SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
INTRODUÇÃO




herniadedisco.site.med.br




 aurorahealthcare.org               herniadedisco.site.med.br
HISTÓRIA
                    Cocaína - Erythroxylon coca




                        reporter24horas.blogspot.com
peru.blogspot.com




 Nieman (1860)
 Moreno (1868)
 Koller (1884)
HISTÓRIA

 Ritsert (1890) – Benzocaína



 Einhorn e Braun (1905) –
 procaína

 Löfgren (1943) - Lidocaína
Anatomia dos Nervos




Retirado de http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAA-0QAF-2.png
Anatomia dos Nervos
Tabela 1. Classificação das Fibras Nervosas




        ↑ diâmetros + mielina → ↑ velocidade
Eletrofisiologia
Potencial de repouso: -60 a -70 mV




 Retirado de http://fisiologiadofutebol.blogspot.com.br/2011/04/animacoes-sobre-despolarizacao-conducao.html
Eletrofisiologia




Retirado de http://bg10esc.files.wordpress.com/2010/08/bomba-sc3b3dio-potc3a1ssio.gif
Eletrofisiologia




Retirado de http://e-medicine.webnode.com.br/fisiologia/fisiologia-geral.html
Eletrofisiologia




Retirado de http://www.emv.fmb.unesp.br/pdf/moodle/anestesiologia/norma/farmacologia_anestesicos_locais.pdf
Mecanismos de Ação
Os AL interrompem a condução do
estímulo nervoso         por          bloquear a
condutância dos canais de sódio
impedindo a deflagração do potencial de
ação.         Carvalho JCA - Pharmacology of Local Anesthetics




             Retirado de http://acercandolabiofisica.blogspot.com.br/2010/09.html
Mecanismos de Ação
• Mecanismos moleculares

                       AL

               Canal de Na+


         Ação direta        Membrana
                            adjacente
Mecanismos de Ação
• Mecanismos moleculares




         Retirado de http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAAxnsAL-1.png
Mecanismos de Ação
• Mecanismos moleculares




         Retirado de http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAAxnsAL-1.png
Mecanismos de Ação
• Mecanismos moleculares




        Retirado de http://e-medicine.webnode.com.br/fisiologia/fisiologia-geral.html
Mecanismos de Ação
• Mecanismos moleculares
                                                                        Canais de Na+
Anestésicos Locais                                                       Aberto (O)
                                                                         Inativo (I)

                                                                        Intensidade
        Estímulo
                                                                        Duração

             Bloqueio Uso-dependente
           (sítio de ligação parte interna do canal de sódio)



         Retirado de http://e-medicine.webnode.com.br/fisiologia/fisiologia-geral.html
Mecanismos de Ação
• Mecanismos de bloqueio de n. periférico


                      C    0,3-1,3       -         Temperatura
   SUSCEPTIBILIDADE




                      AΔ    1-4          +           Tato, pp.


 SUSCEPTIBILIDADE: (1) tamanho; (2) mielinização; (3) f de estimulação;
                 (4) escolha do anestésico local.
Mecanismos de Ação
• Mecanismos de bloqueio de n. periférico
Conceito




Susbstâncias     que   bloqueiam    a
condução      nervosa   de    maneira
reversível, sendo seu uso seguido de
recuperação completa do nervo.
              Carvalho JCA - Pharmacology of Local Anesthetics
Química
Estrutura vs. Atividade




 Retirado de http://www.surgicalcosmetic.org.br/public/artigo.aspx?id=66
Química




(1) RA: porção lipossolúvel da droga →
penetração no nervo;
(2) Cadeia Intermediária: variações de potência e
toxicidade;
(3) Grupo Amina: ionizável (influência do pH do
meio), velocidade da ação.
Química

                    CADEIA
     RA         INTERMEDIÁRIA         AMINA

  Lipofílico         ESTER           Hidrofílico
PENETRAÇÃO        Colinesterase      IONIZÁVEL
 POTENCIAL           AMIDA           LATÊNCIA
 ALÉRGICO                             pKa - pH
               Hepática (Cit P450)
                  POTÊNCIA
                 TOXICIDADE
Química

Bases
fracas, insolú
veis




           pKa - pH = log ionizado/não ionizado
Química

                     pKa

                 Obs: forma não-
   ↓ pKa       ionizada é quem tem      ↑ pKa
                 maior penetração


 ↓ latência                           ↑ latência


↑ rapidez de                         ↓ rapidez de
    ação                                 ação
Química
Clínica   Físico-química   Fórmula
              dos AL       estrutural
Química




      LIPOSSOLUBILIDADE  POTÊNCIA
       LIGAÇÃO PROTÉICA  DURAÇÃO
↑ GRAU DE IONIZAÇÃO  ↓ VELOCIDADE DE AÇÃO
Farmacocinética
 Tecido nervoso     Tecido adiposo           Vasos sanguíneos    Tecido linfático




  methodus.com.br     minerva.ufpel.edu.br      ciencia101.com   brasilescola.com




 Local da injeção
 Dose
 Presença de vasoconstritor
Característica farmacológicas do agente
Farmacocinética
 Local da injeção



                             espacociencias6ano.blogspot.com
                                  região intercostal
 Mucosa traqueobrônquica




                                   medical-artist.com
 scielo.br
Farmacocinética
 Dose
                                 Lidocaína – 7 a 10 mg/Kg
        universalceara.com




                                 Bupivacaína – 2 a 3 mg/kg
 universalceara.com




                                 Lidocaína > 500 mg
                                 Bupivacaína – não existe um
                                 correlação
Farmacocinética
 Presença de vasoconstritor
 I.   Contra-indicação
 II. Associação
 III. [ ] 5mg/ml
 IV. Vantagens




                               Epinefrina
Farmacocinética
 Características Farmacológicas
                  1. Lipossolubilidade
                  2. Ação vasodilatadora
  Bupivacaína Lidocaína




                                   Vasodilatadora 1

                                   Lipossolubilidade 2,9


                                   Vasodilatadora 2,5

                                   Lipossolubilidade 27,5
Farmacocinética Clínica
 Benefício da farmacocinética – Cmax
 Características físicas e fisiopatológicas
  Físicas

• Muito jovem   • [ ] sistêmicas de anestésico local
• Idoso         • peso


• Homens
• Mulheres

                                       conasems.org.br
Farmacocinética Clínica
• Fisiopatológicas
• Doenças cardíacas    • Doença renal
• Doenças hepáticas


             Anestesiologista
Uso clínico
• Anestesia e analgesia regionais

• Anestesia e analgesia regionais

        Neuroaxial            Cateter epidural




    nysora.com                 Fonte: vital.com.br
Uso clínico
• Anestesia regional intravenosa e bloqueios nervosos




                               aurorahealthcare.org   anatomia.tripod.com portalsaofrancisco.com.br
   sistemanervoso.com




             lookfordiagnosis.com                                      lookfordiagnosis.com
Uso clínico
• Administração de lidocaína
I.    Instrumentação traqueal
II.   Arritmia cardíaca
 I.   Atenua
     Pressão intra-ocular
     Pressão intracraniana
     Pressão intra-abdominal

   Lidocaína como analgésico
   Tocainida e Mexiletina
Toxicidade
• Principais sistemas afetados
Sistema Nervoso    Sistema Cardiovascular




 methodus.com.br       ciencia101.com



• Conceitos
1. Quanto maior a sua potência, maior a sua toxicidade
2. O Sistema nervoso Central é mais afetado que o
   Cardiovascular
Toxicidade
• Sistema Nervoso Central
• Toxicidade generalizada
I. Absorção sistêmica
II. Injeção vascular direta

 • Baixas doses – Depressão
 • Altas doses – Excitação do SNC e
   convulsões
Toxicidade
• Toxidade cardíaca seletiva
                       •   Hipotensão abrupta
   • Bupivacaína       •   Arritmias cardíacas
                       •   Bloqueio atrioventricular
                       •   Epinefrina e Fenilefrina
                       •   Fibras de Purkinje
                       •   Lidocaína


                        Metahemoglobinemia
Toxicidade
• Sistema Cardiovascular
• Doses maiores de anestésicos locais

• Hipotensão
I. Relaxamento do musculo liso da artéria
II. Depressão miocárdica direita

 A diferença em produzir toxicidade
 Lidocaína
 Bupivacaína
Questões

1. O pKa da lidocaína é 7,8. No pH fisiológico, a solução de
lidocaína encontra-se: (TSA, 2000)

A) metade na forma ionizada
B) totalmente na forma não ionizada
C) predominantemente na forma não ionizada
D) totalmente na forma ionizada
E) predominantemente na forma ionizada


   Resposta: E
    Quando o pH encontra-se abaixo do pKa, há favorecimento da
   forma ionizada.
Questões

2. O tempo de latência e a duração de um bloqueio
anestésico dependem: (TSA, 1983)

a) do pKa;
b) do peso molecular;
c) da fixação às proteínas;
d) da potência do anestésico.


   Resposta: A
   O tempo de latência dos anestésicos locais está relacionado às
   propriedades físico-químicas dos diversos agentes, como pKa e
   lipossolubilidade.
Conclusão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Jaqueline Almeida
 
AnestéSicos Locais
AnestéSicos LocaisAnestéSicos Locais
AnestéSicos Locaisavpantoja1
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesMauro Cunha Xavier Pinto
 
Sulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinasSulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinasLucas Fontes
 
Intoxicacoes e seus mecanismos de açao
Intoxicacoes e seus mecanismos de açaoIntoxicacoes e seus mecanismos de açao
Intoxicacoes e seus mecanismos de açaoCosmo Palasio
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSLeonardo Souza
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoJaqueline Almeida
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...
Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...
Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...Bernadete Soares
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementaresRamon Mendes
 

Mais procurados (20)

Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
AnestéSicos Locais
AnestéSicos LocaisAnestéSicos Locais
AnestéSicos Locais
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides   Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides
 
Sulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinasSulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinas
 
Intoxicacoes e seus mecanismos de açao
Intoxicacoes e seus mecanismos de açaoIntoxicacoes e seus mecanismos de açao
Intoxicacoes e seus mecanismos de açao
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Aies
AiesAies
Aies
 
Opióides
OpióidesOpióides
Opióides
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...
Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...
Acidificar e alcalinizar a urina reabsorção tubular distal ou difusão passiva...
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementares
 

Semelhante a Anestésicos Locais

FARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdf
FARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdfFARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdf
FARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdfDanielNeresAmorim
 
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdfanestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdfProfYasminBlanco
 
Anestésicos+locais..ppt
Anestésicos+locais..pptAnestésicos+locais..ppt
Anestésicos+locais..pptAirineTemadalo
 
Farmacologia 15 anestésicos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 15   anestésicos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 15   anestésicos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 15 anestésicos - med resumos (dez-2011)Jucie Vasconcelos
 
Toxicidade Anestesicos locais
Toxicidade Anestesicos locaisToxicidade Anestesicos locais
Toxicidade Anestesicos locaiskleingomes
 
Anestesiologia 05 anestésicos locais - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 05   anestésicos locais - med resumos (set-2011)Anestesiologia 05   anestésicos locais - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 05 anestésicos locais - med resumos (set-2011)Jucie Vasconcelos
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMECaio Maximino
 
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsPharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsCarlos D A Bersot
 
Ação dos compostos químicos no organismo
Ação dos compostos químicos no organismoAção dos compostos químicos no organismo
Ação dos compostos químicos no organismohmaires
 
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdfFARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdfnilsonmarques9
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaVinicius Henrique
 

Semelhante a Anestésicos Locais (20)

Anestesicos locais 2017.2
Anestesicos locais 2017.2Anestesicos locais 2017.2
Anestesicos locais 2017.2
 
FARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdf
FARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdfFARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdf
FARMACOLOGIA aula 2 Famacocinética e Farmacodinâmica.pdf
 
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdfanestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
 
Aula 1 qf
Aula 1 qfAula 1 qf
Aula 1 qf
 
Anestésicos+locais..ppt
Anestésicos+locais..pptAnestésicos+locais..ppt
Anestésicos+locais..ppt
 
Farmacologia 15 anestésicos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 15   anestésicos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 15   anestésicos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 15 anestésicos - med resumos (dez-2011)
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
 
Toxicidade Anestesicos locais
Toxicidade Anestesicos locaisToxicidade Anestesicos locais
Toxicidade Anestesicos locais
 
Farmacologia molecular
Farmacologia molecular Farmacologia molecular
Farmacologia molecular
 
Anestesiologia 05 anestésicos locais - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 05   anestésicos locais - med resumos (set-2011)Anestesiologia 05   anestésicos locais - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 05 anestésicos locais - med resumos (set-2011)
 
Aula introdução
Aula introduçãoAula introdução
Aula introdução
 
Aula
AulaAula
Aula
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Hipercalemia
HipercalemiaHipercalemia
Hipercalemia
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsPharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
 
Ação dos compostos químicos no organismo
Ação dos compostos químicos no organismoAção dos compostos químicos no organismo
Ação dos compostos químicos no organismo
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdfFARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
 

Mais de Samuel Benjamin

Mais de Samuel Benjamin (7)

Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
Síndrome Aspiração meconial
Síndrome Aspiração meconialSíndrome Aspiração meconial
Síndrome Aspiração meconial
 
Reanimação Neonatal
Reanimação NeonatalReanimação Neonatal
Reanimação Neonatal
 
Desfibrilação e cardioversão
Desfibrilação e cardioversãoDesfibrilação e cardioversão
Desfibrilação e cardioversão
 
Flúor e Cálcio
Flúor e CálcioFlúor e Cálcio
Flúor e Cálcio
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
 
Arterite de Takayasu
Arterite de TakayasuArterite de Takayasu
Arterite de Takayasu
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 

Último (11)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 

Anestésicos Locais

  • 1.
  • 3. HISTÓRIA Cocaína - Erythroxylon coca reporter24horas.blogspot.com peru.blogspot.com  Nieman (1860)  Moreno (1868)  Koller (1884)
  • 4. HISTÓRIA  Ritsert (1890) – Benzocaína  Einhorn e Braun (1905) – procaína  Löfgren (1943) - Lidocaína
  • 5.
  • 6. Anatomia dos Nervos Retirado de http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAA-0QAF-2.png
  • 7. Anatomia dos Nervos Tabela 1. Classificação das Fibras Nervosas ↑ diâmetros + mielina → ↑ velocidade
  • 8. Eletrofisiologia Potencial de repouso: -60 a -70 mV Retirado de http://fisiologiadofutebol.blogspot.com.br/2011/04/animacoes-sobre-despolarizacao-conducao.html
  • 12. Mecanismos de Ação Os AL interrompem a condução do estímulo nervoso por bloquear a condutância dos canais de sódio impedindo a deflagração do potencial de ação. Carvalho JCA - Pharmacology of Local Anesthetics Retirado de http://acercandolabiofisica.blogspot.com.br/2010/09.html
  • 13. Mecanismos de Ação • Mecanismos moleculares AL Canal de Na+ Ação direta Membrana adjacente
  • 14. Mecanismos de Ação • Mecanismos moleculares Retirado de http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAAxnsAL-1.png
  • 15. Mecanismos de Ação • Mecanismos moleculares Retirado de http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAAxnsAL-1.png
  • 16. Mecanismos de Ação • Mecanismos moleculares Retirado de http://e-medicine.webnode.com.br/fisiologia/fisiologia-geral.html
  • 17. Mecanismos de Ação • Mecanismos moleculares Canais de Na+ Anestésicos Locais Aberto (O) Inativo (I) Intensidade Estímulo Duração Bloqueio Uso-dependente (sítio de ligação parte interna do canal de sódio) Retirado de http://e-medicine.webnode.com.br/fisiologia/fisiologia-geral.html
  • 18. Mecanismos de Ação • Mecanismos de bloqueio de n. periférico C 0,3-1,3 - Temperatura SUSCEPTIBILIDADE AΔ 1-4 + Tato, pp. SUSCEPTIBILIDADE: (1) tamanho; (2) mielinização; (3) f de estimulação; (4) escolha do anestésico local.
  • 19. Mecanismos de Ação • Mecanismos de bloqueio de n. periférico
  • 20.
  • 21. Conceito Susbstâncias que bloqueiam a condução nervosa de maneira reversível, sendo seu uso seguido de recuperação completa do nervo. Carvalho JCA - Pharmacology of Local Anesthetics
  • 23. Estrutura vs. Atividade Retirado de http://www.surgicalcosmetic.org.br/public/artigo.aspx?id=66
  • 24. Química (1) RA: porção lipossolúvel da droga → penetração no nervo; (2) Cadeia Intermediária: variações de potência e toxicidade; (3) Grupo Amina: ionizável (influência do pH do meio), velocidade da ação.
  • 25. Química CADEIA RA INTERMEDIÁRIA AMINA Lipofílico ESTER Hidrofílico PENETRAÇÃO Colinesterase IONIZÁVEL POTENCIAL AMIDA LATÊNCIA ALÉRGICO pKa - pH Hepática (Cit P450) POTÊNCIA TOXICIDADE
  • 26. Química Bases fracas, insolú veis pKa - pH = log ionizado/não ionizado
  • 27. Química pKa Obs: forma não- ↓ pKa ionizada é quem tem ↑ pKa maior penetração ↓ latência ↑ latência ↑ rapidez de ↓ rapidez de ação ação
  • 28. Química Clínica Físico-química Fórmula dos AL estrutural
  • 29. Química LIPOSSOLUBILIDADE  POTÊNCIA LIGAÇÃO PROTÉICA  DURAÇÃO ↑ GRAU DE IONIZAÇÃO  ↓ VELOCIDADE DE AÇÃO
  • 30.
  • 31. Farmacocinética Tecido nervoso Tecido adiposo Vasos sanguíneos Tecido linfático methodus.com.br minerva.ufpel.edu.br ciencia101.com brasilescola.com  Local da injeção  Dose  Presença de vasoconstritor Característica farmacológicas do agente
  • 32. Farmacocinética  Local da injeção espacociencias6ano.blogspot.com região intercostal Mucosa traqueobrônquica medical-artist.com scielo.br
  • 33. Farmacocinética  Dose Lidocaína – 7 a 10 mg/Kg universalceara.com Bupivacaína – 2 a 3 mg/kg universalceara.com Lidocaína > 500 mg Bupivacaína – não existe um correlação
  • 34. Farmacocinética  Presença de vasoconstritor I. Contra-indicação II. Associação III. [ ] 5mg/ml IV. Vantagens Epinefrina
  • 35. Farmacocinética  Características Farmacológicas 1. Lipossolubilidade 2. Ação vasodilatadora Bupivacaína Lidocaína Vasodilatadora 1 Lipossolubilidade 2,9 Vasodilatadora 2,5 Lipossolubilidade 27,5
  • 36. Farmacocinética Clínica  Benefício da farmacocinética – Cmax  Características físicas e fisiopatológicas  Físicas • Muito jovem • [ ] sistêmicas de anestésico local • Idoso • peso • Homens • Mulheres conasems.org.br
  • 37. Farmacocinética Clínica • Fisiopatológicas • Doenças cardíacas • Doença renal • Doenças hepáticas Anestesiologista
  • 38.
  • 39. Uso clínico • Anestesia e analgesia regionais • Anestesia e analgesia regionais Neuroaxial Cateter epidural nysora.com Fonte: vital.com.br
  • 40. Uso clínico • Anestesia regional intravenosa e bloqueios nervosos aurorahealthcare.org anatomia.tripod.com portalsaofrancisco.com.br sistemanervoso.com lookfordiagnosis.com lookfordiagnosis.com
  • 41. Uso clínico • Administração de lidocaína I. Instrumentação traqueal II. Arritmia cardíaca I. Atenua  Pressão intra-ocular  Pressão intracraniana  Pressão intra-abdominal  Lidocaína como analgésico  Tocainida e Mexiletina
  • 42. Toxicidade • Principais sistemas afetados Sistema Nervoso Sistema Cardiovascular methodus.com.br ciencia101.com • Conceitos 1. Quanto maior a sua potência, maior a sua toxicidade 2. O Sistema nervoso Central é mais afetado que o Cardiovascular
  • 43. Toxicidade • Sistema Nervoso Central • Toxicidade generalizada I. Absorção sistêmica II. Injeção vascular direta • Baixas doses – Depressão • Altas doses – Excitação do SNC e convulsões
  • 44. Toxicidade • Toxidade cardíaca seletiva • Hipotensão abrupta • Bupivacaína • Arritmias cardíacas • Bloqueio atrioventricular • Epinefrina e Fenilefrina • Fibras de Purkinje • Lidocaína  Metahemoglobinemia
  • 45. Toxicidade • Sistema Cardiovascular • Doses maiores de anestésicos locais • Hipotensão I. Relaxamento do musculo liso da artéria II. Depressão miocárdica direita  A diferença em produzir toxicidade  Lidocaína  Bupivacaína
  • 46. Questões 1. O pKa da lidocaína é 7,8. No pH fisiológico, a solução de lidocaína encontra-se: (TSA, 2000) A) metade na forma ionizada B) totalmente na forma não ionizada C) predominantemente na forma não ionizada D) totalmente na forma ionizada E) predominantemente na forma ionizada Resposta: E Quando o pH encontra-se abaixo do pKa, há favorecimento da forma ionizada.
  • 47. Questões 2. O tempo de latência e a duração de um bloqueio anestésico dependem: (TSA, 1983) a) do pKa; b) do peso molecular; c) da fixação às proteínas; d) da potência do anestésico. Resposta: A O tempo de latência dos anestésicos locais está relacionado às propriedades físico-químicas dos diversos agentes, como pKa e lipossolubilidade.