espaço circular que continha o altar de Dionísio, chamado de orquestra, onde o coro cantava, dançava e os atores representavam.
  • 32.  Os palcos eram singelos e os espectadores acomodavam-se em arquibancadas ou degraus que ficavam em volta da orquestra.  As apresentações tinham lugar durante o dia, ao ar livre.  Podemos citar o Teatro de Epidauro, que foi projetado por Policleto entre 370 e 360 a.C. Sua capacidade era de até 18 mil pessoas.
  • 33.  Esses teatros eram construídos em lugares de pouco ruído para evitar a interferência dos sons urbanos.  Sua forma favorecia a ventilação, pois o vento passava atrás do palco em direção aos espectadores.  O objetivo, além de refrescar, era uma forma de auxiliar a difusão das falas e sons diversos do palco para a plateia.
  • 34. Pintura A pintura da Grécia Antiga, embora em seu tempo uma das mais populares e prestigiadas formas de arte da Grécia Antiga , é uma das menos conhecidas nos dias de hoje, graças à inexistência quase total de exemplos sobreviventes em mural ou painel portátil, e a maior parte do que se sabe deriva de fontes literárias e de cópias romanas.
  • 35. Afresco O Rapto de Perséfone, de autor anônimo, na Pequena Tumba Real em Vergina, século IV a.C.
  • 36. Placa de madeira pintada, encontrada em Corinto. Século VI a.C. Museu Arqueológico Nacional de Atenas.
  • 37. Afresco mostrando o Sacrifício de Ifigênia, possível cópia de Timantes. Encontrado na Casa do Poeta Trágico, em Pompeia, área que preserva muitas obras murais herdeiras da tradição pictórica grega
  • 38. Tipos de vasos O caso da cerâmica é diferente, e ainda existe um grande acervo de vasos pintados. Porém, a pintura em cerâmica tinha convenções próprias e só vagamente serve como guia na compreensão do estilo pictórico grego como um todo.
  • 39. A história da pintura dos vasos gregos pode ser dividida estilisticamente em:  Estilo Protogeométrico – de aproximadamente 1050 a.C.;  Estilo Geométrico – de aproximadamente 900 a.C.;  Estilo Arcaico – de aproximadamente 750 a.C.;  Pinturas negras – do aproximadamente entre 700 a 600 a.C;  Pinturas vermelhas – de aproximadamente 530 a.C..
  • 40.  As formas são chapadas e mostram um dinamismo bem relativo.  Há predominância de tons terrosos, branco e preto, com alternância de aplicação entre eles.  Além de servir para rituais religiosos, esses vasos eram usados para armazenar, entre outras coisas, água, vinho, azeite e mantimentos.  Por isso, sua forma correspondia à função para a qual eram destinados.
  • 41. Figuras vermelhas: Cratera ática de figuras vermelhas, ca. 460 a.C.; período clássico, atribuída ao "Pintor Dânae". Metropolitan Museum, Nova York  Os temas apresentavam pessoas em suas atividades diárias e cenas da mitologia grega. Figuras negras: Achilles (Aquiles) e Ajax jogam aos dados. Ânfora com figura a negro, por Exekias, c. 540 BC, Museu Etrusco Gregoriano, Vaticano, Roma
  • 42. Disponível em: arteeducacaodf.blogspot.com.br Bibliografia Estudo dirigido de Artes: ensino médio. Volume único. Borges e Ribeiro. Brasília, DF: editora do centro, 2011.