SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA
GRASIELA BARBOSA
ENG.ª AGRÔNOMA
NUTRIÇÃO VEGETAL
NUTRIENTES
 Responsável
crescimento e
desenvolvimento das
plantas;
 Absorvidos pelo sistema
radicular e folhas
 Devem estar disponíveis
na solução do solo para
que as plantas possam
absorvê-los
Análise - Avaliação
 Sintomas visuais :
 Método mais simples e direto de se avaliar o estado
nutricional da planta;
 Sintomas nem sempre são claro
 Na maioria das vezes não ocorre deficiência de
apenas um nutriente
 Na análise visual pode haver confusão com sintomas
de doenças, ataques de pragas,falta de água ou
temperatura muito baixa ou muito alta
 Ao aparecer os sintomas visuais, a produtividade já
está afetada
Análise - Avaliação
 No processo de redistribuição de nutrientes na
planta, a deficiência aparece:
 nutrientes móveis aparece nas folhas velhas.
 nutrientes imóveis aparece nas folhas novas
Sintomas gerais de deficiência nutricional
Análise de tecido vegetal ou foliar
 Usada em pomares;
 Confirma diagnose visual
 Auxilia a análise de solo, afim de verificar a
fertilidade – Situações (compactação, temperatura,
estresse hídrico, desequilíbrio de nutrientes)
 Amostragem - Orientações - apostila
Avaliação da nutrição das plantas
Nutrição vegetal
Nutrição vegetal
Nutrição vegetal
Nutrição vegetal
Nutrição vegetal
MACRO E MICRONUTRIENTES
 Classificação –
 Está relacionada com a quantidade de nutrientes
utilizados pela planta
 Macronutrientes (g/kg)
 Micronutrientes(mg/kg)
 Apenas o Carbono, o Hidrogênio e o Oxigênio não
são minerais
 Estes representam 90% à 95% da massa seca da
planta
Nutrição vegetal
Macronutrientes
 Carbono (C)
 Hidrogênio (H)
 Oxigênio (O)
Nitrogênio (N)
 Requerido em maior quantidade pelas maioria das
plantas (entre os absorvidos pelo solo)
 Constituinte de
proteínas,aminoácidos,pigmentos,hormônios,
DNA,RNA e vitaminas
 Aproveitamento : FBN e adubação (mineral e
orgânica)
 Critério no uso devido à perda (erosão,lixiviação e
volatilização – poluição da água)
 Ver tabela de fertilizantes
Nitrogênio (N)
Nitrogênio (N) FBN
Nitrogênio (N)
Nitrogênio (N) FBN
Fósforo (P)
 Participa nos processos de trocas de energia(ATP), divisão
celular (DNA?RNA) e constituição estrutura dos vegetais
 Ver tabela de fertilizantes
Potássio (K)
 É um dos nutrientes exigidos em maiores
quantidades pelas culturas
 Função principal: ativador enzimático (+120
enzimas) – processos vitais da planta
 É um nutriente mais fácil de ser manejado no solo
(não sofre perdas – e nem transformações)
 Regulação da turgidez dos tecidos,resistência à geada,
seca e salinidade,abertura e fechamento dos
estômatos, resistência à moléstias e ao acamamento
 Ver tabela de fertilizantes
Potássio (K)
Potássio (K)
Cálcio (Ca)
 Participa da CTC do solo
 Faz parte da estrutura da planta (parede celular)
 Atua como ativador enzimático em reações da
fotossíntese
 Atuam nas estruturas reprodutivas e raízes da planta
 Adicionado ao solo (calagem, gesso agrícola e outros
adubos nitrogenados e fosfatados)
Cálcio (Ca)
 A deficiência:
 Deixa o tecido vegetal mais susceptível ao fungo em
tomateiro;
 Podridão apical
 Sintomas aparecem em folhas mais jovens com
deterioração das pontas e margens
Cálcio (Ca)
Nutrição vegetal
Magnésio (Mg)
 Participa da CTC do solo
 Adicionado através da calagem (Cacário Dolomítico)
 Ativador enzimático processos fisiológicos
 Cosntituinte Central da molécula de Clorofila
Magnésio (Mg)
Nutrição vegetal
Enxofre (S)
 É absorvido pela planta na forma de sulfato
 Sua disponibilidade está diretamente relacionada
com o teor de matéria orgânica, umidade,PH, relação
C/S(carbono/enxofre) e a aeração do solo
 Faz parte da estrutura de aminoácidos e vitaminas
 Está envolvido em processo fisiológico
(fotossíntese,respiração e a produção de amido,
clorofila e proteínas)
 Contribui para o cheiro característico de alguns
produtos vegetais – cebola, alho, couve-flor, brócolis
e repolh0
Enxofre (S)
Enxofre (S)
Enxofre (S)
MICRONUTRIENTES
 Ferro (fe)
 Absorvido em maior quantidade pela maioria das
plantas
 Apresentam teor adequado quando o solo Ph próx. 6,0
 Atua na atividade de várias enzimas da planta
(Fotossíntese, respiração e ATP)
MICRONUTRIENTES
Ferro (Fe)
 É o micronutriente absorvido em maior quantidade
pela maioria das plantas
 Pode ocorrer em solos secos ou encharcados
 Em solos com PH próximo à 6,0 – apresentam em
teores adequados
 Com PH ácido : Disponibilidade excessiva - TOXIDEZ
 Faz parte da constituição de moléculas envolvidas na
fotossíntese e respiração
 A folha se torna branca com áreas necróticas em razão da
inibição da síntese de clorofila
Ferro (Fe)
Nutrição vegetal
Manganês (Mn)
 É o segundo micronutriente utilizado em maiores
quantidades pelas plantas
 Predomina em solos ácidos (Ph baixo)
 Em situação de calagem excessiva pode ocorrer
deficiência (ph elevado)
 Atua no processo de fotossíntese e FBN nas
leguminosas
Boro (B)
 Está relacionado com o crescimento radicular
 É fundamental na fase reprodutiva da planta
(florescimento – aplicação via foliar)
 Aumenta a coloração vermelha da epiderme de
maçãs
 A matéria orgânica tem importante contribuição na
disponibilidade deste nutriente
 Em Ph elevado diminui a disponibilidade
Boro (B)
Boro (B)
Boro (B)
Nutrição vegetal
Zinco (Z)
 Atua como ativador de enzimas envolvidos diversos
processos fisiológicos (fotossíntese,produção de
amido e fito-hormônios)
 Observa-se deficiência em solos arenosos e/ou Ph
elevado (decorrente de calagem excessiva)
 Deficiência: Folhas em rosetas, entrenós curtos
 Adubação excessiva com fósforo(P) pode causar
deficiência de zinco (o P inibe a absorção de Zn)
Zinco (Z)
ZINCO (Z)
Cobre (Cu)
 Atua como ativador de enzimas envolvidos diversos
processos fisiológicos (fotossíntese,respiração,
transporte de fotoassimilados, FBN,formação parede
celular, Síntese de DNA e RNA e metabolismo de
proteínas)
 A disponibilidade diminui com o Ph
Molibdênio (Mo)
 É o nutriente absorvido em menores quantidades
pelas plantas
 Sua disponibilidade aumenta com a elevação do PH
(deficiência em solos ácidos)
 Está relacionado com o metabolismo do N (FBN –
leguminosas)
 É um nutriente indicado para se colocar junto às
sementes no plantio
Cloro (Cl)
 A água tratada com Cloro e usada para irrigar,
juntamente com adubações sucessivas de Cloreto de
Potássio(KCl) – + Toxidez do que - deficiência
 Está envolvido na fotossíntese e processo de abertura
dos estômatos
Elementos Tóxicos
 Prejudicam as plantas em qualquer quantidade (não são
essenciais e nem úteis – Classificação)
 Alumínio (Al)
 É problema em solos ácidos (ph menor que 5,5)
 Menor crescimento e engrossamento das raízes –
absorção
 Processos fisiológicos (fotossíntese e respiração)
 Interefere na absorção de outros nutrientes
(Ca,P,Mg,Cu,Mn e Fe)
 Outros elementos tóxicos: Cromo (Cr),Flúor(F),Chumbo
(Pb) e Bromo (Br)
Adubação Folhar ou Foliar
 É uma capacidade complementar de absorção(raízes )
 Utilizada para corrigir deficiências e/ou
complementar a adubação realizada no solo
 Vantagens:
 Melhor aproveitamento de alguns nutrientes
 Pode-se aplicar junto com alguns defensivos agrícolas
 A eficiência está relacionada com alguns fatores
Adubação Folhar ou Foliar – Fatores - Bula
Adubação Folhar ou Foliar
 De maneira geral NÃO pode ser considerada como
substituta da adubação do solo – Adubação
complementar
 Pode ser usada como alternativa: solos com baixa
disponibilidade de nutrientes; solos áridos;para
aumentar o teor de proteína em grãos de cereais;
aumentar o teor de Ca em frutas (Maçã)
Nutrição vegetal
Sinais de deficiência nutritiva
Até outro dia...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
Fernanda de Sousa Fernandes
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
Jadson Belem de Moura
 
Nutricao das plantas 1
Nutricao das plantas 1Nutricao das plantas 1
Nutricao das plantas 1
AnaSantos1304
 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Macronutrientes geta
Macronutrientes getaMacronutrientes geta
Macronutrientes geta
Iury Felix
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
Saul Ramos
 
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
Dayenne Herrera
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
Nutrição de plantas boro
Nutrição de plantas boroNutrição de plantas boro
Nutrição de plantas boro
Rafael Farias
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Fosforo na planta
Fosforo na plantaFosforo na planta
Fosforo na planta
Erikson Cipriano
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
Giovani de Oliveira Arieira
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
Geagra UFG
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
Alfredo Cossa
 
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de CoberturaAdubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Geagra UFG
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Nutricao das plantas 1
Nutricao das plantas 1Nutricao das plantas 1
Nutricao das plantas 1
 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
Macronutrientes geta
Macronutrientes getaMacronutrientes geta
Macronutrientes geta
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
Nutrição de plantas boro
Nutrição de plantas boroNutrição de plantas boro
Nutrição de plantas boro
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Fosforo na planta
Fosforo na plantaFosforo na planta
Fosforo na planta
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
 
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de CoberturaAdubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 

Semelhante a Nutrição vegetal

Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
UEG
 
4646 16678-1-pb
4646 16678-1-pb4646 16678-1-pb
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
Pelo Siro
 
Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
Faculdade Guaraí
 
Química e fertilidade do solo unidades
Química e fertilidade do solo  unidadesQuímica e fertilidade do solo  unidades
Química e fertilidade do solo unidades
Rogger Wins
 
00002
0000200002
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
celso pedro banze
 
Fósforo (P).pptx
Fósforo (P).pptxFósforo (P).pptx
Fósforo (P).pptx
GustavoHenriqueSanto18
 
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicaisInfluência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Marília Gomes
 
Estresses ambientais em vegetais
Estresses ambientais em vegetaisEstresses ambientais em vegetais
Estresses ambientais em vegetais
Heitor de Oliveira Braga
 
Apresentação Molibdênio (Mo)
Apresentação Molibdênio (Mo)Apresentação Molibdênio (Mo)
Apresentação Molibdênio (Mo)
Rebeca Queiroz
 
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
estressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptx
estressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptxestressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptx
estressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptx
UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
 
FV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdf
FV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdfFV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdf
FV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdf
YuranNhantumbo1
 
Beatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano eBeatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano e
4eprofessoravaleria
 
K
KK
Importancia de adubos para a agricultura
Importancia de adubos para a agriculturaImportancia de adubos para a agricultura
Importancia de adubos para a agricultura
Amadeu Afonso Afonso
 
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
MariaRibeiro194699
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do Algodeiro
Geagra UFG
 
Pfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigoPfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigo
gdaBarros
 

Semelhante a Nutrição vegetal (20)

Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
 
4646 16678-1-pb
4646 16678-1-pb4646 16678-1-pb
4646 16678-1-pb
 
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
 
Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
 
Química e fertilidade do solo unidades
Química e fertilidade do solo  unidadesQuímica e fertilidade do solo  unidades
Química e fertilidade do solo unidades
 
00002
0000200002
00002
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Fósforo (P).pptx
Fósforo (P).pptxFósforo (P).pptx
Fósforo (P).pptx
 
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicaisInfluência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
 
Estresses ambientais em vegetais
Estresses ambientais em vegetaisEstresses ambientais em vegetais
Estresses ambientais em vegetais
 
Apresentação Molibdênio (Mo)
Apresentação Molibdênio (Mo)Apresentação Molibdênio (Mo)
Apresentação Molibdênio (Mo)
 
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
 
estressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptx
estressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptxestressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptx
estressesambientaisemvegetais-130821140930-phpapp01.pptx
 
FV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdf
FV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdfFV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdf
FV-apontamentos_Nutricao_Semestre1-2024.pdf
 
Beatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano eBeatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano e
 
K
KK
K
 
Importancia de adubos para a agricultura
Importancia de adubos para a agriculturaImportancia de adubos para a agricultura
Importancia de adubos para a agricultura
 
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do Algodeiro
 
Pfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigoPfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigo
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Nutrição vegetal

  • 1. CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA GRASIELA BARBOSA ENG.ª AGRÔNOMA NUTRIÇÃO VEGETAL
  • 2. NUTRIENTES  Responsável crescimento e desenvolvimento das plantas;  Absorvidos pelo sistema radicular e folhas  Devem estar disponíveis na solução do solo para que as plantas possam absorvê-los
  • 3. Análise - Avaliação  Sintomas visuais :  Método mais simples e direto de se avaliar o estado nutricional da planta;  Sintomas nem sempre são claro  Na maioria das vezes não ocorre deficiência de apenas um nutriente  Na análise visual pode haver confusão com sintomas de doenças, ataques de pragas,falta de água ou temperatura muito baixa ou muito alta  Ao aparecer os sintomas visuais, a produtividade já está afetada
  • 4. Análise - Avaliação  No processo de redistribuição de nutrientes na planta, a deficiência aparece:  nutrientes móveis aparece nas folhas velhas.  nutrientes imóveis aparece nas folhas novas
  • 5. Sintomas gerais de deficiência nutricional
  • 6. Análise de tecido vegetal ou foliar  Usada em pomares;  Confirma diagnose visual  Auxilia a análise de solo, afim de verificar a fertilidade – Situações (compactação, temperatura, estresse hídrico, desequilíbrio de nutrientes)  Amostragem - Orientações - apostila
  • 13. MACRO E MICRONUTRIENTES  Classificação –  Está relacionada com a quantidade de nutrientes utilizados pela planta  Macronutrientes (g/kg)  Micronutrientes(mg/kg)  Apenas o Carbono, o Hidrogênio e o Oxigênio não são minerais  Estes representam 90% à 95% da massa seca da planta
  • 15. Macronutrientes  Carbono (C)  Hidrogênio (H)  Oxigênio (O)
  • 16. Nitrogênio (N)  Requerido em maior quantidade pelas maioria das plantas (entre os absorvidos pelo solo)  Constituinte de proteínas,aminoácidos,pigmentos,hormônios, DNA,RNA e vitaminas  Aproveitamento : FBN e adubação (mineral e orgânica)  Critério no uso devido à perda (erosão,lixiviação e volatilização – poluição da água)  Ver tabela de fertilizantes
  • 21. Fósforo (P)  Participa nos processos de trocas de energia(ATP), divisão celular (DNA?RNA) e constituição estrutura dos vegetais  Ver tabela de fertilizantes
  • 22. Potássio (K)  É um dos nutrientes exigidos em maiores quantidades pelas culturas  Função principal: ativador enzimático (+120 enzimas) – processos vitais da planta  É um nutriente mais fácil de ser manejado no solo (não sofre perdas – e nem transformações)  Regulação da turgidez dos tecidos,resistência à geada, seca e salinidade,abertura e fechamento dos estômatos, resistência à moléstias e ao acamamento  Ver tabela de fertilizantes
  • 25. Cálcio (Ca)  Participa da CTC do solo  Faz parte da estrutura da planta (parede celular)  Atua como ativador enzimático em reações da fotossíntese  Atuam nas estruturas reprodutivas e raízes da planta  Adicionado ao solo (calagem, gesso agrícola e outros adubos nitrogenados e fosfatados)
  • 26. Cálcio (Ca)  A deficiência:  Deixa o tecido vegetal mais susceptível ao fungo em tomateiro;  Podridão apical  Sintomas aparecem em folhas mais jovens com deterioração das pontas e margens
  • 29. Magnésio (Mg)  Participa da CTC do solo  Adicionado através da calagem (Cacário Dolomítico)  Ativador enzimático processos fisiológicos  Cosntituinte Central da molécula de Clorofila
  • 32. Enxofre (S)  É absorvido pela planta na forma de sulfato  Sua disponibilidade está diretamente relacionada com o teor de matéria orgânica, umidade,PH, relação C/S(carbono/enxofre) e a aeração do solo  Faz parte da estrutura de aminoácidos e vitaminas  Está envolvido em processo fisiológico (fotossíntese,respiração e a produção de amido, clorofila e proteínas)  Contribui para o cheiro característico de alguns produtos vegetais – cebola, alho, couve-flor, brócolis e repolh0
  • 36. MICRONUTRIENTES  Ferro (fe)  Absorvido em maior quantidade pela maioria das plantas  Apresentam teor adequado quando o solo Ph próx. 6,0  Atua na atividade de várias enzimas da planta (Fotossíntese, respiração e ATP)
  • 37. MICRONUTRIENTES Ferro (Fe)  É o micronutriente absorvido em maior quantidade pela maioria das plantas  Pode ocorrer em solos secos ou encharcados  Em solos com PH próximo à 6,0 – apresentam em teores adequados  Com PH ácido : Disponibilidade excessiva - TOXIDEZ  Faz parte da constituição de moléculas envolvidas na fotossíntese e respiração  A folha se torna branca com áreas necróticas em razão da inibição da síntese de clorofila
  • 40. Manganês (Mn)  É o segundo micronutriente utilizado em maiores quantidades pelas plantas  Predomina em solos ácidos (Ph baixo)  Em situação de calagem excessiva pode ocorrer deficiência (ph elevado)  Atua no processo de fotossíntese e FBN nas leguminosas
  • 41. Boro (B)  Está relacionado com o crescimento radicular  É fundamental na fase reprodutiva da planta (florescimento – aplicação via foliar)  Aumenta a coloração vermelha da epiderme de maçãs  A matéria orgânica tem importante contribuição na disponibilidade deste nutriente  Em Ph elevado diminui a disponibilidade
  • 46. Zinco (Z)  Atua como ativador de enzimas envolvidos diversos processos fisiológicos (fotossíntese,produção de amido e fito-hormônios)  Observa-se deficiência em solos arenosos e/ou Ph elevado (decorrente de calagem excessiva)  Deficiência: Folhas em rosetas, entrenós curtos  Adubação excessiva com fósforo(P) pode causar deficiência de zinco (o P inibe a absorção de Zn)
  • 49. Cobre (Cu)  Atua como ativador de enzimas envolvidos diversos processos fisiológicos (fotossíntese,respiração, transporte de fotoassimilados, FBN,formação parede celular, Síntese de DNA e RNA e metabolismo de proteínas)  A disponibilidade diminui com o Ph
  • 50. Molibdênio (Mo)  É o nutriente absorvido em menores quantidades pelas plantas  Sua disponibilidade aumenta com a elevação do PH (deficiência em solos ácidos)  Está relacionado com o metabolismo do N (FBN – leguminosas)  É um nutriente indicado para se colocar junto às sementes no plantio
  • 51. Cloro (Cl)  A água tratada com Cloro e usada para irrigar, juntamente com adubações sucessivas de Cloreto de Potássio(KCl) – + Toxidez do que - deficiência  Está envolvido na fotossíntese e processo de abertura dos estômatos
  • 52. Elementos Tóxicos  Prejudicam as plantas em qualquer quantidade (não são essenciais e nem úteis – Classificação)  Alumínio (Al)  É problema em solos ácidos (ph menor que 5,5)  Menor crescimento e engrossamento das raízes – absorção  Processos fisiológicos (fotossíntese e respiração)  Interefere na absorção de outros nutrientes (Ca,P,Mg,Cu,Mn e Fe)  Outros elementos tóxicos: Cromo (Cr),Flúor(F),Chumbo (Pb) e Bromo (Br)
  • 53. Adubação Folhar ou Foliar  É uma capacidade complementar de absorção(raízes )  Utilizada para corrigir deficiências e/ou complementar a adubação realizada no solo  Vantagens:  Melhor aproveitamento de alguns nutrientes  Pode-se aplicar junto com alguns defensivos agrícolas  A eficiência está relacionada com alguns fatores
  • 54. Adubação Folhar ou Foliar – Fatores - Bula
  • 55. Adubação Folhar ou Foliar  De maneira geral NÃO pode ser considerada como substituta da adubação do solo – Adubação complementar  Pode ser usada como alternativa: solos com baixa disponibilidade de nutrientes; solos áridos;para aumentar o teor de proteína em grãos de cereais; aumentar o teor de Ca em frutas (Maçã)