SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Arte, cidade e patrimônio cultural
Cidade lugar onde diferentes culturas, diferentes práticas culturais. Produz, abriga e faz a
circulação de diferentes formas de Arte. Arte urbana. Arte pública. Arte na rua. Arte da
rua.
A expressão Arte Urbana ou streetart refere-se a manifestações artísticas desenvolvidas
no espaço público, distinguindo-se das manifestações de caráter institucional ou
empresarial, bem como do mero vandalismo.
Arte Pública refere-se à arte realizada fora dos espaços tradicionalmente dedicados a ela,
os museus e galerias. Fala-se de uma arte em espaços públicos, ainda que o termo possa
designar também interferências artísticas em espaços privados, como hospitais e
aeroportos. A idéia geral é de que se trata de arte fisicamente acessível, que modifica a
paisagem circundante, de modo permanente ou temporário. O termo entra para o
vocabulário da crítica de arte na década 1970.
Patrimônio Cultural é o conjunto de todos os bens culturais, materiais ou imateriais, que,
pelo seu valor próprio, devem ser considerados de interesse relevante para a
permanência e a identidade da cultura de um povo. Obras de arte que habitam a rua, que
vivem em museus, obras de arte efêmeras que são registradas em diferentes mídias,
manifestações artísticas do povo que são mantidas de geração em geração, que se
oferecem ao nosso olhar.
Quando se preserva legalmente e na prática o patrimônio cultural, conserva-se a memória
do que fomos e do que somos: a identidade da nação. Patrimônio, etimologicamente,
significa "herança paterna"- na verdade, a riqueza comum que nós herdamos como
cidadãos, e que se vai transmitindo de geração a geração.
O tombamento de bens culturais
Tombar alguma coisa de acordo com normas legais, equivale a registrar, com o objetivo
de proteger, controlar, guardar. Tombamento, também chamado tombo, provavelmente
originado do latim tomex, significa inventário, arrolamento, registro. O tombamento de
bens culturais, visando a sua preservação e restauração, é de interesse do estado e da
sociedade.
A conservação dos bens culturais
Sendo o patrimônio cultural parte da herança comum da nação, a sua conservação é de
interesse geral, tanto do poder público como dos proprietários e de toda a comunidade.
Entretanto, a legislação indica que o Proprietário de um bem tombado é o primeiro
responsável por sua integridade, cabendo-lhe, "se não dispuser de recursos para sua
conservação e reparação, comunicar a necessidade das obras à Secretaria de Cultura,
que providenciará a devida.
Grafite_Obra: osgêmeos
Obra: chivitz
Na Pré-História, antes da escrita digital fonética, os homens da caverna pintavam nas
paredes lisas e retas da caverna as imagens de caçadas e festas rituais.
Nestas paredes há pouco espaço, e o artista, tempos depois, acaba tendo que pintar as
novas imagens por cima das antigas.
Gerações depois, os novos artistas pintam sobre as imagens antigas.
Esta sintaxe de sobreposições de imagens pré-histórica forma um padrão arquetípico,
presente no Inconsciente Coletivo.
E esta sintaxe evoluirá, até gerar os iconesos (ícone:imagem; eso: dentro - o signo
embutido da Semiótica Subliminar), do Neolítico ao neo-eclético (Pós-Moderno - Pós-
Histórico).
E a mesma sintaxe hoje surge na apropriação personalizada do espaço urbano pela
assinatura de grafiteiros e pichadores.
Estes se apropriam dos melhores muros, paredes, fachadas de prédios e pedestais de
estátuas, para torná-los suporte midiático de suas mensagens.
E como há poucos espaços úteis a este propósito (como poucas paredes retas nas
cavernas neolíticas), as tribos são forçadas a realizar a mesma sintaxe de sobreposição
de imagens dos seus ancestrais, resgatando uma linguagem plástica inconsciente e
adaptando-a ao espaço urbano.
Grafite pode ter a origem no termo sgraffito, técnica de decoração mural do
Renascimento. Sobre um suporte de fundo escuro, passava-se um revestimento claro, o
qual, depois de seco, era raspado na forma dos desenhos desejados.
Arqueólogos encontraram imagens murais e frases pichadas-rabiscadas em cidades
antigas como a Pompéia romana do vulcão Vesúvio. Pichações também eram freqüentes
na Grécia, Egito, entre os maias, astecas e vários outros povos.
A Antropologia Cultural prova ser outra coincidência plástica que vem comprovar a
existência de um Inconsciente Coletivo, memória genética racial dos tempos das
cavernas.
Os grafites são crônicas de sua época e refletem os medos e esperanças inconscientes
da população que os gerou. São expressos pelo artista anônimo, poeta e desenhista ao
mesmo tempo.
Grafites egípcios provaram que mercenários gregos serviam no Exército Egípcio no
século VII a.C., que os navios eram construídos em docas com equipamentos
semelhantes aos atuais, etc.
Banheiros públicos revelavam os recalques e os prazeres por meio de textos poéticos
juntamente com desenhos rápidos, uma intermídia típica do equilíbrio entre cérebro
esquerdo e direito.Prática antropológica e estética até hoje presente nos banheiros
públicos.Pois o banheiro é o espaço da Sombra, do Inconsciente, do que é privado,
oculto, e nesta praça (espaço e tempo) o artista revela-se anonimamente, expurgando
(em catarse) fantasias e ódios, prazeres e medos.
O grafite-pichação ganha a magnitude de expressão plástica-política ganhando as ruas da
cidade com as transformações sociais, sintomas da Pós-História.
Na revolução estudantil de maio de 1968 em Paris, os estudantes saíram pelas ruas e
picharam as paredes da Sorbonne com palavras de ordem como "É proibido proibir", "A
imaginação no Poder". E estas frases eram acompanhadas de desenhos, ora feitos com
máscaras, ora desenhados à mão livre.
Os muros tinham a palavra, desafiando a concepção funcionalista dos espaços públicos,
e foram usados para contestar o Estado, a Política, a Mídia.
A intervenção urbana foi de tamanha grandeza que saiu do movimento estudantil e foi
empregada por anarco-sindicalistas e artistas plásticos, espalhando-se pelo mundo
espontaneamente, do pincel atômico ao spray, chegando ao bastão punk.
Em New York, as gangues grafiteiras picham os trens do metrô, fazendo deste suporte
móvel o mensageiro portador de suas mensagens, divulgando seus gostos e ideias.
Uma destas gangues, fã de VaughnBodé, reproduz seus personagens nos vagões,
criando extensos murais.
Bodé foi um quadrinhista ligado ao comix (quadrinhos underground) que criou todo um
universo coerente (ciberespaço), cheio de mulheres sensuais e lagartos cômicos.
Popularizou-se com HQ's curtas em revistas de vanguarda, dono de um humor inteligente
e valores da contracultura. Seu trabalho plástico passa dos quadrinhos às camisetas e
adesivos, chegando aos grafites de metrô.
Grafiteiros esmeram-se no uso de cores e volumes (degradées), e o grafite dos anos 80
ganha espaço nas galerias de arte: pesquisadores universitários escrevem sobre eles,
elaborando teses de Mestrado e Doutorado em todo o mundo.
No Brasil dos anos 70, um grafite-pichação torna-se famoso em São Paulo: "Cão fila km
26", seguida dos clássicos "celacanto provoca maremoto" e "gonha mó breu".
Em 1978, Alex Vallauri chega da Europa e, usando uma máscara (molde de papelão ou
cartolina e spray), grafita a Bota Preta, seguida de luvas, crocodilos, telefones, até chegar
aos complexos murais da Rainha do Frango Assado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XX
bia139
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
liceuterceiroc
 

Mais procurados (20)

Arte plásticas
Arte plásticasArte plásticas
Arte plásticas
 
Fundamentos da arte
Fundamentos da arteFundamentos da arte
Fundamentos da arte
 
Texto manifesto
Texto manifestoTexto manifesto
Texto manifesto
 
Texto manifesto a cidade em estado de arte
Texto manifesto a cidade em estado de arteTexto manifesto a cidade em estado de arte
Texto manifesto a cidade em estado de arte
 
Aula de apresentação ensino médio 01-02-13
Aula de apresentação ensino médio   01-02-13Aula de apresentação ensino médio   01-02-13
Aula de apresentação ensino médio 01-02-13
 
Deborah lopespennachin
Deborah lopespennachinDeborah lopespennachin
Deborah lopespennachin
 
A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XX
 
movimentos de vanguarda
movimentos de vanguardamovimentos de vanguarda
movimentos de vanguarda
 
Textos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino MedioTextos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino Medio
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
 
EHA 04 Kitsch
EHA 04 KitschEHA 04 Kitsch
EHA 04 Kitsch
 
1.vanguardas historicas
1.vanguardas historicas1.vanguardas historicas
1.vanguardas historicas
 
Historia do desenho
Historia do desenhoHistoria do desenho
Historia do desenho
 
Aula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arteAula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arte
 
A origem da arte
A origem da arteA origem da arte
A origem da arte
 
A estética à prova da reciclagem cultural
A estética à prova da reciclagem culturalA estética à prova da reciclagem cultural
A estética à prova da reciclagem cultural
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
 
La fura del baus
La fura del baus La fura del baus
La fura del baus
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 

Destaque

Primeira apostila arte e religiao
Primeira apostila arte e religiaoPrimeira apostila arte e religiao
Primeira apostila arte e religiao
Arthur Alves
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Duzg
 
O que devo saber sobre educação física escolar
O que devo saber sobre educação física escolarO que devo saber sobre educação física escolar
O que devo saber sobre educação física escolar
Junior Oliveira
 
3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica
3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica
3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica
Eduardo Lopes
 
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação   Educação Física - primeiro dia de aulaApresentação   Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
Gilson Silva
 
História da educação física
História da educação física História da educação física
História da educação física
Marcone Almeida
 
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educação
Fladia
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
2011saletekm
 

Destaque (20)

Primeira apostila arte e religiao
Primeira apostila arte e religiaoPrimeira apostila arte e religiao
Primeira apostila arte e religiao
 
Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
 
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
 
Apostila arte 9º ano - mara
Apostila arte   9º ano - maraApostila arte   9º ano - mara
Apostila arte 9º ano - mara
 
O que devo saber sobre educação física escolar
O que devo saber sobre educação física escolarO que devo saber sobre educação física escolar
O que devo saber sobre educação física escolar
 
3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica
3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica
3347459 artes-apostila-de-educacao-artistica
 
Introdução a Arte
Introdução a ArteIntrodução a Arte
Introdução a Arte
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação   Educação Física - primeiro dia de aulaApresentação   Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
 
Apresentação da Disciplina Educação Física
Apresentação da Disciplina Educação FísicaApresentação da Disciplina Educação Física
Apresentação da Disciplina Educação Física
 
História da educação física
História da educação física História da educação física
História da educação física
 
Arte 8 ano
Arte 8 anoArte 8 ano
Arte 8 ano
 
Aula de educação fisica
Aula de educação fisicaAula de educação fisica
Aula de educação fisica
 
Arte 6o ano
Arte 6o anoArte 6o ano
Arte 6o ano
 
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educação
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
 
Slide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blogSlide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blog
 

Semelhante a Apostila arte 1º trimestre

Revisão oitavo ano respondido
Revisão oitavo ano respondidoRevisão oitavo ano respondido
Revisão oitavo ano respondido
CEF16
 
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidadesArtes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Luara Schamó
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
hbilinha
 
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastArte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
Péricles Penuel
 

Semelhante a Apostila arte 1º trimestre (20)

EHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaEHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte Urbana
 
Grafite Muralismo PichaçãO
Grafite Muralismo PichaçãOGrafite Muralismo PichaçãO
Grafite Muralismo PichaçãO
 
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
 
História da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura muralHistória da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura mural
 
Revisão oitavo ano respondido
Revisão oitavo ano respondidoRevisão oitavo ano respondido
Revisão oitavo ano respondido
 
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Estética - FILOSOFIA
Estética - FILOSOFIAEstética - FILOSOFIA
Estética - FILOSOFIA
 
História da Arte: Muralismo
História da Arte: MuralismoHistória da Arte: Muralismo
História da Arte: Muralismo
 
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidadesArtes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
 
Pintura Mural. Das paredes das cavernas aos muros grafitados.
Pintura Mural. Das paredes das cavernas aos muros grafitados. Pintura Mural. Das paredes das cavernas aos muros grafitados.
Pintura Mural. Das paredes das cavernas aos muros grafitados.
 
Breve Apresentação sobre à Arte-de-Rua.pptx
Breve Apresentação sobre à Arte-de-Rua.pptxBreve Apresentação sobre à Arte-de-Rua.pptx
Breve Apresentação sobre à Arte-de-Rua.pptx
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
 
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastArte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
 
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e EgitoRoteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
 
Ufu 2019 Revisão
Ufu 2019 RevisãoUfu 2019 Revisão
Ufu 2019 Revisão
 
Vanguardas em ação
Vanguardas em açãoVanguardas em ação
Vanguardas em ação
 
Arte completa
Arte completaArte completa
Arte completa
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 

Apostila arte 1º trimestre

  • 1. Arte, cidade e patrimônio cultural Cidade lugar onde diferentes culturas, diferentes práticas culturais. Produz, abriga e faz a circulação de diferentes formas de Arte. Arte urbana. Arte pública. Arte na rua. Arte da rua. A expressão Arte Urbana ou streetart refere-se a manifestações artísticas desenvolvidas no espaço público, distinguindo-se das manifestações de caráter institucional ou empresarial, bem como do mero vandalismo. Arte Pública refere-se à arte realizada fora dos espaços tradicionalmente dedicados a ela, os museus e galerias. Fala-se de uma arte em espaços públicos, ainda que o termo possa designar também interferências artísticas em espaços privados, como hospitais e aeroportos. A idéia geral é de que se trata de arte fisicamente acessível, que modifica a paisagem circundante, de modo permanente ou temporário. O termo entra para o vocabulário da crítica de arte na década 1970. Patrimônio Cultural é o conjunto de todos os bens culturais, materiais ou imateriais, que, pelo seu valor próprio, devem ser considerados de interesse relevante para a permanência e a identidade da cultura de um povo. Obras de arte que habitam a rua, que vivem em museus, obras de arte efêmeras que são registradas em diferentes mídias, manifestações artísticas do povo que são mantidas de geração em geração, que se oferecem ao nosso olhar. Quando se preserva legalmente e na prática o patrimônio cultural, conserva-se a memória do que fomos e do que somos: a identidade da nação. Patrimônio, etimologicamente, significa "herança paterna"- na verdade, a riqueza comum que nós herdamos como cidadãos, e que se vai transmitindo de geração a geração. O tombamento de bens culturais Tombar alguma coisa de acordo com normas legais, equivale a registrar, com o objetivo de proteger, controlar, guardar. Tombamento, também chamado tombo, provavelmente originado do latim tomex, significa inventário, arrolamento, registro. O tombamento de bens culturais, visando a sua preservação e restauração, é de interesse do estado e da sociedade. A conservação dos bens culturais Sendo o patrimônio cultural parte da herança comum da nação, a sua conservação é de interesse geral, tanto do poder público como dos proprietários e de toda a comunidade. Entretanto, a legislação indica que o Proprietário de um bem tombado é o primeiro responsável por sua integridade, cabendo-lhe, "se não dispuser de recursos para sua conservação e reparação, comunicar a necessidade das obras à Secretaria de Cultura, que providenciará a devida.
  • 2. Grafite_Obra: osgêmeos Obra: chivitz Na Pré-História, antes da escrita digital fonética, os homens da caverna pintavam nas paredes lisas e retas da caverna as imagens de caçadas e festas rituais. Nestas paredes há pouco espaço, e o artista, tempos depois, acaba tendo que pintar as novas imagens por cima das antigas. Gerações depois, os novos artistas pintam sobre as imagens antigas. Esta sintaxe de sobreposições de imagens pré-histórica forma um padrão arquetípico, presente no Inconsciente Coletivo. E esta sintaxe evoluirá, até gerar os iconesos (ícone:imagem; eso: dentro - o signo embutido da Semiótica Subliminar), do Neolítico ao neo-eclético (Pós-Moderno - Pós- Histórico). E a mesma sintaxe hoje surge na apropriação personalizada do espaço urbano pela assinatura de grafiteiros e pichadores. Estes se apropriam dos melhores muros, paredes, fachadas de prédios e pedestais de estátuas, para torná-los suporte midiático de suas mensagens.
  • 3. E como há poucos espaços úteis a este propósito (como poucas paredes retas nas cavernas neolíticas), as tribos são forçadas a realizar a mesma sintaxe de sobreposição de imagens dos seus ancestrais, resgatando uma linguagem plástica inconsciente e adaptando-a ao espaço urbano. Grafite pode ter a origem no termo sgraffito, técnica de decoração mural do Renascimento. Sobre um suporte de fundo escuro, passava-se um revestimento claro, o qual, depois de seco, era raspado na forma dos desenhos desejados. Arqueólogos encontraram imagens murais e frases pichadas-rabiscadas em cidades antigas como a Pompéia romana do vulcão Vesúvio. Pichações também eram freqüentes na Grécia, Egito, entre os maias, astecas e vários outros povos. A Antropologia Cultural prova ser outra coincidência plástica que vem comprovar a existência de um Inconsciente Coletivo, memória genética racial dos tempos das cavernas. Os grafites são crônicas de sua época e refletem os medos e esperanças inconscientes da população que os gerou. São expressos pelo artista anônimo, poeta e desenhista ao mesmo tempo. Grafites egípcios provaram que mercenários gregos serviam no Exército Egípcio no século VII a.C., que os navios eram construídos em docas com equipamentos semelhantes aos atuais, etc. Banheiros públicos revelavam os recalques e os prazeres por meio de textos poéticos juntamente com desenhos rápidos, uma intermídia típica do equilíbrio entre cérebro esquerdo e direito.Prática antropológica e estética até hoje presente nos banheiros públicos.Pois o banheiro é o espaço da Sombra, do Inconsciente, do que é privado, oculto, e nesta praça (espaço e tempo) o artista revela-se anonimamente, expurgando (em catarse) fantasias e ódios, prazeres e medos. O grafite-pichação ganha a magnitude de expressão plástica-política ganhando as ruas da cidade com as transformações sociais, sintomas da Pós-História. Na revolução estudantil de maio de 1968 em Paris, os estudantes saíram pelas ruas e picharam as paredes da Sorbonne com palavras de ordem como "É proibido proibir", "A imaginação no Poder". E estas frases eram acompanhadas de desenhos, ora feitos com máscaras, ora desenhados à mão livre. Os muros tinham a palavra, desafiando a concepção funcionalista dos espaços públicos, e foram usados para contestar o Estado, a Política, a Mídia. A intervenção urbana foi de tamanha grandeza que saiu do movimento estudantil e foi empregada por anarco-sindicalistas e artistas plásticos, espalhando-se pelo mundo espontaneamente, do pincel atômico ao spray, chegando ao bastão punk.
  • 4. Em New York, as gangues grafiteiras picham os trens do metrô, fazendo deste suporte móvel o mensageiro portador de suas mensagens, divulgando seus gostos e ideias. Uma destas gangues, fã de VaughnBodé, reproduz seus personagens nos vagões, criando extensos murais. Bodé foi um quadrinhista ligado ao comix (quadrinhos underground) que criou todo um universo coerente (ciberespaço), cheio de mulheres sensuais e lagartos cômicos. Popularizou-se com HQ's curtas em revistas de vanguarda, dono de um humor inteligente e valores da contracultura. Seu trabalho plástico passa dos quadrinhos às camisetas e adesivos, chegando aos grafites de metrô. Grafiteiros esmeram-se no uso de cores e volumes (degradées), e o grafite dos anos 80 ganha espaço nas galerias de arte: pesquisadores universitários escrevem sobre eles, elaborando teses de Mestrado e Doutorado em todo o mundo. No Brasil dos anos 70, um grafite-pichação torna-se famoso em São Paulo: "Cão fila km 26", seguida dos clássicos "celacanto provoca maremoto" e "gonha mó breu". Em 1978, Alex Vallauri chega da Europa e, usando uma máscara (molde de papelão ou cartolina e spray), grafita a Bota Preta, seguida de luvas, crocodilos, telefones, até chegar aos complexos murais da Rainha do Frango Assado.