SlideShare uma empresa Scribd logo
Artes Visuais
Artes Visuais no vestibular?

UFRGS/199         Essa ilustração
9 – prova de       está relacionada
história.
                   com a época do:

               (A) Barroco.
               (B) Gótico.
               (C) Romantismo.
               (D)Rococó.
               (E) Impressionismo.
Qualidade da arte
   O homem cria
    objetos para
    servirem como
    utensílios, mas
    também cria para
    expressar a sua
    visão sobre o
    momento histórico
    em que vive.
Artes Visuais
   O mundo da arte é concreto e vivo podendo
    ser observado, compreendido e apreciado.
   A arte dá e encontra forma e significado como
    instrumento    de    vida   na    busca    do
    entendimento de quem somos, onde estamos
    e o que fazemos no mundo.
   Desta maneira, quando o ser humano faz arte,
    ele cria um objeto artístico que não precisa
    nos mostrar exatamente como as coisas são
    no mundo natural ou vivido e sim, como as
    coisas podem ser, de acordo com a sua visão.
Pintura rupestre das cavernas de Lascaux e pichador contemporâneo.
Elementos da Arte
   Para existir a arte são      O primeiro elemento
    precisos três                   é o artista, aquele
    elementos: o artista,              que cria a obra,
    o observador e a                   partindo do seu
    obra de arte.                        conhecimento
                                  concreto, abstrato e
                                              individual
                                         transmitindo e
                                    expressando suas
                                  ideias, sentimentos,
                                      emoções em um
                                   objeto artístico que
   O outro elemento é o observador, que faz
    parte do público que tem o contato com a
    obra, partindo num caminho inverso ao do
    artista – observa a obra para chegar ao
    conhecimento de mundo que ela contém.
   Por fim, a obra de arte ou o objeto artístico,
    faz parte de todo o processo, indo da criação
    do artista até o entendimento e apreciação do
    observador.
Comunicação estética
Funções da arte
   A preocupação com a arte é algo que vem
    acontecendo desde a Antiguidade. No
    entanto, foi só no século XX que a arte passou
    a ser valorizada por si, como objeto que
    possibilita uma experiência estética por seus
    valores intrínsecos. Dependendo do tipo de
    interesse, podemos distinguir 3 funções
    principais para a arte: a pragmática, a
    naturalista e a formalista.
Função pragmática ou utilitária
   Segundo essa função, a arte serve como meio
    para se alcançar um fim não-artístico, não
    sendo valorizada por si mesma, mas por sua
    finalidade. Esses fins não-artísticos variam muito
    no decorrer da história. A partir desse ponto de
    vista, os critérios para se avaliar uma obra de arte
    são exteriores à obra: não interessa saber se a
    obra tem ou não qualidade estética, basta que se
    avalie, do ponto de vista moral, a finalidade à qual
    a obra serve. Esse é o critério moral. O outro é o
    critério da eficácia da obra em relação à sua
    finalidade, isto é, se a obra conseguiu atingir o
Objetos com
finalidade;

Define-se
pela
utilidade que
o objeto
artístico
possui.




                Tapirapé - Mato Grosso
Função naturalista
   O interesse está mais voltado para o
    conteúdo da obra do que para seu modo de
    apresentação. Exemplo: os retratos. Os
    critérios de avaliação de uma obra de arte do
    ponto de vista da função naturalista são: a
    correção da representação, a inteireza ou
    integridade do assunto e o vigor da
    representação: ficamos convencidos da sua
    existência?
Imagens
mais
próximas do
natural
quan-to
possível;

Representa-
ções
“fotográ-
ficas”;

Perfeição da
técnica.



Chuck Close, "Frank", acrílico sobre tela, 1969.   Harnett, "The Old Violin", 1886.
Função formalista
   Visa a forma de apresentação a obra de arte.
    É o único dos interesses que se ocupa da
    obra de arte como tal e por motivos estéticos.
    Os critérios de avaliação desse do ponto de
    vista são tirados da própria obra, ou seja, os
    princípios e organização interna dos
    elementos que compõem uma obra de arte
    variam de acordo com cada novo projeto.
Preocupaçã
o estética;

Expressa
ideias
através do
objeto
artístico;

Elementos
formais na
obra;

Predomínio
a partir do
séc. XX.
              Antropofagia, de Tarsila do Amaral, 1929.
Figuração x Abstração




   Toulouse-Lautrec e Mondrian
Figuração
   é aquela que retrata e expressa a figura de um
    lugar, objeto, pessoa ou situação de forma que
    possa ser identificado, reconhecido. Abrange
    desde a figuração realista (parecida com o
    real)   até     a   estilizada  (sem     traços
    individualizadores). O figurativismo segue
    regras e padrões de representação da
    imagem retratada.
É possível
identificar o
objeto
representad
o na obra.




                Paul Cézanne, "Still Life with Apples" - 1890
Abstração
   termo genérico utilizado para classificar toda
    forma de arte que se utiliza somente de
    formas, cores ou texturas, sem retratar
    nenhuma figura, rompendo com a figuração,
    com a representação naturalista da realidade.
    Podemos classificar o abstracionismo em
    duas tendências básicas: a geométrica e a
    informal.
Não é
possível
identificar
objetos
representad
os na obra.




              Hercule Barsotti, “sem título”, 1986
Gêneros da pintura
   São categorias que definem os temas das
    pinturas (ou outra técnica artística).
    Apresentaremos algumas categorias mais
    comuns, mas existem diversas sub-
    categorias dentro das artes visuais.
Natureza-morta
                                           Representação de seres
                                            inanimados, (vaso com
                                            flores, frutas sobre a
                                            mesa). Há registros desse
                                            tipo de pintura desde a
                                            idade média, mas é no
                                            Renascimento que este
                                            gênero se consolida, com
                                            obras de Michelângelo e
                                            Caravaggio. Ainda que a
                                            disposição dos elementos
                                            pareça     despretenciosa,
                                            Cézanne     a    estudava
                                            criteriosamente, antes de
“Natureza-morta”, Heda, c. 1636, óleo       pintar.
sobre madeira.
Paisagem

                                     Gênero que surgiu durante
                                      o       Renascimento,     e
                                      representa     um     lugar,
                                      urbano ou no campo. A
                                      paisagem natural é obtida
                                      na natureza, virgem da
                                      interferência humana. A
                                      paisagem modificada pela
                                      ação do homem (Um
                                      edifício, por exemplo), é
                                      chamada de Humanizada.
                                      O período renascentista
Lírios de água vermelha, Claude       trouxe ênfase a este gênero
Monet, 1888.
Pintura de gênero

                 Estilo sóbrio e realista.
                  Comprometido com a
                  descrição de cenas
                  rotineiras.
Retrato

                    Gênero que surgiu a partir do
                     período da Renascença, e é
                     considerado     como      um
                     precursor    da    fotografia.
                     Rembrandt ficou famoso
                     pintando retratos, e esta
                     técnica fiel nos permitiu
                     conhecer as fisionomias de
                     Colombo, René Descartes,
                     entre outros. O retrato mais
                     famoso é a La Gioconda de
Almeida Júnior       Leonardo da Vinci.
A Noiva , 1886
Auto-retrato

                             É a imagem do próprio
                              artista. O mesmo Rembrandt
                              que adquiriu fama pintando
                              retratos, teve sua imagem
                              comprometida ao produzir
                              dezenas de auto-retratos,
                              pois foi acusado de pintar só
                              o que desejava. Na verdade,
                              poucos pintores resistiram
                              ao desejo de deixar uma
                              marca da sua passagem
                              pela vida.
Vincent van Gogh, 1888.
Nu

                                 Gênero muito praticado
                                  na Grécia antiga por
                                  escultores,     mas      foi
                                  perdendo espaço devido
                                  aos rigores da religião.
                                  Ao         final         do
                                  Renascimento,            os
                                  excessos         religiosos
                                  foram atenuados, então
Zeus (ou Poseidon) de             o    nu     artístico    se
Artemisio
c 460-450 aC, alt. 209 cm.,
                                  popularizou novamente.
Ícone

                                            No campo da arte
                                             pictórica religiosa
                                             identifica uma
                                             representação sacra
                                             pintada sobre um
                                             painel de madeira. O
                                             ícone é a
                                             representação da
                                             mensagem cristã
                                             descrita por palavras
                                             nos Evangelhos.
São Miguel, Museu Cristão e Bizantino, Atenas
Belo

A partir do séc.      Para os estudiosos de arte o belo, a
XIX, quando a
arte deixa de          beleza é uma qualidade que
ter puramente
uma função             atribuímos aos objetos para exprimir
utilitária e
naturalista e          certo estado da nossa subjetividade,
passa a se
preocupar mais         não havendo, portanto, uma ideia de
com a forma da
representação          belo nem regras para produzi-lo. Não
estética, ela
passa a ser            existe a ideia de um único valor
avaliada pela
sua proposta e         estético a partir do qual podemos
capacidade de
falar ao               julgar todas as obras de artes visuais.
sentimento.
                       Cada objeto artístico vai estabelecer
                       seu próprio tipo de beleza.
A intenção do artista




      "Galinha com pintos", 1941-2 e "Galo Novo", 1938. Pablo Picasso.
Arte erudita, arte popular e arte de
massa




  “Mona Lisa”
Leonardo da Vinci
    1503-7
Arte Erudita

   refere-se àquela
    produzida e apreciada
    pela elite de uma
    sociedade, ou seja, a
    elite cultural.
   possui um valor
    artístico e qualidade
    estética incontestável
    pelos críticos e pelos
    apreciadores mais
    exigentes.               Rembrandt "A ronda noturna", 1642.
Arte Popular

                              feita pelo povo e para
                               o povo.
                              geralmente anônima,
                               pois é resultado de
                               várias colaborações
                               que passam de
                               geração em geração.
                              resisti às influências
                               dos modismos
                               ditados pela elite
Cordel nordestino, autor
    desconhecido.              dirigente.
Arte de Massa

   É produzida por
    uma minoria cultural
    para entretenimento
    e apreciação de
    muitos.
   Tem um alcance
    abrangente.
                           Cristo Redentor, desenhada pelo artista
                           plástico Carlos Oswald e projetada pelo
                           arquiteto francês Paul Landowsky, 1931.
Blog de questões: vestibulares UFRGS,
     UFSM e ENEM




http://artesnovestibular.blogspot.co
m.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Performance art
Performance artPerformance art
Performance art
bahuam
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
pagodes
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
Andrea Dressler
 
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Seduc MT
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
Jesrayne Nascimento
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
Jaiza Nobre
 
Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa
Mary Alvarenga
 
Pop Art em Resumo
Pop Art em ResumoPop Art em Resumo
Pop Art em Resumo
Luciano Beregeno
 
Processos criativos em artes visuais
Processos criativos em artes  visuais  Processos criativos em artes  visuais
Processos criativos em artes visuais
Ediléia de Brito
 
Elementos visuais I
Elementos visuais IElementos visuais I
Elementos visuais I
Helena Romero
 
Grafite
GrafiteGrafite
Arte naif
Arte naifArte naif
Arte naif
Over Lane
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
Bruna M
 
Arte na escola
Arte na escolaArte na escola
Arte na escola
Magda Marques
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
gil junior
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
dpport
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 

Mais procurados (20)

Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Performance art
Performance artPerformance art
Performance art
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
 
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa
 
Pop Art em Resumo
Pop Art em ResumoPop Art em Resumo
Pop Art em Resumo
 
Processos criativos em artes visuais
Processos criativos em artes  visuais  Processos criativos em artes  visuais
Processos criativos em artes visuais
 
Elementos visuais I
Elementos visuais IElementos visuais I
Elementos visuais I
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
Arte naif
Arte naifArte naif
Arte naif
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Arte na escola
Arte na escolaArte na escola
Arte na escola
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 

Destaque

Cranio imagens
Cranio imagensCranio imagens
Cranio imagens
Luciana Estivalet
 
Arte pública
Arte públicaArte pública
Arte pública
Luciana Estivalet
 
3 mesopotamia e egito
3 mesopotamia e egito3 mesopotamia e egito
3 mesopotamia e egito
Luciana Estivalet
 
2 pré história
2 pré história2 pré história
2 pré história
Luciana Estivalet
 
6 renascimento leo
6 renascimento leo6 renascimento leo
6 renascimento leo
Luciana Estivalet
 
6 renascimento michelangelo
6 renascimento michelangelo6 renascimento michelangelo
6 renascimento michelangelo
Luciana Estivalet
 
5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva
Luciana Estivalet
 
7 barroco
7 barroco7 barroco
4 grécia e roma
4 grécia e roma4 grécia e roma
4 grécia e roma
Luciana Estivalet
 
6 renascimento parte 1
6 renascimento parte 16 renascimento parte 1
6 renascimento parte 1
Luciana Estivalet
 
9 realismo e impressionismo
9 realismo e impressionismo9 realismo e impressionismo
9 realismo e impressionismo
Luciana Estivalet
 
11 arte contemporanea
11 arte contemporanea11 arte contemporanea
11 arte contemporanea
Luciana Estivalet
 
10 arte moderna
10 arte moderna10 arte moderna
10 arte moderna
Luciana Estivalet
 
8 neoclassicismo e romantismo
8 neoclassicismo e romantismo8 neoclassicismo e romantismo
8 neoclassicismo e romantismo
Luciana Estivalet
 
Tarsila do Amaral
Tarsila do AmaralTarsila do Amaral
Tarsila do Amaral
Letícia Oliveira
 

Destaque (15)

Cranio imagens
Cranio imagensCranio imagens
Cranio imagens
 
Arte pública
Arte públicaArte pública
Arte pública
 
3 mesopotamia e egito
3 mesopotamia e egito3 mesopotamia e egito
3 mesopotamia e egito
 
2 pré história
2 pré história2 pré história
2 pré história
 
6 renascimento leo
6 renascimento leo6 renascimento leo
6 renascimento leo
 
6 renascimento michelangelo
6 renascimento michelangelo6 renascimento michelangelo
6 renascimento michelangelo
 
5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva
 
7 barroco
7 barroco7 barroco
7 barroco
 
4 grécia e roma
4 grécia e roma4 grécia e roma
4 grécia e roma
 
6 renascimento parte 1
6 renascimento parte 16 renascimento parte 1
6 renascimento parte 1
 
9 realismo e impressionismo
9 realismo e impressionismo9 realismo e impressionismo
9 realismo e impressionismo
 
11 arte contemporanea
11 arte contemporanea11 arte contemporanea
11 arte contemporanea
 
10 arte moderna
10 arte moderna10 arte moderna
10 arte moderna
 
8 neoclassicismo e romantismo
8 neoclassicismo e romantismo8 neoclassicismo e romantismo
8 neoclassicismo e romantismo
 
Tarsila do Amaral
Tarsila do AmaralTarsila do Amaral
Tarsila do Amaral
 

Semelhante a Fundamentos da arte

Do realismo ao pós impressionismo
Do realismo ao pós  impressionismo Do realismo ao pós  impressionismo
Do realismo ao pós impressionismo
AnaSilva1963
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticos
Daniele Duque
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Jorge Almeida
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
Susana Simões
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
Vasco L
 
Transição do século xviii para o século xix
Transição do século xviii para o século xixTransição do século xviii para o século xix
Transição do século xviii para o século xix
SIrléia Souza
 
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Fernando Alves
 
A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XX
bia139
 
Realismo.pdf
Realismo.pdfRealismo.pdf
Realismo.pdf
NAIARAJOHN
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
Raphael Lanzillotte
 
Apresentação plano de curso artes autonomia 2011
Apresentação plano de curso artes autonomia 2011Apresentação plano de curso artes autonomia 2011
Apresentação plano de curso artes autonomia 2011
biabouch
 
Arte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVO
Arte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVOArte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVO
Arte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVO
GLAUCIENECUNHA2
 
Cubismo ii
Cubismo iiCubismo ii
Cubismo ii
Alaor
 
Aula 06 impressionismo
Aula 06 impressionismoAula 06 impressionismo
Aula 06 impressionismo
Elizeu Nascimento Silva
 
INTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdf
INTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdfINTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdf
INTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdf
manoellordelo
 
Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)
Rosana Dalla Piazza
 
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
carlos germano pereira de souza
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
Eline Lima
 
Trabalho imprimir
Trabalho imprimirTrabalho imprimir
Trabalho imprimir
José Emílio
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
Antonio Abreu
 

Semelhante a Fundamentos da arte (20)

Do realismo ao pós impressionismo
Do realismo ao pós  impressionismo Do realismo ao pós  impressionismo
Do realismo ao pós impressionismo
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticos
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Transição do século xviii para o século xix
Transição do século xviii para o século xixTransição do século xviii para o século xix
Transição do século xviii para o século xix
 
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
 
A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XX
 
Realismo.pdf
Realismo.pdfRealismo.pdf
Realismo.pdf
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
Apresentação plano de curso artes autonomia 2011
Apresentação plano de curso artes autonomia 2011Apresentação plano de curso artes autonomia 2011
Apresentação plano de curso artes autonomia 2011
 
Arte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVO
Arte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVOArte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVO
Arte - 3G - ARTE FIGURATIVA.pdf TEXTO INFORMATIVO
 
Cubismo ii
Cubismo iiCubismo ii
Cubismo ii
 
Aula 06 impressionismo
Aula 06 impressionismoAula 06 impressionismo
Aula 06 impressionismo
 
INTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdf
INTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdfINTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdf
INTENSIVÃO_MUNDO DAS ARTES CLÁSSICAS.pdf
 
Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)
 
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 
Trabalho imprimir
Trabalho imprimirTrabalho imprimir
Trabalho imprimir
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
 

Mais de Luciana Estivalet

O que aprender com o dinheiro
O que aprender com o dinheiroO que aprender com o dinheiro
O que aprender com o dinheiro
Luciana Estivalet
 
Feng Shui da Prosperidade
Feng Shui da ProsperidadeFeng Shui da Prosperidade
Feng Shui da Prosperidade
Luciana Estivalet
 
Feng Shui no ambiente de trabalho
Feng Shui no ambiente de trabalhoFeng Shui no ambiente de trabalho
Feng Shui no ambiente de trabalho
Luciana Estivalet
 
Dicas de feng shui
Dicas de feng shuiDicas de feng shui
Dicas de feng shui
Luciana Estivalet
 
Sala de Aula Saudável
Sala de Aula SaudávelSala de Aula Saudável
Sala de Aula Saudável
Luciana Estivalet
 
Livreto aromaterapia
Livreto aromaterapiaLivreto aromaterapia
Livreto aromaterapia
Luciana Estivalet
 
Dissertação de mestrado: gravura em metal
Dissertação de mestrado: gravura em metalDissertação de mestrado: gravura em metal
Dissertação de mestrado: gravura em metal
Luciana Estivalet
 
TFG formação continuada em artes visuais.
TFG formação continuada em artes visuais.TFG formação continuada em artes visuais.
TFG formação continuada em artes visuais.
Luciana Estivalet
 
Processos de gravação da gravura em metal
Processos de gravação da gravura em metalProcessos de gravação da gravura em metal
Processos de gravação da gravura em metal
Luciana Estivalet
 
Conservação, cuidados e vocabulário da gravura
Conservação, cuidados e vocabulário da gravuraConservação, cuidados e vocabulário da gravura
Conservação, cuidados e vocabulário da gravura
Luciana Estivalet
 
A história da gravura
A história da gravuraA história da gravura
A história da gravura
Luciana Estivalet
 
A gravura no rio grande do sul
A gravura no rio grande do sulA gravura no rio grande do sul
A gravura no rio grande do sul
Luciana Estivalet
 
Gravura metal
Gravura metalGravura metal
Gravura metal
Luciana Estivalet
 
Pacote gráfico escritorio
Pacote gráfico escritorioPacote gráfico escritorio
Pacote gráfico escritorio
Luciana Estivalet
 
Um conto de natal
Um conto de natalUm conto de natal
Um conto de natal
Luciana Estivalet
 
Cartão de visitas feng shui modelos
Cartão de visitas feng shui modelosCartão de visitas feng shui modelos
Cartão de visitas feng shui modelos
Luciana Estivalet
 
Halloween crianças
Halloween criançasHalloween crianças
Halloween crianças
Luciana Estivalet
 
Halloween
HalloweenHalloween
Arte protesto
Arte protestoArte protesto
Arte protesto
Luciana Estivalet
 
Historias em quadrões
Historias em quadrõesHistorias em quadrões
Historias em quadrões
Luciana Estivalet
 

Mais de Luciana Estivalet (20)

O que aprender com o dinheiro
O que aprender com o dinheiroO que aprender com o dinheiro
O que aprender com o dinheiro
 
Feng Shui da Prosperidade
Feng Shui da ProsperidadeFeng Shui da Prosperidade
Feng Shui da Prosperidade
 
Feng Shui no ambiente de trabalho
Feng Shui no ambiente de trabalhoFeng Shui no ambiente de trabalho
Feng Shui no ambiente de trabalho
 
Dicas de feng shui
Dicas de feng shuiDicas de feng shui
Dicas de feng shui
 
Sala de Aula Saudável
Sala de Aula SaudávelSala de Aula Saudável
Sala de Aula Saudável
 
Livreto aromaterapia
Livreto aromaterapiaLivreto aromaterapia
Livreto aromaterapia
 
Dissertação de mestrado: gravura em metal
Dissertação de mestrado: gravura em metalDissertação de mestrado: gravura em metal
Dissertação de mestrado: gravura em metal
 
TFG formação continuada em artes visuais.
TFG formação continuada em artes visuais.TFG formação continuada em artes visuais.
TFG formação continuada em artes visuais.
 
Processos de gravação da gravura em metal
Processos de gravação da gravura em metalProcessos de gravação da gravura em metal
Processos de gravação da gravura em metal
 
Conservação, cuidados e vocabulário da gravura
Conservação, cuidados e vocabulário da gravuraConservação, cuidados e vocabulário da gravura
Conservação, cuidados e vocabulário da gravura
 
A história da gravura
A história da gravuraA história da gravura
A história da gravura
 
A gravura no rio grande do sul
A gravura no rio grande do sulA gravura no rio grande do sul
A gravura no rio grande do sul
 
Gravura metal
Gravura metalGravura metal
Gravura metal
 
Pacote gráfico escritorio
Pacote gráfico escritorioPacote gráfico escritorio
Pacote gráfico escritorio
 
Um conto de natal
Um conto de natalUm conto de natal
Um conto de natal
 
Cartão de visitas feng shui modelos
Cartão de visitas feng shui modelosCartão de visitas feng shui modelos
Cartão de visitas feng shui modelos
 
Halloween crianças
Halloween criançasHalloween crianças
Halloween crianças
 
Halloween
HalloweenHalloween
Halloween
 
Arte protesto
Arte protestoArte protesto
Arte protesto
 
Historias em quadrões
Historias em quadrõesHistorias em quadrões
Historias em quadrões
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Fundamentos da arte

  • 2.
  • 3. Artes Visuais no vestibular? UFRGS/199  Essa ilustração 9 – prova de está relacionada história. com a época do: (A) Barroco. (B) Gótico. (C) Romantismo. (D)Rococó. (E) Impressionismo.
  • 4. Qualidade da arte  O homem cria objetos para servirem como utensílios, mas também cria para expressar a sua visão sobre o momento histórico em que vive.
  • 5. Artes Visuais  O mundo da arte é concreto e vivo podendo ser observado, compreendido e apreciado.  A arte dá e encontra forma e significado como instrumento de vida na busca do entendimento de quem somos, onde estamos e o que fazemos no mundo.  Desta maneira, quando o ser humano faz arte, ele cria um objeto artístico que não precisa nos mostrar exatamente como as coisas são no mundo natural ou vivido e sim, como as coisas podem ser, de acordo com a sua visão.
  • 6. Pintura rupestre das cavernas de Lascaux e pichador contemporâneo.
  • 7. Elementos da Arte  Para existir a arte são  O primeiro elemento precisos três é o artista, aquele elementos: o artista, que cria a obra, o observador e a partindo do seu obra de arte. conhecimento concreto, abstrato e individual transmitindo e expressando suas ideias, sentimentos, emoções em um objeto artístico que
  • 8. O outro elemento é o observador, que faz parte do público que tem o contato com a obra, partindo num caminho inverso ao do artista – observa a obra para chegar ao conhecimento de mundo que ela contém.  Por fim, a obra de arte ou o objeto artístico, faz parte de todo o processo, indo da criação do artista até o entendimento e apreciação do observador.
  • 10. Funções da arte  A preocupação com a arte é algo que vem acontecendo desde a Antiguidade. No entanto, foi só no século XX que a arte passou a ser valorizada por si, como objeto que possibilita uma experiência estética por seus valores intrínsecos. Dependendo do tipo de interesse, podemos distinguir 3 funções principais para a arte: a pragmática, a naturalista e a formalista.
  • 11. Função pragmática ou utilitária  Segundo essa função, a arte serve como meio para se alcançar um fim não-artístico, não sendo valorizada por si mesma, mas por sua finalidade. Esses fins não-artísticos variam muito no decorrer da história. A partir desse ponto de vista, os critérios para se avaliar uma obra de arte são exteriores à obra: não interessa saber se a obra tem ou não qualidade estética, basta que se avalie, do ponto de vista moral, a finalidade à qual a obra serve. Esse é o critério moral. O outro é o critério da eficácia da obra em relação à sua finalidade, isto é, se a obra conseguiu atingir o
  • 12. Objetos com finalidade; Define-se pela utilidade que o objeto artístico possui. Tapirapé - Mato Grosso
  • 13. Função naturalista  O interesse está mais voltado para o conteúdo da obra do que para seu modo de apresentação. Exemplo: os retratos. Os critérios de avaliação de uma obra de arte do ponto de vista da função naturalista são: a correção da representação, a inteireza ou integridade do assunto e o vigor da representação: ficamos convencidos da sua existência?
  • 15. Função formalista  Visa a forma de apresentação a obra de arte. É o único dos interesses que se ocupa da obra de arte como tal e por motivos estéticos. Os critérios de avaliação desse do ponto de vista são tirados da própria obra, ou seja, os princípios e organização interna dos elementos que compõem uma obra de arte variam de acordo com cada novo projeto.
  • 16. Preocupaçã o estética; Expressa ideias através do objeto artístico; Elementos formais na obra; Predomínio a partir do séc. XX. Antropofagia, de Tarsila do Amaral, 1929.
  • 17. Figuração x Abstração Toulouse-Lautrec e Mondrian
  • 18. Figuração  é aquela que retrata e expressa a figura de um lugar, objeto, pessoa ou situação de forma que possa ser identificado, reconhecido. Abrange desde a figuração realista (parecida com o real) até a estilizada (sem traços individualizadores). O figurativismo segue regras e padrões de representação da imagem retratada.
  • 19. É possível identificar o objeto representad o na obra. Paul Cézanne, "Still Life with Apples" - 1890
  • 20. Abstração  termo genérico utilizado para classificar toda forma de arte que se utiliza somente de formas, cores ou texturas, sem retratar nenhuma figura, rompendo com a figuração, com a representação naturalista da realidade. Podemos classificar o abstracionismo em duas tendências básicas: a geométrica e a informal.
  • 21. Não é possível identificar objetos representad os na obra. Hercule Barsotti, “sem título”, 1986
  • 22. Gêneros da pintura  São categorias que definem os temas das pinturas (ou outra técnica artística). Apresentaremos algumas categorias mais comuns, mas existem diversas sub- categorias dentro das artes visuais.
  • 23. Natureza-morta  Representação de seres inanimados, (vaso com flores, frutas sobre a mesa). Há registros desse tipo de pintura desde a idade média, mas é no Renascimento que este gênero se consolida, com obras de Michelângelo e Caravaggio. Ainda que a disposição dos elementos pareça despretenciosa, Cézanne a estudava criteriosamente, antes de “Natureza-morta”, Heda, c. 1636, óleo pintar. sobre madeira.
  • 24. Paisagem  Gênero que surgiu durante o Renascimento, e representa um lugar, urbano ou no campo. A paisagem natural é obtida na natureza, virgem da interferência humana. A paisagem modificada pela ação do homem (Um edifício, por exemplo), é chamada de Humanizada. O período renascentista Lírios de água vermelha, Claude trouxe ênfase a este gênero Monet, 1888.
  • 25. Pintura de gênero  Estilo sóbrio e realista. Comprometido com a descrição de cenas rotineiras.
  • 26. Retrato  Gênero que surgiu a partir do período da Renascença, e é considerado como um precursor da fotografia. Rembrandt ficou famoso pintando retratos, e esta técnica fiel nos permitiu conhecer as fisionomias de Colombo, René Descartes, entre outros. O retrato mais famoso é a La Gioconda de Almeida Júnior Leonardo da Vinci. A Noiva , 1886
  • 27. Auto-retrato  É a imagem do próprio artista. O mesmo Rembrandt que adquiriu fama pintando retratos, teve sua imagem comprometida ao produzir dezenas de auto-retratos, pois foi acusado de pintar só o que desejava. Na verdade, poucos pintores resistiram ao desejo de deixar uma marca da sua passagem pela vida. Vincent van Gogh, 1888.
  • 28. Nu  Gênero muito praticado na Grécia antiga por escultores, mas foi perdendo espaço devido aos rigores da religião. Ao final do Renascimento, os excessos religiosos foram atenuados, então Zeus (ou Poseidon) de o nu artístico se Artemisio c 460-450 aC, alt. 209 cm., popularizou novamente.
  • 29. Ícone  No campo da arte pictórica religiosa identifica uma representação sacra pintada sobre um painel de madeira. O ícone é a representação da mensagem cristã descrita por palavras nos Evangelhos. São Miguel, Museu Cristão e Bizantino, Atenas
  • 30.
  • 31. Belo A partir do séc.  Para os estudiosos de arte o belo, a XIX, quando a arte deixa de beleza é uma qualidade que ter puramente uma função atribuímos aos objetos para exprimir utilitária e naturalista e certo estado da nossa subjetividade, passa a se preocupar mais não havendo, portanto, uma ideia de com a forma da representação belo nem regras para produzi-lo. Não estética, ela passa a ser existe a ideia de um único valor avaliada pela sua proposta e estético a partir do qual podemos capacidade de falar ao julgar todas as obras de artes visuais. sentimento. Cada objeto artístico vai estabelecer seu próprio tipo de beleza.
  • 32. A intenção do artista "Galinha com pintos", 1941-2 e "Galo Novo", 1938. Pablo Picasso.
  • 33.
  • 34. Arte erudita, arte popular e arte de massa “Mona Lisa” Leonardo da Vinci 1503-7
  • 35. Arte Erudita  refere-se àquela produzida e apreciada pela elite de uma sociedade, ou seja, a elite cultural.  possui um valor artístico e qualidade estética incontestável pelos críticos e pelos apreciadores mais exigentes. Rembrandt "A ronda noturna", 1642.
  • 36. Arte Popular  feita pelo povo e para o povo.  geralmente anônima, pois é resultado de várias colaborações que passam de geração em geração.  resisti às influências dos modismos ditados pela elite Cordel nordestino, autor desconhecido. dirigente.
  • 37. Arte de Massa  É produzida por uma minoria cultural para entretenimento e apreciação de muitos.  Tem um alcance abrangente. Cristo Redentor, desenhada pelo artista plástico Carlos Oswald e projetada pelo arquiteto francês Paul Landowsky, 1931.
  • 38. Blog de questões: vestibulares UFRGS, UFSM e ENEM http://artesnovestibular.blogspot.co m.br