SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
Design Universal
Desenho Universal
Design para todos:
   origem e conceitos



     ©2012 Cláudio Diniz Alves e Janicy Rocha
Como surgiu o Design Universal?
O termo Design Universal foi usado pela primeira
vez por Ronald Mace, arquiteto cadeirante, nos
anos 70, em relação à área de Arquitetura. Com
o passar dos anos, sua aplicação se ampliou a
outros ramos técnicos, acadêmicos e profissionais,
no desenvolvimento de produtos ao consumido,
incluindo, mais recentemente, produtos de
telecomunicações e de tecnologia da informação.
DIAS, C. Usabilidade na Web: Criando Portais mais Acessíveis. Alta
Books, 2007.
Ronald Mace
o que é Design Universal?
O Decreto 5296/04 define, em seu artigo 8º e
inciso IX, o “Desenho Universal” como:
   “concepção de espaços, artefatos e produtos que
   visam atender simultaneamente todas as pessoas, com
   diferentes características antropométricas e sensoriais,
   de forma autônoma, segura e confortável, constituindo-
   se nos elementos ou soluções que compõem a
   acessibilidade”.

Decreto nº 5.296 de 02 de Dezembro de 2004. Diário Oficial da União,
Brasília: Senado Federal, 03 dez. 2004.
Os 7 princípios do Design Universal
    1.	Igualitário
    2.	Adaptável
    3.	Óbvio
    4.	Conhecido
    5.	Seguro
    6.	Sem esforço
    7.	Abrangente
Igualitário                                Espaços, objetos
                                           e produtos
                                           que podem
                                           ser utilizados
                                           por pessoas
                                           com diferentes
                                           capacidades,
                                           tornando os
                                           ambientes iguais
                                           para todos.
  Exemplo: portas com sensores que se abrem sem exigir
  força física ou alcance das mãos de usuários de alturas
  variadas.
adaptável   Produtos ou espaços que
            atendam pessoas com
            diferentes habilidades e
            diversas preferências, sendo
            adaptáveis para qualquer uso.

            Exemplo: tesoura que se
            adapta a destros e canhotos.
óbvio




 De fácil entendimento para que uma pessoa possa
 compreender, independentemente de sua experiência,
 conhecimento, habilidades de linguagem ou nível de
 concentração.

 Exemplo: sanitários femininos e masculinos para pessoas
 com deficiência.
conhecido                       A informação necessária
                                é transmitida de forma a
                                atender as necessidades
                                do receptador, seja ela uma
                                pessoa estrangeira, com
                                dificuldade de visão ou
                                audição.




 Exemplo: utilizar diferentes maneiras de comunicação,
 tais como símbolos e letras em relevo, Braille e sinalização
 auditiva.
seguro   Previsto para minimizar
         os riscos e possíveis
         conseqüências de
         ações acidentais ou não
         intencionais.

         Exemplo: elevadores com
         sensores em diversas alturas
         que permitam às pessoas
         entrarem sem riscos de a
         porta ser fechada no meio do
         procedimento.
sem esforço
              Possível de ser usado
              eficientemente, com conforto
              e com o mínimo de fadiga.

              Exemplo: maçanetas tipo
              alavanca, que são de
              fácil utilização, podendo
              ser acionadas até com o
              cotovelo.
abrangente
             Que estabelece dimensões
             e espaços apropriados
             para o acesso, o alcance,
             a manipulação e o uso,
             independentemente do tamanho
             do corpo, da postura ou
             mobilidade do usuário.

             Exemplo: Poltronas para obesos
             em cinemas e teatros.
O Design Universal é a conciliação de variáveis como
acessibilidade, usabilidade, tecnologias assistivas, além
de questões políticas, econômicas e ergonômicas.
Como surgiu a Usabilidade?
A usabilidade tem suas raízes na Ciência Cognitiva e utilização
deste termo iniciou-se na década de 80, como substituto da
expressão “user-friendly” (amigável), considerada vaga e
muito subjetiva.
DIAS, C. Usabilidade na Web: Criando Portais mais Acessíveis. Alta Books,
2007.

Em 1991, foi fundada a Usability Professionals Association
(UPA), constituída por uma comunidade respeitável de
profissionais, pesquisadores e empresas com participação
ativa em estudos, pesquisas e testes de usabilidade.
Usabilidade
Capacidade de um produto ser usado por usuários específicos
para atingir objetivos específicos com eficácia, eficiência e
satisfação em um contexto específico de uso.
NBR ISO/IEC 9241-11: Guia de especificações e medidas de usabilidade. Rio
de Janeiro: ABNT, 1998. BRASIL.
Usabilidade
Usabilidade
Usabilidade
“Um conjunto de atributos de software relacionado ao esforço
necessário para seu uso e para o julgamento individual de tal
uso por determinado conjunto de usuários.”
NBR ISO/IEC 9126-1: Engenharia de software – qualidade de produto. Parte
1: modelo de qualidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2003. BRASIL.

 “A usabilidade mede até que ponto um produto de informação,
um sistema de informação, um serviço de informação ou uma
informação se prestam ao uso.”
LE COADIC, Y. F. A Ciência da Informação. 2. ed. Tradução de Maria Yêda F.
S. de Filgueiras Gomes. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.
Usabilidade
A usabilidade é um atributo de qualidade que avalia a facilidade com que se usa uma
interface. Possui cinco atributos de qualidade:
Facilidade de aprendizado: O sistema deve permitir que o usuário consiga rapidamente
explorá-lo e realizar suas tarefas com ele.
Eficiência de uso: o sistema deve permitir que o usuário, tendo aprendido a interagir com
ele, atinja altos níveis de produtividade em suas tarefas.
Facilidade de memorização: o sistema deve permitir que o usuário não frequente seja capaz
de realizar suas tarefas sem precisar reaprender como utilizá-lo.
Baixa taxa de erros: o sistema deve permitir que o usuário realize suas tarefas sem
transtornos, recuperando de erros, caso ocorram.
Satisfação subjetiva: o sistema deve fazer com que o usuário o considere agradável e se
sinta subjetivamente satisfeito com ele.
NIELSEN, J. Usability Engineering. Chestnut Hill, MA, Academic Press, 1993.
Os 10 princípios fundamentais de
usabilidade
Nielsen, J. Ten Usability Heuristics. Disponível em: <http://www.useit.com/
papers/heuristic/heuristic_list.html>.
1. Visibilidade do status do sistema: os usuários devem
   sempre ser informados, em tempo real, sobre o que está
   acontecendo no sistema.




                                                   Bom exemplo
2. Compatibilidade do sistema com o mundo real: o sistema
  deve apresentar a informação com uma linguagem familiar
  ao usuário.




                                                 Mau exemplo
3. Controle do usuário e liberdade: o sistema deve permitir ao
  usuário ter controle total para que este possa sair de estados
  indesejados.




                                                     Bom exemplo
4. Consistência e padrões: o sistema deve seguir uma
  convenção estipulada inicialmente.




                                                   Mau exemplo
5. Prevenção de erros: melhor que oferecer boas mensagens de
  erros é prevenir que estes ocorram, verificando e eliminando
  propensões a erros ou oferecendo ao usuário uma opção
  antes que este se comprometa com a ação.




                                                    Bom exemplo
6. Reconhecimento em
  vez de memorização:
  minimizar a sobrecarga
  de memória do
  usuário tornando
  visíveis objetos,
  ações e opções.
  Informações sobre a
  utilização do sistema
  devem estar visíveis
  ou ser facilmente
  recuperáveis.

               Mau exemplo
7. Flexibilidade e eficiência de uso: oferecer aos usuários mais
   experientes atalhos e aceleradores que permitam que as
   tarefas sejam realizadas mais rapidamente.

                                                Bom exemplo:
                                                Site de buscas
                                                DuckDuckGo permite
                                                navegar pelos
                                                resultados através
                                                das setas do teclado
8. Estética
  e design
  simples: evitar
  a utilização de
  informações
  irrelevantes
  ou pouco
  necessárias.



Mau exemplo: Bing
Bom exemplo: Google
9. Ajudar os usuários a reconhecer, diagnosticar e recuperar-
  se de erros: as mensagens de erro devem utilizar uma
  linguagem clara, simples e de fácil entendimento,
  oferecendo opções construtivas para a solução.




                                                     Mau exemplo
10. Ajuda e documentação: mesmo que o sistema possa
    ser utilizado sem documentação, é necessário que haja
    documentação e ajuda. Estas informações devem ser fáceis
    de encontrar, focadas nas tarefas, não ser muito grande e
    ter um passo a passo para orientação.




                                                   Bom exemplo
Acessibilidade
Remover barreiras de acesso causadas
por limitações técnicas, ambientais e               Foco: DIRETRIZES
humanas.


                                                 Usabilidade
                                   Proporcionar melhor experiência aos
Foco: sistema/usuários             usuários em termos de eficiência,
                                   efetividade e satisfação.


                            Desenho Universal
 Proporcionar maior usabilidade e acessibilidade para o maior número de
 pessoas possível, independentemente de suas limitações.

                    Foco: produto para todos
Usabilidade X Acessibilidade (van AMSTEL, 2006)
Embora costumem se sobrepor, são áreas distintas e
complementares.

“Acessibilidade é a flexibilidade do acesso às funcionalidades
de um determinado produto ou local. Se um produto ou local
é acessível, então ele permite que pessoas com necessidades
especiais, seja por deficiência ou por limitações dos meios
utilizados, utilizem-no para seus fins.”

“Usabilidade é sinônimo de facilidade de uso. Se um produto é
fácil de usar, o usuário tem maior produtividade: aprende mais
rápido a usar, memoriza as operações e comete menos erros.”
Usabilidade ≠ Acessibilidade
Um site desenvolvido inteiramente em Flash pode ter boa
usabilidade, mas possuir graves problemas de acessibilidade,
pois o Flash oferece barreiras ao funcionamento de leitores de
tela, navegação por teclado, etc.

No caso de pessoas com deficiência, acessibilidade é um pré-
requisito para a usabilidade: sem acesso não há uso.
Pontos fracos_Iniciativas de Usabilidade
•	 Exclusão de pessoas com deficiência em pesquisas com usuários.

•	 Consideração da Acessibilidade como um serviço extra.

•	 Desconsideração do valor de mercado da Acessibilidade.

•	 Desconsideração de aspectos subjetivos da experiência de uso.

van AMSTEL, Frederick. Usabilidoido. Disponível em <http://www.
usabilidoido.com.br>.
Pontos fracos_Iniciativas de ACESSIBILIDADE
        •	 Carência de métodos de pesquisa e avaliação.

        •	 Apego excessivo às diretrizes.

        •	 Tecnocentrismo.

        •	 Desconsideração de aspectos subjetivos da
         experiência de uso.
van AMSTEL, Frederick. Usabilidoido. Disponível em <http://www.
usabilidoido.com.br>.
Exercício
Dar exemplo de cada um dos sete princípios do Design
Universal aplicados no ambiente digital.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 9050 exemplificada acessibilidade-1
Nbr 9050 exemplificada   acessibilidade-1Nbr 9050 exemplificada   acessibilidade-1
Nbr 9050 exemplificada acessibilidade-1Liz Mendes
 
Aula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaAula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaUNAERP
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidadermpatron
 
Educação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade MidiáticaEducação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade MidiáticaAlexandreMagnum
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00Valdir Soares
 
Projeto final - tecnico em informática
Projeto final - tecnico em informáticaProjeto final - tecnico em informática
Projeto final - tecnico em informáticaJonathan Cabral
 
Manual acessibilidade
Manual acessibilidadeManual acessibilidade
Manual acessibilidadeAndrew Cass
 
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...Instituto Consciência GO
 
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]Léo Dias
 
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 
Tendências de Tecnologia e Inovação
Tendências de Tecnologia e Inovação Tendências de Tecnologia e Inovação
Tendências de Tecnologia e Inovação Ademir Milton Piccoli
 
Usabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - DefiniçõesUsabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - DefiniçõesLuiz Agner
 
Os Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho UniversalOs Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho UniversalScott Rains
 
Manual do desenho universal
Manual do desenho universalManual do desenho universal
Manual do desenho universalWillian De Sá
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalKadu Sp
 

Mais procurados (20)

Nbr 9050 exemplificada acessibilidade-1
Nbr 9050 exemplificada   acessibilidade-1Nbr 9050 exemplificada   acessibilidade-1
Nbr 9050 exemplificada acessibilidade-1
 
Aula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaAula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquitetura
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Educação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade MidiáticaEducação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade Midiática
 
Arquitetura, projeto e conceito
Arquitetura, projeto e conceitoArquitetura, projeto e conceito
Arquitetura, projeto e conceito
 
Design Universal.
Design Universal.Design Universal.
Design Universal.
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
 
Dicas de uso Forum de Discussão [+]Comunicador
Dicas de uso Forum de Discussão [+]ComunicadorDicas de uso Forum de Discussão [+]Comunicador
Dicas de uso Forum de Discussão [+]Comunicador
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00
 
Projeto final - tecnico em informática
Projeto final - tecnico em informáticaProjeto final - tecnico em informática
Projeto final - tecnico em informática
 
Manual acessibilidade
Manual acessibilidadeManual acessibilidade
Manual acessibilidade
 
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
slides da aula Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Práticas Educat...
 
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Tendências de Tecnologia e Inovação
Tendências de Tecnologia e Inovação Tendências de Tecnologia e Inovação
Tendências de Tecnologia e Inovação
 
Usabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - DefiniçõesUsabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - Definições
 
Os Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho UniversalOs Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho Universal
 
Manual do desenho universal
Manual do desenho universalManual do desenho universal
Manual do desenho universal
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensional
 

Semelhante a Design Universal

Design Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilDesign Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilAlan Vasconcelos
 
Acessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizes
Acessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizesAcessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizes
Acessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizesAndrGonalvesMartins1
 
Usabilidade heurística
Usabilidade heurísticaUsabilidade heurística
Usabilidade heurísticaOtavio Augusto
 
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SP
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SPAcessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SP
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SPLucas J Silva
 
Usabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper PrototypeUsabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper Prototypeeudisnet
 
Heurística, Principios e Usabilidade na web
Heurística, Principios e Usabilidade na webHeurística, Principios e Usabilidade na web
Heurística, Principios e Usabilidade na webDaniel Brandão
 
Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!
Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!
Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!Henrique Perticarati
 
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de InformaçãoPalestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de InformaçãoLuiz Agner
 
Addtech - Usabilidade
Addtech - UsabilidadeAddtech - Usabilidade
Addtech - Usabilidade.add
 
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017Lucas J Silva
 
Acessibilidade em produtos digitais
Acessibilidade em produtos digitaisAcessibilidade em produtos digitais
Acessibilidade em produtos digitaisJaime Ribeiro
 
Acessibilidade em SRI - Mhtx
Acessibilidade em SRI - MhtxAcessibilidade em SRI - Mhtx
Acessibilidade em SRI - MhtxAlan Vasconcelos
 
Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidade
Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidadeConteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidade
Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidadeMárcia Silva Corrêa
 
My Report - Usability Tests
My Report - Usability TestsMy Report - Usability Tests
My Report - Usability TestsMichel Alves
 
Guia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento Urbano
Guia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento UrbanoGuia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento Urbano
Guia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento UrbanoScott Rains
 
Campus Mobile 2013 - Design e usabilidade
Campus Mobile 2013 - Design e usabilidadeCampus Mobile 2013 - Design e usabilidade
Campus Mobile 2013 - Design e usabilidadeLeandro Biazon
 

Semelhante a Design Universal (20)

Usabilidade
UsabilidadeUsabilidade
Usabilidade
 
Design Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilDesign Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostil
 
Acessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizes
Acessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizesAcessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizes
Acessibilidade Leis Decretos, normais , diretrizes
 
Usabilidade heurística
Usabilidade heurísticaUsabilidade heurística
Usabilidade heurística
 
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SP
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SPAcessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SP
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - Meetup Front-End SP
 
Usabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper PrototypeUsabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper Prototype
 
Heurística, Principios e Usabilidade na web
Heurística, Principios e Usabilidade na webHeurística, Principios e Usabilidade na web
Heurística, Principios e Usabilidade na web
 
Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!
Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!
Usabilidade & heurísticas para a todos guiar!
 
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de InformaçãoPalestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
 
Usabilidade
UsabilidadeUsabilidade
Usabilidade
 
Addtech - Usabilidade
Addtech - UsabilidadeAddtech - Usabilidade
Addtech - Usabilidade
 
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017
Acessibilidade no design e desenvolvimento web - R design 2017
 
Acessibilidade em produtos digitais
Acessibilidade em produtos digitaisAcessibilidade em produtos digitais
Acessibilidade em produtos digitais
 
Acessibilidade em SRI - Mhtx
Acessibilidade em SRI - MhtxAcessibilidade em SRI - Mhtx
Acessibilidade em SRI - Mhtx
 
Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidade
Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidadeConteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidade
Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidade
 
My Report - Usability Tests
My Report - Usability TestsMy Report - Usability Tests
My Report - Usability Tests
 
Guia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento Urbano
Guia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento UrbanoGuia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento Urbano
Guia Operacional de Acessibilidade para Projetos de Desenvolvimento Urbano
 
Web acessível
Web acessívelWeb acessível
Web acessível
 
Usabilidade
UsabilidadeUsabilidade
Usabilidade
 
Campus Mobile 2013 - Design e usabilidade
Campus Mobile 2013 - Design e usabilidadeCampus Mobile 2013 - Design e usabilidade
Campus Mobile 2013 - Design e usabilidade
 

Mais de aiadufmg

Linked in parte 2
Linked in   parte 2Linked in   parte 2
Linked in parte 2aiadufmg
 
Last fm parte 2
Last fm   parte 2Last fm   parte 2
Last fm parte 2aiadufmg
 
Delicious parte 2
Delicious   parte 2Delicious   parte 2
Delicious parte 2aiadufmg
 
Skoob parte 2
Skoob   parte 2Skoob   parte 2
Skoob parte 2aiadufmg
 
Livemocha parte 2
Livemocha   parte 2Livemocha   parte 2
Livemocha parte 2aiadufmg
 
LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2aiadufmg
 
Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2aiadufmg
 
Delicious - parte 2
Delicious - parte 2Delicious - parte 2
Delicious - parte 2aiadufmg
 
Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2aiadufmg
 
Skoob - parte 2
Skoob - parte 2Skoob - parte 2
Skoob - parte 2aiadufmg
 
Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfacesaiadufmg
 
Acessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitaisAcessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitaisaiadufmg
 
Sites acessíveis
Sites acessíveisSites acessíveis
Sites acessíveisaiadufmg
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidadeaiadufmg
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivasaiadufmg
 
Ai ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsortingAi ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsortingaiadufmg
 

Mais de aiadufmg (20)

Linked in parte 2
Linked in   parte 2Linked in   parte 2
Linked in parte 2
 
Last fm parte 2
Last fm   parte 2Last fm   parte 2
Last fm parte 2
 
Delicious parte 2
Delicious   parte 2Delicious   parte 2
Delicious parte 2
 
Skoob parte 2
Skoob   parte 2Skoob   parte 2
Skoob parte 2
 
Livemocha parte 2
Livemocha   parte 2Livemocha   parte 2
Livemocha parte 2
 
LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2
 
Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2Last Fm - parte 2
Last Fm - parte 2
 
Delicious - parte 2
Delicious - parte 2Delicious - parte 2
Delicious - parte 2
 
Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2Livemocha - parte 2
Livemocha - parte 2
 
Skoob - parte 2
Skoob - parte 2Skoob - parte 2
Skoob - parte 2
 
Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfaces
 
Acessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitaisAcessibilidade em bibliotecas digitais
Acessibilidade em bibliotecas digitais
 
Sites acessíveis
Sites acessíveisSites acessíveis
Sites acessíveis
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
 
Flickr
FlickrFlickr
Flickr
 
Ai ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsortingAi ad aula 6_atividadecardsorting
Ai ad aula 6_atividadecardsorting
 
Skoob
SkoobSkoob
Skoob
 
Livemocha
LivemochaLivemocha
Livemocha
 
Linked In
Linked InLinked In
Linked In
 

Último

Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 

Último (20)

Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 

Design Universal

  • 1. Design Universal Desenho Universal Design para todos: origem e conceitos ©2012 Cláudio Diniz Alves e Janicy Rocha
  • 2. Como surgiu o Design Universal? O termo Design Universal foi usado pela primeira vez por Ronald Mace, arquiteto cadeirante, nos anos 70, em relação à área de Arquitetura. Com o passar dos anos, sua aplicação se ampliou a outros ramos técnicos, acadêmicos e profissionais, no desenvolvimento de produtos ao consumido, incluindo, mais recentemente, produtos de telecomunicações e de tecnologia da informação. DIAS, C. Usabilidade na Web: Criando Portais mais Acessíveis. Alta Books, 2007.
  • 4. o que é Design Universal? O Decreto 5296/04 define, em seu artigo 8º e inciso IX, o “Desenho Universal” como: “concepção de espaços, artefatos e produtos que visam atender simultaneamente todas as pessoas, com diferentes características antropométricas e sensoriais, de forma autônoma, segura e confortável, constituindo- se nos elementos ou soluções que compõem a acessibilidade”. Decreto nº 5.296 de 02 de Dezembro de 2004. Diário Oficial da União, Brasília: Senado Federal, 03 dez. 2004.
  • 5. Os 7 princípios do Design Universal 1. Igualitário 2. Adaptável 3. Óbvio 4. Conhecido 5. Seguro 6. Sem esforço 7. Abrangente
  • 6. Igualitário Espaços, objetos e produtos que podem ser utilizados por pessoas com diferentes capacidades, tornando os ambientes iguais para todos. Exemplo: portas com sensores que se abrem sem exigir força física ou alcance das mãos de usuários de alturas variadas.
  • 7. adaptável Produtos ou espaços que atendam pessoas com diferentes habilidades e diversas preferências, sendo adaptáveis para qualquer uso. Exemplo: tesoura que se adapta a destros e canhotos.
  • 8. óbvio De fácil entendimento para que uma pessoa possa compreender, independentemente de sua experiência, conhecimento, habilidades de linguagem ou nível de concentração. Exemplo: sanitários femininos e masculinos para pessoas com deficiência.
  • 9. conhecido A informação necessária é transmitida de forma a atender as necessidades do receptador, seja ela uma pessoa estrangeira, com dificuldade de visão ou audição. Exemplo: utilizar diferentes maneiras de comunicação, tais como símbolos e letras em relevo, Braille e sinalização auditiva.
  • 10. seguro Previsto para minimizar os riscos e possíveis conseqüências de ações acidentais ou não intencionais. Exemplo: elevadores com sensores em diversas alturas que permitam às pessoas entrarem sem riscos de a porta ser fechada no meio do procedimento.
  • 11. sem esforço Possível de ser usado eficientemente, com conforto e com o mínimo de fadiga. Exemplo: maçanetas tipo alavanca, que são de fácil utilização, podendo ser acionadas até com o cotovelo.
  • 12. abrangente Que estabelece dimensões e espaços apropriados para o acesso, o alcance, a manipulação e o uso, independentemente do tamanho do corpo, da postura ou mobilidade do usuário. Exemplo: Poltronas para obesos em cinemas e teatros.
  • 13. O Design Universal é a conciliação de variáveis como acessibilidade, usabilidade, tecnologias assistivas, além de questões políticas, econômicas e ergonômicas.
  • 14. Como surgiu a Usabilidade? A usabilidade tem suas raízes na Ciência Cognitiva e utilização deste termo iniciou-se na década de 80, como substituto da expressão “user-friendly” (amigável), considerada vaga e muito subjetiva. DIAS, C. Usabilidade na Web: Criando Portais mais Acessíveis. Alta Books, 2007. Em 1991, foi fundada a Usability Professionals Association (UPA), constituída por uma comunidade respeitável de profissionais, pesquisadores e empresas com participação ativa em estudos, pesquisas e testes de usabilidade.
  • 15. Usabilidade Capacidade de um produto ser usado por usuários específicos para atingir objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um contexto específico de uso. NBR ISO/IEC 9241-11: Guia de especificações e medidas de usabilidade. Rio de Janeiro: ABNT, 1998. BRASIL.
  • 18. Usabilidade “Um conjunto de atributos de software relacionado ao esforço necessário para seu uso e para o julgamento individual de tal uso por determinado conjunto de usuários.” NBR ISO/IEC 9126-1: Engenharia de software – qualidade de produto. Parte 1: modelo de qualidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2003. BRASIL. “A usabilidade mede até que ponto um produto de informação, um sistema de informação, um serviço de informação ou uma informação se prestam ao uso.” LE COADIC, Y. F. A Ciência da Informação. 2. ed. Tradução de Maria Yêda F. S. de Filgueiras Gomes. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.
  • 19. Usabilidade A usabilidade é um atributo de qualidade que avalia a facilidade com que se usa uma interface. Possui cinco atributos de qualidade: Facilidade de aprendizado: O sistema deve permitir que o usuário consiga rapidamente explorá-lo e realizar suas tarefas com ele. Eficiência de uso: o sistema deve permitir que o usuário, tendo aprendido a interagir com ele, atinja altos níveis de produtividade em suas tarefas. Facilidade de memorização: o sistema deve permitir que o usuário não frequente seja capaz de realizar suas tarefas sem precisar reaprender como utilizá-lo. Baixa taxa de erros: o sistema deve permitir que o usuário realize suas tarefas sem transtornos, recuperando de erros, caso ocorram. Satisfação subjetiva: o sistema deve fazer com que o usuário o considere agradável e se sinta subjetivamente satisfeito com ele. NIELSEN, J. Usability Engineering. Chestnut Hill, MA, Academic Press, 1993.
  • 20. Os 10 princípios fundamentais de usabilidade Nielsen, J. Ten Usability Heuristics. Disponível em: <http://www.useit.com/ papers/heuristic/heuristic_list.html>.
  • 21. 1. Visibilidade do status do sistema: os usuários devem sempre ser informados, em tempo real, sobre o que está acontecendo no sistema. Bom exemplo
  • 22. 2. Compatibilidade do sistema com o mundo real: o sistema deve apresentar a informação com uma linguagem familiar ao usuário. Mau exemplo
  • 23. 3. Controle do usuário e liberdade: o sistema deve permitir ao usuário ter controle total para que este possa sair de estados indesejados. Bom exemplo
  • 24. 4. Consistência e padrões: o sistema deve seguir uma convenção estipulada inicialmente. Mau exemplo
  • 25. 5. Prevenção de erros: melhor que oferecer boas mensagens de erros é prevenir que estes ocorram, verificando e eliminando propensões a erros ou oferecendo ao usuário uma opção antes que este se comprometa com a ação. Bom exemplo
  • 26. 6. Reconhecimento em vez de memorização: minimizar a sobrecarga de memória do usuário tornando visíveis objetos, ações e opções. Informações sobre a utilização do sistema devem estar visíveis ou ser facilmente recuperáveis. Mau exemplo
  • 27. 7. Flexibilidade e eficiência de uso: oferecer aos usuários mais experientes atalhos e aceleradores que permitam que as tarefas sejam realizadas mais rapidamente. Bom exemplo: Site de buscas DuckDuckGo permite navegar pelos resultados através das setas do teclado
  • 28. 8. Estética e design simples: evitar a utilização de informações irrelevantes ou pouco necessárias. Mau exemplo: Bing Bom exemplo: Google
  • 29. 9. Ajudar os usuários a reconhecer, diagnosticar e recuperar- se de erros: as mensagens de erro devem utilizar uma linguagem clara, simples e de fácil entendimento, oferecendo opções construtivas para a solução. Mau exemplo
  • 30. 10. Ajuda e documentação: mesmo que o sistema possa ser utilizado sem documentação, é necessário que haja documentação e ajuda. Estas informações devem ser fáceis de encontrar, focadas nas tarefas, não ser muito grande e ter um passo a passo para orientação. Bom exemplo
  • 31. Acessibilidade Remover barreiras de acesso causadas por limitações técnicas, ambientais e Foco: DIRETRIZES humanas. Usabilidade Proporcionar melhor experiência aos Foco: sistema/usuários usuários em termos de eficiência, efetividade e satisfação. Desenho Universal Proporcionar maior usabilidade e acessibilidade para o maior número de pessoas possível, independentemente de suas limitações. Foco: produto para todos
  • 32. Usabilidade X Acessibilidade (van AMSTEL, 2006) Embora costumem se sobrepor, são áreas distintas e complementares. “Acessibilidade é a flexibilidade do acesso às funcionalidades de um determinado produto ou local. Se um produto ou local é acessível, então ele permite que pessoas com necessidades especiais, seja por deficiência ou por limitações dos meios utilizados, utilizem-no para seus fins.” “Usabilidade é sinônimo de facilidade de uso. Se um produto é fácil de usar, o usuário tem maior produtividade: aprende mais rápido a usar, memoriza as operações e comete menos erros.”
  • 33. Usabilidade ≠ Acessibilidade Um site desenvolvido inteiramente em Flash pode ter boa usabilidade, mas possuir graves problemas de acessibilidade, pois o Flash oferece barreiras ao funcionamento de leitores de tela, navegação por teclado, etc. No caso de pessoas com deficiência, acessibilidade é um pré- requisito para a usabilidade: sem acesso não há uso.
  • 34. Pontos fracos_Iniciativas de Usabilidade • Exclusão de pessoas com deficiência em pesquisas com usuários. • Consideração da Acessibilidade como um serviço extra. • Desconsideração do valor de mercado da Acessibilidade. • Desconsideração de aspectos subjetivos da experiência de uso. van AMSTEL, Frederick. Usabilidoido. Disponível em <http://www. usabilidoido.com.br>.
  • 35. Pontos fracos_Iniciativas de ACESSIBILIDADE • Carência de métodos de pesquisa e avaliação. • Apego excessivo às diretrizes. • Tecnocentrismo. • Desconsideração de aspectos subjetivos da experiência de uso. van AMSTEL, Frederick. Usabilidoido. Disponível em <http://www. usabilidoido.com.br>.
  • 36. Exercício Dar exemplo de cada um dos sete princípios do Design Universal aplicados no ambiente digital.