SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
Arquitetura da Informação
                - Origem e
          Desenvolvimento




            ©2012 Cláudio Diniz Alves e Janicy Rocha
A Internet “atualmente é vista
como o canal de comunicação de
informações que obteve o maior
sucesso dos últimos tempos,
transformando-se num problema
relevante para pesquisa na área da
Ciência da Informação”.
ARAÚJO, V. M. R. H; FREIRE, I. M. A Rede Internet como
Canal de Comunicação, na Perspectiva da Ciência da
Informação. Transinformação, Campinas, v. 8, n. 2, p.
45-55, maio/ago. 1996.
O uso das denominações internet e web como
sinônimos é frequente, porém incorreto.
A internet é a rede global de computadores,
conectados através de uma infraestrutura de
hardware e software, cujas primeiras conexões
foram estabelecidas nos EUA, no final dos anos
1960. A world wide web foi criada no final dos
anos 1980 e é um subconjunto da informações
disponíveis na internet, organizadas em
documentos interligados por hiperlinks e
acessíveis através de softwares específicos”.
FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de
Pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2011. 239p.
[p. 55]
Em meados do anos 90, com os grandes investimentos
 das empresas para desenvolver seus websites e novos
  negócio na Web, a forma de desenvolvimento de
   websites evoluiu para metodologias formais e multi-
    disciplinares. Foi nesse momento que
     surgiram as primeiras tentativas de aplicar
      conceitos de Arquitetura de Informação no
       design de websites com o objetivo de melhorar a
        organização das suas informações.

          REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
          Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
           (Dissertação de Mestrado). 250p.
            [pág. 60]
COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA
 INFORMAÇÃO?

  Segundo literatura da área, o termo
   arquitetura da informação foi popularizado
    por Richard Saul Wurman em meados da
     década de 1960.
     CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma
      abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes
       informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA
 INFORMAÇÃO?

  Em 1976 ele organizou uma conferência em
   que o tema principal era The Information
    Architecture. Wurman transformou a
     arquitetura de informação em seu objeto
      de estudo com a finalidade de organizar
       informações de forma que seus usuários
        pudessem acessá-la com facilidade.
        CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação:
        uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em
         ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA
 INFORMAÇÃO?

  Nessa conferência, comentou sobre a prática
   do profissional arquiteto da informação
    enfatizando os processos de estruturação e
     desenho de informações.

      Wurman era arquiteto.

         CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação:
         uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em
          ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
Richard Saul Wurman
A prática do Design de Informação (Infodesign)
 é muito mais antiga que a da ARQUITETURA DA
  INFORMAÇÃO...

   Visa tratar a informação visual.

     O Design Gráfico estrutura e formada a
      informaçao visual, tratando a relação
       entre imagem e texto.

         CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação:
         uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em
          ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
Os conceitos de Wurman foram inicialmente
 aplicados na organização de materiais
  gráficos, como guias, mapas e Atlas, mas se
   espalharam por diversos outros campos,
    que vão desde a organização do
     layout de museus até a estruturação de
      imagens radiográficas para uso médico.
       REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
       Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
        (Dissertação de Mestrado). 250p.
         [pág. 61]
A história da AI envolve várias disciplinas como
 design, ergonomia, usabilidade, interação
  humano-computador, computação, entre
   outras.

    A evolução da AI não é linear, cronológica.
      CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma
      abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes
       informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 6]
Em 1994, Louis Rosenfeld e Peter Morville,
 ambos com formação em Ciência da
  Informação e Biblioteconomia, fundaram
   a Argus Associates, a primeira empresa
    dedicada exclusivamente a trabalhar com
     Arquitetura de Informação na Web.
      REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
     Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
      (Dissertação de Mestrado). 250p.
       [pág. 60]
A ação pioneira da Argus logo foi seguida por
 outras empresas especializadas em projetos
  de websites como a Sapient, Scient, Viant,
   Agency.com, IXL, marchFIRST, Rare Medium,
    Zefer, Luminant e Razorfish. Todas elas
     adotaram formalmente a Arquitetura
      de Informação como uma disciplina
       necessária para a execução de seus
        projetos.
        REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
         Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
          (Dissertação de Mestrado). 250p.
           [pág. 60]
Em 1998, ROSENFELD e MORVILLE publicaram
 a primeira edição do livro Information
  Architecture for the World Wide Web. A
   segunda edição foi publicada em 2002 e a
    terceira em novembro de 2006. Apelidado
     de livro do “urso polar”, esse livro marca
      o início da Arquitetura de Informação na
       Web e rapidamente se tornou a principal
        referência sobre o assunto.
        REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
         Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
          (Dissertação de Mestrado). 250p.
           [pág. 60]
ROSENFELD




MORVILLE
O livro do “urso polar”
A primeira conferência internacional sobre
 Arquitetura de Informação da American
  Society for Information Science (ASIS) ocorreu
   em abril de 2000 com o nome Defining
    Information Architecture (Definindo a
     Arquitetura de Informação). Desde então a
      ASIS realiza anualmente o IA Summit, a mais
       importante conferência internacional sobre
        o tema.
        REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
         Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
          (Dissertação de Mestrado). 250p.
           [pág. 62]
Em 2002 surgiu a primeira comunidade formal de
 profissionais de Arquitetura de Informação, o Asilomar
  Institute for Information Architecture (AIfIA) que, em
   2005, mudou seu nome para Information Architecture
    Institute.

     É uma organização sem fins lucrativos composta
      por voluntários e dedica-se ao avanço e promoção
       da Arquitetura da Informação.
        REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
         Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
          (Dissertação de Mestrado). 250p.
           [pág. 62]
A Argus Associates encerrou suas atividades em março
 de 2001, junto com várias das empresas citadas
  devido a estratégias de negócios imaturas que
   não conseguiram atravessar a explosão da bolha
    da Internet. Mas os conceitos da Arquitetura de
     Informação continuam a ser fundamentais no
      design de websites.
      REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo:
       Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007.
        (Dissertação de Mestrado). 250p.
         [pág. 62]
Nos dias 19 e 20 de outubro de 2007, foi realizado em
 São Paulo o 1. Encontro Brasileiro de Arquitetura de
               o

  Informação (EBA, sigla depois alterada para EBAI).
   Objetivos:
   •	 Fortalecer as comunidades de arquitetos de informação
     brasileira e internacional e promover um maior
      intercâmbio de ideias com profissionais de outras
       partes do mundo;
       •	 Promover um amplo debate sobre a disciplina e
          seu papel no design de produtos digitais e espaços
           físicos;
         •	Incentivar o interesse de uma nova geração de
            estudantes e jovens profissionais a adotarem
             práticas e metodologias desta área como parte de
              seus trabalhos.
O IX Encontro Nacional de Ciência da Informação
 (ENANCIB)4, aprovou em 28 de julho de
  2008 o texto “Reflexões sobre Fundamentos da
   Arquitetura da Informação”, que em suas
    considerações finais continha a seguinte asserção:
    (...) a fundamentação da arquitetura da informação vem, de
     fato, da fundamentação da ciência da informação. Sua área de
       investigação é mais particular, porem os resultados buscados,
        assim como os problemas pesquisados, estão inseridos nos
          objetos nucleares da pesquisa da ciência da informação
           (ROBREDO et al. p. 9).
          ROBREDO, J.; LINS, G.S; TEIXEIRA, F.A.G.;CARLAN, E.; CÂMARA Jr., A.T. da.
           Reflexões sobre Fundamentos de Arquitetura da Informação. IN: Encontro
            Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ENANCIB),
             9. Anais...São Paulo SP, 28 de setembro – 1o de outubro de 2008. (GT1 –
              Estudos Históricos e Epistemológicos da Informação).
A revista Veja de 26 de novembro de 2008 publicou
 um artigo sobre novas profissões, e a Arquitetura
  de Informação estava entre as mencionadas. A
   pesquisa de Guilhermo Reis (2008) sobre o perfil
    dos arquitetos de informação no Brasil revela que a
     maior parte dos profissionais encontra-se em São
      Paulo e Rio de Janeiro, e possuem elevado grau de
       instrução e, dos que atuam na área, a maior parte
        é autodidata ou aprendeu o ofício nas empresas
         em que trabalham.
Destacam-se no Brasil alguns estudiosos que têm
 pesquisado profundamente a disciplina, o seu
  desenvolvimento e sua aplicação no País. Entre estes
   se destacam Luiz Agner (PUC-RIO), Guilhermo Reis
    (USP) e Anamaria de Moraes (PUC-RIO). Também
     destacam-se Liriane Camargo e Silvana Vidotti.

      Observa-se, também, a criação de blogs e
       sites brasileiros que discutem o assunto e
        disponibilizam artigos e novidades.
AGNER




REIS
Livro de Luiz Agner, 2009 (com
prefácio de Peter Morville)
Livro de Liriane Camargo e
Silvana Vidotti, 2011
Fim da primeira
parte desta aula.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança da Informação e Políticas de Segurança
Segurança da Informação e Políticas de SegurançaSegurança da Informação e Políticas de Segurança
Segurança da Informação e Políticas de SegurançaGilberto Sudre
 
Unidade iii tipos de softwares
Unidade iii   tipos de softwaresUnidade iii   tipos de softwares
Unidade iii tipos de softwaresDaniel Moura
 
Arquitetura da informação
Arquitetura da informaçãoArquitetura da informação
Arquitetura da informaçãoCristiane Mendes
 
Introdução a internet
Introdução a internet Introdução a internet
Introdução a internet filipereira
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoDenise Maria Cotoman
 
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1Pacc UAB
 
Introdução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoIntrodução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoÁlvaro Farias Pinheiro
 
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2Pacc UAB
 
Arquitetura e Manutenção de Computadores
Arquitetura e Manutenção de ComputadoresArquitetura e Manutenção de Computadores
Arquitetura e Manutenção de ComputadoresEmanoel Lopes
 
Introdução à internet
Introdução à internetIntrodução à internet
Introdução à internetcrbmonteiro
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Inteligência ArtificialAmanda Nalesso
 
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoBanco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoLeinylson Fontinele
 
Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)
Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)
Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)Gustavo Zimmermann
 

Mais procurados (20)

Segurança da Informação e Políticas de Segurança
Segurança da Informação e Políticas de SegurançaSegurança da Informação e Políticas de Segurança
Segurança da Informação e Políticas de Segurança
 
Sistemas de Informação
Sistemas de InformaçãoSistemas de Informação
Sistemas de Informação
 
Unidade iii tipos de softwares
Unidade iii   tipos de softwaresUnidade iii   tipos de softwares
Unidade iii tipos de softwares
 
Arquitetura da informação
Arquitetura da informaçãoArquitetura da informação
Arquitetura da informação
 
Aula Inicial - Operador de Microcomputador - SENAI
Aula Inicial - Operador de Microcomputador - SENAIAula Inicial - Operador de Microcomputador - SENAI
Aula Inicial - Operador de Microcomputador - SENAI
 
Introdução a internet
Introdução a internet Introdução a internet
Introdução a internet
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de Informação
 
Modelo de pesquisa big 6
Modelo de pesquisa   big 6Modelo de pesquisa   big 6
Modelo de pesquisa big 6
 
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte1
 
Introdução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoIntrodução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de Informação
 
Data warehouse & data mining
Data warehouse & data miningData warehouse & data mining
Data warehouse & data mining
 
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2
Aula 2 - Introdução à programação de computadores - parte 2
 
Arquitetura e Manutenção de Computadores
Arquitetura e Manutenção de ComputadoresArquitetura e Manutenção de Computadores
Arquitetura e Manutenção de Computadores
 
A internet
A internetA internet
A internet
 
Introdução à internet
Introdução à internetIntrodução à internet
Introdução à internet
 
Evolução dos sistemas de informação
Evolução dos sistemas de informaçãoEvolução dos sistemas de informação
Evolução dos sistemas de informação
 
CSS
CSSCSS
CSS
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Inteligência Artificial
 
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoBanco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
 
Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)
Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)
Banco de Dados II: Aspectos de Segurança em Banco de Dados (aula 13)
 

Destaque

Arquitetura de Informacao: Conceitos Básicos
Arquitetura de Informacao: Conceitos BásicosArquitetura de Informacao: Conceitos Básicos
Arquitetura de Informacao: Conceitos BásicosMateada
 
Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...
Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...
Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...Rafael Marinho
 
Arquitetura de informação e usabilidade
Arquitetura de informação e usabilidadeArquitetura de informação e usabilidade
Arquitetura de informação e usabilidadetrasel
 
Arquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do Usuário
Arquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do UsuárioArquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do Usuário
Arquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do UsuárioPaula Azevedo Macedo
 
Unb 2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframe
Unb   2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframeUnb   2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframe
Unb 2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframeClaudenio Alberto
 
Redação jornalística
Redação jornalísticaRedação jornalística
Redação jornalísticaLaércio Góes
 
Arquitetura de Informação
Arquitetura de InformaçãoArquitetura de Informação
Arquitetura de InformaçãoRodrigo Savazoni
 
Arquitetura da Informacao
Arquitetura da InformacaoArquitetura da Informacao
Arquitetura da Informacaocarlosremontti
 

Destaque (10)

Arquitetura de Informacao: Conceitos Básicos
Arquitetura de Informacao: Conceitos BásicosArquitetura de Informacao: Conceitos Básicos
Arquitetura de Informacao: Conceitos Básicos
 
Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...
Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...
Arquitetura de Informação: desafios do profissional bibliotecário num mercado...
 
Arquitetura de informação e usabilidade
Arquitetura de informação e usabilidadeArquitetura de informação e usabilidade
Arquitetura de informação e usabilidade
 
Arquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do Usuário
Arquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do UsuárioArquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do Usuário
Arquitetura de Informação, Usabilidade e Design de Experiência do Usuário
 
Por que Arquitetura de Informação e Usabilidade são importantes?
Por que Arquitetura de Informação e Usabilidade são importantes?Por que Arquitetura de Informação e Usabilidade são importantes?
Por que Arquitetura de Informação e Usabilidade são importantes?
 
Unb 2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframe
Unb   2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframeUnb   2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframe
Unb 2011.2 - arqi - 07 - ai - wireframe
 
Sistemas da Arquitetura da Informação
Sistemas da Arquitetura da InformaçãoSistemas da Arquitetura da Informação
Sistemas da Arquitetura da Informação
 
Redação jornalística
Redação jornalísticaRedação jornalística
Redação jornalística
 
Arquitetura de Informação
Arquitetura de InformaçãoArquitetura de Informação
Arquitetura de Informação
 
Arquitetura da Informacao
Arquitetura da InformacaoArquitetura da Informacao
Arquitetura da Informacao
 

Semelhante a Arquitetura da Informação- Origem e Desenvolvimento

O que é Arquitetura da Informação?
O que é Arquitetura da Informação?O que é Arquitetura da Informação?
O que é Arquitetura da Informação?heuew
 
Arquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas Universitárias
Arquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas UniversitáriasArquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas Universitárias
Arquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas UniversitáriasZayr Silva
 
O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...
O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...
O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...Paula Azevedo Macedo
 
[Cinform] Arquitetura de Informacao - Artigo
[Cinform] Arquitetura de Informacao - Artigo[Cinform] Arquitetura de Informacao - Artigo
[Cinform] Arquitetura de Informacao - ArtigoRafael Marinho
 
Arquitetura de Informação sem wireframe
Arquitetura de Informação sem wireframeArquitetura de Informação sem wireframe
Arquitetura de Informação sem wireframeKarla Cruz
 
Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...
Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...
Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...Diogo Duarte
 
Arquitetura da informação
Arquitetura da informação Arquitetura da informação
Arquitetura da informação UNESP Marília
 
O arquiteto de informacao bibliotecario
O arquiteto de informacao bibliotecarioO arquiteto de informacao bibliotecario
O arquiteto de informacao bibliotecarioRick Santos
 
A Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa Forma
A Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa FormaA Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa Forma
A Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa FormaMarcel Ayres
 
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisArquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisSalomão Terra
 
Arquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFAL
Arquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFALArquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFAL
Arquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFALRonaldo Araújo
 
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementosArquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementosLuciana Nunes
 
Keynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa MestradoKeynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa MestradoRafael Marinho
 
Não há cidadania sem informação, nem informação sem design
Não há cidadania sem informação, nem informação sem designNão há cidadania sem informação, nem informação sem design
Não há cidadania sem informação, nem informação sem design+ Aloisio Magalhães
 
Ai congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisandoAi congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisandoZayr Silva
 
Ai congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisandoAi congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisandoZayr Silva
 

Semelhante a Arquitetura da Informação- Origem e Desenvolvimento (20)

O que é Arquitetura da Informação?
O que é Arquitetura da Informação?O que é Arquitetura da Informação?
O que é Arquitetura da Informação?
 
Arquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas Universitárias
Arquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas UniversitáriasArquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas Universitárias
Arquitetura da Informação de Websites de Bibliotecas Universitárias
 
O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...
O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...
O que é Arquitetura de Informação e UX Design: visão de uma bibliotecária inf...
 
Uma introducao ai
Uma introducao aiUma introducao ai
Uma introducao ai
 
[Cinform] Arquitetura de Informacao - Artigo
[Cinform] Arquitetura de Informacao - Artigo[Cinform] Arquitetura de Informacao - Artigo
[Cinform] Arquitetura de Informacao - Artigo
 
Arquitetura de Informação sem wireframe
Arquitetura de Informação sem wireframeArquitetura de Informação sem wireframe
Arquitetura de Informação sem wireframe
 
Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...
Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...
Ciência da Informação e Web Design: interseções teóricas em busca de melhores...
 
Arquitetura da informação
Arquitetura da informação Arquitetura da informação
Arquitetura da informação
 
PROJETO DE PESQUISA
PROJETO DE PESQUISAPROJETO DE PESQUISA
PROJETO DE PESQUISA
 
O arquiteto de informacao bibliotecario
O arquiteto de informacao bibliotecarioO arquiteto de informacao bibliotecario
O arquiteto de informacao bibliotecario
 
A Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa Forma
A Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa FormaA Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa Forma
A Arquitetura da Informação nas revistas webjornalísticas: TPM e Boa Forma
 
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisArquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
 
Arquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFAL
Arquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFALArquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFAL
Arquitetura da Informação de websites: o caso do Sistema de Bibliotecas da UFAL
 
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementosArquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
 
Keynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa MestradoKeynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa Mestrado
 
Não há cidadania sem informação, nem informação sem design
Não há cidadania sem informação, nem informação sem designNão há cidadania sem informação, nem informação sem design
Não há cidadania sem informação, nem informação sem design
 
O Arquiteto da Informação
O Arquiteto da InformaçãoO Arquiteto da Informação
O Arquiteto da Informação
 
Arquitetura da Informação - Origem e Desenvolvimento
Arquitetura da Informação - Origem e DesenvolvimentoArquitetura da Informação - Origem e Desenvolvimento
Arquitetura da Informação - Origem e Desenvolvimento
 
Ai congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisandoAi congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisando
 
Ai congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisandoAi congresso academico-ufal-2010 revisando
Ai congresso academico-ufal-2010 revisando
 

Mais de aiadufmg

Linked in parte 2
Linked in   parte 2Linked in   parte 2
Linked in parte 2aiadufmg
 
Last fm parte 2
Last fm   parte 2Last fm   parte 2
Last fm parte 2aiadufmg
 
Delicious parte 2
Delicious   parte 2Delicious   parte 2
Delicious parte 2aiadufmg
 
Skoob parte 2
Skoob   parte 2Skoob   parte 2
Skoob parte 2aiadufmg
 
Livemocha parte 2
Livemocha   parte 2Livemocha   parte 2
Livemocha parte 2aiadufmg
 
LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2aiadufmg
 
Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2aiadufmg
 
Delicious - parte 2
Delicious - parte 2Delicious - parte 2
Delicious - parte 2aiadufmg
 
Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2aiadufmg
 
Skoob - parte 2
Skoob - parte 2Skoob - parte 2
Skoob - parte 2aiadufmg
 
Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfacesaiadufmg
 
Acessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitaisAcessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitaisaiadufmg
 
Sites acessíveis
Sites acessíveisSites acessíveis
Sites acessíveisaiadufmg
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidadeaiadufmg
 
Design Universal
Design UniversalDesign Universal
Design Universalaiadufmg
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivasaiadufmg
 
Ai ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsortingAi ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsortingaiadufmg
 

Mais de aiadufmg (20)

Linked in parte 2
Linked in   parte 2Linked in   parte 2
Linked in parte 2
 
Last fm parte 2
Last fm   parte 2Last fm   parte 2
Last fm parte 2
 
Delicious parte 2
Delicious   parte 2Delicious   parte 2
Delicious parte 2
 
Skoob parte 2
Skoob   parte 2Skoob   parte 2
Skoob parte 2
 
Livemocha parte 2
Livemocha   parte 2Livemocha   parte 2
Livemocha parte 2
 
LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2
 
Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2
 
Delicious - parte 2
Delicious - parte 2Delicious - parte 2
Delicious - parte 2
 
Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2
 
Skoob - parte 2
Skoob - parte 2Skoob - parte 2
Skoob - parte 2
 
Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfaces
 
Acessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitaisAcessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitais
 
Sites acessíveis
Sites acessíveisSites acessíveis
Sites acessíveis
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Design Universal
Design UniversalDesign Universal
Design Universal
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
 
Flickr
FlickrFlickr
Flickr
 
Ai ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsortingAi ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsorting
 
Skoob
SkoobSkoob
Skoob
 
Livemocha
LivemochaLivemocha
Livemocha
 

Último

Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 

Último (20)

Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 

Arquitetura da Informação- Origem e Desenvolvimento

  • 1. Arquitetura da Informação - Origem e Desenvolvimento ©2012 Cláudio Diniz Alves e Janicy Rocha
  • 2.
  • 3.
  • 4. A Internet “atualmente é vista como o canal de comunicação de informações que obteve o maior sucesso dos últimos tempos, transformando-se num problema relevante para pesquisa na área da Ciência da Informação”. ARAÚJO, V. M. R. H; FREIRE, I. M. A Rede Internet como Canal de Comunicação, na Perspectiva da Ciência da Informação. Transinformação, Campinas, v. 8, n. 2, p. 45-55, maio/ago. 1996.
  • 5. O uso das denominações internet e web como sinônimos é frequente, porém incorreto. A internet é a rede global de computadores, conectados através de uma infraestrutura de hardware e software, cujas primeiras conexões foram estabelecidas nos EUA, no final dos anos 1960. A world wide web foi criada no final dos anos 1980 e é um subconjunto da informações disponíveis na internet, organizadas em documentos interligados por hiperlinks e acessíveis através de softwares específicos”. FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de Pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2011. 239p. [p. 55]
  • 6. Em meados do anos 90, com os grandes investimentos das empresas para desenvolver seus websites e novos negócio na Web, a forma de desenvolvimento de websites evoluiu para metodologias formais e multi- disciplinares. Foi nesse momento que surgiram as primeiras tentativas de aplicar conceitos de Arquitetura de Informação no design de websites com o objetivo de melhorar a organização das suas informações. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  • 7. COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO? Segundo literatura da área, o termo arquitetura da informação foi popularizado por Richard Saul Wurman em meados da década de 1960. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  • 8. COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO? Em 1976 ele organizou uma conferência em que o tema principal era The Information Architecture. Wurman transformou a arquitetura de informação em seu objeto de estudo com a finalidade de organizar informações de forma que seus usuários pudessem acessá-la com facilidade. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  • 9. COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO? Nessa conferência, comentou sobre a prática do profissional arquiteto da informação enfatizando os processos de estruturação e desenho de informações. Wurman era arquiteto. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  • 11. A prática do Design de Informação (Infodesign) é muito mais antiga que a da ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO... Visa tratar a informação visual. O Design Gráfico estrutura e formada a informaçao visual, tratando a relação entre imagem e texto. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  • 12. Os conceitos de Wurman foram inicialmente aplicados na organização de materiais gráficos, como guias, mapas e Atlas, mas se espalharam por diversos outros campos, que vão desde a organização do layout de museus até a estruturação de imagens radiográficas para uso médico. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 61]
  • 13. A história da AI envolve várias disciplinas como design, ergonomia, usabilidade, interação humano-computador, computação, entre outras. A evolução da AI não é linear, cronológica. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 6]
  • 14. Em 1994, Louis Rosenfeld e Peter Morville, ambos com formação em Ciência da Informação e Biblioteconomia, fundaram a Argus Associates, a primeira empresa dedicada exclusivamente a trabalhar com Arquitetura de Informação na Web. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  • 15. A ação pioneira da Argus logo foi seguida por outras empresas especializadas em projetos de websites como a Sapient, Scient, Viant, Agency.com, IXL, marchFIRST, Rare Medium, Zefer, Luminant e Razorfish. Todas elas adotaram formalmente a Arquitetura de Informação como uma disciplina necessária para a execução de seus projetos. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  • 16. Em 1998, ROSENFELD e MORVILLE publicaram a primeira edição do livro Information Architecture for the World Wide Web. A segunda edição foi publicada em 2002 e a terceira em novembro de 2006. Apelidado de livro do “urso polar”, esse livro marca o início da Arquitetura de Informação na Web e rapidamente se tornou a principal referência sobre o assunto. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  • 18. O livro do “urso polar”
  • 19. A primeira conferência internacional sobre Arquitetura de Informação da American Society for Information Science (ASIS) ocorreu em abril de 2000 com o nome Defining Information Architecture (Definindo a Arquitetura de Informação). Desde então a ASIS realiza anualmente o IA Summit, a mais importante conferência internacional sobre o tema. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 62]
  • 20. Em 2002 surgiu a primeira comunidade formal de profissionais de Arquitetura de Informação, o Asilomar Institute for Information Architecture (AIfIA) que, em 2005, mudou seu nome para Information Architecture Institute. É uma organização sem fins lucrativos composta por voluntários e dedica-se ao avanço e promoção da Arquitetura da Informação. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 62]
  • 21. A Argus Associates encerrou suas atividades em março de 2001, junto com várias das empresas citadas devido a estratégias de negócios imaturas que não conseguiram atravessar a explosão da bolha da Internet. Mas os conceitos da Arquitetura de Informação continuam a ser fundamentais no design de websites. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 62]
  • 22. Nos dias 19 e 20 de outubro de 2007, foi realizado em São Paulo o 1. Encontro Brasileiro de Arquitetura de o Informação (EBA, sigla depois alterada para EBAI). Objetivos: • Fortalecer as comunidades de arquitetos de informação brasileira e internacional e promover um maior intercâmbio de ideias com profissionais de outras partes do mundo; • Promover um amplo debate sobre a disciplina e seu papel no design de produtos digitais e espaços físicos; • Incentivar o interesse de uma nova geração de estudantes e jovens profissionais a adotarem práticas e metodologias desta área como parte de seus trabalhos.
  • 23.
  • 24.
  • 25. O IX Encontro Nacional de Ciência da Informação (ENANCIB)4, aprovou em 28 de julho de 2008 o texto “Reflexões sobre Fundamentos da Arquitetura da Informação”, que em suas considerações finais continha a seguinte asserção: (...) a fundamentação da arquitetura da informação vem, de fato, da fundamentação da ciência da informação. Sua área de investigação é mais particular, porem os resultados buscados, assim como os problemas pesquisados, estão inseridos nos objetos nucleares da pesquisa da ciência da informação (ROBREDO et al. p. 9). ROBREDO, J.; LINS, G.S; TEIXEIRA, F.A.G.;CARLAN, E.; CÂMARA Jr., A.T. da. Reflexões sobre Fundamentos de Arquitetura da Informação. IN: Encontro Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ENANCIB), 9. Anais...São Paulo SP, 28 de setembro – 1o de outubro de 2008. (GT1 – Estudos Históricos e Epistemológicos da Informação).
  • 26. A revista Veja de 26 de novembro de 2008 publicou um artigo sobre novas profissões, e a Arquitetura de Informação estava entre as mencionadas. A pesquisa de Guilhermo Reis (2008) sobre o perfil dos arquitetos de informação no Brasil revela que a maior parte dos profissionais encontra-se em São Paulo e Rio de Janeiro, e possuem elevado grau de instrução e, dos que atuam na área, a maior parte é autodidata ou aprendeu o ofício nas empresas em que trabalham.
  • 27. Destacam-se no Brasil alguns estudiosos que têm pesquisado profundamente a disciplina, o seu desenvolvimento e sua aplicação no País. Entre estes se destacam Luiz Agner (PUC-RIO), Guilhermo Reis (USP) e Anamaria de Moraes (PUC-RIO). Também destacam-se Liriane Camargo e Silvana Vidotti. Observa-se, também, a criação de blogs e sites brasileiros que discutem o assunto e disponibilizam artigos e novidades.
  • 29. Livro de Luiz Agner, 2009 (com prefácio de Peter Morville)
  • 30. Livro de Liriane Camargo e Silvana Vidotti, 2011
  • 31. Fim da primeira parte desta aula.