SlideShare uma empresa Scribd logo
DEPUTADO OSMAR TERRA E MÉDICO RONALDO LARANJEIRA LIDERAM
MANIFESTO CONTRA A LEGALIZAÇÃO DAS DROGAS NO BRASIL
Circula na internet um abaixo-assinado virtual contra a liberação de drogas no Brasil,
liderado pelo Instituto Padre Haroldo, de São Paulo, e elaborado pelo deputado federal
Osmar Terra (PMDB-RS) e pelo psiquiatra paulista Ronaldo Laranjeira, especialista no
tratamento da dependência química.
O documento está colhendo adesões e será encaminhado ao Congresso, para a expressar
a vontade popular contra qualquer projeto que vise a liberação das drogas no País. O texto é
o seguinte:
Por uma Política Antidrogas moderna, humana e baseada em evidências científicas
Estamos diante do maior problema de Saúde Pública e de Segurança existente, hoje, no
Brasil: a epidemia do uso de drogas. É tarefa de todos os brasileiros colaborar para que ela
seja enfrentada e reduzida. Nossa população, principalmente os milhões de jovens, mais
vulneráveis a este mal devastador, e suas famílias, podem e devem sonhar com um futuro
melhor para todos!
As entidades, instituições e individuos que subscrevem este documento uniram-se para
manifestar à Nação sua oposição à pretendida legalização das drogas em nosso país.
Individualmente, somos cientistas, profissionais da Saúde, parlamentares, religiosos,
comunicadores, professors e sobretudo pais, preocupados com o risco inerente à decisão de
se dar tratamento equivocado a uma gravíssima questão social. É o que vem acontecendo e é
o que certamente se agravará com tal estratégia, simplista na forma e danosa nas
consequências.
1. A alarmante situação brasileira
O consumo de drogas não é um mal que se restrinja somente aos usuários. As consequências
sociais, psicossociais e econômicas do consumo de drogas se multiplicam muito além deles.
No âmbito familiar, segundo dados recentemente divulgados pela Universidade Federal de
São Paulo, para cada dependente de drogas ilícitas existem, em média, mais quatro pessoas
afetadas de forma devastadora, comprometendo, em inúmeras dimensões, uma população de
quase 30 milhões de brasileiros. No âmbito social, parte substantiva da violência a que está
exposta nossa população guarda estreito vínculo causal com o consumo de drogas. E o
consumo vem aumentando continuamente no Brasil, ao longo dos últimos vinte anos! O
Conselho Internacional de Controle de Narcóticos, entidade ligada à ONU, emitiu relatório
informando que em apenas seis anos, entre 2005 e 2011, o consumo de cocaína, em nosso
país, avançou de 0,7% para 1,75% da população na faixa etária entre 12 e 65 anos. Isso
corresponde a uma adesão ao uso problemático e à dependência quatro vezes superior à
média mundial e 25% maior que a média da América do Sul.
Nesse cenário, há que sublinhar dois fatos irrecusáveis. De um lado, a enorme dificuldade,
em todos os níveis de governo, de eleger e adotar políticas que sejam efetivas, quer na
prevenção, quer no tratamento. De outro, essa ineficiência convive com verdadeiro lobby,
muito bem organizado, difundindo a ideia de que a melhor solução seria a completa
legalização de todas as drogas, começando pela maconha. Essa estratégia está muito
evidente. Primeiro se descrimina o uso, depois o "pequeno tráfico", em seguida se legaliza a
maconha para uso "medicinal" e recreativo, para finalmente legalizar todas as drogas.
Faz parte desse lobby pela legalização, o argumento de que o álcool e o tabaco, não obstante
causarem dependência e transtornos físicos e mentais, têm seu consumo legalizado. Então,
concluem - "Por que não legalizar as demais drogas?". Ora, fazê-lo seria andar na contramão
do bom senso e do que a experiência ensina em relação ao álcool e ao tabaco. Exatamente
por sabermos que ambos são danosos à saúde dos indivíduos e à saúde pública, os
signatários deste manifesto são favoráveis, também, ao aumento das restrições ao consumo
dessas duas substâncias.
A história do mundo, nos últimos 200 anos, é rica em exemplos de países que liberaram as
drogas aqui consideradas ilícitas, e sofreram verdadeiras tragédias sociais. Todos voltaram
atrás, sem exceção, e aumentaram o rigor no seu enfrentamento. A redução do número de
dependentes químicos e da mortalidade pela violência, só aconteceu nos países que trataram
essa questão com muito rigor!
2. Um debate falso e inútil
É preciso quebrar a polarização instalada no debate nacional e internacional sobre as
melhores políticas a serem adotadas para o controle das drogas ilícitas. Os defensores da
legalização creem que uma singela mudança legislativa seja o bastante para resolver tão
complexo problema. Os que optam pela repressão pura e simples, defendem uma solução
punitiva, dominantemente penal. Os primeiros querem só eliminar as penas. Os outros, só
endurecê-las. E ambos parecem convencidos de que isso baste.
Não bastará. Nenhuma dessas duas abordagens, é suficientemente humana, realista, efetiva,
ou se baseia nas melhores evidências científicas disponíveis. Vários países, como os Estados
Unidos, Reino Unido, Suécia, Itália, estão trilhando uma “terceira via” em relação ao
controle das drogas. Estabelecida a partir de evidências científicas, essa abordagem coloca
ênfase na prevenção e no tratamento.
O Brasil precisa mudar o falso dilema em que se digladiam as atuais abordagens do assunto.
Com esse intuito, propomos:
3. Os 10 princípios de uma boa política antidrogas
1º - Os Direitos Humanos são parte fundamental dessa política. Os cidadãos, em especial as
crianças, têm o direito de viver num ambiente seguro e livre de drogas, quer em sua família,
quer na comunidade.
2º - A redução do consumo de drogas nas comunidades deve estar no núcleo dessa política.
A melhor forma de reduzir os danos causados pelas drogas é reduzir o consumo. Em
epidemias virais, o mais importante é diminuir rapidamente a circulação do vírus. Vale o
mesmo para as drogas. Sem diminuir sua circulação nas ruas, os problemas só serão
agravados.
3° - O Brasil é o único país do mundo que faz fronteira - gigantesca fronteira! - com todos os
produtores de coca. Por isso, temos que ser muito mais rigorosos no controle que outros
países, para podermos diminuir a circulação e a oferta dessa destruidora mercadoria. Aderir à
facilidade de acesso ou dificultar a ação de combate ao tráfico agravará a situação e facilitará
o aumento da disponibilidade. E o consumo, inevitavelmente, crescerá. Para isso o uso e o
tráfico devem continuar sendo considerados crimes, e devem ser punidos. O primeiro com
penas alternativas, que podem incluir medidas com as da Justiça Terapêutica, e o segundo
com prisão prolongada.
4º - Uma boa política nacional em relação às drogas deve reconhecer que a dependência
química é uma doença crônica do cérebro, que deve ser tratada e, antes disso, prevenida.
Tanto a Saúde Pública quanto a Segurança Pública estabelecem ações complementares,
necessárias e que devem estar presentes.
5º - As atividades de Prevenção, Tratamento e os Serviços de Recuperação, devem integrar-
se no Sistema de Saúde pública. O SUS deve implementar práticas de tratamento baseadas
em evidências. E deve abandonar de vez a "redução de danos" como política única, tanto
para prevenção quanto para tratamento.
6º - Um plano de prevenção, municipalizado, deve proporcionar atendimento adequado. É
indispensável que sejam criados programas específicos, para todas as crianças e adolescentes
do país e, em especial, para grupos de risco, como são, por exemplo, os que abandonam
precocemente a escola. Os profissionais da Saúde e da Educação devem estar plenamente
capacitados para exercer atividades de prevenção e detecção precoce do uso.
7º - O que hoje é disponibilizado como sistema de tratamento é escasso e inadequado. Faz-se
necessário abandonar a exclusividade dos Centros de Atenção Psicossocial para Álcool e
Drogas (CAPS-AD) como a única alternativa de tratamento. O SUS deve financiar clinicas
de desintoxicação e as Comunidades Terapêuticas. O acesso ao tratamento de qualidade deve
ser direito de todo usuário do SUS. Sem isso, precisamente as famílias mais carentes de
recursos não têm como ser socorridas. As internações, voluntárias ou não, em locais
adequados, com critérios médicos competentes devem estar disponíveis a quem necessite, na
hora da necessidade.
8º - As famílias devem ter acesso a programas de orientação específicos, que proporcionem o
conhecimento dos meios de prevenção ao uso de substâncias. Pais, mães, avós, chefes de
família, devem ser os primeiros “agentes de prevenção”, a começar pelas substâncias lícitas,
como álcool e tabaco. Além disso, devem estar previamente informados sobre como lidar se
e quando algum de seus membros começar a usar drogas, bem como conhecer estratégias de
desestímulo ao consumo. É imprescindível o suporte do poder público e das comunidades
aos grupos de apoio que precisam tornar-se a primeira mão estendida para os familiares com
problemas.
9º - O sistema de recuperação social, ou seja, o conjunto das ações que devem acontecer após
a interrupção do uso não prescinde de amplo suporte estatal e social. São ações como as
levadas a cabo por Igrejas no apoio à recuperação e reinserção social, e pelos grupos de
ajuda mútua - Alcoólicos Anônimos (AA), Narcóticos Anônimos (NA), Amor Exigente
(AE). Tal apoio precisa abranger a reabilitação profissional das pessoas em recuperação.
10º - A rede de pequenos e médios traficantes ampliou-se enormemente nos últimos anos.
Faz-se urgente definir estratégias para desorganizá-la. Além das indispensáveis ações
policiais e penais, é preciso, no âmbito de cada município, monitorar a ação dos pequenos
traficantes. Os defensores da liberação confundem, intencionalmente, os pequenos traficantes
com os usuários. Defendem a retirada da pena de prisão para os primeiros, alegando serem
usuários que traficam para manter o vício. Ora, mais de 90% do tráfico que chega aos
consumidores é levado pelo pequeno traficante. A rede de pequenos e médios traficantes
ampliou-se enormemente nos últimos anos. Faz-se urgente definir estratégias para
desorganizá-la. É preciso, no âmbito de cada município, monitorar a ação dos pequenos
traficantes.
Se não for possível tirá-los das ruas, todo esforço para diminuir a oferta será inócuo. Esses
pequenos traficantes devem ser internados em unidades prisionais especiais, com tratamento
associado. Tirá-los da rua é essencial para desorganizar o tráfico e diminuir a circulação das
drogas.
Este é o .link onde se encontra o abaixo-assinado: http://chn.ge/1p91ce6
.......................................................................................................................
ASSESSORIA DE IMPRENSA DO DEPUTADO FEDERAL OSMAR TERRA(PMDB-RS)
Jornalista Paulo Burd – Reg. Prof. SRTE-RS n.º4-75
Fones: 051 3084.0822; 051 3084.0722 e 051 9999.0065

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Combater as drogas para recuperar a cidadania
Combater as drogas para recuperar a cidadaniaCombater as drogas para recuperar a cidadania
Combater as drogas para recuperar a cidadania
Gleisi Hoffmann
 
34 pos-grad
34 pos-grad34 pos-grad
34 pos-grad
annebraga
 
áLcool e outras drogas
áLcool e outras drogasáLcool e outras drogas
áLcool e outras drogas
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - FamíliaCartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Governo ES
 
disney
disneydisney
disney
eldermarins
 
Carta do-conjuve(diagramado) (1)
Carta do-conjuve(diagramado) (1)Carta do-conjuve(diagramado) (1)
Carta do-conjuve(diagramado) (1)
Danilo Carvalho Dankaba
 
I forum-sobre-o-crack[1]
I forum-sobre-o-crack[1]I forum-sobre-o-crack[1]
I forum-sobre-o-crack[1]
mariainesmachado
 
Cartilha alcool e jovens
Cartilha alcool e jovensCartilha alcool e jovens
Cartilha alcool e jovens
antonio-1968
 
Apostila tabagismo
Apostila   tabagismoApostila   tabagismo
Apostila tabagismo
karol_ribeiro
 
Patricia
PatriciaPatricia
Patricia
32162118
 
Álcool e drogas na Infância e Adolescência
Álcool e drogas na Infância e AdolescênciaÁlcool e drogas na Infância e Adolescência
Álcool e drogas na Infância e Adolescência
Gabriel Lopes
 
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção EscolarResumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
adlesig
 
Alcool e outras drogs cfp
Alcool e outras drogs cfpAlcool e outras drogs cfp
Alcool e outras drogs cfp
Aline Tonin Manso
 
Alcool crp sp
Alcool crp spAlcool crp sp
Alcool crp sp
Cayna Quintas
 
Unopar metodologia c.
Unopar metodologia c.Unopar metodologia c.
Unopar metodologia c.
Marcio2020lopes
 

Mais procurados (15)

Combater as drogas para recuperar a cidadania
Combater as drogas para recuperar a cidadaniaCombater as drogas para recuperar a cidadania
Combater as drogas para recuperar a cidadania
 
34 pos-grad
34 pos-grad34 pos-grad
34 pos-grad
 
áLcool e outras drogas
áLcool e outras drogasáLcool e outras drogas
áLcool e outras drogas
 
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - FamíliaCartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
 
disney
disneydisney
disney
 
Carta do-conjuve(diagramado) (1)
Carta do-conjuve(diagramado) (1)Carta do-conjuve(diagramado) (1)
Carta do-conjuve(diagramado) (1)
 
I forum-sobre-o-crack[1]
I forum-sobre-o-crack[1]I forum-sobre-o-crack[1]
I forum-sobre-o-crack[1]
 
Cartilha alcool e jovens
Cartilha alcool e jovensCartilha alcool e jovens
Cartilha alcool e jovens
 
Apostila tabagismo
Apostila   tabagismoApostila   tabagismo
Apostila tabagismo
 
Patricia
PatriciaPatricia
Patricia
 
Álcool e drogas na Infância e Adolescência
Álcool e drogas na Infância e AdolescênciaÁlcool e drogas na Infância e Adolescência
Álcool e drogas na Infância e Adolescência
 
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção EscolarResumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
 
Alcool e outras drogs cfp
Alcool e outras drogs cfpAlcool e outras drogs cfp
Alcool e outras drogs cfp
 
Alcool crp sp
Alcool crp spAlcool crp sp
Alcool crp sp
 
Unopar metodologia c.
Unopar metodologia c.Unopar metodologia c.
Unopar metodologia c.
 

Semelhante a Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a legalização das drogas no brasil

Drogas
DrogasDrogas
Drogas
Marina Sousa
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
Alinebrauna Brauna
 
Redução de danos
Redução de danosRedução de danos
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
Renata Oliveira
 
Diz Jornal - Edição 183
Diz Jornal - Edição 183Diz Jornal - Edição 183
Diz Jornal - Edição 183
dizjornal jornal
 
Cartilha sobretabaco
Cartilha sobretabacoCartilha sobretabaco
Cartilha sobretabaco
Geraldo Souza
 
Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem
Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem
Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem
kickbeggar3
 
Drogas cartilha sobre maconha, cocaina e inalantes
Drogas   cartilha sobre maconha, cocaina e inalantesDrogas   cartilha sobre maconha, cocaina e inalantes
Drogas cartilha sobre maconha, cocaina e inalantes
José Ripardo
 
Cartilha sobre maconha cocaina inalantes
Cartilha sobre maconha cocaina inalantesCartilha sobre maconha cocaina inalantes
Cartilha sobre maconha cocaina inalantes
Luana Gomes
 
Cartilha sobremaconhacocainainalantes
Cartilha sobremaconhacocainainalantesCartilha sobremaconhacocainainalantes
Cartilha sobremaconhacocainainalantes
Geraldo Souza
 
Abordagem e Tratamento do Fumante
Abordagem e Tratamento do FumanteAbordagem e Tratamento do Fumante
Abordagem e Tratamento do Fumante
Célia Costa
 
Livremente.
Livremente.Livremente.
Livremente.
Stephanie Ribeiro
 
FREEMIND - RICARDO MONTEIRO
FREEMIND - RICARDO MONTEIROFREEMIND - RICARDO MONTEIRO
FREEMIND - RICARDO MONTEIRO
Congresso Freemind
 
Institutional freemind drugs free world
Institutional freemind drugs free worldInstitutional freemind drugs free world
Institutional freemind drugs free world
oficinamkt
 
Cartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogasCartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogas
Alinebrauna Brauna
 
Cartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre DrogasCartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre Drogas
Marina-Rosado
 
Projeto DROGAS
Projeto DROGASProjeto DROGAS
Projeto DROGAS
Alinebrauna Brauna
 
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha   drogas - maconha cocaína e inalantesCartilha   drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
karol_ribeiro
 
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha   drogas - maconha cocaína e inalantesCartilha   drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
karol_ribeiro
 
DEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICA
DEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICADEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICA
DEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICA
Prisca85
 

Semelhante a Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a legalização das drogas no brasil (20)

Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Redução de danos
Redução de danosRedução de danos
Redução de danos
 
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
 
Diz Jornal - Edição 183
Diz Jornal - Edição 183Diz Jornal - Edição 183
Diz Jornal - Edição 183
 
Cartilha sobretabaco
Cartilha sobretabacoCartilha sobretabaco
Cartilha sobretabaco
 
Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem
Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem
Uma Abordagem Na Visão Da Enfermagem
 
Drogas cartilha sobre maconha, cocaina e inalantes
Drogas   cartilha sobre maconha, cocaina e inalantesDrogas   cartilha sobre maconha, cocaina e inalantes
Drogas cartilha sobre maconha, cocaina e inalantes
 
Cartilha sobre maconha cocaina inalantes
Cartilha sobre maconha cocaina inalantesCartilha sobre maconha cocaina inalantes
Cartilha sobre maconha cocaina inalantes
 
Cartilha sobremaconhacocainainalantes
Cartilha sobremaconhacocainainalantesCartilha sobremaconhacocainainalantes
Cartilha sobremaconhacocainainalantes
 
Abordagem e Tratamento do Fumante
Abordagem e Tratamento do FumanteAbordagem e Tratamento do Fumante
Abordagem e Tratamento do Fumante
 
Livremente.
Livremente.Livremente.
Livremente.
 
FREEMIND - RICARDO MONTEIRO
FREEMIND - RICARDO MONTEIROFREEMIND - RICARDO MONTEIRO
FREEMIND - RICARDO MONTEIRO
 
Institutional freemind drugs free world
Institutional freemind drugs free worldInstitutional freemind drugs free world
Institutional freemind drugs free world
 
Cartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogasCartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogas
 
Cartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre DrogasCartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre Drogas
 
Projeto DROGAS
Projeto DROGASProjeto DROGAS
Projeto DROGAS
 
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha   drogas - maconha cocaína e inalantesCartilha   drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
 
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha   drogas - maconha cocaína e inalantesCartilha   drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
 
DEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICA
DEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICADEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICA
DEPENDENCIA QUIMICA: ACAO PEDAGOGICA
 

Mais de Polibio Braga

Programas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscalProgramas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscal
Polibio Braga
 
Continuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista épocaContinuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista época
Polibio Braga
 
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
Polibio Braga
 
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27   a entrevista suburbana da mpfCapítulo 27   a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
Polibio Braga
 
Deputado
Deputado Deputado
Deputado
Polibio Braga
 
Edital brde
Edital brdeEdital brde
Edital brde
Polibio Braga
 
Mensagem para 2014
Mensagem para 2014Mensagem para 2014
Mensagem para 2014
Polibio Braga
 
Relatóriofinalc pi 2-1
Relatóriofinalc pi   2-1Relatóriofinalc pi   2-1
Relatóriofinalc pi 2-1
Polibio Braga
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
Polibio Braga
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
Polibio Braga
 
Proposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituiçãoProposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituiçãoPolibio Braga
 
06 de março de 2014
06 de março de 201406 de março de 2014
06 de março de 2014
Polibio Braga
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
Polibio Braga
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
Polibio Braga
 
Declaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuelaDeclaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuela
Polibio Braga
 
Sartori
SartoriSartori
Sartori
Polibio Braga
 
Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70
Polibio Braga
 
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012Polibio Braga
 
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Polibio Braga
 
Rede elétrica pisca
Rede elétrica piscaRede elétrica pisca
Rede elétrica piscaPolibio Braga
 

Mais de Polibio Braga (20)

Programas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscalProgramas de ajuste fiscal
Programas de ajuste fiscal
 
Continuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista épocaContinuação da reportagem da revista época
Continuação da reportagem da revista época
 
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia9 jornal o sul 27 03 14    operações das polícias matam cinco pessoas por dia
9 jornal o sul 27 03 14 operações das polícias matam cinco pessoas por dia
 
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27   a entrevista suburbana da mpfCapítulo 27   a entrevista suburbana da mpf
Capítulo 27 a entrevista suburbana da mpf
 
Deputado
Deputado Deputado
Deputado
 
Edital brde
Edital brdeEdital brde
Edital brde
 
Mensagem para 2014
Mensagem para 2014Mensagem para 2014
Mensagem para 2014
 
Relatóriofinalc pi 2-1
Relatóriofinalc pi   2-1Relatóriofinalc pi   2-1
Relatóriofinalc pi 2-1
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
 
Proposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituiçãoProposta de emenda à constituição
Proposta de emenda à constituição
 
06 de março de 2014
06 de março de 201406 de março de 2014
06 de março de 2014
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
 
Vivemos
VivemosVivemos
Vivemos
 
Declaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuelaDeclaração conjunta sobre a venezuela
Declaração conjunta sobre a venezuela
 
Sartori
SartoriSartori
Sartori
 
Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70Atualmente mais de 70
Atualmente mais de 70
 
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012Parecer aprovado na ccj   pec 33 de 2012
Parecer aprovado na ccj pec 33 de 2012
 
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
Redeeltricapisca 140221134406-phpapp01
 
Rede elétrica pisca
Rede elétrica piscaRede elétrica pisca
Rede elétrica pisca
 

Deputado osmar terra e médico ronaldo laranjeira lideram manifesto contra a legalização das drogas no brasil

  • 1. DEPUTADO OSMAR TERRA E MÉDICO RONALDO LARANJEIRA LIDERAM MANIFESTO CONTRA A LEGALIZAÇÃO DAS DROGAS NO BRASIL Circula na internet um abaixo-assinado virtual contra a liberação de drogas no Brasil, liderado pelo Instituto Padre Haroldo, de São Paulo, e elaborado pelo deputado federal Osmar Terra (PMDB-RS) e pelo psiquiatra paulista Ronaldo Laranjeira, especialista no tratamento da dependência química. O documento está colhendo adesões e será encaminhado ao Congresso, para a expressar a vontade popular contra qualquer projeto que vise a liberação das drogas no País. O texto é o seguinte: Por uma Política Antidrogas moderna, humana e baseada em evidências científicas Estamos diante do maior problema de Saúde Pública e de Segurança existente, hoje, no Brasil: a epidemia do uso de drogas. É tarefa de todos os brasileiros colaborar para que ela seja enfrentada e reduzida. Nossa população, principalmente os milhões de jovens, mais vulneráveis a este mal devastador, e suas famílias, podem e devem sonhar com um futuro melhor para todos! As entidades, instituições e individuos que subscrevem este documento uniram-se para manifestar à Nação sua oposição à pretendida legalização das drogas em nosso país. Individualmente, somos cientistas, profissionais da Saúde, parlamentares, religiosos, comunicadores, professors e sobretudo pais, preocupados com o risco inerente à decisão de se dar tratamento equivocado a uma gravíssima questão social. É o que vem acontecendo e é o que certamente se agravará com tal estratégia, simplista na forma e danosa nas consequências. 1. A alarmante situação brasileira O consumo de drogas não é um mal que se restrinja somente aos usuários. As consequências sociais, psicossociais e econômicas do consumo de drogas se multiplicam muito além deles. No âmbito familiar, segundo dados recentemente divulgados pela Universidade Federal de São Paulo, para cada dependente de drogas ilícitas existem, em média, mais quatro pessoas afetadas de forma devastadora, comprometendo, em inúmeras dimensões, uma população de quase 30 milhões de brasileiros. No âmbito social, parte substantiva da violência a que está exposta nossa população guarda estreito vínculo causal com o consumo de drogas. E o
  • 2. consumo vem aumentando continuamente no Brasil, ao longo dos últimos vinte anos! O Conselho Internacional de Controle de Narcóticos, entidade ligada à ONU, emitiu relatório informando que em apenas seis anos, entre 2005 e 2011, o consumo de cocaína, em nosso país, avançou de 0,7% para 1,75% da população na faixa etária entre 12 e 65 anos. Isso corresponde a uma adesão ao uso problemático e à dependência quatro vezes superior à média mundial e 25% maior que a média da América do Sul. Nesse cenário, há que sublinhar dois fatos irrecusáveis. De um lado, a enorme dificuldade, em todos os níveis de governo, de eleger e adotar políticas que sejam efetivas, quer na prevenção, quer no tratamento. De outro, essa ineficiência convive com verdadeiro lobby, muito bem organizado, difundindo a ideia de que a melhor solução seria a completa legalização de todas as drogas, começando pela maconha. Essa estratégia está muito evidente. Primeiro se descrimina o uso, depois o "pequeno tráfico", em seguida se legaliza a maconha para uso "medicinal" e recreativo, para finalmente legalizar todas as drogas. Faz parte desse lobby pela legalização, o argumento de que o álcool e o tabaco, não obstante causarem dependência e transtornos físicos e mentais, têm seu consumo legalizado. Então, concluem - "Por que não legalizar as demais drogas?". Ora, fazê-lo seria andar na contramão do bom senso e do que a experiência ensina em relação ao álcool e ao tabaco. Exatamente por sabermos que ambos são danosos à saúde dos indivíduos e à saúde pública, os signatários deste manifesto são favoráveis, também, ao aumento das restrições ao consumo dessas duas substâncias. A história do mundo, nos últimos 200 anos, é rica em exemplos de países que liberaram as drogas aqui consideradas ilícitas, e sofreram verdadeiras tragédias sociais. Todos voltaram atrás, sem exceção, e aumentaram o rigor no seu enfrentamento. A redução do número de dependentes químicos e da mortalidade pela violência, só aconteceu nos países que trataram essa questão com muito rigor! 2. Um debate falso e inútil É preciso quebrar a polarização instalada no debate nacional e internacional sobre as melhores políticas a serem adotadas para o controle das drogas ilícitas. Os defensores da legalização creem que uma singela mudança legislativa seja o bastante para resolver tão complexo problema. Os que optam pela repressão pura e simples, defendem uma solução punitiva, dominantemente penal. Os primeiros querem só eliminar as penas. Os outros, só
  • 3. endurecê-las. E ambos parecem convencidos de que isso baste. Não bastará. Nenhuma dessas duas abordagens, é suficientemente humana, realista, efetiva, ou se baseia nas melhores evidências científicas disponíveis. Vários países, como os Estados Unidos, Reino Unido, Suécia, Itália, estão trilhando uma “terceira via” em relação ao controle das drogas. Estabelecida a partir de evidências científicas, essa abordagem coloca ênfase na prevenção e no tratamento. O Brasil precisa mudar o falso dilema em que se digladiam as atuais abordagens do assunto. Com esse intuito, propomos: 3. Os 10 princípios de uma boa política antidrogas 1º - Os Direitos Humanos são parte fundamental dessa política. Os cidadãos, em especial as crianças, têm o direito de viver num ambiente seguro e livre de drogas, quer em sua família, quer na comunidade. 2º - A redução do consumo de drogas nas comunidades deve estar no núcleo dessa política. A melhor forma de reduzir os danos causados pelas drogas é reduzir o consumo. Em epidemias virais, o mais importante é diminuir rapidamente a circulação do vírus. Vale o mesmo para as drogas. Sem diminuir sua circulação nas ruas, os problemas só serão agravados. 3° - O Brasil é o único país do mundo que faz fronteira - gigantesca fronteira! - com todos os produtores de coca. Por isso, temos que ser muito mais rigorosos no controle que outros países, para podermos diminuir a circulação e a oferta dessa destruidora mercadoria. Aderir à facilidade de acesso ou dificultar a ação de combate ao tráfico agravará a situação e facilitará o aumento da disponibilidade. E o consumo, inevitavelmente, crescerá. Para isso o uso e o tráfico devem continuar sendo considerados crimes, e devem ser punidos. O primeiro com penas alternativas, que podem incluir medidas com as da Justiça Terapêutica, e o segundo com prisão prolongada. 4º - Uma boa política nacional em relação às drogas deve reconhecer que a dependência química é uma doença crônica do cérebro, que deve ser tratada e, antes disso, prevenida. Tanto a Saúde Pública quanto a Segurança Pública estabelecem ações complementares, necessárias e que devem estar presentes. 5º - As atividades de Prevenção, Tratamento e os Serviços de Recuperação, devem integrar- se no Sistema de Saúde pública. O SUS deve implementar práticas de tratamento baseadas
  • 4. em evidências. E deve abandonar de vez a "redução de danos" como política única, tanto para prevenção quanto para tratamento. 6º - Um plano de prevenção, municipalizado, deve proporcionar atendimento adequado. É indispensável que sejam criados programas específicos, para todas as crianças e adolescentes do país e, em especial, para grupos de risco, como são, por exemplo, os que abandonam precocemente a escola. Os profissionais da Saúde e da Educação devem estar plenamente capacitados para exercer atividades de prevenção e detecção precoce do uso. 7º - O que hoje é disponibilizado como sistema de tratamento é escasso e inadequado. Faz-se necessário abandonar a exclusividade dos Centros de Atenção Psicossocial para Álcool e Drogas (CAPS-AD) como a única alternativa de tratamento. O SUS deve financiar clinicas de desintoxicação e as Comunidades Terapêuticas. O acesso ao tratamento de qualidade deve ser direito de todo usuário do SUS. Sem isso, precisamente as famílias mais carentes de recursos não têm como ser socorridas. As internações, voluntárias ou não, em locais adequados, com critérios médicos competentes devem estar disponíveis a quem necessite, na hora da necessidade. 8º - As famílias devem ter acesso a programas de orientação específicos, que proporcionem o conhecimento dos meios de prevenção ao uso de substâncias. Pais, mães, avós, chefes de família, devem ser os primeiros “agentes de prevenção”, a começar pelas substâncias lícitas, como álcool e tabaco. Além disso, devem estar previamente informados sobre como lidar se e quando algum de seus membros começar a usar drogas, bem como conhecer estratégias de desestímulo ao consumo. É imprescindível o suporte do poder público e das comunidades aos grupos de apoio que precisam tornar-se a primeira mão estendida para os familiares com problemas. 9º - O sistema de recuperação social, ou seja, o conjunto das ações que devem acontecer após a interrupção do uso não prescinde de amplo suporte estatal e social. São ações como as levadas a cabo por Igrejas no apoio à recuperação e reinserção social, e pelos grupos de ajuda mútua - Alcoólicos Anônimos (AA), Narcóticos Anônimos (NA), Amor Exigente (AE). Tal apoio precisa abranger a reabilitação profissional das pessoas em recuperação. 10º - A rede de pequenos e médios traficantes ampliou-se enormemente nos últimos anos. Faz-se urgente definir estratégias para desorganizá-la. Além das indispensáveis ações policiais e penais, é preciso, no âmbito de cada município, monitorar a ação dos pequenos traficantes. Os defensores da liberação confundem, intencionalmente, os pequenos traficantes
  • 5. com os usuários. Defendem a retirada da pena de prisão para os primeiros, alegando serem usuários que traficam para manter o vício. Ora, mais de 90% do tráfico que chega aos consumidores é levado pelo pequeno traficante. A rede de pequenos e médios traficantes ampliou-se enormemente nos últimos anos. Faz-se urgente definir estratégias para desorganizá-la. É preciso, no âmbito de cada município, monitorar a ação dos pequenos traficantes. Se não for possível tirá-los das ruas, todo esforço para diminuir a oferta será inócuo. Esses pequenos traficantes devem ser internados em unidades prisionais especiais, com tratamento associado. Tirá-los da rua é essencial para desorganizar o tráfico e diminuir a circulação das drogas. Este é o .link onde se encontra o abaixo-assinado: http://chn.ge/1p91ce6 ....................................................................................................................... ASSESSORIA DE IMPRENSA DO DEPUTADO FEDERAL OSMAR TERRA(PMDB-RS) Jornalista Paulo Burd – Reg. Prof. SRTE-RS n.º4-75 Fones: 051 3084.0822; 051 3084.0722 e 051 9999.0065