SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL
IMPROBIDADE.
CONTRATAÇÃO
DE
PROCURADORES.
CARGOS
TEMPORÁRIOS.
CONCURSO.
Existindo concurso vigente não pode o
administrador simplesmente efetuar a contratação
de outros em face de lei que permite a contratação
emergencial. Vontade deliberada em frustrar a
ordem dos aprovados no concurso público.
Improbidade caracterizada. Negado provimento ao
recurso.

APELAÇÃO CÍVEL

Nº 70046166104 (N° CNJ: 054940470.2011.8.21.7000)

VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA
CÍVEL - SERVIÇO DE APOIO À
JURISDIÇÃO
COMARCA DE GRAVATAÍ

DANIEL LUIZ BORDIGNON
MINISTERIO PUBLICO

APELANTE
APELADO

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.
Acordam os Magistrados integrantes da Vigésima Segunda
Câmara Cível - Serviço de Apoio à Jurisdição do Tribunal de Justiça do
Estado, à unanimidade, em negar provimento ao recurso.
Custas na forma da lei.
Participaram do julgamento, além do signatário, as eminentes
Senhoras DES.ª MARIA ISABEL DE AZEVEDO SOUZA (PRESIDENTE E
REVISORA) E DES.ª DENISE OLIVEIRA CEZAR.
Porto Alegre, 24 de outubro de 2013.

DR. EDUARDO KRAEMER,

1
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL
Relator.

RELATÓRIO
DR. EDUARDO KRAEMER (RELATOR)
Trata-se de Ação Civil Pública por Atos de Improbidade
Administrativa ajuizada pelo Ministério Público em face de Daniel Luiz
Bordignon, então prefeito de Gravataí.
Descreve a inicial que em 24 de julho de 1998 a Prefeitura
Municipal de Gravataí publicou edital para realização de concurso público
para provimento de 10 cargos de Procurador do Município, entre outros.
Refere que 206 candidatos foram aprovados. No entanto, em 09/06/2000 o
candidato Félix Menger Monteiro, classificado em 12º lugar, declarou na
Promotoria de Justiça que apenas oito candidatos foram convocados para
assumir o cargo de procurador, tendo a Prefeitura contratado, após a
realização do concurso, em caráter emergencial, duas pessoas para
exercerem o cargo de Procurador do Município (Renata Costa de Cristo e
Fabienne Fonseca). A Prefeitura teria informado a existência de 13
Procuradores lotados na Procuradoria Geral, sendo três exercendo cargo em
comissão e duas contratadas em caráter emergencial (Renata Costa de
Cristo e Fabienne Fonseca). Em 14/12/2000 a Prefeitura teria se
manifestado pelo arquivamento do expediente alegando ter o administrador
poder discricionário para a prática de atos conforme a conveniência e o
interesse público (Lei 692 de 30/12/1991 – Estrutura Administrativa da
Prefeitura de Gravataí e Lei 955 de 19/01/1995 – Cria e extingue cargos em
comissão no quadro de pessoal da prefeitura Municipal de Gravataí). Aponta
desvio de poder e finalidade, desrespeito às regras do concurso público e
aos princípios da pessoalidade, igualdade, imparcialidade e moralidade
administrativos, em afronta aos arts. 37 da CF e 4º da Lei 8.429/92. Enfatiza
2
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL

a necessidade de excepcional interesse público para contratação temporária
em detrimento da convocação de candidatos aprovados em concurso.
Afirma a inexistência de justificativa para tal, na hipótese, o que implica na
incursão no art. 11 da Lei nº 8.429/92. Requer a imediata exoneração das
pessoas que exerçam as funções de Procurador Municipal contratados em
caráter temporário, a abstenção de novas contratações desta forma, o
provimento imediato dos cargos existentes pelos candidatos aprovados em
concurso, e ao final, a procedência da ação, para declarar os atos de
improbidade, com as conseqüências devidas e a condenação ao pagamento
de multa diária em caso de descumprimento dos pedidos realizados
liminarmente.
A julgadora a quo indeferiu a liminar, determinando a citação
do réu (fls. 134/139).
Após pedido de reconsideração do réu (fls. 140/142), a
julgadora singular acatou parcialmente o pedido, abrindo prazo para o réu
apresentar manifestação por escrito, nos termos da MP nº 2.225-45, de 2001
(fl. 144).
O réu se manifestou, apresentando preliminar de ilegitimidade
ativa do MP Estadual, sob o argumento de que os atos postulados são
administrativos, não possuindo o MP legitimidade para tais. Destaca o art.
129 da CF, que descreve as funções do MP. Afirma que não se trata de
proteção de interesse difuso e nem coletivo. No mérito, sustenta que os atos
por si praticados jamais podem ser considerados como ímprobos, uma vez
que realizados: a) para dar cumprimentos aos limites de gastos fixados na
Lei de Responsabilidade Fiscal; b) com autorização legal; c) com
discricionariedade na escolha da melhor política para o Município. Ressalta
a inexistência de agir doloso, elemento indispensável para a procedência de
ação civil pública com fundamento no art. 11 da lei nº 8.429/92. Postula a
3
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL

rejeição da ação civil pública por ilegitimidade e, caso não acolhida, pelas
questões de mérito expostas (fls.151/173).
O Ministério público apresentou réplica ás fls. 178/182.
A inicial foi recebida pela julgadora singular (fl. 182v.).
Contra esta decisão foi interposto agravo de instrumento, que
teve o seguimento negado (fls. 344/347 e 349/354). Opostos Embargos de
Declaração, foram desacolhidos (fls. 356/358). Interposto Recurso Especial,
este também teve o seguimento negado (fls. 362/363). Interposto Agravo de
Instrumento, foi negado provimento (fl. 369), tendo a decisão transitada em
julgado (fl. 371).
O réu ofereceu contestação, reiterando os argumentos
expostos na manifestação prévia. Requer o julgamento de improcedência
(fls. 184/104). Juntaram documentos, como portarias de nomeação (fls.
205/208), demonstrativo da execução orçamentária do município (fl. 210),
expediente de rescisão e documentos relacionados (fls. 210/214). Ainda,
trouxe a Lei nº 1.047/1996 (Autoriza a contratação de pessoal para áreas
essenciais, por tempos determinado, para atender necessidade temporária
de excepcional interesse público - fls. 215/216), a Lei nº 1.091/1996
(Prorroga prazo dos contratos administrativos de pessoal temporário – fl.
117), a Lei nº 1.195/1997, a Lei 1.306/1998, a Lei nº 1.359/1999 e a Lei
1.529/2000 (Autorizam a prorrogação do prazo dos contratos administrativos
de pessoal temporário) – fls. 218/223, bem como a Lei nº 1.650/2001
(Autoriza a contratação de pessoal, por tempo determinado, para atender
necessidade temporária de excepcional interesse público – fls. 224/225.
O Município de Gravataí foi incluído no pólo passivo e foi
determinada a sua citação (fl. 305).
O Município de Gravataí apresentou contestação apresentando
preliminar de ilegitimidade ativa do MP, sob o argumento de que não se
4
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL

verificam interesses coletivos a serem tutelados. No mérito, defende a tese
de ausência de prática de ato de improbidade administrativa (fls. 313/315).
Foram apresentados memoriais às fls. 407/420, fls. 421/423 e
430/432.
Foi proferida sentença de parcial procedência (fls. 435/442),
para suspender os direitos políticos de DANIEL LUIZ BORDIGNON,
proibindo-o de contratar com o poder público ou receber incentivos ou
benefícios fiscais ou creditícios, pelo prazo de 03 (três anos), nos termos do
art. 12, III, da Lei nº 8.429/92. O réu foi condenado ao pagamento de 70%
das custas.
Inconformado com a decisão recorre o demandado (fls.
445/481). Preliminarmente, discorre sobre a Reclamação nº 2.138 do STF,
cujo acórdão foi publicado em 18/04/2008, que tem como fundamento
ideológico a afirmação de que o regime de responsabilidade estabelecido no
art. 37, §4º da CF é regulado pela Lei 8.429/92, enquanto o regime de
responsabilidade fixado no art. 102, I, c é disciplinado pela Lei 1.079/50.
Aduz que o STF decidiu que os agentes políticos, por estarem regidos por
normas especiais de responsabilidade, não respondem por ato de
improbidade com base na Lei 8.429/92, mas sim por crime de
responsabilidade. Cita o voto de divergência do então Ministro Carlos
Velloso, afirmando que o agente político só será demandado por
improbidade administrativa se o ato não estiver tipificado como crime nas
leis especiais e se estiver definido como de improbidade na Lei 8.429/92.
Destaca o Agravo Regimental nº 579799/SP, julgado nesse sentido. Cita
outros julgamentos do STJ e do TJRS no mesmo sentido. Quanto ao mérito,
reitera os argumentos já explanados no decorrer do processo. Colaciona
jurisprudência sobre a necessidade de inconstitucionalidade das leis
autorizadoras e a necessidade de dolo do agente público. Por fim, ratifica
5
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL

que as contratações foram autorizadas por Lei Municipal, cujas autorizações
são renovadas anualmente. Postula o provimento do recurso.
O Ministério Público apresentou contrarrazões (fls. 503/526).
O Ministério público se manifestou pelo desprovimento do
recurso (fls. 530/531).
É o relatório.

VOTOS
DR. EDUARDO KRAEMER (RELATOR)
Em primeiro lugar necessário asseverar que conheço do
recurso por que pertinente e tempestivo.
Assim conheço a apelação.
Examino o mérito.
Em primeiro lugar examino a preliminar de aplicação da
reclamação 2138, junto ao STF.
Necessário em primeiro asseverar que a reclamação 2138/STF
revela que a lei de improbidade não se aplica aos Ministros de Estado em
face destes estar apenas sujeito ao regime de crimes de responsabilidade.
Ademais,

importante

salientar,

que

a

reclamação

não

apresenta efeito vinculante.
Assim rejeito a aplicação da reclamação ao presente processo.
A preliminar conhecida mas no mérito não provida.
Relativamente ao mérito.
A questão central do presente processo diz em verificar se a
contratação emergencial de dois procuradores municipais – RENATA
COSTA CHISTO, em 23 de dezembro de 1999(fl.117) e MARCHAL
GUILHERME BRANDINI, em 09 de janeiro de 2001(fl.117).
6
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL

Constam às fl.102 as seguintes informações:
- o concurso 03/1998 abriu vagas para dez cargos de
PROCURADOR;
- o prazo de validade do concurso é de 18 de dezembro de
2002.
Existe ainda nos autos, fls. 104, a classificação final dos
aprovados no concurso para PROCURADOR.
A lei municipal 1047/96 permite a contratação de dois
procuradores de forma temporária e com percepção de vencimentos
semelhantes aos dos servidores (art. 4º).
Reside a questão em verificar se existente concurso público
para determinada função se revela possível a contratação emergencial sem
caracterização de afronta aos princípios da legalidade.
É evidente que a realização de concurso público não gera
direito subjetivo a contratação.
Igualmente que a assertiva tem um correspondente para a
administração. Existindo aprovados em concurso não pode a administração
contratar funcionários temporários objetivando exercer a mesma função. A
questão é de eqüidade e preservação dos princípios elementares da
administração pública.
Não se revela admissível que se realize concurso público e o
administrador em momento posterior venham, simplesmente, contratar
qualquer pessoa da sociedade que não se sujeitou a concurso.
Não resta dúvida que o réu efetuou contratações quando havia
concurso.
O argumento que existe lei permissiva em nada retira a
vontade deliberada do réu em não observar aqueles que foram regularmente
7
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL

aprovados em concurso público.
É notório que o dolo genérico exigido pela lei de improbidade
se encontra presente na hipótese em julgamento. O réu simplesmente
desconsiderou o concurso público e nomeou dois procuradores.
Os argumentos deduzidos sejam na contestação ou nas razões
de apelação não permitem justificar a contratação emergencial.
Existindo concursados por que contratar terceiros sem
concurso. Entende-se que o município não possa ficar sem procuradores
mas não pode simplesmente contratar aqueles sem concurso em detrimento
aos que se submeteram ao certame público.
A lei municipal não logra legitimar tais contratações.
Eventual necessidade poderia ser tranquilamente suprida pelos
aprovados no concurso público.
Cabalmente demonstrado nos autos a vontade deliberada de
não contratar os concursados.
Os diversos argumentos utilizados buscando afastar a
caracterização de improbidade não merecem acolhimento.
Assim a questão dos limites da lei de responsabilidade fiscal.
Os pagamentos de servidor selecionado por concurso ou
contratado de forma emergencial saíram da mesma rubrica orçamentária.
Caso este argumento fosse acolhido não deveriam ser
contratados qualquer funcionário.
O aspecto da maior eficiência do procurador temporário,
igualmente, não merece prosperar. O aspecto subjetivo é preponderante não
devendo ser acolhido o argumento.
Nestas circunstâncias não existe argumento que possa afastar
a vontade deliberada do réu em não respeitar na contratação a lista dos
8
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EK
Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000)
2011/CÍVEL

aprovados em concurso.
As contratações temporárias, mesmo que admitidas por lei
municipal, devem se submeter às regras previstas na Constituição Federal.
Eventual urgência estaria suprida pela possibilidade de nomeação daqueles
constantes na lista de aprovados.
A contratação emergencial não pode ser vulgarizada sob pena
de se criar nova forma de admissão no serviço público. Conforme já referido
ao início desta fundamentação a Constituição Federal permite como forma
de acesso preponderante o concurso público.
Assim nenhum reparo merece a decisão de primeiro grau que
deve ser mantida em sua integralidade.
Voto, pois, pelo não provimento da apelação interposta.
É o voto.

DES.ª

MARIA

ISABEL

DE

AZEVEDO

SOUZA

(PRESIDENTE

E

REVISORA) - De acordo com o(a) Relator(a).
DES.ª DENISE OLIVEIRA CEZAR - De acordo com o(a) Relator(a).

DES.ª MARIA ISABEL DE AZEVEDO SOUZA - Presidente - Apelação Cível
nº 70046166104, Comarca de Gravataí: "À UNANIMIDADE, NEGARAM
PROVIMENTO AO RECURSO."

Julgador(a) de 1º Grau: DULCE ANA GOMES OPPITZ

9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acao execucao de_rid
Acao execucao de_ridAcao execucao de_rid
Acao execucao de_rid
MarcioCabral29
 
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargos
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargosApelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargos
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargos
Informa Jurídico
 
Apelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandraApelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandra
MarcioCabral29
 
Inicial da ação do MPE
Inicial da ação do MPEInicial da ação do MPE
Inicial da ação do MPE
Luiz Carlos Azenha
 
Acórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certoAcórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certo
Giovani L Giovani
 
Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...
Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...
Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...
Bruno Muniz
 
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade desvio de finalidade
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade   desvio de finalidadeApelação cível. ação civil pública por ato de improbidade   desvio de finalidade
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade desvio de finalidade
Informa Jurídico
 
Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29
Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29
Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29
Francisco Luz
 
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Ministério Público de Santa Catarina
 
Parecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do Poço
Parecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do PoçoParecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do Poço
Parecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do Poço
Thiago Santaella
 
Oficio sobre o sic pgj
Oficio sobre o sic pgjOficio sobre o sic pgj
Oficio sobre o sic pgj
chlima
 
Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.
Francisco Brito
 
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Resl tc mpresc-do240513-73e74
Resl tc mpresc-do240513-73e74Resl tc mpresc-do240513-73e74
Resl tc mpresc-do240513-73e74
Francisco Luz
 
Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...
Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...
Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Ia belmiro teixeira de jesus
Ia   belmiro teixeira de jesusIa   belmiro teixeira de jesus
Ia belmiro teixeira de jesus
julio silva
 
Oficio esclarecimento promotora
Oficio esclarecimento promotoraOficio esclarecimento promotora
Oficio esclarecimento promotora
ademirnogueira
 
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
Ministério Público de Santa Catarina
 
URGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de Kiko
URGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de KikoURGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de Kiko
URGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de Kiko
Luís Carlos Nunes
 
Padre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de Rondônia
Padre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de RondôniaPadre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de Rondônia
Padre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de Rondônia
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 

Mais procurados (20)

Acao execucao de_rid
Acao execucao de_ridAcao execucao de_rid
Acao execucao de_rid
 
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargos
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargosApelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargos
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade cumulacao de cargos
 
Apelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandraApelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandra
 
Inicial da ação do MPE
Inicial da ação do MPEInicial da ação do MPE
Inicial da ação do MPE
 
Acórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certoAcórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certo
 
Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...
Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...
Justiça bloqueia bens do atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vi...
 
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade desvio de finalidade
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade   desvio de finalidadeApelação cível. ação civil pública por ato de improbidade   desvio de finalidade
Apelação cível. ação civil pública por ato de improbidade desvio de finalidade
 
Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29
Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29
Sentença pç jé carvalho paracuru djfce061113pág27a29
 
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
 
Parecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do Poço
Parecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do PoçoParecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do Poço
Parecer do MPF sobre recurso da Operação Fundo do Poço
 
Oficio sobre o sic pgj
Oficio sobre o sic pgjOficio sobre o sic pgj
Oficio sobre o sic pgj
 
Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.
 
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito por simular entrega de materiais para...
 
Resl tc mpresc-do240513-73e74
Resl tc mpresc-do240513-73e74Resl tc mpresc-do240513-73e74
Resl tc mpresc-do240513-73e74
 
Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...
Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...
Leiloeira que embolsou quase R$ 26 mil indevidamente volta a ser condenada em...
 
Ia belmiro teixeira de jesus
Ia   belmiro teixeira de jesusIa   belmiro teixeira de jesus
Ia belmiro teixeira de jesus
 
Oficio esclarecimento promotora
Oficio esclarecimento promotoraOficio esclarecimento promotora
Oficio esclarecimento promotora
 
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
 
URGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de Kiko
URGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de KikoURGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de Kiko
URGENTE: Ministério Público Eleitoral pede a impugnação da candidatura de Kiko
 
Padre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de Rondônia
Padre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de RondôniaPadre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de Rondônia
Padre ex-prefeito de Cacoal é condenado mais uma vez pela Justiça de Rondônia
 

Destaque

Camus, albert strainul
Camus, albert   strainulCamus, albert   strainul
Camus, albert strainul
vera147
 
Pwc hri-primary-care-new-economy-2016
Pwc hri-primary-care-new-economy-2016Pwc hri-primary-care-new-economy-2016
Pwc hri-primary-care-new-economy-2016
Suyog Shukla
 
Deporteyvalores 131114154545-phpapp01
Deporteyvalores 131114154545-phpapp01Deporteyvalores 131114154545-phpapp01
Deporteyvalores 131114154545-phpapp01
jose057
 
Catherine Peterson_Resume_VFM
Catherine Peterson_Resume_VFMCatherine Peterson_Resume_VFM
Catherine Peterson_Resume_VFM
Catherine Peterson
 
Blade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive Maintenance
Blade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive MaintenanceBlade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive Maintenance
Blade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive Maintenance
Windpower Engineering & Development
 
Instrumentos de evaluación (tema 4)
Instrumentos de evaluación (tema 4)Instrumentos de evaluación (tema 4)
Instrumentos de evaluación (tema 4)
Alberto Aquilani Martin
 
תמונות מן העולם
תמונות מן העולםתמונות מן העולם
תמונות מן העולם
APOLOLOVE
 
Mysql Introduzione
Mysql IntroduzioneMysql Introduzione
Steve Resume
Steve ResumeSteve Resume
Steve Resume
Steve Hollingsworth
 
Cronologia do Transporte na Cidade de SP
Cronologia do Transporte na Cidade de SPCronologia do Transporte na Cidade de SP
Cronologia do Transporte na Cidade de SP
Estevão Brizante
 
4. Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...
4.	Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...4.	Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...
4. Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...
EUROsociAL II
 
Notas de didáctica final
Notas de didáctica finalNotas de didáctica final
Notas de didáctica final
Willy Ernesto Portugal Duran
 
Gestao do s ac interno
Gestao do s ac internoGestao do s ac interno
Gestao do s ac interno
emiliogsn
 
Victoria school district-student transferprocess
Victoria school district-student transferprocessVictoria school district-student transferprocess
Victoria school district-student transferprocess
iamprosperous
 
A Peek into the Future of Mobile-Enabled Health Care
A Peek into the Future of Mobile-Enabled Health CareA Peek into the Future of Mobile-Enabled Health Care
A Peek into the Future of Mobile-Enabled Health Care
Akana
 
16 presentation 715 s-15
16 presentation 715 s-1516 presentation 715 s-15
16 presentation 715 s-15
fbuskey
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
Hclark1988
 
Nathan A. Beesley
Nathan A. BeesleyNathan A. Beesley
Nathan A. Beesley
Nathan Beelsey
 
Особенности и возможности поиска Целевой Аудитории Вконтакте
Особенности и возможности поиска Целевой Аудитории ВконтактеОсобенности и возможности поиска Целевой Аудитории Вконтакте
Особенности и возможности поиска Целевой Аудитории Вконтакте
Kalaev Vladimir
 

Destaque (19)

Camus, albert strainul
Camus, albert   strainulCamus, albert   strainul
Camus, albert strainul
 
Pwc hri-primary-care-new-economy-2016
Pwc hri-primary-care-new-economy-2016Pwc hri-primary-care-new-economy-2016
Pwc hri-primary-care-new-economy-2016
 
Deporteyvalores 131114154545-phpapp01
Deporteyvalores 131114154545-phpapp01Deporteyvalores 131114154545-phpapp01
Deporteyvalores 131114154545-phpapp01
 
Catherine Peterson_Resume_VFM
Catherine Peterson_Resume_VFMCatherine Peterson_Resume_VFM
Catherine Peterson_Resume_VFM
 
Blade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive Maintenance
Blade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive MaintenanceBlade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive Maintenance
Blade Assets – Extend Life and Reduce Risks with Proactive Maintenance
 
Instrumentos de evaluación (tema 4)
Instrumentos de evaluación (tema 4)Instrumentos de evaluación (tema 4)
Instrumentos de evaluación (tema 4)
 
תמונות מן העולם
תמונות מן העולםתמונות מן העולם
תמונות מן העולם
 
Mysql Introduzione
Mysql IntroduzioneMysql Introduzione
Mysql Introduzione
 
Steve Resume
Steve ResumeSteve Resume
Steve Resume
 
Cronologia do Transporte na Cidade de SP
Cronologia do Transporte na Cidade de SPCronologia do Transporte na Cidade de SP
Cronologia do Transporte na Cidade de SP
 
4. Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...
4.	Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...4.	Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...
4. Identificación de áreas de actuación prioritaria y mejora para optimizar l...
 
Notas de didáctica final
Notas de didáctica finalNotas de didáctica final
Notas de didáctica final
 
Gestao do s ac interno
Gestao do s ac internoGestao do s ac interno
Gestao do s ac interno
 
Victoria school district-student transferprocess
Victoria school district-student transferprocessVictoria school district-student transferprocess
Victoria school district-student transferprocess
 
A Peek into the Future of Mobile-Enabled Health Care
A Peek into the Future of Mobile-Enabled Health CareA Peek into the Future of Mobile-Enabled Health Care
A Peek into the Future of Mobile-Enabled Health Care
 
16 presentation 715 s-15
16 presentation 715 s-1516 presentation 715 s-15
16 presentation 715 s-15
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
Nathan A. Beesley
Nathan A. BeesleyNathan A. Beesley
Nathan A. Beesley
 
Особенности и возможности поиска Целевой Аудитории Вконтакте
Особенности и возможности поиска Целевой Аудитории ВконтактеОсобенности и возможности поиска Целевой Аудитории Вконтакте
Особенности и возможности поиска Целевой Аудитории Вконтакте
 

Semelhante a Acordao 2013 bordignon

Recurso especial de João Cahúlla
Recurso especial de João CahúllaRecurso especial de João Cahúlla
Recurso especial de João Cahúlla
Portal Brasileiro Nato
 
Docs indef colig11 maj
Docs indef colig11 majDocs indef colig11 maj
Docs indef colig11 maj
Francisco Luz
 
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian brunoSentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
douglasvelasques
 
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de PedraVeja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Jamildo Melo
 
Justiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciários
Justiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciáriosJustiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciários
Justiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciários
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São LourençoMPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
Portal NE10
 
Sentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outros
Sentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outrosSentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outros
Sentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outros
Claudio Osti
 
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedênciaSentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Murilo Pinto
 
Machadinho
MachadinhoMachadinho
Ação de improbidade prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...
Ação de improbidade   prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...Ação de improbidade   prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...
Ação de improbidade prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...
Eduardo Sens Dos Santos
 
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São LourençoMPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
Portal NE10
 
Decisão (1).pdf
Decisão (1).pdfDecisão (1).pdf
Decisão (1).pdf
blogdoelvis
 
TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...
TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...
TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...
Luiz F T Siqueira
 
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptistaPre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Francisco Luz
 
Supremo
SupremoSupremo
Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1
Ministério Público de Santa Catarina
 
0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...
0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...
0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...
Ministério Público de Santa Catarina
 
9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...
9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...
9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...
Ministério Público de Santa Catarina
 
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicosSTF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
R7dados
 

Semelhante a Acordao 2013 bordignon (20)

Recurso especial de João Cahúlla
Recurso especial de João CahúllaRecurso especial de João Cahúlla
Recurso especial de João Cahúlla
 
Docs indef colig11 maj
Docs indef colig11 majDocs indef colig11 maj
Docs indef colig11 maj
 
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian brunoSentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
 
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de PedraVeja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
 
Justiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciários
Justiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciáriosJustiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciários
Justiça determina suspensão da greve dos agentes penitenciários
 
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
 
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São LourençoMPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
 
Sentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outros
Sentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outrosSentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outros
Sentença que condena Antonio Belinati, Antonio Carlos Belinati e outros
 
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedênciaSentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
 
Machadinho
MachadinhoMachadinho
Machadinho
 
Ação de improbidade prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...
Ação de improbidade   prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...Ação de improbidade   prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...
Ação de improbidade prefeito - adriano dill - cessão de uso - sem licitação...
 
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São LourençoMPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
MPPE pede novo afastamento do prefeito de São Lourenço
 
Decisão (1).pdf
Decisão (1).pdfDecisão (1).pdf
Decisão (1).pdf
 
TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...
TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...
TST - Contrato administrativo entre ente público e servidor temporário - Inco...
 
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptistaPre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
 
Supremo
SupremoSupremo
Supremo
 
Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1
 
0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...
0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...
0003348 43.2009.8.24.0074 - r esp - moralidade - reexame necessario - fraude ...
 
9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...
9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...
9149179 21.2014.8.24.0000 - re - constitucionalidade - concessao onibus joinv...
 
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicosSTF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
 

Mais de Polibio Braga

Programas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscalProgramas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscal
Polibio Braga
 
Continuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista épocaContinuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista época
Polibio Braga
 
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
Polibio Braga
 
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27   a entrevista suburbana da mpfCapítulo 27   a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
Polibio Braga
 
Deputado
Deputado Deputado
Deputado
Polibio Braga
 
Edital brde
Edital brdeEdital brde
Edital brde
Polibio Braga
 
Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...
Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...
Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...
Polibio Braga
 
Mensagem para 2014
Mensagem para 2014Mensagem para 2014
Mensagem para 2014
Polibio Braga
 
Relatóriofinalc pi 2-1
Relatóriofinalc pi   2-1Relatóriofinalc pi   2-1
Relatóriofinalc pi 2-1
Polibio Braga
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
Polibio Braga
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
Polibio Braga
 
Proposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituiçãoProposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituição
Polibio Braga
 
06 de março de 2014
06 de março de 201406 de março de 2014
06 de março de 2014
Polibio Braga
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
Polibio Braga
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
Polibio Braga
 
Declaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuelaDeclaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuela
Polibio Braga
 
Sartori
SartoriSartori
Sartori
Polibio Braga
 
Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70
Polibio Braga
 
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012
Polibio Braga
 
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Polibio Braga
 

Mais de Polibio Braga (20)

Programas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscalProgramas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscal
 
Continuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista épocaContinuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista época
 
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
 
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27   a entrevista suburbana da mpfCapítulo 27   a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
 
Deputado
Deputado Deputado
Deputado
 
Edital brde
Edital brdeEdital brde
Edital brde
 
Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...
Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...
Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a l...
 
Mensagem para 2014
Mensagem para 2014Mensagem para 2014
Mensagem para 2014
 
Relatóriofinalc pi 2-1
Relatóriofinalc pi   2-1Relatóriofinalc pi   2-1
Relatóriofinalc pi 2-1
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
 
Proposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituiçãoProposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituição
 
06 de março de 2014
06 de março de 201406 de março de 2014
06 de março de 2014
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
 
Declaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuelaDeclaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuela
 
Sartori
SartoriSartori
Sartori
 
Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70
 
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012
 
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
 

Acordao 2013 bordignon

  • 1. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL IMPROBIDADE. CONTRATAÇÃO DE PROCURADORES. CARGOS TEMPORÁRIOS. CONCURSO. Existindo concurso vigente não pode o administrador simplesmente efetuar a contratação de outros em face de lei que permite a contratação emergencial. Vontade deliberada em frustrar a ordem dos aprovados no concurso público. Improbidade caracterizada. Negado provimento ao recurso. APELAÇÃO CÍVEL Nº 70046166104 (N° CNJ: 054940470.2011.8.21.7000) VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL - SERVIÇO DE APOIO À JURISDIÇÃO COMARCA DE GRAVATAÍ DANIEL LUIZ BORDIGNON MINISTERIO PUBLICO APELANTE APELADO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos os autos. Acordam os Magistrados integrantes da Vigésima Segunda Câmara Cível - Serviço de Apoio à Jurisdição do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. Custas na forma da lei. Participaram do julgamento, além do signatário, as eminentes Senhoras DES.ª MARIA ISABEL DE AZEVEDO SOUZA (PRESIDENTE E REVISORA) E DES.ª DENISE OLIVEIRA CEZAR. Porto Alegre, 24 de outubro de 2013. DR. EDUARDO KRAEMER, 1
  • 2. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL Relator. RELATÓRIO DR. EDUARDO KRAEMER (RELATOR) Trata-se de Ação Civil Pública por Atos de Improbidade Administrativa ajuizada pelo Ministério Público em face de Daniel Luiz Bordignon, então prefeito de Gravataí. Descreve a inicial que em 24 de julho de 1998 a Prefeitura Municipal de Gravataí publicou edital para realização de concurso público para provimento de 10 cargos de Procurador do Município, entre outros. Refere que 206 candidatos foram aprovados. No entanto, em 09/06/2000 o candidato Félix Menger Monteiro, classificado em 12º lugar, declarou na Promotoria de Justiça que apenas oito candidatos foram convocados para assumir o cargo de procurador, tendo a Prefeitura contratado, após a realização do concurso, em caráter emergencial, duas pessoas para exercerem o cargo de Procurador do Município (Renata Costa de Cristo e Fabienne Fonseca). A Prefeitura teria informado a existência de 13 Procuradores lotados na Procuradoria Geral, sendo três exercendo cargo em comissão e duas contratadas em caráter emergencial (Renata Costa de Cristo e Fabienne Fonseca). Em 14/12/2000 a Prefeitura teria se manifestado pelo arquivamento do expediente alegando ter o administrador poder discricionário para a prática de atos conforme a conveniência e o interesse público (Lei 692 de 30/12/1991 – Estrutura Administrativa da Prefeitura de Gravataí e Lei 955 de 19/01/1995 – Cria e extingue cargos em comissão no quadro de pessoal da prefeitura Municipal de Gravataí). Aponta desvio de poder e finalidade, desrespeito às regras do concurso público e aos princípios da pessoalidade, igualdade, imparcialidade e moralidade administrativos, em afronta aos arts. 37 da CF e 4º da Lei 8.429/92. Enfatiza 2
  • 3. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL a necessidade de excepcional interesse público para contratação temporária em detrimento da convocação de candidatos aprovados em concurso. Afirma a inexistência de justificativa para tal, na hipótese, o que implica na incursão no art. 11 da Lei nº 8.429/92. Requer a imediata exoneração das pessoas que exerçam as funções de Procurador Municipal contratados em caráter temporário, a abstenção de novas contratações desta forma, o provimento imediato dos cargos existentes pelos candidatos aprovados em concurso, e ao final, a procedência da ação, para declarar os atos de improbidade, com as conseqüências devidas e a condenação ao pagamento de multa diária em caso de descumprimento dos pedidos realizados liminarmente. A julgadora a quo indeferiu a liminar, determinando a citação do réu (fls. 134/139). Após pedido de reconsideração do réu (fls. 140/142), a julgadora singular acatou parcialmente o pedido, abrindo prazo para o réu apresentar manifestação por escrito, nos termos da MP nº 2.225-45, de 2001 (fl. 144). O réu se manifestou, apresentando preliminar de ilegitimidade ativa do MP Estadual, sob o argumento de que os atos postulados são administrativos, não possuindo o MP legitimidade para tais. Destaca o art. 129 da CF, que descreve as funções do MP. Afirma que não se trata de proteção de interesse difuso e nem coletivo. No mérito, sustenta que os atos por si praticados jamais podem ser considerados como ímprobos, uma vez que realizados: a) para dar cumprimentos aos limites de gastos fixados na Lei de Responsabilidade Fiscal; b) com autorização legal; c) com discricionariedade na escolha da melhor política para o Município. Ressalta a inexistência de agir doloso, elemento indispensável para a procedência de ação civil pública com fundamento no art. 11 da lei nº 8.429/92. Postula a 3
  • 4. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL rejeição da ação civil pública por ilegitimidade e, caso não acolhida, pelas questões de mérito expostas (fls.151/173). O Ministério público apresentou réplica ás fls. 178/182. A inicial foi recebida pela julgadora singular (fl. 182v.). Contra esta decisão foi interposto agravo de instrumento, que teve o seguimento negado (fls. 344/347 e 349/354). Opostos Embargos de Declaração, foram desacolhidos (fls. 356/358). Interposto Recurso Especial, este também teve o seguimento negado (fls. 362/363). Interposto Agravo de Instrumento, foi negado provimento (fl. 369), tendo a decisão transitada em julgado (fl. 371). O réu ofereceu contestação, reiterando os argumentos expostos na manifestação prévia. Requer o julgamento de improcedência (fls. 184/104). Juntaram documentos, como portarias de nomeação (fls. 205/208), demonstrativo da execução orçamentária do município (fl. 210), expediente de rescisão e documentos relacionados (fls. 210/214). Ainda, trouxe a Lei nº 1.047/1996 (Autoriza a contratação de pessoal para áreas essenciais, por tempos determinado, para atender necessidade temporária de excepcional interesse público - fls. 215/216), a Lei nº 1.091/1996 (Prorroga prazo dos contratos administrativos de pessoal temporário – fl. 117), a Lei nº 1.195/1997, a Lei 1.306/1998, a Lei nº 1.359/1999 e a Lei 1.529/2000 (Autorizam a prorrogação do prazo dos contratos administrativos de pessoal temporário) – fls. 218/223, bem como a Lei nº 1.650/2001 (Autoriza a contratação de pessoal, por tempo determinado, para atender necessidade temporária de excepcional interesse público – fls. 224/225. O Município de Gravataí foi incluído no pólo passivo e foi determinada a sua citação (fl. 305). O Município de Gravataí apresentou contestação apresentando preliminar de ilegitimidade ativa do MP, sob o argumento de que não se 4
  • 5. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL verificam interesses coletivos a serem tutelados. No mérito, defende a tese de ausência de prática de ato de improbidade administrativa (fls. 313/315). Foram apresentados memoriais às fls. 407/420, fls. 421/423 e 430/432. Foi proferida sentença de parcial procedência (fls. 435/442), para suspender os direitos políticos de DANIEL LUIZ BORDIGNON, proibindo-o de contratar com o poder público ou receber incentivos ou benefícios fiscais ou creditícios, pelo prazo de 03 (três anos), nos termos do art. 12, III, da Lei nº 8.429/92. O réu foi condenado ao pagamento de 70% das custas. Inconformado com a decisão recorre o demandado (fls. 445/481). Preliminarmente, discorre sobre a Reclamação nº 2.138 do STF, cujo acórdão foi publicado em 18/04/2008, que tem como fundamento ideológico a afirmação de que o regime de responsabilidade estabelecido no art. 37, §4º da CF é regulado pela Lei 8.429/92, enquanto o regime de responsabilidade fixado no art. 102, I, c é disciplinado pela Lei 1.079/50. Aduz que o STF decidiu que os agentes políticos, por estarem regidos por normas especiais de responsabilidade, não respondem por ato de improbidade com base na Lei 8.429/92, mas sim por crime de responsabilidade. Cita o voto de divergência do então Ministro Carlos Velloso, afirmando que o agente político só será demandado por improbidade administrativa se o ato não estiver tipificado como crime nas leis especiais e se estiver definido como de improbidade na Lei 8.429/92. Destaca o Agravo Regimental nº 579799/SP, julgado nesse sentido. Cita outros julgamentos do STJ e do TJRS no mesmo sentido. Quanto ao mérito, reitera os argumentos já explanados no decorrer do processo. Colaciona jurisprudência sobre a necessidade de inconstitucionalidade das leis autorizadoras e a necessidade de dolo do agente público. Por fim, ratifica 5
  • 6. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL que as contratações foram autorizadas por Lei Municipal, cujas autorizações são renovadas anualmente. Postula o provimento do recurso. O Ministério Público apresentou contrarrazões (fls. 503/526). O Ministério público se manifestou pelo desprovimento do recurso (fls. 530/531). É o relatório. VOTOS DR. EDUARDO KRAEMER (RELATOR) Em primeiro lugar necessário asseverar que conheço do recurso por que pertinente e tempestivo. Assim conheço a apelação. Examino o mérito. Em primeiro lugar examino a preliminar de aplicação da reclamação 2138, junto ao STF. Necessário em primeiro asseverar que a reclamação 2138/STF revela que a lei de improbidade não se aplica aos Ministros de Estado em face destes estar apenas sujeito ao regime de crimes de responsabilidade. Ademais, importante salientar, que a reclamação não apresenta efeito vinculante. Assim rejeito a aplicação da reclamação ao presente processo. A preliminar conhecida mas no mérito não provida. Relativamente ao mérito. A questão central do presente processo diz em verificar se a contratação emergencial de dois procuradores municipais – RENATA COSTA CHISTO, em 23 de dezembro de 1999(fl.117) e MARCHAL GUILHERME BRANDINI, em 09 de janeiro de 2001(fl.117). 6
  • 7. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL Constam às fl.102 as seguintes informações: - o concurso 03/1998 abriu vagas para dez cargos de PROCURADOR; - o prazo de validade do concurso é de 18 de dezembro de 2002. Existe ainda nos autos, fls. 104, a classificação final dos aprovados no concurso para PROCURADOR. A lei municipal 1047/96 permite a contratação de dois procuradores de forma temporária e com percepção de vencimentos semelhantes aos dos servidores (art. 4º). Reside a questão em verificar se existente concurso público para determinada função se revela possível a contratação emergencial sem caracterização de afronta aos princípios da legalidade. É evidente que a realização de concurso público não gera direito subjetivo a contratação. Igualmente que a assertiva tem um correspondente para a administração. Existindo aprovados em concurso não pode a administração contratar funcionários temporários objetivando exercer a mesma função. A questão é de eqüidade e preservação dos princípios elementares da administração pública. Não se revela admissível que se realize concurso público e o administrador em momento posterior venham, simplesmente, contratar qualquer pessoa da sociedade que não se sujeitou a concurso. Não resta dúvida que o réu efetuou contratações quando havia concurso. O argumento que existe lei permissiva em nada retira a vontade deliberada do réu em não observar aqueles que foram regularmente 7
  • 8. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL aprovados em concurso público. É notório que o dolo genérico exigido pela lei de improbidade se encontra presente na hipótese em julgamento. O réu simplesmente desconsiderou o concurso público e nomeou dois procuradores. Os argumentos deduzidos sejam na contestação ou nas razões de apelação não permitem justificar a contratação emergencial. Existindo concursados por que contratar terceiros sem concurso. Entende-se que o município não possa ficar sem procuradores mas não pode simplesmente contratar aqueles sem concurso em detrimento aos que se submeteram ao certame público. A lei municipal não logra legitimar tais contratações. Eventual necessidade poderia ser tranquilamente suprida pelos aprovados no concurso público. Cabalmente demonstrado nos autos a vontade deliberada de não contratar os concursados. Os diversos argumentos utilizados buscando afastar a caracterização de improbidade não merecem acolhimento. Assim a questão dos limites da lei de responsabilidade fiscal. Os pagamentos de servidor selecionado por concurso ou contratado de forma emergencial saíram da mesma rubrica orçamentária. Caso este argumento fosse acolhido não deveriam ser contratados qualquer funcionário. O aspecto da maior eficiência do procurador temporário, igualmente, não merece prosperar. O aspecto subjetivo é preponderante não devendo ser acolhido o argumento. Nestas circunstâncias não existe argumento que possa afastar a vontade deliberada do réu em não respeitar na contratação a lista dos 8
  • 9. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EK Nº 70046166104 (N° CNJ: 0549404-70.2011.8.21.7000) 2011/CÍVEL aprovados em concurso. As contratações temporárias, mesmo que admitidas por lei municipal, devem se submeter às regras previstas na Constituição Federal. Eventual urgência estaria suprida pela possibilidade de nomeação daqueles constantes na lista de aprovados. A contratação emergencial não pode ser vulgarizada sob pena de se criar nova forma de admissão no serviço público. Conforme já referido ao início desta fundamentação a Constituição Federal permite como forma de acesso preponderante o concurso público. Assim nenhum reparo merece a decisão de primeiro grau que deve ser mantida em sua integralidade. Voto, pois, pelo não provimento da apelação interposta. É o voto. DES.ª MARIA ISABEL DE AZEVEDO SOUZA (PRESIDENTE E REVISORA) - De acordo com o(a) Relator(a). DES.ª DENISE OLIVEIRA CEZAR - De acordo com o(a) Relator(a). DES.ª MARIA ISABEL DE AZEVEDO SOUZA - Presidente - Apelação Cível nº 70046166104, Comarca de Gravataí: "À UNANIMIDADE, NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO." Julgador(a) de 1º Grau: DULCE ANA GOMES OPPITZ 9