SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Administração e Política
TGAP ESAG/UDESC
Tema da aula
 Pluralismo versus elitismo
Wright Mills (1916-
1962)
Robert Dahl (1915 - )
Política influencia a administração
Há condicionamentos políticos em
relação à eficácia da burocracia. Está
relacionada à estrutura do poder.
Chave para se compreender a
burocracia: estrutura de poder
com a qual ela se articula.
(Ramos, 1966)
Política influencia a administração
A estrutura administrativa está imersa em um
contexto político, social e cultural, e deve-se
reconhecer que ela é um instrumento que não
pode ser separado dos objetivos e
capacidades dos que a utilizam.
A Administração Pública, para funcionar
adequadamente, deve ter suporte político.
Deve ser levado em conta a estrutura de
poder subjacente à nação.
(Ramos, 1966)
Mills – Elite do poder
 O séc. XX presencia uma mudança no centro de poder.
 Até início do séc. XIX: Monopólio da propriedade privada
distinguia as classes sociais.
 Séc. XX: capitalismo corporativo -> controle administrativo
produziu novas hierarquias e prestígio baseadas na autoridade
e obediência.
 Elite do poder: “círculos políticos, econômicos e militares
que, como um complexo de igrejinhas interligadas,
partilham as decisões de consequências pelo menos
nacionais”. (p. 28)
 Reúne: controladores de grandes fortunas, executivos de
sociedades anônimas, altas patentes militares e políticos
influentes.
 É uma definição em termos da posição institucional.
Mills – Elite do poder
 Elite do poder americano é definida como uma
unidade e circunscrito socialmente e
demograficamente.
 Para compreender a elite do poder:
 1) unidade psicológica e intercâmbio social;
 2) acesso a estruturas e a mecânica das hierarquias
institucionais presididas pelo diretório político, pelos
riscos associados e pelos altos militares;
 3) a unidade é coordenada.
Mills – Elite do poder
 “[...] nesta época particular, uma conjunção de
circunstâncias históricas levou ao aparecimento de
uma elite de poder; que os homens dos círculos que
compõem essa elite, isolada e coletivamente,
tomam atualmente as decisões chaves, e que
devido à ampliação e centralização dos meios de
poder existentes, as decisões que tomam ou deixam
de tomar têm maiores consequências para um
número de pessoas maior do que em qualquer outra
época da história mundial da humanidade” (p. 39-
40)
Mills – Elite do poder
Sociedade de massas: fragmentada e
impotente
- Não expressam a
vontade dos níveis
inferiores, nem
determinam as
decisões da cúpula.
- Fontes de
distração (universo
do entretenimento)
Nível médio de
poder
Elite do poder:
unificada e poderosa
Dahl
 Textos:
 O que é democracia?
 O direito à democracia dentro das empresas
 Poliarquia – A teoria: resumo e qualificações
Dahl: Democracia
Princípio da igualdade política
Pressuposto: os membros estão todos
igualmente qualificados para participar das
decisões, desde que tenham iguais
oportunidades de aprender sobre as questões
da associação pela investigação, discussão e
deliberação (p. 51).
Dahl: O que é democracia?
 A democracia proporciona oportunidades efetivas
para:
1. Participação
2. Igualdade de voto
3. Aquisição de entendimento esclarecido (informações
para compreender as questões envolvidas)
4. Exercer o controle do planejamento (influenciar o
programa)
5. Inclusão dos adultos
Quando qualquer das exigências acima é violada, os
membros não serão politicamente iguais.
Dahl: democracia dentro das empresas
Problema 1: Vivemos numa
sociedade com pretensões
de um processo democrático
do governo do estado, mas
não exigimos o processo
democrático nas empresas.
Problema 2: Exigências da
administração atual
(competências, meritocracia)
pode entrar em conflito com
exigências da democracia
(igualdade política).
Dahl: democracia dentro das empresas
Critérios
políticos
(democracia)
Administração
de empresas
Dahl: democracia dentro das empresas
Questão: as empresas autogeridas são mais compatíveis
com os incentivos aos trabalhadores do que as empresas
hierarquicamente dirigidas em, assim, mais eficientes?
A empresa pode ser vista como um sistema político.
Dahl justifica a autogestão política e economicamente.
Dahl: Poliarquia
Poliarquia: regime no
qual as oportunidades
de contestação
pública estão
disponíveis para a
maioria da população.
Há disputas de poder
e ampliação da
participação política.
Dependem de sete
conjuntos de
condições
complexas (ver
tabelas).
Dahl: Crítica a Mills
 O conceito de poliarquia corrige a concepção da
“elite do poder” homogênea, uniforme,
monolítica, ou constituída de subgrupos em
unidade de interesses.
 A partir de dados empíricos, Dahl fundamenta a
visão pluralista da estrutura de poder. (Ramos, 1966)
Dahl: Poliarquia
 Sociedade que apresentam esta estrutura de poder:
 Interesses tendem a exprimir-se de modo organizado ou
institucionalizado;
 É residual a população sem vínculo a associações
voluntárias ou compulsórias;
 Decisões emanadas do poder são obtidas após intensa
competição entre grupos;
 Quando um grupo não consegue influenciar o poder,
organiza-se em coalizões;
 Poder central não é instrumento passivo dos grupos
sociais (de pressão).
Dahl: Poliarquia
“A poliarquia tende a ser o regime dominante nas
sociedades desenvolvidas [...] onde a burocracia se
concretiza conforme o modelo weberiano de
administração racional-legal. Essa burocracia está
diretamente exposta às pressões de um público
‘participante’ de elevado padrão de ‘cultura cívica’.
Extremamente ativo e exigente em relação à
burocracia, compele-a a operar com eficácia, a
assimilar as inovações necessárias a reajustá-la às
demandas compulsórias que, permanentemente,
resultam do processo tecnológico e social [...] Nas
sociedades desenvolvidas, onde viceja a poliarquia,
expandem-se os serviços burocráticos. Mas este fato,
como já notara Weber, não implica no aumento do
poder da burocracia” (Ramos, 1966, p. 316).
Tipologias de estruturas do poder
(Ramos, 1966, p.
322)
EXERCÍCIOS
Dahl: Questões
1. Mesmo que os critérios de democracia sejam bem
aplicados ao governo de uma associação
voluntária muito pequena, seriam aplicados ao
governo de um estado?
2. Poderia alguma associação ser plenamente
democrática?
3. Considerando que nos sirvam de orientação,
bastariam tais critérios para o planejamento de
instituições políticas democráticas?
Fonte:
http://osianderschaff.blogspot.com/
22
Fonte:
http://osianderschaff.blogspot.com/
23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides - Teoria Geral do Estado
Slides - Teoria Geral do EstadoSlides - Teoria Geral do Estado
Slides - Teoria Geral do Estado
Deysi Macedo
 
Apostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° anoApostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° ano
Alexandre Quadrado
 
Norberto bobbio
Norberto bobbioNorberto bobbio
Norberto bobbio
Anna Trina
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
Luci Bonini
 

Mais procurados (20)

Democracia e Cidadania: participação política e social
Democracia e Cidadania: participação política e socialDemocracia e Cidadania: participação política e social
Democracia e Cidadania: participação política e social
 
Slides - Teoria Geral do Estado
Slides - Teoria Geral do EstadoSlides - Teoria Geral do Estado
Slides - Teoria Geral do Estado
 
Platão e Aristóteles
Platão e AristótelesPlatão e Aristóteles
Platão e Aristóteles
 
Ciência política1
Ciência política1Ciência política1
Ciência política1
 
Aula 13 - Povos e nações
Aula 13 - Povos e naçõesAula 13 - Povos e nações
Aula 13 - Povos e nações
 
Introdução à Ciência Política
Introdução à Ciência PolíticaIntrodução à Ciência Política
Introdução à Ciência Política
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Apostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° anoApostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° ano
 
teorias do desenvolvimento
teorias do desenvolvimentoteorias do desenvolvimento
teorias do desenvolvimento
 
Os Federalistas - Alexander Hamilton, James Madison e John Jay
Os Federalistas - Alexander Hamilton, James Madison e John JayOs Federalistas - Alexander Hamilton, James Madison e John Jay
Os Federalistas - Alexander Hamilton, James Madison e John Jay
 
Norberto bobbio
Norberto bobbioNorberto bobbio
Norberto bobbio
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
Hannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoHannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismo
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Aula de filosofia antiga platão de atenas
Aula de filosofia antiga   platão de atenasAula de filosofia antiga   platão de atenas
Aula de filosofia antiga platão de atenas
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Sociologia - Cidadania
Sociologia - CidadaniaSociologia - Cidadania
Sociologia - Cidadania
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 

Destaque (8)

Ciência política [1o gq] Poliarquia
Ciência política [1o gq] PoliarquiaCiência política [1o gq] Poliarquia
Ciência política [1o gq] Poliarquia
 
Poliarquia
PoliarquiaPoliarquia
Poliarquia
 
Carole pateman participação e teoria democrática
Carole pateman   participação e teoria democráticaCarole pateman   participação e teoria democrática
Carole pateman participação e teoria democrática
 
A representação do eu na vida cotidiana
A representação do eu na vida cotidianaA representação do eu na vida cotidiana
A representação do eu na vida cotidiana
 
História do jornalismo [pré jornalismo]
História do jornalismo [pré jornalismo]História do jornalismo [pré jornalismo]
História do jornalismo [pré jornalismo]
 
Manicômios, prisões e conventos ( Erving Goffman)
Manicômios, prisões e conventos ( Erving Goffman)Manicômios, prisões e conventos ( Erving Goffman)
Manicômios, prisões e conventos ( Erving Goffman)
 
(8) cozinha da teologia
(8) cozinha da teologia(8) cozinha da teologia
(8) cozinha da teologia
 
Teologia medieval escolástica
Teologia medieval escolásticaTeologia medieval escolástica
Teologia medieval escolástica
 

Semelhante a Administração e política (Poliarquia e Elitismo)

02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
Sérgio Braga
 
Elitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistas
Elitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistasElitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistas
Elitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistas
Marcelo a
 
A questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadoresA questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadores
Natz Lima
 

Semelhante a Administração e política (Poliarquia e Elitismo) (20)

Considerações sobre a teoria poliarquica
Considerações sobre a teoria poliarquicaConsiderações sobre a teoria poliarquica
Considerações sobre a teoria poliarquica
 
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do EstadoComunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
 
Elitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistas
Elitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistasElitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistas
Elitismo16 carlos pio_&_mauro_porto_elitistas_pluralistas_marxistas
 
Revisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politicaRevisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politica
 
Fluzz pilulas 47
Fluzz pilulas 47Fluzz pilulas 47
Fluzz pilulas 47
 
04seminario2011habermas-130308125550-phpapp02.ppt
04seminario2011habermas-130308125550-phpapp02.ppt04seminario2011habermas-130308125550-phpapp02.ppt
04seminario2011habermas-130308125550-phpapp02.ppt
 
A questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadoresA questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadores
 
Fluzz & Partido
Fluzz & PartidoFluzz & Partido
Fluzz & Partido
 
5.. formas do poder político
5.. formas do poder político5.. formas do poder político
5.. formas do poder político
 
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o EstadoIECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
 
A Elite do Poder.pptx
A Elite do Poder.pptxA Elite do Poder.pptx
A Elite do Poder.pptx
 
Formação da ideia atual de Estado Democrático
Formação da ideia atual de Estado DemocráticoFormação da ideia atual de Estado Democrático
Formação da ideia atual de Estado Democrático
 
Estado e relações de poder
Estado e relações de poderEstado e relações de poder
Estado e relações de poder
 
cidania e democracia.pdf
cidania e democracia.pdfcidania e democracia.pdf
cidania e democracia.pdf
 
Aula estado dominação_poder
Aula estado dominação_poderAula estado dominação_poder
Aula estado dominação_poder
 
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
 
Aula 17 - Introdução ao pensamento político
Aula 17 - Introdução ao pensamento políticoAula 17 - Introdução ao pensamento político
Aula 17 - Introdução ao pensamento político
 
A publicização da política
A publicização da políticaA publicização da política
A publicização da política
 

Mais de Mauricio Serafim

Plano de Ensino - Sociologia Econômica e Organizações
Plano de Ensino - Sociologia Econômica e OrganizaçõesPlano de Ensino - Sociologia Econômica e Organizações
Plano de Ensino - Sociologia Econômica e Organizações
Mauricio Serafim
 
O uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisas
O uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisasO uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisas
O uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisas
Mauricio Serafim
 
1 plano ensino tga pub 2011.1 (mauricio serafim)
1 plano ensino   tga pub 2011.1 (mauricio serafim)1 plano ensino   tga pub 2011.1 (mauricio serafim)
1 plano ensino tga pub 2011.1 (mauricio serafim)
Mauricio Serafim
 
Coproducao - Plano de ensino
Coproducao - Plano de ensinoCoproducao - Plano de ensino
Coproducao - Plano de ensino
Mauricio Serafim
 
O Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De Pesquisas
O Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De PesquisasO Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De Pesquisas
O Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De Pesquisas
Mauricio Serafim
 

Mais de Mauricio Serafim (20)

Economia criativa ou indústria criativa: Delimitação de um Conceito em Constr...
Economia criativa ou indústria criativa: Delimitação de um Conceito em Constr...Economia criativa ou indústria criativa: Delimitação de um Conceito em Constr...
Economia criativa ou indústria criativa: Delimitação de um Conceito em Constr...
 
Artigo - As organizações religiosas e suas relações: Uma análise a partir da ...
Artigo - As organizações religiosas e suas relações: Uma análise a partir da ...Artigo - As organizações religiosas e suas relações: Uma análise a partir da ...
Artigo - As organizações religiosas e suas relações: Uma análise a partir da ...
 
Artigo - Captação de recursos não reembolsáveis: dificuldades e limitações da...
Artigo - Captação de recursos não reembolsáveis: dificuldades e limitações da...Artigo - Captação de recursos não reembolsáveis: dificuldades e limitações da...
Artigo - Captação de recursos não reembolsáveis: dificuldades e limitações da...
 
Plano de Ensino - Sociologia Econômica e Organizações
Plano de Ensino - Sociologia Econômica e OrganizaçõesPlano de Ensino - Sociologia Econômica e Organizações
Plano de Ensino - Sociologia Econômica e Organizações
 
O uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisas
O uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisasO uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisas
O uso de redes sociais no desenvolvimento de pesquisas
 
From rationality to relationality
From rationality to relationalityFrom rationality to relationality
From rationality to relationality
 
Oikonomia como referencial para as organizações econômicas
Oikonomia como referencial para as organizações econômicasOikonomia como referencial para as organizações econômicas
Oikonomia como referencial para as organizações econômicas
 
1 plano ensino tga pub 2011.1 (mauricio serafim)
1 plano ensino   tga pub 2011.1 (mauricio serafim)1 plano ensino   tga pub 2011.1 (mauricio serafim)
1 plano ensino tga pub 2011.1 (mauricio serafim)
 
EdC - agire agapico
EdC - agire agapicoEdC - agire agapico
EdC - agire agapico
 
Aula 7 - Karl Polanyi
Aula 7 - Karl PolanyiAula 7 - Karl Polanyi
Aula 7 - Karl Polanyi
 
Aula 7 - karl polanyi
Aula 7 - karl polanyiAula 7 - karl polanyi
Aula 7 - karl polanyi
 
Show - Talentos ESAG
Show - Talentos ESAGShow - Talentos ESAG
Show - Talentos ESAG
 
Convite conferencia
Convite conferenciaConvite conferencia
Convite conferencia
 
Aula 4 (15.03.2010) - Coproducao Esag
Aula 4 (15.03.2010) - Coproducao EsagAula 4 (15.03.2010) - Coproducao Esag
Aula 4 (15.03.2010) - Coproducao Esag
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
 
Aula 2 (01 03 2010) - Coproducao Esag
Aula 2 (01 03 2010) - Coproducao  EsagAula 2 (01 03 2010) - Coproducao  Esag
Aula 2 (01 03 2010) - Coproducao Esag
 
Coproducao - Plano de ensino
Coproducao - Plano de ensinoCoproducao - Plano de ensino
Coproducao - Plano de ensino
 
O Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De Pesquisas
O Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De PesquisasO Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De Pesquisas
O Uso De Tecnologias No Desenvolvimento De Pesquisas
 
Consumo Consciente
Consumo ConscienteConsumo Consciente
Consumo Consciente
 
Mercado Justo
Mercado JustoMercado Justo
Mercado Justo
 

Administração e política (Poliarquia e Elitismo)

  • 2. Tema da aula  Pluralismo versus elitismo Wright Mills (1916- 1962) Robert Dahl (1915 - )
  • 3. Política influencia a administração Há condicionamentos políticos em relação à eficácia da burocracia. Está relacionada à estrutura do poder. Chave para se compreender a burocracia: estrutura de poder com a qual ela se articula. (Ramos, 1966)
  • 4. Política influencia a administração A estrutura administrativa está imersa em um contexto político, social e cultural, e deve-se reconhecer que ela é um instrumento que não pode ser separado dos objetivos e capacidades dos que a utilizam. A Administração Pública, para funcionar adequadamente, deve ter suporte político. Deve ser levado em conta a estrutura de poder subjacente à nação. (Ramos, 1966)
  • 5. Mills – Elite do poder  O séc. XX presencia uma mudança no centro de poder.  Até início do séc. XIX: Monopólio da propriedade privada distinguia as classes sociais.  Séc. XX: capitalismo corporativo -> controle administrativo produziu novas hierarquias e prestígio baseadas na autoridade e obediência.  Elite do poder: “círculos políticos, econômicos e militares que, como um complexo de igrejinhas interligadas, partilham as decisões de consequências pelo menos nacionais”. (p. 28)  Reúne: controladores de grandes fortunas, executivos de sociedades anônimas, altas patentes militares e políticos influentes.  É uma definição em termos da posição institucional.
  • 6. Mills – Elite do poder  Elite do poder americano é definida como uma unidade e circunscrito socialmente e demograficamente.  Para compreender a elite do poder:  1) unidade psicológica e intercâmbio social;  2) acesso a estruturas e a mecânica das hierarquias institucionais presididas pelo diretório político, pelos riscos associados e pelos altos militares;  3) a unidade é coordenada.
  • 7. Mills – Elite do poder  “[...] nesta época particular, uma conjunção de circunstâncias históricas levou ao aparecimento de uma elite de poder; que os homens dos círculos que compõem essa elite, isolada e coletivamente, tomam atualmente as decisões chaves, e que devido à ampliação e centralização dos meios de poder existentes, as decisões que tomam ou deixam de tomar têm maiores consequências para um número de pessoas maior do que em qualquer outra época da história mundial da humanidade” (p. 39- 40)
  • 8. Mills – Elite do poder Sociedade de massas: fragmentada e impotente - Não expressam a vontade dos níveis inferiores, nem determinam as decisões da cúpula. - Fontes de distração (universo do entretenimento) Nível médio de poder Elite do poder: unificada e poderosa
  • 9. Dahl  Textos:  O que é democracia?  O direito à democracia dentro das empresas  Poliarquia – A teoria: resumo e qualificações
  • 10. Dahl: Democracia Princípio da igualdade política Pressuposto: os membros estão todos igualmente qualificados para participar das decisões, desde que tenham iguais oportunidades de aprender sobre as questões da associação pela investigação, discussão e deliberação (p. 51).
  • 11. Dahl: O que é democracia?  A democracia proporciona oportunidades efetivas para: 1. Participação 2. Igualdade de voto 3. Aquisição de entendimento esclarecido (informações para compreender as questões envolvidas) 4. Exercer o controle do planejamento (influenciar o programa) 5. Inclusão dos adultos Quando qualquer das exigências acima é violada, os membros não serão politicamente iguais.
  • 12. Dahl: democracia dentro das empresas Problema 1: Vivemos numa sociedade com pretensões de um processo democrático do governo do estado, mas não exigimos o processo democrático nas empresas. Problema 2: Exigências da administração atual (competências, meritocracia) pode entrar em conflito com exigências da democracia (igualdade política).
  • 13. Dahl: democracia dentro das empresas Critérios políticos (democracia) Administração de empresas
  • 14. Dahl: democracia dentro das empresas Questão: as empresas autogeridas são mais compatíveis com os incentivos aos trabalhadores do que as empresas hierarquicamente dirigidas em, assim, mais eficientes? A empresa pode ser vista como um sistema político. Dahl justifica a autogestão política e economicamente.
  • 15. Dahl: Poliarquia Poliarquia: regime no qual as oportunidades de contestação pública estão disponíveis para a maioria da população. Há disputas de poder e ampliação da participação política. Dependem de sete conjuntos de condições complexas (ver tabelas).
  • 16. Dahl: Crítica a Mills  O conceito de poliarquia corrige a concepção da “elite do poder” homogênea, uniforme, monolítica, ou constituída de subgrupos em unidade de interesses.  A partir de dados empíricos, Dahl fundamenta a visão pluralista da estrutura de poder. (Ramos, 1966)
  • 17. Dahl: Poliarquia  Sociedade que apresentam esta estrutura de poder:  Interesses tendem a exprimir-se de modo organizado ou institucionalizado;  É residual a população sem vínculo a associações voluntárias ou compulsórias;  Decisões emanadas do poder são obtidas após intensa competição entre grupos;  Quando um grupo não consegue influenciar o poder, organiza-se em coalizões;  Poder central não é instrumento passivo dos grupos sociais (de pressão).
  • 18. Dahl: Poliarquia “A poliarquia tende a ser o regime dominante nas sociedades desenvolvidas [...] onde a burocracia se concretiza conforme o modelo weberiano de administração racional-legal. Essa burocracia está diretamente exposta às pressões de um público ‘participante’ de elevado padrão de ‘cultura cívica’. Extremamente ativo e exigente em relação à burocracia, compele-a a operar com eficácia, a assimilar as inovações necessárias a reajustá-la às demandas compulsórias que, permanentemente, resultam do processo tecnológico e social [...] Nas sociedades desenvolvidas, onde viceja a poliarquia, expandem-se os serviços burocráticos. Mas este fato, como já notara Weber, não implica no aumento do poder da burocracia” (Ramos, 1966, p. 316).
  • 19. Tipologias de estruturas do poder (Ramos, 1966, p. 322)
  • 21. Dahl: Questões 1. Mesmo que os critérios de democracia sejam bem aplicados ao governo de uma associação voluntária muito pequena, seriam aplicados ao governo de um estado? 2. Poderia alguma associação ser plenamente democrática? 3. Considerando que nos sirvam de orientação, bastariam tais critérios para o planejamento de instituições políticas democráticas?