SlideShare uma empresa Scribd logo
IDADEMÉDIA
Arte Românica, Bizantina e
Gótica
• Após as invasões bárbaras o Império Romano,
em 395 d.C, foi dividido em:
Império Romano do Ocidente (com capital
em Roma)
Império Romano do Oriente (com capital
em Constantinolpla – atualmente Istambul, na
Turquia)
Como o Império Romano foi dividido?
• A Arte Bizantina corresponde à arte produzida na antiga cidade de
Bizâncio (daí o nome Bizantina), capital do Império Romano do
Oriente.
• A capital do Império Romano do Oriente foi fundada pelo imperador
romano Constantino e por isso ele mudou o nome da cidade para
Constantinopla (atualmente Istambul, na Turquia).
Arte Bizantina
Uma vez oficializado, defronta-se
imediatamente com as necessidades
do culto público, isto é, a
necessidade de locais adequados à
reunião dos fiéis, cada vez mais
numerosos, e à celebração dos atos
litúrgicos.
Todos os cuidados voltam-se para o
interior, não só para criar espaço,
também para sugestionar, pela
estrutura e decoração, o espírito do
crente.
A igreja bizantina, por exemplo,
externamente simples e
inexpressiva, tem interiores que
deslumbram, revestidos de
cintilantes e suntuosos mosaicos, de
mármores, de cores variadas e de
calculados efeitos luminosos.
Logo que se converteu, Constantino determinou a construção de templos
em Roma e Jerusalém. Surgem então as primeiras basílicas cristãse
• A expressão máxima da arte bizantina são os mosaicos.
• A arte bizantina tinha um objetivo: expressar a autoridade absoluta e
sagrada do imperador, considerado o representante de Deus, com poderes
temporais e espirituais.
Para que a arte atingisse esse objetivo, uma série
de convenções foi estabelecida. Tudo o que
poderia ser representado (posição e tamanho da
pessoa, roupa, gestos símbolos), era rigorosa e
previamente determinado.
Nessa época portanto o artista não possui
liberdade criativa, e nem era conhecido
artisticamente.
• Mosaico em estilo bizantino que mostra o imperador Justiniano (547-548
d.C.) e Imperatriz Teodora com auréola, símbolo característico de figuras
sagradas, como Jesus Cristo, os santos e os apóstolos.
 A Arte Românica corresponde à arte produzida
sobre as ruínas das cidades romanas que agora faziam
parte do Império Romano do Ocidente, com sede em
Roma (daí o nome Românico)
 Hoje em dia abrange outros países como Itália,
França, Alemanha, Inglaterra e Espanha.
 Predominou entre os séculos XI e XII (não deve ser
confundida com arte paleocristã, ou seja, do início do
cristianismo).
Então, o que é Arte Românica?
• Arte didática que tem por objetivo a educação religiosa das pessoas por meio
das imagens e da arquitetura. Como a maioria era analfabeta, prevalecem na
arte o simbolismo e a expressão com base no realismo.
• Veremos um pouco dessa arte.
Quais suas características?
Castelo de Almourol
século XII, Portugal.
Torre forte é o nome do
Senhor; a ela correrá o
justo, e estará em alto
refúgio. Provérbios 18:10
• Os mosteiros eram os mais importantes núcleos
culturais e artísticos deste período
• Os mosteiros eram construções rodeadas de altos
muros, com um vasto pátio interno.
• Eram lugares apropriados à meditação e também
serviam de abrigo aos viajantes, pobres e
peregrinos.
Os mosteiros
Mosteiro de Santa Maria de Ripoll –
Comarca de Ripollès, Gerunda, Itália.
Do rolo de papiro ao pergaminho de pele
Como a maioria da
população era
analfabeta, as
Iluminuras, livros em
miniatura, foram um
meio muito importante
de difusão do
cristianismo. Os livros
com iluminuras eram
encadernados em couro
com " ourivesaria”.
Romances de Cavalaria
• As histórias de princesas e cavaleiros
da Idade Média povoam desde séculos
o imaginário de adultos e crianças
neste canto do mundo. Estas lendas
correm-nos no sangue e continuam a
atrair-nos com o seu mistério e a sua
eterna magia.
Os textos seleccionados incluem o
Parsifal, O Cavaleiro do Leão, Robin Hood
ou uma colectânea sobre os Cavaleiros
da Távola Redonda, e ainda duas
histórias de amor imortais, as de Tristão
e Isolda e de Romeu e Julieta.
Xilogravuras medievais
Bíblia para os Pobres
• A pintura teve um papel muito
importante nessa época, já que a
maioria da população era
analfabeta. A arquitetura românica,
com suas grandes abóbadas e
espessas paredes laterais de poucas
aberturas, criou amplas superfícies
que favoreceram a pintura mural-
afrescos.
• As características essenciais da
pintura românica foram a
deformação e a hierarquia.
Observe nas imagens abaixo uma igreja românica, suas grossas paredes, um exemplo de abóboda, e
como ocorre no interior da igreja.
• Tipo de arte que surgiu no final da
Idade Média, na Europa,
principalmente na França, e é
identificada como a Arte das
Catedrais.
Arte Gótica
• Os arquitetos góticos aperfeiçoaram os arcos e abóbodas românicos ampliando ainda mais
a altura das paredes da igreja sem deixá-las com o aspecto pesado de “fortaleza”, típico da
arte românica.
• Observe abaixo, uma a Catedral de Notre dame, seu interior e um exemplo de abobada.
• Não havia necessidade de pesadas
paredes de pedra, pelo contrário, nas
paredes podiam ser abertas várias
janelas. Resultado: uma edificação de
pedra e vidro como o mundo jamais vira.
Agora as igrejas eram chamadas de
catedrais. As janelas de vidro foram
usadas para ilustrar as passagens bíblicas,
criando um jogo de luz e colorimos no
interior das igrejas, os chamados vitrais
(vidros coloridos e trabalhados em arte).
• E no Brasil? Tem catedral gótica?
• A resposta é não. Nessa época o Brasil
nem tinha sido “descoberto”. E depois
disso também as primeiras igrejas
construídas aqui adotaram o estilo
barroco. Mas séculos depois do estilo
ter acabado na Europa, algumas igrejas
foram construídas no Brasil inspiradas
no estilo gótico. É o que chamamos de
Neogótico ou Neogótico tardio (e não
Gótico tardio). Ao lado veja a Catedral
da Se, em São Paulo.
Musica Medieval
Muitas restrições eram impostas
e, por essa razão, observamos o
predomínio do canto gregoriano
ou cantochão.
Porém houve um grande
desenvolvimento da música
mesmo com o direcionamento da
igreja nas produções culturais e
nessa fase a música popular
também merece destaque com o
surgimento dos trovadores e
menestreis.
• Inspirada nos menestréis medievais (cantores
que declamavam textos e improvisavam rimas
durante a Idade Média), a Literatura de Cordel
que hoje conhecemos foi trazida na bagagem
pelos portugueses e se instalou especialmente
na região Nordeste brasileira.
• Trata-se de um folheto simples impresso em papel barato à venda em
feiras, bancas de jornais ou mercados populares. Mas, apesar de
"simples" esse pequeno folheto expressa ricamente nossa cultura
popular brasileira.
• O nome "cordel" vem da maneira como os folhetos
eram expostos antigamente: pendurados em cordas.
É importante citar, na Idade Média, Guido
d'Arezzo, um monge católico que "criou a pauta
de cinco linhas, na qual definiu as alturas das
notas e o nome de cada uma (...).
Nasciam, assim, os nomes das notas musicais
que conhecemos: dó,ré, mi, fá, sol, lá e si." (LDP,
p.264).
Teatro Medieval
Cenas “simultâneas”
Teatro de Moralidade:
Exemplo: Todo Mundo e Ninguém
Fonte:
Stephen M. Miller/ Robert V. Huber. A Bíblia e Sua História: o Surgimento e o
Impacto da Bíblia. Sociedade Bíblica do Brasil. 2007.
Proença, Graça. História da Arte. São Paulo. Ed. Ática. 17ª edição, 2007
Historia das Artes< http://www.historiadaarte.com.br/>
Blog: arteeducacaodf.blogspot.com.br. Professora Andrea Dressler.
Blog: http://douglasdim.blogspot.com.br/2011/09/
.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
Aline Raposo
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
cattonia
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Eduard Henry
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
CEF16
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
Silmara Nogueira
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
catlencunha
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
josepinho
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
Arte Românica e Gótica
Arte Românica e GóticaArte Românica e Gótica
Arte Românica e Gótica
Silmara Nogueira
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
Maiara Giordani
 
Arte Grega e Romana
Arte Grega e RomanaArte Grega e Romana
Arte Grega e Romana
carollynha
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
BlogSJuniinho
 

Mais procurados (20)

A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte Românica e Gótica
Arte Românica e GóticaArte Românica e Gótica
Arte Românica e Gótica
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
 
Arte Grega e Romana
Arte Grega e RomanaArte Grega e Romana
Arte Grega e Romana
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
 

Semelhante a Resumo idade media- CBG

5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
Jadisson Vaz
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
CLEBER LUIS DAMACENO
 
7o. ano- - Arte Românica
7o. ano-  - Arte Românica7o. ano-  - Arte Românica
7o. ano- - Arte Românica
ArtesElisa
 
imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)
professoramariaraquel
 
ARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICA
ARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICAARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICA
ARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICA
Cristiane Seibt
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Cristiane Seibt
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
Joana Tavares
 
História da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte MedievalHistória da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte Medieval
Raphael Lanzillotte
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
Marcio Duarte
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
Goncaloandre95
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
Goncaloandre95
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
RosaNardaci1
 
Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
LuanyChristina2
 
123
123123
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval -  Românica, Bizantina e GóticaArte Medieval -  Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Andrea Dressler
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
www.historiadasartes.com
 

Semelhante a Resumo idade media- CBG (20)

5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
 
7o. ano- - Arte Românica
7o. ano-  - Arte Românica7o. ano-  - Arte Românica
7o. ano- - Arte Românica
 
imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)
 
ARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICA
ARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICAARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICA
ARTE NA EUROPA OCIDENTAL NA IDADE MÉDIA & ARTE ROMÂNICA
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
História da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte MedievalHistória da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte Medieval
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019
 
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
 
123
123123
123
 
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval -  Românica, Bizantina e GóticaArte Medieval -  Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
 

Mais de Aline Raposo

Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
Aline Raposo
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
Aline Raposo
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
Aline Raposo
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
Aline Raposo
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBG
Aline Raposo
 
Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco
Aline Raposo
 
Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4
Aline Raposo
 
Arte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscarasArte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscaras
Aline Raposo
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Aline Raposo
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
Aline Raposo
 
Tabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçaoTabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçao
Aline Raposo
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
Aline Raposo
 
Apresentação teatro medieval
Apresentação teatro medievalApresentação teatro medieval
Apresentação teatro medieval
Aline Raposo
 
A xilogravura no cordel
A xilogravura no cordelA xilogravura no cordel
A xilogravura no cordel
Aline Raposo
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
Aline Raposo
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Aline Raposo
 
Maneirismo e rococó
Maneirismo e rococóManeirismo e rococó
Maneirismo e rococó
Aline Raposo
 
Artes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicasArtes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicas
Aline Raposo
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
Aline Raposo
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementos
Aline Raposo
 

Mais de Aline Raposo (20)

Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBG
 
Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco
 
Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4
 
Arte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscarasArte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscaras
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
Tabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçaoTabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçao
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
 
Apresentação teatro medieval
Apresentação teatro medievalApresentação teatro medieval
Apresentação teatro medieval
 
A xilogravura no cordel
A xilogravura no cordelA xilogravura no cordel
A xilogravura no cordel
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; Neoclassicismo
 
Maneirismo e rococó
Maneirismo e rococóManeirismo e rococó
Maneirismo e rococó
 
Artes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicasArtes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicas
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementos
 

Último

Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

Resumo idade media- CBG

  • 2. • Após as invasões bárbaras o Império Romano, em 395 d.C, foi dividido em: Império Romano do Ocidente (com capital em Roma) Império Romano do Oriente (com capital em Constantinolpla – atualmente Istambul, na Turquia) Como o Império Romano foi dividido?
  • 3. • A Arte Bizantina corresponde à arte produzida na antiga cidade de Bizâncio (daí o nome Bizantina), capital do Império Romano do Oriente. • A capital do Império Romano do Oriente foi fundada pelo imperador romano Constantino e por isso ele mudou o nome da cidade para Constantinopla (atualmente Istambul, na Turquia). Arte Bizantina
  • 4. Uma vez oficializado, defronta-se imediatamente com as necessidades do culto público, isto é, a necessidade de locais adequados à reunião dos fiéis, cada vez mais numerosos, e à celebração dos atos litúrgicos. Todos os cuidados voltam-se para o interior, não só para criar espaço, também para sugestionar, pela estrutura e decoração, o espírito do crente. A igreja bizantina, por exemplo, externamente simples e inexpressiva, tem interiores que deslumbram, revestidos de cintilantes e suntuosos mosaicos, de mármores, de cores variadas e de calculados efeitos luminosos.
  • 5. Logo que se converteu, Constantino determinou a construção de templos em Roma e Jerusalém. Surgem então as primeiras basílicas cristãse
  • 6. • A expressão máxima da arte bizantina são os mosaicos. • A arte bizantina tinha um objetivo: expressar a autoridade absoluta e sagrada do imperador, considerado o representante de Deus, com poderes temporais e espirituais.
  • 7.
  • 8. Para que a arte atingisse esse objetivo, uma série de convenções foi estabelecida. Tudo o que poderia ser representado (posição e tamanho da pessoa, roupa, gestos símbolos), era rigorosa e previamente determinado. Nessa época portanto o artista não possui liberdade criativa, e nem era conhecido artisticamente.
  • 9. • Mosaico em estilo bizantino que mostra o imperador Justiniano (547-548 d.C.) e Imperatriz Teodora com auréola, símbolo característico de figuras sagradas, como Jesus Cristo, os santos e os apóstolos.
  • 10.  A Arte Românica corresponde à arte produzida sobre as ruínas das cidades romanas que agora faziam parte do Império Romano do Ocidente, com sede em Roma (daí o nome Românico)  Hoje em dia abrange outros países como Itália, França, Alemanha, Inglaterra e Espanha.  Predominou entre os séculos XI e XII (não deve ser confundida com arte paleocristã, ou seja, do início do cristianismo). Então, o que é Arte Românica?
  • 11. • Arte didática que tem por objetivo a educação religiosa das pessoas por meio das imagens e da arquitetura. Como a maioria era analfabeta, prevalecem na arte o simbolismo e a expressão com base no realismo. • Veremos um pouco dessa arte. Quais suas características?
  • 12. Castelo de Almourol século XII, Portugal. Torre forte é o nome do Senhor; a ela correrá o justo, e estará em alto refúgio. Provérbios 18:10
  • 13. • Os mosteiros eram os mais importantes núcleos culturais e artísticos deste período • Os mosteiros eram construções rodeadas de altos muros, com um vasto pátio interno. • Eram lugares apropriados à meditação e também serviam de abrigo aos viajantes, pobres e peregrinos. Os mosteiros Mosteiro de Santa Maria de Ripoll – Comarca de Ripollès, Gerunda, Itália.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. Do rolo de papiro ao pergaminho de pele
  • 18. Como a maioria da população era analfabeta, as Iluminuras, livros em miniatura, foram um meio muito importante de difusão do cristianismo. Os livros com iluminuras eram encadernados em couro com " ourivesaria”.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 25.
  • 26. • As histórias de princesas e cavaleiros da Idade Média povoam desde séculos o imaginário de adultos e crianças neste canto do mundo. Estas lendas correm-nos no sangue e continuam a atrair-nos com o seu mistério e a sua eterna magia. Os textos seleccionados incluem o Parsifal, O Cavaleiro do Leão, Robin Hood ou uma colectânea sobre os Cavaleiros da Távola Redonda, e ainda duas histórias de amor imortais, as de Tristão e Isolda e de Romeu e Julieta.
  • 28. Bíblia para os Pobres
  • 29. • A pintura teve um papel muito importante nessa época, já que a maioria da população era analfabeta. A arquitetura românica, com suas grandes abóbadas e espessas paredes laterais de poucas aberturas, criou amplas superfícies que favoreceram a pintura mural- afrescos. • As características essenciais da pintura românica foram a deformação e a hierarquia.
  • 30. Observe nas imagens abaixo uma igreja românica, suas grossas paredes, um exemplo de abóboda, e como ocorre no interior da igreja.
  • 31. • Tipo de arte que surgiu no final da Idade Média, na Europa, principalmente na França, e é identificada como a Arte das Catedrais. Arte Gótica
  • 32. • Os arquitetos góticos aperfeiçoaram os arcos e abóbodas românicos ampliando ainda mais a altura das paredes da igreja sem deixá-las com o aspecto pesado de “fortaleza”, típico da arte românica. • Observe abaixo, uma a Catedral de Notre dame, seu interior e um exemplo de abobada.
  • 33. • Não havia necessidade de pesadas paredes de pedra, pelo contrário, nas paredes podiam ser abertas várias janelas. Resultado: uma edificação de pedra e vidro como o mundo jamais vira. Agora as igrejas eram chamadas de catedrais. As janelas de vidro foram usadas para ilustrar as passagens bíblicas, criando um jogo de luz e colorimos no interior das igrejas, os chamados vitrais (vidros coloridos e trabalhados em arte).
  • 34. • E no Brasil? Tem catedral gótica? • A resposta é não. Nessa época o Brasil nem tinha sido “descoberto”. E depois disso também as primeiras igrejas construídas aqui adotaram o estilo barroco. Mas séculos depois do estilo ter acabado na Europa, algumas igrejas foram construídas no Brasil inspiradas no estilo gótico. É o que chamamos de Neogótico ou Neogótico tardio (e não Gótico tardio). Ao lado veja a Catedral da Se, em São Paulo.
  • 36. Muitas restrições eram impostas e, por essa razão, observamos o predomínio do canto gregoriano ou cantochão. Porém houve um grande desenvolvimento da música mesmo com o direcionamento da igreja nas produções culturais e nessa fase a música popular também merece destaque com o surgimento dos trovadores e menestreis.
  • 37.
  • 38. • Inspirada nos menestréis medievais (cantores que declamavam textos e improvisavam rimas durante a Idade Média), a Literatura de Cordel que hoje conhecemos foi trazida na bagagem pelos portugueses e se instalou especialmente na região Nordeste brasileira.
  • 39.
  • 40.
  • 41. • Trata-se de um folheto simples impresso em papel barato à venda em feiras, bancas de jornais ou mercados populares. Mas, apesar de "simples" esse pequeno folheto expressa ricamente nossa cultura popular brasileira. • O nome "cordel" vem da maneira como os folhetos eram expostos antigamente: pendurados em cordas.
  • 42. É importante citar, na Idade Média, Guido d'Arezzo, um monge católico que "criou a pauta de cinco linhas, na qual definiu as alturas das notas e o nome de cada uma (...). Nasciam, assim, os nomes das notas musicais que conhecemos: dó,ré, mi, fá, sol, lá e si." (LDP, p.264).
  • 43.
  • 46.
  • 47. Teatro de Moralidade: Exemplo: Todo Mundo e Ninguém
  • 48. Fonte: Stephen M. Miller/ Robert V. Huber. A Bíblia e Sua História: o Surgimento e o Impacto da Bíblia. Sociedade Bíblica do Brasil. 2007. Proença, Graça. História da Arte. São Paulo. Ed. Ática. 17ª edição, 2007 Historia das Artes< http://www.historiadaarte.com.br/> Blog: arteeducacaodf.blogspot.com.br. Professora Andrea Dressler. Blog: http://douglasdim.blogspot.com.br/2011/09/ .